domingo, 9 de janeiro de 2022

Vendas de armas chinesas na América Latina: Desafio aos Estados Unidos?

Pelo Capitão George Gurrola, Military Review, julho-agosto de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de janeiro de 2022.

Venda de armas China-América Latina:

Antagonizando os Estados Unidos no Hemisfério Ocidental?

O engajamento entre a República Popular da China e a região da América Latina e Caribe (ALC) durante o século XXI é destacado por seu extraordinário aumento nas relações comerciais, políticas e militares. Desde a entrada da China na Organização Mundial do Comércio em 2001, ela se tornou um parceiro cada vez mais vibrante para a região. Os bancos chineses alugaram aproximadamente “US$ 22,1 bilhões para governos latino-americanos, mais do que os empréstimos combinados de dois credores multilaterais tradicionais, o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento”.[1] A maioria dos pesquisadores e formuladores de políticas seniores dos EUA têm se concentrado na atividade econômica chinesa, destacando "sua venda de produtos cada vez mais diversificados e sofisticados no mercado latino-americano e caribenho".[2]

Semelhante ao forte aumento das relações econômicas da China, ela também expandiu significativamente seu engajamento militar, criando oportunidades para expandir seu mercado de armas na região da ALC. No entanto, pouca avaliação foi feita sobre a emergência da China no mercado de armas da região, particularmente como essa emergência pertence à estratégia abrangente da China em construir influência e fortalecer parcerias militares.[3]

As tropas das forças especiais venezuelanas desembarcam de uma aeronave de transporte Y-8F-100 da Força Aérea venezuelana de fabricação chinesa em 1º de setembro de 2015 perto da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia em La FrÍa, estado de Táchira, Venezuela. A Venezuela comprou oito das aeronaves Y-8 da China em 2011.
As exportações de armas chinesas para países da América Latina e do Caribe aumentaram nas últimas duas décadas, à medida que a China busca maior influência econômica e política na região.
(Foto de George Castellano/ Agence France-Presse)

A venda de armas chinesas tem várias implicações para a região da ALC. Por um lado, as exportações de armas são um símbolo da posição de um país no sistema hierárquico global de produção de armas.[4] A produção de armas eficiente pode gerar receitas e equilibrar os custos relacionados à pesquisa e desenvolvimento de defesa.[5] Em um nível funcional, os exércitos devem adquirir armas que tenham um ciclo de vida sustentável. Também se pode argumentar que a exportação de armas é um componente-chave na política externa de uma nação e pode ajudar a garantir a influência, ou "poder brando" (soft power). Simplificando, a expansão das exportações de armas pode fornecer vários benefícios e pode refletir os interesses de uma nação no exterior. Na América Latina, o aumento nas vendas de armas complementou as metas da China de “garantir o acesso aos recursos naturais e aos mercados de exportação”.[6] É importante notar que o "complemento" da China difere de "facilitação". “Se este último se tornar mais proeminente, pode ser um indicador válido ou um aviso de uma mudança significativa no ambiente de segurança.”[7] Dados os obstáculos burocráticos na expansão da indústria de defesa de uma nação para competir no mercado global de armas, analisando os fluxos de armas da China para a América Latina podem fornecer mais informações específicas sobre a maturidade das relações militares sino-latino-americanas.

A literatura e os dados mais recentes sugerem que há uma tendência ascendente nas exportações chinesas para a região da ALC, especificamente nas exportações de armas.[8] Mas, quais são os fatores por trás do aumento notável das exportações chinesas de armas para a região? Isoladamente, que características singulares existem nas relações sino-latino-americanas que facilitaram o aumento da venda de armas? Esta pesquisa pretende responder a essas questões. A pesquisa e os dados de 2000 a 2016 demonstram que, à medida que as relações políticas e econômicas aumentaram, as vendas de armas de Pequim também aumentaram. Uma combinação de fatores que incluem as tendências ideológicas dos países, particularmente nos países da Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América (Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, ou ALBA), e uma vantagem comparativa em produtos de defesa facilitou o aumento da venda de armas.[9]

Como tal, esta pesquisa busca compreender os meandros da política da China para a América Latina e as tendências de suas exportações de armas, tanto globalmente quanto na região da ALC. A pesquisa conclui com implicações estratégicas para a região e os Estados Unidos, enquanto fornece uma previsão para as futuras exportações de armas chinesas para a região.

Antecedentes: A Política Chinesa

A evolução dos documentos de política da China em relação à América Latina demonstra a importância de construir relacionamentos e se envolver na venda de armas. Em seu documento de política de 2008, a China descreve sua disposição de “fornecer assistência para o desenvolvimento do exército nos países da América Latina e do Caribe”.[10]

Tabela 1. Distribuição geográfica de saídas de armas da China, por porcentagem (1950-2016) (a tabela é a adaptação do autor do original de Zhifan Luo (2017) e atualização do autor do Stockholm International Peace Research Institute)

Seu documento de política de 2016 reitera a importância de “realizar ativamente intercâmbios militares e cooperação com os países latino-americanos e caribenhos, aumentar os intercâmbios amigáveis entre oficiais de defesa e militares dos dois lados” e expandir “os intercâmbios profissionais em treinamento militar, treinamento de pessoal e manutenção da paz”. Notavelmente, o documento de política de 2016 destaca "o aprimoramento da cooperação no comércio militar e tecnologia militar". 11 Além disso, o documento de política oficial da China, "Estratégia Militar da China", descreve especificamente a importância de elevar o nível das relações militares, afirmando que "continuará os laços militares amistosos tradicionais com suas contrapartes africanas, latino-americanas e do Pacífico Sul.”[12] Por meio da análise de seus documentos de política, é evidente que a emergência da China na região resulta de ter priorizado a construção de relações militares, especificamente complementadas pela venda de armas.

Características das Exportações de Armas Chinesas

Desembarque anfíbio venezuelano.

Compreender a evolução do total das exportações globais de armas da China e sua distribuição geográfica fornece o pano de fundo necessário para destacar a recente mudança para o mercado de armas da América Latina. Tanto a tabela 1 quanto a figura 1 demonstram a evolução das exportações de armas da China. A tabela mostra os delineamentos das exportações de armas da China entre os anos e as porcentagens por distribuição geográfica. É importante notar a baixa quantidade de vendas e trocas militares entre a China e a América Latina antes de 2000, especialmente quando se considera a mudança da política externa americana após o 11 de setembro. Em contraste, o período após 2000 é caracterizado por uma expansão significativa nos mercados da África e da América Latina.[13]

No geral, o aumento das exportações globais de armas da China indica um “surgimento de uma estratégia global que tenta estender o alcance econômico, político e possivelmente militar da China.”[14] A Figura 1 demonstra o enorme aumento da China nas exportações globais de armas de 1990 a 2016. Comparando em períodos de cinco anos, as exportações globais de armas da China tiveram um aumento acentuado de 88% de 1990 a 2015.[15] Além disso, durante o período de 2011-2015, a China se tornou “o terceiro maior exportador de armas com US$ 8,5 bilhões em exportações”, atrás tanto dos Estados Unidos quanto da Rússia.[16] Embora os principais destinatários das vendas de armas chinesas sejam Paquistão, Bangladesh e Mianmar, ela também expandiu sua base de clientes para outras regiões, principalmente África e América Latina.[17]

Figura 1. Valor das Exportações Globais de Armas da China, 1990–2016 (US$ Milhões) (Figura cortesia do Banco de dados de transferências de armas do Stockholm International Peace Research Institute, http://www.sipri.org/databases/armstransfers)

Conforme observado na tabela 1 e na figura 2, a entrada da China no mercado de armas latino-americano é relativamente nova (desde 2000) e pode ser considerada como parte de uma nova estratégia abrangente para a região. Como tal, existem várias tendências dignas de nota na expansão do envolvimento militar da China na América Latina. Antes de 2000, as vendas de armas chinesas eram limitadas a equipamentos de baixo nível e suprimentos militares, como armas portáteis e uniformes.[18]

Um olhar mais atento sobre a evolução das importações por país demonstra que o crescimento das vendas na região é inicialmente atribuído e facilitado pelas tendências ideológicas de um país, principalmente nos países da ALBA. Como pode ser visto na figura 2, os estados membros da ALBA, Venezuela, Equador e Bolívia, representam a maior parte da fatia de mercado das importações de armas da China. Em suas próprias publicações, a ALBA se identifica como uma organização "anti-imperialista" e "anti-neoliberal" que defende um modelo econômico socialista.[19] Como observa um relatório da Comissão EUA-China, isso destaca uma possível correlação com "orientação anti-EUA da política externa dos compradores”.[20] Além disso, a política de “não-intervenção” da China torna as vendas de armas atraentes para os países.[21] Com base apenas nas vendas de armas da China, pode-se inferir que sua intenção na região é expandir sua influência política enquanto assegura um futuro militar presença na região.

Figura 2. Valor das importações de armas da China, por país, 2000–2016 anual (US$ Milhões) (Figura cortesia do Banco de dados de transferências de armas do Stockholm International Peace Research Institute, http://www.sipri.org/databases/armstransfers)

Outro fator que contribuiu para o aumento nas vendas de armas é a vantagem comparativa relativa da China. Por um lado, os produtos da China são menos caros do que os oferecidos pelos tradicionais fornecedores internacionais de armas, como os Estados Unidos e a Rússia. Mais recentemente, a China continua a fazer incursões em outras nações além dos Estados membros da ALBA.[22] Isso indica uma emergência no mercado como um ator importante. Em 2009, “o Peru - um parceiro econômico importante para os Estados Unidos na região e apoiador da Parceria Trans-Pacífico liderada pelos EUA - comprou quinze mísseis terra-ar (Surface-to-air missile, SAM) portáteis FN-6 da China em um acordo de US$ 1,1 milhão, junto com mais dez de seus SAMs. Então, em 2013, comprou 27 lançadores de foguetes múltiplos em um negócio de US$ 39 milhões.” [23] Um avanço potencial para as vendas de armas chinesas na região veio em 2015, quando a então presidente argentina Cristina Fernández de Kirchner aprovou uma grande compra de armas. O acordo, perto de US$ 1 bilhão em equipamentos chineses, incluía “veículos blindados, jatos de combate e navios da marinha”. [24] No entanto, o presidente Mauricio Macri, que é considerado mais pragmático e moderado do que seu antecessor, ajustou várias iniciativas sino-argentinas, incluindo suspender a compra de armas significativamente grande. [25] Apesar do adiamento da Argentina, esses desenvolvimentos recentes indicam que as vendas de armas chinesas continuam a fazer incursões com os militares latino-americanos.

O Caso das Exportações de Armas China-Venezuela

A importância das exportações da China para a região é melhor explicada examinando o caso da Venezuela. A Venezuela é o principal comprador de produtos de defesa chineses na região, o que parece demonstrar a importância das relações ideologicamente alinhadas para o desenvolvimento das relações com a China. A relação bilateral de defesa da China e da Venezuela começou a se fortalecer em 1999, quando o falecido presidente Hugo Chávez visitou Pequim. Posteriormente, ambos os países começaram a aumentar o engajamento militar com intercâmbios de alto nível de defesa e intercâmbio de pessoal. Por um lado, a percepção de uma potencial invasão dos EUA moldou a decisão de Chávez de aumentar as importações de armas, o que também proporcionou uma oportunidade para aumentar a cooperação com a China.

