Mostrando postagens com marcador Guerra da Coréia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra da Coréia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de maio de 2022

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de maio de 2022.

A China sofreu um choque em 2020 quando percebeu que sua propaganda começa e termina dentro das fronteiras da China continental, sendo sobrepujada em basicamente todas as mídias internacionais, lhe faltando empatia e amigos por todos os lados. Ao reclamar sobre a sua versão da Guerra da Coréia não ser aceita na Coréia do Sul, viu impotente como não tinha poder de coerção sobre até mesmo uma banda de celebridades adolescentes. Isso levou a uma catarse na cúpula chinesa e a uma corrida para tentar criar o poder brando (soft power) que tanto lhe falta. A China precisa apresentar uma "cara nova" diante do mundo que Pequim tanto deseja guiar como um hegemon.

O especialista S. Nathan Park, advogado de Washington e membro não residente do Sejong Institute, assim analisou o caso envolvendo a banda BTS de K-Pop. Tudo começou quando a China quis impor a sua versão histórica onde os bravos e abnegados "voluntários" chineses foram salvar a Coréia do Norte da agressão "imperialista" dos Estados Unidos. Inicialmente, a Samsung até mesmo removeu os produtos relacionados ao grupo sul-coreano BTS de suas lojas oficiais nas plataformas de comércio eletrônico chinesas, depois que os comentários da banda sobre a Guerra da Coréia irritaram os internautas chineses, que disseram que a "atitude unilateral" do grupo de K-pop em relação à guerra "nega a história". Apesar do bravado e da reação irritada, Pequim se viu - atônita - no lado perdedor. Isso levou a uma reavaliação do seu poder brando.

A Batalha do Lago Changjin
(
Chang jin hu, 2021).

Em resposta, a China produziu o filme A Batalha do Lago Changjin (Chang jin hu), um blockbuster sobre a Guerra da Coréia (1950-1953) que se tornou o filme de maior bilheteria de 2021 e da história do cinema chinês; batendo a Marvel e James Bond. O filme estrela Wu Jing, uma estrela chinesa em ascensão, como o protagonista comandante da 7ª Companhia do "Exército Voluntário do Povo Chinês". Este sucesso foi seguido pela continuação A Batalha do Lago Changjin II (1º de fevereiro de 2022), e por Snipers (Ju ji shou), este último sobre o atirador de elite chinês Zhang Taofang, que matou 214 soldados inimigos em 32 na Batalha de Triangle Hill. Tal como Simo Häyä, Zhang não usava luneta no seu fuzil, que também era um Mosin-Nagant.

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Membros do BTS participam do Mnet Asian Music Awards 2019 no Nagoya Dome em Nagoya, Japão, em 4 de dezembro de 2019.
(Jean Chung/Getty Images)

Por S. Nathan ParkForeign Policy, 20 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2022.

O poder brando da Coreia do Sul deve ser um modelo para Pequim.

A República Popular da China (RPC) provou não ser páreo para o ARMY. Quando o grupo de superestrelas do K-pop, BTS, reconheceu o sacrifício compartilhado de americanos e coreanos ao receberem o Prêmio James A. Van Fleet da Korea Society, em homenagem a um general americano durante a Guerra da Coréia, as mídias sociais chinesas ficaram indignadas, percebendo a mensagem do BTS para ser um desrespeito contra os soldados chineses na guerra. O Global Times, o tablóide estatal da China, criticou o grupo por sua “atitude unilateral” que “nega a história”. As lojas online começaram a puxar produtos relacionados ao BTS, antecipando o tipo de frenesi nacionalista que custou a franquias gigantes como a NBA e a loja de supermercados sul-coreana Lotte centenas de milhões de dólares no passado.

Mas a ofensiva da mídia chinesa contra os reis do K-pop durou apenas dois dias. O Global Times deletou discretamente alguns de seus artigos criticando o BTS, e a negatividade contra o grupo nas mídias sociais chinesas também desapareceu rapidamente. O pedido de boicote de alguns fãs chineses pouco afetou o BTS, apoiado por seu fã-clube mundial “ARMY” (que significa Adorable Representative M.C. for Youth, se você está se perguntando). Pouco depois de receberem o Prêmio Van Fleet, o BTS se tornou um dos cinco grupos musicais da história a ocupar os dois primeiros lugares simultaneamente na parada de músicas Hot 100 da Billboard, juntando-se aos Beatles e Bee Gees, entre outros. A oferta pública inicial da Big Hit Entertainment, empresa de produção do BTS, na semana passada, estava entre os IPO mais bem-sucedidos da história do mercado de ações coreano, já que o preço das ações quase dobrou no primeiro dia.

Este episódio recente é mais um exemplo de um fato cada vez mais óbvio: a China é ruim em soft power. Sua recente virada para o nacionalismo intensificado e detestável não está conquistando corações e mentes. Em todo o mundo, a percepção negativa da China está atingindo máximos históricos. Em uma pesquisa recente do Pew Research Center em 14 países, a opinião negativa média da China foi de 74% – acima dos 36,5% em 2002. Isso contrasta fortemente com sua vizinha Coreia do Sul, o qual não fica em segundo plano para muitos países quando, ahem, se trata de nacionalismo expressivo. Em uma pesquisa de 2019 conduzida pelo Serviço de Cultura e Informação Coreano (Korean Culture and Information ServiceKOCIS), a favorabilidade média da Coreia do Sul entre os 15 países pesquisados ​​foi de sólidos 76,7%, com mais de 90% de avaliações de favorabilidade de vários países, incluindo Rússia, Índia, Brasil, e Tailândia. A Coreia do Sul, em outras palavras, é tão popular quanto a China é impopular. A cultura pop da Coreia do Sul desempenhou um papel importante na imagem positiva da nação no mundo: uma pluralidade de entrevistados na mesma pesquisa KOCIS disse que o K-pop foi a primeira coisa que veio à mente sobre a Coreia do Sul (12,5%), seguido por comida coreana (8,5%) e cultura (6,5%).

Grupo de K-Pop Red Velvet na Coreia do Norte


A China seria sensata em seguir a estratégia de poder brando da Coreia do Sul. Para ter certeza, a afirmação da moda de que “o governo coreano criou o K-pop” é um exagero e geralmente é usada para descontar a arte e a criatividade da cultura pop coreana, pintando-a como um projeto de obras públicas monótono. Fundamentalmente, a cultura pop sul-coreana encontrou ressonância global porque os artistas da Coreia criaram produtos culturais que o mundo achou atraentes. Mas o governo coreano desempenhou um papel: queria ganhar soft power (poder brando) por meio da cultura pop, concebeu uma estratégia abrangente para aumentar o alcance de seus próprios artistas e implementou políticas específicas que conduzem ao florescimento da cultura pop.

O ex-presidente sul-coreano e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Kim Dae-jung foi o arquiteto da estratégia de poder brando do país. Kim assumiu o cargo no momento certo em 1997, quando a Coreia do Sul estava começando a ver uma explosão da cultura pop após a transição da ditadura militar em 1987. Seo Taiji and Boys, a fonte do K-pop moderno, estreou em 1992. Seopyeonje, um filme de 1993 sobre a música pansori tradicional da Coréia, atraiu quase 3 milhões de espectadores, tornando-se o filme doméstico de maior sucesso até hoje. O megahit de 1991, What Is Love, com uma classificação nacional irreal de 64,9% (a terceira maior audiência de um drama coreano de todos os tempos), também foi o primeiro drama coreano a encontrar popularidade na China quando a CCTV (agora CGTN) transmitiu o programa em 1997. De pé à beira desse Big Bang, Kim Dae-jung formulou uma postura em relação ao desenvolvimento da cultura pop que continua até hoje.

Kim tinha muita confiança na capacidade da cultura coreana de se destacar no cenário mundial. Ele gostava de notar que, embora a Coréia tenha sido influenciada pela cultura chinesa por 2.000 anos, a Coréia nunca foi sinicizada ao contrário, como ele viu, dos mongóis do Império Yuan ou dos manchus do Império Qing - porque os coreanos foram capazes de aceitar a cultura internacional e criar sua própria versão exclusiva. Kim também acreditava que a cultura crescia por meio de trocas; qualquer tentativa de proteger uma cultura da exposição internacional levaria à estagnação. Mais importante ainda, Kim reconheceu que o governo tinha um papel de apoio à cultura, mas que não deveria ultrapassar seus limites. Em uma entrevista de 2007 que revisitou as realizações de seu governo, Kim deixou essa crença clara: “A intervenção mata as artes. A criatividade deve fluir livremente. Mas os artistas são economicamente fracos, então o governo deve apoiá-los financeiramente. Ajude-os com dinheiro, mas não intervenha.”

Esse mantra “apoie, mas não intervenha” ficou conhecido como o “princípio da distância” – a doutrina orientadora da política cultural da Coreia do Sul até hoje. Sob esse princípio, o governo Kim se concentrou em promover a liberdade de criação e troca, estabelecer a infraestrutura legal para proteger o direito dos artistas à propriedade intelectual e fornecer subsídios financeiros sem referência ao conteúdo da arte. A administração aboliu o processo de aprovação de filmes que efetivamente atuavam como censura. A proibição de produtos da cultura pop do Japão foi suspensa, permitindo que filmes, programas de TV, histórias em quadrinhos e música viajassem livremente pelo estreito. Inicialmente, alguns temiam que o produto japonês superior dizimasse o mercado coreano - mas o resultado foi o oposto, pois os dramas coreanos e o K-pop começaram a florescer no mercado japonês.

Inúmeras leis foram aprovadas para proteger os direitos de propriedade intelectual e o fluxo de dinheiro decorrente de tais direitos, especialmente no que diz respeito a filmes e música. As leis também forneceram clareza sobre o status legal de formas emergentes de cultura pop na época, como videogames, clubes de música ao vivo para bandas indie e streaming online. Kim prometeu dedicar pelo menos 1% do orçamento do governo para a promoção das artes, elevando-o da faixa de 0,3% na época. Sua administração alcançou esse marco em 1999; parte do orçamento foi usado para estabelecer o Fundo de Promoção da Indústria Cultural, que forneceu empréstimos a juros baixos para criadores de conteúdo. Um dos beneficiários desse fundo, por exemplo, é a desenvolvedora de jogos Bluehole, mais conhecida por seu jogo online multiplayer PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), uma das plataformas de e-sports mais populares do mundo. Todas essas políticas formaram a base para o que veio a ser conhecido como hallyu, ou a “onda coreana”, uma onda global de popularidade de produtos da cultura pop coreana, incluindo filmes, programas de TV e música.

PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG).

Tom Clancy's Rainbow Six: Take-Down – Missions in Korea.
Esse jogo foi feito exclusivamente para a Coreia do Sul.

As sucessivas administrações sul-coreanas nem sempre aderiram à regra de distância do governo Kim, pois cederam à tentação de tentar controlar a cultura puxando os cordões da bolsa. O presidente conservador Lee Myung-bak, em uma tentativa de “equilibrar o poder cultural”, compilou uma lista negra de celebridades de esquerda para cortar o apoio público. Na administração seguinte de Park Geun-hye, a lista negra cresceu para incluir quase 10.000 nomes. Felizmente, porém, tais tentativas de subjugar as artes nunca foram normalizadas. Quando a lista negra foi revelada em 2016, tornou-se um dos focos dos protestos à luz de velas que derrubaram a presidência de Park por meio do impeachment. Com o princípio da distância restaurado, a cultura pop da Coréia do Sul teve outro ano de destaque em 2020: além do sucesso do BTS, o filme Parasita (Gisaengchung, 2019) de Bong Joon-ho - que foi um dos primeiros diretores a ser colocado na lista negra pelas administrações de Lee e Park - ganhou quatro prêmios da Academia, incluindo melhor filme.

A China certamente não carece da capacidade de fazer produtos fantásticos da cultura pop; na verdade, não faz muito tempo que Hong Kong era a capital cinematográfica da Ásia, com obras-primas de diretores como Wong Kar-wai e John Woo. O que falta, em vez disso, é uma liderança comprometida em apoiar as artes sem intervenção e a sociedade civil que disciplinaria a liderança se ela se desviasse desse princípio, como foi o caso de Kim Dae-jung e do corpo político da Coreia do Sul. Em vez disso, os controles sobre a cultura pop tornaram-se cada vez mais rígidos nos últimos oito anos sob Xi Jinping. Os líderes chineses que desejam maior poder brando fariam bem em prestar atenção ao diagnóstico simples de Kim: “A China não tem nada como o hallyu porque não é uma democracia”.

sexta-feira, 20 de maio de 2022

China homenageia heróis das "ondas humanas" da Guerra da Coréia


Por Andrew Salmon, Asia Times, 24 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de maio de 2022.

Pequim lembra os EUA das vitórias chinesas adiante de uma esperada renovação do tratado de defesa mútua da Coreia do Norte.

Sub-armados, mal equipados e carregando uma herança sombria de humilhação militar, eles avançaram, às centenas de milhares, em um espaço de batalha desolado e proibido para desafiar a força militar mais poderosa da Terra.

O que aconteceu em seguida abalou o mundo.

Em outubro de 1950, o Exército Voluntário do Povo Chinês, ou CPVA, e o Comando das Nações Unidas, liderado pelos EUA, ou UNC, entraram em confronto no país gelado da Coreia do Norte. No final do ano, os soldados camponeses chineses haviam derrotado seus inimigos, salvado seu aliado da extinção nacional e derrubado um século de derrotas militares nas mãos de potências estrangeiras.

Soldados americanos capturados pelo Exército Voluntário do Povo Chinês perto do reservatório de Chosin, novembro de 1950.

Uma esquina histórica havia virado. A China, o dragão adormecido, não apenas acordou – ela cravou suas garras profundamente no caminho para o status de superpotência. Esta semana, a China está comemorando, com grande alarde, o 70º aniversário de sua intervenção no que chama de “A Guerra para Resistir à Agressão dos EUA e Ajudar a Coreia”.

O momento para reabilitar uma guerra que estava tão esquecida na China quanto no Ocidente é perfeito. Xi Jinping, o líder chinês mais assertivo globalmente desde Mao Zedong, tem múltiplas motivações para estimular o patriotismo e lembrar seus cidadãos de que a China pode enfrentar com sucesso os EUA.

Um soldado chinês em ação durante a Guerra da Coréia.
Foto: Memorial Nacional de Guerra da Coreia.

Setenta anos depois que a China comunista lançou sua primeira intervenção militar no exterior, a rivalidade de grandes jogos com seu principal inimigo da Guerra da Coréia, os Estados Unidos, está esquentando regional e globalmente.

Na Coreia do Sul, as forças dos EUA em 2017 instalaram um sistema de defesa antimísseis armado com radares poderosos e, em 2018, concluíram um realinhamento da DMZ para a costa do Mar Amarelo da península. Esses desenvolvimentos oferecem às tropas dos EUA na Coréia os olhos no nordeste da China.

Regionalmente, as tensões militares com os EUA estão borbulhando tanto no Mar da China Meridional quanto no Estreito de Taiwan, enquanto Washington busca atualizar seu agrupamento militar “Quad”.

As tensões diplomáticas estão aumentando em Chindia e Hong Kong, enquanto no tabuleiro de xadrez econômico global, Washington está escalando uma guerra comercial e tecnológica contra Pequim e suas principais empresas. O último conflito ameaça dividir a economia global à medida que os EUA reúnem seus aliados para sua causa.

Contra esse pano de fundo, as reafirmações da “aliança forjada pelo sangue” sino-coreana são apropriadas.

Especialistas antecipam uma cúpula entre Xi e o líder norte-coreano Kim Jong Un logo após os EUA elegerem seu próximo presidente [Donald Trump]. Espera-se que Kim solicite um pacote econômico para resgatar sua nação, atingida pelo fechamento de fronteiras Covid-19, e Xi deve renovar seu tratado de defesa bilateral que deve expirar em 2021.

"Balas humanas" nos "Portões do Inferno"

As tropas avançam quando um corneteiro soa o ataque. As tropas chinesas não tinham rádios, então se contentaram com tecnologia de comunicações antiga, mas eficaz.
Foto: Memorial Nacional de Guerra da Coreia.

A saga da China na Guerra da Coreia é épica.

Em outubro, tendo defendido com sucesso a Coreia do Sul após a invasão norte-coreana de junho de 1950, as tropas da UNC lideradas pelos EUA avançaram para a Coreia do Norte.

A primeira e única invasão do mundo livre a um Estado comunista seria um avanço para a catástrofe. Mao, tendo derrotado recentemente as forças nacionalistas apoiadas pelos EUA no ano anterior, temia que a China fosse o verdadeiro alvo. Afirmando que a Coreia do Norte e a China estavam “tão próximas quanto lábios e dentes... se os lábios se forem, os dentes passam frio", ele ordenou que suas forças se desdobrassem - contra o conselho de seus generais.

Foi uma grande aposta, pois a experiência militar da China nos 100 anos anteriores havia sido terrível. Nas Guerras do Ópio, na Primeira Guerra Sino-Japonesa e na Rebelião dos Boxers, a China foi humilhada por forças estrangeiras. E na Segunda Guerra Mundial, Pequim era uma distante quarta potência atrás das “Três Grandes” do Reino Unido, EUA e URSS.

O CPVA – na verdade, tropas regulares do Exército Popular de Libertação; a nomenclatura era uma camuflagem negável – conhecia os perigos que enfrentavam. Eles chamaram os pontos de passagem do rio Yalu para a Coreia do Norte de “Portões do Inferno” e cinicamente se apelidaram de “balas humanas”.

Mas eles usariam uma tática brilhante que usaria suas vantagens, incluindo camuflagem, movimento através do país e mão de obra, contra as vantagens da UNC – poder de fogo e mobilidade veicular. Era chamada de “onda humana”.

Sob o manto da escuridão, que invalidava os blindados e o poder aéreo da UNC, as tropas chinesas se aglomeravam diante de uma posição inimiga. Sinalizadas por cornetas e gongos – sons estranhos e aterrorizantes – as tropas do CPVA avançavam em fileiras apertadas, lançando granadas de mão e tentando tomar de assalto armas automáticas.

Enquanto o ataque frontal acontecia, outras unidades chinesas se infiltravam na retaguarda da posição, impedindo a unidade UNC em apuros de evacuar feridos ou trazer suprimentos. Se a unidade da UNC se retirasse, geralmente em veículos, ela se depararia com bloqueios de estradas do CPVA e seria ceifada em emboscadas em terreno alto. Se não se retirasse, seria cercada e aniquilada.

A tática da “onda humana” foi emprestada do antigo estrategista Sun Tzu, que aconselhou os comandantes a “atacar como água”, fluindo sobre ou ao redor das posições inimigas.

Usando-a, o CPVA infligiu as piores derrotas sofridas pelos exércitos norte-americano e britânico desde a Segunda Guerra Mundial: a destruição de dois regimentos norte-americanos em Kunu-ri em 1950 e a aniquilação de um batalhão britânico no rio Imjin em 1951.

Tropas do CPVA tomam de assalto após a emboscada da 2ª Divisão de Infantaria dos EUA em "The Gauntlet" (Corredor Polonês) no Passo de Kunu-ri - a pior derrota no campo de batalha sofrida pelo Exército dos EUA desde 1945.
Foto: Cortesia Paik Sun-yeop/National War Memorial of Korea.

Tendo limpado a Coreia do Norte em dezembro de 1950, o CPVA invadiu o Sul, tomando Seul em 4 de janeiro de 1951. Mas eles estavam estendido demais. As forças da UNC se reagruparam e contra-atacaram, empurrando o CPVA de volta ao norte.

No final do ano, a guerra se estabeleceria em uma guerra posicional sobre as colinas chamuscadas e cheias de crateras ao longo do que é, aproximadamente, a DMZ de hoje. Um cessar-fogo foi assinado em julho de 1953. Mais de 197.000 chineses foram mortos, mas a guerra foi, no entanto, uma conquista marcante para a China de Mao.

O CPVA não conseguiu expulsar os EUA da península ou conquistar a Coreia do Sul, mas humilhou as forças americanas nos primeiros meses da guerra. Além disso, eles socorreram a Coreia do Norte – que permanece, até hoje, um amortecedor estratégico no flanco nordeste da China e um aliado do tratado.

Por outro lado, os EUA, pela primeira vez, não conseguiram prevalecer em uma guerra. A Coreia estabeleceria um modelo terrível para a próxima “guerra limitada” da América: o Vietnã.

Reabilitando uma guerra esquecida

A ofensiva do CPVA no inverno de 1950 empurrou as tropas da ONU em uma terrível retirada da Coreia do Norte. Aqui, as tropas australianas na retaguarda da ONU recuam por uma paisagem de devastação.
Foto: Biblioteca Estadual de Vitória.

Desde que o então presidente dos EUA Richard Nixon e Mao restabeleceram as relações bilaterais em 1972, não havia capital a ser ganho em refazer uma guerra contra os EUA. Mais recentemente, as provocações nucleares da Coreia do Norte irritaram Pequim.

Como resultado, a Guerra da Coreia, embora não ativamente suprimida, perdeu visibilidade na China.

“O papel da China na guerra está certamente no comentário estratégico, mas não está na vanguarda das mentes ou memórias da geração mais jovem”, disse Alex Neill, consultor estratégico independente em Cingapura especializado em questões de segurança chinesas.

Mas agora que o confronto China-EUA aumentou sob o governo Xi, a guerra foi arrastada para fora do armário em seu 70º aniversário.

Na sexta-feira, XI fez um discurso de 42 minutos sobre a guerra no Grande Salão do Povo em Pequim. Seus comentários visavam um alvo claro. A Guerra da Coreia “estraga a lenda de que o Exército dos EUA é invencível”, disse Xi.

“A Guerra da Coréia mostra que o povo chinês não deve ser provocado. Se você causar problemas, esteja preparado para arcar com as consequências.”

O presidente chinês Xi Jinping fala durante uma cerimônia que marca o 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coreia no Grande Salão do Povo de Pequim, em 23 de outubro de 2020.
Foto: AFP.

Isso ecoou os comentários que Xi fez na quarta-feira durante uma visita de alto nível a uma nova exposição da Guerra da Coreia no Museu Militar da Revolução Popular Chinesa de Pequim, onde ele reivindicou a vitória em uma guerra que a maioria dos historiadores considera um impasse. “A vitória na guerra para resistir à agressão dos EUA e ajudar a Coreia foi uma vitória da justiça, uma vitória da paz e uma vitória do povo”, disse Xi.

Outras cerimônias e discursos são esperados no domingo, dia de comemoração oficial da China.

A reabilitação do conflito também é visível na mídia e na cultura popular.

“Por razões históricas, os filmes e séries de TV da Guerra da Coreia estiveram ausentes das telas chinesas por um período de tempo”, é como o jornal Global Times delicadamente colocou em um artigo sobre uma série de novos filmes da Guerra da Coreia feitos na China que agora aparecem.

Trailer de Jingang Chuan


Jingang Chuan (“Sacrifício”) é um deles: feito por três dos principais diretores da China, cobre uma unidade antiaérea que luta para manter uma ponte aberta sob ataque aéreo americano. Isso pode refletir a ponte quebrada sobre o rio Yalu na cidade chinesa de Dandong, que permanece até hoje como um famoso e pungente memorial de guerra.

De acordo com o Global Times, os próximos filmes cobrem os combates assassinos em torno do reservatório de Chosin, na Coreia do Norte, em 1950, quando as tropas chinesas forçaram os fuzileiros navais de elite dos EUA a recuar, mas com um tremendo custo em baixas, e em “Triangle Hill”, uma luta de um mês que terminou com as tropas chinesas mantendo suas posições em 1952.

No que pode ter sido uma reversão consciente de uma frase comum usada para descrever o conflito nos EUA, um programa de sexta-feira na emissora estatal CGTN apelidou o conflito de “A Guerra Inesquecível”.

E uma versão em inglês de 2.000 páginas da história oficial chinesa da guerra foi publicada este mês em Pequim.

A Guerra da Coréia foi “praticamente esquecida” na China, disse Lee Seong-hyon, especialista em China no think tank de Seul, o Instituto Sejong. Mas agora, Xi está “usando o tema muito tradicional de amizade com a Coreia do Norte e rivalidade da liga socialista com os EUA para estimular o patriotismo”.

Ele também pode estar se preparando para um confronto atualizado com os EUA após as eleições americanas de 3 de novembro, especulou Lee.

“Ele está enviando um sinal para os EUA, mas o público maior é doméstico”, disse Lee ao Asia Times. “Quando eles têm um grande evento ou crise, eles primeiro mobilizam as pessoas para preparar uma mentalidade em preparação para uma turbulência interna ou um desafio externo maior.”

Aliados forjados por sangue?

Foto de propaganda do Exército Popular norte-coreano.

Não é apenas na China que a luz está sendo lançada sobre os feitos do CPVA de 1950-1953. Na quinta-feira, Kim Jong Un colocou coroas de flores no Cemitério dos Mártires Chineses no condado de Hoechang, na Coreia do Norte. Seu avô, o falecido Kim Il Sung, desencadeou a guerra ao tentar reunificar uma península dividida por um acordo de grandes potências por meio de uma invasão da Coreia do Sul em junho de 1950. A derrota de seu exército e a contra-invasão do UNC da Coreia do Norte levaram à intervenção de Pequim.

Em um ato amplamente coberto pela mídia chinesa, o jovem Kim se ajoelhou no túmulo de Mao Anying – filho de Mao Zedong, um oficial do estado-maior que foi morto nos primeiros dias da guerra por um ataque aéreo americano.

Lee, do Instituto Sejong de Seul, acredita que uma cúpula Kim-Xi está prestes a acontecer. “Ao homenagear os caídos, Kim está pedindo algo”, disse ele. “Ele precisa de um grande pacote econômico, então para onde ele deve se voltar? Obviamente, à China.”

Se, como Lee antecipa, essa cúpula ocorrer no início de 2021, fornecerá aos dois líderes a oportunidade de renovar seu tratado de defesa mútua. Assinado em 1961, o Tratado de Amizade de Cooperação e Ajuda Mútua Sino-Norte-Coreana precisa ser renovado a cada 20 anos, com a última renovação marcada para o próximo ano. Dadas as tensões com os EUA, Xi e Kim podem muito bem assiná-lo com um floreio.

“Renovar o tratado é quase automático, mas para enviar um sinal de solidariedade, Xi e Kim podem exagerar para enviar um sinal a Washington”, disse Lee. “Xi está usando a Coreia do Norte como um peão geopolítico e o momento é muito útil quando a China e os EUA estão em uma competição feroz.”

Talvez surpreendentemente, os profissionais militares do principal rival estratégico da China tenham um respeito considerável pelos feitos do CPVA no campo de batalha de muito tempo atrás.

“Eles foram instruídos a lutar por seu país”, disse Steve Tharp, um tenente-coronel militar aposentado dos EUA residente na Coreia do Sul. “Não estou dizendo que os chineses estavam certos, mas um soldado é um soldado, e o soldado faz o que seu país diz e está disposto a pagar o preço final para defender seu país.”

A Coreia do Norte, armada com armas nucleares, demonstra fartura e está perfeitamente disposta a levantar um dedo para o Japão, a Coreia do Sul e os EUA, tornando-se um útil aliado chinês. No entanto, pode ocasionalmente ser um amigo irritante para a China – como Tharp testemunhou em 1994.

Tharp, então um oficial da ativa envolvido em negociações multinacionais na aldeia de trégua intercoreana de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada Coreana, lembra a retirada unilateral da Coreia do Norte da Comissão de Armistício Militar, ou MAC, um mecanismo pós-guerra projetado para supervisionar os termos do armistício da Guerra da Coréia.

A ação da Coreia do Norte forçou as tropas tchecas, polacas e chinesas, que ocupavam o MAC no lado norte-coreano de Panmunjom, a partir. Os oficiais chineses – que usavam insígnias do CPVA, não do Exército de Libertação Popular – ficaram “surpresos” e “realmente furiosos” com o seu despejo, lembrou Tharp.

Posteriormente, dois oficiais chineses que serviram no MAC em Panmunjom foram designados para Seul como adidos militares no que Tharp acredita ser um sinal para Pyongyang do descontentamento de Pequim.

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong. Um soldado arremessa uma pedra, outros lutam com fuzis com baionetas e um camarada cai, morto, sobre sua metralhadora.
Foto: Asia Times/Andrew Salmon.

Bibliografia recomendada:

Guerra da Coreia:
Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 7 de março de 2022

FOTO: Sniper australiano na Coréia

Soldado B. Coffman com o seu fuzil Lithgow No. 1 Mk. III* na Coréia, 1951.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de março de 2022.

O soldado B. Coffman, nativo de Nova Gales do Sul, está portando o fuzil Lithgow No. 1 Mk. III*, o Lee Enfield (SMLE) australiano. Seu uniforme e equipamento de lona são americanos, pois os australianos tiveram dificuldades de suprimento na Coréia.

A Coréia passou a ser uma guerra estática de 1953 em diante, o que proliferou os snipers em ambos os lados. Ian Robertson, fotógrafo e franco-atirador, foi o maior sniper australiano na Coréia. Em uma ocasião, ele matou 31 inimigos em um único dia. Posteriormente, ele ensinou dança aos franco-atiradores com o objetivo de treinar coordenação corporal. Ele se casou com sua namorada japonesa, Miki; falecida em 2014.

Robertson usou uma variante especial do Lee-Enfield, com uma luneta padrão 1918 feito pela Australian Optical Co., com melhor impermeabilidade. Esses Lee-Enfields ostentavam canos pesados e vinham com um protetor de bochecha pronto para instalar, mas os atiradores não gostavam dele e na maioria das vezes não o colocavam em seus fuzis. Essa proteção de bochecha era a mesma dos fuzis N°4 Enfield, que não eram muito apreciadas, pois não permitiam o alinhamento ocular adequado com a luneta.

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Soldados Colombianos na Coréia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de outubro de 2021.

No dia 16 de julho deste ano foi celebrado o 70º aniversário do desembarque do Batalhão Colômbia (Batallón Colombia, apelidado El Colombia) em Busan, na Coréia do Sul, com o efetivo de 1.080 homens. A Colômbia foi o único país latino-americano a lutar na Guerra da Coréia. Ao todo, os colombianos enviaram cerca de 5.100 homens para lutar na Coréia sob a ONU de 1951 a 1953, com o batalhão se destacando na Batalha de Old Baldy em 1953.

Na época da Batalha de Old Baldy, o Batalhão Colombiano estava na 7ª Divisão sob o comando do General Wayne C. Smith. A unidade sul-americana era o quarto batalhão do 31º Regimento comandado pelo Coronel William Kern, que havia ordenado ao Tenente-Coronel Alberto Ruiz Novoa, comandante colombiano, substituir o 1º Batalhão do regimento em Old Baldy.

O monumento consta de uma estátua de um soldado colombiano com o uniforme da época: capacete americano M1 com rede, fuzil M1 Garand, granadas, uniforme verde oliva, botas americanas e mochila.

O batalhão recentemente havia atacado e capturado a Cota 180, parte da Batalha da Colina de Yeoncheon (Bárbula), tendo perdido 11 mortos, 43 feridos e 10 desaparecidos em combate corpo-a-corpo com os chineses. A Companhia C foi considerada "combat ineffective" e retirada da posição recém conquistada; dois dias depois os colombianos foram ordenados para Old Baldy.

Os colombianos suportariam contínuas barragens de artilharia em preparação para a ofensiva chinesa. Em 20 de março, toda a linha do 31º Regimento foi bombardeada continuamente. Em 21 de março, os chineses expuseram os corpos de 5 soldados da ONU (4 colombianos e 1 americano) em uma tentativa de atrair soldados para o resgate. A missão foi concluída com a entrada nas linhas inimigas por uma patrulha de homens voluntários da Companhia C. O Soldado Alejandro Martínez Roa alcançou a crista, desativou uma mina sob um dos corpos, desceu com um dos cadáveres, escapou do fogo inimigo e quando encontrou outras tropas colombianas, voltou à crista com o Cabo Pedro Limas Medina e a patrulha e resgatou os outros. A ação heróica foi recompensada com quatro Estrelas de Prata no campo de batalha.

Old Baldy em 22 de março de 1953.

No dia 22 de março, o bombardeio de amolecimento da posição colombiana em Old Baldy aumentou, com mais de 2.000 mil obuses e morteiros caindo sobre a área.

No dia 23 de março de 1953, o ataque chinês iniciou avançando sob pesado bombardeio das posições colombianas. O 1º Batalhão do 423º Regimento Chinês, 141ª Divisão, comandado por Hou Yung-chun, foi selecionado para atacar o Old Baldy. O oficial político da unidade escolheu a 3ª Companhia para liderar o ataque e plantar a "Bandeira da Vitória" no morro. Os chineses estavam enfrentando diretamente a maltratada Companhia B colombiana. Às 20h30, a Companhia A do 2º Tenente Alvaro Perdomo em Dale foi atacada brutalmente. Depois de uma resistência tenaz e forte apoio das companhias B e C, os colombianos foram desalojados de sua posição. Ao mesmo tempo, os chineses lançaram um ataque diversionário a Pork Chop Hill; percebido pelo Coronel Kent, o comandante regimental, como o ataque principal.

O Tenente Alfredo Forero Parra, comandando a Companhia B, assim descreveu o ataque em Old Baldy:

"Quarenta minutos após o ataque a Dale e Pork Chop Hill, artilharia tremendamente pesada e morteiros caíram sobre Old Baldy. A terra tremeu como se em um terremoto acompanhado de explosões ensurdecedoras e relampejantes em toda a posição da Companhia B. As silhuetas fugazes dos homens, armas e fortificações enfraquecidas pareciam fantasmas dentro das rajadas do inimigo. Gritos de angústia e agonia se misturavam com o barulho da nossa própria metralhadora e do inimigo. A batalha era travada a cada momento. Podíamos ouvir a uma curta distância os tiros dos morteiros 60 e 82mm inimigos. As comunicações foram perdidas, ninguém respondeu, nem mesmo os comandantes de esquada. De repente, foi relatado a morte do meu sargento de pelotão substituto, Azael Salazar Osorio, então o comandante da terceira esquadra, Cabo José Narvaez Moncayo, que perto de morrer ele gritou para ser levantado para aliviar seu sofrimento porque ele havia sido cortado na cintura e nada poderia ser feito por ele. Em meu posto de batalha, a morte do Cabo Ernesto Gonzalez Varela, comandante da segunda esquadra, foi atroz. Estávamos quase tocando os cotovelos. Ele disparou sua metralhadora contra um ataque de chineses que vieram sobre nós quando um projétil de bazuca o atingiu no rosto, deixando sua cabeça pendurada nas costas. Achei que estava vivendo um pesadelo ou um filme de terror até que novas explosões no meu bunker me trouxeram de volta à realidade. Eu encorajei meus homens e continuei a me comunicar com metralhadoras e dei instruções para um cabo tirar o lança-chamas e se preparar para atirar no inimigo quando eles aparecessem.

Em poucos minutos, dois soldados chegaram à casamata gritando: 'Os chineses, os chineses!' Com certeza, os chineses se lançaram sobre nossa posição com uivos estridentes, disparando rajadas de metralhadoras e lançando granadas."

O ataque não teve sucesso. Eles foram detidos na cerca de arame farpado, deixando-a cheia de cadáveres inimigos.

Parada de soldados colombianos na Coréia.

Uma nova onda de chineses atacou novamente, rompendo a linha de defesa e alcançando as trincheiras colombianas. O uso das reservas para acudir Pork Chop Hill manteve a posição colombiana enfraquecida, e a Companhia C, golpeada duramente em Bárbula, ainda não estava em condições operacionais.

Um regimento chinês perfeitamente sincronizado havia lançado o ataque a Dale. Como o comando do regimento foi distraído pelo ataque anterior ao batalhão americano adjacente à companhia colombiana, outro regimento chinês avançou na escuridão em direção a Old Baldy e assumiu posições de assalto enquanto uma terrível chuva de artilharia inimiga caía. O bombardeio incessante daquele e dos dias anteriores tinha mais do que alcançado seus objetivos de amolecimento, destruindo boa parte do arame farpado e das minas, deixando as trincheiras sem defesas contra o ataque direto. A noite toda lutaram ferozmente em meio à confusão causada pela escuridão e pela presença de elementos de duas companhias colombianas em Old Baldy, já que o reforço ao final incorporou apenas metade do efetivo das companhias C e B. A situação da defesa não poderia ser mais fraca. Um batalhão completo atacando e duas companhias adicionais reforçando era uma força muito grande contra as três companhias diminuídas do El Colombia.

O Tenente-Coronel Ruiz Novoa anunciou sua intenção de usar a companhia de reserva americana que lhe fora designada para contra-atacar e proteger as tropas em combate. O oficial de ligação americano empalideceu com o pedido. Com voz trêmula, declarou que a reserva já havia sido utilizada para conter a penetração chinesa em Pork Chop Hill em defesa do 3º batalhão americano. Com ela recuperou-se a colina, ajudando os americanos. Não houve nenhum aviso ou advertência prévia ao coronel Ruiz dessa decisão.

Com o El Colombia reduzido a seus próprios meios, a unidade não tinha reserva para contra-atacar. A Companhia A, que teve que recuar ante a ferocidade do ataque inicial que precedeu aquele ao Old Baldy, estava decidida a recuperar a parte penetrada pelos chineses com suas próprias forças. As companhias B e C, no meio do revezamento, em tal confusão que nada podiam fazer.

Apesar da adversidade, a força do assalto estava prestes a quebrar, como prova uma angustiada comunicação interceptada pela inteligência divisional (7ª Divisão), na qual o comandante do batalhão de assalto chinês afirmava ser impossível tomar a cota 266 (Old Baldy). A resposta do comando chinês foi implacável: tome a elevação ou sofra as consequências! Momentos depois foi anunciado o envio de reforços.

Manequim de um soldado colombiano no Memorial da Guerra da Coréia, um museu localizado no distrito de Yongsan-dong, na capital Seul, Coréia do Sul.

Os esforços na defesa da posição se esgotavam enquanto aumentava drasticamente o número de atacantes e diminuía o número de defensores devido às baixas. O cheiro de pólvora e sangue impregnou o ar. Aquilo se transformou em um inferno. No entanto, os colombianos lutaram com sua reconhecida intrepidez. Os atacantes, prevalidos por sua enorme superioridade numérica, deviam conquistar a posição trincheira-a-trincheira, reduto-a-reduto, em violento combate corpo-a-corpo.

Por volta da meia-noite, os dois lados, convencidos de que o oposto havia tomado a colina, começaram a golpear com a dureza de suas artilharias. Ambos os exércitos, apesar de terem suas tropas no meio, descarregaram chuvas de projéteis sobre os homens que, presos no combate corpo-a-corpo, tentavam manter suas posições. As baixas de fogo amigo e inimigo se deram por igual.

Desde a meia-noite, apenas um pelotão conseguiu chegar a West View e ajudou a conter parte do ataque. Lá, os colombianos esperaram por reforços para recuperar sua posição perdida. Estes, porém nunca chegaram. Alfredo Forero:

"Às 4h30 da manhã restavam apenas seis homens, com as munições esgotadas e assediadas pelo inimigo, do segundo pelotão de fuzileiros da Companhia B. Mediante fogo e movimento avançamos em direção ao caminho dos tanques, perdendo mais três homens pela artilharia que não descansava.

Antes da meia-noite, os tanques que estavam no vale se retiraram, deixando essa entrada livre para o inimigo. Um caminhão com nossa munição parou na entrada da posição na estrada do vale. Nele vinham o oficial sapador, Tenente Leônidas Parra, e o oficial de transmissão, Tenente Miguel Ospina. Uma intensa neblina cobria a madrugada e esporadicamente ouviam-se tiros e gritos."

Ospina chegou com a ordem de tentar restabelecer as comunicações com o Comando do Batalhão, mas na dura realidade em Old Baldy não havia mais o que fazer.

Por volta das 8:00h, chegou um pelotão americano ao qual os colombianos pediram apoio de fogo para retomar a colina perdida, mas sem responder ao pedido, retiraram-se após fazerem o reconhecimento da situação. Se não fosse a heróica resistência das tropas colombianas em Old Baldy, a força chinesa poderia ter rompido a Linha Principal de Resistência da 7ª Divisão e entrado nas profundezas do território aliado com consequências muito graves, pois na estrada poderia conduzir as tropas e blindados inimigos diretamente a Seul.

Jornais da época.

Nesse momento, o comando da Divisão ordenou que a colina se transformasse em terra de ninguém. E o bombardeio mais temível começa sobre Old Baldy. O Batalhão Colômbia não conseguiu resgatar seus homens deixados para trás, feridos ou mortos. Todos ficaram à mercê da aviação norte-americana, implacável em suas ações.

As baixas colombianas foram 95 mortos, 97 feridos e 30 desaparecidos, perfazendo mais de 20% do efetivo do Batalhão. A 7ª Divisão estimou em 750 mortos as perdas dos chineses em Old Baldy.

As pesadas baixas em Old Baldy e a atitude do comandante do regimento deterioraram as relações com o comando do batalhão. Kern afirmou que poderia dispor e mover a companhia de reserva americana atribuída ao El Colombia quando necessário. Ruiz Novoa lembrou-lhe que o comando americano tinha aceitado que o ataque principal tinha sido contra a cota 266 ou Old Baldy e não contra Pork Chop, e que Kern tinha cometido um erro ao fazer rodízio das companhias no início do ataque e depois ter abandonado o batalhão por conta própria sem a companhia de reserva e não tendo consultado, coordenado ou mesmo notificado o comandante colombiano.

Escudo do Batalhão Colômbia, usado no braço esquerdo.

Um artigo da revista TIME de 6 de abril de 1953, assim mencionou as batalhas simultâneas de Old Baldy (envolvendo a 7ª Divisão) e Bunker Hill, envolvendo a "carregada de glória" 1ª Divisão de Fuzileiros Navais americana:

"Movimentos lentos. Além de suas perdas, ninguém estava preocupado com os fuzileiros navais; eles poderiam cuidar de si mesmos. Ninguém temia um avanço comunista em lugar nenhum. Em Tóquio, Mark Clark disse que também não estava preocupado com a perda de Old Baldy. Mas havia uma angústia bastante visível na 7ª Divisão, resultante de confusão tática e declarações confusas sobre o que as tropas estavam fazendo. O comandante da divisão, Major-General Arthur Trudeau, foi repreendido publicamente pelo comandante do I Corpo de Exército Paul Kendall.

Em vez de recuar de forma inteligente para o MLR, para economizar baixas até que estivessem em forma para um contra-ataque bem-sucedido, muitas das unidades da 7ª tentaram se manter firmes, lançando cozinheiros e rancheiros em combate e gritando por reforços. A longa espera havia tornado o Oitavo Exército lento. Os comandantes de batalhão e companhia não estavam preparados para a movimentação rápida de emergência de seus equipamentos e postos de comando. Nenhum posto de comando de corpo ou divisão foi movido por razões táticas em quase dois anos. A lentidão pode ser observada na movimentação das peças de campanha para a frente e no manuseio do transporte nas estradas lamacentas.

Os comunistas perderam muitas centenas, talvez milhares, de homens, por um ganho de quase nada. As perdas da ONU, embora não tão altas quanto os correspondentes temiam no início, foram substanciais."

Como resultado das enormes baixas sofridas pelo El Colômbia, o Tenente General Régulo Gaitán Patiño, da cúpula militar colombiana, partiu para a Coréia. No Comando Supremo das Nações Unidas, o Coronel Ruiz Novoa expressou francamente sua objeção às ações do Coronel Kern. Assim, o General Arthur Trudeau, comandante da 7ª Divisão, transferiu o El Colômbia para o 17º Regimento e a unidade continuou com os "Búfalos" até o final da guerra.

As forças comunistas retomaram Old Baldy em março de 1953, mas não há muitas informações em termos de baixas para ambos os lados, bem como relatos detalhados da batalha de 1953, em contraste com a batalha de 1952, bem divulgada e excessivamente sensacionalizada. No final, ambos os lados perderam muitos homens com as linhas de batalha terminando exatamente como em maio de 1952, antes da primeira batalha, emblemático da Guerra da Coréia como um todo.

Cerimônia em homenagem aos colombianos na Coréia.
O militar colombiano de bigode tem a insígnia divisional da 7º no braço e no capacete.

O Batalhão Colômbia também lutara na Batalha de Triangle Hill e na recaptura de Geumseong e na defesa do rio Han.

O total de baixas do El Colombia foi de:
  • 163 mortos em combate,
  • 448 feridos,
  • 60 desaparecidos,
  • 30 capturados.
Em 26 de junho de 2020, quando a Coréia do Sul comemorou os 70 anos do início da Guerra da Coréia, uma exibição online chamou a atenção do país. Organizado pela Embaixada da Colômbia em Seul, "A Guerra da Coréia pelos olhos de um veterano colombiano" pôde ser vista no site do Memorial da Guerra da Coréia.

Contendo 152 fotos tiradas pelo Sargento-Major Gilberto Diaz durante sua passagem de 14 meses na Coréia, ela foi aumentada por outras cinquenta fotos fornecidas por veteranos da Colômbia.

Gilberto Diaz Velasco, um veterano da Guerra da Coréia de 86 anos, mostra a câmera que usou para tirar cerca de 400 fotos durante sua estada de 14 meses na Coréia em uma entrevista em vídeo de sua casa em Bogotá.

"A câmera era meu melhor amigo na Coreia", disse Diaz, 86, a um grupo de jornalistas no início desta semana, em uma vídeo-chamada de sua casa em Bogotá. "Sempre estivemos juntos e mesmo agora faz parte da minha vida. Ainda funciona perfeitamente."

Diaz comprou sua câmera Kodak por 5 dólares em Tóquio e tirou cerca de 400 fotos, a maioria em cores, antes e depois de sua chegada a Incheon como um soldado de 18 anos em junho de 1952.

"Essas fotos nos lembram do valor precioso da liberdade", disse o ministro da Defesa sul-coreano, Jeong Kyeong-doo. "O nobre sacrifício e a dedicação dos veteranos colombianos permitiram que a Coréia do Sul mantivesse a paz. A República da Coréia se lembrará para sempre do sacrifício que seu país fez."

O General James Fleet, comandante do 8º Exército, condecora a bandeira do Batalhão Colombiano.

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Coréia do Norte estabelece pré-requisitos para o fim da Guerra da Coréia; Lança Foguetes no Mar


Por Jakub WozniakOvert Defense (OVD), 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de setembro de 2021.

Na terça-feira, 21 de setembro, o presidente sul-coreano (ROK), Moon Jae-In, falou perante as Nações Unidas e pediu o fim oficial da Guerra da Coréia.

“Hoje, mais uma vez exorto a comunidade das nações a mobilizarem suas forças para a declaração do fim da guerra na Península Coreana e propor que três partidos das duas Coreias e os EUA, ou 4 partidos das duas Coréias, os EUA e a China se unam e declarem que a Guerra na Península Coreana acabou.”
O mandato de Moon está definido para terminar em 2022 e, apesar de seus esforços fervorosos, a paz na península parece permanecer apenas um sonho. Apesar das reuniões de alto nível do presidente Trump com os norte-coreanos (RPDC), o progresso aparentemente estagnou com a decisão de 2020 da RPDC de explodir o escritório de ligação conjunta que liga as duas Coréias, servindo como um símbolo adequado. A última iniciativa sul-coreana também foi rejeitada pela liderança norte-coreana, alegando que as pré-condições para a paz não foram cumpridas.

A Coréia do Norte explode escritório de ligação conjunta (16 de janeiro)


Declarações feitas na sexta-feira (24 de setembro) e no sábado pela irmã de Kim Jong Un, Kim Yo Jong, expressaram interesse em restaurar a paz e a estabilidade na península, mas somente depois que uma série de demandas forem atendidas pelos sul-coreanos, incluindo “o restabelecimento dos escritório de ligação conjunta norte-sul e a cúpula norte-sul.” A principal delas é a cessação das atividades militares “hostis”.

Kim Yo Jong.

“Os dois pesos e duas medidas americanas e sul-coreanas em relação à RPDC, pelos quais as ações da RPDC de dimensão auto-defensiva para lidar com as circunstâncias militares e possíveis ameaças militares existentes na Península Coreana são descartadas como ameaçadoras 'provocações' e seu acúmulo de armas são descritos como a 'garantia de um impedimento para a Coréia do Norte' são ilógicas e infantis, e são um desrespeito direto e um desafio à soberania da RPDC.”

Os norte-coreanos lançaram um míssil no oceano a leste na madrugada de segunda-feira, 27 de setembro. O Departamento de Estado dos EUA criticou o lançamento, mas, em um discurso feito cerca de uma hora após o lançamento, o enviado norte-coreano Song Kim lembrou à ONU que a Coréia do Norte tem o “justo direito à auto-defesa”.

Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

The Armed Forces of North Korea:
On the path of Songun.
Stijn Mitzer e Joost Oliemans.