Mostrando postagens com marcador Estado Islâmico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estado Islâmico. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 24 de junho de 2022

A força Barkhane realizou uma "grande" operação aerotransportada no Níger.


Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 24 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de junho de 2022.

Em 14 de junho, os meios aéreos da força Barkhane foram chamados pelo exército nigerino para intervir contra uma coluna de jihadistas no setor Waraou, uma cidade localizada perto da fronteira com Burkina Faso e onde um posto da gendarmaria acabara de ser atacado. E de acordo com um relatório dado pelo Estado-Maior das forças armadas (État-major des armées, EMA) em seu relatório semanal de operações, mais de quarenta terroristas foram assim “neutralizados”.

No entanto, a EMA não tinha dito nada na altura sobre a operação aerotransportada (opération aéroportéeOAP) realizada no Níger, pelo Grupamento Tático do Deserto (Groupement tactique désertGTD] "Bruno", armado pelo 3º Regimento de Paraquedistas de Infantaria de Marinha (3e Régiment de Parachutistes d’Infanterie de Marine, 3e RPIMa), na noite de de 11 a 12 de junho.

Mais especificamente, e isso é inédito, esta OAP foi realizada em conjunto pela Barkhane e o Batalhão Paraquedista (BAT PARA) das Forças Armadas Nigerinas (Forces armées nigériennesFAN). Concentrou-se na região de In Ates, no norte do Níger. Esta localidade tornou-se infame em dezembro de 2019, com o ataque mortífero lançado pelo Estado Islâmico no Grande Saara (État islamique au grand SaharaEIGS) contra um acampamento militar nigerino.

"Esta operação faz parte da ação de parceria de combate, incluindo uma fase inicial de treinamento conjunto iniciada em 9 de junho e reunindo cerca de 200 paraquedistas nigerinos e franceses", disse a EMA.

Em detalhe, dois aviões de transporte C-130 Hercules da Força Aérea e Espacial (Armée de l’Air & de l’EspaceAAE) foram mobilizados para lançar, em duas rotações, os 200 paraquedistas franceses e nigerinos. Uma vez no terreno, este último efetuou um controle de zona, antes de prosseguir com um reconhecimento às posições ocupadas pela FAN no setor de In Ates, onde patrulhavam tendo estabelecido uma ligação com o 11º Batalhão de Segurança e Intervenção nigerino (11e Bataillon de sécurité et d’intervention, 11e BSI).

Posteriormente, os marsouins do 3º RPIMa foram transportados por via aérea para Ayorou [o EMA não dá detalhes sobre este assunto… mas é possível que tenham sido solicitados helicópteros de transporte pesado britânicos CH-47 Chinook, nota]. Uma vez "re-motorizados", eles realizaram um reconhecimento até Niamey.

“Com o objetivo de atuar em profundidade, para surpreender o inimigo e exercer pressão permanente sobre ele, esta operação aerotransportada conjunta é a primeira na história de Barkhane”, sublinhou o EMA.

Paraquedistas franceses do 3e RIPMa aguardando a luz verde para saltar na região de Tessalit, no Mali, em 24 de setembro de 2020.

Desde o lançamento das operações Serval e Barkhane, os regimentos da 11ª Brigada Paraquedista (11e Brigade Parachutiste11e BP) realizaram diversas operações aéreas no Sahel. Além disso, um dos últimos, realizado em setembro de 2020, mobilizou 80 paraquedistas do 3e RPIMa, na região de Tessalit, no Mali. Na época, justificava-se pelos “alongamentos e restrições de mobilidade impostas pela estação chuvosa”.

No entanto, o 11º BP realizou duas operações aerotransportadas no espaço de poucos dias. Além daquele em que o 3e RPIMa participou no Níger, o 2º Regimento de Paraquedistas Estrangeiros (2e Régiment Étranger de Parachutistes2e REP) estava engajado na Operação Thunder Lynx na Estônia.

quarta-feira, 25 de maio de 2022

Conversando com jihadistas: como três líderes comunitários deram um passo ousado em Burkina Faso


Por Sam Mednick, The New Humanitarian, 25 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 25 de maio de 2022.

"Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais."

Nota do editor: Enquanto os governos do Sahel lutam para conter a disseminação da Al-Qaeda e de grupos jihadistas ligados ao chamado Estado Islâmico, algumas comunidades locais deram um passo radical: conversar com os próprios militantes. Com base em meses de reportagens em Burkina Faso e Mali, esta é a quinta de uma série de reportagens que examinam esses esforços. Leia as quatro primeiras aqui, aqui, aqui e aqui.

Ouagadougou

Os crescentes pedidos de abordagens não militares ao conflito jihadista de Burkina Faso levaram a junta governante do país a oferecer apoio às comunidades locais que dialogam com grupos militantes para evitar o sofrimento e salvar vidas.

Mas quem são os líderes comunitários envolvidos nessas conversas e que tipo de discussões eles estão mantendo? Os diálogos locais são uma medida paliativa ou uma solução de longo prazo que pode conter os ataques jihadistas que deslocaram quase dois milhões de pessoas?

Para tentar responder a essas perguntas, The New Humanitarian realizou raras entrevistas cara a cara com três influentes líderes comunitários burkinabês que organizaram diálogos locais e fizeram pactos com militantes nos últimos dois anos.

Suas histórias envolvem atos de coragem e liderança individual. Mas eles também ressaltam os compromissos desagradáveis a que as comunidades são forçadas à medida que buscam maneiras de sair do conflito.

Grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda e ao chamado Estado Islâmico começaram a se espalhar no país da África Ocidental em 2015 – parte de um esforço mais amplo na região do Sahel, que agora abriga uma das piores crises humanitárias do mundo.

A ideia de negociar com jihadistas – geralmente enquadrados como fanáticos e pouco mais – tem sido um tabu global. As nações ocidentais com pegadas militares no Sahel disseram repetidamente aos governos regionais para não se envolverem em tais negociações.

No entanto, os fracassos das operações militares e intervenções estrangeiras forçaram as comunidades a resolver o problema com as próprias mãos. Desde meados de 2020, dezenas de pactos locais foram firmados com militantes em Burkina Faso e no vizinho Mali.

Os resultados das negociações de Burkina Faso são mistos. As comunidades devem aceitar seguir a dura interpretação dos jihadistas da lei sharia, que recai mais fortemente sobre as mulheres e outros grupos marginalizados.

Alguns pactos também foram quebrados, levando a novos combates, enquanto a trajetória geral do conflito aqui só piorou em meio ao aumento dos abusos de militantes e soldados locais.

Ainda assim, os diálogos resultaram em promessas de segurança de jihadistas que ajudaram milhares de deslocados a voltar para casa. Isso permite que eles cultivem e alimentem suas famílias – especialmente crítico em um ano em que os níveis de fome aumentaram mais de 80%.

E embora o governo anterior – deposto por soldados em janeiro – não tenha dado apoio ou reconhecimento aos mediadores, a atual junta está oferecendo ajuda logística. Ele espera que mais diálogos possam eventualmente levar os jihadistas a depor as armas.

Líderes comunitários disseram ao The New Humanitarian que estão satisfeitos que a junta esteja reconhecendo formalmente seus esforços, embora achem que seria melhor se o governo negociasse diretamente com os militantes. Seus depoimentos seguem abaixo.

Pseudônimos são usados por razões de segurança, enquanto alguns nomes de aldeias e comunas, e alguns outros detalhes, também são obscurecidos para proteger identidades.

Uma carta, uma longa espera e um pequeno sucesso: "Ele sentou na areia e desligou o telefone"

O principal jihadista de Burkina Faso manteve seu público esperando por quase quatro horas antes de chegar a um pedaço de deserto nos arredores da cidade de Nassoumbou, no norte. Era julho de 2021 e o militante, Jafar Dicko, concordou em conversar com líderes comunitários cansados.

Portando uma arma e vestido com um lenço na cabeça que cobria tudo, menos a boca, Dicko – cujo irmão fundou o primeiro grupo jihadista nacional – tinha uma presença imponente. No entanto, o líder era tímido e atencioso, de acordo com os participantes da reunião.

“Ele se sentou na areia e desligou o telefone para ouvir o que as pessoas estavam dizendo”, disse Hassan Boly, um líder comunitário que estava na reunião de julho. “Jafar era modesto, não dava ordens, não se exibia”, acrescentou Boly.

A primeira vez que os líderes de Nassoumbou contataram os jihadistas foi em 2018, quando os militantes começaram a intensificar os ataques. Sem saber com quem entrar em contato, os moradores escreveram cartas e as postaram em mesquitas abandonadas no mato, esperando que os combatentes pudessem vê-las.

Pouco depois de fazer isso, os jihadistas ligaram para a comunidade e aceitaram uma reunião. No entanto, essas conversas renderam pouco, pois os militantes recusaram os pedidos para reabrir as escolas fechadas e depois não se comprometeram com os pedidos de conversas de acompanhamento.

As coisas mudaram, no entanto, em julho passado, quando os militantes concordaram em se reunir novamente. Não está claro o que mudou de ideia, embora as discussões tenham coincidido com iniciativas de diálogo semelhantes que começaram em outras partes de Burkina Faso.

Não sabendo com quem entrar em contato, os locais escreveram cartas e postaram-nas em mesquitas abandonadas no mato, na esperança que combatentes de passagem talvez as vissem.

A reunião de julho ocorreu a cerca de quatro quilômetros da principal cidade de Nassoumbou. Boly liderou um grupo de 15 líderes comunitários que foram servidos com iogurte e refrigerante por jihadistas enquanto esperavam a chegada de Dicko e seus guardas.

Durante o encontro, Boly perguntou aos jihadistas se eles aceitariam a abertura de escolas onde as aulas são ministradas em francês. Dicko disse que essas escolas não faziam parte da visão dos jihadistas, mas que quem quisesse ensinar seus filhos em árabe era bem-vindo.

Os líderes comunitários também pediram a Dicko que deixasse as pessoas retornarem à comuna de Nassoumbou para que pudessem reconstruir suas vidas. “A equipe de negociação implorou aos jihadistas que permitissem que as pessoas voltassem a cultivar suas plantações”, disse Boly.

Desta vez, o jihadista aceitou, embora Dicko tenha dito que a principal cidade de Nassoumbou estava fora dos limites porque os moradores de lá já haviam se juntado a milícias pró-governo que lutaram contra os militantes.

Cerca de 70 por cento da comuna acabou voltando para casa após a reunião, de acordo com Boly. Elas foram feitas para seguir a interpretação estrita da sharia pelos jihadistas, mas muitos ainda se sentiram seguros de que os combatentes não queriam matá-los.

“Descobrimos que os jihadistas têm alguns valores morais, como hospitalidade e consideração”, disse Boly, 65 anos, pai de 12 filhos e com experiência na política local.

As conversas com os militantes continuaram após o diálogo inicial, embora os jihadistas insistissem que os pontos de discussão fossem enviados com antecedência e raramente estivessem dispostos a se desviar da agenda planejada.

Por exemplo, em uma ocasião Boly organizou uma reunião para obter permissão para acessar uma área controlada por jihadistas, onde ele precisava entregar remédios a um homem que cuidava de seu gado.

Durante esse encontro, Boly apelou aos jihadistas para que largassem suas armas e voltassem para casa pacificamente. Mas os jihadistas disseram que esse assunto não havia sido agendado e, por isso, não podiam falar sobre ele.

Ainda assim, Boly não acredita que tais assuntos estejam completamente fora da mesa. “Jafar pode mudar um dia”, disse o líder comunitário. “Se algumas pessoas com habilidades de negociação falassem continuamente com ele, [ele] poderia mudar.”

Um encontro amigável e uma trégua frágil: "Como está seu irmão? Como está seu filho?"

O líder comunitário Ali Barry disse que a comunicação ad hoc com os jihadistas começou em sua comuna do norte em 2019. Na época, Barry recebia telefonemas caóticos de combatentes se apresentando como "pessoas do mato".

Às vezes, os militantes lhe perguntavam se a comunidade tinha visto suas vacas perdidas; outras vezes, eles reclamavam que as pessoas estavam derrubando árvores em áreas controladas pelos combatentes. Barry então conectaria os jihadistas com líderes na área relevante.

No entanto, no final de 2019, a situação estava se deteriorando. Os jihadistas estavam roubando as colheitas das pessoas e milhares fugiam para cidades mais seguras. Barry e outros líderes comunitários decidiram, portanto, que precisavam encontrar os jihadistas cara a cara.

No início de 2020, a comuna do norte criou uma equipe de negociação que incluía líderes tradicionais e combatentes que se juntaram às milícias antijihadistas. As autoridades locais, no entanto, ficaram de fora, por medo de interferirem negativamente.

Organizar uma reunião não foi fácil. Várias datas acordadas foram canceladas e os militantes continuaram mudando de ideia sobre onde realizar as negociações. “Talvez eles tenham pensado que queríamos armar uma armadilha contra eles”, refletiu Barry sobre os atrasos.

Finalmente, em junho de 2020, a equipe de negociação se reuniu com cerca de 15 jihadistas. Alguns combatentes pareciam fracos e estavam sofrendo para segurar suas armas, lembrou Barry. “Era como se você estivesse assistindo a um filme”, disse ele.

Barry disse aos jihadistas que sua comunidade queria encontrar uma maneira de salvar vidas e coexistir pacificamente. Ele acrescentou que o contato direto era preferível do que a comunicação por meio de mensageiros de terceiros.

“Temos um ditado em nossa língua: ‘Quando você fala um com o outro estando longe um do outro, é como se estivesse jogando pedras um no outro’”, disse Barry, que tem 47 anos e também está envolvido na política local.

"Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado. Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito."

Os jihadistas falaram pouco durante a reunião, que durou apenas 10 minutos. E, no entanto, de acordo com Barry, as negociações iniciaram vários meses de relativa calma quando os militantes de repente se tornaram “mais prestativos e tolerantes”.

Discussões telefônicas subsequentes também tornaram a vida um pouco mais suportável. Quando uma comuna vizinha foi atacada um dia e escritórios do governo foram saqueados, a comunidade chamou os jihadistas para reclamar. Três dias depois, tudo foi devolvido.

Mais reuniões presenciais também foram realizadas em 2021, com as discussões se tornando mais longas e profundas. Em uma reunião, a comunidade pediu que as restrições de acesso a um mercado local fossem removidas e que os jihadistas parassem de se casar à força com mulheres locais.

Os jihadistas, no entanto, não atenderam a todos os pedidos da comunidade. Líderes de um vilarejo da comuna pediram permissão para retornar às casas de onde haviam fugido anteriormente, mas os jihadistas recusaram-se sem explicar o motivo.

Nem Barry sentiu qualquer remorso dos jihadistas pela dor que infligiram às pessoas. "Os terroristas não acham que o que estão fazendo é errado", disse ele. “Eles acham que estão reivindicando algo que é seu direito.”

Ainda assim, todos apertavam as mãos após as reuniões e parabenizavam uns aos outros por arranjarem tempo para conversar. E os jihadistas até perguntavam sobre pessoas que conheciam em casa. "Como esta seu irmão? Como está seu filho?" Barry se lembrou deles perguntando.

Essa familiaridade foi o que mais impressionou o líder local nas conversas. Quando os militantes se espalharam pela primeira vez em sua comuna em 2015, os moradores presumiram que eram de países vizinhos como Mali – que luta contra a violência extremista desde 2012.

Essa percepção mudou à medida que os moradores recebiam ligações de parentes que se juntaram aos militantes, enquanto os encontros presenciais deixavam as coisas ainda mais claras. Em um diálogo, Barry disse que até reconheceu um adolescente cuja circuncisão ele havia participado.

“Você espera ver estrangeiros, algumas pessoas que você não conhece”, disse o líder comunitário. “[Mas] ver jovens lutando como jihadistas me diz que nossas comunidades são frágeis.”

As negociações também se mostraram frágeis. Em novembro de 2021, jihadistas exigiram que o exército deixasse a principal cidade da comuna de Barry, argumentando que eles assumiriam o controle da segurança. Quando o exército recusou, os combates recomeçaram em toda a comuna e os moradores fugiram.

O The New Humanitarian não conseguiu entrar em contato com Barry nos últimos meses para descobrir exatamente como esses confrontos afetaram as negociações locais. Ainda assim, o líder comunitário sempre duvidou que o cessar-fogo durasse.

Ele disse que as comunas vizinhas não tinham esses pactos, o que tornava difícil manter qualquer tipo de paz na área mais ampla. “Se a casa do seu vizinho estiver pegando fogo, você deve se preparar [para o fogo se espalhar]”, disse Barry.

Sentimentos mistos e um velho conhecido: "Eles nunca declararam claramente o que queriam"

Era de manhã cedo em março de 2020 quando Adama Diallo decidiu que estava cansado de esperar que os jihadistas respondessem ao seu pedido de reunião. Então, o homem de 58 anos subiu em sua moto e dirigiu para o mato na direção de uma base militante.

Diallo esperava encontrar um velho conhecido – Amadou Badini – que havia se tornado o líder de um grupo alinhado à Al-Qaeda com base na fronteira com o Mali. Ele esperava que o líder permitisse que sua comunidade voltasse à comuna do norte da qual fugiram em 2019.

Quase 20 anos mais velho, Diallo cresceu com os pais de Badini. Ele viu seu filho se radicalizar com a pregação de Malam Dicko (irmão de Jafar Dicko), que foi morto em 2017.

Diallo tinha visto Badini pela última vez em 2015 e sentiu uma mudança de personagem. Ele estava castigando muçulmanos que não rezavam e pessoas que fumavam. “Estava preocupado com o país quando conheci Badini e seus amigos [na época]. Eu sabia que mais tarde eles teriam armas”, disse Diallo.

Dirigindo para o mato naquela manhã de março, Diallo, que tem 13 filhos, não sabia o que esperar de seu antigo contato. Depois de garantir uma reunião – depois de uma noite dormindo na base militante – as coisas correram mais tranquilamente do que ele suspeitava.

Sentado sob uma árvore em um remoto pedaço de deserto a vários quilômetros da base, Badini foi receptivo. Ele disse que as soluções são mais bem encontradas através do diálogo. Ambos os homens concordaram em se encontrar novamente, embora com mais pessoas presentes.

"Eles nunca declararam claramente o que queriam."

A próxima discussão foi realizada algumas semanas depois. Desta vez, 30 jihadistas sentaram-se diante de 23 líderes comunitários, de acordo com vídeos da reunião de quatro horas e meia vistos pelo The New Humanitarian.

As piadas eram contadas enquanto os jihadistas serviam chá. “Ouvi dizer que quem tomar seu chá vai se juntar a vocês, mas não quero me juntar e viver no mato”, disse Diallo aos militantes. “Eu quero estar em um carro com ar condicionado.”

Durante as discussões, os jihadistas responderam a perguntas sobre por que não reabririam as escolas públicas e se opunham à democracia. Disseram que democracia é “fazer o que agrada a você, não o que agrada a Deus”, lembrou Diallo.

Todos se revezaram falando, incluindo Badini, que disse aos líderes comunitários que eles poderiam retornar à comuna para cultivar seus campos, pastorear seu gado e administrar seus negócios.

Mas Badini estabeleceu condições: as pessoas tinham que viver de acordo com a estrita lei da sharia, com homens cortando suas calças e mulheres usando véus; e ninguém tinha permissão para retornar à cidade principal da comuna, onde o exército tinha uma base que os jihadistas queriam isolar.

Diallo saiu da reunião com emoções misturadas. Por um lado, ele estava seguro de que os jihadistas não queriam sua comunidade morta. Mas ele e outros ficaram frustrados ao saber que sua cidade principal estava fora dos limites.

Diallo também sentiu que seus interlocutores jihadistas estavam perdidos e inseguros pelo que eles estavam realmente lutando. “Eles nunca declararam claramente o que queriam”, disse ele. “Por exemplo, eles nunca disseram se queriam [ocupar] parte do país.”

Ainda assim, os benefícios do diálogo foram percebidos quando milhares de pessoas retornaram às suas aldeias. E daqui para frente, Diallo pretendia usar os parentes e amigos de Badini para convencer o militante a deixar as pessoas retornarem à sede da cidade principal.

“Estamos planejando enviar mais pessoas importantes da comunidade para implorar a Badini que nos deixe voltar”, disse ele. “Pelo menos, depois de falar com eles, ficamos sabendo que eles não vão nos matar.”

Editado por Philip Kleinfeld.

Ilustrações de Sara Cuevas.

sábado, 21 de maio de 2022

Monstros do Desespero: os Sturmpanzers do YPG


Por Stijn Mitzer e Joost Oliemans, Oryx Blog, 7 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de maio de 2022.

Relegado aos anais da história pela maior parte do mundo desde aproximadamente 1918, o YPG, por outro lado, continua sendo um usuário ativo dos chamados Sturmpanzers: plataformas de apoio de infantaria blindada que remetem aos seus homônimos da Segunda Guerra Mundial. De aparência volumosa e monstruosa, esses veículos começaram a simbolizar a resistência do YPG contra as forças do Estado Islâmico e do Exército Sírio Livre que tentaram desalojar o YPG do território que detém no norte da Síria em várias ocasiões. Embora a presença dessas monstruosidades DIY nas fileiras do YPG seja bem reconhecida, poucas tentativas foram feitas para inventariar os tipos de Sturmpanzers em serviço. Portanto, este artigo está muito atrasado.

Comparado a outras grandes facções envolvidas na Guerra Civil Síria, o YPG (Yekîneyên Parastina Gel: Unidades de Proteção Popular, em si a principal facção da aliança das Forças Democráticas Sírias) operou pouco em termos de veículos blindados de combate (AFV). Para compensar a lacuna resultante nas suas capacidades, o YPG tornou-se muito ativo na produção de veículos blindados DIY, geralmente baseados em carregadeiras de esteiras, tratores ou caminhões grandes. A princípio consistindo de estruturas quadradas sobre lagartas – quase parecendo casamatas móveis – o YPG acabaria incorporando vários avanços em seus projetos. Os veículos resultantes, embora limitados em eficácia de inúmeras maneiras, podem realmente ser úteis em determinadas situações.

Sem dúvida, como resultado de uma maior falta de informações sobre as operações de blindados do YPG, pouco se sabe sobre a eficácia de combate dos Sturmpanzers. Embora muitas vezes presente em imagens de propaganda e fotografias tiradas de posições do YPG situadas longe da linha de frente, as imagens dos veículos em ação parecem quase inexistentes. Mesmo o Estado Islâmico (EI), que travou guerra contra as FDS de 2013 a 2017, só conseguiu capturar um exemplar que foi danificado e posteriormente abandonado pelo YPG depois que suas forças foram derrotadas na província de al-Hasakah em 2015.

Origens humildes


Os primeiros Sturmpanzers eram frequentemente baseados em um chassis sobre rodas, para o qual o caminhão basculante provou ser uma base ideal. Embora um chassis sobre rodas possa estar associado a uma diminuição da mobilidade no campo em comparação com suas contrapartes com esteiras, as carregadeiras sobre lagartas nunca foram projetadas com velocidade em mente e, combinadas com a blindagem recém-adicionada, é plausível que alguns dos modelos de esteiras maiores estão limitados a dirigir apenas em superfícies endurecidas. Isso coloca restrições severas em suas capacidades operacionais e dá às plataformas sobre rodas uma vantagem na retenção de alguma capacidade fora da estrada.

A imagem abaixo mostra um caminhão basculante tipicamente modificado, que foi ricamente adornado com uma pintura que consegue pouco além de se destacar do ambiente (a menos que se queira argumentar que instila medo no coração de seus inimigos). No lugar de areia ou resíduos de construção, uma estrutura blindada foi colocada dentro da caixa aberta, abrigando vários soldados de infantaria que podem disparar suas armas pessoais de uma das três janelas de tiro de cada lado. Uma metralhadora pesada DShK de 12,7 mm em uma cúpula blindada foi instalada no topo da cabine, que também foi totalmente coberta com revestimento de metal.


O conceito de um bunker móvel seria continuado com as primeiras versões sobre lagartas do Sturmpanzer. Claramente prestando homenagem (não intencional) ao tanque pesado alemão A7V desdobrado nos campos de batalha da França na Primeira Guerra Mundial, este exemplar em particular estava armado com uma metralhadora KPV de 14,5 mm de disparo frontal, além de armas coletivas usadas pela tripulação que podem ser disparadas das 10(!) janelas de disparo do veículo. Embora estas forneçam quase 360 graus de cobertura do veículo, as armas disparadas delas somente seriam úteis contra inimigos que já se aventuraram no alcance de tiro de RPG do Sturmpanzer. Com sua blindagem leve fornecendo proteção apenas contra fogo de armas portáteis e estilhaços, um RPG quase certamente causaria danos catastróficos ao seu interior, matando seus ocupantes e, assim, parando o Sturmpanzer bruscamente.


Talvez por essa mesma razão, as iterações posteriores quase sempre apresentavam duas torres na frente do Sturmpanzer, que podem girar para fornecer um grau mais amplo de cobertura. O exemplo visto abaixo ilustra bem esses projetos, que parecem estar armados com uma metralhadora pesada KPV de 14,5mm em sua torre esquerda (da nossa perspectiva) e outra de 12,7mm na torre localizada à direita. Além disso, um escudo é colocado no topo da torre esquerda para um tripulante disparar outra arma enquanto permanece em cobertura.


Entrando na batalha como se estivesse em uma era passada, três Sturmpanzers realizam uma "carga" adiante para mais perto do inimigo. O veículo mais próximo da câmera parece ser o mesmo exemplo visto na imagem acima, sugerindo que, apesar das frequentes aparições desses veículos em imagens de propaganda, a produção dessas monstruosidades foi bastante limitada.


Uma fileira de blindados YPG mostra claramente o tamanho gigantesco do tipo maior de Sturmpanzer estacionado na parte traseira. Quase o dobro da altura dos veículos blindados multifuncionais MT-LB estacionados à sua frente, os Sturmpanzers fazem pouco para expandir as capacidades do MT-LB, ou de qualquer outro tipo de AFV. Embora tenha nascido por necessidade, a carreira da maioria dos Sturmpanzers foi surpreendentemente longa, continuando a operar muito depois que veículos de substituição mais adequados, como veículos protegidos contra emboscadas e resistentes a minas (mine-resistant ambush protected vehiclesMRAP), tornaram-se prontamente disponíveis para o YPG/SDF.


Um Sturmpanzer que foi capturado pelo EI perto de Tel Tamir em 2015, que surpreendentemente é a única perda registrada de um desses veículos. Dito isso, sua baixa taxa de perdas também pode ser explicada pelo pequeno número produzido e pelo emprego conservador desses veículos, utilizando-os principalmente em operações de limpeza nos quais havia apoio de infantaria suficiente. Ao contrário da crença popular, os Sturmpanzers nunca foram usados como veículos de rompimento fortemente blindados em batalhas acaloradas com o IS ou o FSA.


A captura do exemplar acima também destaca a fraqueza inerente do projeto: sua baixa mobilidade. Com uma velocidade que provavelmente está bem abaixo de 10 km/h e principalmente limitada a se mover em estradas pavimentadas, qualquer Sturmpanzer que se encontre sob fogo inimigo concentrado teria problemas para fazer uma retirada bem-sucedida, especialmente quando precisa movimentar-se para trás fora do perigo. Em tais situações, abandonar o veículo por completo pode acabar sendo a melhor opção, para a qual a grande porta traseira e as escotilhas de escape na(s) lateral(is) oferecem amplas oportunidades.


Um subconjunto de Sturmpanzers manteve sua lâmina dozer para uso como veículos de engenharia fortemente blindados (AEV), limpando escombros e outras obstruções para permitir que as forças amigas continuassem seu avanço. Aliás, a lâmina dozer também atua como uma camada adicional de blindagem ao enfrentar o inimigo pela frente. Embora este exemplar estivesse desarmado (no entanto, ele vem equipado com duas janelas de tiro em cada lado), outros apresentavam uma torre de metralhadora para afastar possíveis ataques de retardatários inimigos.


Um desses Sturmpanzer AEV foi atingido por uma munição improvisada lançada de um drone quadricóptero do EI em Raqqa em agosto de 2017, resultando em danos desconhecidos à superestrutura blindada. Curiosamente, este exemplar foi erroneamente identificado como um veículo de combate de infantaria BMP (IFV) pelo departamento de mídia do EI responsável pela divulgação da foto.



Além dos projetos maiores, o YPG construiu vários exemplares menores que, após várias iterações de projeto, acabariam como os Sturmpanzers mais capazes construídos. Esta afirmação tem pouca relevância para o primeiro exemplar da série, que embora agora equipado com um sistema de câmeras para melhor consciência situacional, tem seu armamento duplo instalado em uma posição fixa na frente. Isso significa que o veículo teria que mover suas esteiras para se alinhar com o alvo, provavelmente resultando em ser extremamente impreciso e pesado. Outra característica curiosa deste exemplar é uma caixa fixa contendo quatro lançadores de foguetes não-guiados presos ao lado esquerdo do veículo.



Para o benefício do YPG, esse conceito evoluiu rapidamente para um projeto significativamente mais útil, desta vez apresentando uma torre armada com uma metralhadora pesada Tipo 54 de 12,7mm (uma versão chinesa do onipresente DShK soviético) e um total de sete janelas de tiro. Por outro lado, o pequeno tamanho do veículo e a proximidade dos operadores com o motor potencialmente o tornam um pesadelo para operar no clima quente e seco da Síria. Observe também a pequena porta na parte traseira direita do veículo, um dos dois pontos pelos quais a tripulação pode entrar e sair do veículo.



O Soendil.

Uma segunda iteração (chamada Soendil) foi claramente construída em torno do mesmo projeto, mas com uma torre de topo aberto (que, embora forneça menos proteção ao atirador, aumenta muito sua consciência situacional) e outras pequenas diferenças. Este veículo em particular também é um dos poucos Sturmpanzers a serem vistos em ação, fornecendo vigilância e fogo supressivo durante as batalhas de rua quando as FDS começaram a limpar o norte da Síria da presença do Estado Islâmico em 2016.



Ainda outra versão do mesmo projeto apresenta uma torre maior que lembra um pouco a do VBTP 323 norte-coreano. No entanto, sua origem real é menos exótica, já que torres de aparência semelhante já foram vistas em blindados DIY anteriores produzidos pelo YPG. As novas torres agora portam duas metralhadoras em vez de uma, que podem ser trocadas dependendo dos requisitos operacionais ou das armas disponíveis. No caso da segunda imagem, esta consiste em uma metralhadora pesada KPV de 14,5mm e uma metralhadora de apoio geral PK de 7,62mm, enquanto no veículo da terceira imagem são montadas duas KPV.

Transporte blindado sobre lagartas 323 norte-coreano.




O projeto final do Sturmpanzer também é o que mais se aproxima de um AFV completo. Equipado com a torre de um veículo de combate de infantaria BMP-1 e uma metralhadora pesada frontal W85 de 12,7mm montada em uma bola, é bem blindado e fortemente armado, mantendo alguma consciência situacional. A blindagem da gaiola foi adicionada para reduzir a eficácia das ogivas de carga oca, tentando assim proteger contra mais do que apenas armas portáteis e estilhaços, mas o espaçamento próximo ao casco significa que é improvável que seja eficaz. Seu poder de fogo e mobilidade superiores em relação aos projetos anteriores significam que ele pode realmente ter algum valor como veículo de apoio de fogo, mostrando claramente os benefícios de anos de melhorias incrementais no projeto.


Nascidos de puro desespero, os Sturmpanzers do YPG permaneceram por muito mais tempo do que se pensava inicialmente nas condições incrivelmente duras do conflito sem fim na Síria, mesmo quando melhores alternativas na forma de MRAP entregues pelos EUA se tornaram prontamente disponíveis. Talvez a razão de sua resistência esteja em pouco mais do que seu valor de propaganda ou a necessidade de manter os engenheiros do YPG trabalhando, mas na ausência de dados confiáveis, este autor opta por acreditar que é o puro espírito de resiliência que mantém os Sturmpanzers do YPG vivos e em ação.

Bibliografia recomendada:

Kurdish Armour Against ISIS:
YPG/SDF tanks, technicals and AFVs in the Syrian Civil War, 2014–19.
Ed Nash e Alaric Searle.

Leitura recomendada:

domingo, 20 de março de 2022

Por que a Turquia se preocupa com Mossul?

Um combatente curdo Peshmerga mira com a intenção de atirar durante uma batalha com militantes do Estado Islâmico na vila de Topzawa perto de Bashiqa, no Iraque, 24 de outubro de 2016.
(Reuters)

Por Kadir Ustun, Al-Jazeera, 24 de novembro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de novembro de 2022.

A Turquia está procurando proteger seus interesses econômicos e políticos no norte do Iraque enquanto luta contra o PKK e o Estado Islâmico.

Muitos comentaristas parecem perplexos com a disposição da Turquia de fazer parte da operação em andamento em Mossul.

Há uma série de interesses concretos que impulsionam a abordagem da Turquia: limitar a área de operações do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e sua ramificação síria, o YPG; apoiar as forças curdas Peshmerga contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL); proteger os turcomenos; prevenção e gestão de potenciais fluxos de refugiados; e ajudando Mosul a permanecer estável no período pós-EIIL.

A disputa entre Ancara e Bagdá parece emanar do desejo de Bagdá de reduzir a influência turca, sunita e curda em Mossul quando o EIIL for expulso da cidade.

O ex-primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu fala à Al-Jazeera.


Forças turcas no norte do Iraque

A presença militar turca no norte do Iraque, particularmente em Bashiqa, está diretamente ligada à rápida ascensão do Estado Islâmico no verão de 2014. A maioria dos observadores ficaram surpresos com o quão repentina e completa foi a queda de Mossul para o Estado Islâmico, e ficaram chocados com a captura rápida de grandes extensões de terra no Iraque e na Síria. Quando a cidade caiu nas mãos do EIIL, houve sérias preocupações por parte da comunidade internacional de que os militantes pudessem até marchar para Bagdá.

A Turquia há muito cultiva fortes laços econômicos e políticos com o Governo Regional Curdo (KRG), bem como com vários grupos sunitas e turcomanos no Iraque, o que a tornou uma das principais partes interessadas, especialmente no norte do Iraque. Amplos investimentos turcos na região foram diretamente ameaçados pela ascensão do EIIL.

Em junho de 2014, quando capturou Mossul e declarou seu “califado”, o EIIL sequestrou 49 funcionários diplomáticos turcos na cidade, incluindo o cônsul turco. Os esforços de resgate de meses impediram uma ação militar direta da Turquia contra o EIIL até que os reféns foram finalmente libertados em setembro de 2014.

Assim que liberou os reféns turcos, o ISIL cercou a pequena cidade de Kobane, na fronteira sírio-turca, levando novas ondas de refugiados para a Turquia. Em um ato de coordenação militar sem precedentes, a Turquia permitiu que as forças curdas Peshmerga viajassem por seu território para evitar a queda da cidade para o Estado Islâmico. Esta operação lançou as bases para uma cooperação militar mais profunda com o KRG no Iraque.

"A Turquia há muito mantém seu compromisso com a integridade e a unidade do Iraque, já que a possível divisão do país apenas aprofundaria os conflitos e pioraria as perspectivas humanitárias para a região. No entanto, dada a autonomia do KRG e o colapso do pacto político no país desde a invasão dos EUA, para alguns observadores, a integridade do Iraque é agora uma ficção."

Na época, a Turquia estava buscando um processo de reconciliação com o PKK, um esforço apoiado pelo presidente do KRG, Massoud Barzani. A Turquia há muito suspeitava das ambições do Partido da União Democrática (PYD), ligado ao PKK, de criar zonas autônomas de fato no norte da Síria e se opunha à ajuda militar dos EUA aos militantes do YPG.

Apesar das objeções turcas, os EUA continuaram a apoiar o YPG e fecharam os olhos para a criação de cantões autônomos de fato no norte da Síria. Isso continua sendo um ponto sensível nas relações EUA-Turquia, principalmente após o colapso do processo de reconciliação e a retomada dos combates entre a Turquia e o PKK em julho de 2015.

Dois interesses importantes

A recente Operação Escudo do Eufrates da Turquia na Síria visa afastar o EIIL de suas fronteiras e, ao mesmo tempo, frustrar as ambições do PYD de conectar seus cantões. Se o PYD o fizesse, criaria efetivamente um Estado do PKK ao longo da fronteira turca.

Portanto, a insistência da Turquia em sua presença militar em Mossul é guiada por um conjunto de interesses e postura militar semelhantes aos do norte da Síria.

Embora o PKK não tenha o tipo de recursos e legitimidade que o KRG desfruta, sua presença e esforços para ganhar legitimidade como baluarte contra o EIIL são uma grande preocupação para a Turquia. Assim, contrabalançar e limitar as atividades do PKK enquanto apoia o KRG são dois importantes interesses turcos no Iraque.

Carros M60A3 das 5ª e 20ª Brigadas Blindadas na fronteira com a Síria, abrindo fogo contra posições dos YPG, 2016.

A base de Bashiqa foi estabelecida como campo de treinamento militar em março de 2015 após a queda de Mossul e a decisão da Turquia de apoiar o KRG contra o ISIL. O ministro da Defesa turco, Ismet Yilmaz, visitou Bagdá e prometeu apoio ao exército iraquiano e às forças Peshmerga na forma de “equipamento e treinamento” para retomar Mossul do Estado Islâmico.

A Turquia sustenta há muito tempo que a base Bashiqa foi estabelecida com o conhecimento e a aprovação do governo iraquiano.

De fato, o ministro da Defesa iraquiano, Khaled al-Obaidi, é visto em um vídeo ao visitar o acampamento militar. Isso foi certamente em um momento em que o governo iraquiano se sentiu mais ameaçado por uma maior expansão do EIIL e procurou qualquer ajuda que pudesse obter.

Desde então, a coalizão internacional anti-EIIL – da qual a Turquia é membro – parece ter feito alguns progressos na luta contra o EIIL. Como resultado direto, Bagdá ficou mais confortável em sua postura e voltou a atacar a presença turca no norte do Iraque.

A mudança de postura de Bagdá em relação à Turquia

Em dezembro de 2015, o governo iraquiano deu à Turquia um ultimato para retirar suas forças militares de Bashiqa e ameaçou ir ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. A Turquia anunciou que nenhuma tropa adicional seria enviada, mas se recusou a retirar suas forças, uma decisão bem-vinda pelo KRG. Ancara assegurou a Bagdá que as tropas turcas estavam lá para treinar as forças locais Peshmerga contra o EIIL e respeitava a integridade territorial do Iraque.

A Batalha por Mossul: Bagdá e curdos em desacordo sobre o mapa pós-EIIL


Quando o prazo de Bagdá terminou sem a retirada turca, o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi pediu à OTAN que “use sua autoridade para instar a Turquia a se retirar imediatamente do território iraquiano”. Na época, a postura de Abadi contra a Turquia era provavelmente um reflexo da pressão russa sobre o Iraque após a derrubada de um jato russo pela Turquia em novembro de 2015.

Mais recentemente, em outubro de 2016, o primeiro-ministro iraquiano ameaçou novamente ir à ONU devido à presença de soldados turcos em Bashiqa, o que, segundo ele, constitui uma violação da soberania nacional iraquiana.

Suas palavras provocaram uma forte repreensão do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que reiterou a disposição da Turquia de lutar ativamente na iminente operação da coalizão para libertar Mossul. A Turquia prometeu ficar para apoiar a luta contra o ISIL em grande parte por causa de suas fortes relações com grupos árabes sunitas e turcomenos, bem como com o KRG.

Sob Nouri al-Maliki, o governo anterior de Bagdá havia seguido políticas sectárias. Essas políticas e numerosos massacres contra sunitas levaram ao colapso das relações sunitas-xiitas e a um aumento dramático nas tensões sectárias no país. A Turquia tem sido cautelosa com a repetição do mesmo cenário na operação em andamento em Mossul, bem como na Mossul pós-EIIL.

Combatentes do Peshmerga e do YPG em Kobane, 13 de fevereiro de 2015.

A Turquia há muito mantém seu compromisso com a integridade e a unidade do Iraque, já que a possível divisão do país apenas aprofundaria os conflitos e pioraria as perspectivas humanitárias para a região.

No entanto, dada a autonomia que o KRG goza e o colapso do pacto político no país desde a invasão dos EUA, para alguns observadores, a integridade do Iraque é agora uma ficção.

A Turquia está procurando proteger seus interesses econômicos e políticos em relação ao governo do KRG enquanto luta contra o PKK e o EIIL, que continuam a atacar a Turquia.

Em circunstâncias normais, a presença turca no Iraque provavelmente teria violado a soberania do país. Atualmente, porém, a disfunção e o colapso do sistema político iraquiano parecem ter tornado esse ponto discutível.

Kadir Ustun é o Diretor Executivo da Fundação SETA em Washington DC.

Leitura recomendada:





COMENTÁRIO: A Lição Curda, 30 de junho de 2021.

quarta-feira, 9 de março de 2022

Fúria Americana: A verdade sobre as mortes russas na Síria

Sírios em combate em Deir ez-Zor.
(Foto de arquivo)

Por Christoph Reuter, Der Spiegel, 2 de março de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de março de 2022.

Centenas de soldados russos supostamente morreram em ataques aéreos dos EUA no início de fevereiro. Relatórios do Der Spiegel mostram que os eventos provavelmente foram muito diferentes.

Quando se trata de xingar, o homem não se conteve. "Filho da puta" é o palavrão mais suave que sai da boca do membro da milícia enquanto ele reclama furiosamente sobre o inferno criado pelo ataque aéreo americano de horas de duração a sudeste da cidade de Deir ez-Zor. Mesmo enquanto a fumaça continua subindo de SUV queimados ao redor deles, ele e cinco outros homens vieram para remover o corpo estilhaçado de um de seus companheiros combatentes das brasas incandescentes de um prédio bombardeado.

A cena vem de um vídeo de dois minutos do campo de batalha que um dos combatentes fez na tarde de 8 de fevereiro, horas após a tempestade de fogo, e fornecido ao DER SPIEGEL e ao Eufrates Post, um site de notícias que faz cobertura da região. É a primeira documentação fotográfica de uma das batalhas mais misteriosas ainda nesta guerra cada vez mais complexa.

Inicialmente, os militares dos Estados Unidos anunciaram em 8 de fevereiro que haviam atacado "forças pró-regime" de Bashar al-Assad a sudeste da cidade de Deir ez-Zor, para evitar um ataque a uma base pertencente às Forças Democráticas Sírias (FDS) lideradas pelos curdos, que são aliados dos americanos. Os EUA disseram que as forças pró-Assad atacaram a base das FDS com tanques e morteiros. Os EUA revidaram em resposta, alegando ter matado "mais de 100" dos combatentes no que foi descrito como um ato de legítima defesa.

As seguintes cenas de vídeo do local após o ataque aéreo americano em Deir ez-Zor:


Mas quem eram exatamente esses atacantes? E o que realmente aconteceu naquela noite nas pequenas aldeias meio desertas na margem leste do rio Eufrates? As bombas americanas dizimaram as tropas russas? Poderia o ataque ser um presságio de escaramuças entre americanos e russos?

Abaixo: A primeira tentativa de cruzamento da ponte.
Acima: A segunda tentativa de cruzamento da ponte. 

Uma equipe de jornalistas do DER SPIEGEL passou duas semanas entrevistando testemunhas e participantes da batalha. A equipe também conversou com um membro da equipe do único hospital em Deir ez-Zor, bem como com um funcionário do aeroporto militar local, na tentativa de obter uma imagem clara do que aconteceu durante a batalha de três dias.

Os relatos se corroboram amplamente entre si e a imagem dos eventos que surge é uma contradição com o que foi noticiado na mídia russa e internacional.

Às 5 da manhã de 7 de fevereiro, cerca de 250 combatentes ao sul de Deir ez-Zor tentaram cruzar a margem oeste do Eufrates para o leste usando uma ponte de pontão militar. Eles incluíam membros das milícias de duas tribos, os Bekara e os Albo Hamad, que lutam pelo regime de Assad com apoio iraniano, soldados da 4ª Divisão, bem como combatentes afegãos e iraquianos das brigadas Fatimyoun e Zainabiyoun, que estão sob o comando iraniano. Um soldado da 4ª Divisão contou que as unidades passaram uma semana reunidas na propriedade do aeroporto militar. Testemunhas dizem que nenhum mercenário russo participou da tentativa de travessia.

Os americanos e os russos concordaram no ano passado em fazer do rio Eufrates uma linha de "desconflito". As tropas de Assad e seus aliados estão a oeste do rio, enquanto o lado leste é controlado pelas FDS sob a proteção dos americanos. O lado leste abriga uma cadeia de campos produtivos de gás natural geralmente conhecidos como o campo Conoco.

Como tal, os americanos nas margens orientais viram o avanço como um ataque e dispararam uma série de tiros de advertência em direção à ponte. Ninguém ficou ferido e os atacantes se retiraram.

Mas eles não desistiram. Muito depois do anoitecer, cerca de duas vezes mais homens dos mesmos grupos cruzaram outra ponte improvisada alguns quilômetros ao norte, perto do aeroporto militar de Deir ez-Zor. Eles dirigiram sem as luzes acesas para evitar que os drones americanos os detectassem. Desta vez, sem serem detectados, eles chegaram à vila de Marrat, no lado leste. Quando avançaram mais ao sul por volta das 22h, em direção à base das FDS em Khusham, os americanos, cujas forças especiais também estavam estacionadas lá, mais uma vez abriram fogo. E desta vez não eram tiros de advertência. Os EUA disseram em uma declaração dada à CNN que depois de "20 a 30 tiros de artilharia e tanques caíram a 500 metros" do posto de comando das FDS, as forças da coalizão "atacaram os agressores com uma combinação de ataques aéreos e de artilharia".

Isso estava colocando as coisas suavemente. Porque mais ou menos na mesma hora naquela noite, outro grupo de membros da milícia tribal síria e combatentes xiitas veio da aldeia de Tabiya, ao sul, e também atacou a base das FDS. E os americanos contra-atacaram com todo o seu arsenal destrutivo. Eles desdobraram drones equipados com foguetes, helicópteros de combate, aeronaves pesadas AC 130, apelidadas de "barcos canhoneiros", para disparar contra alvos no solo, foguetes e artilharia terrestre.

Eles atacaram durante a noite, seguidos por um ataque na manhã seguinte a um grupo com uma milícia tribal em Tabiya que veio apenas para recuperar os corpos. E em 9 de fevereiro, eles mais uma vez atacaram uma unidade dos mesmos combatentes que surgiram no lado leste do rio.

Uma versão diferente dos eventos

Foi principalmente o segundo ataque noturno da aldeia de Tabiya que desencadeou o paroxismo americano, disseram dois homens pertencentes à milícia al-Baqir da tribo Bekara. Porque além da linha de desconflito, havia também um segundo acordo que permitia a permanência de até 400 combatentes pró-Assad, que permaneceram no lado leste do Eufrates após a batalha de 2017 contra o Estado Islâmico. Pelo menos enquanto não fossem mais de 400 deles e permanecessem em paz. Mas exatamente isso não era mais o caso.

Entre os estacionados em Tabiya estava um pequeno contingente de mercenários russos. Mas as duas fontes da milícia disseram que não participaram dos combates. Ainda assim, eles disseram, 10 a 20 deles de fato perderam suas vidas. Eles disseram que um total de mais de 200 dos agressores morreram, incluindo cerca de 80 soldados sírios da 4ª Divisão, cerca de 100 iraquianos e afegãos e cerca de 70 combatentes tribais, principalmente da milícia al-Baqir.

Tudo aconteceu à noite, e a situação ficou extremamente complicada quando os combatentes de Tabiya entraram na briga. Um funcionário do único grande hospital em Deir ez-Zor diria mais tarde que cerca de uma dúzia de corpos russos foram entregues. Enquanto isso, um funcionário do aeroporto testemunhou a entrega dos corpos em duas picapes Toyota para uma aeronave de transporte russa que então vôou para Qamishli, um aeroporto perto da fronteira com a Síria, no norte.

Mercenários do Grupo Wagner na Síria.

Nos dias que se seguiram, as identidades dos russos mortos seriam reveladas - primeiro de seis e, finalmente, nove. Oito foram verificados pela Equipe de Inteligência de Conflitos, plataforma investigativa russa, e outro foi divulgado pela rádio Echo Moscou. Todos eram funcionários da empresa mercenária privada Evro Polis, muitas vezes referida pelo nome de guerra de seu chefe: "Wagner".

Ao mesmo tempo, no entanto, uma versão completamente diferente dos eventos ganhou força - disseminada inicialmente por nacionalistas russos como Igor "Strelkov" Girkin e depois por outros associados à unidade Wagner. De acordo com esses relatos, muitos mais russos foram mortos na batalha - 100, 200, 300 ou até 600. Uma unidade inteira, dizia-se, foi exterminada e o Kremlin queria encobri-la. Gravações de supostos combatentes apareceram aparentemente confirmando essas perdas horríveis.

Era uma versão que soava tão plausível que até agências de notícias ocidentais como Reuters e Bloomberg a pegaram. O fato de que o governo em Moscou a princípio não quis confirmar nenhuma morte e depois falou de cinco "cidadãos russos" mortos e depois, de forma nebulosa, de "dezenas de feridos", alguns dos quais morreram, só parecia tornar o versão dos eventos parecem mais credíveis. Afinal, geralmente tem sido o caso que, quando algo na guerra síria é negado pelo Kremlin, ou quando os russos o admitem pouco a pouco, provavelmente está correto. Além disso, as perdas russas na Síria são constantemente minimizadas.

"A má sorte de estar no lugar errado na hora errada"

As relações entre os mercenários russos na Síria - acredita-se que existam mais de 2.000 deles - e o governo em Moscou estão tensas há algum tempo. Os combatentes alegam que estão sendo usados como bucha de canhão, estão sendo mantidos em silêncio e são mal pagos. Para eles agora acusar o Kremlin de tentar encobrir o fato de que os russos foram mortos - pelos americanos, de todas as pessoas - atinge o governo do presidente Vladimir Putin em um ponto fraco: sua credibilidade.

As únicas fontes verificáveis para a dizimação de centenas de russos são as fotos e vídeos que circulam na internet ou de fontes russas que são repassadas aos jornalistas ocidentais. Alguns deles mostram imagens do leste da Ucrânia que mais tarde foram adulteradas ou até mesmo a versão demo de um vídeo game que Putin mostrou pessoalmente ao diretor de Hollywood Oliver Stone como suposta prova de um ataque russo a um comboio do EI.

A situação no terreno entre Khusham e Tabiya, na margem oriental do Eufrates, descrita por meia dúzia de testemunhas e pessoas que participaram nos acontecimentos, não confirma a participação dos mercenários russos no ataque ou mesmo que eles se tenham juntado aos combates. Ahmad Ramadan, o jornalista que fundou o Eufrates Post e desde então emigrou para a Turquia, vem de Tabiya. Um de seus contatos luta pela milícia al-Baqir e gravou o vídeo no local dos bombardeios. "Se tivesse sido um ataque russo, com muitos russos mortos, teríamos relatado sobre isso", disse ele. "Mas não foi. Os russos em Tabiya tiveram o azar de estar no lugar errado na hora errada."