Mostrando postagens com marcador Israel. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Israel. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2022

Israel tenta derrubar seu próprio drone por engano

Um drone militar israelense em 8 de junho de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

As sirenes soaram na Alta Galiléia, perto da fronteira libanesa, com moradores correndo para abrigos. Israel lançou seus foguetes de defesa apenas para descobrir que estava atirando em seu próprio drone, conforme revelou o exército israelense dois dias atrás, em 19 de maio desse ano.

"Devido a um erro de identificação, a Matriz de Defesa Aérea das FDI lançou interceptadores que causaram os alarmes ouvidos no norte de Israel", disse o Exército israelense em comunicado. Isso ocorre dias depois que um drone do Hezbollah foi abatido enquanto viajava do Líbano para Israel. A Matriz de Defesa Aérea mencionada é o famoso Domo de Ferro, o sistema de defesa anti-mísseis de Israel.
O Líbano e Israel estão tecnicamente em estado de guerra, e Israel lançou uma guerra devastadora contra seu vizinho do norte em 2006, matando 1.200 pessoas - entre civis e terroristas - durante um período de 34 dias. A confrontação terminou com um cessar-fogo mediado pela ONU. No mês passado, um foguete disparado contra o norte de Israel partindo do Líbano caiu em uma área aberta perto do Kibutz Matzuva, perto da fronteira, sem causar danos ou ferimentos. Em resposta, os militares israelenses bombardearam alvos no Líbano com dezenas de obuses de artilharia, e o porta-voz das FDI, Ran Kochav, disse que facções palestinas no Líbano são consideradas responsáveis.

Houve vários casos de lançamento de foguetes do Líbano para Israel nos últimos anos, com a maioria atribuída a facções palestinas no país, não ao grupo terrorista libanês Hezbollah. No entanto, é improvável que terroristas no sul do Líbano consigam disparar foguetes sem pelo menos a aprovação tácita do grupo terrorista apoiado pelo Irã, que mantém um controle rígido sobre a área.

Um posto militar das FDI na fronteira entre Israel e Líbano, 20 de julho de 2021.

Bibliografia recomendada:

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Edge of Tomorrow: Os soldados combatentes das FDI do futuro

Um soldado da IDF demonstra tecnologias de ponta "Edge of Tomorrow" em um centro de treinamento.
(Escritório do Porta-voz do Ministério da Defesa de Israel)

Da equipe do Jerusalem Post, 10 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de maio de 2022.

Os futuros soldados de combate de Israel incorporarão óculos de realidade aumentada, um sistema de fuzil de assalto computadorizado, um sistema de exibição digital montado na cabeça, tecnologia de detecção de fogo hostil e muito mais.

A Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DDR&D) e a Elbit Systems revelaram na terça-feira o "Edge of Tomorrow", um programa inovador que fortalece a sinergia entre soldados de combate desmontados e suas equipes e permite valor operacional ideal, disse o Ministério da Defesa.

A tecnologia é baseada em processos numéricos e empíricos baseados em pesquisa, simulação, cenários de campanha ao vivo e muito mais, e incorpora tecnologias de ponta para melhorar uma gama de capacidades de missão entre soldados de combate, incluindo letalidade, consciência situacional, capacidade de sobrevivência, resistência, carga de capacidade cognitiva, exposição ao inimigo, análise e simulação de desempenho, comando e controle e muito mais.

As tecnologias incluem óculos de realidade aumentada, um sistema computadorizado de fuzil de assalto, um sistema de exibição digital montado na cabeça, tecnologia de detecção de fogo hostil, um sistema de rastreamento de localização em ambientes sem GPS, mangas táteis para navegação e transmissão de comando e um sistema de comando de voz que é semelhante aos usados em smartphones.

DDR&D e Elbit demonstraram recentemente as capacidades do programa em um centro de treinamento das FDI. A demonstração incorporou tecnologias de guerra em rede e incluiu um cenário operacional simulado de força contra força. Soldados das FDI de unidades de elite incorporaram as tecnologias vestíveis e demonstraram habilidades iniciais nos campos de letalidade, capacidade de sobrevivência e maior sinergia, disse o Ministério da Defesa.

Soldados das FDI demonstram tecnologias de ponta "Edge of Tomorrow" em um centro de treinamento. (Escritório de porta-voz do Ministério da Defesa)

“O objetivo deste programa é equipar soldados, esquadras e pelotões de combate com recursos inovadores que melhorarão significativamente sua capacidade de sobrevivência e transformarão a eficácia da missão”, disse Haim Delmar, vice-presidente executivo e gerente geral de C4I e cibernética da Elbit Systems Ltd.

"A solução tecnológica que implementamos é baseada em arquitetura aberta que permite a maximização da tecnologia comprovada pela Elbit Systems, bem como por outras empresas", disse ele. "O programa também incorporará tecnologias que foram desenvolvidas e adaptadas para atender às necessidades do futuro campo de batalha, com ênfase especial na guerra urbana. Estamos orgulhosos de liderar este importante esforço junto com o Ministério da Defesa e as FDI."

Post-Script: Edge of Tomorrow


O nome Edge of Tomorrow é em referência a um filme de mesmo nome lançado em 2014 (No Limite do Amanhã no Brasil), e estrelando Tom Cruise e Emily Blunt em uma guerra futurista onde os soldados usam exoesqueletos com armamentos e que proporcionam mais força e velocidade aos usuários. O próprio filme é uma adaptação do mangá All You Need Is Kill, de Hiroshi Sakurazaka.

sexta-feira, 25 de março de 2022

FOTO: A Filha do General

Formandos de um curso de oficiais da Força de Defesa de Israel, 1º de agosto de 1957.
A primeira à direita é Yael Dayan, filha do General Moshe Dayan.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de março de 2022.

Yael Dayan nasceu em Nahalal, atual Israel, durante a era do Mandato Britânico da Palestina em 12 de fevereiro de 1939. Ela era filha do famoso general israelense Moshe Dayan e neta do sionista Shmuel Dayan, ambos pais fundadores do Estado de Israel.

Yael está portando um fuzil Mauser durante a cerimônia, armamento típico da Força de Defesa de Israel de 1948 até a padronização com o FAL nos início dos anos 50, relegando o fuzil a funções cerimoniais. Os israelenses conseguiram muitos fuzis Mauser da FN Herstal, o blog tratou desse assunto aqui.

Na Guerra dos Seis Dias (1967), a Tenente Yael Dayan serviu na unidade de comunicação social do estado-maior da divisão de Arik Sharon e escreveu um diário da sua guerra no Sinai contra os egípcios. Ela publicou cinco romances, bem como uma biografia de seu pai chamada My Father, His Daughter (Meu Pai, Sua Filha). Ela escreveu um livro de memórias da Guerra dos Seis Dias chamado Israel Journal: June 1967 (Diário de Israel: junho de 1967), também intitulado como A Soldier's Diary e traduzido no Brasil como "Diário de um Soldado".

Yael Dayan ao lado do seu pai Moshe Dayan nos dias que antecederam a ofensiva do Sinai, 1967.
O General Moshe Dayan era então o Ministro da Defesa.

Embora ela mesma não tenha entrado em combate, pois esta não era a sua função, ela esteve próxima da ação e observou as operações de perto, ao lado dos militares que comandavam as ações. De particular importância foi a tomada da fortaleza de Umm Qatef em Abu Agheila, a noz dura que ancorava o sistema de defesa egípcio. O exército de Nasser então passou à debandada em pânico em direção ao Canal de Suez, uma catástrofe militar para o Cairo. A tão a
lardeada "Força Shazly", que deveria ter atuado como reserva estratégica, deu as costas e fugiu para o Egito africano ao invés de contra-atacar o rompimento em Umm Qatef-Abu Agheila.

Os egípcios tinham 80 tanques T-34 defendendo a fortificação, e tanques Sherman e Centurion espalhados pelo Sinai. Havia também os pesados tanques IS-3, que eram impermeáveis na blindagem frontal. O Egito ainda possuía os então novíssimos T-55, muito mais modernos que os tanques israelenses. Ainda assim, a manobra e violência da ação dos israelenses nocauteou os árabes. O exército egípcio no Sinai esfacelou-se, com grandes números de soldados zanzando pelo deserto e sendo feitos prisioneiros pelos israelenses. Yael descreve a situação em Nakhl, no centro do deserto do Sinai:

"Nakhl é uma região esquecida por Deus, não obstante possuir abundância de água. Vocês precisavam provar a água! É malcheirosa, enjoativamente adocicada e oleosa. Arik e Dov conheciam Nakhl de trás pra frente pois tinham estado lá na última guerra [1956]. Poucas casas, um acampamento militar, uma colina ou duas em volta, e a estrada para o Passo de Mitla e o Canal que ali faz uma esquina em ângulo reto. Na vez passada, tomáramos a localidade em poucos minutos, antes de avançar para Mitla.

[...]

De súbito, fomos informados pelo rádio de que a Fôrça Aérea ia dar-nos apoio. Paramos o jipe na ladeira e galgamos a parte lateral da colina. Pudemos, então, divisar seis tanques Centuriões egípcios na estrada. Pareciam maciços e bem protegidos, em meio aos demais veículos. Seria tolice expormo-nos, em carros de meia esteira ou jipes, aos canhões dos pesados Centuriões.

[...]

A Fôrça Aérea surgiu no céu azul. Quatro Super Mystères voaram baixo, despejando bombas incendiárias sôbre os tanques [egípcios]. Estávamos todos muito nervosos, com exceção de Dov que, com a maior calma, ficou de pé e filmou tôda a cena, com uma câmera Canon 8 mm. 'Como nas manobras', comentou alguém.

Os aviões mergulharam duas ou três vêzes. Esperei que nos reconhecessem. Seus ataques eram por demais precisos para nos arriscarmos a não ser identificados. Achávamo-nos bem próximos aos alvos. No seu quarto círculo, acenaram Shalon para nós, pendendo as asas. Poucos dias depois, encontrei-me com um dos pilotos - Arik, meu colega de classe em Nahalal. 'Eu sabia que um dia nós dois iríamos trabalhar juntos', disse-me. Quando êles se afastaram pelo nordeste, embarcamos no jipe e dirigimo-nos a tôda velocidade para a estrada abaixo. Aproximamo-nos arriscadamente dos tanques que se incendiavam. Munições explodiam em tôdas as direções.

[...]

De repente, escutamos tiroteio atrás de nós. Alguns dos nossos soldados começaram a trocar disparos de armas de fogo portáteis com soldados egípcios escondidos num arbusto a poucas jardas de distância. Devemos ter tido sorte, pois apenas dez minutos antes passáramos por êsses mesmos arbustos, erguendo uma nuvem protetora de poeira à nossa volta. Arik optou por permitir que seguíssemos a infantaria blindada em sua operação de limpeza até Nakhl. Veículos de meia esteira, jipes russos, tanques incendiavam-se e vomitavam fumaça para onde quer que se olhasse. Viam-se canhões e transportes de tropas blindadas atirados em tôdas as direções e posições. Centenas de soldados egípcios avançavam precipitadamente em direção a Nakhl. Posteriormente, revelaram-nos que imaginavam achar-se em área ainda sob seu domínio. Nossos soldados conclamavam-nos a se renderem. Alguns o fizeram. Outros responderam com um disparo ou uma saraivada - ou fugiram. À minha frente, vi um jovem soldado de um dos nossos veículos de meia esteira matar um egípcio, depois correr para trás do carro blindado e vomitar, logo em seguida refazendo-se e indo juntar-se à sua divisão.

Eu agarrava com firmeza uma metralhadora portátil Uzi. Dov estava ao volante, Katz atrás da metralhadora dianteira e Itzik apontava um canhão automático. Nenhum de nós chegou a disparar. Outros se encarregavam disso, e nos limitamos à observação. Cadáveres estiravam-se pelo caminho, e saltávamos do carro para retirar-lhes as armas. Os adversários de tocaia nos arbustos foram mortos. Grupos de soldados inimigos fugiam nas mais diversas direções. Alguns escaparam. No entanto, não pude afastar o pensamento de que isso era mais uma caçada que um combate. Eu não ia atirar. Os homens nos jipes achavam-se armados e, se fôssemos alvejados diretamente, êles responderiam ao tiroteio. Todavia, minha minha arma permanecia carregada e engatilhada. Meus óculos contra o vento de nada valiam e meus olhos doíam. Além da canícula do meio-dia, havia o calor irradiado pelos veículos em chamas, um inferno em miniatura, odioso e medonho.

Chegamos a Nakhl à tardinha. Ali encontramos mais destruição, destruição total, como sòmente sucede um embate de tanques contra tanques. Era o Vale da Morte do Exército egípcio. Cêrca de cento e cinqüenta tanques foram contados no percursos de Temed a Nakhl. Ninguém contou os veículos, a artilharia pesada, os canhões anti-aéreos leves, os tratores pesados que rebocavam os canhões, os caminhões de munições, todos êles em posições insólitas ou formando pilhas, de modo que muitaas vêzes os destroços assumiam semelhança bizarra com peças de escultura moderna."

- Yael Dayan, Diário de um soldado, pg. 131, 132, 133-135, 1967 (trad. 1970).

Post-script: Suspense militar

O título deste artigo é uma homenagem ao filme A Filha do General (The General's Daughter, 1999), um filme de investigação militar onde o investigador Paul Brenner (John Travolta) ao lado de sua parceira Sara Sunhill (Madeleine Stowe) investigam a misteriosa morte da oficial de guerra psicológica Capitã Elisabeth Campbell (Leslie Stefanson), filha do comandante da base: o General Joe Campbell (James Cromwell).

Outros personagens marcantes sendo o Coronel Bob Moore (James Woods), o oficial comandante e mentor da Capitã Elisabeth Campbell, e o Coronel George Fowler (Clarence Williams III), o leal segundo em comando do General Campbell. Além da investigação e da discussão sobre mulheres no exército em uma época onde este era um conceito novo, o filme ainda apresenta a estética esverdeada dos antigos uniformes BDU americanos.

Recomendação do Warfare.


A Filha do General ainda gerou um filme de suspense e investigações militares, Violação de Conduta (Basic, 2003), dessa vez com John Travolta contracenando com a futura rainha Hipólita, Connie Nielsen, como a investigadora Capitão Júlia Osborne e com o titã Samuel L. Jackson interpretando o implacável Sargento Nathan West.

Leitura recomendada:

domingo, 20 de março de 2022

Uzi começou como um menino que brincava com armas

Uzi Gal com a Uzi (esquerda) e a MP40.

Por Nati Gabbay, The Times of Israel, 4 de março de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de março de 2022.

Enquanto estava preso em uma notória prisão britânica, esse jovem surgiu com o projeto de uma submetralhadora que ganharia popularidade em todo o mundo. Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

O inventor da submetralhadora homônima usada em todo o mundo teve uma paixão por armas de fogo ao longo da vida.

Quando jovem, ele pegou uma pistola para fazer experimentos e, quando preso em uma prisão britânica por contrabando de armas, inventou a submetralhadora que eventualmente armaria o mundo.

Uma menorá de Hanukkah feito de submetralhadoras Uzi antigas.
(
A Coleção Dan Hadani, 1979)

Esta é a história inacreditável de Uzi Gal.

Conheça Gotthard Glas, a criança com um hobby perigoso: armas.

Quando tinha dez anos, Gotthard Glas queimou a mão. Como? Ele decidiu ver uma uma espingarda velha de cano longo para reaproveitá-la como uma arma pessoal. É o que acontece quando a casa da família em que você cresceu em Munique está cheia de pistolas, espadas e outras armas antigas.

Soldado das FDI com sua Uzi.
(
A Coleção Dan Hadani, 1974)

De: “Submetralhadora Uzi: Planos de Aula”, que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

Quando a criança se tornou adolescente morando no Kibutz Yagur, tendo se mudado em 1936 para a Palestina Obrigatória, sua grande paixão por armas voltou. Ouviu dizer que o professor de geografia da escola distrital possuía uma pequena pistola italiana de pólvora negra. Vendeu seu álbum de selos, comprou a arma e começou a trabalhar em seu sonho: transformá-la em uma máquina de guerra bem oleada.

Infelizmente, um professor da escola o pegou trabalhando na arma e seus planos foram frustrados mais uma vez. Glas não desistiu: aos 15 anos inventou um arco que dispara flechas automaticamente, uma “submetralhadora arco e flecha” se preferir.

Um soldado da IDF reza no Muro das Lamentações enquanto carrega uma Uzi.
(Yaacov Elbaz. A Coleção Dan Hadani na Biblioteca Nacional, 11 de junho de 1969)

Primeiro Ministro Yitzchak Shamir atirando com uma Uzi, 16 de dezembro de 1986.
(Nati Henrik, GPO)

Quando Glas se juntou à força de combate do Palmach do pré-Estado Yishuv, ele encontrou a ocupação perfeita: desenvolvimento de armas e gravação de armas. Assim como em seus dias de escola, ele foi pego mais uma vez – e condenado pelos britânicos a sete anos de prisão. Para sua alegria, foi perdoado depois de pouco mais de dois anos no Presídio de Acre. Adivinha o que ele fez para passar o tempo na cadeia: ele projetou uma submetralhadora.

Em 1949, ainda cadete no curso de formação de oficiais e depois de conhecer intimamente todas as armas que as FDI tinham para oferecer, o jovem, que entretanto se tornara Uziel Glas (e mais tarde seria conhecido pelo nome de Uzi Gal) escolheu escrever uma carta aos seus comandantes:

“Para: O Comandante da Escola de Oficiais, Tenente-Coronel Meir Zorea.

De: Cadete Uziel Glas 120946.

Data: 20 de outubro de 1949″

A longa carta contém uma descrição detalhada de seu sonho da submetralhadora perfeita.

Cinco anos e meio depois, em 27 de abril de 1955, na tradicional Parada do Dia da Independência das FDI, o exército apresentou a nova metralhadora, que tinha o nome Uzi. A propósito, Guthard/Uziel/Uzi Glas/Gal não queria que a submetralhadora levasse seu nome, mas a decisão estava fora de suas mãos.

Ministro da Defesa Itzhak Rabin com soldado das FDI.
(Danny lev, 
A Coleção Dan Hadani, 1989)

De: "Submetralhadora Uzi: Planos de aula", que as FDI distribuiu aos comandantes em 1970.

“Uma arma inovadora para as FDI”.
Artigo publicado no jornal “Zemanim”, 27 de abril de 1955.

Dentro de alguns anos, a Uzi não foi usada exclusivamente pelas FDI. Tornou-se um sucesso fenomenal em todo o mundo.

Todo o Estado de Israel encontrou esse jovem despretensioso quando ele recebeu a Menção do Chefe do Estado-Maior em 1955 e recebeu o “Prêmio de Segurança” de David Ben-Gurion.

Quando perguntado sobre sua invenção, ele simplesmente respondeu: “Cumpri meu dever no exército como um cozinheiro faz e simplesmente como todos os outros”.

A Uzi, a arma preferida de Chuck Norris!

Ao escrever o artigo, fiz uso do volume 17 de “IDF: Encyclopedia of Army and Security” (צה”ל בחילו – אנציקלופדיה לבא וביטחון), e do artigo de Eli Eshed “Sixty Years of the Uzi Submachine Gun”.

Sobre o autor:

Nati Gabbay é Diretora de Conteúdo Digital da Biblioteca Nacional de Israel.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendada:

GALERIA: A Uzi iraniana, 3 de março de 2020.

segunda-feira, 7 de março de 2022

A metralhadora UZI: uma das armas leves mais famosas do mundo

A submetralhadora UZI.

Do blog da IWI SK Group6 de abril de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 7 de março de 2022.

A Uzi nasceu da guerra de independência de Israel em 1948. O novo estado-nação precisava de uma nova arma de fogo para substituir a miscelânea de armamentos excedentes da Segunda Guerra Mundial disponíveis na época. O inventor foi o Major Uziel Gal. Seus amigos o chamavam de Uzi, mas ele nunca quis que seu nome fosse associado à arma de fogo que ele projetou.

Um historiador da cultura popular israelense, Eli Eshed, pesquisou a história da UZI. De acordo com uma publicação em osimhistoria com Eshed, Gal imigrou da Alemanha para Israel e se estabeleceu no Kibutz Yagur com seu pai. Em 1943, enquanto ele estava prestes a se mudar para o Kibutz Ein Harod, os britânicos, então no controle de Israel, descobriram que ele era o responsável pelas armas em seu kibutz, as chamadas “manchas”, onde escondiam suas armas.

“Eles o colocaram, os britânicos, na prisão por alguns anos. Então ele estava na prisão durante a década de 1940 e aproveitou bem o tempo na prisão: lia tudo o que podia sobre armas e ficava pensando – como podemos melhorar [as armas]?”, escrito em um dos jornais da época.

IWI Uzi PRO submetralhadora / Uzi PRO pistola 9mm


Em busca de armas melhores


De acordo com Eshed, muitas das armas usadas pelos combatentes subterrâneos judeus, como a Sten britânica, eram baratas e fáceis de fabricar, mas eram deficientes na maioria dos outros aspectos. Elas sofriam de inúmeras restrições ao serem imprecisas. Houve problemas também com armas diferentes, como a Schmeisser – elas eram lentas. Uzi estava procurando algo rápido, fácil, leve, muito confortável e eficiente.

“Quando o Estado de Israel foi estabelecido, Gal se alistou nas FDI e fez um curso de oficiais, juntamente com o desenvolvimento contínuo da submetralhadora. Gal e a IMI desenvolveram a nova submetralhadora e, na época, o primeiro-ministro de Israel, David Ben Gurion, escolheu a Uzi como a arma padrão para as FDI”, disse Eshed.

O FDI começou a usar o UZI em 1954-1955 por paraquedistas e as forças especiais (Unidade 101) contra infiltrados em ações de retaliação. “Como a maioria das submetralhadoras, o mecanismo de ação da Uzi é bastante simples. O atirador segura uma pequena alavanca na parte superior da arma e a puxa para trás até que o mecanismo interno da arma esteja travado na posição traseira. A arma permanece nessa posição até que o atirador puxe o gatilho”, explicou Eshed.


“Do ponto de vista técnico, Gal tirou muitas ideias de outras submetralhadoras que encontrou ao longo dos anos, especialmente a submetralhadora tcheca M23. A singularidade da Uzi reside no fato de que ela continha muitos recursos positivos e ideias positivas – e ainda assim permaneceu extremamente barato e fácil de fabricar.”

O boato da submetralhadora milagrosa se espalhou no exterior. Os holandeses encomendaram e até os alemães. Dezenas de países em todo o mundo compraram a UZI, incluindo Grécia, Portugal, Austrália, Angola, Etiópia e Indonésia. Várias versões foram desenvolvidas, incluindo a Mini Uzi e a Micro Uzi. A Uzi tornou-se mundialmente famosa e consolidou a imagem de Israel como uma potência regional com um exército pequeno, mas poderoso.

“Ao longo de seus 27 anos de serviço nas FDI, Gal trabalhou em vários projetos e ganhou muitos prêmios, incluindo o Prêmio de Segurança de Israel, que foi apresentado em 1958 pelo primeiro-ministro David Ben-Gurion”, de acordo com o fórum Uzi Talk. "Gal faleceu em 7 de setembro de 2002. Ele está enterrado no Kibutz Yagur perto de Tamar e Ahuva."

O legado continua


Com mais de 2 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, as submetralhadoras Uzi continuam a impactar até hoje. Com a privatização da fábrica “Magen” da IMI em fevereiro de 2005, o desenvolvimento e a produção da Uzi passaram para nossa responsabilidade na IWI.

A nova submetralhadora UZI PRO é baseada no lendário projeto UZI de 65 anos atrás, mas aprimorada com materiais modernos e avanços tecnológicos. Uma versão curta e compacta baseada em um desenho ergonômico moderno permite melhor controle, maior segurança e máxima precisão.

A UZI PRO é a mais recente evolução da tecnologia de armas de fogo, que transforma a arma UZI através de polímeros modernos, trilhos Picatinny, uma empunhadura dobrável e coronha ergonômica para fornecer a próxima geração de submetralhadoras.

Todas as novas atualizações mantiveram a funcionalidade e confiabilidade da lendária UZI, a sub baseada em décadas de experiência testada em batalha pelas Forças Especiais Israelenses, foi projetada para ser leve, mas ainda assim ocultável.


Um exemplo recente do uso desta arma lendária foi publicado no site The Drive. De acordo com o relatório, a Polícia Federal belga usou a UZI, encarregada de vigiar a principal sede operacional da OTAN em Bruxelas. Essas armas em particular são licenciadas e construídas na Bélgica pela igualmente famosa empresa de armas portáteis Fabrique Nationale, mais comumente chamada de FN.

Não há dúvida de que Uzi Gal desenvolveu uma das armas leves mais famosas do mundo, que é usada hoje em dezenas de países ao redor do mundo. A arma usada ao longo da história para a proteção de nações, indivíduos e instalações.

Como IWI, estamos orgulhosos de continuar a tradição da Uzi.

Bibliografia recomendada:

The Uzi Submachine Gun.
Chris McNab.

Leitura recomendado:

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

A Sargento Gal Gadot com uma submetralhadora Uzi

Sargento Gal Gadot posando com uma submetralhadora Uzi, a icônica arma israelense.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de fevereiro de 2022.

A estrela israelense Gal Gadot serviu dois anos nas Forças de Defesa de Israel, como instrutora de combate do exército, saindo com o posto de Samal (sargento). Em Israel, o serviço é compulsório para ambos os sexos, com os homens servindo 3 anos e as mulheres dois.

Geralmente, as mulheres servem em funções de secretaria e recursos humanos, chamadas pejorativamente de Jobnicks. Mas Gal, que já era famosa por ter vencido o concurso de Miss Israel em 2004, tornou-se instrutora de combate e atuou assim na preparação física dos soldados.

Disparo automático da Uzi


Gal descreveu seu tempo no exército como parte de ser israelense:

"Você dá dois ou três anos de sua vida a eles e não é sobre você. Você aprende disciplina e respeito."

Aos 18 anos, ela conquistou o título de Miss Israel e representou o país no concurso de beleza Miss Universo no mesmo ano de 2004. Em 2007, Gal  participou de uma sessão de fotos para a revista Maxim intitulada "Mulheres do Exército Israelense", que apresentou modelos de Israel que eram militares das FDI. A foto de Gal apareceu no convite para a festa de lançamento do ensaio, e na capa do jornal New York Post.

Foto do ensaio da Maxim.

A chamada da Maxim dizia "Elas são lindas de morrer e podem desmontar uma Uzi em segundos. As mulheres das Forças de Defesa de Israel são os soldados mais sexy do mundo?" e contou com a entrevista de quatro modelos militares.

Gal
Expertise: Condicionamento físico
"Ensinei ginástica e calistenia", diz esta impecável ex-Miss Israel. "Os soldados me amavam porque eu os fazia ficarem em forma."

Yarden
Expertise: Inteligência Militar
Estacionada no norte de Israel para seu período de dois anos nas FDI, Yarden diz que a prática de tiro ao alvo era sua atividade favorita. “Adorei disparar o M-16”, diz ela. “E eu era boa em acertar os alvos. Mas não atirei com nada desde que deixei o exército.” Ou em alguém, esperamos.

Nivit
Expertise: Inteligência Militar
“Meu trabalho era ultrassecreto”, diz essa nativa de Tel Aviv, que ainda mora com os pais. “Não posso falar sobre isso além de dizer que estudei um pouco de árabe!”

Natalie
Expertise: Telecomunicações navais
Essa loira sedutora se lembra claramente de sua parte favorita de servir seu país: “Conheci meu marido. Seu comandante continuou tentando nos arrumar." Para sua sorte, Natalie seguiu as ordens.

Gal Gadot deixou o exército e começou a trabalhar como atriz, interpretando o papel principal no drama israelense Bubot ("Bonecas") em 2008, como Miriam "Merry" Elkayam; além de ser escolhida para ser a modelo principal da Castro, a maior marca de roupa israelense. Seu caminho para o estrelato começou quando ela foi notada pelo diretor taiwanês Justin Lin para a franquia Velozes e FuriososSegundo Gal, uma das benesses do seu serviço militar foi desbancar a modelo brasileira Gisele Bündchen para o papel da agente Gisele Yashar no filme Velozes e Furiosos 4 (Fast & Furious, 2009):

"Eu acho que a principal razão do diretor Justin Lin realmente ter gostado foi de eu ter servido no exército e ele queria usar meu conhecimento sobre armas."


A carreira de Gal Gadot continuou subindo e ela alcançou fama internacional ao ser escolhida como a Mulher Maravilha em 4 de dezembro de 2013, estrelando no filme de Zack Snyder Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice, 2016). Em seguida, ela protagonizou dois filmes próprios como a Mulher Maravilha em 2017 e 2020; com um terceiro filme previsto, ainda sem data, que encerrará sua atuação com o personagem.

Seu último grande sucesso foi como uma contrabandista no filme Alerta Vermelho (Red Notice, 2021), contracenando ao lado de Dwayne "The Rock" Johnson e Ryan Reynolds. Alerta Vermelho tornou-se o filme mais assistido em seu fim de semana de estreia na Netflix, bem como o filme mais assistido em 28 dias após o lançamento na plataforma. Ele também se tornou o 5º título de filme mais assistido em streaming de 2021. Com tamanho sucesso, não é surpresa que já foram fechadas duas sequências.

Sua atuação mais recente foi estrelando como Linnet Ridgeway-Doyle na adaptação de suspense de mistério Morte no Nilo (Death on the Nile, 2022), de Agatha Christie; lançado no Brasil em 10 de fevereiro de 2022.

Trailer de Morte no Nilo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Uma breve história da submetralhadora Uzi


Do site Surplus Store UK, 22 de julho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de fevereiro de 2022.

Seja você um amante da história militar, um jogador de vídeo game dedicado ou um skirmisher de airsoft, é provável que você tenha encontrado a Uzi em mais de uma ocasião. É uma arma icônica que desempenhou seu papel na história militar e, ao mesmo tempo, faz parte da cultura popular. Neste artigo, vamos dar uma olhada na história desta famosa arma de fogo.

Projeto e desenvolvimento

A Uzi surgiu no ano de 1950, depois que os projetos foram elaborados no final da década de 1940, como parte de uma competição interna realizada pelas forças armadas israelenses. Os projetos foram produzidos pelo Major Uziel Gal, um projetista de armas israelense nascido na Alemanha, também conhecido por sua assistência no projeto do famoso Ruger MP9.

Disparo automático com a Uzi


A Uzi usa um projeto de ferrolho aberto que expõe a extremidade da culatra do cano e pode ajudar a resfriar a arma durante longos períodos de fogo contínuo. Este projeto, no entanto, significa que o receptor pode ser muito mais suscetível à contaminação por areia e sujeira. A arma também usa um projeto de ferrolho telescópico que permite o tamanho pequeno da arma, resultando em uma arma de disparo mais lento com melhor equilíbrio.

Os primeiros modelos dessa metralhadora apresentavam uma coronha de madeira destacável, mas isso foi posteriormente substituído por uma coronha de metal dobrável para facilitar e muito o transporte.

Confiabilidade

Bala na câmara, ferrolho aberto.

A confiabilidade da arma é uma de suas vantagens, pois, com um pequeno número de peças móveis, apenas algumas poucas coisas podem dar errado. Isso também ajudou com reparos e manutenção, pois poderia ser desmontada e reconstruída de maneira rápida e fácil. Tal como acontece com muitas armas, a limpeza e a manutenção são importantes devido à maior suscetibilidade de sujeira e areia no receptor. Condições adversas também podem aumentar a probabilidade de obstrução da arma.

A arma também vem com dois recursos de segurança. O primeiro é a alavanca seletora de três posições localizada na parte superior do punho, com "S" significando seguro, "R" significando repetição (semi-automático) e "A" significando automático. O segundo mecanismo de segurança é a trava de segurança, que está posicionada na parte traseira da empunho. O objetivo desse mecanismo é evitar a descarga acidental se a arma cair ou se o usuário perder o controle ao disparar a arma.

Registro de segurança.

Disparo

Como mencionado acima, a Uzi possui opções de disparo semi-automático e totalmente automático. O projeto da Uzi não incentiva a precisão à distância, pois o tamanho e a construção da arma promovem o disparo em distâncias curtas. Isso piora especialmente ao atirar em fogo automático, pois o recuo agrava o problema.

Variante Mini-Uzi

Mergulhadores de Combate brasileiros (GRUMEC) portando Mini-Uzis.

A Uzi original foi objeto de muitas reproduções e modificações ao longo dos anos. Uma das variantes mais comuns é a Mini-Uzi, que foi desenvolvida em 1982. Ela apresentou um cano mais curto e uma coronha dobrável lateral que reduziu ainda mais o tamanho geral da arma de fogo.

Não só isso, mas a variante mais compacta também fez uso de carregadores de 20 tiros com um alcance de tiro efetivo de 100 metros. A principal diferença entre a Uzi e a Mini Uzi era que a versão menor só era capaz de disparar em semiautomático, limitando consideravelmente a cadência de tiro.

Uso militar

A Uzi foi popularizada pelas forças militares israelenses e desde então foi exportada para mais de 90 países em todo o mundo. Países tão variados como Japão, Brasil, Argentina, Bélgica e Estônia usaram a Uzi de uma forma ou de outra para uso militar desde sua concepção.

Embora a Uzi esteja praticamente fora de serviço agora, a imagem icônica da arma continua viva no mundo do cinema, da TV e dos vídeo games.

Arnold Schwarzenegger com uma Uzi no filme O Exterminador do Futuro (1984).