Mostrando postagens com marcador Ficção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ficção. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de maio de 2022

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Monumento chinês em frente ao Museu da Guerra para Resistir à Agressão Americana e Ajudar a Coreia em Dandong.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de maio de 2022.

A China sofreu um choque em 2020 quando percebeu que sua propaganda começa e termina dentro das fronteiras da China continental, sendo sobrepujada em basicamente todas as mídias internacionais, lhe faltando empatia e amigos por todos os lados. Ao reclamar sobre a sua versão da Guerra da Coréia não ser aceita na Coréia do Sul, viu impotente como não tinha poder de coerção sobre até mesmo uma banda de celebridades adolescentes. Isso levou a uma catarse na cúpula chinesa e a uma corrida para tentar criar o poder brando (soft power) que tanto lhe falta. A China precisa apresentar uma "cara nova" diante do mundo que Pequim tanto deseja guiar como um hegemon.

O especialista S. Nathan Park, advogado de Washington e membro não residente do Sejong Institute, assim analisou o caso envolvendo a banda BTS de K-Pop. Tudo começou quando a China quis impor a sua versão histórica onde os bravos e abnegados "voluntários" chineses foram salvar a Coréia do Norte da agressão "imperialista" dos Estados Unidos. Inicialmente, a Samsung até mesmo removeu os produtos relacionados ao grupo sul-coreano BTS de suas lojas oficiais nas plataformas de comércio eletrônico chinesas, depois que os comentários da banda sobre a Guerra da Coréia irritaram os internautas chineses, que disseram que a "atitude unilateral" do grupo de K-pop em relação à guerra "nega a história". Apesar do bravado e da reação irritada, Pequim se viu - atônita - no lado perdedor. Isso levou a uma reavaliação do seu poder brando.

A Batalha do Lago Changjin
(
Chang jin hu, 2021).

Em resposta, a China produziu o filme A Batalha do Lago Changjin (Chang jin hu), um blockbuster sobre a Guerra da Coréia (1950-1953) que se tornou o filme de maior bilheteria de 2021 e da história do cinema chinês; batendo a Marvel e James Bond. O filme estrela Wu Jing, uma estrela chinesa em ascensão, como o protagonista comandante da 7ª Companhia do "Exército Voluntário do Povo Chinês". Este sucesso foi seguido pela continuação A Batalha do Lago Changjin II (1º de fevereiro de 2022), e por Snipers (Ju ji shou), este último sobre o atirador de elite chinês Zhang Taofang, que matou 214 soldados inimigos em 32 na Batalha de Triangle Hill. Tal como Simo Häyä, Zhang não usava luneta no seu fuzil, que também era um Mosin-Nagant.

Poder Brando: A China desiste de briga com fãs de K-Pop

Membros do BTS participam do Mnet Asian Music Awards 2019 no Nagoya Dome em Nagoya, Japão, em 4 de dezembro de 2019.
(Jean Chung/Getty Images)

Por S. Nathan ParkForeign Policy, 20 de outubro de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de maio de 2022.

O poder brando da Coreia do Sul deve ser um modelo para Pequim.

A República Popular da China (RPC) provou não ser páreo para o ARMY. Quando o grupo de superestrelas do K-pop, BTS, reconheceu o sacrifício compartilhado de americanos e coreanos ao receberem o Prêmio James A. Van Fleet da Korea Society, em homenagem a um general americano durante a Guerra da Coréia, as mídias sociais chinesas ficaram indignadas, percebendo a mensagem do BTS para ser um desrespeito contra os soldados chineses na guerra. O Global Times, o tablóide estatal da China, criticou o grupo por sua “atitude unilateral” que “nega a história”. As lojas online começaram a puxar produtos relacionados ao BTS, antecipando o tipo de frenesi nacionalista que custou a franquias gigantes como a NBA e a loja de supermercados sul-coreana Lotte centenas de milhões de dólares no passado.

Mas a ofensiva da mídia chinesa contra os reis do K-pop durou apenas dois dias. O Global Times deletou discretamente alguns de seus artigos criticando o BTS, e a negatividade contra o grupo nas mídias sociais chinesas também desapareceu rapidamente. O pedido de boicote de alguns fãs chineses pouco afetou o BTS, apoiado por seu fã-clube mundial “ARMY” (que significa Adorable Representative M.C. for Youth, se você está se perguntando). Pouco depois de receberem o Prêmio Van Fleet, o BTS se tornou um dos cinco grupos musicais da história a ocupar os dois primeiros lugares simultaneamente na parada de músicas Hot 100 da Billboard, juntando-se aos Beatles e Bee Gees, entre outros. A oferta pública inicial da Big Hit Entertainment, empresa de produção do BTS, na semana passada, estava entre os IPO mais bem-sucedidos da história do mercado de ações coreano, já que o preço das ações quase dobrou no primeiro dia.

Este episódio recente é mais um exemplo de um fato cada vez mais óbvio: a China é ruim em soft power. Sua recente virada para o nacionalismo intensificado e detestável não está conquistando corações e mentes. Em todo o mundo, a percepção negativa da China está atingindo máximos históricos. Em uma pesquisa recente do Pew Research Center em 14 países, a opinião negativa média da China foi de 74% – acima dos 36,5% em 2002. Isso contrasta fortemente com sua vizinha Coreia do Sul, o qual não fica em segundo plano para muitos países quando, ahem, se trata de nacionalismo expressivo. Em uma pesquisa de 2019 conduzida pelo Serviço de Cultura e Informação Coreano (Korean Culture and Information ServiceKOCIS), a favorabilidade média da Coreia do Sul entre os 15 países pesquisados ​​foi de sólidos 76,7%, com mais de 90% de avaliações de favorabilidade de vários países, incluindo Rússia, Índia, Brasil, e Tailândia. A Coreia do Sul, em outras palavras, é tão popular quanto a China é impopular. A cultura pop da Coreia do Sul desempenhou um papel importante na imagem positiva da nação no mundo: uma pluralidade de entrevistados na mesma pesquisa KOCIS disse que o K-pop foi a primeira coisa que veio à mente sobre a Coreia do Sul (12,5%), seguido por comida coreana (8,5%) e cultura (6,5%).

Grupo de K-Pop Red Velvet na Coreia do Norte


A China seria sensata em seguir a estratégia de poder brando da Coreia do Sul. Para ter certeza, a afirmação da moda de que “o governo coreano criou o K-pop” é um exagero e geralmente é usada para descontar a arte e a criatividade da cultura pop coreana, pintando-a como um projeto de obras públicas monótono. Fundamentalmente, a cultura pop sul-coreana encontrou ressonância global porque os artistas da Coreia criaram produtos culturais que o mundo achou atraentes. Mas o governo coreano desempenhou um papel: queria ganhar soft power (poder brando) por meio da cultura pop, concebeu uma estratégia abrangente para aumentar o alcance de seus próprios artistas e implementou políticas específicas que conduzem ao florescimento da cultura pop.

O ex-presidente sul-coreano e vencedor do Prêmio Nobel da Paz Kim Dae-jung foi o arquiteto da estratégia de poder brando do país. Kim assumiu o cargo no momento certo em 1997, quando a Coreia do Sul estava começando a ver uma explosão da cultura pop após a transição da ditadura militar em 1987. Seo Taiji and Boys, a fonte do K-pop moderno, estreou em 1992. Seopyeonje, um filme de 1993 sobre a música pansori tradicional da Coréia, atraiu quase 3 milhões de espectadores, tornando-se o filme doméstico de maior sucesso até hoje. O megahit de 1991, What Is Love, com uma classificação nacional irreal de 64,9% (a terceira maior audiência de um drama coreano de todos os tempos), também foi o primeiro drama coreano a encontrar popularidade na China quando a CCTV (agora CGTN) transmitiu o programa em 1997. De pé à beira desse Big Bang, Kim Dae-jung formulou uma postura em relação ao desenvolvimento da cultura pop que continua até hoje.

Kim tinha muita confiança na capacidade da cultura coreana de se destacar no cenário mundial. Ele gostava de notar que, embora a Coréia tenha sido influenciada pela cultura chinesa por 2.000 anos, a Coréia nunca foi sinicizada ao contrário, como ele viu, dos mongóis do Império Yuan ou dos manchus do Império Qing - porque os coreanos foram capazes de aceitar a cultura internacional e criar sua própria versão exclusiva. Kim também acreditava que a cultura crescia por meio de trocas; qualquer tentativa de proteger uma cultura da exposição internacional levaria à estagnação. Mais importante ainda, Kim reconheceu que o governo tinha um papel de apoio à cultura, mas que não deveria ultrapassar seus limites. Em uma entrevista de 2007 que revisitou as realizações de seu governo, Kim deixou essa crença clara: “A intervenção mata as artes. A criatividade deve fluir livremente. Mas os artistas são economicamente fracos, então o governo deve apoiá-los financeiramente. Ajude-os com dinheiro, mas não intervenha.”

Esse mantra “apoie, mas não intervenha” ficou conhecido como o “princípio da distância” – a doutrina orientadora da política cultural da Coreia do Sul até hoje. Sob esse princípio, o governo Kim se concentrou em promover a liberdade de criação e troca, estabelecer a infraestrutura legal para proteger o direito dos artistas à propriedade intelectual e fornecer subsídios financeiros sem referência ao conteúdo da arte. A administração aboliu o processo de aprovação de filmes que efetivamente atuavam como censura. A proibição de produtos da cultura pop do Japão foi suspensa, permitindo que filmes, programas de TV, histórias em quadrinhos e música viajassem livremente pelo estreito. Inicialmente, alguns temiam que o produto japonês superior dizimasse o mercado coreano - mas o resultado foi o oposto, pois os dramas coreanos e o K-pop começaram a florescer no mercado japonês.

Inúmeras leis foram aprovadas para proteger os direitos de propriedade intelectual e o fluxo de dinheiro decorrente de tais direitos, especialmente no que diz respeito a filmes e música. As leis também forneceram clareza sobre o status legal de formas emergentes de cultura pop na época, como videogames, clubes de música ao vivo para bandas indie e streaming online. Kim prometeu dedicar pelo menos 1% do orçamento do governo para a promoção das artes, elevando-o da faixa de 0,3% na época. Sua administração alcançou esse marco em 1999; parte do orçamento foi usado para estabelecer o Fundo de Promoção da Indústria Cultural, que forneceu empréstimos a juros baixos para criadores de conteúdo. Um dos beneficiários desse fundo, por exemplo, é a desenvolvedora de jogos Bluehole, mais conhecida por seu jogo online multiplayer PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), uma das plataformas de e-sports mais populares do mundo. Todas essas políticas formaram a base para o que veio a ser conhecido como hallyu, ou a “onda coreana”, uma onda global de popularidade de produtos da cultura pop coreana, incluindo filmes, programas de TV e música.

PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG).

Tom Clancy's Rainbow Six: Take-Down – Missions in Korea.
Esse jogo foi feito exclusivamente para a Coreia do Sul.

As sucessivas administrações sul-coreanas nem sempre aderiram à regra de distância do governo Kim, pois cederam à tentação de tentar controlar a cultura puxando os cordões da bolsa. O presidente conservador Lee Myung-bak, em uma tentativa de “equilibrar o poder cultural”, compilou uma lista negra de celebridades de esquerda para cortar o apoio público. Na administração seguinte de Park Geun-hye, a lista negra cresceu para incluir quase 10.000 nomes. Felizmente, porém, tais tentativas de subjugar as artes nunca foram normalizadas. Quando a lista negra foi revelada em 2016, tornou-se um dos focos dos protestos à luz de velas que derrubaram a presidência de Park por meio do impeachment. Com o princípio da distância restaurado, a cultura pop da Coréia do Sul teve outro ano de destaque em 2020: além do sucesso do BTS, o filme Parasita (Gisaengchung, 2019) de Bong Joon-ho - que foi um dos primeiros diretores a ser colocado na lista negra pelas administrações de Lee e Park - ganhou quatro prêmios da Academia, incluindo melhor filme.

A China certamente não carece da capacidade de fazer produtos fantásticos da cultura pop; na verdade, não faz muito tempo que Hong Kong era a capital cinematográfica da Ásia, com obras-primas de diretores como Wong Kar-wai e John Woo. O que falta, em vez disso, é uma liderança comprometida em apoiar as artes sem intervenção e a sociedade civil que disciplinaria a liderança se ela se desviasse desse princípio, como foi o caso de Kim Dae-jung e do corpo político da Coreia do Sul. Em vez disso, os controles sobre a cultura pop tornaram-se cada vez mais rígidos nos últimos oito anos sob Xi Jinping. Os líderes chineses que desejam maior poder brando fariam bem em prestar atenção ao diagnóstico simples de Kim: “A China não tem nada como o hallyu porque não é uma democracia”.

domingo, 13 de março de 2022

ARTE MILITAR: Sobrevoando o arrozal


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

Desenho do artista Julien Lepelletier, artista 2D da Drydock Dreams Games, baseada em Marselha, e ilustrador freelancer. A ilustração da revista em quadrinhos Air America: Sur la Piste Ho Chi Minh (Air America: Sobre a Trilha Ho Chi Minh) mostra um avião americano sobrevoando uma camponesa vietnamita:

"Arte de capa, F-105 Thunderchief gritando como um pássaro louco sobre o arrozal."

Versão com os títulos.

Quadrinhos militares são muito comuns, e muito populares, na Europa. O nível artístico é elevadíssimo e os temas são bem avançados, com estórias realistas, que não fogem dos temas pesados.

"A guerra é o inferno."

Leitura recomendada:

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Paraquedistas do 17º Regimento de Engenheiros de Montauban testam o novo exoesqueleto francês

Exercício de travessia para os testadores do 17e RGP, em Montauban.
(Foto 
DDM - Pierre Challier)

Do La Dépêche, 13 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de janeiro de 2022.

Uma ossatura de titânio e carbono articulada do pescoço aos pés, com hastes, rótulas e até vértebras... "Voilà, isso pesa 9kg mas deve economizar 25% do cansaço físico", sorri o Cabo-chefe Gaëtan ao colocar em seu exoesqueleto sobre sua treliça. Silhueta atlética agora enfeitada neste auxiliar que talvez, amanhã, seja a imagem do soldado do século XXI: "O objetivo é aumentar o desempenho em campo, principalmente no transporte de cargas pesadas em longas distâncias", resume o Major Francis que lidera a equipe de avaliação deste protótipo no 17º Regimento de Engenharia Paraquedista (17e Régiment du génie parachutiste, 17e RGP) de Montauban.

Os testadores do 17º RGP, em Montauban.
(DDM - Pierre Challier)

Gaëtan para os comandos, Alex para os sapadores e Melvyn para os mergulhadores, são três cabos-chefes atacando a primeira semana de testes a fim de testar o equipamento, cada um em sua especialidade. "Já vamos começar por ver se conseguimos ultrapassar os obstáculos enquanto estivermos equipados", especifica Melvyn dirigindo-se à rota da place d'armes.

Num chocalho inusitado, todos correm para o obstáculo, a "prancha irlandesa", a "girafa", a "parede de assalto" ou a trave e "passou!", apesar de uma flexibilidade e fricção aleatórias. "Mas fica quente rapidamente", aponta Alex. O que também traz à tona o assunto...

Porque o Afeganistão, Barkhane e o Sahel nos lembraram: hoje, um soldado em operação às vezes carrega mais de 50kg a 40°C na sombra, em terrenos extremamente hostis. Água, rações, armas, munições, proteções, capacete com óculos de visão noturna, meios de comunicação e computadores... equipado com o sistema FÉLIN – Fantassin à Équipement et Liaisons Intégrés / Infante com Equipamentos e Conexões Integrados – o combatente agora deve pensar também em suas baterias pesadas, para garantir energia elétrica… a fortiori se, amanhã, adicionarmos a ele um capacete RAFT, para "Realidade aumentada para o infante" que o tornará um soldado ainda mais conectado e coberto de sensores.

Os testadores do 17º RGP, em Montauban.
(DDM - Pierre Challier)

Os testadores do 17º RGP, em Montauban.
(DDM - Pierre Challier)

Neste contexto, "o exoesqueleto permite, portanto, transportar mais coisas, mais longe, sem fadiga e, em última análise, ter um soldado muito mais apto para o combate porque está menos cansado", concordam os estados-maiores, no papel, sem proibir, no entanto, o regresso… à mula, confia à parte um general de quatro estrelas. Chamado UPRISE, a Agência de Inovação de Defesa (AID) adquiriu este exoesqueleto dos canadenses de Mawashi.

"Na Guiana, na luta contra garimpeiros clandestinos, carrego 45kg com desnível de elevação em calor intenso. A primeira expectativa com esse novo tipo de equipamento será que não nos incomode e que possamos continuar praticando nossos gestos profissionais em operação", lembra Melvyn. "A roupa de proteção do sapador pesa 40kg, o capacete 15kg. Portanto, também veremos se é compatível", acrescenta Alex, Gaëtan se encarrega das missões de treinamento comando e todos realizam uma marcha de 15km no programa, com armas e uma mochila de 20kg mas também combate corpo-a-corpo no âmbito desta "campanha exploratória de simulação operacional" que partilham com o 1er RCP de Pamiers, sobre este exoesqueleto "passivo".

Os testadores do 17º RGP, em Montauban.
(DDM - Pierre Challier)

Os testadores do 17º RGP, em Montauban.
(DDM - Pierre Challier)

"Passiva"? Entenda que ele não funciona com motor e energia, mas “transferindo a carga para o solo” através de suas hastes e juntas esféricas, explica o Major Francis. Equipamento que, visualmente, é mais próteses ortopédicas do que futurismo biônico... Mas não impede o disparo em todas as posições, como os três testadores também experimentaram. "Às vezes é desconfortável, mas não interfere", concordam. Quanto a saltar de pára-quedas com ele? Será outra história.

Encontrar o equilíbrio

Entretanto, "além do ganho de resistência com redução da fadiga, o que buscamos é o valor tático que o exoesqueleto pode trazer para uma unidade aerotransportada, aumentando também o desempenho das capacidades do paraquedista em combate, tipicamente com infiltrações de nossos comandos no território inimigo a distâncias muito maiores", resume um oficial. O exoesqueleto, essencial para o soldado do futuro? Pelo menos um dos elementos que vai participar no conceito de "soldado aprimorado", na França, desde que saiba "encontrar o justo equilíbrio entre alta tecnologia e rusticidade", previne-se do lado da brigada paraquedista - 11e BP.

O conceito de soldado aprimorado não é novo. Consiste em usar várias substâncias e tecnologias para aumentar as habilidades físicas e cognitivas do combatente. Na França, a ministra dos Exércitos Florence Parly estabeleceu o marco da pesquisa, em dezembro passado, fechando oficialmente as portas para implantes neurológicos que já estão sendo testados em países menos observantes.

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Retrofuturismo nuclear com o bullpup Korobov

O fuzil bullpup Korobov TKB-408 em uma arte conceitual do jogo Nuclear Union.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de junho de 2021.

O retrofuturismo pós-apocalíptico é uma temática favorita dos países do Leste Europeu, com os grandes sucessos S.T.A.L.K.E.R. e Metro sendo ambientados em universos pós-apocalípticos com misturas de equipamentos e indumentárias de várias eras diferentes. O protagonista de União Nuclear é retratado carregando o fuzil bullpup Korobov TKB-408, um protótipo soviético de 1946.

O projeto russo-ucraniano União Nuclear (Nuclear Union em seu titulo em inglês), ou Nova União no original (Новый Союз / Novyy Soyuz), era um exemplar dessa tendência. Sendo um RPG em terceira pessoa, o mundo de União Nuclear é ambientado no pós-guerra nuclear de uma história alternativa onde a Crise dos Mísseis de Cuba em 1962 levou os Estados Unidos e a União Soviética à guerra nuclear. Ambos os lados arrasados, a União Soviética sobreviveu em um estado deplorável de semi-barbarismo, daí o nome original Nova União. Foram publicados três vídeos com trailers sobre o novo jogo.

Trailer de Anúncio


Trailer da Arte Conceitual


Trailer de Jogabilidade


Cinquenta anos depois da guerra, os fragmentos da União Soviética que foram rapidamente trazidos para a clandestinidade tornaram-se gradualmente um verdadeiro estado com sua própria capital, uma cidade chamada Pobedogrado. O principal protagonista do jogo é um ex-piloto da aviação militar soviética, que é enviado da cidade subterrânea de "Pobedogrado" no subsolo de Moscou para a superfície externa radioativa, para várias missões em nome do governo subterrâneo de Pobedogrado, incluindo o recuperação de tecnologias avançadas de guerra soviéticas pré-nucleares e a investigação de um conjunto de fenômenos estranhos e misteriosos que estão acontecendo na superfície externa; incluindo mutantes e atividades paranormais.

O jogo foi desenvolvido pela empresa ucraniana Best Way e deveria ser financiado e publicado pela editora russa 1C Company, com o lançamento para o Microsoft Windows marcado para 2014. No entanto, a empresa russa retirou o seu envolvimento no final de 2013 devido à instabilidade política na Ucrânia, resultando no cancelamento do jogo. Em fevereiro de 2014, tropas russas ocuparam a Criméia, no território ucraniano. O site do jogo permanece como um dos únicos vestígios do projeto. Nele, o protagonista senta-se observando a paisagem arrasada de Pobedogrado segurando o seu fuzil bullpup Korobov TKB-408 soviético.

Imagem do site novysoyuz.ru.

O TKB-408 Korobov foi um protótipo de fuzil bullpup do projetista soviético German A. Korobov em 1946, e que foi submetido a uma série de testes oficiais conduzidos, no mesmo ano, para selecionar um fuzil de assalto para o Exército Vermelho no calibre intermediário 7,62x39mm soviético. Assim como no caso do jogo União Nuclear, o bullpup de Korobov foi um projeto cancelado. A comissão do Exército Soviético considerou o TKB-408 insatisfatório, com os testes finalmente selecionando o AK-47 de Mikhail Kalashnikov; tornando o Korobov TKB-408 uma mera nota de rodapé na história das armas de fogo.

O fuzil TKB-408 teria sido esquecido completamente não fosse o desenho bullpup ser tão popular nos últimos anos. O russos tentaram outros projetos bullpup com o TKB-011, o TKB-022 e o TKB-0146 (que também estariam presentes no jogo). Os ucranianos também experimentaram com o conceito com o Vepr, uma conversão do AK-74. Na história do jogo, fuzis Korobov começaram a aparecer nas mãos de gangues contra-revolucionárias nas regiões de Ryazan e Tambov, na URSS, no início dos anos 1990. Estas gangues encontraram a documentação do TKB-408 e corrigiram suas deficiências. Nos documentos oficiais, o protótipo é referido como "Objeto 93" (Ob'yekt 93), em alusão ao ano da sua descoberta.

A sobrevida de um protótipo mal-sucedido é um enredo parecido com o uso do fuzil bullpup brasileiro LAPA no livro de ficção científica Selva Brasil, de Roberto de Sousa Causo; que, inclusive, tem um soldado brasileiro carregando o fuzil-metralhador argentino FARA 83 na capa. Em Selva Brasil, Jânio Quadros invade a Guiana Francesa e inicia uma guerra inter-geracional com as potências européias e os Estados Unidos, com uma aliança sul-americana lutando uma guerra de guerrilha.

Selva Brasil.
Roberto de Sousa Causo.

Trecho do livro:

"Em segundos, o tiroteio se transformou em uma barragem de fogo que vinha de todos os lados. Enfiei a cara na lama, levantei o fuzil e puxei o gatilho com toda a força. Por alguma razão, parei de respirar durante alguns segundos. Só tinha consciência de estampidos e zunidos e ricochetes e de impactos que se comunicavam do blindado pro chão e do chão pro meu peito.
Ouvi algumas explosões mais fortes -granadas-de-mão, na certa-, e a terra balançou mais intensamente debaixo do meu corpo, chocalhando meus dentes. Empunhei o meu LAPA M3. Ao meu lado Cides enfiou o FARA entre a lagarta e despejou um carregador de trinta tiros. Não tinha espaço pra que a arma ficasse na vertical e Cides deve tê-la virado com a face direita pra cima, porque os cartuchos expelidos batiam no fundo do blindado e caíam por cima da gente feito um chuveiro de rebites rubro-incandescentes - e só então notei que tinha deixado o capacete pra trás."

O vários protótipos russos e ucranianos não foram o fim dos bullpups eslavos. Além do fuzil VHS croata, projetado desde o início como um bullpup e seguindo a ergonomia do FAMAS, os fuzis da família AK vem sendo readaptados para o padrão bullpup no Oriente Médio nos anos recentes.

 Essas conversões realizadas em Idlib, na Síria, se tornaram onipresentes na atual guerra civil. Vários modelos são encomendados e convertidos para os combatentes, sendo empregados com miras ópticas modernas e camuflagens exóticas; de forma muito parecida com o universo sem lei de União Nuclear.

Apresentação do Korobov TKB-408 pelo Grupo Kalashnikov


Bibliografia recomendada:

Metro 2033.
Dmitry Glukhovsky.

Leitura recomendada:

O Exército Francês está contratando escritores de ficção científica para imaginar ameaças futuras, 3 de junho de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 1 Os americanos e a Primeira Guerra Interestelar, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 2 O exército do retro-futurismo, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 3 Para a glória da Infantaria Móvel, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Tropas Estelares - 4 Derrotar civilizações extraterrestres, 17 de fevereiro de 2020.

A Arte da Guerra em Duna, 17 de setembro de 2020.

O FAMAS no mercado de exportação4 de novembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

GALERIA: O Steyr AUG e os fuzis bullpup na Índia, 28 de julho de 2020.

GALERIA: Comandos Anfíbios Argentinos com o FAMAS, 17 de julho de 2020.

GALERIA: Cenas da Guerra da Indochina por Filip Štorch, 2 de maio de 2021.

sábado, 22 de maio de 2021

O “Júlio Verne militar”: Émile Driant alias Capitão Danrit


Do blog Theatrum Belli, 22 de fevereiro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2021.

Com o Centenário da Grande Guerra, as grandes figuras do conflito vão gradativamente sendo destacadas pelos historiadores e pela mídia. Uma figura desconhecida está sendo destacada, a do Tenente-Coronel Émile Driant, que morreu bravamente em combate em 22 de fevereiro de 1916, à frente dos 56º e 59º Batalhões de Chasseurs (Caçadores), no Bois des Caures, na eclosão da grande batalha de Verdun. De seus 1.200 caçadores, apenas cem sobreviveram ao ataque.

O que é ainda menos conhecido é que Émile Driant era genro do General Boulanger e um prolífico escritor de antecipação política e histórias de guerra sob o pseudônimo de capitão Danrit. Amigo de Paul Déroulède e Maurice Barrès, conhecido por sua franqueza, politicamente conservador, católico, anti-maçom (ele criou a Liga Anti-Maçom em 1904 após o escândalo do Caso das Cartas [Affaire des Fiches]) Driant foi impedido de avançar em sua carreira militar, apesar de um registro brilhante de serviço. Aos 50 anos, deixou o exército no final de 1905 para entrar na política e defender a instituição como parlamentar. Ele vai retomar o serviço em 1914 como tenente-coronel, mantendo seu mandato como deputado.

Entrevista com as Edições Gribeauval que decidiram reeditar grande parte da obra do Capitão Danrit.

Theatrum Belli: O Tenente-Coronel Driant é famoso por sua defesa heróica do Bois des Caures no primeiro dia da ofensiva de Verdun, mas poucos conhecem sua carreira de escritor. Como você descobriu sobre essas séries de antecipação militar que você se comprometeu a reeditar?

Edições Gribeauval: Foi Jean Mabire - do qual fui editor - quem me transmitiu o seu entusiasmo pela obra literária do Coronel Driant. Lembro-me que, na única biblioteca na entrada de sua casa no Quai Solidor em Saint-Servan - as outras salas continham muitas outras, já que ele tinha na época de sua morte cerca de 50.000 volumes - se encontra sua coleção de livros do "Capitão Danrit"... Ele desejava dedicar uma biografia a ele e contatou um dos filhos de Driant, que morava não muito longe de Saint-Malo e que mantinha os arquivos do coronel. Infelizmente, ele não os entregou, alegando escrever um livro ele mesmo... que nunca viu a luz do dia. Não sei se esta coleção de livros de Driant foi transmitida a Jean Mabire por seu pai, que pertencia à geração que comprou os fascículos dos folhetins de Driant na época de sua publicação ou se os havia encontrado durante suas longas peregrinações entre as livrarias da Cidade do Livro de Bécherel que ele vasculhou em busca da matéria-prima necessária para escrever os artigos de sua famosa coluna “Que lire?" ("O que ler?")...

TB: É surpreendente que Jean Mabire, um anglófilo ferrenho, pudesse se identificar com o incrível ódio à Inglaterra que animava Driant, um ex-oficial colonial que não havia digerido Fachoda...

EG: É preciso dizer que a política de Delcassé, ao realizar a Entente Cordiale, também possibilitou a Primeira Guerra Mundial e, portanto, a Segunda com a consequência da escravização das duas metades da Europa por uma superpotência extra-européia (ainda que a Rússia tenha sua capital na Europa). A aliança franco-alemã cara ao militante europeísta Jean Mabire só pôde ser alcançada no início do século XX às custas da Inglaterra... Essa foi a linha de Gabriel Hanotaux magnificamente defendida por Driant em seu folhetim A Guerra Fatal (La guerre fatale), que apresenta o confronto franco-inglês em um cenário de Anschluss na Europa Central e uma revolução nacionalista na Irlanda. Mabire era um anglófilo porque considerava a Inglaterra uma possessão normanda desde sua conquista por Guilherme - o bastardo conquistador, como ele chamou um pequeno volume que lhe dedicou - ele era, por outro lado, muito hostil ao liberalismo destrutivo de identidades e povos e, nisso, ele aderiu completamente às visões de Driant que, como todos os nacionalistas de sua geração, estava próximo das teses do catolicismo social. Ele não suportava o marxismo, já que escreveu (com Arnould Galopin) um folhetim sobre uma insurreição bolchevique (La Révolution de demain / A Revolução do Amanhã), mas estava extremamente preocupado com o bem-estar material das classes trabalhadoras... E os livros de Driant muitas vezes terminam com uma revisão política da Europa, indo além dos nacionalismos estreitos. A ideia de uma Europa política teve sua nobreza antes de ser ofuscada pela obsessão da União Européia com o livre comércio, e acredito que Jean Mabire se reconheceu nas projeções políticas de Driant.

TB: Por que você começou a reedição de "Captain Danrit" com A Invasão Negra?

EG: Os livros de Driant pertencem ao gênero - que ele pode ter inventado - de antecipação militar. Ele encena possíveis conflitos em curto prazo, ele escreve para alertar... Se no final de sua vida, pouco antes de se “realistar" no início da Grande Guerra, a única atividade civil - junto a de escritor - que encontrou à sua medida foi ocupar o cargo de parlamentar na Comissão de Guerra não é um acidente. Teve as qualidades de Ministro da Guerra, trabalhou com o sogro, o General Boulanger, quando ocupou o cargo. Isso foi o que travou, e até mesmo abalou, sua carreira - o tema de oficiais que não obtêm a promoção que merecem é um tema recorrente nos livros de Driant - tornando-o um político e não mais apenas um homem de guerra. Sua visão é sempre técnica e política. Técnico, porque aquele que chamamos de “Júlio Verne militar” traz em seus romances armas futurísticas, como o balão metálico na Invasão Negra (l’Invasion Noire) ou o submarino de dupla propulsão térmica e elétrica na Guerra Fatal (Guerre Fatale). Político, porque imagina as convulsões que se avizinham no mapa mundial.

O que é extraordinário sobre A Invasão Negra é que Driant sentiu, cento e vinte anos atrás, quando os europeus estavam dividindo a África como um bolo, que o Islã poderia cristalizar politicamente o ressentimento das populações colonizadas...

TB: Como Driant estrutura seu enredo para tornar um cenário muito improvável crível na época do folhetim?

EG: O desejo de vingança de um sultão turco deposto em favor de uma revolução palaciana e refugiado na África negra, a descoberta de minas de ouro (Driant não havia pensado em poços de petróleo: para ele, os automóveis cujo uso se tornaria generalizado seriam elétricos!) que lhe permitem financiar a compra de armas necessárias ao equipamento de populações ansiosas por vingarem-se dos europeus que os humilhavam, tudo sob a bandeira de Maomé... O enredo funciona perfeitamente e tem o mérito da originalidade em 1895 quando a maioria dos oficiais franceses tem os olhos fixos na linha azul dos Vosges... Obviamente, é uma história menos surpreendente hoje, com o surgimento do grupo Estado Islâmico e seus várias franquias locais que estão se espalhando pela metade norte da África, e o leitor não tem mais a impressão de folhear ficção científica. Dito isso, Driant tinha imaginação, mas não a ponto de supor que o exército muçulmano do qual ele pressentia a futura criação pudesse ser importado diretamente para o solo deles pelos europeus... Na lógica de sua época, ainda era necessário derrotar militarmente um país para conquistá-lo, e muito o teríamos surpreendido ao lhe dizer que, cem anos depois de sua morte, os grupos armados que fariam incursões assassinas no meio de Paris seriam compostos por cidadãos franceses!*

*Nota do Tradutor: Muçulmanos etnicamente norte-africanos de segunda ou terceira geração com cidadania francesa.


TB: Por que A Invasão Negra não foi reeditada por mais de um século?

EG: Para entender a bibliografia de Driant, você tem que saber que muitas vezes, quando você encontra um de seus folhetins em livrarias de segunda mão, este "livro" não apareceu como tal, mas foi feito pelo leitor que, após ter comprado pacientemente os fascículos durante meses e anos, juntou-os ele mesmo. É por isso que encontramos a Guerra Fatal apresentada em um grande volume ou em três menores, um para cada parte. Se coleções concebidas pela editora também existiram, é porque era uma forma de reciclar o restante dos fascículos, o que se chama de "bouillon" (caldo)... A publicação nas bancas d'A Invasão Negra data de 1895 e 1896. Depois disso, Driant escreveu outras sagas e cada folhetim perseguiu a anterior: as pessoas compravam as séries em curso e possivelmente títulos mais antigos em encadernação de editoras. Flammarion reeditou A Invasão Negra apenas uma vez, somente em 1913, e no formato de 12 polegadas (os fascículos originais estão no formato Jesus de 8 polegadas) e, além disso, o texto está truncado, desde as partes 3 e 4 (Em toda a Europa e Arredores de Paris) estão condensados ​​em um único volume chamado “Fim do Islã diante de Paris”… No Entre-Guerras (1918-1939), curiosamente, apesar da forte notoriedade adquirida por Driant após seu sacrifício no Bois des Caures, sua obra está desaparecendo das prateleiras... como se o culto ao herói que se criou em torno do sacrifício de seus caçadores em Verdun não acomodasse a competição duma glória literária póstuma.

TB: O que é mais surpreendente é que nenhuma reedição é feita durante a Ocupação, quando o trabalho do Capitão Danrit toca em todos os temas caros à Revolução Nacional...

EG: Exatamente: na Invasão Negra, por exemplo, para conter a ameaça islâmica, a França, o último bastião ocidental desde que a Europa Central não resistiu ao impulso dos jihadistas e a Inglaterra, cautelosa, espera em sua ilha o desfecho do confronto, livra-se de suas instituições democráticas para colocar seu destino nas mãos de um marechal - descendente da família de Joana d'Arc para garantir! Os ataques à Maçonaria e à imprensa também são recorrentes nos romances de Driant: não se deve esquecer que sua saída do exército no final de 1905 foi o resultado do Caso das Cartas... Talvez um dos motivos de sua falta de visibilidade nos catálogos das editoras seja a impropriedade política com os padrões atuais da obra literária de Driant. Mas, também pode ser, de forma mais simples, um bloqueio de direitos de publicação, como costuma acontecer no mercado editorial. Veremos quais iniciativas editoriais serão tomadas agora que, tendo caído no domínio público, seus livros podem ser publicados por qualquer pessoa (mas não de qualquer um, espero!).

TB: Exatamente, conte-nos sobre sua reedição d'A Invasão Negra e os títulos de Driant que você planeja publicar em breve.

EG: Eu queria fazer algo um pouco original, para combinar com esse folhetim totalmente incrível. Escolhi um formato administrável em relação aos padrões atuais: você não lê mais sentado à mesa: os livros muito volumosos devem, portanto, ser evitados, principalmente para a literatura de lazer, pois, mesmo profético e altamente documentado, um folhetim continua sendo um folhetim. Os volumes têm, portanto, quinze centímetros de largura por vinte e dois de altura. Ao manter um corpo claramente legível (o fiz em Garamond 12), encaixamos cada uma das quatro partes da história (com suas gravuras) em um volume de pouco menos de 400 páginas... Até agora, nada original... Mas quatro volumes, achei que merecia uma caixa. Eu tinha deixado de mandar fazer um recorte e ficar satisfeito com uma caixa de placa gráfica dobrada banal, quando tive a ideia de uma caixa de metal, uma caixa levemente blindada, enfim... Uma caixa capaz de resistir à violência da Invasão Negra... O protagonista não é Léon de Melval, pensando bem, mas sim o balão metálico que prefigura a aviação militar... Este balão, que parece uma espécie de pião, com os seus dois cones invertidos colocados um sobre o outro do outro, é blindado por placas de alumínio rebitadas entre si… Minha caixa obviamente tinha que ser assim! A caixa é, portanto, composta por seis peças de alumínio (idênticas aos pares) rebitadas entre si. Ficou mais ou menos, como se costuma dizer.

TB: Claro! Mas o uso do metal não se limitou à caixa, na sua reedição?

EG: Na verdade, achei divertido homenagear os livros de Júlio Verne, que foi a inspiração para a carreira de Driant como escritor (uma troca de correspondência entre os dois homens figura à testa d'A Invasão Negra) decorando as capas com motivos das famosas caixas de cartão Hetzel, misturados com as gravuras de Paul de Sémant que ilustram a série. Os livros têm capas moles, claro, não são caixas de papelão, mas usamos tinta metálica para tornar os padrões dourados realmente dourados... e não uma simulação de quatro cores. De qualquer forma, acho que o futuro da publicação impressa está em grande parte no livro-objeto bem elaborado, que é mais do que o suporte do texto. Além disso, decidi usar a mesma fórmula para o relançamento da Guerra Fatal, que deve ser lançado na primavera: os três volumes no total representam quase o mesmo número de páginas que os quatro volumes d'A Invasão Negra. Portanto, também os apresentarei em uma versão de caixa de alumínio rebitada desde a máquina-herói, desta vez, é o submarino da classe “implacável” que não tem nada a invejar ao balão d'A Invasão Negra em termos de proteção metálica rebitada! Ainda não decidi sobre a apresentação da trilogia da Invasion Jaune (Invasão Amarela) constituída pelos dois volumes desta, precedida pela Ordre du Tzar (Ordem do Czar), em que alguns dos seus personagens já estavam evoluindo... Talvez do bambu. Preciso encontrar uma ideia e um fornecedor local...


TB: É uma peculiaridade de suas produções: em um momento em que muitos editores realocam sua produção para a Europa Oriental quando ela não é na Ásia, você faz questão de produzir na Bretanha...

LB: Com certeza! O recorte a laser das partes das caixas de alumínio é feito em Lamballe, a montagem por rebites (mais de quarenta por caixa) em nossa oficina ultra-artesanal em Saint-Méen-le-Grand, assim como a impressão e modelagem de livros. Tudo sem pedir um centavo de subsídio à região da Bretanha, que no entanto financia quase todas as pequenas editoras localizadas no seu território... Os princípios são feitos para serem aplicados e não apenas declarados! Deixe-me ser claro: esta produção local e, portanto, cara é possível graças à venda direta: se eu tivesse que dar entre um terço e metade do preço de venda de uma série como A Invasão Negra para um livreiro, nada seria possível. A venda é, portanto, apenas efetuada (para quem não recebe as nossas circulares em papel pelo correio) na nossa loja online comptoirdesediteurs.com...


Principais romances do Capitão Danrit:
  • A Guerra do Amanhã (Flammarion, 1888-1893, 6 volumes, 3 partes: “A guerra da fortaleza”, “A guerra do campo aberto”, “A guerra do balão”);
  • A Guerra no Século XX; A Invasão Negra (Flammarion, 1894, 3 partes: "Mobilização africana", "A grande peregrinação a Meca", "Fim do Islã na frente de Paris");
  • Jean Tapin (série "História de uma família de soldados", I, Delagrave, 1898);
  • Os Afilhados de Napoleão (série "História de uma família de soldados", II, Delagrave, 1900);
  • Pequeno Marsouin (Série "História de uma família de soldados", III, Delagrave, 1901);
  • A Bandeira dos Caçadores a Pé (Matot, 1902);
  • A Guerra Fatal (Flammarion, 1902-1903, 3 volumes, 3 partes: "Em Bizerte", "No submarino", "Na Inglaterra");
  • Evasão do Imperador (Delagrave, 1904);
  • Ordem do Czar (Lafayette, 1905);
  • Rumo a uma Nova Sedan (Juven, 1906);
  • Guerra Marítima e Submarina (Flammarion, 1908, 14 volumes);
  • Robinsons do Ar (Flammarion, 1908);
  • Robinsons Submarinos (Flammarion, 1908);
  • O Aviador do Pacífico (Flammarion, 1909);
  • A Greve de Amanhã (Tallandier, 1909);
  • A Invasão Amarela (Flammarion, 1909, 3 volumes: "A mobilização sino-japonesa", "Ódio dos Amarelos", "Através da Europa");
  • A Revolução de Amanhã (com Arnould Galopin, Tallandier, 1909);
  • O Alerta (Flammarion, 1910);
  • Um Dirigível no Pólo Norte (Flammarion, 1910);
  • Acima do Continente Negro (Flammarion, 1912);
  • Robinsons subterrâneos (Flammarion, 1913, republicado com o título A Guerra Subterrânea).
Bibliografia recomendada:

Conquêtes 1: Islandia.

Leitura recomendada:





A Arte da Guerra em Duna, 17 de setembro de 2020.

terça-feira, 20 de abril de 2021

Pela primeira vez, o Exército Francês está experimentando mulas-robô em uma operação estrangeira

Teste da mula-robô Robopex GACI com o 1º Regimento de Tirailleurs antes do desdobramento na Operação Barkhane, 20 de outubro de 2020.

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 20 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de abril de 2021.

Em outubro de 2020, ficou implícito que o 1º Regimento de Tirailleurs (1er Régiment de Tirailleurs, 1er RTir) seria a primeira unidade do Exército a usar robôs "mulas" durante uma operação externa, neste caso, no Mali, onde formaria o espinha dorsal do Grupamento Tático do Deserto (Groupement tactique Désert, GTD) "Lamy". Em qualquer caso, ele havia se preparado para isso antes de sua "projeção" no Sahel. Porque, afinal, e por um motivo que não foi especificado, não foi esse o caso.

Com efeito, neste 20 de abril, o Exército indicou que "quatro mulas drones terrestres" tinham acabado de chegar "à plataforma operacional do deserto de Gao" (plateforme opérationnnelle désert de Gao, PfOD), para serem objeto de um experimento no seio do GTD "Bison", armado pelo 126º Regimento de Infantaria (126e Régiment d’Infanterie, 126e RI) e reforçado pelo 2º Regimento de Infantaria de Tropas Navais (2e Régiment d’Infanterie de Marine, 2e RIMa), o Regimento de Infantaria de Tanques de Tropas Navais (Régiment d’Infanterie Chars de Marine, RICM), o 6º Regimento de Engenheiros (6e Régiment du Génie, 6e RG) e o 11º Regimento de Artilharia de Fuzileiros Navais (11e Régiment d’Artillerie de Marine, 11e RAMa).

"Esta é a primeira vez que o exército francês experimenta drones terrestres em operações ao ar livre", disse o chefe de batalhão Jean-Charles, líder da equipe do projeto "Battle Lab Terre".

O fato de um robô mula ser desdobrado em Gao não é sem precedentes, no entanto. O destacamento de infantaria da Estônia usou o THeMis da Milrem Robotics lá por vários meses. E o feedback tem sido muito positivo, a máquina percorreu 1.200km em mais de 330 horas de operação, em condições muito difíceis (terreno abrasivo, temperaturas de + 50ºC).

O modelo que será utilizado pelo GTD Bison é o Robopex GACI, um robô oferecido pela SME GACI Rugged Systems, associada à israelense Roboteam. Esta escolha, que surpreendeu em relação a outros possíveis candidatos, rendeu-se a críticas. E Emmanuel Chiva, diretor da Agência de Inovação em Defesa (Agence de l’Innovation de la Défense, AID), teve que se explicar.


“Lançamos um concurso europeu para adquirir um robô e testá-lo em operação. A PME que venceu a competição não é israelense, mas 100% francesa. Ela se ofereceu para montar componentes mecânicos e eletrônicos de origem israelense na França, da mesma forma que uma empresa usa componentes de origem chinesa para montar um computador. Portanto, não se pode dizer que temos um robô israelense”, argumentou Chiva, observando que o custo foi decisivo, já que se tratava, então, de experimentar um conceito.

O Robopex é capaz de transportar 750kg de carga por oito horas, a uma velocidade de 8km/hora. Isto deverá permitir “reduzir o cansaço físico dos combatentes, libertando-os de parte dos seus equipamentos ou das suas bagagens”, espera o “Battle Lab Earth”. Trata-se de solicitar as quatro unidades destacadas para missões logísticas e de assegurar a ligação entre dois grupos distantes. “Suas câmeras a bordo permitem que o operador controle remotamente o robô fora da vista usando feedback de vídeo de seu controle remoto”, diz ele.

O desafio é ver se essas mulas-robô atendem às necessidades da força Barkhane em um teatro "tão exigente" quanto o Sahel. Mais será conhecido até o final do mandato do GTD Bison, em três meses.

Bibliografia recomendada:

Conquêtes (1): Islandia

Leitura recomendada:

GALERIA: Mulas ou Blindados?, 12 de abril de 2021.


FOTO: Robô exterminador, 28 de fevereiro de 2021.