sábado, 5 de junho de 2021

GALERIA: Operações na região de Nghia Lo, com o 8e BPC e o 2e BEP

O Capitão-médico Chataigneau, do 2e BEP, gravemente ferido durante os combates em Nghia-Lo, é transportado por legionários (armados com fuzis dobráveis ​​MAS 36 CR 39) em direção ao posto de Gia-Hoi para sua evacuação médica, outubro de 1951.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 5 de junho de 2021.

Operação na região de Nghia Lo em que participam o 8e BPC (8e Bataillon de Parachutistes Coloniaux8º Batalhão Colonial de Paraquedistas) e o 2e BEP (2e Bataillon Étranger de Parachutistes2º Batalhão Estrangeiro de Paraquedistas), parte da Batalha de Hoa Binh, no Tonkin. Essa operação foi típica das batalhas pelo controle do Viet Bac, o coração do Tonquim, no norte da Indochina.

O posto de Nghia Lo era defendido pelo 1er bataillon Thaï (1º Batalhão Tai) do Major Girardin, contando 1.000 homens. Também lançado com o 8e BPC foi a antena cirúrgica n° 1 (antenne chirurgicale n° 1PCA n° 1) do Tenente-médico Fourès.

Durante os combates em Nghia lo, o major Rémy Raffalli, comandando o 2e BEP, compartilha um café com um cabo. Amado pelo batalhão, Raffali seria ferido por um sniper em 1º de setembro de 1952 durante uma operação de rotina. Evacuado para Saigon, morreria devido aos ferimentos no dia 10 do mesmo mês. Ele dá nome ao quartier do atual 2e REP.

No âmbito da batalha de Nghia Lo, o General Salan assumindo, na ausência do General de Lattre de Tassigny, o comando das Forças Francesas na Indochina, decidiu lançar o 8e BPC de pára-quedas em Gia-Hoï (20km a noroeste de Nghia Lo) no dia 2 de outubro, a fim de tomar de surpresa as forças Viet-Minh da Divisão 312, atacando pela sua retaguarda.

Os vietminhs lançaram seu ataque a Nghia Lo na noite de 2-3 de outubro e colocaram o 8º BPC em uma posição crítica. A partir daí, o General Salan engajará o 2e BEP que se encontrava em Gia-Hoï no dia 4 de outubro (operação “Thérèse”).

Um legionário de origem espanhola do 2e BEP coloca um capacete de fibra na cruz de bambu marcando o local do túmulo de um camarada que caiu durante a luta em Nghia lo, outubro de 1951

O Tenente-Coronel de Rocquigny, comandante do grupo operacional formado pelo 8e BPC e o 2e BEP e o Major Raffalli, comandante do 2e BEP, se reúnem junto ao túmulo do legionário caído em Nghia Lo, outubro de 1951 .

Um legionário de 1ª classe húngaro do 2e BEP vigia um piton (elevação) atrás de sua metralhadora Browning M1919A4 calibre .30. É lá que se localizava o posto de comando da Divisão 312 (Daï Doan 312) do Viet-Minh, no auge do confronto, outubro de 1951.

Durante os combates em Nghia Lo, quadros do 2e BEP avançam pelo rio Nam Minh, outubro de 1951. Em primeiro plano, o Capitão Coat (que será morto em 15 de outubro de 1951), vestido com o raro traje de camuflagem americano M42. O segundo legionário usa um casquete (calot) de infantaria da Legião Estrangeira (verde com fundo vermelho), considerado cobertura de descanso, no lugar da boina verde usada desde 1949. Essa prática cessará em 1952 com a adoção definitiva da boina verde.

Durante as batalhas de Nghia Lo, em outubro de 1951, um sargento-chefe de origem belga (à esquerda) e o Sargento Thater, de origem alemã, da 2e CIPLE (2e Compagnie Indochinoise Parachutiste de la Légion Étrangère) do 2e BEP, descansam e fumam cigarros entre as árvores de bambu. O sargento Thater foi morto em uma emboscada perto da vila de Xuong Si em 24 de dezembro de 1951.

O esforço dos dois batalhões seria reforçado pelo 10e BPCP (10e Bataillon Parachutiste de Chasseurs à Pied / 10º Batalhão Paraquedista de Caçadores a Pé), que saltara em apoio em 6 de outubro. Os efetivos indígenas (10e CIP) desse batalhão formariam depois o 3e BPVN.

As forças do Viet-Minh são compostas principalmente pela divisão de montanha 312 do Coronel Lê Trọng Tấn que incluía os três batalhões (Tien Doan, TD) 209, 141 e 165. As forças envolvidas nas batalhas foram 12.000 Bo Dois (regulares), 3.000 coolies, 30 canhões de 75, 80 morteiros e 200 bazucas.

Para o General Nguyen Giap, é uma derrota. Forçado a retirar sua Divisão 312, ele não pôde continuar sua campanha do noroeste. Do ponto de vista tático, o uso de paraquedistas, apoiados pela Força Aérea e operando na retaguarda do inimigo tornou-se um modelo desse tipo operação.

As perdas francesas, segundo o General Salan, foram 36 mortos, 96 feridos e 163 desaparecidos. As perdas do 2e BEP foram de 7 mortos, dentre os quais o Tenente Lecoeur, 27 feridos e 19 desaparecidos. As perdas do Viet-Minh, segundo Salan e Pierre Montagnon, são 1.000 mortos e 2.500 feridos. Para Erwan Bergot, as perdas seriam de 4.000 mortos e 1.300 prisioneiros.

Parada militar e condecoração dos vencedores de Nghia Lo pelo General de Lattre de Tassigny.

O Tenente Calixte, assistente do comandante da 4ª companhia (ex-2ª companhia) do 2º BEP, foi condecorado pelo General de Lattre de Tassigny por sua conduta durante a luta de Nghia-Lo. Podemos ver no ombro do oficial a insígnia do 1º Exército "Reno e Danúbio" cujo traje comemorativo está reservado aos ex-soldados desta formação, novembro de 1951.

Em seu retorno da França, o general de Lattre de Tassigny, alto comissário da França e comandante-em-chefe na Indochina, recompensa os vencedores de Nghia-Lo, durante uma parada militar imponente em Ninh-Giang, em novembro de 1951.

Durante uma cerimônia em Ninh-Giang, o Major Raffalli, comandante do 2e BEP, acaba de ser promovido a oficial da Legião de Honra e condecorado com a Croix de guerre des Théâtres d'Opérations Extérieures pelo General de Lattre de Tassigny. Gravemente ferido por um tiro enquanto acompanhava seu batalhão pela última vez em operação, dois dias depois do fim do seu comando, ele morreu em Saigon em 10 de setembro de 1952.

O guião do 3/5e REI (3º Batalhão do 5º Regimento de Infantaria Estrangeiro), apresentado pelo Comandante Dufour, é condecorado pelo General de Lattre de Tassigny, novembro de 1951.

No passo caracteristicamente lento da Legião Estrangeira, o 5e REI (Regimento de Infantaria Estrangeiro) marcha durante um a parada em Ninh Giang. Em primeiro plano, um praça que acaba de receber a Croix de Guerre des TOE das mãos do general.

O General de Lattre de Tassigny condecora um sargento do 2e BEP cujo quepe de suboficial (podemos distinguir a tira de queixo de ouro das armações) é coberto com um cobre-quepe branco de soldado, prática comum em desfile. À direita, quadro do serviço médico do 2e BEP portando, no bolso esquerdo da camisa, a insígnia do Serviço de Saúde indicando sua especialidade.

Um sargento do 2e BEP é condecorado pelo General de Lattre de Tassigny. Usando um képi de oficial não-comissionado, mas coberto com um cobre-quepe branca de soldados e cabos, esse sargento também usa um cinto branco de desfile, de fabricação local e específico para os 1e e 2e BEP.

Após os combates de Nghia lo, onde se destacou, o Capitão Hélie Denoix de Saint Marc, líder da 2e CIPLE (Compagnie Indochinoise Parachutiste de la Légion Étrangère) do 2e BEP, foi condecorado pelo General de Lattre de Tassigny durante um a parada militar em Ninh-Giang. Hélie de Saint Marc é até hoje um dos mais respeitados e estudados militares nas academias francesas.

Bibliografia recomendada:

Manual da Estratégia Subversiva,
General Vo Nguyen Giap.

Leitura recomendada:





Nenhum comentário:

Postar um comentário