Mostrando postagens com marcador Venezuela. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Venezuela. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de maio de 2022

O Vektor CR-21 plotado na Venezuela

Militares venezuelanos da FANB, um deles com o fuzil Vektor CR-21, 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de maio de 2022.

O Vektor CR-21 (Combat Rifle 21st Century / Fuzil de combate do século XXI) é um protótipo de fuzil de assalto sul-africano calibrado para a munição 5,56×45mm OTAN. É um fuzil raro de se ver e é mais outro fuzil incomum aparecendo em mãos venezuelanas.

Ele foi projetado pela Denel Land Systems como um possível substituto para o atual fuzil de assalto R4, uma cópia do Galil israelense de dotação da Força de Defesa Nacional da África do Sul; no entanto, a Denel Land Systems desde então mudou o foco para oferecer um fuzil de assalto R4 atualizado para a SANDF ao invés de um fuzil novo.

Soldado venezuelano com um Vektor CR-21.

O Vektor CR-21 é extremamente raro e ficou famoso pela sua aparição no filme de ficção científica sul-africano Distrito 9 (District 9, 2009). No filme, o fuzil de aparência futurista é usado pela força de intervenção rápida e é pintado de branco. Ao que se sabe, o Grupo de Acciones Comando da Guardia Nacional Bolivariana (GNB) comprou um lote para avaliação e os manteve em serviço em serviço tal qual ocorreu com outro bullpup, o FAMAS, que foi adquirido da mesma forma pelo exército.

Instrutor dos Comandos da GNB com um Vektor CR-21, 2013. 

Militares da GNB escoltando um prisioneiro em 2021.
O homem da esquerda tem um Vektor.

Detalhe com o Vektor CR-21.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 18 de abril de 2022

Nicolás Maduro permite que mineradores destruam florestas da Venezuela

Análise da The Economist: The Americas, 5 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de abril de 2022.

Parques e destruição: “Ecossocialismo” aparentemente significa demolir a natureza para construir mansões.

À medida que o voo duas vezes por semana de Caracas desce em direção ao parque nacional de Canaima, os funcionários da cabine pedem aos passageiros que olhem pelas janelas de bombordo para obter a melhor vista. É um bom conselho. Enormes montanhas de topo plano, com pelo menos 500 milhões de anos, emergem da neblina como antigos portais para outro mundo. Tudo parece pristino e intocado pela humanidade.

Mas olhe para o outro lado do avião e uma imagem mais triste aparece. Lá no vale, a floresta é marcada por manchas nuas de lama e areia, evidência da destruição causada pela mineração ilegal de ouro. E o governo da Venezuela, longe de tentar impedir essa pilhagem ambiental, está incentivando-a.


A Venezuela já foi conhecida por sua vegetação. Em 1977, tornou-se o primeiro país latino-americano a criar um ministério do meio ambiente. Vastas extensões de terra foram designadas como parques nacionais. Leis de conservação da vida selvagem foram promulgadas. Canaima, que era um parque protegido desde a década de 1960, tornou-se a flor mais brilhante de uma coroa floral. Naquela época, a PDVSA, a empresa estatal de petróleo, era bem administrada e forneceu tanto dinheiro aos sucessivos governos que eles viram pouca necessidade de derrubar as florestas do país.

Sob Nicolás Maduro, o ditador socialista da Venezuela que favorece Putin, um plano diferente está em andamento. Seu regime é carente de dinheiro e corrupto. Graças à má gestão e sanções, a PDVSA está em frangalhos, então Maduro está desesperado por novas fontes de receita. Da Amazônia ao Caribe, ele permitiu uma corrida desenfreada por minerais.

Essa corrida começou a sério em 2016, quando os preços do petróleo estavam dolorosamente baixos. Maduro anunciou que um território em forma de meia-lua com quase três vezes o tamanho da Suíça no sul da Venezuela estava aberto para os mineradores desenterrarem. Ele o chamou de Arco Minero, ou arco de mineração. O objetivo declarado era atrair investimentos para a extração de ouro, ferro, cobalto, bauxita, tantalita, diamantes e outros minerais.

Em 2019, depois que Maduro roubou uma eleição, os Estados Unidos impuseram sanções à PDVSA. A economia da Venezuela já estava afundando e o regime ficou ainda mais desesperado por dinheiro. “Tivemos que aprender rapidamente a depender menos do ouro negro e buscar ouro-ouro”, diz um executivo de Caracas.

Quando estiver em um buraco, comece a cavar

Alguns acordos legítimos foram assinados, inclusive com empresas de mineração chinesas, canadenses e congolesas. Mas nenhum levou a projetos significativos. Investimentos de longo prazo em um país com um governo tão predatório não são para os fracos de coração. Em vez disso, um vale-tudo começou no Arco Minero, uma corrida do ouro supervisionada por uma obscura aliança de narcotraficantes, generais, gangues e guerrilheiros colombianos, com o regime sugando uma grande parte dos lucros.

Em 2016, a Global Initiative, uma ONG, estimou que 91% do ouro venezuelano foi produzido ilegalmente. Desde que o senhor Maduro criou o arco de mineração, essa proporção provavelmente aumentou ainda mais. Uma investigação realizada em janeiro por Armando Info, um site de notícias independente, com o jornal espanhol El Pais, revelou que os dois principais estados mineiros de Bolívar e Amazonas têm pelo menos 42 pistas de pouso ocultas para contrabandistas de ouro.

Uniformes e braçadeira das FARC capturados pelos venezuelanos.

Narco-guerrilheiro das FARC capturado pelo exército venezuelano.

A mineração ilegal é atraente para muitos venezuelanos, porque as alternativas são terríveis. Sob o governo de Maduro, os salários caíram. Funcionários do governo ganham menos de US$ 10 por mês. Dezenas de milhares de pessoas, a maioria homens, mudaram-se para Canaima para tentar a sorte como escavadores autônomos. Muitos moradores se juntaram a eles. Com os turistas agora com medo de vir para a Venezuela, os guias indígenas pemon do parque, que antes acompanhavam os caminhantes, têm pouco a fazer além de cavar.

Árvores foram derrubadas para dar lugar a covas. De acordo com dados do Global Forest Watch, um grupo ambientalista, entre 2002 e 2020 a Venezuela perdeu 533.000 hectares de floresta primária úmida, ou cerca de 1,4% da área total de floresta úmida. “A mineração enlouqueceu”, diz Alejandro Álvarez Iragorry, ambientalista. A Venezuela é agora a principal mineradora ilegal da Amazônia. Em 2019, a RAISG, um órgão de vigilância, contou 1.899 locais de mineração na parte venezuelana da bacia amazônica. A Amazônia brasileira, um território mais de dez vezes maior, tinha apenas 321.

Os mineiros estão poluindo a água local. Eles usam mercúrio para separar o ouro do minério; os resíduos então são lixiviados invisivelmente em córregos e rios. Níveis perigosamente altos de mercúrio foram encontrados em amostras de cabelo retiradas de povos indígenas que tomam banho e bebem de córregos locais. Mais de um terço dos indígenas pemon testados em Canaima no ano passado tinham níveis acima do que é considerado seguro pela Organização Mundial da Saúde, de acordo com o SOS Orinoco, um grupo ambientalista. O envenenamento por mercúrio aumenta a probabilidade das mães darem à luz bebês com danos cerebrais.


A petrolífera estatal também é ambientalmente imprudente. Sob o antecessor e mentor de Maduro, Hugo Chávez, milhares de funcionários foram demitidos por se opor ao regime e substituídos por lacaios. Desde então, a empresa tornou-se menos competente. As habilidades foram perdidas, a infraestrutura enferrujou. A Venezuela tem uma média de 5,8 derramamentos de óleo por mês, de acordo com o Observatório de Políticas Ecológicas, um órgão de vigilância.

No Lago Maracaibo, onde as primeiras grandes descobertas de petróleo foram feitas na década de 1920, os moradores dizem que os vazamentos se tornaram constantes desde 2015. A poluição do esgoto e da agricultura só piorou a situação; grande parte do vasto lago está agora coberto por um tapete pútrido de algas. O governo acusa ambientalistas de exagerar o problema e de impedir seu trabalho. Após um vazamento em 2020 no parque nacional de Morrocoy, no noroeste do país, os cientistas reclamaram que não conseguiram medir os danos no fundo do mar porque a PDVSA havia fechado o acesso à área.

Em 2011, o governo parou de publicar estatísticas ambientais. Portanto, a verdadeira escala da poluição da água e do desmatamento só pode ser estimada. As estações meteorológicas instaladas a um custo alto na década de 1970 nos picos das montanhas Canaima estão abandonadas. Em 2014, o Ministério do Meio Ambiente passou a se chamar Ministério do Ecossocialismo. “O governo aqui está orgulhoso da beleza deste país, mas parece haver pouco senso do dever de protegê-lo”, diz um diplomata.

Em outubro passado, Maduro anunciou planos para construir uma cidade “comunitária” no parque nacional de Ávila, uma montanha gloriosa com vista para Caracas e protegida da construção desde 1958. O objetivo do projeto não é claro. Uma teoria é que Maduro, que manifestou interesse no misticismo indiano, pode estar esperando construir algo como Auroville, uma cidade na Índia construída na década de 1960 por seguidores de um guru “para realizar a unidade humana”. Como Maduro raramente cumpre seus anúncios grandiosos, os venezuelanos podem nunca saber.


Mas em outra parte intocada do país, as escavadeiras já estão trabalhando. Em Gran Roque, a maior ilha do arquipélago de Los Roques, perto de um recife de coral único, estão sendo erguidos uma série de mansões de concreto e um hotel. Isso parece violar os decretos governamentais de 2004 que proíbem a construção. Especialistas temem que o projeto perturbe o delicado equilíbrio ambiental de uma área famosa por sua vida selvagem, incluindo uma espécie ameaçada de tartaruga.

Os investidores nos edifícios não são conhecidos, mas os moradores dizem que um alto funcionário do governo parece ser o dono de uma das maiores casas. Demolir a natureza para construir mansões é uma definição estranha de ecossocialismo, mas é um mundo louco, louco, louco esse de Maduro na Venezuela.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

O raro fuzil AR57 na rebelião pró-Guaidó na Venezuela

Soldados pró-Guaidó da Guarda Nacional com lenços azuis no braço.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 17 de fevereiro de 2022.

Em 30 de abril, durante a crise presidencial venezuelana - com os gigantescos protestos de rua da população -, um grupo de várias dezenas de militares e civis se uniu a Juan Guaidó em seu apelo por um levante contra Nicolás Maduro como parte do que ele chamou de Operación Libertad ("Operação Liberdade"). Como é típico na Venezuela, os soldados apresentaram armamento variado e com a presença de artigos raros - desta vez o AR57.

Em 30 de abril de 2019, Leopoldo López – mantido em prisão domiciliar pelo governo Maduro – foi libertado por ordem de Guaidó. Os dois homens, ladeados por membros das forças armadas venezuelanas perto da Base Aérea de La Carlota, em Caracas, anunciaram um levante, afirmando que esta era a fase final da Operação Liberdade. Guaidó disse: "Povo venezuelano, é necessário que saiamos juntos à rua, para apoiar as forças democráticas e recuperar nossa liberdade. Organizados e juntos, mobilizar as principais unidades militares. Povo de Caracas, todos para La Carlota".

Os rebelados colocaram lenços azuis nos braços para se identificarem como apoiadores de Juan Guaidó e Leopoldo López. Os soldados tomaram posições nas ruas de Caracas, mas ainda assim o número de aderentes foi ínfimo. A maior parte dos militares da FANB permaneceram leais a Nicolás Maduro e ao regime. O governo de Maduro afirmou que a crise fora um "golpe-de-estado liderado pelos Estados Unidos para derrubá-lo e controlar as reservas de petróleo do país".

Amotinados da Guarda Nacional com braçadeiras azuis, simbolizando o apoio a Guaidó.

Na noite de 30 de abril, Maduro dirigiu-se à nação do Palácio de Miraflores, acompanhado por altos funcionários de seu governo e das Forças Armadas. Maduro afirmou que ocorreu uma tentativa de "golpe de estado" e parabenizou os apoiadores que "lideraram a derrota do pequeno grupo que tentou encher a Venezuela de violência". Segundo Maduro, os acontecimentos do dia foram causados pelos "esforços obsessivos da direita venezuelana, da oligarquia colombiana e do império dos EUA".

Maduro não foi visto durante o dia, mas apareceu com seu ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, na transmissão televisiva daquela noite, e anunciou que substituiria o chefe do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN), Manuel Cristopher Figuera, que apoiou publicamente Guaidó. Maduro também expulsou 54 militares das forças armadas. Quatro apoiadores do regime foram feridos enquanto os rebelados sofreram 4 mortos, 230 feridos e 205 presos.

Pelo menos 25 militares que se opuseram a Maduro pediram asilo na embaixada brasileira em Caracas. O presidente Jair Bolsonaro tuitou que o Brasil acompanhava de perto a situação na Venezuela, reafirmando seu apoio à "transição democrática" e que "o Brasil está do lado do povo venezuelano, do presidente Juan Guaidó e da liberdade dos venezuelanos".
O fuzil AR57 "Five Seven"

AR Five Seven com o carregador FN P90.

O AR57 (também conhecido como AR Five Seven) é um fuzil de assalto americano desenvolvido no final dos anos 2000 pela AR57 LLC. Seu conjunto inclui um receptor na parte superior que se encaixa na maioria das armações inferiores da plataforma AR-15 e dois carregadores. A arma de fogo resultante é semelhante ao AR-15, mas com calibrada em 5,7x28mm FN.

Os lábios de alimentação do carregador P90.

O fuzil pode ser alimentado por carregadores FN P90, com um sistema de alimentação montado horizontalmente. O carregador de tipo cofre destacável é montado paralelamente ao cano do armamento, encaixando-se no topo da armação da arma, e contém 50 cartuchos de munição que ficam em duas fileiras voltadas para a esquerda, deslocadas 90° do eixo da câmara. À medida que os cartuchos são empurrados para trás pela pressão da mola e chegam à extremidade traseira do carregador, eles são alimentados como uma única linha em uma rampa de alimentação em espiral e girados 90 graus, alinhando-os com a câmara. O corpo do carregador é composto de polímero e é translúcido para permitir que o atirador veja a quantidade de munição restante a qualquer momento.

O receptor inclui uma empunhadura frontal no guarda-mão e um sistema de trilho para montagem de mira óptica. O poço do carregador na armação é reaproveitado como uma janela de ejeção para estojos, e um carregador oco pode ser adquirido para conter os estojos disparados

O AR57 em uma caixa de feira transbordando com cintas de munição a MAG ali do lado.

Perfil do AR57.

Leitura recomendada:

Militares da Venezuela: principais questões a saber4 de setembro de 2021.

GALERIA: Armas do golpe militar na Venezuela em 195811 de fevereiro de 2021.

FOTO: Paraquedistas venezuelanos marchando com a sub Hotchkiss14 de fevereiro de 2021.

FOTO: Rara submetralhadora tcheca na Venezuela28 de março de 2021.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Venezuela: “A Democracia Sequestrada”


Por Dr. Evan Ellis, Soldier of Fortune, 17 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de janeiro de 2022.

O previsível triunfo dos partidários de Maduro nas eleições fraudadas de novembro de 2021, na Venezuela, foi um prego simbólico no caixão da tentativa do governo de jure de Juan Guaidó de restaurar o tipo mais liberal de democracia que prevalecia no país. A Venezuela agora parece cada vez mais com Cuba, com um governo autoritário no controle a longo prazo. No entanto, embora seja improvável que a Venezuela retorne à governança democrática em breve, os paralelos com Cuba ocultam a complexa dinâmica entre figuras do regime, atores estatais externos e grupos criminosos e terroristas que estão moldando o futuro do país.

Maduro e outras autoridades venezuelanas de alto escalão supostamente fizeram parceria com as FARC para usar cocaína como arma para “inundar” os Estados Unidos.
(Foto do DEA)

A caracterização a seguir baseia-se fortemente em entrevistas com vários especialistas, incluindo atuais e ex-funcionários venezuelanos e colombianos, para pintar uma imagem da dinâmica do regime que é indiscutivelmente diferente daquela comumente relatada.

Contexto

Militares venezuelanos durante uma formatura.

A Venezuela pode ser entendida como uma “democracia sequestrada” – na qual os líderes inicialmente eleitos por mecanismos democráticos alteraram posteriormente esses mecanismos de maneiras que não são mais consistentes com os conceitos ocidentais tradicionais de democracia liberal. A Venezuela passou a ser dominada por um conjunto complexo de atores internos e estrangeiros com interesses apenas parcial e temporariamente alinhados. Algumas áreas da Venezuela podem ser consideradas como “governadas alternativamente” por vários grupos armados.[1] Para tanto, a dinâmica na Venezuela é compreensível no contexto do que a literatura chama de “narco-estado” ou “estado rentista”.[2] Os principais atores domésticos estão amplamente focados na sobrevivência e nos ganhos ilícitos, cada um vinculado a diferentes atores estrangeiros que buscam seus próprios interesses estratégicos.

A situação atual da Venezuela é um artefato de três fenômenos inter-relacionados, além do contexto sociopolítico econômico e historicamente enraizado mais profundo que molda a trajetória do Estado venezuelano:[3]
  • Primeiro, sua economia baseada no petróleo gerou recursos para os que controlavam o Estado, tanto democratas quanto autoritários, governarem, ao mesmo tempo em que limitava o número de bases de poder independentes do setor petrolífero.
  • Em segundo lugar, a oportunidade de desviar as rendas do petróleo fomentou a corrupção endêmica e o desempenho econômico desigual semeia a desilusão entre os venezuelanos em relação à democracia e aos mercados livres. Esse fenômeno, a “maldição dos recursos”[4] não é exclusivo da Venezuela, mas aí é levado a novos extremos, com a primazia do setor petrolífero e a degeneração de outros. Esse fenômeno estrutural ajudou Hugo Chávez a conquistar o poder em 1998, apelando para essa desilusão e, mais tarde, apoiou a aquiescência às suas violações da constituição e do espírito da democracia ao capturar e transformar as instituições estatais.
  • Terceiro, atores extra-hemisféricos, particularmente a República Popular da China (RPC) e a Rússia, em busca de seus próprios interesses, forneceram recursos ao regime na forma de compras de petróleo, empréstimos e alguns investimentos, ajudando a sustentar o regime de Chávez enquanto este moveu-se contra o setor privado e as instituições democráticas, à medida que os investidores ocidentais começaram a fugir e/ou buscar reparação nos tribunais, e os vizinhos democráticos e as instituições multilaterais começaram a reagir.
T-72V do Exército Bolivariano desfilando com uma bandeira de Hugo Chávez.

Um elemento-chave do modelo chavista foi sua colaboração com uma série de grupos terroristas criminalmente afiliados, incluindo o Exército de Libertação Nacional (Ejército de Liberación Nacional ou ELN) e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia ou FARC), como bem como o Hezbollah, afiliado ao Irã,[5] entre outros. Tais relações eram geralmente mutuamente benéficas, com o regime de Chávez fornecendo refúgio de fato e a oportunidade para esses grupos protegerem ou gerarem recursos, enquanto serviam a propósitos estratégicos dentro e fora da Venezuela, inclusive auxiliando o regime no controle territorial e na organização de recursos ilícitos.

Tais entidades criminosas também passaram a interagir umas com as outras e com grupos cívicos e criminosos na Venezuela, incluindo os grupos de ação comunitária organizados pelo governo, colectivos, gangues criminosas como os pranes e sindicatos, bem como os comandos militares venezuelanos locais regionais (Regiones Estratégicas de Defensa Integral ou REDI) e zonais (Zona Operativa del Defensa Integral ou ZODI).

Apesar do foco internacional na luta política em Caracas, o poder foi devolvido à periferia e a estabilidade dependeu cada vez mais do interesse compartilhado desses grupos na continuidade de um Estado corrupto e fraco. O medo dos atores-chave do que poderia substituir o status quo obriga cada um, no curto prazo, a manter o regime à tona, mesmo enquanto manobra para proteger seus interesses se ele entrar em colapso.

Figuras políticas domésticas

Generais venezuelanos posando com uma miscelânea de armas.

No ápice do Chavismo está seu chefe titular Nicolás Maduro. No entanto, ele não detém o poder real. Ele está cercado por uma série de figuras criminalmente conectadas, cada uma com diferentes vínculos com instituições domésticas selecionadas, atores estrangeiros e grupos armados. Seus interesses estão atualmente alinhados com a sobrevivência do atual governo, mas o desaparecimento de Maduro ou outras mudanças fundamentais no status quo podem mudar isso, colocando cada ator contra o outro em uma luta caótica e provavelmente violenta pela autopreservação.

Dentro da família Maduro, a primeira-dama Cilia Flores supostamente tem influência e iniciativa significativas nas iniciativas do governo. Ela (com sua experiência como Procuradora-Geral e Presidente da Assembleia Nacional), mais do que seu marido menos educado, menos experiente administrativamente e mais dócil, é relatada como a interlocutora confiável com os principais atores nacionais e estrangeiros e que molda as principais decisões.[6] Publicamente, no entanto, ela tem procurado reduzir declarações e compromissos políticos que demonstrem essa influência.

Militares venezuelanas entoando gritos de guerra durante um desfile.

Nicholás Maduro está preparando seu filho Nicolasito para sucedê-lo no poder, incluindo um papel nas negociações do regime em 2021 com a oposição no México e seu próprio programa de rádio, embora o nível de aceitação disso pelo resto do chavismo, incluindo a primeira-dama (que não é mãe de Nicolasito) é ambígua na melhor das hipóteses. Além da primeira família, Delcy Rodríguez e seu irmão Jorge são, sem dúvida, os principais tomadores de decisão em nível operacional do regime. Eles têm desempenhado um papel fundamental no chavismo desde antes de Maduro chegar ao poder e sua influência teria aumentado nos últimos anos.[7]

Delcy, em seu atual cargo de vice-presidente, supervisiona o temido órgão de inteligência do governo, o Servicio Bolivariano de Inteligencia Nacional ou SEBIN, e mantém relacionamentos no âmbito internacional de seu cargo anterior como Ministro das Relações Exteriores, incluindo a implementação de relacionamentos no mundo árabe facilitados por meio das conexões de Tareck El Aissami, entre outros.[8]

Jorge Rodríguez, atual presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e ex-ministro da Comunicação, é a principal interface com a oposição doméstica, democratas estrangeiros, grupos armados, amigos estrangeiros como russos e iranianos. Ele também é atualmente o sucessor mais provável de Maduro.[9] Através de sua formação em psicologia, ele é supostamente eficaz na manipulação de percepções com aqueles com quem interage. Um especialista o chamou de “Rasputin” do regime.[10]

Abaixo desses poderosos de primeira linha, Diosdado Cabello, chefe nominal do partido chavista, Partido Socialista Unido de Venezuela ou PSUV, desempenha um papel mais público, mas menos importante, denunciando e ameaçando os inimigos do regime. Sua influência, incluindo seu papel fundador na organização de narcotráfico Cartel de los Soles (“Cartel dos Sóis”) (inclusive por meio de colegas militares de seu próprio ano de classe) foi diluída à medida que Jorge e Delcy Rodríguez e Tareck El Aissami expandiram seu papel nos empreendimentos criminosos da Venezuela, diluindo o protagonismo dos militares venezuelanos neles.[11] O poder de Cabello também é limitado porque ele não goza da total confiança dos cubanos, entre outros poderosos.[12]

As forças especiais da polícia da Venezuela (Fuerzas de Acciones Especiales ou FAES da Policía Nacional Bolivariana ou PNB), criadas em 2017, desempenham um papel central na manutenção de Maduro no poder, aterrorizando aqueles que ameaçam o regime.[13] Diante das investigações internacionais sobre direitos humanos, a FAES foi substituída pela Unidade de Operações e Táticas Especiais (Unidad de Operaciones Tácticas Especiales ou UOTE-PNB),[14] em parte respondendo à pressão internacional sobre direitos humanos, mais recentemente, uma decisão do Tribunal Penal Internacional de investigar formalmente os crimes cometidos pelo regime.[15] A FAES/UOTE é atualmente liderada pelo ex-líder do Colectivo Miguel Domínguez (“Miguelito”), mostrando como a organização institucionalizou parcialmente a violência dos colectivos.

Complementando a FAES está o Servicio Bolivariano de Inteligencia Nacional ou SEBIN, a organização de inteligência do chavismo. A vice-presidente Delcy Rodríguez, que supervisiona a organização, supostamente faz escolhas de alto nível para a organização, como quais figuras de oposição de alto nível são presas.[16] Abaixo dela, o titular titular da SEBIN, Gustavo González López, entende que serve ao prazer do chavismo. Alinhado com Diosdado Cabello, González foi inicialmente demitido por Maduro como chefe do SEBIN em 2018, mas depois voltou a chefiar a Guarda Presidencial em 2019, depois restaurado para liderar o SEBIN depois que seu chefe, Manuel Cristopher Figuera, participou da tentativa fracassada de golpe contra Maduro em abril de 2019.

Manifestantes venezuelanos em 2019.

Também importante no mundo dos “executores” do regime é Freddy Bernal, que está com o regime desde que ajudou Hugo Chávez a reprimir com força letal os manifestantes em 2002. Mais tarde, ele serviu como comissário político do SEBIN. Além disso, sua antiga formação policial lhe deu um papel na FAES/UOTE. Em 2021, ele foi nomeado Governador a Táchira, uma posição estratégica devido à fronteira de Táchira com a Colômbia, incluindo a cidade colombiana de entrada de Cúcuta, e seu papel como centro histórico de oposição. O controle de Táchira oferece a Bernal e ao regime enormes oportunidades de receitas criminais ao tributar os fluxos de remessas e drogas que passam por ela. No processo, o papel contribuirá para a riqueza de Bernal e provavelmente expandirá o poder dentro do regime nos próximos anos.[17]

Dentro do grupo de “executores” do regime, também é importante a contra-inteligência militar (Dirección General de Contrainteligencia Militar ou DGCIM), um bastião da influência cubana no governo. É chefiado pelo General Ivan Hernández Dala, cujo próprio papel relatado em abusos de direitos humanos e outros crimes, sem dúvida, consolida seu compromisso com a sobrevivência do regime.

Militares venezuelanos na fronteira com Cúcuta.

Outra figura-chave do regime é Tareck El Aissami, atualmente atuando como Ministro do Petróleo e Ministro das Indústrias e Produção Nacional. Suas redes comerciais e criminosas baseadas em drusos libaneses são anteriores a Hugo Chávez e fazem dele uma “ponte” entre diferentes grupos criminosos afiliados ao chavismo. Ele ocupou uma ampla gama de carteiras dentro do chavismo ao longo dos anos, incluindo segurança, imigração, petróleo, mineração e outras carteiras econômicas. El Aissami supostamente orquestrou a abertura da economia venezuelana aos narco-dólares para ajudar a estabilizar a economia e, ao mesmo tempo, expandir as opções de lavagem de dinheiro. Seu trabalho, sem dúvida, desempenha um papel importante em manter o regime financeiramente solvente,[18] embora sua influência tenha sido prejudicada por ser sancionada pelos EUA em 2017 sob a Lei Chefão do Crime (Kingpin Act).[19] Com suas conexões de negócios drusos sírios, El Aissami também tem sido central nas interações do regime com o Hezbollah e o Irã.

Como Ministro do Petróleo, El Aissami provavelmente desempenhou um papel fundamental na orquestração do papel do Irã no resgate temporário da produção de petróleo venezuelana, incluindo o acordo de troca de petróleo de setembro de 2020,[20] e compras anteriores de gasolina iraniana com ouro venezuelano e o transporte por transportadora iraniana sancionada Mahan Air de componentes chineses para reparar a refinaria Cardón.[21] A influência de El Aissami pode ter sido enfraquecida por sua saúde precária, no entanto, levando ao seu desaparecimento temporário dos holofotes públicos.[22]

Para todas essas elites, a investigação em andamento anteriormente mencionada sobre abusos de direitos humanos pelo Tribunal Penal Internacional, acusações formais do Departamento de Justiça dos EUA,[23] sanções do Departamento do Tesouro dos EUA,[24] a detenção de elites chavistas, tais como os filhos de Cilia Flores, e a prisão ou deserção de jogadores de alto nível que tenham conhecimento das atividades criminosas de outros (incluindo Hugo Carvajal, Manuel Cristopher Figuera e o guarda-costas de Diosdado Cabello Leamsy Salazar), deixam claro que o preço de perder o poder não é apenas perder suas fortunas, mas provavelmente longas penas de prisão.

Os militares venezuelanos

Militares bolivarianos com máscaras durante o desfile de 200 anos da Batalha de Carabobo em 2021.

Durante os últimos 20 anos, e particularmente após a fracassada deposição de Hugo Chávez em 2002, a elite militar venezuelana tornou-se firmemente ligada à sobrevivência do chavismo. Fatores contribuintes incluem a politização do sistema de promoção militar, forte doutrinação dentro das fileiras e prioridade para receber grandes quantidades de equipamentos militares russos e chineses.

Além disso, os líderes militares foram encarregados de setores econômicos importantes, oferecendo oportunidades substanciais para suborno e corrupção. Eles também foram autorizados a assumir um papel central no narcotráfico (o famoso “Cartel dos Sóis”), bem como na mineração ilegal e extorsão e outras operações ilícitas. Essas oportunidades de enriquecimento ilícito foram facilitadas colocando os militares no comando das indústrias e áreas geográficas (os REDIs e ZODIs mencionados anteriormente).

Como complemento a tais regalias, o regime chavista também atuou para neutralizar a capacidade dos militares de agir contra o regime como um ator institucional coerente, embora com o efeito colateral de também prejudicar sua capacidade como força de combate.[25] A divisão do país em REDIs e ZODIs, por exemplo, ajudou a “quebrar” a cadeia de comando militar, tornando menos certo que o exército poderia ser comandado de forma confiável a partir de Caracas para agir de forma coordenada contra o governo.

Desfile do Exército Bolivariano.

O regime também alterou fundamentalmente a doutrina dos militares, orientando-os a atuar como uma força de resistência principalmente descentralizada no modelo cubano,[26] além de incentivar a luta de classes em suas fileiras. O regime também permitiu ampla penetração dos militares por oficiais de inteligência cubanos, tornando quase impossível esconder a coordenação de uma trama de qualquer tamanho substancial.[27] A eficácia dessa penetração foi destacada pela detecção e fracasso da tentativa de derrubar o regime em abril de 2019, embora incluísse o chefe da agência de inteligência da Venezuela, Manuel Cristopher Figuera.

A neutralização das Forças Armadas venezuelanas como uma ameaça institucional à liderança também foi promovida através da proliferação de outras entidades armadas no interior, incluindo a Guarda Nacional Bolivariana nominalmente militar (Guardia Nacional Bolivariana ou GNB), a grupos comunitários armados (colectivos) , a grupos insurgentes de esquerda com capacidade militar, incluindo as FARC e o ELN.

A posição da Guarda Nacional, sob o comando do Major-General Richard López Vargas, no controle formal da fronteira venezuelana proporcionou-lhe múltiplas oportunidades lucrativas para extrair rendas de atividades ilícitas. Isso incluiu taxar o contrabando de gás colombiano na Venezuela pelos famosos pimpiñeros,[28] bem como a propina do GNB do movimento de drogas de áreas como Norte de Santander na Colômbia (especialmente Catatumbo) para estados venezuelanos vizinhos, como Táchira e Apure, de onde foram levados de avião para os Estados Unidos e Europa.

FARC

Guerrilheira das FARC.

As FARC operam há muito tempo no lado venezuelano da fronteira com a Colômbia. Sua presença se expandiu no início dos anos 2000, devido tanto à pressão militar contra ela sob o governo colombiano de Álvaro Uribe, quanto à orientação acolhedora do líder venezuelano Hugo Chávez, que via as FARC como um aliado ideológico, um instrumento confiável de controle interno na região fronteiriça e um amortecedor contra qualquer potencial invasão da Venezuela a partir da Colômbia.[29]

Com a desmobilização formal das FARC sob os acordos de paz colombianos de 2016, os estados fronteiriços venezuelanos como Táchira e Apure tornaram-se ainda mais importantes como uma base operacional segura para elementos dissidentes das FARC que rejeitaram os acordos e continuaram as operações criminosas. Além disso, o abandono formal das operações pelas FARC na Colômbia tornou a Venezuela mais importante como repositório de armas e recursos que eles haviam escondido, incluindo imóveis.

Depois de algumas disputas pela liderança, aqueles afiliados ao dissidente das FARC Gentil Duarte construíram a presença mais forte na Venezuela. Em 2019, no entanto, dois líderes-chave das FARC que inicialmente aderiram aos acordos de 2016, Iván Márquez e Jesus Santrich, renunciaram a eles para formar o “Segundo Marquetalia”, com a impressão equivocada de que dissidentes afiliados ao narcotráfico, como Duarte, incorporariam à sua nova organização.[30] Em uma série de conflitos que mostraram o poder e o entrincheiramento da organização de Duarte na Venezuela e as capacidades deterioradas dos militares venezuelanos, a 10ª Frente de Duarte derrotou humilhantemente uma força militar de elite venezuelana enviada contra eles, matando pelo menos 20 soldados venezuelanos.[31] O incidente destacou a expulsão efetiva das forças armadas venezuelanas de Apure, bem como sua crescente incapacidade de exercer controle territorial também em outros estados, como Amazonas e Zulia.

Pouco tempo depois, Jesús Santrich, que estaria sob proteção da SEBIN,[32] foi morto em uma operação, provavelmente pela facção de Duarte ou por mercenários não diretamente afiliados ao governo colombiano, forçando Iván Márquez a se esconder[33] em dezembro de 2021.[34]

Largagem de suprimentos para uma base de fronteira venezuelana em Apure

 O comandante militar colombiano Luis Navarro Jiménez estima que, no final de 2021, havia 700 dissidentes das FARC na Venezuela, aproximadamente o triplo de seu número de acordo com as estimativas do governo colombiano dois anos antes.[35]

Em dezembro de 2021, Maduro, reconhecendo efetivamente que as forças que havia tolerado no país haviam saído de seu controle, ordenou às Forças Armadas que livrassem o país de “grupos armados colombianos irregulares”.[36]

ELN

O ELN, como as FARC, passou a operar na região fronteiriça Colômbia-Venezuela em 1973, após uma campanha das forças armadas colombianas, a Operação Anori, que os deslocou substancialmente de sua área de operação original em Antioquia.[37] Assim como aconteceu com as FARC, o regime de Chávez inicialmente acolheu o ELN como um aliado, como um amortecedor contra uma possível invasão dos EUA e como uma fonte confiável de governança sobre uma parte da região de fronteira. Sob Maduro, o governo venezuelano trouxe cada vez mais o ELN para o arco de mineração do Orinoco,[38] como uma força armada que poderia ajudá-lo a organizar operações de mineração ilícitas de ouro e coltan e extrair rendas delas.[39] Por meio de seu avanço militar, incluindo dois massacres de alto nível em Turameno,[40] o ELN deslocou grupos criminosos domésticos menos confiáveis que operavam na área, incluindo sindicatos e pranes (gangues prisionais).[41]

Alimentado pela renda de atividades ilícitas no arco de mineração da Venezuela, o chefe do bloco nordeste do ELN, Pablito, a figura chave do ELN na Venezuela, expandiu em riqueza e poder, ganhando um assento no conselho de liderança do ELN, o Comando Centralizador (Comando Centralor, COCE). Essas operações supervisionadas pelo ELN também se tornaram uma importante fonte de receita para o regime de Maduro.

No final de 2021, havia uma estimativa de 1.200 ELN na Venezuela.[42]

O ELN supostamente tem interações com outras redes criminosas, como o Hezbollah, no curso de atividades criminosas, como a exportação de ouro venezuelano, embora não necessariamente coordene com o Hezbollah operacionalmente.[43]

Embora o ELN e as FARC tenham geralmente coexistido harmoniosamente na Venezuela, isso pode estar mudando. Em 2 de janeiro de 2022, 24 pessoas foram mortas em vários locais de Tame e Saravena, na Colômbia (na região de fronteira), a Arauquita e Barrancas de Orinoco, na Venezuela, supostamente em combate entre o ELN e dissidentes das FARC da organização de Gentil Duarte.[44]

Atores externos

Atores externos têm desempenhado um papel fundamental no fornecimento de recursos e apoio ao regime chavista à medida que consolida seu poder. Esses papéis evoluíram ao longo do tempo e muitas vezes se complementam, sem necessariamente serem especificamente coordenados. Enquanto a história moderna da Venezuela tem sido dominada por atores estrangeiros, incluindo os espanhóis como potência colonial, e os EUA por meio de suas empresas petrolíferas e interesses políticos, a atual confluência de Cuba, Rússia, Irã e China reforça a dinâmica da criminalidade e o caráter anti-ocidental do regime de maneiras não vistas com atores estrangeiros em períodos anteriores.

Cuba

Fidel Castro e Hugo Chávez.

No início da presidência de Hugo Chávez, e particularmente após sua deposição temporária do poder em abril de 2002, Fidel Castro de Cuba tornou-se cada vez mais importante como mentor ideológico e estratégico de Chávez.[45] A orientação, a inteligência e outros apoios cubanos foram cruciais para ajudar Chávez a navegar pelos graduais sequestro e transformação das instituições inicialmente democráticas da Venezuela. Os cubanos supostamente têm uma posição forte dentro da contra-inteligência venezuelana (Dirección General de Contrainteligencia Militar, DGCIM), que eles ajudaram a projetar.[46] Por meio da DGCIM e de outras funções incorporadas ao governo venezuelano, eles ajudaram a tornar o regime “à prova de golpes”, permitindo a identificação e eliminação de qualquer conspiração considerável contra o regime, inclusive, como observado anteriormente, em abril de 2019.

Cuba também desempenhou um papel nas nomeações e gestão do poder entre os principais atores dentro da hierarquia chavista, incluindo a seleção do relativamente pouco sofisticado, mas firmemente leal a Cuba, Nicolás Maduro, para suceder Hugo Chávez.[47] No entanto, como o relacionamento pessoal íntimo original entre Hugo Chávez e Fidel e Raúl Castro deu lugar a laços mais impessoais, embora institucionalizados, a intensidade do relacionamento pode ter diminuído.[48]

Rússia

Nicolás Maduro e Vladmir Putin.

Embora os russos tenham desempenhado algum papel de mentores tanto para Hugo Chávez quanto para Nicolás Maduro, alguns acreditam que a influência está se expandindo, inclusive em relação aos cubanos, embora ainda sem a penetração do regime e a familiaridade linguística e cultural com ele que os cubanos têm.[49]

Como em outros contextos geopolíticos em 2008 e 2013-2014, o valor estratégico da Venezuela para a Rússia e seu interesse em engajar-se com ela aumenta à medida que as tensões com os EUA sobre a Ucrânia aumentam.[50]

Desde os primeiros anos do chavismo, a Rússia desempenhou um papel no setor petrolífero comparável ao da RPC, inicialmente através de cinco companhias petrolíferas. Com o tempo, no entanto, problemas no setor levaram as empresas mais comercialmente orientadas Lukoil, TNK e Gazprom a vender para a Rosneft, cujo chefe, Igor Sechin, é um antigo associado da comunidade de inteligência de Vladimir Putin. Com o apoio e incentivo de Putin, Sechin construiu laços profundos com Chávez e depois com o regime de Maduro[51] ganhando dinheiro mesmo enquanto usava sua posição para defender sua visão da Venezuela como central para a reafirmação oportunista da Rússia de uma presença significativa no hemisfério ocidental.[52]

Venezuelanos desfilando com um míssil anti-aéreo disparado pelo ombro Igla, de procedência russa.

A Rosneft se viu prejudicada pelo não cumprimento e não pagamento das obrigações de dívida do regime de Maduro e foi forçada a reestruturar sua empreitada comercial depois que os EUA sancionaram a Rosneft Trading por violar as sanções petrolíferas venezuelanas.[53] No entanto, apesar da exasperação relatada nos bastidores,[54] o regime pagou lentamente à Rosneft. Embora este último não esteja investindo mais no setor de petróleo, Igor Sechin continua a desempenhar um papel importante no relacionamento, devido ao seu conhecimento, relacionamento com Putin e conexões na Venezuela.

No domínio do engajamento militar, as vendas russas para a Venezuela foram um bom negócio para a agência russa de exportação de armas Rosboronexport e para a empresa de tecnologia Rostec, enquanto ajudava o regime de Chávez a contornar os bloqueios americano e europeu de armas e peças de reposição.

Tanques T-72 venezuelanos durante um desfile.

Durante a era Chávez, a Venezuela comprou mais de US$ 11 bilhões em bens militares da Rússia,[55] incluindo caças Sukhoi-30, helicópteros de ataque Mi-35, helicópteros de transporte Mi-17, veículos blindados BMP-3 e BTR e tanques T-72, entre outros itens. Embora o aprofundamento da crise fiscal da Venezuela tenha limitado a capacidade de Maduro de continuar comprando os principais sistemas de armas da Rússia, o governo Putin continuou a manter ativamente esses equipamentos, atualizar os sistemas de mísseis terra-ar da Venezuela e outros itens e se envolver em desdobramentos militares provocativos no país; incluindo visitas de navios de guerra e bombardeiros Tu-160 com capacidade nuclear. Mais recentemente, a Rússia aumentou seu papel no interior venezuelano por meio de batalhões de treinamento especial contratados do Grupo Wagner, afiliado à Rússia, que treina venezuelanos no interior, em conjunto com radares russos e equipamentos de guerra eletrônica. Ao mesmo tempo, parte do mesmo pessoal do Grupo Wagner também fornece segurança a organizações russas de mineração de ouro, diamantes e coltan.[56]

Irã

O Irã, como a Rússia, desempenhou um papel importante no apoio ao regime venezuelano, embora mais por meio do petróleo e da colaboração técnica do que por meio de empréstimos ou comércio. A forte relação do Irã com o regime floresceu sob Hugo Chávez e seu colega iraniano Mahmoud Ahmadinejad, que visitou a Venezuela oito vezes.

Sob o sucessor de Ahmadinejad, Hasan Rouhani, e no contexto do acordo nuclear do Irã com os EUA e o Ocidente (JCPOA), o Irã diminuiu seu perfil, mas continuou a cooperação em áreas econômico-técnicas, pessoal e outras.

Com o término do JCPOA em 2019 e uma relação mais conflituosa com os EUA, o regime iraniano de Ebrahim Raisi aumentou a colaboração com a Venezuela, desafiando as sanções dos EUA. Essa colaboração inclui os vôos logísticos mencionados anteriormente em maio de 2020 pela Mahan Air sancionada do Irã, trazendo peças da refinaria chinesa, em troca de ouro venezuelano, para ajudar o regime de Maduro a restaurar a capacidade operacional de sua refinaria crítica de Cardón para lidar com a escassez crítica de gasolina do regime. A ajuda iraniana também inclui gasolina, drones militares e, desde setembro de 2021, trocas de petróleo bruto venezuelano por produtos petrolíferos iranianos refinados. Técnicos iranianos também trabalharam continuamente no país para ajudar a restaurar a infraestrutura petrolífera do país.[57] A totalidade desse apoio iraniano ajudou a Venezuela a superar a escassez de combustível e a crise de produção que estava experimentando em 2020 para quase dobrar sua produção de petróleo para 845.000 barris por dia até o final de 2021,[58] apesar das sanções contínuas.

Como observado anteriormente, do lado venezuelano, Tarek El Aissami teria sido um dos principais atores nesses negócios, contribuindo para seu poder. A relação pode ser ampliada quando Maduro viajar para o Irã, como esperado no início de 2022.[59]

China

Maduro, ao lado de Xi Jinping, passa em revista uma guarda chinesa. 

A principal contribuição da República Democrática da China (RPC) para o regime venezuelano tem sido como fornecedora de recursos, investindo e operando os campos de petróleo da Venezuela e usando os recursos de sua extração de petróleo da Venezuela para financiar uma série de projetos de infraestrutura trabalhados pela China no país (muitas vezes deixados incompletos), a construção de arquiteturas de informação e sistemas de controle populacional e o fornecimento de eletrodomésticos e outros bens a crédito, ajudando o regime a satisfazer parcialmente sua base de apoio entre os pobres do país.

No domínio da segurança, a RPC tornou-se um importante fornecedor de bens militares a crédito para a Venezuela, incluindo caças K-8, aeronaves de transporte Y-8 e Y-12, radares JYL-1 e JY-27A,[60] VN- 1 e outros veículos blindados para a Guarda Nacional e Infantaria Naval. O papel da RPC como fornecedor de armas tornou-se particularmente importante quando os preços internacionais do petróleo caíram, diminuindo tanto os recursos do regime quanto a capacidade da Rússia de fornecer mercadorias a crédito.[61]

A RPC também desempenhou um papel importante para ajudar o governo Maduro a controlar sua população, incluindo o apoio à arquitetura de sua internet, a “Carteira de Identidade da Pátria” e veículos de controle de distúrbios, como os usados para reprimir protestos em 2017, e excluir o presidente de jure Juan Guaidó do Palácio Presidencial. Ele teria ajudado o governo venezuelano a construir centros de comando para monitorar o país para atividades de protesto.[62]

Maduro e a primeira-dama Cilia Flores viajam em um blindado anfíbio chinês VN-18 na Base Naval Agustín Navarro.

Realizando a travessia aquática.

Embora as empresas sediadas na RPC, como a maioria das outras, tenham sido prejudicadas pelos altos níveis de corrupção e insegurança na Venezuela, e embora as dificuldades do regime tenham contribuído para o não cumprimento de contratos e manchado a reputação das empresas chinesas, a RPC tem sido mais eficaz do que outros atores na estruturação de contratos para garantir o pagamento de suas empresas, inclusive por meio de contratos de reembolso por meio de entregas de petróleo venezuelano cuja extração estava substancialmente sob controle chinês. De fato, a RPC continuou a receber pagamentos do regime de Maduro, mesmo enquanto estava inadimplente com outros contratados, julgamentos legais e até obrigações de dívida soberana para praticamente todos os outros, incluindo os russos.

Em contraste com a Rússia e o Irã, a interdependência econômica e financeira da RPC com o Ocidente e a exposição de suas empresas que operam internacionalmente às sanções dos EUA geralmente levaram a China a evitar interações com o regime que possam provocar os EUA, incluindo desdobramentos militares de alto nível ou apoio à sua retórica mais agressiva.

O embaixador "lobo guerreiro" Li Baorong e generais da FANB.

Em 2020, com a economia venezuelana em crise e sanções e outras pressões sobre o regime dos EUA, a RPC manteve um perfil baixo no país, embora seu embaixador “lobo guerreiro” em Caracas, Li Baorong, tenha sido um defensor do chavismo.[63] Embora não seja considerado conhecedor da região, seus laços políticos em Pequim são uma indicação de que a RPC continua valorizando o relacionamento. Da mesma forma, a designação de outubro de 2020 da colega de longa data, Celia Flores, e aprendiz de Delcy Rodríguez Felix Placencia, como embaixadora da Venezuela na China, e sua subsequente nomeação em agosto de 2021 como Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, mostra que a RPC continua a ter acesso direto de alto nível à liderança chavista. Por outro lado, o colapso da equipe de política externa do presidente venezuelano de jure Juan Guaidó, incluindo a renúncia em dezembro de 2021 de seu ministro das Relações Exteriores, Julio Borges, eliminou efetivamente os laços de alto nível da RPC com Guaidó.[64]

Apesar da falta de novos empréstimos chineses para a Venezuela, 91% das exportações de petróleo em 2021 foram para a RPC.[65] No final de 2021, com a vitória de Maduro nas eleições legislativas de dezembro de 2020 e nas eleições regionais de novembro de 2021, e com uma oposição política em ruínas, a China National Petroleum Corporation (CNPC) começou a enviar pessoas à Venezuela para restaurar a produção de petróleo.[66]

Em seu reengajamento cauteloso, a RPC provavelmente usará sua influência para estruturar acordos de maneira a dar segurança adicional a seus empréstimos e operações e acesso mais amplo aos recursos da Venezuela, enquanto tenta sutilmente moderar a retórica e as ações de Maduro para que não prejudiquem sua própria reputação ou operações no país.

Conclusões


A confluência de atores interessados na continuação da Venezuela como uma empreitada criminosa anti-EUA e fracamente governada e santuário fora da justiça ocidental não significa que Nicolás Maduro determine a direção do país, ou que o atual equilíbrio temporário perdure. De fato, o conceito de “governança fraca” da Venezuela é paradoxal, mas fundamental para entender sua dinâmica: como ilustrado pela escalada da violência em estados como Apure no final de 2021 e início de 2022, a dependência do regime de empreitadas criminosas franqueadas a uma série de grupos, e atores estrangeiros, a capacidade do governo formal de controlar o território nacional ou a geração de receita crítica para sua sobrevivência em qualquer lugar era limitada, mas o interesse na multidão de atores protegidos ou lucrando com esse status quo era tão poderoso, que fez uma transição pacífica para uma Venezuela funcional e não governada criminalmente altamente improvável.

Apesar de uma situação tão contra-intuitiva, a saída de Maduro, a escalada dos combates na Venezuela ou outros desdobramentos podem perturbar o delicado equilíbrio que leva os atores do regime, perseguindo interesses próprios, a lutarem para impedir o colapso do status quo, em vez de se voltarem uns contra os outros, precipitando um colapso potencialmente rápido e violento.

Uma vez rompido o equilíbrio, os atores descritos neste trabalho podem agir de forma extrema, pois as consequências para muitos deles são existenciais, incluindo processos criminais e perda de fortuna. Para as FARC e o ELN, os riscos incluem perder seu santuário venezuelano, esconderijos de armas e recursos. Para Cuba, a salvação econômica do país está em jogo.

Além de Caracas, a luta violenta desencadeada pelo colapso do chavismo provavelmente também facilitaria uma corrida de militares fugiindo com armas, vendendo-as ao mercado negro ou a grupos terroristas como sua passagem para fora do pântano.

Essa desintegração violenta e o colapso econômico provavelmente também desencadearão uma crise humanitária que diminuirá o que já deslocou sete milhões de cidadãos. Os efeitos provavelmente se espalharão pelas fronteiras da Colômbia, Guiana, Caribe e possivelmente Brasil, com efeitos cascata em toda a região.


Tal dinâmica exigirá uma resposta dos EUA ou multilateral. Com a Rússia e a China no Conselho de Segurança da ONU tendo interesses no resultado, uma solução das Nações Unidas não é realista. Com a Organização dos Estados Americanos (OEA) polarizada pela mudança sem precedentes da região para a esquerda (incluindo as recentes eleições na Argentina, Bolívia, Peru, Honduras, Chile, a crescente orientação à esquerda do regime de Andrés Manuel López Obrador (AMLO) no México, e a “reeleição” formal dos sandinistas na Nicarágua), uma resposta significativa do sistema interamericano é igualmente improvável, o que significa que uma coalizão de dispostos e ameaçados, incluindo Colômbia, Brasil e Estados Unidos, pode se tornar o melhor entre as opções indesejáveis.

É admirável que os Estados Unidos planejem a restauração de um governo que corresponda mais de perto aos conceitos ocidentais de democracia liberal na Venezuela, como fez particularmente sob as administrações Trump e Biden, incluindo o pensamento, através das considerações práticas de reconstrução da Venezuela em uma era pós-Maduro.[67] Da mesma forma, é sensato que os EUA pensem na continuação do status quo, se não conseguirem alcançar a restauração da ordem democrática liberal, a qual têm procurado fazer. Como este artigo argumentou, no entanto, é mais provável que nenhum desses cenários seja realista. Em vez disso, se o colapso do equilíbrio descrito neste artigo traz violência e desordem política e social, o impacto de tal desenvolvimento sobre os refugiados, a dinâmica criminal e a estabilidade dos vizinhos da Venezuela significa que os EUA estão bem aconselhados a planejar como responder a essa eventualidade também.

Agradecimentos

O autor gostaria de agradecer a David Smolansky, Parsifal d’Sola, Pedro Burelli, John Marulanda, Doug Farah, Joseph Humire e Steve Salisbury, entre outros, por suas contribuições e percepções importantes para este trabalho.

Notas finais

As opiniões aqui expressas não representam necessariamente a posição do Army War College ou do governo dos EUA.
  1. Anne L. Clunan e Harold A. Trinkunas, Eds. Ungoverned Spaces: Alternatives to State Authority in an Era of Softened Sovereignty. Stanford: Stanford University Press, 2010.
  2. Para uma excelente coleção de literatura nesta área, veja The Rise of the Narcostate (Mafia States), John P. Sullivan e Robert J. Bunker, Eds. Bloomington: Xlibris, 2018.
  3. A posição desfavorecida da Venezuela dentro do sistema colonial espanhol, o papel dos caudilhos e do petróleo na formação de seu desenvolvimento moderno, seu relacionamento com os EUA e as companhias petrolíferas internacionais e os legados de corrupção e desigualdade persistentes são relevantes para entender a trajetória do atual dilema da Venezuela, mas para fins de clareza na análise da atual situação venezuelana, tal importante contexto econômico e sociopolítico historicamente enraizado está além do escopo do presente trabalho.
  4. Veja, por exemplo, Michael L. Ross, “The Political Economy of the Resource Curse”. World Politics. Vol. 51, nº. 2: pp. 97–322, Link.
  5. Colin P. Clarke, “O Hezbollah está na Venezuela para ficar”. World Politics. 9 de fevereiro de 2019, Link.
  6. Entrevista com um dos oito atuais e antigos altos funcionários venezuelanos e colombianos consultados para este trabalho, dezembro de 2021 a janeiro de 2022. Perguntas semelhantes foram feitas a cada um dos entrevistados, de modo que, na maioria dos casos, pelo menos duas e às vezes três pessoas diferentes com contatos de alto nível na Venezuela verificaram a mesma informação. As pessoas específicas vinculadas a cada item de dados não são especificadas aqui, para protegê-las como fontes.
  7. Ibid.
  8. Ibid.
  9. Ibid.
  10. Ibid.
  11. Ibid.
  12. Ibid.
  13. “Venezuela: Extrajudicial Killings in Poor Areas”. Human Rights Watch. 18 de setembro de 2019, Link.
  14. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  15. “Venezuela: ICC Investigation Opens”. Human Rights Watch. 3 de novembro de 2020, Link.
  16. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  17. Ibid.
  18. Ibid.
  19. “Treasury Sanctions Prominent Venezuelan Drug Trafficker Tareck El Aissami and His Primary Frontman Samark Lopez Bello”. Comunicado de imprensa. Washington, DC: Departamento do Tesouro dos EUA. 13 de fevereiro de 2017, Link.
  20. Deisy Buitrago, Marianna Parraga e Matt Spetalnick, “Iran and Venezuela strike oil export deal”. Reuters. 25 de setembro de 2021, Link.
  21. Hassan Mahmoudi, “Iran: Trading Oil Refinery’s Equipment For Venezuela’s Gold – OpEd”. Eurasia Review. 4 de maio de 2020, Link.
  22. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  23. “Nicolás Maduro Moros e 14 atuais e ex-funcionários venezuelanos acusados de narcoterrorismo, corrupção, tráfico de drogas e outras acusações criminais”. Comunicado de imprensa. Washington, DC: Departamento de Justiça dos EUA. 26 de março de 2020, Link.
  24. “Specially Designated Nationals and Blocked Persons List”. Washington, DC: Departamento do Tesouro dos EUA, Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros. 30 de dezembro de 2021, Link.
  25. Veja R. Evan Ellis, “Venezuela: Pandemic and Foreign Intervention in a Colapsing Narcostate”. Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. 5 de outubro de 2020, Link.
  26. John Sweeney, “Venezuela – Chavez’s Bolivarian Military Machine: A Cuban Model For Internal Repression”. VCrisis. 6 de setembro de 2005, Link.
  27. Brian Ellisworth e Mayera Armas,  “The Maduro mystery: Why the armed forces still stand by Venezuela’s beleaguered president”. Reuters. 28 de julho de 2019, Link.
  28. “Pimpineros, el nuevo oficio que surgió en la Venezuela en crise”, El Nacional. 18 de janeiro de 2020, Link.
  29. “Country Reports on Terrorism 2019: Venezuela”. Washington, DC: Departamento de Estado dos E.U.A. 2019, Link.
  30. “The Tipping Point: Iván Márquez Deserts the Peace Process”, Insight Crime, 11 de novembro de 2019, Link.
  31. “The Battle for Apure: Chavismo and the ex-FARC”. Insight Crime. 13 de outubro de 2021, Link.
  32. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  33. Enquanto alguns sugerem que ele fugiu para Cuba, a ausência de relatos de que ele estaria no país e sua falha em “fugir” quando sob pressão em outras ocasiões tornam esses rumores improváveis.
  34. “Iván Márquez habría escapado a Cuba tras muerte de sus lugartenientes”, El Tiempo. 12 de dezembro de 2021, Link.
  35. “How Many Colombian Fighters are Really Inside Venezuela?” Insight Crime. 5 de outubro de 2021, Link.
  36. “‘2022 Venezuela debe ser un territorio libre de Tancol’: Nicolás Maduro”. Kien y Ke. 30 de dezembro de 2021, Link.
  37. Evan Ellis, “The Reinforcing Activities of the ELN (National Liberation Army) in Colombia and Venezuela”. Journal of the Americas, 2ª Edição. 2021, PDF.
  38. Op. cit. “Country Reports” na nota 29.
  39. “Confirmed presence of ELN Guerrillas in Bolivar State, Venezuela”. SOS Orinoco. 18 de maio de 2018, Link.
  40. Jim Wyss, “Nuevo video muestra masacre de grupo indígena por fuerzas venezolanas”. El Nuevo Herald. 12 de julho de 2019, Link.
  41. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  42. “How Many Colombian Fighters are Really Inside Venezuela?” Insight Crime. 5 de outubro de 2021, Link.
  43. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  44. “Anuncios Autoridades confirman 24 muertos por choques entre el ELN y FARC”. Live de 2021. 3 de janeiro de 2022, Link.
  45. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  46. Ibid.
  47. Ibid.
  48. Ibid.
  49. Ibid.
  50. Ibid.
  51. Joshua Goodman e Daria Litvinova, “Ending Putin’s support of Venezuela no easy feat for US”. ABC News. 19 de fevereiro de 2020, Link.
  52. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  53. Vladimir Isachenkov e Joshua Goodman, “Rosneft hands Venezuelan oil business to Russian state firm”. AP News. 28 de março de 2020, Link.
  54. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  55. “Russian Missiles in Venezuela Heighten US Tensions”, Voice of America. 19 de abril de 2019, Link.
  56. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  57. Ibid.
  58. “How Venezuela this year almost doubled its oil output”. Al Jazeera. 27 de dezembro de 2021, Link.
  59. “Venezuelan leader announces trip to Iran sometime next year”. Mercopress.  28 de dezembro de 2021, Link.
  60. “Venezuela recibe radares chinos de largo alcance”. Infodefesa. 27 de setembro de 2019, Link.
  61. R. Evan Ellis, “Chinese Security Engagement in Latin America”. Center for Strategic and International Studies, novembro de 2020, Link.
  62. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  63. Jean Freddy Gutiérrez, “China’s tweeting ambassador inches closer to Venezuela”. Diálogo Chino. 11 de agosto de 2020, Link.
  64. Op. cit. Entrevista na Nota 6.
  65. “China y Cuba, los destinos preferidos de las exportaciones de Pdvsa en diciembre”. La Patilla. 26 de dezembro de 2021, Link.
  66. Irina Slav, “China’s CNPC Looks To Revive Oil Projects In Venezuela”. Oil Price. 2 de setembro de 2021, Link.
  67. “The Day After in Venezuela”. Conselho de Relações Exteriores, setembro de 2020, Link. Categorias: El Centro.
Sobre o autor:

O Dr. Evan Ellis é professor pesquisador de Estudos Latino-Americanos no Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Superior Guerra do Exército dos EUA (US Army War College), com foco nas relações da região com a China e outros atores não-ocidentais, bem como crime organizado transnacional e populismo na região. O Dr. Ellis atuou anteriormente na Equipe de Planejamento de Políticas do Secretário de Estado com responsabilidade pela América Latina e Caribe, bem como questões internacionais de narcóticos e aplicação da lei (INL). Ele é PhD em ciência política com especialização em política comparada pela Purdue University. O Dr. Ellis também recebeu a Ordem do Mérito Militar José María Córdova pelo governo colombiano por sua bolsa de estudos sobre questões de segurança na região.