Mostrando postagens com marcador Châtellerault. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Châtellerault. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de agosto de 2021

GALERIA: Atividades militares dos Cuirassiers na Planície dos Jarros

Soldados do 5º RC preparam um jipe ​​armado antes da missão na Planície dos Jarros.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de agosto de 2021.

Equipado com jipes armados, um esquadrão do 5º RC (Régiment de Cuirassiers/Regimento Cuirassier) patrulha vários pontos de apoio na Planície dos Jarros, no Laos, em abril de 1953. O esquadrão foi fotogrado por Paul Corcuff para o SCA-ECPAD.

Os jipes estão armados com metralhadoras Chatellerault Mdle 24/29 e Reibel MAC 31/MAC 34 no estilo SAS, trazido pelos veteranos da África e Europa para a Indochina. A designação MAC significa Manufacture de Châtellerault (Fabricação da Châtellerault), denotando um projeto da fabricante estatal de Châtellerault, com as outras duas de Tulle (MAT) e Saint-Étienne (MAS) também fabricando tais armamentos. Ambas as metralhadoras eram calibradas em 7,5x54mm francês.

Pausa para almoço. À esquerda, de camiseta, o Tenente Franz Adam, comandando um dos pelotões de jipes armados do 5º RC.

A coluna de jipes durante uma parada em uma aldeia laociana. Um supletivo indochinês está sentado no banco de trás do jipe.

O FM MAC 24/29 foi a metralhadora leve de uso padrão dos franceses por décadas, vendo serviço quase ininterrupto por 50 anos, enquanto a Reibel foi desenvolvida para guarnecer a Linha Maginot; sendo readaptada para uso como fuzil-metralhador (arma portátil para grupos de combate e esquadras-de-tiro), com resultados mistos e um tanto insatisfatórios por conta do peso (mais de 11kg) e de problemas de alimentação na humidade da Indochina, apresentando algumas engripagens durante o uso. Nenhum desses problemas era presente na adaptação em jipes.

A Reibel, tendo sido criada para tiro sustentado em defesa fixa de bunkers, foi projetada com um carregador de tambor circular. Ela era colocada em montagens duplas (Jumelage de mitrailleuses Reibel, JM Reibel) nas cúpulas cloche nas fortificações da Linha Maginot; estas montagens gêmeas JM eram a colocação padrão em casamatas fixas, enquanto tanques e outros veículos usavam metralhadoras únicas. Na Indochina, o sistema logístico francês teve que se virar com o que tinha, e isso incluía uma mistura de armamento obsoleto dos arsenais coloniais franceses, armamento japonês capturado, armamento alemão capturado e trazido da Europa, armamento americano e britânico suprido aos franceses livres durante a guerra contra o Eixo, armamento francês em estoque pré-1940 e armamento novo fabricado no pós-1945 (como pistolas Luger e submetralhadoras MAT-49). Dessa forma, a adaptação de metralhadoras disponíveis na Linha Maginot, agora uma linha de defesa secundária atrás das Forças Francesas na Alemanha (Forces Françaises en Allemagne, FFA), foi uma solução natural - apesar dos problemas. A adoção da Reibel como FM foi visada desde o princípio como apenas temporária.


O Coronel Guillard, comandante das tropas engajadas no Laos, passa em revista um esquadrão do 5º RC e seus jipes armados. À esquerda, o Tenente-Coronel Le Hagre.

O Coronel Guillard inspeciona os jipes armados. Atrás dele, em camisa de manga curta, o Tenente Franz Adam, comandando um dos pelotões de jipes.

A ideia partiu dos veteranos da Meia-Brigada SAS (Demi-Brigade SAS) e a ação desses jipes armados atuando como colunas voadoras provou-se uma ação eficiente em operações de busca e em escolta a comboios.

Incursão do SAS contra o Aeródromo de Sidi-Haneish

Bibliografia recomendada:

Street Without Joy:
The french Debacle in Indochina.
Bernard B. Fall.

Leitura recomendada:

Armas vietnamitas para a Argélia, 14 de dezembro de 2020.

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina12 de janeiro de 2020.


PERFIL: O filho do general, 27 de julho de 2021.

GALERIA: Caçadores à Cavalo em reconhecimento na Indochina, 3 de março de 2021.

GALERIA: Blindados Anfíbios do 1er REC na Indochina2 de outubro de 2020.

GALERIA: Operações na região de Nghia Lo, com o 8e BPC e o 2e BEP, 5 de junho de 2021.

GALERIA: Operação Brochet no Tonquim, 3 de outubro de 2020.

FOTO: Couraceiros modernos, 14 de outubro de 2020.

FOTO: Um M24 Chaffee no Tonquim9 de julho de 2020.

FOTO: Crianças guerrilheiras no Tonquim, 13 de junho de 2021.

sábado, 28 de março de 2020

GALERIA: Bawouans em combate no Laos

Durante os pesados combates em Banh-Hine-Siu, pára-quedistas do 3º BPVN estão prontos para repelir os ataques dos "bô dôï" (soldados das formações regulares do Viet Minh) de dois regimentos da 325ª Divisão.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de março de 2020.

Paraquedistas vietnamitas do 3e BPVN (3ème Bataillon de Parachutistes Viêtnamiens, apelidados "bawouans"), sob o comando do Chef de bataillon Mollo, engajados em pesados combates no Laos, no posto de Banh-Hine-Siu e na vila de Na Pho de 5 a 9 de janeiro de 1954, contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh (Daï Doan 325).

As fotos de Ferrari Pierre para o ECPAD mostram o armamento típico dos paraquedistas franceses da fase final da Guerra da Indochina: fuzis e carabinas de coronha dobrável MAS 36 CR 39 e M1A1, submetralhadoras MAT 49, fuzis-metralhadores Châtellerault 24/29.

Em 9 de janeiro, um batalhão de paraquedistas vietnamitas tomou o posto de Banh-Hine-Siu, que ele teimosamente defendeu contra os combatentes do Viet Minh emboscados nas proximidades. Um lançamento de munição, a intervenção da artilharia e bombardeios com napalm os ajudam a contra-atacar os adversários entrincheirados nos arredores.

Ao mesmo tempo, combates de rua aconteceram na vila de Na Pho, onde um batalhão do Viet Minh passou a noite. Além do aspecto militar, o relatório da ação também citou refugiados do Laos que fugiram do avanço do Viet Minh, uma evacuação médica dos feridos por helicóptero e feridos aguardando tratamento.

Distintivo do 3e BPVN, em vietnamita Tien Doan Nhay Du 3 (TDND 3).

Anverso e reverso.

O 3e BPVN foi criado como parte do "amarelamento" ("jaunissement") do General Jean de Lattre de Tassigny - a criação de exércitos nacionais vietnamita, laociano e cambojano. A criação de formações paraquedistas indochineses começou em nível companhia, em 1948. Os quadros do 3e BPVN vieram da 10e CIP (10ème Compagnie Indochinoise Parachutiste), de 195 homens, incorporado ao 10e BPCP (10e Bataillon Parachutiste de Chasseurs à Pied, de tradição alpina e elevado a "groupement" por pouco tempo) de 1950 a 1952; comandada pelo Tenente Louis d'Harcourt, um futuro general, a companhia foi recrutada na região de Hanói, no Tonquim (norte do Vietnã).

3e Bawouan foi criado em 1º de setembro de 1952 com uma companhia de comando (compagnie de commandement de bataillon, CCB), e três companhias de combate (com a posterior adição de uma quarta), ele tinha um efetivo de cerca de 1.000 homens. O 3e Bawouan foi um dos cinco batalhões paraquedistas vietnamitas - 1º, 5º (que lutou em Dien Bien Phu), 6º e 7º BPVN - criados entre 1951 e 1954, e pertencendo ao Exército Nacional Vietnamita (Armée Nationale Vietnamienne, ANV); além do 1er Bataillon de Parachutistes Laotiens (1er BPL), do Laos, e o 1er Bataillon de Parachutistes Khmers (1er BPK), do Camboja.

O 3e BPVN participou das operações Mimosa (maio de 1953), Camargue (julho de 1953), Concarneau, Lamballe e Mont St Michel (agosto de 1953), Flandre (setembro de 1953) a operação no posto de Ban-Hine-Siu (janeiro de 1954) e Églantine (junho de 1954).

Os paras do 3e Bawouan mantêm o posto de Banh-Hine-Siu contra elementos da 325ª Divisão Viet Minh.

Bawouans carregam o cadáver de um camarada com um poncho usado de mortalha.

O soldado está usando um capacete de origem americana coberto com uma bandeira de sinalização para a aviação.

Durante um contra-ataque do 3º BPVN nos ferozes combates de rua de Na Pho, um paraquedista armado com um fuzil de coronha dobrável MAS 36 CR 39 capturou um fuzil alemão Mauser Karabiner 98K, equipado com sua baioneta, equipando os "bô dôï" (soldado das tropas regulares vietnamitas, um deles morto no canto direito) da 325ª Divisão VM (Daï Doan 325). À esquerda, um paraquedista e seu FM 24/29.

Elementos da 325ª Divisão do Viêt-minh se infiltraram dentro do posto de Banh-Hine-Siu, e os paraquedistas do 3º BPVN lançarm um contra-ataque para desalojá-los.

Um "bô dôi" que operava uma metralhadora Browning .30 (recalibrada em 7.62×54mmR) foi morto, com um paraquedista vietnamita trazendo a arma de emprego coletivo de volta para o posto de Banh-Hine-Siu, enquanto seus companheiros continuam a repelir uma infiltração inimiga.

Protegidos em uma trincheira, os paraquedistas de uma equipe de morteiro lutam contra a 325ª Divisão Viet Minh, ao redor do posto de Banh-Hine-Siu.

Os paraquedistas do 3º BPVN defendem o posto de Banh-Hine-Siu. À esquerda, o soldado está armado com um fuzil-metralhador M 24/29 de 7,5mm.

Um paraquedista ferido é confortado por um camarada. No fundo, outro paraquedista vietnamita ferido, com um fuzil MAS 36 CR 39 em bandoleira.

Paraquedistas aproveitam uma pausa para relaxar e saciar a sede. O paraquedista no centro segura uma baioneta alemã do Mauser Karabiner 98K, capturada do inimigo.

Um paraquedista, o cinto contendo granadas defensivas MK 2 e DF 37, traz para cobertura um companheiro de combate ferido no rosto.

Um pára-quedista, armado com um fuzil MAS 36 CR 39, ferido no pescoço durante fortes combates no posto de Banh-Hine-Siu. 

Paraquedistas feridos durante a defesa do posto de Banh-Hine-Siu. O paraquedista à direita está usando um capacete francês modelo 51, enquanto seu camarada é protegido pelo capacete de paraquedista de origem americana, mais comum na época na Indochina.

Em Banh-Hine-Siu, um paraquedista do 3º BPVN depena galinhas compradas na aldeia para melhorar a ração individual da base, uma das quais é cozida em fogo de bambu.

Um oficial da 3ª BPVN conversa com uma laociana de Banh-Hine-Siu.

Retrato de um Viêt-Minh ferido durante os combates em Banh-Hine-Siu.

Bônus:


Foto do autor com um bawouan veterano da Indochina e da Argélia.

Pôster de alistamento nas forças paraquedistas vietnamitas.