Mostrando postagens com marcador África. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador África. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

COMENTÁRIO: Sobre o sentimento anti-francês no Sahel


Por Rahmane Idrissa, La Gazette Perpendiculaire, 22 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de janeiro de 2022.

Chego a Niamey em uma atmosfera de fúria anti-francesa pan-saheliana que inundou as redes sociais graças aos bloqueios impostos ao avanço de um comboio militar francês pelas massas burquinenses animadas por encontrar um alvo odiado, mas inofensivo à sua indignação contra a situação de opressão violenta (por parte de grupos armados jihadistas) a que está sujeita grande parte do seu país. Há uma opinião generalizada entre a população de que os militares franceses só chegam às zonas de guerra para distribuir armas aos jihadistas.

Essa ideia é convincente porque não se baseia em fatos, mas em sentimentos, e os sentimentos, infelizmente, não são contrariados por evidências factuais. Trata-se, neste caso, de uma mitificação da maldade diabólica da França que trabalha a imaginação saheliana em todos os níveis, desde os intelectuais e outros personagens cultos até o camponês sentado em sua cabana, mas que, graças ao seu smartphone, recebe diariamente discursos alucinados sobre esse tema, propagado em um loop por indivíduos que encontraram uma vocação fácil no French bashing.

Como o jornalista Antoine Glaser me disse em uma entrevista recente em Paris, os jihadistas já venceram. Referia-se ao fato de que a insegurança, ainda maior para o Ocidente do que para os locais, levou à sua saída da região, nomeadamente ao nível dos laços humanos tecidos, à margem do grande Estado e das máquinas multilaterais, por pequenas ONGs, por pessoas generosas ou pessoas apaixonadas pela África, destinos aparentemente excêntricos dedicados a trabalhar obscuramente em uma campanha esquecido.


Mas a outra vitória dos jihadistas é certamente o fortalecimento e a histerização do sentimento anti-francês, um fenômeno antigo que não é sem justificativa, é claro, mas que, ao lado de aspectos de reação saudável, também revela patologias morais e intelectuais que, a longo prazo, são perigosos para o próprio Sahel.

Há alguns pontos importantes para entender aqui.

Sempre houve um forte sentimento anti-francês no Sahel e na África francófona em geral, decorrente naturalmente da dominação colonial. Nas últimas décadas, esse sentimento elevou-se para o ódio entre alguns, mas foi, na maioria, contrabalançado por uma espécie de francofilia morna advinda da influência cultural francesa impregnada pela escolarização ou simplesmente pelos "elos históricos" forjados pela colonização. Todos os nascidos antes de 1990 nos países do Sahel já ouviram falar, ou puderam evocar, a França com esta frase que sempre me surpreendeu um pouco: A pátria mãe.

O sentimento anti-francês da época não se explica apenas pelo passado colonial, mas pelo fato da França, ao contrário da Grã-Bretanha, ter estabelecido em 1958, sob a égide do General de Gaulle, uma política neocolonial na África subsaariana, uma política que é um subproduto da política de grandeza preconizada pelo general e praticamente inscrita no DNA da 5ª República.


Essa política neocolonial tinha muitas facetas, nem todas tão terríveis quanto imaginavam seus críticos - especialmente os africanos. No entanto, ela estava sufocando, seja pelo bem que queria fazer (por exemplo, financiar a vida cultural, apoiar a educação por meio de assistência técnica e bolsas de cooperação e outras obrigações benevolentes) ou pela defesa egoísta de certos interesses estratégicos ou táticos.

Acima de tudo, pressionou a França a rotinizar as intervenções militares em seu “quintal” africano. Desde 1964, quando a França restabeleceu à força Léon Mba em Libreville até a Operação Barkhane, calcula-se que a França interveio na África uma vez a cada quinze meses, sem contar as intervenções clandestinas e outros golpes de trabalho implementados com a ajuda de mercenários ou em conluio com regimes deploráveis ​​(o famoso eixo Rabat-Abidjan-Pretória).

Essas operações faziam parte do quadro neocolonial conhecido como Françafrique, pois visavam proteger os interesses estratégicos (incluindo o prestígio) da França, muitas vezes contra projetos políticos que mereciam apoio e não oposição. Isso, de qualquer forma, construiu uma imagem de uma hiperpotência diabólica da França que alimenta dois instintos entre os africanos: ou uma espécie de submissão sem energia a que se pensa não poder resistir (que, consequentemente, alimenta o desprezo divertido e a condescendência colonial do lado francês), ou uma hostilidade odiosa que vai para o outro extremo.

Mas a política de grandeza da França, bem como o neocolonialismo ligado a ela, há muito deixaram de ser viáveis ​​- e a Operação Barkhane é o primeiro ato de sua morte, embora os africanos e, em todo caso, a opinião pública saheliana, absolutamente não percebam isso.

A política de grandeza da França na África obedeceu a dois imperativos aparentemente contraditórios: participar do esforço americano da Guerra Fria e da contenção do comunismo (o que ficou especialmente evidente durante os anos 1960-70), e garantir a autonomia da França vis-à-vis os Estados Unidos, por exemplo, controlando o voto africano francófono nas Nações Unidas e, de forma mais geral, preservando uma capacidade de ação independente da supervisão americana sobre "o mundo livre". Estes são os princípios do Gaullismo, que estão na origem da 5ª República.

Mas tudo isso entrou em crise nas décadas de 1980 e 1990. Durante a década de 1980, os problemas econômicos da França levaram-na gradualmente a reduzir o alcance da sua política externa e, em particular, sua política africana. Por exemplo, a cooperação bilateral, aliás conduzida sem entusiasmo precisamente onde a necessidade era maior - os países do Sahel, para os quais os franceses nutriram um profundo pessimismo econômico desde os tempos coloniais - deu lugar ao "multilateral", isto é, a supervisão das instituições financeiras internacionais quando a crise da dívida atingiu os países francófonos na década de 1980, a França se viu incapaz de fornecer a assistência esperada nos termos implícitos do pacto neocolonial.


No início dos anos 1990, o fim da Guerra Fria também pôs fim a uma das funções do poder francês na África, a de policial do mundo livre. Os Estados Unidos foram capazes de pressionar pela democratização e pela promoção dos direitos humanos, e a França teve que seguir o exemplo, como mostra o famoso discurso de La Baule. Mas na África francófona, como em outros lugares, a conjunção entre a democratização no nível político e o ajuste estrutural político no nível econômico foi explosiva para dizer o mínimo. Com efeito, isso significava que as demandas e pressões populares sobre o Estado se multiplicavam com o surgimento de uma sociedade civil multifacetada ao mesmo tempo em que o campo de ação do Estado se estreitava drasticamente. Economicamente, nem a França nem outros países ocidentais apoiaram a democratização, por exemplo, por meio de planos de investimento em desenvolvimento ou cancelamento da dívida.

Pelo contrário: a recessão devido à crise fiscal que levou a uma sobrevalorização do franco CFA, a França cedeu em 1993 à pressão do FMI para uma desvalorização draconiana da moeda CFA, apesar do impacto social e psicopolítico duma tal decisão. A desvalorização ocorreu em 1994, ano que acabou sendo o annus horribilis do poder francês na África. De fato, foi também durante este ano que Ruanda explodiu nas mãos de uma França que se fazia de aprendiz de feiticeiro com sentimentos de ódio sócio-étnico de extrema revolta. O relatório sobre a política de François Mitterrand encomendado por Macron fala sobre este tema de uma "derrota do pensamento" e de um "colapso intelectual", sublinhando até que ponto um Estado - ou em todo o caso o seu componente central, o Palácio do Eliseu - que acreditava ele sabia tão bem que o continente negro havia se desviado para o erro fatal e a falta trágica.

Essa derrota foi a da política neocolonial e, subjacente a ela, da política de grandeza. François Mitterrand foi um político que serviu como ministro numa época em que a França ainda tinha colônias na África, e sua intervenção em Ruanda, que começou como uma promoção da democracia - seguindo o slogan americano - adotou uma linha mais sombria depois que ele se convenceu de que as potências anglo-saxônicas estavam tentando infligir um golpe de Fashoda na França em Ruanda. Enquanto o fim da Guerra Fria havia tornado impertinente para o lado anticomunista da política neocolonial, Ruanda pôs fim ao outro lado, a defesa da autonomia face os americanos.


Depois de 1994, a política neocolonial na África não se justificava, exceto pelo fato de que o que foi posto em prática perdurará pelo simples fato do conatus (da vontade de perseverar no próprio ser) até que tenha sido deliberadamente desmontado.

Tal medida é possível, embora as estruturas da 5ª República, em particular a autonomia do Palácio do Eliseu no campo da política externa, pareçam opor-se a ela. Afinal, olhando mais de perto, essa autonomia eliseana é um costume e não uma regra constitucional. As intervenções francesas na África pós-1994 já não faziam parte de uma estratégia neocolonial coerente e estruturada. Elas vieram do conatus. Este foi particularmente o caso no Chade e especialmente na Costa do Marfim, em todas as ocasiões em que o peso dos atores africanos (Déby, Ouattara) prevaleceu, através de relações pessoais com os principais chefes decisores do aparelho governamental francês, dentro duma visão política ou meios de ação que a França não mais dispunha.

A Serval e Barkhane são diferentes. Estas duas operações escapam ao conatus neocolonial porque fazem parte das novas prioridades do Estado francês, a construção europeia (em particular o conceito de defesa europeia) e a luta contra o jihadismo que tem perpetrado numerosos assassinatos em massa em solo francês e europeu.

Ao contrário das intervenções neocoloniais, a Serval e Barkhane não foram projetados para derrotar um oponente da França, ou apoiar um amigo da França, ou mesmo preservar interesses estratégicos ameaçados por potências hostis (como China e Rússia). Trata-se de pôr fim a uma violenta militância salafista enquistada no Sahel-Sahara desde o fim da guerra civil argelina e que foi mobilizada a favor do colapso do regime de Kadafi no norte do Mali, ameaçando desestabilizar todo o território da África Ocidental a longo prazo.

Essas operações sublinham tanto os novos limites da atuação francesa na África - que agora precisa do apoio das potências anglo-saxônicas, outrora consideradas meio-rivais -, quanto as novidades características da época. Por exemplo, ao contrário do que aconteceu mais uma vez no caso das intervenções de estilo neocolonial, a França hoje precisa de Estados africanos fortes e exércitos africanos que não são assim, foi o que aconteceu principalmente no Sahel, com exércitos de opereta. Isso decorre de uma convergência de interesses sem precedentes, na frente de segurança, entre a Europa e o Sahel, e especialmente entre a França e suas ex-colônias.

Como resultado, a ascensão do sentimento anti-francês que se transforma em obsessão odiosa na região é uma daquelas tragédias de erros que resultam de uma história terrível e um passado ruim. Como, até 2013, a França nunca interveio militarmente em África, exceto numa perspectiva neocolonial, é lógico considerar que esta enésima intervenção está na mesma linha. Tanto mais que, ao evoluir para uma nova fase de suas relações com a África, a França ainda preserva alguns dos instintos desenvolvidos pelo gaulismo e sua política de grandeza.


Macron, que certa vez disse à revista Le Point que estava assumindo "a grandeza", mantém o estilo frágil e peremptório que deriva daquela era antiga - e que, além disso, os então chefes de Estado em exercício se abstiveram cuidadosamente de adotar. Seus apelos aos Estados do Sahel para fortalecer seus exércitos e controle territorial, embora estejam na direção certa do bom senso, são feitos em tom de dor de acusação e impaciência e criam um processo de empilhamento sobre todo o tempo desperdiçado pela cooperação multilateral em estados debilitantes (em nome dos princípios neoliberais) e reduzir suas capacidades de governo (substituídas por ONGs), um empreendimento que a França teve o cuidado de não denunciar quando atingiu o poder total na década de 1990. No entanto: enquanto os africanos sofreram com uma espécie de resignação impotente às intervenções neocoloniais francesas do passado, eles finalmente se levantam com a petulância de uma matilha no primeiro momento em que, finalmente, uma intervenção francesa é realmente do seu interesse.

Este ponto em particular refere-se, a meu ver, a um constante e crescente distanciamento cultural entre a França e a África francófona que me parece bastante positivo, bem como a uma espécie de fome nacionalista do lado africano que me parece ser o menos preocupante.

Da independência até o final da década de 1980, havia uma forte proximidade cultural entre a França e os francófonos da África, em parte graças à ação cultural do Estado francês, em parte pela simplicidade dos tempos, onde a França era de certa forma o canal obrigatório dos francófonos para uma cultura cosmopolita. Eu conheci bem esse período, cujo período final coincidiu com minha infância e adolescência. Como indicado anteriormente, o sentimento anti-francês já era muito forte naquela época entre aqueles que se definiam como intelectuais engajados, e lembro-me de ter ficado muitas vezes impressionado com seu caráter ideológico, o fato de parecer esgotado na declamação e lamento, sem preocupação realista - isto é, sem considerar a política neocolonial da França como um problema a ser resolvido em nível prático, não como uma espécie de batalha épica e interminável entre o bem e o mal.

Como resultado, fiquei tão desanimado com o neocolonialismo francês quanto com a galofobia de muitos de meus camaradas e seus tutores intelectuais, embora não soubesse exatamente na época por que isso me incomodava.

Não entendi então que ela era apenas um sintoma de outra coisa, e que essa outra coisa era, de fato, pouco simpática.

O mundo começou a mudar na década de 1990. Não só a ação cultural da França, como d'outros países ocidentais, começou a declinar no contexto de entrincheiramentos neoliberais, mas esse novo regime econômico empurrou para a globalização, que começou a oferecer alternativas francófonas à França para acessar uma cultura cosmopolita - e primeiro os Estados Unidos e o Canadá, antes de buscar por outros horizontes. A filha de um amigo meu sonha apenas com Dubai; uma jovem de sua idade em 1995 sonhava com Nova York; em 1980, com Paris.


Os francófonos de 1980, mesmo anti-franceses, entendiam subjetivamente o que estava acontecendo na França; este não é o caso dos de 2021. Por si só, uma certa distância cultural entre a França e os francófonos, ou melhor, uma ausência de intimidade cultural entre os dois é bastante saudável do meu ponto de vista. Tendo em vista as relações de poder de estilo neocolonial que existiam entre a França e seu antigo império africano, havia algo de incestuoso nessa intimidade cultural - embora, de minha parte, eu apreciasse um certo aspecto da influência cultural francesa, seu conteúdo liberal, a substância racionalista, cética e humanista de sua mensagem geral que tinha, pelo menos para mim, cores muito atraentes contrastando com o tufo conservador e retrógrado das culturas africanas circundantes.

Mas precisamente, finalmente me ocorreu que o sentimento anti-francês não se limitava ao anti-neocolonialismo. Também tem a ver com nacionalismo ou, como dizem ultimamente, identidade nacional, algo que costumo ver tão facilmente capaz de cair em formas tóxicas de estupidez, como vemos em outros lugares da extrema-direita francesa. Isso é difícil de ver à primeira vista. O anti-colonialismo é, em princípio, uma coisa boa, e há uma tendência a aprovar qualquer coisa que o alimente - e, além disso, o nacionalismo dos fracos não parece muito perigoso, pelo menos do lado de fora.

Além de alguns franceses afro-amantes (afrófilos), não acho que os franceses estejam tão chocados com as manifestações de ódio e ressentimento que os atingem no Sahel. A maioria a vê de longe ou a aceita como um efeito normal do ressentimento do colonizado. Mas você não pode aceitar o mesmo se for um africano não-nacionalista, como eu. O nacionalismo é um moralismo humanamente perverso que tem, como disse certa vez André Gide, "ódio amplo e amor estreito". Ele surge como um bem absoluto e, portanto, precisa de um mal absoluto para se definir adequadamente. Para Zemmour, o Islã é esse mal absoluto que permite que a França se defina; para os anti-franceses - que parecem ser a maioria no Sahel de hoje - é a França. Uma das primeiras consequências de tal moralismo unificador é a total e definitiva impossibilidade de deliberar e discutir racionalmente, com base factual e pesando os prós e os contras.

Recentemente dei uma aula em Niamey, para a qual criei um exercício de debate. Dividi a turma em vários grupos e fiz uma lista das causas que são comumente atribuídas aos conflitos no Sahel, incluindo a ideia hoje tão difundida na opinião pública saheliana de que agiria fora de um esquema francês. Cada grupo teve que se reunir por cerca de vinte minutos, desenvolver um argumento e apresentá-lo à classe respondendo às críticas e perguntas de seus colegas. Expliquei enfaticamente aos alunos que eles deveriam evitar respostas consensuais e que o grupo que mais me surpreendesse com um argumento bem elaborado ganharia um bônus. Foi para incentivá-los a "pensar fora da caixa", como se diz em inglês. Este foi geralmente um esforço desperdiçado, mas acima de tudo para o grupo que teve que lidar com a "causa" da maquinação francesa. Seguindo a retórica anti-francesa mais aceita, esse grupo argumentou que a guerra do Sahel havia sido conscientemente provocada pela França para explorar "nossos imensos recursos naturais". Isso não me surpreendeu, é claro, mas o que realmente me surpreendeu foi que os outros alunos criticaram esse grupo não por ter dito todas as coisas ruins que pensavam sobre a França, mas por não terem acusado o suficiente!

Vi que estava na presença de um dogma, isto é, do não-pensamento que se apresenta sob a forma de um pensamento, uma espécie de castração do reflexo. Fiquei triste com isso pela França, mas especialmente por nós - porque essas pessoas, e todos aqueles que nutrem sua inclinação dogmática, deveriam ser as elites do Sahel, e essas são elites que, obviamente, em uma questão de urgência vital para o seu povo, não pensam. De alguma forma, a culpa é da França: ela é o diabo que corresponde a todos os nossos problemas e, portanto, dispensa pensar e deliberar.

Outro exemplo: há pouco mais de um ano, eu estava em Ouagadougou com uma professora de direito que eu estava pensando em convidar para uma conferência. Ela me perguntou o que estava acontecendo no Níger. Na época, havia uma espécie de pequeno movimento insurrecional na região de Diffa que denunciou a ditadura do PNDS e atacou especificamente Bazoum Mohamed, então um dos analistas do PNDS, mas sobretudo originário da área. Tentei explicar do que se tratava, mas ela me cortou: “Isso é organizado pela França!" Um pouco pasmo, eu disse a ela, que não, que a França era muito alinhada do regime do PNDS e não tinha motivos para desestabilizá-lo, que na minha opinião tinha a ver com o fato de Bazoum, que era particularmente visado... Ela não me deixou desenrolar minha explicação chata, muito menos excitante para ela do que o diabolismo francês. Eu não podia acreditar: esta senhora não era nigerina, não tinha ouvido falar deste evento antes de eu a informar, mas ela estava convencida, cinco minutos depois de ouvi-lo, que ela o entendia melhor do que eu. A crença é mais forte que o conhecimento.

Lembro-me que o que me frustrou, nos anos da minha primeira justa com os anti-franceses, há muito tempo, era que eu queria discutir com eles soluções práticas para se opor ao neocolonialismo, e eles queriam partir numa cruzada. Insisti prosaicamente nas realidades, e na importância de conhecer as realidades, incluindo as causas endógenas das nossas fraquezas e incapacidades, por exemplo a corrupção, a falta de sentido e preocupação com o Estado, a ausência de visão estratégica, obsessões étnicas onde obsessões são necessárias. Mas a resposta, sempre, era que enquanto a França não fosse derrotada, não se poderia lidar com essas questões - o que eu perguntei, questão de realidade, como se pretendia derrotar a França com todo o seu poder e todas as nossas fraquezas que, ao que parece, não eram prioridade. Nunca houve uma resposta para isso.

(Claro que essas questões são abordadas de forma preocupada e responsável por muitos intelectuais do Sahel, mas nunca realmente de forma a ter o impacto no público que a linha de opinião aqui discutida tem. Não há, na região, intelectuais públicos ou de uma arena pública específica onde esses pontos de vista podem ter um significado quase compensatório).

Ainda hoje, a mesma história. Dada a onda de sentimento anti-francês que agora atinge um vigor popular que não teve, ou que teve antes, todos aqueles que querem existir na praça pública e não querem se envolver com os rigores do pensamento, prova e contraditório, junte-se ao movimento e una-se com unanimidade. Eles uivam com os lobos. O populista não é aquele que lidera o povo, mas aquele que o segue para melhor explorá-lo - e as consequências!


Os Estados do Sahel, que já são instáveis como​​ padrão, estão em processo de desestabilização diante do desafio de massacres e destruição (principalmente de escolas) pelos jihadistas. Em tal situação, aqueles que rejeitam o caminho seguido pelo poder, por exemplo a aliança com a França, não devem se contentar em denunciar esse caminho e exigir a renúncia dos que estão no poder: Eles têm que explicar o que fariam uma vez no comando, que caminho pretendem seguir e como pretendem resolver o problema quando a França for expulsa de campo. Mas a partir disso, nada é ouvido.

As bombásticas conferências urbi et orbi proferidas urbi et orbi por políticos da oposição, "ulemás", acadêmicos até então escondidos em suas torres de marfim, e zelosamente transmitidas pelo WhatsApp, todas e sempre se relacionam com a eterna maldade da França, nunca em soluções práticas ou apresentações estratégicas. E por um bom motivo. Nenhum desses declamadores estudou a situação, perguntou a quem o fez ou quis saber mais. É verdade que certas realidades acabam por prevalecer. Em Burkina, onde a população está delirando com sua galofobia galopante, vozes devem ter se levantado contra a verdadeira razão das decepções do país que não é a França, mas o abandono do exército pelo poder do Estado - já no tempo de Blaise Compaoré, centrado nos generais leais e no Regimento de Segurança Presidencial (Régiment de la Sécurité Présidentielle)e agora no tempo de Roch Marc Christian Kaboré, muito assustado com os riscos dum putsch para reformar vigorosamente a máquina militar, como Macron havia dito em uma conversa "on record" com Antoine Glaser e Pascal Airault.

Falei de nacionalismo - mas trata-se dum nacionalismo negativo, nacionalismo puramente de oposição e simbólico. A oposição à França, símbolo da opressão colonial, presta-se perfeitamente ao que é; em última análise não mais que uma petição de princípios, sem consequências práticas – embora a arma do ódio assim empregada possa sempre levar a consequências violentas. É esta arma que, no Níger, levou aos ataques de igrejas, com mortes, na sequência dos motins anti-Charlie (que foram também motins anti-franceses) de Niamey e Zinder. E ouvimos os declamadores burquinenses alegando ataques de dacarianos contra "interesses franceses", neste caso algumas lojas Auchan e Carrefour, como meio de sua "libertação". Dada a demonização dos cristãos e dos franceses que levaram a esses atos de violência, não posso deixar de pensar no anti-semitismo, na visão dos judeus que os anti-semitas têm como fonte de todas as misérias do mundo, na crença de que eles controlariam tudo e seu oposto em nome de interesses enormes e ocultos, e aos ataques às lojas judaicas e aos pogroms que resultaram.

É claro que os franceses, ao contrário dos judeus, podem se defender - mas isso não impede que, nesta questão específica (mas que não é a única), os sahelianos estejam flertando com uma catástrofe moral.

Como a França em Ruanda no passado, os sahelianos estão experimentando uma derrota do pensamento e um colapso intelectual.

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

FOTO: Blindados marroquinos

Veículos blindados marroquinos em exercício, 2021.

Blindados do Exército Real Marroquino em manobras, incluindo dois carros de combate sobre rodas AMX-10RC e um transportador de tropas VAB (Veículo de Avanço Blindado). Os veículos são parte de uma frota heterogênea que também inclui veículos M1A1SA Abrams, VT-1A, T-72B, M60A1 e M60A3, M48A5 e SK-105 Kürassier.

domingo, 12 de dezembro de 2021

FOTO: Soldados angolanos, soviéticos e cubanos em Cuito Cuanavale

Soldados angolanos, soviéticos e cubanos posam para uma fotografia perto de Cuito Cuanavale, em abril de 1988.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 12 de dezembro de 2021.

Ocorrida entre 14 de agosto de 1987 e 23 de março de 1988, a Batalha de Cuito Cuanavale foi a maior batalha ocorrida na África desde a Segunda Guerra Mundial.

A função dos conselheiros soviéticos era treinar e aconselhar as forças comunistas do MPLA, do treinamento básico, utilização dos equipamentos até o planejamento das operações. Eles estão vestindo o padrão de camuflagem cubano, usado pelos 50 mil cubanos em Angola e pelos soldados angolanos.

Bibliografia recomendada:

Bush Wars 1960-2010.

Leitura recomendada:



quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

FOTO: Operadores especiais da Força-Tarefa Takuba no Dia da Bastilha

Desfile de elementos da Força-Tarefa Takuba no Champs Élysées, em Paris, 14 de julho de 2021.

Forças especiais européias marchando no desfile do Dia da Bastilha de 2021. Os 80 operadores especiais suecos, estonianos, tchecos, italianos, portugueses, holandeses, belgas e franceses desfilaram com seus uniformes e boinas distintivas, e usando coberturas de face para manter a anonimidade.

domingo, 7 de novembro de 2021

FOTO: Operadores do Comando Georges na Argélia

O Coronel Marcel Bigeard com homens do famoso Comando Georges na Argélia.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de novembro de 2021.

O mais famoso comandante paraquedistas francês, Marcel Bigeard, posa ao lado dos comandos argelinos do Comando Georges, o mais famoso dos commandos de chasse (comando de caça, uma força contra-guerrilha da Guerra da Argélia).

O Comando Georges foi formado pelo Tenente Georges Grillot em 1959, durante a Guerra da Argélia; sendo composto principalmente por ex-membros da Frente de Libertação Nacional (FLN) e do Exército de Libertação Nacional (ALN) reunidos na França. O mais famoso e um dos mais eficientes comandos de caça, o Comando Georges foi dissolvido em abril de 1962 com o fim da guerra após a assinatura dos Acordos de Évian.

Os comandos de caça tinham por missão detectar e rastrear as katibas da ALN usando táticas de guerrilha análogas às forças irregulares da FLN. Katibas podem ser batalhões ou companhias, e na Guerra da Argélia eram a unidade da ALN (em valor companhia, com cerca de 30 homens) subordinadas a wilayas (comandos regionais) e que operavam em ações de guerrilha contra os militares  e de terrorismo contra a população civil. Cada wilaya era sucessivamente subdividido em mintaqas, depois em nahias, depois em kasmas e depois em douarsO objetivo principal dos comandos de caça era impedir a penetração da FLN nas vilas, e o adversário do Comando Georges, em particular, eram os bandos armados da Mintaka 56 (subdivisão de uma Wilaya).

Fanion (guião) e écusson (distintivo) do Commando Georges.
Seus lemas eram "Chasser la misère" (caçar/afugentar a miséria) e "Croire et oser" (crer e ousar).

O Tenente Georges Grillot era assistido pelos Tenentes Armand Bénésis de Rotrou e Youssef Ben Brahim. O comando é organizado de acordo com as mesmas estruturas do ALN. Quando foi criado em 1959, incluía quatro katibas, cada uma composta por três sticks (esquadrões autônomos) de 10 homens. Em 1961, sua força chegou a 240 homens, organizados em 11 sticks, cada um compreendendo dois grupos de combate de 11 harkis (argelinos leais) com uma metralhadora AA52. Os membros do comando eram todos "franceses de origem norte-africana" (Français de souche nord-africaineFSNA).

Em 10 meses, o Coronel Bigeard, graças à ação do comando, eliminou 80% da OPA (Organização Político-Administrativa) da FLN e obteve resultados excepcionais em combate. No dia 27 de agosto de 1959, a visita do General de Gaulle a Saida confirmou esse sucesso, que declarou a Youssef Ben Brahim:

"Terminada a pacificação, uma nova era se abrirá para a Argélia".

O comando colocou fora de ação cerca de 1.000 rebeldes, cerca de 30 oficiais, incluindo 7 líderes sucessivos da zona VI nos setores de Saida, Ain Sefra, Frenda, Sebdou, Géryville e Inkermann (Ouarsenis). O comando foi premiado com 26 medalhas militares e 398 citações.

Após o cessar-fogo, tendo as autoridades recusado o seu repatriamento na França metropolitana, cerca de 60 a 70 dos membros do comando são assassinados durante as represálias bárbaras da FLN. Outros desapareceram nos campos do ALN e um pequeno número foi repatriado para a França graças à intervenção da Cruz Vermelha. O Tenente Youssef Ben Brahim, nascido em 1927, repatriado para a Dordonha, foi assassinado em 27 de julho de 1968 por um de seus ex-fiéis que o acusou de um caso com sua esposa.

quarta-feira, 3 de novembro de 2021

A França está substituindo o Reino Unido como principal aliado da América na Europa


Por Michael Shurkin e Peter A. Wilson, Newsweek, 30 de março de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de novembro de 2021.

A combinação do desarmamento contínuo da Europa Ocidental e uma situação estratégica em rápida evolução - o retorno das tensões do tipo Guerra Fria com a Rússia e a ascensão do ISIS (também conhecido como "O Califado") e movimentos islâmicos aliados - ressaltou um desenvolvimento importante para a abordagem estratégica dos EUA em relação à Aliança do Atlântico Norte: O principal aliado na Europa da OTAN pode não ser mais o Reino Unido, mas a França.

Esta é uma boa notícia, na medida em que significa que o declínio do Reino Unido como potência militar não deixa os Estados Unidos privados de um aliado capaz e disposto, e a relação dos EUA com a França deve ser reconhecida e fortalecida. A má notícia é que a estabilidade do relacionamento está ameaçada pela ascensão da francesa Marine Le Pen e do partido de extrema direita Frente Nacional que ela lidera.


A França, a única entre as grandes potências da OTAN, mantém a capacidade militar e a coragem política para contribuir significativa e agressivamente para as respostas coletivas às ameaças à segurança da Aliança Atlântica. Paris demonstrou isso em 2013, quando o presidente francês François Hollande lançou uma intervenção militar no Mali para salvá-lo dos militantes islâmicos e efetivamente assumiu a responsabilidade pela "frente sul" da Europa no Sahel africano.

Hoje, mais de 3.000 soldados franceses apoiados por caças estão envolvidos em uma guerra regional "quente" apoiada pelos EUA contra grupos islâmicos no Sahel, e os franceses estão avançando em direção a um maior envolvimento na guerra contra o grupo islâmico nigeriano Boko Haram. No Oriente Médio, os franceses se juntaram à coalizão liderada pelos EUA contra o ISIS. Lá, assim como na África, Paris se vê fazendo o que pode para impedir que as várias peças de um potencial califado islâmico se unam.


Em relação à Rússia, os franceses têm se mostrado firmes em sua oposição à agressão russa nos níveis diplomático e econômico, e Paris chegou ao ponto de bloquear a entrega à Rússia de dois navios de assalto anfíbios de alta capacidade. A França também tem a maior capacidade de qualquer um dos aliados europeus de contribuir rapidamente com uma força significativa capaz de lidar com um confronto com a Rússia, se necessário.

A recente decisão do governo francês de congelar os cortes nos gastos com defesa, mesmo em face de forte pressão financeira - ao contrário do governo britânico, que parece comprometido com mais reduções de defesa para um estabelecimento de defesa do Reino Unido já reduzido e em retração - indica um desejo de preservar essa capacidade.

Além disso, a França, que só recentemente voltou à integração total com a OTAN, tem feito grandes esforços para garantir que as forças francesas possam lutar efetivamente ao lado dos americanos. Por exemplo, os caças franceses Rafale têm praticado operações em porta-aviões americanos e, na primeira semana de março, Rafales operavam em porta-aviões americanos no Golfo Pérsico, participando da campanha anti-ISIS.


A importância do crescente relacionamento franco-americano torna o surgimento de Le Pen preocupante. Supostamente explorando o sentimento anti-muçulmano pós-Charlie Hebdo, ela agora está à frente nas pesquisas de todos os outros grandes líderes políticos franceses. Mas, em vez de aplaudir as ações militarmente robustas de Paris no exterior, Le Pen e seu partido defendem a retirada da OTAN e a retirada das operações de coalizão em andamento para uma postura de isolacionismo armado combinado com admiração, senão apoio, por homens fortes estrangeiros.

Le Pen critica Hollande e seu antecessor, Nicolas Sarkozy, por minarem o presidente sírio Bashar al-Assad e derrubar Muammar el-Qaddafi da Líbia. Le Pen também expressou apoio ao presidente russo, Vladimir Putin, e se opõe ao alinhamento de Hollande com os EUA em relação à crise na Ucrânia. Parte desse apoio pode ter sido comprado: um banco russo supostamente emprestou ao partido Frente Nacional US$ 11 milhões, gerando especulações de que Putin está apoiando Le Pen secretamente.

Seja qual for o caso, é claro que há uma aliança na Europa entre Putin e populistas da extrema direita e da extrema esquerda que compartilham antipatia em relação à União Europeia e à ordem liberal e militar liderada pelos EUA. Esses esforços não são inconsistentes com as tentativas sistemáticas de Moscou de desenvolver "relações especiais" com aguerridos nacionalistas europeus na Hungria, Sérvia e Grécia, enquanto tenta prejudicar a coesão de curto prazo da União Europeia.


Embora pouco possa ou deva ser feito pelos Estados Unidos em relação a Le Pen, é do interesse dos Estados Unidos fortalecer as relações bilaterais com a França. A cooperação militar já está ocorrendo em uma escala sem precedentes e deve ser incentivada. O valor da força de dissuasão nuclear francesa deve ser abertamente reconhecido como parte da postura de dissuasão coletiva da Aliança em relação a uma liderança russa que ostenta abertamente a perspectiva de uso limitado de armas nucleares no caso de uma futura crise político-militar severa na Europa.

Finalmente, pode ter chegado a hora de trazer a França para o clube exclusivo de compartilhamento de inteligência conhecido como "os Cinco Olhos", que inclui antigos aliados dos EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia. O preço da adesão para a França é alto porque se espera que Paris dê e receba. Mas, à luz da convergência estratégica entre Paris e Washington, tanto americanos quanto franceses teriam muito a ganhar.

Sobre os autores:

Michael Shurkin é um cientista político e Peter A. Wilson um analista sênior de pesquisa de defesa, ambos na organização sem fins lucrativos e apartidária RAND Corporation.

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

A França ameaçada pela influência russa em seu quintal africano

Um mercenário do Grupo Wagner (centro) enquadra com mantenedores da paz ruandeses uma reunião do presidente centro-africano Faustin-Archange Touadéra, em 27 de dezembro de 2020, em Bangui.
(Alexis Huguet / AFP)

Por Fabrice Deprez, La Croix, 19 de outubro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de  outubro de 2021.

Análise: Em apoio à política externa de Moscou, Wagner se deslocou para vários países africanos, a ponto de "substituir" Paris na República Centro-Africana.

"O Mali perto de negociar com mercenários russos do Grupo Wagner": Em 13 de setembro, o despacho da agência de notícias Reuters soou como um trovão em Paris. Durante vários meses, o país lutou para lidar com as consequências do golpe de Estado de maio e com a decisão da França de reduzir seu braço militar na região. Os russos em Bamako? Paris se revolta e ameaça deixar o país por completo.

Borrão de rigor

Mercenários Wagner na Síria.
Notar a insígnia de caveira no braço do homem de pé.

Dos corredores da sede da ONU em Nova York, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, não hesita em agitar a polêmica, confirmando em 26 de setembro que "as autoridades malinesas fizeram contato com uma empresa militar russa". Um mês depois, a imprecisão ainda é necessária. O Estado-Maior francês assegurou ao La Croix que "não detectou a presença física do Grupo Wagner no Mali", ao mesmo tempo que reconheceu uma "intensificação da divulgação de notícias falsas contra a França" na região.

A avalanche de reações veio, de qualquer forma, lançar luz sobre a aura adquirida por este grupo desprovido de nome ou mesmo de existência oficial: “Moscou sabe muito bem que qualquer boato sobre a presença do Grupo Wagner em algum lugar da África atrai a atenção do Ocidente, explica Sergei Sukhankine, pesquisador da Fundação Jamestown e autor de um relatório sobre a atividade do Grupo Wagner na África. E, portanto, acredito que a Rússia também está usando o grupo como uma ferramenta de confronto informacional."

Mas não somente. Líbia, Moçambique, Sudão ou República Centro-Africana: a nebulosa paramilitar do oligarca russo Yevgeny Prigojine, forjada nos campos de batalha da Ucrânia e da Síria, tornou-se um ator-chave nos conflitos africanos. Além disso, é a sua ação na República Centro-Africana que, desde 2018, suscita inquietações em Paris, que se transpôs nas últimas semanas para o Mali. Porque neste país instável e entre os mais pobres do planeta, “Moscou substituiu Paris no papel de protetora do regime”, garante Thierry Vircoulon, especialista em África Central e Meridional do Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri).

Um recorde misto

Mercenários Wagner na República Centro-Africana, janeiro de 2021.

Paris, por sua vez, vai mais longe: o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, acusou o Grupo Wagner em 17 de setembro de “substituir” a autoridade do Estado na República Centro-Africana e “confiscar sua capacidade fiscal”. Uma referência aos rumores persistentes de que o grupo de mercenários assumiu o controle dos postos alfandegários após a assinatura entre Moscou e Bangui de um acordo de cooperação aduaneira.

Chegados como simples instrutores militares, os mercenários do grupo aos poucos foram se transformando em guarda pretoriana, participando em janeiro de 2021 da contra-ofensiva contra grupos rebeldes então próximos à capital Bangui. “As regras de engajamento da Minusca [a missão da ONU] não permitiram detê-los”, defendeu em outubro o presidente Faustin-Archange Touadéra no canal de televisão France 24. Regras de engajamento que não constrangem o Grupo Wagner: em março, especialistas da ONU acusaram o grupo de envolvimento em vários crimes de guerra, incluindo execuções sumárias e casos de tortura.

Experiente e barato, o grupo também é visto como uma extensão de uma política externa russa empenhada em reduzir a influência ocidental na região. E se o aumento da informação anti-francesa é visto como um mau presságio no Mali, é porque parece repetir um padrão já visto na República Centro-Africana, com financiamento de estruturas próximas a Evgueni Prigojine de mídias locais críticas à presença francesa.

Derrotas amargas


O desdobramento do grupo em todo o continente não foi isento de problemas, no entanto. “Os resultados devem ser colocados em perspectiva, há um delta entre a percepção da atividade do grupo e a realidade no terreno que não é desprezível”, observa Emmanuel Dreyfus, especialista em defesa russo do Instituto de Pesquisas Estratégicas da École Militaire.

Na Líbia, no Sudão e em Moçambique, os homens do Grupo Wagner não conseguiram estabelecer-se definitivamente e até sofreram derrotas severas. "Mas Paris, por outro lado, está em uma contradição óbvia, seja na República Centro-Africana ou no Mali", disse o juiz Thierry Vircoulon. “A França diz que não quer mais ser policial desses países, quer sair, mas não quer que outros países entrem”, acrescentou o analista. Uma contradição que Moscou não hesita em explorar.

Bibliografia recomendada:

The "Wagner Group":
Africa's Chaos in an Economic Boom.
Intel Africa.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Por que as forças armadas da África são tão decepcionantemente ruins?


Por Michela Wrong, Foreign Policy, 06 de junho de 2014.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de outubro de 2021.

Como a história, a ganância e o nepotismo estão impedindo o continente de se proteger contra o al-Shabab, Boko Haram e outras ameaças.

O slogan otimista "Africa Rising" (Ascensão da África) tem parecido um pouco cansado ultimamente, já que seus críticos apontam que taxas de crescimento mais altas não necessariamente geram empregos ou redução da pobreza. Tem havido menos foco em outra área onde a narrativa da "Africa Rising" também parece estar falhando: segurança aprimorada para 1,1 bilhão de habitantes do continente.

Civis fugindo durante o ataque terrorista no shopping Westgate, em Nairóbi, setembro de 2013.

No ano passado, assistiu-se a uma série de lapsos de segurança doméstica de grande visibilidade e extremamente embaraçosos em duas das principais economias da África Subsariana, cada uma considerada no Ocidente como parceiros de confiança e estados âncora regionais. A noção de que o continente estava se tornando cada vez mais capaz de se autopoliciar sofreu um impacto durante o cerco de Westgate no Quênia em setembro passado, no qual 67 pessoas morreram. Mais recentemente, as forças armadas da Nigéria foram humilhadas publicamente pelo fracasso em libertar mais de 200 estudantes feitas reféns por militantes do Boko Haram e uma série de ataques crescentes na esteira daquele seqüestro.

O que é surpreendente sobre os dois episódios, em lados opostos do continente, é que envolveram exércitos nacionais normalmente considerados entre os melhores do continente. Na esteira do genocídio de Ruanda em 1994, os africanos estavam determinados a assumir a responsabilidade por sua própria segurança, eliminando gradualmente a dependência de intervenções armadas pagas e montadas pelo Ocidente. Nigéria e Quênia são vistos como cruciais nesse esforço.

Criança corre durante o ataque terrorista ao shopping Westgate.

A Nigéria, que recentemente suplantou a África do Sul como a maior economia do continente, há muito fornece o músculo para intervenções regionais abençoadas pela Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), servindo tanto na Libéria quanto em Serra Leoa. Sua Força-Tarefa Conjunta (Joint-Task ForceJTF) contribuiu para operações internacionais de manutenção da paz na ex-Iugoslávia e em Timor Leste, e despachou soldados para a Somália, Darfur, República Democrática do Congo e Mali. Enquanto isso, as Forças de Defesa do Quênia (Kenya Defence ForcesKDF), amplamente atribuídas por terem mantido o país unido após as eleições de 2007 explodirem em partidarismo étnico, são vistas em Washington como um baluarte vital da África Oriental contra a infiltração do al-Shabab pelo norte. A KDF tem atualmente mais de 3.000 homens destacados no sul da Somália.

No entanto, ambos os exércitos fracassaram em intervenções domésticas importantes quando as crises aconteceram, expondo fraquezas que levantam questões fundamentais sobre a confiabilidade operacional.

Quando terroristas islâmicos atacaram o shopping Westgate no centro de Nairóbi em setembro passado, as tropas da KDF atiraram em membros da unidade paramilitar de contra-inteligência de elite que já havia assegurado a área; uma disputa sobre jurisdição de repente passou a ter precedência sobre a segurança da área. A KDF então dedicou grande parte do cerco de quatro dias que se seguiu a abrir cofres de proprietários de lojas, esvaziar geladeiras de cerveja e saquear lojas de estilistas - removendo ternos masculinos, joias, telefones celulares e roupas íntimas com babados enquanto os sobreviventes se agachavam em banheiros, esperando para serem libertados.

Soldados quenianos da KDF no cerco ao shopping Westgate, em Nairóbi.

Tudo isso foi feito no coração de Nairóbi, a poucos metros de onde a mídia mundial estava assistindo e esperando. Se a KDF se comportava assim em casa, o que, perguntavam-se muitos quenianos, ela era capaz quando não havia olhos curiosos por perto? Uma captura simultaneamente draconiana e malfeita de milhares de somalis suspeitos de viverem ilegalmente no distrito de Eastleigh em Nairóbi, ordenada no início de abril pelo governo, provavelmente fez mais para radicalizar a comunidade muçulmana do Quênia do que o al-Shabab jamais conseguiu, segundo grupos de direitos humanos.

Na Nigéria, quinze dias depois, vários pais das meninas sequestradas ficaram tão exasperados com as garantias do exército de que a situação estava sob controle, que recorreram a explorar a floresta Sambisa, onde o Boko Haram estaria escondendo as crianças. As manifestações antigovernamentais em Abuja estão ficando mais furiosas, as campanhas no Twitter e as denúncias contra o governo e a elite militar cada vez mais ruidosas - mas continuam a chegar relatos de soldados fugindo quando os combatentes do Boko Haram atacam ou sequer entrando em posição.

Terroristas do Boko Haram posando com técnicas e com a bandeira do Estado Islâmico.

Os especialistas afirmam também que a JTF desempenhou um papel na criação da crise atual. Em 2009, quando o Boko Haram assumiu uma forma bem menos radical, o exército entregou seu líder espiritual capturado Mohammed Yusuf à polícia, que o executou sumariamente. Desde então, a JTF alienou a comunidade muçulmana do nordeste da Nigéria com a detenção indiscriminada de centenas de moradores.

Por que duas forças-chave africanas estão se mostrando tão decepcionantes? E o que suas falhas sinalizam para a ambição há muito alardeada da União Africana de usar tropas regionais para impedir o genocídio, caçar jihadistas e neutralizar piratas, entre outras coisas, enquanto reduz a dependência da África da ONU e das forças militares de antigas potências coloniais amigáveis?

As respostas, infelizmente, oferecem poucos motivos para otimismo.

Soldados nigerianos celebrando.

A relação da África com seus militares pode ser definida como uma relação de intimidade incômoda e de longa data. Os visitantes ocidentais que chegam pela primeira vez muitas vezes são atingidos por duas coisas: quanta camuflagem eles vêem ao seu redor e a resposta automática dos habitantes locais aos homens em uniforme, que são vistos não como símbolos reconfortantes da lei e da ordem, mas como predadores em potencial.

Essas atitudes vêm da era pós-independência, quando o golpe militar se tornou um método padrão para alternar o poder executivo. Os novos Estados-nação eram fracos, partidos políticos inexperientes em disputa e instituições embrionárias. Os exércitos africanos estabelecidos pela França, Grã-Bretanha e Portugal, que as potências coloniais usaram como forragem durante as duas guerras mundiais, passaram facilmente a dominar suas sociedades, representando tanto ameaças possíveis quanto interesses velados clamando por atenção.

"O Ocidente tem esse modelo de exército disciplinado e neutro que fica à margem, independente da política interna", explica Jakkie Cilliers, do Instituto de Estudos Estratégicos (ISS), com sede em Pretória. "Mas o modelo africano é de um militar que é usado internamente e é parte integrante da política interna e da alocação de recursos."

Presidentes como Mobutu Sese Seko do Zaire, que ele próprio encenou dois golpes bem-sucedidos, evitaram as prováveis repetições ao manter deliberadamente os exércitos nacionais divididos e dominados pelas facções. Mobutu acreditava muito na construção e depois na eliminação das forças de elite concorrentes, contando com paraquedistas ocidentais e mercenários brancos para lutar por ele em uma crise real.

Mobutu Sese Seko com uniforme camuflado estilo leopardo e asas de paraquedista francesas durante a crise de Kolwezi, 1978.

Em outras partes do continente, governos civis frágeis e agitados frequentemente encorajavam os generais que temiam a se tornarem empresários de fato, com surtidas estrangeiras vistas como formas particularmente lucrativas de distração. Nada disso incentivou a disciplina, nem foi saudável para o moral das tropas.

Durante sua intervenção na Libéria na década de 1990, por exemplo, o exército da Nigéria tornou-se firmemente associado ao contrabando de diamantes e tráfico de drogas. Depois de resgatar Laurent Kabila em 1998, os generais do Zimbábue ficaram profundamente envolvidos na mineração de ouro e diamantes da República Democrática do Congo.

Esses cenários estão datados agora. Hoje, a União Africana (UA) não vê com bons olhos os golpistas, as potências regionais viraram ombros frios e unidos contra as juntas e os líderes golpistas aprenderam rapidamente a abraçar a retórica da democracia multipartidária. Mas muitas cicatrizes permanecem, explicando o que podem parecer níveis desconcertantes de confusão e incompetência nas forças de segurança do continente.

O legado das décadas de 1960 e 1970 em muitos países africanos é: até que ponto você pode confiar que seus militares não ameaçarão o governo? ", Disse Knox Chitiyo, um membro associado do programa da África de Chatham House.

A história de golpes militares da Nigéria remonta a 1966, dois anos após a independência da Grã-Bretanha. Só terminou em 1999 com a eleição do presidente Olusegun Obasanjo. Um dos primeiros movimentos de Obasanjo foi tentar tornar o exército à prova de golpe, aposentando 400 oficiais superiores considerados mais interessados em política do que em campanhas militares, trazendo as forças armadas de volta ao comando civil.

Essa história torna a relutância do governo civil em atender às demandas dos generais por novos equipamentos - o motivo, muitos oficiais agora afirmam, de sua incapacidade de controlar o Boko Haram - completamente compreensível. "O exército tem sido um fator importante na Nigéria", diz Cilliers, "e se for muito bem administrado e eficaz, existe o perigo de se tornar um grande problema em casa."

A floresta de Sambisa na fronteira noroeste da Nigéria.

Alguns especialistas militares argumentam que é fácil subestimar os desafios logísticos enfrentados pelas tropas que tentam localizar as meninas sequestradas. "Os três Estados que o Boko Haram atacou com mais frequência cobrem uma área geográfica cinco vezes maior que a Suíça", disse Max Siollun, historiador militar nigeriano. "A floresta de Sambisa também é vasta. Seria difícil para qualquer exército rastrear meninas em uma floresta com o dobro do tamanho da Bélgica."

Incomodados com a crueldade do radicalismo que estão enfrentando, os soldados se sentem sitiados. "É provável que o Boko Haram tenha sido mais hábil em se infiltrar nas forças de segurança do que o contrário. Há frustração em algumas unidades de que os soldados estão sendo abatidos por combatentes aparentemente invisíveis do Boko Haram que têm um conhecimento suspeito dos movimentos dos militares", diz Siollun.


Outros descartam isso como desculpa, colocando a ênfase para as falhas do exército em décadas de "vazamento" orçamentário em um país rotineiramente classificado como um dos mais venais do mundo. Mesmo antes do sequestro colocar o Boko Haram no radar de Michelle Obama, a mídia nigeriana estava contando como os soldos não-pagos, as rações miseráveis e as condições de vida espartanas estavam minando o moral dos soldados - que reclamaram que os militantes foram para a batalha muito mais bem equipados do que eles.

Em um quartel em Maiduguri, um foco de ataques do Boko Haram, os soldados se amotinaram duas vezes só em maio, com os recrutas em uma ocasião abrindo fogo contra o carro de um major-general.

Observadores dizem que os soldados que guarnecem bloqueios de estradas muitas vezes não têm rádios que lhes permitam se comunicar com os colegas, e a JTF não tem capacidade para transportar forças pelo ar para zonas de conflito, condenando as tropas a dias de viagem para chegar até o nordeste da Nigéria.

"Gastamos bilhões de libras por ano no exército nigeriano, mas você tem que subornar o arsenal para conseguir uma bala para o seu AK47", disse o blogueiro nigeriano Kayode Ogundamisi a uma audiência no clube Frontline de Londres esta semana. "A corrupção, sejamos francos, está no cerne desta questão."

Em contraste, no Quênia, as forças armadas há muito são respeitadas por sua postura apolítica e eficiência operacional. Mas analistas dizem que o profissionalismo foi lentamente corroído por um padrão de nomeações étnicas sob o presidente Daniel arap Moi, um kalenjin étnico, e depois seu sucessor, o presidente Mwai Kibaki, um kikuyu étnico. "Depois de 2007, Kibaki se certificou de que todos os cargos estratégicos, todos os cargos importantes, estivessem nas mãos dos Kikuyu", disse um analista de segurança de Nairóbi que prefere permanecer anônimo.

Escândalos gigantescos de compras, como o recente golpe de US$ 1 bilhão do Anglo Leasing, que envolveu 18 inchados contratos militares e de segurança assinados pelos ministros de Kibaki, também sangraram fundos do tesouro estatal, sem fazer nada para fornecer às forças armadas o equipamento necessário para a guerra moderna. "Se você está entrando em ação com equipamentos inúteis e sabe que seu general gordo está sentado em sua mesa tendo um bom lucro comprando aquele lixo, bem, isso não é muito motivador, não é?" diz o analista de segurança. (Duas das empresas envolvidas na Anglo Leasing foram recentemente pagas pelo governo depois de ir a tribunal, uma ironia amarga para os quenianos que sentem que a segurança em cidades-chave nunca foi pior.)

Esquema de um ataque nigeriano a um complexo do Boko Haram na floresta de Sambisa, 16 de maio de 2021.

Em um eco dos conflitos africanos anteriores, a KDF hoje também é acusada por um grupo de monitoramento da ONU de investir no comércio de carvão na Somália - um negócio que, ironicamente, beneficia os próprios militantes do al-Shabab contra a qual a KDF está lutando.

Outra questão que surgiu é o estado da polícia doméstica do Quênia, corroída por décadas de degradação sistêmica e favoritismo étnico. Uma boa força policial é a interface entre o aparato de segurança de um Estado e o público, fornecendo-lhe os dados que permitem o monitoramento de base eficaz das comunidades. Mas no Quênia, bloqueios de estradas são usados principalmente para extrair subornos, não informações.

Uma das características do cerco de Westgate, dizem alguns especialistas em segurança, foi a ausência de informações anteriores que indicassem um ataque iminente. Este foi um sinal não apenas de que os sistemas de inteligência haviam falhado, mas que a rede de postos de imigração e delegacias de polícia do país era funcionalmente inútil.

“Você poderia argumentar que a África não precisa de forças militares, mas de gendarmerias”, diz Cilliers. "Mas entramos nesse padrão em que o exército é chamado automaticamente, porque ninguém confia na polícia."

Por sua vez, Knox Chitiyo, da Chatham House, acredita que um problema mais fundamental foi recentemente exposto: a natureza mutante dos desafios de segurança de hoje está pegando desprevenidos o que, no fundo, são ex-exércitos coloniais antiquados, criados e treinados em linhas tradicionais. “Esses exércitos são bons em lidar com a guerra convencional ou contra-insurgência”, diz Chitiyo. “Mas agora você tem uma nova dinâmica, um nexo de terrorismo doméstico - rural e urbano - se juntando à contra-insurgência, e eles não estão equipados para lidar com esse novo tipo de guerra”.

Tanto o caso Westgate quanto o sequestro na escola, ele argumenta, destacam a necessidade crescente de forças especiais africanas, ostentando habilidades sofisticadas em negociações e extração de reféns. No momento, essas habilidades costumam vir do exterior: a Nigéria, por exemplo, as aceitou após uma reunião internacional organizada em Paris pelo presidente François Hollande. Peritos antiterror e especialistas em negociação de reféns da França, Grã-Bretanha e Estados Unidos estão agora na Nigéria, usando vigilância aérea e outras para tentar localizar as meninas.

Soldado nigeriano com um RPG-7.

Mas essa cooperação aumenta o risco de prolongar a dependência contínua do continente. "Os governos africanos terão que confiar no Ocidente novamente e por quanto tempo?" pergunta Chitiyo, alertando sobre "questões delicadas de soberania".

A UA tem planos para uma Força de Reserva Africana de 25.000 pessoas, destinada a preencher o papel de, de várias maneiras, as forças das Nações Unidas e americanas, francesas e britânicas. Será baseado nas forças nacionais existentes e, apesar dos recentes desastres internos, a incompetência das tropas africanas no estrangeiro não está de forma alguma garantida. Quando transportados de avião para uma zona de crise africana pela ONU e fornecidos com salários ocidentais, kit decente, apoio de inteligência sofisticado e linhas de comando claras, as forças africanas de capacete azul podem aumentar dramaticamente seus jogos. Os generais de Uganda, por exemplo, foram acusados de prolongar desnecessariamente a guerra contra o Exército de Resistência do Senhor no norte de seu próprio país, para melhor embolsar salários fantasmas, administrar hotéis e se envolver no comércio de madeira. Mas o desempenho do exército na Somália como parte da missão da UA lá tem sido exemplar.

Ainda assim, os episódios da Nigéria e do Quênia claramente não são um bom presságio para os estrategistas da UA. (O lançamento da força de prontidão foi adiado para 2015 após repetidos reescalonamentos.) "Se você tem problemas associados com subfinanciamento, moral baixo e corrupção em uma força nacional, isso atrapalha todo o resto", diz Cilliers. "Qualquer pessoa que esteja pensando em organizar uma operação de manutenção da paz na África deve estar seriamente preocupada com o que aconteceu nesses dois países."

Leitura recomendada:

Como construir melhores forças armadas na África: as lições do Níger8 de outubro de 2020.