Mostrando postagens com marcador Primeira Guerra Mundial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Primeira Guerra Mundial. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2022

Franceses com a Medalha Militar no Somme

Soldados franceses após receberem a Medalha Militar no Somme, 1916.
O homem no centro tem os porta-carregadores do FM Chauchat.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Soldados franceses ostentando a Medalha Militar (Military Medal, MM) após uma cerimônia na retaguarda durante a Batalha do Somme (21 de junho - 28 de setembro de 1916).

Os militares são de várias unidades diferentes, como se evidencia pelas numerações nos colarinhos e pelos símbolos nos capacetes, com um engenheiro usando o distintivo da armadura e um soldado colonial com a âncora junto à granada flamejante da República Francesa; do lado esquerdo, um dos soldados porta as cornetas dos Chasseurs (caçadores) no colarinho. Muitos militares já possuem condecorações francesas como a Croix de Guerre (Cruz de Guerra), todas com palma, e a Médaille Militaire (Medalha Militar).

Original em preto-e-branco do Imperial War Museum britânico.

O homem em evidência no centro é um municiador de Grupo de Combate (GC) e carrega o porta-carregador especial para o fuzil-metralhador (fusil-mitrailleur, FM) CSRG Chauchat, que usava carregadores em meia-lua semi-abertos. Estes carregadores foram motivo de muita controvérsia e, por serem uma novidade, devem ser o motivo da atenção na foto.

Atiradores de Chauchat e seus municiadores representaram uma inovação no combate de infantaria, com o moderno sistema de armas combinadas e inter-depentes, e sofreram baixas exponenciais assim como foram condecorações desproporcionalmente aos demais integrantes da infantaria.

Anverso e reverso do primeiro tipo da Military Medal (1916–1930).

A Medalha Militar foi uma condecoração militar concedida aos militares do Exército Britânico e outros ramos das forças armadas, estendida aos outros países da Commonwealth (Comunidade Britânica), abaixo do posto de oficial comissionado, por bravura em batalha em terra. O anverso possuía a efígie do Rei George V no uniforme de Marechal-de-Campo (1º tipo de 1916-1930) e o reverso a coroa com a inscrição "Por bravura em campanha". O prêmio foi estabelecido em 25 de março de 1916, com aplicação retroativa a 1914, e foi concedido aos praças por "atos de bravura e devoção ao dever sob fogo"; e foi classificado abaixo da Medalha de Conduta Distinta (Distinguished Conduct MedalDCM).

Prêmios para as forças britânicas e da Commonwealth eram anunciados no London Gazette (Gazeta de Londres), mas não prêmios honorários para as forças aliadas; listas de prêmios para forças aliadas foram publicadas pelos Arquivos Nacionais em 2018 e são mantidas em arquivos específicos do país dentro da WO 388/6. Desde 1918, os destinatários da Medalha Militar têm direito às letras pós-nominais "MM". A elegibilidade foi estendida aos soldados do Exército Indiano em 1944.

O prêmio foi descontinuado em 1993, quando foi substituído pela Cruz Militar (Military Cross), que foi estendida a todos os escalões, enquanto outras nações da Commonwealth instituíram seus próprios sistemas de premiação no período pós-guerra.

Bibliografia recomendada:

British Military Medals:
A Guide for the Collector and Family Historian.
Peter Duckers.

Leitura recomendada:


O Chauchat na Iugoslávia26 de outubro de 2020.

terça-feira, 17 de maio de 2022

O Renault FT, uma história francesa

Do World of Tanks, 18 de outubro de 2019.

Tradução Filipe do Amaral Monteiro, 17 de maio de 2022.

Comandantes!

Com este artigo, inauguramos uma nova série, que será inteiramente dedicada aos tanques franceses mais famosos, seus criadores ou os lugares onde foram construídos. E começamos logo com um dos nossos veículos mais emblemáticos: o Renault FT.

França, retardatária?

Como você sabe, não somos os primeiros a construir tanques. Seis meses depois de nossos colegas britânicos, estamos analisando a questão, mas com um olhar mais ousado, quase vanguardista. Alguns anos depois, terminaremos a Primeira Guerra Mundial com o maior número de veículos blindados, quantidade que, no entanto, não sacrificou a qualidade. Mas a propósito, como chegamos aqui? O caminho foi longo, porque os primeiros projetos franceses acabaram muito próximos dos desenvolvidos pelos britânicos.

O Saint-Chamond.

Vamos voltar. Nossos dois países se inspiraram então no trator de artilharia Holt, mas onde os ingleses se interessaram pelo Holt 75, nossos olhos se voltaram imediatamente para sua versão mais leve, apelidada de “Holt Baby”. Um primeiro passo na direção do que mais tarde será chamado de tanques leves, mas no momento nossas ideias visam mais um tanque médio. Pensa-se em particular no Saint-Chamond ou no Schneider CA.1, bem como nos primeiros veículos imaginados pelas fábricas Renault, sob o impulso do Coronel Estienne. Lembre-se deste nome, o homem mais tarde se tornará um dos maiores pensadores do tanque à la française.

O nascimento do tanque leve

Visitando os britânicos em 1916, Estienne adivinhou que, além dos tanques médios e pesados ​​desenvolvidos além do Canal, os veículos leves seriam cruciais para o resto do conflito. As excelentes relações do Coronel com as fábricas da Renault permitiram-lhe conceituar o projeto de um tanque leve, que mais tarde seria chamado de "patrulheiro". Um primeiro modelo em tamanho real foi construído em outubro de 1916, e seu projeto era simplesmente revolucionário.

O Renault FT era bastante manobrável, para a época!

Em primeiro lugar, o motor é colocado na parte traseira da máquina e separado da tripulação, o que melhora muito o conforto dos soldados presos na barriga da máquina. Ainda mais surpreendente, o tanque carrega uma torre, que incorpora uma metralhadora, operada pelo comandante. A invenção não é francesa, pois foi estudada por um tempo para o tanque britânico Little Willy, mas seus criadores rapidamente a abandonaram. O tanque Renault nasceu (quase).

Primeiras alterações

Dois Renault FT e soldados americanos.

Nem todo mundo está pronto para comemorar seu nascimento. Se Estienne, que se tornara general, estava entusiasmado, outro general, Mouret, permaneceu cético. Felizmente, Joffre, comandante-em-chefe dos exércitos franceses, veio em auxílio do projeto encomendando 50 veículos da Renault. Mas numa reviravolta dramática dos acontecimentos, Joffre foi rapidamente substituído por Robert George Nivelle, muito mais conservador na questão dos tanques. O processo é então retardado e envolve muitas negociações entre os representantes das fábricas, o Estado-Maior francês e os engenheiros, mas apesar de tudo o primeiro Renault FT, também chamado de "Char Léger" (por que complicar) será produzido em março 1917.

Essas muitas conversas vão alterar o crescimento do tanque Renault, cuja aparência muda de acordo com os testes e debates. Ele recebe uma cauda para atravessar melhor as trincheiras, vê o tamanho de sua torre reduzida e marca o surgimento da primeira cúpula do comandante! Os problemas eram numerosos (por exemplo, a pólvora da metralhadora ameaçava intoxicar a tripulação e exigia mais ventilação), mas o Renault passava com sucesso em cada novo teste, até que Nivelle foi forçado a capitular em abril de 1917. Nada menos que 1.000 veículos são ordenado.

Competição e colaboração

Os Renault FT se alinham nas fábricas.

O rompimento do tanque leve no coração dos soldados e engenheiros franceses despertou a cobiça. Várias empresas tentaram se apossar do projeto, como Schneider-Creusot, Delaunay-Belleville em Saint-Denis ou mesmo Peugeot. Você leu certo, antes de competir no setor automotivo nos dias de hoje, Peugeot e Renault estavam tentando vencer a batalha pelo tanque leve francês. A marca do leão é, neste caso, a mais séria das concorrentes do Renault FT, mas não vai alcançá-lo. Considerada muito complexa, a máquina da Peugeot é abandonada apesar de uma velocidade um pouco maior, um armamento diferente e uma blindagem mais sólida.

O resto de 1917 foi gasto corrigindo as falhas do Renault FT. Sendo o tanque leve uma invenção particularmente recente, os primeiros veículos foram construídos sem blindagem e tinham apenas uma finalidade didática. A ideia é aprender com os erros e capacidades do veículo. Muitas adições aparecem, incluindo a capacidade de substituir a metralhadora por uma arma de infantaria de 37mm. Em outubro, Pétain agora comanda os exércitos franceses, e seu entusiasmo pelos tanques permite que o projeto entre em produção em massa. Os concorrentes de ontem tornaram-se parceiros, e a Renault compartilhou a construção de seu veículo com a SOMUA (Société d'outillage mécanique et d'usinage d'artillerieCompanhia de Ferramentaria Mecânica e Usinagem de Artilharia), Delaunay-Belleville e Berliet. Muito bem lubrificadas, as engrenagens desta cooperação entre as empresas permitem produzir o tanque Renault em grande número, e a corrigir os últimos defeitos do veículo.

Batismo de fogo

Tanques Renault FT do Exército Brasileiro na Vila Militar, no Rio de Janeiro, em 1942.

Os primeiros Renault FT entraram em cena em 31 de maio de 1918, e as teorias de tanques leves de Estienne resistiram à prática. Sua velocidade é limitada, mesmo para a época, mas sua principal vantagem vem de sua massa simples: pesando 6 toneladas, o Renault FT pode ser entregue no campo de batalha por simples caminhões. Além disso, interagem maravilhosamente com a infantaria, além de motivar os homens para os últimos assaltos da guerra, como todos os tanques da época.

Embora não fossem necessariamente baratos de produzir, nossos veículos saíram em massa de fábricas francesas, e nossos exércitos se viram usando-os como um enxame blindado em todos os campos de batalha de 1918. Sucesso industrial e militar, o Renault FT também acaba sendo importado. Os americanos têm 173 em setembro e os ingleses receberam seu primeiro exemplar há alguns meses. Este Renault FT, número de matrícula 66016, ainda está vivo e exposto no Tank Museum em Bovington.

Renault FT americano número 66016.

Legado

Os Renault FT em carga!

Considerado o melhor tanque da Primeira Guerra Mundial, o Renault FT, comparado aos veículos de sua época, é mais como um tanque moderno: tripulação na frente, motor na traseira, torre... Tal é o seu legado na história de veículos blindados, onde é um verdadeiro modelo a seguir. Ironicamente, serão os franceses que terão mais dificuldade em respeitar seus ensinamentos. No final da guerra, o general Estienne estava convencido de que o futuro pertenceria aos tanques médios. Ele não está totalmente errado, mas está um pouco à frente de seu tempo, portanto, preferirá impulsionar o desenvolvimento do Char B, alguns anos antes da Blitzkrieg e seus enxames de veículos.

Mas voltaremos a esse período em nosso próximo artigo. Até lá, você pode se divertir no jogo com o Renault FT, um nível I muito divertido graças à sua boa aceleração, sua cadência de tiro e a elevação do seu canhão.

Até breve para um novo artigo, e... En avant!

Bibliografia recomendada:

Renault FT-17 no Brasil:
O Primeiro Carro de Combate do Exército Brasileiro.
Expedito Carlos Stephani Bastos.

Leitura recomendada:

16 de abril de 1917: Primeiro combate de tanques franceses - Felicidade e infortúnio de uma inovação, 16 de abril de 2021.

GALERIA: Carros de assalto Renault FT-17 na Guerra do Rife11 de maio de 2021.

GALERIA: O tanque Renault NC27 fm/28 sueco31 de março de 2021.

FOTO: O Renault FT na Finlândia28 de fevereiro de 2021.

Os voluntários latino-americanos no Exército Francês durante a Primeira Guerra Mundial27 de agosto de 2021.

domingo, 10 de abril de 2022

ARTE MILITAR: Tropas sul-africanas na África Ocidental Alemã

Tropas sul-africanas marchando pela Deutsch Südwestafrika durante a Primeira Guerra Mundial enquanto estavam sob fogo dos alemães, 1915.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de abril de 2022.

Tropas sul-africanas marchando por dunas no Sudoeste Africano Alemão (Deutsch Südwestafrika), a atual Namíbia em 1915. A Primeira Guerra Mundial na África foi principalmente uma guerra de procuração de impérios coloniais europeus e nativos, pontilhada por algumas revoltas nativistas locais. Os alemães, um império colonial tardio, foi cercado por inimigos poderosos e suas colônias foram conquistadas e tomadas com o Tratado de Versalhes (1919).

Uma notável exceção foi a campanha de guerrilha do General Paul von Lettow-Vorbeck na África Oriental Alemã (atuais Burundi, Rwanda e Tanzania). Vorbeck servira no Sudoeste Africano Alemão, de 1904 a 1907 como capitão, e lutou na Rebelião Herero (1904-1908), participando no genocídio perpetrado pelos alemães.

Uma invasão do Sudoeste Africano Alemão pelo sul falhou na Batalha de Sandfontein em 25 de setembro de 1914, perto da fronteira com a Colônia do Cabo. Fuzileiros africanos liderados por alemães (Schutztruppe) infligiram uma séria derrota às tropas britânicas e os sobreviventes retornaram ao território britânico. Os alemães iniciaram uma invasão da África do Sul para impedir outra tentativa de invasão e a Batalha de Kakamas ocorreu em 4 de fevereiro de 1915, entre as forças sul-africanas e alemãs, uma escaramuça pelo controle de dois vaus fluviais sobre o rio Orange.

A campanha do Sudoeste Africano em 1915.

Em fevereiro de 1915, os sul-africanos estavam prontos para ocupar o território alemão. O General Louis Botha colocou o General Jan Smuts no comando das forças do sul enquanto ele comandava as forças do norte. Botha chegou a Swakopmund em 11 de fevereiro e continuou a aumentar sua força de invasão em Walfish Bay (ou Walvis Bay), um enclave sul-africano na metade do caminho ao longo da costa do Sudoeste Africano Alemão. Em março Botha começou um avanço de Swakopmund ao longo do vale de Swakop com sua linha férrea e capturou Otjimbingwe, Karibib, Friedrichsfelde, Wilhelmsthal e Okahandja e depois entrou em Windhuk em 5 de maio de 1915.

Os alemães ofereceram termos de rendição, que foram rejeitados por Botha e a guerra continuou. Em 12 de maio, Botha declarou lei marcial e dividiu suas forças em quatro contingentes, que isolaram as forças alemãs no interior das regiões costeiras de Kunene e Kaokoveld e se espalharam para o nordeste. Lukin foi ao longo da linha férrea de Swakopmund a Tsumeb. As outras duas colunas avançaram rapidamente no flanco direito, Myburgh para o entroncamento de Otavi e Manie, e Botha para Tsumeb e o terminal da ferrovia. As forças alemãs no noroeste lutaram na Batalha de Otavi em 1º de julho, mas foram derrotadas e se renderam em Khorab em 9 de julho de 1915.

No sul, Smuts desembarcou na base naval do Sudoeste Africano em Luderitzbucht, depois avançou para o interior e capturou Keetmanshoop em 20 de maio. Os sul-africanos ligaram-se a duas colunas que avançaram sobre a fronteira da África do Sul. Smuts avançou para o norte ao longo da linha férrea para Berseba e em 26 de maio, após dois dias de combates, capturou Gibeon. Os alemães no sul foram forçados a recuar para o norte em direção à força de Windhuk e Botha. Em 9 de julho, as forças alemãs no sul se renderam.

Generais Botha e Smuts em Versalhes, julho de 1919.

quinta-feira, 31 de março de 2022

Tireurs d'élite na Frente Ocidental

"Na trincheira de Suffren, armado com um fuzil com luneta, um vigia da linha de frente está em seu posto, apoiado em sacos de areia, 12 de fevereiro de 1917."
(
Maurice Boulay / ECPAD)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 31 de março de 2022.

Foto tirada por Maurice Boulay na comuna de Tracy-le-Val, no departamento do Oise, na região da Picardie durante a guerra de trincheiras na Frente Ocidental. O atirador de elite (tireur d'élite) está armado com um fuzil Lebel e uma das lunetas APX francesas, o conjunto padrão para os snipers franceses da Primeira Guerra Mundial.

Funcionamento interno do Lebel


Antes da eclosão da Grande Guerra em 1914, a França tinha uma pequena indústria óptica, concentrada principalmente em Paris, baseada predominantemente na produção de telescópios, binóculos, óculos de ópera e lunetas de pontaria de artilharia. Porém, pouquíssimo tempo foi dedicado ao estudo de miras ópticas para o soldado de infantaria. O número elevado de soldados mortos por snipers alemães nos primeiros meses da guerra levou os comandantes franceses a iniciarem estudos para se adaptarem ao novo estilo de guerra. A França teve competições de tiro de mil metros muito populares que eram abertas aos civis, então o exército conscrito de 1914 entrou na guerra contendo muitos atiradores de longa distância competentes.

Lebel com luneta APX 1917.

Da mesma forma que os demais exército, a França não possuía um fuzil projetado especificamente para o tiro de precisão e incorporou o fuzil padrão usado pelo exército: o Lebel M1886/M93Não havia lunetas nos estoques do exército e - em estado de urgência - o Ministro da Guerra, , realizou testes com uma luneta modificada do canhão de infantaria TR de 37mm, mas sem resultados. Também foi testada uma luneta modelo 1907 de uso comercial. Em 1915, após a condução de experimentos com lunetas capturadas dos alemães, foi desenvolvida a luneta  APX 1915 (Atelier de Puteaux Mle 1907-1915). Essa luneta APX era muito parecida com o a luneta Gerard alemã, com ampliação de 3x, um anel de foco no corpo da luneta, retículo cruzado e um tambor de alcance graduado para 800 metros. Esse modelo foi sendo atualizado nos APX 1916 e APX 1917, com um modelo APX 1921 no pós-guerra que tinha o retículo de um V invertido.

O maior problema para os armeiros foi a criação de um suporte para afixar a luneta ao fuzil que não atrapalhasse o manuseio do ferrolho. Este precisava ser levantado e puxado para trás toda vez que um disparo fosse feito. Esse sistema de repetição expelia o estojo do cartucho e carregava a munição subsequente. Poucos exemplares desses fuzis snipers sobreviveram, e os modelos preservados apresentaram montagens à mão, usando uma variação de combinações de blocos de montagem no lado esquerdo da caixa da culatra e um retém lateral de liberação rápida, com um sistema de encaixe. Os métodos de encaixe variam, alguns apresentando uma montagem frontal que encaixava-se em um anel era deslizado para baixo do cano até a culatra, onde era soldado no lugar. Outros tinham uma base frontal rosqueada e soldada em cima do cano próximo à alça de mira, e a montagem traseira era ou rosqueada à lateral da culatra ou, em alguns casos, montada em uma treliça de ferro que também era rosqueada no lugar.

Todos os modelos e variantes de lunetas, bem como os três suportes mais comuns.

Da esquerda pra direita:
  • Tipo 1886 APX montagem 15
  • APX 1907/15 montagem 16
  • APX 1907/15
  • 4 APX 1916 (diferentes marcações e retículos dependendo do ano de fabricação)
As 4 lunetas que seguem adotam um pára-brisa (parte traseira) de maior diâmetro à partir do final de 1916:
  • APX 1917 montagem lateral 17
  • 2 APX 1921 (diferentes marcações)
  • APX 34 (igual à APX 21 em desenho, mas sem marcação no pára-brisa da luneta)

Disparo com o Lebel a 500m


Como todos os fuzis de precisão da época, todas as lunetas eram agrupadas de fábrica com fuzis que se provaram particularmente precisos durante testes. O fuzil e a luneta recebiam um número de série de modo a garantir que a luneta permanecesse com o fuzil certo, e um estojo de couro era emitido para o transporte da luneta.

Luneta APX 1916 fabricada pela G. Forest de Paris colocada em um Lebel, número de série 15309.

O ferrolho do Lebel.

O fuzil Lebel foi revolucionário na sua época, sendo o primeiro fuzil moderno disparando com pólvora sem fumaça (Poudre B), mas era um projeto com raízes no antigo Chassepot da Guerra Franco-Prussiana (1870-1871) e em 1915 já estava ficando obsoleto. O exército então passou a introduzir o Berthier na infantaria. Ele era alimentado com pentes de três tiros (depois 5) ao invés do carregamento tubular do Lebel. A armação da luneta no Berthier usava uma montagem de duas peças, similar ao Lebel, ou uma armação fundida que era rosqueada no lado direito da culatra. A maioria dos Berthiers foi equipado com a luneta APX 1917, a qual era maior (280mm) do que a APX 1915 (240mm). Não há um número exato de lunetas produzidas mas fontes francesas indicam até 50 mil unidades.

Na Frente Ocidental, os franceses eram supridos com fuzis de luneta na base de três ou quatro por companhia, sem uma doutrina centralizada. Desta forma, o uso de snipers era de acordo com a visão do comandante local, sem uma prática definida ou escola própria. O historiador do Regimento de Infantaria nº 70 do exército alemão comentou sobre enfrentar os snipers franceses na floresta de Argonne:

"[A] cada passo, a morte batia. Os tireurs d'élite franceses estavam solidamente presos às árvores. Mesmo que um ou dois fossem atingidos, ainda não poderíamos passar. Nesta situação, as posições inimigas não puderam ser encontradas. Era como metralhadoras nas árvores [...] era como lutar contra fantasmas."

"Lagoa do papagaio. Um atirador de elite, trincheira."
Foto do Exército francês, 17 de janeiro de 1916.

Luneta APX 1917.

Manual de armamento francês de 1940 descrevendo a luneta APX 1921.

Desenho técnico da luneta APX 1921 e descrição da pontaria e montagem no fuzil.

No clássico do cinema Nada de Novo no Front (All Quiet on the Western Front, 1930), o protagonista Paul Baumer (interpretado por Lew Ayres) é morto por um sniper francês no ato final do filme. Ao som de uma triste gaita, Paul se estica de dentro da trincheira com a intenção de pegar uma borboleta e acaba alvejado pelo sniper, que usa um fuzil comercial Oberndorf Mauser Sporter com luneta. A música pára, e o fantasma de Paul marcha junto a tantos outros para um cemitério de cruzes brancas. A última passagem do livro assim descreve a morte de Paul:

Ele tombou em 1918 em um dia que estava tão quieto, tudo o que o alto comando alemão relatou foi "Tudo quieto na frente ocidental". Ele não sofreu muito. Seu rosto parecia tranquilo, como se quase aliviado pelo fim finalmente chegar.
FIM

O sniper francês com o Oberndorf Mauser Sporter.

A luneta.

Cena final do Nada de Novo no Front


Leitura recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

FOTO: Poilu no balanço

Um soldado francês (poilu) em um balanço improvisado.

Um poilu em um balanço improvisado feito de um par de cintas de munição de metralhadoras alemãs perto de Nauroy, no norte da França, durante a Primeira Guerra Mundial.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

GALERIA: Acantonamento de repouso do RMLE em Aube

Granadeiros do RMLE praticam o lançamento de granadas-de-mão no acampamento de Dampierre, julho de 1917.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 29 de agosto de 2021.

Imagens do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira (Régiment de Marche de la Legion, RMLE) em descanso e recuperação  em Dampierre, no departamento de Aube, na região de Champagne-Ardennes, em julho de 1917. O RMLE, recém condecorado com a Médaille Militaire, desfilaria orgulhosamente no Champs Élysées no 14 de julho.

A matéria foi fotografada por Winckelsen Charles para o ECPAD e contém:
  1. Os quartos de descanso do RMLE em Dampierre, em Aube.
  2. Exercícios de lançamento de granadas de mão;
  3. Uma equipe de metralhadores atrás de sua peça;
  4. Uma seção de granadeiros em treinamento;
  5. O Tenente-Coronel Rollet, comandante do regimento, e seu estado-maior.


Legionários do RMLE durante uma sessão de esportes e recreação no campo de Dampierre.

Pausa para o almoço ("déjeuner").

Em março de 1917, os alemães retraíram para um grande saliente entre Arras e Soissons, e a fatídica Ofensiva Nivelle de abril caiu sobre essas novas defesas recém preparadas da Linha Siegfried (Siegfriedstellung, o nome alemão para a Linha Hindenburg). Na manhã de 17 de abril, o RMLE atacou as ruínas de Auberive no Vale de Suippes durante a Batalha de Moronvilliers, no flanco direito da ofensiva do Chemin des Dames.

Assaltos em 1917 eram sofisticados, com intensa e detalhada preparação de artilharia, cada batalhão possuindo uma companhia de metralhadoras e cada pelotão tendo dois grupos de combate com equipes de metralhadoras leves portáteis e granadeiros. Os homens eram treinados em táticas de pequenas unidades  que coordenavam o fogo e movimento com equipes interdependentes se cobrindo mutuamente, formando grupos de fuzileiros-granadeiros (Grenadier-voltigeur/Granadeiro-volteador), granadeiros de mão, fuzileiros-metralhadores armados com o FM Chauchat e dois municiadores. Eles abririam brechas nas linhas inimigas, isolando posições duras e infiltrando as companhias o mais profundamente possível na retaguarda inimiga.

Agarrando-se de cratera em cratera através de lama profunda por três dias e três noites, os legionários tomaram linha de trincheiras principal em Auberive, e o combate continuou até 22 de abril; o regimento usou 50.000 granadas nestes cinco dias de combate. O lendário Adjudant-Chef Mader, alemão, foi condecorado com a Legião de Honra por ter atacado e repelido a maior parte de uma companhia de infantaria saxônica e ter tomado uma bateria de seis peças de artilharia, comandando apenas dez legionários em combate corpo-a-corpo.

Uma equipe de metralhadores do RMLE treinando em torno de sua arma, uma metralhadora Hotchkiss.

Grenadier-voltigeurs do Régiment de Marche da Legião Estrangeira (RMLE) em treinamento no campo de Dampierre. Um deles está prestes a disparar uma granada V.B (Vivien-Bessière) usando o lança-granadas "tromblom" (bacamarte) montado em seu fuzil Lebel modelo 1886/93.

Os franceses pretendiam um ataque estrategicamente decisivo ao romper as defesas alemãs na frente de Aisne em 48 horas, com baixas estimadas em cerca de 10.000 homens. Um ataque preliminar seria feito pelo Terceiro Exército francês em St. Quentin e pelos britânicos em Arras, para capturar terreno elevado e desviar as reservas alemãs das frentes francesas em Aisne e em Champagne (esta incluindo o Corpo Expedicionário Russo). A ofensiva principal seria lançada pelos franceses no cume do Chemin des Dames, com um ataque subsidiário do Quarto Exército. O estágio final da ofensiva era seguir o encontro dos exércitos britânico e francês, tendo rompido as linhas alemãs, e então a perseguição dos exércitos alemães derrotados em direção à fronteira alemã. Em abril de 1917, os planos eram bem conhecidos do Exército Imperial Alemão, que fez extensos preparativos defensivos, adicionando fortificações à frente do Aisne e reforçando o 7º Exército (General der Infanterie Max von Boehn) com divisões liberadas pelo retraimento para a Linha Siegried/Hindenburg na Operação Alberich, de fevereiro a março de 1917.

Tanto Siegried quanto Alberich sendo personagens da Saga dos Nibelungos (Das Nibelungenlied), um poema épico medieval alemão. Sua representação mais famosa é a ópera O Anél do Nibelungo (Der Ring des Nibelungen) do compositor alemão Richard Wagner.

Os ataques franco-britânicos foram taticamente bem-sucedidos; o Terceiro Exército francês do Grupo de Exércitos do Norte (Groupe d'armées du NordGAN) capturou as defesas alemãs a oeste da Linha Hindenburg perto de St. Quentin de 1 a 4 de abril, antes que novos ataques fossem repelidos. A principal ofensiva francesa no Aisne começou em 16 de abril e também alcançou considerável sucesso tático, mas a tentativa de forçar uma batalha estrategicamente decisiva contra os alemães foi um fracasso caro e em 25 de abril a ofensiva principal foi suspensa. O fracasso da estratégia do General Nivelle e o alto número de baixas francesas levaram a motins (com as unidades decididas a defenderem suas posições, mas se recusando a executar novos ataques) e à demissão de Nivelle, sua substituição por Pétain e a adoção de uma estratégia defensiva pelos franceses, enquanto seus exércitos se recuperavam e eram rearmados.

Lavando roupa suja.

Durante seus exercícios, os legionários do RMLE montaram seu ponto de abastecimento no centro de um curral na região de Dampierre. Podemos ver ao fundo a cozinha móvel dos legionários.

Banda de música do RMLE.

O Tenente-Coronel Rollet, comandando o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira (RMLE), cercado por seu estado-maior. À direita, o capelão católico Gas condecorado com a Legião de Honra e a Croix de Guerre.

O RMLE foi mandado para Mailly, na Champanha, para descanso e recuperação em maio. No dia 30, o comando passou do Ten-Cel Duriez para o lendário Tenente-Coronel Paul Rollet, um veterano das companhias montadas no Norte da África, que viveria para se tornar o primeiro Inspetor-Geral da Legião Estrangeira, e reverenciado por todos como "O Pai da Legião". No Dia da Bastilha, 14 de julho de 1917, Rollet liderou uma guarda-de-honra em Paris, onde o presidente Raymond Poincaré condecorou a bandeira do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira com a fourragère (cordão) da Médaille Militaire. Na época esta honraria era única; concedida principalmente pelo desempenho em combate do RMLE, mas também em parte em gratidão pela lealdade inabalável demonstrado pelos legionários em um momento onde unidades francesas se amotinaram.

Em 20 a 21 de agosto de 1917, em Cumières na frente de Verdun, o RMLE assinalou um sucesso notável ao avançar bem à frente do cronograma, resistiu a contra-ataques e pesada estrafagem aérea no terreno conquistado, e então aproveitaram o sucesso passando novamente para a ofensiva em um curto prazo tomando a Cota 265. Os legionários mantiveram a posição até serem substituídos em de setembro, tomando 680 prisioneiros e 14 peças de artilharia pela perda de 53 mortos e 271 feridos ou desaparecidos - baixas leves para o padrão da Frente Ocidental.

O General Philippe Pétain passou o regimento em revista enquanto este descansava nas cercanias de Vaucouleurs em 27 de setembro. Ele disse ao RMLE que por sua sexta citação ele teve que inventar uma nova condecoração para eles - a fourragère vermelha da Légion d'Honneur (Legião de Honra). - em reconhecimento à sua conduta em Verdun. Pétain anunciou estar feliz em continuar criando novas condecorações para os legionários enquanto eles continuassem vencendo batalhas. O cordão vermelho foi oficialmente usado a partir de 3 novembro de 1917.

Guarda-de-honra do Regimento de Marcha da Legião Estrangeira desfilando em Paris no 14 de julho de 1917, o Dia da Bastilha.
O oficial de uniforme claro é ninguém menos que o Tenente-Coronel Paul Rollet, "O Pai da Legião", e o porta-bandeira à esquerda é o Ajudante-Chefe Max Mader, o praça mais condecorado da Legião.

Os registros da Legião mostram que 42.883 homens serviram na Frente Ocidental nos Regimentos de Marcha do 1er RE e 2e RE e no RMLE entre 1914 e novembro de 1918, sendo 6.239 franceses e 36.644 estrangeiros (de uma centena de países). Destes, 5.172 morreram em combate e 25 mil feridos e desaparecidos (esta última categoria escondendo ainda mais mortos em ação); dos oficiais, 115 morreram em combate e cerca de 500 foram feridos. Estas baixas representam 70% do efetivo total empregado na Frente Ocidental.

Em novembro de 1918, o Regimento de Marcha da Legião Estrangeira era o segundo regimento mais condecorado do Exército Francês.

Bibliografia recomendada:

French Foreign Legion 1914-45.
Martin Windrow e Mike Chappell.

La Légion Étrangère au combat 1914-1918.

Leitura recomendada: