Mostrando postagens com marcador Exército Alemão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Exército Alemão. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de outubro de 2021

FOTO: Cadáveres de soldados da Waffen-SS na Frente Russa

Cadáveres de soldados da Waffen-SS na Terceira Batalha de Kharkov, 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de outubro de 2021.

A Terceira Batalha de Kharkov foi uma série de batalhas na Frente Oriental da Segunda Guerra Mundial, levadas a cabo pelo Grupo de Exército Sul alemão contra o Exército Vermelho, em torno da cidade de Kharkov entre 19 de fevereiro e 15 de março 1943. Conhecida pelo lado alemão como a Campanha do Donets, e na União Soviética como as operações do Donbass e Kharkov.

Enquanto o 6º Exército alemão estava cercado em Stalingrado, o Exército Vermelho empreendeu uma série de ataques mais amplos contra o resto do Grupo de Exércitos Sul. Isso culminou em 2 de janeiro de 1943 quando o Exército Vermelho lançou a Operação Estrela e a Operação Galope, que entre janeiro e o início de fevereiro quebrou as defesas alemãs e levou à recaptura soviética de Kharkov, Belgorod, Kursk, bem como Voroshilovgrado e Izium. As vitórias soviéticas fizeram com que as unidades soviéticas participantes se estendessem excessivamente, embora isso se devesse em grande parte à estratégia de Manstein de retirada controlada em direção ao rio Dnieper.

Libertada em 2 de fevereiro pela rendição do 6º Exército alemão, a Frente Central do Exército Vermelho voltou sua atenção para o oeste e em 25 de fevereiro expandiu sua ofensiva contra o Grupo de Exércitos Sul e o Grupo de Exércitos Centro. Meses de operações contínuas tiveram um grande impacto nas forças soviéticas e algumas divisões foram reduzidas para 1.000–2.000 soldados eficazes em combate. Em 19 de fevereiro, o Marechal Erich von Manstein lançou seu contra-ataque em Kharkov, usando o descansado II. SS-Panzerkorps e dois exércitos panzer. Manstein se beneficiou enormemente do apoio aéreo maciço da Luftflotte 4 do Marechal Wolfram von Richthofen, cujas 1.214 aeronaves voaram mais de 1.000 surtidas por dia de 20 de fevereiro a 15 de março para apoiar o Exército Alemão - um nível de poder aéreo igual àquele durante a ofensiva estratégica Operação Azul (Fall Blau) ocorrida um ano antes.

A Wehrmacht flanqueou, cercou e derrotou as pontas de lança blindadas do Exército Vermelho ao sul de Kharkov. Isso permitiu que Manstein renovasse sua ofensiva contra a cidade de Kharkov em 7 de março. Apesar das ordens de cercar Kharkov pelo norte, o Corpo Panzer SS decidiu engajar Kharkov diretamente em 11 de março. Isso levou a quatro dias de combates de casa-em-casa antes de Kharkov ser recapturada pela Divisão SS-Leibstandarte em 15 de março. As forças alemãs recapturaram Belgorod dois dias depois, criando o saliente que, em julho de 1943, levaria à Batalha de Kursk.

Conhecida como "golpe com as costas da mão" de Manstein, a brilhante contra-ofensiva alemã custou ao Exército Vermelho cerca de 90.000 baixas. A luta de casa-em-casa em Kharkov também foi particularmente sangrenta para o SS-Panzerkorps alemão, que havia sofrido aproximadamente 4.300 homens mortos e feridos quando as operações terminaram em meados de março. Após a queda de Kharkov, a defesa soviética do Donets entrou em colapso, permitindo que as forças de Manstein dirigissem para Belgorod em 17 de março e tomassem a cidade no dia seguinte. O tempo enlameado e a exaustão forçaram o contra-golpe de Manstein a terminar logo em seguida.

Bibliografia recomendada:

Death of the Wehrmacht: The German Campaigns of 1942,
Robert M. Citino.

Leitura recomendada:

sábado, 16 de outubro de 2021

Os militares alemães podem comemorar sua história?


Por Katja Hoyer, Spectator, 16 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de outubro de 2021.

Imagine as tropas alemãs marchando em frente ao Reichstag em Berlim. Suas botas pretas polidas batem no chão no ritmo dos tambores. A noite caiu e os soldados carregam tochas acesas que lançam um brilho assustador sobre o espetáculo.

Mas esses não são nazistas. Esta cerimônia foi realizada na última quarta-feira em homenagem à campanha da Alemanha no Afeganistão. O furor inevitável ofuscou o propósito do evento - lembrar os 59 alemães caídos - expondo o dilema das forças armadas alemãs: eles podem ter um senso de história e tradição, apesar de seu papel imperdoável nos crimes nazistas?

Os políticos alemães têm estado ocupados debatendo o propósito da campanha afegã desde a marcha do Reichstag. O ministro da defesa cessante disse que as expectativas "eram maiores do que o Bundeswehr estava em posição de alcançar". Enquanto isso, o presidente falou de "questões difíceis e amargas", mas acrescentou que "elas devem ser dirigidas ao parlamento e ao governo que enviou o Bundeswehr ao Afeganistão", e não aos próprios militares.
Os comentários do presidente Steinmeier foram lidos como uma republicação de um dos argumentos contra a cerimônia. Este não foi um evento para o país se elogiar, mas para os soldados homenagearem seus veteranos e seus camaradas caídos. Independentemente dos erros e acertos da campanha, eles e suas famílias merecem uma cerimônia digna.

No entanto, o debate em torno da procissão da tocha vai além do Afeganistão. É uma questão de história alemã e do lugar dos militares nela. Na realidade, a chamada cerimônia "Zapfenstreich" tem suas raízes nas Guerras Napoleônicas. O rei prussiano, Friedrich Wilhelm III, amava tanto um ritual noturno russo que queria um para seu próprio exército. A cerimônia tem sido realizada desde pelo menos 1838 pelos exércitos da Prússia, o Império Alemão, a República de Weimar, o Terceiro Reich e as Alemanhas Ocidental e Oriental em sucessão. É uma tradição alemã, não nazista.

O Bundeswehr protestou contra a 
comparação anacrônica com o nazismo

Mas aí está o problema do Bundeswehr. Durante os 12 anos do reinado de Hitler, o predecessor do exército, a Wehrmacht, cometeu crimes indescritíveis. Mas também usou a história da Alemanha para legitimar o regime. Esses símbolos e tradições pré-nazistas foram cooptados por Hitler, manchando-os de uma forma que deixa muitos alemães desconfortáveis, independentemente de suas verdadeiras origens.

Esse desconforto tem implicações políticas reais. Quando Horst Köhler, o então presidente da Alemanha, voltou de uma visita às tropas no Afeganistão em 2010, ele se atreveu a sugerir que "um país do nosso tamanho e dependente das exportações... precisa entender que, em alguns casos, se necessário, vai ter que se envolver militarmente”. Ele foi chamado de "extremista" pela imprensa e condenado por grande parte do público alemão. Köhler ficou chocado com a hostilidade, que contribuiu para sua repentina renúncia apenas nove dias depois.

Cruz de Ferro da Guerra Franco-Prussiana de 1870.

Críticas semelhantes foram feitas contra as propostas para restaurar a Cruz de Ferro (Eisernes Kreuz, EK). O parlamento alemão debateu o retorno da medalha em 2007, acabando por passar a decisão ao próprio ministério da defesa. O emblema já é usado em aviões militares, navios e veículos em qualquer caso e os proponentes argumentaram que há muito havia perdido sua associação com o nazismo. Mas eles estavam errados. O presidente cedeu à pressão pública e disse ao Bundeswehr para criar uma nova medalha em vez disso, para evitar a associação com o Terceiro Reich. Na realidade, os nazistas estavam apenas continuando a usar uma honra alemã que existia por bem mais de cem anos antes de Hitler chegar ao poder.

O Bundeswehr protestou contra as comparações anacrônicas com o nazismo. Ele divulgou um comunicado reiterando que os militares alemães são uma "força parlamentar" que serve ao povo. Como tal, "temos um lugar na sociedade - e em ocasiões especiais também em frente ao edifício do Reichstag".

A tradição sempre foi um elemento central da vida militar. Une soldados e inspira lealdade coletiva. Por que outro motivo os Guardas Coldstream - vestidos com peles de urso arcaicas e túnicas vermelhas - são encontrados espalhados pelos palácios e edifícios estatais de Londres? Mas a Alemanha continua pouco à vontade com sua história militar. Talvez, à medida que a memória do nazismo se desvanece na história profunda, esses sentimentos de inquietação e vergonha também desapareçam. Mas há poucos sinais de que esse desconforto vai desaparecer em breve.

Desfile completo


Sobre a autora:

Katja Hoyer é uma historiadora anglo-alemã, seu último livro é Sangue e Ferro: A Ascensão e Queda do Império Alemão 1871-1918.

Bibliografia recomendada:

Blood and Iron: The Rise and Fall of the German Empire 1871–1918
(Sangue e Ferro: A Ascensão e Queda do Império Alemão 1871-1918).

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

LIVRO: Nunca Neva em Setembro


Resenha do livro It Never Snows in September : The German View of Market-Garden and the Battle of Arnhem (Nunca Neva em Setembro: a visão alemã da Market-Garden e a Batalha de Arnhem, 1994), de Robert Kershaw, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um excelente relato do campo de batalha [5 estrelas]

Embora existam muitos livros sobre a famosa Operação Market-Garden [em alemão leva o traço] em setembro de 1944, It Never Snows in September é o melhor relato em inglês que cobre a perspectiva alemã sobre a batalha. O autor, um oficial do exército britânico em serviço, oferece um excelente relato que oferece informações valiosas do ponto de vista do inimigo, bem como uma análise militar sólida. Além disso, a narrativa bem escrita é enriquecida por excelentes fotografias (muitas de coleções alemãs) e mapas táticos detalhados. Este livro é uma festa para historiadores militares e merece um lugar em qualquer biblioteca militar.

Chuva de velame dos paraquedistas do 1º Exército Aerotransportado.

O livro é dividido em 27 capítulos curtos que cobrem o período de 2 de setembro a 4 de outubro de 1944. Três apêndices interessantes cobrem as ordens alemãs para o 2º Corpo Blindado SS (II. SS-Panzerkorps) em 17 de setembro de 1944, uma ordem de batalha alemã detalhada para toda a campanha e uma estimativa de baixas subdividida por subunidades. A pesquisa de Kershaw em fontes alemãs é extensa e, embora tenha lacunas, fornece muito mais detalhes do que fontes padrão sobre a batalha do que relatos jornalísticos como A Bridge Too Far (Uma Ponte Longe Demais). Por exemplo, Kampfgruppe Spindler, a força de bloqueio vital que impediu a 1ª Divisão Aerotransportada britânica de alcançar seus objetivos em força no primeiro dia, nem sequer é mencionado no clássico relato de Ryan.

SS-Obersturmbannführer (Tenente-Coronel) Ludwig Spindler.

A visão de Kershaw da batalha difere da maioria dos relatos dos Aliados sobre a operação. Em sua opinião, "os historiadores aliados tendem a culpar os erros em vez de contramedidas eficazes para explicar o fracasso." Foi, "improvisação e rápida acumulação de força [alemã] [que] embotou os ataques... Os tempos de reação alemães foram surpreendentes." Certamente, a capacidade dos comandantes alemães de reunir rapidamente grupos de batalha eficazes (kampfgruppen) de várias probabilidades e extremos - incluindo tropas terrestres da Luftwaffe, marinheiros e trabalhadores ferroviários - e lançá-los na batalha era incrível, mas teve o preço de muitas baixas. Os kampfgruppen alemães não-treinados freqüentemente sofriam perdas de 50% no combate inicial e essas unidades tinham pouca capacidade de ganhar terreno. No entanto, o rápido desdobramento dessas formações miscelâneas frustrou o supercomplicado plano dos Aliados, que não aceitava nenhuma ação inimiga significativa. Assim, Kershaw conclui que as alterações no plano da Market-Garden, como deixar a 1ª Divisão Aerotransportada britânica mais perto da Ponte de Arnhem, provavelmente não teriam mudado muito o resultado.

Paras britânicos em Oosterbeek, 23 de setembro de 1944.

Soldados alemães em combate de rua em Oosterbeek.

Outro aspecto único que Kershaw traz à tona são os enormes problemas de comando e controle afetando a resposta alemã a um grande e inesperado ataque aerotransportado. A cadeia de comando alemã na Holanda era vaga quando o ataque começou e os alemães cometeram o erro amador de fazer da estrada principal norte-sul a fronteira de comando; o ataque britânico do 30º Corpo de Exército por esta rodovia dividiu fisicamente as forças alemãs. A falta de rádios na maioria das unidades obrigou os alemães a confiarem em telefones e corredores, o que tornava os tempos de resposta muito lentos e inibia o estilo tático flexível que os líderes alemães preferiam. Os oficiais receberam unidades ad hoc (improvisadas) e tiveram que inspirar tropas destreinadas e freqüentemente desmotivadas para atacarem os paraquedistas Aliados de elite que estavam entrincheirados. Coordenar os ataques para cortar o elo vital dos Aliados na "Hell's Highway" ("Rodovia Infernal") foi muito difícil para os alemães e suas deficiências de comando e controle eram uma restrição crítica em sua capacidade de contra-ataque eficaz.

Embora o livro em geral seja excelente, existem algumas omissões e erros perceptíveis. Em termos de omissões, as ações críticas em torno de Elst em 21-23 de setembro de 1944 não são detalhadas. Como exatamente os alemães pararam a investida final dos Aliados em direção à ponte de Arnhem e o que exatamente os britânicos fizeram para tentar ultrapassá-la? Curiosamente, parte do contato inicial entre a 43ª Divisão Wessex britânica e o Kampfgruppe Knaust perto de Elst na noite de 22 de setembro de 1944 é mencionado, mas apenas em relação às baixas britânicas. Não há menção de que os britânicos emboscaram e destruíram cinco tanques Tiger nessa ação. Com a artilharia, poder de fogo aéreo e blindado disponíveis para o 30º Corpo, a incapacidade de romper as defesas alemãs em Elst merece mais atenção neste relato, especialmente porque o autor cita as ações ao norte de Nijmegen como decisivas para determinar o resultado.

Soldados alemães abrindo trincheiras em Arnhem.

Em termos de erros, há alguns erros perceptíveis na ordem de batalha alemã, principalmente em relação aos tanques Tiger usados na batalha. Apenas duas companhias do 506º Batalhão de Tanques Pesados, com 30 tanques Tiger II, serviram nas fases posteriores da batalha - a outra companhia foi para Aachen. Kershaw identifica incorretamente a companhia "Hummel" como parte do 506º, mas na verdade era uma companhia independente com 14 tanques Tiger I. A 224ª Companhia Blindada (Panzer-Kompanie 224, PzKp 224) tinha 16 tanques franceses Char B, e não 8 tanques Renault.

A composição da 10ª SS Panzer também é excessivamente vaga. A questão é que a pesquisa do autor tem mais de doze anos e novas pesquisas em arquivos alemães revelaram informações que esclarecem e refinam alguns dos dados apresentados neste livro.

No geral, este livro fornece um relato muito necessário em inglês da visão alemã da Operação Market-Garden. Muitos pequenos detalhes que ajudam a esclarecer os elementos críticos da batalha são apresentados aqui. Algumas das conclusões do autor, como aquelas que tentam desenvolver lições que possam ajudar uma defesa da OTAN contra um ataque aerotransportado soviético, não são mais relevantes, mas os detalhes desta batalha brutal, exaustiva, estressante e de decisão muito emparelhada fornecem suas próprias lições. Este livro pertence a qualquer lista de leitura militar profissional.

Túmulo alemão para um paraquedista britânico morto em Arnhem.
A inscrição em alemão diz:
"Soldado inglês desconhecido".

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Vídeo recomendado:

Antony Beevor: Segunda Guerra Mundial e Lições do Passado - "Arnhem: A Batalha das Pontes"

sexta-feira, 8 de outubro de 2021

FOTO: Soldados da Alemanha Oriental com máscaras de gás


Em um exemplo da estética da República Democrática Alemã (RDA), estes soldados do Exército Nacional Popular (Nationale Volksarmee, NVA) estão usando sobretudo com o exótico capacete M35 e a máscara de gás M10M.

As armas são projetos russos fabricados sob licença, pois o Pacto de Varsóvia era padronizado segundo os ditados de Moscou. A pistola Makarov era conhecida em serviço alemão Pistole-M e o fuzil AK como MPi-K (Maschinenpistole Kalashnikov).



Bibliografia recomendado:

Two Armies and one Fatherland:
Jörg Schönbohm.

terça-feira, 5 de outubro de 2021

LIVRO: Panzer IV versus Char B1 bis - França 1940


Resenha do livro Panzer IV vs Char B1 bis: France 1940 (Panzer IV versus Char B1 bis: França 1940, 2011), de Steven J. Zaloga para a série Duel da editora Osprey Publishing, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Um ótimo complemento para a série Duel [5 estrelas]

16 de fevereiro de 2011

Embora a história da guerra blindada na Segunda Guerra Mundial atraia muita atenção, variando de trabalhos técnicos sérios a relatos mais populares, a história do primeiro grande confronto de blindados raramente é discutida em detalhes. Em Panzer IV vs. Char B1 bis, o veterano historiador de blindados Steven J. Zaloga examina o confronto entre o tanque Pz IV alemão e o Char B1 bis francês em maio de 1940. Grande parte da narrativa gira em torno da Batalha de Stonne em 15-17 de maio de 1940, onde ocorreram alguns dos combates mais intensos da Campanha de 1940. Este volume é soberbamente bem equilibrado, com um bom histórico de desenvolvimento de cada tanque, treinamento da tripulação e como eles foram usados ​​em combate. Como de costume, Zaloga agrupa muitos fatos em gráficos e tabelas neste volume, mas também dedica tempo para analisar esses fatos e dizer ao leitor o que significam. Claramente, este volume foi escrito para entusiastas de blindados para quem o Char B1 bis é um assunto interessante, mas negligenciado. No geral, este é um dos meus volumes favoritos da série Duel.

O "Char B1 bis Eure" do Capitão Billotte destruindo sozinho uma coluna de 13 Panzers III e IV na Batalha de Stonne, maio de 1940.
(Lâmina de Johnny Shumate)

Na introdução, Zaloga explica apropriadamente porque esse duelo foi importante tanto no contexto da Campanha Ocidental quanto no desenvolvimento de tanques. Ele inclui uma cronologia conveniente de uma página. A seção sobre projeto e desenvolvimento é particularmente bem escrita. Depois de mais de uma década de desenvolvimento, o Exército Francês começou a equipar o Char B1 em 1937, mas no início da guerra em 1939, o exército tinha apenas quatro batalhões de tanques com 119 disponíveis. O desenvolvimento alemão do Pz IV começou mais tarde, mas avançou muito mais rápido e eles tinham 211 disponíveis no início da guerra. Quando a Campanha Ocidental começou em maio de 1940, os franceses tinham 258 Char B1 bis contra 290 Pz IV. Como Zaloga observa cuidadosamente, ambos os tanques foram projetados principalmente para o apoio da infantaria, não para a luta de tanques contra tanques. Na seção de especificações técnicas, Zaloga compara os dois tanques em termos de proteção, poder de fogo e mobilidade. O tanque francês era claramente superior nas duas primeiras categorias, mas o Pz IV tinha vantagens significativas na mobilidade, bem como no desenho interno (torre de 3 homens vs. torre de 1 homem). Além disso, o consumo excessivo de combustível do Char B1 bis e a falha francesa em agilizar os procedimentos de reabastecimento tático antes da campanha teriam um impacto significativo no resultado do duelo entre esses dois sistemas de armas.

A seção de 21 páginas sobre Combatentes oferece uma visão interessante do treinamento da tripulação para cada lado. Os franceses tinham problemas particulares, já que a maioria de suas tripulações eram reservistas e muitos batalhões só receberam seus tanques Char B1 bis alguns meses antes do início da Campanha de Maio. Em contraste, a maioria das tripulações do Pz IV estava junta há mais de um ano e a maioria teve um gostinho da experiência de combate na Campanha Polonesa de 1939. Esta seção também inclui desenhos do interior da torre de cada tanque, bem como um desenho transparente da tripulação. Digno de nota, Zaloga fornece um perfil de página inteira do tanquista francês Capitaine Pierre Billotte, mas não fornece um perfil de nenhum oponente alemão. No entanto, esta seção também dá uma olhada na DCR francesa e na Divisão Panzer, bem como tabelas muito informativas sobre a força dos tanques franceses e alemães em maio de 1940 (divididos por unidade e tipo). Minha única preocupação aqui era que não havia muita informação sobre o nível de organização ou tática do pelotão-companhia-batalhão, o que teria melhor estabelecido a narrativa de combate subsequente.


Depois de uma curta seção sobre a situação estratégica (com mapa), Zaloga move-se rapidamente para a seção de combate de 14 páginas, intitulada Duel at Stonne (Duelo em Stonne). Ele entra em detalhes táticos consideráveis discutindo o confronto de 2 dias entre a 3e DCR francesa e a 10. Panzer-Division alemã em Stonne. Os franceses tentaram atingir a travessia alemã em Sedan, mas acabaram em uma batalha de atrito perto do rio em Stonne. Esta seção inclui uma cena de batalha incrível de um Char B1 bis no ataque, um mapa tático e algumas fotos P/B magníficas. No final, o contra-ataque francês fracassou e os alemães resistiram, depois que cerca de 33 tanques franceses e 25 panzers foram perdidos. Em seguida, Zaloga discute brevemente as operações das outras unidades Char B1 bis.

No geral, Zaloga conclui que "muitos tanques Char B1 bis individuais tiveram um desempenho excepcionalmente bom em pequenas ações devido à sua blindagem impressionante...", mas "o problema central enfrentado pelo Char B1 bis foi sua incorporação em divisões blindadas que foram preparadas inadequadamente e mal utilizadas por comandos superiores." Zaloga observa que os tanques franceses sofreram perdas de cerca de 43% contra 35% dos alemães, mas que pelo menos 60 Char B1 bis foram destruídos por suas próprias tripulações. Ele observa que os alemães ficaram suficientemente impressionados com o Char B1 bis para incorporar 125 desses veículos capturados em seu próprio estoque de tanques. Quanto ao Pz IV, Zaloga observa que "não teve um desempenho estelar na França" e foi muito pressionado quando forçado a servir no papel antitanque em Stonne. Em suma, Panzer IV vs. Char B1 Bis é uma leitura incisiva e totalmente agradável, com um bom pacote gráfico de apoio.

Sobre o autor:

Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk é PhD em Relações Internacionais e Segurança Nacional pela Universidade de Maryland e possui uma sólida experiência na história militar européia e asiática. Ele se aposentou como tenente-coronel das Reservas do Exército dos EUA, tendo servido 18 anos como oficial de blindados nas 2ª e 4ª divisões de infantaria dos EUA e como oficial de inteligência na 29ª Divisão de Infantaria (Leve). O Dr. Forczyk é atualmente consultor em Washington, DC.

Os dois livros de Zaloga sobre os duelos principais na Campanha da França em 1940:
Panzer IV versus Char B1 bis e Panzer III versus Somua S 35.

Leitura recomendada:


domingo, 12 de setembro de 2021

A Artilharia da FEB na rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã

Soldado Francisco de Paula carregando um obus 105mm com os dizeres
"A cobra está fumando...".
(Colorização de Marina Amaral)

Valmiki Erichsen

Capitão de Artilharia

Ex-comandante da 2ª Bateria do 3º Grupo

Estamos quase no fim da Campanha da Primavera. Os alemães, descontrolados e atacados por todos os lados, procuram fugir para o norte. A Infantaria Brasileira, sem dar tréguas, persegue o inimigo na sua carreira desenfreada.

O III Grupo de Artilharia, com suas três Baterias de Tiro acantonadas em um prédio escolar, acha-se em Bibbiano à espera das suas viaturas que foram requisitadas para o transporte dos nossos infantes. É nessa situação que no dia 27 de abril de 1945, à 1h, o Comandante da 2ª Bateria (Capitão Valmiki) foi acordado pelo Capitão Piza (ST), que fazia-se acompanhar do Major Molina da AD/I, para receber a seguinte ordem: "De ordem do Senhor General Comandante da AD [Artilharia Divisionária], o Comandante do Grupo designou a 2ª Bateria para se deslocar imediatamente a fim de apoiar um ataque que iria ser feito em Fornovo di Taro, por um Batalhão do 6º RI; os canhões seriam tracionados pelos tratores do IV Grupo, que para isso seriam requisitados, enquanto a Bateria se preparava para partir."

Às 3h, tudo pronto, partimos tendo o jipe do Major Molina como guia. Este deslocamento foi feito com muita cautela, tendo o guia que bater muitas vezes nas casas para saber o caminho, até chegarmos à estrada principal. Nesta, mesmo no escuro, era fácil a caminhada porque estava toda balizada. Ao chegarmos à Cidade de Parma, encontramos algumas ambulâncias que vinham conduzindo cadáveres alemães. Desta cidade em diante a marcha foi mais vagarosa porque era necessário tomar mais precauções, pois nada se sabia da situação. Às 5h chegamos às proximidades de Collecchio e paramos, pois o inimigo havia se retirado desta localidade há 18 horas. Imediatamente depois de tomar todas as providências de segurança, segui com o Major Molina e o Capitão Piza para receber as ordens do Coronel Nelson de Mello, Comandante do Destacamento, que era o Comandante do Batalhão que ia efetuar o ataque. Como a chegada do Batalhão estava prevista só para às 9h e vendo que não havia perigo iminente, fui buscar a Bateria para dentro da cidade, onde, aproveitando a oportunidade, servi a primeira refeição aos pracinhas.

Às 9h chegou o Major Gross a quem me apresentei como Oficial de Ligação e Comandante da Bateria que veio apoiar o ataque. Quero aqui salientar que foi um prazer apoiar pela primeira nesta guerra o Batalhão do meu antigo companheiro de trabalho na EEFE [Escola de Educação Física do Exército]. Ficou então assentado que o ataque só seria desencadeado depois das 12h e que eu tomaria posição antes do início do movimento para estar em condições de atirar a qualquer momento e, mais ainda, que a Companhia de Obuses do 6º RI, comandada pelo Capitão Ventura, iria à retaguarda e só entraria em posição quando fosse necessário. Desta forma procurei logo, na redondeza, um bom lugar para ocupar posição e verifiquei pela carta que podia, se necessário fosse, bater sem mudar de posição até o objetivo final que era Fornovo.

Como toda a cidade estava situada em uma região plana, escolhi uma posição ao lado da estrada por ser de fácil acesso e por ficar abrigada pelas árvores. Abrindo um parêntesis, direi que, ao percorrer esta localidade para a escolha de posição, entrei no castelo que ali existe e fui encontrar, deitado numa cama de campanha, junto à lareira, o cadáver de um tedesco [alemão] com a cabeça enrolada em gaze e com a fisionomia perfeita, parecendo ter falecido àquela madrugada, evidenciando-se que os tedescos, na sua fuga precipitada, não tiveram nem tempo de levar todos os feridos. Ocupada a posição, como não tínhamos dados topográficos, foi a Bateria apontada pela Bússola, ficando os Tenentes Observadores Avançados encarregados de regular o tiro assim que estivessem em condições. A Bateria não havia trazido muitos tiros porque os tratores não comportavam mais do que 35 granadas.

Antes de começar o desenvolvimento do Batalhão, reuni os dois Observadores Avançados, Tenente Sá Earp, que atuaria com a 2ª Cia, e o Tenente Valença, com a 3ª Cia. Estudamos a carta, que aliás quase nada nos indicava pois era na escala de 1/100.000, e tiramos os alcances para os pontos mais fáceis de serem identificados. Tivemos que assim proceder porque era a única carta que tínhamos, tendo portanto os Observadores que seguirem para suas missões verdadeiramente no escuro. A única coisa que fiz foi dar a seguinte ordem: "Agarrem um italiano da região para identificar os pontos." Cada Observador levava a sua equipe e só nos entendíamos pelo rádio.

Às 13h começou a se movimentar pela estrada o Batalhão. Tive a impressão de estar em uma boa poltrona de um dos nossos cinemas, pois foi uma avançada cinematográfica ao encontro do inimigo. Os nossos pracinhas, alegres e cantarolando, apinharam-se em cima dos tanques americanos [M4 Shermans do 760º Batalhão de Tanques] que estavam à disposição do Batalhão. Talvez nenhum dos nossos pracinhas estivessem pensando que a morte poderia surpreendê-los a 2km à frente. Logo atrás vinham os jipes dos Comandantes Avançados. Dos lados das estradas desenvolvia-se a outra Companhia em coluna por um e a Companhia de Obuses ia após os jipes. Assim, ao lado do Comandante do Batalhão, assisti ao desenvolvimento de todos os elementos do Batalhão.

Segui em seguida com o Major Gross para o seu Posto de Comando (PC) Recuado, situado a 1km à frente do ponto de partida, onde almoçamos rapidamente e seguimos logo após para o PC Avançado, a mais 1km. Este PC que era uma casa e serviu também como meu Observatório, pois dali vi o desenrolar dos acontecimentos. Quando os tanques chegaram um pouco além do PC Avançado, começaram a receber tiros dos tedescos, tendo que desbordar para a margem esquerda da estrada. Os Infantes da 2ª Cia começaram a dar combate e progredir em direção a Talignano. A 3ª Cia se deslocou mais para a esquerda, a fim de procurar envolver o inimigo. A Artilharia continuava silenciosa, pois ainda não havia para os Observadores campo de observação. A chuva que desabou repentinamente muito atrapalhou a progressão dos Observadores, porque, com o terreno escorregadio, o transporte do rádio é bastante difícil. Desta forma, só os tanques e a Companhia dos Morteiros auxiliavam os Infantes. Foram os mesmos progredindo até que se apossaram de Talignano e desta forma, pôde o Tenente Sá Earp pedir os primeiros tiros para regular a Bateria.

Eram já 5h e a chuva tinha passado. Ocupada esta localidade, o Tenente seguiu para Gayano juntamente com o Pelotão que para lá se dirigia, não sendo possível chegar tal a intensidade do fogo inimigo. O Tenente Sá Earp presenciou uma triste ocorrência quando o Tenente Monteiro, Comandante do Pelotão de Minas do 6º RI, que ia a seu lado, foi atingido por diversos estilhaços de uma granada que arrebentou em cima deles. Gravemente ferido, foi o Tenente Monteiro logo transportado para a retaguarda. Mais tarde, vim a saber que, ao voltar a si, mandou este recado para sua progenitora: "Diga à mamãe que nunca tive medo." Hoje, o Tenente Monteiro já é Capitão e acha-se completamente restabelecido.

Do meu Observatório, que era o forro da casa, apreciei os tedescos retirando-se de Segalara. Eles corriam para fora da casa, deitavam-se, e logo depois, levantando-se, atiravam com as bazucas [Panzerschreck] contra os nossos pracinhas. Os Generais Cordeiro e Zenóbio, que estiveram lá toda a tarde, observaram também estas cenas.

Certa ocasião, quando os dois Generais acima citados com mais alguns Oficiais se dirigiam para uma casa mais avançada, os tedescos deram uma rajada de metralhadora na direção do PC, que por pouco não os atingia. Em frente ao PC, atrás de uma casa, os nossos morteiros não paravam um instante de atirar.

O Tenente Valença, que estava com a 3ª Cia, continuava desbordando pela esquerda, até que conseguiu, cerca das 20h, chegar a Segalara. Já estava escurecendo e o Tenente Valença pediu tiro fumígeno a fim de poder chegar a Gayano, que era o local de onde partiam os tiros dos tedescos. O Tenente Valença, por ser achar debaixo do fogo inimigo, custou um pouco a regular e, como a insistência dos pedidos para que a Artilharia atirasse era tão contínua, eu, ao lado do Major Gross, sem nada estar vendo, comandei uma rajada para a linha de fogo a fim de mostrar aos tedescos que possuíamos artilharia e acalmar um pouco os nossos. Mais tarde vim a saber que estes tiros foram bastante eficientes, pois o número de soldados inimigos era tão grande que em qualquer lugar que os mesmos caíssem eram sempre eficazes.

Suportaram os nossos Infantes dois contra-ataques dos tedescos e o Tenente Valença, com sua calma peculiar, satisfez todos os pedidos de tiros solicitados. Assim, ajudamos muito a Infantaria a não recuar um palmo sequer.

Cessada um pouco a violência do combate, apareceram na estrada três Oficiais alemães que vinham em nome do General Picô [Otto Fretter-Pico] propor a rendição da já célebre 148ª.

Estava eu no PC Recuado depois de ter ido à Bateria para me alimentar quando estes Oficiais lá chegaram. Daí foram levados ao Coronel Nelson de Mello em Collecchio e começaram então os entendimentos para a rendição. A Bateria atirou até às 5h da manhã do dia 28, hora em que o Comandante do III Grupo deu ordem ao Tenente Rapozo, Comandante da Linha de Fogo, para suspender os tiros.

Tenente-General Otto Fretter-Pico (à esquerda, com binóculos) rendendo-se formalmente ao General Olímpio Falconière da Cunha em nome da divisão expedicionária, 29 de abril de 1945.

Colunas de prisioneiros alemães da 148ª e da 90ª.

Soldado brasileiro, com a cobra fumando no braço, balizando prisioneiros alemães.

Esta noite dormi no PC Avançado juntamente com o Comandante do Batalhão e, à meio-noite, quando conversávamos com o Tenente Americano, que comandava o Pelotão de Tanques, o Major comunicou que talvez não tivéssemos mais que lutar, ocasião em que o Tenente Americano exclamou: "Fine".

Para os artilheiros foi um prazer saber que um dos primeiros pedidos dos Oficiais tedescos era para que os tiros de artilharia cessassem. Na manhã do dia 28 chegaram ao local do PC Avançado o Comandante da Força Expedicionária Brasileira e o Generais Zenóbio Falconière, que vieram receber a rendição.

Às 17h começou o espetáculo que nunca sairá da memória dos que tiveram a felicidade de apreciá-lo:

ERA A RENDIÇÃO DA 148ª

O Coronel Otto von Kleiber em conversações com o Major Altair Franco Ferreira para a rendição da 148ª Divisão de Infantaria, 29 de abril de 1945.
(Colorizada)

- Capitão Valmiki ErichsenA Artilharia na Rendição da 148ª Divisão de Infantaria Alemã, Revista do Exército Brasileiro, Rio de Janeiro, 122 (3): pg. 56-59, julho-setembro de 1985.

A rendição de Fornovo

(Sala de Guerra)

Bibliografia recomendada:

FEB pelo seu Comandante.
Marechal J.B. Mascarenhas.

A FEB por um soldado.
Joaquim Xavier da Silveira.

Leitura recomendada:



A FEB e os jipes12 de março de 2020.



FOTO: Alemães capturados pela 10ª Divisão de Montanha13 de agosto de 2021.

domingo, 5 de setembro de 2021

França/Alemanha e Hobbes/Kant, ou o que a decisão do tribunal da UE nos diz sobre o desafio de forjar uma defesa europeia

Brigada Franco-Alemã com fuzis FAMAS, 2018.

Por Michael Shurkin, Linkedin, 28 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 5 de setembro de 2021.

A decisão deste mês do Tribunal de Justiça Europeu de que uma lei trabalhista da UE que limita o horário de trabalho dos soldados aponta para um desafio fundamental para o projeto de construção de uma verdadeira política e capacidade de defesa europeias. A maioria, senão todos os membros da UE, aderem ostensivamente à visão de construir uma defesa europeia, mas entre eles existem profundas diferenças no que diz respeito à cultura e à cultura estratégica. Ou seja, eles têm visões significativamente diferentes de como os militares devem trabalhar e como e em que condições devem ser usados.

De um lado está a França, a qual, e isso pode surpreender os americanos ao lerem, é provavelmente o mais marcial dos Estados-membros da UE. A França teria prazer em construir uma força europeia e uma política de defesa europeia à sua própria imagem, o que significa não apenas construir uma força funcional, mas usá-la. A França também colocaria avidamente a Europa no negócio da guerra expedicionária. Diante disso, a Operação Takuba é mais do que apenas uma estratégia de saída para a França: é uma forma de moldar a cultura e a política militares europeias, arrastando uma coalizão europeia de voluntários para uma guerra expedicionária que a França julga necessária e, também, empregando-a na uma forma consistente com a cultura estratégica francesa.


Embora seja difícil dizer qual país ocupa a outra extremidade do espectro, o país que mais importa é a Alemanha, que, segundo todos os relatos, erradicou seu espírito marcial. Fascinantemente, os oficiais franceses descrevem com desdém o Bundeswehr como "sindicalista". De fato, o Bundeswehr tem um sindicato que, por exemplo, reclamou em 2016 sobre as condições de vida no Mali.

O tipo de história que ouvi de vários oficiais franceses que serviram com alemães é mais ou menos assim: “Nós aparecemos e começamos a trabalhar imediatamente, apesar da falta de chuveiros e de nossas barracas rústicas. Os alemães se recusaram a ceder até que tivessem instalações adequadas com ar-condicionado”. Isso é justo? Não sei, mas os comentários apontam para uma divisão cultural, que a decisão do Tribunal da UE amplifica. Afinal, o próprio projeto da UE visa perpetuar a paz ao longo das linhas kantianas, um esforço que a Alemanha do pós-guerra levou a sério. Outros estados europeus, sem dúvida, estão em algum ponto entre a a Alemanha e a abordagem relativamente hobbesiana da França do hard power (poder duro). A questão então é saber se é possível construir uma verdadeira defesa europeia na ausência de consenso.

Immanuel Kant (esquerda) e Thomas Hobbes.

Bibliografia recomendada:

Introdução à Estratégia.
André Beaufre.

L'emergence d'une Europe de la défense:
Difficultés et perspectives.
Dejana Vukcevic.

Leitura recomendada:

General Burkhard: "Nossos líderes devem lembrar que não se ganha guerras difíceis contando seu tempo", 10 de maio de 2021.



domingo, 15 de agosto de 2021

LIVRO: O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros


Por Peter Samsonov, Tank Archives, 6 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de agosto de 2021.

The Assault Platoon of the Grenadier-Company November 1944 German Army Pamphlet - Merkblatt 25a/16 é o segundo livro de Bernard Kast (Military History Visualized) e Christoph Bergs (Military Aviation History). Muito parecido com seu primeiro livro, The Assault Platoon of the Grenadier-Company é uma tradução de um panfleto tático alemão, mas sob um olhar mais atento é muito mais do que isso.

O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros:
Novembro de 1944.
Panfleto do Exército Alemão - 
Merkblatt 25a/16.
Bernard Kast e Christoph Bergs.

Assim como no primeiro livro [German Army Regulation on the Medium Tank Company], o texto original em alemão e a tradução em inglês são fornecidos lado a lado. Este livro não oferece apenas uma tradução, mas também uma interpretação do texto original. Uma vez que a língua alemã e a terminologia militar não são as mesmas hoje que eram na década de 1940, notas de rodapé são fornecidas para notificar o leitor sobre as mudanças. Existem também alguns conceitos ou termos com os quais se esperava que o leitor original estivesse familiarizado, mas é provável que um leitor moderno não saiba. Eles também são explicados nas notas de rodapé ou no glossário. Quaisquer ambigüidades potenciais que poderiam ter surgido em uma tradução para o inglês também são explicadas em notas de rodapé. Todos os diagramas foram redesenhados a partir dos originais e o texto é apresentado em alemão e inglês.

Embora o subtítulo do livro seja Panfleto do Exército Alemão - Merkblatt 25a/16, apenas um capítulo do livro é dedicado à tradução deste panfleto. O leitor também recebe uma série de suplementos mencionados no panfleto 25a/16, incluindo um panfleto semelhante para o pelotão de submetralhadoras da companhia de granadeiros, manual de marcha e formação, plano de batalha, exercícios de tiro e instruções para combate corpo-a-corpo, todos os quais contêm trechos relevantes de outros panfletos alemães. Existem também vários capítulos escritos do zero pelos autores: legendas para unidades e símbolos de mapa, um glossário, uma visão geral dos predecessores do fuzil StG 44 e uma ilustração da arma e seus componentes. O livro termina com uma extensa bibliografia, mostrando o quanto foi feito para garantir que o leitor tivesse o contexto completo ao ler os manuais fornecidos.

O livro consiste em 134 páginas fornecidas em alemão e inglês, bem como cerca de uma dúzia de páginas para a introdução, agradecimentos e bibliografia, que são impressas apenas em inglês. O resultado são cerca de 280 páginas de alguns dos conteúdos mais detalhados sobre o combate da infantaria alemã que já vi até hoje. Esta análise é baseada na Edição do Apoiadores de capa dura. A qualidade de impressão é alta e a encadernação é resistente. Não tenho motivos para acreditar que outras versões deste livro não sejam igualmente de alta qualidade.

Uma cópia de capa dura semelhante pode ser obtida por US$ 47,30 dólares, uma cópia de capa em brochura está disponível por US$ 29,60 no momento da redação.

Fãs desse formato também podem encomendar o terceiro livro de Kast e Bergs Stuka: A Doutrina do Bombardeiro de Mergulho Alemão aqui.

Post-script: O Grupo de Combate de infantaria alemão

O Grupo de Combate de Infantaria Alemão em 1940-1945.
(Grenadierschule)

O Grupo de Combate era o menor elemento de combate da infantaria alemã (que não formava esquadras-de-tiro). Como de praxe, o GC alemão girava em torno das metralhadoras (geralmente MG34 e MG42), com o GC sendo dissolvido caso perdessem a metralhadora do GC. O vídeo abaixo detalha as funções, postos e equipamentos do Gruppe alemão.


Bibliografia recomendada:

German Infantryman:
The German soldier 1939-45 (all models).


Leitura recomendada: