domingo, 12 de janeiro de 2020

O que um romance de 1963 nos diz sobre o Exército Francês, Comando da Missão, e o romance da Guerra da Indochina



Por Michael Shurkin, Rand Corporation, 20 de setembro de 2017.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 21 de agosto de 2019.

Há muitos anos venho estudando e escrevendo sobre a abordagem do Exército Francês em relação às operações expedicionárias e, de modo mais geral, como ele luta de maneira diferente dos americanos. Neste verão em Paris, um general do Exército Francês me entregou uma peça que faltava no quebra-cabeça. “Se você quer nos entender”, ele disse, “você precisa ler o romance de Pierre Schoendoerffer, La 317e Section (O 317º Pelotão).”

Dois dias depois, outro general disse exatamente a mesma coisa. Comecei a perguntar, e de fato as obras de Schoendoerffer são uma referência cultural importante para muitos oficiais do Exército Francês. Sua afinidade com o falecido escritor e cineasta acaba sendo emblemática de como eles se vêem. O trabalho de Schoendoerffer informa e reflete um estilo operacional enraizado na memória coletiva do Exército Francês sobre as guerras coloniais e seu passado aristocrático.

Schoendoerffer pode ser descrito como um Sebastian Junger francês, com ecos de Jack London e Joseph Conrad. Ele serviu na Primeira Guerra da Indochina como fotógrafo de combate e, entre outras coisas, saltou de pára-quedas no bastião assediado de Dien Bien Phu. Lá, ele filmou a batalha antes de ser tomado prisioneiro junto com os outros sobreviventes. Depois da guerra, ele fez carreira escrevendo livros e fazendo filmes principalmente sobre homens em guerra na Indochina.

La 317e Section, publicado em 1963, foi o primeiro romance de Schoendoerffer. Conta a história sombria de um segundo tenente francês, Torres, que escapa com alguns graduados franceses e um pelotão de soldados de infantaria laocianos de um remoto posto avançado, enquanto ele cai para o comunista Eles lutam pela selva em uma tentativa desesperada de alcançar outro posto avançado distante que quase certamente também havia caído. Torres está doente e exausto enquanto se arrasta em frente com o peso da vida de seus homens sobre seus ombros. Seu estoicismo nunca falha. Ele se esforça até o fim para fazer o melhor de uma situação cada vez pior. Além disso, ele repetidamente escolhe a nobreza sobre o pragmatismo e não pode resistir a um beau geste - um ato nobre ou belo, mas sem sentido - quando a extrema prudência deveria ser o seu lema.

A situação de Torres era um microcosmo do problema de Dien Bien Phu, se não de toda a guerra da Indochina: sua força desordenada era muito pequena e operava nos limites extremos da capacidade da França de fornecer apoio. Desde o início, o leitor suspeita que a história dificilmente terminará bem. Da mesma forma, não se pode ler histórias de Dien Bien Phu ou da Indochina sem um sentimento de destruição iminente, não apenas porque o resultado histórico é conhecido, mas também porque, em retrospecto, é fácil ver o que os comandantes franceses não poderiam ou não reconheceriam ou admitiriam: a futilidade daquilo tudo.

Um major do exército francês a quem eu havia perguntado sobre o livro (e que confessou que ele havia “assistido e lido Schoendoerffer duas dúzias de vezes”) sugeriu que La 317e Section continuava sendo uma referência para aspirantes a oficiais por causa de Torres. Eles vêem algo de si mesmos em como nem Torres nem seus subordinados questionam o propósito da guerra. O livro é sobre "um bando de caras que fazem o que fazem porque acreditam que é certo", disse o major. Há também, acrescentou, "um óbvio sentido de fatalismo através da história que é muito influente na cultura dos oficiais".


A história militar da França e sua literatura associada não carecem de exemplos de fatalismo ou estoicismo. A Primeira Guerra Mundial, em particular, foi uma prova de ambos. Eles são temas constantes, por exemplo, no romance de 1916 de Henri Barbusse, Le Feu (O Fogo).No entanto, o apelo da Indochina de Torres e Schoendoerffer é muito maior. Uma razão poderia ser que a Primeira Guerra Mundial era sobre heroísmo em uma escala de massa, em oposição a ações individuais. O herói daquela guerra (e do livro de Barbusse) era o “poilu”, o homem comum incrustado de lama e em grande parte sem rosto que lutava nas trincheiras e nunca cedera. A história de Torres é mais romântica e relembra um passado em que jovens oficiais puderam desempenhar papéis de liderança em contos de ação relativamente pequenos, porém dramáticos.

Esse passado tem raízes profundas na história colonial da França. Durante a maior parte dos últimos dois séculos, a França tinha efetivamente dois exércitos: uma grande força metropolitana baseada em guarnições que se concentrava em combater primeiro a Alemanha e depois a União Soviética, e uma força menor com uma vocação majoritariamente colonial. Este último consistia na Legião Estrangeira, as Troupes de Marine (que se tornaram parte do exército na virada do século XX), e uma gama diversificada de regimentos recrutados no exterior entre os colonos europeus e povos indígenas do outrora vasto império da França. Essas formações atraíam diferentes tipos de oficiais do que o grande exército metropolitano atraía. Estes eram homens que buscavam aventura e eram relativamente indiferentes ao risco. Muitos se irritaram com a cultura mais governada e conservadora da grande força continental. O serviço colonial, afinal de contas, muitas vezes prometia promoção rápida e glória rápida, mas também era mais perigoso. Malária, febre amarela e outras doenças foram prevalentes em colônias francesas. As operações coloniais da França tendiam a ser missões de baixo orçamento e pequenas dimensões que colocavam os oficiais subalternos muito similarmente como Torres em posições de considerável autoridade e responsabilidade: Como os capitães navais no mar, eles estavam sozinhos sem capacidade de se comunicar com o quartel-general e com pouca ou nenhuma chance de serem resgatados se as coisas dessem errado. Para ter sucesso ou apenas sobreviver, eles tinham que ser inteligentes e tomar a iniciativa. Alguns foram e viveram para contar a história e até tiveram carreiras espetaculares. Outros não foram e pagaram o preço.

O serviço no exército metropolitano era mais prestigioso até a segunda metade do século XX, quando a força colonial passou a predominar, mesmo quando a descolonização, as perdas na Indochina e na Argélia e os escândalos políticos que surgiram com a Guerra da Argélia se desdobraram. A França manteve muitos de seus regimentos coloniais que formam o núcleo das capacidades expedicionárias do Exército Francês e são suas unidades de maior prestígio. Hoje, por exemplo, os melhores graduados da academia militar da França, Saint-Cyr, geralmente migram para esses regimentos, em vez daqueles que sobraram da força metropolitana. Os oficiais dessas unidades, além disso, têm uma presença desproporcional entre os oficiais-generais da França e as mais altas lideranças militares.

Outro aspecto importante da cultura do exército francês é uma divisão histórica, que remonta a antes da Revolução Francesa, entre as armas profissionais do Exército, como a artilharia e os engenheiros, e as armas aristocráticas, principalmente entre elas a cavalaria. A guerra de cerco, por exemplo, era historicamente uma questão de método, planejamento e progresso incremental cuidadoso. Era uma ciência. Os aristocratas, em comparação, tinham um gosto pelo risco, pela audace (audácia) e pelo élan (freqüentemente traduzidos como movimentos rápidos ou investidas). O ideal era acertar um golpe decisivo em uma ação ousada, dramática e rápida que ganhou o dia com estilo. Como um coronel do exército francês aposentado me disse:

O ethos militar francês atribui mais importância à coragem e ao beau geste do que à vitória. Quanto maiores as dificuldades, maior a coragem de enfrentá-las. No final, preferimos “perdedores magníficos” a “vencedores feios”.

A cultura do Exército Francês o ajuda a se destacar em operações expedicionárias, particularmente em ambientes austeros. Oficiais franceses se divertem com a rudeza. O exército também se presta ao que é conhecido como subsidarité*, ou o que as forças armadas americanas chamam de comando da missão. Esta é a prática de comunicar objetivos gerais - uma intenção - para oficiais subordinados e deixá-los usar sua própria inteligência e iniciativa para descobrir como alcançar esses objetivos. Nas unidades coloniais, o comando da missão era um requisito básico. Hoje, embora não seja exclusivo para os franceses, eles levam mais longe do que a maioria, até mais do que o Exército dos EUA, de acordo com os oficiais franceses com quem conversei. A doutrina francesa sobre liderança fala longamente sobre como comandar e como dar ordens, explicando que o comando da missão “repousa sobre a iniciativa concedida aos subordinados, sua disciplina intelectual e sua capacidade de resposta para atingir a meta estabelecida pelo escalão superior”.Um manual de campanha separado descreve o comando da missão como uma forma de permitir que os oficiais aproveitem as oportunidades à medida que se apresentam: “É a audácia encorajada pela subsidarité que permite aproveitar as oportunidades”.

[Nota do Tradutor: Subsidiariedade é um princípio de organização social que sustenta a ideia de que as questões sociais e políticas devem ser tratadas no nível mais imediato, consistente com a sua resolução.]

Em grande medida, os franceses adotaram o comando da missão por necessidade, tanto hoje como durante a era colonial. O comando da missão permite que pequenos exércitos aproveitem ao máximo recursos limitados, em parte capacitando os comandantes das unidades de escalão inferior a agirem de forma independente. As forças armadas francesas, além disso, muitas vezes não são grandes o suficiente para vencer através de números absolutos ou poder de fogo, então favorecem a capacidade de manobra e a velocidade, os quais o comando da missão permite. A cultura militar francesa é, portanto, compatível e ajuda-os a ser bons em uma maneira de operar que o pragmatismo ordena de qualquer maneira. De certa forma, identificar-se ou romantizar figuras como Torres prepara jovens oficiais franceses para o desafio de comandar e ser responsável por suas tropas, mesmo nas circunstâncias mais difíceis. É nisso que eles se inscrevem.

A vantagem que o comando da missão dá aos franceses pode ser vista na Operação Serval, uma intervenção de 2013 no Mali na qual uma força expedicionária relativamente pequena conseguiu muito em parte desagregando-se em pequenas forças, cada uma tendo a responsabilidade de conduzir operações separadas. A estratégia se resumia à audácia e ao élan: o plano, conforme descrito pelos informes do Exército francês e às memórias do General Bernard Barrera, comandante da Serval, era ganhar rapidamente conduzindo uma série de movimentos rápidos e arrojados sobre grandes distâncias, destinados a negar ao inimigo a iniciativa e impedir que ele jamais organizasse uma defesa adequada. Isso exigia projetar pequenas unidades subordinadas longe, muito à frente no deserto do Mali, onde eram obrigadas a operar nos limites extremos da capacidade da França de apoiá-los. As unidades francesas avançadas geralmente não tinham peças e estavam à beira de ficar sem munição, combustível e água. Em dado momento, quase 200 soldados de infantaria estavam sem calçados porque a cola que mantinha suas botas unidas derreteu no calor, que flutuava entre 100 e 120 graus.

Soldados franceses em operações no Sahel, 2019.

Os franceses também tinham muito pouco apoio médico e de fogo - pouquíssimos helicópteros para evacuar os feridos, muito poucos leitos para manuseá-los, pouquíssimos aviões de ataque disponíveis e poucas peças de artilharia. Parte do que os franceses fizeram foi altamente arriscado, como avançar nas montanhas Adrar des Ifoghas, o reduto dos islamitas. Os oficiais franceses com quem conversei sobre a Serval acham que os islamistas nunca imaginaram que os franceses se atreveriam a combatê-los no Adrar. Mas os franceses aceitaram o desafio, resultando em uma série de intensos confrontos violentos e combates de curta distância, travados por soldados carregando cargas pesadas sob altíssimas temperaturas. A França perdeu três homens nos combates no Adrar, e um total de nove na época em que a França declarou a Serval terminada no verão de 2014. (O aliado da França nos combates em Adrar, o Chade, perdeu várias vezes mais, incluindo 23 mortos no Adrar em um único dia.)

Falando com oficiais franceses que participaram da Serval, não podemos deixar de concluir que eles adoraram, não apesar das dificuldades, mas por causa delas. Barrera, que menciona um dos romances indochineses de Schoendoerffer em suas mémoires, parece ter tido a maior diversão da sua vida. Ele e seus subordinados manobrando e lutando no clima extremo do Mali estavam vivendo o seu momento de Torres, embora em um deserto, em vez das selvas encharcadas da Indochina. A Serval era, além disso, uma oportunidade para o Exército Francês se entregar aos tipos de guerra com que muitos dos seus membros apenas sonhavam, particularmente depois de anos de guerra relativamente estática no Afeganistão. Informes do Exército Francês sobre a Serval trombeteavam o “retorno da Manobra Aeroterreste em Profundidade”.

Uma diferença fundamental, é claro, entre Barrera e Torres é que a história do comandante da vida real tem um final feliz. Ele levou quase todos os seus homens para casa em segurança e depois marchou com eles pelos Champs-Elysées. Ajudou que o inimigo no Mali não fosse nem de perto tão capaz quanto o Viet Minh. E enquanto Barrera assumiu grandes riscos, ele não foi imprudente. Ao longo de seu livro, ele descreve pesar os riscos associados a ir adiante com várias operações em face de suprimentos escassos e apoio de fogo e apoio médico inadequado. Às vezes, ele preferiu aguardar a disponibilização de mais apoio antes de iniciar uma operação. Além disso, a prática francesa de confiar autoridade a oficiais subalternos e responsabilidade também se traduz em encorajar jovens líderes a pensarem por si mesmos e a retroceder se eles acreditassem que estavam sendo instruídos a fazer algo desnecessariamente arriscado. O major francês familiarizado com Schoendoerffer me disse que “a coisa mais 'comandante da missão' que fiz no Afeganistão foi dizer ao chefe de operações do meu batalhão que eu não faria algo porque era excessivamente perigoso, inútil e estúpido”.

O que outras forças armadas podem aprender com essa experiência? A cultura do exército francês é relevante para as forças armadas interessadas em se tornarem mais expedicionárias, aprendendo a serem eficazes no comando da missão ou simplesmente aproveitando ao máximo as pequenas forças. No entanto, o risco é grande: entre outras coisas, o comando da missão francês exige muita confiança nos jovens oficiais e os prepara da melhor maneira possível para serem dignos dessa confiança. Napoleão Bonaparte supostamente disse uma vez que a chave para o sucesso é “a arte de ser ao mesmo tempo muito audacioso e muito prudente”. Na linguagem da doutrina do Exército Francês contemporâneo:

Manter a iniciativa é impensável sem que o comandante demonstre prova de audácia. Ele deve de fato manter a ascendência sobre o inimigo. Isso requer riscos razoáveis que permitem a alguém impor sua ação ao adversário.

Barrera e seus oficiais subordinados conseguiram esse equilíbrio, pelo menos desta vez. Mas nem todo mundo pode ser tão bom, ou tão sortudo. De fato, Bonaparte também achava que ser bom não era suficiente. Em vez disso, um oficial tinha que ter sorte também. Barrera certamente tinha sorte. Ler a história da Serval é ler uma longa lista de coisas que poderiam ter dado errado, mas não deram. Os ancestrais de Barrera na Indochina podem não ter sido tão bons e certamente não tiveram tanta sorte. Independente disso, quanto mais uma força estiver disposta a se arriscar e a um desastre judicial, e quanto mais ela abraçar o comando da missão, mais crucial é treinar seus oficiais não apenas para pensarem por si mesmos, mas também para terem audácia e prudência em igual medida. Os oficiais franceses insistem que o seu exército faz essas coisas particularmente bem, melhor, dizem eles, do que o exército americano.

O modo de guerra francês tem claramente seu lugar no que pode ser descrito como um conflito do tipo colonial, tal como no Mali. No entanto, é menos claro como os franceses se sairiam em um conflito mais convencional, no qual massa, “volume” ou poder de fogo bruto poderiam ser mais críticos. Isso era parte do problema em Dien Bien Phu, onde homens galantes como Torres e todos os seus coloniais da vida real que, como Schoendoerffer, se ofereciam para saltar de pára-quedas na base sitiada, caíram sob o número superior e maior poder de fogo do inimigo. A audácia não lhes fez muito bem quando precisaram de bombardeiros e artilharia pesada. O comando da missão, além disso, é apenas um ativo em certas circunstâncias. Barrera, em suas memórias, diz que conscientemente escolheu o comando da missão no Mali porque viu sua adequação. Em outras situações, como a própria doutrina francesa afirma, um comando e controle mais diretos podem ser uma escolha melhor.

O modo americano de guerra, que os oficiais franceses descreveram para mim quase que desdenhosamente como científico e "como um projeto industrial", emerge como mais seguro porque é menos dependente da habilidade dos comandantes de andarem na corda bamba que os franceses parecem apreciar, e mais dependente de recursos e poder de fogo. De fato, foi isso que salvou os americanos sitiados em Khe Sahn de sofrerem o destino dos franceses em Dien Bien Phu. Mas nem todos têm os recursos para lutar do jeito americano, e oficiais franceses, em especial veteranos do Afeganistão que trabalharam de perto com as forças americanas e desfrutaram do apoio de fogo e do apoio logístico que vieram com ele, me disseram que não consideram a abordagem americana como necessariamente melhor. As forças armadas americanas, afinal, também perderam a guerra da Indochina. A Indochina serve como um lembrete de que, sem uma estratégia vencedora, até mesmo os mais valentes de seus beaux gestes ou a aplicação de enormes recursos podem ser tão vazios de sentido quanto os sofrimentos do jovem tenente Torres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário