Mostrando postagens com marcador FN Herstal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FN Herstal. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 19 de maio de 2020

VÍDEO: O FN FNC


Vídeo do canal Garand Thumb sobre o fuzil FN FNC, o sucessor belga do venerável fuzil FN FAL - o Braço Direito do Mundo Livre. O FNC foi adotado pelas forças belgas mas, apesar da sua alta qualidade, sem o sucesso internacional do seu predecessor.

Leitura recomendada:



Um breve comentário sobre o FN FAL21 de fevereiro de 2020.




Mausers FN e a luta por Israel23 de abril de 2020.

sábado, 9 de maio de 2020

GALERIA: FN49 do contrato egípcio


Por Fred, Guns&Coffe, 16 de dezembro de 2011.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de maio de 2020.

O colaborador do G&C, o camarada de estande, e o nice guy Cro adquiriu um FN49 do contrato egípcio e teve a gentileza de confiar em mim com ele por uma semana ou mais para tirar algumas fotos. 

É realmente uma arma linda.

O ajuste e o acabamento deste exemplar são muito bons, com algum desgaste na oxidação negra presente, porém nenhuma ferrugem ou corrosão alveolar que eu tenha notado.

O FN-49 começou a vida pouco antes da Segunda Guerra Mundial, e o projetista, Dieudonné Saive, fugiu para a Inglaterra quando os nazistas invadiram a Bélgica. Saive levou os planos com ele para impedir que caíssem nas mãos dos alemães, e terminou o projeto depois que a Bélgica foi libertada e a FN se reergueu.

O fuzil é um fuzil de batalha semi-automático a gás, com uma haste de operação longa e o sistema é ajustável para compensar cargas variáveis. O fuzil foi originalmente calibrado em Mauser 7x57mm e foi produzido em 30-06, 7,65x53mm argentino e 8mm Mauser (como mostrado neste artigo).

A desmontagem é bastante simples, e o fuzil pode ser desmontado em campo sem o uso de ferramentas (é necessária uma pequena chave de fenda para remover o guarda-mão, como mostrado abaixo).

"Fábrica Nacional de Armas de Guerra - Herstal - Bélgica."

O registro de segurança é interessante, pelo menos para Cro e eu, pois ele desliza em uma ranhura usinada na lateral do próprio gatilho. O carregador é um carregador fixo de 10 tiros tipo cofre, os reténs de alimentação são usinados no receptor (caixa da culatra) e não no carregador.

Visão da câmara.

Sendo um fuzil do contrato egípcio, muitas das marcações estão em árabe, incluindo o número de série e as marcações de alcance no conjunto da alça mira.

No estande, o fuzil manuseia bem. Ele equilibra onde um fuzil deve, e é elegante fazendo-o.

O recuo não é tão ruim quanto eu esperava, sem dúvida devido à longa haste de operação e ao sistema ser ajustado para a munição específica que estávamos atirando (excedente romeno). Estava um pouco nublado e a fumaça persistia.

Disparei alguns grupos do banco para sentir a precisão...

...mas rapidamente percebemos que precisávamos recuar para 50 jardas para descobrir para onde os tiros estavam indo. Depois de passar para o alcance mais curto, descobrimos que o fuzil estava disparando cerca de um pé abaixo a 50 jardas em sua configuração mais baixa e um pouco à esquerda. Ajustamos um pouco o vento, aumentamos a alça de mira alguns degraus para trás e voltamos para 100.

Não é o grupo mais bonito, e ainda conseguimos deslizar entre as duas folhas, mas é bem típico do que estávamos conseguindo a maior parte do dia.

Estou certo de que a arma é capaz de grupos muito melhores com a munição certa, um zero melhor e melhores condições de alcance. Acho que da próxima vez algum tempo de aquecimento no dia 22/10 e um pouco menos de café (heresia!!!) podem ser necessários.

Em suma, eu diria que é uma boa adição à coleção de Cro.

Leitura recomendada:


quinta-feira, 23 de abril de 2020

Mausers FN e a luta por Israel

As armas produzidas pela Fabrique Nationale e usadas na luta de Israel por um estado independente incluem: (oposto, de cima para baixo): um Mauser pré-guerra convertido em Israel na configuração K98; um Mauser de contrato etíope pré-guerra coronha estilo K98 convertido para 7,62x51mm OTAN em Israel; um Mauser produzido na década de 1950, fornecido a Israel e convertido em 7,62x51mm OTAN; uma Carabina calibrada em .22 Long Rifle de treinamento, estilo Mauser; uma rara pistola High Power do pré-guerra (l.) com mira fixa e armação com fenda, enviada para Tel Aviv em 1938; e uma High Power israelense de apresentação do pós-guerra fornecida em 1954.

Por Anthony Vanderlinden, American Rifleman, 19 de outubro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de abril de 2020.

Desde a criação das Nações Unidas, poucas medidas atraíram tanta atenção quanto a Resolução 181 (II). Aparelhos de rádio e televisão em todo o mundo sintonizaram em 29 de novembro de 1947, para a votação para propor um estado judeu independente na Palestina. A polêmica votação foi aprovada com a aprovação de 33 nações, enquanto 13 países votaram contra e 11 se abstiveram ou estavam ausentes.

Um soldado israelense no início dos anos 50 é mostrado segurando um fuzil K98 excedente da era da Segunda Guerra Mundial.

Mesmo antes da aprovação da resolução das Nações Unidas, toda a região da Palestina estava envolvida em uma guerra civil. Essa guerra se transformou na Guerra da Independência de Israel (ou Guerra Árabe-Israelense) depois que Israel declarou independência em 14 de maio de 1948. Jerusalém foi imediatamente sitiada em 15 de maio. A situação rapidamente se tornou desesperadora; a população judaica de 600.000 habitantes estava cercada por países árabes hostis, com uma população de mais de 15 milhões. O novo governo contou com os membros de grupos de independência mais antigos, principalmente a Haganah, "A Defesa", que lutou para proteger os interesses judaicos e pela independência por um período de décadas. Combatentes judeus mal-equipados enfrentavam exércitos bem-equipados do Egito, Iraque e Jordânia*. Os árabes juraram aniquilar os judeus. Foi uma luta pela sobrevivência e uma luta contra um segundo holocausto.

*Nota do Tradutor: Além da Síria, o segundo maior contingente, o Líbano e os voluntários do Exército de Libertação Árabe (Jaysh al-Inqadh al-Arabi), este com 6 mil combatentes e pelo menos 3.500 mobilizados no conflito. Seu quartel-general era sediado em Damasco e contava com voluntários sírios, libaneses, transjordanianos, circassianos e bósnios, além de egípcios da Irmandade Muçulmana.

Três dos países que votaram na resolução da ONU, Estados Unidos, Tchecoslováquia* e Bélgica, tiveram um impacto significativo na sobrevivência do estado judeu de Israel.

*NT: A Tchecoslováquia era apenas um domínio soviético, ocupado e governado pelo exército vermelho soviético, assim como os demais países do que viria a ser o Pacto de Varsóvia. Isso dava a Moscou 4 votos no conselho da ONU. Um outro país que votou na resolução foi justamente o Brasil, com o "Voto de Minerva" de Oswaldo Aranha; o que lhe deu status quase mítico na historiografia israelense.

Mausers israelenses, de cima para baixo:
Este FN Mauser pré-guerra foi convertido em Israel para a configuração K98 e permanece em sua calibragem 7.92x57mm JS original.
Um FN Mauser produzido na década de 1950, esse fuzil foi fornecido a Israel e convertido em calibre 7,62x51mm OTAN. O arsenal refez o acabamento em fosfato verde, suas peças correspondentes incluem o ferrolho original.
Embora em tamanho real, este fuzil de treinamento estilo FN K98 Mauser foi calibrado em .22 Long Rifle. O projeto exclusivo, vendido apenas para Israel, apresentava um ferrolho e rampa de alimentação aprimorados. Os israelenses marcaram suas coronhas com a designação "0,22".
Este FN Mauser, contrato pré-guerra da Lituânia, foi convertido em Israel para o calibre 7,62x51mm OTAN e apresenta armação estilo K98.
Esse FN Mauser do contrato pré-guerra da Etiópia também foi convertido em Israel para o calibre 7,62x51mm OTAN. A armação em estilo K98 e a base da massa de mira são características da raça.

Tchecoslováquia

A legação tcheca na ONU votou no estado judeu apenas alguns meses antes de um golpe comunista transformar a Tchecoslováquia em um estado satélite soviético. A Tchecoslováquia se tornou a engrenagem mais importante da roda para ajudar a armar o povo judeu. Excedentes de armas alemãs e tchecas da Segunda Guerra Mundial foram adquiridos do governo da Tchecoslováquia e enviados para a Palestina. A ajuda da Tchecoslováquia é bem conhecida; além de fornecer armas leves, o país tornou-se um pólo centralizado para todas as formas de ajuda material*. Embora as armas portáteis fossem importantes, os judeus precisavam de blindados e força aérea para combater os exércitos árabes. Os tchecos ajudaram a estabelecer a força aérea israelense vendendo inicialmente aviões de combate alemães excedentes Messerschmitt Bf 109, além de clones tchecos conhecidos como Avia S-199. Mais tarde, as vendas foram expandidas para incluir Spitfires excedentes. Toda essa ajuda representou enormes receitas financeiras para os tchecos. Durante esse período, Joseph Stalin permitiu apoio contínuo após o golpe comunista tcheco, não tanto para apoiar os judeus, mas para a consternação do Império Britânico.

Bélgica

Os belgas também votaram a favor da resolução da ONU depois que o ministro socialista belga das Relações Exteriores, Paul-Henri Spaak, causou polêmica ao chamar um estado judeu de "perigoso". A maioria dos belgas não compartilhava desse ponto de vista. Muitos ficaram preocupados com o destino do povo judeu durante a guerra e com o bloqueio britânico de 1946 contra imigrantes judeus. Os campos de internação britânicos no Chipre e a detenção de sobreviventes do Holocausto foram considerados escandalosos.

Publicamente, alguns políticos belgas apaziguaram seus aliados, incluindo a Grã-Bretanha, a qual favorecia os árabes enquanto defendia o embargo internacional de armas. Privadamente, algumas autoridades belgas fecharam os olhos para o embargo em favor de armar o povo judeu.

Um notório negociante internacional de armas negociou com o governo belga a compra de todas as armas portáteis alemãs de excedente de guerra disponíveis. A extensão do envolvimento do governo no negócio de armas ainda está envolta em segredo, mas as permissões de exportação foram concedidas. Não foi a primeira vez que o governo belga foi contra os desejos da Grã-Bretanha. Na década de 1930, a Fabrique Nationale (FN) havia vendido armas para a Abissínia, enquanto oficiais militares belgas aconselhavam e formavam modernas unidades de combate militar para combater a crescente ameaça da Itália fascista.

O traficante de armas provavelmente vendeu as armas excedentes com enorme lucro. A situação desesperadora dos judeus na Palestina era bem conhecida e os eventos de angariação de fundos foram realizados em todo o mundo. Financiar a compra de armas não era o problema; comprar armas e levá-las para a região era muito mais difícil.

As marcações das caixas da culatra nos Mausers israelenses da FN incluem (esquerda pra direita): Um brasão “FN” pré-guerra; um brasão etíope pré-guerra com a marcação “7,62” adicionada; um brasão lituano pré-guerra com "7,62"; um brasão das FDI dos anos 50 com "7,62"; e o mesmo emblema em um fuzil de treinamento calibrado em .22 Long Rifle.

Os Estados Unidos

O presidente Harry S. Truman era um defensor essencial da resolução da ONU e flexionou a força política para obter apoio internacional. O apoio veio, no entanto, depois que Truman escreveu ao Congresso em 15 de abril de 1947, para restaurar a Lei de Neutralidade. Conseqüentemente, um embargo internacional de armas entrou em vigor em 5 de dezembro de 1947.

Era ilegal para os cidadãos dos Estados Unidos venderem equipamentos para, ou lutarem pelo, Estado de Israel. Os israelenses não tinham pilotos, então o recrutamento de ex-aviadores americanos em segredo era uma alta prioridade. Apesar das restrições e riscos, vários veteranos americanos responderam ao chamado e seguiram para a Tchecoslováquia para fazerem missões de combate para Israel. Grupos clandestinos nos EUA estavam concentrados na aquisição de aviões excedentes da Segunda Guerra Mundial. Uma companhia aérea panamenha falsa foi criada para enganar o governo dos EUA sobre o verdadeiro objetivo dessas aquisições. Alguns C-46s Curtiss e algumas Lockheed Constellations militares foram comprados e transportados para o Panamá antes de seguir para Israel (via Brasil, Marrocos, Itália e Tchecoslováquia). Veteranos americanos voaram e lutaram por Israel correndo grande perigo, o Departamento de Estado dos EUA havia alertado que esses homens perderiam sua cidadania se fossem pegos violando a Lei de Neutralidade. Isso foi de pouca preocupação para aqueles em combate - com alguns pagando o preço derradeiro. Outros permaneceram em Israel após a guerra para ajudar a construir o país, especialmente a Força Aérea de Israel e a companhia aérea El Al.

As Armas de Israel

A Guerra da Independência de Israel foi, ironicamente, travada com grandes quantidades de armas fabricadas pela Alemanha nazista. As armas de pequeno porte incluíam milhares de fuzis Mauser K98, pistolas Luger, pistolas P38, pistolas FN-Browning pré-guerra e de tempo de guerra, pistolas Radom VIS, metralhadoras MG 34, e armas tchecas excedentes, incluindo pistolas CZ e metralhadoras, entre outras. Também foram usadas grandes quantidades de armas britânicas, especificamente fuzis Enfield (capturados), metralhadoras leves Bren, submetralhadoras Sten e revólveres Webley. A simplicidade da Sten tornou-a uma candidata perfeita para a fabricação doméstica; cópias já estavam sendo fabricadas na Palestina antes da Guerra de Independência. Armas americanas excedentes, como a submetralhadora Thompson, a carabina M1 e o M1 Garand, também foram usados extensivamente.Todas as armas eram vitais, por mais desafiadora que fosse a logística. Apesar da origem e conotação, as marcações alemãs em tempos de guerra raramente eram desfiguradas pelos arsenais. Os pilotos americanos receberam trajes de vôo alemães do tempo da guerra e foram convidados a lutar em aviões alemães. Sinais da Alemanha nazista estavam presentes em grande parte do equipamento.

As forças judaicas rapidamente se concentraram no K98 como seu principal fuzil de batalha, o que poderia ter sido previsto pelas grandes quantidades de fuzis excedentes obtidos na Tchecoslováquia e na Bélgica ou pelas grandes quantidades de munição 7,92x57mm disponível. Ao contrário das armas britânicas, os israelenses podiam adquirir novos fuzis K98 e munição do governo da Checoslováquia, que continuava produzindo o modelo após a guerra.

O golpe comunista em fevereiro de 1948 na Tchecoslováquia pode ter sido um fator contribuinte do motivo pelo qual a Fabrique Nationale foi contratada para fabricar uma versão do K98 para Israel. Naquela época, Joseph Stalin estava no controle das nações por trás da Cortina de Ferro, e seu apoio a Israel era pouco confiável e contraditório na melhor das hipóteses.

Enquanto os detalhes das compras belgas permanecem envoltos em mistério, o Estado de Israel começou a comprar fuzis da FN depois de declarar independência. Embora a FN tenha fabricado algumas peças do K98 durante a ocupação alemã, nunca havia construído fuzis K98 completos. Os fuzis foram marcados com o emblema das Forças de Defesa de Israel (FDI), que na verdade era o antigo logotipo da Haganah - uma espada e um ramo de oliveiras. Todos os fuzis receberam acabamento em azul ferrugem padrão da FN e foram calibrados em 7,92x57mm. Não havia fuzis calibrados em 7,62x51mm OTAN, como é frequentemente descrito. Os fuzis do contrato inicial convenientemente não possuem marcações do código do ano de produção. Essa primeira encomenda marcou o início de mais de 40 anos de cooperação entre a FN e o Estado de Israel.

O Estado de Israel comprou milhares de fuzis do tipo FN K98, incluindo 1.800 fuzis de treinamento em .22 Long Rifle, até cerca de 1956. Além disso, granadas de fuzil e lançadores Energa, pistolas FN Browning High Power e metralhadoras FN BAR também foram adquiridas. Israel carecia de veículos blindados, e a granada Energa era essencial para combater os veículos blindados dos exércitos árabes hostis.

Os fuzis de treinamento calibrados em .22 Long Rifle, se desviaram dos fuzis de treinamento padrão da FN. Os israelenses não apenas exigiram que se parecesse com o K98, mas também solicitaram uma rampa de alimentação modificada e um ferrolho melhorado. Os arsenais israelenses revisaram os fuzis de treinamento em 1958 e modificaram muitos fuzis de treinamento alemães que haviam adquirido no momento da independência. Muitos desses fuzis foram modificados para a configuração padrão do estilo K98. Os fuzis de treinamento da FN foram inspecionados, reparados caso necessário, e marcações "0,22" foram adicionadas à coronha para distingui-las dos fuzis em 7,62mm. A marcação "0,22" não faz sentido, pois não é o equivalente métrico (5,6mm) do calibre .22. Os fuzis de treinamento da FN geralmente não recebiam novo acabamento, e a maioria é encontrada hoje em acabamento azul original.

As características de fabricação da Fabrique Nationale que distinguem os fuzis fabricados pela FN dos K98 alemães incluem (de esquerda pra direita): Uma alça de ferrolho inclinada com raio diferente e marcas de verificação de Liège; um anel de bandoleira tipo FN; e uma base de massa de mira simplificada.

A nação de Israel era pequena, com recursos limitados, então nada foi desperdiçado. Ao longo dos anos, Israel havia adquirido uma variedade de fuzis pré-guerra de várias fontes, todos esses fuzis foram deslocados durante a Segunda Guerra Mundial e já foram alguma vez de uso padrão tcheco, lituano ou etíope, entre outros. Esses fuzis pré-guerra foram desmontados e as ações de cano foram usadas para convertê-los em fuzis estilo K98. As marcações do contrato original não foram removidas das caixas da culatra. A grande variedade de configurações os torna fascinantes itens de colecionador, e embora a maioria tenha sido convertida para 7,62mm, alguns sobrevivem em seus calibres originais de 7,92mm com armação de estilo K98 israelense.

Uma soleira em forma de concha é consistente em todos os FN Mauser do contrato israelense.

Em 1955, Israel adotou oficialmente o FN FAL e o FALO [FAP], seguido pela metralhadora FN MAG-58. Note-se que o FAL foi gradualmente transferido em serviço, não substituindo imediatamente os fuzis Mauser. Quando as FDI adotaram o FAL, elas haviam iniciado programas para padronizar o cartucho 7,62x51mm OTAN. Em 1957, os arsenais israelenses estavam ocupados convertendo milhares de fuzis Mauser para 7,62x51mm OTAN, o FN BAR também foi convertido para 7,62x51 mm OTAN. O inovador sistema de conversão da Fabrique Nationale trabalhou com carregadores FAL padrão, e a versão de 7,62mm ficou conhecida como FN BAR DA1. A Fabrique Nationale forneceu milhares de canos inacabados da Mauser. Eles não foram testados em Liège, pois não estavam em um estado acabado: ajuste, acabamento e montagem foram todos feitos em Israel.

Os fuzis foram modernizados com os novos canos 7,62x51mm OTAN, as coronhas e as caixas da culatra foram marcadas com "7,62" para identificação rápida. Todas as peças receberam novo acabamento com um tratamento de fosfato verde. Pouca atenção foi dada à correspondência de números de peças, o que torna os fuzis "com correspondência total" extremamente raros atualmente. O programa de reforma incluiu quase todos os fuzis Mauser, incluindo fuzis K98 do tempo de guerra, fuzis K98 pós-guerra, bem como fuzis FN e VZ pré-guerra.

Os fuzis Mauser de 7,62mm foram colocados em serviço e permaneceram em serviço por décadas. Mesmo durante a Guerra dos Seis Dias (1967), os fuzis Mauser e outros fuzis excedentes ainda foram usados em combate com fuzis FAL e submetralhadoras Uzi. Durante toda a sua existência, o Estado de Israel permaneceu em um alto nível de alerta. Cidadãos comuns, de funcionários de escritórios a professores, estavam armados. Os fuzis FN Mauser continuaram a ter um papel importante como arma secundária. Somente após décadas de serviço os fuzis sobreviventes foram vendidos em todo o mundo como itens de colecionador.

Setenta anos atrás, após as atrocidades do Holocausto, homens e mulheres de todo o mundo tomaram a iniciativa de ir à Palestina e lutar por um Estado judeu independente. Sua bravura e determinação sobrevivem nas ferramentas que eles usaram: aqueles Mausers que agora estimamos como colecionáveis.

O hasteamento da bandeira em Umm Rash-rash marcou o fim da Guerra de Independência. Observe que um soldado está armado com uma carabina M1 americana.

Referências
  • Above and Beyond,” filme documentário de 2014 por Roberta Grossman.
  • The Uzi Submachine Gun, por David Gaboury.
  • FN Mauser Rifles: Arming Belgium and the World, por Anthony Vanderlinden.
FN Mauser Rifles: Arming Belgium and the World

Dedicado à história, modelos, variações, contratos e acessórios de fuzis e carabinas Mauser construídos pela Fabrique Nationale e arsenais belgas, FN Mauser Rifles: Arming Belgium and the World, de Anthony Vanderlinden, é o resultado de mais de sete anos de pesquisa. Foi possível graças à cooperação da Fabrique Nationale, da Fundação Ars Mechanica, museus e colecionadores particulares.


Este livro de capa dura de 8¾ "x11½" possui 428 pg. e cobre a linha clássica de fuzis e carabinas militares Mauser da FN, incluindo contratos para o modelo 1889, o Mauser espanhol (1893), modelo 1922, modelo 1924, modelo 1930 e variantes, bem como modelos do arsenal belga, fuzis de treinamento e até baionetas. Fuzis esportivos, incluindo o Deluxe e Supreme, estão incluídos com atenção especial àqueles importadas nos Estados Unidos. O livro tem mais de 1.250 imagens, incluindo fotografias de época nunca publicadas anteriormente.

Leitura recomendada:




Fuzis de treinamento FAL do Brasil5 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 30 de março de 2020

O Fuzil FN49 - Uma Breve Visão Geral

Fuzileiros navais do Brasil armados com fuzis FN49 na República Dominicana, 1965. Óleo sobre tela de Álvaro Martins.

Por Marc Cammack, Ammoland, 13 de janeiro de 2016.

Tradutor Filipe do A. Monteiro, 30 de março de 2020.

Durante o século XX, a Fabrique Nationale (FN) produziu muitas armas lendárias, como a pistola High Power 9mm, a metralhadora MAG 58, e o FN FAL.

Após a Segunda Guerra Mundial, a FN produziu outro fuzil menos conhecido, o fuzil semi-automático FN49. O FN49 não viu o mesmo nível de uso de combate que os fuzis de batalha automáticos similares, como o M1 Garand, o SVT40 ou o G43.


No entanto, a arma ajudou a abrir o caminho para o famoso fuzil de batalha FN FAL de 7,62mm, e o FN49 foi usado em outros conflitos, tais como a Guerra da Coréia. O fuzil também foi adotado por vários* países logo após a Segunda Guerra Mundial, e hoje os fuzis FN49 sobreviventes se tornaram um item de coleção estimado.

*Nota do Tradutor: A autor americano deveria ter usado a palavra "alguns", pois apenas um punhado de países adotou o FN49, a saber:  Argentina, Bélgica, Brasil, Colômbia, Congo Belga (Zaire e República Democrática do Congo), Egito, Indonésia, Luxemburgo, e Venezuela (primeiro utilizador).

Mulher no Nepal.
O FN FAL foi usado em todo mundo.

O projetista do FN49, foi um belga chamado Dieudonné Saive. Após a morte de John Moses Browning, Saive terminou o projeto da pistola Hi Power de 9mm. Mais tarde, ele também projetou o famoso fuzil FN FAL, que equiparia muitas nações ocidentais durante a Guerra Fria. Saive começou a trabalhar em fuzis semi-automáticos no início dos anos 30. Seus primeiros fuzis de carregamento automático eram operados por recuo, mas ele projetou um fuzil operado a gás em 1936. O desenvolvimento posterior desse fuzil a gás foi interrompido em 1940, quando os nazistas invadiram a Bélgica.

Protótipos de 1927-37.

Saive conseguiu escapar da Bélgica para a Inglaterra no verão de 1941. Na Inglaterra, ele desenvolveu seu projeto para um fuzil semi-automático. Saive foi posteriormente ao Canadá em 1943 para ajudar na produção da pistola Hi Power na empresa John Inglis. O projeto do fuzil em que Saive trabalhou na Inglaterra serviu de base para o fuzil semi-automático FN49* do pós-guerra, adotado pela Bélgica em 1949.

Dieudonné Saive com o desenho do FAL.

*NT: Em 1943, Saive estava de volta ao trabalho em seu fuzil experimental, agora em 7,92×57mm Mauser. No final daquele ano, a Royal Small Arms Factory, Enfield encomendou 50 protótipos designados "EXP-1" e às vezes referidos como "SLEM-1" ou "Self-Loading Experimental Model" (Modelo Experimental de Carregamento Automático). Com base em testes com esses protótipos, a Enfield encomendou 2.000 fuzis para testes de tropa, mas um problema de última hora com a moderação da pressão do gás (bem como o iminente fim da Segunda Guerra Mundial) levou ao cancelamento desta encomenda. Apesar disso, Saive, que havia retornado a Liège logo após sua libertação em setembro de 1944, continuou o trabalho no fuzil, e finalizou o projeto do FN-49 em 1947.

Diorama mostrando soldados luxemburgueses defendendo uma casamata na Coréia, Museu Nacional de História Militar de Luxemburgo.

Voluntários belgas na Coréia.
O FN49 é visível no centro da foto.

O exército belga foi o maior usuário do fuzil FN49. Esses fuzis foram marcados como "ABL" para o Exército Belga. Esses modelos belgas foram criadas para facilitar a conversão para seletor de tiro. O Congo Belga também teve um total de 2.795 fuzis FN49 com seletor de tiro e em .30-06. Esses fuzis tinham um brasão de leão na caixa da culatra para distingüi-los dos fuzis do Exército Belga. Em 1960, o FN FAL substituiu o FN49 na Bélgica e no Congo como um fuzil de infantaria padrão.

Desmontagem em primeiro escalão do FN49


Fuzileiros navais brasileiros em exercício de montanha e contra-guerrilha na República Dominicana, 1965.

Fuzileiros navais brasileiros, com o FN49, em exercício de guerra de montanha e contra-guerrilha da FIP na República Dominicana, 1965.

A Bélgica não foi o primeiro país a adotar o FN49. A Venezuela encomendou 4.000 fuzis FN49 em 7mm Mauser em 1948. Eles fizeram um segundo pedido de 4.000 em 1951, totalizando 8.000 fuzis. Esses fuzis foram marcados com o brasão venezuelano e possuíam um quebra-chama único. A Marinha do Brasil usou um total de 11.001 fuzis FN49 em .30-06 e um fuzil em 7,62mm OTAN. Esses fuzis foram marcados com o brasão brasileiro na parte superior da caixa da culatra e também foram marcados com uma âncora no lado esquerdo da mesma.

FN49 venezuelano em 7mm.

Soldado venezuelano ajoelhado com um FN49, no centro da foto, durante o golpe militar de 1958.

Brasão venezuelano.

FN49 argentino com carregador destacável.

FN49 com o brasão da Armada da República Argentina (ARA).


Outros países da América do Sul usaram o FN49, como a Argentina. A Marinha Argentina encomendou um total de 5.537 fuzis em 7,65mm Argentino. Muitas dessas armas foram posteriormente convertidas para o 7,62mm OTAN e equipadas com um carregador destacável de tipo cofre de 20 tiros. Os fuzis da Marinha Argentina são marcados com o brasão da Argentina e da ARA na caixa da culatra. 1.000 fuzis em .30-06 foram produzidos para a Colômbia e esses fuzis foram marcados com o brasão colombiano na caixa da culatra.

Armação argentina modificada para carregador destacável, feita pela Metalúrgica Centro (antiga Fábrica de Armas Halcón).

Armação padrão com o carregador fixo servindo de depósito.

O Egito foi o segundo maior usuário do FN49, com cerca de 37.602 fuzis em 8mm Mauser sendo comprados ao longo de dois anos. As armas egípcias costumavam ter um disco de latão no lado direito da coronha. As miras traseiras também foram marcadas em árabe e as caixas da culatra foram marcadas com uma águia ou a coroa egípcia. O Luxemburgo também encomendou o FN49. Estes foram calibrados em .30-06 e marcados AL na caixa da culatra, significando Exército do Luxemburgo. Um total de 6.003 fuzis FN49 foram fabricados para o Luxemburgo. A Indonésia foi outro comprador do FN49 e encomendou cerca de 16.100 em .30-06. Esses fuzis foram marcados com as letras ADRI* na caixa da culatra e uma águia.

*NT: A Marinha Indonésia marcou as letras ALRI.

Brasão indonésio ADRI.

Brasão da Marinha Indonésia, ALRI.

Brasão luxemburguês.

FN49 sniper luxemburguês


As variações de atiradores de elite do FN49 foram feitas para a Bélgica, o Egito e o Luxemburgo. A Bélgica tinha um total de 262 fuzis de precisão FN49. O número de fuzis de precisão usados por Luxemburgo também foi pequeno. Os fuzis de precisão da Bélgica e Luxemburgo exibiam montagens Echo e lunetas OIP de 4x de potência. O Egito usou um número maior de fuzis de precisão FN49, e essas armas diferiam de suas contrapartes européias. Eles foram equipados com e lunetas MeOpta 2,5x de potência tchecos e montagens de fabricação tcheca.

Brasão real egípcio do tempo do Rei Faruk.

Paras franceses do 2e RPC (Régiment de Parachutistes Coloniaux), que saltaram no Porto Said, inspecionam um fuzil SKS capturado dos egípcios, 1956.

Prisioneiros egípcios feitos pelo 2e RPC no Porto Said, novembro de 1956.

FN Sniper egípcio


O FN49 foi rapidamente substituído pelo famoso FN FAL 7,62mm em muitos países. Apesar disso, o FN49 viu uso limitado de combate em vários* conflitos. O Batalhão de Voluntários Belgas lutou na Guerra da Coréia e foi equipado inicialmente com fuzis britânicos nº 4 Enfield .303, mas seria reequipado com os fuzis FN49 em 1952. Os fuzis FN49 também foram usadas no Congo após a independência do país em 1960. As tropas egípcias usaram a arma durante a crise de Suez de 1956 também. Tropas venezuelanas usaram o FN49, ao lado de fuzis FN Mauser e FAL, durante o golpe-de-estado venezuelano de 1958.

Sentinela fuzileiro naval observando a Av. George Washington em um posto de controle em São Domingos, 1965. Ele tem a baioneta do FN49.

*NT: Novamente, o autor americano devia ter usado a palavra "alguns". Além desses mencionados, os Fuzileiros Navais (FN) brasileiros usaram o FN49 em ação contra os constitucionalistas na República Dominicana. A primeira missão operativa da Cia FN (BRASIL) foi ocupar, no amanhecer de 7 de junho de 1965, o limite leste da ZIS (Zona Internacional de Segurança) fazendo face à zona rebelde, barrando duas vias principais - a Avenida George Washington e a Avenida Independência.

Embarque do Escalão Marítimo do FAIBRÁS no Soares Dutra, porto de Haina, 1966. Dois FN49 são visíveis.

Nos Estados Unidos, os fuzis FN49 sobreviventes estão em alta demanda no mercado de colecionadores. Eles são muito mais incomuns do que outros fuzis contemporâneos como o M1 Garand, devido ao seu baixo número de produção. Os fuzis da Venezuela e do Luxemburgo são muito procurados devido, em parte, ao fato de serem frequentemente encontrados em excelentes condições ou em condições novas.

Os fuzis egípcios são os fuzis FN49 mais comuns nos EUA e são frequentemente encontrados com coronhas substitutas. Os FN49 do exército belga são raros nos Estados Unidos, pois foram configurados para serem facilmente convertidos com seletor de tiro e, portanto, são proibidos de importar.

Marc Cammack coleciona armas de fogo desde os 14 anos de idade. Seus interesses são principalmente armas de fogo excedentes militares do final do século XIX até os anos 50. Ele os estudou em profundidade e atualmente é voluntário em dois museus locais, fornecendo informações precisas sobre suas armas de fogo. Ele se formou na Universidade do Maine com um diploma de bacharel em história. Ele estuda a história européia e americana moderna desde os 9 anos de idade e pratica o tiro desde os 11 anos. Atualmente, ele mora nos arredores de Bangor, Maine.

Bônus: 

Turma do tradutor na Marambaia com o FN49 (chamado de FS) em novembro de 2007.

1º Pelotão, 1ª Companhia "Fantasma".