Mostrando postagens com marcador África do Norte. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador África do Norte. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Lutas esquecidas: os franceses livres em Bir Hacheim, maio de 1942

Legionários franceses em ação, junho de 1942.
Cortesia do Imperial War Museums, E 13313.

Por Edward G. Lengel, National WW2 Museum, 25 de maio de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 1º de maio de 2022.

Uma das “Lutas Esquecidas” mais emocionantes da Segunda Guerra Mundial ocorreu em maio de 1942 no posto avançado do deserto norte-africano de Bir Hacheim (também Bir Hakeim). Neste duelo, forças alemãs e italianas sob o comando da "Raposa do Deserto" da Alemanha, General Erwin Rommel, bateram-se com as Forças Francesas Livres, incluindo tropas coloniais africanas, sob o comando do General-de-Brigada Marie-Pierre Koenig. Os franceses lutaram arduamente por duas semanas antes de finalmente cederem, permitindo que as forças de Rommel continuassem seu avanço em direção ao Canal de Suez. Mesmo na derrota tática, no entanto, os franceses obtiveram uma vitória estratégica significativa.

No início de maio, aproximadamente 90.000 tropas alemãs e italianas, incluindo 560 tanques, enfrentaram cerca de 110.000 tropas britânicas, imperiais e aliadas britânicas e 840 tanques ao longo da Linha de Gazala, na Líbia, ao sul e oeste do importante porto de Tobruk. O Tenente-General Neil Ritchie, comandando o Oitavo Exército Britânico, desdobrou a 1ª Brigada Francesa Livre de Koenig, de 4.000 homens, no extremo sul da Linha de Gazala, a cerca de sessenta quilômetros de profundidade no deserto do Saara, em um antigo forte desolado e em ruínas em Bir Hacheim.

Veteranos africanos franceses de Bir Hacheim.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

O comando de Koenig era uma miscelânea, consistindo de fuzileiros navais franceses, legionários estrangeiros e soldados de colônias francesas africanas, como Senegal, Madagascar e o que hoje é a África Central. Embora sem tanques e muito equipamento pesado, os homens de Koenig eram guerreiros durões determinados a provar seu valor contra um inimigo que havia rolado triunfantemente pela França continental apenas dois anos antes. Os Legionários Estrangeiros incluíam muitos refugiados da Europa Oriental ocupada pelos nazistas, igualmente determinados a vingar a perda de suas terras natais.

Um Legionário Estrangeiro toma um gole de água preciosa.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

Em 26 de maio, Rommel enviou forças italianas em um ataque frontal contra a Linha de Gazala. Mas isso foi apenas uma finta. Enquanto os italianos demonstravam, a Raposa do Deserto liderou as 15ª e 21ª divisões Panzer e a divisão blindada italiana Ariete ao sul do deserto, derrotando unidades blindadas britânicas e chegando diante de Bir Hacheim em 27 de maio. Supondo que os franceses seriam simplesmente varridos, Rommel continuou em frente. com suas divisões alemãs e deixou os italianos para lidarem com Bir Hacheim. Isso, como se viu, foi um erro caro.

Os tanquistas italianos, corajosos, mas operando equipamentos frágeis e obsoletos, imediatamente atacaram de assalto as posições francesas. Embora tenham penetrado a defesa externa em alguns pontos, no entanto, as forças bem entrincheiradas de Koenig destruíram 32 tanques e repeliram os atacantes. Rommel, enquanto isso, continuou para o norte, destruindo outros postos avançados britânicos e completando o cerco de Bir Hacheim.

Uma equipe de morteiro africana francesa.
Cortesia da Biblioteca do Congresso.

Vitorioso em ações de pequenas unidades, mas incapaz de desequilibrar completamente a Linha de Gazala, Rommel enfureceu-se com a contínua resistência sombria de Koenig em Bir Hacheim. Quando o comandante da França Livre rejeitou uma exigência de rendição, os caças e bombardeiros da Luftwaffe começaram a bombardear impiedosamente e metralhar a fortaleza em ruínas. Rommel também ordenou que sua artilharia atacasse as posições francesas e, retirando suas tropas alemãs de seus postos avançados mais ao norte, enviou-as, além de infantaria e tanques italianos para atacar Bir Hacheim dia e noite. Os Legionários de Koenig construíram bem suas posições, no entanto, e apesar da crescente escassez de munição e especialmente água, os franceses resistiram.

No final da primeira semana de junho, Koenig sabia que seus homens estavam perto do fim de suas forças e pediram por rádio permissão para romper o cerco e se retirar. Essa permissão foi negada, pois os britânicos, antecipando a destruição final da Linha de Gazala, estavam preparando posições de recuo em El Alamein, no Egito. Koenig obedientemente retornou à luta enquanto seus homens, sob constante bombardeio no calor escaldante e subsistindo de dedais d'água, repeliam um ataque após o outro.

Artilharia francesa em ação em Bir Hacheim.
Cortesia do Museu Nacional da Marinha dos EUA.

Na noite de 10 para 11 de junho, sabendo que a queda de Bir Hacheim era iminente, Koenig ordenou uma fuga sob o manto da escuridão. A princípio, os franceses tentaram se retirar em formação, mas quando os alemães descobriram o movimento, a guarnição em retirada se dividiu em grupos de alguns homens e indivíduos. Nas duas horas seguintes, eles enfrentaram alemães e italianos em combate corpo-a-corpo. Incrivelmente, a maioria da guarnição sobrevivente escapou para a segurança. Incrivelmente, o general Koenig foi levado de jipe da fortaleza por Susan Travers, uma inglesa designada para a equipe médica francesa como motorista de ambulância. “É uma sensação deliciosa, ir o mais rápido possível no escuro”, ela lembrou mais tarde. “Minha principal preocupação era que o motor parasse.” Seu Ford crivado de balas levou com segurança a dupla de volta às linhas britânicas. Travers mais tarde seria formalmente admitida na Legião Estrangeira.

Rommel disse sobre Bir Hacheim que “raramente na África eu tive uma luta tão dura”. A corajosa defesa do posto avançado do deserto perturbou seriamente os planos de Rommel para a vitória no norte da África. Embora ele tenha destruído a Linha de Gazala e capturado Tobruk, os britânicos ganharam um tempo valioso para preparar suas defesas em El Alamein, onde, vários meses depois, a maré da guerra na África finalmente mudaria.

Edward G. Lengel é o ex-diretor sênior de programas do Instituto para o Estudo da Guerra e da Democracia do Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial.

Leitura recomendada:

Tempos de Inquietude e de Sonho.
Raul Soares da Silveira,
legionário brasileiro que lutou em Bir Hakeim.

terça-feira, 8 de março de 2022

GALERIA: A Brigada Ramcke de Hildesheim à África

Soldado da Brigada Ramcke com o distintivo de escorpião.
Ele tem um bocal de granada no seu fuzil Mauser Kar 98k.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de março de 2022.

A Brigada Fallschirmjäger-Ramcke se alinhou em Hildesheim para um desfile antes de partir para o Norte da África, no verão de 1942. A Brigada Ramcke chegou na África em agosto de 1942 via Atenas e depois Creta, servindo na África Ocidental. Na Wehrmacht, os paraquedistas (fallschirmjäger) pertenciam à força aérea - Luftwaffe.

A Brigada Ramcke havia sido criada pelo a captura de Malta, onde saltaria ao lado da Brigada Folgore italiana. Na África, a brigada serviu principalmente ao lado da 25ª Divisão de Infantaria "Bolonha" até a retirada final de El Alamein em novembro de 1942, quando 600 homens restante roubaram caminhões de um comboio inglês e se retiraram após sofrerem pesadas baixas. A brigada então se engajou na retirada para a Tunísia. Ramcke foi transferido de volta para a Alemanha, onde recebeu as Folhas de Carvalho na Cruz de Cavaleiro, e o comando passou para o Major Hans Kroh.

O que restou da brigada fez parte da capitulação do Grupo de Exércitos da África (Heeresgruppe Afrika / Gruppo d'Armate África) em 13 de maio de 1943.

General Hermann-Bernhard Ramcke.

Formação

Antes mesmo da Operação Mercúrio (Unternehmen Merkur) contra a ilha de Creta em 1941, os preparativos começaram para tomar a ilha de Malta, controlada pelos britânicos, no Mediterrâneo. A ilha atuou como porto de abastecimento e base de operações para a RAF, o que colocava seus aviões a uma distância impressionante do norte da África e da Itália. Inicialmente, os paraquedistas italianos e alemães e a infantaria aerodesembarcada deveriam tomar o aeródromo da ilha antes que uma força de tropas marítimas italianas desembarcasse e protegesse o resto da ilha e subjugasse os defensores. Esta operação foi chamada de Hércules (Unternehmen Herkules).

No entanto, após as altíssimas baixas sofridas pelos Fallschirmjäger durante a Batalha Aeroterrestre de Creta (Luftlandeschlacht um Kreta) e problemas de abastecimento de combustível para a Marinha italiana, o ataque a Malta foi cancelado e várias tropas Fallschirmjäger ficaram disponíveis para outras operações, sendo transferidas para o leste e para a África.

Entra a Brigada Ramcke

No início do verão de 1942, o General Student, comandante das forças Fallschirmjäger da Luftwaffe, foi convidado a formar uma Fallschirm-brigade para ser enviada à África. Ele nomeou Bernhard Herman Ramcke comandante da nova brigada.

Ramcke (então um Oberst) comandou Fallschirmjäger em Creta e assumiu o comando das operações ocidentais quando o comandante do Regimento de Assalto (Sturm-Regiment), Oberst Meindl, foi ferido, caindo com a primeira onda de reforços em 21 de maio. Ele então assumiu o comando do Kampfgruppe de Meindl, supervisionando o rompimento das linhas neo-zelandesas e se unindo às forças alemãs em Gálatas.

Após sua promoção a Generalmajor em agosto de 1941, ele serviu brevemente com os paraquedistas italianos da Folgore em preparação para a Operação Herkules visando invadir Malta, antes desta ser cancelada e ele ser chamado de volta a Berlim.

A nova brigada paraquedista consistia em quatro batalhões retirados de diferentes regimentos Fallschirmjäger, um batalhão de artilharia, uma companhia de comunicações, uma companhia de pioneiros e uma companhia antitanque.

Ordem de batalha da Fallschirm-brigade Ramcke
  • Comandante: General der Fallschirmtruppen Bernhard Hermann Ramcke
  • Brigadestab (Estado-Maior)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 2 (Batalhão Kroh)
  • I./ Regiment Fallschirmjäger 3 (Batalhão von der Heydte)
  • II./ Regiment Fallschirmjäger 5 (Batalhão Hübner)
  • Fallschirmjäger-Lehr Battalion/XI. Flieger-Korps (Batalhão Burkhardt)
  • II./Fallschirm-Artillerie Regiment (Fenski)
  • Tietjen Pionier Kompanie (Hauptmann Cord Tietjen)
  • Panzerjäger Kompanie (Hasender, com doze canhões PaK36 de 3,7cm)
  • Companhia de Comunicações

Desfile em Hildesheim

Na primeira fila à esquerda está o Major Friedrich von der Heydte, enquanto à sua direita está o Stabsoffizier Oberleutnant Rolf Mager.
No meio atrás da linha está o Oberleutnant Horst Trebes. Mais tarde, Mager ganhou a Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro) em 31 de outubro de 1944 como Hauptmann e comandante do II. Bataillon / Fallschirmjäger-Regiment 6 na Normandia.

Liderando a 1.Kompanie, Lehr Battalion - Ramcke Brigade, o Hauptmann Horst Trebes; Ritterkreuzträger (Portador da Cruz de Cavaleiro), e responsável pelo Massacre de Kondomari em Creta.
Atrás, à esquerda, está Oberleutnant Joachim Grothe. Trebes nasceu em 22 de outubro de 1916 e foi morto em combate em 29 de julho de 1944 perto de St. Denys-le-Gast, França. Ele recebeu o Ritterkreuz em 9 de julho de 1941 como Oberleutnant e comandante do III.Bataillon, Fallschirmjäger-Sturm-Regiment.

À frente está o Oberleutnant Adolf Peiser, comandante da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3.
Ele seria condecorado com a Deutsches Kreuz (Cruz Alemã) em ouro em 16 de agosto de 1943.
À sua direita está o Oberjäger Georg Isenberg, enquanto à sua esquerda está o Feldwebel Conny Wagner. À extrema esquerda está o Feldwebel Klaus Ackermann.

À esquerda o Leutnant Werner Wiefelspütz ao lado do Oberjäger Müller (olhando para a câmera).
O Leutnant Werner Wiefelspütz (nascido em 20 de abril de 1921) mais tarde seria morto no campo de batalha africano em 20 de outubro de 1942 e seus restos mortais foram enterrados no Kriegsgräberstätte (cemitério de guerra) de El-Alamein.

O Major Friedrich von der Heydte está sentado no carro lateral de uma motocicleta BMW R75, enquanto à esquerda está um carro Mittlere Einheits-PKW Horch 901 (Kfz.15). O motorista de aparência tensa carrega um Kartentasche (pasta de mapas) no cinto.
O número da placa WL 57399 refere-se ao Luftgau Kommando VI Münster. O símbolo no side-car é símbolo tático do Lehr-Bataillon (batalhão-escola).

Fallschirmjäger na estação de trem antes da partida para o Norte da África, verão de 1942.
O Tornister é coberto por um "zeltbahn" que pode ser usado como capa de chuva e também como tenda, enquanto um capacete é pendurado nas costas. O soldado mais à esquerda ao fundo tem uma cartucheira pendurada no ombro.

A cerimônia final antes da partida dos Fallschirmjäger de trem.

A ordem das tropas despachadas para a África foi a seguinte:
  • Primeira onda: Kampfgruppe Kroh com o comando antecessor da Brigada.
  • Segunda onda: Kampfgruppe von der Heydte com pelotão de comunicações.
  • Terceira onda: Kampfgruppe Hübner.
  • Quarta onda: Estado-Maior da Brigada e unidades de bateria de artilharia e companhia anti-carro.
  • Quinta onda: Kampfgruppe Burkhardt.

Viagem de trem para a Grécia

Spiess da 1.Kompanie, o Hauptfeldwebel Clemens Heynk (à esquerda).
O "Spiess" ("lança"), também chamado de "a mãe da companhia", costumava ser um graduado antigo com funções administrativas e de gerenciamento de pessoal da companhia.

Na Wehrmacht, o Hauptfeldwebel não era um posto, mas um título de posição, atribuição ou nomeação, equivalente ao sargento-mor da Commonwealth (company sergeant major) ou primeiro sargento de nível de companhia dos EUA (todos sem equivalência no Brasil). Havia um tal graduado (Oberfeldwebel ou Feldwebel) em cada companhia de infantaria, bateria de artilharia, esquadrão de cavalaria, etc. Ele era o sargento sênior de sua subunidade, mas suas funções eram em grande parte administrativas e não se esperava que acompanhasse sua unidade em um assalto ou tiroteio. O seu equivalente nas Waffen-SS era o SS-Stabsscharführer.

O Hauptfeldwebel tinha muitos apelidos, incluindo Spieß/Spiess ("Lança") e Mutter der Kompanie ("mãe da companhia"). Ele usava dois anéis de 10mm de largura de trança de graduados ao redor do punho de suas mangas (apelidados de "anéis de pistão") e carregava uma Meldetasche (pasta de relatórios) enfiada na frente da túnica, na qual carregava formulários de relatório em branco, listas e outros papéis relacionados a seus deveres. O sistema alemão não tinha nenhum equivalente ao sargento-mor regimental da Commonwealth.

A nomeação poderia ser ocupada por um oficial não-comissionado sênior (Unteroffizier mit Portepee), normalmente um Oberfeldwebel ou Feldwebel. Se o posto fosse preenchido por necessidade por um Unteroffizier ohne Portepee (oficial não-comissionado sem cordão/dragona), ele era denominado Hauptfeldwebeldiensttuer, ou "aquele que serve como Hauptfeldwebel".

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke a caminho da Grécia antes de serem despachados de navio para o Norte da África, no verão de 1942.
A maioria deles viajou da Alemanha para a Grécia de trem. De lá, eles voaram para Tobruk via Creta em grupos (companhias ou batalhões) do final de julho a meados de agosto de 1942.

Major Friedrich von der Heydte no trem que o levará à Grécia.
Ele tem no peito a Deutsches Kreuz de ouro 
(DKiG) que ganhou em 9 de março de 1942.

Além da DKiG, outras medalhas e prêmios ganhos por von der Heydte foram:
  • Treuedienstabzeichen (Distintivo de Fidelidade, janeiro de 1938);
  • Eisernes Kreuzes (Cruz de Ferro) II klasse (27 de setembro de 1939) e I klasse (26 de setembro de 1940);
  • Ritterkreuz (Cruz de Cavaleiro, 9 de julho de 1941);
  • Eichenlaub # 617 (Folhas de Carvalho, 18 de outubro de 1944);
  • Fallschirmschützenabzeichen (Brevê paraquedista, janeiro de 1940);
  • Braçadeiras KRETA (janeiro de 1941) e AFRIKA (janeiro de 1943);
  • Infanterie-Sturmabzeichen (Distintivo de Assalto de Infantaria);
  • Ostmedaille (Medalha Oriental/Carne Congelada);
  • Ordem Militar de Sabóia (italiana, janeiro de 1942),
  • Wehrmacht-Dienstauszeichnung 4 klasse (Prêmio de serviço da Wehrmacht 4ª classe).
Von der Heydte também foi citado no  despacho de 11 de junho de 1944 da Wehrmacht. Ele também recebeu medalhas do pós-guerra, como a Bayerischer Verdienstorden (Ordem do Mérito da Baviera, 21 de maio de 1974), a Grã-cruz da Ordem dos Cavaleiros do Santo Sepulcro em Jerusalém (1958), e a Grande Cruz do Mérito da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha (17 de março de 1987). O Coronel von der Heydte liderou o último salto alemão na guerra, Operação Stösser, um salto noturno desastroso na Batalha do Bulge, onde o próprio von der Heydte foi um dos muitos paraquedistas feitos prisioneiros pelos americanos. Sobre suas experiências na guerra, ele escreveu suas memórias no livro Dédalo Retornado.

Ele tornou-se general na Bundeswehr após a guerra. Como oficial da Alemanha Ocidental na Guerra Fria, ele teve de combater o terrorismo vermelho das facções comunistas alemãs, escrevendo o livro A Guerra Irregular Moderna, que menciona o terrorista brasileiro Carlos Marighella nada menos do que 67 vezes.

Von der Heydta escreveria "A Guerra Irregular Moderna", sobre terrorismo na Guerra Fria.
Este livro cita o terrorista brasileiro Marighella várias vezes.

Oberleutnant Horst Trebes (à esquerda) inspecionando o kit recém-recebido dos seus homens; 1.Kompanie, I.Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 3 ao deixar a Alemanha para o norte da África, verão de 1942.

Distribuição de "tropenhelms" (capacetes tropicais) para os membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke que irão de serviço para o norte da África.

Fallschirmjäger da 2.Kompanie, Fallschirmjäger-Regiment 3 se ocupa pintando seus equipamentos em cores tropicais.
Observe a flâmula com o escudo tático do Lehr-Bataillon acompanhado do número "2" (2ª Companhia).

Militares da 1.Kompanie/I.Bataillon/Fallschirmjäger-Regiment 3 se preparam para a inspeção antes de serem enviados de navio para o norte da África.
O coldre de pistola P08 e o "kartentasche" (bolsa de mapas) mostrados em primeiro plano são feitos de couro cru.

Militares da 1ª Companhia aguardando no trem a viagem para a Grécia.
Um deles lê um jornal.

Almoço em parada temporária a caminho da Grécia.
Esses soldados comem rações de marmitas de "Eiserne Portion" (rações de aço) que eram equipamentos padrão para um soldado alemão.

Oficiais da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke lavam as mãos durante uma parada temporária a caminho da Grécia.
Da esquerda para a direita: Soldado não identificado, Major Friedrich August Freiherr von der Heydte, Oberleutnant Rolf Mager e Oberleutnant Horst Trebes.

Paraquedistas da Brigada Ramcke observando o cenário Mediterrâneo ao viajaram de trem para a Grécia.
A parte traseira do vagão é preenchida com equipamentos de transporte e equipamentos da unidade.

Militares da 4. Kompanie/Fallschirmjäger-Regiment 3 posam para uma foto de grupo em frente ao templo do Partenon na colina da Acrópole, na Grécia, verão de 1942.
O próprio Partenoné um templo construído para a deusa Atena, a padroeira de Atenas no século 5 aC. O Partenon é considerado um símbolo da Grécia Antiga e da democracia ateniense, e é um dos maiores monumentos culturais do mundo.

Homens da 2.Kompanie / Fallschirmjäger-Regiment 3 em Eleusis, na Grécia. Ajoelhado à direita está o Stabsarzt (oficial médico) Dr. Johannes Hass.

Construindo uma tenda em Eleusis, Grécia.
Eles usaram o capacete tropical durante a viagem e, tão logo chegaram na África, aprenderam que ali era considerado "antiquado", com o pessoal do Afrikakorps preferindo usar o "feldmütze" (gorro de campanha) por ser mais prático.

Paraquedistas da 4.Kompanie, Lehr-Bataillon (Burkhardt) na Grécia.
Todos menos um estão usando o "feldmütze".

Uma foto rara mostrando o símbolo tático do Kampfgruppe Hübner na frente direita do caminhão Opel Blitz.
O Fallschirmjäger-Regiment Hübner ou Kampfgruppe Hübner foi realmente formado em agosto de 1944 sob a liderança do Oberstleutnant Friedrich Hübner, que era o comandante do 2.Fallschirmjäger-Bataillon, Fallschirmjäger-Regiment 5, Fallschirmjäger-Brigade Ramcke.

Uma linha de caminhões Opel Blitz pertencentes à brigada em algum lugar da Grécia.
Observe o símbolo tático Hübner no para-lama esquerdo do caminhão e o trilho leve montado no caminhão central. Acredita-se que esta ferradura, para algumas pessoas, seja um símbolo de boa sorte.

"Pi 8" na frente dos caminhões Matford V8-F917 da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke (dois à esquerda) e Opel Blitz (à direita). É raro ver um membro do Fallschirmjäger com um bigode como o guarda usando o capacete FJ acima.

Preparando o equipamento e as armas a serem trazidas antes de voar para a África usando o avião de transporte Junkers Ju 52 "Tante Ju".
Esta foto parece ter sido tirada de manhã, como pode ser visto nos casacos quentes usados ​​pelos membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke. O pequeno espaço acima do avião é para o metralhador.

Inspeção final da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke antes de partir para a África, verão de 1942.
Os oficiais, suboficiais e soldados usam uniformes e capacetes tropicais, e alguns dos soldados que marchavam eram veteranos, como visto nas medalhas "Eisernes Kreuzes" (Cruz de Ferro) que usavam.

Enfim na África

Membros da Fallschirmjäger-Brigade Ramcke posam para uma foto de grupo na África em seus sidecars. Vários soldados foram vistos usando capacetes.

A brigada chegou à África em julho de 1942 e participou do avanço de Rommel em direção ao Canal de Suez, linha de abastecimento vital dos Aliados, ligando a Grã-Bretanha seu império colonial (como a Índia) e permitindo o contato com a URSS. A defesa do 8º Exército Britânico finalmente se solidificou em El Alamein e a ofensiva do Eixo parou. A Brigada Ramcke tornou-se então parte da linha defensiva ítalo-alemã.

A brigada foi espalhada entre o X e o XX Corpos italianos, com os batalhões Hübner e Burkhardt com a Divisão Brescia italiana e o restante da brigada mais ao norte com a Divisão Bolonha. À direita do batalhão Hübner estavam os colegas paraquedistas da Divisão Folgore italiana.

Os britânicos abriram a Operação Lightfoot em 23 de outubro de 1942. Os britânicos planejavam enviar seu principal avanço pelos setores defensivos no sul, mas um importante avanço de diversão era atacar no norte. O plano do XIII Corpo Britânico era romper a principal linha defensiva no norte e forçar o comprometimento das reservas do Eixo (a Divisão Ariete e a 21ª Divisão Panzer, ambas blindadas), impedindo-os de se envolverem nos combates no norte.

Embora em menor número que o ataque britânico, as tropas italianas e alemãs impediram o avanço, embora a ameaça dos britânicos tenha impedido que as divisões blindadas fossem enviadas para o norte. Enquanto isso, os britânicos romperam o setor o norte e as tropas ao sul estavam sob ameaça de serem cercadas, a Brigada Ramcke entre elas, e a ordem foi dada para recuar.

Infelizmente, como muitos de seus camaradas italianos, os Fallschirmjäger não tinham transporte motorizado próprio e foram forçados a recuar a pé, sob o risco de serem abandonados no deserto enquanto as divisões do Afrikakorps corriam para longe. Sua marcha começou em 3 de novembro, o Batalhão Burkhardt foi capturado perto de Fuka tentando chegar à estrada a oeste, embora o resto da brigada tenha escapado continuando a oeste pelo deserto.

Militar com o distintivo de escorpião já na África.

Alguns dias depois, em 5/6 de novembro, durante uma marcha noturna, a brigada encontrou uma coluna de suprimentos britânica de caminhões estacionados e conseguiu tomar a coluna sem disparar um tiro. Eles então continuaram sua jornada para o oeste com suprimentos, combustível e transporte suficientes para completá-la.

600 Fallschirmjager da Brigada Ramcke retornaram às linhas do Eixo em 6 de novembro, após uma viagem de 321km pelo deserto. Eles foram enviados mais ao norte para a Tunísia para se recuperarem de sua jornada épica.

Ramcke e Oberstleutnant Hans Kroh organizaram os remanescentes da Brigada Ramcke em dois batalhões incompletos.

Soldado em uma aldeia africana sentado em uma máquina de costura Pfaff, 21 de março ​​de 1941.

Ramcke retornou à Alemanha e em 13 de novembro tornou-se o 145º recipiente das Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro (que ele havia recebido depois de Creta) e foi promovido a Generalleutnant. Kroh então assumiu o comando do restante da Brigada, que foi redesignada Luftwaffenjäger Brigade 1.

Ordem de batalha da Luftwaffenjäger Brigade 1
  • Comandante: Tenente-Coronel Hans Kroh
  • Batalhão Schwaiger (Companhias 1-3)
  • Batalhão von der Heydte (Companhias 4-6)

A Brigada continuou a lutar no sul e no centro da Tunísia contra os veteranos do 8º Exército até que as forças do Eixo se rendessem em maio. Alguns Fallschirmjäger conseguiram escapar para a Europa, sendo incorporados em outras unidades da Luftwaffe.

Ramcke, agora no comando da 2ª Divisão Fallschirmjäger (2. Fallschirmjäger-Division), mudou-se com sua unidade da França para a Itália quando os Aliados invadiram a Sicília, onde a divisão esperava pronta. Quando o governo italiano se rendeu aos Aliados em setembro de 1943, a 2. Fallschirmjager foi encarregada de assumir o controle e restaurar a ordem em Roma. A divisão foi então enviada para a Rússia em novembro de 1943. Eles lutaram na Rússia até maio de 1944, as baixas foram altas, mas seria a última vez que o 2. Fallschirmjager lutaria na Rússia.

Ramcke e sua divisão então moveram-se para Colônia, na Alemanha, e de lá foram mandados para a Bretanha em 13 de junho, no norte da França, para defender a península. Ramcke e sua divisão lutariam na Bretanha e, finalmente, pela fortaleza de Brest, contra tropas americanas e da resistência francesa até serem finalmente forçadas a se render em 19 de setembro. Ramcke foi feito prisioneiro e enviado para um campo de prisioneiros de guerra nos Estados Unidos. Por sua defesa desafiadora final de Brest, ele foi premiado com Espada e Diamantes para sua Cruz de Cavaleiro.

Ramcke morreu na Alemanha em 1968.

Capacetes e uniformes da Brigada Ramcke mostrando a águia da Luftwaffe e a braçadeira.

Bibliografia recomendada:

L'Odyssee de la Brigade Ramcke a El Alamein:
Fallschirmjäger en Égypte, de Bab el Katara à Mersa El Brega.

Hans Rechenberg.

Fallschirmjäger Brigade Ramcke in North Africa, 1942-1943.
Edgar Alcidi.

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

FOTO: Blindados marroquinos

Veículos blindados marroquinos em exercício, 2021.

Blindados do Exército Real Marroquino em manobras, incluindo dois carros de combate sobre rodas AMX-10RC e um transportador de tropas VAB (Veículo de Avanço Blindado). Os veículos são parte de uma frota heterogênea que também inclui veículos M1A1SA Abrams, VT-1A, T-72B, M60A1 e M60A3, M48A5 e SK-105 Kürassier.

domingo, 7 de novembro de 2021

FOTO: Operadores do Comando Georges na Argélia

O Coronel Marcel Bigeard com homens do famoso Comando Georges na Argélia.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de novembro de 2021.

O mais famoso comandante paraquedistas francês, Marcel Bigeard, posa ao lado dos comandos argelinos do Comando Georges, o mais famoso dos commandos de chasse (comando de caça, uma força contra-guerrilha da Guerra da Argélia).

O Comando Georges foi formado pelo Tenente Georges Grillot em 1959, durante a Guerra da Argélia; sendo composto principalmente por ex-membros da Frente de Libertação Nacional (FLN) e do Exército de Libertação Nacional (ALN) reunidos na França. O mais famoso e um dos mais eficientes comandos de caça, o Comando Georges foi dissolvido em abril de 1962 com o fim da guerra após a assinatura dos Acordos de Évian.

Os comandos de caça tinham por missão detectar e rastrear as katibas da ALN usando táticas de guerrilha análogas às forças irregulares da FLN. Katibas podem ser batalhões ou companhias, e na Guerra da Argélia eram a unidade da ALN (em valor companhia, com cerca de 30 homens) subordinadas a wilayas (comandos regionais) e que operavam em ações de guerrilha contra os militares  e de terrorismo contra a população civil. Cada wilaya era sucessivamente subdividido em mintaqas, depois em nahias, depois em kasmas e depois em douarsO objetivo principal dos comandos de caça era impedir a penetração da FLN nas vilas, e o adversário do Comando Georges, em particular, eram os bandos armados da Mintaka 56 (subdivisão de uma Wilaya).

Fanion (guião) e écusson (distintivo) do Commando Georges.
Seus lemas eram "Chasser la misère" (caçar/afugentar a miséria) e "Croire et oser" (crer e ousar).

O Tenente Georges Grillot era assistido pelos Tenentes Armand Bénésis de Rotrou e Youssef Ben Brahim. O comando é organizado de acordo com as mesmas estruturas do ALN. Quando foi criado em 1959, incluía quatro katibas, cada uma composta por três sticks (esquadrões autônomos) de 10 homens. Em 1961, sua força chegou a 240 homens, organizados em 11 sticks, cada um compreendendo dois grupos de combate de 11 harkis (argelinos leais) com uma metralhadora AA52. Os membros do comando eram todos "franceses de origem norte-africana" (Français de souche nord-africaineFSNA).

Em 10 meses, o Coronel Bigeard, graças à ação do comando, eliminou 80% da OPA (Organização Político-Administrativa) da FLN e obteve resultados excepcionais em combate. No dia 27 de agosto de 1959, a visita do General de Gaulle a Saida confirmou esse sucesso, que declarou a Youssef Ben Brahim:

"Terminada a pacificação, uma nova era se abrirá para a Argélia".

O comando colocou fora de ação cerca de 1.000 rebeldes, cerca de 30 oficiais, incluindo 7 líderes sucessivos da zona VI nos setores de Saida, Ain Sefra, Frenda, Sebdou, Géryville e Inkermann (Ouarsenis). O comando foi premiado com 26 medalhas militares e 398 citações.

Após o cessar-fogo, tendo as autoridades recusado o seu repatriamento na França metropolitana, cerca de 60 a 70 dos membros do comando são assassinados durante as represálias bárbaras da FLN. Outros desapareceram nos campos do ALN e um pequeno número foi repatriado para a França graças à intervenção da Cruz Vermelha. O Tenente Youssef Ben Brahim, nascido em 1927, repatriado para a Dordonha, foi assassinado em 27 de julho de 1968 por um de seus ex-fiéis que o acusou de um caso com sua esposa.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Grupo Wagner: mercenários russos ainda chafurdando na África


Por Steve Balestrieri, SOFREP, 19 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro 2021.

O Grupo Wagner da Rússia está passando por momentos cada vez mais difíceis na África. Cerca de um ano atrás, Moscou estava se gabando de chegar primeiro que o Ocidente e a China na obtenção de contratos militares privados, subestimando as ofertas de vários países ocidentais ao divulgar seu "Modelo Sírio" de sucesso. Como resultado, eles acabaram conseguindo mais de 20 contratos militares privados na África. Mas toda essa euforia está secando.

Entraram no Moçambique cheios de confiança: Em agosto de 2019, o presidente moçambicano Filipe Nyusi encontrou-se com o presidente Putin e chegou a um acordo para que os russos apoiassem os militares moçambicanos. Este acordo deu à Rússia numerosas concessões do rico gás no país.

Insígnia não-oficial de caveira do Grupo Wagner.

O Grupo Wagner foi desdobrado logo depois, em outubro de 2019, com 200 contratados. Aterrou no Aeroporto de Nacala, em Moçambique, para ajudar na luta em curso do governo contra o Estado Islâmico na região norte da região rica em gás natural de Cabo Delgado.

O Grupo Wagner é uma companhia militar privada de propriedade de Yevgeny Prigozhin, um oligarca russo com laços muito próximos ao presidente Vladimir Putin. Ele é conhecido como o "chef de Putin", pois também possui uma vasta empresa de restaurantes. Com o objetivo de Putin de expandir a influência da Rússia na África, as forças proxy (de procuração) do Grupo Wagner estão operando no Sudão, na República Centro-Africana e em Moçambique. Eles também têm uma grande presença na Líbia e na Síria.

O Grupo Wagner é essencialmente um braço da política estatal russa: eles nunca foram empregados em nenhum lugar sem a aprovação do Kremlin. E embora não sejam oficialmente reconhecidos como tal, eles são, na verdade, forças terceirizadas do governo de Putin. “Não faço distinção entre os soldados russos e o Grupo Wagner - a maneira como eles cooperam”, disse Jasmine Opperman, especialista sul-africana em terrorismo, ao Voice of America em uma entrevista.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chega a Durban, na África do Sul, em uma viagem oficial em 2013.

Como escrevemos no outono passado na SOFREP, embora existam várias empresas de proteção africanas - com uma vasta experiência nesta área do continente - disponíveis para aluguel, o governo moçambicano optou, no entanto, pelo Grupo Wagner, devido à sua óbvia influência política e à seu preço muito mais barato do que o de outras empresas. Enquanto uma empresa da África com 50-60 soldados qualificados com vasta experiência na área custaria ao governo entre US$ 15.000 e US$ 25.000 por mês para cada mercenário, o Grupo Wagner enviou 200 mercenários por entre US$ 1.800 e US$ 4.700 por mês cada.

Mas a velha advertência: “Você recebe o que paga” é uma descrição adequada do que aconteceu até agora na região.

Os superconfiantes contractors russos, apoiados por helicópteros Hind e transportados por helicópteros Mi-17 Hip, avançaram para o interior ao longo da fronteira entre Moçambique e Tanzânia. As forças aéreas e terrestres deveriam operar em estreita cooperação com o exército moçambicano (Forças Armadas de Defesa de Moçambique, FADM). No entanto, o ISIS não hesitou. Conforme relatado pelo Southern Times após a chegada dos russos, o ISIS rapidamente reforçou suas unidades em Moçambique, trazendo “voluntários” de outros países da África Oriental, especialmente da Somália. Isso logo levou a uma série intensificada de ataques da guerrilha.

Opperman chamou a situação de “tempestade perfeita” e disse sobre os esforços do Grupo Wagner na região: “Os russos não entendem a cultura local, não confiam nos soldados e têm que lutar em condições horríveis contra um inimigo que está ganhando mais e mais impulso. Eles estão totalmente fora do seu elemento.” Eles não estão acostumados a operarem em um ambiente de selva e sabem (ou se importam) pouco sobre os costumes e tradições locais.

Assim, os russos estão caindo no mesmo problema que tiveram durante a era soviética: tensões entre eles e as forças das nações anfitriãs. Os mercenários russos acusaram os soldados moçambicanos de não terem disciplina, enquanto as tropas da nação anfitriã sentem que estão sendo intimidadas pelos russos. E não existe um "Robin Sage" [personagem fictício americano] para os russos aprenderem como ganhar a confiança da força de uma nação anfitriã.

E agora, depois de sofrerem uma série de derrotas e mais de uma dúzia de mortes, o Grupo Wagner recuou suas tropas de volta para sua base principal em Nacala, cerca de 250 milhas ao sul.

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Eles enfrentam o mesmo problema na República Centro-Africana (RCA). Existem centenas de mercenários do Grupo Wagner operando na RCA, incorporados a uma infinidade de forças diferentes, mas eles estão perdendo todo o relacionamento com os locais devido ao tratamento brutal que dispensam a eles.

O Norte da África também não é mais gentil com eles.

Os russos têm cerca de 1.000 mercenários Wagner na Líbia. Eles sofreram 35 mortos em setembro, quando os turcos os atingiram com um drone, pois não tinham como se defender de ataques aéreos - a exemplo do que aconteceu com as tropas Wagner na Síria quando atacaram uma base dos EUA. Em janeiro, Putin e o presidente turco Erdogan chegaram a um acordo e, em seguida, surgiram relatórios de que as tropas russas Wagner foram retiradas da linha de frente em Trípoli.

A Líbia está em constante guerra civil desde a remoção do ditador Muammar al-Gadhafi, liderada pelos EUA, em 2011. Os Estados Unidos, a ONU e a maior parte da comunidade internacional reconhecem o Governo de Acordo Nacional (GNA), com sede na capital líbia Trípoli, como o governo legítimo. Mas a metade oriental do país é liderada por Khalifa Hafter, que é apoiado pela Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos (EAU). Hafter e suas tropas estão tentando capturar Trípoli.

As coisas não estão indo bem para os russos ou o Grupo Wagner na África. E quando você está mostrando uma fraqueza percebida, especialmente neste mundo de contratos militares privados, outros tentarão usar isso a seu favor.

Entra Erik Prince.

Prince, o fundador da empresa de segurança privada Blackwater, tem procurado nos últimos meses fornecer serviços militares o Grupo Wagner em pelo menos dois pontos de acesso africanos, de acordo com relatórios do The Intercept.

Prince supostamente se encontrou no início deste ano com um funcionário do Grupo Wagner e se ofereceu para apoiar as operações do Grupo Wagner na Líbia e em Moçambique. O advogado de Prince negou que ele tenha se encontrado com alguém do Grupo Wagner.

Erik Prince, fundador da Blackwater.

De acordo com o mesmo relatório, Prince também procura fornecer uma força para aumentar as operações do Grupo Wagner no Moçambique. Prince enviou uma proposta à empresa russa oferecendo-se para fornecer forças terrestres e vigilância baseada na aviação, algo que lhes falta no momento. No entanto, o Grupo Wagner/Rússia rejeitou sua proposta.

Os russos não querem admitir que precisam de ajuda, nem aceitá-la de um americano com laços tão estreitos com a Casa Branca de Trump - Prince é irmão da secretária de Educação Betsy DeVos.

Diga o que quiser sobre Prince, mas ele nunca se esquivou de fazer propostas não-solicitadas para suas ideias. Foi assim que ele acabou conhecendo o presidente Trump. Enquanto, neste caso, os russos/Wagner rapidamente rejeitaram sua proposta, isso não muda o fato de que outros podem ver que a "parada da vitória" russa, para obter contratos mercenários na África, foi um pouco prematura.

Eles estão tendo uma vida difícil no continente e, embora continuem a jogar dinheiro e mercenários na briga, estão nadando em águas desconhecidas e isso é visível.

Steve Balestrieri atuou como graduado, sargento e Warrant Officer (sem equivalente no Brasil) das forças especiais antes que ferimentos forçassem sua reforma precoce.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Bush Wars:
Africa 1960-2010.

Leitura recomendada: