Mostrando postagens com marcador Europa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Europa. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Tarn-et-Garonne/Lot: 3.000 paraquedistas mobilizados para um exercício militar franco-britânico em grande escala

3.000 paraquedistas foram destacados para o exercício Falcon Amarante 21. Impressionante!
(Caporal-chef Tsivadelle / 11ª Brigada Paraquedista)

Por William Bernecker, La Dépêche, 17 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro17 de novembro de 2021.

A 11ª Brigada Paraquedista de Toulouse e o seu homólogo inglês foram mobilizados durante 10 dias para o exercício Falcon Amarante 21. Reportagem em Quercy, entre Lot e Tarn-et-Garonne.

Os paraquedistas poderão respirar. O exercício Falcon Amarante 21 termina esta quinta-feira, dia 18 de novembro. Os soldados percorrem a região "à la verte" há 10 dias, dizem no jargão, ou seja, na natureza e no frio, em condições reais.

Mais de 3.000 soldados foram mobilizados para a ocasião, quase metade dos quais vieram do outro lado do Canal. Uma colaboração no âmbito da A-CJEF (Airborne Combined Joint Expeditionnary Force/Força Expedicionária Conjunta Combinada Aerotransportada), uma cooperação franco-britânica de brigadas de alerta permanentes. Do lado francês, encontramos a 11ª Brigada Paraquedista de Toulouse e, do lado inglês, a 16ª Brigada de Assalto Aéreo de Colchester.

Desde 8 de novembro, cerca de 600 veículos também foram empregados, desde veículos blindados leves até aviões e helicópteros. “Esta é uma implementação de todos os meios do nosso exército”, disse o Capitão Boris da 11e BP.

O objetivo da operação em condições reais é desenvolver "endurecimento e resiliência", bem como "interoperabilidade" para futuros engajamentos comuns: conhecimento mútuo de equipamentos, procedimentos, operação...

Conflitos em tamanho real

Simulações de combate terrestre também marcaram esses dez dias de exercícios.
(Caporal-chef Tsivadelle / 11ª Brigada Paraquedista)

O exercício começou com uma "primeira entrada" no conflito, um assalto aéreo em direção a Toulouse. 600 paraquedistas então saltaram em Caylus para tomar o campo de Jean-Couzy. Os soldados então perseguiram as milícias inimigas (interpretadas por outros soldados) até as margens do rio Lot. A luta então mudou para alta intensidade, contra um inimigo "endurecido".

Aqui, nos vales de Quercy, os paraquedistas já não combatem contra milícias, mas sim contra forças armadas com meios, por exemplo veículos blindados. Eles então praticaram uma manobra de canalização, "explodindo as pontes" para atrair o inimigo aonde eles queriam. Um exercício pontuado por armadilhas, com incidentes diários: emboscadas, ataques químicos, etc.

A 11e BP certamente poderá contar com o seu 17e RGP de Montauban para pousar uma aeronave no meio da vegetação, embarcar forças e partir, provando assim uma capacidade de reprojeção para centenas de quilômetros.

Leitura recomendada:

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun

sábado, 6 de novembro de 2021

FOTO: Soldados da Hermann Göring inspecionam um JS-2 polonês

Soldados alemães da 1ª Divisão Fallschirm-Panzer Hermann Göring inspecionam um tanque polonês JS-2 capturado na Batalha de Bautzen, abril de 1945.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de novembro de 2021.

Soldados alemães da 1ª Divisão Fallschirm-Panzer Hermann Göring (Fallschirm-Panzer Division 1 "Hermann Göring", da Luftwaffe) inspecionam um tanque pesado JS-2 de fabricação soviética do 1º Corpo de Tanques Polonês (veículo blindado nº 5100, nome próprio Tadeusz), capturado em uma batalha no subúrbio de Kleinvelka, na Alemanha cidade de Bautzen em abril de 1945.

À esquerda está um Universal Light Carrier britânico, conhecido como Bren Carrier, fornecido sob a Lei de Empréstimo-e-Arrendamento (Lend-Lease Act, LLA). A águia polonesa foi aplicada tanto ao Universal Carrier quanto ao tanque JS-2.

A Batalha de Bautzen, ocorrida de 21 a 30 de abril de 1945, foi uma das últimas batalhas da Frente Oriental durante a Segunda Guerra Mundial. Foi travada no flanco extremo sul da Ofensiva Spremberg-Torgau, tendo dias de luta campal de rua entre as forças do Segundo Exército polonês sob elementos do 52º Exército e do 5º Exército de Guardas soviéticos de um lado e elementos do Grupo de Exércitos Centro alemão na forma dos restos dos 4º Exército Panzer e do 17º Exército do outro. Foi a última grande vitória alemã da guerra, que infligiu pesadas baixas aos poloneses e soviéticos; apesar de não romper a linha soviética. Os alemães recapturaram Bautzen e a mantiveram até a rendição final em 8 de maio de 1945.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

A França está substituindo o Reino Unido como principal aliado da América na Europa


Por Michael Shurkin e Peter A. Wilson, Newsweek, 30 de março de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de novembro de 2021.

A combinação do desarmamento contínuo da Europa Ocidental e uma situação estratégica em rápida evolução - o retorno das tensões do tipo Guerra Fria com a Rússia e a ascensão do ISIS (também conhecido como "O Califado") e movimentos islâmicos aliados - ressaltou um desenvolvimento importante para a abordagem estratégica dos EUA em relação à Aliança do Atlântico Norte: O principal aliado na Europa da OTAN pode não ser mais o Reino Unido, mas a França.

Esta é uma boa notícia, na medida em que significa que o declínio do Reino Unido como potência militar não deixa os Estados Unidos privados de um aliado capaz e disposto, e a relação dos EUA com a França deve ser reconhecida e fortalecida. A má notícia é que a estabilidade do relacionamento está ameaçada pela ascensão da francesa Marine Le Pen e do partido de extrema direita Frente Nacional que ela lidera.


A França, a única entre as grandes potências da OTAN, mantém a capacidade militar e a coragem política para contribuir significativa e agressivamente para as respostas coletivas às ameaças à segurança da Aliança Atlântica. Paris demonstrou isso em 2013, quando o presidente francês François Hollande lançou uma intervenção militar no Mali para salvá-lo dos militantes islâmicos e efetivamente assumiu a responsabilidade pela "frente sul" da Europa no Sahel africano.

Hoje, mais de 3.000 soldados franceses apoiados por caças estão envolvidos em uma guerra regional "quente" apoiada pelos EUA contra grupos islâmicos no Sahel, e os franceses estão avançando em direção a um maior envolvimento na guerra contra o grupo islâmico nigeriano Boko Haram. No Oriente Médio, os franceses se juntaram à coalizão liderada pelos EUA contra o ISIS. Lá, assim como na África, Paris se vê fazendo o que pode para impedir que as várias peças de um potencial califado islâmico se unam.


Em relação à Rússia, os franceses têm se mostrado firmes em sua oposição à agressão russa nos níveis diplomático e econômico, e Paris chegou ao ponto de bloquear a entrega à Rússia de dois navios de assalto anfíbios de alta capacidade. A França também tem a maior capacidade de qualquer um dos aliados europeus de contribuir rapidamente com uma força significativa capaz de lidar com um confronto com a Rússia, se necessário.

A recente decisão do governo francês de congelar os cortes nos gastos com defesa, mesmo em face de forte pressão financeira - ao contrário do governo britânico, que parece comprometido com mais reduções de defesa para um estabelecimento de defesa do Reino Unido já reduzido e em retração - indica um desejo de preservar essa capacidade.

Além disso, a França, que só recentemente voltou à integração total com a OTAN, tem feito grandes esforços para garantir que as forças francesas possam lutar efetivamente ao lado dos americanos. Por exemplo, os caças franceses Rafale têm praticado operações em porta-aviões americanos e, na primeira semana de março, Rafales operavam em porta-aviões americanos no Golfo Pérsico, participando da campanha anti-ISIS.


A importância do crescente relacionamento franco-americano torna o surgimento de Le Pen preocupante. Supostamente explorando o sentimento anti-muçulmano pós-Charlie Hebdo, ela agora está à frente nas pesquisas de todos os outros grandes líderes políticos franceses. Mas, em vez de aplaudir as ações militarmente robustas de Paris no exterior, Le Pen e seu partido defendem a retirada da OTAN e a retirada das operações de coalizão em andamento para uma postura de isolacionismo armado combinado com admiração, senão apoio, por homens fortes estrangeiros.

Le Pen critica Hollande e seu antecessor, Nicolas Sarkozy, por minarem o presidente sírio Bashar al-Assad e derrubar Muammar el-Qaddafi da Líbia. Le Pen também expressou apoio ao presidente russo, Vladimir Putin, e se opõe ao alinhamento de Hollande com os EUA em relação à crise na Ucrânia. Parte desse apoio pode ter sido comprado: um banco russo supostamente emprestou ao partido Frente Nacional US$ 11 milhões, gerando especulações de que Putin está apoiando Le Pen secretamente.

Seja qual for o caso, é claro que há uma aliança na Europa entre Putin e populistas da extrema direita e da extrema esquerda que compartilham antipatia em relação à União Europeia e à ordem liberal e militar liderada pelos EUA. Esses esforços não são inconsistentes com as tentativas sistemáticas de Moscou de desenvolver "relações especiais" com aguerridos nacionalistas europeus na Hungria, Sérvia e Grécia, enquanto tenta prejudicar a coesão de curto prazo da União Europeia.


Embora pouco possa ou deva ser feito pelos Estados Unidos em relação a Le Pen, é do interesse dos Estados Unidos fortalecer as relações bilaterais com a França. A cooperação militar já está ocorrendo em uma escala sem precedentes e deve ser incentivada. O valor da força de dissuasão nuclear francesa deve ser abertamente reconhecido como parte da postura de dissuasão coletiva da Aliança em relação a uma liderança russa que ostenta abertamente a perspectiva de uso limitado de armas nucleares no caso de uma futura crise político-militar severa na Europa.

Finalmente, pode ter chegado a hora de trazer a França para o clube exclusivo de compartilhamento de inteligência conhecido como "os Cinco Olhos", que inclui antigos aliados dos EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. O preço da adesão para a França é alto porque se espera que Paris dê e receba. Mas, à luz da convergência estratégica entre Paris e Washington, tanto americanos quanto franceses teriam muito a ganhar.

Sobre os autores:

Michael Shurkin é um cientista político e Peter A. Wilson um analista sênior de pesquisa de defesa, ambos na organização sem fins lucrativos e apartidária RAND Corporation.

sábado, 30 de outubro de 2021

O tanque Leopard 2 e o veículo de combate de infantaria CV-90 dominam a competição "Iron spear" da OTAN


Por Laurent LagneauZone Militaire OPEX360, 30 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de outubro de 2021.

Desde 2018, no acampamento militar Adazi na Letônia, a OTAN tem organizado a competição de tiro "Iron Spear" (Lança de Ferro) com unidades dos quatro batalhões multinacionais destacados como parte de sua presença avançada reforçada [eFP] nos países Bálticos e na Polônia. Esta competição tem duas categorias: tanques de combate pesados ​​e veículos blindados de combate de infantaria, estes últimos envolvidos no exercício "Iron Wolf" (Lobo de Ferro).

O subgrupamento tática interarmas "Lynx" [sous-groupement tactique interarmesS/GTIA] francês fez seu nome na edição de 2019 do Iron Spear, com uma tripulação de tanque Leclerc em primeiro lugar, à frente de seus colegas noruegueses e americanos. Os competidores foram solicitados a mirar e atirar, dia e noite, levando em consideração a velocidade e a precisão.

“A vitória francesa não é apenas dos cavaleiros do S/GTIA, mas também um motivo de orgulho para todo o destacamento Lynx 6. É em particular uma grande recompensa para as equipes de manutenção do elemento de apoio nacional que trabalham diariamente para manter a plena capacidade operacional dos tanques Leclerc”, sublinhou o Estado-Maior das Forças Armadas na época.

Mas este desempenho não se repetiu depois, a tripulação de um tanque norueguês Leopard 2A4 tendo superado os participantes no "challenge" Iron Spear 2020.

Atualmente, o S/GTIA Lynx 11 está armado por um pelotão do 1er Régiment de Chasseurs [tanque Leclerc], uma seção do 35º Regimento de Infantaria equipada com VBCI, outra do 3º Regimento de Engenheiros e uma equipe de observação e coordenação do 68º Regimento de Artilharia da África. Mas ele perdeu o pódio no Iron Spear de 2021, que aconteceu de 16 a 22 de outubro.

"É uma competição que pode parecer amistosa, mas penso que todos desejam vencer e mostrar que o seu equipamento é o melhor da OTAN", afirmou o Capitão "Christophe" do 35e RI.

Do lado da "infantaria mecanizada", os veículos blindados com lagartas aparentemente se saíram melhor do que os com rodas, como o VBCI. De fato, os três primeiros lugares foram conquistados pelos militares noruegueses [CV-90], holandeses [também equipados com CV-90] e americanos [M2A3 Bradley].

Desenhado pela Hägglunds/Bofors [e produzido pela BAE Systems Hägglunds], o CV-90 é um veículo blindado pesando 23 a 35 toneladas [dependendo da versão], armado com um canhão de 40mm e uma metralhadora coaxial de 7,62mm. Capaz de transportar até 11 soldados de infantaria [incluindo a tripulação, nota], ele entrou em serviço com as forças norueguesas a partir de 1996. A Holanda adquiriu 192 exemplares, antes de revender parte deles para a Estônia.

Quanto à competição entre tanques, foi a tripulação holandesa de um Leopard 2A6 que surpreendeu, superando os 23 participantes. Aquela de um Leopard 2A4 norueguês ficou em segundo lugar. O terceiro lugar veio da tripulação de um Leopard 2A6 alemão.

O desempenho dos militares holandeses é de fato surpreendente, dado que os Países Baixos não engajaram nenhum tanque de batalha principal em uma operação estrangeira por mais de vinte anos. Além disso, eles haviam renunciado a essa capacidade por motivos orçamentários, em 2011, ao revenderem seus últimos 60 Leopard 2.

No entanto, o Koninklijke Landmacht [exército holandês] foi capaz de recuperá-lo em parte graças à cooperação com seu homólogo alemão, através da integração de um esquadrão de 18 Leopard 2A6 no Panzerbataillon 414 do Bundeswehr [que foi então integrado ao 43ª Brigada Mecanizada holandesa, nota do editor].

"O fato dos tanques holandeses ficarem imediatamente em primeiro lugar em uma competição internacional é, portanto, uma conquista especial", afirmou o Ministério da Defesa holandês.

Como um lembrete, desde agosto passado, o contingente holandês da eFP foi destacado para Rukla, na Lituânia, onde a Alemanha é a nação-quadro.

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

FOTO: Guarda Real sueca com Pickelhaube em Estocolmo

Guarda Real sueca com o capacete Pickelhaube em Estocolmo.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de outubro de 2021.

Os Guardas Reais (sueco: Högvakten) são os guardas de honra da cavalaria e da infantaria do Rei, encarregados de proteger a Família Real Sueca. A Guarda Real é normalmente dividida em duas partes, a guarda principal estacionada no Palácio de Estocolmo e um destacamento menor no Palácio Drottningholm. As unidades da Guarda Real protegem continuamente a família real sueca em Estocolmo desde 1523. Atualmente relegados exclusivamente a serviços de guarda e cerimonial, entre 50 e 60 soldados servem na Guarda Real sueca, aproximadamente 35 no Palácio Real de Estocolmo e 25 no Palácio Drottningholm.

O dever de formar uma "Guarda Real" é alternado por todas as forças armadas regulares e de reserva, incluindo a Guarda Nacional. No entanto, esses destacamentos servem apenas por cerca de 5 a 7 dias em cada rotação, portanto, na maior parte do ano, a função é realizada pelo regimento de Guarda-Costas de Estocolmo, que consiste em quatro batalhões, um infantaria leve, dois de segurança e um batalhão de guardas. Traçando sua história através da Brigada da Casa Real e dos Guarda-Costas Svea e dos Dragões Guarda-Costas de volta aos Guardas Reais originais, isso é o que constitui as reivindicações do regimento de ser uma das mais antigas unidades militares e formações em operação contínua.

Glória Prussiana tocada pela banda da Guarda Real sueca


Entre abril e agosto, os esquadrões montados em uniformes de gala azul claro e capacetes pickelhaube prateados e as companhias em uniformes de gala azul escuro com capacetes pickelhaube pretos, ambos dos Guarda-Costas, podem ser vistos nos desfiles de Estocolmo e nos arredores do Palácio Real. Acompanhados da banda montada, eles saem do quartel da Cavalaria K1 em Gärdet e chegam ao Palácio por volta do meio-dia (13h aos domingos e feriados) para a cerimônia de troca da guarda. Esses eventos atraem um grande número de turistas a cada verão. Nas montarias regulares da guarda, o contingente da guarda real regular é composto pelo pessoal do Batalhão de Guardas do Rei, dos Guarda-Costas.

O estilo de marcha prussiano ainda é mantido, colocando os suecos ao lado dos chilenos na manutenção das tradições dos grandes desfiles de Berlim e Nuremberg de 1870 a 1945; acompanhando o capacete Pickelhaube vem o famoso passo Stechschritt, literalmente "passo perfurante" mas traduzido como "passo de ganso".

Tradição prussiana no Chile e na Suécia


O passo de ganso é um passo de marcha especial realizado em paradas militares formais e outras cerimônias. Enquanto marcham em formação de desfile, as tropas balançam as pernas em uníssono, mantendo cada perna rigidamente esticada.

O passo originou-se na ordem unida do exército prussiano em meados do século XVIII e era chamado de Stechschritt ou Stechmarsch. Os conselheiros militares alemães espalharam a tradição por meio de missões militares ao redor do mundo. Essa influência se estendeu especialmente para a Rússia no século XIX, o que levou os soviéticos a espalharem o passo do ganso pelo mundo no século XX - notavelmente na China comunista e em Cuba.

Leitura recomendada:

FOTO: A Bela de Estocolmo
18 de julho de 2021.

FOTO: Tocando a baioneta28 de fevereiro de 2020.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Se o Mali cooperar com os mercenários Wagner, a Estônia vai partir

Pelotão das Forças de Operações Especiais da Estônia no Mali.

Do ERR News, 22 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 6 de outubro de 2021.

A Estônia retirará suas tropas que servem no Mali se o governo local decidir começar a trabalhar com a empresa militar privada russa Grupo Wagner e permitir que seus mercenários entrem no país, disse o Ministro da Defesa Kalle Laanet. O ministro também acredita que a Estônia terá capacidade para monitorar a situação regional no contexto da defesa aérea de médio alcance em cinco anos.

"Estou certamente convicto de que se houver um acordo de cooperação feito com o Grupo Wagner e o exército privado Wagner começar a operar no Mali, o contingente estoniano partirá", disse Laanet ao noticiário "Uudis+" da Vikerraadio na quarta-feira.

A Reuters relatou na semana passada um acordo em andamento que permitiria aos mercenários Wagner entrarem no Mali, estendendo a influência russa sobre os assuntos de segurança na África Ocidental. Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos.

Aproximadamente 100 membros das Forças de Defesa da Estônia (EDF) estão participando de três operações de paz no Mali, como parte da Operação Barkhane liderada pela França.

Em resposta aos planos da França de reduzir sua capacidade de missão no Mali, a junta militar no poder anunciou planos para contratar a empresa mercenária russa Grupo Wagner para treinar seus soldados e proteger altos funcionários do Estado. No ano anterior, houve dois golpes de Estado no Mali.

Laanet disse que cabe a Paris decidir sobre a possível cooperação de mercenários russos e tropas francesas, mas a Estônia não quer trabalhar com soldados do Grupo Wagner.

"Cabe aos franceses decidir se podem trabalhar lado a lado com uma empresa de segurança russa, mas os estonianos certamente não podem fazê-lo e nosso maior perigo ainda é do Leste - a Rússia. O maior perigo da OTAN ainda vem daquela direção e como a França é membro da OTAN, é completamente lógico que não é possível cooperar com nosso maior inimigo ou de onde vêm os maiores riscos militares", disse o ministro da Defesa ao ERR.

Patrulha final da ESTPLA-30 no Mali.

Laanet disse que a França e seus aliados pediram ao governo do Mali que organize eleições democráticas no próximo ano para permitir que um governo civil volte ao poder.

"Eu entendo perfeitamente aqueles que estão atualmente no poder no Mali - por que deveriam voluntariamente abrir mão de seu poder? E eles acham que foram inteligentes o suficiente e voltaram suas atenções para a Rússia e permitirão que o Grupo Wagner ajude a trazer paz ao Mali", Laanet explicado.

“É do interesse dos russos obter acesso aos recursos africanos e é do interesse dos malianos exercer pressão sobre a comunidade internacional - França e outros aliados - para que não exijam eleições democráticas e recuem”, afirmou o ministro disse.

A Operação Barkhane é uma missão anti-insurgência liderada pela França, que visa apoiar os governos dos países da região do Sahel, Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade, em sua luta contra os terroristas islâmicos.

A Operação Barkhane também apoia a missão MINUSMA da ONU e a missão de treinamento da UE EUTM Mali para garantir a estabilidade no país africano. Ambas as missões acima mencionadas também consistem em cerca de uma dúzia de soldados estonianos cada.

Estônia monitorará as defesas aéreas da região do Mar Báltico em cinco anos

Laanet também falou sobre os gastos com defesa e observou que a Estônia deve ter capacidade para monitorar a situação no contexto das defesas aéreas de médio alcance na região do Mar Báltico dentro de cinco anos.

"Não ousaria dizer que podemos desenvolver defesas aéreas na região do Báltico em alguma data, mas podemos melhorar nossa conscientização sobre o Mar Báltico, providenciar todos os tipos de equipamentos de gestão. Ou seja, começaremos a desenvolver essa capacidade passo a passo e acredito que possa estar em algum nível nos próximos cinco anos", disse o ministro.

Respondendo a uma pergunta sobre defesas aéreas, o que significa mísseis antiaéreos, Laanet disse que considera a conscientização a coisa mais importante. "E, em segundo lugar, teríamos sistemas de controle anti-aéreo em funcionamento. Acredito que o lançamento de foguetes levará algum tempo."

Pessoal da Marinha da Estônia (Merevägi) no 102º aniversário da força.

Ele ressaltou que em breve será alcançado um acordo para a compra de mísseis anti-navio no valor de € 46 milhões. Além disso, a EDF pretende adquirir munições de grande calibre, que custarão cerca de € 25 milhões. Um montante semelhante será alocado para melhorar a prontidão dos veículos, outros € 15 milhões serão investidos na aquisição de canhões móveis adicionais, outros € 15 milhões serão usados para reconstruir veículos de combate CV-90 e um centro de medicina de emergência será desenvolvido no aeródromo Raadi.

Falando sobre a possível movimentação da Marinha da Estônia do Porto Minerador de Tallinn, Laanet disse que apóia uma mudança, mas nenhuma decisão foi tomada. Em primeiro lugar, deve-se decidir se a marinha e a marinha da Polícia e Guardas de Fronteira podem se fundir.

"Essa análise chegou a um ponto em que deve chegar à mesa do governo no início de outubro e o governo só pode tomar uma decisão se a fusão for realista ou não", disse Laanet. "Se essa decisão for tomada, podemos olhar para frente e pensar para onde o porto principal pode ir. Não há necessidade de apressar as coisas antes disso."

Ele disse que pensa pessoalmente que o Porto Minerador de Tallinn não é o melhor lugar para uma base naval, mas os especialistas devem avaliar a situação e os políticos devem discutir a melhor opção disponível.

Falando sobre as fronteiras da Estônia à luz da crise migratória na Bielorrússia, Laanet disse que a EDF poderia colocar barreiras de arame farpado nas fronteiras da Estônia em alguns dias, se a migração do Leste assim o exigir.

"Estou mais do que convencido de que nossas tropas das forças de defesa e da Liga de Defesa podem levantar essas barreiras mais rápido do que na fronteira entre a Lituânia e a Bielo-Rússia", disse Laanet.

domingo, 3 de outubro de 2021

Dando as boas-vindas a uma defesa europeia mais forte


Por Michael Shurkin, Real Clear World, 21 de janeiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

A agenda inicial de política externa do presidente Joe Biden pode incluir a redefinição da relação da América com a Europa. Washington pode reconsiderar especificamente sua posição em relação à perspectiva de uma Europa capaz do que o presidente francês Emmanuel Macron chama de autonomia estratégica.

Washington se irritou com essa noção no passado, vendo-a como uma ameaça à sua influência e domínio, especialmente quando o defensor da autonomia europeia é a França. Isso pode ser um erro. O governo Biden faria melhor se levasse a sério a perspectiva da Europa como uma potência (potencialmente grande) e a recebesse com satisfação.

As razões para acolher uma forte comunidade de defesa europeia são muitas. Primeiro, os Estados Unidos não podem ficar sozinhos. Ele precisa de aliados se quiser permanecer seguro e próspero diante dos desafios hostis da China, da Rússia e de uma série de nações menores, incluindo o Irã e a Coréia do Norte. Os Estados Unidos já reivindicam a maioria dos estados membros da UE como aliados, mas coletivamente eles poderiam ser muito mais fortes do que individualmente. Além disso, o aliado de que os Estados Unidos mais contaram para obter apoio no teatro internacional, o Reino Unido, está muito diminuído e provavelmente permanecerá assim. A França é mais forte, pelo menos militarmente. A Alemanha é mais forte economicamente, enquanto militarmente é um gigante adormecido. Outros países europeus também trazem muito para a mesa. Combinados com os franceses e os alemães, eles podiam projetar um poder significativo, duro e brando.

Em segundo lugar, uma Europa mais forte e independente pode tomar forma, quer os Estados Unidos gostem ou não. A ideia de uma Europa mais forte com maior autonomia estratégica existe desde o final dos anos 1940. É improvável que desapareça e, finalmente, possa ganhar impulso real. O Brexit removeu um obstáculo à consolidação da Europa. Outro é o grande abismo que separa as abordagens francesa e alemã para a segurança, uma distância criada por diferenças em suas culturas estratégicas e perspectivas sobre o uso da força. Essa lacuna pode estar diminuindo.

Macron permanecerá no cargo até 2022. Ele tem boas chances de ser reeleito e seus adversários provavelmente estarão igualmente interessados em buscar autonomia estratégica. A chanceler alemã, Angela Merkel, deve deixar o cargo no final de 2021. Não se deve esperar que sua substituta tenha a mesma abordagem para a segurança europeia que Merkel ou seus predecessores. Os europeus têm mais motivos do que nunca para chegar a um acordo sobre a sua segurança coletiva. Por mais que recebam bem a eleição de Biden como um retorno à Casa Branca de um governo comprometido com a OTAN, a experiência de Trump deixou alguns deles desconfiados de confiar em uma garantia de segurança que depende do capricho de alguns milhares de eleitores na Geórgia e na Pensilvânia.

A oposição americana à autonomia estratégica europeia também é uma contradição às constantes exigências dos EUA de que os europeus arquem com uma parcela maior do ônus de sua defesa coletiva. Os Estados Unidos sempre insistiram que a Europa gaste mais para ser maior e mais capaz. No entanto, Washington não quer que as capacidades europeias se tornem tão grandes a ponto de encorajá-los a agirem de forma independente. A verdade é que os europeus já gastam muito em defesa, mas esses gastos são prejudicados pelas demissões e ineficiências associadas ao fato de tantos países formarem forças separadas para servirem a fins políticos distintos e alimentarem indústrias de defesa distintas. O melhor remédio para isso poderia ser a coletivização ou, pelo menos, uma coordenação significativamente maior.

O sonho de Macron não é uma ameaça para os Estados Unidos. Pode ser uma grande melhoria na realidade atual, onde um bando de aliados soca bem abaixo de seu peso. Em sua fraqueza, esses aliados são mais propensos a fazerem acordos separados com os verdadeiros rivais da América. Ficou claro que isso poderia acontecer com a tentativa provisória e, em última análise, fracassada de Macron no ano passado de forjar um relacionamento mais amigável com a Rússia. Macron foi motivado em parte pela percepção de que a Casa Branca não estava interessada em ficar ao lado dos europeus contra os russos. Macron não ama Putin, mas não estava disposto a correr grandes riscos se opondo a ele sozinho. Uma Europa mais forte poderia.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

domingo, 19 de setembro de 2021

A história futura da Jihad, com Wassim Nasr


Por David Coffey, Paris Perspective, 19 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de setembro de 2021.

No mês passado - a queda de Cabul, o 20º aniversário das atrocidades do 11 de setembro e o histórico julgamento dos ataques em Paris - foi um período de profunda turbulência emocional. A Paris Perspective (Perspectiva de Paris) faz um balanço desses eventos analisando a evolução da jihad internacional.

Não foi "nada pessoal". Isso é o que Salah Abdeslam, o principal suspeito dos massacres de 2015 que mataram 130 pessoas em Paris, disse a um tribunal francês esta semana.

Abdeslam fazia parte de uma célula do Estado Islâmico que executou os ataques com armas e bombas contra bares, restaurantes, a sala de concertos Bataclan e o estádio Stade de France em 13 de novembro, seis anos atrás.

Acredita-se que ele seja o único perpetrador sobrevivente.

O julgamento é um momento de ajuste de contas para as famílias das vítimas e milhares de outras vítimas dos horrores daquela noite. Velhas feridas estão sendo reabertas, assim como durante a recente retomada dos julgamentos militares de 11 de setembro na Baía de Guantánamo.

Agora, após a queda espetacular do Afeganistão para militantes talibãs, potências mundiais - rivais e aliadas - estão temendo um aumento na atividade terrorista, enquanto jihadistas de todo o mundo celebram a retirada caótica das forças ocidentais de Cabul.

Bom para a al-Qaeda, ruim para o Estado Islâmico


A al-Qaeda, uma insurgência sunita multinacional, vê o renascimento do Talibã como "um sinal de Deus", disse o especialista em terrorismo da France 24, Wassim Nasr, que monitora estratégias islâmicas radicais.

"Movimentos que pertencem à al-Qaeda ou simpatizantes da al-Qaeda foram encorajados porque vêem isso como uma prova de que com uma jihad paciente e armada - seguida de negociações - eles podem alcançar o que desejam."

O retorno do Emirado Islâmico do Talibã rejuvenesceu o comando central da al-Qaeda e seus afiliados. As coisas eram diferentes, no entanto, para o grupo do Estado Islâmico, que perdeu seu "califado" no Levante e viu seus líderes serem mortos por forças internacionais.

"Desde o primeiro dia da criação deste califado [do Estado Islâmico] em 2014, [a al-Qaeda] considerou-o ilegítimo", explica Nasr.

"Tive que fazer algumas perguntas a um importante líder da al-Qaeda na Península Arábica, e ele foi o primeiro a me dizer que, desde 2014, [o Estado Islâmico] era ilegítimo e [Abu Bakr] al-Baghdadi era um impostor.

"Portanto, a al-Qaeda está feliz, e o Estado Islâmico não."

Juventude desprivilegiada


Como jornalista e locutor, Nasr mantém seus ouvidos atentos, analisando problemas sociais e alcançando jovens vulneráveis nos bairros desfavorecidos da França, ou subúrbios. Pessoas desprivilegiadas nessas áreas são os principais alvos da radicalização por extremistas religiosos que são mestres na manipulação no recrutamento de jovens muitas vezes miseráveis que procuram dar sentido às suas vidas.

Abdeslam tentou usar o julgamento dos ataques em Paris como uma espécie de púlpito, e seu microfone acabou sendo silenciado por um juiz. Então, como suas palavras foram recebidas nos subúrbios, ou nos chamados "quartiers difficiles"?

Nasr diz que eles não estão prestando muita atenção. "Eles não estão seguindo essas provações. Eles não se sentem preocupados. É isso que eu sinto", diz ele. "Por outro lado, desde o primeiro dia, a mídia procurou saber o que Abdeslam iria dizer."

Como a maratona está programada para durar nove meses, as coisas podem mudar, dependendo do que Abdeslam diga ou não, acrescenta Nasr.

O mito do voto muçulmano


Desde os ataques de 2015, a França foi forçada a se olhar no espelho para reconhecer as realidades enfrentadas por sua população muçulmana e a guetização das comunidades muçulmanas. Quando se trata de representação política, no entanto, não mudou muito nos últimos seis anos. Qualquer conversa sobre um voto muçulmano enquanto a França se prepara para as eleições presidenciais de abril de 2022 é um absurdo, diz Nasr. A França não é como os outros países, porque os muçulmanos votam na direita ou na esquerda.

“Se você fala sobre os banlieus, por exemplo - o que pode ser considerado 'o voto muçulmano'? A maioria vota em Jean-Luc Melanchon, que está muito, muito à esquerda”, diz ele. “Mas se você fala sobre a participação [dos eleitores] ou de ir às urnas, ela é muito baixa. Muitas pessoas nem se dão ao trabalho de votar”.

Islamismo francês


Da turbulência dos massacres de 2015 em Paris - e dos subsequentes ataques de "lobo solitário" em todo o país - nasceu o conceito de Islam de France.

A ideia é simples: uma interpretação inclusiva e aprovada pelo Estado da fé islâmica de acordo com as normas da democracia secular da França para prevenir a radicalização e promover a integração. Mas esse roteiro para o futuro do Islã e dos muçulmanos na França alcançou muito no terreno?

Não, diz Nasr - porque o objetivo do Islam de France nunca foi político. Desde o início, foi estabelecido para monitorar opiniões extremistas provenientes de mesquitas ou imãs individuais.

"O Islã francês não deu certo. Ainda é um projeto, mas não sei se vai funcionar. Sempre que um estado se envolve em tais questões, as pessoas geralmente não o seguem", diz Nasr. Ao tentar trazer a fé islâmica para a corrente secular, se algum muçulmano em qualquer lugar do mundo vir "islam.gov", não funcionará.

No entanto, desde que Paris e outras cidades da Europa foram atingidas por ataques terroristas, o jihadismo internacional evoluiu - especialmente em resposta ao investimento global maciço em segurança, vigilância e cooperação internacional.

Todos os acusados no tribunal de Paris foram rastreados por meio da tecnologia. Então, o que mudou da perspectiva dos jihadistas? “À medida que as medidas legais evoluíram, os jihadistas adaptaram sua maneira de fazer as coisas”, explica Nasr.

As greves de 2001 e 2015 nos Estados Unidos e em Paris foram exceções. Eles envolveram reunir equipes, treiná-las, enviá-las aos países-alvo, adquirir armas e fabricar explosivos. Nos anos que se seguiram, acrescenta Nasr, tem sido muito difícil formar esse tipo de equipe e encontrar lutadores experientes dispostos a retornar a seus países de origem e atacar. No entanto, a tendência evoluiu para outra coisa.

“O Estado Islâmico alcançou o que a Al-Qaeda só poderia sonhar: conseguir incitar tantas pessoas a entrarem em ação. Ações terroristas em seus próprios países - seja como cidadãos, residentes ou refugiados”, disse Nasr.

"E esta é a tendência hoje... é menos letal do que grandes ataques como o 11 de setembro, mas o impacto político ainda é o mesmo."

O modelo de negócios da Jihad de baixo custo


Em termos monetários, os caros "espetáculos terroristas" dos últimos 20 anos estão se transformando em operações mais baratas com um "dividendo terrorista" proporcional, à medida que canais de financiamento ilícitos são fechados por meio da vigilância forense internacional das contas.

Na década de 2020, o terrorismo é mais econômico. “Não custa muito. É realmente fácil montar algo como o ataque a Cabul [aeroporto]. É um atacante suicida com um cinto explosivo”, diz Nasr.

"Isso não causa muitos danos em relação ao número de vítimas. Mas vimos o pânico que causou - os disparos do Talibã e das forças americanas - então há o impacto psicológico." Os movimentos jihadistas vivem em uma microeconomia, acumulando pequenas quantias de dinheiro ao longo do tempo para criar um gatinho maior que lhes permite conduzir suas operações de baixo custo e alto ganho, acrescenta Nasr.

O futuro é biológico?


Outro ramo evolutivo potencial para o terrorismo é a composição, vetor e entrega de armas. O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair alertou recentemente que a próxima onda de ataques provavelmente será de natureza biológica, em vez de ataques físicos tradicionais.

É assim que os jihadistas irão subverter as medidas de segurança no futuro?

Nasr acha que Blair tem razão, mas o desenvolvimento de armas químicas ou biológicas dos jihadistas é limitado. Tanto a al-Qaeda no Afeganistão quanto o Estado Islâmico no Iraque tentaram desenvolver armas químicas separadamente.

“Mas eram armas químicas de muito baixa tecnologia. E mesmo quando são usadas, as baixas foram muito baixas”, diz ele. "Mas [Blair] estava falando sobre o impacto psicológico. Eles estão tentando... você pode desenvolver a arma, mas então precisa desenvolver a habilidade de entregá-la".

Para os jihadistas, uma coisa é desenvolver armas bioquímicas em um laboratório provisório, mas outra bem diferente é "colocá-las em um avião e fazê-las funcionar".

Responsabilidade democrática


Assim, uma vez que o tribunal de Paris sobre os ataques de 13 de novembro entregue suas conclusões em nove meses, que resultado podemos esperar e como as decisões afetarão o futuro da radicalização doméstica na França?

Para Nasr, a justiça terá seguido seu curso pelo menos, ao contrário dos Estados Unidos. "Resumindo, a França e os países europeus estão fazendo o que os Estados Unidos não queriam - julgando terroristas em tribunais regulares e não em tribunais militares". Isso torna o processo judicial um processo público, o que é essencial em uma democracia.

A mensagem mais importante dos Estados Unidos - com os julgamentos do xeque Mohammed em Guantánamo - é que se trata de um julgamento militar. "Não são as regras normais. Não é um tribunal normal. Por outro lado [nos últimos 20 anos], as potências ocidentais estão usando drones para matar pessoas. E isso é extrajudicial", disse Nasr.

É aí que reside o paradoxo. "Quando você tem a oportunidade de julgar as pessoas no tribunal - como uma democracia - você deve."


Wassim Nasr é jornalista da France24 e especialista em jihadismo. Nasr é o autor do livro "État islamique, le fait accompli" (Editora Plon, 2016). Ele também é consultor do documentário Terror Studios (2016) indicado ao International Emmy Awards (2017). Siga-o em @SimNasr.

Bibliografia recomendada:

Estado Islâmico:
Desvendando o exército do terror.
Michael Weiss e Hassan Hassan.

Submissão.
Michel Houellebcq.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Impondo custos por outros meios: opções de guerra estratégica irregular para responder à agressão russa

"Homenzinhos verdes" na Ucrânia, março de 2014.

Por Steve Ferenzi, Small Wars Journal, 18 de maio de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

A vantagem comparativa da América em poder militar convencional garante que seus adversários procurarão enfrentá-la abaixo do limiar da “guerra” tradicional para alcançar seus objetivos. A recente agressão da Rússia na Ucrânia demonstra um aspecto deste campo de batalha com implicações preocupantes para a viabilidade da aliança da OTAN. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os Estados Unidos empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

É hora de liberar as capacidades de guerra irregular dos Estados Unidos. Toda a controvérsia sobre os desafios da “zona cinzenta” de hoje leva a crer que os Estados Unidos são um jogador amador neste jogo. Ao longo da década de 1980, os Estados Unidos competiram com sucesso abaixo do limiar da guerra convencional no âmbito do "conflito de baixa intensidade". Enquanto o caso Irã-Contras e o retorno do apoio aos mujahideen afegãos continuam a ser olhos negros para o prestígio dos EUA, os Estados Unidos sangraram com sucesso a União Soviética sem recorrer ao Armagedom nuclear ou à escalada convencional. Pode-se debater as minúcias, mas os EUA alcançaram seus objetivos estratégicos a um custo relativamente baixo. Como os EUA podem obter resultados semelhantes no ambiente operacional de hoje, onde a vontade política é o fator limitante? A resposta é possibilitar o que a Rússia mais teme: movimentos de resistência nativa ao longo das linhas das “revoluções coloridas” que destruíram a influência russa pós-soviética em seu quintal tradicional.

Dilemas do Artigo 5

A questão mais urgente em relação à Rússia hoje é o compromisso dos Estados Unidos com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Artigo 5 da Carta da OTAN exige que:

“As Partes concordam que um ataque armado contra um ou mais deles na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todos eles e, consequentemente, concordam que, se tal ataque armado ocorrer, cada um deles, no exercício do direito da legítima defesa individual ou coletiva reconhecida pelo artigo 51 da Carta das Nações Unidas, ajudará a Parte ou as Partes assim atacadas, tomando imediatamente, individualmente e em conjunto com as outras Partes, as ações que julgar necessárias, incluindo o uso de força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

Qualquer ataque armado e todas as medidas tomadas como resultado dele serão imediatamente relatados ao Conselho de Segurança. Essas medidas serão encerradas quando o Conselho de Segurança tiver tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais.”

A anexação da Crimeia pela Rússia revigorou o debate sobre a utilidade da OTAN na era pós-Guerra Fria. A resposta desdentada dos EUA pode ter sido justificável dada a falta de compromissos legais com a Ucrânia, não-membro, mas e se a Rússia tomar a fraqueza americana percebida como um convite para um desempenho repetido nos Estados Bálticos, membros de fato da OTAN?

Tanto a doutrina de guerra híbrida de "nova geração" da Rússia quanto os aliados de Moscou na região exortam o uso de meios não-militares assimétricos e "quinta colunas" em áreas-alvo para alcançar resultados estratégicos. A solução da América é mais marchas blindadas em estradas pela Europa Oriental e exercícios de treinamento combinados? Os EUA têm vontade política para realmente puxar o gatilho em uma resposta militar convencional com potencial de escalada? Improvável. Outros conceitos como "defesa híbrida" e variantes ressuscitadas da dissuasão estendida da Guerra Fria oferecem soluções alternativas, mas não otimizam os recursos fiscais e militares limitados para enfrentar a Rússia.

Soldados russos e sírio diante de retratos de Vladimir Putin e Bashar al-Assad.

A mentalidade tradicional leva a crer que quando você precisa de um tanque, você precisa de um tanque. A destreza dos blindados americanos, especialmente quando casada com o poder aéreo dos Estados Unidos, é inegável. Ela esmagou a tentativa de Saddam Hussein de tomar o Kuwait em 1991 e, mais uma vez, deu um golpe esmagador nas fases iniciais da Operação Liberdade do Iraque. Ao validar seletivamente o complexo de superioridade inato dos EUA, os adversários da América, no entanto, perceberam que se expor a um projétil de 120 milímetros disparado de um tanque Abrams não é do seu interesse. A solução? Guerra por outros meios. No Iraque, isso significou insurgência à la Che Guevara, Mao Zedong e Carlos Marighella, revestida com um verniz jihadista. Na Ucrânia, isso significava que a Rússia empregava “homenzinhos verdes” para capitalizar as queixas da etnia russa indígena e tomar a Crimeia por meio de táticas de salame projetadas para permanecer abaixo do limite de induzir a intervenção ocidental. O ingrediente principal? Evite a superioridade militar convencional americana e paralise sua força de vontade política para empregar opções não-convencionais para enfrentá-la com sucesso.

O Artigo 5 exige uma defesa coletiva contra um ataque armado; não obriga uma resposta contra a guerra híbrida, nem estipula como uma defesa em ambos os casos deve ser executada. Em vez de fingir que os EUA realmente entrarão em guerra com a Rússia por causa de uma invasão do Báltico possibilitada por subterfúgios e desinformação, por que não estabelecer as condições para que os movimentos indígenas frustrem a ocupação russa e bloqueiem seus objetivos estratégicos? Se a Rússia quiser invadir o Báltico, nenhuma resposta militar estatal convencional na região terá chance. A Rússia demonstrou isso na Geórgia em 2008. A beleza da guerra irregular é sua capacidade de impor custos significativos com um gasto mínimo de recursos. Robert Taber fez a analogia de pulgas atacando um cachorro durante um conflito prolongado para erodir a determinação política do oponente. Grandes potências ao longo da história, incluindo os EUA, sofreram isso ao confrontar inimigos nominalmente mais fracos.

Aumente os custos: algumas insurgências são boas para os Estados Unidos

Essa abordagem teria sucesso ao elevar os custos da invasão russa a um nível inaceitável. Executado secretamente, envolve a construção de uma infraestrutura de resistência indígena a ser desencadeada assim que a Rússia cruzar a linha, atolando o grande urso em um pântano de insurgência projetado para anular sua vantagem convencional comparativa. Isso tem precedentes históricos da Guerra Fria na região: AECOB/ZRLYNCH era um programa da Agência Central de Inteligência (CIA) que apoiava o Movimento de Resistência Letão anti-soviético como parte da estratégia mais ampla de permitir movimentos de resistência clandestina na Europa Oriental.

Combatentes da resistência lituana (da esquerda para a direita) Klemensas Širvys-Sakalas, Juozas Lukša-Skirmantas e Benediktas Trumpys-Rytis na floresta por volta de 1949.
(Centro de Pesquisa do Genocídio e Resistência da Lituânia)

Executado abertamente, o desenvolvimento da infraestrutura de resistência procederia de forma análoga à abordagem secreta, mas serviria como um sinal para deter a agressão russa, transmitindo totalmente as capacidades do ninho de vespas que a Rússia estaria invadindo. O apoio recente à rebelião síria abriu um precedente para o apoio aberto aos elementos de resistência pelas Forças de Operações Especiais dos EUA. No entanto, o desastre da Síria oferece lições significativas que devem ser aprendidas para o futuro, nomeadamente a importância de desenvolver capacidade subterrânea e auxiliar, além de elementos de guerrilha armada, um elemento crítico, mas muitas vezes ignorado da doutrina da guerra não convencional, bem como o significado de medidas deliberadas para mitigar ações divergentes resultantes da seleção adversa de forças de procuração (proxies).

Uma consideração importante para os formuladores de políticas é o papel da resistência não-violenta e violenta dentro de tal plano de defesa do Báltico. O ministério da defesa da Lituânia publicou recentemente um manual intitulado "Como agir em situações extremas ou instâncias de guerra", que discute especificamente o papel de organizar a desobediência civil para combater a guerra híbrida. A resistência não-violenta tem precedentes históricos no Báltico contra a União Soviética, e as evidências apóiam sua eficácia potencial contra a Rússia hoje. Até mesmo o Escritório de Serviços Estratégicos (Office of Strategic Services, OSS), o predecessor da CIA durante a Segunda Guerra Mundial, emitiu orientações sobre como sabotar as forças de ocupação com resistência civil. No entanto, o resultado do levante sírio demonstra que tanto a resistência não-violenta quanto a violenta devem ser planejadas como parte de uma estratégia abrangente.

O Paradoxo da Guerra Irregular Estratégica

Boina Verde do 5th SFG com o camuflado listras de tigre (tiger stripes) durante um exercício no Fort Campbell, 2019.

As opções de guerra irregular geralmente apresentam um paradoxo debilitante para os Estados Unidos e outras democracias estáveis. De acordo com o Coronel (Reformado) Mark Mitchell, ex-comandante do 5º Grupo de Forças Especiais (5th Special Forces Group, 5th SFG), os políticos são mais resistentes à implementação de medidas de guerra irregular quando elas têm maior probabilidade de sucesso. Quando introduzidos antes ou muito no início de um conflito, os gastos mínimos de recursos podem ter efeitos positivos exagerados sobre os resultados estratégicos; no entanto, a ambigüidade informativa e os perigos duplos de escalada e consequências não-intencionais criam hesitação política que impede a implementação das ações necessárias nos estágios iniciais. Quando os formuladores de políticas percebem que a situação degenerou em um problema real que afeta os interesses nacionais dos EUA (pense na Síria hoje) e decidem agir, a oportunidade de implementar uma solução decisiva ou mesmo eficaz de baixa visibilidade/baixo custo há muito tempo já passou. Essas soluções ainda podem ser implementadas, mas é altamente improvável que forneçam os resultados desejados.

Alguns podem apontar para a invasão do Afeganistão em 2001 como um exemplo de uma solução eficaz de guerra irregular executada sem uma longa vanguarda. Tal avaliação ignora os efeitos das relações dos EUA com os grupos de resistência afegãos como resultado dos esforços para impor custos aos soviéticos nos anos 80. Sem essas relações, construídas e sustentadas ao longo de quase duas décadas e exploradas pelos “soldados a cavalo” como o Coronel Mitchell, os Estados Unidos não teriam sido capazes de implementar rapidamente um esforço de guerra irregular em 2001.

Forças especiais (Boinas Verdes e CCT) à cavalo com a Aliança do Norte, outubro de 2001.

Em 1948, George F. Kennan reconheceu a necessidade de empregar "guerra política" contra a União Soviética, integrando todos os meios nacionais, ocultos e abertos, para atingir os objetivos de segurança nacional "na ausência de guerra declarada ou força de força aberta hostilidades”. Este requisito permanece o mesmo hoje. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os EUA empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

O Major Steve Ferenzi é estrategista do Exército e oficial das Forças Especiais da Divisão de Planejamento Estratégico G-5 do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA. Ele serviu anteriormente nos 3º e 5º Grupos de Forças Especiais (Aerotransportados) e na 82ª Divisão Aerotransportada e possui um mestrado em Assuntos Internacionais pela Escola de Relações Internacionais e Públicas da Universidade de Columbia.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada: