Mostrando postagens com marcador Argélia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Argélia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

FOTO: Legionários das Companhias Saarianas

Legionários da 1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère (CSPL) na Argélia, 1956.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de janeiro de 2022.

As Companhias Saarianas Motorizadas da Legião Estrangeira (1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère, CSPL) eram formações de patrulha de longa distância no deserto da infantaria motorizada que foram ativadas na década de 1920 e expandidas na década de 1950; foram formadas quatro destas companhias. Vestidos em uniformes tradicionais à la Beau Geste, sua função era guardar pontos estratégicos nas estradas transcontinentais do Saara, como os oásis estratégicos e os poços de petróleo. Essas unidades lutaram durante toda a Guerra da Argélia.

Eles moviam-se para o norte do Saara durante o verão e tomavam parte em operações combinadas como tropa motorizada convencional e como infantaria helitransportada. Por causa das enormes distâncias que as CSPL cobriam, esses legionários tendiam a mover-se de base em base através de toda a extensão do norte do Saara.

A Legião também teve um grupamento comandado pelo Tenente-Coronel François Binoche, o Groupement des compagnies portées de Légion étrangère du Maroc (GCPLEM, mas também GCPLM).

Original em preto e branco.

Os legionários estão armados com material bem obsoleto para o período, que eram adequados para a função de patrulha motorizada, com a tropa armada com fuzis Berthier e o graduado à esquerda com uma submetralhadora Sten. Eles vestem o tradicional uniforme de desfile da Companhia Saariana, que consistia de camisa branca de manga curta, calça seroual branca e bandoleiras de couro em forma de V Modelo Saara 1935. Um manto e sandálias complementam o uniforme.

A 1er CSPL, originária do Marrocos, era aquartelada em Ain-Sefra em 1954, movendo-se para o Forte Flatters em 1955. A 2e CSPL estava em Laghouat e a 3e CSPL no Forte Leclerc (Sebha) no Fezzan. Em janeiro de 1956, a 4e CSPL foi criada da antiga 24e Compagnie Portée do 1er RE (Regimento Estrangeiro). Em janeiro de 1961, a 1er CSPL tornou-se o 1er Escadron SPLE, afiliado com a cavalaria ao invés da infantaria.

A unidade foi dissolvida em 31 de março de 1963, e os homens transferidos para o 2e REI; tornando-se Escadron, 2e REI. Depois renomeado 5ª Companhia Motorizada (5e CP), 2e REI.

Guarda-bandeira da 1er CSPL na entrada do Forte Flatters, em uma capa da revista Képi Blanc de 1959. A guarda usa sabres de cavalaria em vez de fuzis.

domingo, 7 de novembro de 2021

FOTO: Operadores do Comando Georges na Argélia

O Coronel Marcel Bigeard com homens do famoso Comando Georges na Argélia.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de novembro de 2021.

O mais famoso comandante paraquedistas francês, Marcel Bigeard, posa ao lado dos comandos argelinos do Comando Georges, o mais famoso dos commandos de chasse (comando de caça, uma força contra-guerrilha da Guerra da Argélia).

O Comando Georges foi formado pelo Tenente Georges Grillot em 1959, durante a Guerra da Argélia; sendo composto principalmente por ex-membros da Frente de Libertação Nacional (FLN) e do Exército de Libertação Nacional (ALN) reunidos na França. O mais famoso e um dos mais eficientes comandos de caça, o Comando Georges foi dissolvido em abril de 1962 com o fim da guerra após a assinatura dos Acordos de Évian.

Os comandos de caça tinham por missão detectar e rastrear as katibas da ALN usando táticas de guerrilha análogas às forças irregulares da FLN. Katibas podem ser batalhões ou companhias, e na Guerra da Argélia eram a unidade da ALN (em valor companhia, com cerca de 30 homens) subordinadas a wilayas (comandos regionais) e que operavam em ações de guerrilha contra os militares  e de terrorismo contra a população civil. Cada wilaya era sucessivamente subdividido em mintaqas, depois em nahias, depois em kasmas e depois em douarsO objetivo principal dos comandos de caça era impedir a penetração da FLN nas vilas, e o adversário do Comando Georges, em particular, eram os bandos armados da Mintaka 56 (subdivisão de uma Wilaya).

Fanion (guião) e écusson (distintivo) do Commando Georges.
Seus lemas eram "Chasser la misère" (caçar/afugentar a miséria) e "Croire et oser" (crer e ousar).

O Tenente Georges Grillot era assistido pelos Tenentes Armand Bénésis de Rotrou e Youssef Ben Brahim. O comando é organizado de acordo com as mesmas estruturas do ALN. Quando foi criado em 1959, incluía quatro katibas, cada uma composta por três sticks (esquadrões autônomos) de 10 homens. Em 1961, sua força chegou a 240 homens, organizados em 11 sticks, cada um compreendendo dois grupos de combate de 11 harkis (argelinos leais) com uma metralhadora AA52. Os membros do comando eram todos "franceses de origem norte-africana" (Français de souche nord-africaineFSNA).

Em 10 meses, o Coronel Bigeard, graças à ação do comando, eliminou 80% da OPA (Organização Político-Administrativa) da FLN e obteve resultados excepcionais em combate. No dia 27 de agosto de 1959, a visita do General de Gaulle a Saida confirmou esse sucesso, que declarou a Youssef Ben Brahim:

"Terminada a pacificação, uma nova era se abrirá para a Argélia".

O comando colocou fora de ação cerca de 1.000 rebeldes, cerca de 30 oficiais, incluindo 7 líderes sucessivos da zona VI nos setores de Saida, Ain Sefra, Frenda, Sebdou, Géryville e Inkermann (Ouarsenis). O comando foi premiado com 26 medalhas militares e 398 citações.

Após o cessar-fogo, tendo as autoridades recusado o seu repatriamento na França metropolitana, cerca de 60 a 70 dos membros do comando são assassinados durante as represálias bárbaras da FLN. Outros desapareceram nos campos do ALN e um pequeno número foi repatriado para a França graças à intervenção da Cruz Vermelha. O Tenente Youssef Ben Brahim, nascido em 1927, repatriado para a Dordonha, foi assassinado em 27 de julho de 1968 por um de seus ex-fiéis que o acusou de um caso com sua esposa.

quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Por trás da disputa argelino-marroquina, a histórica frustração da Argélia com o Marrocos


Por Bernard Lugan, Actualité Africaine, 25 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Ponto culminante de uma tensão que tem crescido continuamente nos últimos anos, a Argélia acaba de cortar relações diplomáticas com o Marrocos.

O rei Mohammed VI do Marrocos, e o presidente Abdelmadjid Tebboune da Argélia.

A disputa entre os dois países é certamente política, mas também histórico-psicológica. Por quatro razões principais:

1) Passada diretamente da colonização turca para a colonização francesa, a Argélia tem ciúme do Marrocos e de seus 1200 anos de história (veja sobre o assunto no meu livro Algérie, l'Histoire à l'endroit / Argélia, a história no lugar). Ela se recusa a admitir que os brilhantes principados de Tlemcen no oeste, e Bougie no leste, não constituíam as matrizes da Argélia, quando Fez e Marrakech criaram o Marrocos. Com os Idrissidas, os Almorávidas, os Almohads, os Saadianos, os Merinidas e os Alaouitas, durante 1200 anos, o Marrocos de fato desenvolveu um Estado, depois Impérios estendendo-se em certas épocas por todo o Magrebe, parte da Espanha e até Timbuktu. Não havia nada parecido a leste de Moulouya, onde nem os Zianides de Tlemcen nem os Hafsids de Bougie tiveram um destino comparável ao das grandes dinastias marroquinas. É aí que reside o não-dito de toda a política magrebina de Argel.

2) Os dirigentes argelinos não querem reconhecer que herdaram da França territórios historicamente marroquinos, tendo a colonização francesa amputado o Marrocos em favor dos departamentos franceses da Argélia. É por isso que Touat, Saoura, Tidikelt, Gourara e a região de Tindouf são argelinos hoje. Eles se recusam a admitir que, na época da independência, o milenar Marrocos foi convidado a endossar essas amputações territoriais feitas em benefício de uma Argélia nascida em julho de 1962.

Soldados argelinos.

3) Para uma Argélia, "enclavada" neste mar fechado que é o Mediterrâneo, é insuportável constatar que com a recuperação das suas províncias do Saara, o Marrocos tem uma imensa fronteira marítima oceânica a partir de Tânger ao norte, até à fronteira com a Mauritânia ao sul, abrindo assim o reino tanto ao “mar aberto” do Atlântico como à África Ocidental. Recusando-se obstinadamente a admitir esta realidade, a Argélia mantém a Polisario à disposição na tentativa de enfraquecer o Marrocos. No entanto, para Argel, é urgente. Como a última praça dos 24 Estados - dos 193 membros da ONU - ainda reconhecendo este fantasma que é a RASD (República Árabe Sarauí Democrática), tendo finalmente se desintegrado, a tensão com o Marrocos poderia ajudar a conter o sangramento.

4) A Argélia atravessa uma crise econômica, política, institucional e de identidade muito profunda. Ela deve, portanto, procurar reunir as energias nacionais e, para isso, desde a independência, sempre recorreu a dois bodes expiatórios: a França e o Marrocos. Atualmente, por vários motivos, ela precisa da França. Portanto, resta o Marrocos. Esperando que esta política de corrida desenfreada não conduza a uma nova "guerra das areias", como em 1963...

Bernard Lugan (nascido em 10 de maio de 1946 em Meknès) é um historiador francês especializado em história da África. Ele é professor do Institut des hautes études de défense nationale (IHEDN) e editor da revista L'Afrique réelle ("A África Real"). Lugan lecionou anteriormente na Jean Moulin University Lyon 3 e na escola militar especial de Saint-Cyr até 2015. Ele serviu como testemunha especializada para réus hutus envolvidos no genocídio em Ruanda no Tribunal Criminal Internacional para Ruanda.

Bibliografia recomendada:

Novas Geopolíticas.
José William Vesentini.

Leitura recomendada:

O Afeganistão e a grande falha na doutrina de contra-insurgência dos EUA


Por Michael Shurkin, The Hill, 25 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de agosto de 2021.

Enquanto lutamos para entender o fracasso americano no Afeganistão, um elemento importante que deve ser incluído na discussão é uma falha fundamental no cerne da doutrina da contra-insurgência (counterinsurgencyCOIN) americana. Essa doutrina tem raízes históricas que remontam às Guerras Indígenas e às Filipinas. Mas em sua versão contemporânea, a doutrina COIN americana é quase sinônimo do Manual de Campanha 3-24 (Field Manual 3-24, FM 3-24) do Exército dos EUA, publicado originalmente em 2006 sob o imprimatur do General David Petraeus. Petraeus, por sua vez, inspirou-se fortemente na doutrina COIN francesa, que por sua vez tem raízes nas aventuras coloniais do fin-de-siècle da França, mas alcançou sua expressão máxima na Guerra da Argélia (1954-1962). E é precisamente aí que reside o problema.

A inspiração direta de Petraeus foi o tenente-coronel francês David Galula (1919-1967), que não foi o único oficial francês a desenvolver a doutrina COIN na década de 1950 e nem mesmo necessariamente o melhor, mas foi o único que escreveu em inglês. Galula escreveu de forma convincente sobre a necessidade de fornecer segurança às populações locais e minimizar as operações de combate em favor dos esforços de corações e mentes.

Contre-Insurrection: Théorie et pratique.
David Galula.

Galula fez com que seus homens se integrassem nas comunidades locais; ele conquistou a confiança dos aldeões e conseguiu mobilizar os moradores locais para fornecer segurança e isolar os insurgentes. Ele não lutou muito e criticou o que os americanos mais tarde chamariam de operações "cinéticas" como improváveis de alcançarem resultados significativos. Há uma linha direta de suas ideias com as de Petraeus e, mais tarde, com a direção que o General Stanley McChrystal deu enquanto estava no comando no Afeganistão.

As ideias de Galula não são sem mérito, e há muito que os franceses fizeram na Argélia que podem ser aplicáveis em outros lugares. Mas Petraeus e outros entusiastas americanos nos anos 2000 parecem ter esquecido inteiramente o contexto histórico em que Galula escreveu e a diferença fundamental entre então e agora: Galula escreveu em um contexto colonial. Estamos operando em um contexto pós-colonial. O objetivo de Galula era perpetuar o domínio colonial. Ele, como oficial francês, estava lutando em nome da França para fortalecer a legitimidade da França. Em contraste, nós lutamos em nome de outra pessoa para fortalecer a legitimidade de outra pessoa.

Na sua forma mais concreta, a diferença entre as configurações coloniais e pós-coloniais resume-se ao que se pode oferecer à população, que, de acordo com o FM 3-24, é o verdadeiro “centro de gravidade” em uma insurgência. Galula enfatiza em seus escritos que uma parte fundamental do argumento do regime colonial para a população é que o poder colonial não vai a lugar nenhum. Portanto, alinhar-se com o poder colonial e apoiá-lo tácita ou ativamente é uma escolha razoável. Pode-se confiar no que sempre estará lá.


Esse argumento sem dúvida ajudou a França a recrutar um grande número de locais para lutar sob as cores francesas. Em contraste, a potência estrangeira pós-colonial que divulga sua intenção de partir no momento em que chega pela primeira vez enfrenta uma situação muito mais difícil para reunir e manter apoio.

Ninguém realmente descobriu como uma intervenção militar de terceiros reforça a legitimidade de um estado cliente em um contexto pós-colonial. O FM 3-24 não tem respostas. Curiosamente, a doutrina francesa atual, atualizada em 2013, pelo menos reconhece explicitamente que tudo mudou e destaca os limites do que uma força interventora pós-colonial pode fazer. Em essência: a liderança política existente no estado cliente tem que reescrever o contrato social, cujo fracasso é o que fez a insurgência prosperar. Mas não é o lugar da força interveniente escrevê-lo, nem é o seu lugar impor uma ordem estranha.

Tudo o que a força interveniente pode fazer é apoiar a estrutura política indígena existente, enquanto a estrutura política indígena existente orienta “e até mesmo restringe” a força de intervenção. Esta abordagem exige necessariamente grande modéstia por parte do país interveniente, uma vez que atribui a responsabilidade pelo sucesso em grande parte à nação anfitriã. Isso também significa que há uma tensão quase inevitável entre a agenda da força interveniente e seu cliente, e entre sua linha do tempo e o próprio ritmo do anfitrião.

A distinção entre colonial e pós-colonial e a modéstia exigida no último contexto lança luz considerável sobre o que deu errado para os EUA no Afeganistão. Sem a distinção em mente, nosso governo e militares foram vítimas de níveis inadequados de ambição e prestaram atenção insuficiente aos pontos fortes e fracos de seus parceiros afegãos, que estavam no assento do motorista.

Significava também que tudo o que acontecesse estaria de acordo com suas prioridades, e em seu ritmo, no qual não tínhamos motivos para esperar que corresponderia à nossa necessidade incessante de alcançar o sucesso antes do final de cada período de atuação, desdobramento ou mandato presidencial.

Michael Shurkin é um ex-oficial da CIA e cientista político sênior da RAND. Ele é diretor de programas globais da 14 North Strategies e fundador da Shurbros Global Strategies.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:





sexta-feira, 30 de julho de 2021

GALERIA: Renovação do posto de Ninh-Binh pela 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA

tirailleur de 1ª classe Lakdar, da 5ª Companhia do 2e BM/1er RTA, que participou na retomada dos postos de Ninh-Binh. Ele enfeitou seu chapéu de selva com o emblema de sua unidade, com o lema árabe "sempre o primeiro", pregado em um quadrado de pano vermelho (a cor que designa o 2º Batalhão de Marcha).

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de julho de 2021.

Coleção de fotos da ECPAD, tiradas por Defives Guy, sobre a reforma do posto de Ninh-Binh, recapturado pelos tirailleurs argelinos na Batalha do Rio Day, na Indochina Francesa em junho de 1951.

5ª companhia do 2e BM/1er RTA (2e Bataillon de Marche du 1er Régiment de Tirailleurs Algériens2º Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Tirailleurs Argelinos) participou da retomada do rochedo na fase final de contra-ataque francesa e recuperou o corpo do Tenente Bernard de Lattre, filho do General Jean de Lattre de Tassigny, o comandante-em-chefe na Indochina. O lema do 2e BM/1er RTA era "toujours le premier" ("sempre o primeiro").

Do alto de um dos postos Ninh-Binh, apesar de uma grande bandagem na cabeça, o tirailleur Mazeni, da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA monta guarda com uma metralhadora Reibel modelo 1931 calibre 7,5mm.
De sua posição, é visível o trecho de uma das pontes sobre o rio Day, sabotada em 1947 pelo Viet-Minh em plena retirada.

Um tirailleur da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA observa o delta do rio Day de um dos rochedos de Ninh-Binh, rebatizado de rochedo "Bernard de Lattre" durante uma missa em memória do filho do general de Lattre, o tenente do BM/1º RCC (Batalhão de Marcha do 1º Regimento de Chasseurs à Cheval), que ali tombou à frente de seu esquadrão.

A matéria original descreveu a situação nas seguintes palavras:

"Após a reconquista do posto de Ninh-Binh, a 5ª companhia do 2e BM/1er RTA atua no sentido de restaurar o sistema defensivo deste reduto assediado pelo inimigo. O posto está de fato completamente destruído pela luta. O bivaque da unidade é incompleto e as condições de vida visivelmente rústicas, a infraestrutura tendo sido fortemente danificada pelo fogo de morteiro do Viet-Minh, seguido pelos tiros de uma bateria do 64e RAA (Régiment d'Artillerie d'Afrique / Regimento de Artilharia da África), de três embarcações da 3e Dinassaut (Divisão Naval de Assalto) e os passes de “Straffing” dos caças.

Enquanto permanecem vigilantes, os escaramuçadores estão trabalhando para limpar o posto de entulho que se acumulou lá e para restaurar as trincheiras parcialmente entulhadas. Da postagem, você pode ver a fumaça liberada pelo bombardeio de Phong Du (4,5km de Ninh-Binh), com os combates continuando na área."

Tirailleurs da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA inspecionam a igreja de Ninh-Binh, destruída por morteiros e canhões sem recuo dos sitiantes Viet-Minh que assediaram 73 homens do comando naval "François" entrincheirados no edifício. Submergidos por 3.000 Bô Doï (soldados regulares) da 308ª Divisão que varreram a posição e engajaram os comandos fuzileiros navais em uma furiosa luta corpo-a-corpo, os sobreviventes tentando uma saída forçada.

Bivaque improvisado da 5ª companhia do 2e BM/1er RTA erguido nos escombros do posto de Ninh-Binh, devastado pelo ataque Viet-Minh e depois pelo contra-ataque vitorioso das tropas francesas. O rochedo "Bernard de Lattre" foi arrasado e substituído por um monumento à glória do APV (Exército Popular Vietnamita).

Um tirailleur da 5ª compahia instalou-se provisoriamente nas ruínas do posto de Ninh-Binh após a sua reconquista por esta unidade, pertencente ao GMNA (Groupement Mobile Nord-Africain / Grupamento Móvel Norte-Africano).

Tirailleurs limpando o entulho do posto, resultado do pesado bombardeiro de morteiros e canhões sem recuo do Viet-Minh, e depois pela própria artilharia francesa na sua retomada.

Os tirailleurs da 5ª Companhia comprometeram-se a limpar o posto de Ninh-Binh dos destroços que aí se acumulavam, atestando a dureza do combate mas sobretudo a densidade do fogo dos morteiros Viet-Minh, além dos tiros diretos dos canhões sem recuo "SKZ" (Sung Khong Zat: canhão sem recuo chinês); e depois dos tiros de saturação realizados para apoiar o assalto dos "Turcos" (apelido herdado pelos tirailleurs argelinos após a campanha da Crimeia de 1854) que o tomaram.

A unidade manteve, assim, o posto por um mês e meio, repelindo vários encontros ofensivos noturnos das tropas Viet-Minh regulares (Bô Doï), e realizando várias incursões nos territórios controlados pelo inimigo.

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The French Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

PERFIL: O filho do general,  27 de julho de 2021.

GALERIA: Retomada do rochedo de Ninh-Binh pelos Tirailleurs Argelinos16 de outubro de 2020.

GALERIA: Ratissage dos Tirailleurs Argelinos na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Com os Tirailleurs Marroquinos na Operação Aspic na região de Phu My14 de outubro de 2020.

GALERIA: Chegada de reforços ao posto de Yen Cu Ha, 5 de fevereiro de 2021.

GALERIA: Uma missão da Marinha Francesa na Indochina9 de outubro de 2020.

GALERIA: Manobra dos comandos navais no Tonquim9 de outubro de 2020.

GALERIA: Largagem paraquedista em Quang-Tri durante a Operação Camargue2 de outubro de 2020.

quarta-feira, 5 de maio de 2021

FOTO: M4 Sherman francês do Lend-Lease

Tripulação francesa sobem no seu novo M4 Sherman, Argélia, dezembro de 1943. (Revista LIFE)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de maio de 2021.

Franceses em exercício com seu novo tanque M4 Sherman, recebido através do Lend Lease (Empréstimo e Arrendamento) americano, na Argélia, dezembro de 1943. O potencial industrial dos Estados Unidos era gigantesco e sem paralelo no mundo na época. Os americanos abasteceram não apenas suas forças, lutando em quatro frentes simultâneas, mas também seus aliados franceses, britânicos, soviéticos e chineses. O poderio industrial começou a abastecer até mesmo aliados que ainda não combatiam, como o Brasil, e depois da guerra rearmaram até mesmo ex-inimigos.

Os Exército da África foi incorporado ao Exército Francês Livre do General de Gaulle depois do desembarque anglo-americano durante a Operação Torch e, depois da capitulação ítalo-alemã na Tunísia, foi reequipado pelos americanos. Esse novo exército formou um Corpo Expedicionário de mais de 100 mil homens em 4 divisões que lutou na Itália, e divisões militares que lutaram na Normandia, na Provença e na Alemanha. A 1ª Divisão Francesa Livre, parte do 1º Exército do General de Lattre, realizou junção com a Força Expedicionária Brasileira no norte da Itália em 1945.

Bibliografia recomendada:

Armored Thunderbolt:
The US Army Sherman in WWII.
Steven Zaloga.

Leitura recomendada:

sábado, 1 de maio de 2021

FOTO: Os Terríveis Turcos!


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de dezembro de 2019.

Cartão postal dos "Terríveis Turcos", apelido dos Tirailleurs Algérians, os soldados coloniais árabes argelinos, com uniforme de 1914 (antes do uniforme mostarda moderno de 1915).

O apelido de "turcos" é por que os árabes e bérberes da Argélia eram vassalos do Império Turco Otomano até 1830, quando os franceses invadiram e iniciaram a colonização do que viria a ser a Argélia. O tenente brasileiro José Pessôa, pai dos blindados no Brasil, comandou um pelotão de "turcos" em 1918, na Primeira Guerra Mundial.

Extrato do livro Marechal José Pessôa: a Força de um Ideal, páginas 31 e 32.

"Durante a campanha, o Tenente José Pessôa ainda assumiu o Comando do 1º Pelotão [4º na verdade] do mesmo Esquadrão, composto de soldados turcos extremamente agressivos. O espírito do Marechal ficou muito marcado pela causada impressão causada por esses soldados rústicos, verdadeiras máquinas combatentes. Recorda o Brigadeiro José Pessôa a impressão que aqueles soldados haviam causado no Marechal José Pessôa, capazes de, por sua impulsão - no dizer do pai - levá-lo a atos de bravura que sem eles não seria possível realizar. Nesse momento havia orgulho em seus olhos. Outras vezes, havia horror. Como ao lembrar daqueles homens ofertando-lhe, num preito da mais profunda admiração, um fio, do qual pendiam, como em um colar, as orelhas cortadas das cabeças dos inimigos que haviam acabado de vencer, em encarniçada luta corpo-a-corpo.

É de se imaginar aquele jovem Tenente, tão impressionado com o polimento social dos Oficiais franceses e com um profissionalismo guerreiro quase romântico, ao estilo da Cavalaria medieval, plena de regras elegantes e éticas, em presença do insólito presente.

José Pessôa recebeu inúmeros elogios de seus Comandantes franceses: do General H. Lassons, da Divisão de Cavalaria, do Coronel De Fournas, do 4º de Dragões e do Capitão De Vivres, de sua Subunidade."

José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, já como marechal, usando as condecorações francesas da Croix de Guerre 1914-1918 com palma de bronze e a Croix de la Valeur Militaire com estrela de bronze. A palma de bronze é por citação em despachos em nível de exército, a estrela de bronze é por citação em nível regimental ou de brigada.

O 1º Tenente José Pessôa, após treinamento na Academia de Saint-Cyr, foi incorporado ao 4ª Regimento de Dragões.
  • 2ª Divisão de Cavalaria, Lunéville;
  • 12ª Brigada de Dragões, Toul;
  • 4º Regimento de Dragões, Commercy com um destacamento em Sézanne;
  • 1º Esquadrão;
  • 3º Pelotão e comando do 4º Pelotão.
Ele também teve contato com o 503e RAS (Artilharia Especial, tanques) que operava os carros leves Renault FT.


Notícia no jornal Gazeta de Notícias de 5 de novembro de 1918:

A missão Aché
Mais um official condecorado
Ao Sr. ministro da Guerra dirigiu o Sr. general Felippe Aché o seguinte telegramma á condecoração do 1º tenente José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, que desde 1917 faz parte da missão Aché, que se acha em França.

"O tenente Pessoa, commandante, no "front", do 4º pelotão de dragões, recebeu uma condecoração de regimento por sua bella conducta, fazendo-lhe seu capitão lisonjeiras referencias. Todos os nossos officiaes no "front" estão prestando magníficos serviços que, creio, serão recompensados com citações e condecorações."

Bibliografia recomendada:

French Naval & Colonial Troops 1872-1914.
René Chartrand.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 24 de março de 2021

GALERIA: Atividades das tropas francesas na Tunísia

Um soldado do 2e GTM (2e Grupo de Tabors Marroquinos) dispara uma submetralhadora Thompson no Djébel Ousselat, na Tunísia, abril de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 24 de março de 2021.

As tropas francesas do 19º Corpo de exército são retratadas na frente tunisiana em abril de 1943 durante a Batalha do Maciço de Ousselat (Djebel Ousselat, localizado a noroeste de Kairouan) durante a campanha da Tunísia. Também conhecida como ataque de Fondouk, a batalha opõe o 1º Exército Italiano, apoiado por elementos panzer alemães, ao 19º Corpo de Exército francês em conexão com a 34ª Divisão de Infantaria "Touro Vermelho" americana e o 9º Corpo de Exército britânico, e faz parte das operações realizadas para retomar a crista oriental da cordilheira.

Atividade na linha de frente no  período também envolveram:

- um regimento de caçadores africanos equipados com tanques Renault D1 avançando em direção a Pichon;

- elementos do 411e RAAA (411e Régiment d’artillerie antiaérienne/ 411º Regimento de Artilharia Antiaérea), que lutando como parte da DMC (Division de marche de Constantine/ Divisão de Temporária de Constantine), equipado com um canhão de 75mm CA modelo 1932 em alerta no setor de Robaa;

- soldados do 67e RAA (67e Régiment d’artillerie d’Afrique/ 67º Regimento de Artilharia da África), parte da DMC, armados com canhões de montanha modelo 1906 de 65mm e ocupando posições no setor de Ousseltia;

- do 2e GTM (2e Groupe de tabors marocains/ 2º Grupo de tabors marroquinos), que lutou no seio do DMM (Division de marche du MarocDivisão de Marcha do Marrocos), com veículos que tomaram do inimigo no setor de Siliana e depois partindo ao ataque no setor de Ousseltia;

homens do 1º batalhão do 19e RG (19e Régiment du génie/ 19º Regimento de Engenharia), pertencentes ao DMC, que participam numa operação de neutralização de minas anti-pessoais.

Artilheiros do 67e RA (regimento de artilharia) com uma mula montada com um canhão de montanha 65mm modelo 1906 no setor de Ousseltia.

Operação de detecção de minas por sapadores do 19º Regimento de Engenharia.

O relatório também menciona o posto de comando do General Koeltz, comandante do 19º Corpo do Exército francês, instalado em um trailer provavelmente em Djerissa, o posto de comando Kellermann instalado em tendas, um campo de prisioneiros em Maktar onde estão internados soldados alemães e italianos do corpo expedicionário da África, um avião alemão abatido perto de Maktar e os túmulos de soldados alemães e aliados em Pichon.

Distribuição de sopa aos prisioneiros italianos no campo de Maktar.

O túmulo de um soldado alemão no cemitério de Pichon.

Vista geral do cemitério de Pichon.

O túmulo de um soldado francês morto por uma mina no cemitério de Pichon; um capacete francês é colocado sobre a cruz.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

David Galula e a teoria da contra-insurgência: um livro para ler

Pelo General François Chauvancy, Theatrum Belli, 11 de agosto de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de fevereiro de 2021.

Combina a análise do contexto histórico da contra-insurgência, as reflexões sobre a insurgência e a contra-insurgência de ontem e hoje sem descartar a luta contra o islamismo radical, a grave criminalidade que ameaça as democracias pela desestruturação do Estado que ela organiza, enfim a contratação de um oficial francês por assimilação, assunto tão interessante no contexto atual de nossa sociedade.

O apoio dado pelo General americano Petraeus ao conhecimento do pensamento de David Galula está presente em grande parte por meio desta obra (Cf. também minhas postagens de 21 de outubro de 2012, "Os novos centuriões: um documento sobre o General Petraeus" e do 13 Setembro de 2011 “Quais lições militares dez anos após 11 de setembro?”).

O autor, Driss Ghali, marroquino, com muitos diplomas franceses, residente no Brasil - o que é uma pena porque não poderá apresentar suas reflexões diante de nossos tomadores de decisão militares e políticos - traz uma visão sintética da contra-insurgência percebida tanto por David Galula como também pela ligação que o autor estabelece entre a Guerra da Argélia e os conflitos contemporâneos. Lutar contra uma rebelião ou insurreição tornou-se o destino comum dos combates militares de nossas democracias ocidentais ontem na Ásia, hoje no Oriente Médio e na África.

Publicado pela Éditions Complicités em maio de 2019, este livro analisa o pensamento de David Galula, um esquecido teórico militar francês e então (um tanto) destacado por nossos conflitos contemporâneos, primeiro no Afeganistão e pelo general americano Petraeus.

Reflexões sobre o desenvolvimento do pensamento militar e sua disseminação

O autor nos leva a uma viagem pela história recente da França, com uma visão equilibrada das estratégias de cada um, a meu ver e valorizando com razão a assimilação que tanto trouxe à França. Esta obra fascinante revela a vida pouco conhecida de um judeu nascido na Tunísia em 1919, que se tornou francês por sua família em 1924, um oficial de Saint-Cyr em 1938 que não negou a França em 1941 apesar dela tê-lo rejeitado* (mas pelo Exército que o reintegrou em 1943), atípico, com uma rica carreira operacional.

*Nota do Tradutor: Galula graduou-se na École spéciale militaire de Saint-Cyr com a promoção número 126 de 1939-1940. Em 1941, foi expulso da oficialidade francesa, de acordo com o Estatuto dos Judeus do Estado de Vichy. Depois de viver como civil no Norte da África, ingressou no I Corpo do Exército de Libertação e serviu durante a libertação da França, sendo ferido durante a invasão da ilha de Elba em junho de 1944.

Este jovem oficial, por um tempo um espião a serviço da França quando foi removido do Exército, foi designado para o adido militar francês em Pequim de 1945 a 1947. Ele aprendeu mandarim lá (embora nunca tenha aprendido árabe), e foi feito prisioneiro pelos comunistas chineses. Lá ele descobriu a teoria da guerra revolucionária de Mao. Não será menos ferozmente anticomunista. Após uma breve estada na Europa, foi nomeado adido militar em Hong Kong de 1949 a 1956, antes de se juntar voluntariamente à Argélia em 1956 para comandar uma companhia do 45º Batalhão de Infantaria Colonial.

Seus escritos não apareceram até que ele ingressou na vida civil nos Estados Unidos e por seu encontro com Henry Kissinger em 1964. No entanto, notemos, como para outros antes e depois dele, as reflexões que saem da estrutura tradicional não fazem escola a menos sejam apoiadas ao longo do tempo por uma autoridade que impõe o desenvolvimento desse pensamento. Afinal, o General Poirier, na época tenente-coronel, não poderia contribuir para o desenvolvimento da estratégia de dissuasão nuclear se não fosse por que De Gaulle o protegia da alta hierarquia militar. O desenvolvimento de um pensamento original está sujeito à permanência desse apoio e isso é cada vez menos o caso, dado o relativamente pouco tempo gasto no cargo, particularmente com oficiais militares.

Além disso, como Driss Ghali nos lembra, a burocracia, ou seja, o funcionamento hierárquico, é hostil a qualquer inovação que possa perturbar seu funcionamento lubrificado e bem estabelecido e, portanto, ao seu questionamento, primeiro intelectual, depois tecnológico e organizacional. O exército nisso não é diferente de outras organizações. Só a derrota pode forçá-lo a mudar.

D. Galula conseguiu, no entanto, interessar parcialmente os seus líderes, comunicando os seus pensamentos. Mas ainda hoje é possível a um capitão ou comandante enviar um briefing sobre um problema, diretamente a um chefe do Estado-Maior das Forças Armadas ou a um chefe do Estado-Maior do Exército? Fora da hierarquia? Não tenho certeza a princípio porque a humildade inerente a ser um oficial é um lembrete de que o conhecimento geralmente é adquirido pelo posto. No entanto, Galula finalmente teve a sorte de ser empregado fora da hierarquia e acima do nível normal de responsabilidade do seu posto. Então, a irritação potencial de elementos da cadeia hierárquica, sempre existirá. Resta a publicação de livros ou artigos em revistas especializadas, mas é eficaz? Apenas o "zumbido" pode chamar a atenção do leitor hoje!

As reflexões suscitadas por este trabalho

De que adianta uma insurgência senão a retirada, por propaganda e terror, de todo apoio a um governo legal, tornando-o ilegítimo e indefensável? Quando nem a população, nem a administração, incluindo sua polícia, não querem mais proteger as instituições, o Estado desmorona. Não é isso que ameaça a França hoje, é claro, com diferentes "insurgentes" e com vários objetivos, incluindo extrema esquerda, extrema direita, islâmicos, irmãos muçulmanos, até coletes amarelos...

Além disso, falta um termo para qualificar os inimigos da República para não colocá-los em uma denominação que os valorize. A noção de "rebelde contra a República" poderia ser de seu interesse. Obriga-nos a definir o que a comunidade nacional pode ou não aceitar em nome da sua necessária coesão. Um "rebelde" é, por definição, oposto à autoridade que deve ser claramente estabelecida e afirmada. “Um rebelde contra a República” é aquele que se opõe ao nosso sistema político, às nossas instituições, à nossa sociedade, senão à nossa cultura, às nossas tradições, à nossa história. Neste caso, o cursor do que é aceitável em uma democracia se desloca para mais rigor e autoridade do que para liberdades sem contrapartida, causando caos, nosso enfraquecimento, e a falta de proteção dos cidadãos em muitas áreas.

Os conflitos de ontem e de hoje evocados com equilíbrio neste livro levam naturalmente a algumas conclusões. Em relação ao conflito argelino que o exército francês venceu (Mas o que fazer com uma vitória militar se não conseguirmos concluir a paz? Problema ainda não resolvido), entendo melhor a atitude anti-francesa da FLN no poder hoje. A FLN perdeu sua guerra militar e seu exército, no cerne do poder, não pode admitir esse estado de coisas. 50 anos depois, é óbvio o fracasso político de um governo que capitalizou essa farsa de uma vitória inglória. Na verdade, o reconhecimento de qualquer arrependimento francês significaria o de uma vitória militar da FLN que nunca aconteceu e que "legitimaria" o papel de predadores destes "combatentes pela independência".

O território nacional já não está imune à ação de movimentos que visam a desestabilização do Estado, possivelmente por ações armadas e terroristas, sejam esses movimentos com fins políticos como os extremistas essencialmente de esquerda, os mais determinados e experientes, com fins religiosos com o Islã político dos irmãos muçulmanos dando a ilusão de perseguir objetivos diferentes do islamismo radical do Daesh ou da Al-Qaeda, possivelmente para fins criminosos ou mafiosos. O exemplo da América do Sul, seja no Brasil ou no México, deve nos fazer refletir sobre esse peso do crime. Proteger e capacitar os cidadãos a viverem da maneira mais decente possível continua sendo uma missão fundamental que D. Galula e seus sucessores, para quem a compreendeu, nos ensinam (Cf. Minha postagem de 27 de abril de 2014, “Os comandos aéreos e a contra-insurgência na Argélia” e o papel de cerca de 750 SAS* que ajudaram o desenvolvimento da Argélia rural e de mais de um milhão de argelinos). Quando a administração é deficiente, os militares podem cumprir parte dessa função.

*NT: As sections administratives spécialisées (SAS) foram unidades militares francesas responsáveis por "pacificar" setores, promovendo a "Argélia Francesa" durante a Guerra da Argélia, servindo de assistência educacional, social e médica às populações rurais muçulmanas para conquistá-las ideologicamente para a causa da França.

No entanto, pertencer a uma causa é sem dúvida a parte mais importante da guerra de contra-insurgência. Não é o meio mais importante, mas sim homens motivados que farão a diferença. A guerra de informação está no centro das ações de contra-insurgência ontem e hoje. O que conta em particular é essa história comum que faz as pessoas concordarem, mas também combate os equívocos. De acordo com a mídia dominante e o discurso político, qualquer opinião é respeitável em nome dos valores democráticos. O tempo de escolha, entretanto, é agora necessário para um forte compromisso pelo menos dentro do Estado. Isso deve ser eficaz e inspirar confiança nos cidadãos. Todo mundo tem seu lugar. No entanto, os últimos acontecimentos na França mostraram uma desconfiança crescente e agressiva contra o Estado e dúvidas no seio das administrações.

No entanto, pensar na contra-insurgência e seus modos de ação não significa abandonar as forças armadas de alta intensidade. O inimigo convencional ainda existe, certamente não em nossas fronteiras, mas futuros engajamentos como parte de uma coalizão contra as novas potências mundiais devem ser considerados. Além disso, o combate de alta intensidade força a reflexão e o desenvolvimento de novos equipamentos, para administrar a complexidade do mundo moderno ao contrário da contra-insurgência que é uma guerra entre populações, com uma abordagem intercultural, social, econômica e informacional. A alta tecnologia proporcionada pelos armamentos convencionais permite a destruição do inimigo inclusive na contra-insurgência certamente dando a imagem do uso de um martelo para esmagar uma mosca, portanto a um custo significativo, mas com baixas perdas para nós.

Para concluir

Por fim, seja em território nacional ou no exterior, “proteger a população” garante a vitória sobre qualquer rebelião ou eventual insurreição contra a República, ameaças hoje representadas por desvios populistas ou extremistas, políticos ou religiosos. Para Galula, ontem como hoje, “Protegemos primeiro, seduzimos depois”. Não se trata de conquistar corações e mentes primeiro, mas criar as condições para que isso seja possível. Isso começa naturalmente com uma afirmação real da autoridade do Estado e de seus representantes.

O General François Chauvancy é Saint-cyrien, brevetado pela Escola de Guerra, doutor em ciências da informação e da comunicação (CELSA), titular do terceiro ciclo de relações internacionais pela faculdade de Direito de Sceaux, General (2S) François CHAUVANCY serviu no Exército nas unidades blindadas das tropas navais. Ele deixou o serviço ativo em 2014. Ele é um especialista em questões de doutrina sobre o emprego de forças, em funções relacionadas ao treinamento de exércitos estrangeiros, contra-insurgência e operações de informação. Nessa qualidade, foi o responsável nacional da França para a OTAN nos grupos de trabalho em comunicação estratégica, operações de informação e operações psicológicas de 2005 a 2012.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular: Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.

Leitura recomendada:

Quais as lições militares para o pós-guerra de 1870 e hoje?14 de dezembro de 2020.

Com Fuzil e Bibliografia: General Mattis sobre a leitura profissional6 de outubro de 2018.

Operação Haboob: E se a França tivesse engajado-se no Iraque em 2003?13 de agosto de 2020.

COMENTÁRIO: Quando se está no deserto...29 de agosto de 2020.

A Arte da Guerra em Duna17 de setembro de 2020.

Guerras e terrorismo: não se deve errar o alvo22 de novembro de 2020.

Dez milhões de dólares por miliciano: A crise do modelo ocidental de guerra limitada de alta tecnologia23 de julho de 2020.

Armas vietnamitas para a Argélia14 de dezembro de 2020.