Mostrando postagens com marcador Bélgica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bélgica. Mostrar todas as postagens

domingo, 17 de abril de 2022

FNC: A Carabina Compacta da Bélgica

Por Peter G. Kokalis, Soldier of Fortune, dezembro de 1985.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 9 de março de 2022.

A MATURIDADE de um sistema - como eu disse antes - geralmente determina sua confiabilidade. E se existe um sistema sênior para produzir as ferramentas de guerra, ele está em Liège.

Liège, uma antiga cidade de língua francesa no leste da Bélgica, vende armas para beligerantes estrangeiros desde a Idade Média. Em 1889, um grupo de fabricantes de armas de Liège formou um sindicato chamado Fabrique Nationale d'Armes de Guerre (Fabrica Nacional de Armas de Guerra). Eles imediatamente firmaram um contrato para fornecer ao governo belga 150.000 fuzis Mauser Modelo 1889. Eles estão ocupados exercendo seu ofício desde então. Fiel ao seu chamado, esses mercadores imparciais muitas vezes forneceram armas e/ou projetos para os lados opostos. Um exemplo mais recente foi a briga nas Malvinas: Brits e Argies alegremente se explodiram com as pistolas Browning Hi-Power da FN, fuzis FN FAL e metralhadoras MAG 58.

A princesa Elisabete da Bélgica disparando o seu FN FNC, 2020.

Em 1963, a FN começou o desenvolvimento de um fuzil 5,56x45mm em antecipação à adoção desse calibre pela maioria dos países da OTAN. O fuzil foi introduzido em 1966 como o FN CAL (Carabine Automatique Legere, ou Carabina Automática Leve).

Era operado a gás à maneira do FAL. Uma única rosca duplamente interrompida na cabeça do ferrolho travada atrás de uma rosca semelhante na extensão do cano quando o ferrolho era girado. A mola de recuo foi enrolada em torno do pistão de curso curto para permitir qualquer tipo de configuração de extremidade. O mecanismo de gatilho, padronizado segundo o do M1 Garand, forneceu tanto fogo totalmente automático quanto controle de rajada de três tiros. Os receptores superior e inferior, assim como o antebraço, eram prensados em chapa e havia um dispositivo de retenção aberta. O ferrolho, conjunto do ferrolho e pistão foram usinados a partir de barras de aço. Aparafusado ao receptor superior, o cano era mantido no lugar por uma porca de trava sobre a boca do cano e enfiada em um cone na frente do receptor.


Em suma, o FN CAL era uma peça de aparência muito sofisticada. Exalava qualidade. Tinha a mística do FN FAL. E foi um fracasso lamentável. Durante os testes realizados na França entre 1971 e 1974, as deficiências do CAL explodiram. Caro para fabricar, difícil de desmontar e manter adequadamente, a expectativa de vida do CAL em combate simulado se mostrou muito curta. O projeto foi abandonado e uma pequena quantidade de amostras semiautomáticas foi vendida nos Estados Unidos.

Em dois anos, os projetistas da FN remendaram outro esforço, chamado FNC (Fabrique Nationale Carabine), bem a tempo de entrar nos testes de armas suecos em 1976. Desta vez, a FN enfatizou a simplicidade e a confiabilidade. E o que melhor para emular esses atributos do que as obras de Mikhail Timofeyevich Kalashnikov? O resultado é muito mais fácil de desmontar e manter, geralmente confiável e muito mais barato de fabricar. Alguns sugeriram que o objetivo da FN era projetar um fuzil que pudesse ser facilmente produzido por países do Terceiro Mundo sob o acordo usual de licença para fabricação. Absurdo. A eficácia de custo do FNC foi alcançada através do uso extensivo de fundições de investimento, máquinas CNC (controle numérico computadorizado), soldagem por robô e canos forjados a martelo. Fazer um FNC leva 421 máquinas e 98 operações manuais. Nenhum desses equipamentos - ou a tecnologia necessária para empregá-los - está disponível para qualquer país do Terceiro Mundo neste planeta. Além disso, a FN e a Colt foram gravemente prejudicadas nos últimos anos por acordos de licença de fabricação com produtores do Extremo Oriente que abusaram gravemente de seu relacionamento.

A maioria de seus componentes é finalizada com esmalte preto semi-brilhante. Esta excelente superfície resistente à ferrugem funciona bem em climas tropicais e também mascara pequenas manchas.

O FNC é operado a gás e dispara de um ferrolho fechado. Montado acima do cano, o cilindro de gás tem seis janelas de 1,5 polegadas (3,8cm) atrás da saída de gás do cano. No final desse curso curto, todos os gases escapam do cilindro quando a cabeça do pistão passa por essas janelas de escape. Uma alça soldada na parte traseira do cilindro de gás gira o cilindro, abrindo e fechando uma pequena janela no bloco de gás. Quando a alavanca de ajuste é girada para a esquerda, esta janela do bloco de gás fica exposta e uma pequena quantidade de gases propulsores escapa antes que o pistão comece seu deslocamento para trás. Esta é a posição de operação "normal". Sob condições adversas, o cilindro de gás pode ser girado para a direita, cobrindo a janela do bloco de gás e redirecionando esse volume extra de gás para a face do pistão: um recurso interessante, mas raramente necessário neste calibre.

A provisão para o lançamento de granadas com munição de balistita (festim) é fornecida na forma combinação de uma mira de granada combinada dobrável feita de chapa de metal, e válvula de gás chamada alidade. A alidade é montada no bloco de gás/montagem da massa de mira. Quando girado para a posição vertical, o eixo de alidade gira para fechar a saída de gás. Então todos os gases impulsionam a granada. (É claro que, quando todos os gases propulsores contornam o sistema de gás, a arma não faz a ciclagem e o ferrolho deve ser retraído manualmente.) Uma vez que este interruptor de chapa de metal é puxado para cima, ele atua como uma visão de entalhe em V grosseira que deve ser alinhada com o nariz da granada de fuzil e o alvo.

A cabeça do pistão é soldada a uma extensão oca que contém a parte frontal da mola de recuo e conjunto da haste guia. A extensão do pistão é comprimida no centro e perfurada por um orifício que retém um pino rolante na extremidade da haste guia. A cabeça e a extensão do pistão, bem como o bloco da janela de gases, o orifício do cano e a câmara, são cromados por um processo automatizado desenvolvido pela FN. Uma placa traseira de chapa metálica é fixada na parte traseira da haste guia. Três soldas por robô foram usadas para montar o suporte do ferrolho na extensão do pistão.

Outro pino de rolamento mantém o pino percutor no lugar no conjunto do ferrolho e uma mola do percutor de 3 polegadas (7,62cm) se encaixa firmemente sobre o próprio pino. Modelado segundo o sistema Kalashnikov, o ferrolho giratório tem dois terminais de travamento que correm em trilhos guia soldados nas paredes superiores do receptor e o terminal de alimentação na parte inferior da cabeça do ferrolho conduz a munição de cima do carregador para a câmara. O movimento rotativo é iniciado e a extração primária é fornecida por uma pequena saliência na parte superior da cabeça do ferrolho.

Um pino de rolamento duplo retém o extrator na cabeça do ferrolho. Eu não gosto desse recurso. Os extratores sofrem muito estresse em armas de fogo seletivo. Eles quebram - geralmente quando nenhum armeiro está presente. O próprio operador deve poder substituir este componente, sem ferramentas especiais. A FN corrigiu agora esse problema alterando o acessório do extrator para um único pino de rolamento. Isso permite um movimento mais livre do extrator e um reparo mais fácil.

Um pino no corpo do ferrolho se move no trilho de came do transportador e gira o ferrolho nas posições travada e destravada. A alça retrátil se encaixa em um orifício no lado direito do suporte do ferrolho. Tem uma haste fina, e me parece que vários chutes com o salto de uma bota de combate a dobrariam. Inclinada ligeiramente para cima, ela pode ser retraída com a mão esquerda, mas não tão convenientemente quanto o do Galil.

Vickers Tactical disparando o FN FNC

Um ejetor fixo é rebitado no receptor superior acima da parte traseira do compartimento do carregador e causa um baita dum amassão no estojo vazio (sem consequências para os usuários militares). Marcado com o número de série da arma, o corpo superior do receptor é de construção em chapa de metal soldada por robô. Uma janela de ejeção e uma ranhura da alça retrátil são cortadas no lado direito e uma tampa peculiar de seis componentes é montada sobre a parte traseira da ranhura da alavanca de manejo. Carregada por mola, a alavanca permanece sempre fechada. Na minha opinião, sua função principal é hipnotizar os observadores, pois oscila continuamente aberta e fechada em um estranho padrão elíptico durante as sequências de rajadas de fogo. Os estojos sendo ejetados frequentemente voltam para arranhar a tampa e recebem um segundo amassado.

O receptor superior também é soldado ao bloco de extensão do cano. Por sua vez, o cano é rosqueado na extensão e mantido no lugar por uma contra-porca pesada. Dois comprimentos de cano estão disponíveis: 19,1 e 15,8 polegadas (incluindo o quebra-chama). Forjado a martelo, com seis ranhuras, torções à direita de 1:12 ou 1:7 podem ser encomendadas. Doze janelas dispostas em quatro fileiras de três cercam o dispositivo da boca do cano. Tocadas em um ângulo em relação ao eixo da alma, essas janelas lançam gás para a frente para impulsionar granadas de fuzil e também para uma subida do cano ligeiramente moderada. O quebra-chama efetivo do FNC (retirado diretamente da série FN FAL) aceita a atual baioneta FAL de cabo oco. Um adaptador de disparo de festim está disponível, bem como um acessório de alça opcional para levar a baioneta M7 americana. Girando um total de 360 graus, o retém da bandoleira frontal é preso ao cano por dois anéis de retenção.

As nervuras anulares ao redor do cano na parte de trás do retém da bandoleira são usadas para prender um bipé leve de alumínio fundido. Não ajustável, o bipé oferece uma altura máxima de 11 polegadas. É robusto e bastante superior ao frágil bipé fornecido com os fuzis da série M16. No entanto, custa US$ 78,43 e não pode ser dobrado contra o guarda-mão.

O guarda-mão ergonomicamente agradável dissipa efetivamente o calor que irradia do cano durante as sequências de rajadas. Um escudo térmico ventilado de chapa metálica é rebitado em cada guarda-mão de plástico com seis pregos de latão. Uma grande nervura, moldada na extremidade frontal do guarda-mão de plástico, evita que a mão de apoio deslize sobre o protetor térmico. Isso é bem legal. Mas remover esse guarda-mão é apenas um pouco menos irritante do que desmontar o do M16A1. Como eles são retidos na parte traseira por um colar de cano de chapa de metal, você deve forçar o clipe de retenção frontal do guarda-mão para fora de seus entalhes com o polegar. É melhor manter uma lâmina de faca ou chave de fenda à mão para esse propósito.

Orelhas de proteção para a massa de mira foram usinadas no conjunto do bloco de gás. Eles contêm um poste de visão frontal redondo convencional que pode ser ajustado para elevação zero com a mesma ferramenta usada para esse fim na metralhadora M249 (FN Minimi). O conjunto da alça de mira foi soldado na extremidade do corpo superior do receptor. Dentro de suas orelhas protetoras há uma mira do tipo dobrável com duas aberturas marcadas 400 e 250 metros, respectivamente. Pode ser ajustada para ventania zero, mas apenas por meio de uma ferramenta especial ou um alicate. Eu não gosto disso. Suponho que as pessoas que pensam que os soldados são estúpidos demais para zerar seus próprios fuzis gostarão.

Um entalhe no topo do bloco de extensão do cano e um garfo na frente da alça de mira acomodam uma montagem de luneta de desenho bastante incomum. A montagem, que custa US$ 101,96, aceitará ópticas configuradas de acordo com as especificações da OTAN, como o escopo FN 4x28mm (o preço de varejo sugerido é de US$ 638,92, na verdade fabricado pela extinta empresa Hensoldt). Este excelente pedaço de vidro carrega um retículo usado pelos militares alemães desde a Primeira Guerra Mundial. Embora nunca tenha sido popular nos Estados Unidos, o poste único, grosso e pontiagudo na parte inferior do campo de visão com barras laterais horizontais e linhas de graduação se destaca em luz suave e permite uma aquisição de alvo mais rápida do que a mira padrão. Um trilho especial tipo OTAN fabricado pela Steyr pode ser substituído por anéis SSG para que quase qualquer luneta que você desejar possa ser montada.

O corpo inferior do receptor é fresado a partir da coronha de liga de alumínio por máquinas de controle numérico computadorizado (CNC). Lajeado e feio, há marcas de máquina em toda a sua superfície externa que nenhuma espessura de tinta pode esconder.

Seu compartimento não é nem alargado nem chanfrado. Isso é ruim. Os engenheiros da FN obviamente nunca inseriram um carregador sob estresse. Localizado no lado direito, o botão de liberação da trava do carregador está sob forte pressão da mola, mas pode ser manipulado com o dedo do gatilho. O sistema de travamento é semelhante ao do M16.

Construído inteiramente em aço, o carregador de 30 tiros do FNC é robusto e confiável - muito mais confiável do que o carregador do M16. Como o FNC não possui um dispositivo de abertura, esses carregadores - embora possam ser usados na série M16 - não retêm aberto o ferrolho do M16 após o último disparo. Quando o ferrolho voa em bateria após o disparo final, o terminal de alimentação em sua parte inferior atinge o seguidor do carregador, arrancando sua superfície de chapa metálica macia. Também desconcertante é a placa de piso do carregador que pode ser girada para dentro de cerca de uma polegada, juntamente com qualquer quantidade de areia e/ou detritos que você queira despejar no carregador. Ambos os carregadores de 20 e 30 tiros do M16 podem ser usados no FNC. Trinta e 45 tiros. Os carregadores de plástico termoplástico, conforme adotado pelas Forças Armadas Canadenses, também funcionarão no FNC, embora não caiam livremente quando liberados. Aqueles de nós acostumados a comprar carregadores de M16 baratos e usados em feiras de armas locais vão estremecer com a cobrança de US$ 37,65 por carregadores de FNC sobressalentes, mas você nunca pode ter carregadores demais.

O mecanismo de disparo permanece o mesmo do CAL antigo. Existem duas travas de armadilha com mola - a trava traseira é secundária. Uma trava de segurança automática na frente segura o cão o tempo todo até que o trancamento seja concluído. Puxar o gatilho libera o cão efetuar um disparo. No fogo semiautomático, o conjunto do ferrolho recuado é retido pela armadilha secundária. Quando o gatilho é liberado, ambas as armadilhas se movem com ele e o cão é mais uma vez pego pela armadilha automática de segurança. Colocar a alavanca seletora no automático trava a armadilha secundária para que ela fique inoperante. Cada vez que o conjunto do ferrolho entra em bateria, a armadilha de segurança automática libera o cão. O ciclo continua até que o gatilho seja liberado e o cão seja novamente capturado pela armadilha primária. A taxa cíclica em fogo totalmente automático é de 625-700 rpm.

Um mecanismo removível de rajada de três tiros é montado dentro do receptor inferior. Uma catraca de três dentes neste mecanismo entra em contato com uma lingueta com mola no eixo do cão. Quando a alavanca seletora é colocada em '3', a trava secundária é retida pela parte traseira do dispositivo de catraca. A catraca gira a cada disparo na rajada e após o terceiro ela desliza para fora da armadilha secundária que se move para frente para segurar o cão. Ao contrário do mecanismo no M16A2, qualquer interrupção no ciclo de rajada ainda resultará em outra rajada de três tiros porque o mecanismo se reinicializa toda vez que o gatilho é liberado. Cada rajada de três tiros dura apenas dois décimos de segundo, aumentando significativamente a probabilidade de acerto.

Versões semiautomáticas do FNC são distribuídas como "modelos policiais" em todo o mundo. As importadas para os EUA estão marcadas com "CAL. 223 REM. SPORTER", já que a Lei de Controle de Armas de 1968 proíbe a importação de armas portáteis militares (a emenda Dole recentemente aprovada se aplica apenas a armas de fogo fabricadas antes de 1946). Além da exclusão dos modos automático e rajada de três tiros, e suas respectivas marcações de seletor, os FNC trazidos para os EUA têm outras modificações no mecanismo de disparo (incluindo a ausência da armadilha de segurança automática) para inibir sua conversão para fogo seletivo. Em todos os outros aspectos, elas são inalteradas; por exemplo, esses modelos "esportistas" podem lançar granadas.

As armas "pretas" não são conhecidas por gatilhos nítidos e leves. No entanto, a maioria dos M16 ou AR15 da série de produção acionarão de forma limpa em 6-7,5 libras. Isso é mais do que aceitável em um fuzil militar. Os pesos de gatilho de 10,5 libras mais comumente encontrados em fuzis FNC não são - por nenhum padrão razoável. Eu não acho que sou particularmente sensível ao gatilho, mas é muito difícil me concentrar na imagem da visão e na respiração enquanto puxa o gatilho contra um objeto imóvel.

A alavanca seletora está localizada no lado esquerdo logo acima do punho da pistola. É exatamente onde está na série FAL e, como o FAL, apenas o Homem de Plástico poderá manipulá-lo com o polegar da mão de disparo. Descer de 'S' (seguro) para 'I' (semiautomático) não é muito difícil. Mas quanto a continuar para '3' (rajada de três tiros, é claro) e 'A' (automático), ou voltar para 'S' - esqueça. Você deve usar a mão de apoio para isso.

Polenar Tactical disparando o FN FNC

O punho de pistola de plástico é da série FAL, por isso aceita o kit de limpeza do FAL que consiste em uma garrafa de óleo e pontas de limpeza de latão com nylon de empurrão. Você obtém tudo isso por modestos US$ 26,35. Bom pela aparência, mas muito mais útil - e caro - é o conjunto de ferramentas FNC por US$ 43,56. Este dispositivo inteligente valão pode ser usado para raspar o interior do bloco de gás, ventilação de gás, cabeça do pistão e ranhura. É muito mais rápido que um canivete suíço, mas não se pode descascar mangas com ele no mato salvadorenho.

Qualquer uma das duas coronhas da série FAL está disponível para o FNC. A excelente coronha rígida fornece uma plataforma de disparo superior, mas um pouco mais popular é a coronha dobrável apresentada nos chamados modelos "para". Colapsando para a direita, a coronha FN paraquedista é a coronha dobrável mais estável já projetada. A desvantagem é que uma trava de mola no bloco de suporte deve ser movida para a esquerda enquanto a coronha é simultaneamente empurrada para fora do bloco de suporte e dobrada contra o receptor.

O mesmo processo deve ser repetido para re-estender a coronha e alguns podem achar isso confuso. Dois tubos de liga leve são montados em uma placa de topo de liga mais pesada. O tubo superior é revestido de plástico para conforto em ambientes árticos e tropicais. É tudo um pouco curto demais para mim.


Ilhós para fixação da bandoleira aos modelos para são fornecidos na parte superior da placa de apoio (uma excelente localização) e no lado esquerdo do bloco de suporte, presumivelmente para uso de uma bandoleira com a coronha dobrada. Na extremidade da coronha de teia há um mosquetão com mola para fixação rápida em uma posição ou outra. Na coronha rígida padrão, o retém de giro da bandoleira está localizado na posição inferior convencional, mas menos útil.

Então, no que tudo isso se soma? Com o cano de 19,1 polegadas, todos os 121 componentes do modelo para pesam 8,4 libras, sem o carregador. Pesado, para os padrões de hoje. O comprimento total desta versão é de 38,9 polegadas com a bandoleira estendida e 29,9 polegadas dobrada.

O FNC é um executor robusto e confiável. Disparei milhares de tiros através de dois espécimes de fogo seletivo e dois "sporters" semiautomáticos sem uma única engripagem sempre que os carregadores FN eram usados. Embora robusto, suas características de manuseio são excelentes. O recuo sentido é muito baixo. Seu guarda-mão é o melhor de qualquer fuzil de assalto e contribui significativamente para a habilidade do operador em adquirir alvos rapidamente. O padrão de ejeção é bastante errático e varia de três pés (91cm) para a direita a 90 graus a 50 pés (15m) a 30 graus à direita da boca do cano.


Os canos FN exibem um excelente potencial de precisão. Recentemente, tive três canos FN Minimi M249 calibrados a ar e eles estavam muito próximos do grau de correspondência. Infelizmente, esse atributo é silenciado no FNC pelo acionamento extremamente pesado do gatilho. Por causa disso, nunca disparei um grupo menor que seis MOA com qualquer um desses fuzis. No entanto, o potencial de acerto permanece acima da média quando o dispositivo de rajada de três tiros é empregado em exercícios de tiro instantâneo.

A facilidade de manutenção foi melhorada em uma margem considerável em relação ao FN CAL anterior. Para desmontar o FNC, primeiro remova o carregador e limpe a arma. Empurre o pino de retenção traseiro da esquerda para a direita o máximo possível. Afaste o receptor superior do grupo inferior. Empurre o pino de retenção frontal e separe os receptores superior e inferior. Ambos os pinos são cativos e são mantidos no corpo inferior do receptor por uma mola de pressão. Puxe a alça retrátil para trás, levante a tampa contra poeira e puxe a alça: O conjunto do ferrolho pode então ser retirado da parte traseira do receptor superior. Pressione a placa traseira da mola recuperadora e gire-a 90 graus para a direita ou esquerda. Puxe a mola e a haste guia para fora da cavidade da extensão do pistão. Gire o corpo do ferrolho até que seu came libere o trilho do transportador e remova-o. As molas dos percutores atuais têm uma extremidade ondulada para evitar sua perda inadvertida. Remova o guarda-mão da maneira descrita anteriormente. Gire o cilindro de gás para a esquerda até que a peça do polegar esteja além da configuração normal e perpendicular ao bloco defletor do receptor superior. Empurre o cilindro de gás para trás e retire-o do bloco de gás. Sugiro que nenhuma desmontagem adicional seja tentada.


A extensão do cano é difícil de alcançar e limpar, mas não mais do que o M16. Após a limpeza, lubrifique os trilhos guia do receptor, as alças de trancamento dos do ferrolho, os recessos de trancamento da extensão do cano e a mola recuperadora com LSA, graxa de lítio branca ou PARR All Weather Weapons Lube (A.R.M.S., Dept. SOF, 230 W. Center Street, W. BRidgewater, MA 02379). O G96 em spray aerossol fará o resto. Não lubrifique o pistão, o interior do cilindro de gás ou o bloco de gás. Volte a montar na ordem inversa. Certifique-se de que a mira de lançamento de granadas esteja na vertical ao reinstalar o guarda-mão.

Versões semiautomáticas do FNC são distribuídas nos EUA pela Gun South, Inc. (Dept. SOF, P.O. Box 129, Trussville, AL 35173). A cobrança do dólar americano e a queda nas vendas nos EUA reduziram o preço de varejo sugerido desses fuzis em US$ 335 nos últimos três anos. O modelo padrão com coronha rígida agora é vendido por US$ 729 e o para por US$ 760. Este preço os coloca em linha com o Colt AR15A2, mas a arma em si não é tão boa quanto o Colt.

Apenas a Indonésia e a Suécia adotaram o FNC. Os membros do Clube do Fuzil-de-Assalto-do-Mês (como eu) terão que colocar um FNC em seus cabides de armas. Mas não é minha escolha para progredir no mato. Muito pesado e não está de acordo com os padrões usuais da FN de excelência orientada ao usuário.

Soldado da Fortuna,
edição de dezembro de 1985.

domingo, 16 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores paquistaneses com fuzis FN F2000

Homens da Ala de Serviços Especiais da Força Aérea do Paquistão carregando fuzis FN F2000 durante um treinamento no Fort Lewis, em Washington, nos Estados Unidos, em 23 de julho de 2007.

O funcionamento do FN F2000


Leitura relacionada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

terça-feira, 22 de junho de 2021

A caçada humana belga termina após a descoberta de um corpo e armas roubadas


Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de junho de 2021.

A polícia belga recuperou com sucesso a última das armas roubadas por Jürgen Conings na manhã de ontem, 21 de junho, pondo fim aos 35 dias de caçada humana ao ex-soldado belga. Uma submetralhadora P90 roubada por Conings foi recuperada perto de onde seu corpo foi encontrado, com a busca oficialmente concluída às 13h, horário local.

O corpo de Conings foi encontrado no domingo pelo prefeito da cidade de Maaseik, Johan Tollenare. Em uma aparição na Rádio 2 da Bélgica, Tollenare disse que estava fazendo mountain biking pelo Parque Nacional Hoge Kempen quando ele e um caçador próximo sentiram um forte odor de cadáver. Suspeitando de uma conexão com a caça ao homem, ele chamou a polícia, que descobriu o corpo de Conings.

Cabo Jürgen Conings, 46 anos.

Promotores federais belgas afirmam que uma autópsia confirmou investigações preliminares que sugerem que o homem de 46 anos cometeu suicídio com uma das armas de fogo que roubou. No entanto, ainda não foi determinado exatamente quando ele cometeu suicídio.

Em uma aparição no programa de notícias Het Journaal da emissora pública em holandês VRT, o promotor federal Frédéric Van Leeuw disse que não era incomum que o corpo de Conings tivesse sido encontrado a 150 metros de uma área "varrida" por policiais e militares, comparando a dificuldade da busca para encontrar um grão de arroz em meio a 20 campos de futebol de grama alta. Em declarações a uma rádio pública de língua francesa, ele disse que o complexo terreno da área em que Conings foi encontrado impossibilitou a varredura de toda a zona, mesmo com pistas para orientar a busca. Além disso, o clima quente pode ter acelerado a decomposição do corpo de Conings, gerando um odor detectável que não estava presente anteriormente.

O virologista Marc Van Ranst, que vive em um esconderijo com sua família sob proteção da lei pelas últimas cinco semanas depois que notas deixadas por Conings continham ameaças dirigidas a ele, expressou seu alívio ao jornal Het Laatste Nieuws no domingo. Em uma postagem no Twitter, ele disse que seus pensamentos foram para os parentes mais próximos de Conings e seus dois filhos em particular, pois eles haviam perdido um pai, parente ou amigo.

O advogado da namorada de Conings confirmou no De Ochtend da Radio 1 que sua cliente havia sido brevemente trazida para interrogatório na sexta-feira passada, enfatizando que ela nunca foi acusada e que o juiz não a considerou suspeita no caso. Ele disse que ela estava feliz por não haver outras vítimas, mas estava de luto pela morte de Conings.

Após a confirmação da morte de Conings, as medidas de segurança reforçadas na província de Limburg, onde ficava o Parque Nacional Hoge Kempen, no centro da caçada humana, foram suspensas. Apesar da conclusão da caçada, muitas questões ainda permanecem, em particular as múltiplas omissões de inteligência que lhe permitiram manter o acesso ao arsenal de sua unidade, apesar da revogação de seu certificado de segurança e da presença em uma lista de extremistas.

Soldados do Exército Belga em frente a dois blindados Piranha durante a caçada a Conings.

Bibliografia recomendada:

A Guerra Irregular Moderna: Em políticas de defesa e como fenômeno militar,
General von der Heydte.

Guerra Irregular: Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história,
Major Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:




sexta-feira, 18 de junho de 2021

€650.000 gastos enquanto a caçada humana na Bélgica entra no seu segundo mês


Por Albert L., Overt Defense, 17 de junho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de junho de 2021.

Um relatório preliminar do Ministério da Defesa belga sobre a contínua caçada humana por Jürgen Conings diz que o ministério gastou €650.000 (US$ 774.000, mais ou menos) em sua busca pelo cabo do exército de 46 anos nas últimas quatro semanas, após uma série de falhas de inteligência isso o levou a fugir com um colete blindado roubada, uma arma de defesa pessoal FN P90, uma pistola Five-seveN e cerca de 2.000 cartuchos de 5,7 mm para suas armas, apesar de estar em uma lista de extremistas.

O relatório de 35 páginas deveria ter sido discutido por membros do comitê de defesa parlamentar da Bélgica na manhã de quarta-feira, no entanto, acabou sendo adiado depois que foi descoberto que os membros do comitê não tiveram acesso ao relatório. O relatório também vazou para o jornal Le Soir junto com o valor do custo, com a ministra da Defesa, Ludivine Dedonder, dizendo ao comitê na quarta-feira que ela não era responsável pelo vazamento.

De acordo com o Le Soir, a maior parte dos €650.000 foi gasta em combustível e outros materiais gastos durante a busca, bem como pagamento de bônus para soldados que realizam buscas por Conings durante os fins de semana. O Ministério da Defesa também disponibilizou um helicóptero utilitário NH90 para a caçada humana, ao lado de vários veículos blindados.

Uma submetralhadora FN P90. (eLNuko)

O relatório também destaca várias falhas significativas do Serviço de Inteligência e Segurança Geral, o serviço de inteligência militar da Bélgica. Embora uma queixa tenha sido apresentada ao GISS a respeito das ameaças que Conings postou online contra o virologista belga Marc Van Ranst em julho de 2020, o Ministério nunca foi informado de sua existência. Da mesma forma, quando foi tomada a decisão de revogar a autorização de segurança de Conings em 31 de agosto de 2020 por simpatias de extrema-direita, a cadeia de comando militar belga não foi notificada, e o próprio Conings não foi notificado até 12 de novembro daquele ano. Apesar da emissão de sanções disciplinares contra Conings pelas ameaças, a retirada de sua autorização não foi adicionada ao seu histórico disciplinar oficial. Uma reunião de 17 de fevereiro que listou formalmente Conings como uma ameaça potencial de segundo grau mais alto não contou com a presença de membros do GISS, supostamente devido à falta de pessoal, enquanto o Ministério da Defesa não foi notificado da lista até 2 de março.

O pôster de procurado de Conings da Polícia Federal belga.

A falha em compartilhar informações também foi como Conings foi capaz de obter acesso ao arsenal de sua unidade de reserva, já que ele não seria capaz de fazer isso se o comando da unidade soubesse que sua habilitação de segurança havia sido revogada. O relatório também afirma que sua unidade estava violando as diretrizes de armazenamento de armas, pois não tinha um sistema adequado para o check-in ou check-out do armamento, incluindo os lança-foguetes que ele posteriormente roubaria.

Apesar das forças de operações especiais de vários países se juntarem à caçada humana, a busca por Conings foi infrutífera até o momento. Os promotores federais agora suspeitam que os quatro lançadores de foguetes encontrados escondidos no SUV de Conings tinham a intenção de distrair, com o ex-instrutor possivelmente fugindo da Bélgica ou cometendo suicídio no logo no início. 13 outros membros do exército que se acredita terem ligações com Conings tiveram suas autorizações de segurança revogadas também, a fim de cortar quaisquer conexões restantes que Conings possa ter com as forças armadas.

Em resposta às conclusões preliminares do relatório, Dedonder disse que terá diretrizes claras sobre racismo e extremismo nas forças armadas belgas implementadas nos próximos meses, com os sindicatos fazendo parte do processo de consulta para garantir que as diretrizes sejam relevantes para o mundo atual. Além disso, os esforços para recrutar pelo menos 80 funcionários adicionais do GISS para superar a escassez de pessoal foram acelerados, como parte de esforços mais amplos para reformar o serviço após suas falhas na preparação para a caçada humana.


Bibliografia recomendada:

A Guerra Irregular Moderna: Em políticas de defesa e como fenômeno militar,
General von der Heydte.

Guerra Irregular: Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história,
Major Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:



quinta-feira, 20 de maio de 2021

Caçada humana na Bélgica entra no terceiro dia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 20 de maio de 2021.

O Cabo Jurgen Conings, 46, desapareceu com armas na segunda-feira e deixou uma carta ameaçando várias pessoas.

A polícia belga está à procura de um soldado com que fugiu com material militar e escreveu um manifesto ameaçando violentamente várias figuras proeminentes, incluindo o virologista Marc Van Ranst, um dos principais conselheiros do governo. Os policiais encontraram várias armas pesadas no carro do homem esta manhã, estacionado em Dilsen-Stokkemm perto da fronteira leste com a Holanda. O Ministro da Justiça, Vincent Van Quickenborne, descreveu na quarta-feira Jurgen Conings como uma “ameaça aguda”.

Cabo Jurgen Conings, 46 anos, descrito como "careca e tatuado" pelas autoridades belgas.

As autoridades descreveram o soldado como um “extremista potencialmente altamente violento” que tem opiniões de extrema-direita. Ele teria deixado mensagens sinalizando que ele não se renderia pacificamente, explicando que ele "não poderia mais viver em uma sociedade onde políticos e virologistas tiraram tudo de nós".

Conings deixou sua casa na província de Limburg, no nordeste da Bélgica, na segunda-feira (17/05) e não foi mais visto desde então, disse a polícia em um mandado de busca publicado online. Ele ameaçou várias pessoas nas últimas semanas antes de desaparecer. No entanto, ele ainda foi capaz de acessar uma série de armas pesadas no seu quartel, incluindo quatro lançadores de mísseis. Horas depois do início da caçada humana por Conings na terça-feira, seu carro foi encontrado abandonado em Limburg, com armas dentro. “Quatro lançadores de mísseis e munições foram encontrados [no carro]”, disse o promotor federal belga Wenke Roggen.

Soldados fortemente armados chegam à entrada do Parque Nacional Hoge Kempen em Maasmechelen, norte da Bélgica, em 20 de maio de 2021.

O ministro Van Quickenborne disse que Conings estava em uma lista de potenciais “terroristas” compilada pelo Organismo de Coordenação para Análise de Ameaças (Organe de Coordination pour l’Analyse de la Menace, OCAM), que lida com todas as informações e inteligência relevantes sobre terrorismo, extremismo e radicalização problemática. O OCAM faz conexões para lidar com questões sociais antes que se transformem em questões de segurança.

Um porta-voz do Ministério Público Federal, Eric Van Duyse, disse à agência de notícias AFP que o soldado era “bem treinado, mas parece ter ideias associadas à extrema direita”. Conings havia desaparecido com armas, disse ele, e deixou para trás uma carta contendo "elementos preocupantes", incluindo ameaças ao Estado e várias figuras públicas. Um mandado de busca contra Conings, descrito como "careca" e "tatuado", alertou o público para não abordá-lo. Ele também pediu a Conings que se entregasse.


Hoje a Bélgica escalou a caçada humana e recorreu às forças armadas, que se desdobraram pelas cidades, especialmente na região de fronteira com a Holanda. A mídia local informou que veículos blindados se juntaram ao desdobramento “massivo” de soldados e policiais que procuraram Conings na noite de quarta para quinta-feira.

As autoridades isolaram os 12.000 hectares (74km²) de floresta protegida, localizada perto da fronteira holandesa. Vários quartéis militares na área também foram fechados, com soldados impedidos de sair, de acordo com relatórios.


O primeiro-ministro belga Alexander De Croo expressou frustração com o incidente, observando que Conings já havia sido sinalizado pela Unidade de Coordenação de Análise de Ameaças do país, que identifica potenciais ameaças de terror. “[Que] alguém que já fez ameaças no passado... que este homem dentro da Defesa tenha acesso a armas e pode até levar essas armas com ele... é inaceitável”, disse De Croo na quarta-feira. Ele pediu aos militares que elaborassem planos para garantir que tais incidentes possam ser evitados no futuro.

Bibliografia recomendada:



Leitura recomendada:

Policiais belgas encarregados de vigiar a sede da OTAN ainda empunham a icônica submetralhadora Uzi13 de abril de 2021.


quinta-feira, 22 de abril de 2021

70 anos atrás, o batismo de fogo na Coréia para o Corpo de Voluntários Belga-Luxemburguês


Por Pierre Brassart, À l'Avant-Garde, 22 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de abril de 2021.

O batalhão belga-luxemburguês se destacou em três grandes batalhas: Imjin, Haktang-Ni e Chatkol.

A guerra havia estourado quase um ano antes, em 25 de junho de 1950, com a invasão da Coréia do Sul pelos exércitos norte-coreanos. Seul é tomada três dias depois. A ONU reage, o exército americano se desdobra e assume a liderança da coalizão com o apoio da ONU. A Bélgica decide em 25 de agosto de 1950 enviar uma força expedicionária que só pode ser composta por voluntários (a Constituição impede o envio de milicianos). Mais de 2.000 candidatos se apresentaram. Em 18 de setembro de 1950, começaram as primeiras sessões de treinamento para oficiais e suboficiais. No início de outubro, cerca de 700 voluntários se foram para Bourg-Léopold para formar o batalhão que recebeu o nome oficial de Corpo de Voluntários para a Coréia. Um pelotão luxemburguês se juntará ao batalhão logo depois.

Jipe com metralhadora do batalhão belga-luxemburguês na Coréia. (Coleção do padre Vander Goten)

Em 18 de dezembro de 1950, o batalhão deixou a Bélgica a bordo do mítico Kamina e chegou à Coréia em 31 de janeiro de 1951. Em 20 de abril, o batalhão posicionou-se no rio Imjin, a cerca de trinta quilômetros de Seul. Ele foi então vinculado a uma brigada britânica. Apenas dois dias depois, em 22 de abril, no início da noite, uma patrulha belga entrou em combate com o inimigo a dois quilômetros das posições do batalhão. O inimigo parece estar tentando se infiltrar. Às 3h da manhã, um primeiro ataque frontal foi lançado pelos chineses, mas falhou. As várias companhias do batalhão caem sob ataque. Uma seção enviada para reconhecimento é emboscada e 6 homens são capturados (seus corpos serão encontrados em maio, quando as posições chinesas serão reconquistadas). Na manhã do dia 23, um pelotão de tanques americanos foi enviado como reforço para permitir que as tropas belgas recuassem pra novas posições.

O dia 24 de abril foi relativamente calmo para os soldados, principalmente se comparado ao de seus camaradas britânicos que sofreram pesadas perdas, principalmente o 1º Batalhão do Regimento de Gloucestershire (Glosters) que, isolado em uma colina, viu 56 de seus homens serem mortos e mais de 500 foram feitos prisioneiros. Em 25 de abril, o alto comando ordenou que toda a brigada fosse retirada para uma nova posição defensiva. No final da batalha, o batalhão belga deplora doze mortos e trinta feridos.


As tropas aliadas, que somavam mais ou menos 4.000 homens, enfrentaram três divisões chinesas, totalizando quase 24.000 soldados. Estavam, portanto, lutando 1 contra 6. O assalto ao rio Imjin fazia parte da ofensiva de primavera planejada pelo exército chinês que, entre outras coisas, tinha o objetivo de retomar Seul e expulsar as forças da ONU da península. A resistência no rio Imjin impediu um avanço da linha de frente chinesa e permitiu que as forças da ONU se organizassem para estabelecer uma nova linha de defesa e conterem a ofensiva chinesa.

Apenas 3.171 belgas e 78 luxemburgueses lutaram na Coréia até 1953, onde quase cem morreram e 478 ficaram feridos. O interesse neste conflito permanece limitado na Bélgica. Somente em 1996 os veteranos desta guerra obtiveram o reconhecimento nacional do Ministro da Defesa.

Jipes belgas na Coréia.
(Coleção do padre Vander Goten)

Bibliografia recomendada:

Bérets Bruns en Corée 1950-1953.
General A. Crahay.

terça-feira, 13 de abril de 2021

Policiais belgas encarregados de vigiar a sede da OTAN ainda empunham a icônica submetralhadora Uzi


Por Joseph Trevithick, The Warzone, 20 de março de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de abril de 2021.

Depois de mais de sete décadas, a lendária submetralhadora Uzi continua a ser usada em todo o mundo.

Embora inquestionavelmente icônica, a submetralhadora Uzi israelense original é uma visão cada vez mais incomum entre as forças de segurança ocidentais. No entanto, imagens divulgadas recentemente mostram que a Polícia Federal belga encarregada de guardar o principal quartel-general operacional da OTAN em Bruxelas ainda tem acesso a essas armas.

As forças armadas americanas divulgaram as imagens do pessoal da Polícia Federal belga treinando com suas Uzis em um estande coberto no Centro de Suporte de Treinamento na Base Aérea de Chièvres. Chièvres está situado a cerca de 19km do Quartel-General Supremo das Potências Aliadas da OTAN na Europa (Supreme Headquarters Allied Powers EuropeSHAPE), sede das Operações de Comando Aliado (Allied Command OperationsACO) da Aliança, na cidade de Mons.


As fotos também mostram policiais treinando com suas pistolas Smith&Wesson M&P9. O fabricante de armas americano ganhou um contrato para fornecer essas armas de 9 mm para a Polícia Federal belga em 2011.

As Uzis em tamanho real são definitivamente as armas mais atraentes. Essas exemplares específicos são armas fabricadas sob licença na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas leves Fabrique National, mais comumente chamada de FN.

Uziel "Uzi" Gal, nascido na Alemanha, começou a trabalhar nesta arma de 9x19mm logo após o estabelecimento do Estado de Israel em 1948 e o primeiro protótipo foi concluído em 1950. Gal pessoalmente não queria a arma, que entrou em serviço nas Forças de Defesa de Israel (IDF) quatro anos depois, batizada em sua homenagem.

Um policial da Polícia Federal belga engatilha sua submetralhadora Uzi enquanto treina em uma área coberta na Base Aérea de Chièvres. (Exército dos EUA)

Uma policial da Polícia Federal belga aponta sua pistola Smith&Wesson M&P9. (Exército dos EUA)

A Uzi padrão, que pesa pouco menos de quatro quilos, foi uma das primeiras submetralhadoras a apresentar o chamado ferrolho telescópico. O que isso significa é que uma parte substancial do conjunto do ferrolho, um componente-chave do mecanismo interno da arma, está situada na frente da arma e desliza para frente e para trás em torno do cano. Em muitos projetos anteriores, bem como nos subsequentes, esse componente é posicionado inteiramente atrás do cano.

Isso permite uma arma mais compacta que ainda tem um cano relativamente longo. A Uzi padrão original, que tinha uma coronha fixa de madeira, tinha um cano de pouco mais de 25 centímetros de comprimento e um comprimento total de pouco mais de 64 centímetros. Em comparação, a submetralhadora M1 Thompson, outra arma icônica, tem um cano de 26,7cm e meia de comprimento, mas tem quase 86cm de comprimento.

Uma submetralhadora Uzi padrão com coronha fixa de madeira. (Museu do Exército Sueco)

Uma versão da Uzi padrão com coronha dobrável, como visto nos exemplos belgas em Chièvres, foi posteriormente introduzida. Com esta coronha estendida, o comprimento total da arma é apenas ligeiramente menor do que seria com a coronha fixa de madeira instalada.

Apesar das complexidades políticas que muitos países enfrentaram, e que muitos ainda enfrentam, ao lidar com Israel, a Uzi rapidamente se tornou um padrão-ouro para submetralhadoras em todo o mundo. O Irã sob o xá estava entre os importadores dessas armas e elas permanecem em uso na atual República Islâmica, embora seja contrário à própria existência de Israel por uma questão de política. Grandes quantidades de cópias licenciadas e clones não-licenciados foram produzidas em vários países.

Militares das forças especiais iranianas armados de Uzis com silenciadores. (Agência de Notícias Borna)

Por meio de sua onipresença, inclusive junto às principais forças militares e outras forças de segurança, a arma alcançou status de ícone, tanto na vida real quanto na mídia popular. Robert Wanko, assim como outros agentes do Serviço Secreto dos EUA, sacou sua Uzi durante a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981.

O agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos, Robert Wanko, à esquerda, desdobra a coronha de sua submetralhadora Uzi logo após a tentativa de assassinato do presidente Ronald Reagan em 1981. Uma pasta na qual uma Uzi, seja aquela mantida por Wanko, ou uma empunhado por outro agente em outro lugar na cena, tinha sido escondida, é vista na rua à direita. (NARA)

As Uzis também foram usados com as forças de operações especiais militares dos EUA, incluindo as equipes SEAL da Marinha dos EUA e as Forças Especiais do Exército dos EUA, e permanecem em armários dentro da comunidade das forças de operações especiais americanas para treinamento de familiarização com armas estrangeiras. Outras agências do governo federal, como o Serviço de Segurança Diplomática do Departamento de Estado e organizações predecessoras, também emitiram Uzis para seus funcionários.

Os alunos designados para o Centro de Guerra Especial JFK do Exército e a Escola disparam Uzis, bem como outras submetralhadoras, durante um curso de treinamento de familiarização com armas estrangeiras. (Exército dos EUA)

Um agente especial do então Escritório de Segurança do Departamento de Estado dos EUA, armado com uma Uzi, é visto à esquerda nesta foto do então Embaixador dos EUA em El Salvador Thomas Pickering, em primeiro plano, e então Embaixador dos EUA nas Nações Unidas Jeane Kirkpatrick, à direita, em El Salvador em 1984.

Ao mesmo tempo, Uzis também se tornaram populares entre grupos terroristas e criminosos. O desenho robusto e compacto combinado com o grande número dessas armas em circulação em todo o mundo - somente Israel fabricou mais de 1,5 milhão delas - aumenta as chances de que continuem a encontrar seu caminho até as mãos de atores maléficos não-estatais.

Tudo isso foi rapidamente traduzido para a tela grande em filmes como Comando Delta (The Delta Force, 1986), estrelado por Chuck Norris e Lee Marvin. A lista de filmes, bem como programas de televisão, em que a Uzi é um recurso de destaque, incluindo outros grandes sucessos de bilheteria, como O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984), com Arnold Schwarzenegger como o Exterminador titular, é longa demais para ser postada aqui por completo. Jogos de vídeo e outras mídias populares também apresentam Uzis rotineiramente.



Depois de mais de sete décadas, a Uzi continua a ver um uso significativo por unidades militares e forças de segurança estatais até hoje - incluindo a Polícia Federal belga. No entanto, agora é certamente um desenho datado que é relativamente pesado para seu tamanho e tem uma cadência de tiro - 600 tiros por minuto - que é decididamente lenta para uma arma deste tipo, mesmo que a torne mais controlável e, como resultado, preciso.

Um derivado compacto pesando 2,7kg e com uma cadência de tiro de 950 tiros por minuto, chamado de Mini Uzi, foi introduzido em 1980. Isto foi seguido seis anos depois pela Micro Uzi ainda menor e de disparo mais rápido, que, embora visualmente semelhante, é um desenho substancialmente diferente. Uma "pistola" Micro Uzi sem coronha, com um cano um pouco mais curto, veio logo em seguida. Versões semiautomáticas também foram produzidas, incluindo tipos com canos mais longos, necessários para atender às diversas legislações referentes à propriedade civil, principalmente nos Estados Unidos.


Um anúncio da década de 1980 mostrando todos os modelos da família Uzi naquela época.

"A tecnologia antiga deve ser eliminada em algum momento", disse Iddo Gal, filho de Uzi Gal, ao The Baltimore Sun em 2004, dois anos depois que seu pai morreu aos 79 anos. "Existem pouquíssimas armas que resistiram por tanto tempo."

Ainda assim, assim como seu uso operacional, a produção da Uzi persiste. Em 2010, o fabricante de armas israelense IWI até mesmo revelou um novo tipo, a Uzi Pro, um derivado da Mirco Uzi apresentando um receptor inferior de polímero leve totalmente novo, entre outras mudanças, e vários acessórios modernos, como trilhos de acessórios para montagem de itens como miras ópticas, miras laser e luzes táticas. Uma versão semiautomática de "pistola", inicialmente sem coronha, mas agora disponível com uma braçadeira, também foi introduzida, novamente voltada principalmente para os mercados civis, particularmente os entusiastas de armas nos Estados Unidos.


No entanto, mesmo quando apareceu pela primeira vez, há mais de uma década, a Uzi Pro estava entrando em um mercado inundado com submetralhadoras mais novas e modernas, que cada vez mais ultrapassaram outros tipos icônicos, mas datados, tais como as séries Heckler & Koch MP5, também. As forças militares, em geral, há muito tempo se afastam das armas desse tipo geral, também, em favor de fuzis de assalto compactos que disparam cartuchos com melhor desempenho e alcance balístico. Essa mesma tendência também foi aparente em muitas forças policiais e de segurança em todo o mundo, em grande parte devido às preocupações com a proliferação de armas e armaduras corporais mais capazes entre grupos criminosos.

Uma nova classe de armas, conhecida como Armas de Defesa Pessoal (Personal Defense Weapons, PDW), tenta fazer o melhor dos dois mundos, oferecendo um pacote compacto e altamente controlável com uma profundidade de carregador que dispara o que pode ser descrito como munição de fuzil em miniatura que são capazes de penetrar armadura corporal. Essas ofertas também degradaram a atratividade das subs em alguns casos.

O HK MP7 é uma PDW altamente popular usada por forças militares e policiais em todo o mundo. (SRI Tactical)

Dito isso, as submetralhadoras, em geral, continuam a servir nas principais forças militares e outras forças de segurança, embora frequentemente em funções de nicho. Por exemplo, em 2019, o Exército dos EUA selecionou oficialmente uma versão da série B&T USA AC9 PRO como uma nova arma especificamente para detalhes de segurança VIP, algo que você pode ler com mais detalhes neste artigo anterior da War Zone.

Ainda não se sabe por quanto tempo a Polícia Federal belga manterá suas Uzis, mas, pelo menos por enquanto, elas permanecem como parte do arsenal disponível para os policiais que protegem um dos principais quartéis-generais do que é indiscutivelmente a aliança militar mais significativa no planeta.

Bibliografia recomendada:


Leitura recomendado:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.


A submetralhadora MAS-38, 5 de julho de 2020.

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.