quarta-feira, 13 de abril de 2022

Não, o tanque não morreu na Ucrânia!

Do site Blablachars, 10 de abril de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de abril de 2022.

As operações realizadas pelo exército russo em território ucraniano trazem diariamente notícias e reportagens que levam a uma "análise" quase imediata por parte dos muitos especialistas convocados pela mídia por ocasião desse conflito que começou em 24 de fevereiro. Muitos desses comentários estão relacionados à (in)utilidade do tanque e ao anúncio de sua morte iminente, depois do adiamento obtido após o conflito de Nagorno Karabagh. Ao contrário das opiniões formuladas, o tanque não está morto na Ucrânia, o conflito atual fornece muitas lições cujas consequências podem influenciar diretamente a evolução do nosso exército. Para confirmar a relevância do uso do tanque nos conflitos modernos, é útil fazer uma leitura cuidadosa da avaliação das destruições sofridas pelas máquinas russas na Ucrânia, antes de fornecer alguns elementos de apreciação sobre o uso da munição anti-carro e conjecturar a origem das deficiências repetidamente mostradas pelas forças russas. Todas essas observações devem alimentar uma reflexão essencial para permitir que o Exército vislumbre as evoluções necessárias para o uso do tanque dentro de uma força blindada mecanizada.

A primeira observação pode ser feita após uma leitura cuidadosa da avaliação da destruição sofrida pelo exército russo. Com efeito, os números disponíveis mostram que outros tipos de unidades também sofreram perdas muito significativas em homens e materiais nesta ofensiva. Atuando na frente do dispositivo russo em apoio às unidades Spetsnaz, as unidades do VDV (Vozdouchno-Dessantnye Voïska) ou tropas aerotransportadas foram sistematicamente atacadas pelo fogo ucraniano. Equipadas com veículos blindados leves sobre rodas e lagartas, as unidades VDV envolvidas nas diversas operações sofreram pesadas baixas, como ilustram os resultados dos combates pela tentativa de conquista do aeroporto de Hostomel, próximo a Kiev. Durante esta operação foram destruídos 65 veículos blindados; os detalhes dessas destruições mostram 33 BMD-2, 5 BMD-4M, 5 BTR-MDM e 22 BTR-D destruídos. Esta avaliação precisa não menciona a destruição sofrida pelos outros veículos que equipam essas unidades, com cerca de vinte MRAP Typhoon e Linza destruídos, cerca de sessenta Tigr e Tigr-M perdidos e mais de vinte LMV Iveco. As perdas humanas ligadas a esta destruição fizeram da Ucrânia o "túmulo dos paraquedistas", segundo os termos da revista Raids em sua última edição dedicada à Ucrânia.

Guerra Total na Ucrânia.

BMD-4  da VDV em Hostomel.

Para se ter uma ideia exata da eficácia das forças ucranianas na luta contra os blindados russos, seria interessante conhecer com mais precisão a origem da destruição que poderia nos informar sobre a natureza dos armamentos utilizados para destruir as máquinas russas. A ausência deste tipo de dados e de quaisquer estatísticas torna, portanto, difícil formular uma opinião definitiva sobre a vulnerabilidade dos tanques cujas razões de perdas não podem ser estimadas corretamente. As estatísticas disponíveis, no entanto, mostram um desequilíbrio significativo entre o número de veículos blindados russos destruídos e o de munição antitanque usada desde o início das operações russas na Ucrânia. A obtenção de uma avaliação exata das perdas registradas pelas forças russas continua sendo difícil devido à importância da comunicação neste conflito. O número apresentado por vários meios de comunicação é de 586 tanques parados, dos quais uma pequena metade foi por tiro, os restantes foram abandonados e/ou capturados. Relativamente aos VCI, o número apresentado refere 447 máquinas fora de serviço, incluindo 284 destruídas. Se somarmos esses dois números, obtemos um total próximo a 500 veículos blindados de combate mecanizados atingidos por um tiro. A proporção de destruições realizadas pelos tanques ucranianos parecendo bastante fraca, tendo sido anunciado poucos combates de tanques, pode-se pensar que a grande maioria das máquinas destruídas foi por disparos de armas antitanque. A utilização massiva destes últimos exige várias reflexões, relacionadas com o seu número, a sua utilização e, em última análise, a sua eficácia.

A primeira questão que surge continua ligada ao volume de armamentos anti-carro entregues à Ucrânia desde os primeiros dias do conflito. Neste domínio, os números variam de acordo com as fontes mas algumas indicações permitem ter uma ideia bastante precisa do volume de armamento anti-carro entregue. De acordo com a Casa Branca, a Ucrânia recebeu 17.000 armas antitanque de países ocidentais desde o início do conflito, incluindo 2.600 mísseis FGM-148 Javelin cujas entregas à Ucrânia começaram há um ano. A Lockeed Martin, fabricante do Javelin, e o Pentágono anunciaram que os 6.000 exemplares a serem produzidos este ano não devem ser suficientes para reabastecer os estoques do exército americano e satisfazer os pedidos ucranianos, tendo o presidente ucraniano solicitado a entrega de 500 mísseis por dia. Esta situação, bem como o recente anúncio da Casa Branca de ajuda adicional de segurança de 800 milhões de dólares pode ser a razão para o aumento da taxa de produção desejada pela administração americana. Se mantivermos o número de 17.000 armas antitanque e o de 500 veículos (tanques e VCI destruídos), obtemos uma porcentagem de acertos ligeiramente inferior a 3% (2,94% exatamente). A cifra usada não inclui armas antitanque em serviço com o exército ucraniano antes do início do conflito e provavelmente usadas juntamente com armamentos estrangeiros.

Lista de mísseis anti-carro em serviço nas forças terrestres ucranianas.

Este número bastante baixo levanta a questão do uso dessas armas pelas forças ucranianas. Do ponto de vista técnico, os vários armamentos fornecidos requerem um mínimo de treinamento profissional antes do uso. Nesta área, vários meios de comunicação confirmaram a presença de forças estrangeiras clandestinas (SAS, Delta Force, etc.) em território ucraniano. Sua participação ativa em combate não sendo comprovada, essas forças podem estar disponíveis para treinar combatentes ucranianos na implementação desses sistemas de armas bastante complexos e caros. O último orçamento americano menciona um custo de 178.000 dólares para o posto de tiro (CLU, Command Launch Unit) e um míssil Javelin, enquanto um único míssil é estimado pelo Pentágono em 78.000 dólares. No nível tático, o uso total dessas armas não corresponde a nenhuma doutrina. Os puristas podem sentir que as doutrinas não têm mais lugar na guerra, apesar de sua utilidade para aumentar a eficácia das armas por meio do uso consistente. Essa falta de disciplina no emprego pode ser a causa de vários disparos no mesmo alvo ou um exagero de overkill, o que pode explicar o nível de destruição sofrido por determinados veículos. Embora se saiba que os tanques projetados na Rússia são mais vulneráveis ​​do que os ocidentais devido à presença de munição sob a torre, não é certo que um único projétil possa ser a causa dos danos visíveis em alguns tiros. Apesar de sua natureza confidencial e da dificuldade de obter uma visão precisa da causa exata da destruição sofrida pelos veículos blindados russos, é difícil decidir "ex abrupto" sobre o futuro do tanque nos conflitos modernos. O verdadeiro "dilúvio" de munição antitanque sublinha sobretudo a extrema vulnerabilidade dos veículos que carecem de qualquer sistema de proteção ativa eficaz (soft ou hard kill). Como os conflitos anteriores, a guerra na Ucrânia demonstra a importância das munições antitanque, sua proliferação (aqui organizada pelos partidários da Ucrânia) e nos assegura sua presença inevitável em um conflito futuro. Diante dessa ameaça, o tanque continua sendo a máquina mais eficaz para combater essas armas com a ajuda de soluções técnicas eficazes e o uso de táticas apropriadas.

Neste último domínio, as forças russas surpreenderam pela ausência quase permanente de qualquer plano tático, até os escalões mais baixos. Pode-se citar entre os erros mais visíveis, o caráter estático de determinados tanques, a adoção de dispositivos lineares, a ausência de medidas de salvaguarda quando em movimento e estacionário ou mesmo o isolamento de tanques em ações na área urbana. A relevância do emprego de blindados pesados ​​no teatro ucraniano só pode ser apreciada depois de levar em conta o aspecto essencial do combate blindado, ou seja, a tripulação. Neste ponto, é óbvio que o exército russo sofre com tripulações certamente mal treinadas e sobretudo pouco ou não treinadas. Seja qual for o nível tecnológico do tanque servido, a tripulação permanece no centro da ação e da implementação dos sistemas do veículo. A falta de cooperação em armas combinadas e mais particularmente a ausência de meios adequados (infantaria, engenheiros) nas operações em áreas urbanas revela a falta de eficiência do comando russo na criação de articulações adaptadas. Essa falta de “criatividade tática” pode ser explicada pelas dificuldades encontradas no campo do C4I, atrapalhando a divulgação da informação, a avaliação da situação pelos gestores táticos e sua capacidade de reação. É óbvio que essas falhas táticas prejudicam a eficiência geral do tanque, tendo o efeito de colocá-lo na maioria das vezes em uma situação de extrema vulnerabilidade. O fator humano que permanece no centro do combate blindado está aqui na origem do fracasso das formações blindadas russas na Ucrânia. O exército russo, que se pensava ser treinado e experiente em combate moderno, engajou máquinas servidas por tripulações apresentando deficiências muito significativas em termos de formação e treinamento, dentro de sistemas inexistentes ou inconsistentes. A falta de treinamento e motivação das tripulações russas também é atestada pelo número de máquinas abandonadas durante os combates. Todas essas falhas de origem humana causaram logicamente perdas significativas nas fileiras das formações blindadas russas e sublinharam a importância de ter tripulações treinadas e treinadas para enfrentar situações de combate.

Coluna de blindados russa emboscada.

Os diversos elementos mencionados nas linhas anteriores não devem ser considerados sob o prisma único do conflito atual, mas devem ser colocados em perspectiva para servir de lição e base para a organização dos exércitos modernos. A destruição de unidades paraquedistas equipadas com veículos blindados leves deve nos fazer pensar na relevância de equipar as forças com esse tipo de equipamento leve, cuja probabilidade de sobrevivência acaba sendo bastante pequena. O desejo americano de equipar as forças de reação com um poderoso meio de combate como o MPF (Mobile Protected Fire) parece ser uma solução coerente, o que também se reflete no interesse de muitos países pelos tanques leves. Este tipo de máquina, neste caso o SDM1-Sprut, não foi desdobrado na Ucrânia, provavelmente devido ao baixo número de máquinas em serviço. O equipamento de nossas brigadas leves baseadas no Serval e Jaguar pode precisar ser reconsiderado em vista das perdas sofridas pelas unidades aerotransportadas russas durante as primeiras horas de combate.

A proliferação de munição antitanque, mísseis e foguetes nos lembra mais uma vez da absoluta necessidade de um exército moderno ter meios de proteção para seus veículos blindados. Neste domínio, a França encontra-se numa situação delicada, depois de ter sido precursora nos anos 2010. Ainda há tempo para considerar a integração de um sistema de proteção ativa no Leclerc, pelo menos do tipo soft kill. O kit de vigilância perimetral Antares 360° equipado com detector a laser e acoplado a dois lançadores Galix contendo cada um quatro munições aumentaria a proteção do tanque enquanto aguarda-se a chegada do futuro sistema Prometeus. Parece ilusório pensar que o Leclerc poderá prescindir de tal sistema pelos quinze anos que nos separam da chegada do MGCS. O custo do recurso massivo e quase sistemático às várias armas antitanque deve também refletir-se na posse de sistemas muito eficientes mas muito dispendiosos, privando-nos da possibilidade de ter um número suficiente desses armamentos. Esta reflexão foi já iniciada na semana passada pelo CEO da MBDA durante a apresentação dos resultados anuais da empresa produtora do MMP, cujo custo unitário ronda os 250 mil euros.

No campo do treinamento, as deficiências do exército russo são gritantes e devem nos encorajar a refletir sobre o treinamento de nossas tripulações para torná-lo mais eficiente e eficaz. O primeiro fator que impactou fortemente as atividades de treinamento foi a implementação da PEGP (Política de Emprego e Gestão de Frotas) que teve como consequência imediata a retirada dos tanques dos regimentos e a desresponsabilização das tripulações, em agrupá-los nas diferentes parques criados para a ocasião. Quando conhecemos a ligação quase visceral dos tripulantes à sua máquina, o cuidado na realização das operações de manutenção e o conhecimento da máquina que estas permitem adquirir, parece óbvio que esta política contribuiu largamente para minar os alicerces das unidades blindadas. Essa medida permanente foi acompanhada de decisões pontuais que também levaram à redução do treinamento de nossas unidades, como a redução em um terço do volume de horas de treinamento entre 2019 e 2020, de 20.000 horas para 13.000 horas. No domínio do tiro, ainda que se ressalte a qualidade das ferramentas de simulação à disposição das tripulações, importa referir que um atirador não dispara nenhuma munição real durante o seu ciclo de formação no seu equipamento de pessoal, tendo que se contentar com munição de manejo que não contém ogiva. Essa prática financeiramente vantajosa equivale a privar as tripulações da possibilidade de disparar nas distâncias máximas de engajamento e de não dominar o uso das várias munições disponíveis. A estes vários fatores já desfavoráveis, convém acrescentar quanto ao resto do exército, as múltiplas restrições afastando por períodos mais ou menos longos as tripulações dos seus equipamentos de efetivos.

Se a falta de infantaria blindada mecanizada ao lado dos tanques russos que operam na Ucrânia se deve a fatores econômicos, para o exército francês a ausência de qualquer veículo de combate de infantaria sobre lagartas é de origem estrutural, consequência de escolhas sobre as quais o Blablachars já discutiu. As lições do conflito ucraniano devem alimentar rapidamente uma reflexão objetiva sobre a aquisição de veículos de combate sobre lagartas que dariam ao Exército uma real capacidade blindada mecanizada podendo enfrentar pelo menos adversários equivalentes. Sobre este último ponto, é provável que os retrocessos do exército russo na Ucrânia estejam ligados a erros de avaliação sobre o nível e a qualidade do adversário. Para muitos observadores, a análise russa teria sido influenciada negativamente pelos longos anos de conflitos assimétricos e sucesso contra inimigos menos poderosamente armadosA observação dos vários combates realizados pelo exército russo desde a queda do muro de Berlim mostra que este conseguiu afastar-se das exigências de uma operação de "alta intensidade" num teatro europeu. As intervenções na Chechênia, Geórgia e Crimeia, todas limitadas no tempo e realizadas em um espaço geograficamente definido, não permitiram modificar esse estado de espírito para realizar uma análise objetiva do inimigo.

O conflito ucraniano oferece aos exércitos ocidentais uma oportunidade "gratuita" de aprender lições concretas no campo do combate blindado. Erros e falhas russos destacam a falta de domínio de muitas habilidades individuais e coletivas essenciaisAs lições táticas, técnicas e humanas devem provocar reflexão, alimentar um verdadeiro debate sobre o combate blindado mecanizado e os meios de realizá-lo. O conflito ucraniano deve tirar o Exército da lógica de uma força expedicionária baseada unicamente na projeção de forças leves ou médias. Em relação ao tanque, seja ele chamado de monstro, dinossauro, caixão ou antediluviano, ele ainda permanece no centro da batalha terrestre. A recente transferência de tanques para a Ucrânia pela República Tcheca demonstra a importância para os dois beligerantes desta máquina nas operações em andamento. A reorientação das operações russas no leste da Ucrânia pode ser uma oportunidade para rever os tanques russos em ação nas formações de brigada ou divisão empregadas em operações que podem ser caracterizadas pelo emprego maciço de artilharia e o uso dessas formações blindadas em ações maciças destinadas a criar rupturas ou tomada de objetivos em áreas urbanas.

Ao contrário de muitas opiniões, o tanque não morreu na Ucrânia! Os compromissos futuros continuarão a consagrar o único veículo de combate terrestre que combina poder de fogo, mobilidade e proteção, cujo sucesso continuará a depender do seu emprego por uma equipe bem formada e treinada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário