domingo, 16 de agosto de 2020

A intervenção russa em Ichkeria

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 16 de agosto de 2020.

No sábado de manhã, 26 de novembro de 1994, mais de 3.000 milicianos das unidades de oposição anti-Dudaev apoiados por uma força de 40 tanques T-72 entraram em Grozny por duas direções. Vários helicópteros Mi-24 “não-identificados” forneceram cobertura aérea.

Os 78 tanquistas eram militares do exército russo - uma "solyanka" combinada e mal coordenada de soldados, sargentos e oficiais recrutados pelo FSK (então o serviço secreto russo) na 2ª Divisão de Fuzileiros Motorizados Tamanskaya, 4ª Divisão de Tanques de Guardas Kantemirovskaya, 18ª Brigada Separada de Fuzileiros Motorizados e nos cursos de oficiais superiores "Shot". Foi prometido a estes homens um bom dinheiro apenas por servirem como instrutores e assessores de manutenção para a oposição, sem mencionar quaisquer operações de combate. Posteriormente ficou bastante óbvio que isso seria um “trabalho mercenário” e um combate era iminente.

Pelo menos 24 tripulações de tanques eram totalmente compostas por soldados russos, enquanto seis tanquistas entraram em equipes mistas de russos e chechenos. Ao todo, havia 82 soldados russos. Quatro deles tiveram sorte: eles não foram empregados na batalha, permanecendo em reserva.

Há muita controvérsia na cronologia dos acontecimentos, bem como sobre as baixas. Basicamente, o assalto blindado foi triturado pelos combatentes chechenos usando armamentos anti-carro portáteis pelo perímetro urbano. As estimativas giram em torno de 500 mortos do lado "oposicionista", 70 mercenários russos capturados, 20 a 23 tanques destruídos, 20 tanques capturados, 4 helicópteros de ataque derrubados - assim como um Sukhoi Su-25.

Na noite de 25 de novembro de 1994, os tanques, ônibus e carros com russos e oposicionistas começaram a avançar para Grozny, partindo da aldeia de Tolstoy-Yurt; entrando em Grozny na manhã do dia 26. A cidade parecia bastante pacífica e não havia presença óbvia do inimigo. Em Grozny, os tanquistas russos pararam nos semáforos e às vezes pediam à população local o caminho para o palácio presidencial. Sem qualquer resistência, chegaram ao centro de TV - onde três tanques permaneceram -, enquanto o resto continuou a se mover em direção ao palácio presidencial. No entanto, antes de alcançá-lo, eles encontraram séria resistência. De acordo com os relatos das testemunhas, os combatentes da oposição não apoiaram o blindados, deixando-os sozinhos para combater os numerosos combatentes de Dudaev. Na noite de 26 de novembro, tudo estava acabado. Todos os tanques estavam queimando ou sendo abandonados, com suas tripulações mortas ou capturadas.

Pano de fundo

No verão de 1994, o FSK (o antigo KGB e futuro FSB) iniciou uma cooperação ativa com os líderes da oposição interna chechena contra Dzhokhar Dudayev, um ex-general da Força Aérea Vermelha e primeiro presidente da recém-criada República Chechena de Ichkeria, unindo-os em um órgão denominado Conselho Provisório da República Chechena. Forças de Umar Avturkhanov (ex-oficial do MVD soviético) e Beslan Gantemirov (ex-prefeito de Grozny e aliado que se tornou inimigo de Dudayev) receberam de Moscou não apenas dinheiro, mas também treinamento e armas, incluindo armas pesadas. Os meses de agosto e setembro assistiram ao início dos combates entre a oposição e as forças de Dudayev. A essa altura, a oposição havia estabelecido uma força bem armada de várias centenas de homens, equipada com veículos blindados e secretamente apoiada por helicópteros russos operando de uma base aérea em Mozdok, na República da Ossétia do Norte-Alânia. Esta campanha militar culminou com um ataque a Grozny em 15-16 de outubro, quando as milícias de Gantamirov (avançando para o norte a partir da base ChRI recém-tomada em Gekhi) e Ruslan Labazanov (avançando para o sul de Znamenskoye) tentaram sem sucesso tomar a cidade por um assalto conjunto pela primeira vez (Labazanov sozinho já havia tentado entrar em Grozny em 24 de agosto).

Decepcionada com seus fracassos e ciente de sua fraqueza militar até e depois do ataque de outubro, a oposição chechena, auxiliada por um ex-presidente da Duma de etnia chechena, Ruslan Khasbulatov, intensificou seu lobby com o FSK e a equipe do presidente russo Boris Yeltsin em favor de um envolvimento mais direto por parte de Moscou. Como resultado, Avturkhanov e Gantemirov, que então se juntaram às suas milícias, receberam todas as armas, instrutores, treinamento e apoio midiático que solicitaram, preparando o terreno para o ataque final. Em outubro, o Ministro da Defesa da Rússia, General Pavel Grachev, ordenou a formação de uma força-tarefa especial da Diretoria de Operações Principais do Estado-Maior das Forças Armadas da Federação Russa, liderada pelo Vice-Chefe da Diretoria de Operações Principais, General Anatoly Kvashnin, e pelo General Leontiy Shevtsov.

General Pavel Grachev, que foi pego pelas câmeras dizendo "regimentos de tanques são comandados por idiotas completos; você manda a infantaria primeiro, depois os tanques" e também que "tomaria Grozny em algumas horas com apenas um único regimento paraquedista". As duas afirmações voltariam para assombrá-lo.

Tripulantes de carros de combate em serviço ativo das formações de elite da Rússia no Distrito Militar de Moscou, bem como outros militares russos, como 18 tripulantes de helicópteros do Distrito Militar do Norte do Cáucaso, foram recrutados como mercenários, munidos de documentos falsos e enviados para a Chechênia. Um lote de 50 veículos blindados adicionais também foi trazido pelo FSK.

As questões de recrutamento (os comandantes de tanques russos teriam recebido uma oferta equivalente a US$ 1.500 para participarem do golpe) e a transferência de armas envolveram o vice-diretor do FSK encarregado de supervisionar o Cáucaso, General Sergei Stepashin (seu emissário na Chechênia era o Coronel Khromchenko, do FSK) e o vice-ministro das Nacionalidades da Rússia, General Alexander Kotenkov, bem como seu superior direto, Nikolai Yegorov. Fontes russas fornecem números semelhantes de cerca de 40-42 tanques (de acordo com um relato, 14 deles tripulados pela oposição chechena e o resto por russos), apoiados no ar por seis helicópteros e seis caças de superioridade aérea Sukhoi Su-27, mas dão números muito mais baixos de não mais do que 1.000-1.500 milicianos chechenos aliados (incluindo os 30 combatentes restantes de Labazanov depois que sua milícia foi derrotada em Argun).

Em 22 de novembro, o Conselho Provisório começou a preparar seu ataque final a Grozny. Um grande grupo de oficiais russos levou o Chefe do Estado-Maior Geral, General Mikhail Kolesnikov, a voar de Moscou para Mozdok, e a supervisão direta das operações de combate foi confiada ao vice-comandante do 8º Corpo de Exército de Guardas de Volgogrado, General Gennady Zhukov. Um comboio de veículos blindados russos entrou no território checheno e o primeiro confronto aconteceu a 10 quilômetros da fronteira perto de Tolstoi-Yurt, quando um pequeno grupo de apoiadores de Dudayev emboscou o comboio e destruiu dois tanques. No dia seguinte, a caminho de Urus-Martan, o comboio foi novamente atacado perto do assentamento de Alkhan-Kala (Yermolovka) resultando na perda de outro tanque. Apesar disso, as forças pró-Dudayev em Grozny foram consideradas incapazes de organizar resistência a um ataque em tão grande escala.

O Ataque

Na manhã de 26 de novembro, os russos e seus aliados chechenos entraram na capital, as colunas motorizadas avançando por duas direções, pelos distritos de Nadterechny e de Urus-Martanovsky, apoiados por várias aeronaves de ataque federais não-identificadas. De acordo com o comandante checheno, General-de-Brigada Dalkhan Khozhaev, a força golpista em Grozny contava com 42 tanques de batalha principais T-72, oito veículos blindados BTR-80, vários outros veículos, várias aeronaves e mais de 3.000 homens.

O ataque foi recebido com uma defesa improvisada, mas feroz, pelas forças do governo checheno e milícias leais (principalmente o endurecido Batalhão da Abkhaz, formado por veteranos da Guerra na Abkházia e liderado por Shamil Basayev) no centro da cidade, incluindo uma emboscada perto do Palácio presidencial checheno e os combates na sede da Segurança de Estado, na estação ferroviária e no centro de televisão. Logo o ataque se transformou em um desastre, pois os defensores queimaram ou capturaram a maioria dos veículos blindados atacantes, capturando muitos soldados russos no processo (principalmente após terem encurralado um grande grupo deles no Parque Kirov, distrito de Leninsky), e completamente desbarataram a oposição.

De acordo com fontes ocidentais, mais de 300 pessoas morreram e os agressores perderam a maior parte dos seus veículos; além disso, quatro helicópteros russos e uma aeronave de apoio aéreo aproximado Sukhoi Su-25 teriam sido abatidos. De acordo com os números citados pela Human Rights Watch e pela revista ARMOR, o periódico oficial da arma blindada do exército americano, entre 70 e 120 militares russos foram feitos prisioneiros. Os partidários de Dudayev alegaram ter matado 350 atacantes, destruindo cerca de 20 tanques e capturado quatro ou cinco outros depois que as tripulações se renderam ou fugiram.

De acordo com fontes russas, 40–50 homens foram feitos prisioneiros (a maioria soldados russos) e todos, exceto 18 tanques, foram perdidos. Segundo uma contagem russa, as forças pró-Moscou sofreram 40 mortos e 168 feridos no primeiro dia; outra fonte russa alegou que 70 combatentes da oposição de Ken-Yurt que haviam se rendido na estação de TV foram executados pela Guarda Nacional de Dudayev.

De acordo com um relato de 2010 pelo site Kavkaz Center, 20 tanques, 23 veículos blindados e 18 veículos de combate de infantaria foram destruídos; três tanques, oito transportes blindados e quatro transportes blindados de combate de infantaria foram capturados; 300–450 milicianos oposicionistas e 70 mercenários russos foram mortos; centenas mais foram feridos; e 150–200 foram feitos prisioneiros, incluindo cerca de 35 oficiais das divisões de Guarda Tamanskaya e Kantemirovskaya. Tudo o que restava da força de tanques russos e das formações oposicionistas oposição chechenas haviam deixado a cidade no mesmo dia.

Resultados

Combatentes chechenos em Grozny.

Essa derrota foi catastrófica, não apenas em termos militares, mas também em termos políticos. Qualquer cumplicidade russa e conhecimento da operação foi inicialmente negado por Moscou, mas depois reconhecido depois que 20 soldados russos capturados desfilaram diante de câmeras de televisão e Dudayev ameaçou de fuzilá-los neles se Yeltsin não reconhecesse seus próprios soldados. Em 1º de dezembro, Yeltsin jurou ajudar os prisioneiros russos, o primeiro reconhecimento indireto do envolvimento russo.

O fracasso da tentativa de golpe exauriu os meios da Rússia para travar guerra contra Dudayev de forma terceirizada e levou a Rússia a lançar uma invasão direta em dezembro de 1994. Em 28 de novembro, o Conselho de Segurança da Rússia se reuniu em uma reunião de emergência, adotando uma decisão secreta de preparar um plano para uma operação militar na Chechênia dentro de 14 dias, e o primeiro-ministro da Rússia, Viktor Chernomyrdin, pediu a Yeltsin que "restaure a ordem constitucional na República da Chechênia".

No mesmo dia, um grande ataque aéreo da aviação militar russa eliminou todas as aeronaves militares e civis disponíveis para o governo de Dudayev e destruiu as pistas de ambos os campos de aviação perto de Grozny (a base aérea de Khankala e o aeroporto de Grozny). Em 29 de novembro, Yeltsin deu à Chechênia 48 horas para desmantelar todas as "formações armadas ilegais", desarmar-se e libertar todos os prisioneiros. Em 10 de dezembro de 1994, dezenas de milhares de regulares russos moveram-se em direção a Grozny partindo do Daguestão, Ingushetia e Ossétia do Norte, e a Primeira Guerra da Chechênia começou oficialmente no dia seguinte.

James P. Gallagher, do Chicago Tribune, assim descreveu o desastre de 26 de novembro:

Os melhores planos da Rússia dão errado na Chechênia

Por James P. Gallagher, Chicago Tribune, de Moscou em 4 de dezembro de 1994

Para Andrei Kryukov, parecia um bom negócio: algumas semanas de serviço especial nas montanhas do Cáucaso e um grande bônus quando o trabalho estivesse concluído, bem a tempo para as férias.

Dez dias atrás, o capitão do exército russo ligou para sua esposa e garantiu que estaria em casa em breve. Ele não deixou transparecer que estava prestes a entrar em combate, talvez porque todos os envolvidos na operação estivessem tão confiantes de que tudo transcorreria sem problemas.

Na verdade, a tentativa de derrubar o presidente checheno Jokhar Dudayev rapidamente se tornou um fiasco sangrento - e uma grande crise política para o presidente russo, Boris Yeltsin.

Hoje, Kryukov, de 32 anos, da guarnição de Solnechnogorsky nos arredores de Moscou, é um dos cerca de 70 russos mantidos em cativeiro pelo desafiador regime checheno.

E as tropas russas estão se preparando para entrar em ação na Chechênia, um enclave islâmico rico em petróleo, mas dominado pelo crime, que declarou sua independência de Moscou em 1991.

"Entramos nesta crise com dificuldade", disse uma fonte próxima ao governo russo. "Todos pensaram que poderíamos nos livrar de Dudayev por um preço baixo. Todos tinham certeza de que ele seria derrubado no fim de semana passado. Agora teremos que pagar um preço alto por todos esses erros."

Atolar em um conflito prolongado na Chechênia sempre foi um pesadelo para Yeltsin e seus assessores. Mas se o pesadelo se tornar realidade nas próximas semanas, o presidente e seus principais assessores terão apenas a si mesmos para culpar.

No início deste outono, depois de fazer muito pouco com relação ao problema da Chechênia por mais de três anos, o Kremlin decidiu que havia chegado o momento de tirar Dudayev do cargo e puxar a região separatista de volta para a Federação Russa.

A economia da Chechênia estava em desordem, a popularidade de Dudayev estava caindo, e seus rivais no enclave garantiam a Moscou que ele poderia, finalmente, ser derrubado.

Ao mesmo tempo, políticos ambiciosos do círculo de Yeltsin estavam convencidos de que escrever o fim da controvérsia de Dudayev faria maravilhas para a popularidade decadente de seu presidente (e também para seu próprio futuro político).

Mas, desde o início, as estratégias do Kremlin para reconquistar a Chechênia foram prejudicadas por ilusões e informações erradas. O desastre militar do último fim de semana em Grozny, a capital chechena, foi apenas o exemplo mais recente de um planejamento chocantemente ruim.

"Achamos que havia uma maneira fácil de nos livrarmos de Dudayev. Agora sabemos que não", disse uma fonte militar de alto escalão em Moscou.

A ideia era contar com os adversários ferrenhos de Dudayev dentro da Chechênia, de modo que Moscou pudesse manter as mãos limpas e evitar um possível atoleiro. Mas logo ficou dolorosamente claro que os substitutos não estavam à altura do trabalho.

"Depois que os primeiros ataques às forças de Dudayev falharam, havia a sensação de que tudo o que os insurgentes precisavam era de mais força", disse a fonte militar. “Devíamos ter percebido que o problema básico era com os próprios insurgentes."

"No final, estávamos dando a eles tanques, artilharia pesada e aeronaves. Mas esses caras eram tão desorganizados, tão pouco profissionais, que nada do que fizemos foi o suficiente para vencer."

O assalto a Grozny - que viu os insurgentes e dezenas de seus camaradas russos em armas abrirem caminho para o centro da cidade, apenas para serem rechaçados e esmagados - destruiu todas as esperanças de que Dudayev pudesse ser derrubado sem intervenção armada russa direta.

O assalto foi planejado e coordenado por oficiais militares russos em Mozdok, uma cidade ao norte da fronteira com a Chechênia que abriga uma base aérea russa.

Para suplementar os insurgentes, oficiais de segurança russos recrutaram voluntários de duas guarnições militares importantes, as divisões Solnechnogorsky e Tamansky. A todos foram prometidas grandes recompensas por participarem.

Os oficiais entraram em licença para ajudar os insurgentes chechenos. Conscritos foram abordados justamente no momento em que seu tempo de serviço estava terminando.

A edição de sexta-feira do Izvestia reproduziu um contrato assinado por um oficial, identificado apenas como Major N. O jornal disse que ele tinha garantido 150 milhões de rublos (quase US$ 50.000) em troca de participar de uma "operação de guerra secreta no território da Chechênia".

Essa operação entrou em ação no início de 25 de novembro. Moscou tinha tanta certeza de seu sucesso que tropas do Ministério do Interior estavam prontas para voar para Grozny naquela noite para restaurar a ordem e manter a paz.

De acordo com fontes governamentais e militares, os insurgentes deveriam estabelecer um governo provisório sob o comando de Umar Avturkhanov, que imediatamente pediria a ajuda de Moscou para garantir a vitória.

Os insurgentes fizeram bom uso dos tanques e da artilharia pesada fornecidos por Moscou, mas não havia apoio de infantaria suficiente para consolidar os ganhos iniciais do ataque.

Ao cair da noite, ficou claro que o ataque havia falhado. Muitos dos voluntários russos foram capturados.

Dudayev ameaçou julgar os prisioneiros russos sob a lei islâmica e executá-los como mercenários. Isso representaria uma ameaça mortal para a estatura política de Yeltsin na Rússia, e Yeltsin respondeu com um ultimato: Os cativos deveriam ser libertados em 48 horas e ambos os lados do conflito deveriam depor as armas ou Moscou enviaria tropas para assumir o controle da Chechênia.

Durante três dias, os ataques aéreos destruíram aeródromos e aviões na capital chechena.

No final da quarta-feira passada, o conselho de segurança da Rússia deu luz verde para um ataque sempre que os oficiais de defesa se sentiram prontos.

Em um último esforço para evitar um ataque, uma delegação de parlamentares russos foi a Grozny para negociar a libertação dos prisioneiros.

Mesmo durante as negociações na sexta-feira, aviões de guerra zumbiram e bombardearam Grozny, e a aglutinação militar continuou.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário