Mostrando postagens com marcador Garand. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Garand. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 10 de maio de 2022

O fuzil M1 Garand em Dieppe


Do American Rifleman, 21 de março de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2022.

Embora as forças armadas dos Estados Unidos tenham sido as primeiras a adotar e padronizar um fuzil de batalha semiautomático em 1936, o “U.S. Rifle, Caliber .30, M1” não dispararia um tiro com raiva até seu uso na defesa das Filipinas, a partir de dezembro de 1941.

Quando os fuzis M1 Garand silenciaram em Bataan em abril de 1942, a criação lendária de John Garand esperaria quatro meses antes de enfrentar o Eixo novamente. Desta vez seria no Teatro de Operações Europeu — nas mãos dos Rangers do Exército dos EUA.

O nascimento dos Rangers do Exército dos EUA

Os primeiros soldados americanos a usarem fuzis M1 Garand contra os nazistas na Segunda Guerra Mundial foram 50 homens do 1º Batalhão Ranger dos EUA durante o malfadado ataque de Dieppe, na França, em 19 de agosto de 1942.

Sob a direção do Major-General Lucian Truscott, o Exército dos EUA se esforçou para criar sua própria versão dos famosos Comandos britânicos. Mais e mais tropas americanas estavam chegando ao Reino Unido durante a primeira metade de 1942, e, no final de junho, o 1º Batalhão Ranger havia sido organizado, com a maior quantidade de homens recrutados da 34ª Divisão de Infantaria. O treinamento começou em Carrickfergus, na Irlanda do Norte, com o apoio de comandos britânicos endurecidos pelo combate.

Os Rangers estavam equipados com muitos dos mais recentes equipamentos de combate americanos, exceto por seus M1917A1 “Kelly Helmets”, que lhes davam a aparência de tropas britânicas, pelo menos à distância. De perto, suas armas foram instantaneamente reconhecidas como algo distintamente diferente. Os fuzis padrão eram os M1, e os Fuzis Automáticos Browning foram usados como fuzis-metralhadores do grupo de combate. Oficiais americanos carregavam a pistola M1911.

O M1 em Ulster: Homens do 168º Regimento de Infantaria em treinamento em março de 1942.
O 1º Batalhão Ranger foi composto por elementos dos primeiros americanos a chegarem ao Reino Unido, incluindo homens do 168º Regimento de Infantaria.

Seus aliados britânicos foram rápidos em notar o grande fuzil semiautomático, e os Comandos ficaram quase instantaneamente com ciúmes do poder de fogo que o M1 oferecia. Em seu livro, Rangers At Dieppe, o autor Jim DeFelice observou que: “Além de ficar impressionado com a pontaria dos americanos, o comando britânico Major Mills-Roberts gostou de sua arma, que era superior em muitos aspectos aos fuzis Enfield que os Comandos estavam usando. Na verdade, o M1 era tão popular entre os britânicos que no 3 Commando, (American Ranger) o capitão Murray deu um ao coronel Durnford-Slater como presente - e então achou educado arranajr mais [fuzis] para outros oficiais comandos”.

Os Comandos não foram os únicos britânicos que ficaram impressionados com o fuzil americano. Durante o treinamento em Carrickfergus, os Rangers foram visitados pela família real britânica. A própria rainha fez várias perguntas inteligentes a um Ranger sobre seu M1, antes de examiná-lo “como uma especialista” enquanto expressava sua admiração pelo fuzil. O fuzil M1 ainda não havia disparado um único tiro contra os alemães e já estava recebendo elogios e fazendo amigos em lugares altos.

Os M1 usados pelos Rangers em treinamento e em Dieppe em 1942 tinham características iniciais, como a alça de mira com  barra de trancamento.

A incursão de Dieppe

Instrutor britânico com alunos americanos.
Os comandos britânicos e os rangers americanos compartilhavam um amor comum pela metralhadora Thompson.

A partir de fevereiro de 1941, os comandos britânicos atacaram os ocupantes alemães e italianos da Noruega ao norte da África. Alguns raides foram altamente ambiciosos, como a Operação Flipper em novembro de 1941, a tentativa mal-sucedida de matar o general alemão Rommel no norte da África. Outros ataques, como a Operação Archery, realizada na Noruega no final de dezembro de 1941, causaram danos significativos e forçaram os alemães a enviar mais 30.000 homens para defender suas bases norueguesas. As incursões de comandos abalaram os nazistas e os lembraram de que a retribuição viria um dia.

Durante março de 1942, o Comando No. 2 encenou um ataque audacioso, a Operação Chariot, contra o porto fortemente defendido de St. Nazaire, na França. O ataque foi um sucesso, e a estrategicamente importante eclusa Normandie, capaz de abrigar o encouraçado alemão Tirpitz, foi destruída. No entanto, o custo foi alto: dos 241 Comandos enviados na missão, 173 foram mortos ou capturados.

Homens do 1º Batalhão Ranger, armados com fuzis M1, treinados com Comandos Britânicos e com a Marinha Real em operações anfíbias. Na frente do barco está uma metralhadora americana M1919 Browning.

A razão para o ataque maciço ao porto francês de Dieppe em agosto de 1942 é difícil de descrever. Os britânicos se comprometeram a abrir uma segunda frente para tirar a pressão da União Soviética no Leste. Mais especificamente, foi assumido o compromisso de abrir uma nova frente na Europa Ocidental. Em retrospectiva, pode parecer que a operação de Dieppe arriscou demais para conseguir muito pouco. Mas lembre-se, também, que naquele momento da história, os Aliados queriam e precisavam desesperadamente contra-atacar os alemães na Europa Ocidental ocupada o mais ferozmente possível.

A Incursão de Dieppe foi originalmente planejada para abril de 1942 e recebeu o codinome de Operação Rutter. Era para ser um grande raide, incluindo uma largagem significativa de paraquedistas em um porto do Canal controlado pelos alemães, culminando em uma ocupação de curto prazo e uma destruição total das instalações portuárias e defesas alemãs. Cabeças mais frias prevaleceram e a Operação Rutter foi considerada impossível de ser apoiada e, consequentemente, foi abandonada. Mas a ideia não foi esquecida.

Rangers treinando no Reino Unido em julho de 1942.
Observe o Fuzil Automático Browning e o M1 Garand.

Em agosto, Rutter voltou à vida, transformado na Operação Jubileu. Os objetivos eram semelhantes e igualmente nebulosos. Um importante porto francês na costa do Canal deveria ser tomado e mantido por um curto período de tempo, prisioneiros seriam feitos, informações coletadas e as defesas alemãs destruídas antes de uma retirada ordenada.

Para esse fim, mais de 6.000 soldados de infantaria, a maioria deles canadenses, foram encarregados de conduzir essa invasão de curto prazo. O Regimento de Calgary da 1ª Brigada de Tanques canadense, equipado com tanques pesados Churchill, forneceria apoio no terreno. Juntando-se a eles estariam 50 Rangers americanos, recém-treinados e prontos para ver sua primeira ação. Esses Rangers levariam fuzis M1 para a praia na França.

Os desembarques iniciais começariam alguns minutos antes das 5h da manhã de 19 de agosto de 1942. Problemas significativos começaram quase imediatamente. A coordenação era mínima, a confusão era abundante e as perdas conseqüentes eram altas. Em menos de 10 horas, o ataque maciço acabou. Todas as tropas aliadas foram evacuadas ou mortas, com 1.946 deixados para trás para serem feitas prisioneiras pelos alemães.

Armas dos Rangers americanos em exibição, incluindo morteiros, um fuzil antitanque 0,55" Boys, um fuzil M1, uma M1919 Browning, um '03 Springfield com uma granada de fuzil, um M1918A2 BAR, uma M1928A1 Thompson e uma pistola M1911.

Dos quase 6.100 homens que desembarcaram em Dieppe, 3.623 foram mortos, feridos ou capturados. Ninguém dentro do comando aliado estava preparado para perder mais de 60% da força de desembarque. A Marinha Real também sofreu, com 33 embarcações de desembarque perdidas junto com o destróier H.M.S. Berkeley. No alto, a Royal Air Force perdeu 106 aeronaves. Foi um dia amargo e miserável.

O autor Ian Fleming, o homem por trás de James Bond, trabalhou para a Inteligência Naval Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. No início de 1942, Fleming criou a 30ª Unidade de Assalto (30 Assault Unit), uma equipe de combate única composta por especialistas em inteligência. Os membros da unidade participaram secretamente da Incursão de Dieppe em um esforço para obter uma máquina de codificação alemã Enigma e seus livros de códigos relacionados. Este foi mais um objetivo do raide que não deu certo.

First Blood at Bloody Dieppe

Tanques destruídos, barcos em chamas e mortos na praia.

O 1º Batalhão Ranger existia há apenas dois meses antes da Incursão de Dieppe. Embora as contribuições de combate dos Rangers fossem pequenas, suas baixas eram proporcionalmente tão altas quanto o resto dos incursores. Cinquenta Rangers viajaram para a França, intercalados entre os comandos britânicos e a infantaria canadense. Três americanos foram mortos, três foram feitos prisioneiros e cinco ficaram feridos. Considerando que vários Rangers não conseguiram chegar à praia devido a problemas com suas embarcações de desembarque, sua taxa real de baixas foi superior a 70%. Os Rangers trocaram tiros com os alemães, atirando com seus fuzis M1, e dando o melhor que podiam.

Apesar das pesadas perdas da Incursão de Dieppe, a imprensa aliada transformou a operação em ouro de relações públicas. Rangers tornaram-se celebridades na Inglaterra, e os americanos ganharam confiança de que suas tropas poderiam levar a luta aos alemães. O mau planejamento e as conseqüentes perdas na praia de Dieppe forneceram um poderoso alerta para os comandantes aliados. Sua capacidade de abrir uma segunda frente na Europa Ocidental estava longe de ser atingida, mas houve muito aprendizado sobre os ingredientes de um assalto anfíbio bem-sucedido. Os sacrifícios feitos pelos canadenses em Dieppe não foram em vão.

Prisioneiros canadenses conduzidos por um soldado alemão.

Desembarques bem-sucedidos logo se seguiriam no norte da África (Operação Tocha) em novembro de 1942, na Sicília (Operação Husky) em julho de 1943 e na Itália (Operação Avalanche) em setembro de 1943.

Quando as tropas americanas e o fuzil M1 retornassem à França, eles o fariam em grande estilo e com grande sucesso. As lições aprendidas com a Operação Jubileu ajudaram a criar a Overlord. A segunda frente estava finalmente aberta, junto com o longo caminho para Berlim.

Nesta foto dramática e encenada, um cabo Ranger mostra a forma (com um fuzil M1 descarregado) que rendeu aos Rangers que serviam com os comandos britânicos elogios por sua pontaria.

Bibliografia recomendada:

The M1 Garand.
Leroy Thompson.

domingo, 13 de março de 2022

FOTO: Professora iraniana com o M1 Garand na época do Xá


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 13 de março de 2022.

Uma jovem rural iraniana com um M1 Garand, emitido ao Exército Real Iraniano do Xá Mohammad Reza Pahlavi pelos Estados Unidos. A foto pessoal foi postada pelo seu filho sob o nome u/mohajaf no site Reddit com a seguinte informação:

"Minha mãe em um breve treinamento militar antes de obter sua licença como professora, 1970, Shiraz, Irã."

Nos comentários, Mohajaf disse que elas, as recrutas, estavam entre a primeira geração de mulheres modernas e liberadas das pequenas vilas, e tornar-se professora era um sonho que se realiza para elas. Ele continua dizendo que cerca de 9 anos depois, com a mudança de regime para um sistema "teocrático retrógrado com leis Sharia semi-estritas", a sua mãe teve que usar hijab completo enquanto ensinava.

Bibliografia recomendada:

O Mundo Muçulmano.
Peter Demant.

Os Iranianos.
Samy Adghirui.

Leitura recomendada:

Uma opinião persa sobre o M1 Garand, 20 de fevereiro de 2022.

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Uma opinião persa sobre o M1 Garand


Por Miles, The Firearms Blog, 27 de outubro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2022.

A história do M1 Garand no Irã destaca uma história de política entrelaçada que se estende por décadas e ainda é vista hoje. Mais do que apenas a história de um rifle de serviço no Oriente Médio e Norte da África (Middle East and North AfricaMENA) e na região da Ásia Central, ele atravessa intrigas políticas e históricas. Misturada está a história da ajuda militar estrangeira americana sustentando o regime do xá, a Revolução Islâmica em 1979, a Guerra Irã-Iraque que se seguiu e, em seguida, a disseminação do fuzil nas proximidades do Iraque e Afeganistão, possivelmente até na Síria, como alguns exemplares recentes de vários grupos rebeldes lá mostram.

Do período de 1963 a 1967, as forças armadas americanas estabeleceram uma missão de vendas militares estrangeiras (Foreign Military Sales, FMS) para o Irã. Nesse período, os Estados Unidos estavam apoiando Mohammad Reza Shah Pahlavi em seus esforços para reforçar seu exército de 160.000 homens. O Irã foi um aliado extremamente importante dos Estados Unidos contra a União Soviética, devido à sua presença estratégica opondo a o baixo ventre macio da Ásia Central controlada pelos soviéticos. Os anos 60 viram uma tremenda entrada de armas fornecidas pelas forças armadas americanas e até a construção de várias bases aéreas militares no Irã. Dentro deste programa, o xá comprou cerca de 165.493 fuzis M1 Garand que foram enviados para o Irã em 1963, o suficiente para armar todo o exército iraniano, substituindo os K98 Mauser persas produzidos localmente que estavam em serviço. Trinta e dois fuzis sniper M1D também foram enviados em 1966. A esmagadora maioria desses M1s parece ser de fabricação da International Harvester (Evansville, IN). Fuzis da International Harvester são extremamente raros nos Estados Unidos, devido ao fato de que a maioria desses fuzis foi usada para ajuda externa e, portanto, a maior parte não foi reimportada para os Estados Unidos.

Abaixo estão dois clipes da Administração de Registros de Arquivos Nacionais (National Archives Records Administration, NARA) mostrando uma demonstração de armas portáteis para oficiais iranianos em 1956. Embora não haja fuzis M1s a demonstração mostra várias outras armas também entregues ao Irã, incluindo M1A1 Thompsons, pistolas 1911 e metralhadoras médias M1919A4/A6 (não retratadas no filme).

Demonstração de armas portáteis por conselheiros militares americanos com oficiais iranianos 1956



Através deste ensaio fotográfico vamos dar uma olhada na linha do tempo desses 165.493 Garands, até hoje onde eles foram parar.

Durante o reinado do xá

Embora o Exército do xá estivesse totalmente armado com fuzis M1, não restam muitas fotografias desse período que mostrem o M1 em serviço com tropas de infantaria. Em vez disso, o que temos são uma série de fotografias que mostram treinamento e cerimônias sendo conduzidas por soldados do sexo feminino dentro do exército. Este é provavelmente o resultado do esforço do xá para modernizar e secularizar o Irã, especialmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. Isso mais tarde provou ser uma de suas quedas porque ele estava simultaneamente marginalizando a autoridade do clero. O que estamos vendo nas fotos abaixo é um esforço altamente divulgado para mostrar as mulheres dentro do exército, completando o treinamento com fuzil e participando de cerimônias oficiais.


Observe o capacete do Exército dos EUA nos soldados e a insígnia de sargento no instrutor. Isso provavelmente se deve à padronização do Exército do xá nos padrões atuais do Exército dos EUA, que teriam sido aprovados pelos conselheiros americanos.





A munição .30-06 com estopilha Berdan foi produzida no Irã, já que a munição de 7,92mm foi produzida anteriormente para os Mausers persas. As vendas militares estrangeiras mostram que os Estados Unidos forneceram pelo menos 30 milhões de munições .30-06 ao Irã durante esse período. Os carimbos na base do estojo consistem em uma coroa na posição das 12 horas, os algarismos “44” em farsi e a letra “Alef” (ا) à direita e “Meem” (م) à esquerda (leia da esquerda para a direita). Isso significa Grupo de Indústrias de Munições e Metalurgia, uma empresa estatal. Após a Revolução Islâmica, a empresa continuou a funcionar e existe hoje como o Grupo das Indústrias de Munições. É possível comprar esta munição nos Estados Unidos como munição iraniana excedente importada .30-06.




Em meio à Revolução

O M1 foi substituído pelo fuzil Heckler & Koch 7,62x51mm G3A6 na década de 1970. Os G3A6 foram fabricados sob licença no Irã e diferem do G3 padrão por ter um guarda-mão e coronha verde escuros. Parte da mudança para o G3 ocorreu junto com várias outras compras de armas da Alemanha Ocidental. Isso se deveu principalmente à diminuição do apoio dos Estados Unidos em vista do xá se tornar mais autoritário e impopular entre o povo do Irã. Em janeiro de 1979, o xá fugiu formalmente do Irã, com o aiatolá Khomeini voando para Teerã para trazer seu conceito de “Violati Faqih”, ou um governo de juristas islâmicos. Durante esse período, houve grande agitação, pois manifestantes estudantis e rebeldes invadiram os arsenais estatais, armando-se com tudo o que podiam. Isso incluiu todos os Garands que deixaram o serviço no início dos anos 1970.






Guerra Irã-Iraque

No momento em que os esforços do aiatolá Khomeini se consolidavam, Saddam Hussein no Iraque viu uma oportunidade de tirar vantagem de um Irã desorganizado. Apoiado pelos Estados Unidos, o Iraque invadiu o Irã e iniciou uma das guerras mais caras da história moderna do MENA. A guerra resultante durou toda a década de 1980 e foi efetivamente um impasse com nenhum dos lados conseguindo uma vitória decisiva sobre o outro. Nesse período, o Irã estava desesperado por armas portáteis e, ao lado do G3A6, começou a importar grandes quantidades de Tipos 56 chineses (variante AKM chinesa). Mais tarde, o Irã iniciou a produção local do Tipo 56 sob a nomenclatura KL-7,62. Durante a Guerra Irã-Iraque, o M1 viu muito pouco serviço na frente, sendo superado pelos AKM Tabuk de fogo seletivo, munição intermediária e alimentação por carregador em uso pelo Iraque. Assim, os fuzis M1 restantes foram regulamentados para um papel de Guarda Nacional e milícia na frente doméstica. Curiosamente, em um retorno ao passado, vários grupos femininos da Guarda Nacional estavam armados com o M1 enquanto desempenhavam suas funções atrás das linhas de frente.

Esta fotografia foi tirada por um conhecido fotógrafo iraniano chamado Kaveh Golestan. A suposta explosão ao fundo parece ser apenas o resultado do soldado caindo da colina. O soldado parece ser um adolescente e provavelmente não foi levado ao frente. Em vez disso, isso provavelmente faz parte do treinamento da Guarda Nacional atrás da linha de frente. O número do arsenal na coronha diz “2/7” em farsi.





Uma foto muito rara do M1 em serviço. Esta foto foi tirada do lado de fora de uma refinaria de petróleo que havia sido atingida pelos iraquianos. Mesmo assim, as tropas retratadas provavelmente fazem parte de uma unidade de milícia local e não das forças armadas, que teriam equipamentos mais modernos. Observe os porta-carregadores AKM na tralha de lona do segundo indivíduo da esquerda, indicando que uma infinidade de armas foram emitidas dentro da mesma unidade, incluindo fuzis AKM e Garand.


Ambos os cartazes faziam parte de uma longa série de cartazes de propaganda publicados durante a guerra e afixados em todo o país. O uso do M1 Garand provavelmente ressoaria com civis acostumados a ver o M1 em uso pelas Forças de Defesa Femininas e outros auxiliares civis, em vez de um pôster ressoando com combates na frente que retrataria um G3A6 ou AKM. O uso de crianças e mulheres na defesa doméstica mostra a grave escassez de mão de obra devido à tensão da guerra sobre o Irã.



Caches de armas OIF-OEF

Após a Guerra Irã-Iraque, o M1 começou a desaparecer dos olhos do público, com o fim da guerra e a eclosão da paz. O exército iraniano menos sobrecarregado na frente trouxe de volta fuzis modernos suficientes para equipar unidades em casa e, assim, os antigos M1 entraram em aposentadoria final. No entanto, este não é o fim do M1 no Irã, pois parece que um grande número deles chegou ao Iraque e ao Afeganistão através do comércio de armas portáteis no mercado negro. Há muito mais comércio civil entre o Irã e o Iraque do que com o Afeganistão, portanto, temos muito mais evidências do Garand no Iraque do que no Afeganistão. Nesse contexto, as tropas americanas começaram a encontrar fuzis M1 em caches (esconderijos) por toda parte em ambos os países.

A foto abaixo foi tirada por um fuzileiro naval americano no mesmo distrito em que estive enquanto estava no Afeganistão, o distrito de Nawa, na província de Helmand. Munição foi encontrada, mas não havia um M1 acompanhante.







Um dos poucos Winchesters encontrados no Iraque. A maioria dos M1 encontrados na OIF/OEF eram do modelo da International Harvester.






Uso moderno no Iraque, Síria e Líbano

As fotos abaixo encontradas no Iraque, uma delas estava completa com clipes em bloco carregados em bandoleiras!



Entre a atual turbulência na Síria, uma enorme variedade de armas portáteis veio à tona através de vários grupos rebeldes se armando com o que estiver disponível. Estes exemplares abaixo foram de fuzis M1 em uso por vários beligerantes no Líbano. Devido à proximidade, a origem desses Garands libaneses pode ter vindo de armas portáteis contrabandeadas da Grécia ou da Turquia; ambos os países foram equipados com o M1 sob programas semelhantes de vendas militares estrangeiras dos EUA que equiparam o Irã na década de 1960. No entanto, a menos que possamos obter algumas fotos do bloco do receptor dos números de série, só podemos especular.



Leitura recomendada: