Mostrando postagens com marcador Cavalaria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cavalaria. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 27 de outubro de 2021

FOTO: Guarda Real sueca com Pickelhaube em Estocolmo

Guarda Real sueca com o capacete Pickelhaube em Estocolmo.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 27 de outubro de 2021.

Os Guardas Reais (sueco: Högvakten) são os guardas de honra da cavalaria e da infantaria do Rei, encarregados de proteger a Família Real Sueca. A Guarda Real é normalmente dividida em duas partes, a guarda principal estacionada no Palácio de Estocolmo e um destacamento menor no Palácio Drottningholm. As unidades da Guarda Real protegem continuamente a família real sueca em Estocolmo desde 1523. Atualmente relegados exclusivamente a serviços de guarda e cerimonial, entre 50 e 60 soldados servem na Guarda Real sueca, aproximadamente 35 no Palácio Real de Estocolmo e 25 no Palácio Drottningholm.

O dever de formar uma "Guarda Real" é alternado por todas as forças armadas regulares e de reserva, incluindo a Guarda Nacional. No entanto, esses destacamentos servem apenas por cerca de 5 a 7 dias em cada rotação, portanto, na maior parte do ano, a função é realizada pelo regimento de Guarda-Costas de Estocolmo, que consiste em quatro batalhões, um infantaria leve, dois de segurança e um batalhão de guardas. Traçando sua história através da Brigada da Casa Real e dos Guarda-Costas Svea e dos Dragões Guarda-Costas de volta aos Guardas Reais originais, isso é o que constitui as reivindicações do regimento de ser uma das mais antigas unidades militares e formações em operação contínua.

Glória Prussiana tocada pela banda da Guarda Real sueca


Entre abril e agosto, os esquadrões montados em uniformes de gala azul claro e capacetes pickelhaube prateados e as companhias em uniformes de gala azul escuro com capacetes pickelhaube pretos, ambos dos Guarda-Costas, podem ser vistos nos desfiles de Estocolmo e nos arredores do Palácio Real. Acompanhados da banda montada, eles saem do quartel da Cavalaria K1 em Gärdet e chegam ao Palácio por volta do meio-dia (13h aos domingos e feriados) para a cerimônia de troca da guarda. Esses eventos atraem um grande número de turistas a cada verão. Nas montarias regulares da guarda, o contingente da guarda real regular é composto pelo pessoal do Batalhão de Guardas do Rei, dos Guarda-Costas.

O estilo de marcha prussiano ainda é mantido, colocando os suecos ao lado dos chilenos na manutenção das tradições dos grandes desfiles de Berlim e Nuremberg de 1870 a 1945; acompanhando o capacete Pickelhaube vem o famoso passo Stechschritt, literalmente "passo perfurante" mas traduzido como "passo de ganso".

Tradição prussiana no Chile e na Suécia


O passo de ganso é um passo de marcha especial realizado em paradas militares formais e outras cerimônias. Enquanto marcham em formação de desfile, as tropas balançam as pernas em uníssono, mantendo cada perna rigidamente esticada.

O passo originou-se na ordem unida do exército prussiano em meados do século XVIII e era chamado de Stechschritt ou Stechmarsch. Os conselheiros militares alemães espalharam a tradição por meio de missões militares ao redor do mundo. Essa influência se estendeu especialmente para a Rússia no século XIX, o que levou os soviéticos a espalharem o passo do ganso pelo mundo no século XX - notavelmente na China comunista e em Cuba.

Leitura recomendada:

FOTO: A Bela de Estocolmo
18 de julho de 2021.

FOTO: Tocando a baioneta28 de fevereiro de 2020.

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

FOTO: Cavalaria bucólica

Cavalaria da Guarda Republicana francesa patrulhando um vinhedo na França, 2021.

Regimento de cavalaria francês da Garde Républicaine em patrulha para proteger contra ladrões as famosas uvas para vinho de Champagne.

sábado, 18 de setembro de 2021

GALERIA: Cavaleiras paraquedistas da Rússia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de agosto de 2021.

Cenas de treinamento equestre das cadetes femininas da Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan (RGVVDKU), em 14 de outubro de 2020.

A Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan é um instituto educacional militar do Ministério da Defesa da Rússia. Foi formada pela primeira vez como Cursos de Infantaria de Ryazan em 13 de novembro de 1918 - portanto, é uma das mais antigas academias militares ativas na Rússia moderna. É a academia militar oficial e o centro de treinamento avançado das Forças Aerotransportadas Russas.

No sistema russo, os paraquedistas servem em uma força separada, atualmente contando mais de 72 mil paraquedistas (profissionais e conscritos). As cadetes usam o uniforme padrão dos paraquedistas, com as boinas azul celeste e as camisas de marinheiro com listras azuis (telnyashka); elas foram acompanhadas durante o exercício por um punhado de colegas do sexo masculino. O armamento portado é o fuzil AK-74M, de uso padrão nas forças russas.




















Bibliografia recomendada:

A guerra não tem rosto de mulher.
Svetlana Aleksiévitch.

Leitura recomendada:







sexta-feira, 23 de julho de 2021

LIVRO: Soldado Húngaro vs Soldado Soviético


Por Péter Mujzer, Osprey Publishing, 9 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de julho de 2021.

O próximo título da série Combat, Hungarian Soldier vs Soviet Soldier: Eastern Front 1941 (Soldado Húngaro vs Soldado Soviético: Frente Oriental 1941) é um título belamente ilustrado que avalia as forças húngaras e soviéticas que se enfrentaram repetidamente em 1941 durante a campanha da Barbarossa na Segunda Guerra Mundial. Na postagem de hoje no blog, o autor Péter Mujzer tenta responder a três perguntas que alguém pode fazer sobre seu título fantástico.

(1) Por que você escolheu este assunto?

Oficiais húngaros formando uma guarda de honra para o exército alemão cruzando Budapeste para invadir a Iugoslávia, abril de 1941.

A campanha da Barbarossa começou há 80 anos, em 22 de junho de 1941, colocando as forças da União Soviética contra as do Terceiro Reich e seus aliados. A Hungria estava entre os aliados menos dispostos que participaram do lado dos alemães. Meu assunto especializado são as forças armadas húngaras durante a Segunda Guerra Mundial, especialmente as chamadas forças 'móveis' (blindadas, motorizadas, cavalaria e tropas de bicicleta). Embora a Hungria e suas forças armadas estivessem preparadas, armadas e doutrinadas para retomar os territórios perdidos após a Primeira Guerra Mundial, em vez disso, elas se encontraram na Frente Oriental em meio ao maior conflito da Segunda Guerra Mundial.

Por outro lado, as forças armadas húngaras não estavam preparadas para travar uma guerra em igualdade de condições com os soviéticos, nem mesmo nas primeiras fases da campanha da Barbarossa, devido à falta de armas automáticas, tanques médios e pesados, artilharia autopropulsada e experiência de combate. Por outro lado, a coragem pessoal, a dedicação dos homens e oficiais subalternos, a pequena coesão e determinação das unidades e a situação militar geral ajudaram-nos a enfrentar e às vezes derrotar um inimigo numericamente superior armado com armas sofisticadas.

Mikhail Nikolayevich Tukhachevsky.

Foi fascinante conduzir pesquisas profundas sobre as forças do outro lado da história, o Exército Vermelho. Em meados da década de 1930, o Marechal Mikhail Tukhachevsky transformou o Exército Vermelho de um exército básico de infantaria/cavalaria em uma formidável força de combate mecanizada/blindada, apoiada por tropas aerotransportadas e uma enorme força aérea e encarregada de realizar as chamadas 'Operações Profundas'. Apesar de seu tamanho imponente, o Exército Vermelho estava em séria desordem em junho de 1941. Ele tentava implementar uma estratégia defensiva com conceitos operacionais baseados nas batalhas ofensivas profundas e na teoria de operações profundas desenvolvida na década de 1930. Além disso, estava tentando expandir, reorganizar e reequipar suas forças. O fraco desempenho das tropas soviéticas na Polônia (1939) e Finlândia (1939–40) também pesou sobre o Exército Vermelho. Além disso, os expurgos generalizados das forças armadas soviéticas em 1938 haviam decapitado efetivamente o corpo de oficiais.

(2) Qual é o objetivo especial da série Combat, e como ele se relaciona com este assunto?

O objetivo da Série Combat da Osprey é fornecer informações detalhadas extraídas de relatos em primeira mão para transmitir como era estar em combate, com ênfase na intensidade da linha de frente. Não se trata apenas da luta real, no entanto , mas também os preparativos dos dois lados para a batalha, sua doutrina tática e suas armas e equipamentos.

Tanques leves 38.M Toldi desfilando em Budapeste após retornarem da União Soviética, 1941.
As bandeiras do Japão e de outro país aliado são visíveis.

Segundo relatos de praças, depois da sobrevivência básica, a quantidade e a qualidade da comida eram as segundas questões mais importantes. O saque de civis foi considerado um crime grave no Exército Real Húngaro, mas o déficit de abastecimento tinha que ser resolvido. Os quartel-mestres húngaros tentaram formalizar seus arranjos de abastecimento no local, concentrando-se nos recursos soviéticos militares e estatais capturados e abandonados. Muito em breve, uma espécie de mercado negro se desenvolveu entre as tropas húngaras e os locais, onde as pessoas trocavam ovos, frutas e aves por cigarros ou rações enlatadas.

Embora tenha havido alguma confraternização entre os soldados húngaros e a população local, desde o início a guerra na Frente Oriental foi conduzida de forma brutal pelos vários participantes. Alguns combatentes soviéticos envolvidos em operações de guerrilha usaram uniformes e equipamentos retirados de soldados húngaros mortos, o que provocou uma resposta dura, tanto contra soldados do Exército Vermelho quanto contra civis soviéticos.

(3) Quem são os soldados por trás das histórias?

As figuras-chave deste estudo são os praças, os oficiais subalternos e o comandantes de batalhão, brigada e divisionais. Ambos os países reuniram exércitos de recrutas liderados por oficiais e sargentos profissionais. Na Hungria, os oficiais superiores foram educados e treinados antes e durante a Primeira Guerra Mundial, a maioria deles servindo na Frente Oriental. O quadro de comando do Exército Vermelho foi produto da Guerra Civil Russa, dos expurgos do final dos anos 1930 e da Guerra de Inverno contra a Finlândia.

Soldados soviéticos na Bielorrússia, 1944.

Também foi interessante pesquisar, estudar e apresentar o pano de fundo multiétnico e cultural das forças beligerantes, especialmente o Exército Vermelho, mas, em menor escala, as forças húngaras. A União Soviética era um vasto país com várias minorias; as forças armadas poderiam ter sido um caldeirão para as diferentes etnias. Na verdade, o Exército Vermelho foi dominado e liderado por eslavos, principalmente com raízes russas; no entanto, o recruta soviético médio pode ter uma formação muito diferente em termos de etnia, idioma, educação, emprego e local de residência. Ele pode ser um trabalhador industrial, um camponês, um mineiro ou um graduado do ensino fundamental, vindo de uma cidade grande ou de uma pequena aldeia. Embora fossem principalmente russos, ucranianos ou bielorrussos, uma proporção significativa dos recrutas veio da região do Cáucaso, sem nem mesmo falar ou compreender a língua de comando - o russo. Por último, mas não menos importante, ao contrário da ideologia ateísta oficial da URSS, uma parte significativa da sociedade soviética era fortemente religiosa, fosse cristã, muçulmana ou judia. O tratamento dos recrutas era cruel por qualquer padrão; o castigo físico e o abuso infligido eram uma parte aceita do treinamento em particular, mas também da vida militar em geral.

Soldados húngaros nos Cárpatos, 1944.

A Hungria foi predominantemente um país agrícola entre as guerras mundiais; os homens alistados do Exército Real Húngaro vieram principalmente do campo. Eles estavam acostumados com as adversidades do trabalho pesado ao ar livre e sabiam lidar com cavalos e carroças, que eram o principal meio de transporte no Exército Real Húngaro. Os trabalhadores industriais qualificados da Hungria eram tão preciosos que uma proporção significativa deles não foi mobilizada porque sua experiência era necessária em casa nas indústrias militares. Uma população judia significativa vivia na Hungria; eles eram, em média, mais educados, ocupando posições de classe média na sociedade. Até 1940, eles foram recrutados para as forças armadas, assim como outros cidadãos húngaros. Devido às suas habilidades e educação, eles eram mais propensos a saber dirigir e manusear equipamentos de comunicação e outras tecnologias mais complexas. Com o avanço da guerra, no entanto, as políticas do governo húngaro tornaram a vida da população judia húngara cada vez mais difícil. A partir de 1940, os judeus húngaros não foram autorizados a servir como tropas de combate e foram convocados para companhias de trabalho.

Devido à reaquisição de territórios adjacentes, anteriormente partes do Reino da Hungria, a população do país mudou significativamente. Em uma população de 14,6 milhões de pessoas, cerca de 81 por cento eram húngaros; o resto eram alemães, rutenos (Cárpatos-ucranianos), romenos ou iugoslavos. O componente masculino dessas partes da população húngara - quase três milhões de pessoas - era elegível para o serviço militar. Com exceção dos alemães, sua incorporação ao Exército gerou problemas. Primeiro, as barreiras do idioma eram difíceis de superar. Ao contrário do antigo sistema austro-húngaro, os oficiais comandantes e suboficiais húngaros não falavam as línguas de seus homens. Os recrutas foram forçados a aprender em húngaro, mas muitos não quiseram. As chamadas "unidades protegidas", como a Força Aérea e divisões mecanizadas, foram isentas de convocar minorias em suas unidades. As minorias serviram principalmente em funções não-combatentes, como serviços de abastecimento ou unidades de trabalho. Porém, nas mãos de um comandante dedicado, as minorias provaram ser tão eficazes e leais quanto os húngaros étnicos. Além disso, os recrutas eslovacos e rutenos - ou camaradas húngaros que falavam essas línguas - podiam usar as suas competências linguísticas para comunicar com a população local, interrogar prisioneiros e realizar patrulhas clandestinas de reconhecimento na Ucrânia.

- x -

Contra-ataque da infantaria soviética, 5 de agosto de 1941.
(Arte de Steve Noon)

Em 5 de agosto de 1941, cerca de 4.000 soldados soviéticos romperam as linhas do Eixo e se dirigiram à 1ª Brigada de Cavalaria húngara. Uma patrulha de reconhecimento húngara liderada pelo Aspirante László Merész do 1º Batalhão de Cavalaria Blindada recebeu ordens em 6 de agosto para localizar o inimigo. Por volta das 10:00 horas, três esquadrões de cavalaria do Exército Vermelho colidiram com os carros blindados Húngaros 39M Csaba, com consequências mortais para os cavaleiros e suas montarias. Aproximadamente uma hora depois, uma coluna motorizada soviética rumo ao sul foi emboscada pelos carros blindados húngaros, que abriram fogo à queima-roupa. O primeiro caminhão soviético foi detido por impactos diretos; os veículos seguintes colidiram com o primeiro. Ao sul da estrada, cerca de duas companhias de infantaria soviética avançam da floresta. Armados com fuzis Mosin-Nagant com baionetas caladas, os fuzileiros usam capacetes SSh-39 e o usual kit soviético, com botas até os joelhos. Um sargento está tentando reunir seus homens; ele está armado com um fuzil semiautomático SVT-38 e usa as cartucheiras apropriadas.

- x -

A Batalha de Nikolayev


Por Péter Mujzer, Osprey Publishing, 22 de julho de 2021.

Combat 57 Hungarian Soldier vs Soviet Soldier é meu primeiro livro com a Osprey. Gostei muito de aprender sobre todo o processo de publicação de um livro da Osprey, do qual pesquisar e escrever é apenas o começo; muito trabalho adicional vai para partes do livro que o leitor não pode ver, como produzir referências para o ilustrador e cartógrafo, obter permissões para a reprodução de imagens, edição de cópias e revisão. Sou imensamente grato ao meu editor na Osprey, Nick Reynolds, por me ajudar durante todo o processo. Agradecimentos especiais são devidos a Steve Noon, que pintou lâminas de figuras soviéticas e húngaras autênticas e cenas de batalha vívidas e precisas para o livro.

A campanha da Barbarossa começou há 80 anos, em 22 de junho de 1941, colocando as forças da União Soviética contra as do Terceiro Reich e seus aliados. A Hungria estava entre os aliados menos dispostos que participaram do lado dos alemães. A principal força húngara que lutou na Frente Oriental foi o Corpo Móvel, que consistia em unidades blindadas, motorizadas, de bicicleta e de cavalaria. As ações abordadas em detalhes em meu livro envolveram unidades húngaras de fuzileiros motorizados, tanques leves e de carros blindados e, claro, seus oponentes soviéticos. Devido às restrições do formato da série Combat, no entanto, os hussardos húngaros e suas ações foram excluídos. Nesta postagem do blog, gostaria de contar a história do último ataque de cavalaria do tamanho de um batalhão do Exército Real Húngaro.

Páginas do livro "The Royal Hungarian Army in World War II" da série Men-at-Arms.

Durante a Batalha de Nikolayev em agosto de 1941, as tropas húngaras - especialmente a cavalaria - e seus oponentes soviéticos sofreram em condições extremas, com temperaturas às vezes chegando a 49 graus Celsius e falta de água. O último ataque real de cavalaria dos hussardos húngaros ocorreu durante a batalha, em 15 de agosto, quando o II Batalhão do 4º Regimento de Hussardos se destacou em Nova-Dancing, na Ucrânia. O grupo de combate de cavalaria do Major Mikecz atrapalhou as unidades do Exército Vermelho enquanto elas tentavam escapar de um cerco e, assim, salvou o flanco do 79º Regimento de Infantaria Motorizada alemão.

Cavaleiro, tanquista e infante húngaros do livro "The Royal Hungarian Army in World War II" do ilustrador Darko Pavlovic.

Uma testemunha ocular da carga da cavalaria húngara, um correspondente de guerra alemão chamado Erich Kern, registrou suas impressões sobre as façanhas dos hussardos em seu livro Der Grosse Rausch: Der Russlandfeldzug 1941-1945 (A grande intoxicação: a campanha russa 1941-1945), publicado em inglês em 1951 como The Dance of Death (A Dança da Morte). De acordo com Kern, a infantaria alemã foi imobilizada atrás de um dique de ferrovia; eles tentaram atacar quatro vezes, mas a cada vez foram repelidos por forças soviéticas superiores. Embora os alemães tivessem solicitado uma barragem de artilharia para derrotar o inimigo, eles ficaram surpresos ao ver, em vez disso, a cavalaria húngara avançando em seu apoio.

A diversão dos alemães com a aparência e o equipamento desses cavaleiros deu lugar ao espanto quando os hussardos atacaram com força, liderados por seu coronel, que usava uma insígnia de prata e brandia seu sabre. Os cavaleiros húngaros foram cobertos por vários carros blindados em seus flancos. Kern e seus companheiros se levantaram para observar o ataque; ele descreveu como, embora as tropas soviéticas atirassem contra os cavaleiros húngaros, o fogo deles se extinguiu quando eles sucumbiram ao pânico e montaram uma retirada apressada, com os hussardos empunhando sabres em perseguição cerrada.

Selos húngaros vendidos para financiar o esforço de guerra.

Os hussardos estabilizaram com sucesso a linha de frente do Eixo e fizeram contato com o 79º Regimento de Infantaria Motorizada. Em 16 de agosto, as forças alemãs e húngaras continuaram seus ataques e quebraram a resistência das forças soviéticas, posteriormente ocupando o vale do rio Ingul. Mais tarde naquele dia, a artilharia húngara entrou em posições de tiro a oeste de Mikhailovka para apoiar as tropas.

Durante a batalha de dois dias, o 4º Regimento de Hussardos perdeu um oficial, seis outras patentes e 14 cavalos; dois oficiais e 24 outras patentes ficaram feridos e quatro hussardos desapareceram em combate. Os hussardos capturaram 175 prisioneiros soviéticos, três tanques, dois carros blindados, dois canhões antitanque, um canhão antiaéreo, seis caminhões e uma aeronave. O Major Kálmán Mikecz foi promovido a tenente-coronel em 1941 e recebeu a Signum Laudis por suas ações.

Anverso e reverso da medalha Signum Laudis de 1922-1944.

A Batalha de Nikolajev terminou em 17 de agosto e a maioria das forças soviéticas escapou para lutar outro dia.

Post-script: descrição da carga por Erich Kern em Der Große Rausch:

Cavaleiros húngaros com o uniforme cáqui descrito como "bronzeado".

"A manhã nos encontrou mais uma vez lutando arduamente contra um inimigo que lutava desesperadamente, que se enterrou ao longo de um alto embarque ferroviário. Quatro vezes nós atacamos, quatro vezes fomos jogados para trás. A linguagem do comandante do batalhão era sombria, os comandantes de companhia estavam em desespero. O apoio de artilharia que tínhamos pedido não veio, mas em vez disso um regimento de hussardos húngaros veio em seu lugar. Nós rimos. O que diabos esses caras pensaram que iriam fazer aqui? Seria difícil para seus belos e elegantes cavalos
.

De repente, ficamos horrorizados: aqueles magiares tinham ficado totalmente loucos. Esquadrão após esquadrão [unidade de cavalaria do tamanho de uma companhia] avançou em nossa direção. Uma ordem foi gritada e em um piscar de olhos os esguios cavaleiros bronzeados estavam na sela; um coronel alto [Tenente-Coronel Imre Ireghy], seu colarinho brilhando com ouro, realmente brandiu seu sabre. Quatro ou cinco carros blindados leves latiram do flanco [carros blindados 39.M Csaba do 3º Batalhão de Reconhecimento] - e assim eles partiram, todo o regimento, galopando pela vasta planície, seus sabres brilhando ao sol da tarde. Foi assim que Seydlitz deve ter atacado. Esquecida toda a cautela, saímos de nossos buracos. Era como um fotografia de um filme de cavalaria. Os primeiros tiros chicotearam pelo barranco, estranhamente finos e esparsos. Então, com os olhos arregalados e rindo, vimos o regimento soviético, que havia resistido feroz e fanaticamente à todos os nossos ataques, dar meia-volta e correr em pânico, os húngaros triunfantes colocando em fuga os vermelhos à sua frente e suas lâminas brilhantes fazendo uma ceifeira muito rica. O brilho do aço foi demais para a coragem do russo moujik. Seu coração primitivo tinha sido despedaçado e derrotado pela arma primitiva."

Leitura recomendada:



LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.

domingo, 18 de julho de 2021

FOTO: A Bela de Estocolmo

Militar sueca da guarda real do palácio, em uniforme com botas de cavalaria na área do Palácio Real de Estocolmo, 2011.



Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:

GALERIA: Realeza Camuflada, 28 de setembro de 2020.






FOTO: Tocando a baioneta, 28 de fevereiro de 2020.

FOTO: Armada & Perigosa, 11 de fevereiro de 2021.

FOTO: Medindo a saia, 13 de junho de 2021.


HUMOR: As 4 Fases da Mulher Policial, 21 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 29 de março de 2021

GALERIA: Caçadores da África reequipados

Guarda-bandeira do 5º esquadrão do 1er REC em um meia-lagarta M3 americano, outubro de 1943.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de março de 2021.

Parada militar e manobra do reequipado 1er REC fotografado pelo ECPAD na floresta de La Mamora, no Marrocos, em outubro de 1943. O Tenente-Coronel Miquel, comandante do 1er REC, inspeciona o 5º esquadrão da unidade, que recentemente foi totalmente equipado com equipamentos americanos.

Em 15 de setembro de 1943 que o esquadrão de reconhecimento do 1er RCA (Régiment de Chasseurs d'Afrique) foi atribuído ao 1º Regimento Estrangeiro de Cavalaria (1er Régiment Étranger de Cavalerie, 1er REC) e assumiu o número 5, enquanto o regimento recebia seu novo equipamento americano.

O 5º esquadrão do 1er REC equipado com os novos canhões M1 de 57mm e tanques leves M3 Stuart, durante a revista da unidade recém-equipada.

Legionários do 5º esquadrão do 1er REC engancham seu canhão antitanque M1 de 57mm em um carro de patrulha M3 durante a manobra de demonstração.

A bandeira regimental é apresentada à unidade e depois ao esquadrão, recém equipado com canhões M1 57mm, tanques leves M3 Stuart, autometralhadoras M8 e obuseiros autopropulsados ​​M8 75mm, desfila, enquanto toca a música do regimento. O 1er REC agora forma o regimento de reconhecimento da 5ª Divisão Blindada (5e Division Blindée, 5e DB), cujo lema "France d'aborde" ("França primeiro") é visível nos vários materiais recém-coletados. O Tenente-Coronel Miquel explica uma manobra em um mapa espalhado no para-brisa de um jipe, na frente de oficiais reunidos ao seu redor.

A vitória na campanha da Tunísia em 13 de maio de 1943 permitiu a reorganização e reequipagem das forças francesas no Norte da África com material americano. Esse influxo de armas e veículos americanos transformou a Legião Estrangeira Francesa  pela primeira vez em uma força de combate moderna. A sua unidade principal foi o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira (Régiment de Marche de la Legion Étrangère, RMLE), revivendo o título de 1915-18 na Primeira Guerra Mundial. O RMLE era formado por três batalhões de infantaria provenientes dos 2º, 3º, 4º e 6º regimentos estrangeiros de infantaria (Régiment Étranger d'Infanterie, REI) em Sidi-bel-Abbès, em julho de 1943. Essa unidade fora destinada a fornecer a infantaria blindada da nova 5e DB - organizada, equipada e treinada segundo o modelo americano de Comandos de Combate (Combat Commands): com grupos móveis de infantaria em meias-lagartas, tanques e artilharia. O 1er REC, com um esquadrão de comando e serviço, um esquadrão de tanques leves e quatro esquadrões de carros blindados, serviu como a unidade de reconhecimento da 5e DB, que desembarcou na Provença, no sul da França, em agosto de 1944. O 1er REC lutaria da França à Alemanha, participando da tomada de Stuttgart; terminando a guerra no Tirol austríaco. 

A veterana 13ª Meia-Brigada da Legião Estrangeira (13e Demi-Brigade de Légion Étrangère13e DBLE), que havia lutado de Narvik a Bir Hakeim e Túnis, também aproveitou o período para descanso, reequipagem e re-treinamento segundo o sistema americano. Houve, porém, suspeita e ressentimento mútuos entre os veteranos da "Treze" e as ex-unidades vichystas. A 13e DBLE seria incorporada à 1ª Divisão Francesa Livre (1re Division Française Libre, 1re DFL) e lutaria na Itália, Provença, Vosgues, Strasbourgo e terminaria a guerra em Turim, no norte da Itália (com o 1º Exército francês em contato com as tropas brasileiras).

O desfile dos carros blindados M8 americanos (chamados "automitrailleuses" pelos franceses) e obuseiros autopropulsados M8 do 1er REC.

Carros de combate leves M3 Stuart durante a manobra.

O Tenente-Coronel Miquel, comandante do 1er REC, explica a manobra diante de oficiais da unidade. Ao fundo, um obus autopropulsado M8 de 75mm.

O Tenente-Coronel Miquel, comandante do 1er REC, ao lado de um obus autopropulsado M8 75mm no qual podemos ler o lema "França primeiro" da 5ª Divisão Blindada, da qual o 1er REC forma o esquadrão de reconhecimento.

Banda de música do 1er REC.

Retrato de um "caporal-chef" da banda de música do 1er REC. O brevê "Tunisie" indica serviço na Campanha da Tunísia (1942-1943).

Suboficiais legionários posam com um jipe anfíbio.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada: