Mostrando postagens com marcador Exército Russo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Exército Russo. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

A Geórgia e suas duas guerras no Afeganistão


Por Giorgi Lomsadze, Eurasianet, 9 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de novembro de 2021.

Com o fim da guerra liderada pelos EUA, os georgianos estão relembrando suas décadas de serviço militar na Ásia Central sob duas superpotências.

"O Afeganistão é a razão pela qual toco piano."

"Comecei a aprender em meados da década de 1980 e, de acordo com uma teoria popular na época, uma carreira musical de sucesso poderia isentar alguém do serviço militar - ou pelo menos conseguir que alguém fosse designado para uma banda militar. Então, meus pais matricularam a mim e meu irmão na escola de música em uma idade muito jovem, na esperança de nos poupar do destino dos homens georgianos que estavam lutando e morrendo na guerra da União Soviética no Afeganistão."

O Afeganistão acabaria se tornando para a União Soviética o que o Vietnã foi para os Estados Unidos: uma pilha de corpos, PTSD, vidas de jovens dilaceradas e, uma vez que o império em ruínas não conseguia mais esconder a verdade sobre a guerra, uma inspiração para livros e filmes.

Avtandil Shubikashvili em Bagram na década de 1980.
(Foto de cortesia)

No final, toda uma geração de russos, georgianos, cazaques e outros ex-cidadãos soviéticos seria simplesmente chamada de Afghantsi, ou os afegãos, um eufemismo para alguém envolvido na guerra.

Poucos desses homens sabiam que seriam enviados para uma zona de guerra quando fossem recrutados, geralmente quando tinham 18 anos.

“Fizemos uma grande festa na minha aldeia quando fui chamado para o serviço. Meus pais não tinham ideia de que eu realmente estava indo para a guerra, nem eu”, lembra Pridon Kapanadze, de 60 anos, que em 1981 foi enviado de sua pequena cidade natal, Akhaltsikhe, na Geórgia, até Jalalabad.

“Só percebi isso quando eles me enviaram para treinar no Vale Fergana, no Uzbequistão”, me disse outro veterano, Avtandil Shubikashvili. Após dois meses de treinamento, que ele descreve como “um inferno em vida”, ele foi transportado de avião para o campo de aviação de Bagram, onde pousou sob uma rajada de fogo.

Foi lá, 64 quilômetros ao norte de Cabul, onde ficou baseado por dois anos, servindo no 345º Regimento Aerotransportado, comandado pelo futuro ministro da Defesa da URSS, Pavel Grachev. “Na maior parte do tempo estávamos sujos, sem banho, cheios de piolhos, todo mundo tinha doença amarela [hepatite A] e éramos constantemente alvejados”, disse Shubikashvili.

“Não podíamos nem contar às nossas famílias o que realmente estava acontecendo ali. Só podíamos escrever cartas com saudações. Eles inspecionaram cada carta e cada foto que enviamos para casa”, disse Shubikashvili enquanto me mostrava as fotos que haviam sido aprovadas pelos censores militares. “Quando alguém morria, eles mandavam o corpo para casa em um caixão de zinco lacrado com uma nota dizendo que a morte foi causada por um acidente.”

Shubikashvili (à direita) com amigos.

Quando o amigo mais próximo de Shubikashvili, Yuriy Mogilchenko, foi morto, Grachev pediu-lhe que acompanhasse os restos mortais de Mogilchenko até sua cidade natal, Voronezh, na Rússia.

“A viagem me ofereceria uma pausa na guerra, mas era [já] 21 de dezembro e eu simplesmente não conseguiria entregar o cadáver de Yuriy para seus pais na véspera de Ano Novo”, disse Shubikashvili. “Estremeci quando me imaginei entrando em seu apartamento, onde sua família estava reunida em torno de uma mesa de Ano Novo, e dizendo a eles que trouxe seu filho morto. Então eu recusei. ‘A menos que seja uma ordem, não posso fazê-lo’, disse eu.”

Muitos georgianos, particularmente cidadãos relutantes da União Soviética, sentiram que não tinham cachorro algum naquela luta, na tentativa de Moscou de fazer um ponto geopolítico em um deserto distante. A chegada do primeiro caixão de zinco em Tbilisi e as histórias de um corpo mutilado dentro apenas exacerbaram a percepção de que os georgianos estavam novamente se tornando vítimas do hábito da Rússia de entrar valsando seu exército em um país estrangeiro. Pais aterrorizados começaram a ir longe - trouxeram subornos e certificados de saúde falsos para os centros de recrutamento, mexeram com as conexões familiares, imploraram - para manter seus filhos fora do serviço militar. Ou pelo menos fora do Afeganistão.

Nos meus dias de aula de música, lembro-me de uma conversa entre minha mãe e meu professor de música, falando em uma mistura de georgiano e russo que era a única maneira adequada para a intelectualidade de Tbilisi falar na época: “Quando meu filho foi chamado para o serviço , Fui direto para o comissariado militar”, disse a professora. “Eu disse a eles que me enforcaria bem na porta se mandassem meu filho para aquele matadouro”.

No final das contas 128 georgianos morreram no Afeganistão, de acordo com dados do Ministério da Defesa da Geórgia, e muitos deles vieram de famílias rurais sem pais que poderiam subornar ou usarem conexões para tirarem seus filhos do Afeganistão. Da União Soviética como um todo, oficialmente quase 15.000 morreram e mais de 53.000 ficaram feridos.

Filho de um fazendeiro, Kapanadze nem falava russo quando chegou a Jalalabad. “Quando um oficial perguntou em russo quem concordaria em trabalhar como sapador, eu me ofereci - pensei que sapador significava um cozinheiro”, disse ele. “Fiquei surpreso quando o oficial veio até mim, colocou a mão no meu ombro e disse que eu era um herói. Antes que eu percebesse, estava tateando por minas no deserto”, continuou Kapanadze com um sorriso.

“Uma vez eu até tive que instalar uma bomba no corpo de um insurgente morto. Sabíamos que os dushmani ["fantasma", um termo soviético para os mujahedeen afegãos] sempre voltavam para buscar os corpos de seus mortos, então eles provavelmente explodiram quando tocaram naquele corpo.”

Kapanadze e Shubikashvili hoje.
(Giorgi Lomsadze)

Quando Kapanadze retornou à Geórgia no final de seu serviço, dois anos depois - ele teve que encontrar seu próprio caminho para casa, já que o avião militar o deixou no Uzbequistão e ninguém se deu ao trabalho de lhe dar uma passagem de avião para Tbilisi - ele estava portando tantas medalhas e prêmios que a polícia o prendeu supondo que fosse um ladrão. “Perdi o ônibus para minha aldeia e tive que implorar para que pessoas aleatórias me comprassem uma passagem”, disse ele. “Quando eles finalmente perceberam que eu era um verdadeiro herói de guerra condecorado, o chefe de polícia me levou até minha aldeia em seu próprio carro.”

Diz a lenda urbana que o exército soviético confiava principalmente nos povos do Cáucaso, como georgianos e armênios, já que eles supostamente podiam se passar por habitantes do Oriente Médio. Kapanadze diz que isso era apenas parcialmente verdade. “A maioria das tropas era russa, mas havia de fato muitos georgianos em meu regimento”, disse ele. “Os caucasianos e os centro-asiáticos costumavam ser invocados durante as operações diurnas porque, como sulistas, podíamos lidar melhor com o calor do que os russos, que costumavam desmaiar de insolação e desidratação”.

Adeus à Slavyanka


"A reação por causa do Afeganistão estava começando a abalar a União Soviética em seu núcleo, enquanto eu estava aprendendo a tocar músicas militares russas em preparação para meu futuro papel naquela banda militar. Minha música favorita era Adeus à Slavyanka, uma marcha da época da Primeira Guerra Mundial que se transformou em uma trilha sonora da Segunda Guerra Mundial e tinha um bom potencial como trilha sonora da última guerra. Meu professor batia o ritmo da música em staccatos picantes no piano enquanto eu carregava a melodia no clarinete e a superpotência estava se desintegrando ao nosso redor."

Quando cheguei à idade de recrutamento, eu morava em um país diferente. Quando entrei na universidade no final dos anos 1990, o corpo do império foi desmembrado com segurança, carbonizado com rancores étnicos e coloniais. A Geórgia estava forjando laços com os Estados Unidos rapidamente e se desfazendo da influência russa ainda mais rápido. Eu estava coçando minha cabeça em uma sala de aula dilapidada, tentando localizar a extremidade comercial de um fuzil automático desmontado em uma aula de treinamento militar na minha universidade.

Ministrado por um veterano de guerra nonagenário que passou grande parte de seu tempo como professor retrucando às provocações de meus colegas de classe, a classe, de outra forma inútil, nos ofereceu - um grupo de crianças mimadas de famílias de professores - uma maneira de pular o serviço militar obrigatório no que agora eram as forças armadas independentes da Geórgia. No exame final em um campo de tiro, não consegui acertar uma única bala em um alvo quase comicamente grande, mas isso não me impediu de concluir o curso com a patente de segundo tenente.

O Afeganistão foi amplamente esquecido nessa fase, apagado das memórias dos georgianos por guerras civis e separatistas mais recentes perto de casa. Mas isso estava prestes a mudar.

O semestre do outono tinha apenas começado quando eu voltei da escola um dia e encontrei minha avó chorando na frente de uma TV com a CNN transmitindo imagens de um arranha-céu em chamas em Nova York. “Um avião acidentalmente bateu em um prédio nos Estados Unidos”, ela me disse; ela não conseguia entender direito as transmissões em inglês. “Por que eles estão construindo esses edifícios enormes? Todas essas pessoas, pobrezinhas...”

Os EUA invadiram o Afeganistão naquele ano para iniciar o que ficou conhecido como a "guerra eterna". A Geórgia aderiu em 2004, principalmente para provar o seu valor como potencial membro da OTAN, mas também para aumentar as suas próprias capacidades de defesa. Desta vez, servir no Afeganistão foi uma escolha feita pelo governo da Geórgia, e o serviço militar não era mais obrigatório - portanto, foi uma missão que muitos soldados georgianos receberam bem.

Davit Bendiashvili, um homem da minha idade da cidade costeira de Batumi, foi treinar nos EUA antes de ser enviado para Helmand. Ele fala com entusiasmo sobre aquele treinamento, que não foi nada parecido com a experiência que Shubikashvili descreveu 30 anos antes - correr pelas montanhas por um dia inteiro sem comer ou beber sob o sol escaldante do Vale Fergana.

“Foi difícil no Afeganistão, mas estou feliz por ter participado. Ensinou-me muito a nível profissional e também pessoal”, disse Bendiashvili, que agora vive em Lisboa, onde trabalha como marinheiro mercante.

“Toda vez que saíamos da base, onde vivíamos em tendas cercadas por uma parede de sacos de areia, nós estávamos orgulhosos de dirigir por aí um veículo blindado com bandeiras georgianas,” Bendiashvili lembrou durante uma chamada de vídeo pelo Facebook. “Quando nós encontrávamos anciãos das aldeias locais, alguns nos perguntou se nós éramos cruzados [a bandeira nacional da Geórgia com cinco cruzes vermelhas-e-brancas tem algumas semelhanças com uma bandeira cruzada]. Eles falavam das Cruzadas como se tivessem acontecido ontem.”

Soldados georgianos destacando-se para o Afeganistão em 2013 por meio da base aérea de Manas no Quirguistão.
(David Trilling)

Ele também encontrou anciãos das aldeias em sua área de operações curiosos sobre a geopolítica movediça da Geórgia. “’Vocês não nos invadiram em conjunto com os russos antigamente? Então agora você está lutando contra os russos?’ - nós recebíamos muito essas perguntas“, disse ele.

Outras coisas não mudaram. “Aprendi que, se você for convidado para uma casa afegã, nada poderá acontecer com você enquanto estiver lá. O convidado é sagrado para eles, em grande parte da mesma forma que é para nós, georgianos”, disse Bendiashvili.

Eu tinha ouvido a mesma explicação, quase palavra por palavra, tanto de Kapanadze quanto de Shubikashvili.

Apesar de ter sido pego em tiroteios várias vezes, Bendiashvili disse que não mudaria nada na experiência. “É que quando meu contrato militar expirou em 2012 - eu estava em Cabul então - decidi que estava farto e era hora de seguir em frente. Passei 18 meses no Afeganistão e 13 anos no exército, e acho que servi bem ao meu país.”

A Geórgia retirou suas forças em junho; um total de 32 soldados morreram nesta guerra. As tropas georgianas treinadas pela OTAN e com experiência no Afeganistão e no Iraque são agora consideradas tropas de elite. Muitos deles subiram na hierarquia das forças armadas georgianas ou voltaram ao Afeganistão para trabalhos lucrativos com empresas de segurança privada. Vários ficaram presos até mesmo brevemente em Cabul durante a caótica retirada americana em agosto.

Os veteranos da guerra soviética, entretanto, raramente são lembrados. Em reconhecimento aos serviços prestados a um país há muito desaparecido, o Estado georgiano agora paga a eles uma pensão mensal insignificante de 22 lari (7 dólares) e oferece viagens gratuitas no transporte público. Eles sempre se reúnem em 15 de fevereiro, o dia em que a União Soviética retirou suas forças do Afeganistão em 1989.

Existem agora dois memoriais na Geórgia em homenagem aos soldados que morreram em duas guerras diferentes no Afeganistão.

Recentemente, localizei o antigo memorial de guerra soviético nos arredores de Tbilisi, escondido em um pequeno parque. A laje maciça de bronze em forma de chama com uma figura humana em tamanho natural está um pouco enferrujada devido à longa exposição aos elementos. Olhando para ela, encontrei presa na minha cabeça a melodia agridoce de Slavyanka, aquela canção errante de guerra.

Giorgi Lomsadze é jornalista residente em Tbilisi e autor do Tamada Tales.

domingo, 10 de outubro de 2021

FOTO: Spetsnaz com um telêmetro Intrigan

Spetsnaz com telêmetro Intrigan, outubro de 2021.

Um soldado das forças especiais (Spetsnaz) das Forças Armadas Russas com o complexo de reconhecimento "Intrigan" (Интриган). Esse telêmetro reconhece assinaturas térmicas e ilumina facilmente o alvo com um laser designador.

Bibliografia recomendada:

Spetsnaz:
Russia's Special Forces.
Mark Galeotti.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

FOTO: T-72B3 russo na neve

Raro T72B3 da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados, Moscou, 31 de janeiro de 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de setembro de 2021.

Em 31 de janeiro deste ano, na capital Moscou, infantaria motorizada, unidades blindadas e de artilharia realizaram um exercício de força contra força no campo de treinamento de Sernovodsky na região de Stavropol, empregando tanques T-72B3 e aviação do exército. As manobras envolveram militares da 42ª Divisão de Fuzileiros Motorizados do 58º Exército de Armas Combinadas, parte do Distrito Militar do Sul.

Dois grupos táticos de valor companhia realizaram operações de combate um contra o outro no campo de provas, executando ações de armas combinadas e desembarcando uma força de assalto aerotransportada como parte de um exercício tático "força contra força". Helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh "Terminator" foram empregados para desembarcar forças aerotransportadas e fornecer apoio aproximado.

Os exercícios envolvem cerca de 500 soldados e mais de 50 itens de equipamento militar: tanques T-72B3, veículos de combate de infantaria BMP-3, helicópteros de aviação do exército Mi-8AMTSh, canhões de artilharia autopropulsados e veículos blindados BTR-82A.

Bibliografia recomendada:

TANKS:
100 Years of Evolution.
Richard Ogorkiewicz.

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Salto de grande altitude no Ártico


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de agosto de 2021.

Em 27 de abril de 2020, ocorreu o salto de uma unidade de reconhecimento da VDV em algum lugar do Ártico de uma altura de 33.000 pés, o que é aproximadamente a marca prática superior de uma inserção HALO/HAHO. Segundo os russos, esta foi a primeira vez em sua história que eles saltaram daquela altura. Uma vez no solo, eles realizaram um assalto simulado contra um "alvo de inteligência".

O vice-ministro da Defesa da Federação Russa, Tenente-General Yunus-bek Yevkurov, um ossétio que se formou na escola do Comando Aerotransportado de Ryazan em 1989, na era soviética, estava na Zona de Lançamento (ZL).




Bibliografia recomendada:

Wings of War:
Airborne Warfare 1918-1945.

Leitura recomendada:











sexta-feira, 6 de agosto de 2021

FOTO: Tropas soviéticas em Bratislava

Coluna militar soviética em Bratislava, agosto de 1968.
O bar de Yalta é visível ao fundo.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de agosto de 2021.

A invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia, oficialmente conhecida como Operação Danúbio, foi uma invasão conjunta da Tchecoslováquia por quatro países do Pacto de Varsóvia - União Soviética, Polônia, Bulgária e Hungria - na noite de 20-21 de agosto de 1968. Aproximadamente 500.000 tropas do Pacto de Varsóvia atacaram a Tchecoslováquia naquela noite, com a Romênia e a Albânia se recusando a participar. As forças da Alemanha Oriental, exceto por um pequeno número de especialistas, não participaram da invasão porque receberam ordens de Moscou para não cruzar a fronteira com a Tchecoslováquia poucas horas antes da invasão. Durante a ocupação, foram mortos 137 civis tchecoslovacos e 500 ficaram gravemente feridos.

A invasão interrompeu com sucesso as reformas de liberalização da Primavera de Praga de Alexander Dubček e fortaleceu a autoridade da ala autoritária dentro do Partido Comunista da Tchecoslováquia (KSČ). A política externa da União Soviética durante esta época era conhecida como a Doutrina Brezhnev, que proclamava qualquer ameaça ao domínio socialista em qualquer estado do bloco soviético na Europa Central e Oriental era uma ameaça para todos eles e, portanto, justificava a intervenção de outros estados socialistas. A doutrina também afirmava a inevitabilidade do comunismo e que o recuo diante do "progresso" do socialismo era inaceitável. As referências ao "socialismo" significavam o controle pelos partidos comunistas leais ao Kremlin. A doutrina continuou em vigor até a sua repudiação por Mikhail Gorbachov.


O então tenente soviético Vladmir Rezun, conhecido como Viktor Suvorov, participou da invasão. Mais tarde, ele se tornou um espião do GRU e desertou para o Ocidente em 1978. Seu primeiro livro foi "Os Libertadores: Minha Vida no Exército Soviético" (The Liberators: My Life in the Soviet Army1981), que narrou sua experiência na operação. Seu comandante e mais tarde patrono, o General Gennady Obaturov, recebeu a medalha da Ordem da Bandeira Vermelha por ter reprimido a rebelião da Tchecoslováquia; mais tarde, ele aconselharia o Exército Popular Vietnamita, inclusive durante a Guerra Sino-Vietnamita de 1979.


Pilha de fuzis tchecoslovacos vz. 58 tomados pelos soviéticos quando desarmaram o exército tchecoslovaco.

Embora a maioria do Pacto de Varsóvia apoiasse a invasão junto com vários outros partidos comunistas em todo o mundo, as nações ocidentais, junto com a Albânia, Romênia e particularmente a China condenaram o ataque, e muitos outros partidos comunistas perderam influência, denunciaram a URSS ou se dividiram ou se dissolveram devido a opiniões conflitantes.

Na República Democrática Alemã (RDA), que já havia sofrido uma invasão soviética em 1953, a invasão despertou descontentamento principalmente entre os jovens que esperavam que a Tchecoslováquia pavimentasse o caminho para um socialismo mais liberal. No entanto, protestos isolados foram rapidamente interrompidos pela Volkspolizei e pela Stasi (a KGB da Alemanha Oriental).

O mais vocal dos opositores à invasão foi o Conducător Nicolae Ceauşescu, da Romênia comunista.


Na República Socialista da Romênia, que não participou da invasão, Nicolae Ceauşescu, que já era um ferrenho oponente da influência soviética e já havia se declarado do lado de Dubček, fez um discurso público em Bucareste no dia da invasão, descrevendo as políticas soviéticas em termos severos. Esta resposta consolidou a voz independente da Romênia nas duas décadas seguintes, especialmente depois que Ceauşescu encorajou a população a pegar em armas para enfrentar qualquer manobra semelhante no país.

A Guarda Patriótica foi formada em 1968, após o discurso de 21 de agosto em Bucareste, através do qual o Secretário Geral do Partido Comunista Romeno e Presidente do Conselho de Estado, Nicolae Ceaușescu, condenou a supressão da Primavera de Praga pelas forças soviéticas e do Pacto de Varsóvia. Ceaușescu apelou ao anti-sovietismo dentro da população em geral para pedir resistência contra a ameaça percebida de uma invasão soviética semelhante contra a própria Romênia. Os temas nacionalistas que ele usou tiveram seu efeito imediato em reunir grande parte do público, que começou a se organizar e a armarem-se sob a direção do Partido Comunista Romeno (PCR).

Por que a Romênia não aderiu à invasão da Tchecoslováquia em 1968?


Bratislava: de pequena vila à cidade conhecida internacionalmente

A cidade de Bratislav atingiu fama internacional quando foi mencionada no filme de comédia EuroTrip (2004), sendo apresentada como um cidade empobrecida e caindo aos pedaços, uma relíquia do bloco soviético, e com uma moeda extremamente fraca; com os protagonistas vivendo como reis com apenas 1 dólar e 83 centavos americanos.


Como qualquer natural de Bratislava rapidamente apontará para o interlocutor, Bratislava é muito mais bonita do que mostrado no filme, e muito mais cara.

Bibliografia recomendada:

The Liberators:
My Life in the Soviet Army.
Viktor Suvorov.

Leitura recomendada:

Preocupações do Pacto de Varsóvia: A Polônia e Alemanha Oriental não eram exatamente os melhores dos "aliados", 8 de abril de 2020.


FOTO: Fuga de Berlim Oriental, 2 de setembro de 2020.


quarta-feira, 4 de agosto de 2021

GALERIA: O Corpo Expedicionário Russo na França

Monumento do Corpo Expedicionário Russo, inaugurado em 21 de junho de 2011 por François Fillon e Vladimir Putin, na esquina da Place du Canada e Cours la Reine em Paris, ao longo do rio Sena.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de agosto de 2021.

Descrita como um "reservatório inesgotável de homens" por Paul Doumer, a Rússia teve que enfrentar a demanda dos governos francês e britânico de enviar tropas para a Frente Ocidental em agosto de 1914. Obtendo do czar a promessa da constituição de uma força expedicionária russa em solo francês, os governos aliados forneceram ao exército do czar equipamento militar. Assim começa a história da Primeira Brigada Russa do General Nikolai Aleksandrovich Lokhvitsky, que, composta por oito mil homens, embarcou na Manchúria para o porto de Marselha em abril de 1916.

Inicialmente, os Aliados pediram 300.000 homens, um número absurdamente alto, baseado em suposições sobre as reservas "ilimitadas" da Rússia. O General Mikhail Alekseev, o Chefe do Estado-Maior Imperial, se opôs ao envio de quaisquer tropas russas, embora Nicolau II finalmente tenha concordado em enviar uma unidade de valor brigada. A Primeira Brigada Especial Russa finalmente desembarcou em Marselha em abril de 1916. Uma Segunda Brigada Especial também foi enviada para servir ao lado de outras formações Aliadas na Frente de Salônica, no norte da Grécia, sob o comando do General Mikhail Dieterichs; com a terceira brigada comandada pelo General Vladimir Marouchevski servindo na França e a quarta brigada do General Maxime Leontiev servindo em Salônica.

No Campo de Mirabeau, perto de Marselha, os homens do 1º regimento da Primeira Brigada Russa posam ao lado de sua bandeira, decorada com o rosto de Cristo, abril de 1916.

No Campo de Mirabeau, o estandarte do primeiro regimento da Primeira Brigada Russa, branco com borda e motivos vermelhos, traz o monograma do czar Nicolau II, abril de 1916

A Primeira Brigada não consistia em regimentos já existentes, mas era composta principalmente de recrutados de várias unidades de reserva incorporadas aos recém-formados primeiro e segundo regimentos, de Moscou e Samara, respectivamente. As tropas do 1º Regimento eram principalmente operários recrutados, enquanto as do 2º eram geralmente retiradas das áreas rurais. A 1ª Brigada Especial totalizou 8.942 homens. Saiu de Moscou em 3 de fevereiro de 1916 e chegou a Marselha em 16 de abril do mesmo ano.

Os regimentos foram divididos em três batalhões de quatro companhias cada. Cada regimento também tinha uma ligação e uma seção de serviço. O batalhão de reserva tinha seis companhias. A Primeira Brigada era composta por 180 oficiais e 8.762 praças. Cada brigada tinha um estoque duplo de roupas e uma cozinha sobre rodas; as duas brigadas contavam 20 mil homens. A Marinha e o Exército franceses se comprometeram a fornecer transporte, suprimentos e equipamento.

As baixas das duas brigadas totalizaram 4.542 homens mortos, feridos ou desaparecidos em combate.

O pintor russo Alexandre Zinoview (1889-1977) foi voluntário no 2e regimento de infantaria da  Legião Estrangeira no início da guerra e foi destacado como intérprete na 1ª Brigada Especial Russa. Outro veterano ilustre do Corpo Expedicionário Russo foi o futuro Marechal da União Soviético Rodion Malinovsky (1898-1967), veterano de Stalingrado e Budapeste.

Depois de receber seus fuzis, os soldados da Primeira Brigada Russa partiram para Marselha para participar de um desfile em abril de 1916.

A chegada em Marselha

Marchando na Place de la République em Marselha, as tropas russas da Primeira Brigada recebem uma recepção calorosa dos marselheses, abril de 1916.

Em 21 de abril de 1916, o “Latouche-Treville”, nau capitânia o corpo Expedicionário Russo, ancorou no porto de Marselha após uma jornada de quarenta e cinco dias. Desembarcando à frente de suas tropas, o General Lokhvitsky recebe honras militares das autoridades civis e militares de Marselha, que vieram dar as boas-vindas ao chefe da Primeira Brigada Russa. Torcendo pelas tropas russas, a população de Marselha assiste ao desfile desta nas avenidas da cidade foceana. Levados ao Campo de Mirabeau, onde assistiram à sua primeira Páscoa russa em território francês, os homens da Primeira Brigada Russa descansaram alguns dias antes de entrarem no front.

As tropas russas da primeira brigada desfilaram na Place de la République em Marselha, onde uma grande multidão veio saudar esses soldados, em abril de 1916.

No Campo de Mirabeau, perto de Marselha, as tropas russas participam de sua primeira Páscoa ortodoxa. Os cinegrafistas da SCA (Section Cinématographique de l'Armée / Seção Cinematográfica do Exército) estão presentes para assistir à missa, abril de 1916.

Reunidos na praça d'armas do Campo de Mirabeau, perto de Marselha, os homens da Primeira Brigada Russa recebem a bênção do capelão ortodoxo antes de partirem para o front, em abril de 1916.

Reunidas na praça d'armas do Campo de Mirabeau, perto de Marselha, as tropas do 2º regimento da Primeira Brigada Russa celebram a Páscoa sob a bênção do Padre Okouneff, capelão do regimento, em abril de 1916.

No Campo de Mirabeau, perto de Marselha, os homens do 1º regimento da Primeira Brigada Russa posam ao lado do General Lokhvitsky, comandante da brigada, abril de 1916.

O General Lokhvitsky, comandante da Primeira Brigada Russa, desembarca do "Latouche-Tréville". Recebido pelas autoridades militares de Marselha, o general cumprimenta os oficiais sob o olhar de seus homens que ainda estão no convés do navio, abril de 1916.

O General Lokhvitsky é saudado em seu desembarque do "Latouche-Treville" pelo governador militar da praça de Marselha, General Ménissier, e pelo coronel russo Ignatieff, adido militar na França, em abril de 1916.

O "Latouche-Tréville", nau capitânia do Corpo Expedicionária Russo, atraca no cais do porto de Marselha. Após uma viagem de quarenta e cinco dias, os homens da Primeira Brigada Russa contemplam o cais onde vêm as autoridades civis e militares da cidade para recebê-los, abril de 1916.

O Campo de Mailly

Soldados do Corpo Expedicionário Russo carregam rações de pão para a refeição diária em Mailly-le-Camp, no Marne, abril-maio de 1916.

A Frente da Champanha no final de abril no início de maio de 1916 e a presença de tropas russas no Campo de Mailly ao amanhecer. Aproveitando a calma que impera no setor nesta época, o General Gouraud, comandando o 4º Exército, mandou equipar as linhas visando a melhoria das fortificações de campanha.

As tropas russas desfilam diante do General Henri Gouraud e pelo General Nikolai Lokhvitsky no Campo de Mailly em outubro de 1916.

Os principais temas do relatório feitos durante a seção de fotos são:
  • limpeza duma metralhadora Saint-Étienne modelo 1907;
  • várias vistas de fortificações rurais: arame farpado, abrigos, trincheiras, intestinos na fazenda Navarin, em Aubérive, panoramas das primeiras linhas ao norte de Souain, no Main de Massiges (ravina de Abeilles) e perto de Vienne-la-Ville;
  • suprimentos de comida na linha de frente e atrás da frente: garrafas na entrada de um abrigo, carregamento de carne em ônibus no pátio de gado do 11º Corpo francês.
  • a vida diária das tropas russas no acampamento Mailly, retrato do General Lohvistsky;
  • um posto de primeiros socorros, ambulância cirúrgica, instalado na cota 180 entre Massiges e a fazenda Beauséjour.
Fila da bóia, abril-maio de 1916.

O General Lohvisky, comandante da Primeira Brigada do Corpo Expedicionário Russo, prepara-se para cavalgar em sua montaria para um desfile no campo de manobras do Campo de Mailly, abril-maio de 1916.

Dança tradicional russa com acordeão (sanfona), abril-maio de 1916.

Barbeiro do campo aparando os bigodes de um companheiro, abril-maio de 1916.

Um suboficial francês, responsável por supervisionar o treinamento militar da Primeira Brigada Russa, se dirige aos soldados acantonados em seus alojamentos, abril-maio de 1916.

Confinados aos seus aquartelamentos, soldados russos aguardam a hora das refeições. Para matar o tempo, um soldado toca acordeão, enquanto um de seus camaradas inspeciona seu fuzil Berthier modelo 07/15 de ferrolho fornecido pelo Exército Francês, abril-maio de 1916.

Refeição no alojamento, abril-maio de 1916.

Soldados russos posam em frente ao quartel com o mascote de 15 anos que os acompanha, abril-maio de 1916.

O Campo de Mourmelon

Soldados russos, pertencentes à 1ª Brigada Russa do General Lokhvitsky, cavam trincheiras de apoio nas proximidades do Campo de Mourmelon-le-Grand, julho de 1916.

Inicialmente estacionada no Campo de Mailly, onde receberam instrução militar francesa, as duas brigadas russas se juntaram ao Campo de Mourmelon, no Marne. Desde então, as tropas russas serão encarregadas de defender o setor de Auberive, perto de Reims, juntando-se à frente da Champanha. Durante o verão de 1916, essa brigada russa se destacou em face dos inúmeros ataques realizados pela 242ª Divisão de Infantaria alemã. Substituída em 15 de outubro de 1916 no setor de Auberive, a brigada russa enfrentou outros combates ferozes.

Esses homens, que desembarcaram na França em abril de 1916, descobriram os preceitos da guerra de posição durante o treinamento, julho de 1916

Um grupo de médicos russos posa acompanhado de seus instrutores franceses. Chegados ao Campo de Mourmelon em meados de junho de 1916, os soldados da força expedicionária russa receberam instrução militar francesa. Este treinamento permite, portanto, familiarizá-los com a tática militar francesa.

Um grupo de soldados russos calçou as botas de cano longo depois de limpá-las, julho de 1916. Equipados com capacetes franceses Adrian, esses soldados vestem a jaqueta regulamentar russa, mais comumente conhecida como "Gymnastiorka". Visível também as dragonas largas características do exército russo.

Provação do capacete de aço M15 Adrian.

Ambulâncias e provação das máscaras de gás.

Soldados do Corpo Expedicionário Russo voltam do campo de treinamento onde acabaram de cavar trincheiras de apoio. Chegados em junho de 1916, os soldados da 1ª Brigada Russa foram treinados no Campo de Mourmelon-le-Grand antes de partir para o setor de Aubérive-sur-Suippe, ao norte de Reims.

Na Frente da Champanha

Na região de Aubérive-sur-Suippe, o general russo Lokhvitsky, comandante da 1ª Brigada Russa, inspeciona suas tropas que ocupam as trincheiras na região do Forte de la Pompelle, ao norte de Reims, julho de 1916.

Após a preparação nos campos de Mailly e Mourmelon, a brigada foi colocada entre Suippes e Aubérive, na Frente Ocidental. As unidades russas mantiveram a frente da Champanha enquanto as unidades francesas lutavam em Verdun. Os russos ocuparam o Fort de la Pompelle perto de Reims.

Após pesadas perdas durante a ofensiva de abril de 1917, a Batalha do Chemin des Dames, para a tomada de Courcy e do Forte de Brimot, a 1ª e a 3ª Brigadas Russas que haviam sido colocadas sob o 7º Corpo de Exército francês do General de Bazelaire, foram ambos citados na ordem das forças armadas e fizeram uma pausa no acampamento de La Courtine. Consequentemente, ambas as brigadas de infantaria especial russas tornaram-se a Divisão Especial Russa comandada por Lokhvitski.

Inspeção do General Lokhivtsky nas trincheiras do 2º regimento russo estacionado no setor "Centre Chartois-Ouest", na região de Aubérive-sur-Suippes, perto de Reims, julho de 1916.

Região de Aubérive-sur-Suippes, setor do "Bois Carré", julho de 1916.
Localizados na linha de frente, esses soldados russos observam a trincheira oposta. Em primeiro plano, um suboficial carregando um mapa se vira para seus homens.

Em 11 de março de 1917, a 1ª Brigada Russa substituiu a 152ª Brigada francesa no setor de Courcy, logo ao norte de Reims. A brigada fazia parte do Quinto Exército de Mazel e tomou seu lugar na linha de frente, onde sofreram baixas na corrida até a Ofensiva Nivelle.

Região de Aubérive-sur-Suippe, setor do "Bois Carré", julho de 1916.
Tirada na linha de frente, esta fotografia mostra a estreiteza das trincheiras. Abrigados atrás de sacos de areia, soldados russos vigiam a linha de frente alemã. Equipados com capacetes Adrian, os soldados da força expedicionária russa estão equipados com armamentos franceses, a fim de facilitar o fornecimento de munições pela administração francesa.

Em 15 de abril de 1917, na véspera da Segunda Batalha do Aisne, os soldados russos receberam a notícia da Revolução de Fevereiro na Rússia. Eles formaram um soviete e debateram se participariam da batalha no dia seguinte, concordando em fazê-lo por uma pequena maioria. Assim, no dia seguinte, 16 de abril de 1917, a 1ª Brigada participou da batalha e tomou La Courcy, logo ao norte de Rheims.

Esta seria a última batalha do Corpo Expedicionário. Os distúrbios da Revolução Russa resultaram no motim da 1ª Brigada no Campo de La Courtine.

O General N. Lokhvitsky inspeciona posições do Corpo Expedicionário com oficiais russos e franceses na Champanha em 1916.

A Revolução Russa

Vladimir Lênin na Praça Vermelha, 1917.

As notícias da Revolução de Fevereiro começaram a chegar aos soldados russos na França em abril de 1917. No início, esses relatos foram mantidos em segredo por seus oficiais, mas em 12 de abril a notícia tornou-se oficial. Quatro dias depois, a 2ª Brigada perdeu mais de 4.000 mortos e feridos. Seguindo o exemplo de seus companheiros em casa, soldados da força expedicionária com base no Campo de La Courtine rejeitaram seus oficiais e elegeram comitês de soldados. Em uma reunião, os representantes do comitê fizeram um apelo aos seus colegas soldados para que se recusassem aos exercícios, uma vez que não continuariam lutando.

As unidades rebeldes, consideradas uma influência revolucionária perigosa, foram enviadas para Salônica. Eles se recusaram, exigindo serem mandados de volta para a Rússia. Com isso, os representantes militares do Governo Provisório em 25 de agosto de 1917 ordenaram que as tropas leais abandonassem o Campo de La Courtine, deixando apenas os soldados que disseram que se submeteriam "condicionalmente" ao Governo Provisório, se fossem autorizados a retornar à Rússia.

Soldados russos com máscaras de gás na Champanha.

Em 14 de setembro de 1917, os comandantes franceses e russos isolaram o acampamento rebelde, colocando os ocupantes em meias-rações e alinhando as estradas circundantes com uma mistura de tropas francesas e russas confiáveis, além de canhões de artilharia (9 companhias de infantaria, 4 seções de metralhadoras, 3 seções de artilharia de 75mm e 3 pelotões de cavalaria franceses, mais 2 mil russos da 3ª Brigada). Em 15 de setembro de 1917, os soldados revolucionários restantes, cerca de 2.000, receberam ordem de depor as armas por volta das 10:00 de 16 de setembro de 1917 ou serem destruídos. Os rebeldes recusaram e às 10:00 de 16 de setembro de 1917, a força de cerco disparou contra o acampamento com uma peça de artilharia francesa. Depois que o fogo leve reduziu seu número, a maioria dos soldados russos se rendeu e foi presa. Pouco depois, no mesmo dia, o campo foi completamente ocupado pelas forças francesas e os amotinados foram desarmados. As baixas foram infligidas exclusivamente entre os amotinados russos, incluindo 9 mortos e 49 feridos.

Os amotinados foram inicialmente enviados para campos de prisioneiros no Norte da África e na França. Depois de alguns meses, muitos foram enviados de volta à Rússia, enquanto outros foram integrados à sociedade francesa.

Dissolvido o Corpo Expedicionário pela Revolução de Outubro de 1917 e a assinatura pela Rússia do tratado de paz de Brest-Litovsk em março de 1918, elementos das brigadas russas foram anexados à 1ª Divisão Marroquina, formando a Legião de Honra Russa (Légion d'Honneur Russe) a partir de 27 de dezembro de 1917 e que foi  enviada para a frente em março de 1918; mantendo assim a presença russa na Frente Ocidental até o Armistício de 11 de novembro de 1918. Lutando ao lado dos Aliados até a vitória, todos os russos foram repatriados para Odessa em julho de 1919.

A Legião de Honra Russa:

O corpo expedicionário sofreu a decomposição do exército como todo o Exército Imperial russo após as revoluções de 1917. 11.000 soldados russos foram chamados para trabalhar na França como madeireiros, cortadores de estradas, mineiros, trabalhadores agrícolas, operários de fábrica, sob o controle das autoridades francesas; outros 4.800 foram deportados para a Argélia francesa. Finalmente, quase 2.000 concordam em se juntar ao Exército Francês. Eles foram integrados na Legião Estrangeira Francesa, ou na Legião Polonesa que luta no front francês, ou reunidos em uma legião russa de voluntários, também chamada de Legião de Honra Russa (Légion d'Honneur Russe), que não era considerada uma unidade regular pelo Império Alemão e pelos soviéticos (não gozando da proteção da Convenção de Genebra).

Essa legião é comandada pelo Coronel Gothoua.

Um total de quatro batalhões é formado:
  • 1º batalhão: criado em dezembro de 1917 com entre 600 e 650 homens. Comandado pelo Coronel Gothoua, depois pelo Capitão Loupanoff, foi designado para o 8º Regimento Zuavo da 1ª Divisão Marroquina do General Daugan, que continuou a luta especialmente durante a Segunda Batalha do Marne. O batalhão foi dissolvido em 1919.
  • 2º batalhão: criado em janeiro de 1918 com entre 500 e 550 homens. Colocado à disposição sucessiva de várias unidades, foi pouco engajado na frente.
  • 3º batalhão: formado em Salônica, numerando entre 650 e 700 homens. Chegando à França em março de 1918, seus homens rapidamente causaram problemas ao saber que a Rússia estava se retirando da guerra. Dissolvido no final de junho, cem voluntários ingressaram no primeiro batalhão.
  • 4º batalhão: constituído no final de abril de 1918 com um estado-maior de 250 homens comandados pelo capitão Kovaleff, depois pelo tenente Batoueff. Ele foi enviado no final de maio para reforçar o primeiro batalhão.
O 1º batalhão foi comandado pelo Major de Tramuset de 11 de agosto de 1918 a 3 de setembro de 1918 (morto em combate), e depois pelo Major Durand de 4 de setembro de 1918 a 25 de dezembro de 1918.

Pages de la gloire de la Division Marocaine 1914-1918.
(Gallica/Bibliothèque Nationale de France)

O batalhão recebeu a fourragère com as cores da fita da Croix de Guerre 1914-1918 em 19 de dezembro de 1918. O batalhão também recebeu 2 citações na ordem do exército.

“Em 26 de abril de 1918, executou o ataque com ardor impetuoso e desdém soberbo pela morte. Manteve-se nas posições conquistadas apesar dos contra-ataques e bombardeios contínuos, causando a admiração de todos. Teve um papel não menos brilhante nas operações diante de Soissons, nos dias 29 e 30 de maio de 1918, onde demonstrou as mesmas qualidades de impulso, sacrifício, energia e persistência."
- Ordem Geral Nº I2.236/D de 10 de dezembro de 1918, do Marechal da França, Comandante em Chefe, Ferdinand Foch.

“Um batalhão de elite cujo ódio implacável ao inimigo anima todas as ações, juntando a um total desprezo pela morte o mais belo entusiasmo por uma causa sagrada. Em 2 de setembro de 1918 mostrou as melhores qualidades de manobra, um notável espírito de sacrifício, um vigor e tenacidade acima de todos os elogios. Sendo um batalhão de segunda linha, passou espontaneamente à frente da primeira linha, cujo progresso foi interrompido por violenta artilharia e fogo de metralhadora. Por uma manobra hábil, a aldeia de Terny-Sorny transbordou e desviou para o leste, agarrou-se e manteve-se lá após uma luta muito dura, indo até o corpo-a-corpo e durante toda a noite. Resistiu a contra-ataques furiosos no dia seguinte e no outro dia. Em 14 de setembro, contribuiu para a redução de um ninho de metralhadoras poderosamente organizado e ferozmente defendido. Então, continuando seu progresso com energia incansável e um espírito de sacrifício dos mais elevados, contribuiu para à tomada do planalto a leste de Allemant, do qual o inimigo havia feito uma posição formidável.”
- Ordem Geral Nº 344 de 12 de outubro de 1918, do 10º Exército (Xe Armée).

Veterano ilustre: o futuro Marechal da União Soviética Rodion Malinovsky


Rodion Malinovsky nasceu em Odessa, na Ucrânia, então parte do Império Russo, em 23 de novembro de 1898 (11 de novembro no calendário russo ortodoxo). Após a morte de seu pai - católico de ascendência polonesa - a mãe de Malinovsky trocou a cidade pelas áreas rurais do sul da Rússia e se casou novamente. Seu marido, um camponês miserável, recusou-se a adotar Rodion como seu filho e expulsou-o de casa quando ele tinha apenas 13 anos. O menino sem-teto sobreviveu trabalhando como lavrador e acabou recebendo abrigo da família de sua tia em Odessa, onde trabalhava como ajudante de recados em um armazém; época em que Rodion começou a aprender francês por conta própria.

Informações dignas de nota sobre a sua infância e a adolescência estão contidas na obra literária autobiográfica de R. Ya. Malinovsky "Soldados da Rússia" (Солдаты России), onde ele narra em nome da protagonista Vanya Grinko (no entanto, todos os nomes e quase todos os sobrenomes dos outros personagens são genuínos).

Após o início da Primeira Guerra Mundial em julho de 1914, Rodion Malinovsky, que tinha apenas 15 anos na época (muito jovem para o serviço militar), se escondeu no trem militar que seguia para o front alemão, mas foi descoberto. Mesmo assim, convenceu os oficiais comandantes a alistarem-no como voluntário e serviu como municiador em um destacamento de metralhadoras do 256º Regimento de Infantaria Elisavetgrad da 64ª Divisão de Infantaria nas trincheiras da linha de frente. A divisão travou a primeira batalha em 14 de setembro nas margens do rio Neman.

Em julho de 1915, como recompensa por repelir um ataque alemão, recebeu sua primeira condecoração militar, a Cruz de São Jorge de 4ª classe, e foi promovido ao posto de cabo. Logo depois, em outubro, ele foi gravemente ferido em Smorgon (dois fragmentos atingiram as costas e um a perna) e passou vários meses no hospital Ermakovsky em Moscou, então em Kazan, saindo apenas em fevereiro de 1916.

Após sua recuperação, ele foi destacado para Oranienbaum, onde um regimento sobressalente de metralhadoras estava sendo formado. Desde 1916, como parte da 1ª brigada do corpo expedicionário do exército russo na França, ele lutou na Frente Ocidental. Em 16 de abril de 1917, logo no primeiro dia da ofensiva das unidades russas na área de Fort Brimont, ele foi gravemente ferido no braço. Ele acabou em um hospital militar em Reims, onde mal conseguiu persuadir o cirurgião a não amputar sua mão. O médico então o mandou para um hospital inglês em Epernay, onde um cirurgião inglês fez uma operação (complicada naquela época) que permitiu que Rodion salvasse sua mão. Após a mal-sucedida ofensiva francesa apelidada de "Massacre de Nivelle" em homenagem ao seu comandante, o descontentamento e os sentimentos revolucionários começaram a crescer nas unidades russas e francesas sob a influência de notícias vindas da Rússia.

Nessa ofensiva, as unidades russas obtiveram sucesso em batalhas ferozes pelo Fort Brimont e pela vila de Kursi, "ganhando a glória e o respeito" dos franceses. O comando francês, devido às pesadas perdas e à disseminação de ideias revolucionárias, decidiu retirar as brigadas russas da frente. No verão de 1917, parte dos soldados russos da 1ª e 3ª brigadas estacionados no campo militar de La Courtine se amotinaram exigindo que fossem enviados à Rússia. O levante foi reprimido em setembro de 1917 por uma parte leal do corpo expedicionário russo que não se juntou ao motim e por tropas francesas. Rodion Malinovsky não participou desses eventos, pois devido ao sangramento de um ferimento em seu braço que se abriu pouco antes do levante, ele se encontrava em um hospital em Saint-Servan.

Rodion sentado, usando capacete, com os companheiros em uma trincheira na Champanha.

Após a supressão do levante, as unidades russas foram dissolvidas e, após tratamento no hospital, Rodion se alistou na Legião de Honra Russa (descrita como "lendária"); servindo até agosto de 1919 como um posto inferior. Promovido a cabo e posteriormente a sargento. Por heroísmo durante o avanço contra a linha de defesa alemã, a Linha Hindenburg, em setembro de 1918, os franceses condecoraram o Sargento Malinovsky com a Croix Militaire (Cruz Militar) com uma estrela de prata, e o General Dmitry Shcherbachev, desejando encorajar os lutadores russos, concedeu-lhe o 3º grau Cruz de São Jorge. Assim, ele foi premiado com duas cruzes de São Jorge, mas Rodion não sabia sobre o segundo prêmio na época.

Na Guerra Civil, Rodion foi alistado no Exército Vermelho na luta contra os brancos. Galgando postos de oficial no Exército Vermelho dos Operários e Camponeses (RKKA), Rodion completou o curso de estado-maior na Academia Militar de Frunze. Em 1936, ele foi mandado para a Espanha na função de oficial de estado-maior para auxiliar os republicanos na guerra civil contra Franco sob o codinome "Coronel Malino". Retornando à União Soviética, Rodion foi promovido a general de brigada (Comandante de Brigada, kombrig).

Na Segunda Guerra Mundial, o General Rodion Malinovsky serviu inicialmente na Região Militar de Odessa e destacou-se nas batalhas de Stalingrado, Kharkov e Budapeste. Durante a Segunda Ofensiva Jassy-Kishinev no final de agosto e início de setembro de 1944, os generais Rodion Malinovsky e Fyodor Tolbukhin destruíram e capturaram cerca de 215.000 alemães e 200.000 romenos, forçando a Romênia a derrubar o pró-alemão Conducător Ion Antonescu e mudar de lado. Um Stalin triunfante chamou Malinovsky de volta a Moscou e, em 10 de setembro de 1944, fez dele Marechal da União Soviética; Malinovsky também foi chefe nominal da Comissão Aliada na Romênia (representada por Vladislav Petrovich Vinogradov); terminando a guerra em Brno, na atual República Tcheca, onde suas forças fizeram junção com os americanos.

Marechal da União Soviética Rodion Yakovlevich Malinovsky com Raisa Yakovlevna Galperina, sua futura esposa, em Viena, na Áustria, em 9 de maio de 1945.

Após a rendição alemã em maio de 1945, Malinovsky foi transferido para o Extremo Oriente russo, onde foi colocado no comando da Frente Transbaikal. Em agosto de 1945, liderou suas forças durante a última ofensiva soviética da guerra sob o comando geral do General Aleksandr Vasilevsky. As forças de Vasilevsky invadiram a Manchúria, que estava sob ocupação do forte exército japonês Kwantung de 700.000 homens (veja sobre a invasão soviética da Manchúria aqui) e esmagaram os japoneses em dez dias. Malinovsky recebeu a maior homenagem da União Soviética, a ordem de Herói da União Soviética.

Durante a década seguinte, Malinovsky esteve envolvido em decisões importantes envolvendo os interesses estratégicos soviéticos na região do Extremo Oriente. Inicialmente comandante do Distrito Militar Transbaikal-Amur (1945–1947), com o início da Guerra Fria foi nomeado Comandante Supremo das Forças do Extremo Oriente, encarregado de três distritos militares (1947–1953). Ele treinou e supriu o Exército Popular da Coréia do Norte e o Exército de Libertação do Povo Chinês antes e durante a Guerra da Coréia (1950–1953).

Malinovsky liderando um contingente da 2ª Frente Ucraniana no Desfile da Vitória em Moscou de 1945.

Como expressão do pertencimento de Malinovsky à elite estatal do Partido Soviético, Stalin fez dele um membro do Soviete Supremo da União Soviética (1946) e um candidato (sem direito a voto) membro do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética (1952). Após o fim da Guerra da Coréia, Moscou dispersou o Comando Supremo do Extremo Oriente. Malinovsky continuou a controlar a principal força soviética na região como comandante do Distrito Militar do Extremo Oriente.

Rodion ainda se envolveria na Crise dos Mísseis em Cuba em 1962 e na derrubada de Kruschev em 1964, morrendo em 31 de março de 1967. Ele foi homenageado com um funeral de estado e cremado. Sua urna foi colocada na Necrópole da Parede do Kremlin. O governo deu seu nome à principal Academia Militar Soviética de Tropas de Tanques em Moscou e à 10ª Divisão de Tanques de Guardas Uralsko-Lvovskaya. Malinovsky continuou a ser considerado um dos líderes militares mais importantes da história da Rússia, mesmo após a dissolução da União Soviética.

Memória dos combatentes:

Monumento em Courcy inaugurado pelo Ministro da Cultura da Rússia, Vladimir Medinsky, e o escultor.

Em 21 de abril de 2011, um Monumento da Força Expedicionária Russa (entre a ponte Alexandre-III e o Grand Palais) foi inaugurado em Paris, Place du Canada no 8º arrondissement, na presença do Primeiro Ministro francês François Fillon e do Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin.

No Marne outros monumentos foram construídos, um no Fort de la Pompelle em 4 de setembro de 2010, no cemitério russo de Saint-Hilaire-le-Grand, um complexo memorial composto por uma capela, uma coluna e outra em 12 de junho de 2011; um monumento em Courcy que comemora todo o sacrifício das brigadas russas na frente ocidental.

Memorial das 1ª e 3ª Brigadas Especiais russas em Fort de la Pompelle, na França.

Uma estela foi inaugurada em 2012 no cemitério de La Courtine. Lembra a memória dos amotinados do verão de 1917 e proclama - em russo - "abaixo a guerra" (долой войну!). Uma associação chamada Lacourtine 1917 (site de internet) perpetua essa memória. Em janeiro de 2014, foi criada a Association pour la mémoire de la mutinerie des soldats russes à La Courtine en 1917 (Associação para a memória do motim dos soldados russos em La Courtine 1917).

Em 15 de julho de 2016, um Monumento da Força Expedicionária Russa foi inaugurado em Brest, França, na Place du Général de Gaulle. Em 12 de maio de 2016, em Marselha, o consulado da Federação Russa na França inaugurou uma placa comemorativa do 100º aniversário da chegada a Marselha da 1ª Brigada Especial do Corpo Expedicionário Russo formado em Moscou e Samara.

Parque Memorial Aliado de Zeitenlik em Salônica, na Grécia.

Bibliografia recomendada:

With snow on their boots:
The tragic odyssey of the Russian Expeditionary Force in France during World War I.
Jamie H. Cockfield.

Leitura recomendada:




COMENTÁRIO: Era uma vez a BERKUT, 10 de julho de 2020.