quarta-feira, 7 de abril de 2021

VÍDEO: Lugers da ocupação francesa em 1945


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de abril de 2021.

A Alemanha Nazista derrotada foi ocupada pelos quatro vencedores principais, com quatro zonas de ocupação: soviética, americana, britânica e francesa. A zona de ocupação francesa continha recursos como arquivos de fotos da Wehrmacht, material nuclear para a planejada bomba atômica alemã (material este que foi cedido aos americanos para o bombardeio à Nagasaki) e, mais relevante para o vídeo, a fábrica da Mauser em Oberndorf - capturada quase intacta pelo 9e Régiment de Chasseurs d'Afrique em 20 de abril de 1945.

Zonas de ocupação de 1948 a 1949.

Zonas de ocupação em Berlim. Ao lado, o distintivo das forças francesas em Berlim.

A fábrica da Mauser também tinha novos protótipos, como os do Sturmgewehr 45(M) (StG-45(M), o "M" sendo de Mauser) de estampagem, mas esses foram evacuados pelos alemães para a Áustria, onde foram capturados pelos aliados. Essa epopéia gerou, entre outros, o protótipo CEAM Modèle 50/B, e os fuzis CETME e HK G3 (além do sistema de trancamento por roletes do SIG 510).

O enorme complexo da Mauser continha pilhas e pilhas de armas acabadas e de peças, tanto da Luger P08 quanto de pistolas Walther P38 e fuzis Mauser Kar 98k, mas, principalmente, o ferramental para a produção dessas armas. Os franceses então produziram 48 mil fuzis Kar 98k, 35 mil pistolas P38 e 3.500 pistolas Luger P08 para uso das forças francesas (modelos de Luger também foram fabricados para o comércio privado). Inicialmente com águias nazistas na lateral da corrediça - por serem peças pré-existentes - as novas fabricações continham uma estrela.

Os estoques de peças da Mauser continham pouquíssimos carregadores, então os franceses fabricaram 10 mil novos carregadores no arsenal de Levallois, uma média de 3 carregadores por pistola, com um suprimento de dois carregadores por pistola (1 em reserva). Para facilitar o emprego do armamento, 5 mil manuais franceses da Luger foram impressos entre 1950 e 1951.

Estrela na corrediça.

A Luger francesa tinha placas de empunhadura de alumínio fundido e era acabada com uma cor cinza-azulada, apelidada de "cinza fantasma", tal qual nas P38 francesas.

Essas pistolas Luger viram uso extensivo nas guerras da Indochina e Argélia, saindo de serviço de primeira linha em 1953 em favor das pistolas MAC Modèle 1950. As Luger foram então transferidas para a Gendarmerie Nationale, para o novo Exército Austríaco e para estoques de reserva do Exército Francês até os anos 1970.

Essa produção supria um exército em necessidade de recriação, tanto na França quanto na ocupação da Alemanha e na reocupação da então Indochina Francesa. Uma França se reerguendo e se reafirmando como uma potência mundial ainda utilizou essa produção para empregar e reter especialistas de armamento franceses e alemães. Em 1948, os soviéticos protestaram a produção francesa alegando que a produção de armas na Alemanha violava os acordos aliados do tempo de guerra, sendo explicitamente proibido. Ora, os soviéticos tomaram as fábricas e levaram todo o ferramental para a União Soviética e continuaram produzindo por décadas com as máquinas e especialistas "voluntários" alemães. Mas ainda assim os franceses já haviam cessado a produção na Alemanha há tempos, e então os franceses retiraram tudo de utilizável da fábrica e destruíram o prédio no final de 1948.

Rádio-operador do 1er BEP em combate na Rota Colonial 6, no Tonquim, em 1952.
Ele tem uma Luger no coldre.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário