Mostrando postagens com marcador Atualidades. Guerra Ucrânia/ Russia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Atualidades. Guerra Ucrânia/ Russia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de junho de 2022

A França entregará um número “significativo” de veículos blindados VAB para a Ucrânia

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 29 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 29 de junho de 2022.

Na semana passada, um vídeo filmado na Eslováquia mostrando caminhões transportadores transportando Veículos de Avanço Blindado (Véhicules de l’avant blindé, VAB) foi postado nas mídias sociais. Isso sugeria que essas máquinas estavam a caminho da Ucrânia. O que o ministro das Forças Armadas, Sébastien Lecornu, confirmou em 28 de junho, em entrevista concedida ao jornal Le Parisien.

“Para se mover rapidamente por áreas sob fogo inimigo, os exércitos precisam de veículos blindados. A França vai entregar, em quantidades significativas, veículos de transporte deste tipo, os VAB, que estão armados”, disse o ministro.

Colocado em serviço há mais de quarenta e cinco anos dentro das forças francesas (e do Exército em particular), que recebeu mais de 4.000 exemplares, o VAB está disponível em várias versões, incluindo o chamado ULTIMA, desenvolvido na década de 2010. A priori, os veículos blindados trazidos para este padrão não fazem parte daqueles enviados para a Ucrânia. Pelo menos é o que sugere o vídeo gravado na Eslováquia.

A frota de VAB usada pelo Exército está diminuindo de ano para ano. Enquanto alguns desses veículos foram transferidos para a Gendarmaria Nacional durante seu engajamento no Afeganistão, outros foram destruídos durante as operações quando não estavam muito desgastados pelos rigores do ambiente do Sahel. Além disso, eles estão sendo gradualmente substituídos pelos veículos blindados multifunção Griffon e Serval (VBMR), como parte do programa SCORPION. Assim, em 1º de julho de 2021, havia apenas 2.500 exemplares ainda em circulação.

Além disso, o Sr. Lecornu mencionou a entrega do CAESAr (Caminhões equipados com sistema de artilharia de 155mm) para a Ucrânia. “A artilharia neste conflito é […] central: também, as armas francesas CAESAr – cuja reputação é inigualável por sua precisão e sua mobilidade em um teatro de operações – foram entregues. Este é o principal pedido que as autoridades ucranianas nos fizeram. Com esses 18 canhões, forma-se uma unidade de artilharia completa”, argumentou.

Quanto às consequências dessas entregas sobre as capacidades do Exército, o ministro argumentou que "nunca tomaríamos uma decisão que privasse a nação francesa de elementos decisivos em sua defesa". E para acrescentar: “Estes 18 canhões CAESAr podem ajudar a mudar a vida dos ucranianos… para o Exército Francês, isso o priva de uma fração limitada de equipamentos [quase 25% mesmo assim, nota] para o ciclo de treinamento de curto prazo. É por isso que estamos pedindo às nossas indústrias de defesa que se coloquem em uma 'economia de guerra' para reabastecer os estoques".

Além disso, e ainda em relação à Ucrânia, o Sr. Lecornu disse ter duas prioridades. A primeira é ajudar o Exército Ucraniano “a resistir ao longo do tempo”. E, segundo ele, isso passa por “estoques de munição”.

Um assunto igualmente sensível para as forças francesas... que preocupa parlamentares, incluindo Christian Cambon, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa do Senado. Em dezembro passado, este último deu o alarme ao dizer que em termos de munição, as forças francesas só tinham o “estritamente necessário”.

Mais recentemente, em seu relatório – notado – sobre o compromisso de alta intensidade, os deputados Jean-Louis Thiériot e Patricia Mirallès que, em relatório sobre a “alta intensidade”, recomendaram um “esforço financeiro imediato” para reconstituir os estoques de munição.

Seja como for, para o Sr. Lecornu, “a coordenação entre aliados, particularmente no âmbito da OTAN, mas também da UE, é muito importante”. De passagem, ele disse que a possibilidade de entregar mísseis anti-navio Exocet para a Ucrânia estava sendo considerada. E isso enquanto a Marinha Nacional tem dito regularmente que carece de “munição complexa” para lidar com o “endurecimento das operações navais”.

Finalmente, a segunda prioridade de Lecornu é o treinamento de soldados ucranianos em "certas técnicas de combate e inteligência militar". O que, explica ele, é “essencial, porque permite usar bem as armas entregues e otimizar o desempenho dos combatentes e, portanto, preservar suas vidas”.

De referir que, neste ponto, e durante uma visita a Kyiv a 17 de Junho, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson ofereceu-se para treinar até 10.000 soldados ucranianos a cada 120 dias no Reino Unido.

domingo, 26 de junho de 2022

O AK-74: de arma portátil soviética a símbolo de resistência

Por Martin K. A. Morgan, NRA American Rifleman, 21 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de junho de 2022.

Durante a Guerra Fria, tanto os EUA quanto a URSS começaram a usar fuzis de tiro seletivo e calibrados para cartuchos de pequeno calibre e alta velocidade de recuo suave. Sob a administração Johnson, as forças armadas americanas adotaram o M16A1 em 5,56 OTAN. Quando Leonid Brezhnev era secretário-geral do partido comunista, as forças armadas soviéticas começaram a usar um Kalashnikov em 5,45×39mm - um fuzil que recebeu a designação AK-74.

Embora o M16A1 use o sistema operacional de impacto direto de gás e o AK-74 use um pistão de gás de curso longo, ambos os fuzis produzem balística externa semelhante e ambos os fuzis produzem fogo totalmente automático controlável. Dos arrozais do Vietnã ao sopé do Hindu Kush, esses são os fuzis que combateram os capítulos finais da Guerra Fria. Mas quando o reinado de 68 anos da União Soviética terminou oficialmente em 1991, isso não significa que a vida útil do AK-74 também terminou.

Como os descendentes do M16 que continuam a armar forças militares de grande parte do mundo ocidental hoje, o AK-74 continua a armar as forças armadas de várias nações ex-membros do Pacto de Varsóvia, e a extensão de seu serviço contínuo foi bem documentada de forma dramática pelas notícias recentes das manchetes. Durante as últimas semanas, o AK-74 esteve presente em fotografias que registram a guerra da Ucrânia com a Rússia.

Em imagens que mostram forças militares ou policiais ucranianas, o AK-74 está sempre presente. Membros do Parlamento ucraniano foram fotografados carregando fuzis AK-74 que lhes foram entregues para defender a capital. Se uma fotografia mostra voluntários da defesa civil em um posto de controle, o AK-74 está inevitavelmente lá, e até aparece em uma foto que mostra uma mãe ucraniana armada atravessando uma rua movimentada no centro de Kyiv enquanto segura a mão de sua filha. É, de longe, a arma de fogo mais prolífica usada no conflito atual.

A história do AK-74 data do início da década de 1970, quando os engenheiros russos começaram a desenvolver um novo cartucho de pequeno calibre e alta velocidade para complementar e possivelmente substituir o 7,62×39mm. Como o AKM era um design confiável e comprovado, um dos objetivos do projeto desde o início era desenvolver algo novo para atirar. No início, eles testaram uma munição de caça comercial de 6,5×39mm, mas logo descobriram que ela produzia o tipo de dispersão de tiro amplo em totalmente automático pelo qual o AKM era famoso. Em seguida, eles testaram uma carga de 4,5×39mm que, embora fornecesse a controlabilidade desejada, não forneceu a letalidade desejada.

Três fuzileiros navais soviéticos armados com fuzis AK-74 por volta de 1985.
Como o AK-47 e o AKM que vieram antes dele, o AK-74 era um símbolo da força militar russa durante a Guerra Fria.
(Foto do Departamento de Defesa dos EUA DN-SN-86-00829)

No final, os russos adotaram um cartucho com um comprimento de estojo de 39mm que poderia acelerar uma bala FMJ de base cônica de 5,45mm de 53 grãos a uma velocidade inicial de 2.790fps. O novo Kalashnikov calibrado para disparar este novo cartucho era basicamente apenas uma versão ligeiramente modificada do AKM, por isso era capaz de disparar fogo semiautomático ou totalmente automático com uma taxa cíclica de 650 tiros por minuto.

As diferenças mais notáveis entre o AK-74 e seu antecessor, o AKM, foram, em primeiro lugar, o carregador de 30 tiros AG-4S menos curvado do AK-74. Às vezes, esses carregadores são referidos como feitos de baquelite, mas na verdade são feitas de uma resina termofixa de fenol-formaldeído reforçada com fibra de vidro. Em segundo lugar, um freio de boca de compensação de recuo grande e distinto substituiu o antigo freio de estilo inclinado do AKM e mudou significativamente a aparência da frente do AK-74. O dispositivo não apenas reduziu o recuo, mas o fez sem direcionar qualquer concussão perceptível de volta ao atirador.

Uma mãe e um pai russos posam com seu filho, que está armado com um AK-74 que foi produzido antes de 1977.
(Imagem cortesia de Thomas Laemlein)

Além desses dois recursos notavelmente diferentes que o fizeram parecer único, o AK-74 de produção inicial se assemelhava ao AKM de produção tardia, mas as coisas logo começaram a mudar. Como todos os outros fuzis de serviço produzidos em massa na história das armas portáteis, o AK-74 evoluiu ao longo de sua história de produção e as mudanças associadas a essa evolução começaram logo após sua adoção. Em meados de 1977, os engenheiros perceberam que o bloco de gás de 45 graus do AKM às vezes causava cisalhamento de balas. Isso nunca havia sido um problema antes com a bala mais lenta de 7,62mm, mas com a bala mais rápida de 5,45mm, era.

Os engenheiros do arsenal Izhevsk resolveram o problema introduzindo um bloco de gás de 90 graus que acabou com o fenômeno. O desenho de 90 graus permaneceu inalterado desde então. Pequenas modificações no freio de boca, na tampa da culatra e na base da massa de mira também foram introduzidas durante esse período, mas no final de 1984 até o início de 1985, várias grandes mudanças foram introduzidas que alteraram ainda mais a aparência externa do AK-74.

Três guerrilheiros mujahideen no Afeganistão em 1989.
Eles estão armados com um par de fuzis AK-74 e um lança-foguetes disparado do ombro RPG-7.
(Imagem cortesia de Thomas Laemlein)

Desde o início da produção, os AK-74 foram completados com coronhas e guarda-mão de madeira laminada e punhos de pistola do tipo AKM de baquelite, mas quando Konstantin Chernenko foi brevemente secretário-geral do Partido Comunista, armações de plástico de poliamida reforçado com fibra de vidro cor de ameixa foram introduzidas. Mais ou menos na mesma época, o arsenal Izhevsk começou a usar um método simplificado para prender a base da massa de mira, a base da alça de mira e o bloco de gás aos canos de produção AK-74. Desde quando o Kalashnikov nasceu, esses componentes foram presos ao cano de cada fuzil usando o método de perfuração e fixação.

O procedimento de montagem que substituiu este a partir de meados de 1985 envolveu punção pressionando os lados desses componentes com força suficiente para bloqueá-los em cortes de alívio correspondentes no cano. Este método é usado para a montagem do AK-74 até hoje. Exatamente quando o Muro de Berlim caiu no final de 1989, as armações cor de ameixa do AK-74 ficaram pretos e permaneceram nessa cor. Então, em 1991, uma nova versão do fuzil surgiu com a adoção do AK-74M.

Um marinheiro soviético armado com um AK-74 está no portaló durante a visita portuária do cruzador de mísseis guiados Aegis USS THOMAS S. GATES (CG 51) e da fragata de mísseis guiados USS KAUFFMAN (FFG 59) em Sebastopol, em 8 de abril de 1989.
(Administração de Arquivos e Registros Nacionais nº 6454445/Departamento de Defesa dos EUA nº 330-CFD-DN-ST-90-00321 - Foto de JO1 Kip Burke)

Este modelo incorpora um freio de boca ligeiramente modificado, um trilho de acessórios no lado esquerdo do receptor para montagem ótica e uma coronha dobrável lateral. Uma coronha dobrável não era novidade para o AK-74, de fato, remontando à produção inicial na década de 1970, uma variante designada AKS-74 que usava uma coronha dobrável lateral triangular metálica esteve em serviço. É só que a coronha dobrável do AK-74M não é esquelética e não é feita de chapa metálica. Esta versão da arma teria sido adotada como o fuzil de serviço padrão da União Soviética, mas a União Soviética deixou de existir em dezembro de 1991. No entanto, o AK-74M vive hoje a serviço da Federação Russa.

Um soldado cazaque armado com um fuzil AKS-74 durante o exercício militar CENTRASBAT no Cazaquistão, em setembro de 2000.
(
Administração de Arquivos e Registros Nacionais - fotografia de TSGT Jim Varhegyi, USAF)

O AK-74 esteve presente em muitas das grandes tragédias russas da era moderna e, de certa forma, tornou-se uma metáfora do declínio do país. Inscreveu-se no capítulo final da história militar soviética durante a guerra no Afeganistão e depois continuou lutando contra as convulsões geopolíticas que se seguiram ao colapso da URSS – convulsões que trouxeram sangue e sofrimento primeiro para a Chechênia e depois para a Geórgia. Foi usado durante a mortal crise dos reféns do teatro de Moscou em outubro de 2002 e o cerco ainda mais mortal da escola de Beslan em setembro de 2004, então acabou sendo arrastado para a sempre trágica história da Guerra Global ao Terror.

Fuzileiros navais soviéticos se ajoelham com seus fuzis AKS-74 durante uma demonstração realizada para militares em visita da Marinha dos EUA, em 10 de setembro de 1990.
(Foto de PHCS Mitchell – foto #DN-SC-91-02252)

Uma década depois, o AK-74 fez parte da anexação da Crimeia pela Rússia e da guerra no Donbas que se seguiu. Hoje, está sendo usado pelas forças armadas da Federação Russa no que pode ser a maior tragédia russa de todas, a invasão da Ucrânia, mas o povo ucraniano se apropriou do fuzil para outro propósito. Em Kharkiv, Kherson e Mariupol, eles transformaram o AK-74 – este símbolo da hegemonia militar russa – em um símbolo de resistência. Se você observar atentamente as fotografias que saem da Ucrânia todos os dias, notará que a maioria dos AK-74 usados pelas Forças de Defesa Territoriais da Ucrânia tem armação de madeira. Quando você vê isso, você está olhando para fuzis que foram fabricados durante a era da União Soviética.

Ustka, Polônia (12 de junho de 2003) — Um fuzileiro naval russo fornece cobertura com seu fuzil AKS-74N para seus colegas da Dinamarca, Lituânia, Polônia e Estados Unidos durante um exercício em Ustka, na Polônia, como parte das Operações Bálticas (BALTOPS) 2003.
(Foto da Marinha dos EUA pelo Marinheiro Fotógrafo de 1ª Classe Chadwick Vann - foto nº 030612-N-3725V-001)

O fato desses velhos fuzis estarem agora sendo usados para combater os fantasmas daquela época é uma ironia da maior magnitude possível. Juntamente com armas como o Stinger e o Javelin, esses fuzis estão sendo usados pelo povo ucraniano para fazer o tipo de luta que seu invasor não esperava e, ao fazê-lo, o povo ucraniano nos lembrou que mulheres e homens livres preferem permanecer livres. Eles se voltarão para o fuzil se forem forçados a fazê-lo. Como os húngaros fizeram três gerações atrás quando capturaram Kalashnikovs nas ruas de Budapeste, os ucranianos fizeram do Kalashnikov um símbolo de solidariedade desafiadora nas ruas de Kyiv. Eles fizeram do AK-74 uma metáfora para um novo mundo otimista lutando para se libertar do espectro perigoso de um antigo.

Disparando o AK-74


Bibliografia recomendada:

The AK-47:
Kalashnikov-series assault rifles.
Gordon L. Rottman.


Leitura recomendada:

domingo, 19 de junho de 2022

SITREP: Atualização sobre as operações na Ucrânia 18 de junho de 2022 - Perspectivas

Por Ten-Cel Michel Goya, La Voie de l'Épée, 19 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de junho de 2022.

É a proporção real ou estimada de forças que determina se o objetivo estratégico estabelecido para as forças armadas pode ser ofensivo ou defensivo. O governo ucraniano pode alegar querer empurrar os russos para trás da linha de 24 de fevereiro de 2022, isto é inatingível no estado atual das forças. Será, talvez, possível a longo prazo com a formação de um novo exército ucraniano graças à mobilização nacional e à ajuda ocidental, mas por enquanto são os russos que sozinhos têm a possibilidade de ter um objetivo estratégico. Isso foi bastante reduzido à medida que o equilíbrio de poder real substituiu o equilíbrio de poder estimado, muito favorável aos russos, antes do início da guerra. O objetivo estratégico russo exibido desde o final de março é a conquista completa das duas províncias do Donbass.

Em termos operacionais, isso pode se traduzir no seguinte "efeito maior" - um efeito a ser obtido em uma estrutura espaço-temporal precisa: "Tomar antes do final do verão as quatro principais cidades do Donbass ainda controladas pelos ucranianos, bem como Pokrovsk, no centro da província do Donetsk". Em uma posição defensiva, o principal efeito ucraniano parece ser impedir que os russos alcancem seus objetivos.

Estamos, portanto, testemunhando um impasse em torno das cidades objetivos com, no momento, um pequeno progresso no terreno em benefício dos russos, mas ao custo de três meses de combate. No entanto, quando a luta é muito violenta, mas há pouca mudança no espaço, é o outro extremo da equação - o tempo - que deve ser particularmente observado.

Em direção ao ponto ômega


Historicamente, é a grande letalidade do fogo direto anti-tanque e anti-pessoal que permite passar da guerra de movimento para a guerra de posição, e é a artilharia, terrestre ou aérea, que permite sair da guerra posicional. Atacar em um contexto de guerra posicional significa primeiro tentar neutralizar a artilharia e as defesas inimigas com um dilúvio de obuses ou foguetes, depois avançar em direção a essas defesas para capturá-las. Mas se a contra-bateria não foi eficaz, o progresso também implica estar sob o comando de obuses de artilharia inimigos, o que torna tudo muito mais difícil. No entanto, a artilharia russa, não tanto em número de peças, mas em número de projéteis, domina largamente os debates com, caso se acredite nas declarações recentes, cerca de 6 obuses enviados por apenas 1 ucraniano. Em outras palavras, a probabilidade de sucesso de um ataque russo é maior do que a de um ataque ucraniano, especialmente se esse ataque for realizado por uma boa infantaria.

O número de km² conquistados pelos russos é, portanto, maior do que o dos ucranianos, que combinados podem levar a sucessos táticos significativos, como conseguir romper até Popasna ou ameaçar cercar Lyman e forçar seus defensores a se retirarem. A sucessão desses sucessos táticos pode então possibilitar a produção de sucessos operacionais, no terreno, como a captura iminente de Severodonetsk, ou sobre as forças inimigas, por exemplo, cercando-as. Mas tudo isso tem um custo, humano claro, mas também material, e é aí que o tempo intervém.

Nas hipóteses de uma guerra entre a OTAN e o Pacto de Varsóvia nos anos 1980, ninguém imaginava que pudesse durar mais do que algumas semanas. Muita confiança foi então colocada no exemplo da guerra de outubro de 1973 entre Israel e os países árabes vizinhos, uma guerra na qual os combates cessaram após 19 dias e quando ambos os lados perderam metade de seus equipamentos principais - aviões, tanques, etc - em 19 dias. Falamos então da “nova letalidade” do campo de batalha moderno. Os ex-soldados da Guerra Fria, que agora estão à frente dos exércitos, ficam surpresos ao ver uma guerra do mesmo tipo que já dura quase quatro meses. O ministro da Defesa ucraniano confessou há alguns dias que suas forças atingiram essa média de perdas com 400 tanques perdidos, 1.300 veículos de infantaria e 700 sistemas de artilharia. Esta é uma estimativa e não uma afirmação precisa, e ao contrário do discurso usual de minimizar suas próprias perdas, talvez se trate de despertar um sentimento de urgência entre os países ocidentais, mas parece provável como magnitude.

Esses números correspondem substancialmente ao dobro das perdas documentadas pelo site OSINT Oryx, o que já dá uma ideia da margem de erro entre o visível e o real. Equipamentos militares, especialmente antigos modelos ex-soviéticos, podem ser perdidos sem serem atingidos. Isso é particularmente válido para tubos de artilharia que estão fora de serviço após alguns milhares de tiros. Ainda estamos muito longe da “nova letalidade” imaginada nas décadas de 1970 e 1980. No entanto, a destruição acaba fazendo seu trabalho. Lutas repetidas produzem entropia. As unidades perdem homens mortos, feridos, prisioneiros, que muitas vezes são substituídos em caso de emergência por estranhos frequentemente menos competentes. O tecido social se desintegra com o que traz na força da resistência, e o capital do saber-fazer diminui. É claro que também perdemos muitos equipamentos em um nível que excede claramente, pelo menos inicialmente, o de produção. O equipamento é destruído e danificado pelo fogo inimigo (e às vezes aliado). Eles também podem ser abandonados, na ordem de um terço das perdas de ambos os lados na Ucrânia, para se salvarem ou porque são cortados de uma cadeia de suprimentos que não pode mais seguir.

Para compensar um pouco essa entropia, nós consertamos. Formamos unidades “improvisadas”, descartamos e canibalizamos as unidades que não têm mais valor e superutilizamos as que ainda temos, concentrando sobre elas uma logística que se reduz. Mas essas unidades acabam se desgastando e chega um momento em que não há mais estoques de veículos de reposição ou munição, obuses em primeiro lugar. Chegamos então ao ponto ômega, onde podemos nos defender na melhor das hipóteses, mas onde não há capacidade ofensiva alguma até que reconstituamos as forças.


A questão agora é saber quando os pontos ômega dos exércitos russo e ucraniano serão alcançados. Do jeito que as coisas estão, parece que são os ucranianos, cujas baixas podem agora exceder as dos russos e, acima de tudo, que estão começando a ficar seriamente sem munições críticas. Para conseguir seu efeito principal, ou seja, impedir que os russos tomem o Donbass antes de atingirem seu ponto ômega, isso pressupõe tanto lutar com inteligência no campo operacional quanto repelir o máximo possível seu ponto ômega no campo orgânico, graças a uma mobilização dos seus recursos e da ajuda ocidental.

Lutar de forma inteligente no contexto atual é mudar para uma postura defensiva. Esses são os ataques que mais custam, mas ainda precisam ser "lucrativos" e isso raramente é o caso contra pontos fortes russos como Popasna e ainda mais com brigadas territoriais muito menos sólidas que as brigadas de manobra. Se houver ataques, estes devem ser na forma de ataques limitados no céu ou no solo e a golpes com certeza. Os ucranianos estão na posição dos exércitos aliados tendo que resistir até julho de 1918 contra a superioridade alemã enquanto aguardam reforços americanos e especialmente os da indústria francesa, a diferença é que desta vez é a indústria americana que chegará como reforço.

Obuses, obuses e obuses


Em termos de recursos, a ajuda ocidental deve passar primeiro pelo fornecimento de meios para apoiar os modelos ex-soviéticos ucranianos existentes, em todas as áreas. Isso se deve principalmente aos antigos países do Pacto de Varsóvia, que ainda podem ter equipamentos e estoques, e às vezes ainda produzi-los, como obuses de artilharia na Bulgária. A segunda possibilidade é comprar equipamentos ex-soviéticos no mercado de segunda-mão de todos os países que ainda os possuem. A terceira possibilidade é usar os inúmeros equipamentos recuperados dos russos. Com esses recursos, e aproveitando os estoques, as forças ucranianas ainda podem substituir veículos ex-soviéticos em suas unidades de manobra por vários meses. O problema é sobretudo logístico e mais particularmente nas munições de artilharia. Os obuses ex-soviéticos raramente são feitas fora da Rússia. As produções anuais ucranianas ou búlgaras só permitem satisfazer alguns dias de combate e mesmo recuperando obuses de 152mm e outros sempre que possível, é inconcebível que a atual artilharia ucraniana possa competir com a dos russos.

A segunda maneira é transformar completamente o capital técnico ucraniano. Na emergência, trata-se sobretudo de substituir a antiga artilharia ucraniana ex-soviética em processo de fusão por uma artilharia ocidental, mais moderna, mais precisa e de maior alcance e, portanto, entre outras coisas, muito mais eficaz em contra-bateria. É um gigantesco canteiro de obras. Os exércitos europeus reduziram sua artilharia ao mínimo, por economia e na crença de que a supremacia aérea ocidental (leia-se americana) permitia passar sem ela. Os Estados Unidos também reduziram sua artilharia em comparação com a Guerra Fria, mas em menor grau. Recordemos de passagem que se o esforço francês em % do PIB tivesse sido idêntico ao dos americanos, teríamos investido entre 200 e 300 bilhões de euros a mais desde 1990 em nosso capital técnico e nossa indústria de defesa.

Embora a indústria de defesa ocidental e particularmente na França tenha se tornado artesanal – a Nexter atualmente lança um canhão Caesar a cada 40 dias – é difícil imaginar ter sucesso nessa aposta sem depenar suas próprias unidades. O problema talvez seja ainda mais crítico para os obuses. A produção americana atual (cerca de 200 a 250.000 tiros por ano) seria suficiente para abastecer a artilharia ucraniana por um mês na taxa de tiro atual. A França, por sua vez, adquiriu em dez anos para sua própria artilharia o equivalente a uma semana de tiroteio na Ucrânia. Deve-se ficar no equivalente a três dias. A ajuda militar à Ucrânia a longo prazo e, em geral, o novo cenário estratégico exige uma revolução em nossa indústria de defesa.


Em 1990, tínhamos 571 peças de artilharia na França, agora são apenas cerca de 140. Poderíamos ter mantido um estoque de 200 peças, possivelmente modernizadas, das quais poderíamos ter sacado. Obcecados com economias orçamentárias, não estocamos peças e carcaças. A situação é ainda pior para a artilharia antiaérea. Não há mais soluções agora, se quisermos ter um efeito operacional na Ucrânia, além de nos despojarmos do que temos em peças e munições, esperando poder voltar aos trilhos em alguns anos.

Claro, tudo isso também deve ser acompanhado por um enorme esforço de treinamento, o que significa retirar milhares de artilheiros ucranianos da zona de combate por semanas para treiná-los. É então necessário formar batalhões de artilharia completos e fazê-los atravessar a Ucrânia, esperando que os fluxos logísticos sigam. Em resumo, os efeitos da transformação da artilharia ucraniana em artilharia quase inteiramente americana só podem ser graduais e alcançarão efeitos significativos apenas em algumas semanas, na melhor das hipóteses, se for feito um esforço considerável e, mais provavelmente, em vários meses.

O problema é apenas um pouco menos sério para unidades corpo a corpo. Aqui, novamente, o batalhão deve ser a unidade de conta se você quiser ter uma unidade criada ou reconstituída disponível rapidamente. Começando do zero, e contanto que você tenha todo o equipamento, boa infraestrutura e liderança, você pode eventualmente formar um batalhão corpo a corpo em seis meses. Ao se misturar com veteranos e quadros ucranianos de uma unidade existente, o processo pode ser encurtado. Isso coloca uma infinidade de problemas concretos com aqui também a longo prazo a obrigação de substituir gradualmente o equipamento soviético por equipamento ocidental com um pouco menos de dificuldade do que para a artilharia. O foco imediato deve ser o treinamento de batalhões de infantaria leve e engenheiros de assalto que possam ser injetados em fortalezas urbanas e linhas de defesa neste verão.

Deve-se entender que para permitir que o exército ucraniano ganhe a guerra, ele deve quase ser recriado do zero e se trata de um exército, pelo menos para o exército de terra, muito maior em volume do que o exército francês. Se quiséssemos ser consistentes, os países ocidentais teriam que ser grandes campos de treinamento enquanto nossa indústria entraria em funcionamento para retornar à produção em massa.

Uma ofensiva minguante


É claro que os russos não permanecerão inativos durante esse período. Eles também produzem e inovam. A hipótese preferida é que eles joguem todas as suas forças disponíveis na balança para tomar o Donbass antes do final do verão e depois entrar em uma postura defensiva.

O desgaste de suas forças já é considerável. Materialmente, as perdas nos principais equipamentos são muito superiores às dos ucranianos, mas sem serem críticas. A situação mais difícil parece dizer respeito aos tanques de batalha, com quase metade da frota ativa de 3.471 tanques provavelmente fora de ação, o que talvez explique o uso da frota de reserva com a recuperação dos antigos tanques T-62.

Em outras áreas, graças aos seus enormes estoques, mesmo caros de manter e de disponibilidade questionável, os russos superaram a letalidade moderna. Com um estoque ativo de mais de 14.000 veículos de combate de infantaria (cerca de 3.600 teóricos na França), eles têm uma taxa de perdas de 10 a 20%. A situação é ainda menos grave em outros materiais. Se isso contribuiu para vencer a batalha de Kiev, não é a destruição de veículos de combate que mudará a situação na batalha do Donbass.


A logística é, sem dúvida, mais sensível. Não sabemos o estado dos estoques russos de combustível e especialmente munição. Estamos falando de um consumo de cerca de dois terços. Se isso for verdade, isso deixa a possibilidade de continuar a luta no mesmo ritmo por mais ou menos dois meses, talvez três com a contribuição da produção local. Talvez a Rússia também possa recorrer aos estoques de seus aliados. Os fluxos logísticos também são mais bem organizados do que durante a fase de movimentação, através da proteção de uma frente contínua, proximidade de bases ferroviárias e melhor proteção de comboios e redes no ar e no solo. A verdadeira ameaça ucraniana viria da infiltração ou combate partidário, em coordenação com uma capacidade de ataque profundo, em particular por lançadores múltiplos de foguetes HIMARS ou M270.

A principal dificuldade russa, aquela que acelera o movimento em direção ao ponto ômega, está no capital humano. Há muita especulação sobre o volume de baixas russas e LNR/DPR. Estes últimos são mais transparentes a este respeito e os números que apresentam são da ordem de 40% de perdas para os 35.000 homens dos seus dois corpos de exército. É verdade que os vinte batalhões que eles representam são muito procurados pelos russos, mas entendemos por que eles estão fazendo muito pouco progresso nos combates. As perdas russas são, sem dúvida, inferiores às do LNR/DPR, cerca de 30% das forças envolvidas em 24 de fevereiro. Isso já é considerável e significa que cada um dos grupos de batalha russos envolvidos foi mais ou menos severamente afetado.


Ao contrário do equipamento e ao contrário dos ucranianos, os russos têm apenas uma fraca reserva humana, culpa do recrutamento puramente voluntário e da ausência de uma grande reserva operacional pelo menos equivalente ao exército ativo. 
O voluntariado proporciona melhor motivação do que uma mobilização geral na Rússia, mas reduz consideravelmente o volume de reforços disponíveis a curto e médio prazo. Se for possível compensar, após longas semanas, as perdas dos primeiros meses da guerra, será difícil exceder em muito o número inicial de unidades de combate engajadas na Ucrânia.

As perdas diminuem as habilidades, mas de maneiras diferentes, dependendo da qualidade da unidade. Para 10% das perdas, um batalhão de elite perderá, por exemplo, 15% de seu potencial, enquanto uma unidade medíocre perderá 30%. Embora o número total de grupos de batalha russos não tenha mudado muito, o número daqueles que ainda têm a capacidade de realizar um ataque diminuiu significativamente.

O exército russo também se adaptou e inovou um pouco, aguardando reformas mais profundas. O novo modus operandi adotado no final de março é muito mais adequado às capacidades russas do que à guerra móvel, pois é mais simples e baseado em uma combinação planejada de artilharia/aero-artilharia-infantaria. A artilharia está lá, não necessariamente moderna, mas muito poderosa. Os helicópteros de aviação e de ataque são mais bem integrados ao combate interarmas. Resta dispor de uma infantaria de assalto. A estrutura mista de artilharia corpo a corpo dos grupos de batalha parece largamente abandonada em favor de estruturas mais clássicas e mais simples com a formação de grandes grupos de artilharia, praticamente divisões e batalhões de manobra puros (pequenos) de 200 a 300 homens como os ucranianos.

Os russos também redescobriram as virtudes de uma boa infantaria capaz de lutar a pé em ambientes urbanos ou entrincheirados. Quase todos os ataques são, portanto, agora realizados por cerca de trinta batalhões, na maioria das vezes do exército de assalto aéreo, da infantaria naval ou irregulares como o Grupo Wagner ou a brigada chechena da guarda nacional. Na realidade, essas unidades estão em alta demanda desde o início e sofreram grandes perdas, mas estão resistindo melhor que as outras. Não está claro, no entanto, que eles ainda possam ser engajados continuamente por muito tempo.


No final, parece que o equilíbrio das forças materiais e em particular no poder de fogo será o que acontecer a favor das forças russas nos próximos três meses. É mesmo provável que esta vantagem seja, sem dúvida, ainda maior de meados de julho a meados de agosto. Resta saber se essa vantagem material do verão pode ser combinada com uma infantaria de assalto ainda suficiente em volume para obter resultados decisivos. Tudo realmente depende da inteligência da defesa ucraniana no Donbass e imediatamente no bolsão Severdonetsk-Lysychansk. Se o exército ucraniano for cercado neste bolsão, os russos, sem dúvida, alcançarão seu maior efeito. Se conseguir resistir dois meses no local ou se conseguir recuar em boa ordem e sem grandes perdas materiais numa linha sólida Sloviansk - Kramatorsk - Druzhkivka - Kostiantynivka, poderá conseguir impedir que os russos atinjam o seu objetivo estratégico até ao seu ponto ômega.

Ocorrerá então uma imobilização da frente mascarando um intenso trabalho de reconstituição e transformação de ambos os lados que conduzirá mais cedo ou mais tarde a uma nova fase da guerra baseada em uma relação de forças diferente.

Leitura recomendada:

sábado, 18 de junho de 2022

COMENTÁRIO: Por que o Exército Russo é tão fraco?


Por Kamil Galeev, Twitter, 12 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de junho de 2022.

Quando a Rússia invadiu [a Ucrânia], os especialistas pensaram que venceria em 24-72 horas. Duas semanas depois, a guerra ainda continua. Por quê? No papel, a superioridade russa é esmagadora. Embora a Rússia projete uma imagem guerreira, suas forças armadas são fracas e não sabem travar guerras.🧵

Correlação de forças.

Apesar de sua imagem guerreira, impulsionada pela massiva campanha de relações públicas, as forças armadas russas têm quase zero experiência de combate em guerras convencionais contra outros exércitos regulares. Eles foram muito bem sucedidos na supressão de distúrbios civis, é claro, na Hungria 1956, Tchecoslováquia 1968, etc.

Tropas soviéticas em Praga, 1968.

Os russos tiveram menos sucesso em suprimir os movimentos de guerrilha no Afeganistão e na Chechênia. Os guerrilheiros não tinham muito armamento pesado, e não tinham defesa aérea adequada. E, no entanto, os russos sofreram muitas baixas e perderam a Primeira Guerra Chechena, apesar da esmagadora superioridade material.

Corpos e blindados russos calcinados na Chechênia.

Desde a Segunda Guerra Mundial, a Rússia nunca travou uma guerra convencional contra um exército regular. A única exceção foi a Geórgia em 2008. A Rússia invadiu para apoiar os movimentos separatistas na Abkhazia e na Ossétia do Sul e derrotou o pequeno exército georgiano. Foi o mais próximo que a Rússia teve de uma guerra real nos últimos 70 anos.

Coluna militar russa na Geórgia.

Especialistas militares russos individuais lutaram na Coréia, Vietnã, Angola etc. Mas o exército como um todo não o fez. A máquina militar russa, desde o recrutamento até a logística, não foi controlada em uma guerra contra um grande exército regular desde 1945. Essa é a primeira experiência que estamos tendo agora.

Conselheiro soviético em Angola.

Desde 1945, o exército russo lutou contra inimigos, nenhum dos quais tinha um exército regular próprio. Os inimigos da Rússia não tinham estrutura, pouco treinamento e pequeno poder de fogo. Para compensar isso, a Rússia investe pesadamente em propaganda glorificando seus militares. Mas como eles realmente se parecem?


Dezembro de 2021: Autoridades mafiosas impuseram tributo a uma base militar russa, fazendo com que suboficiais e oficiais lhes pagassem em dinheiro. Eles visam especificamente veteranos da Síria que ganharam dinheiro lá. Eles assediam, ameaçam e batem neles. O líder da quadrilha foi preso, mas liberado em alguns meses.


Isso não é uma exceção. Isso é uma regra. Os militares russos são constantemente assediados por criminosos e forçados a pagar dinheiro. Apenas quatro manchetes aleatórias sobre como os mafiosos forçam literalmente qualquer militar, incluindo os que gerenciam os foguetes nucleares, a lhes pagarem tributo. O exército russo é uma presa.


Vamos introduzir algum contexto sociológico. Os criminosos russos tradicionalmente se retratam como a contracultura, os rebeldes. Não nos importamos com a lei oficial (Lei dos Policiais), seguimos apenas a Lei dos Bandidos. Constituímos um Estado paralelo muito superior ao oficial.


Os bandidos dominam as prisões. A propaganda deles está funcionando tão bem que muitos prisioneiros ingênuos realmente vêem os bandidos como rebeldes. Mas então eles começam a duvidar da narrativa. Eles se perguntam, e se os bandidos apenas bancarem os rebeldes, mas na realidade estiverem colaborando ativamente com a administração penitenciária?


Se os prisioneiros se recusarem a trabalhar e tentarem sabotar a produção, os bandidos irão implorar, persuadir, ameaçar e depois forçá-los fisicamente a retomar seu trabalho. Os bandidos podem desenvolver uma argumentação muito longa e complicada, mas com apenas um imperativo - as metas de produção devem ser cumpridas.


Isso está bem refletido na cultura. Considere, Беспредел - um ótimo filme sobre como a cultura institucional russa (formada pela cultura da prisão) funciona na realidade. Um prisioneiro se recusa a trabalhar e avisa a administração. Eles informam os ladrões e é isso que acontece:


E só muito mais tarde os prisioneiros percebem: os bandidos não são um Estado paralelo. Eles são apenas mais um ramo da mesma máquina estatal. Eles são uma oposição controlada que coopera ativamente com as autoridades, fazem o que o Estado manda e nunca cruzam a linha, ou estão condenados.


Bandidos que extorquem os militares, incluindo veteranos da Síria, e pessoal de armas nucleares não é um "acidente". É uma política deliberada do governo para manter os militares profissionais baixos na hierarquia de domínio. O Estado russo propositadamente mantém seus militares nesta posição. É tudo parte de um plano.


Se quiser, você pode investigar mais a fundo o quão assediado, abusado e quão baixo na hierarquia são os militares russos. É claro que a posição mais baixa de todas é ocupada por recrutas conscritos. Existem muitas publicações sobre como os recrutas foram forçados à prostituição gay para ganhar dinheiro para os superiores.


Ok, tudo isso faz parte de um plano. Mas por que eles desenvolveriam tal plano? Bem, os chefões têm medo do exército. Bandidos russos fazem o papel de rebeldes, fazendo parte do aparato estatal. Da mesma forma que a Rússia faz o papel de um regime militar sendo de fato um regime de segurança do Estado.

A segurança do Estado não são os militares. Essa é outra instituição que tem relações muito incômodas com os soldados. Isso é compreensível. A segurança estatal reprimirá facilmente qualquer revolta civil e qualquer guerrilha. Assim, a única força interior que poderia derrubá-los seria o exército.


Você pode ler um relato mais detalhado das relações entre o Estado russo e seu exército aqui. Mas, por enquanto, quero enfatizar, eles estão muito preocupados com a potencial rivalidade do exército e fizeram todos os esforços para evitá-la. Assim castraram o exército.

Uma precaução é fazer uma limpeza após cada conflito militar. Em tempos de paz, o poder dos generais militares é baixo. Eles são limitados por instruções, protocolos, diretrizes, são supervisionados pela segurança estatal e por promotores militares. Mas durante a guerra esse controle quase desaparece.


Quanto mais dura a guerra, menos processual e mais pessoal se torna o poder militar. Logo ninguém se importa com procedimentos. Tudo é feito por ordens orais pessoais. As tropas acostumam-se à obediência inquestionável à palavra de um general. Então você tem que fazer uma limpeza depois de cada guerra.


A segurança do Estado teme uma potencial rivalidade do exército. Então eles introduziram vários mecanismos de controle. Uma é fazer uma limpeza depois de cada guerra matando generais que se tornaram muito influentes entre as tropas. E deixando os menos influentes. Isso é um mecanismo de seleção negativa.

General Alexander Lebed,
um dos mais queridos generais do último período soviético.

O Kremlin promove ativamente pessoal da segurança estatal nas posições do exército. Um monólogo típico de um militar profissional russo:

  1. [Longo discurso patriótico]
  2. Reclamações sobre como ele nunca será promovido, porque todos os cargos são dados para jovens da segurança estatal sem experiência militar.


A terceira camada é o anti-intelectualismo extremo e inacreditável entre os militares promovidos pelo Estado. Se o exército prussiano era o exército mais intelectual da Europa, o russo moderno é o menos. Novamente, não é um acidente. É uma política deliberada para minimizar essa ameaça interna.


Vamos resumir: O Kremlin não está maximizando a eficiência, está minimizando a ameaça. Recrute oficiais de QI tão baixo quanto possível, dê a eles um treinamento muito restrito. Se alguns oficiais são capazes e estão subindo rapidamente, mate-os. Nomear tantos seguranças de Estado quanto possível para o exército de modo a torná-lo mais controlável.

Putin condecorando um operador do FSB.

Para minimizar a ameaça do exército, a segurança estatal dominante ataca o mito do exército. Por que a máfia se atreveria a extorquir oficiais militares? Porque eles sabem que em caso de conflito, o Estado apoiará a máfia. Esses caras estão muito mais altos na hierarquia russa do que os soldados.

Grupo de criminosos.

Isso explica todos esses fenômenos estranhos, como bandidos assediando as bases militares, soldados sendo forçados à prostituição gay, etc. Eu não acho que Putin tenha ordenado isso pessoalmente (embora ele possa). Mas ele destrói propositalmente o mito do exército, para eliminar um rival pelo poder.


As palavras não podem descrever o quão baixo é o exército russo na hierarquia de dominância. Para ter uma ideia, assista a este vídeo de um canal de TV oficial russo. Um oficial pede um minuto de silêncio para "nossos rapazes da operação especial morrendo lá" e veja o que acontece. Exército não tem respeito nenhum.

As conclusões sobre o exército russo centrado na artilharia não estão erradas. Mas eles devem ser considerados no contexto político. Você precisa ser centrado na artilharia, se tiver tropas com baixo moral. Ninguém os respeita, eles também não têm auto-respeito. Eles não suportam a luta de perto.


Se o regime treinasse infantaria capaz de alto moral com oficiais inteligentes, constituiria uma ameaça política mortal. Portanto, manterá a infantaria incapaz de moral baixo, com os oficiais mais burros possíveis e matará os mais brilhantes. A artilharia é uma maneira de lutar de alguma forma com essas tropas.


O regime russo finge ser militar. Mas não é. Seu pensamento, linguagem, métodos são muito de segurança do Estado. Em 24 de fevereiro, Putin iniciou uma operação especial na Ucrânia e em 27 de fevereiro parabenizou as forças russas com o aniversário do "Dia das Forças de Operações Especiais".


Por que 27 de fevereiro? O que aconteceu naquele dia? Em 26 de fevereiro de 2015, Putin ordenou o estabelecimento de um novo feriado, o Dia das Forças de Operações Especiais. A primeira será amanhã, 27 de fevereiro de 2015 - e depois todos os anos. No dia seguinte, 27 de fevereiro de 2015, o líder da oposição Nemtsov foi morto em vista do Kremlin.


Esse é o seu modo de pensar. Matar Nemtsov é uma operação especial. A invasão da Ucrânia é uma operação especial. Parece idiota não é? Na verdade faz sentido. O regime russo é um regime de cosplayers: agentes de segurança do Estado que fingem ser soldados e desejam a glória militar.


Soldados de segurança estatal lançaram uma operação especial e acidentalmente entraram em uma guerra real. Eles estão com medo. Você vê que Shoygu está relatando a Putin "tudo está indo de acordo com o plano". Assista a linguagem corporal de Putin. Ele sabe que não está. Ele próprio não confia no plano.

As suposições iniciais de Putin estavam erradas. Ele lançou a invasão sem esperar resistência. O 5º Departamento do FSB, que trabalhou na Ucrânia, informou a Putin que a Ucrânia é apenas um cosplay e todo mundo vai mudar para o nosso lado no momento em que chegarmos. Por quê? Disseram a Putin tudo o que ele queria ouvir.



Atualmente, o diretor do 5º departamento Sergey Beseda e seu vice estão em prisão domiciliar. Eles são acusados de peculato e "dados de inteligência de baixa qualidade" que ele forneceu. Beseda exagerou enormemente os sentimentos pró-Rússia e mentiu para Putin sobre as perspectivas de invasão.

FIM