Mostrando postagens com marcador Praça de Tiananmen. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Praça de Tiananmen. Mostrar todas as postagens

sábado, 4 de junho de 2022

Menção à Tiananmen sufocada na China e Hong Kong no 33º aniversário do massacre


Do jornal The Jerusalem Times, 4 de abril de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 4 de abril de 2022.

A polícia aumenta a presença, verifica identidades em Pequim, enquanto as autoridades fecham o parque de Hong Kong, onde é realizada uma vigília anual para manifestantes pró-democracia mortos na repressão de 1989.

PEQUIM - A segurança foi reforçada em torno da Praça Tiananmen, em Pequim, no sábado, aniversário da sangrenta repressão de 1989, enquanto a polícia de Hong Kong alertou as pessoas para não se reunirem enquanto a China se esforça para remover todos os lembretes dos eventos de 4 de junho.

A discussão da repressão é altamente sensível à liderança comunista da China. Ele fez um esforço exaustivo para apagar Tiananmen da memória coletiva, omitindo-a dos livros de história e censurando discussões online.

Policiais ficam de guarda em frente ao Portão de Tiananmen durante o 33º aniversário da repressão de 4 de junho de 1989 aos protestos pró-democracia em Pequim, 4 de junho de 2022. (Noel Celis/AFP)

Em 4 de junho de 1989, o governo enviou tropas e tanques para reprimir protestos pacíficos, reprimindo uma onda de semanas de manifestações pedindo mudanças políticas e restrições à corrupção oficial. Centenas, segundo algumas estimativas, mais de 1.000, foram mortos na repressão.

No sábado, as autoridades de Pequim instalaram dispositivos de reconhecimento facial nas estradas que levam à praça e pararam os transeuntes para verificar sua identificação, incluindo um grande grupo de ciclistas que foram obrigados a digitalizar individualmente suas carteiras de identidade.

Nesta foto de 5 de junho de 1989, tropas e tanques chineses se reúnem em Pequim, um dia após a repressão militar que encerrou uma manifestação pró-democracia de sete semanas na Praça Tiananmen. (Foto AP/Jeff Widener, Arquivo)

A presença da polícia na área foi visivelmente mais pesada do que o normal, com duas a três vezes o número normal de policiais visíveis na manhã de sábado. As referências a 4 de junho foram apagadas das plataformas de mídia social chinesas.

No Twitter, que está bloqueado na China, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que faz 33 anos “desde que o mundo assistiu a bravos manifestantes e espectadores exigindo pacificamente a democracia na Praça da Paz Celestial”.

“Apesar da remoção de memoriais e tentativas de apagar a história, honramos sua memória promovendo o respeito pelos direitos humanos onde quer que estejam ameaçados”, escreveu ele.

Comemorações de Hong Kong sufocadas

Polícia patrulha a entrada do Victoria Park, no distrito de Causeway Bay, em Hong Kong, local de uma vigília anual pelas vítimas do massacre da Praça da Paz Celestial, 4 de junho de 2022 (Peter Parks/AFP)

A semi-autônoma Hong Kong era o único lugar na China onde a lembrança em larga escala ainda era tolerada – até dois anos atrás, quando Pequim impôs uma lei de segurança nacional para extinguir a dissidência após enormes protestos pró-democracia em 2019. O esforço para remover todos os vestígios de Tiananmen da cidade se intensificou principalmente no ano passado.

As autoridades alertaram o público na sexta-feira que “participar de uma assembleia não autorizada” arriscava violar a lei e acarretava uma pena máxima de cinco anos de prisão. Grandes partes do Victoria Park, local de uma vigília anual à luz de velas com a participação de dezenas de milhares, foram fechadas na véspera do aniversário.

No movimentado distrito comercial de Causeway Bay, um artista performático que esculpiu uma batata no formato de uma vela e segurou um isqueiro foi cercado por mais de uma dúzia de policiais e levado em uma van da polícia, disse um repórter da AFP.

A polícia disse mais tarde que prendeu uma mulher de 31 anos por “conduta desordeira em local público”. A Aliança de Hong Kong, organizadora da vigília, foi processada como “agente estrangeiro” por incitação à subversão. Em setembro passado, seus líderes foram presos, seu museu fechado após uma batida policial e seus registros digitais da repressão foram apagados.

"Um privilégio de ficar de luto"

Corpos de manifestantes estudantis mortos pelas forças chinesas na Praça da Paz Celestial em 1989.

A falta de clareza sobre onde exatamente estão as linhas vermelhas de Hong Kong fez muitos entrarem na fila. Seis universidades removeram monumentos de 4 de junho que estavam em seus campi por anos. Pouco antes do Natal do ano passado, três foram levados em 48 horas. As missas memoriais católicas anuais, uma das últimas maneiras de os habitantes de Hong Kong se reunirem publicamente para lembrar, foram canceladas este ano, com os organizadores dizendo que não queriam violar a lei. Os eventos comemorativos em Macau também foram cancelados, com os organizadores culpando a “piora do ambiente na política de Macau”.

O espaço para lembrar publicamente a repressão agora está fora da China, com dissidentes exilados montando seus próprios museus nos Estados Unidos e ativistas planejando ressuscitar o Pilar da Vergonha, uma das estátuas universitárias removidas, em Taiwan.

Os consulados-gerais dos EUA e da Austrália em Hong Kong publicaram no sábado homenagens de Tiananmen nas mídias sociais, com o primeiro mudando sua foto de capa do Facebook para o Pilar.

Estudantes universitários colocam flores em frente à estátua “Pilar da Vergonha”, um memorial para os mortos na repressão de Tiananmen em 1989, na Universidade de Hong Kong, em 4 de junho de 2019. (AP Photo/Kin Cheung)

Em 4 de junho, vigílias serão realizadas globalmente, com o grupo de direitos humanos Anistia Internacional coordenando as vigílias à luz de velas em 20 cidades “para exigir justiça e mostrar solidariedade a Hong Kong”.

“A capacidade de comemorar o massacre de 4 de junho está se deteriorando drasticamente em Hong Kong”, disse à AFP Kacey Wong, uma artista que fugiu para Taiwan, em uma exposição em Taipei.

“Vir a Taiwan e ter a capacidade de ser humano novamente – expressar nossa preocupação, lamentar os mortos, é um privilégio. Totalmente um privilégio poder abertamente, em um espaço público, chorar.”

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








sexta-feira, 4 de junho de 2021

Polícia de Hong Kong prende principal organizador da vigília de Tiananmen

O desconhecido "Tank Man" pára uma coluna blindada na Praça da Paz Celestial (Tiananmen), em Pequim, 5 de junho de 1989. (Jeff Widener / Associated Press)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de junho de 2021.

A polícia de Hong Kong deteve um líder democrático na manhã desta sexta-feira (04/06), enquanto as autoridades procuravam evitar qualquer comemoração pública do aniversário da violenta repressão de Pequim na Praça de Tiananmen em 1989.

Milhares de policiais ficaram de prontidão depois que o governo proibiu uma vigília anual à luz de velas que serviu por décadas como um dia de poder popular pró-democracia na cidade. A primeira prisão ocorreu na manhã de sexta-feira, quando Chow Hang-tung, um dos poucos ativistas democráticos proeminentes que ainda não estavam na prisão, foi detido por quatro policiais fora de seu escritório. Chow, 37, é um dos vice-presidentes da Aliança de Hong Kong, que organiza a vigília anual. Uma fonte policial disse à Agence France Presse (AFP) que ela foi detida sob suspeita de divulgar uma assembléia ilegal.

 Enormes multidões tradicionalmente se reuniam em Hong Kong para marcar o aniversário das tropas chinesas esmagando os protestos pacíficos pela democracia na Praça Tiananmen de Pequim em 4 de junho de 1989. As estimativas giram entre 2.700-3.400 pessoas mortas na repressão.

As comemorações públicas do evento são proibidas no continente. Sob a política de uma China, dois sistemas, que pretendia dar a Hong Kong mais liberdade, a cidade era o único lugar em solo chinês onde comemorações em grande escala eram toleradas. Os maiores eventos em Hong Kong foram no Victoria Park, onde vigílias à luz de velas foram realizadas para lembrar os mortos e para apelar à China para abraçar a democracia.

As autoridades proibiram a reunião deste ano citando a pandemia do coronavírus - embora Hong Kong não tenha registrado uma transmissão local não-rastreável em mais de um mês.

Enquanto a vigília do ano passado também teve permissão negada por causa da pandemia, milhares simplesmente desafiaram a proibição. Mas muita coisa mudou em Hong Kong no ano passado, conforme as autoridades buscam extinguir o movimento pró-democracia da cidade usando uma nova e poderosa lei de segurança nacional para criminalizar muitos dissidentes. Autoridades alertaram que a cláusula de subversão dessa lei poderia ser usada contra aqueles celebrando Tiananmen.

A maioria das figuras democráticas mais proeminentes da cidade - muitas das quais organizariam e compareceriam às vigílias anuais da Tiananmen - estão na prisão, foram presas ou fugiram para o exterior.

Polícia de Hong Kong ocupando o Parque Victoria, 4 de junho de 2021.

Resistência passiva

A ameaça de prisões em massa forçou aqueles que normalmente compareceriam à vigília a pensar criativamente. Os ativistas pediram aos residentes que acendessem velas em suas próprias casas ou bairros na sexta-feira à noite, ou postassem mensagens de comemoração nas redes sociais.

Blindados chineses passam por cadáveres de estudantes mortos durante o massacre, 1989.

Uma campanha pediu aos habitantes de Hong Kong que escrevessem os números 6 e 4 - representando 4 de junho - nos interruptores de luz em casa. “Um regime pode banir uma assembleia, mas nunca pode banir as queixas indeléveis no coração das pessoas”, escreveu Lee Cheuk-yan, agora um ativista pela democracia preso, em uma mensagem publicada em sua página do Facebook na quinta-feira.

“Espero que todos possam encontrar sua própria maneira de acender uma vela perto da janela, na estrada, onde quer que possa ser vista por outras pessoas, para continuar nosso luto”, acrescentou.

Um líder de movimento estudantil falando na Praça de Tiananmen, durante as manifestações lideradas por estudantes em 1989.

Assim como a geração inicial de sobreviventes de Tiananmen que fugiram para o exterior há três décadas, muitas figuras da democracia de Hong Kong escolheram o autoexílio e planejam realizar suas próprias comemorações no exterior. Vigílias são planejadas em cidades como Tóquio, Sydney, Taipei, Londres, Berlim e Washington.

Na China continental, o aniversário de Tiananmen é geralmente marcado com um aumento dramático na censura online e a praça em Pequim sendo isolada.

Nova lei de segurança nacional

Pequim impôs a lei de segurança nacional a Hong Kong apenas algumas semanas após o comício do ano passado em resposta aos enormes e frequentemente violentos protestos pró-democracia de 2019. Ele transformou o cenário político antes liberal da cidade.

Mais de 100 figuras pró-democracia foram presas sob a nova lei, principalmente por opiniões e discursos políticos. A maioria não tem fiança e pode pegar prisão perpétua se for condenada.

Políticos pró-Pequim sugeriram que os apelos para “Acabar com o governo de um partido” e “Traga a democracia para a China” - ambos os gritos comuns nas vigílias de Tiananmen - agora poderiam ser considerados subversão, um dos crimes de segurança nacional na lei amplamente redigida.

Repressão policial em Hong Kong, março de 2020.

A legislação de segurança foi combinada com uma nova campanha apelidada de “Patriotas governam Hong Kong”, com o objetivo de expulsar qualquer pessoa considerada desleal de cargos públicos. A China afirma que as medidas restauraram a estabilidade.

Críticos, incluindo muitos governos ocidentais, dizem que a repressão destruiu a promessa de Pequim de que Hong Kong poderia manter liberdades fundamentais após a transferência da Grã-Bretanha para a China em 1997.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

A "recolonização" de Hong Kong pela China poderá ser concluída em breve12 de novembro de 2020.