Mostrando postagens com marcador Paraquedismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Paraquedismo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Tarn-et-Garonne/Lot: 3.000 paraquedistas mobilizados para um exercício militar franco-britânico em grande escala

3.000 paraquedistas foram destacados para o exercício Falcon Amarante 21. Impressionante!
(Caporal-chef Tsivadelle / 11ª Brigada Paraquedista)

Por William Bernecker, La Dépêche, 17 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro17 de novembro de 2021.

A 11ª Brigada Paraquedista de Toulouse e o seu homólogo inglês foram mobilizados durante 10 dias para o exercício Falcon Amarante 21. Reportagem em Quercy, entre Lot e Tarn-et-Garonne.

Os paraquedistas poderão respirar. O exercício Falcon Amarante 21 termina esta quinta-feira, dia 18 de novembro. Os soldados percorrem a região "à la verte" há 10 dias, dizem no jargão, ou seja, na natureza e no frio, em condições reais.

Mais de 3.000 soldados foram mobilizados para a ocasião, quase metade dos quais vieram do outro lado do Canal. Uma colaboração no âmbito da A-CJEF (Airborne Combined Joint Expeditionnary Force/Força Expedicionária Conjunta Combinada Aerotransportada), uma cooperação franco-britânica de brigadas de alerta permanentes. Do lado francês, encontramos a 11ª Brigada Paraquedista de Toulouse e, do lado inglês, a 16ª Brigada de Assalto Aéreo de Colchester.

Desde 8 de novembro, cerca de 600 veículos também foram empregados, desde veículos blindados leves até aviões e helicópteros. “Esta é uma implementação de todos os meios do nosso exército”, disse o Capitão Boris da 11e BP.

O objetivo da operação em condições reais é desenvolver "endurecimento e resiliência", bem como "interoperabilidade" para futuros engajamentos comuns: conhecimento mútuo de equipamentos, procedimentos, operação...

Conflitos em tamanho real

Simulações de combate terrestre também marcaram esses dez dias de exercícios.
(Caporal-chef Tsivadelle / 11ª Brigada Paraquedista)

O exercício começou com uma "primeira entrada" no conflito, um assalto aéreo em direção a Toulouse. 600 paraquedistas então saltaram em Caylus para tomar o campo de Jean-Couzy. Os soldados então perseguiram as milícias inimigas (interpretadas por outros soldados) até as margens do rio Lot. A luta então mudou para alta intensidade, contra um inimigo "endurecido".

Aqui, nos vales de Quercy, os paraquedistas já não combatem contra milícias, mas sim contra forças armadas com meios, por exemplo veículos blindados. Eles então praticaram uma manobra de canalização, "explodindo as pontes" para atrair o inimigo aonde eles queriam. Um exercício pontuado por armadilhas, com incidentes diários: emboscadas, ataques químicos, etc.

A 11e BP certamente poderá contar com o seu 17e RGP de Montauban para pousar uma aeronave no meio da vegetação, embarcar forças e partir, provando assim uma capacidade de reprojeção para centenas de quilômetros.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

PERFIL: General Caillaud, o Soldado do Incomum

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire OPEX360, 26 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de outubro de 2021.

“Soldado do Incomum”, o General Robert Caillaud deu seu nome à 207ª turma da ESM Saint-Cyr.

Quer seja para cadetes oficiais como para cadetes suboficiais, o baptismo de promoção é sempre um momento especial, pois constitui um forte sinal de identidade e pertencimento.

Além disso, a escolha do “patrocinador” é decisiva. E aconteceu que foi passível de cautela, pois em novembro de 2018, quando o Chefe do Estado-Maior do Exército, que era o General Jean-Pierre Bosser, decidiu “rebatizar” a promoção “General Loustanau-Lacau” da Escola Militar Especial (École spéciale militaireESM), por causa das simpatias políticas que manifestou na década de 1930.

Durante o Triunfo 2021 da Academia Militar de Saint-Cyr Coëtquidan, organizado no dia 24 de julho, a 60ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École militaire interarmesEMIA) deu-se como padrinho o General Jean-Baptiste Eblé, que se destacou durante as guerras da Revolução e do 1º Império.

Já a 207ª turma da ESM fez uma escolha mais contemporânea, com o General Robert Caillaud. E tendo em vista o registro de serviço deste último, questiona-se por que seu nome não foi escolhido anteriormente...

Saint-cyrien da promoção Charles de Foucauld (1941-42), e quando ele tinha acabado de obter sua "ficelle" como segundo-tenente, Robert Caillaud retornou à sua Auvergne natal e se juntou à Resistência. Assim, dentro de seus maquis, participou das lutas pela Libertação, inclusive da ponte Decize, que culminou com a rendição da coluna do General Botho Elster.

A “Divisão Auvergne” estando integrada no 1º Exército do General de Lattre de Tassigny, o jovem oficial participou nas campanhas da Alsácia e da Alemanha, durante as quais, segundo a Federação das Sociedades de Veteranos da Legião Estrangeira (Fédération des sociétés d’anciens de la Légion étrangèreFSALE) , ele mostrou um "gosto definitivo por soluções originais" que marcariam o resto de sua carreira. Um deles terá sido formar uma seção de reconhecimento em profundidade com Jipes.

A Legião Estrangeira precisamente... Promovido a tenente no final da guerra e contando três citações em sua Croix de Guerre, Robert Caillaud decidiu ingressar em suas fileiras. Depois de um curto período em Sidi Bel Abbès, na Argélia, foi designado para o 2º Regimento Estrangeiro de Infantaria (2e Régiment Étranger d’Infanterie, 2e REI), com o qual desembarcou em Saigon. Durante dois anos, distinguir-se-á pelas qualidades militares mas também pela capacidade de pensar fora da caixa, criando, por exemplo, um pelotão a cavalo. Isso fará com que ele ganhe mais quatro citações e a Legião de Honra, aos 27 anos.

Retornando à Argélia em 1948, o oficial recebeu a missão de formar a 1ª companhia do 2 ° Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas (2e Bataillon Étranger de Parachutistes, 2e BEP). Em seguida, ele voltou para a Indochina com sua nova unidade em fevereiro do ano seguinte. Em dezembro de 1949, à frente da 1ª companhia, saltou, à noite e em condições difíceis, sobre a guarnição de Tra Vinh, então cercada por três regimentos Viet-Minh. Ao custo de três mortos entre os legionários, o ataque inimigo será repelido.

Durante esta segunda estadia na Indochina, o Capitão Caillaud foi ferido duas vezes. Em 1954, e depois de ter comandado o 3e BEP, regressou ao Extremo Oriente. Lá, ele se ofereceu para fazer parte da equipe do grupo aerotransportado do Coronel Langlais em Dien Bien Phu. Ao lado do Comandante Marcel Bigeard, ele organizou os contra-ataques. O resto é conhecido: o campo entrincheirado francês acaba caindo. Então começou um longo período de cativeiro nos campos do Viet-Minh. “Sua conduta no cativeiro no Campo nº 1 será exemplar, marcada por seu apoio aos mais fracos e sua recusa em se comprometer com o adversário”, disse Jean-Pierre Simon, seu biógrafo.

Le Général Caillaud: Soldat de l'insolite.
Jean-Pierre Simon.

Depois de libertado, o oficial foi designado para o 2e REP, tendo participado em inúmeras operações na Argélia. Ele ganha três novas citações. Retirado dos eventos de Argel (golpe dos generais em abril de 1961) devido ao seu destacamento para o estado-maior das Tropas Aerotransportadas (Troupes Aéroportées, TAP), foi nomeado oficial de ligação e instrutor paraquedista na Alemanha.

Depois, em maio de 1963, promovido a tenente-coronel, passou a comandante do 2e REP, então instalado em Bou-Sfer, a fim de garantir a segurança da base de Mers-el-Kébir. Começou então a “Revolução Caillaud”, que vai dar a cara que esta unidade tem hoje. “Ele é o principal ator na corrida pela inovação do regimento e pela especialização das seções que permite às companhias cumprirem de imediato as mais diversas missões”, escreve a FSALE.

“Nunca, talvez, Robert Caillaud tenha sentido a que ponto semeou tão abundantemente. Nunca, sem dúvida, ele foi capaz de testar, inventar, criar, exigir e receber tanto desta valiosa tropa, que soube fazer vibrar. Sempre carregou consigo esta pedra que queria cortar e esculpir à medida do que era, pedra angular de toda uma vida, obra magistral que deixamos em vestígios indeléveis”, abunda Jean-Pierre Simon.

Depois de uma (breve) passagem no estado-maior das Forças Aliadas na Europa Central e, em seguida, no Gabinete de Tropas Aerotransportadas e Anfíbias do Departamento Técnico de Armas, o Coronel Caillaud assumiu o comando da Escola de Tropas Aerotransportadas (ETAP) em 1972. Lá, ele passou seu brevê de salto operacional de alta altitude. Ele tinha então 52 anos (o que o tornará o mais velho dos saltadores operacionais). Promovido a general três anos depois, assumiu as rédeas da 1ª Brigada de Paraquedistas (1ere Brigade parachutiste, 1ere BP), antes de encerrar a carreira militar no estado-maior da 11ª Divisão Paraquedista (11e Division Parachutiste, 11e DP) em 1978.

O General Caillaud faleceu em 1995. Foi Grande Oficial da Legião de Honra, titular da Croix de Guerre 1939-1945 com três citações, da Croix de Guerre des T.O.E. com oito citações incluindo três na ordem do exército, a Cruz Militar do Valor com três citações incluindo duas para a ordem do exército.

GALERIA: Primeiro salto de um pelotão de paraquedistas femininas chinesas

Instrutores de paraquedismo designados verificam as mochilas das paraquedistas.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de outubro de 2021.

Salto inaugural de um pelotão de paraquedistas femininas da Força Aérea chinesa em 11 de dezembro de 2019. No sistema chinês, as forças paraquedistas são parte da aeronáutica, que por sua vez é parte do conjunto das forças armadas chamado Exército de Libertação do Povo Chinês.

O exercício foi fotografado por Min Yuxiang para o China Military.

Uma instrutora de paraquedismo designada para uma unidade de treinamento dá um "okay" através de um gesto com o polegar para inspirar uma nova paraquedista antes de seu primeiro salto em queda livre.

As mulheres paraquedistas embarcadas para o seu primeiro salto de paraquedas.

Chuva de velame.

Uma paraquedista desce ao solo na Zona de Lançamento (ZL).

As paraquedistas descem ao solo na ZL sucessivamente em meio aos instrutores.

Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:


sábado, 18 de setembro de 2021

GALERIA: Cavaleiras paraquedistas da Rússia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de agosto de 2021.

Cenas de treinamento equestre das cadetes femininas da Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan (RGVVDKU), em 14 de outubro de 2020.

A Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan é um instituto educacional militar do Ministério da Defesa da Rússia. Foi formada pela primeira vez como Cursos de Infantaria de Ryazan em 13 de novembro de 1918 - portanto, é uma das mais antigas academias militares ativas na Rússia moderna. É a academia militar oficial e o centro de treinamento avançado das Forças Aerotransportadas Russas.

No sistema russo, os paraquedistas servem em uma força separada, atualmente contando mais de 72 mil paraquedistas (profissionais e conscritos). As cadetes usam o uniforme padrão dos paraquedistas, com as boinas azul celeste e as camisas de marinheiro com listras azuis (telnyashka); elas foram acompanhadas durante o exercício por um punhado de colegas do sexo masculino. O armamento portado é o fuzil AK-74M, de uso padrão nas forças russas.




















Bibliografia recomendada:

A guerra não tem rosto de mulher.
Svetlana Aleksiévitch.

Leitura recomendada:







quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








terça-feira, 14 de setembro de 2021

NOHED: As Forças Especiais do Irã


Por Eren Ersozoglu, Grey Dynamics3 de setembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de setembro de 2021.


Principais descobertas sobre a NOHED:

Brigada de “Forças Especiais Aerotransportadas” NOHED, estabelecida em 1959 como parte das Forças Especiais Imperiais do Irã. As Forças Especiais dos EUA durante a década de 1960, antes da Revolução Iraniana de 1979, treinaram o grupo. O Irã utilizou principalmente o NOHED na Guerra Irã-Iraque (1980-88).

O Coronel Holako Ahmadian liderou o grupo. A brigada é a elite das unidades de forças especiais do Irã. Em 4 de abril de 2016, as autoridades anunciaram oficialmente que a NOHED estava presente na Síria para apoiar o governo Assad na Guerra Civil Síria. A narrativa oficial era de desdobramento "consultivo".

Fontes não-oficiais de altas fatalidades sofridas pela unidade aumentam a improbabilidade dessa narrativa. O general iraniano Ali Arasteh apoiou esta avaliação. Ele afirmou que comandos e atiradores de elite (snipers) de suas forças armadas podem ser usados como "conselheiros militares".

É altamente provável que a NOHED permaneça na Síria em uma capacidade consultiva e operacional.

A NOHED, em uníssono com o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) e a secreta Força Quds, tem estado muito ativa na Síria. Este artigo de inteligência da Grey Dynamics analisa a unidade de forças especiais do Irã, fornecendo informações básicas, capacidades e presença na Síria.

Operadores da NOHED no Curdistão durante a Guerra Irã-Iraque.

Os Boinas Verdes do Irã

As raízes da NOHED remontam a 1953, quando oficiais do Exército Imperial Iraniano participaram de treinamento de paraquedismo na França. O Batalhão de Paraquedistas foi estabelecido em 1959, uma reforma da Unidade de Paraquedistas criada pelos oficiais treinados na França. Esta unidade tornou-se a 23ª Brigada de Forças Especiais Aerotransportadas em 1970, adotando as boinas verdes de estilo americano. O emblema da unidade até espelhava de forma quase idêntica (antes da Revolução Iraniana) a insígnia De oppresso liber das Forças Especiais do Exército dos EUA. Isso foi o resultado do envio de quatro destacamentos operacionais de operadores de forças especiais pelos EUA para treinar o pessoal militar do Irã na década de 1960. Parte desse treinamento incluiu a 65ª Brigada de Força Especial Aerotransportada do Irã, que agora é chamada de 65ª Brigada NOHED, um componente-chave das forças especiais iranianas. A brigada é dividida em quatro unidades principais: resgate de reféns, operações psicológicas, apoio e guerra irregular.

Comandos boinas verdes iranianos.

Treinamento

Passar no treinamento para a unidade de forças especiais do Irã, apelidada de "fantasmas poderosos" dentro do exército iraniano, é extremamente difícil. Aqueles que passam no treinamento inicial de paraquedismo passam períodos de treinamento em desertos, florestas, neve, mar e montanhas. Este estágio visa cultivar a capacidade de engajar efetivamente os adversários em qualquer ambiente. Obtidos os pontos necessários nesta etapa, dá-se início à etapa de especialização. Por exemplo, a Unidade de Resgate de Reféns (Unidade-110) provavelmente envolveria ênfase no arrombamento e eliminação de bombas. Outra seção do treinamento envolve espionagem, reconhecimento e telecomunicações, bem como guerra irregular. Isso fornece a capacidade para a guerra de guerrilha. Essas características permitem a utilização da NOHED em guerras híbridas/irregulares (Iraque, Síria) para atender aos objetivos do Estado iraniano. Com aproximadamente 5.000 militares, um relatório do Poder Militar do Irã da Agência de Inteligência de Defesa de 2019 afirmou que a Brigada NOHED é a elite das forças especiais iranianas.

A Unidade de Resgate de Reféns (Unidade-110) da NOHED durante um exercício de missão de resgate de reféns, o homem da frente armado de submetralhadora Uzi.

Lista de Ataques

Ao longo da história da unidade de forças especiais iranianas, a Brigada NOHED estabeleceu sua reputação dentro dos círculos militares iranianos com ações realizadas em teatros de guerra:
  • Primeira experiência de combate na Guerra Civil de Omã 1963-76.
  • Supressão da revolta do Khuzistão de 1979.
  • Rompimento do cerco de Abadan (1980-81) durante a Guerra Irã-Iraque, as forças iraquianas que lançaram um ataque surpresa em território iraniano foram retidas com sucesso pela 23ª Brigada de Forças Especiais Aerotransportadas.
  • Durante a Guerra Irã-Iraque, a unidade conseguiu manter posições estratégicas em Dopaza e Laklak, apesar dos ataques químicos do Iraque.
  • Em uma operação simulada, a 65ª tomou e capturou centros estratégicos importantes pela capital Teerã, alcançando o sucesso da missão em 2 horas.
Existem vários relatos não-confirmados de operações clandestinas no Afeganistão e no Paquistão. No entanto, não está claro até que ponto as capacidades de guerra irregular desta unidade ocorreram ao longo da história recente.

 A pegada na Síria

A Guerra Civil Síria de 2011 levou ao governo de Assad, grupos de oposição, forças estrangeiras proxy (terceirizadas), Forças Democráticas Sírias Curdas (SDF) e forças do Estado Islâmico a ficarem engalfinhados em um conflito em curso. Um dos muitos países envolvidos foi o Irã, fornecendo ao governo Assad apoio monetário, logístico, militar e diplomático. Em abril de 2016, o brigadeiro-general iraniano Ali Aratesh informou à Agência de Notícias Tasnim que assessores da 65ª Brigada NOHED estavam estacionados na Síria. O que significa que é provável que a unidade das forças especiais do Irã estivesse presente já em 2011-12, quando oficiais de inteligência ocidentais afirmaram que 150 membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) estavam presentes na Síria para apoiar Assad.

Em 10 de abril de 2016, reportagens afirmavam que beligerantes assassinaram um sargento da NOHED na Síria. Desde então, a atividade iraniana aumentou significativamente na Síria. Relatórios não-confirmados mostram pelo menos 30 membros da NOHED mortos apenas em 2016. O Irã utiliza combatentes xiitas do Afeganistão, Iraque, Paquistão, bem como o notório proxy Hezbollah. As forças militares apoiadas pelo Irã controlam os arredores de Damasco, com várias bases na Síria. A Síria está sofrendo com uma guerra contínua em um ambiente altamente volátil e com numerosos interesses. É nesse ambiente irregular que a Brigada NOHED foi treinada para operar e, sem dúvida, será utilizada.


Eren Ersozoglu é analista da Grey Dynamics. Ex-graduado em história pela Coventry University com foco em ligações entre terrorismo e crime organizado e estudos de inteligência e segurança, graduou-se na Brunel University.

Bibliografia recomendada:

World Special Forces Insignia.
Gordon L. Rottman e Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

É por isso que as Forças Especiais do Irã ainda usam boinas verdes, 4 de janeiro de 2020.

COMENTÁRIO: O treinamento militar do Irã de acordo com um iraniano, 5 de fevereiro de 2021.

GALERIA: A Uzi iraniana3 de março de 2020.

A influência iraniana na América Latina, 15 de setembro de 2020.

O papel da América Latina em armar o Irã16 de setembro de 2020.

A Venezuela está comprando petróleo iraniano com aviões cheios de ouro, 8 de novembro de 2020.

Irã envia a maior frota de petroleiros de todos os tempos para a Venezuela15 de dezembro de 2020.

O desafio estratégico do Irã e da Venezuela com as sanções13 de setembro de 2020.

As Forças de Defesa de Israel fazem uma abordagem ampla ao lidar com a ameaça iraniana16 de dezembro de 2020.

Com a série de espiões "Teerã", os israelenses alcançam um inimigo1º de outubro de 2020.

terça-feira, 31 de agosto de 2021

O último soldado americano deixa o Afeganistão

Último soldado americano a deixar o Afeganistão.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de agosto de 2021.

Foto do último soldado americano deixando o Afeganistão publicada pelo Comando Central Americano (United States Central Command, US CENTCOM), com o quartel-general baseado em Tampa na Flórida, mas responsável pelo Oriente Médio, Egito, Ásia Central e partes do Sul da Ásia; sendo o comando responsável pelo Afeganistão.

"O último soldado americano deixa o Afeganistão.
O General Chris Donahue, comandante da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército dos EUA, embarca em um avião de carga C-17 no Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul, Afeganistão."

A postagem foi retuitada pelo professor Michael Shurkin, da RAND Corporation, com o comentário:

"Se bem me lembro, as primeiras imagens que vimos das tropas americanas no Afeganistão foram de Rangers fazendo uma incursão à noite. Também em verde de visão noturna. Finais de livros apropriados, eu suponho."

Um epitáfio interessante para a saída inglória dos americanos na calada da noite. A incursão citada pelo professor trata-se da Operação Rhino (Rinoceronte), onde uma tropa de 200 homens (um Chalk valor companhia) do 3º Batalhão Ranger fez um salto de combate, na noite de 19 para 20 de outubro de 2001, sobre uma pista de pouso abandonada nas cercanias de Kandahar, a segunda maior cidade no Afeganistão. O salto foi liderado pelo então Coronel Joseph Votel, comandante do batalhão e atualmente um general de quatro estrelas aposentado.

Rangers embarcando em um dos quatro Lockheed MC-130.

A pista de pouso havia sido bombardeada por aviões de ataque AC-130 Combat Talon e outras aeronaves, causando algumas baixas (30-100 mortos) e dispersando os talibãs. Os Rangers saltaram em zero visibilidade sobre a pista de pouso deserta, com um único talibã tentando atirar nos paraquedistas, mas sendo rapidamente morto a tiros. Os Rangers tiveram dois feridos no salto, e mais tarde dois 2 Rangers mortos na queda de um helicóptero sobrevoando em volta da zona de lançamento (ZL) em missão de Busca e Resgate em Combate (Combat Search and RescueCSAR).

Rangers lançam-se no espaço durante a Operação Rhino na noite de 19 para 20 de outubro de 2001.

Vídeo do salto Ranger na Operação Rhino

O salto foi principalmente uma peça de propaganda, com um risco basicamente inexistente, com os únicos dois mortos por acidente de helicóptero - uma certa tradição americana, com as primeiras baixas ocorrendo dessa forma antes mesmo do início da invasão - e uma ZL virtualmente vazia.

A façanha foi repetida na invasão do Iraque, com o salto sem oposição da ZL Bashur sobre a pista de pouso de 2,1km de Bashur, classificada como "base aérea" no norte do Iraque, na Operação Northern Delay (Operação Atraso ao Norte, o que indica seu objetivo). Na noite de 26 de março de 2003, paraquedistas da 173ª Brigada Aerotransportada (173rd Airborne Brigade), partindo da Itália, saltaram sem oposição sobre a pista abandonada e fizeram a baliza dos vôos de re-suprimento em Bashur.

A operação foi classificada como salto de combate pelo Exército, embora a zona de lançamento já estivesse protegida por forças curdas aconselhadas por forças especiais americanas. O salto, comandado pelo Coronel William Mayville Jr., levou um total de 58 segundos, embora 32 paraquedistas não tenham conseguido saltar porque teriam pousado muito longe do resto da força.

Segundo o Comando americano, a presença dos paraquedistas forçou o Exército iraquiano a manter aproximadamente seis divisões na área para proteger seu flanco norte, fornecendo alívio estratégico para as Forças da Coalizão avançando em Bagdá a partir do sul. A força acabou espalhada em uma zona de lançamento de mais de 9km e levou 15 horas antes de estar completamente reunida. Nas semanas anteriores havia chovido forte e a lama criou problemas para quem saltava. Os paraquedistas protegeram a pista de pouso, permitindo que os aviões C-17 pousassem e trouxessem blindados pesados e os contingentes do 1º Batalhão do 63º Regimento Blindado.

O salto sobre Bashur

Uma força total de 996 ou 969 Sky Soldiers saltaram no dia em 10 Chalks ("Giz"), apelido para o grupo total dentro de uma aeronave. Um Chalk geralmente corresponde a uma unidade do tamanho de um pelotão para operações de assalto aeromóvel (helitransportado) ou a uma organização igual ou abaixo da companhia para operações paraquedistas. Para operações de transporte aéreo, pode consistir em uma unidade igual ou maior que uma companhia. Freqüentemente, uma carga de paraquedistas em uma aeronave, preparada para um salto, também é chamada de Stick.

O termo Chalk foi cunhado pela primeira vez na Segunda Guerra Mundial para tropas aerotransportadas durante a Operação Overlord, a invasão aliada da Europa. O número de vôo da aeronave era colocado nas costas das tropas com giz. Mais tarde, foi usado durante a Guerra do Vietnã, quando era prática comum numerar com giz as laterais dos helicópteros envolvidos em uma operação. No 75º Regimento Ranger do Exército Americano, eles usam o termo Chalk desde uma formação do tamanho de uma companhia ou tão pequena quanto uma esquadra-de-tiro de quatro homens; a menor formação tática.

Bibliografia recomendada:

82nd Airborne.
Fred Pushies.

AIRBORNE:
A Guided Tour of an Airborne Task Force.
Tom Clancy.

Leitura recomendada: