Mostrando postagens com marcador FN Herstal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FN Herstal. Mostrar todas as postagens

domingo, 17 de abril de 2022

FNC: A Carabina Compacta da Bélgica

Por Peter G. Kokalis, Soldier of Fortune, dezembro de 1985.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de março de 2022.

A MATURIDADE de um sistema - como eu disse antes - geralmente determina sua confiabilidade. E se existe um sistema sênior para produzir as ferramentas de guerra, ele está em Liège.

Liège, uma antiga cidade de língua francesa no leste da Bélgica, vende armas para beligerantes estrangeiros desde a Idade Média. Em 1889, um grupo de fabricantes de armas de Liège formou um sindicato chamado Fabrique Nationale d'Armes de Guerre (Fabrica Nacional de Armas de Guerra). Eles imediatamente firmaram um contrato para fornecer ao governo belga 150.000 fuzis Mauser Modelo 1889. Eles estão ocupados exercendo seu ofício desde então. Fiel ao seu chamado, esses mercadores imparciais muitas vezes forneceram armas e/ou projetos para os lados opostos. Um exemplo mais recente foi a briga nas Malvinas: Brits e Argies alegremente se explodiram com as pistolas Browning Hi-Power da FN, fuzis FN FAL e metralhadoras MAG 58.

A princesa Elisabete da Bélgica disparando o seu FN FNC, 2020.

Em 1963, a FN começou o desenvolvimento de um fuzil 5,56x45mm em antecipação à adoção desse calibre pela maioria dos países da OTAN. O fuzil foi introduzido em 1966 como o FN CAL (Carabine Automatique Legere, ou Carabina Automática Leve).

Era operado a gás à maneira do FAL. Uma única rosca duplamente interrompida na cabeça do ferrolho travada atrás de uma rosca semelhante na extensão do cano quando o ferrolho era girado. A mola de recuo foi enrolada em torno do pistão de curso curto para permitir qualquer tipo de configuração de extremidade. O mecanismo de gatilho, padronizado segundo o do M1 Garand, forneceu tanto fogo totalmente automático quanto controle de rajada de três tiros. Os receptores superior e inferior, assim como o antebraço, eram prensados em chapa e havia um dispositivo de retenção aberta. O ferrolho, conjunto do ferrolho e pistão foram usinados a partir de barras de aço. Aparafusado ao receptor superior, o cano era mantido no lugar por uma porca de trava sobre a boca do cano e enfiada em um cone na frente do receptor.


Em suma, o FN CAL era uma peça de aparência muito sofisticada. Exalava qualidade. Tinha a mística do FN FAL. E foi um fracasso lamentável. Durante os testes realizados na França entre 1971 e 1974, as deficiências do CAL explodiram. Caro para fabricar, difícil de desmontar e manter adequadamente, a expectativa de vida do CAL em combate simulado se mostrou muito curta. O projeto foi abandonado e uma pequena quantidade de amostras semiautomáticas foi vendida nos Estados Unidos.

Em dois anos, os projetistas da FN remendaram outro esforço, chamado FNC (Fabrique Nationale Carabine), bem a tempo de entrar nos testes de armas suecos em 1976. Desta vez, a FN enfatizou a simplicidade e a confiabilidade. E o que melhor para emular esses atributos do que as obras de Mikhail Timofeyevich Kalashnikov? O resultado é muito mais fácil de desmontar e manter, geralmente confiável e muito mais barato de fabricar. Alguns sugeriram que o objetivo da FN era projetar um fuzil que pudesse ser facilmente produzido por países do Terceiro Mundo sob o acordo usual de licença para fabricação. Absurdo. A eficácia de custo do FNC foi alcançada através do uso extensivo de fundições de investimento, máquinas CNC (controle numérico computadorizado), soldagem por robô e canos forjados a martelo. Fazer um FNC leva 421 máquinas e 98 operações manuais. Nenhum desses equipamentos - ou a tecnologia necessária para empregá-los - está disponível para qualquer país do Terceiro Mundo neste planeta. Além disso, a FN e a Colt foram gravemente prejudicadas nos últimos anos por acordos de licença de fabricação com produtores do Extremo Oriente que abusaram gravemente de seu relacionamento.

A maioria de seus componentes é finalizada com esmalte preto semi-brilhante. Esta excelente superfície resistente à ferrugem funciona bem em climas tropicais e também mascara pequenas manchas.

O FNC é operado a gás e dispara de um ferrolho fechado. Montado acima do cano, o cilindro de gás tem seis janelas de 1,5 polegadas (3,8cm) atrás da saída de gás do cano. No final desse curso curto, todos os gases escapam do cilindro quando a cabeça do pistão passa por essas janelas de escape. Uma alça soldada na parte traseira do cilindro de gás gira o cilindro, abrindo e fechando uma pequena janela no bloco de gás. Quando a alavanca de ajuste é girada para a esquerda, esta janela do bloco de gás fica exposta e uma pequena quantidade de gases propulsores escapa antes que o pistão comece seu deslocamento para trás. Esta é a posição de operação "normal". Sob condições adversas, o cilindro de gás pode ser girado para a direita, cobrindo a janela do bloco de gás e redirecionando esse volume extra de gás para a face do pistão: um recurso interessante, mas raramente necessário neste calibre.

A provisão para o lançamento de granadas com munição de balistita (festim) é fornecida na forma combinação de uma mira de granada combinada dobrável feita de chapa de metal, e válvula de gás chamada alidade. A alidade é montada no bloco de gás/montagem da massa de mira. Quando girado para a posição vertical, o eixo de alidade gira para fechar a saída de gás. Então todos os gases impulsionam a granada. (É claro que, quando todos os gases propulsores contornam o sistema de gás, a arma não faz a ciclagem e o ferrolho deve ser retraído manualmente.) Uma vez que este interruptor de chapa de metal é puxado para cima, ele atua como uma visão de entalhe em V grosseira que deve ser alinhada com o nariz da granada de fuzil e o alvo.

A cabeça do pistão é soldada a uma extensão oca que contém a parte frontal da mola de recuo e conjunto da haste guia. A extensão do pistão é comprimida no centro e perfurada por um orifício que retém um pino rolante na extremidade da haste guia. A cabeça e a extensão do pistão, bem como o bloco da janela de gases, o orifício do cano e a câmara, são cromados por um processo automatizado desenvolvido pela FN. Uma placa traseira de chapa metálica é fixada na parte traseira da haste guia. Três soldas por robô foram usadas para montar o suporte do ferrolho na extensão do pistão.

Outro pino de rolamento mantém o pino percutor no lugar no conjunto do ferrolho e uma mola do percutor de 3 polegadas (7,62cm) se encaixa firmemente sobre o próprio pino. Modelado segundo o sistema Kalashnikov, o ferrolho giratório tem dois terminais de travamento que correm em trilhos guia soldados nas paredes superiores do receptor e o terminal de alimentação na parte inferior da cabeça do ferrolho conduz a munição de cima do carregador para a câmara. O movimento rotativo é iniciado e a extração primária é fornecida por uma pequena saliência na parte superior da cabeça do ferrolho.

Um pino de rolamento duplo retém o extrator na cabeça do ferrolho. Eu não gosto desse recurso. Os extratores sofrem muito estresse em armas de fogo seletivo. Eles quebram - geralmente quando nenhum armeiro está presente. O próprio operador deve poder substituir este componente, sem ferramentas especiais. A FN corrigiu agora esse problema alterando o acessório do extrator para um único pino de rolamento. Isso permite um movimento mais livre do extrator e um reparo mais fácil.

Um pino no corpo do ferrolho se move no trilho de came do transportador e gira o ferrolho nas posições travada e destravada. A alça retrátil se encaixa em um orifício no lado direito do suporte do ferrolho. Tem uma haste fina, e me parece que vários chutes com o salto de uma bota de combate a dobrariam. Inclinada ligeiramente para cima, ela pode ser retraída com a mão esquerda, mas não tão convenientemente quanto o do Galil.

Vickers Tactical disparando o FN FNC

Um ejetor fixo é rebitado no receptor superior acima da parte traseira do compartimento do carregador e causa um baita dum amassão no estojo vazio (sem consequências para os usuários militares). Marcado com o número de série da arma, o corpo superior do receptor é de construção em chapa de metal soldada por robô. Uma janela de ejeção e uma ranhura da alça retrátil são cortadas no lado direito e uma tampa peculiar de seis componentes é montada sobre a parte traseira da ranhura da alavanca de manejo. Carregada por mola, a alavanca permanece sempre fechada. Na minha opinião, sua função principal é hipnotizar os observadores, pois oscila continuamente aberta e fechada em um estranho padrão elíptico durante as sequências de rajadas de fogo. Os estojos sendo ejetados frequentemente voltam para arranhar a tampa e recebem um segundo amassado.

O receptor superior também é soldado ao bloco de extensão do cano. Por sua vez, o cano é rosqueado na extensão e mantido no lugar por uma contra-porca pesada. Dois comprimentos de cano estão disponíveis: 19,1 e 15,8 polegadas (incluindo o quebra-chama). Forjado a martelo, com seis ranhuras, torções à direita de 1:12 ou 1:7 podem ser encomendadas. Doze janelas dispostas em quatro fileiras de três cercam o dispositivo da boca do cano. Tocadas em um ângulo em relação ao eixo da alma, essas janelas lançam gás para a frente para impulsionar granadas de fuzil e também para uma subida do cano ligeiramente moderada. O quebra-chama efetivo do FNC (retirado diretamente da série FN FAL) aceita a atual baioneta FAL de cabo oco. Um adaptador de disparo de festim está disponível, bem como um acessório de alça opcional para levar a baioneta M7 americana. Girando um total de 360 graus, o retém da bandoleira frontal é preso ao cano por dois anéis de retenção.

As nervuras anulares ao redor do cano na parte de trás do retém da bandoleira são usadas para prender um bipé leve de alumínio fundido. Não ajustável, o bipé oferece uma altura máxima de 11 polegadas. É robusto e bastante superior ao frágil bipé fornecido com os fuzis da série M16. No entanto, custa US$ 78,43 e não pode ser dobrado contra o guarda-mão.

O guarda-mão ergonomicamente agradável dissipa efetivamente o calor que irradia do cano durante as sequências de rajadas. Um escudo térmico ventilado de chapa metálica é rebitado em cada guarda-mão de plástico com seis pregos de latão. Uma grande nervura, moldada na extremidade frontal do guarda-mão de plástico, evita que a mão de apoio deslize sobre o protetor térmico. Isso é bem legal. Mas remover esse guarda-mão é apenas um pouco menos irritante do que desmontar o do M16A1. Como eles são retidos na parte traseira por um colar de cano de chapa de metal, você deve forçar o clipe de retenção frontal do guarda-mão para fora de seus entalhes com o polegar. É melhor manter uma lâmina de faca ou chave de fenda à mão para esse propósito.

Orelhas de proteção para a massa de mira foram usinadas no conjunto do bloco de gás. Eles contêm um poste de visão frontal redondo convencional que pode ser ajustado para elevação zero com a mesma ferramenta usada para esse fim na metralhadora M249 (FN Minimi). O conjunto da alça de mira foi soldado na extremidade do corpo superior do receptor. Dentro de suas orelhas protetoras há uma mira do tipo dobrável com duas aberturas marcadas 400 e 250 metros, respectivamente. Pode ser ajustada para ventania zero, mas apenas por meio de uma ferramenta especial ou um alicate. Eu não gosto disso. Suponho que as pessoas que pensam que os soldados são estúpidos demais para zerar seus próprios fuzis gostarão.

Um entalhe no topo do bloco de extensão do cano e um garfo na frente da alça de mira acomodam uma montagem de luneta de desenho bastante incomum. A montagem, que custa US$ 101,96, aceitará ópticas configuradas de acordo com as especificações da OTAN, como o escopo FN 4x28mm (o preço de varejo sugerido é de US$ 638,92, na verdade fabricado pela extinta empresa Hensoldt). Este excelente pedaço de vidro carrega um retículo usado pelos militares alemães desde a Primeira Guerra Mundial. Embora nunca tenha sido popular nos Estados Unidos, o poste único, grosso e pontiagudo na parte inferior do campo de visão com barras laterais horizontais e linhas de graduação se destaca em luz suave e permite uma aquisição de alvo mais rápida do que a mira padrão. Um trilho especial tipo OTAN fabricado pela Steyr pode ser substituído por anéis SSG para que quase qualquer luneta que você desejar possa ser montada.

O corpo inferior do receptor é fresado a partir da coronha de liga de alumínio por máquinas de controle numérico computadorizado (CNC). Lajeado e feio, há marcas de máquina em toda a sua superfície externa que nenhuma espessura de tinta pode esconder.

Seu compartimento não é nem alargado nem chanfrado. Isso é ruim. Os engenheiros da FN obviamente nunca inseriram um carregador sob estresse. Localizado no lado direito, o botão de liberação da trava do carregador está sob forte pressão da mola, mas pode ser manipulado com o dedo do gatilho. O sistema de travamento é semelhante ao do M16.

Construído inteiramente em aço, o carregador de 30 tiros do FNC é robusto e confiável - muito mais confiável do que o carregador do M16. Como o FNC não possui um dispositivo de abertura, esses carregadores - embora possam ser usados na série M16 - não retêm aberto o ferrolho do M16 após o último disparo. Quando o ferrolho voa em bateria após o disparo final, o terminal de alimentação em sua parte inferior atinge o seguidor do carregador, arrancando sua superfície de chapa metálica macia. Também desconcertante é a placa de piso do carregador que pode ser girada para dentro de cerca de uma polegada, juntamente com qualquer quantidade de areia e/ou detritos que você queira despejar no carregador. Ambos os carregadores de 20 e 30 tiros do M16 podem ser usados no FNC. Trinta e 45 tiros. Os carregadores de plástico termoplástico, conforme adotado pelas Forças Armadas Canadenses, também funcionarão no FNC, embora não caiam livremente quando liberados. Aqueles de nós acostumados a comprar carregadores de M16 baratos e usados em feiras de armas locais vão estremecer com a cobrança de US$ 37,65 por carregadores de FNC sobressalentes, mas você nunca pode ter carregadores demais.

O mecanismo de disparo permanece o mesmo do CAL antigo. Existem duas travas de armadilha com mola - a trava traseira é secundária. Uma trava de segurança automática na frente segura o cão o tempo todo até que o trancamento seja concluído. Puxar o gatilho libera o cão efetuar um disparo. No fogo semiautomático, o conjunto do ferrolho recuado é retido pela armadilha secundária. Quando o gatilho é liberado, ambas as armadilhas se movem com ele e o cão é mais uma vez pego pela armadilha automática de segurança. Colocar a alavanca seletora no automático trava a armadilha secundária para que ela fique inoperante. Cada vez que o conjunto do ferrolho entra em bateria, a armadilha de segurança automática libera o cão. O ciclo continua até que o gatilho seja liberado e o cão seja novamente capturado pela armadilha primária. A taxa cíclica em fogo totalmente automático é de 625-700 rpm.

Um mecanismo removível de rajada de três tiros é montado dentro do receptor inferior. Uma catraca de três dentes neste mecanismo entra em contato com uma lingueta com mola no eixo do cão. Quando a alavanca seletora é colocada em '3', a trava secundária é retida pela parte traseira do dispositivo de catraca. A catraca gira a cada disparo na rajada e após o terceiro ela desliza para fora da armadilha secundária que se move para frente para segurar o cão. Ao contrário do mecanismo no M16A2, qualquer interrupção no ciclo de rajada ainda resultará em outra rajada de três tiros porque o mecanismo se reinicializa toda vez que o gatilho é liberado. Cada rajada de três tiros dura apenas dois décimos de segundo, aumentando significativamente a probabilidade de acerto.

Versões semiautomáticas do FNC são distribuídas como "modelos policiais" em todo o mundo. As importadas para os EUA estão marcadas com "CAL. 223 REM. SPORTER", já que a Lei de Controle de Armas de 1968 proíbe a importação de armas portáteis militares (a emenda Dole recentemente aprovada se aplica apenas a armas de fogo fabricadas antes de 1946). Além da exclusão dos modos automático e rajada de três tiros, e suas respectivas marcações de seletor, os FNC trazidos para os EUA têm outras modificações no mecanismo de disparo (incluindo a ausência da armadilha de segurança automática) para inibir sua conversão para fogo seletivo. Em todos os outros aspectos, elas são inalteradas; por exemplo, esses modelos "esportistas" podem lançar granadas.

As armas "pretas" não são conhecidas por gatilhos nítidos e leves. No entanto, a maioria dos M16 ou AR15 da série de produção acionarão de forma limpa em 6-7,5 libras. Isso é mais do que aceitável em um fuzil militar. Os pesos de gatilho de 10,5 libras mais comumente encontrados em fuzis FNC não são - por nenhum padrão razoável. Eu não acho que sou particularmente sensível ao gatilho, mas é muito difícil me concentrar na imagem da visão e na respiração enquanto puxa o gatilho contra um objeto imóvel.

A alavanca seletora está localizada no lado esquerdo logo acima do punho da pistola. É exatamente onde está na série FAL e, como o FAL, apenas o Homem de Plástico poderá manipulá-lo com o polegar da mão de disparo. Descer de 'S' (seguro) para 'I' (semiautomático) não é muito difícil. Mas quanto a continuar para '3' (rajada de três tiros, é claro) e 'A' (automático), ou voltar para 'S' - esqueça. Você deve usar a mão de apoio para isso.

Polenar Tactical disparando o FN FNC

O punho de pistola de plástico é da série FAL, por isso aceita o kit de limpeza do FAL que consiste em uma garrafa de óleo e pontas de limpeza de latão com nylon de empurrão. Você obtém tudo isso por modestos US$ 26,35. Bom pela aparência, mas muito mais útil - e caro - é o conjunto de ferramentas FNC por US$ 43,56. Este dispositivo inteligente valão pode ser usado para raspar o interior do bloco de gás, ventilação de gás, cabeça do pistão e ranhura. É muito mais rápido que um canivete suíço, mas não se pode descascar mangas com ele no mato salvadorenho.

Qualquer uma das duas coronhas da série FAL está disponível para o FNC. A excelente coronha rígida fornece uma plataforma de disparo superior, mas um pouco mais popular é a coronha dobrável apresentada nos chamados modelos "para". Colapsando para a direita, a coronha FN paraquedista é a coronha dobrável mais estável já projetada. A desvantagem é que uma trava de mola no bloco de suporte deve ser movida para a esquerda enquanto a coronha é simultaneamente empurrada para fora do bloco de suporte e dobrada contra o receptor.

O mesmo processo deve ser repetido para re-estender a coronha e alguns podem achar isso confuso. Dois tubos de liga leve são montados em uma placa de topo de liga mais pesada. O tubo superior é revestido de plástico para conforto em ambientes árticos e tropicais. É tudo um pouco curto demais para mim.


Ilhós para fixação da bandoleira aos modelos para são fornecidos na parte superior da placa de apoio (uma excelente localização) e no lado esquerdo do bloco de suporte, presumivelmente para uso de uma bandoleira com a coronha dobrada. Na extremidade da coronha de teia há um mosquetão com mola para fixação rápida em uma posição ou outra. Na coronha rígida padrão, o retém de giro da bandoleira está localizado na posição inferior convencional, mas menos útil.

Então, no que tudo isso se soma? Com o cano de 19,1 polegadas, todos os 121 componentes do modelo para pesam 8,4 libras, sem o carregador. Pesado, para os padrões de hoje. O comprimento total desta versão é de 38,9 polegadas com a bandoleira estendida e 29,9 polegadas dobrada.

O FNC é um executor robusto e confiável. Disparei milhares de tiros através de dois espécimes de fogo seletivo e dois "sporters" semiautomáticos sem uma única engripagem sempre que os carregadores FN eram usados. Embora robusto, suas características de manuseio são excelentes. O recuo sentido é muito baixo. Seu guarda-mão é o melhor de qualquer fuzil de assalto e contribui significativamente para a habilidade do operador em adquirir alvos rapidamente. O padrão de ejeção é bastante errático e varia de três pés (91cm) para a direita a 90 graus a 50 pés (15m) a 30 graus à direita da boca do cano.


Os canos FN exibem um excelente potencial de precisão. Recentemente, tive três canos FN Minimi M249 calibrados a ar e eles estavam muito próximos do grau de correspondência. Infelizmente, esse atributo é silenciado no FNC pelo acionamento extremamente pesado do gatilho. Por causa disso, nunca disparei um grupo menor que seis MOA com qualquer um desses fuzis. No entanto, o potencial de acerto permanece acima da média quando o dispositivo de rajada de três tiros é empregado em exercícios de tiro instantâneo.

A facilidade de manutenção foi melhorada em uma margem considerável em relação ao FN CAL anterior. Para desmontar o FNC, primeiro remova o carregador e limpe a arma. Empurre o pino de retenção traseiro da esquerda para a direita o máximo possível. Afaste o receptor superior do grupo inferior. Empurre o pino de retenção frontal e separe os receptores superior e inferior. Ambos os pinos são cativos e são mantidos no corpo inferior do receptor por uma mola de pressão. Puxe a alça retrátil para trás, levante a tampa contra poeira e puxe a alça: O conjunto do ferrolho pode então ser retirado da parte traseira do receptor superior. Pressione a placa traseira da mola recuperadora e gire-a 90 graus para a direita ou esquerda. Puxe a mola e a haste guia para fora da cavidade da extensão do pistão. Gire o corpo do ferrolho até que seu came libere o trilho do transportador e remova-o. As molas dos percutores atuais têm uma extremidade ondulada para evitar sua perda inadvertida. Remova o guarda-mão da maneira descrita anteriormente. Gire o cilindro de gás para a esquerda até que a peça do polegar esteja além da configuração normal e perpendicular ao bloco defletor do receptor superior. Empurre o cilindro de gás para trás e retire-o do bloco de gás. Sugiro que nenhuma desmontagem adicional seja tentada.


A extensão do cano é difícil de alcançar e limpar, mas não mais do que o M16. Após a limpeza, lubrifique os trilhos guia do receptor, as alças de trancamento dos do ferrolho, os recessos de trancamento da extensão do cano e a mola recuperadora com LSA, graxa de lítio branca ou PARR All Weather Weapons Lube (A.R.M.S., Dept. SOF, 230 W. Center Street, W. BRidgewater, MA 02379). O G96 em spray aerossol fará o resto. Não lubrifique o pistão, o interior do cilindro de gás ou o bloco de gás. Volte a montar na ordem inversa. Certifique-se de que a mira de lançamento de granadas esteja na vertical ao reinstalar o guarda-mão.

Versões semiautomáticas do FNC são distribuídas nos EUA pela Gun South, Inc. (Dept. SOF, P.O. Box 129, Trussville, AL 35173). A cobrança do dólar americano e a queda nas vendas nos EUA reduziram o preço de varejo sugerido desses fuzis em US$ 335 nos últimos três anos. O modelo padrão com coronha rígida agora é vendido por US$ 729 e o para por US$ 760. Este preço os coloca em linha com o Colt AR15A2, mas a arma em si não é tão boa quanto o Colt.

Apenas a Indonésia e a Suécia adotaram o FNC. Os membros do Clube do Fuzil-de-Assalto-do-Mês (como eu) terão que colocar um FNC em seus cabides de armas. Mas não é minha escolha para progredir no mato. Muito pesado e não está de acordo com os padrões usuais da FN de excelência orientada ao usuário.

Soldado da Fortuna,
edição de dezembro de 1985.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

ARTE MILITAR: O FAL na Batalha de Long Tan no Vietnã


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de janeiro de 2022.

Cena da famosa Batalha de Long Tan em 1966, de status legendário na História Militar da Austrália, e da sua participação na Guerra do Vietnã. A ilustração de Steve Noon faz parte do livro The FAL Battle Rifle, de Bob Cashner para a série Weapon da Osprey Publishing. O capítulo foi traduzido no blog aqui.

A batalha evidenciou a confiabilidade do FAL em situações adversas, funcionando com água e lama sob pesada chuva de monção. A versão australiana do FAL, fabricada em Lithgow, seguia o padrão britânico de medidas no sistema imperial e era designado Self-Loading Rifle 1A1 - literalmente Fuzil Auto-Carregável L1A1 - com o acrônimo SLR. A versão fuzil-metralhador (FM) do L1A1, de cano pesado para tiro contínuo, foi designada L2A2 e é semelhante ao FAP, mas com um sistema de bipé dobrando como guarda-mão. O fuzil automático L1A1 foi chamado pelo relatório oficial australiano de "arma excepcional da ação".

Descrição da ilustração:

O FAL no Vietnã

Em 18 de agosto de 1966, em Long Tan, no Vietnã do Sul, elementos da Companhia D, 6º Batalhão, O Regimento Real Australiano, fizeram contato com o que viria a ser um regimento vietcongue apoiado por pelo menos um batalhão das forças do exército norte-vietnamita. Os australianos foram logo detidos aferrados ao terreno em uma plantação de borracha, assim que as chuvas de monção começaram a cair. Apesar do mar de lama e água, os fuzis de carregamento automático L1A1 dos australianos deram um desempenho extremamente confiável, o relatório oficial pós-ação chamando o SLR de "arma excepcional da ação".

O soldado mostrado aqui trocando o carregador não poderia fazê-lo tão frequentemente; a carga básica oficial na época era de um carregador de 20 tiros na arma e quatro suplementares, para um total de 100 tiros de munição. Carregadores vazios deveriam ser recarregadas de bandoleiras.

Este sistema, é claro, provou-se inadequado para o combate. Apenas um ousado lançamento de pára-quedas de reabastecimento de um helicóptero em baixa altitude impediu a Companhia D de ficar totalmente sem munição durante o combate. O comandante da companhia recomendou oito carregadores por homem após a batalha.

Embora o Exército Australiano tenha adotado a versão FM L2A2 de cano pesado do FAL e tenha começado a fazer melhorias muito promissoras na arma, a adoção da metralhadora americana M60 em 7,62 mm OTAN, vista aqui, levou ao fim do L2A2.

- Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, pg. 54.

Recentemente, a batalha foi imortalizada no filme australiano Danger Close: The Battle of Long Tan (2019).

Trailer do filme Danger Close


Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

domingo, 16 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores paquistaneses com fuzis FN F2000

Homens da Ala de Serviços Especiais da Força Aérea do Paquistão carregando fuzis FN F2000 durante um treinamento no Fort Lewis, em Washington, nos Estados Unidos, em 23 de julho de 2007.

O funcionamento do FN F2000


Leitura relacionada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

GALERIA: Desfile da Independência da Venezuela


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de dezembro de 2021.

Desfile do Dia da Independência em Caracas, em 5 de julho de 1953. As fotos foram tiradas por Cornell Capa para a LIFE Magazine na publicação Venezuela EssayO ato foi o primeiro do então Coronel Marcos Pérez Jiménez, como Presidente da República no período 1953-1958.

Os soldados ainda usam fuzis Mauser, que logo seriam substituídos pelos modernos  fuzis FAL. Em 1954, a Venezuela fez uma encomenda de 5.000 fuzis FAL fabricados pela FN, no calibre 7x49,15mm Optimum 2; este 7x49mm, também conhecido como 7mm Liviano ou 7mm venezuelano, é essencialmente um cartucho 7x57mm encurtado para comprimento intermediário e mais perto de ser uma verdadeira munição intermediária do que o 7,62x51mm OTAN.

A Venezuela foi o primeiro país a encomendar o FN49, com um lote de 4.000 fuzis em 1948 e outro de 4.000 em 1951. Estes foram calibrados no cartucho 7x57mm Mauser, que fora a munição padrão na Venezuela por muitos anos. Essas armas serviram ao lado de fuzis de ferrolho FN 24/30 Mauser de mesmo calibre 7mm Mauser.



Presidente Coronel Marcos Pérez Jiménez.

A capital Caracas em 1953, então conhecida como uma cidade futurista.

O presidente Jiménez foi um modernizador do Estado venezuelano.

Leitura recomendada:

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

A arma excepcional da ação: O FAL em Long Tan no Vietnã

Batalha de Long Tan, 1966.
O relatório oficial pós-ação do exército australiano chamou o FAL de "a arma excepcional da ação".
Ilustração de Steve Noon.

Por Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 16 de julho de 2019.

As unidades australianas e neozelandesas que lutando ao lado de forças dos EUA, do Vietnã do Sul e outras no Vietnã durante as décadas de 1960 e 1970 foram armadas com o fuzil SLR L1A1 semi-automático feito pela Lithgow; eles o consideraram uma arma confiável para a luta na selva. Apesar da mão-de-obra e artilharia e apoio aéreo muito limitados quando comparados com seus aliados americanos, os australianos e neozelandeses, recebendo treinamento especial na selva, derivado das lições aprendidas nas selvas da Malásia e Bornéu, operaram de uma maneira que o Viet Cong e o NVA chegaram a temer. Pequenas patrulhas australianas e neo-zelandesas movimentavam-se como fantasmas e muitas vezes provavam ser superiores ao inimigo quando se tratava de furtividade e habilidades de campanha. Apesar do desprezo geral dos australianos pela “contagem de corpos” como uma medida de sucesso, as estatísticas fornecem uma considerável defesa dos métodos não convencionais que eles usaram.

SLR L1A1, o FAL australiano e neo-zelandês.

Algumas estimativas afirmam que as tropas americanas gastaram cerca de 200.000 cartuchos de munição de armas portáteis por baixa inimiga; para os australianos e neozelandeses armados com o L1A1, 275 tiros foram gastos por baixa inimiga (Hall & Ross 2009). As razões para isso foram muitas. Primeiro, os soldados australianos e neozelandeses foram treinados em um padrão de pontaria muito acima e além daquele do soldado de infantaria americano. Em segundo lugar, muitos veteranos da 1ª Força-Tarefa Australiana eram veteranos de Bornéu e da Malásia, reforçando o treinamento na selva que as forças australianas e neozelandesas receberam antes de serem desdobradas para o Vietnã. Em terceiro lugar, os australianos e neozelandeses freqüentemente operavam em patrulhas pequenas, silenciosas e furtivas, em vez de em enormes varreduras do tamanho de um batalhão (ou maiores).

O método australiano foi recompensado ao infligir baixas inimigas sem a necessidade de dezenas de aeronaves e milhares de granadas de artilharia por engajamento. Por exemplo, mais de um terço dos contatos inimigos dos australianos foram emboscadas. Em 34% dos casos, os Aussies e os Kiwis emboscaram o Viet Cong/Exército Norte-Vietnamita (VC/NVA), enquanto que em apenas 2% dos contatos o inimigo conseguiu surpreender os ANZACs em suas próprias emboscadas. Um estudo do SAS sobre as ações australianas no Vietnã afirmou que, apesar dos ataques aéreos e de artilharia normalmente bastante oportunos e relativamente pesados que a infantaria ocidental desfrutou na guerra, cerca de 70% das baixas inimigas foram infligidas com armas portáteis de infantaria. Os métodos táticos dos ANZAC também mantiveram o inimigo respondendo a eles em vez de vice-versa, um elemento crítico na guerra de contra-insurgência.

O Soldado Bill Stallan do 6º Batalhão, do Regimento Real Australiano, em patrulha de selva em Phuoc Tuy, 1971.
Embora os fuzis L1A1 australianos fabricados pela Lithgow fossem soberbamente confiáveis e poderosos, os soldados foram inicialmente fornecidos apenas cinco carregadores, os quais deveriam ser recarregados de bandoleiras.
(Imperial War Museum, MH 16767)

Apesar de seu comprimento de 1.143 mm (45 polegadas) dificilmente ser ideal na selva, o SLR obteve notas muito altas por sua robustez e confiabilidade. A batalha de Long Tan em agosto de 1966 ocorreu sob uma forte chuva de monções e lama viscosa, condições que causaram mais do que alguns problemas para as metralhadoras M60 e suas cintas de munição expostas, bem como o punhado dos novos fuzis americanos Armalite M16 usados pelos australianos. O L1A1 resistiu ao teste com notação perfeita; o relatório oficial pós-ação do exército australiano chamou-lhe "a arma excepcional da ação". (Australian Army 1967: 26)

Tal como acontece com o L1A1 britânico, o SLR australiano ofereceu apenas fogo semi-automático. A conservação da munição fornecida pelo modo semi-automático fez uma diferença real em Long Tan. A maioria dos soldados recebia, na melhor das hipóteses, um carregador cheio no fuzil e quatro carregadores sobressalentes em seu equipamento de lona; um total de 100 tiros ou menos não dura muito em um tiroteio de longa duração, mesmo em modo semi-automático. Ainda assim, na selva, geralmente era um procedimento operacional padrão "despejar" o primeiro carregador o mais rápido possível para estabelecer a superioridade de fogo e, em seguida, alternar para o "double-tap" ("tiro duplo") mirado.

Militares da Companhia B do 2º Batalhão do Regimento Real Australiano, avançam com cuidado após desembarcarem de helicóptero, julho de 1967.
Os ANZACs no Vietnã freqüentemente removiam as alças de transporte dos seus SLR para diminuir o peso, e os quebra-chamas para diminuir a extensão.
(Bettmann/Corbis)

Mesmo assim, uma das maiores lições de Long Tan foi a emissão de muito mais munições e carregadores para o soldado de infantaria. O fornecimento de apenas cinco carregadores, os quais deveriam ser recarregados de bandoleiras, era obviamente insuficiente para um soldado engajado em um tiroteio.

Tal como acontece com os combatentes em todo o mundo, os australianos e os neozelandeses rapidamente também fizeram uso do poder de penetração da munição de 7,62x51mm OTAN. Mais de um soldado inimigo escondido atrás do tronco de uma seringueira encontrou seu abrigo transformado em mera coberta por tiros de 7,62x51mm explodindo através dela.

Soldados do 7 RAR, armados de SLR/FAL, aguardam transporte para Phuoc Hai, em 26 de agosto de 1967.

Uma modificação semioficial do L1A1 no Vietnã, que começou no SAS australiano, foi apelidada de "The Beast" ("A Besta") ou, às vezes, de "The Bitch" ("A Megera"). Este era um L1A1 convertido para fogo totalmente automático com peças do FM L2A1 e o cano, menos o quebra-chama, cortado logo adiante do conjunto do obturador de gás. Com um carregador de 30 tiros, o qual poderia esvaziar em menos de três segundos, era uma arma de curto alcance temível. Um número nada insignificante de soldados de ambos os lados pensaram que a enorme explosão "d'A Besta" parecia uma metralhadora pesada .50, proporcionando um poderoso efeito psicológico junto com poder de fogo extra. O veterano australiano de reconhecimento, Peter Haran, descreveu suas modificações na zona de combate em seu SLR:

No Recce [reconhecimento] tínhamos escolha de arma e voltei para o SLR [ao invés do Armalite], mas fiz alguns ajustes. Substituí a trava de segurança por uma de um SLR de cano pesado L2A1 e limei a armadilha do gatilho e o pino projetado para impedir que a trava de segurança ficasse em "automático". Com uma carregador de 30 tiros em vez de um de 20 tiros, eu agora tinha a arma que queria no mato - um "Slaughtermatic", como eu a chamei: em essência, uma metralhadora totalmente automática de 7,62 mm sem alimentador de cinta, um fuzil leve com soco máximo quando em fogo automático. Considerei que carregadores demais passando sem uma pausa provavelmente derreteriam o cano, mas se algum dia acontecesse esse tipo de luta, eu provavelmente não voltaria para casa de qualquer maneira. (Crossfire: An Australian Reconnaissance Unit in Vietnam, Haran & Kearney 2001: 32)

- Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, pg. 52-54.

The FN FAL Battle Rifle,
Bob Cashner.

Bibliografia recomendada:

Vietnam ANZACs:
Australian & New Zealand Troops in Vietnam 1962-72.
Kevin Lyles.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

GALERIA: Realeza Camuflada

Princesa Elisabete da Bélgica, duquesa de Brabante, em treinamento durante seu primeiro ano na Academia Militar Real, 2020. Ela será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 28 de setembro de 2020.

A princesa Elisabete, duquesa de Brabante (holandês: Elisabeth Theresia Maria Helena; francês: Élisabeth Thérèse Marie Hélène; nascida em 25 de outubro de 2001) é a herdeira aparente do trono belga. Filha mais velha do rei Filipe e da rainha Mathilde, ela adquiriu o cargo depois que seu avô, o rei Alberto II, abdicou em favor de seu pai em 21 de julho de 2013.

A princesa Elisabete da Bélgica, duquesa de Brabante será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha.

Ela iniciou os seus estudos na Academia Militar Real da Bélgica esse ano. Elisabete será a futura comandante-em-chefe das forças armadas quando se tornar rainha. Em 21 de julho de 2013, depois que seu pai fez o juramento de rei dos belgas, a princesa tornou-se herdeira do trono e, como tal, tem o título de duquesa de Brabante.

Dez anos antes do nascimento de Elisabete, um novo ato de sucessão foi posto em prática que introduziu a primogenitura absoluta, o que significa que Elisabete vem em primeiro lugar na linha de sucessão porque ela é a filha mais velha. Se ela subir ao trono como esperado, ela será a primeira rainha reinante da Bélgica.

A princesa Elisabeth estudou no St John Berchmans College, em Bruxelas, no distrito de Marollen, em Bruxelas, que contou com a presença de seus primos mais velhos, filhos de sua tia paterna, a arquiduquesa da Áustria-Este. Esta é uma mudança significativa nos hábitos da família real, pois é a primeira vez que a educação de um futuro monarca belga começa em holandês. Elisabete fala holandês, francês, alemão e inglês.

Elisabete estudou no UWC Atlantic College no País de Gales e recebeu o International Baccalaureate Diploma Programme na sessão de maio de 2020. Em 20 de maio de 2020, o Palácio Real da Bélgica anunciou que ela ingressou na Academia Militar Belga em Bruxelas no outono de 2020.







O fuzil é o FN FNC, sucessor do venerável FN FAL.

O instrutor observa a aquisição do alvo de forma correta.





Nesta sexta-feira, dia 25 de setembro de 2020, a princesa Elisabete e o seu pelotão receberam a boina azul durante cerimônia na Academia Militar Real. A boina azul é concedida a cadetes que concluíram com sucesso sua fase de iniciação militar (phase d’initiation militaire, PIM), que ocorreu durante 4 semanas em Elsenborn. A abertura formal do ano letivo da academia terá lugar no dia 8 de outubro.

Ver essa foto no Instagram

De Blauwe Mutsen Parade van de Koninklijke Militaire School is de ceremoniële overhandiging van de blauwe muts aan de leerling-officieren die op 2 september gestart zijn met hun militaire initiatiefase in het Kamp Elsenborn. De blauwe muts staat voor de succesvolle afronding van dit belangrijk onderdeel van de opleiding. Zo ontvangen ook Prinses Elisabeth en haar peloton de blauwe muts. De officiële opening van het nieuwe academiejaar van de KMS vindt plaats ‪op 8 oktober‬. ————— Remise du béret bleu à la Princesse Elisabeth et son peloton lors d’une cérémonie à l’Ecole Royale Militaire. Le béret bleu est remis aux élèves-officiers qui ont réussi leur phase d’initiation militaire (PIM) qui s’est déroulée pendant 4 semaines à Elsenborn. L’ouverture solennelle de l'année académique de l'ERM aura lieu ‪le 8 octobre‬ prochain. @royal_military_academy @defensie.ladefense #defensie #defence #PrincesseElisabeth #PrinsesElisabeth #PrincessElisabethofBelgium #ElisabethvanBelgië #HertoginvanBrabant #DuchessedeBrabant #DuchessofBrabant #Princesse #Prinses #Princess #Elisabeth #België #Belgique #Belgium #BelgianRoyalPalace #MonarchieBe 📸 Belga

Uma publicação compartilhada por Belgian Royal Palace (@belgianroyalpalace) em