Especificamente, as exportações de armas foram alimentadas pelo embargo americano de 2006 às transferências de armas, tornando obsoletos seus equipamentos fabricados nos EUA.26 As tensões na região também foram impulsionadas pelo anúncio da Colômbia de que aumentaria seus gastos militares para valores históricos. [27] É importante observar que a relação bilateral Venezuela e Colômbia foi marcada por disputas de fronteira marítima sobre “a área da região do golfo ao norte de Maracaibo e a Península de Guajira, entre o lago e o Caribe”. [28] Além disso, durante esse período, a diplomacia diplomática as relações atingiram o ponto mais baixo devido às políticas do presidente colombiano Álvaro Uribe em relação à Venezuela. Uribe tentou enviar tropas colombianas para o outro lado da fronteira para perseguir os rebeldes das FARC. Vários fatores levaram ao aquecimento das relações sino-venezuelanas. Pode-se argumentar que, como resultado de uma invasão americana percebida e tensões com a Colômbia, Chávez se voltou para a China em busca de equipamento militar.

As grandes compras da Venezuela foram únicas no mercado de armas latino-americano, tanto por sua sofisticação quanto por seu escopo. Conforme representado na tabela 2, esses sistemas de armas eram diversos e abrangiam todo o espectro de capacidades militares, incluindo sistemas de comunicação, mísseis antiaéreos, veículos anfíbios, caças a jato e helicópteros. [29] Entre os armamentos mais sofisticados estava o treinador à jato L-15 da Hongdu Aviation Industry Corporation, que fornece à Venezuela uma plataforma de aviação avançada. Simplificando, uma combinação de ideologia anti-EUA e uma preferência por aquisições sem amarras impulsionaram a compra de armas da China pela Venezuela.

Os transportadores blindados de pessoal VN-4 “Rhinoceros” e de fabricação chinesa da Venezuela dirigem em 5 de março de 2014 em um desfile que comemora a morte de Hugo Chávez em Caracas, Venezuela.
A Venezuela importou centenas de veículos da China nos últimos anos, junto com dezenas de aeronaves, vários sistemas de armas e outros tipos de equipamento militar.
(Foto de Xavier Granja Cedeño, Ministério das Relações Exteriores do Equador)

Além disso, da perspectiva chinesa, suas exportações de armas também influenciam o acesso às concessões de petróleo, incluindo preços do petróleo favoravelmente baixos. Isso está em consonância com a interação da China com outros parceiros produtores de energia, uma vez que "muitos Estados que vendem petróleo ou concessões de petróleo para a China - Iraque, Irã, Sudão, Angola e Nigéria - também são compradores de armas chinesas". [30] Como o maior importador líquido de petróleo do mundo, a estratégia da China para garantir petróleo inclui um componente de fornecimento de armas. [31]

Crescimento da China e suas implicações

Embora a Pesquisa da Indústria de Defesa Mundial de 2017 indique que a China deverá ver um crescimento contínuo das vendas de armas globais nos próximos cinco anos, este pode não ser o caso na região. [32] Por um lado, muitas forças armadas na região são confrontadas com equipamentos ultrapassados que requerem modernização e podem recorrer à indústria de defesa da China para diversificar seus equipamentos. Isso proporcionaria uma oportunidade para as empresas de defesa chinesas aumentarem suas vendas. No entanto, as vendas de armas chinesas enfrentam vários outros desafios no curto prazo. Por um lado, a turbulência política e a incerteza econômica podem causar uma redução líquida nos gastos com defesa na América Latina no mesmo período, impactando as compras de armamentos. [33] Este é particularmente o caso da Venezuela, o principal cliente da China na região. [34] A Venezuela enfrenta atualmente uma crise política e humanitária e uma queda nos preços do petróleo, que é uma importante fonte de sua receita. Isso impacta diretamente seus gastos com defesa e pode inibi-la de comprar armas chinesas no curto prazo. [35]

Além disso, um aumento nas exportações de armas chinesas, especialmente em volume e sofisticação, pode fornecer um indicador de que a China não tem mais medo de antagonizar os Estados Unidos em seu próprio “quintal”. A crescente presença chinesa no hemisfério ocidental continua a aumentar, enquanto a resposta dos EUA tem sido limitada. Em essência, as vendas de armas garantem relacionamentos militares de longo prazo e oferecem oportunidades únicas de treinamento para as duas forças armadas envolvidas, uma vez que as vendas de armas chinesas não apenas fornecem equipamentos, mas também exigem treinamento e manutenção especializados.

Tabela 2. Transferências de armas importantes da China para a Venezuela: negócios com entregas ou pedidos feitos para 1990-2016 (Tabela cortesia do Banco de dados de transferências de armas do Stockholm International Peace Research Institute [em 30 de novembro de 2017], http://www.sipri.org/database/armstransfers)

Resta saber se a China pode continuar a aprofundar relacionamentos no nível de pessoa para pessoa. Mais importante ainda, isso pode fornecer ao pessoal militar chinês mais acesso à doutrina, programas e equipamentos militares dos EUA. Talvez tirada do programa de treinamento e educação militar internacional dos EUA, a China se aproximou mais ao “financiar viagens exuberantes para que oficiais militares latino-americanos vivam e estudem” na China. [36] Como resultado, isso afeta a segurança dos EUA e as relações bilaterais na região.

Comandante do Exército da Região Militar de Lanzhou da China, Liu Yuejun, cumprimenta o ministro da Defesa da Venezuela, General Vladimir Padrino, em 17 de abril de 2015, durante visita a Caracas, Venezuela. A Venezuela é o principal comprador de produtos de defesa chineses na região da América Latina e Caribe.
(Foto de Boris Vergara / Xinhua / Alamy Live News)

Além disso, a produção e transferência de armas passam por um processo de aquisição de uso intensivo de recursos e superam grandes obstáculos burocráticos. Nesse contexto, é importante destacar que sistemas de armas letais, como mísseis ou tecnologia nuclear, ainda não fazem parte da exportação de armas. Os Estados Unidos devem estar atentos aos ganhos militares gerais da China, incluindo suas características de comércio de armas, intercâmbios de treinamento de pessoal e programas do idioma mandarim na região. Como observa o estudioso latino-americano Gonzalo Paz, “quando as armas e os sistemas de armas se tornam uma parte importante do comércio, como nos casos da Alemanha Nazista e da URSS, a percepção do desafio hegemônico nos Estados Unidos, e de ameaça, ganha peso”. [37] A análise das exportações de armas da China pode fornecer um vislumbre de como ela "se organiza internamente e como pode tentar estender seu alcance e se tornar uma potência mundial." [38]

Conclusão

Esta análise delineou as tendências e fatores atuais que levam ao aumento das vendas de armas da China para a América Latina. Como mostram os dados, as vendas de armas da China tiveram um aumento paralelo ao aumento das relações políticas e econômicas com a região. Como observa a Comissão de Segurança e Economia dos Estados Unidos-China, “a China tem buscado melhorar sua presença diplomática por meio de um número crescente de visitas de alto nível, cooperação militar e intercâmbios, e envolvimento em várias organizações regionais”. [39] A venda de armas complementa diretamente as relações diplomáticas chinesas e oferece oportunidades adicionais de construção de relacionamento. Elas promovem uma coordenação mais ampla das embaixadas, ao mesmo tempo que criam familiaridade entre os militares da China e seus homólogos. Além disso, como a China continua a cimentar suas relações econômicas e militares com a região, é possível que os líderes latino-americanos se tornem mais abertos à compra de equipamentos de defesa chineses, especialmente se a China continuar a melhorar a qualidade de seus produtos de defesa.

No que diz respeito às relações militares sino-latino-americanas, existe potencial para pesquisas no que diz respeito à cooperação espacial. Embora não incluída nas estatísticas de exportação de armas, a cooperação espacial continua a aumentar. Ao contrário de seu documento de política de 2008 para a América Latina, o documento de política de 2016 da China destaca sua intenção de "explorar ativamente a cooperação entre os dois lados em áreas como comunicação e satélites de sensoriamento remoto, aplicação de dados de satélite, infraestrutura aeroespacial e educação e treinamento espacial". [40] Joint ventures na produção e operação de satélites estão em andamento, incluindo a polêmica “Estação Espacial Profunda” no sul da Argentina. [41] Resta ver como a cooperação espacial se desenvolve, especialmente quando se considera o duplo propósito que os satélites espaciais fornecem. Se as exportações de armas servirem de indicação, a China continuará a aumentar seus relacionamentos em todo o espectro.

Embora esta análise se concentre nas exportações de armas da China para a América Latina, uma discussão crítica adicional pode se concentrar em sua estratégia global de vendas de armas. Alguns especialistas avaliam que sua expansão de armas pode ser atribuída à sua estratégia abrangente para aumentar seu poder brando e construção de imagem. Curiosamente, todos os destinatários das exportações de armas da China são "países de renda baixa e média". [42] Se a África é uma indicação da política futura da China na América Latina, o que sugerem as tendências atuais de vendas de armas? Os mercados de armas da África e da América Latina são relativamente novos para as empresas chinesas. Além disso, ambas as regiões requerem e demandam armas de alcance baixo a médio, o que representa uma oportunidade para a expansão chinesa. Resta saber se a China irá espelhar sua abordagem de “poder duro” na África, onde estabeleceu uma base militar permanente no Djibouti e desdobrou várias tropas em apoio às missões de paz no Sudão do Sul. Como observa o Dr. R. Evan Ellis, “nada no discurso público da liderança, documentos de política ou debates chineses sugere que a América Latina seja considerada no curto prazo como uma base para operações militares”. [43]

Notas
  1. Rebecca Ray e Kevin Gallagher, “China-Latin America Economic Bulletin, 2015 Edition,” Boston University Global Economic Governance Initiative, acessado em 23 de março de 2018, https://www.bu.edu/pardeeschool/files/2015/02/Economic-Bulletin-2015.pdf.
  2. R. Evan Ellis, “Should the U.S. Be Worried about Chinese Arms Sales in the Region?,” Global Americans, 11 de maio de 2015, acessado em 23 de março de 2018, https://theglobalamericans.org/2015/05/should-u-s-be-worried-about-chinese-arms-sales-in-the-region/.
  3. Sanjay Badri-Maharaj, “China’s Growing Arms Sales to Latin America,” Institute for Defence Studies and Analyses, 20 de junho de 2015, acessado 6 de novembro de 2017, https://idsa.in/idsacomments/china-growing-arms-sales-to-latin-america_sbmaharaj_200616.
  4. Keith Krause, Arms and the State: Patterns of Military Production and Trade (New York: Cambridge University Press, 1992).
  5. Office of the Secretary of Defense, Annual Report to Congress: Military and Security Developments Involving the People’s Republic of China (Washington, DC: U.S. Department of Defense, 15 de maio de 2017), 21, acessado em 2 de abril de 2018, https://www.defense.gov/Portals/1/Documents/pubs/2017_China_Military_Power_Report.PDF.
  6. Ibid.
  7. Tenente-Coronel Chike Williams (Chefe da seção do Exército na Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, Brasil), discussão com o autor, 29 de dezembro de 2017. Williams trabalhou com o Escritório de Cooperação em Segurança e tem conhecimento íntimo em vendas de armas.
  8. R. Evan Ellis, China-Latin America Military Engagement: Good Will, Good Business and Strategic Position (Carlisle Barracks, PA: Strategic Studies Institute, 2011); U.S.-China Economic and Security Review Commission, 2017 Annual Report to Congress, 15 de novembro de 2017, 177, acessado em 2 de abril de 2018, https://www.uscc.gov/Annual_Reports/2017-annual-report; “SIPRI Arms Transfers Database,” Stockholm International Peace Research Institute, última atualização em 12 de março de 2018, acessado em 23 de março de 2018, http://www.sipri.org/databases/armstransfers.
  9. Wu Baiyi, “Why Is China Selling More Arms in Latin America?”, Conselheiro da América Latina, 14 de setembro de 2016, republicado em China and Latin America (blog), The Dialogue: Leadership for the Americas, 15 de setembro de 2016, acessado em 23 de março de 2018, https://chinaandlatinamerica.com/2016/09/15/why-is-china-selling-more-arms-in-latin-america/.
  10. “China’s Policy Paper on Latin America and the Caribbean,” The State Council, The People’s Republic of China, acessado em 9 de abril de 2018, http://www.gov.cn/english/official/2008-11/05/content_1140347.htm.
  11. “Full Text of China’s Policy Paper on Latin America and the Caribbean,” Xinhua, 24 de novembro de 2016, acessado em 23 de março de 2018, http://www.xinhuanet.com/english/china/2016-11/24/c_135855286.htm.
  12. “China’s Military Strategy (Full Text),” State Council, People’s Republic of China, 27 de maio de 2015, acessado em 23 de março de 2018, http://english.gov.cn/archive/white_paper/2015/05/27/content_281475115610833.htm.
  13. Jordan Wilson, “China’s Military Agreements with Argentina: A Potential New Phase in China-Latin America Defense Relations” (relatório de pesquisa, Comissão de Revisão de Segurança e Economia dos EUA-China, 5 de novembro de 2015), acessado em 23 de março de 2018, https://www.uscc.gov/Research/china%E2%80%99s-military-agreements-argentina-potential-new-phase-china-latin-america-defense; Zhifan Luo, “Intrastate Dynamics in the Context of Hegemonic Decline: A Case Study of China’s Arms Transfer Regime,” Journal of World-Systems Research 23, no. 1 (2017): 36–61.
  14. Ibid., 38.
  15. U.S.-China Economic and Security Review Commission, 2016 Annual Report to Congress, 16 de novembro de 2016, acessado em 23 de março de 2018, https://www.uscc.gov/Annual_Reports/2016-annual-report-congress.
  16. Ibid.
  17. “SIPRI Arms Transfers Database.”
  18. R. Evan Ellis, “Why Is China Selling More Arms in Latin America?,” Conselheiro para a América Latina, 14 de setembro de 2016, republicado em China and Latin America (blog), The Dialogue: Leadership for the Americas, 15 de setembro de 2016, acessado em 23 de março de 2018, https://chinaandlatinamerica.com/2016/09/15/why-is-china-selling-more-arms-in-latin-america/.
  19. “What is ALBA?,” Portal ALBA, acessado em 9 de abril de 2018, http://www.portalalba.org/index.php/quienes-somos.
  20. Wilson, “China’s Military Agreements with Argentina,” 7.
  21. Allan Nixon, “China’s Growing Arms Sales to Latin America,” The Diplomat, 24 de agosto de 2016, acessado em 23 de março de 2018, https://thediplomat.com/2016/08/chinas-growing-arms-sales-to-latin-america/.
  22. R. Evan Ellis, The Strategic Dimension of Chinese Engagement with Latin America (Washington, DC: William J. Perry Center for Hemispheric Defense Studies, 2013).
  23. Nixon, “China’s Growing Arms Sales to Latin America.”
  24. Kamilia Lahrichi, “Argentina Turns to China for Arms Supply,” Nikkei Asian Review (website), 9 de abril de 2015, acessado em 3 de abril de 2018, https://asia.nikkei.com/Politics/Argentina-turns-to-China-for-arms-supply.
  25. R. Evan Ellis, “Don’t Cry for Mauricio Macri’s Argentina,” Global Americans, 19 de janeiro de 2017, acessado em 9 de abril de 2018, https://theglobalamericans.org/2017/01/dont-cry-mauricio-macris-argentina/.
  26. James Murphy, “US Extends Arms Embargo on Venezuela,” Jane’s Defence Weekly 43, no. 35 (30 de agosto de 2006), 19.
  27. Jineth Bedoya, “Movilidad de las tropas será prioridad en gasto de $8,2 billones recogidos por impuesto de guerra,” El Tiempo (Bogotá), 6 de agosto de 2007.
  28. Daniel Hellinger, Global Security Watch—Venezuela (Santa Barbara, CA: Praeger, 2012)
  29. “SIPRI Arms Transfers Database.”
  30. Sergei Troush, “China’s Changing Oil Strategy and its Foreign Policy Implications,” Brookings Institute, 1º de setembro de 1999, acessado em 23 de março de 2018, https://www.brookings.edu/articles/chinas-changing-oil-strategy-and-its-foreign-policy-implications/.
  31. Candace Dunn, “China Is Now the World’s Largest Net Importer of Petroleum and Other Liquid Fuels,” U.S. Energy Information Administration, 24 de março de 2014, acessado em 23 de março de 2018, https://www.eia.gov/todayinenergy/detail.php?id=15531.
  32. Guy Anderson, “Jane’s World Defence Industry Survey 2017,” Jane’s Defence Weekly, 14 de setembro de 2017, acessado em 14 de novembro de 2017, http://janes.ihs.com/DefenceNews/Display/1817396 (adesão necessária para acesso).
  33. Ibid.
  34. “SIPRI Arms Transfers Database.”
  35. Lucas Koerner, “Venezuela Tops Latin America in Military Spending Cuts, Slashes Arms Budget by 34%,” Venezuelaanalysis.com, 16 de abril de 2015, acessado em 23 de março de 2018, http://venezuelanalysis.com/news/11343.
  36. Caroline Houck, “Beijing Has Started Giving Latin American Generals ‘Lavish,’ All-Expenses-Paid Trips to China,” Defense One, 15 de fevereiro de 2018, acessado em 12 de abril de 2018, http://www.defenseone.com/threats/2018/02/beijing-has-started-giving-latin-american-generals-lavish-all-expense-trips-china/146040/.
  37. Gonzalo Paz, “China, United States and Hegemonic Challenge in Latin America: An Overview and Some Lessons from Previous Instances of Hegemonic Challenge in the Region,” The China Quarterly 209 (março de 2012): 18–34.
  38. Luo, “Intrastate Dynamics,” 41.
  39. Katherine Koleski, “Backgrounder: China in Latin America,” Comissão de Segurança e Economia EUA-China, 27 de maio de 2011, acessado em 23 de março de 2018, https://www.uscc.gov/Research/backgrounder-china-latin-america.
  40. “Full Text of China’s Policy Paper on Latin America and the Caribbean.”
  41. Victor Lee, “China Builds Space-Monitoring Base in the Americas,” The Diplomat, 24 de maio de 2016, acessado em 23 de março de 2018, https://thediplomat.com/2016/05/china-builds-space-monitoring-base-in-the-americas/.
  42. Comissão de Revisão de Segurança e Economia dos EUA-China, Relatório Anual de 2017 ao Congresso, 15 de novembro de 2017, 177, acessado em 2 de abril de 2018, https://www.uscc.gov/Annual_Reports/2017-annual-report.
  43. R. Evan Ellis, China-Latin America Military Engagement: Good Will, Good Business and Strategic Position (Carlisle Barracks, PA: Strategic Studies Institute, 2011).

Sobre o autor:

O Capitão George Gurrola, Exército dos EUA, é um instrutor de espanhol no Departamento de Línguas Estrangeiras da Academia Militar dos Estados Unidos em West Point. Ele tem mestrado pela Escola de Serviço Estrangeiro da Georgetown University e bacharelado pela Texas A&M University. Ele serviu anteriormente no 205º Batalhão de Inteligência Militar; 3º Batalhão, 75º Regimento de Rangers; e a 2ª Divisão de Infantaria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário