Mostrando postagens com marcador Cuirassiers. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cuirassiers. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

GALERIA: Atividades militares dos Cuirassiers na Planície dos Jarros

Soldados do 5º RC preparam um jipe ​​armado antes da missão na Planície dos Jarros.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de agosto de 2021.

Equipado com jipes armados, um esquadrão do 5º RC (Régiment de Cuirassiers/Regimento Cuirassier) patrulha vários pontos de apoio na Planície dos Jarros, no Laos, em abril de 1953. O esquadrão foi fotogrado por Paul Corcuff para o SCA-ECPAD.

Os jipes estão armados com metralhadoras Chatellerault Mdle 24/29 e Reibel MAC 31/MAC 34 no estilo SAS, trazido pelos veteranos da África e Europa para a Indochina. A designação MAC significa Manufacture de Châtellerault (Fabricação da Châtellerault), denotando um projeto da fabricante estatal de Châtellerault, com as outras duas de Tulle (MAT) e Saint-Étienne (MAS) também fabricando tais armamentos. Ambas as metralhadoras eram calibradas em 7,5x54mm francês.

Pausa para almoço. À esquerda, de camiseta, o Tenente Franz Adam, comandando um dos pelotões de jipes armados do 5º RC.

A coluna de jipes durante uma parada em uma aldeia laociana. Um supletivo indochinês está sentado no banco de trás do jipe.

O FM MAC 24/29 foi a metralhadora leve de uso padrão dos franceses por décadas, vendo serviço quase ininterrupto por 50 anos, enquanto a Reibel foi desenvolvida para guarnecer a Linha Maginot; sendo readaptada para uso como fuzil-metralhador (arma portátil para grupos de combate e esquadras-de-tiro), com resultados mistos e um tanto insatisfatórios por conta do peso (mais de 11kg) e de problemas de alimentação na humidade da Indochina, apresentando algumas engripagens durante o uso. Nenhum desses problemas era presente na adaptação em jipes.

A Reibel, tendo sido criada para tiro sustentado em defesa fixa de bunkers, foi projetada com um carregador de tambor circular. Ela era colocada em montagens duplas (Jumelage de mitrailleuses Reibel, JM Reibel) nas cúpulas cloche nas fortificações da Linha Maginot; estas montagens gêmeas JM eram a colocação padrão em casamatas fixas, enquanto tanques e outros veículos usavam metralhadoras únicas. Na Indochina, o sistema logístico francês teve que se virar com o que tinha, e isso incluía uma mistura de armamento obsoleto dos arsenais coloniais franceses, armamento japonês capturado, armamento alemão capturado e trazido da Europa, armamento americano e britânico suprido aos franceses livres durante a guerra contra o Eixo, armamento francês em estoque pré-1940 e armamento novo fabricado no pós-1945 (como pistolas Luger e submetralhadoras MAT-49). Dessa forma, a adaptação de metralhadoras disponíveis na Linha Maginot, agora uma linha de defesa secundária atrás das Forças Francesas na Alemanha (Forces Françaises en Allemagne, FFA), foi uma solução natural - apesar dos problemas. A adoção da Reibel como FM foi visada desde o princípio como apenas temporária.


O Coronel Guillard, comandante das tropas engajadas no Laos, passa em revista um esquadrão do 5º RC e seus jipes armados. À esquerda, o Tenente-Coronel Le Hagre.

O Coronel Guillard inspeciona os jipes armados. Atrás dele, em camisa de manga curta, o Tenente Franz Adam, comandando um dos pelotões de jipes.

A ideia partiu dos veteranos da Meia-Brigada SAS (Demi-Brigade SAS) e a ação desses jipes armados atuando como colunas voadoras provou-se uma ação eficiente em operações de busca e em escolta a comboios.

Incursão do SAS contra o Aeródromo de Sidi-Haneish

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The french Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

Armas vietnamitas para a Argélia, 14 de dezembro de 2020.

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.


PERFIL: O filho do general, 27 de julho de 2021.

GALERIA: Caçadores à Cavalo em reconhecimento na Indochina, 3 de março de 2021.

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Operações na região de Nghia Lo, com o 8e BPC e o 2e BEP, 5 de junho de 2021.

GALERIA: Operação Brochet no Tonquim, 3 de outubro de 2020.

FOTO: Couraceiros modernos, 14 de outubro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

FOTO: Crianças guerrilheiras no Tonquim, 13 de junho de 2021.

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

FOTO: Couraceiros modernos

Coronel e seu estado-maior do 12e RC (12e Régiment de Cuirassiers/ 12º Regimento de Couraceiros) durante um exercício. A famosa couraça figura ao fundo.

Couraceiros franceses durante um exercício em 1913. Os couraceiros cavalgaram com suas couraças em combate até a Batalha do Marne em 1914.

Bibliografia recomendada:

The French Army 1914-18.
Ian Sumner e Gerry Embleton.

Leitura recomendada:

Nexter AMX-56 Leclerc: A cavalaria pesada francesa, 4 de agosto de 2015.