Mostrando postagens com marcador Guerra da Coréia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra da Coréia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Soldados Colombianos na Coréia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de outubro de 2021.

No dia 16 de julho deste ano foi celebrado o 70º aniversário do desembarque do Batalhão Colômbia (Batallón Colombia, apelidado El Colombia) em Busan, na Coréia do Sul, com o efetivo de 1.080 homens. A Colômbia foi o único país latino-americano a lutar na Guerra da Coréia. Ao todo, os colombianos enviaram cerca de 5.100 homens para lutar na Coréia sob a ONU de 1951 a 1953, com o batalhão se destacando na Batalha de Old Baldy em 1953.

Na época da Batalha de Old Baldy, o Batalhão Colombiano estava na 7ª Divisão sob o comando do General Wayne C. Smith. A unidade sul-americana era o quarto batalhão do 31º Regimento comandado pelo Coronel William Kern, que havia ordenado ao Tenente-Coronel Alberto Ruiz Novoa, comandante colombiano, substituir o 1º Batalhão do regimento em Old Baldy.

O monumento consta de uma estátua de um soldado colombiano com o uniforme da época: capacete americano M1 com rede, fuzil M1 Garand, granadas, uniforme verde oliva, botas americanas e mochila.

O batalhão recentemente havia atacado e capturado a Cota 180, parte da Batalha da Colina de Yeoncheon (Bárbula), tendo perdido 11 mortos, 43 feridos e 10 desaparecidos em combate corpo-a-corpo com os chineses. A Companhia C foi considerada "combat ineffective" e retirada da posição recém conquistada; dois dias depois os colombianos foram ordenados para Old Baldy.

Os colombianos suportariam contínuas barragens de artilharia em preparação para a ofensiva chinesa. Em 20 de março, toda a linha do 31º Regimento foi bombardeada continuamente. Em 21 de março, os chineses expuseram os corpos de 5 soldados da ONU (4 colombianos e 1 americano) em uma tentativa de atrair soldados para o resgate. A missão foi concluída com a entrada nas linhas inimigas por uma patrulha de homens voluntários da Companhia C. O Soldado Alejandro Martínez Roa alcançou a crista, desativou uma mina sob um dos corpos, desceu com um dos cadáveres, escapou do fogo inimigo e quando encontrou outras tropas colombianas, voltou à crista com o Cabo Pedro Limas Medina e a patrulha e resgatou os outros. A ação heróica foi recompensada com quatro Estrelas de Prata no campo de batalha.

Old Baldy em 22 de março de 1953.

No dia 22 de março, o bombardeio de amolecimento da posição colombiana em Old Baldy aumentou, com mais de 2.000 mil obuses e morteiros caindo sobre a área.

No dia 23 de março de 1953, o ataque chinês iniciou avançando sob pesado bombardeio das posições colombianas. O 1º Batalhão do 423º Regimento Chinês, 141ª Divisão, comandado por Hou Yung-chun, foi selecionado para atacar o Old Baldy. O oficial político da unidade escolheu a 3ª Companhia para liderar o ataque e plantar a "Bandeira da Vitória" no morro. Os chineses estavam enfrentando diretamente a maltratada Companhia B colombiana. Às 20h30, a Companhia A do 2º Tenente Alvaro Perdomo em Dale foi atacada brutalmente. Depois de uma resistência tenaz e forte apoio das companhias B e C, os colombianos foram desalojados de sua posição. Ao mesmo tempo, os chineses lançaram um ataque diversionário a Pork Chop Hill; percebido pelo Coronel Kent, o comandante regimental, como o ataque principal.

O Tenente Alfredo Forero Parra, comandando a Companhia B, assim descreveu o ataque em Old Baldy:

"Quarenta minutos após o ataque a Dale e Pork Chop Hill, artilharia tremendamente pesada e morteiros caíram sobre Old Baldy. A terra tremeu como se em um terremoto acompanhado de explosões ensurdecedoras e relampejantes em toda a posição da Companhia B. As silhuetas fugazes dos homens, armas e fortificações enfraquecidas pareciam fantasmas dentro das rajadas do inimigo. Gritos de angústia e agonia se misturavam com o barulho da nossa própria metralhadora e do inimigo. A batalha era travada a cada momento. Podíamos ouvir a uma curta distância os tiros dos morteiros 60 e 82mm inimigos. As comunicações foram perdidas, ninguém respondeu, nem mesmo os comandantes de esquada. De repente, foi relatado a morte do meu sargento de pelotão substituto, Azael Salazar Osorio, então o comandante da terceira esquadra, Cabo José Narvaez Moncayo, que perto de morrer ele gritou para ser levantado para aliviar seu sofrimento porque ele havia sido cortado na cintura e nada poderia ser feito por ele. Em meu posto de batalha, a morte do Cabo Ernesto Gonzalez Varela, comandante da segunda esquadra, foi atroz. Estávamos quase tocando os cotovelos. Ele disparou sua metralhadora contra um ataque de chineses que vieram sobre nós quando um projétil de bazuca o atingiu no rosto, deixando sua cabeça pendurada nas costas. Achei que estava vivendo um pesadelo ou um filme de terror até que novas explosões no meu bunker me trouxeram de volta à realidade. Eu encorajei meus homens e continuei a me comunicar com metralhadoras e dei instruções para um cabo tirar o lança-chamas e se preparar para atirar no inimigo quando eles aparecessem.

Em poucos minutos, dois soldados chegaram à casamata gritando: 'Os chineses, os chineses!' Com certeza, os chineses se lançaram sobre nossa posição com uivos estridentes, disparando rajadas de metralhadoras e lançando granadas."

O ataque não teve sucesso. Eles foram detidos na cerca de arame farpado, deixando-a cheia de cadáveres inimigos.

Parada de soldados colombianos na Coréia.

Uma nova onda de chineses atacou novamente, rompendo a linha de defesa e alcançando as trincheiras colombianas. O uso das reservas para acudir Pork Chop Hill manteve a posição colombiana enfraquecida, e a Companhia C, golpeada duramente em Bárbula, ainda não estava em condições operacionais.

Um regimento chinês perfeitamente sincronizado havia lançado o ataque a Dale. Como o comando do regimento foi distraído pelo ataque anterior ao batalhão americano adjacente à companhia colombiana, outro regimento chinês avançou na escuridão em direção a Old Baldy e assumiu posições de assalto enquanto uma terrível chuva de artilharia inimiga caía. O bombardeio incessante daquele e dos dias anteriores tinha mais do que alcançado seus objetivos de amolecimento, destruindo boa parte do arame farpado e das minas, deixando as trincheiras sem defesas contra o ataque direto. A noite toda lutaram ferozmente em meio à confusão causada pela escuridão e pela presença de elementos de duas companhias colombianas em Old Baldy, já que o reforço ao final incorporou apenas metade do efetivo das companhias C e B. A situação da defesa não poderia ser mais fraca. Um batalhão completo atacando e duas companhias adicionais reforçando era uma força muito grande contra as três companhias diminuídas do El Colombia.

O Tenente-Coronel Ruiz Novoa anunciou sua intenção de usar a companhia de reserva americana que lhe fora designada para contra-atacar e proteger as tropas em combate. O oficial de ligação americano empalideceu com o pedido. Com voz trêmula, declarou que a reserva já havia sido utilizada para conter a penetração chinesa em Pork Chop Hill em defesa do 3º batalhão americano. Com ela recuperou-se a colina, ajudando os americanos. Não houve nenhum aviso ou advertência prévia ao coronel Ruiz dessa decisão.

Com o El Colombia reduzido a seus próprios meios, a unidade não tinha reserva para contra-atacar. A Companhia A, que teve que recuar ante a ferocidade do ataque inicial que precedeu aquele ao Old Baldy, estava decidida a recuperar a parte penetrada pelos chineses com suas próprias forças. As companhias B e C, no meio do revezamento, em tal confusão que nada podiam fazer.

Apesar da adversidade, a força do assalto estava prestes a quebrar, como prova uma angustiada comunicação interceptada pela inteligência divisional (7ª Divisão), na qual o comandante do batalhão de assalto chinês afirmava ser impossível tomar a cota 266 (Old Baldy). A resposta do comando chinês foi implacável: tome a elevação ou sofra as consequências! Momentos depois foi anunciado o envio de reforços.

Manequim de um soldado colombiano no Memorial da Guerra da Coréia, um museu localizado no distrito de Yongsan-dong, na capital Seul, Coréia do Sul.

Os esforços na defesa da posição se esgotavam enquanto aumentava drasticamente o número de atacantes e diminuía o número de defensores devido às baixas. O cheiro de pólvora e sangue impregnou o ar. Aquilo se transformou em um inferno. No entanto, os colombianos lutaram com sua reconhecida intrepidez. Os atacantes, prevalidos por sua enorme superioridade numérica, deviam conquistar a posição trincheira-a-trincheira, reduto-a-reduto, em violento combate corpo-a-corpo.

Por volta da meia-noite, os dois lados, convencidos de que o oposto havia tomado a colina, começaram a golpear com a dureza de suas artilharias. Ambos os exércitos, apesar de terem suas tropas no meio, descarregaram chuvas de projéteis sobre os homens que, presos no combate corpo-a-corpo, tentavam manter suas posições. As baixas de fogo amigo e inimigo se deram por igual.

Desde a meia-noite, apenas um pelotão conseguiu chegar a West View e ajudou a conter parte do ataque. Lá, os colombianos esperaram por reforços para recuperar sua posição perdida. Estes, porém nunca chegaram. Alfredo Forero:

"Às 4h30 da manhã restavam apenas seis homens, com as munições esgotadas e assediadas pelo inimigo, do segundo pelotão de fuzileiros da Companhia B. Mediante fogo e movimento avançamos em direção ao caminho dos tanques, perdendo mais três homens pela artilharia que não descansava.

Antes da meia-noite, os tanques que estavam no vale se retiraram, deixando essa entrada livre para o inimigo. Um caminhão com nossa munição parou na entrada da posição na estrada do vale. Nele vinham o oficial sapador, Tenente Leônidas Parra, e o oficial de transmissão, Tenente Miguel Ospina. Uma intensa neblina cobria a madrugada e esporadicamente ouviam-se tiros e gritos."

Ospina chegou com a ordem de tentar restabelecer as comunicações com o Comando do Batalhão, mas na dura realidade em Old Baldy não havia mais o que fazer.

Por volta das 8:00h, chegou um pelotão americano ao qual os colombianos pediram apoio de fogo para retomar a colina perdida, mas sem responder ao pedido, retiraram-se após fazerem o reconhecimento da situação. Se não fosse a heróica resistência das tropas colombianas em Old Baldy, a força chinesa poderia ter rompido a Linha Principal de Resistência da 7ª Divisão e entrado nas profundezas do território aliado com consequências muito graves, pois na estrada poderia conduzir as tropas e blindados inimigos diretamente a Seul.

Jornais da época.

Nesse momento, o comando da Divisão ordenou que a colina se transformasse em terra de ninguém. E o bombardeio mais temível começa sobre Old Baldy. O Batalhão Colômbia não conseguiu resgatar seus homens deixados para trás, feridos ou mortos. Todos ficaram à mercê da aviação norte-americana, implacável em suas ações.

As baixas colombianas foram 95 mortos, 97 feridos e 30 desaparecidos, perfazendo mais de 20% do efetivo do Batalhão. A 7ª Divisão estimou em 750 mortos as perdas dos chineses em Old Baldy.

As pesadas baixas em Old Baldy e a atitude do comandante do regimento deterioraram as relações com o comando do batalhão. Kern afirmou que poderia dispor e mover a companhia de reserva americana atribuída ao El Colombia quando necessário. Ruiz Novoa lembrou-lhe que o comando americano tinha aceitado que o ataque principal tinha sido contra a cota 266 ou Old Baldy e não contra Pork Chop, e que Kern tinha cometido um erro ao fazer rodízio das companhias no início do ataque e depois ter abandonado o batalhão por conta própria sem a companhia de reserva e não tendo consultado, coordenado ou mesmo notificado o comandante colombiano.

Escudo do Batalhão Colômbia, usado no braço esquerdo.

Um artigo da revista TIME de 6 de abril de 1953, assim mencionou as batalhas simultâneas de Old Baldy (envolvendo a 7ª Divisão) e Bunker Hill, envolvendo a "carregada de glória" 1ª Divisão de Fuzileiros Navais americana:

"Movimentos lentos. Além de suas perdas, ninguém estava preocupado com os fuzileiros navais; eles poderiam cuidar de si mesmos. Ninguém temia um avanço comunista em lugar nenhum. Em Tóquio, Mark Clark disse que também não estava preocupado com a perda de Old Baldy. Mas havia uma angústia bastante visível na 7ª Divisão, resultante de confusão tática e declarações confusas sobre o que as tropas estavam fazendo. O comandante da divisão, Major-General Arthur Trudeau, foi repreendido publicamente pelo comandante do I Corpo de Exército Paul Kendall.

Em vez de recuar de forma inteligente para o MLR, para economizar baixas até que estivessem em forma para um contra-ataque bem-sucedido, muitas das unidades da 7ª tentaram se manter firmes, lançando cozinheiros e rancheiros em combate e gritando por reforços. A longa espera havia tornado o Oitavo Exército lento. Os comandantes de batalhão e companhia não estavam preparados para a movimentação rápida de emergência de seus equipamentos e postos de comando. Nenhum posto de comando de corpo ou divisão foi movido por razões táticas em quase dois anos. A lentidão pode ser observada na movimentação das peças de campanha para a frente e no manuseio do transporte nas estradas lamacentas.

Os comunistas perderam muitas centenas, talvez milhares, de homens, por um ganho de quase nada. As perdas da ONU, embora não tão altas quanto os correspondentes temiam no início, foram substanciais."

Como resultado das enormes baixas sofridas pelo El Colômbia, o Tenente General Régulo Gaitán Patiño, da cúpula militar colombiana, partiu para a Coréia. No Comando Supremo das Nações Unidas, o Coronel Ruiz Novoa expressou francamente sua objeção às ações do Coronel Kern. Assim, o General Arthur Trudeau, comandante da 7ª Divisão, transferiu o El Colômbia para o 17º Regimento e a unidade continuou com os "Búfalos" até o final da guerra.

As forças comunistas retomaram Old Baldy em março de 1953, mas não há muitas informações em termos de baixas para ambos os lados, bem como relatos detalhados da batalha de 1953, em contraste com a batalha de 1952, bem divulgada e excessivamente sensacionalizada. No final, ambos os lados perderam muitos homens com as linhas de batalha terminando exatamente como em maio de 1952, antes da primeira batalha, emblemático da Guerra da Coréia como um todo.

Cerimônia em homenagem aos colombianos na Coréia.
O militar colombiano de bigode tem a insígnia divisional da 7º no braço e no capacete.

O Batalhão Colômbia também lutara na Batalha de Triangle Hill e na recaptura de Geumseong e na defesa do rio Han.

O total de baixas do El Colombia foi de:
  • 163 mortos em combate,
  • 448 feridos,
  • 60 desaparecidos,
  • 30 capturados.
Em 26 de junho de 2020, quando a Coréia do Sul comemorou os 70 anos do início da Guerra da Coréia, uma exibição online chamou a atenção do país. Organizado pela Embaixada da Colômbia em Seul, "A Guerra da Coréia pelos olhos de um veterano colombiano" pôde ser vista no site do Memorial da Guerra da Coréia.

Contendo 152 fotos tiradas pelo Sargento-Major Gilberto Diaz durante sua passagem de 14 meses na Coréia, ela foi aumentada por outras cinquenta fotos fornecidas por veteranos da Colômbia.

Gilberto Diaz Velasco, um veterano da Guerra da Coréia de 86 anos, mostra a câmera que usou para tirar cerca de 400 fotos durante sua estada de 14 meses na Coréia em uma entrevista em vídeo de sua casa em Bogotá.

"A câmera era meu melhor amigo na Coreia", disse Diaz, 86, a um grupo de jornalistas no início desta semana, em uma vídeo-chamada de sua casa em Bogotá. "Sempre estivemos juntos e mesmo agora faz parte da minha vida. Ainda funciona perfeitamente."

Diaz comprou sua câmera Kodak por 5 dólares em Tóquio e tirou cerca de 400 fotos, a maioria em cores, antes e depois de sua chegada a Incheon como um soldado de 18 anos em junho de 1952.

"Essas fotos nos lembram do valor precioso da liberdade", disse o ministro da Defesa sul-coreano, Jeong Kyeong-doo. "O nobre sacrifício e a dedicação dos veteranos colombianos permitiram que a Coréia do Sul mantivesse a paz. A República da Coréia se lembrará para sempre do sacrifício que seu país fez."

O General James Fleet, comandante do 8º Exército, condecora a bandeira do Batalhão Colombiano.

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Coréia do Norte estabelece pré-requisitos para o fim da Guerra da Coréia; Lança Foguetes no Mar


Por Jakub WozniakOvert Defense (OVD), 28 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de setembro de 2021.

Na terça-feira, 21 de setembro, o presidente sul-coreano (ROK), Moon Jae-In, falou perante as Nações Unidas e pediu o fim oficial da Guerra da Coréia.

“Hoje, mais uma vez exorto a comunidade das nações a mobilizarem suas forças para a declaração do fim da guerra na Península Coreana e propor que três partidos das duas Coreias e os EUA, ou 4 partidos das duas Coréias, os EUA e a China se unam e declarem que a Guerra na Península Coreana acabou.”
O mandato de Moon está definido para terminar em 2022 e, apesar de seus esforços fervorosos, a paz na península parece permanecer apenas um sonho. Apesar das reuniões de alto nível do presidente Trump com os norte-coreanos (RPDC), o progresso aparentemente estagnou com a decisão de 2020 da RPDC de explodir o escritório de ligação conjunta que liga as duas Coréias, servindo como um símbolo adequado. A última iniciativa sul-coreana também foi rejeitada pela liderança norte-coreana, alegando que as pré-condições para a paz não foram cumpridas.

A Coréia do Norte explode escritório de ligação conjunta (16 de janeiro)


Declarações feitas na sexta-feira (24 de setembro) e no sábado pela irmã de Kim Jong Un, Kim Yo Jong, expressaram interesse em restaurar a paz e a estabilidade na península, mas somente depois que uma série de demandas forem atendidas pelos sul-coreanos, incluindo “o restabelecimento dos escritório de ligação conjunta norte-sul e a cúpula norte-sul.” A principal delas é a cessação das atividades militares “hostis”.

Kim Yo Jong.

“Os dois pesos e duas medidas americanas e sul-coreanas em relação à RPDC, pelos quais as ações da RPDC de dimensão auto-defensiva para lidar com as circunstâncias militares e possíveis ameaças militares existentes na Península Coreana são descartadas como ameaçadoras 'provocações' e seu acúmulo de armas são descritos como a 'garantia de um impedimento para a Coréia do Norte' são ilógicas e infantis, e são um desrespeito direto e um desafio à soberania da RPDC.”

Os norte-coreanos lançaram um míssil no oceano a leste na madrugada de segunda-feira, 27 de setembro. O Departamento de Estado dos EUA criticou o lançamento, mas, em um discurso feito cerca de uma hora após o lançamento, o enviado norte-coreano Song Kim lembrou à ONU que a Coréia do Norte tem o “justo direito à auto-defesa”.

Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

The Armed Forces of North Korea:
On the path of Songun.
Stijn Mitzer e Joost Oliemans.

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








quarta-feira, 19 de maio de 2021

VÍDEO: Cerimônia para comemorar o 70º aniversário da participação do Batalhão Francês da Coréia

Veteranos franceses do "Batalhão da Coréia" com a boina, suas medalhas e a insígnia da 2ª Divisão de Infantaria "Cabeça de Índio".

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 19 de maio de 2021.

O ECPAD, o serviço de imagem das forças armadas francesas, capturou a cerimônia em comemoração ao 70º aniversário da participação do batalhão francês da ONU na Batalha de Putchaetul, em 18 de maio de 1951. Cerimônia ocorreu na Praça do Batalhão da ONU, no 4e Arrondissement de Paris, em 18 de maio de 2021.


Geneviève Darrieussecq, Ministra Delegada ao Ministro das Forças Armadas, encarregada dos Assuntos da Memória e Veteranos, presidiu a cerimônia na presença de Sua Excelência o Embaixador da República da Coréia na França, Dae Jong Yoo, e veteranos do batalhão. Criado em 25 de agosto de 1950, o batalhão francês na Coréia lutou sob o mandato das Nações Unidas até o fim dos combates em 1953.

O ministro também inaugurou o Muro com os nomes dos 292 soldados do batalhão, incluindo 24 coreanos, mortos durante os combates, afixado ao Memorial em homenagem ao batalhão.

O Batalhão Francês recebeu 4 citações do Exército Francês, 3 citações presidenciais dos Estados Unidos e 2 citações presidenciais da Coréia do Sul, e com mais de 2 mil citações individuais.

Francês e chinês feridos aguardam evacuação em Arrowhead, outubro de 1952.
(François Borreill/ ECPAD)

O batalhão destacou-se nas batalhas de Wonjou (10-20 de janeiro de 1950), Chipyong-ni (3-13 de fevereiro de 1951) e Putchaetul (18 de maio de 1951), nesta última perdendo 40 mortos e 200 feridos mas capturando o objetivo - a Cota 1037.

A batalha foi apelidada de "O massacre de maio".

Prisioneiro chinês capturado pelos franceses em Putchaetul, 18 de maio de 1951. (ECPAD)

Sua batalha mais famoso foi no monte Crèvecoeur (Heartbreak Ridge), de 13 de setembro a 20 de outubro de 1951. O escritor francês Jean Lartéguy (Jean Pierre Lucien Osty) lutou no Batalhão Francês e foi ferido por uma granada de mão inimiga durante a Batalha de Heartbreak Ridge. Seu romance "Sangue nas Colinas" ("Du sang sur les collines") é uma descrição altamente ficcionalizada da batalha. A primeira edição do romance, publicada em 1960, passou sem grande impacto, mas com o sucesso internacional de "Les Centurions" (Os Centuriões) no mesmo ano, Sangue nas Colinas foi reeditado como "Les mercenaires" (Os mercenários) em 1963.

Em seu livro "Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos", o historiador americano Stanley Sandler qualifica o Batalhão Francês como a melhor unidade das forças da ONU na Coréia (pg. 217).

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:







FOTO: Filipinos na Coréia, 14 de março de 2020.


quarta-feira, 3 de março de 2021

Coréia em Guerra: Lições tático-operativas do Batalhão Francês entre 1950 e 1953

Pelo Ten-Cel Frédéric Jordan, Theatrum-Belli, 11 de outubro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de março de 2021.

Tendo a sorte de poder consultar determinados arquivos desta unidade francesa atípica, mas também ciente de que as notícias internacionais exigem o estudo, pelo prisma da história, deste teatro de operações asiático, quis voltar às lições conhecidas do Batalhão Francês na Coréia. Este último lutou ao lado das tropas da ONU e especialmente daquelas dos Estados Unidos contra combatentes norte-coreanos apoiados por muitos voluntários chineses, em um ambiente geográfico e tático extremo e muito distante do ambiente europeu.

Veremos, portanto, que se o contexto e o armamento foram particulares e específicos de seu tempo, os princípios da guerra como o uso combinado das várias funções operacionais foram implementados para obter sucessos inegáveis ​​tanto sobre o inimigo quanto no terreno e clima inóspitos.

O General Monclar.
O principal idealizador do batalhão.

Em 25 de agosto de 1950, o governo francês, ansioso por apoiar o aliado americano mas também os esforços da ONU na península coreana desde julho, decidiu, apesar de um esforço sustentado realizado na Indochina contra o Viet-Minh, pela formação de um batalhão de voluntários para a Coréia. Auxiliado pelo Major Le Mire, o General Monclar (herói de Narvik), que não hesitou em desistir do seu posto para assumir o comando desta unidade como tenente-coronel, desembarca com seus 1.017 homens em Pusan ​​em 29 de novembro de 1950, quando ingressou no 23º Regimento de Infantaria da 2ª Divisão de Infantaria americana. A estrutura de armas combinadas deste batalhão é herdeira do "combat command" (comando de combate) da Segunda Guerra Mundial e das "regimental teams" (equipes regimentais) empregadas pelo aliado americano. É composta por uma companhia de comando e serviço (que também conta com observadores de artilharia e uma seção de engenheiros), uma companhia chamada de acompanhamento (seções de metralhadoras, canhões sem recuo 75mm e morteiros 81mm) e três companhias de infantaria com 3 seções de infantaria e uma seção de acompanhamento (morteiros de 60mm e canhões sem recuo 57mm) cada. A maioria dos combatentes são veteranos do último conflito mundial ou das colônias. Eles são experientes, às vezes indisciplinados, mas mostrarão coragem e uma força moral extraordinária em face das provações do combate e de um país exigente com relevo de ambiente de montanha (picos escarpados e picos rochosos ou arborizados) com um clima adverso (neve, chuvas torrenciais, temperaturas atingindo -40ºC).

Durante a campanha, ele também será reforçado por uma companhia sul-coreana (ROK) supervisionada por franceses que terão uma nova experiência do que hoje poderíamos chamar de “mentoring” (mentoria). O batalhão terá 269 soldados franceses mortos em combate, 1.350 feridos, 12 prisioneiros e 7 desaparecidos dos 3.421 homens engajados durante os três anos de desdobramento (até 23 de outubro de 1953).

Os soldados franceses, como seus aliados, tiveram que se adaptar aos modos de ação das tropas comunistas usando força de manobra, camuflagem, combate noturno, infiltrações profundas e ataques massivos aproximados de infantaria. As unidades de Pyongyang, como as chinesas, são capazes de rápidos movimentos táticos ou operacionais para surpreender o adversário, atacá-lo e depois recuar e desaparecer do campo de batalha. O batalhão teve então que reaprender a batalha noturna, tanto defensiva quanto ofensiva, beneficiando-se de uma grande rede de comunicações entre unidades elementares (principalmente baseadas em cabos na época), apoio de artilharia (iluminação), holofotes poderosos (para cegar o inimigo), dispositivos de escuta ou de alerta avançado (armadilhas, minas). Nesse contexto, observamos que o morro 951 foi atacado sem sucesso em 16 de setembro de 1951, durante o dia, pelos franceses (14 mortos e 40 feridos), mas tomado à noite, 2 semanas depois (sem perdas). A baioneta reaparece para combate corpo-a-corpo, mas também como um impacto psicológico sobre o outro beligerante.

A massa blindada, inicialmente usada pelos americanos para desbaratar o ataque norte-coreano, rapidamente perdeu sua eficácia no difícil ambiente do país. Na verdade, os tanques são então usados ​​em conjunto com os soldados de infantaria como apoios móveis para criar “tampas” (no fundo dos vales ou nas passagens), mas também como complemento (fogos e proteção) para os contra-ataques.

Soldados franceses experimentam um lança-chamas em um jipe ​​blindado. O "Mapaly" pode ser projetado a 120m. (ECPAD)

Os engenheiros devem fornecer seu know-how para garantir a mobilidade operacional ou tática das forças da ONU, restabelecendo a malha rodoviária, mantendo-a diante do mau tempo e combates, mas também criando-a (caminhos cavados na rocha). A travessia, em um país compartimentado por cursos d'água importantes, é um requisito para garantir a liberdade de ação de unidades como o batalhão francês (ponte Bailey de quase um km construída no rio Soyang em 10 dias em 1952). A artilharia e o apoio aéreo são, por sua vez, essenciais neste conflito porque permitiram o apoio das tropas em contato mas também o tratamento, em profundidade, dos reagrupamentos sino-coreanos antes dos ataques aos pontos de apoio detidos pelos franco-americanos (Batalha de Chipyong-Ni, por exemplo). Como tal, os destacamentos de observação leve integrados às unidades corpo-a-corpo permitiam um curto circuito entre os lançadores e as linhas de frente, muitas vezes surpreendidos por ataques comunistas. Os disparos indiretos complementavam, assim, os tiros de mira dos canhões sem recuo posicionados em pontos altos ou na encosta, mesmo que a eficácia dos tiros pudesse às vezes ser questionada quanto à relação consumo/eficiência (até 300.000 tiros disparados em 24 horas para uma divisão).

No que diz respeito à logística, o helicóptero estreou-se com a evacuação de feridos, proporcionando ligações de comando mas também, ocasionalmente, permitindo o destacamento de unidades de reconhecimento em picos de altitude. Os pára-quedas permitem que as tropas sejam supridas rapidamente, apesar do terreno acidentado, como as 5.000 toneladas de equipamento lançadas para a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais dos EUA em Kotori em 7 de dezembro de 1951.

Mesmo que o próprio General Monclar considere a escala da luta que: "fizemos nossas observações no mais difícil, no mais montanhoso, no mais acidentado teatro de operação. A aviação e a artilharia perdem sua eficácia. O tanque está em uso restrito. A organização do campo facilita a resistência de poucos. Neste teatro adequado, o sonho de basear uma tática em escalas universais está desmoronando", a ação do batalhão francês na Coréia demonstra a relevância de respeitar os princípios da guerra para assegurar a vitória.

A liberdade de ação surge primeiro com a necessidade de se ter reservas para se proteger contra a surpresa de um inimigo móvel e "furtivo". Mas também é necessário enfatizar a tomada dos cumes para dominar o terreno e o meio, superar obstáculos, disparar na medida do possível e constituir pontos de apoio. Isso sem falar nos dispositivos de segurança que são instalados para alertar durante a noite (infiltração inimiga) e garantir o acesso aos vales e passos através do emprego de meios blindados. Por fim, observe a garantia de ter linhas de comunicação e suprimentos adaptadas a um exército moderno.

Equipe francesa de canhão 57 sem recuo no setor de Kumhwa, início de 1952. 
(Appay/ECPAD)

A concentração de esforços é caracterizada pela utilização de recursos substanciais de apoio de fogo o mais próximo possível das tropas, mas também pela mobilidade operacional e logística que permite deslocar o centro de gravidade de um exército ou aproveitar oportunidades. Diante do adversário, trata-se de mostrar onipresença para surpreendê-lo e, assim, ganhar ascendência moral e física sobre ele.

Finalmente, a economia de recursos é ilustrada por uma estrutura de armas combinadas flexível e adaptável composta por unidades modulares, forças regulares ou locais (ROK) equipadas com recursos de apoio adaptados às condições táticas (canhões sem recuo, morteiros, engenheiros). A presença de observadores de artilharia ao lado da infantaria, o uso do tanque em certas circunstâncias, bem como o início do helicóptero, demonstram a força da cooperação entre as funções operacionais.

Para concluir, a pouco conhecida mas notável atuação do Batalhão Francês da Coréia, em um conflito violento e em um ambiente desfavorável ao engajamento de um exército convencional, prova que os princípios táticos, adaptados ao contexto, à ameaça e ao terreno, permitem alcançar o sucesso. Portanto, é necessário antecipar o engajamento e o desdobramento de uma força em um teatro de operações como este, em particular, valendo-se das lições da história militar.

Saint-cyrien e brevetado da Escola de Guerra, o Tenente-Coronel Frédéric Jordan serviu em escolas de treinamento, em estado-maior, bem como em vários teatros de operações e territórios ultramarinos, na ex-Iugoslávia, no Gabão, em Djibouti, Guiana, Afeganistão e na Faixa Sahelo-Saariana.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem vencedores, nem vencidos.
Stanley Sadler.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Mitos e equívocos: o "ping" do M1 Garand

Por Jonathan FergusonArmament Research Services (ARES), 31 de dezembro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de dezembro de 2020.

Um dos mitos mais persistentes sobre armas de fogo é que os soldados americanos que lutaram na Segunda Guerra Mundial (ou mais tarde, na Guerra da Coréia) correram risco substancial de serem identificados e engajados pelo inimigo por causa do som característico de "ping" feito pela ejeção de clipes dos seus fuzis de serviço. O M1 Garand estava à frente do seu tempo como um fuzil militar de carregamento automático, mas, ao contrário dos fuzis modernos, não apresentava carregadores tipo cofre destacáveis. Em vez disso, era carregado com clipes de metal en bloc (em bloco) de 8 tiros.

Estes eram inseridos na ação aberta a partir do topo e retidos dentro da arma até que o último cartucho fosse disparado, ponto em que o clipe seria ejetado (junto com o estojo do último cartucho disparado) com um som de "ping" distinto (você pode ouvir claramente isso no filme "O Resgate do Soldado Ryan" (Saving Private Ryan, 1998), por exemplo, e veja em câmera lenta neste vídeo do Forgotten Weapons). A noção de que esse "ping" é uma falha fatal é um mito, pois não há evidências de que ele colocasse os soldados de infantaria em perigo. No entanto, há um pouco mais do que isso...

Slow motion do Forgotten Weapons


Muita tinta e pixels foram gastos discutindo o mito do "ping do M1" e alguns até tentaram demonstrar na prática por que é uma ideia boba. O treinador tático Larry Vickers recriou um cenário para sua série TAC TV e, mais recentemente, o youtuber Bloke on the Range abordou o mito. O Bloke mostra o quão difícil seria até mesmo ouvir o "ping", sem os vários outros barulhos associados à batalha. Os soldados só recentemente começaram a usar qualquer tipo de proteção auditiva, o que tornaria esse barulho ainda mais difícil de detectar. Sem mencionar o fato óbvio de que os soldados raramente lutam sozinhos.

Teste com Bloke on the Range

Mesmo que um soldado alemão ou japonês conseguisse tirar vantagem da janela de oportunidade do "ping", é provável que ele levasse um tiro de outro soldado. Mais importante, o Bloke mostra como é fácil e rápido recarregar após o "ping". Com exceção dos intervalos mais próximos, isso realmente é um mito e completamente um não-problema. Como o Bloke aponta, não há nenhuma evidência histórica real de que isso tenha acontecido, e para cada alegação de que um veterano experimentou, há um "veterano igual e oposto" fazendo uma alegação em contrário. Isso é tipificado por uma troca na revista American Rifleman em 2011/12 (reproduzida abaixo).


segunda-feira, 9 de novembro de 2020

FOTO: Prisioneiros americanos no rio Yalu

 

Soldado chinês do "Exército Popular de Voluntários" escoltando prisioneiros americanos após a campanha do rio Yalu, dezembro de 1950.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 9 de novembro de 2020.

Pyongyang, capital da Coréia do Norte, foi capturada pelas forças da ONU em 19 de outubro de 1950. No mesmo dia, o Exército Popular de Voluntários (PVA) cruzou formalmente o rio Yalu (rio Amarelo) sob estrito sigilo.

O ataque inicial chinês começou em 25 de outubro de 1950, sob o comando de Peng Dehuai com 270.000 soldados do PVA. O ataque pegou as tropas da ONU de surpresa e, com grande habilidade e notável capacidade de camuflagem, escondeu sua força numérica antes e após o primeiro confronto com a ONU. Após esses combates iniciais, os chineses retiraram-se para as montanhas. As forças da ONU interpretaram esta retirada como uma demonstração de fraqueza, raciocinando que esse ataque inicial era tudo o que as forças chinesas eram capazes de empreender.

Em 25 de novembro de 1950, na Segunda Fase Ofensiva (ou campanha), o PVA atacou novamente ao longo de toda a frente coreana. No oeste, na Batalha do Rio Ch'ongch'on, o PVA ultrapassou várias divisões da ONU e desferiu um golpe extremamente pesado no flanco das forças restantes da ONU, dizimando a 2ª Divisão de Infantaria no processo. A retirada resultante da ONU da Coréia do Norte foi a mais longa retirada de uma unidade americana na história. No leste, na Batalha do Reservatório de Chosin, a Força-Tarefa Faith - uma unidade de 3.000 homens da 7ª Divisão de Infantaria - foi cercada pelas 80ª e 81ª Divisões do PVA. A Força-Tarefa Faith conseguiu infligir pesadas baixas às divisões chinesas, mas no final foi destruída com 2.000 homens mortos ou capturados, e perdendo todos os veículos e a maioria dos outros equipamentos. A destruição da Força-Tarefa Faith foi considerada pelo PVA como seu maior sucesso em toda a Guerra da Coréia.

A 1ª Divisão de Fuzileiros Navais se saiu melhor; embora cercados e forçados a recuar, eles infligiram pesadas baixas ao PVA, que cometeu seis divisões tentando destruir os fuzileiros navais americanos. Embora o PVA tenha sido capaz de recapturar grande parte da Coréia do Norte durante a Campanha da Segunda Fase, 40% do PVA se tornou "combat ineffective" (incapacitado para combate) - uma perda da qual eles não puderam se recuperar até o início da Ofensiva de Primavera chinesa, em abril de 1951.

As forças da ONU no nordeste da Coréia se retiraram para formar um perímetro defensivo em torno da cidade portuária de Hungnam, onde uma evacuação foi realizada no final de dezembro de 1950. Aproximadamente 100.000 militares e material da ONU, além de outros 100.000 civis norte-coreanos, foram evacuados em uma variedade de navios mercantes e de transporte militar. Durante o desesperado recuo, o comandante do Oitavo Exército americano, General Walton Walker, morreu em um acidente de jipe em 23 de dezembro de 1950. Ele foi substituído pelo Tenente General Matthew Ridgway, que liderou tropas aerotransportadas na Segunda Guerra Mundial.

As forças do PVA usaram ataques rápidos nos flancos e na retaguarda, além da infiltração atrás das linhas da ONU para dar a aparência de vastas hordas. Isso, é claro, foi aumentado pela tática chinesa de maximizar suas forças para o ataque, garantindo uma grande superioridade numérica local sobre seu oponente. As vitórias iniciais do PVA foram um grande estímulo para o moral do PVA e a primeira vitória chinesa sobre o Ocidente nos tempos modernos desde o Cerco do Forte Zeelandia (1661-1662).

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A Guerra da Coréia: Nem Vencedores, Nem Vencidos.
Stanley Sandler.

Leitura recomendada: