Mostrando postagens com marcador Blindados. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Blindados. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 23 de novembro de 2021

FOTO: T-54 danificado em An Dien

Soldados sul-vietnamitas posam em cima de um T-54 norte-vietnamita danificado perto da vila de An Dien, 1974.

Hanói recebeu carros de combate principais T-54 da União Soviética, seguindo a doutrina soviética de ofensiva blindada em profundidade. Essa manobra foi usada sem sucesso em 1972 e levou os norte-vietnamitas a Saigon em abril de 1975, depois que os Estados Unidos cessaram o apoio ao regime do Vietnã do Sul.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun

sábado, 6 de novembro de 2021

FOTO: Soldados da Hermann Göring inspecionam um JS-2 polonês

Soldados alemães da 1ª Divisão Fallschirm-Panzer Hermann Göring inspecionam um tanque polonês JS-2 capturado na Batalha de Bautzen, abril de 1945.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de novembro de 2021.

Soldados alemães da 1ª Divisão Fallschirm-Panzer Hermann Göring (Fallschirm-Panzer Division 1 "Hermann Göring", da Luftwaffe) inspecionam um tanque pesado JS-2 de fabricação soviética do 1º Corpo de Tanques Polonês (veículo blindado nº 5100, nome próprio Tadeusz), capturado em uma batalha no subúrbio de Kleinvelka, na Alemanha cidade de Bautzen em abril de 1945.

À esquerda está um Universal Light Carrier britânico, conhecido como Bren Carrier, fornecido sob a Lei de Empréstimo-e-Arrendamento (Lend-Lease Act, LLA). A águia polonesa foi aplicada tanto ao Universal Carrier quanto ao tanque JS-2.

A Batalha de Bautzen, ocorrida de 21 a 30 de abril de 1945, foi uma das últimas batalhas da Frente Oriental durante a Segunda Guerra Mundial. Foi travada no flanco extremo sul da Ofensiva Spremberg-Torgau, tendo dias de luta campal de rua entre as forças do Segundo Exército polonês sob elementos do 52º Exército e do 5º Exército de Guardas soviéticos de um lado e elementos do Grupo de Exércitos Centro alemão na forma dos restos dos 4º Exército Panzer e do 17º Exército do outro. Foi a última grande vitória alemã da guerra, que infligiu pesadas baixas aos poloneses e soviéticos; apesar de não romper a linha soviética. Os alemães recapturaram Bautzen e a mantiveram até a rendição final em 8 de maio de 1945.

Leitura recomendada:

sábado, 30 de outubro de 2021

O tanque Leopard 2 e o veículo de combate de infantaria CV-90 dominam a competição "Iron spear" da OTAN


Por Laurent LagneauZone Militaire OPEX360, 30 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de outubro de 2021.

Desde 2018, no acampamento militar Adazi na Letônia, a OTAN tem organizado a competição de tiro "Iron Spear" (Lança de Ferro) com unidades dos quatro batalhões multinacionais destacados como parte de sua presença avançada reforçada [eFP] nos países Bálticos e na Polônia. Esta competição tem duas categorias: tanques de combate pesados ​​e veículos blindados de combate de infantaria, estes últimos envolvidos no exercício "Iron Wolf" (Lobo de Ferro).

O subgrupamento tática interarmas "Lynx" [sous-groupement tactique interarmesS/GTIA] francês fez seu nome na edição de 2019 do Iron Spear, com uma tripulação de tanque Leclerc em primeiro lugar, à frente de seus colegas noruegueses e americanos. Os competidores foram solicitados a mirar e atirar, dia e noite, levando em consideração a velocidade e a precisão.

“A vitória francesa não é apenas dos cavaleiros do S/GTIA, mas também um motivo de orgulho para todo o destacamento Lynx 6. É em particular uma grande recompensa para as equipes de manutenção do elemento de apoio nacional que trabalham diariamente para manter a plena capacidade operacional dos tanques Leclerc”, sublinhou o Estado-Maior das Forças Armadas na época.

Mas este desempenho não se repetiu depois, a tripulação de um tanque norueguês Leopard 2A4 tendo superado os participantes no "challenge" Iron Spear 2020.

Atualmente, o S/GTIA Lynx 11 está armado por um pelotão do 1er Régiment de Chasseurs [tanque Leclerc], uma seção do 35º Regimento de Infantaria equipada com VBCI, outra do 3º Regimento de Engenheiros e uma equipe de observação e coordenação do 68º Regimento de Artilharia da África. Mas ele perdeu o pódio no Iron Spear de 2021, que aconteceu de 16 a 22 de outubro.

"É uma competição que pode parecer amistosa, mas penso que todos desejam vencer e mostrar que o seu equipamento é o melhor da OTAN", afirmou o Capitão "Christophe" do 35e RI.

Do lado da "infantaria mecanizada", os veículos blindados com lagartas aparentemente se saíram melhor do que os com rodas, como o VBCI. De fato, os três primeiros lugares foram conquistados pelos militares noruegueses [CV-90], holandeses [também equipados com CV-90] e americanos [M2A3 Bradley].

Desenhado pela Hägglunds/Bofors [e produzido pela BAE Systems Hägglunds], o CV-90 é um veículo blindado pesando 23 a 35 toneladas [dependendo da versão], armado com um canhão de 40mm e uma metralhadora coaxial de 7,62mm. Capaz de transportar até 11 soldados de infantaria [incluindo a tripulação, nota], ele entrou em serviço com as forças norueguesas a partir de 1996. A Holanda adquiriu 192 exemplares, antes de revender parte deles para a Estônia.

Quanto à competição entre tanques, foi a tripulação holandesa de um Leopard 2A6 que surpreendeu, superando os 23 participantes. Aquela de um Leopard 2A4 norueguês ficou em segundo lugar. O terceiro lugar veio da tripulação de um Leopard 2A6 alemão.

O desempenho dos militares holandeses é de fato surpreendente, dado que os Países Baixos não engajaram nenhum tanque de batalha principal em uma operação estrangeira por mais de vinte anos. Além disso, eles haviam renunciado a essa capacidade por motivos orçamentários, em 2011, ao revenderem seus últimos 60 Leopard 2.

No entanto, o Koninklijke Landmacht [exército holandês] foi capaz de recuperá-lo em parte graças à cooperação com seu homólogo alemão, através da integração de um esquadrão de 18 Leopard 2A6 no Panzerbataillon 414 do Bundeswehr [que foi então integrado ao 43ª Brigada Mecanizada holandesa, nota do editor].

"O fato dos tanques holandeses ficarem imediatamente em primeiro lugar em uma competição internacional é, portanto, uma conquista especial", afirmou o Ministério da Defesa holandês.

Como um lembrete, desde agosto passado, o contingente holandês da eFP foi destacado para Rukla, na Lituânia, onde a Alemanha é a nação-quadro.

domingo, 24 de outubro de 2021

O horror da guerra de tanques trazido vivamente à vida

Brothers in Arms: One Legendary Tank Regiment’s Bloody War from D Day to VE Day
(Irmãos em armas: a guerra sangrenta de um regimento de tanques lendário do Dia D ao Dia da Vitória na Europa)

Por Katja Hoyer, The Spectator, 23 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de outubro de 2021.

James Holland captura o fedor sufocante dentro desses alvos lentos e o destino terrível daqueles presos dentro daqueles são atingidos.

Se Joseph Stalin estava certo sobre uma coisa, foi sua afirmação de que "a morte de um homem é uma tragédia, a morte de milhões é uma estatística". Os números não inspiram empatia. Eles não contam histórias. Nada exemplifica melhor esse princípio do que a Segunda Guerra Mundial. O conflito armado mais mortal da história da humanidade matou cerca de 70 milhões de pessoas ou 3 por cento da população mundial, mas esses números farão poucas pessoas chorarem. Eles são difíceis de entender sem rostos.

A maior força de James Holland como historiador militar é que ele traz humanidade para seu trabalho - uma característica rara em um campo de pesquisa que às vezes pode parecer dominado por aqueles obcecados por números. Onde outros recitam números de regimento e tamanhos de calibre, Holland está interessado nos homens por trás dos fatos sem rosto.

Os tripulantes do tanque Sherman, L/Cpl S. James e o Sgt H. Coe, da 27ª Brigada Blindada britânica seguram uma bandeira nazista alemã que capturaram durante o ataque a Caen, na França, em 10 de julho de 1944.

Em Brothers in Arms, ele convida seus leitores a seguir os Sherwood Rangers, um regimento de tanques britânico, em seu caminho das praias da Normandia para a Alemanha quando a Segunda Guerra Mundial chegava à sua conclusão sangrenta. Com base em uma ampla gama de fontes, ele pinta um quadro notavelmente vívido do que seus elementos suportaram e alcançaram nos estágios finais do conflito.

Como uma mosca na parede interior pintada de branco do tanque Sherman, observamos o ar quente e cheio de fumaça que faz a tripulação sufocar enquanto o exaustor se esforça para limpar a fumaça. Quando o tanque não está se movendo ou disparando, o ar viciado cheira a "comida, suor e mijo", Holland nos informa em seu tom prático. Não havia nada de glorioso nos alvos lentos nos quais seus heróis se dirigiam para a Renânia.

Nos tanques estavam sentados homens como o Capitão Keith Douglas, de 24 anos, possivelmente o melhor poeta da guerra, mas um personagem um tanto volátil. Embora tivesse uma origem originalmente confortável de classe média, ele nutria um profundo ressentimento por sua criação. Seu pai perdeu seu negócio de frangos, enquanto sua mãe sofria muito com problemas de saúde. Quando os pais de Douglas se divorciaram e seu mundo desmoronou com o casamento, isso deixou uma marca permanente em sua alma sensível. No fogo da guerra, no entanto, ele encontrou uma alma gêmea em John Bethell-Fox, com quem serviu no Norte da África. O exército se tornou uma segunda família para o escritor altamente sensível, e ele esperava imortalizar seus amigos em um relato soberbamente escrito de sua ação juntos, para o qual ele já havia recebido um contrato de publicação.

Um tanque Sherman da 8ª Brigada Blindada britânica em Kevelaer, na Alemanha, 4 de março de 1945.

Bethell-Fox escreveria mais tarde que um ‘tanque em chamas é incrível de assistir’, lembrando o momento em que viu dois tanques sendo atingidos e acesos em chamas por um longo tempo. Quando ele correu de volta para seu próprio tanque, ele descobriu que ele também havia sido atingido e a tripulação gravemente ferida. Tudo o que ele podia fazer era cobrir os homens e fornecer-lhes um pouco de morfina. "Eles simplesmente ficaram ali sangrando e em silêncio." Quando seus camaradas feridos foram finalmente apanhados por um jipe, ele se reportou a seu oficial superior. A luta ainda estava furiosa e granadas de morteiro se espatifavam ao redor deles quando Bethell-Fox foi informado de que seu amigo Keith Douglas morrera de uma explosão. "Eu simplesmente fiquei olhando," escreveu ele, "e senti lágrimas quentes escorrendo pela minha bochecha".

Douglas foi um dos 148 Sherwood Rangers mortos em combate. As baixas da unidade somaram cerca de 40 por cento do regimento, uma figura enorme, mas que permanece uma estatística fria sem as histórias dos homens por trás dela. Douglas era um homem complexo que achava difícil se relacionar com seus colegas rangers, a quem acusava de esnobismo. Mas ele encontrou consolo na escrita, bem como em sua amizade profunda e real com Bethell-Fox. Ele tinha apenas 24 anos quando foi morto de repente - vivo e bem em um momento, desaparecido no seguinte.

Brothers in Arms faz mais do que apenas contar a história dos Sherwood Rangers. Depois de entrevistar veteranos, falar com suas famílias, ler suas cartas, ver suas fotos e trilhar seus caminhos, Holland mergulhou em seu mundo e trouxe seus personagens à vida. Por trás das 148 mortes estavam 148 vidas com famílias, relacionamentos, agitação e alegria. O livro é um lembrete poderoso e comovente de que há tragédia nas estatísticas.

Katja Hoyer é uma historiadora anglo-alemã, seu último livro é Sangue e Ferro: A Ascensão e Queda do Império Alemão 1871-1918.

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

LIVRO: Death Traps - discutindo a sobrevivência do M4 Sherman


Resenha do livro Death Traps: The Survival of an American Armored Division in World War II (Armadilhas Mortais: a sobrevivência de uma divisão blindada americana na Segunda Guerra Mundial, 2003), de Belton Y. Cooper, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Este livro é o maior ataque à reputação do tanque M4 Sherman na cultura popular.

Uma acusação falha [1 estrela]


Death Traps, um livro de memórias mal escrito por Belton Y. Cooper promete muito, mas oferece pouco. Cooper serviu como tenente de material bélico na 3ª Divisão Blindada (3AD), atuando como oficial de ligação entre os Comandos de Combate (Combat Commands) e o Batalhão de Manutenção da Divisão. Uma das primeiras regras para escrever memórias é focar em eventos dos quais o autor tem experiência direta; em vez disso, Cooper está constantemente discutindo eventos de alto nível ou distantes dos quais ele não foi testemunha. Conseqüentemente, o livro está repleto de erros e falsidades. Além disso, o autor coloca seu principal esforço em uma acusação simplificada demais do tanque americano Sherman como uma "armadilha mortal" que atrasou a vitória final na Segunda Guerra Mundial.

Coluna de tanques M4 Sherman, jipes e caminhões americanos cruzando o riacho Mühl, em Neufeld, norte de Linz, na Alemanha, 1945.

A acusação de Cooper da inferioridade do tanque Sherman em comparação com os tanques alemães Panther e Tiger mais pesados ignora muitos fatos importantes. Primeiro, o Sherman foi projetado para produção em massa e isso permitiu que os Aliados desfrutassem de uma superioridade de 4-1 em números. Em segundo lugar, menos de 50% dos blindados alemães na França em 1944 eram Tigres ou Panthers. Terceiro, se os tanques alemães eram tão mortais quanto Cooper afirma, por que os alemães perderam 1.500 tanques na Normandia contra cerca de 1.700 tanques aliados? De fato, Cooper afirma que a 3AD perdeu 648 Shermans na guerra, mas a divisão afirmou ter destruído 1.023 tanques alemães. Claramente, não havia grande proporção de mortes a favor dos alemães, e os Aliados podiam se dar ao luxo de trocar tanque por tanque. Finalmente, se o Sherman era uma "armadilha mortal", por que o Exército dos EUA o usou mais tarde na Coréia ou os israelenses o usaram na Guerra de 1967?

Um tanque Sherman M4A1 do RBCEO avança dentro de uma coluna e aponta sua arma de 75mm em seu setor de tiro. Ao fundo o canhão de outro Sherman também pode ser visto. Eles são sobrevoados por um avião "Toucan" (Tucano, a forma como os franceses chamavam o Junker 52 de origem alemã), preparando-se para lançar paraquedistas.

Há um grande número de erros neste livro, começando com a afirmação ridícula de Cooper de que o General Patton foi o responsável por atrasar o programa de tanques pesados ​​M-26. Cooper afirma que Patton estava em uma demonstração de tanque em Tidworth Downs em janeiro de 1944 e que, "Patton... insistiu que deveríamos diminuir a produção do tanque pesado M26 e nos concentrar no M4... Este acabou sendo uma das decisões mais desastrosas da Segunda Guerra Mundial, e seu efeito sobre a batalha que se aproximava pela Europa Ocidental foi catastrófico". Na verdade, Patton esteve em Argel e na Itália durante a maior parte de janeiro de 1944, apenas chegando de volta à Escócia em 26 de janeiro. Na verdade, foi o General McNair do Comando das Forças Terrestres (Ground Forces Command), nos Estados Unidos, que atrasou o programa do M-26. Cooper vê o M-26 como a panacéia para todas as deficiências do Exército dos EUA e até afirma que a ofensiva americana em novembro de 1944 "teria tido sucesso se tivéssemos o Pershing" e o avanço americano resultante poderia ter evitado a ofensiva das Ardenas e "a guerra poderia ter terminado cinco meses antes". Isso é pura bobagem e ignora os problemas logísticos e climáticos que condenaram aquela ofensiva.

Cooper discute continuamente eventos que não testemunhou e, de fato, apenas cerca de um terço do livro cobre suas próprias experiências. Em vez de discutir as operações de manutenção em detalhes, Cooper opina sobre tudo, desde U-boats, foguetes V-2, bombardeios estratégicos e a conspiração de 20 de julho. Ele afirma falsamente que "os britânicos haviam adquirido um modelo da máquina de decodificação enigma alemã e o estavam usando para decodificar mensagens alemãs". Cooper escreve: "só em 25 de julho, na noite anterior à descoberta de Saint-Lo, Rommel foi capaz de garantir a liberação das divisões panzer em reserva na área de Pas de Calais". Na verdade, Rommel foi ferido em 17 de julho e internado em 25 de julho. Em outro capítulo, Cooper escreve que "os britânicos bombardearam a cidade [Darmstadt] durante um ataque noturno em fevereiro" e "mais de 40.000 morreram neste inferno". Na verdade, a RAF bombardeou Darmstadt em 11 de setembro de 1944, matando cerca de 12.000. Dresden foi bombardeada em 13 de fevereiro de 1945, matando cerca de 40.000. Obviamente, o autor confundiu cidades e ataques.

Panzer Lehr na Normandia, 1944.

Mesmo quando Cooper está lidando com questões mais próximas de sua própria experiência, ele tende a exagerar ou fornecer informações incorretas. Ele descreve o VII Corpo de Exército como um "corpo blindado", mas não era. A descrição de Cooper de um contra-ataque da divisão alemã Panzer Lehr é totalmente imprecisa; ele afirma que, "11 de julho se tornou um dos mais críticos na batalha da Normandia. Os alemães lançaram um contra-ataque massivo ao longo da rodovia Saint-Lo-Saint Jean de Daye..." Na verdade, uma divisão alemã abaixo do efetivo atacou três divisões americanas. Os americanos perderam apenas 100 baixas, enquanto os alemães sofreram 25% de perdas de blindados. A história oficial chama esse ataque de "um fracasso funesto e caro". Cooper escreveu que, "O Comando de Combate A... apresentou uma defesa incrível nas proximidades de Saint Jean de Daye...", mas na verdade era o CCB, já que o CCA estava na reserva. Em outra ocasião, Cooper afirma que sua unidade recebeu o 60.000º Sherman produzido, mas os registros oficiais indicam que apenas 49.234 de todos os modelos foram construídos. Cooper afirma que a 3ª Divisão Blindada tinha 17.000 soldados, mas a força autorizada era de cerca de 14.500. Esse cara não consegue se lembrar de nada corretamente?

A descrição de Cooper da morte de MGN Rose é virtualmente plagiada da história oficial e uma série de artigos na revista ARMOR na década passada revelam que Rose corria riscos extremos. Lendo "Death Traps", os não iniciados podem realmente acreditar que o Exército dos EUA foi duramente derrotado na Europa. Cooper ainda afirma que, conforme a 3ª Divisão Blindada se aproximava do rio Elba nos últimos dias da guerra, "com nossa divisão espalhada e oposta por três novas divisões, nossa situação era crítica". Se a situação de alguém era crítica em abril de 1945, era a da Alemanha. Na verdade, a 3ª Divisão Blindada tinha uma fraqueza-chave não observada por Cooper, ou seja, a falta de infantaria. A divisão tinha uma proporção pobre de 2:1 entre tanques e infantaria, e essa deficiência freqüentemente exigia que a 3AD pegasse emprestado um RCT de infantaria de outras unidades. Embora o tão difamado tanque Sherman estivesse longe de ser perfeito, ele fez o trabalho para o qual foi projetado, um fato que não foi percebido por este autor.

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Bibliografia recomendada:

ARMORED THUNDERBOLT:
The U.S. Army Sherman in World War II.
Steven Zaloga.

Leitura recomendada:

Análise alemã sobre o carros de combate aliados8 de agosto de 2020.


PCAT 2021: Apresentação de Capacidades do Exército Francês 2021


PCAT 2021: o novo conceito de emprego das forças terrestres

A apresentação das capacidades do Exército (Présentation des Capacités de l'Armée de Terre, PCAT) 2021 faz parte da implementação do plano estratégico do Exército Francês. Para ilustrar sua transformação, o Exército apresenta, na quinta-feira, 7 de outubro, aos auditores do Institut des Hautes Etudes de Défense Nationale (IHEDN), bem como a outros ilustres convidados do Versailles-Satory, todas as suas capacidades.

No dia 7 de outubro, 700 militares do Exército e cerca de quarenta veículos, veículos e aeronaves de última geração se destacaram por ocasião da apresentação das capacidades do Exército (PCAT). Este ano, o tema da edição de 2021 será “o novo conceito de emprego das forças terrestres”. Sobre esse fio condutor, o Exército demonstra que continua se transformando para enfrentar os desafios do futuro. Para ilustrar este conceito, uma demonstração dinâmica de uma hora e meia e apresentações estáticas.



A demonstração dinâmica girará em torno do tríptico "competição - contestação - confronto" e "Teatros de operação do território nacional". A apresentação estática dará ao público a oportunidade de interagir diretamente com os militares presentes nas oficinas. Os visitantes poderão ver de perto os principais equipamentos, especialmente aqueles apresentados durante a demonstração dinâmica. Cerca de quarenta veículos, máquinas e aeronaves de todos os tipos estarão acessíveis.





Continuação de competição / contestação / confronto:
Diante do ambiente internacional em mudança, o Exército continua a se transformar para enfrentar os desafios futuros. O tema do novo conceito de emprego das forças terrestres divide-se em três partes: competição, contestação e confronto.

Parte 1: A competição
O ambiente aeroterrestre está se urbanizando, saturando-se de fluxos materiais e imateriais, e é gradativamente dominado pela onipresença tecnológica. A competição entre Estados vem se intensificando e indo além do predomínio do domínio militar por combinações de ações políticas, econômicas, militares, materiais ou imateriais, em conformidade ou não com o direito internacional para atingir um objetivo estratégico.

Parte 2: A contestação
As forças terrestres estão totalmente integradas às funções estratégicas e à ação conjunta por meio de suas unidades e modos de ação. Diante da complexidade do meio ambiente e da natureza híbrida das ameaças, o emprego das forças terrestres deve ser combinado e integrar a profundidade do espaço de batalha, bem como os efeitos em campos intangíveis. A dissuasão nuclear confiável favorece estratégias indiretas adversárias às quais as forças terrestres devem se opor. Por meio de suas forças pré-posicionadas, suas forças especiais, ações de parceria e engajamentos diretos, as forças terrestres desempenham um papel na dissuasão convencional, complementar à dissuasão nuclear, e que se baseia em sua reputação (experiência, custo de sangue e eficiência reconhecida) e sua resiliência (humana e material).

Parte 3: O confronto
As condições e princípios para o engajamento das forças terrestres exigem verticalidade flexível em todos os níveis. Esta estrutura permite, assim, uma manobra global coerente em todos os níveis, por meio da compreensão da vontade do escalão superior, da integração da manobra na ação global e da aplicação do princípio da subsidiariedade. O combate colaborativo introduzido pelo Projeto SCORPION trará rapidez de decisão e execução (maior dispersão / concentração mais rápida) apesar dos desafios logísticos. A previsibilidade estará no cerne do projeto da manobra aeroterrestre.




O Exército deve estar pronto para enfrentar grandes confrontos. Deve, portanto:
  • Ter um modelo de exército confiável, equilibrado e coerente, capaz de dissuadir adversários em potencial.
  • Ser capaz de trabalhar em todos os ambientes (selva, deserto, montanha, anfíbio, rio, subterrâneo e urbano, no solo e no ar) e em todas as áreas de conflito,
  • Esteja pronto para a batalha em curto prazo e, portanto, treinado para enfrentar novas ameaças.
  • Tenha uma massa para aguentar o choque e durar;
  • Manter estoques de sobressalentes e munições em quantidade suficiente para treinar e durar, além de suprimentos ágeis e seguros (MCO aéreo e terrestre), incluindo uma capacidade real de aumentar a potência.
Apresentação de Capacidades do Exército Francês 2021


Capítulos
00:00 - lançamento
02:50 - início da transmissão
20:10 - início da apresentação

terça-feira, 5 de outubro de 2021

LIVRO: Panzer IV versus Char B1 bis - França 1940


Resenha do livro Panzer IV vs Char B1 bis: France 1940 (Panzer IV versus Char B1 bis: França 1940, 2011), de Steven J. Zaloga para a série Duel da editora Osprey Publishing, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um ótimo complemento para a série Duel [5 estrelas]

16 de fevereiro de 2011

Embora a história da guerra blindada na Segunda Guerra Mundial atraia muita atenção, variando de trabalhos técnicos sérios a relatos mais populares, a história do primeiro grande confronto de blindados raramente é discutida em detalhes. Em Panzer IV vs. Char B1 bis, o veterano historiador de blindados Steven J. Zaloga examina o confronto entre o tanque Pz IV alemão e o Char B1 bis francês em maio de 1940. Grande parte da narrativa gira em torno da Batalha de Stonne em 15-17 de maio de 1940, onde ocorreram alguns dos combates mais intensos da Campanha de 1940. Este volume é soberbamente bem equilibrado, com um bom histórico de desenvolvimento de cada tanque, treinamento da tripulação e como eles foram usados ​​em combate. Como de costume, Zaloga agrupa muitos fatos em gráficos e tabelas neste volume, mas também dedica tempo para analisar esses fatos e dizer ao leitor o que significam. Claramente, este volume foi escrito para entusiastas de blindados para quem o Char B1 bis é um assunto interessante, mas negligenciado. No geral, este é um dos meus volumes favoritos da série Duel.

O "Char B1 bis Eure" do Capitão Billotte destruindo sozinho uma coluna de 13 Panzers III e IV na Batalha de Stonne, maio de 1940.
(Lâmina de Johnny Shumate)

Na introdução, Zaloga explica apropriadamente porque esse duelo foi importante tanto no contexto da Campanha Ocidental quanto no desenvolvimento de tanques. Ele inclui uma cronologia conveniente de uma página. A seção sobre projeto e desenvolvimento é particularmente bem escrita. Depois de mais de uma década de desenvolvimento, o Exército Francês começou a equipar o Char B1 em 1937, mas no início da guerra em 1939, o exército tinha apenas quatro batalhões de tanques com 119 disponíveis. O desenvolvimento alemão do Pz IV começou mais tarde, mas avançou muito mais rápido e eles tinham 211 disponíveis no início da guerra. Quando a Campanha Ocidental começou em maio de 1940, os franceses tinham 258 Char B1 bis contra 290 Pz IV. Como Zaloga observa cuidadosamente, ambos os tanques foram projetados principalmente para o apoio da infantaria, não para a luta de tanques contra tanques. Na seção de especificações técnicas, Zaloga compara os dois tanques em termos de proteção, poder de fogo e mobilidade. O tanque francês era claramente superior nas duas primeiras categorias, mas o Pz IV tinha vantagens significativas na mobilidade, bem como no desenho interno (torre de 3 homens vs. torre de 1 homem). Além disso, o consumo excessivo de combustível do Char B1 bis e a falha francesa em agilizar os procedimentos de reabastecimento tático antes da campanha teriam um impacto significativo no resultado do duelo entre esses dois sistemas de armas.

A seção de 21 páginas sobre Combatentes oferece uma visão interessante do treinamento da tripulação para cada lado. Os franceses tinham problemas particulares, já que a maioria de suas tripulações eram reservistas e muitos batalhões só receberam seus tanques Char B1 bis alguns meses antes do início da Campanha de Maio. Em contraste, a maioria das tripulações do Pz IV estava junta há mais de um ano e a maioria teve um gostinho da experiência de combate na Campanha Polonesa de 1939. Esta seção também inclui desenhos do interior da torre de cada tanque, bem como um desenho transparente da tripulação. Digno de nota, Zaloga fornece um perfil de página inteira do tanquista francês Capitaine Pierre Billotte, mas não fornece um perfil de nenhum oponente alemão. No entanto, esta seção também dá uma olhada na DCR francesa e na Divisão Panzer, bem como tabelas muito informativas sobre a força dos tanques franceses e alemães em maio de 1940 (divididos por unidade e tipo). Minha única preocupação aqui era que não havia muita informação sobre o nível de organização ou tática do pelotão-companhia-batalhão, o que teria melhor estabelecido a narrativa de combate subsequente.


Depois de uma curta seção sobre a situação estratégica (com mapa), Zaloga move-se rapidamente para a seção de combate de 14 páginas, intitulada Duel at Stonne (Duelo em Stonne). Ele entra em detalhes táticos consideráveis discutindo o confronto de 2 dias entre a 3e DCR francesa e a 10. Panzer-Division alemã em Stonne. Os franceses tentaram atingir a travessia alemã em Sedan, mas acabaram em uma batalha de atrito perto do rio em Stonne. Esta seção inclui uma cena de batalha incrível de um Char B1 bis no ataque, um mapa tático e algumas fotos P/B magníficas. No final, o contra-ataque francês fracassou e os alemães resistiram, depois que cerca de 33 tanques franceses e 25 panzers foram perdidos. Em seguida, Zaloga discute brevemente as operações das outras unidades Char B1 bis.

No geral, Zaloga conclui que "muitos tanques Char B1 bis individuais tiveram um desempenho excepcionalmente bom em pequenas ações devido à sua blindagem impressionante...", mas "o problema central enfrentado pelo Char B1 bis foi sua incorporação em divisões blindadas que foram preparadas inadequadamente e mal utilizadas por comandos superiores." Zaloga observa que os tanques franceses sofreram perdas de cerca de 43% contra 35% dos alemães, mas que pelo menos 60 Char B1 bis foram destruídos por suas próprias tripulações. Ele observa que os alemães ficaram suficientemente impressionados com o Char B1 bis para incorporar 125 desses veículos capturados em seu próprio estoque de tanques. Quanto ao Pz IV, Zaloga observa que "não teve um desempenho estelar na França" e foi muito pressionado quando forçado a servir no papel antitanque em Stonne. Em suma, Panzer IV vs. Char B1 Bis é uma leitura incisiva e totalmente agradável, com um bom pacote gráfico de apoio.

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Os dois livros de Zaloga sobre os duelos principais na Campanha da França em 1940:
Panzer IV versus Char B1 bis e Panzer III versus Somua S 35.

Leitura recomendada:


domingo, 3 de outubro de 2021

FOTO: Centurion australiano no Vietnã

Centurion australiano em Phuoc Tuy, c. 1969.

Província de Phuoc Tuy: Crianças locais dão uma mão limpando o cano de um tanque Centurion Mk V/1 do 1º Regimento Blindado (1st Armoured Regiment, 1AR), Real Corpo Blindado Australiano (Royal Australian Armoured Corps, RAAC).

Os australianos fizeram bom uso de blindados na Guerra do Vietnã. Transportadores M113 providenciavam mobilidade tática sobe fogo e transporte de longa distância na área de operações. Já os Centurions eram ótimos destruidores de bunkers.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Herança de Aço: O StuG tchecoslovaco

Soldado sírio posando com a carcaça de um StuG na Síria.

Por Yuri Pasholok e Peter Samsonov, Tank Archives, 21 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de setembro de 2021.

A indústria tchecoslovaca recebeu uma série de tecnologias militares avançadas após o fim da Segunda Guerra Mundial como resultado das encomendas alemãs, mas sua herança não terminou aqui. Uma grande quantidade de tanques anteriormente alemães foi deixada no país. Embora a Tchecoslováquia preferisse tanques e peças de assalto soviéticos, ninguém recusaria a riqueza dos veículos alemães. Como resultado, o país acabou com um parque de tanques colorido, incluindo LT vz.35 e LT vz.38 domésticos de antes da guerra, Cromwells e Challengers britânicos, T-34-85 e IS-2 soviéticos e muitos veículos alemães, incluindo o StuG 40.

Espalhados pelos Campos

StuGs tchecos incluíam alguns veículos veneráveis, como este Ausf. B nocauteado em Praga.

Inicialmente, os militares tchecoslovacos ignoraram sua herança. A situação mudou no final de 1945, quando o equipamento alemão foi recolhido em bases especiais de reparo, também herdadas dos alemães. Essas bases estavam localizadas em Přelouč, Děčín e Vrchotovy Janovice. O trabalho se arrastou e o primeiro veículo reparado só saiu de Přelouč em setembro de 1946.

Os StuG reparados entraram em serviço sob o índice ShPTK 40/75N (peça de assalto 40 com arma de 75mm, alemão). Novos números de série foram emitidos para os StuGs restaurados, de 67 947 a 67 949. Grandes reparos para outros 20 veículos foram planejados para 1947, mas na realidade apenas mais dois ou três ShPTK 40/75N foram reparados (números de série 71 860 e 71 861 são conhecidos). Embora cerca de 50 StuGs tenham sido preparados para conversão, o trabalho neles foi pausado por enquanto.

Uma das peças de assalto convertidas fazendo o papel dum StuG 40.

É fácil entender o porquê. A Tchecoslováquia era um país industrializado, mas ainda não tinha pressa em desperdiçar recursos na Europa dilacerada pela guerra. Os veículos já concluídos foram enviados para a escola de tanques em Vyškov, a 55km de Brno. Um dos veículos foi julgado por uma comissão do Ministério da Defesa. Com isso, optou-se por deixar a embreagem da caixa de câmbio mecânica, rejeitando a ideia de uma hidráulica, substituir o ventilador do compartimento de combate por um mais potente e usar manteletes fundidos sempre que possível. Após os testes de um veículo convertido, o ShPTK 40/75N recebeu luz verde.

Rumo à ação

Primeiro, as armas de assalto ShPTK 40/75N da escola de tanques foram convertidas para o novo formato, depois o restante dos veículos em Přelouč. Em fevereiro de 1948, cinco StuG 40 foram convertidos e 50 ShPTK 40/75N foram produzidos naquele ano. Cinco deles foram enviados para a escola de tanques, 20 para a 12ª Brigada de Tanques, 20 para a 11ª Brigada de Tanques e 5 para a 14ª Brigada de Tanques. Os veículos reparados receberam números de série de 67 511 a 67 563. O tamanho do intervalo é explicado pelo fato de que os ShPTK 40/75N 67 514, 67 538 e 67 540 foram concluídos em 1949. Dois deles foram enviados para a escola de tanques , um para o 352º Regimento de Canhões Autopropulsados localizado em Pilsen.

Outro ShPTK 40/75N com cruzes alemãs. O número de série 67 533 está visível. Hoje, o veículo pode ser visto no museu Banská Bystrica, na Eslováquia.

Em 1949, o ShPTK 40/75N foi alterado para SD 75/40N (Samohybné dělo, canhão autopropulsado). O exército recebeu 50 SD 75/40Ns incluindo os listados acima. 5 deles foram enviados para a escola de tanques e o restante para o 352º Regimento de Canhões Autopropulsados. Os veículos reparados tinham números de série 67 564-67 580, 79 601-79 628, 79 637 e 79 640. Os últimos 19 SD 75/40N foram convertidos em 1950 e todos foram enviados para o 352º Regimento. Seus números de série variaram de 79 628 a 79 650. No total, 124 StuG 40 foram modernizados.

Ao contrário do PzIV, os StuG não mudaram significativamente no serviço tchecoslovaco. Até os faróis permaneceram os mesmos, pois as lanternas Notek ainda eram produzidas na Tchecoslováquia. Alguns veículos tinham caixas de ferramentas adicionais, mas sua adição não foi generalizada. Nenhum dos veículos convertidos tinha blindagem de saia ou mesmo montagens para ela, mas uma parte dos StuG 40 não tinha originalmente de qualquer maneira.

O canhão Skoda A 19 de 76mm, proposto como substituto do StuK 40 de 7,5cm.

Houve um momento em que os StuG 40 poderia ter recebido um upgrade significativo. Em 1948, a Skoda começou a desenvolver o canhão A 19 de 76mm, que substituiria o Pak 40 e o ZiS-3 no serviço da tchecoslovaco. Em 1949, dois protótipos foram construídos. Um tinha um gatilho elétrico e o outro um mecânico.

O tiro perfurante de blindagem do A 19 tinha uma velocidade de cano de 915m/s e podia penetrar 100mm de blindagem inclinada a 30 graus a um quilômetro de distância, uma estatística respeitável considerando que a arma era muito compacta, embora o cano fosse mais longo do que o do Pak 40 ou StuK 40. O comitê de artilharia do exército tchecoslovaco revisou a idéia de desenvolver uma versão especial do A 19 para o SD 75/40N entre 13 e 14 de dezembro de 1949.

Desenho da aparência do SD 75/40N com o canhão Skoda A 19 de 76mm.

O projeto foi rejeitado e o A 19 logo foi rejeitado por completo. Em vez disso, os engenheiros concentraram seus esforços no canhão 100mm A 20, mais poderoso, que foi aprovado para serviço sob o índice 100mm kanon vz.53.

Em 8 de junho de 1951, outra tentativa de rearmar a arma de assalto foi feita. O VTÚ (Vojenské techniky ústav, Instituto Técnico Militar), propôs a instalação do canhão 85mm mod. 1944 (ZiS-S-53) do T-34-85, já que a Tchecoslováquia iria produzir o tanque. No entanto, essa proposta também nunca foi realizada.

Vz.40 75mm ShPTK N-IV durante as filmagens do filme "Uma Canção sobre o Pombo Cinzento" (1961).

Além do StuG 40, outra peça de assalto alemã foi modernizada na Tchecoslováquia. Um StuG IV foi descoberto durante a conversão dos tanques PzIV para o padrão tchecoslovaco no CKD. Em 24 de junho de 1948, recebeu o número de série 67 488 e índice vz.40 75 mm ShPTK N-IV, e foi enviado para a escola de tanques. Serviu por muito tempo, e até estrelou no filme  "Uma Canção sobre o Pombo Cinzento", lançado em 1961. O plano era deixá-lo em um museu, mas acabou sua existência em um ferro-velho.

Mãos de terceiros

No início de 1951, a maior parte do SD 75/40N (108 veículos) foi coletada nos 351º e 352º regimentos autopropulsados. O restante foi enviado para a base de armazenamento em Martin, onde a principal fábrica de tanques da Tchecoslováquia foi posteriormente construída. Mais tarde, os regimentos foram reformados em baterias.

Os veículos foram usados como tratores e auxiliares de treinamento, 1972.

A vida útil do SD 75/40N era curta. A produção do SD-100 (versão tchecoslovaca do SU-100) começou em 1953. O SD 75/40N foi gradualmente retirado e enviado para Žilina. O processo de substituição foi concluído em março de 1955. Depois disso, o SD 75/40N foi usado apenas como auxiliar de treinamento e em filmes sobre a guerra.

A breve vida útil do SD 75/40N pode fazer pensar que a modernização das peças de assalto foi um erro, mas não foi o caso. Quando o tanque TVP foi adiado, a modernização dos veículos existentes foi a ideia mais razoável, especialmente porque o trabalho em canhões autopropulsados baseados em TVP nunca saiu do estágio de projeto. Ao contrário deles, o SD 75/40N foi uma solução barata e rápida que colocou mais de 100 veículos em serviço.

A história do StuG 40 tchecoslovaco poderia terminar aqui, mas continua. Em 21 de março de 1953, Antonín Zápotocký tornou-se presidente da Tchecoslováquia. Sob ele, a Tchecoslováquia retomou as vendas de armas para outros países. O volume das exportações foi ainda maior do que as exportações de aviões no final dos anos 1940. Em 21 de setembro de 1955, um acordo foi fechado entre a Tchecoslováquia e o Egito sobre uma ampla gama de armamentos e veículos. Costuma-se dizer que apenas armas soviéticas foram enviadas para o Egito e o negócio foi apenas um encobrimento, mas não é o caso. Até os tanques soviéticos vieram de depósitos da Tchecoslováquia. No entanto, a maioria dos tanques embarcados eram tchecoslovacos.

Coluna de carros SD 75/40N desfilando em Damasco.

Depois do Egito, a Síria assinou um acordo de armas que incluía 60 SD 75/40N. O governo tchecoslovaco matou dois coelhos com uma cajadada só. Por um lado, recebiam dinheiro, por outro, se libertavam de veículos obsoletos que deveriam ser desativados e posteriormente sucateados. A primeira remessa de 20 SD 75/40N estava programada para a primavera de 1956, o próximo lote seria enviado em agosto e outro no final do ano.

As remessas reais eram menores e os números variam. Algumas fontes dizem que apenas 12 veículos partiram para a Síria. Outras dizem que pelo menos 20 foram enviados. Em janeiro de 1957, durante a reorganização dos regimentos de artilharia da Síria, 28 desses veículos foram removidos. Finalmente, de acordo com a pesquisa do historiador tcheco Vladimir Franzev, um total de 32 SD 75/40N foram enviados para a Síria.

Tripulação síria na frente de um veículo germano-tchecoslovaco.

Os veículos sírios viram algumas mudanças. Primeiro, os sírios instalaram uma torre enorme no lado esquerdo da casamata, montando uma metralhadora italiana Breda SAFAT de 12,7mm.

Breda SAFAT 12,7mm (.50) síria.

Torre da metralhadora Breda SAFAT. Observe que ainda há Zimmerit neste veículo, portanto, era um StuG 40 que foi produzido antes de setembro de 1944.

A única vez que os SD 75/40N sírios viram combate foi na Guerra dos Seis Dias. Na primavera de 1967, os conflitos nas fronteiras de Israel, Síria e Egito se transformaram em uma guerra completa. Um ataque aéreo israelense contra aeroportos inimigos em 5 de junho de 1967 destruiu quase todas as aeronaves inimigas. Tendo obtido superioridade aérea, Israel começou sua ofensiva.

As forças do General David Elazar atacaram o norte, em direção à Síria. Em 9 e 10 de junho, suas forças atacaram as Colinas de Golã. Foi aqui que os sírios usaram seus SD 75/40N contra os tanques israelenses M50, M51 e AMX 13. Os sírios também tinham vários Jagdpanzer IV. Sua fonte não é conhecida, mas o resultado é: fragmentos de artilharia autopropulsada síria ainda se espalham pelas Colinas de Golã até hoje. Vários veículos foram capturados intactos. Hoje, um SD 75/40N capturado pode ser visto no museu de tanques Yad La-Shiryon em Latrun.


SD 75/40N em Yad La-Shiryon

O carro do museu é pintado de cinza, embora, na realidade, os veículos sírios tenham uma pintura diferente.

O veículo está em ótimo estado de conservação.

O StuG 40 Ausf. G da última série serviu de base para o retrabalho tchecoslovaco.

O último StuG 40 Ausf. G pode ser distinguido pelo design do material rolante.

Os sistemas ópticos e alguns acessórios desapareceram do carro, mas em geral o kit de carroceria foi bem preservado.

Até mesmo os silenciadores sobreviveram, que muitas vezes são perdidos devido à fragilidade.

Antes, o carro ficava na exposição central do museu, e era mais fácil andar por lá.

Visão da direita do mesmo carro.

Os canhões autopropulsados são instalados com cautela nas almofadas para que não rolem acidentalmente.

Como de costume, os tchecos inseriram o farol Notek, mas o carro manteve o suporte do farol Bosch.

Placas de identificação tchecoslovacas apareceram na placa frontal.

Novo número de série.

Este número também é de origem tchecoslovaca.

Como convém a uma máquina da série posterior, esta tem um mantelete de canhão fundido.

Uma das diferenças da máquina base: o escudo que cobre a parte superior do mantelete é de origem síria.

Reserva de cabine adicional.

A mesma aba na parte de trás.

Instalação padrão da metralhadora MG-34 com controle remoto.

Reparo colocado para trás.

Know-how sírio - uma torre blindada para uma metralhadora de aeronaves Breda SAFAT de 12,7mm.

Janela de visualização do motorista.

Não há mudanças do lado direito da cabine.

À esquerda, há um suporte para lagartas sobressalentes.

Um batente do canhão e um farol Notek foram fixados na placa frontal.

Caixa de peças sobressalentes. Ele é tchecoslovaco ou sírio, desconhecido.

Montagem padrão de lagartas sobressalentes.

Suspensão do StuG 40 Ausf. G da série mais recente.

A suspensão de um ângulo diferente.

A esteira da lagarta, ao contrário do material rolante, não mudou em máquinas de diferentes séries.

As calotas estão faltando nas rodas motrizes.

O amortecedor é claramente visível. Um amortecedor foi colocado na frente e atrás.

Rolos transportadores totalmente metálicos introduzidos no final da produção do StuG 40.

O rolo com seu suporte.

Cano do canhão StuK 40 L/48.

Freio de boca.

Visão de cima do freio de boca.

Bibliografia recomendada:

STURMGESCHÜTZ:
Panzer, Panzerjäger, Waffen-SS and Luftwaffe units 1943-45.
Thomas Anderson.