Mostrando postagens com marcador Tunísia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tunísia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 24 de março de 2021

GALERIA: Atividades das tropas francesas na Tunísia

Um soldado do 2e GTM (2e Grupo de Tabors Marroquinos) dispara uma submetralhadora Thompson no Djébel Ousselat, na Tunísia, abril de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de março de 2021.

As tropas francesas do 19º Corpo de exército são retratadas na frente tunisiana em abril de 1943 durante a Batalha do Maciço de Ousselat (Djebel Ousselat, localizado a noroeste de Kairouan) durante a campanha da Tunísia. Também conhecida como ataque de Fondouk, a batalha opõe o 1º Exército Italiano, apoiado por elementos panzer alemães, ao 19º Corpo de Exército francês em conexão com a 34ª Divisão de Infantaria "Touro Vermelho" americana e o 9º Corpo de Exército britânico, e faz parte das operações realizadas para retomar a crista oriental da cordilheira.

Atividade na linha de frente no  período também envolveram:

- um regimento de caçadores africanos equipados com tanques Renault D1 avançando em direção a Pichon;

- elementos do 411e RAAA (411e Régiment d’artillerie antiaérienne/ 411º Regimento de Artilharia Antiaérea), que lutando como parte da DMC (Division de marche de Constantine/ Divisão de Temporária de Constantine), equipado com um canhão de 75mm CA modelo 1932 em alerta no setor de Robaa;

- soldados do 67e RAA (67e Régiment d’artillerie d’Afrique/ 67º Regimento de Artilharia da África), parte da DMC, armados com canhões de montanha modelo 1906 de 65mm e ocupando posições no setor de Ousseltia;

- do 2e GTM (2e Groupe de tabors marocains/ 2º Grupo de tabors marroquinos), que lutou no seio do DMM (Division de marche du MarocDivisão de Marcha do Marrocos), com veículos que tomaram do inimigo no setor de Siliana e depois partindo ao ataque no setor de Ousseltia;

homens do 1º batalhão do 19e RG (19e Régiment du génie/ 19º Regimento de Engenharia), pertencentes ao DMC, que participam numa operação de neutralização de minas anti-pessoais.

Artilheiros do 67e RA (regimento de artilharia) com uma mula montada com um canhão de montanha 65mm modelo 1906 no setor de Ousseltia.

Operação de detecção de minas por sapadores do 19º Regimento de Engenharia.

O relatório também menciona o posto de comando do General Koeltz, comandante do 19º Corpo do Exército francês, instalado em um trailer provavelmente em Djerissa, o posto de comando Kellermann instalado em tendas, um campo de prisioneiros em Maktar onde estão internados soldados alemães e italianos do corpo expedicionário da África, um avião alemão abatido perto de Maktar e os túmulos de soldados alemães e aliados em Pichon.

Distribuição de sopa aos prisioneiros italianos no campo de Maktar.

O túmulo de um soldado alemão no cemitério de Pichon.

Vista geral do cemitério de Pichon.

O túmulo de um soldado francês morto por uma mina no cemitério de Pichon; um capacete francês é colocado sobre a cruz.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Goumiers com um carro italiano capturado

Soldados marroquinos do Exército Francês posando com um Fiat 508 CM italiano capturado, identificado como a viatura de um oficial pela placa sendo apontada por um goumier, na Tunísia, abril de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de março de 2021.

Durante a batalha do Massiço do Djébel Ousselat (também Ousselet), de março a abril de 1943, soldados goumiers de Tabors marroquinos combatendo como parte da Divisão de Marche do Marrocos (Division de Marche du Maroc) foram uma parte essencial do esforço aliado, especialmente por conta da sua capacidade de combate em montanha. Os goumiers atingiriam o ápice da excelência na campanha da Itália no setor de Monte Cassino, em 1944.

Essa competência militar seria também acompanhada de estupros em massa e massacres terríveis na região de Esperia.

O termo Goum designava uma companhia de Goumiers. Origina-se do árabe-magrebino gūm e do árabe clássico qawm, designando “tribo” ou “povo”. O termo também se refere a contingentes montados de cavaleiros árabes ou bérberes empregados por líderes tribais durante as campanhas no norte da África. O termo tabor é originalmente uma designação turca de tabur fazendo referência a um batalhão ou pelo árabe intermediário ṭābūr, também originalmente uma designação turca.

A palavra originou-se da palavra árabe magrebina Koum (قوم), que significa "povo". A designação não específica "Goumi" (versão francesa "Goumier") foi usada para contornar as distinções tribais e permitir que voluntários de diferentes regiões servissem juntos em unidades mistas por uma causa "comum". Os goumiers foram recrutados das tribos bérberes da Cordilheira do Atlas, no Marrocos.

Na terminologia militar francesa, um goum era uma unidade de 200 auxiliares. Três ou quatro goums formavam um tabor. Um dispositivo  ou grupo era composto de três tabores. Um goum, neste caso, era o equivalente a uma companhia em unidades militares regulares e um tabor, portanto, seria equivalente a um batalhão. Um tabor era a maior unidade goumier permanente.

Entre 1942 e 1945, quatro Grupamentos de Tabors Marroquinos (Groupements de Tabors MarocainsGTM) foram criados, cada um compreendendo 3 Tabors (batalhão) com 3 a 4 goums (companhias). Goumiers serviram então na Indochina de 1946 a 1954. O 2º Grupamento de Tabors Marroquinos (2e groupement de tabors marocains, 2e GTM) foi uma das seis unidades mais condecoradas do Exército Francês na Segunda Guerra Mundial.

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

FOTO: Paraquedistas do SAS francês na Tunísia, 20 de março de 2021.

FOTO: Somua S 35 na Tunísia26 de março de 2020.

FOTO: O Tigre na Tunísia5 de julho de 2020.

FOTO: Prisioneiros alemães na Itália26 de março de 2020.

FOTO: Comandos anfíbios à moda antiga, 21 de setembro de 2020.

GALERIA: Fortes da Legião Estrangeira Francesa1º de março de 2021.

Lições da campanha do Marechal Leclerc no Saara 1940-4314 de fevereiro de 2021.

Entre Tradição e Evolução: Caçadores Alpinos usando mulas no combate de montanha no século XXI27 de outubro de 2020.

LIVRO: Um Exército no Alvorecer, 2 de julho de 2020.