Mostrando postagens com marcador Medalha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Medalha. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de maio de 2022

O Escudo da Sardenha da 90ª Divisão Panzergrenadier

Sardinienschild da 90ª Divisão Panzergrenadier (90 PzGrenDiv)
ao lado da caderneta registo.

Por Filipe do A.Monteiro, Warfare Blog, 23 de maio de 2022.

O Escudo da Sardenha (Sardinienshild) foi adotado pela 90ª Divisão após a sua reconstrução na ilha da Sardenha, criando assim o primeiro distintivo da 90ª Afrika. Ela era usada no quepe, no gorro com pala e no casquete. O distintivo era feito no formato da Sardenha, uma ilha italiana no Mediterrâneo, em alto relevo com uma espada cruzado por cima e a localização dos portos de Olbia e Cagliari. O reverso da insígnia era oco com um broche de fixação.

A 90ª Divisão Alemã teve muitas designações, começando como Divisão Africana de "Serviços Especiais" (Division z.b.V. Afrika, a abreviatura z.b.V. significa zur besonderen Verwendung, que se traduz como "para uso especial"), sendo imediatamente renomeada 90ª Divisão Leve África (90 .leichte Afrika Division) e lutando com o Afrikakorps até a rendição da Tunísia.

Um Kubelwagen com a insígnia da divisão.

Reverso do distintivo com grampo de fixação.

Durante sua existência na África, a 90ª teve algumas unidades exóticas como a Sonderverband 88 de infiltração de longa distância no deserto e um regimento formado por alemães da Legião Estrangeira Francesa. Os alemães vasculharam a Legião Estrangeira no norte da África francesa e recrutaram à força cerca de 2.000 legionários alemães para a Wehrmacht. A maior parte desses legionários seria arregimentada no Infanterie-Regiment Afrika (mot) 361, também conhecido como Verstärktes Afrika-Regiment 361 (361º Regimento Reforçado da África), como parte da 90ª Divisão Afrika.

Destruída na Tunísia, com a maioria dos seus veteranos feitos prisioneiros na rendição de Túnis, os quadros remanescentes da divisão foram reformados na Sardenha com a incorporação dos homens da recém-criada Divisão Sardenha (Division SardinienGeneralleutnant Carl Hans Lungershausen). Esta fora criada em 12 de maio de 1943 na Sardenha a partir do estado-maior da XI Brigada de Assalto (Sturmbrigade XI). Com a ordem de 6 de julho de 1943 do chefe do OKH H Rüst e BdE AHA Ia(I) No. 3273/43 g.Kdos, a divisão foi incorporada à 90ª Divisão Panzergrenadier em 6 de julho de 1943. No entanto, o estado-maior continuou a usar o nome "Comando da Sardenha" (Kommando Sardinien) até 16 de setembro de 1943. A ordem de criação da nova divisão diz:

"Para preservar a tradição da 90ª Divisão de Infantaria, que permaneceu na África após uma luta corajosa, a Divisão da Sardenha será renomeada para 90ª Divisão Panzergrenadier".

Ordem de batalha da Divisão Sardenha:
  • Panzergrenadier-Regiment 1 Sardinien
  • Panzergrenadier-Regiment 2 Sardinien
  • Panzer-Abteilung Sardinien
  • Panzerjäger-Kompanie Sardinien
  • Artillerie-Regiment Sardinien
  • Nachrichten-Regiment Sardinien
  • Pionier-Bataillon Sardinien

Para evitar confusão ao lidar com unidades da 90ª Divisão de Infantaria Leve que ainda existiam até sua dissolução, as unidades da 90ª Divisão Panzergrenadier carregavam a designação "neu" ("nova") após a designação de tropa até 31 de dezembro de 1943. Os convalescentes da 90ª Divisão de Infantaria Leve, que ainda estavam com as tropas de substituição, seriam transferidos para a nova divisão depois de recuperarem a capacidade de serem usados ​em campanha.

Em 3 de setembro de 1943, os alemães foram pegos de surpresa pelo armistício italiano de Cassibile, e as tropas alemãs na Sardenha de súbito se viram superadas em número pelas unidades do Exército Real Italiano; então foi decidido retirar o contingente alemão. Um acordo entre o comandante divisional Generalleutnant Lungershausen e o general italiano Antonio Basso possibilitou a retirada quase sem luta entre 8 e 16 de setembro de 1943.

Panzer IV da 90ª Divisão Panzergrenadier na marina de Palau em sua retirada da Sardenha, setembro de 1943.

O escudo sobre a caderneta registro.

A 90ª Divisão Panzergrenadier foi enviada de Palau, no nordeste da Sardenha, para Bonifácio, na Córsega; e então absorveu a organização terrestre do comando da Luftwaffe na Córsega e acrescentou regulares vindos de recrutas Volksdeutsche (alemães não-cidadãos). Depois que a revolta contra os ocupantes italianos e alemães foi declarada em 9 de setembro de 1943 na Córsega, a divisão foi retirada ao longo da estrada costeira oriental de Bonifácio a Bastia. A divisão fez parte das 12.000 tropas alemãs enviadas para a ilha após o armistício italiano de 1943, lutando junto com a Sturmbrigade Reichsführer SS e 12º Batalhão de Paraquedistas do 184º Regimento FallschirmjägerA divisão foi evacuada para o continente italiano com perdas no início de outubro através da contestada cabeça-de-ponte de Bastia, enfrentando guerrilheiros do Maquis francês e tropas francesas livres desembarcadas, além de soldados italianos leais ao Reino da Itália (44ª Divisão de Infantaria Cremona e 20ª Divisão de Infantaria Friuli).

Aqui a divisão foi reorganizada para se tornar uma Divisão Panzergrenadier 43, ou seja, segundo a nova reorganização de 1943 que previa menos mão-de-obra e aumento do poder de fogo. Tendo sido transferida para o continente italiano da cabeça-de-ponte de Bastia em 3 de outubro de 1943, a divisão foi atribuída ao LXXXVII Corpo do Grupo de Exércitos C, sob o General der Infanterie Gustav-Adolf von Zangen.

Escudo da Sardenha visível no gorro de campanha do soldado à direita.
(Coleção de Antonio Scapini)


O Sardinienschild com a caixa.

A divisão foi então estacionada primeiro na Toscana perto de Pisa e depois na costa do Adriático em Gatteo a Mare. Em meados de novembro de 1943 foi transferido para a região de Abruzzo atrás da Linha Gustav. No início de dezembro, ela estava envolvida em pesados ​​combates defensivos ao sul de Ortona contra a 1ª Divisão de Infantaria Canadense do 8º Exército Britânico. Após a luta em Ortona, "Stalingrado da Itália", a 90ª foi recuada ao sul de Roma para descansar. Em janeiro de 1944, a divisão estava novamente na Linha Gustav entre Cassino e a costa do Tirreno. Desde o início de fevereiro ela lutou na Primeira e Segunda Batalhas de Monte Cassino em Monte Maiola e Monte Castellone. Após o fim da batalha, a 90ª foi transferida para a área de Roma-Ostia como reserva do grupo de exército no início de março. Em meados de maio, ela estava ao sul de Cassino, no Vale do Liri, perto de Pignataro-Pontecorvo, e participou da Quarta Batalha do Monte Cassino. Após o avanço dos Aliados, a divisão retirou-se para a Umbria antes de ser transferida para a área de Grosseto, na Toscana. Na Toscana, unidades da divisão foram usadas para combater guerrilheiros e estiveram envolvidas em batalhas defensivas contra o avanço das tropas do 5º Exército americano em Monte Amiata e perto de Volterra, entre outros lugares, antes da divisão se retirar para o Vale do Arno entre Pisa e Florença.

No final de julho de 1944, a divisão foi primeiro transferida para o Vale do Pó entre Módena e Parma e depois para a Ligúria ao norte de Gênova para descanso. Em meados de agosto, depois que os Aliados desembarcaram no sul da França, foi transferida para o Piemonte para garantir as travessias dos Alpes. A partir do final de setembro de 1944, ela estava novamente na Emilia-Romagna.

Oficial altamente condecorado da 90ª.
O Escudo da Sardenha é visível no lado esquerdo do quepe.

Outro oficial da divisão, um portador da Cruz de Cavaleiro, com o escudo claramente visível na lateral esquerda do quepe.

Em meados de dezembro de 1944, a divisão, inicialmente retida como reserva do exército, defendeu Faenza do ataque V britânico e II Corpo polonês, sofrendo pesadas perdas, mas finalmente teve que evacuar a cidade. Durante a ofensiva de primavera dos Aliados em abril de 1945, a 90ª Divisão Panzergrenadier foi novamente desdobrada como unidade de reserva. Unidades da divisão foram usadas para afastar as formações americanas da costa do Tirreno, perto de Massa, até os Apeninos Toscano-Emilianos. Após o colapso da frente alemã, os remanescentes da divisão capitularam aos Aliados ao sul do Lago de Garda no final de abril de 1945.

A divisão fora destruída próximo a Bolonha, mas alguns remanescentes dela se uniram à a 148. Infanterie-Division do Generalleutnant Otto-Fretter Pico. Blindados da 90ª em missão de reconhecimento trocaram tiros com tropas avançadas de reconhecimento da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na região de Collecchio-Fornovo di Taro, sendo capturados pela divisão brasileira na rendição de 29 de abril de 1945.

O Generalmajor Ernst-Günther Baade (esquerda), então comandante da 90ª, com um capitão em Rimini-Ancona, na Itália.
O capitão mostra o Sardinienchild no seu quepe.

Generalmajor Ernst-Günther Baade era popular entre as tropas, sendo notoriamente corajoso sob fogo e trabalhar com um estado-maior pequeno, focando os esforços na linha de frente. Ele era portador da Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho e Espadas, e também foi premiado com um Distintivo de Destruição de Tanques (Panzervernichtungsabzeichen) pela destruição de um tanque inimigo com uma arma de infantaria (incomum para um oficial-general). Baade foi ferido em 24 de abril de 1945, quando seu carro da equipe foi metralhado por um caça britânico perto de Neverstaven, em Holstein. Ele morreu de gangrena em um hospital em Bad Segeberg em 8 de maio de 1945, o dia da rendição incondicional alemã.

O comandante da 90ª (de dezembro de 1943 a dezembro de 1944) ter o Panzervernichtungsabzeichen é bastante revelador do tipo de liderança e ethos da unidade. Ele era conhecido por sua bravura e era apreciado pelos soldados. Ele ganhou sua Cruz de Cavaleiro em Bir Hakeim (1942) contra a 1ª Brigada Francesa Livre na África. O general Sir William Jackson, o historiador governamental  responsável por documentar a história oficial britânica da guerra na Itália e autor do livro The Battle for Italy (1967), considerou a 90ª Divisão Panzergrenadier um "adversário digno".

Bibliografia recomendada:

Orders, Decorations and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig).
David Littlejohn e Coronel C. M. Dodkins.

Leitura recomendada:

sábado, 21 de maio de 2022

Franceses com a Medalha Militar no Somme

Soldados franceses após receberem a Medalha Militar no Somme, 1916.
O homem no centro tem os porta-carregadores do FM Chauchat.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Soldados franceses ostentando a Medalha Militar (Military Medal, MM) após uma cerimônia na retaguarda durante a Batalha do Somme (21 de junho - 28 de setembro de 1916).

Os militares são de várias unidades diferentes, como se evidencia pelas numerações nos colarinhos e pelos símbolos nos capacetes, com um engenheiro usando o distintivo da armadura e um soldado colonial com a âncora junto à granada flamejante da República Francesa; do lado esquerdo, um dos soldados porta as cornetas dos Chasseurs (caçadores) no colarinho. Muitos militares já possuem condecorações francesas como a Croix de Guerre (Cruz de Guerra), todas com palma, e a Médaille Militaire (Medalha Militar).

Original em preto-e-branco do Imperial War Museum britânico.

O homem em evidência no centro é um municiador de Grupo de Combate (GC) e carrega o porta-carregador especial para o fuzil-metralhador (fusil-mitrailleur, FM) CSRG Chauchat, que usava carregadores em meia-lua semi-abertos. Estes carregadores foram motivo de muita controvérsia e, por serem uma novidade, devem ser o motivo da atenção na foto.

Atiradores de Chauchat e seus municiadores representaram uma inovação no combate de infantaria, com o moderno sistema de armas combinadas e inter-depentes, e sofreram baixas exponenciais assim como foram condecorações desproporcionalmente aos demais integrantes da infantaria.

Anverso e reverso do primeiro tipo da Military Medal (1916–1930).

A Medalha Militar foi uma condecoração militar concedida aos militares do Exército Britânico e outros ramos das forças armadas, estendida aos outros países da Commonwealth (Comunidade Britânica), abaixo do posto de oficial comissionado, por bravura em batalha em terra. O anverso possuía a efígie do Rei George V no uniforme de Marechal-de-Campo (1º tipo de 1916-1930) e o reverso a coroa com a inscrição "Por bravura em campanha". O prêmio foi estabelecido em 25 de março de 1916, com aplicação retroativa a 1914, e foi concedido aos praças por "atos de bravura e devoção ao dever sob fogo"; e foi classificado abaixo da Medalha de Conduta Distinta (Distinguished Conduct MedalDCM).

Prêmios para as forças britânicas e da Commonwealth eram anunciados no London Gazette (Gazeta de Londres), mas não prêmios honorários para as forças aliadas; listas de prêmios para forças aliadas foram publicadas pelos Arquivos Nacionais em 2018 e são mantidas em arquivos específicos do país dentro da WO 388/6. Desde 1918, os destinatários da Medalha Militar têm direito às letras pós-nominais "MM". A elegibilidade foi estendida aos soldados do Exército Indiano em 1944.

O prêmio foi descontinuado em 1993, quando foi substituído pela Cruz Militar (Military Cross), que foi estendida a todos os escalões, enquanto outras nações da Commonwealth instituíram seus próprios sistemas de premiação no período pós-guerra.

Bibliografia recomendada:

British Military Medals:
A Guide for the Collector and Family Historian.
Peter Duckers.

Leitura recomendada:


O Chauchat na Iugoslávia26 de outubro de 2020.

sábado, 26 de dezembro de 2020

A Medalha da Carne Congelada

Anverso e reverso da Medalha da Carne Congelada.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de dezembro de 2020.

A Medalha Oriental (Ostmedaille), oficialmente a Medalha da Batalha de Inverno no Leste de 1941–42 (Medaille Winterschlacht im Osten 1941/42), foi uma condecoração militar da Wehrmacht criada por decreto de Adolf Hitler em 26 de maio 1942. Era sardonicamente chamada de Medalha da Carne Congelada ou "Ordem da Carne Congelada" (Gefrierfleischorden).

A Medalha Oriental foi concedida a qualquer membro da Wehrmacht e Waffen-SS "em reconhecimento à experiência na luta contra o inimigo bolchevique e o inverno russo no período de 15 de novembro de 1941 a 15 de abril de 1942." Também foi concedida postumamente a qualquer membro do serviço que morreu no cumprimento do dever dentro da União Soviética.

Soldados do Exército Alemão (Heer) marchando em algum lugar na União Soviética no inverno de 1941-42.

Militares da Wehrmacht eram qualificados para a Medalha Oriental após um mínimo de 14 dias em combate ativo; 30 sortidas de combate aéreo; 60 dias contínuos de serviço em uma zona de combate; ser ferido ou sofrer um "membro congelado", grave o suficiente para justificar a emissão de um Distintivo de Ferido, e poderia ser concedido postumamente.

Em 20 de janeiro de 1943, a qualificação oficial para a Medalha Oriental foi estendida para incluir combatentes e não-combatentes do sexo masculino e feminino na Wehrmacht. Além disso, membros estrangeiros das unidades da Wehrmacht; militares mortos ou desaparecidos em combate e civis trabalhando sob o controle da Wehrmacht, incluindo aqueles envolvidos em construção e na abertura de estradas. Limites geográficos foram colocados na concessão do leste da Ucrânia e Ostland (Báltico e Bielo-Rússia) ou na área da Finlândia, a leste da fronteira russo-finlandesa original de 1940. A Medalha Oriental foi oficialmente desativada pelo Alto Comando das Forças Armadas (Oberkommando der Wehrmacht, OKW) em 4 de setembro de 1944.

Medalha com certificado de condecoração.

A medalha foi desenhado pelo SS-Unterscharführer Ernst Krauit. Medindo 3,6cm de diâmetro, de construção (geralmente) de zinco, a medalha recebeu um revestimento colorido de metal; medindo aproximadamente 44mm por 36mm. O verso côncavo mostra uma águia nacional-socialista segurando uma suástica com um louro atrás. O reverso apresenta o texto em letras maiúsculas "WINTERSCHLACHT IM OSTEN 1941/42" (Medalha da Batalha de Inverno no Leste de 1941–42) apresentando uma espada cruzada e um ramo abaixo do texto. Um capacete e uma granada de cabo abaixo da alça da medalha, bem como o anel externo, tinham acabamento em um efeito de prata polida.

A fita da medalha apresentava uma faixa central branca-preta-branca (branca para neve, preta para os soldados caídos) com vermelha (para sangue) de cada lado. A medalha e a fita eram apresentadas em um pacote de papel com o nome da medalha na frente e o nome do fabricante no verso. Como a Cruz de Ferro de 2ª Classe (Eisernes Kreuz, EK II) 1939–45, a fita da Medalha do Leste era usada na segunda casa de botão da túnica do uniforme ou em uma barreta. Onde as duas fitas eram usadas juntas na casa de botão, a EK II apareceria acima da Medalha Oriental. Mais de três milhões de medalhas foram concedidas e muitas mais fabricadas entre 26 de maio de 1942 e 4 de setembro de 1944.

A fabricação da medalha foi complexa e ocorreu em muitas empresas diferentes que foram contratadas para produzir medalhas durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, Steinhauer & Lück em Lüdenscheid.

Generalmajor Gerhard Schmidhuber com a fita da Medalha da Carne Congelada na segunda casa do botão da túnica. Enfermeira Elfriede Wnuk com a fita da Ostmedaille abaixo da fita da Cruz de Ferro 2ª classe.

Uma interpretação sarcástica bem conhecida da coloração foi a seguinte:

"À esquerda e direita do Exército Vermelho, entre a pista de pouso Smolensk-Moscou e a neve."

No jargão dos soldados, a medalha era frequentemente referida como "Rollbahnorden" (Ordem da pista de pouso). Como já citado, em referência ao inverno russo extremo de 1941/42 com seus numerosos casos de queimadura de frio, como "Medalha de Carne Congelada", "Ordem de Carne Congelada" ou "Eisbeinorden" (Ordem do Joelho de Porco Congelado). Em 1943, o Museu do Exército de Munique coletou 32 nomes diferentes para a Medalha Oriental através do seu colega Tenente Coronel Miller, incluindo os nomes Medalha Frost (Frost-Medaille), Boneco de neve com Capacete de Aço (Schneemann mit Stahlhelm), Lembrança da Aurora Boreal (Nordlicht-Erinnerung), Ordem da Tundra (Tundra-Orden), Medalha da Pista (Rollbahn-Medaille) e Medalha da Substituição de Férias (Urlaubs-Ersatzmedaille).

Havia também a seguinte rima para a cor da fita: Schwarz ist die Nacht, weiß ist der Schnee und von beiden Seiten die Rote Armee.

"A noite é negra, a neve é ​​branca e dos dois lados o Exército Vermelho."

Versão desnazificada da Ostmedaille de 1957.

Embora o uso de condecorações da era nazista tenha sido inicialmente banido em 1945, de acordo com a lei de títulos, medalhas e condecorações de 26 de julho de 1957, o uso de condecorações na República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental) só era permitido sem os emblemas nacional-socialistas. A Medalha Oriental estava entre as autorizadas para uso pela República Federal da Alemanha. Com os símbolos nazistas agora proibidos, a medalha foi redesenhada removendo a suástica, com a águia no anverso agora em pé sobre um ramo de louro.

Bibliografia recomendada:

Orders, Decorations, Medals and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig)
David Littlejohn e o Coronel C.M. Dodkins.

Leitura recomendada:

Os mitos do Ostfront, 2 de novembro de 2020.

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht31 de outubro de 2020.

FOTO: Tigre na lama22 de fevereiro de 2020.

VÍDEO: Alemanha Ano Zero19 de maio de 2020.

FOTO: Cemitério alemão na Itália8 de abril de 2020.

sábado, 31 de outubro de 2020

FOTO: Soldado russo da Wehrmacht

Oficial russo do ROA mostrando suas condecorações. Além do distintivo de Assalto de Infantaria (no bolso do peito, contendo um fuzil com baioneta), o oficial recebeu quatro medalhas Ostvolk de segunda classe. 

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de outubro de 2020.

O Exército de Libertação Russo (em alemão Russische Befreiungsarmee; em russo Русская освободительная армия/ Russkaya osvoboditel'naya armiya, POA/ROA). Conhecido como "O Exército de Vlasov", o ROA era um exército colaboracionista da Wehrmacht composto por russos e minorias étnicas recrutados principalmente nos lotados campos de prisioneiros e de um certo número de Ostarbeiter (literalmente "trabalhadores orientais", mão-de-obra escrava); além de alguns russos brancos emigrados.

Batalhões de Osttruppen serviram durante a guerra em várias capacidades (como guerra anti-partisan) e 42 batalhões serviram na Europa Ocidental (na França, Bélgica, Itália, Finlândia). 

O ROA atingiu o nível de Corpo de Exército, elevando-se a 50 mil homens, sendo liderado por Andrey Vlasov, um general do Exército Vermelho que havia sido capturado durante uma operação visando romper o cerco a Leningrado; seu nome criou o apelido de Vlasovtsy (Власовцы) para seus homens. Em 14 de novembro de 1944, o ROA passou a ser conhecido como Forças Armadas do Comitê para a Libertação dos Povos da Rússia (Вооружённые силы Комитета освобождения народов России/ Vooruzhonnyye sily Komiteta osvobozhdeniya narodov Rossii, abreviado como ВС КОНР/ VS KONR); passando para o controle deste comitê em 28 de janeiro de 1945.

Uma curiosidade do ROA é a Ordem nº 65 de Vlasov para prevenir a dedovshchina, o trote violento, no Exército de Libertação da Rússia, emitida em 3 de abril de 1945.

Medalha Ostvolk

Medalha Ostvolk de 2ª classe com espadas.

A Medalha de Galanteria e Mérito para Membros dos Povos Orientais (Tapferkeits und Verdienstauszeichnung für Ostvölker) foi uma condecoração militar e paramilitar da Alemanha nazista. Estabelecida em 14 de julho de 1942, foi concedida a militares da então União Soviética chamados pelos alemães de Ostvolk (literalmente "povos orientais"), que se voluntariaram para lutar ao lado das forças alemãs. A medalha é às vezes chamada de OstvolkmedailleMedalha Ostvolk ou Medalha dos Povos Orientais.

A medalha tinha duas classes, 1ª e 2ª, e cada versão de ambas as classes poderia ser concedida com espadas por bravura ou sem espadas por mérito. A 1ª classe era atribuída apenas a quem já tivesse recebido a 2ª classe embora, excepcionalmente, as duas classes pudessem ser atribuídas em conjunto. Mulheres, por exemplo enfermeiras, também eram elegíveis.

General Vlasov com seus Vlasovtsy, 1944.

Epílogo

O Exército de Vlasov teve uma única batalha de monta contra o Exército Vermelho, no rio Oder, sendo forçados a recuar depois de 3 dias de combates violentos. O General Vlasov iniciou uma marcha para o sul com o intuito de se render para os aliados ocidentais. No caminho, a 1ª Divisão do ROA se engajou na insurreição de Praga contra as tropas SS que foram despachadas para arrasarem a cidade em maio de 1945. Essa mudança de lado visava, principalmente, atrair a simpatia dos aliados já que os soldados do ROA sabiam que seriam executados como traidores pelos soviéticos. Mesmo assim, o conselho comunista de Praga ordenou que a divisão deixasse a cidade no mesmo dia em que a batalha acabou e muitos resistentes tchecos capturaram Vlasovtsy e os entregaram ao Exército Soviético.

O ROA se rendeu aos aliados americanos e britânicos na Áustria. Mais de mil Vlasovtsy se renderam à 44ª Divisão de Infantaria americana com a promessa de que não seriam devolvidos aos soviéticos. Em um movimento que o comando aliado manteve em segredo por muitos anos, eles foram então entregues à força aos soviéticos pelos aliados, devido a um acordo anterior entre Churchill e Stálin de que todos os soldados do ROA seriam devolvidos à URSS. Alguns oficiais aliados que simpatizavam com os soldados ROA permitiram que eles fugissem em pequenos grupos para as zonas controladas pelos americanos.

Com base no relato não-publicado do oficial de inteligência da 44ª Divisão que se encontrou com Vlasov e negociou sua rendição na Áustria, a rendição envolveu garantias da sede do SHEAF (Supreme Headquarters Allied Expeditionary Force / Quartel-General Supremo da Força Expedicionária Aliada), em Paris, de que os integrantes do ROA que se rendessem aos americanos não seriam enviados de volta aos soviéticos. Seu relato permaneceu inédito porque na época da sua morte, o documento ainda era considerado altamente secreto.

O governo soviético decretou todos os soldados e civis do ROA como traidores, e aqueles que foram repatriados foram julgados e condenados à detenção em campos de prisioneiros ou executados. O próprio Vlasov e vários outros líderes do ROA foram julgados e enforcados em Moscou em 1º de agosto de 1946.

Na cultura popular

Um exército basicamente esquecido, o ROA permaneceu fora da mídia e da cultura popular por muitas décadas.  Apesar de ser um ponto central do enredo do filme e jogo "007 contra Goldeneye" (GoldenEye, 1995), e mesmo com tanto o filme quanto o jogo sendo extremamente populares na mundo todo na época, a maioria dos telespectadores não percebeu a referência.

Cena do filme GoldenEye sobre Travelyan e os "Cossacos de Lienz" 


A trama envolve o ressentimento do vilão Alec Trevelyan (interpretado por Sean Bean), conhecido como "Janus", filho de "Cossacos de Lienz" que "sobreviveram à traição britânica e aos esquadrões de execução de Stálin". Janus planeja a destruição da economia britânica por causa da traição britânica em Lienz, na Áustria.

O pai e sua família sobreviveram, mas, atormentado pela "culpa do sobrevivente", seu pai acabou matando sua esposa, então suicidando-se, deixando Alec órfão. 

Bond (interpretado por Pierce Brosnan) diz sobre a repatriação forçada, "Não foi exatamente nosso melhor momento", sendo respondido por Valentin Zukovsky (interpretado por Robbie Coltrane), o ex-espião da KGB tornado um chefão da máfia russa, que os cossacos eram "gente cruel" e "tiveram o que mereciam".


Em 28 de maio de 1945, o Exército Britânico chegou ao Camp Peggetz, em Lienz, onde havia 2.479 cossacos, incluindo 2.201 oficiais e soldados. Foram convidar os cossacos para uma importante conferência com oficiais britânicos, informando-os de que voltariam a Lienz às 18 horas daquela noite; alguns cossacos ficaram preocupados, mas os britânicos garantiram-lhes que tudo estava em ordem. Um oficial britânico disse aos cossacos: "Garanto-vos, com a minha palavra de honra como oficial britânico, que vão apenas a uma conferência". A repatriação dos cossacos de Lienz foi excepcional, porque os cossacos resistiram com força à sua repatriação para a URSS; um cossaco observou: "O NKVD ou a Gestapo teriam nos matado com cassetetes, os britânicos o fizeram com sua palavra de honra".

Julius Epstein, um judeu-austríaco trabalhando como correspondente de guerra, descreveu a cena que ocorreu:

"O primeiro a cometer suicídio, por enforcamento, foi o editor cossaco Evgenij Tarruski. O segundo foi o general Silkin, que atirou em si mesmo... Os cossacos se recusaram a embarcar nos caminhões. Soldados britânicos [armados] com pistolas e cassetetes começaram a usar seus cassetetes, mirando nas cabeças dos prisioneiros. Eles primeiro arrastaram os homens para fora da multidão e os jogaram nos caminhões. Os homens pularam pra fora. Eles os espancaram de novo e os jogaram no piso dos caminhões. Novamente, eles pularam pra fora. Os britânicos então os atingiram com coronhas de fuzil até que ficassem inconscientes e os jogaram, como sacos de batatas, nos caminhões."

Os britânicos transportaram os cossacos para uma prisão onde foram entregues aos soviéticos.

"Certos eventos inspirados em 'Um Escritor em Guerra' de Vasily Grossman, editado e traduzido por Antony Beevor e Luba Vinogradova."
Cena dos créditos do jogo Company of Heroes 2.

Foi apenas com o jogo Company of Heroes 2 (2013) que o ROA finalmente entrou na cultura popular moderna, quando virou uma unidade jogável. Esse jogo atraiu a atenção pela inclusão de massacres e crimes de guerra enquanto o protagonista narra a sua experiência na Frente Leste de dentro de uma cela na Sibéria. Essa exposição gerou uma nova onda de livros sobre o assunto.

O jogo menciona a execução de prisioneiros, a famosa Ordem nº 227, a traição contra resistentes poloneses e os expurgos da NKVD no pós-guerra. Um dos outros pontos de contenda foi a menção ao programa de Empréstimo e Arrendamento, com tanques Sherman americanos enviados para os soviéticos. Muitos dos cenários foram tirados do livro "Um Escritor em Guerra", de Vasily Grossman.

Os soldados Vlasovtsy do ROA são uma unidade de infantaria designada simplesmente como Osttruppenusada como "bucha de canhão" pelo Ostheer (literalmente "Exército do Leste"), a facção alemã da Frente Russa.

Osttruppen no jogo Company of Heroes 2.

Bibliografia recomendada:

Hitler's Russian & Cossack Allies 1941-45.
Nigel Thomas PhD e Johnny Shumate.

Orders, Decorations, Medals and Badges of the Third Reich
(Including the Free City of Danzig)
David Littlejohn e o Coronel C.M. Dodkins.

Leitura recomendada:




quinta-feira, 9 de julho de 2020

As IDF criam comitê para pesar medalha para as tropas que lutaram no sul do Líbano

Veículos das IDF atravessam a ponte Awali conforme saem do Líbano no primeiro dia de uma retirada planejada em 16 de fevereiro de 1985.
(Yossi Zamir/Flash90)

Do jornal The Times of Israel, 7 de julho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de julho de 2020.

O painel considerará se deve conceder reconhecimento oficial à presença militar de 18 anos de Israel no país e, se o fizer, como nomear a campanha.

O chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel, Aviv Kohavi, nomeou um comitê para considerar a possibilidade de criar uma medalha de campanha para israelenses que lutaram no sul do Líbano nos anos que se seguiram à guerra de 1982, disseram as forças armadas na terça-feira.

O ex-ministro da defesa Naftali Bennett no Líbano quando ele atuou como oficial na unidade de reconhecimento de elite Maglan na década de 1990.
(Naftali Bennett)

Embora as IDF tenham criado uma medalha de campanha para aqueles que participaram da Primeira Guerra do Líbano, atualmente não há fita para quem serviu no sul do Líbano desde o final de 1982 até a retirada de Israel em maio de 2000.

Tropas israelenses em combate urbano no sul do Líbano, 1982.

De acordo com um comunicado das IDF, o comitê será chefiado pelo tenente-general (reformado) Shaul Mofaz, que foi chefe de gabinete de 1998 a 2002 e supervisionou os últimos anos das forças armadas no sul do Líbano. O comitê também será composto por vários outros oficiais superiores do serviço ativo e da reserva.

"Se o comitê achar que é correto conceder uma medalha de campanha, ele também considerará os seguintes problemas: dar um nome à campanha, o período de qualificação para receber a medalha e outros critérios de elegibilidade", afirmou o comunicado.

Soldados israelenses abrindo um portão para tanques durante a retirada das FDI do Líbano, em 22 de junho de 2000.
(Flash90)

O comitê deve apresentar uma recomendação [ao Tenente-General Aviv] Kohavi e ao ministro da Defesa Benny Gantz nos próximos meses.

A decisão de formar o comitê ocorre um mês e meio depois que Israel marcou o vigésimo aniversário das últimas tropas de IDF se retirando do sul do Líbano.


Estima-se que 675 soldados foram mortos durante a ocupação de Israel no sul do Líbano. O período foi abordado no recente documentário televisivo "War with No Name" ("Guerra sem nome"), em homenagem à falta de reconhecimento oficial pela presença de 18 anos de Israel no sul do Líbano.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



Sayeret Duvdevan - Krav Magá17 de abril de 2020.



VÍDEO: Macacos de Lotar17 de abril de 2020.