sábado, 25 de abril de 2020

GALERIA: Operação de limpeza com blindados em Tu Vu

Carros de combate Sherman M4A1 do RBCEO desdobrados em defesa auto-guardada, com os canhões de 75mm apontados em setores de tiro diferentes, prontos para reagir rapidamente a tentativas de emboscadas contra a coluna blindada. (Defives Guy/ ECPAD)

Como parte de uma operação de limpeza no setor de Tu Vu, em janeiro de 1952, várias unidades estão ocupadas esquadrinhando o terreno para detectar melhor qualquer presença de elementos do Viet Minh. Fotos de Defives Guy para o ECPAD.

Um trator nivela uma pista e soldados de infantaria tentam rastrear minas usando um detector SCR 625 (chamado "poêle à frire", frigideira, pelos franceses); um esquadrão do RBCEO (Régiment Blindé Colonial d'Extrême-OrientRegimento Colonial Blindado do Extremo Oriente) é desdobrado no terreno, os escaramuçadores de um BMNA (Bataillon de Marche Nord-AfricainBatalhão de Marcha Norte-Africano) avançam com seu mascote, um filhote de cachorro preso na tralha de um soldado. 


Um tanque Sherman M4A1 do RBCEO avança dentro de uma coluna e aponta sua arma de 75mm em seu setor de tiro. Ao fundo o canhão de outro Sherman também pode ser visto. Eles são sobrevoados por um avião "Toucan" (Tucano, a forma como os franceses chamavam o Junker 52 de origem alemã), preparando-se para lançar paraquedistas.

As operações de remoção de minas e o avanço dos tanques do RBCEO continuam quando paraquedistas são lançados nas proximidades, sob os olhares de tanquistas coloniais.


Outro tanque Sherman M4A1 do RBCEO, chamado "Murat", abre o caminho através da grama alta, apontando o canhão de 75 mm na direção da progressão. A tripulação está em alerta, na esperança de detectar quaisquer elementos do Viet-Minh escondidos na vegetação e para neutralizar todas as tentativas de abordagem e destruição por uma equipe de sapadores do Viet-Minh.

Um tanque M3 Lee (versão de recuperação) do RBCEO foi vítima de uma mina do Viet-minh. Este tanque era normalmente armado com dois canhões fictícios em chapa (37mm na torre e 75mm na lateral direita), bem como um guincho na parte traseira.

Um blindado "Lee" de recuperação do RBCEO sofreu pesados danos por mina ou carga explosiva, tendo a lagarta rompida e sofrido perda da torre. Outros tanques do RBCEO continuam avançando na chuva, assim como os soldados de infantaria.


Um tanque Sherman M4A1 do RBCEO chamado "Cambronne" faz marcha ré para rebocar um veículo em dificuldade enquanto os tanquistas coloniais estão prestes a fixar um cabo de reboque.

O "Cambronne" rebocando o veículo em apuros.

O terreno da Indochina era desafiador para homens e blindados. O terreno, a chuva e a vegetação apresentavam obstáculos formidáveis, que davam aos guerrilheiros do Viet Minh uma grande vantagem para ações de emboscada. Ainda assim, a presença de blindados era considerada essencial e muito bem vinda pela infantaria francesa.


O Sherman M4A1 "Massena" progride pelo terreno encharcado, dando carona para seus colegas de infantaria.

Leitura recomendada:

GALERIA: Manobras com o Sherman no Brasil, 1957,  30 de janeiro de 2020.

Uma avaliação francesa do tanque Panther30 de janeiro de 2020.

FOTO: Shermans soviéticos do 6º de Guardas31 de janeiro de 2020.

FOTO: Coluna de tanques Sherman Firefly na Itália8 de abril de 2020.

GALERIA: Carros de combate Hotchkiss H35 na Iugoslávia12 de março de 2020.

FOTO: Somua S 35 na Tunísia26 de março de 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário