sexta-feira, 24 de junho de 2022

A força Barkhane realizou uma "grande" operação aerotransportada no Níger.


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 24 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de junho de 2022.

Em 14 de junho, os meios aéreos da força Barkhane foram chamados pelo exército nigerino para intervir contra uma coluna de jihadistas no setor Waraou, uma cidade localizada perto da fronteira com Burkina Faso e onde um posto da gendarmaria acabara de ser atacado. E de acordo com um relatório dado pelo Estado-Maior das forças armadas (État-major des armées, EMA) em seu relatório semanal de operações, mais de quarenta terroristas foram assim “neutralizados”.

No entanto, a EMA não tinha dito nada na altura sobre a operação aerotransportada (opération aéroportéeOAP) realizada no Níger, pelo Grupamento Tático do Deserto (Groupement tactique désertGTD] "Bruno", armado pelo 3º Regimento de Paraquedistas de Infantaria de Marinha (3e Régiment de Parachutistes d’Infanterie de Marine, 3e RPIMa), na noite de de 11 a 12 de junho.

Mais especificamente, e isso é inédito, esta OAP foi realizada em conjunto pela Barkhane e o Batalhão Paraquedista (BAT PARA) das Forças Armadas Nigerinas (Forces armées nigériennesFAN). Concentrou-se na região de In Ates, no norte do Níger. Esta localidade tornou-se infame em dezembro de 2019, com o ataque mortífero lançado pelo Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand SaharaEIGS) contra um acampamento militar nigerino.

"Esta operação faz parte da ação de parceria de combate, incluindo uma fase inicial de treinamento conjunto iniciada em 9 de junho e reunindo cerca de 200 paraquedistas nigerinos e franceses", disse a EMA.

Em detalhe, dois aviões de transporte C-130 Hercules da Força Aérea e Espacial (Armée de l’Air & de l’EspaceAAE) foram mobilizados para lançar, em duas rotações, os 200 paraquedistas franceses e nigerinos. Uma vez no terreno, este último efetuou um controle de zona, antes de prosseguir com um reconhecimento às posições ocupadas pela FAN no setor de In Ates, onde patrulhavam tendo estabelecido uma ligação com o 11º Batalhão de Segurança e Intervenção nigerino (11e Bataillon de sécurité et d’intervention, 11e BSI).

Posteriormente, os marsouins do 3º RPIMa foram transportados por via aérea para Ayorou [o EMA não dá detalhes sobre este assunto… mas é possível que tenham sido solicitados helicópteros de transporte pesado britânicos CH-47 Chinook, nota]. Uma vez "re-motorizados", eles realizaram um reconhecimento até Niamey.

“Com o objetivo de atuar em profundidade, para surpreender o inimigo e exercer pressão permanente sobre ele, esta operação aerotransportada conjunta é a primeira na história de Barkhane”, sublinhou o EMA.

Paraquedistas franceses do 3e RIPMa aguardando a luz verde para saltar na região de Tessalit, no Mali, em 24 de setembro de 2020.

Desde o lançamento das operações Serval e Barkhane, os regimentos da 11ª Brigada Paraquedista (11e Brigade Parachutiste11e BP) realizaram diversas operações aéreas no Sahel. Além disso, um dos últimos, realizado em setembro de 2020, mobilizou 80 paraquedistas do 3e RPIMa, na região de Tessalit, no Mali. Na época, justificava-se pelos “alongamentos e restrições de mobilidade impostas pela estação chuvosa”.

No entanto, o 11º BP realizou duas operações aerotransportadas no espaço de poucos dias. Além daquele em que o 3e RPIMa participou no Níger, o 2º Regimento de Paraquedistas Estrangeiros (2e Régiment Étranger de Parachutistes2e REP) estava engajado na Operação Thunder Lynx na Estônia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário