Mostrando postagens com marcador Estados Unidos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estados Unidos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 25 de maio de 2022

LIVRO: Uma resenha crítica ao Band of Brothers


Resenha do livro Band of Brothers: E Company, 506th Regiment, 101st Airborne from Normandy to Hitler's Eagle's Nest (Band of Brothers: Companhia E, 506º Regimento, 101ª Divisão Aerotransportada da Normandia ao Ninho da Águia de Hitler), de Stephen E. Ambrose, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Este é o livro que original a aclamada série Band of Brothers. O Dr. Forczyk mostra uma postura muito negativa com relação ao livro e aos métodos usados por Ambrose. Alguns pontos são particularmente interessantes, especialmente o método de entrevistas com veteranos.

Não mencionado mas uma curiosidade histórica, os alunos brasileiros do curso de estado-maior chegaram a participar de jogos de guerra envolvendo o ataque da 101ª "Screaming Eagles" quando estiveram nos Estados Unidos.

Erros, exageros e calúnias cruéis [1 estrela]


Paraquedistas da famosa Easy Company com soldados da 4ª Divisão de Infantaria em Sainte-Marie-du-Mont, 7 de junho de 1944.
(Colorização por Julius Jääskeläinen)

Para leitores sem muita experiência em história em geral ou militares em particular, Band of Brothers provavelmente parecerá uma saga heróica de camaradagem masculina em combate. No entanto, para aqueles leitores com conhecimento do assunto, este livro pouco pesquisado oferece pouco mais do que o episódio padrão da antiga série de TV COMBAT! O autor Stephen Ambrose, que prefere a história oral à pesquisa meticulosa, usou suas entrevistas com veteranos selecionados da Segunda Guerra Mundial da E Company, 506th PIR, 101st Airborne como base para contar as histórias de uma companhia aerotransportada em combate em 1944-1945. A maior parte do livro se concentra em Richard Winters, que comandou a companhia na Normandia e na Holanda. O soldado David Webster, um intelectual autoproclamado e cínico, também escreveu um livro de suas experiências na E Company, do qual Ambrose emprestou liberalmente [...]. Entrevistas com outros membros da unidade preenchem lacunas, mas Winters e Webster são dois dos principais protagonistas da história. Infelizmente, do ponto de vista da precisão histórica, o livro está irremediavelmente repleto de erros, exageros e calúnias cruéis.

Primeiro, deixe-me abordar os erros, que se devem principalmente à falta de pesquisa por parte do autor. Ambrose afirma que o transporte de tropas para a Inglaterra "carregou 5.000 homens do 506º" e como foi uma viagem apertada. No entanto, o competente Ordem de Batalha do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial (US Army Order of Battle in World War Two), de Shelby Stanton, afirma que o 506º tinha apenas 2.029 homens. Ambrose tem seus problemas habituais com nomenclatura e nomes; Os alemães usavam morteiros de 81mm e não de "80mm". Um oficial britânico resgatado pela E Company é identificado como "Coronel O. Dobey", quando na verdade era o Tenente-Coronel David Dobie. O oficial alemão que se rendeu à unidade em Berchtesgaden em 1945 é descrito como o "General Theodor Tolsdorf, comandante do LXXXII Corps", de 35 anos, quando na verdade era um Coronel Tolsdorf de 36 anos que comandava a 340ª Divisão VG (340. Volksgrenadier-Division).

Para-quedistas da 101ª Divisão Aerotransportada exibem uma bandeira nazista capturada em uma vila perto da Praia de Utah, em Saint-Marcouf, na França, em junho de 1944

Em Berchtesgaden, Winters supostamente encontra um general alemão "Kastner" que cometeu suicídio, mas não há registro de tal oficial na Wehrmacht ou SS. Nem Ambrose faz muito melhor com identificações de unidades e ele afirma que na Batalha do Bulge, a 101ª Divisão Aerotransportada, "ganhou suas batalhas frente a frente com uma dúzia de divisões blindadas e de infantaria alemãs". Na verdade, os alemães apenas comprometeram elementos de cinco divisões na luta de Bastogne e dificilmente eram tropas de elite. A declaração de Ambrose também ignora o fato de que a 101ª estava lutando com a ajuda considerável das 9ª e 10ª Divisões Blindadas dos EUA em Bastogne. Finalmente, os leitores podem ficar chocados ao saber que a 3ª Divisão de Infantaria dos EUA realmente venceu o 506º PIR na corrida para Berchtesgaden por várias horas. Os leitores devem verificar o livro Paraquedistas de Ridgeway (Ridgeway's Paratroopers) bem pesquisados de Clay Blair. Esses erros podem parecer pequenos para alguns, mas demonstram uma falta de pesquisa que significa que toda a narrativa é suspeita.

Quando se trata de exagero, Ambrose libera todos os freios. Todos os tanques inimigos são chamados de "Tigres", mas apenas 5,3% dos tanques alemães na Normandia em junho de 1944 eram Tigres. Todas as tropas inimigas são chamadas de "elite", como SS ou pára-quedistas, embora os registros alemães indiquem que o 506º combateu principalmente unidades comuns da Wehrmacht.

De acordo com Winters, a Companhia E sempre foi melhor que as outras companhias do 506º e Ambrose garante que “não havia companhia de infantaria leve melhor no Exército”. Que tal os Rangers em Point du Hoc? Como Ambrose não faz nenhum esforço para comparar a Companhia E com qualquer outra unidade semelhante (por exemplo, ela matou mais alemães do que outras unidades?), essa afirmação é estúpida. Mas fica ainda pior. Ambrose afirma que Winters "despreza o exagero", mas o seguinte relato da E Company na Normandia expõe categoricamente isso como uma mentira: Assim era Winters [excelente]. Ele tomou uma decisão certa após a outra... ele pessoalmente matou mais alemães e assumiu mais riscos do que qualquer outra pessoa." Então Winters matou mais alemães do que os metralhadores da companhia? Ele assumiu mais riscos do que os homens na ponta? Curiosamente, Winters nunca foi ferido.

O Capitão Dick Winters ao lado do ator Damian Lewis.

O pior aspecto do livro é a campanha viciosa de calúnias, que é puramente feita pelo Winters. Winters ataca seus superiores, começando com o Major-General Taylor, comandante da 101ª, depois o Coronel Sink que era comandante do 506º PIR, depois o Ten-Cel. Strayer seu comandante de batalhão e o Capitão Sobel, o primeiro comandante da Companhia E. Taylor, que foi um dos melhores generais do Exército dos EUA do século XX e mais tarde presidente da Junta dos Chefes do Estado-Maior do presidente Kennedy, é violentamente atacado por estar em "férias de Natal" durante a Batalha do Bulge e por ordenar um ataque que "tinha o sabor de um delírio egocêntrico". Winters diz a Ambrose que "eu não quero ser justo" sobre Taylor. Logo, ele não quer ser honesto. Sink, que comandou o 506º durante toda a guerra, é ridicularizado como "Bourbon Bob". O Tenente-Coronel Strayer é praticamente omitido deste relato, embora tenha comandado da Normandia ao Dia da Vitória na Europa (VE Day). Ambrose engana o leitor quando afirma que Winters se tornou o comandante do batalhão em 8 de março de 1945 - na verdade, a mudança foi apenas temporária e Strayer retornou.

Winters reserva um ódio especial ao Capitão Sobel, o homem que treinou a Companhia E nos Estados Unidos e que é rotulado de tirano mesquinho. Winters relata um encontro casual com Sobel mais tarde na guerra, quando Winters superou seu ex-comandante, e ele começou a humilhá-lo na frente de praças da Companhia E. Que elegante. A campanha de calúnia também é dirigida a outros oficiais que sucederam Winters como comandantes da Companhia E, a maioria dos tenentes, oficiais do estado-maior, "preguiçosos da Força Aérea na Inglaterra" (que estavam morrendo às centenas sobre a Alemanha em bombardeiros em chamas), os britânicos, etc. É muito enojante depois de algum tempo.

Os paraquedistas americanos da Segunda Guerra Mundial merecem um relato muito mais preciso e honesto de suas realizações, com o justo reconhecimento de todos os participantes merecedores, ao invés de um relato enviesado que distorce o registro.

Paraquedistas do 502ª PIR, 101ª Divisão Aerotransportada "Screaming Eagles" em um VW tipo 82 Kübelwagen alemão caputrado no cruzamento da Rua Holgate e a Rota Nacional no.13, em Carentan, na Normandia, 14 de junho de 1944.

sábado, 23 de abril de 2022

Museu da Baía dos Porcos: Playa Girón, Cuba


Por Rob KrottSmall Arms Review, 19 de junho de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de abril de 2022.

“Não, não, los mercenarios eram Yanquis... não cubanos!” Esta foi apenas uma das pequenas propagandas que ouvi na minha primeira visita a Cuba. Comigo (e compartilhando minha incredulidade com tais declarações) estava meu velho amigo Jerry Lee, um paraquedista e reservista da polícia militar. “The Guner”, como é conhecido, trabalha na indústria automobilística e atua como DJ de rádio rock n’ roll. Um usinador talentoso, ele construiu legalmente sua própria metralhadora Browning 1919 e pode ser contado para solucionar qualquer problema mecânico de armas de Classe III.

Morte aos imperialistas Yanquis!

Prisioneiros da Brigada 2506 guardados por fidelistas cubanos.
O homem à direita tem um FN FAL.

Depois de ler nossa história, incluindo o exemplar de Jerry do livro The Bay of Pigs: the Leaders’ Story of Brigade 2506, de Haynes Johnson, queríamos ver o local do desembarque em primeira mão. Deslizando ao motorista e ao guia turístico US$ 10 cada, ficamos felizes em deixar os outros turistas para trás. Enquanto nadavam na Playa Larga, que fica na cabeceira da Bahia de Cochinos, a Baía dos Porcos, demos um mergulho na história da Guerra Fria. Ficava a vinte minutos de carro da Bahia de Cochinos, conhecida pela maioria dos cubanos como Playa Girón, em homenagem a Gilbert Giron, um pirata francês que desembarcou lá no século XVII. Contornamos o Parque Nacional de la Cienega de Zapata (Zapata Marshlands Park), uma região selvagem praticamente intocada que abriga 80% da fauna de Cuba, incluindo um grande número de crocodilos. Playa Larga fica na cabeceira da Baía dos Porcos. Foi aqui que uma força de exilados cubanos apoiada pela CIA, a Brigada 2506, invadiu Cuba em 17 de abril de 1961. Negado apoio aéreo suficiente pelo presidente Kennedy, a invasão falhou. A maioria dos homens da Brigada 2506 foram mortos ou capturados. Muitos foram posteriormente executados. Alguns tentaram atravessar os pântanos de água salgada infestados de crocodilos da Cienega de Zapata e morreram. Após a invasão, uma tentativa subsequente dos soviéticos de instalar mísseis balísticos de médio alcance com capacidade nuclear em Cuba provocou a Crise dos Mísseis Cubanos de 1962.

O governo construiu um museu, o Museo de Girón, para comemorar a vitória cubana sobre os imperialistas americanos e seus “mercenários” cubanos. Os exilados cubanos da Brigada 2506 são identificados nas exposições do museu como pertencentes à “Organizacion de la Brigada de Asalto 2506 (mercenaria)”. Ao longo da estrada a caminho de Playa Girón há um outdoor de propaganda comemorando a invasão da Baía dos Porcos. “Playa Girón, primera gran derrota del imperialismo en America Latina” (Praia Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina). Uma inserção mostra uma cena famosa de Castro pulando de sua peça de assalto autopropulsada soviética - um motivo popular na área. Estacionado em frente ao museu está um avião de combate britânico Sea Fury usado pela força aérea de Castro para atacar a força de invasão de exilados cubanos na praia durante a Baía dos Porcos. Eles também deram o inferno aos B-26 destinados a apoiar a invasão.

Fidel Castro comandando a batalha do seu SU-100.

Fidel Castro descendo de um T-34/85 dutante a batalha.

Passando pelos Sea Furry e uma bandeira cubana tremulando na brisa, compramos um ingresso e entramos. Visitamos o museu junto com um grupo de estudantes cubanos usando lenços vermelhos dos Jovens Pioneiros do Partido Comunista. Mais de um puxou a manga de um colega de escola e sussurrou “Yanquis” ou “Imperialistas”. Aqui, longe das armadilhas turísticas da praia de Varadero e Vedado (Havana), os cubanos levam muito a sério sua história política.

Fotografias dos soldados cubanos (na verdade, milicianos locais) mortos nos combates dominaram as exposições, ocupando uma parede inteira. As vitrines estavam cheias de muitos de seus pertences pessoais; uniformes, armas de porte, boinas e insígnias. Armas capturadas na invasão e usadas pelas forças cubanas, juntamente com vários itens de equipamento de campanha, encheram o resto do museu. Então, como aficionados por armas portáteis que colecionam uniformes e militaria, estávamos no céu. Jerry teve o prazer de confirmar em uma exibição que os cubanos da Brigada 2506 usavam uniformes de camuflagem de 13 botões de estrelas do USMC da década de 1950, enquanto eu cobiçava uma autêntica insígnia 2506 (uma bandeira cubana sobreposta a uma cruz branca) com aba. Estudando as fotos de milicianos recebendo armas ainda cobertas de graxa de embalagem, Jerry e eu determinamos que as Milicias, Nacionales Revolucionarias estavam armadas com uma miscelânea de fuzis M-1 Garand Beretta, Springfield 1903, Krag 1896 (o #31640 está em exibição no museu), os primeiros fuzis FN FAL 7,62mm e até uma pistola automática Remington .45. Os pilares eram fuzis tchecos Modelo 52 7,62mm, submetralhadoras soviéticas PPSh-41 e submetralhadoras tchecas Modelo 23 de 9mm - todos "comprados" às pressas pelo governo de Castro do Pacto de Varsóvia e emitidos às pressas para os milicianos, em sua maioria não treinados, da milícia cubana. Embora não fosse a melhor escolha de armas leves de combate disponíveis na época, elas eram adequadas para uso por camponeses analfabetos. O PPSh-41 é um projeto simples e ainda mais simples de operar, enquanto o Modelo 52 e o modelo 23 são projeto excelentes. A submetralhadora Modelo 23 compartilha muitos recursos únicos de projeto com a Uzi. Com sua seqüência de montagem/desmontagem extremamente simples, poderia ser entregue a milicianos não treinados com apenas um breve período de orientação e instrução. Uma submetralhadora de 9mm também não requer muito em termos de treinamento de pontaria!

Insígnia da Brigada Asalto 2506.

Semelhante ao MKb42(W) alemão, o modelo 52 tcheco (7,62mm tcheco) - os tchecos copiaram o sistema de gás exclusivo do MKb42 projetado por Walther - é semiautomático e, portanto, não é um verdadeiro fuzil de assalto. No entanto, com seu carregador de cofre destacável de 10 tiros e calibre pesado, era um páreo para os soldados da Brigada 2506 equipados com carabinas M-1 de calibre .30 e M1 Garands M-1 de 8 tiros.

É claro que também havia uma série de carabinas M-2, fuzis M-1 e pistolas automáticas Colt .45, cortesia do Exército dos EUA através do arsenal de Fulgencio Batista em uso pelos milicianos cubanos. As pistolas Colt 1911 .45 ACP foram usadas extensivamente em ambos os lados da revolução cubana e foram muito admiradas e cobiçadas. Castro é conhecido por ter carregado uma .45 durante a revolução (junto com um fuzil de caça Modelo 70 Winchester) e supostamente tinha a mesma peça com ele na Baía dos Porcos. Uma foto tirada por Lester Cole em Havana alguns dias após a derrubada triunfante do regime de Batista por Castro mostra Castro usando uma M1911 .45. As pistolas robustas e confiáveis continuaram a ser usadas por muitos soldados cubanos até que a distribuição generalizada de armas soviéticas começou. Vários dos M1911 que eu vi em coleções de museus cubanos ostentavam punhos personalizados e eram bem conservados - não é um trabalho fácil nos trópicos.

Milicianos com uma miscelânea de armamentos celebrando a vitória.

Milicianos e regulares posando com um barco capturado dos brigadistas.

Mas, os exilados invasores estavam armados com mais do que carabinas e pistolas. Como a tarefa da Brigada era garantir uma cabeça de praia e avançar para o interior, eventualmente dirigindo para Havana (como isso foi previsto, dadas as estradas ruins e a distância até a costa norte ainda me intriga), os pelotões de petrechos pesados estavam todos equipados. Armas pesadas capturadas na invasão e agora em exibição incluíam um morteiro M-30 4,2 “Four Deuce”, um canhão sem recuo de 75mm para trabalho antitanque e uma metralhadora Browning calibre .30. Uma pesada arma automática usada pela milícia cubana, uma metralhadora tcheca modelo 37 (ZB53) de 7,92 mm - precursora da metralhadora de tanque Besa de fabricação britânica - me causou problemas com uma das matronas do museu quando destravei a alça do cano de troca rápida/mecanismo de trancamento do cano. “Just czeching”, eu disse a ela.

Não é à toa que o Modelo 37 foi usado pelas forças de Castro na praia da Baía dos Porcos, pois o Modelo 37 foi fabricado em grande número expressamente para exportação. O ZB-37, também conhecido como Modelo 53 (ZB-53), tem uma cadência de tiro lenta (500 rpm) ou mais rápida (700 rpm), dependendo do seletor. Com uma alimentação à direita de 100 ou 200 tiros em correias metálicas, esta metralhadora pesada de 7,92mm provou ser um cavalo de batalha confiável em teatros de combate em todo o mundo. Também em exibição estava uma arma antiaérea de quatro canos (que acredito ser um ZSU-23-4 de modelo inicial) - teria sido um verdadeiro terror no papel de apoio terrestre se fosse usado para varrer a praia. Também pode ter contribuído para a derrubada dos B-26 perdidos durante a invasão, embora isso seja apenas especulação. Os zeladores do museu foram muito prestativos e surpresos ao ver a quantidade de tempo e atenção que demos às exposições. Eu não acho que eles tenham muitos veteranos militares americanos aqui.

Canhão anti-aéreo das FAR na Baía dos Porcos.

No caminho de volta para Varadero, paramos na Austrália, uma cidade batizada com o nome da empresa-mãe de sua usina de açúcar. Saltamos da minivan e começamos a procurar o antigo posto de comando de Castro durante a Baía dos Porcos. Sabíamos que era aqui na Austrália pelos livros de história e porque havia um outdoor ao lado da estrada anunciando isso. “Aqui esta comandancia de las FAR” (FAR: Fuerzas Armadas Revolucionarias - Forças Armadas Revolucionárias). Encontrar o prédio real usado como posto de comando de Fidel exigiu um pouco de perambulação, embora estivesse a apenas um quarteirão da placa. Todos, exceto nosso guia turístico, sabiam onde tinha estado. Lá encontramos uma pequena coleção de fuzis antigos, incluindo dois Winchesters e um Remington Rolling Block. Ambos provavelmente foram usados na Guerra Hispano-Americana.

Gostei muito da minha primeira visita a Playa Giron. Além de visitar o museu e caminhar pela praia, havia uma emoção inerente só de estar lá - no país que é o último, mais próximo e desafiador inimigo da Guerra Fria dos Estados Unidos da América.


Rob fez 3 visitas subsequentes ao Museu Playa Giron. Para leitura adicional sobre a Baía dos Porcos, consulte: The Bay of Pigs; the Leaders Story of Brigade 2506, Haynes Johnson, et al W.W. Norton Co. 1964, 1ª edição.

Este artigo apareceu pela primeira vez na revista Small Arms Review V3N7 (abril de 2000) e foi publicado online em 19 de junho de 2015.

Fotos do Museu

Outdoor de propaganda na Baía dos Porcos: "Playa Girón, a primeira grande derrota do imperialismo na América Latina". A inserção no "O" mostra uma famosa cena de Castro pulando da torre de um T-34/85.

O autor Rob Krott sentado em um antigo bunker e olhando para Playa Largo ao sul da Baía dos Porcos.

Material capturado dos brigadistas, incluindo uma submetralhadora M3 Grease Gun, um camuflado e uma insígnia.

Fuzil FAL com guarda-mão e coronha de madeira e submetralhadora SA 23 tcheca.

Cartão Postal de Cuba: "METRALLETAS", Ciudad Libertad 1960, La Habana, Cuba.

Browning .30 recuperada após o fracasso da invasão.

Exilados cubanos camuflados da Brigada 2506 são levados ao cativeiro ou à execução. Observe os fuzis FN FAL brandidos pelos milicianos.

As armas pesadas dominam o centro do salão do museu.

Pintura a óleo retratando a famosa cena de Castro pulando de um tanque T-34/85. Esta pintura está pendurada no Museu da Revolução em Havana.

quinta-feira, 31 de março de 2022

Mais gastos sozinhos não resolverão o maior problema do Pentágono

O presidente dos EUA Joe Biden (D) e o presidente polonês Andrzej Duda (E) passam em revista uma guarda de honra militar durante uma cerimônia oficial de boas-vindas antes de uma reunião em Varsóvia em 26 de março de 2022. (Brendan SMIALOWSKI-AFP)

Por Elbridge A. Colby, TIME Magazine, 28 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de março de 2022.

A abominável invasão da Ucrânia pela Rússia levou a um aumento no apoio a um maior orçamento de defesa dos EUA. Isso é bom. Para que os EUA subscrevam com credibilidade uma estratégia de segurança nacional sensata em uma era de rivalidade entre grandes potências, a nação precisa gastar mais em suas forças armadas.

Algumas vozes proeminentes estão indo além de apenas pressionar por mais gastos em defesa, argumentando que os EUA podem e, portanto, devem adotar novamente uma abordagem de domínio militar global, com forças armadas capazes de derrotar simultaneamente até mesmo nossos adversários mais poderosos. Isso é semelhante à política que os EUA seguiram na década de 1990, após o colapso da União Soviética.

Embora sejam necessários maiores gastos com defesa, isso não nos aliviará da necessidade de uma estratégia clara, porque mesmo aumentos significativos não serão suficientes para restaurar o domínio militar global que desfrutamos em uma era sem grandes rivais. Essa necessidade é ainda mais pronunciada, pois a proposta de orçamento de defesa que o governo Biden acaba de lançar marca apenas um aumento nominal de 4% – ou seja, sem contar a inflação – em relação ao total promulgado no ano passado. Em vez disso, precisamos contar com a versão militar do que os economistas chamam de “escassez” e priorizar de acordo, focando na China como nosso principal desafio.

A escassez militar que enfrentamos agora é mais aguda e conseqüente em nossa capacidade de travar grandes guerras com a China e a Rússia em prazos semelhantes. Na prática, faltam-nos capacidades-chave suficientes – como bombardeiros penetrantes, submarinos de ataque, munições avançadas e as plataformas de reconhecimento certas – para derrotá-los ao mesmo tempo. Há sérias dúvidas se temos o suficiente de algumas dessas capacidades-chave até mesmo para vencer uma delas, especialmente a China sobre, por exemplo, Taiwan. E o fato de que teríamos que planejar que qualquer guerra desse tipo com a China ou a Rússia pudesse muito bem chegar ao nível nuclear apenas exacerbaria esses desafios. Isso significa que, se entrarmos em guerra com um, não podemos esperar razoavelmente vencer o outro até que regeneremos e reposicionemos nossas forças.

Esse problema é mais apontado pelo aprofundamento da entente sino-russa, que sugere que esses dois poderes serão mais propensos a coordenar seus ataques para capitalizar nossas deficiências. Ao mesmo tempo, enfrentamos outras ameaças da Coreia do Norte, Irã, terroristas transnacionais e possivelmente outros – e eles também podem tentar tirar vantagem de nossas vulnerabilidades.

Em sua raiz, a razão para a escassez que enfrentamos é a ascensão da China, uma economia agora aproximadamente do tamanho da nossa que continua a aumentar substancialmente os gastos com defesa. Apenas neste mês, Pequim anunciou que aumentaria seu orçamento militar em 7% - mais uma vez. Os gastos de Pequim são predominantemente focados na Ásia, enquanto os nossos estão espalhados. Além disso, as tabulações padrão dos gastos militares da China são quase certamente subcontadas. Mesmo assim, os gastos da China com suas forças armadas são relativamente baixos, segundo os padrões históricos, para uma grande potência, sugerindo que Pequim poderia aumentá-los ainda mais e possivelmente fazê-lo com relativa rapidez. Essa perspectiva não deve nos impedir de aumentar os gastos com defesa, mas devemos ter em mente que estamos lidando com uma economia que pode ser capaz de igualar ou mesmo exceder o aumento dos investimentos dos EUA em forças para a Ásia.

Mas a ascensão da China não é a única razão pela qual os aumentos da defesa não nos aliviarão da necessidade de uma estratégia real.

Em primeiro lugar, serão necessários aumentos significativos nos gastos com defesa apenas para nos mantermos à frente dos geradores de custos orgânicos em nossas forças armadas. As pressões de custos ascendentes são um produto de uma série de fatores, incluindo o aumento das despesas com pessoal, a necessidade de manter e recapitalizar plataformas antigas de décadas e decisões anteriores de adiar a modernização. Consequentemente, vozes proeminentes e credíveis afirmaram que o Departamento de Defesa precisa de pelo menos 3-5% de crescimento acima da inflação - que, é claro, aumentou substancialmente nos últimos meses - para fornecer recursos até mesmo à Estratégia Nacional de Defesa de 2018, que exigia uma priorização acentuada acima de tudo para o desafio da China. Isso, juntamente com o crescimento militar galopante da China, sugere fortemente que muito acima de 5% de crescimento real seria necessário para fazer mais do que o estabelecido na Estratégia de 2018, quanto mais buscar o domínio militar global.

Em segundo lugar, o aumento da defesa levará tempo para dar frutos. Navios, aeronaves e até munições podem levar anos para serem produzidos. E nossa base industrial de defesa não é mais o que era; a inconsistência e a incerteza no orçamento, bem como a perda de capacidade de fabricação doméstica e perda de talentos de engenharia, enfraqueceram a base industrial dos Estados Unidos. Como resultado, podemos construir no máximo três submarinos por ano. Mesmo algumas munições podem levar anos para serem construídas. Como resultado, levará tempo para a indústria de defesa dos EUA reiniciar ou expandir as linhas de produção, mesmo com maiores gastos. Isso significa que será muito difícil perseguir uma estratégia muito mais ambiciosa por muitos anos, se não mais.

Terceiro, mesmo que gastemos mais, a história sugere que há uma boa chance de que muitos desses gastos sejam alocados de forma ineficiente. As deficiências que precisamos resolver para manter nossa capacidade de deter, não menos derrotar, a agressão por nossos adversários mais poderosos são especialmente em nossas forças aéreas, espaciais e navais. Temos poucos bombardeiros penetrantes, submarinos de ataque, munições avançadas, defesa aérea e plataformas de reconhecimento, e fizemos muito pouco para tornar nossas forças no Pacífico Ocidental mais resistentes e eficazes. Se houver aumentos nos gastos, mas grande parte do dinheiro novo for usado para comprar mais tanques, navios de superfície vulneráveis e aeronaves caras de curto alcance, esses aumentos não ajudarão muito a abordar a China, nem menos vários adversários ao mesmo tempo.

Quarto, precisamos gastar uma fração maior de nosso orçamento de defesa para lidar com a China na Ásia, limitando nossa capacidade de buscar domínio em outros teatros. Isso ocorre porque devemos gastar mais do que apenas um mínimo plausível na China, particularmente garantindo que nossas forças sejam capazes de prevalecer no “cenário de ritmo” do Pentágono – Taiwan. As apostas de uma guerra na região mais importante do mundo entre as duas superpotências do globo são muito grandes e a incerteza de como uma guerra de grandes potências se desenrolaria muito profunda.

Consequentemente, devemos gastar o suficiente para lidar com a China para estarmos muito confiantes de que poderíamos negar com sucesso a Pequim a capacidade de subordinar um aliado dos EUA ou Taiwan. Em termos práticos, isso significa que devemos nos proteger construindo tanto capacidades de ataque de longo alcance menos vulneráveis à preempção chinesa quanto forças resilientes desdobradas para frente, não apenas para construir redundância em nossos planos, mas também para impor dilemas ao planejamento de Pequim e galvanizar os esforços aliados. O resultado disso é que uma parcela maior de qualquer aumento nos gastos com defesa deve ir para a Ásia do que muitos imaginam, restringindo nossa capacidade de buscar o domínio de vários teatros.

Quinto, também precisamos reconhecer que não há caminhos fáceis para restaurar o domínio militar global. A realidade é que os investimentos militares no ambiente de hoje são menos polivalentes ou fungíveis do que alguns afirmam. Fundamentalmente, não estamos nos preparando para, digamos, guerras simultâneas contra o Iraque e a Coréia do Norte nos anos 1990, sobre os quais nossas forças armadas dominariam, balançando forças como bombardeiros, navios-tanque e porta-aviões conforme necessário entre os conflitos para resolver quaisquer deficiências que possam surgir. Em vez disso, estamos lidando com grandes potências. Nesse contexto, nossos investimentos militares são muito mais frequentemente de soma zero – eles compensam uns com os outros.

Isto é parcialmente devido ao atrito provável. Se quisermos ser prudentes no planejamento de uma guerra com a China ou a Rússia, devemos supor que nossas forças sofreriam perdas significativas, inclusive nas principais capacidades de vencer a guerra necessárias para prevalecer e onde nossa escassez é mais aguda. Sistemas vitais como bombardeiros furtivos B-2, submarinos de ataque, satélites e possivelmente até porta-aviões seriam perdidos e munições críticas como mísseis anti-navio de longo alcance e mísseis lançados por ar de ataque terrestre seriam gastos em números consideráveis. Essas perdas, se não tivéssemos estoques adequados de substitutos, nos tornariam altamente vulneráveis em um segundo – e muito menos em terceiro – teatro, possivelmente por anos, dados os prazos necessários para reabastecer essas forças.

É também porque mesmo as forças que sobrevivem têm maior probabilidade de serem fixadas em uma determinada região ou para um conflito específico, limitando sua flexibilidade. Isso está na raiz porque uma guerra com a China ou a Rússia seria um assunto muito diferente do que, digamos, derrotar as forças armadas iraquianas em 2003. Lutar contra uma grande potência quase certamente seria muito mais difícil e levaria um tempo consideravelmente mais longo em suas fases críticas – muito mais uma questão de um trabalho árduo simplesmente para prevalecer na disputa militar convencional do que uma campanha rápida de choque e pavor (shock and awe). Em tal contexto, não gostaríamos de ter que remover forças críticas de uma luta inacabada para lidar com outro conflito. Esta é uma dinâmica muito real: a Alemanha decidiu retirar forças da Frente Ocidental no verão de 1914 para lidar com a Rússia, e isso pode ter feito a diferença entre a vitória e o impasse – na verdade, em última análise, a derrota da Alemanha.

Além disso, forças como submarinos de ataque e embarcações de superfície podem não ser fisicamente capazes de fazer a transição entre os teatros nos prazos relevantes. Se lutas críticas acontecerem em prazos simultâneos, como foi o caso em 1914 e novamente na Segunda Guerra Mundial, os sistemas-chave podem não ser capazes de se mover rápido o suficiente entre os teatros. E o trânsito de quaisquer forças pode ser inibido pelas ações de nossos oponentes, limitando ainda mais nossa capacidade de alterná-los entre os teatros. O resultado disso é que, para podermos lutar duas grandes guerras de poder simultâneas, precisaríamos comprar muito mais do que apenas um conjunto de grandes capacidades para vencer a guerra. Isso significa que uma despesa muito maior é necessária para lidar com o potencial de conflitos simultâneos com a China e a Rússia, sem falar em outras ameaças como Irã e Coréia do Norte.

Juntos, esses fatores significam que não podemos esperar apenas gastar nosso caminho de volta ao domínio militar global. E isso sem mencionar a questão iminente de se os americanos, independentemente dos méritos estratégicos de tais gastos, apoiariam gastos muito mais altos nas forças armadas, ou se aumentos maciços são aconselháveis à luz de nossa situação macroeconômica.

À luz dessas razões, a nação exige uma estratégia, uma priorização clara de onde colocamos nosso dinheiro, esforço e vontade. Nossa estratégia deve priorizar a capacidade de negar à China, de longe nosso maior desafio, a capacidade de subordinar Taiwan ou outro aliado dos EUA na Ásia, ao mesmo tempo em que nos permite modernizar nossa dissuasão nuclear e sustentar nossos esforços de contraterrorismo. Simultaneamente, devemos assegurar a capacidade de contribuir materialmente de uma forma mais limitada para uma defesa eficaz da OTAN na Europa contra a Rússia, mesmo que os nossos aliados europeus assumam a responsabilidade primária pela sua própria defesa convencional.

Alguns podem argumentar que o desempenho aparentemente ruim da Rússia na Ucrânia sugere que ela não representa uma ameaça militar e, portanto, que o domínio militar global é uma meta razoável. Isso é infundado. Primeiro, devemos ser cautelosos ao prever o fim da Rússia; mesmo que seja embotado na Ucrânia, a história sugere que devemos supor que a Rússia investirá na restauração de seu poder militar. Além disso, é provável que a Rússia lute contra os EUA e a OTAN de uma maneira diferente da que lutou contra a Ucrânia. Não devemos desconsiderar a ameaça militar russa. Mais fundamentalmente, porém, se a ameaça militar da Rússia for menor do que pensávamos e provavelmente diminuirá pelo menos por vários anos, à medida que recapitalizar suas forças armadas, é ainda mais prudente priorizar a China na Ásia. Enquanto isso, a Europa está finalmente se preparando para se armar, tornando um papel europeu muito maior na defesa da OTAN um objetivo mais atingível. Assim, embora priorizar a Ásia faça sentido mesmo em circunstâncias mais terríveis, agora podemos fazê-lo com mais confiança.

Gastar mais em defesa é o caminho certo para o país. Mas não devemos nos iludir: não será uma panacéia. O fato é que não podemos simplesmente sobrecarregar a gama de ameaças que enfrentamos com recursos adicionais. Nessa situação, precisamos de uma estratégia clara que priorize a China e precisamos implementá-la.

sábado, 19 de março de 2022

E se a Rússia vencer? Uma Ucrânia controlada pelo Kremlin transformaria a Europa

Por Liana Fix e Michael Kimmage, Foreign Affairs, 18 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 19 de março de 2022.

[Esse artigo é uma análise em duas partes. A outra pode ser lida aqui.]

Quando a Rússia se juntou à guerra civil em curso na Síria, no verão de 2015, chocou os Estados Unidos e seus parceiros. Por frustração, o então presidente Barack Obama afirmou que a Síria se tornaria um “atoleiro” para a Rússia e o presidente russo Vladimir Putin. A Síria seria o Vietnã da Rússia ou o Afeganistão de Putin, um erro grave que acabaria se repercutindo contra os interesses russos.

A Síria não acabou como um atoleiro para Putin. A Rússia mudou o curso da guerra, salvando o presidente sírio Bashar al-Assad da derrota iminente, e depois traduziu a força militar em influência diplomática. Manteve custos e baixas sustentáveis. Agora a Rússia não pode ser ignorada na Síria. Não houve acordo diplomático. Em vez disso, Moscou acumulou maior influência regional, de Israel à Líbia, e manteve um parceiro leal em Assad para a projeção de poder da Rússia. Na Síria, o que o governo Obama não antecipou foi a possibilidade de que a intervenção da Rússia fosse bem-sucedida.

No inverno surreal de 2021-22, os Estados Unidos e a Europa estão mais uma vez contemplando uma grande intervenção militar russa, desta vez na própria Europa. E mais uma vez, muitos analistas alertam para consequências terríveis para o agressor. Em 11 de fevereiro, o ministro de Estado britânico para a Europa, James Cleverly, previu que uma guerra mais ampla na Ucrânia “seria um atoleiro” para a Rússia. Em uma análise racional de custo-benefício, diz o pensamento, o preço de uma guerra em grande escala na Ucrânia seria punitivamente alto para o Kremlin e acarretaria um derramamento de sangue significativo. Os Estados Unidos estimaram cerca de 50.000 vítimas civis. Além de minar o apoio de Putin entre a elite russa, que sofreria pessoalmente com as tensões que se seguiriam com a Europa, uma guerra poderia colocar em risco a economia da Rússia e alienar o público. Ao mesmo tempo, poderia aproximar as tropas da OTAN das fronteiras da Rússia, deixando a Rússia para lutar contra a resistência ucraniana nos próximos anos. De acordo com essa visão, a Rússia estaria presa em um desastre de sua própria autoria.

No entanto, a análise de custo-benefício de Putin parece favorecer a derrubada do status quo europeu. A liderança russa está assumindo mais riscos e, acima da briga da política do dia-a-dia, Putin está em uma missão histórica para solidificar a influência da Rússia na Ucrânia (como fez recentemente na Bielorrússia e no Cazaquistão). E na visão de Moscou, uma vitória na Ucrânia pode estar ao seu alcance. É claro que a Rússia pode simplesmente prolongar a crise atual sem invadir ou encontrar uma maneira palatável de se desvencilhar. Mas se o cálculo do Kremlin estiver certo, como no final foi na Síria, os Estados Unidos e a Europa também devem estar preparados para uma eventualidade que não seja um atoleiro. E se a Rússia vencer na Ucrânia?

Se a Rússia ganhar o controle da Ucrânia ou conseguir desestabilizá-la em grande escala, começará uma nova era para os Estados Unidos e para a Europa. Os líderes americanos e europeus enfrentariam o duplo desafio de repensar a segurança europeia e de não serem arrastados para uma guerra maior com a Rússia. Todos os lados teriam que considerar o potencial de adversários com armas nucleares em confronto direto. Essas duas responsabilidades – defender com firmeza a paz europeia e evitar com prudência a escalada militar com a Rússia – não serão necessariamente compatíveis. Os Estados Unidos e seus aliados podem se encontrar profundamente despreparados para a tarefa de criar uma nova ordem de segurança europeia como resultado das ações militares da Rússia na Ucrânia.

Muitas maneiras de ganhar


Para a Rússia, a vitória na Ucrânia pode assumir várias formas. Como na Síria, a vitória não precisa resultar em um acordo sustentável. Poderia envolver a instalação de um governo complacente em Kiev ou a divisão do país. Alternativamente, a derrota das forças armadas ucranianas e a negociação de uma rendição ucraniana poderiam efetivamente transformar a Ucrânia em um Estado falido. A Rússia também poderia empregar ataques cibernéticos devastadores e ferramentas de desinformação, apoiadas pela ameaça da força, para paralisar o país e induzir a mudança de regime. Com qualquer um desses resultados, a Ucrânia terá sido efetivamente separada do Ocidente.

Se a Rússia alcançar seus objetivos políticos na Ucrânia por meios militares, a Europa não será o que era antes da guerra. Não apenas a primazia dos EUA na Europa foi qualificada; qualquer sentido de que a União Européia ou a OTAN possam garantir a paz no continente será o artefato de uma era perdida. Em vez disso, a segurança na Europa terá de ser reduzida à defesa dos membros centrais da UE e da OTAN. Todos fora dos clubes ficarão sozinhos, com exceção da Finlândia e da Suécia. Isso pode não ser necessariamente uma decisão consciente de acabar com o alargamento ou as políticas de associação; mas será uma política de facto. Sob um cerco percebido pela Rússia, a UE e a OTAN não terão mais capacidade para políticas ambiciosas além de suas próprias fronteiras.

Os Estados Unidos e a Europa também estarão em estado de guerra econômica permanente com a Rússia. O Ocidente procurará aplicar sanções abrangentes, que a Rússia provavelmente evitará com medidas cibernéticas e chantagem energética, dadas as assimetrias econômicas. A China pode muito bem ficar do lado da Rússia neste olho por olho econômico. Enquanto isso, a política interna nos países europeus se assemelhará a um grande jogo do século XXI, no qual a Rússia estudará a Europa para qualquer ruptura no compromisso com a OTAN e com o relacionamento transatlântico. Através de métodos justos e sujos, a Rússia aproveitará qualquer oportunidade para influenciar a opinião pública e as eleições nos países europeus. A Rússia será uma presença anárquica – às vezes real, às vezes imaginária – em todos os casos de instabilidade política europeia.

Os Estados membros do Leste teriam tropas da OTAN permanentemente em seu solo.

As analogias da Guerra Fria não serão úteis em um mundo com uma Ucrânia russificada. A fronteira da Guerra Fria na Europa teve seus pontos críticos, mas foi estabilizada de forma mutuamente aceitável no Ato Final de Helsinque de 1975. Em contraste, a suserania russa sobre a Ucrânia abriria uma vasta zona de desestabilização e insegurança da Estônia à Polônia e da Romênia  à Turquia. Enquanto durar, a presença da Rússia na Ucrânia será percebida pelos vizinhos da Ucrânia como provocativa e inaceitável e, para alguns, como uma ameaça à sua própria segurança. Em meio a essa dinâmica em mudança, a ordem na Europa terá que ser concebida principalmente em termos militares – o que, como a Rússia tem uma mão mais forte no campo militar do que no econômico, será do interesse do Kremlin – deixando de lado instituições não-militares como a União Européia.

A Rússia tem o maior exército convencional da Europa, o qual está mais do que pronta para usar. A política de defesa da UE – em contraste com a da OTAN – está longe de ser capaz de proporcionar segurança aos seus membros. Assim, a garantia militar, especialmente dos membros orientais da UE, será fundamental. Responder a uma Rússia revanchista com sanções e com a proclamação retórica de uma ordem internacional baseada em regras não será suficiente.

Ameaçar o leste da Europa

No caso de uma vitória russa na Ucrânia, a posição da Alemanha na Europa será severamente desafiada. A Alemanha é uma potência militar marginal que baseou sua identidade política do pós-guerra na rejeição da guerra. O círculo de amigos de que se cercou, especialmente no leste com a Polônia e os países bálticos, corre o risco de ser desestabilizado pela Rússia. A França e o Reino Unido assumirão papéis de liderança nos assuntos europeus em virtude de suas forças armadas comparativamente fortes e longa tradição de intervenções militares. O fator-chave na Europa, no entanto, continuará sendo os Estados Unidos. A OTAN dependerá do apoio dos EUA, assim como os países ansiosos e ameaçados do leste da Europa, as nações da linha de frente dispostas ao longo de uma linha de contato agora muito grande, expandida e incerta com a Rússia, incluindo a Bielorrússia e as partes da Ucrânia controladas pelos russos.

Os Estados membros do leste, incluindo Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia, provavelmente terão um número substancial de tropas da OTAN permanentemente estacionadas em seu solo. Um pedido da Finlândia e da Suécia para obter um compromisso do Artigo 5 e aderir à OTAN seria impossível de rejeitar. Na Ucrânia, os países da UE e da OTAN nunca reconhecerão um novo regime apoiado pela Rússia criado por Moscou. Mas eles enfrentarão o mesmo desafio que enfrentam com a Bielo-Rússia: aplicar sanções sem punir a população e apoiar os necessitados sem ter acesso a elas. Alguns membros da OTAN apoiarão uma insurgência ucraniana, à qual a Rússia responderá ameaçando os membros da OTAN.

O predicamento da Ucrânia será muito grande. Os refugiados fugirão em várias direções, possivelmente aos milhões. E as partes das forças armadas ucranianas que não forem derrotadas diretamente continuarão lutando, ecoando a guerra de guerrilhas que destruiu toda essa região da Europa durante e após a Segunda Guerra Mundial.

O estado permanente de escalada entre a Rússia e a Europa pode permanecer frio do ponto de vista militar. É provável, porém, que seja economicamente quente. As sanções impostas à Rússia em 2014, que estavam ligadas à diplomacia formal (muitas vezes referida como o processo "de Minsk”, devido à cidade em que as negociações foram realizadas), não foram draconianas. Eles eram reversíveis, bem como condicionais. Após uma invasão russa da Ucrânia, novas sanções bancárias e de transferência de tecnologia seriam significativas e permanentes. Eles viriam na esteira de uma diplomacia fracassada e começariam “no topo da escada”, de acordo com o governo dos EUA. Em resposta, a Rússia retaliará, muito possivelmente no domínio cibernético, bem como no setor de energia. Moscou limitará o acesso a bens críticos, como titânio, dos quais a Rússia é o segundo maior exportador mundial. Esta guerra de atrito testará ambos os lados. A Rússia será implacável ao tentar fazer com que um ou vários Estados europeus se afastem do conflito econômico, vinculando o relaxamento da tensão ao interesse próprio desses países, minando assim o consenso na UE e na OTAN.

O ponto forte da Europa é sua alavancagem econômica. O ativo da Rússia será qualquer fonte de divisão doméstica ou interrupção na Europa ou nos parceiros transatlânticos da Europa. Aqui a Rússia será proativa e oportunista. Se um movimento ou candidato pró-Rússia aparecer, esse candidato pode ser incentivado direta ou indiretamente. Se um ponto sensível econômico ou político diminuir a eficácia da política externa dos Estados Unidos e seus aliados, será uma arma para os esforços de propaganda russa e para a espionagem russa.

Muito disso já está acontecendo. Mas uma guerra na Ucrânia aumentará a aposta. A Rússia usará mais recursos e será desencadeada na escolha dos instrumentos. Os fluxos maciços de refugiados que chegam à Europa exacerbarão a política de refugiados não resolvida da UE e fornecerão um terreno fértil para os populistas. O Santo Graal dessas batalhas informativas, políticas e cibernéticas será a eleição presidencial de 2024 nos Estados Unidos. O futuro da Europa dependerá desta eleição. A eleição de Donald Trump ou de um candidato trumpiano pode destruir a relação transatlântica na hora de maior perigo da Europa, colocando em causa a posição da OTAN e as suas garantias de segurança para a Europa.

Voltando a OTAN para dentro


Para os Estados Unidos, uma vitória russa teria efeitos profundos em sua grande estratégia na Europa, Ásia e Oriente Médio. Primeiro, o sucesso russo na Ucrânia exigiria que Washington se voltasse para a Europa. Nenhuma ambiguidade sobre o Artigo 5 da OTAN (do tipo experimentado por Trump) será permitida. Apenas um forte compromisso dos EUA com a segurança europeia impedirá a Rússia de dividir os países europeus uns dos outros. Isso será difícil à luz de prioridades concorrentes, especialmente aquelas que enfrentam os Estados Unidos em um relacionamento deteriorado com a China. Mas os interesses em jogo são fundamentais. Os Estados Unidos têm ações comerciais muito grandes na Europa. A União Europeia e os Estados Unidos são os maiores parceiros comerciais e de investimento um do outro, com o comércio de bens e serviços totalizando US$ 1,1 trilhão em 2019. Uma Europa pacífica e que funcione bem aumenta a política externa americana – sobre mudanças climáticas, não-proliferação, sobre a opinião pública global saúde e na gestão das tensões com a China ou a Rússia. Se a Europa estiver desestabilizada, os Estados Unidos ficarão muito mais sozinhos no mundo.

A OTAN é o meio lógico pelo qual os Estados Unidos podem fornecer garantias de segurança à Europa e deter a Rússia. Uma guerra na Ucrânia reviveria a OTAN não como um empreendimento de construção da democracia ou como uma ferramenta para expedições fora da área, como a guerra no Afeganistão, mas como a aliança militar defensiva insuperável que foi projetada para ser. Embora os europeus exijam dos Estados Unidos um maior compromisso militar com a Europa, uma invasão russa mais ampla da Ucrânia deve levar todos os membros da OTAN a aumentar seus gastos com defesa. Para os europeus, esta seria a chamada final para melhorar as capacidades defensivas da Europa – em conjunto com os Estados Unidos – a fim de ajudar os Estados Unidos a administrar o dilema russo-chinês.

As superpotências nucleares teriam que manter sua indignação sob controle.

Para uma Moscou agora em permanente confronto com o Ocidente, Pequim poderia servir como apoio econômico e parceiro na oposição à hegemonia dos EUA. Na pior das hipóteses para a grande estratégia dos EUA, a China pode ser encorajada pela assertividade da Rússia e ameaçar o confronto sobre Taiwan. Mas não há garantia de que uma escalada na Ucrânia beneficiará o relacionamento sino-russo. A ambição da China de se tornar o nó central da economia eurasiana será prejudicada pela guerra na Europa, por causa das incertezas brutais que a guerra traz. A irritação chinesa com uma Rússia em marcha não permitirá uma reaproximação entre Washington e Pequim, mas poderá iniciar novas conversas.

O choque de um grande movimento militar da Rússia também levantará questões em Ancara. A Turquia do presidente Recep Tayyip Erdogan tem desfrutado do venerável jogo da Guerra Fria de jogar com as superpotências. No entanto, a Turquia tem uma relação substancial com a Ucrânia. Como membro da OTAN, não se beneficiará da militarização do Mar Negro e do Mediterrâneo oriental. As ações russas que desestabilizam a região mais ampla podem empurrar a Turquia de volta para os Estados Unidos, o que, por sua vez, pode criar uma barreira entre Ancara e Moscou. Isso seria bom para a OTAN e também abriria maiores possibilidades para uma parceria EUA-Turca no Oriente Médio. Em vez de um incômodo, a Turquia pode se tornar o aliado que deveria ser.

Uma amarga consequência de uma guerra mais ampla na Ucrânia é que a Rússia e os Estados Unidos agora se enfrentariam como inimigos na Europa. No entanto, eles serão inimigos que não podem se dar ao luxo de levar as hostilidades além de um certo limite. Por mais distantes que sejam suas visões de mundo, por mais ideologicamente opostas, as duas potências nucleares mais importantes do mundo terão que manter sua indignação sob controle. Isso equivalerá a um malabarismo fantasticamente complicado: um estado de guerra econômica e luta geopolítica em todo o continente europeu, mas um estado de coisas que não permite que a escalada se transforme em guerra total. Ao mesmo tempo, o confronto EUA-Rússia pode, na pior das hipóteses, se estender a guerras por procuração no Oriente Médio ou na África, se os Estados Unidos decidirem restabelecer sua presença após a catastrófica retirada do Afeganistão.

Manter a comunicação, especialmente em estabilidade estratégica e segurança cibernética, será crucial. É notável que a cooperação EUA-Rússia em atividades cibernéticas maliciosas continue mesmo durante as atuais tensões. A necessidade de manter acordos rigorosos de controle de armas será ainda maior após uma guerra na Ucrânia e o regime de sanções que a segue.

Nenhuma vitória é permanente

À medida que a crise na Ucrânia se desenrola, o Ocidente não deve subestimar a Rússia. Não deve apostar em narrativas inspiradas por desejos. A vitória russa na Ucrânia não é ficção científica.

Mas se houver pouco que o Ocidente possa fazer para impedir uma conquista militar russa, será capaz de influenciar o que acontecerá depois. Muitas vezes, as sementes do problema estão sob o verniz da vitória militar. A Rússia pode eviscerar a Ucrânia no campo de batalha. Pode tornar a Ucrânia um Estado falido. Mas só pode fazê-lo processando uma guerra criminosa e devastando a vida de um Estado-nação que nunca invadiu a Rússia. Os Estados Unidos e a Europa e seus aliados e outras partes do mundo tirarão conclusões e criticarão as ações russas. Por meio de suas alianças e de seu apoio ao povo da Ucrânia, os Estados Unidos e a Europa podem incorporar a alternativa às guerras de agressão e ao ethos do poder que faz o certo. Os esforços russos para semear a desordem podem ser contrastados com os esforços ocidentais para restaurar a ordem.

Por mais que os Estados Unidos tenham mantido as propriedades diplomáticas dos três Estados bálticos em Washington, D.C., depois de terem sido anexados pela União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial, o Ocidente pode se colocar do lado da decência e da dignidade nesse conflito. Guerras que são vencidas nunca são vencidas para sempre. Com demasiada frequência, os países se derrotam ao longo do tempo lançando e vencendo as guerras erradas.