Mostrando postagens com marcador Ficção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ficção. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Retrofuturismo nuclear com o bullpup Korobov

O fuzil bullpup Korobov TKB-408 em uma arte conceitual do jogo Nuclear Union.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de junho de 2021.

O retrofuturismo pós-apocalíptico é uma temática favorita dos países do Leste Europeu, com os grandes sucessos S.T.A.L.K.E.R. e Metro sendo ambientados em universos pós-apocalípticos com misturas de equipamentos e indumentárias de várias eras diferentes. O protagonista de União Nuclear é retratado carregando o fuzil bullpup Korobov TKB-408, um protótipo soviético de 1946.

O projeto russo-ucraniano União Nuclear (Nuclear Union em seu titulo em inglês), ou Nova União no original (Новый Союз / Novyy Soyuz), era um exemplar dessa tendência. Sendo um RPG em terceira pessoa, o mundo de União Nuclear é ambientado no pós-guerra nuclear de uma história alternativa onde a Crise dos Mísseis de Cuba em 1962 levou os Estados Unidos e a União Soviética à guerra nuclear. Ambos os lados arrasados, a União Soviética sobreviveu em um estado deplorável de semi-barbarismo, daí o nome original Nova União. Foram publicados três vídeos com trailers sobre o novo jogo.

Trailer de Anúncio


Trailer da Arte Conceitual


Trailer de Jogabilidade


Cinquenta anos depois da guerra, os fragmentos da União Soviética que foram rapidamente trazidos para a clandestinidade tornaram-se gradualmente um verdadeiro estado com sua própria capital, uma cidade chamada Pobedogrado. O principal protagonista do jogo é um ex-piloto da aviação militar soviética, que é enviado da cidade subterrânea de "Pobedogrado" no subsolo de Moscou para a superfície externa radioativa, para várias missões em nome do governo subterrâneo de Pobedogrado, incluindo o recuperação de tecnologias avançadas de guerra soviéticas pré-nucleares e a investigação de um conjunto de fenômenos estranhos e misteriosos que estão acontecendo na superfície externa; incluindo mutantes e atividades paranormais.

O jogo foi desenvolvido pela empresa ucraniana Best Way e deveria ser financiado e publicado pela editora russa 1C Company, com o lançamento para o Microsoft Windows marcado para 2014. No entanto, a empresa russa retirou o seu envolvimento no final de 2013 devido à instabilidade política na Ucrânia, resultando no cancelamento do jogo. Em fevereiro de 2014, tropas russas ocuparam a Criméia, no território ucraniano. O site do jogo permanece como um dos únicos vestígios do projeto. Nele, o protagonista senta-se observando a paisagem arrasada de Pobedogrado segurando o seu fuzil bullpup Korobov TKB-408 soviético.

Imagem do site novysoyuz.ru.

O TKB-408 Korobov foi um protótipo de fuzil bullpup do projetista soviético German A. Korobov em 1946, e que foi submetido a uma série de testes oficiais conduzidos, no mesmo ano, para selecionar um fuzil de assalto para o Exército Vermelho no calibre intermediário 7,62x39mm soviético. Assim como no caso do jogo União Nuclear, o bullpup de Korobov foi um projeto cancelado. A comissão do Exército Soviético considerou o TKB-408 insatisfatório, com os testes finalmente selecionando o AK-47 de Mikhail Kalashnikov; tornando o Korobov TKB-408 uma mera nota de rodapé na história das armas de fogo.

O fuzil TKB-408 teria sido esquecido completamente não fosse o desenho bullpup ser tão popular nos últimos anos. O russos tentaram outros projetos bullpup com o TKB-011, o TKB-022 e o TKB-0146 (que também estariam presentes no jogo). Os ucranianos também experimentaram com o conceito com o Vepr, uma conversão do AK-74. Na história do jogo, fuzis Korobov começaram a aparecer nas mãos de gangues contra-revolucionárias nas regiões de Ryazan e Tambov, na URSS, no início dos anos 1990. Estas gangues encontraram a documentação do TKB-408 e corrigiram suas deficiências. Nos documentos oficiais, o protótipo é referido como "Objeto 93" (Ob'yekt 93), em alusão ao ano da sua descoberta.

A sobrevida de um protótipo mal-sucedido é um enredo parecido com o uso do fuzil bullpup brasileiro LAPA no livro de ficção científica Selva Brasil, de Roberto de Sousa Causo; que, inclusive, tem um soldado brasileiro carregando o fuzil-metralhador argentino FARA 83 na capa. Em Selva Brasil, Jânio Quadros invade a Guiana Francesa e inicia uma guerra inter-geracional com as potências européias e os Estados Unidos, com uma aliança sul-americana lutando uma guerra de guerrilha.

Selva Brasil.
Roberto de Sousa Causo.

Trecho do livro:

"Em segundos, o tiroteio se transformou em uma barragem de fogo que vinha de todos os lados. Enfiei a cara na lama, levantei o fuzil e puxei o gatilho com toda a força. Por alguma razão, parei de respirar durante alguns segundos. Só tinha consciência de estampidos e zunidos e ricochetes e de impactos que se comunicavam do blindado pro chão e do chão pro meu peito.
Ouvi algumas explosões mais fortes -granadas-de-mão, na certa-, e a terra balançou mais intensamente debaixo do meu corpo, chocalhando meus dentes. Empunhei o meu LAPA M3. Ao meu lado Cides enfiou o FARA entre a lagarta e despejou um carregador de trinta tiros. Não tinha espaço pra que a arma ficasse na vertical e Cides deve tê-la virado com a face direita pra cima, porque os cartuchos expelidos batiam no fundo do blindado e caíam por cima da gente feito um chuveiro de rebites rubro-incandescentes - e só então notei que tinha deixado o capacete pra trás."

O vários protótipos russos e ucranianos não foram o fim dos bullpups eslavos. Além do fuzil VHS croata, projetado desde o início como um bullpup e seguindo a ergonomia do FAMAS, os fuzis da família AK vem sendo readaptados para o padrão bullpup no Oriente Médio nos anos recentes.

 Essas conversões realizadas em Idlib, na Síria, se tornaram onipresentes na atual guerra civil. Vários modelos são encomendados e convertidos para os combatentes, sendo empregados com miras ópticas modernas e camuflagens exóticas; de forma muito parecida com o universo sem lei de União Nuclear.

Apresentação do Korobov TKB-408 pelo Grupo Kalashnikov


Bibliografia recomendada:

Metro 2033.
Dmitry Glukhovsky.

Leitura recomendada:

O Exército Francês está contratando escritores de ficção científica para imaginar ameaças futuras, 3 de junho de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 1 Os americanos e a Primeira Guerra Interestelar, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 2 O exército do retro-futurismo, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 3 Para a glória da Infantaria Móvel, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 4 Derrotar civilizações extraterrestres, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Duna, 17 de setembro de 2020.

O FAMAS no mercado de exportação4 de novembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

GALERIA: O Steyr AUG e os fuzis bullpup na Índia, 28 de julho de 2020.

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS, 17 de julho de 2020.

GALERIA: Cenas da Guerra da Indochina por Filip Štorch, 2 de maio de 2021.

sábado, 22 de maio de 2021

O “Júlio Verne militar”: Émile Driant alias Capitão Danrit


Do blog Theatrum Belli, 22 de fevereiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2021.

Com o Centenário da Grande Guerra, as grandes figuras do conflito vão gradativamente sendo destacadas pelos historiadores e pela mídia. Uma figura desconhecida está sendo destacada, a do Tenente-Coronel Émile Driant, que morreu bravamente em combate em 22 de fevereiro de 1916, à frente dos 56º e 59º Batalhões de Chasseurs (Caçadores), no Bois des Caures, na eclosão da grande batalha de Verdun. De seus 1.200 caçadores, apenas cem sobreviveram ao ataque.

O que é ainda menos conhecido é que Émile Driant era genro do General Boulanger e um prolífico escritor de antecipação política e histórias de guerra sob o pseudônimo de capitão Danrit. Amigo de Paul Déroulède e Maurice Barrès, conhecido por sua franqueza, politicamente conservador, católico, anti-maçom (ele criou a Liga Anti-Maçom em 1904 após o escândalo do Caso das Cartas [Affaire des Fiches]) Driant foi impedido de avançar em sua carreira militar, apesar de um registro brilhante de serviço. Aos 50 anos, deixou o exército no final de 1905 para entrar na política e defender a instituição como parlamentar. Ele vai retomar o serviço em 1914 como tenente-coronel, mantendo seu mandato como deputado.

Entrevista com as Edições Gribeauval que decidiram reeditar grande parte da obra do Capitão Danrit.

Theatrum Belli: O Tenente-Coronel Driant é famoso por sua defesa heróica do Bois des Caures no primeiro dia da ofensiva de Verdun, mas poucos conhecem sua carreira de escritor. Como você descobriu sobre essas séries de antecipação militar que você se comprometeu a reeditar?

Edições Gribeauval: Foi Jean Mabire - do qual fui editor - quem me transmitiu o seu entusiasmo pela obra literária do Coronel Driant. Lembro-me que, na única biblioteca na entrada de sua casa no Quai Solidor em Saint-Servan - as outras salas continham muitas outras, já que ele tinha na época de sua morte cerca de 50.000 volumes - se encontra sua coleção de livros do "Capitão Danrit"... Ele desejava dedicar uma biografia a ele e contatou um dos filhos de Driant, que morava não muito longe de Saint-Malo e que mantinha os arquivos do coronel. Infelizmente, ele não os entregou, alegando escrever um livro ele mesmo... que nunca viu a luz do dia. Não sei se esta coleção de livros de Driant foi transmitida a Jean Mabire por seu pai, que pertencia à geração que comprou os fascículos dos folhetins de Driant na época de sua publicação ou se os havia encontrado durante suas longas peregrinações entre as livrarias da Cidade do Livro de Bécherel que ele vasculhou em busca da matéria-prima necessária para escrever os artigos de sua famosa coluna “Que lire?" ("O que ler?")...

TB: É surpreendente que Jean Mabire, um anglófilo ferrenho, pudesse se identificar com o incrível ódio à Inglaterra que animava Driant, um ex-oficial colonial que não havia digerido Fachoda...

EG: É preciso dizer que a política de Delcassé, ao realizar a Entente Cordiale, também possibilitou a Primeira Guerra Mundial e, portanto, a Segunda com a consequência da escravização das duas metades da Europa por uma superpotência extra-européia (ainda que a Rússia tenha sua capital na Europa). A aliança franco-alemã cara ao militante europeísta Jean Mabire só pôde ser alcançada no início do século XX às custas da Inglaterra... Essa foi a linha de Gabriel Hanotaux magnificamente defendida por Driant em seu folhetim A Guerra Fatal (La guerre fatale), que apresenta o confronto franco-inglês em um cenário de Anschluss na Europa Central e uma revolução nacionalista na Irlanda. Mabire era um anglófilo porque considerava a Inglaterra uma possessão normanda desde sua conquista por Guilherme - o bastardo conquistador, como ele chamou um pequeno volume que lhe dedicou - ele era, por outro lado, muito hostil ao liberalismo destrutivo de identidades e povos e, nisso, ele aderiu completamente às visões de Driant que, como todos os nacionalistas de sua geração, estava próximo das teses do catolicismo social. Ele não suportava o marxismo, já que escreveu (com Arnould Galopin) um folhetim sobre uma insurreição bolchevique (La Révolution de demain / A Revolução do Amanhã), mas estava extremamente preocupado com o bem-estar material das classes trabalhadoras... E os livros de Driant muitas vezes terminam com uma revisão política da Europa, indo além dos nacionalismos estreitos. A ideia de uma Europa política teve sua nobreza antes de ser ofuscada pela obsessão da União Européia com o livre comércio, e acredito que Jean Mabire se reconheceu nas projeções políticas de Driant.

TB: Por que você começou a reedição de "Captain Danrit" com A Invasão Negra?

EG: Os livros de Driant pertencem ao gênero - que ele pode ter inventado - de antecipação militar. Ele encena possíveis conflitos em curto prazo, ele escreve para alertar... Se no final de sua vida, pouco antes de se “realistar" no início da Grande Guerra, a única atividade civil - junto a de escritor - que encontrou à sua medida foi ocupar o cargo de parlamentar na Comissão de Guerra não é um acidente. Teve as qualidades de Ministro da Guerra, trabalhou com o sogro, o General Boulanger, quando ocupou o cargo. Isso foi o que travou, e até mesmo abalou, sua carreira - o tema de oficiais que não obtêm a promoção que merecem é um tema recorrente nos livros de Driant - tornando-o um político e não mais apenas um homem de guerra. Sua visão é sempre técnica e política. Técnico, porque aquele que chamamos de “Júlio Verne militar” traz em seus romances armas futurísticas, como o balão metálico na Invasão Negra (l’Invasion Noire) ou o submarino de dupla propulsão térmica e elétrica na Guerra Fatal (Guerre Fatale). Político, porque imagina as convulsões que se avizinham no mapa mundial.

O que é extraordinário sobre A Invasão Negra é que Driant sentiu, cento e vinte anos atrás, quando os europeus estavam dividindo a África como um bolo, que o Islã poderia cristalizar politicamente o ressentimento das populações colonizadas...

TB: Como Driant estrutura seu enredo para tornar um cenário muito improvável crível na época do folhetim?

EG: O desejo de vingança de um sultão turco deposto em favor de uma revolução palaciana e refugiado na África negra, a descoberta de minas de ouro (Driant não havia pensado em poços de petróleo: para ele, os automóveis cujo uso se tornaria generalizado seriam elétricos!) que lhe permitem financiar a compra de armas necessárias ao equipamento de populações ansiosas por vingarem-se dos europeus que os humilhavam, tudo sob a bandeira de Maomé... O enredo funciona perfeitamente e tem o mérito da originalidade em 1895 quando a maioria dos oficiais franceses tem os olhos fixos na linha azul dos Vosges... Obviamente, é uma história menos surpreendente hoje, com o surgimento do grupo Estado Islâmico e seus várias franquias locais que estão se espalhando pela metade norte da África, e o leitor não tem mais a impressão de folhear ficção científica. Dito isso, Driant tinha imaginação, mas não a ponto de supor que o exército muçulmano do qual ele pressentia a futura criação pudesse ser importado diretamente para o solo deles pelos europeus... Na lógica de sua época, ainda era necessário derrotar militarmente um país para conquistá-lo, e muito o teríamos surpreendido ao lhe dizer que, cem anos depois de sua morte, os grupos armados que fariam incursões assassinas no meio de Paris seriam compostos por cidadãos franceses!*

*Nota do Tradutor: Muçulmanos etnicamente norte-africanos de segunda ou terceira geração com cidadania francesa.


TB: Por que A Invasão Negra não foi reeditada por mais de um século?

EG: Para entender a bibliografia de Driant, você tem que saber que muitas vezes, quando você encontra um de seus folhetins em livrarias de segunda mão, este "livro" não apareceu como tal, mas foi feito pelo leitor que, após ter comprado pacientemente os fascículos durante meses e anos, juntou-os ele mesmo. É por isso que encontramos a Guerra Fatal apresentada em um grande volume ou em três menores, um para cada parte. Se coleções concebidas pela editora também existiram, é porque era uma forma de reciclar o restante dos fascículos, o que se chama de "bouillon" (caldo)... A publicação nas bancas d'A Invasão Negra data de 1895 e 1896. Depois disso, Driant escreveu outras sagas e cada folhetim perseguiu a anterior: as pessoas compravam as séries em curso e possivelmente títulos mais antigos em encadernação de editoras. Flammarion reeditou A Invasão Negra apenas uma vez, somente em 1913, e no formato de 12 polegadas (os fascículos originais estão no formato Jesus de 8 polegadas) e, além disso, o texto está truncado, desde as partes 3 e 4 (Em toda a Europa e Arredores de Paris) estão condensados ​​em um único volume chamado “Fim do Islã diante de Paris”… No Entre-Guerras (1918-1939), curiosamente, apesar da forte notoriedade adquirida por Driant após seu sacrifício no Bois des Caures, sua obra está desaparecendo das prateleiras... como se o culto ao herói que se criou em torno do sacrifício de seus caçadores em Verdun não acomodasse a competição duma glória literária póstuma.

TB: O que é mais surpreendente é que nenhuma reedição é feita durante a Ocupação, quando o trabalho do Capitão Danrit toca em todos os temas caros à Revolução Nacional...

EG: Exatamente: na Invasão Negra, por exemplo, para conter a ameaça islâmica, a França, o último bastião ocidental desde que a Europa Central não resistiu ao impulso dos jihadistas e a Inglaterra, cautelosa, espera em sua ilha o desfecho do confronto, livra-se de suas instituições democráticas para colocar seu destino nas mãos de um marechal - descendente da família de Joana d'Arc para garantir! Os ataques à Maçonaria e à imprensa também são recorrentes nos romances de Driant: não se deve esquecer que sua saída do exército no final de 1905 foi o resultado do Caso das Cartas... Talvez um dos motivos de sua falta de visibilidade nos catálogos das editoras seja a impropriedade política com os padrões atuais da obra literária de Driant. Mas, também pode ser, de forma mais simples, um bloqueio de direitos de publicação, como costuma acontecer no mercado editorial. Veremos quais iniciativas editoriais serão tomadas agora que, tendo caído no domínio público, seus livros podem ser publicados por qualquer pessoa (mas não de qualquer um, espero!).

TB: Exatamente, conte-nos sobre sua reedição d'A Invasão Negra e os títulos de Driant que você planeja publicar em breve.

EG: Eu queria fazer algo um pouco original, para combinar com esse folhetim totalmente incrível. Escolhi um formato administrável em relação aos padrões atuais: você não lê mais sentado à mesa: os livros muito volumosos devem, portanto, ser evitados, principalmente para a literatura de lazer, pois, mesmo profético e altamente documentado, um folhetim continua sendo um folhetim. Os volumes têm, portanto, quinze centímetros de largura por vinte e dois de altura. Ao manter um corpo claramente legível (o fiz em Garamond 12), encaixamos cada uma das quatro partes da história (com suas gravuras) em um volume de pouco menos de 400 páginas... Até agora, nada original... Mas quatro volumes, achei que merecia uma caixa. Eu tinha deixado de mandar fazer um recorte e ficar satisfeito com uma caixa de placa gráfica dobrada banal, quando tive a ideia de uma caixa de metal, uma caixa levemente blindada, enfim... Uma caixa capaz de resistir à violência da Invasão Negra... O protagonista não é Léon de Melval, pensando bem, mas sim o balão metálico que prefigura a aviação militar... Este balão, que parece uma espécie de pião, com os seus dois cones invertidos colocados um sobre o outro do outro, é blindado por placas de alumínio rebitadas entre si… Minha caixa obviamente tinha que ser assim! A caixa é, portanto, composta por seis peças de alumínio (idênticas aos pares) rebitadas entre si. Ficou mais ou menos, como se costuma dizer.

TB: Claro! Mas o uso do metal não se limitou à caixa, na sua reedição?

EG: Na verdade, achei divertido homenagear os livros de Júlio Verne, que foi a inspiração para a carreira de Driant como escritor (uma troca de correspondência entre os dois homens figura à testa d'A Invasão Negra) decorando as capas com motivos das famosas caixas de cartão Hetzel, misturados com as gravuras de Paul de Sémant que ilustram a série. Os livros têm capas moles, claro, não são caixas de papelão, mas usamos tinta metálica para tornar os padrões dourados realmente dourados... e não uma simulação de quatro cores. De qualquer forma, acho que o futuro da publicação impressa está em grande parte no livro-objeto bem elaborado, que é mais do que o suporte do texto. Além disso, decidi usar a mesma fórmula para o relançamento da Guerra Fatal, que deve ser lançado na primavera: os três volumes no total representam quase o mesmo número de páginas que os quatro volumes d'A Invasão Negra. Portanto, também os apresentarei em uma versão de caixa de alumínio rebitada desde a máquina-herói, desta vez, é o submarino da classe “implacável” que não tem nada a invejar ao balão d'A Invasão Negra em termos de proteção metálica rebitada! Ainda não decidi sobre a apresentação da trilogia da Invasion Jaune (Invasão Amarela) constituída pelos dois volumes desta, precedida pela Ordre du Tzar (Ordem do Czar), em que alguns dos seus personagens já estavam evoluindo... Talvez do bambu. Preciso encontrar uma ideia e um fornecedor local...


TB: É uma peculiaridade de suas produções: em um momento em que muitos editores realocam sua produção para a Europa Oriental quando ela não é na Ásia, você faz questão de produzir na Bretanha...

LB: Com certeza! O recorte a laser das partes das caixas de alumínio é feito em Lamballe, a montagem por rebites (mais de quarenta por caixa) em nossa oficina ultra-artesanal em Saint-Méen-le-Grand, assim como a impressão e modelagem de livros. Tudo sem pedir um centavo de subsídio à região da Bretanha, que no entanto financia quase todas as pequenas editoras localizadas no seu território... Os princípios são feitos para serem aplicados e não apenas declarados! Deixe-me ser claro: esta produção local e, portanto, cara é possível graças à venda direta: se eu tivesse que dar entre um terço e metade do preço de venda de uma série como A Invasão Negra para um livreiro, nada seria possível. A venda é, portanto, apenas efetuada (para quem não recebe as nossas circulares em papel pelo correio) na nossa loja online comptoirdesediteurs.com...


Principais romances do Capitão Danrit:
  • A Guerra do Amanhã (Flammarion, 1888-1893, 6 volumes, 3 partes: “A guerra da fortaleza”, “A guerra do campo aberto”, “A guerra do balão”);
  • A Guerra no Século XX; A Invasão Negra (Flammarion, 1894, 3 partes: "Mobilização africana", "A grande peregrinação a Meca", "Fim do Islã na frente de Paris");
  • Jean Tapin (série "História de uma família de soldados", I, Delagrave, 1898);
  • Os Afilhados de Napoleão (série "História de uma família de soldados", II, Delagrave, 1900);
  • Pequeno Marsouin (Série "História de uma família de soldados", III, Delagrave, 1901);
  • A Bandeira dos Caçadores a Pé (Matot, 1902);
  • A Guerra Fatal (Flammarion, 1902-1903, 3 volumes, 3 partes: "Em Bizerte", "No submarino", "Na Inglaterra");
  • Evasão do Imperador (Delagrave, 1904);
  • Ordem do Czar (Lafayette, 1905);
  • Rumo a uma Nova Sedan (Juven, 1906);
  • Guerra Marítima e Submarina (Flammarion, 1908, 14 volumes);
  • Robinsons do Ar (Flammarion, 1908);
  • Robinsons Submarinos (Flammarion, 1908);
  • O Aviador do Pacífico (Flammarion, 1909);
  • A Greve de Amanhã (Tallandier, 1909);
  • A Invasão Amarela (Flammarion, 1909, 3 volumes: "A mobilização sino-japonesa", "Ódio dos Amarelos", "Através da Europa");
  • A Revolução de Amanhã (com Arnould Galopin, Tallandier, 1909);
  • O Alerta (Flammarion, 1910);
  • Um Dirigível no Pólo Norte (Flammarion, 1910);
  • Acima do Continente Negro (Flammarion, 1912);
  • Robinsons subterrâneos (Flammarion, 1913, republicado com o título A Guerra Subterrânea).
Bibliografia recomendada:

Conquêtes 1: Islandia.

Leitura recomendada:





A Arte da Guerra em Duna, 17 de setembro de 2020.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

A Arte da Guerra em Duna


Pelo Ten-Cel Michel Goya, La Vóie de l'Épée, 9 de janeiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2020.

O universo de Duna é um universo de grande riqueza, misturando em um estilo barroco, mas muito coerente, elementos inteiros de sociedades humanas passadas e elementos de pura imaginação. A guerra é praticada ali de uma maneira particular, mas permanece guerra com sua própria gramática.

Como destruir uma Casa Grande

O sistema político de Duna é o resultado de uma Grande Convenção (tipo Magna Carta) que rege as relações entre a Casa Imperial, os grandes senhores feudais reunidos na assembléia de Landsraad e a Guilda dos Navegantes que detém o monopólio dos vôos espaciais. A guerra é tolerada ali, desde que não perturbe esse equilíbrio de poder. É exercido principalmente entre Casas e às vezes, sob certas condições, entre o Trono e uma Casa. A Guilda é normalmente neutra.


Essas guerras são limitadas por três fatores. O primeiro é a fragmentação de poderes e a preocupação em evitar que um ator (a Casa Imperial de Corrino em primeiro lugar) se torne hegemônico. Qualquer casa que se torna muito poderosa vê os outros se unindo contra ela. A segunda restrição é a dos custos e, particularmente, dos custos de transporte. Normalmente as operações de mundo a mundo precisam passar pela Guilda e a projeção do espaço é muito cara. O último é a presença de armas atômicas. Seu uso é proibido pela Convenção, mas, ao contrário das máquinas pensantes, sua existência não é. Podemos, portanto, considerar (supondo que os princípios da dissuasão nuclear se apliquem da mesma forma às famílias e aos Estados-nação) que os "atômicos" mantêm um interesse em um segundo emprego improvável ou como ultima ratio.

As guerras, portanto, assumem uma forma ampla, uma vez que quase tudo pode ser usado contra o adversário - sabotagem econômica, corrupção, pressão diplomática, invasões, assassinatos, etc. - mas superficiais devido a esses limites de escalar aos extremos. Portanto, normalmente não terminam com a destruição do adversário. No entanto, dois fatores podem levar a que esses limites sejam empurrados ou mesmo ultrapassados: o ódio, como aquele que os Atreides e Harkonnens têm um pelo outro, e uma ameaça à circulação da especiaria, um elemento essencial para o funcionamento da Guilda e, portanto, também do Império.

A Terceira Guerra Mundial: Agosto de 1985.
General Sir John Hackett.

A busca pela destruição total de uma Grande Casa, como a dos Atreids, sem o uso primário das armas atômicas, é complexa. Uma estratégia convencional de primeiro ataque contra as armas atômicas inimigas é difícil, especialmente com o emprego de campos de força. A única solução é dominar o adversário com um ataque rápido e massivo o suficiente para atingir um resultado decisivo antes mesmo que a decisão de usar a arma final possa ser tomada. Esse foi o cenário de engajamento na "margem de erro" da dissuasão descrita pelo General Hackett em 1979 no livro A Terceira Guerra Mundial. Obviamente, esta é a escolha feita pelo barão Vladimir Harkonnen.

A dificuldade é que o custo da projeção de força e a eficácia dos campos de força de Holtzman (que podem ser comparados às muralhas de um castelo fortificado) favorecem a defesa em relação ao ataque. Para obter um equilíbrio de poder esmagador, é necessário, portanto, reunir uma massa considerável (e, portanto, ruinosa) e se possível beneficiar de uma "quinta coluna".

A massa é alcançada reunindo todas as forças Harkonnen e se beneficiando da ajuda de uma ou duas legiões de Sardaukar do Imperador, tanto qualitativas (um único Sardaukar vale vários combatentes "regulares") quanto quantitativas. Para Vladimir Harkonnen, é um risco duplo: militar primeiro porque se descobre em outro lugar, e financeiro, já que a expedição é ruinosamente custosa. O fracasso pode ser fatal para a Casa Harkonnen. Este é um risco político para o imperador Shaddam IV, a quem o Landsraad pode ver como tendo quebrado o equilíbrio e ajudado a destruir - o que é pior, por traição - uma Grande Casa. A divulgação desta intervenção pode desencadear uma guerra geral contra a Casa Corrino. Além disso, os Sardaukar, como os "voluntários" de certas épocas, lutam sob o uniforme de soldados Harkonnens. A quantidade é uma qualidade em si, e a massa utilizada para a operação, dez vezes maior que àquela estimada pelo mentato dos Atreides, Thufir Hawat, contribui para a surpresa estratégica. Ela também intervém antes que os Atreides sejam capazes de se fortalecer consideravelmente, graças à aliança com os Fremen.

Legionário Sardaukar.

O ataque maciço dos Harkonnens é consideravelmente facilitado pela "quinta coluna" presente no local, composta pelos agentes mantidos em Arrakis após a partida dos Harkonnens, e especialmente pelo traidor Yueh que não só abaixa os campos de força Holtzman de Arrakeen, mas também neutraliza o duque Leto. É um cavalo de Tróia, desta vez oposto aos Atreides, que permite tanto abrir as portas ao sitiante quanto matar o líder adversário, centro de gravidade clausewitziano desses atores políticos. Quando certos indivíduos são de importância desproporcional, eles devem ser colocados contra outros indivíduos, aqueles capazes de se aproximar deles para atingi-los.

Sob essas condições, o plano Harkonnen só poderia ter sucesso, mas como todos os planos complexos, não poderia ter sucesso total.

Aquiles e Holtzman


Em Duna, os combatentes aparentemente têm todo o armamento clássico da ópera espacial, feixes de laser e campos de força em particular, mas com aquela sutileza mutante que quando os dois se encontram causa uma explosão de intensidade variável, mas podendo ser até o de uma pequena arma atômica. Isso poderia dar origem a táticas suicidas interessantes (muito fáceis de conseguir com a concepção da vida humana que reina neste universo), especialmente contra os grandes escudos de proteção, mas Frank Herbert tacitamente as exclui. Na verdade, uma das duas tecnologias, o laser, é pouco utilizada, exceto quando não há risco de presença de escudos no campo adversário, o que é o caso em particular no deserto de Arrakis. Notemos de passagem que poderia ter sido o inverso - o escudo considerado muito perigoso - o que obviamente teria mudado as condições do combate, mas também todo o universo de Duna tanto quanto o combate faz o exército e o exército faz Estado.

O campo de força Holtzman se assemelha à armadura de cavaleiros pela quase-invulnerabilidade que fornece a seus portadores, no entanto, com duas diferenças notáveis: é infinitamente mais manobrável do que a armadura, o que nega a vantagem de mobilidade que poderia ter existido para benefício dos não-portadores leves, e acima de tudo é aparentemente barato, o que torna seu uso muito comum. Sua única fraqueza é que pode ser perfurado por objetos lentos, o que requer uma punhalada à arma branca. A alta tecnologia, portanto, requer paradoxalmente um retorno às formas ancestrais de confronto. Herbert exclui as táticas coletivas do tipo falange, que no entanto deveriam ser possíveis, em favor de um combate puramente homérico composto por um conjunto de confrontos individuais ou em pequenas equipes (pouco desenvolvidos pelo autor enquanto então pode-se ver imediatamente o benefício que pode haver em um ataque de dois homens a um portador de escudo). O combate em Duna exige excelência individual alcançada por meio de uma mistura de virtudes guerreiras - coragem e agressão em primeiro lugar - e domínio da esgrima. Adquirir essa excelência leva tempo e requer profissionalização de fato, bem como a constituição de uma aristocracia guerreira. Essa aristocracia desenvolve então uma cultura específica que lhe garante o monopólio da violência, o que por sua vez pode explicar a recusa de qualquer tática de massa, mas também a torna vulnerável ao aparecimento dessa mesma massa no campo de batalha. Civis amadores são excluídos de um campo de batalha onde não têm chance de sobrevivência, mas também são excluídos em grande parte das próprias guerras.

Ilíada e Odisséia.
Homero.

Na Ilíada, existem os heróis, que têm um nome, e os guerreiros anônimos que servem para defender os primeiros. Duna tem sua cota de heróis-esgrimistas como Duncan Idaho, Gurney Halleck ou Conde Fenring e seus soldados comuns que fazem o papel de bucha de espada. Duncan Idaho pode, portanto, se orgulhar de ter matado mais de 300 em nome do duque Leto. Mas os heróis são raros e, se forem extravagantes, dificilmente farão diferença em batalhas que são agregados de milhares de micro-batalhas. Frank Herbert, portanto, apresenta uma categoria intermediária que combina número e qualidade: combatentes de elite, como os Sardaukar, os Fremen e alguns Atreides. Os Fremen têm as qualidades guerreiras mais fortes, os Atreids são excelentes técnicos e os Sardaukar combinam as duas características em proporções menores. Cada um desses homens é capaz de derrotar vários soldados comuns, e sua presença decide o destino das batalhas. É de todo interesse a presença de Sardaukar (10 a 20% das tropas apenas) na força de ataque desdobrada por Vladimir Harkonnen contra os Atreides, com esse medo, no entanto, de que essas poucas brigadas pudessem ser usadas pelo Imperador para varrê-lo ele mesmo. O interesse desses combatentes de elite, evidente no nível tático, é ainda mais gritante no nível operacional quando se considera o custo da projeção interplanetária de um único homem.

Aliás, Frank Herbert insiste muito na importância de ambientes extremos, como o deserto de Arrakis ou a opressão do planeta-prisão Salusa Secundus, para desenvolver qualidades guerreiras. Ele certamente pensa nos beduínos árabes do século VII, que constituem seu modelo para os Fremen. Esta teoria é muito discutível, os ambientes extremos secretando especialmente sociedades adaptadas, mas congeladas ou mesmo aprisionadas. Os inuítes ou os índios amazônicos, por exemplo, nunca formaram um exército de conquistadores. Basicamente, essa teoria também assume que sociedades ricas e agradáveis ​​são frágeis e seus exércitos são fracos. A história, e especialmente a Segunda Guerra Mundial, mostra que as coisas são muito mais complexas.

Os Fremen são um caso especial no universo militar de Duna, pois ambos são perfeitamente adequados ao seu ambiente, muito resistentes em combate e numerosos. Assim, eles introduzem massa em uma escala desconhecida na equação. O ataque Harkonnen, considerado como considerável, mobilizou 10 legiões, sendo 100 brigadas ou algumas centenas de milhares de homens, onde o mentate Thufir Hawat esperava um ataque de no máximo algumas dezenas de milhares, o que parece constituir a norma das batalhas. Todos esses números também parecem muito baixos quando se trata de controlar um planeta inteiro, mas é verdade que as populações também não parecem grandes. Com uma população de cultura guerreira de dez milhões de Fremen, eleva-se para um potencial de dois a três milhões de combatentes adultos do sexo masculino e igual número de combatentes secundários. Isso obviamente muda a situação, como a chegada dos piqueiros suíços na segunda metade do século 15 ou o levée en masse revolucionário de 1792 mudaram a face da guerra travada até então na Europa com pequenos exércitos profissionais. Também podemos pensar nos contingentes profissionais ocidentais que enfrentam os 10 milhões de pashtuns em idade para portar armas no Afeganistão ou no Paquistão. A atitude e lealdade dos Fremen são, portanto, uma parte essencial da geopolítica do Império.

Operação de estabilização em Arrakis


À parte os casos, muito raros, de extermínio do inimigo, uma vitória militar torna-se vitória política apenas se houver aceitação da derrota por quem perdeu o duelo de armas. No esquema trinitário de Clausewitz, é o poder político que nota a derrota e aceita a paz, podendo o povo apenas seguir as decisões de seu governo. Se a ação militar não se contenta em apenas derrotar o exército adversário, mas também tem o efeito de destruir o poder político, nos privamos de um interlocutor e corremos o risco de ver aparecer um ou mais outros que vão continuar a guerra de outra maneira.

Os americanos não são os Harkonnens (talvez a Casa Imperial) e Paul Muad'dib não é Osama Bin Laden, Mullah Omar ou Saddam Hussein, mas a situação em Arrakis em 10191 após a captura de Arrakeen tem algumas semelhanças com aquela do Afeganistão em 2001 e especialmente do Iraque em 2003, mas um Iraque que seria o único produtor mundial de petróleo.

A guerra dos assassinos não termina com a morte do duque Leto, ela simplesmente se transforma. Os sobreviventes Atreides se juntam à endêmica guerra de guerrilha Fremen contra os Harkonnen, a quem eles odeiam, para constituir uma forma muito eficaz de "combate acoplado" entre um poder externo e combatentes locais. Os Fremen trazem o número, suas qualidades de luta e sua adaptação perfeita ao ambiente do deserto; os Atreides trazem os armamentos atômicos de família, uma "assistência técnica militar" e, acima de tudo, um líder carismático, uma mistura de Lawrence da Arábia, do Profeta Muhammad e do Mahdi sudanês. Não é mais uma reação de anticorpos a uma presença estrangeira hostil, mas uma verdadeira jihad.

Diante dessa oposição, que vai se desenvolvendo gradativamente, surge sistematicamente o problema do diagnóstico inicial, quase sempre com a tentação de minimizá-lo e modelá-lo de acordo com suas necessidades. Para o governo francês em 1954, os ataques do Toussaint Rouge* na Argélia foram perpetrados por bandidos e para o comando americano em 2003, os ataques da guerrilha que surgiram no triângulo sunita iraquiano em maio-junho foram os últimos tiros do regime deposto e do seu líder em fuga. Essa avaliação inicial condiciona uma resposta difícil de se livrar depois. Afastando-se da política tradicional de pura exploração econômica (em todos os sentidos da palavra) do planeta Arrakis, e pouco prejudicada por considerações humanitárias que só existem, na melhor das hipóteses, no âmbito dos signatários da Grande Convenção, os Harkonnnens e os Imperiais que recuperaram o controle de Arrakis viam os Fremen como um incômodo que devia ser eliminado pelo extermínio.

Taticamente, nos encontramos novamente no caso clássico de uma força tecnologicamente superior enfrentando uma guerra de guerrilha protegida por sua adaptação a um ambiente particular e protetor (selva, montanha, população local de campos de arroz ou cidades do Eufrates). Os Fremen, por outro lado, não se beneficiam da proteção dos escudos Holtzman, que têm a particularidade dos irritantes vermes da areia. A tentação é forte para os Harkonnens de limitar os riscos usando o domínio do ar para rastrear o inimigo com o laser.


A essa estratégia de desgaste, de outra forma ineficaz, os Fremen coordenados por Paul Atreides responderam com uma estratégia de pressão econômica, impedindo que o inimigo explorasse a especiaria. Os Sardaukar deixaram a frente e os Harkonnen recusaram-se a fazer o esforço de treinar combatentes aptos ao deserto, até porque, segundo um padrão clássico nas ditaduras, a realidade da situação no terreno estava mascarada no topo da organização. Depois de alguns anos, a estratégia de jogo Go* de Paul Atreides tornou possível controlar a maior parte do planeta e provocar uma aceleração de eventos. A ameaça finalmente óbvia à produção de especiarias provoca tanto a formação de uma coalizão de Casas liderada pelo Imperador e, portanto, a possibilidade de um confronto decisivo em nível intergaláctico, mas também, de forma mais sutil, o controle da Guilda dos Navegantes totalmente dependente da especiaria. Assim, chegamos ao estágio final e ao fim da guerra popular, conforme descrito por Mao Tsé-Tung. A batalha final contra o imperador é o equivalente a Dien Bien Phu em 10196.

O principal problema tático que surge novamente é o de remover o escudo de defesa do Imperador. O modo de ação usado é uma grande tempestade de areia cuja eletricidade estática é conhecida por saturar o campo de força. Isso requer primeiro destruir as montanhas que bloqueiam sua passagem e é aqui que intervêm os armamentos atômicos. O tabu atômico é, portanto, quebrado, em verdade de maneira indireta por um emprego em um obstáculo natural, para permitir a penetração no campo adversário. Com a superioridade numérica dos Fremen e o uso surpresa de vermes da areia, a continuação da luta não está mais em dúvida. Estranhamente, a luta termina com um duelo homérico, um risco considerável já que a pessoa do Muad'Dib é tão importante e que não se justifica estrategicamente.


Post script: notas do tradutor

Jornal com o Toussaint Rouge como capa.

O Toussaint Rouge, também conhecido como Toussaint Sanglante é o nome dado à série de ataques que ocorreram em 1 de novembro de 1954 - o festival católico do Dia de Todos os Santos - na Argélia Francesa. Normalmente é considerada a data de início da Guerra da Argélia, que durou até 1962 e levou à independência da Argélia da França. Os ataques ocorreram da meia-noite às duas da manhã, com 30 ataques a bomba e sabotagem em alvos policiais e militares; matando 4 militares franceses, 4 civis pied-noirs (franceses nascidos na Argélia) e 2 argelinos, com 1 pied-noir ferido.

Tabuleiro de Go.

O Go é um jogo de tabuleiro abstrato de estratégia para dois jogadores, em que o objetivo é cercar mais território do que o oponente. O jogo foi inventado na China há mais de 2.500 anos e acredita-se que seja o mais antigo jogo de tabuleiro continuamente jogado até os dias de hoje. Um documentário fez a comparação de que Giap e o comando norte-vietnamita em Hanói estavam jogando Go enquanto Westmoreland e o comando americano em Saigon estavam jogando Xadrez.

Bibliografia recomendada:




Leitura recomendada:


quarta-feira, 3 de junho de 2020

O Exército Francês está contratando escritores de ficção científica para imaginar ameaças futuras


Por Andrew Liptak, The Verge, 24 de julho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de junho de 2020.

A "Equipe Vermelha" terá idéias que os planejadores militares podem não imaginar.

As forças armadas francesas querem descobrir o que suas forças armadas podem enfrentar no futuro. Para ajudar, estão atraindo um grupo de pessoas versadas em imaginar o futuro: escritores de ficção científica. O Telegraph do Reino Unido relata que a Agência de Inovação em Defesa da França está contratando entre quatro e cinco escritores para formar uma "Equipe Vermelha" que apresentará "cenários de ruptura", que são palavras de ordem militar para pensar-fora-da-caixa.

A França criou a Agência de Inovação em Defesa em setembro de 2018 como uma espécie de centro de incubação para encontrar tecnologias e equipamentos existentes que as forças armadas possam usar. A idéia é que as forças armadas possam encontrar e adotar tecnologias mais rapidamente do que os canais de aquisição típicos, o qual é um processo que pode levar anos.

"Conquêtes", trilogia de ficção científica francesa.

Mas saber quais tecnologias ou dispositivos usar apenas será útil se você tiver uma idéia dos problemas que poderá enfrentar no campo de batalha. Aparentemente, é aí que entram os escritores de ficção científica. Mas eles não aparecerão com histórias sobre como podemos combater civilizações alienígenas de outros planetas. O Telegraph diz que eles "tentarão antecipar como grupos terroristas ou estados hostis podem usar tecnologia avançada contra a França".

A idéia aqui não é que o grupo de autores preveja de alguma forma o futuro. Em vez disso, ao usar a ficção científica como ferramenta, eles terão idéias que estrategistas militares comuns não poderiam imaginar.


Usar ficção científica e escritores dessa maneira é uma prática que já está sendo usada em vários outros países em um campo chamado Strategic Foresight (Prospecção Estratégica). Os militares canadenses contrataram o escritor de ficção científica Karl Schroeder para escrever um romance curto chamado Crisis in Zefra (Crise em Zefra), em 2005. Esse pequeno livro expôs um cenário no qual as forças de paz canadenses podem enfrentar em um conflito próximo, incorporando como o uso de drones, celulares e acesso à Internet pode desempenhar um papel em uma zona de guerra urbana.


Os Estados Unidos também utilizaram a ajuda de escritores de ficção científica: os autores Larry Niven e Jerry Pournelle estabeleceram o Conselho Consultivo para Cidadãos em Política Espacial Nacional durante o governo Reagan, enquanto o Pentágono trouxe alguns escritores de ficção científica e diretores de cinema para pensar ameaças em potencial logo após os ataques de 11 de setembro. Mais recentemente, os autores August Cole e Peter W. Singer criaram um livro influente chamado Ghost Fleet: A Novel of the Next World War (Frota Fantasma: Um Romance sobre a Próxima Guerra Mundial), o qual se valeu do seu trabalho em think tanks para imaginar como uma terceira guerra mundial entre China, Rússia e Estados Unidos pode parecer.


As forças armadas francesas têm trabalhado recentemente para modernizar suas forças. O presidente francês Emmanuel Macron anunciou a criação de um novo comando espacial, enquanto o Comando Cibernético do país marchou nas comemorações do Dia da Bastilha do ano passado. Este ano, Franky Zapata, o inventor francês por trás do Flyboard Air, sobrevoou multidões durante o desfile militar do Dia da Bastilha deste ano carregando uma arma - algo que poderia facilmente ter surgido nas páginas de um romance de ficção científica.

Bibliografia recomendada:

Starship Troopers.
Robert A. Heinlein.

Leitura recentemente:







FOTO: Filipinos na Coréia14 de março de 2020.