Mostrando postagens com marcador Hong Kong. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Hong Kong. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 4 de junho de 2021

Polícia de Hong Kong prende principal organizador da vigília de Tiananmen

O desconhecido "Tank Man" pára uma coluna blindada na Praça da Paz Celestial (Tiananmen), em Pequim, 5 de junho de 1989. (Jeff Widener / Associated Press)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de junho de 2021.

A polícia de Hong Kong deteve um líder democrático na manhã desta sexta-feira (04/06), enquanto as autoridades procuravam evitar qualquer comemoração pública do aniversário da violenta repressão de Pequim na Praça de Tiananmen em 1989.

Milhares de policiais ficaram de prontidão depois que o governo proibiu uma vigília anual à luz de velas que serviu por décadas como um dia de poder popular pró-democracia na cidade. A primeira prisão ocorreu na manhã de sexta-feira, quando Chow Hang-tung, um dos poucos ativistas democráticos proeminentes que ainda não estavam na prisão, foi detido por quatro policiais fora de seu escritório. Chow, 37, é um dos vice-presidentes da Aliança de Hong Kong, que organiza a vigília anual. Uma fonte policial disse à Agence France Presse (AFP) que ela foi detida sob suspeita de divulgar uma assembléia ilegal.

 Enormes multidões tradicionalmente se reuniam em Hong Kong para marcar o aniversário das tropas chinesas esmagando os protestos pacíficos pela democracia na Praça Tiananmen de Pequim em 4 de junho de 1989. As estimativas giram entre 2.700-3.400 pessoas mortas na repressão.

As comemorações públicas do evento são proibidas no continente. Sob a política de uma China, dois sistemas, que pretendia dar a Hong Kong mais liberdade, a cidade era o único lugar em solo chinês onde comemorações em grande escala eram toleradas. Os maiores eventos em Hong Kong foram no Victoria Park, onde vigílias à luz de velas foram realizadas para lembrar os mortos e para apelar à China para abraçar a democracia.

As autoridades proibiram a reunião deste ano citando a pandemia do coronavírus - embora Hong Kong não tenha registrado uma transmissão local não-rastreável em mais de um mês.

Enquanto a vigília do ano passado também teve permissão negada por causa da pandemia, milhares simplesmente desafiaram a proibição. Mas muita coisa mudou em Hong Kong no ano passado, conforme as autoridades buscam extinguir o movimento pró-democracia da cidade usando uma nova e poderosa lei de segurança nacional para criminalizar muitos dissidentes. Autoridades alertaram que a cláusula de subversão dessa lei poderia ser usada contra aqueles celebrando Tiananmen.

A maioria das figuras democráticas mais proeminentes da cidade - muitas das quais organizariam e compareceriam às vigílias anuais da Tiananmen - estão na prisão, foram presas ou fugiram para o exterior.

Polícia de Hong Kong ocupando o Parque Victoria, 4 de junho de 2021.

Resistência passiva

A ameaça de prisões em massa forçou aqueles que normalmente compareceriam à vigília a pensar criativamente. Os ativistas pediram aos residentes que acendessem velas em suas próprias casas ou bairros na sexta-feira à noite, ou postassem mensagens de comemoração nas redes sociais.

Blindados chineses passam por cadáveres de estudantes mortos durante o massacre, 1989.

Uma campanha pediu aos habitantes de Hong Kong que escrevessem os números 6 e 4 - representando 4 de junho - nos interruptores de luz em casa. “Um regime pode banir uma assembleia, mas nunca pode banir as queixas indeléveis no coração das pessoas”, escreveu Lee Cheuk-yan, agora um ativista pela democracia preso, em uma mensagem publicada em sua página do Facebook na quinta-feira.

“Espero que todos possam encontrar sua própria maneira de acender uma vela perto da janela, na estrada, onde quer que possa ser vista por outras pessoas, para continuar nosso luto”, acrescentou.

Um líder de movimento estudantil falando na Praça de Tiananmen, durante as manifestações lideradas por estudantes em 1989.

Assim como a geração inicial de sobreviventes de Tiananmen que fugiram para o exterior há três décadas, muitas figuras da democracia de Hong Kong escolheram o autoexílio e planejam realizar suas próprias comemorações no exterior. Vigílias são planejadas em cidades como Tóquio, Sydney, Taipei, Londres, Berlim e Washington.

Na China continental, o aniversário de Tiananmen é geralmente marcado com um aumento dramático na censura online e a praça em Pequim sendo isolada.

Nova lei de segurança nacional

Pequim impôs a lei de segurança nacional a Hong Kong apenas algumas semanas após o comício do ano passado em resposta aos enormes e frequentemente violentos protestos pró-democracia de 2019. Ele transformou o cenário político antes liberal da cidade.

Mais de 100 figuras pró-democracia foram presas sob a nova lei, principalmente por opiniões e discursos políticos. A maioria não tem fiança e pode pegar prisão perpétua se for condenada.

Políticos pró-Pequim sugeriram que os apelos para “Acabar com o governo de um partido” e “Traga a democracia para a China” - ambos os gritos comuns nas vigílias de Tiananmen - agora poderiam ser considerados subversão, um dos crimes de segurança nacional na lei amplamente redigida.

Repressão policial em Hong Kong, março de 2020.

A legislação de segurança foi combinada com uma nova campanha apelidada de “Patriotas governam Hong Kong”, com o objetivo de expulsar qualquer pessoa considerada desleal de cargos públicos. A China afirma que as medidas restauraram a estabilidade.

Críticos, incluindo muitos governos ocidentais, dizem que a repressão destruiu a promessa de Pequim de que Hong Kong poderia manter liberdades fundamentais após a transferência da Grã-Bretanha para a China em 1997.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

A "recolonização" de Hong Kong pela China poderá ser concluída em breve12 de novembro de 2020.