Mostrando postagens com marcador Livro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Livro. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 25 de maio de 2022

LIVRO: Uma resenha crítica ao Band of Brothers


Resenha do livro Band of Brothers: E Company, 506th Regiment, 101st Airborne from Normandy to Hitler's Eagle's Nest (Band of Brothers: Companhia E, 506º Regimento, 101ª Divisão Aerotransportada da Normandia ao Ninho da Águia de Hitler), de Stephen E. Ambrose, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Este é o livro que original a aclamada série Band of Brothers. O Dr. Forczyk mostra uma postura muito negativa com relação ao livro e aos métodos usados por Ambrose. Alguns pontos são particularmente interessantes, especialmente o método de entrevistas com veteranos.

Não mencionado mas uma curiosidade histórica, os alunos brasileiros do curso de estado-maior chegaram a participar de jogos de guerra envolvendo o ataque da 101ª "Screaming Eagles" quando estiveram nos Estados Unidos.

Erros, exageros e calúnias cruéis [1 estrela]


Paraquedistas da famosa Easy Company com soldados da 4ª Divisão de Infantaria em Sainte-Marie-du-Mont, 7 de junho de 1944.
(Colorização por Julius Jääskeläinen)

Para leitores sem muita experiência em história em geral ou militares em particular, Band of Brothers provavelmente parecerá uma saga heróica de camaradagem masculina em combate. No entanto, para aqueles leitores com conhecimento do assunto, este livro pouco pesquisado oferece pouco mais do que o episódio padrão da antiga série de TV COMBAT! O autor Stephen Ambrose, que prefere a história oral à pesquisa meticulosa, usou suas entrevistas com veteranos selecionados da Segunda Guerra Mundial da E Company, 506th PIR, 101st Airborne como base para contar as histórias de uma companhia aerotransportada em combate em 1944-1945. A maior parte do livro se concentra em Richard Winters, que comandou a companhia na Normandia e na Holanda. O soldado David Webster, um intelectual autoproclamado e cínico, também escreveu um livro de suas experiências na E Company, do qual Ambrose emprestou liberalmente [...]. Entrevistas com outros membros da unidade preenchem lacunas, mas Winters e Webster são dois dos principais protagonistas da história. Infelizmente, do ponto de vista da precisão histórica, o livro está irremediavelmente repleto de erros, exageros e calúnias cruéis.

Primeiro, deixe-me abordar os erros, que se devem principalmente à falta de pesquisa por parte do autor. Ambrose afirma que o transporte de tropas para a Inglaterra "carregou 5.000 homens do 506º" e como foi uma viagem apertada. No entanto, o competente Ordem de Batalha do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial (US Army Order of Battle in World War Two), de Shelby Stanton, afirma que o 506º tinha apenas 2.029 homens. Ambrose tem seus problemas habituais com nomenclatura e nomes; Os alemães usavam morteiros de 81mm e não de "80mm". Um oficial britânico resgatado pela E Company é identificado como "Coronel O. Dobey", quando na verdade era o Tenente-Coronel David Dobie. O oficial alemão que se rendeu à unidade em Berchtesgaden em 1945 é descrito como o "General Theodor Tolsdorf, comandante do LXXXII Corps", de 35 anos, quando na verdade era um Coronel Tolsdorf de 36 anos que comandava a 340ª Divisão VG (340. Volksgrenadier-Division).

Para-quedistas da 101ª Divisão Aerotransportada exibem uma bandeira nazista capturada em uma vila perto da Praia de Utah, em Saint-Marcouf, na França, em junho de 1944

Em Berchtesgaden, Winters supostamente encontra um general alemão "Kastner" que cometeu suicídio, mas não há registro de tal oficial na Wehrmacht ou SS. Nem Ambrose faz muito melhor com identificações de unidades e ele afirma que na Batalha do Bulge, a 101ª Divisão Aerotransportada, "ganhou suas batalhas frente a frente com uma dúzia de divisões blindadas e de infantaria alemãs". Na verdade, os alemães apenas comprometeram elementos de cinco divisões na luta de Bastogne e dificilmente eram tropas de elite. A declaração de Ambrose também ignora o fato de que a 101ª estava lutando com a ajuda considerável das 9ª e 10ª Divisões Blindadas dos EUA em Bastogne. Finalmente, os leitores podem ficar chocados ao saber que a 3ª Divisão de Infantaria dos EUA realmente venceu o 506º PIR na corrida para Berchtesgaden por várias horas. Os leitores devem verificar o livro Paraquedistas de Ridgeway (Ridgeway's Paratroopers) bem pesquisados de Clay Blair. Esses erros podem parecer pequenos para alguns, mas demonstram uma falta de pesquisa que significa que toda a narrativa é suspeita.

Quando se trata de exagero, Ambrose libera todos os freios. Todos os tanques inimigos são chamados de "Tigres", mas apenas 5,3% dos tanques alemães na Normandia em junho de 1944 eram Tigres. Todas as tropas inimigas são chamadas de "elite", como SS ou pára-quedistas, embora os registros alemães indiquem que o 506º combateu principalmente unidades comuns da Wehrmacht.

De acordo com Winters, a Companhia E sempre foi melhor que as outras companhias do 506º e Ambrose garante que “não havia companhia de infantaria leve melhor no Exército”. Que tal os Rangers em Point du Hoc? Como Ambrose não faz nenhum esforço para comparar a Companhia E com qualquer outra unidade semelhante (por exemplo, ela matou mais alemães do que outras unidades?), essa afirmação é estúpida. Mas fica ainda pior. Ambrose afirma que Winters "despreza o exagero", mas o seguinte relato da E Company na Normandia expõe categoricamente isso como uma mentira: Assim era Winters [excelente]. Ele tomou uma decisão certa após a outra... ele pessoalmente matou mais alemães e assumiu mais riscos do que qualquer outra pessoa." Então Winters matou mais alemães do que os metralhadores da companhia? Ele assumiu mais riscos do que os homens na ponta? Curiosamente, Winters nunca foi ferido.

O Capitão Dick Winters ao lado do ator Damian Lewis.

O pior aspecto do livro é a campanha viciosa de calúnias, que é puramente feita pelo Winters. Winters ataca seus superiores, começando com o Major-General Taylor, comandante da 101ª, depois o Coronel Sink que era comandante do 506º PIR, depois o Ten-Cel. Strayer seu comandante de batalhão e o Capitão Sobel, o primeiro comandante da Companhia E. Taylor, que foi um dos melhores generais do Exército dos EUA do século XX e mais tarde presidente da Junta dos Chefes do Estado-Maior do presidente Kennedy, é violentamente atacado por estar em "férias de Natal" durante a Batalha do Bulge e por ordenar um ataque que "tinha o sabor de um delírio egocêntrico". Winters diz a Ambrose que "eu não quero ser justo" sobre Taylor. Logo, ele não quer ser honesto. Sink, que comandou o 506º durante toda a guerra, é ridicularizado como "Bourbon Bob". O Tenente-Coronel Strayer é praticamente omitido deste relato, embora tenha comandado da Normandia ao Dia da Vitória na Europa (VE Day). Ambrose engana o leitor quando afirma que Winters se tornou o comandante do batalhão em 8 de março de 1945 - na verdade, a mudança foi apenas temporária e Strayer retornou.

Winters reserva um ódio especial ao Capitão Sobel, o homem que treinou a Companhia E nos Estados Unidos e que é rotulado de tirano mesquinho. Winters relata um encontro casual com Sobel mais tarde na guerra, quando Winters superou seu ex-comandante, e ele começou a humilhá-lo na frente de praças da Companhia E. Que elegante. A campanha de calúnia também é dirigida a outros oficiais que sucederam Winters como comandantes da Companhia E, a maioria dos tenentes, oficiais do estado-maior, "preguiçosos da Força Aérea na Inglaterra" (que estavam morrendo às centenas sobre a Alemanha em bombardeiros em chamas), os britânicos, etc. É muito enojante depois de algum tempo.

Os paraquedistas americanos da Segunda Guerra Mundial merecem um relato muito mais preciso e honesto de suas realizações, com o justo reconhecimento de todos os participantes merecedores, ao invés de um relato enviesado que distorce o registro.

Paraquedistas do 502ª PIR, 101ª Divisão Aerotransportada "Screaming Eagles" em um VW tipo 82 Kübelwagen alemão caputrado no cruzamento da Rua Holgate e a Rota Nacional no.13, em Carentan, na Normandia, 14 de junho de 1944.

sexta-feira, 13 de maio de 2022

ENTREVISTA: Svetlana Alexievich, A Guerra não tem rosto de Mulher


Por Svetlana Alexievich, The Paris Review, 25 de julho de 2017.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de maio de 2022.

Svetlana Alexievich, ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura, é conhecida por seu tipo singular de colagem de história oral, que a Academia Sueca chamou de “uma história das emoções… uma história da alma”. Agora, seu primeiro livro, The Unwomanly Face of War: An Oral History of Women in World War II , publicado originalmente em 1985, foi traduzido do russo por Richard Pevear e Larissa Volokhonsky, que foram entrevistados para nossa série Writers at Work (Escritores Trabalhando) em 2015. Temos o prazer de apresentar um trecho abaixo.



Uma conversa com uma historiadora

Nós éramos uma carga alegre.

The Paris Review:
— Em que momento da história as mulheres apareceram pela primeira vez no exército?

— Já no século IV a.C. mulheres lutaram nos exércitos gregos de Atenas e Esparta. Mais tarde, eles participaram das campanhas de Alexandre, o Grande. O historiador russo Nikolai Karamzin escreveu sobre nossos ancestrais: “As mulheres eslavas ocasionalmente iam à guerra com seus pais e maridos, não temendo a morte: assim, durante o cerco de Constantinopla em 626, os gregos encontraram muitos corpos femininos entre os eslavos mortos. Uma mãe, criando seus filhos, os preparou para serem guerreiros.”

TPR: — E nos tempos modernos?

— Pela primeira vez na Inglaterra, onde de 1560 a 1650 começaram a equipar hospitais com mulheres soldados.

TPR: — O que aconteceu no século XX?

— O início do século... Na Inglaterra, durante a Primeira Guerra Mundial, as mulheres já estavam sendo levadas para a Royal Air Force. Um Corpo Auxiliar Real também foi formado e a Legião Feminina de Transporte Motorizado, que contava com 100.000 pessoas.

Na Rússia, Alemanha e França, muitas mulheres foram servir em hospitais militares e trens de ambulância.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o mundo foi testemunha de um fenômeno feminino. As mulheres serviram em todos os ramos das forças armadas em muitos países do mundo: 225.000 no exército britânico, 450.000 a 500.000 no americano, 500.000 no alemão…

Cerca de um milhão de mulheres lutaram no exército soviético. Eles dominavam todas as especialidades militares, incluindo as mais “masculinas”. Surgiu até um problema linguístico: até então não havia gênero feminino para as palavras motorista de tanque, infante, metralhador, porque as mulheres nunca haviam feito esse trabalho. As formas femininas nasceram ali, na guerra…

*

Maria Ivanovna Morozova (Ivanushkina)
Cabo, sniper

Esta será uma história simples… A história de uma garota russa comum, das quais havia muitas na época…

O lugar onde ficava minha aldeia natal, Diakovskoe, agora é o Distrito Proletário de Moscou. Quando a guerra começou, eu ainda não tinha dezoito anos. Tranças longas, muito longas, até os joelhos... Ninguém acreditava que a guerra duraria, todos esperavam que ela terminasse a qualquer momento. Expulsaríamos o inimigo. Trabalhei em um kolkhoz, depois terminei a faculdade de contabilidade e comecei a trabalhar. A guerra continuou... Minhas amigas... Diziam-me: “Devemos ir para a [linha de] frente.” Já estava no ar. Todas nós nos inscrevemos e tivemos aulas no escritório de recrutamento local. Talvez algumas tenham feito isso apenas para fazer companhia umas às outras, não sei. Ensinaram-nos a disparar um fuzil de combate, a lançar granadas-de-mão. No começo... confesso, eu tinha medo de segurar um fuzil, era desagradável. Eu não podia imaginar que iria matar alguém, eu só queria ir para a frente. Tínhamos quarenta pessoas em nosso grupo. Quatro meninas da nossa aldeia, então éramos todas amigas; cinco das aldeias vizinhas; em suma, algumas de cada aldeia. Todas elas meninas... Todos os homens já tinham ido para a guerra, os que podiam. Às vezes, um mensageiro vinha no meio da noite, dava duas horas para eles se aprontarem e eles eram levados. Eles podiam até mesmo serem retirados diretamente dos campos. (Silêncio.) Não me lembro agora — se tínhamos bailes; se tivéssemos, as meninas dançavam com as meninas, não havia mais meninos. Nossas aldeias ficaram quietas.


Logo veio um apelo do comitê central do Komsomol para que os jovens fossem defender a Pátria, já que os alemães já estavam perto de Moscou. Hitler tomar Moscou? Não vamos permitir! Eu não era a única… Todas as nossas meninas expressaram o desejo de ir para a frente. Meu pai já estava lutando. Pensávamos que éramos as únicas assim... Especiais... Mas chegamos ao escritório de recrutamento e havia muitas garotas lá. Eu apenas suspirei! Meu coração estava em chamas, tão intensamente. A seleção foi muito rigorosa. Em primeiro lugar, é claro, você tinha que ter uma saúde robusta. Eu tinha medo que eles não me levassem, porque quando criança eu ficava muitas vezes doente, e meu corpo era fraco, como minha mãe costumava dizer. Outras crianças me insultavam por causa disso quando eu era pequena. E então, se não havia outras crianças na casa, exceto a menina que queria ir para a frente, eles também recusavam: uma mãe não deveria ser deixada sozinha. Ah, nossas queridas mães! Suas lágrimas nunca secavam... Elas nos repreendiam, imploravam... Mas em nossa família restaram duas irmãs e dois irmãos — é verdade, eles eram todos muito mais novos do que eu, mas contava de qualquer maneira. Havia mais uma coisa: todo mundo do nosso kolkhoz tinha ido embora, não havia ninguém para trabalhar nos campos, e o presidente não queria nos deixar ir. Em suma, eles nos recusaram. Fomos ao comitê distrital do Komsomol e lá... recusa. Depois fomos como delegação do nosso distrito ao Komsomol regional. Houve grande inspiração em todos nós; nossos corações estavam em chamas. Novamente fomos mandadas para casa. Decidimos, já que estávamos em Moscou, ir ao comitê central do Komsomol, ao topo, ao primeiro secretário. Para levar até o fim... Quem seria nosso porta-voz? Quem era corajosa o suficiente? Pensávamos que com certeza seríamos as únicas ali, mas era impossível sequer mesmo entrar no corredor, quanto mais chegar até ao secretário. Havia jovens de todo o país, muitos dos quais estavam sob ocupação, querendo se vingar da morte de seus entes próximos. De toda a União Soviética. Sim, sim… Resumindo, ficamos até surpresas por um tempo…

À noite, chegamos à secretária, afinal. Eles nos perguntaram: “Então, como você pode ir para a frente se você não sabe atirar?” E dissemos em coro que já havíamos aprendido a atirar… “Onde? … Como? … E você pode aplicar bandagens?” Você sabe, naquele grupo no escritório de recrutamento nosso médico local nos ensinou a aplicar bandagens. Isso os calou, e eles começaram a nos olhar mais seriamente. Bem, tínhamos mais um trunfo nas mãos, que não estávamos sozinhas, éramos quarenta, e todas podíamos atirar e prestar primeiros socorros. Eles nos disseram: “Vão e esperem. Sua pergunta será decidida afirmativamente.” Como ficamos felizes quando partimos! Eu nunca vou esquecer... Sim, sim...

E, literalmente, em alguns dias, recebemos nossos papéis de convocação…

Chegamos ao escritório de recrutamento; entramos por uma porta de uma vez e fomos liberadas por outra. Eu tinha uma trança tão linda, e saí sem ela... Sem minha trança... Eles me deram um corte de cabelo de soldado... Também levaram meu vestido. Eu não tive tempo de enviar o vestido ou a trança para minha mãe... Ela queria muito ter algo meu com ela... Nós fomos imediatamente vestidas com camisas do exército, casquetes, recebemos kits e embarcados em um trem de carga - em palha. Mas palha fresca, ainda cheirando a campo.

Nós éramos uma carga alegre. Pretensiosa. Cheia de piadas. Lembro-me de rir muito.

Onde estávamos indo? Nós não sabíamos. No final, não era tão importante para nós o que seríamos. Desde que fosse na frente. Todo mundo estava lutando — e nós também estaríamos. Chegamos à estação Shchelkovo. Perto havia uma escola de atiradoras de elite femininas. Acontece que fomos enviadas para lá. Para nos tornar atiradoras. Todos nos regozijamos. Isso era algo real. Estaríamos atirando. Começamos a estudar. Estudamos os regulamentos: de serviço de guarnição, de disciplina, de camuflagem em campanha, de proteção química. Todas as meninas trabalharam muito duro. Aprendemos a montar e desmontar um fuzil de franco-atirador com os olhos fechados, a determinar a velocidade do vento, o movimento do alvo, a distância até o alvo, a cavar uma trincheira, a rastejar de bruços – já tínhamos dominado tudo isso. Só para chegar à frente o quanto antes. Na linha de fogo... Sim, sim... No final do curso tirei a nota máxima no exame para serviço de combate e não-combate. A coisa mais difícil, eu me lembro, foi levantar ao som do alarme e estar pronta em cinco minutos. Escolhemos botas um ou dois tamanhos maiores, para não perder tempo com elas. Tínhamos cinco minutos para nos vestir, colocar as botas e fazer fila. Houve momentos em que corríamos para nos alinhar com as botas sobre os pés descalços. Uma garota quase teve seus pés congelados. O sargento notou, repreendeu-a e depois nos ensinou a usar panos para os pés. Ele parou em cima de nós e murmurou: “Como vou fazer de vocês soldados, minhas queridas, e não alvos para Fritz?” Queridas meninas, queridas meninas... Todo mundo nos amava e tinha pena de nós o tempo todo. E nos ressentimos de terem pena. Não éramos soldados como todo mundo?

Bem, então chegamos à frente. Perto de Orsha... A sexagésima segunda Divisão de Infantaria... Lembro-me como hoje, o comandante, Coronel Borodkin, nos viu e ficou bravo: “Eles impingiram garotas em mim. O que é isso, algum tipo de dança de ciranda feminina? ele disse. “Corpo de balé! É uma guerra, não uma dança. Uma guerra terrível...” Mas então ele nos convidou, nos ofereceu um jantar. E nós o ouvimos perguntar ao seu ajudante: “Não temos algo doce para o chá?” Bem, é claro, ficamos ofendidas: o que ele pensa de nós? Viemos para fazer a guerra... E ele nos recebeu não como soldados, mas como menininhas. Na nossa idade, poderíamos ter sido suas filhas. “O que vou fazer com vocês, minhas queridas? Onde eles encontraram vocês?” Foi assim que ele nos tratou, foi assim que ele nos conheceu. E achávamos que já éramos guerreiros experientes... Sim, sim... Na guerra!

No dia seguinte ele nos fez mostrar que sabíamos atirar, como nos camuflar em campanha. Atiramos bem, melhor mesmo do que os atiradores de elite homens, que foram chamados da frente para dois dias de treinamento, e que ficaram muito surpresos por estarmos fazendo o trabalho deles.

Provavelmente foi a primeira vez em suas vidas que viram mulheres franco-atiradoras. Depois do tiro foi camuflagem em campanha... Veio o coronel, deu uma volta olhando a clareira, depois pisou num montículo — não viu nada. Então a “montinho” sob ele implorou: “Ai, camarada coronel, não aguento mais, você é muito pesado.” Como ríamos! Ele não podia acreditar que era possível se camuflar tão bem. “Agora”, disse ele, “retiro minhas palavras sobre as meninas”. Mas mesmo assim ele sofreu... Não conseguiu se acostumar conosco por muito tempo.

Então veio o primeiro dia de nossa “caçada” (assim os snipers chamam). Minha parceira era Masha Kozlova. Nós nos camuflamos e ficamos ali: estou de olho, Masha está segurando seu fuzil. De repente, Masha diz: “Atire, atire! Veja, é um alemão...”

Eu digo a ela: “Eu sou o vigia. Você atira!"

“Enquanto estamos resolvendo isso”, diz ela, “ele vai fugir”.

Mas insisto: “Primeiro temos que traçar o mapa de tiro, observar os marcos: onde fica o galpão, onde a bétula…”

“Você quer começar a brincar com papelada igual na escola? Eu vim para atirar, não para mexer em papelada!”

Vejo que Masha já está com raiva de mim.

"Bem, atire então, por que não?"


Estávamos brigando desse jeito. E enquanto isso, de fato, o oficial alemão dava ordens aos soldados. Uma carroça chegou, e os soldados formaram uma corrente e repassaram algum tipo de carga. O oficial ficou ali, deu ordens e depois desapareceu. Ainda estamos discutindo. Vejo que ele já apareceu duas vezes, e se não atirarmos nele novamente, será o fim. Nós vamos perdê-lo. E quando ele apareceu pela terceira vez, foi apenas momentâneo; agora ele está lá, agora ele se foi - eu decidi atirar. Eu decidi, e de repente um pensamento passou pela minha mente: ele é um ser humano; ele pode ser um inimigo, mas é um ser humano — e minhas mãos começaram a tremer, comecei a tremer toda, fiquei com calafrios. Algum tipo de medo... Esse sentimento às vezes volta para mim em sonhos mesmo agora... Depois dos alvos de compensado, era difícil atirar em uma pessoa viva. Eu o vejo na mira telescópica, eu o vejo muito bem. Como se ele estivesse perto... E algo em mim resiste... Algo não me deixa, não consigo me decidir. Mas me controlei, puxei o gatilho... Ele balançou os braços e caiu. Se ele estava morto ou não, eu não sabia. Mas depois disso estremeci ainda mais, uma espécie de terror tomou conta de mim: matei um homem?! Eu tive que me acostumar até mesmo com esse pensamento. Sim... Resumindo — horrível! Eu nunca esquecerei isso…

Quando voltamos, começamos a contar ao nosso pelotão o que havia acontecido conosco. Eles convocaram uma reunião. Tínhamos uma líder do Komsomol, Klava Ivanova; ela me assegurou: “Eles deveriam ser odiados, não lamentados...” Seu pai havia sido morto pelos fascistas. Começamos a cantar e ela nos implorava: “Não, não, queridas meninas. Vamos primeiro derrotar esses vermes, então vamos cantar.”

E não de imediato... Não conseguimos de imediato. Não é tarefa de uma mulher – odiar e matar. Não para nós... Tivemos que nos persuadir. Para nos convencermos disso…

Unwomanly Face of War:
An Oral History of Women in World War II.
Traduzido do russo por Richard Pevear e Larissa Volokhonsky.

Versão brasileira:

A Guerra Não Tem Rosto de Mulher.
Traduzido do russo por Cecília Rosas.

segunda-feira, 14 de março de 2022

LIVRO: A Lei da Selva, de Hugo Studart


Por Euler de França Belém, Jornal Opção, 3 de junho de 2020.

Guerrilha do Araguaia: os vencedores rompem o silêncio.

O jornalista Hugo Studart publica livro explosivo sobre a batalha travada por guerrilheiros do PC do B contra militares entre Goiás (hoje Tocantins) e Pará.

“A Lei da Selva — Estratégias, Imaginário e Discurso dos Militares Sobre a Guerrilha do Araguaia”¹ (Geração Editorial, 383 páginas), do jornalista Hugo Studart, nasce clássico porque, como “Combate nas Trevas”, de Jacob Gorender, será objeto de consulta obrigatória para todo estudioso (ou curioso) do assunto. O mestre em história pela Universidade de Brasília prova que, quando falham ou faltam os documentos e a interpretação não pode forçar a realidade, é possível contar com depoimentos que — somados, comparados (com outros depoimentos) e avaliados — se tornam documentos. O que é um documento senão um depoimento escrito? Produto de uma dissertação de mestrado, o livro guarda traços acadêmicos, como o rigor no manuseio e articulação das fontes, mas o texto não é filho dos pedregulhos universitários (expressões como “em última instância” e “no limite” não aparecem). É claríssimo. Duas de suas virtudes — além das revelações e confirmações fartamente documentadas — são o equilíbrio da exposição dos fatos e a segurança no julgamento (Hannah Arendt, um dos suportes teóricos de Studart, dizia que julgar é fundamental, desde que mantido o equilíbrio). Os leitores acadêmicos certamente vão ficar atentos ao uso das ideias de filósofos, como Cornelius Castoriadis, na análise da questão do imaginário. Os leitores comuns vão direto às histórias. Ganham aqueles que prestarem atenção tanto no historiador quanto no repórter.

Até pouco tempo, a Guerrilha do Araguaia (1972-1974) era patrimônio do Partido Comunista do Brasil (PC do B), que, ao constituir sua verdade, tendo como base sobretudo o Relatório Arroyo e seus filhotes, como um livrinho do sociólogo Clovis Moura, praticamente impôs, ainda que indiretamente, um silêncio sepulcral à voz dos vencedores, os militares. Ao examinar a Revolução de 1930, no livro “O Silêncio dos Vencidos”, o historiador Edgar de Decca disse ter descoberto que um discurso (o do grupo de Getúlio Vargas), ao se tornar hegemônico, gestou o silêncio dos que perderam. A respeito da Guerrilha do Araguaia, deu-se o oposto. Os militares venceram a guerra das armas e perderam a guerra do discurso. Nesse campo, diante da “omissão” dos militares, os comunistas — manipulando os fatos no melhor estilo stalinista (em novembro de 1974, segundo o Dossiê Araguaia, o PC do B enviou uma delegação para avisar o governo da Albânia sobre a vitória da guerrilha. Mentindo, os dirigentes do partido riram do trágico), mas também citando a verdade parcialmente (a manipulação só é eficiente se parte da verdade não for inteiramente desconsiderada) — impuseram a sua verdade de “santos” contra a “ausência” de verdade dos “demônios”.

Contra-capa do livro.

Emilio Garrastazu Médici (sobretudo)e Ernesto Geisel: jogo duro contra os guerrilheiros da esquerda.

O ponderado trabalho de Studart não é contra ou a favor dos militares ou dos guerrilheiros. É isento, a isenção possível — aquela que permite que todas as vozes falem e sejam ouvidas. A base são o Dossiê Araguaia — estudo elaborado por oficiais —, documentos das Forças Armadas, depoimentos de militares e de ex-guerrilheiros (como o Relatório Arroyo) e o Diário do Velho Mário (escrito pelo comandante-chefe da guerrilha, Maurício Grabois). A fonte secundária é a bibliografia, que, no geral, contesta a versão dos quartéis, mas sem ouvir os militares. Poucos pesquisadores abrem espaço para os militares. As exceções são Elio Gaspari, Eumano Silva e Taís Morais, no ótimo “Operação Araguaia — Os Arquivos Secretos da Guerrilha”, e Luiz Maklouf Carvalho.

A tese dominante é que os arquivos da Guerrilha do Araguaia foram queimados — em fins de 1974, por ordem do presidente Ernesto Geisel. Ao ouvir 27 militares (de soldado a general), alguns com posição de liderança no combate aos militantes do PC do B, como o coronel Lício Augusto Ribeiro Maciel, Studart conclui que, sim, foram destruídos. Entretanto, seu livro prova que, se fazem falta, porque possivelmente detalhados, é possível contar a história sem eles. Studart, por assim dizer, “desparalisa” a história ao provar que os militares — vivíssimos (78 dos oficiais e sargentos que participaram da guerrilha estão vivos) — falam, e muito, apesar das reticências e cuidados (e suas precauções têm motivos justos, afinal, a esquerda julga ter o monopólio da verdade). São arquivos vivos. Sintomaticamente, os militares que colaboraram com Studart, por mais que queiram proteger a si mesmos (a maioria não revela seus nomes), familiares e as Forças Armadas, sobretudo o Exército e a Comunidade de Informações, estão preocupados com a exatidão histórica. O Dossiê Araguaia (elaborado entre 1998 e 2001), anexado ao livro, é um documento importante e indica que os militares conhecem bem aqueles que combatiam. O mesmo não se pode dizer dos “isolados” guerrilheiros.

Operação Araguaia:
Os Arquivos secretos da Guerrilha.

Estudo torna barulhento o silêncio da guerrilha

É provável que comunistas radicais digam: “Este livro é porta-voz dos militares”. Não é. O estudo de Studart torna barulhento o silêncio da guerrilha — recupera a voz dos militares, não para torná-la única a respeito do tema, mas sim para apontá-la como contradição enriquecedora para a constituição de uma história mais ampla do conflito. O objetivo é ampliar os sentidos da guerrilha. (“Trata-se, aqui, de relatar o significado do conflito sob a ótica de um dos lados envolvidos, os militares brasileiros que participaram da luta”, esclarece, sem meias palavras, Studart. Isto não quer dizer que o livro não seja nuançado.) Os comunistas ortodoxos precisam entender que a história só se completa — e reluto ao escrever “se completa” — com a exploração e conexão das divergências. Os militares têm informações que são úteis aos próprios esquerdistas. O livro revela, por exemplo, que, ao contrário do que apontam PC do B e Comissão dos Desaparecidos, morreram mais pessoas no Araguaia. Eis o saldo da guerrilha, na versão do Dossiê Araguaia: “Dos 107 guerrilheiros e camponeses que participaram, 64 teriam morrido; 18 teriam ‘paradeiro desconhecido’; 15 foram presos e sobreviveram; sete teriam desertado; dois teriam cometido suicídio; e um teria sido ‘justiçado’ pelos próprios companheiros”. De acordo com o Dossiê, morreram seis militares e oito foram feridos. Os números do PC do B são mais modestos: “Teriam tombado 75 pessoas — 58 guerrilheiros e 17 camponeses. Segundo a contabilidade dos militares, teriam sido 85. Ou seja, os militares admitem 10 mortos a mais”. (Não custa registrar que, juntos, o “soviético” Stálin e o chinês Mao Tsé-tung mataram 100 milhões de pessoas.)

Orlando Geisel: general, ministro do Exército: ordem era para jogar pesado no Araguaia.

Exemplo de documentação usada no livro.

Ao “entrar” nas histórias contadas por Studart, o leitor certamente ficará surpreso com o volume de revelações ou confirmações, agora iluminadas por dados novos, a respeito da Guerrilha do Araguaia.

Os militantes do PC do B foram para o Araguaia, na confluência dos Estados de Goiás (hoje Tocantins) e Pará, em 1966. Seis anos depois, os “paulistas” foram descobertos pelos militares. Durante anos, o PC do B sustentou que Pedro Albuquerque Neto e Lúcia Regina de Souza Martins foram os “traidores”. A apuração e a análise de Studart são ricas: “No imaginário dos militares quem teria sido o responsável pela chegada das Forças Armadas ao local onde resistiam os guerrilheiros? Pedro Albuquerque ou Lúcia Regina? Ambos, segundo descobri. Os militares primeiro tiveram notícia da guerrilha através de Lúcia Regina. Ao voltar para São Paulo, emocionalmente fragilizada, revoltada, sentindo-se culpada pelo aborto, conforme revelou depois, ela acabou desabafando com os pais. Falou tudo o que sabia. Foi seu pai quem procurou os militares para relatar o que Lúcia lhe havia contado, de acordo com a narrativa de um militar [Lício Maciel] que na época serviu no Centro de Informações do Exército. O informe, repassado da agência do CIE em São Paulo para a sede do Rio, teria sido colocado na gaveta. (…) O assunto só ganhou dimensão em fins de março, quando chegou à agência do CIE em Brasília o depoimento de Pedro Albuquerque à Polícia Federal em Fortaleza. De modo que, para os militares, prevaleceu a idéia generalizada de que Pedro teria revelado a existência da guerrilha”. Isto não quer dizer, ressalva Studart, que Albuquerque trabalhou como “colaborador” dos militares. “De todo modo, foi a partir do depoimento de Pedro que os militares precipitaram a reação que mais cedo ou mais tarde se desencadearia no Araguaia.” A conclusão de Studart: “… a descoberta da Guerrilha do Araguaia resulta não de uma ‘traição’, como registra o imaginário dos guerrilheiros; mas, sim, de diferentes interpretações do imaginário militar que, movido pelo ideário anticomunista e pela doutrina de segurança nacional, criou o Sistema de Informações e Segurança”.

Milton Tavares (Miltinho): general que seguiu as duras ordens de Orlando Geisel a respeito da Guerrilha do Araguaia, na primeira metade da década de 1970.

General Antônio Bandeira: um dos operadores no combate à Guerrilha do Araguaia.

Sob comando do coronel Carlos Sérgio Torres, chefe de Operações do CIE, a Operação Peixe (1ª fase da Primeira Campanha) — com 30 agentes da Inteligência — vasculha a região do Araguaia em busca de informações. Entre os militares estavam o major Lício Maciel (o Dr. Asdrúbal), o subtenente João Pedro do Rego (Javali Solitário, J. Peter) e o primeiro-tenente Cid (codinome).

Rapidamente, nos fins de abril de 1972, os militares identificam o codinome de 55 dos 69 guerrilheiros. Prendem o guerrilheiro Danilo Carneiro, o Nilo, na Transamazônica. “Os militares”, escreve Studart, “informam que ele tentava desertar. Segundo o Dossiê, no interrogatório Nilo teria revelado a base guerrilheira de Metade. Também teria revelado o codinome de cinco guerrilheiros de uma vez”. Em seguida, prenderam Eduardo José Monteiro Teixeira e Rioco Kayano, mais tarde mulher de José Genoino Neto. Próximo a ser preso, Genoino é tachado de delator por alguns militares. A versão de uma fonte de Studart, o Dr. George: “Seu depoimento foi fundamental para entender como a guerrilha estava estruturada e a real dimensão do inimigo. Mas nenhum guerrilheiro caiu por causa dele. Quando íamos checar suas informações, já não havia mais ninguém no local”. Outra fonte do jornalista, o Dr. Hoffmann, acrescenta: “Ele nos levou aos locais que havia indicado no depoimento. Mas avalio que não estava colaborando, simplesmente não tinha opção”.

Guerrilheiros religiosos

Na segunda campanha, a Operação Papagaio, o general Viana Moog era o manda-chuva. Mas quem operava mesmo era o general Antônio Bandeira. Há a tendência de ver as Forças Armadas como monolíticas, mas Studart apresenta dissensões entre o Alto Comando e tropas regulares, de um lado, e, de outro, a Comunidade de Informações, liderada pelos generais Bandeira e Milton Tavares, o Miltinho, chefe do Centro de Informações do Exército (CIE). 3.250 militares foram enviados ao Araguaia. Os primeiros a morrer são o guerrilheiro Miguel Pereira dos Santos, o Cazuza, e o sargento Mário Abrahim da Silva. Os militares matam mais sete militantes do PC do B. Antônio Carlos Monteiro Teixeira, o Antônio da Dina, José Toledo de Oliveira, Vitor, e Francisco Manoel Chaves, Preto Velho, foram mortos pelo grupo chefiado pelo sargento goiano José Pereira, que contou ao Jornal Opção, em 1997, como ocorreu o chafurdo. J. Pereira recebeu um elogio, por escrito e oficial, do general Bandeira.


Sem conseguir caçar todos os guerrilheiros, e apesar da resistência do general Bandeira, o comando em Brasília manda suspender as manobras. Um dos homens mais duros do regime, o general Milton Tavares, chamado de Miltinho por seus aliados, assumiu o controle das ações de contraguerrilha, depois passou o bastão para o general Confúcio de Paula Torres Avelino. O chefe de Operações do CIE, tenente-coronel Carlos Sérgio Torres, é o coordenador geral e o major Gilberto Zenkner, o Dr. Nunes, assume a coordenação da Operação Sucuri, trabalho de infiltração de agentes na região do Araguaia. Agora, os militares queriam conhecer mais a respeito dos guerrilheiros antes de combatê-los.

Enquanto os guerrilheiros apostavam numa trégua e cantavam vitória, os militares, disfarçados e reinventando táticas, vasculhavam o Araguaia. O relato de Studart: “Em fins de 1973, quando a tropa desceu na selva para a derradeira caçada, os militares já sabiam nome e endereço de cada guerrilheiro, suas redes de apoio, caminhos que cada um costumava traçar na mata, assim como nome e endereço de cada ‘estabelecido’ que simpatizava com os guerrilheiros ou que poderia apoiar os militares. (…) O Exército infiltrou 35 agentes no cotidiano dos guerrilheiros”.

Newton Cerqueira: general cuja atuação contra a Guerrilha do Araguaia era pouca conhecida.

Major Curió e coronel Lício Maciel: na linha de frente do combate aos guerrilheiros.

José Genoino, guerrilheiro do PC do B: preso, em 1972, por militares do Exército, na região do Araguaia.

Entre histórias tão terríveis, há pelo menos uma engraçada: “O Dossiê [Araguaia] faz surpreendentes revelações. Um agente se disfarçou de terecozeiro (benzedor, feiticeiro, no sincretismo que une o xamanismo afro-indígena-europeu). Grupos de guerrilheiros passaram a visitá-lo, com rapidez espantosa, em busca de suas rezas”. O ex-sargento J. Pereira relatou ao Jornal Opção que, quando examinou a bolsa do guerrilheiro Francisco Chaves, descobriu objetos típicos de mandinga.

Uma das infiltrações descobertas pelas investigações de Studart é surpreendente. Um militante do grupo guerrilheiro VAR-Palmares, preso em Brasília, ficou infiltrado entre os guerrilheiros do PC do B por 15 dias. O “informe” que passou aos militares é texto de semianalfabeto.

Com informações detalhadas sobre o cotidiano da guerrilha, as Forças Armadas enviam 750 militares de tropas especiais para o Araguaia. A Operação Marajoara, a Terceira Campanha, foi comandada primeiro pelo tenente-coronel Wilson Romão, Dr. Zico, e depois pelo tenente-coronel Flávio Demarco, o Tio Caco. No fim de 1973, o tenente-coronel Newton Albuquerque Cerqueira, o militar que comandou a operação que matou Carlos Lamarca, foi escolhido a dedo pelo general Milton Tavares para combater a guerrilha (“Tem que ser o Cerqueira”, sugeriu Miltinho ao general Hugo Abreu — o ministro do Exército, Orlando Geisel, avalizou). “Permaneceu na área por três meses, entre janeiro e março de 1974, justamente o período em que a guerrilha sofreu as maiores baixas — 22 guerrilheiros. (…) Guerrilheiro algum escapou no período em que Cerqueira atuou”, relata Studart. (A presença de Cerqueira no Araguaia foi revelada pelo jornalista Luiz Maklouf no livro “O Coronel Rompe o Silêncio”, longo depoimento do coronel Lício Maciel.)

Maurício Grabois: o líder da guerrilha do PC do B admite justiçamento de camponês.

Em novembro de 1973, com “38 guerrilheiros em condições de combate”, porém mais preocupados com comida do que com armas, os militares, como percebe Studart, terceirizam a batalha. Armados, os mateiros “iam à frente das patrulhas, como guias”. Com a terceirização, os mateiros “entrariam sozinhos na mata caçando guerrilheiros à velha moda dos jagunços”. Recebiam entre 5 e 10 mil cruzeiros por guerrilheiros. Ao contrário do que disseram outros militares, como o coronel Pedro Corrêa Cabral, em entrevista ao Jornal Opção, a pesquisa de Studart confirma que “os militares recrutaram uma tribo inteira de índios suruís” para combater os guerrilheiros.

Studart expõe uma cena espantosa: “… em fins de novembro [de 1973], um mateiro, caboclo que morava perto da reserva suruí, apareceu com uma sacola diante da equipe de paraquedistas que tomava café da manhã num acampamento perto de Xambioá. Perguntou quanto estavam pagando por cabeça de ‘povo da mata’. Um deles respondeu o valor. O mateiro abriu a boca da sacola, sacudiu-a e de dentro caiu uma cabeça entre os pratos dos soldados. A cabeça de Arildo Valadão. (…) Seis cabeças de guerrilheiros, talvez sete, chegaram em sacolas a Marabá ou Xambioá”. Studart conta a história de um militar que jogou três cabeças de guerrilheiros em cima de uma mesa, durante uma reunião, para afrontar militares burocratas.

Maurício Grabois, chefe da guerrilha, abandonado por Ângelo Arroyo, foi morto em dezembro de 1973. Em 1974, mesmo depois de ataque intenso, havia 27 guerrilheiros vivos. “Muitos se entregaram”, Studart constatou nas entrevistas orais com militares. “Outro foram presos. Nenhum sobreviveu para contar.” O jornalista-historiador diz que 20 guerrilheiros foram presos na caçada final. E foram “feitos”, mortos, pelos militares. As equipes Zebra e Jiboia eram encarregadas da limpeza. A Zebra matou 12 guerrilheiros; a Jiboia, sete (Dina é a mais célebre), nenhum em combate. No teatro da guerra, o militar conhecido como Tio Caco era o Senhor das Mortes.

Uma Equipe Zebra com dois guerrilheiros capturados no Araguaia.
Os "zebras" eram militares e mateiros atuando descaracterizados em missões de contra-guerrilha.


Hugo Studart: o pesquisador prova que militares são poderosos arquivos para se contar a história da Guerrilha do Araguaia.

Studart mostra que os militares, orientados para matar todos os guerrilheiros e não levar prisioneiros para Brasília (ou outra cidade), relutaram a respeito de Áurea Elisa Pereira Valadão. Ela “colaborou”, não era “perigosa”. “Mas, ao final, a KGB do Tio Caco achou por bem mandar cumprir à risca a ordem de não fazer prisioneiros.”

Uma das histórias mais comoventes é a de Telma Regina Cordeiro Corrêa, a Lia. Depois de escapar do Chafurdo de Natal, fugiu para uma região rochosa, onde não havia comida e água. Morreu de fome. Deixou um diário lancinante. Na iminência da morte, reagia e cantava a canção dos guerrilheiros:

“Nada teme, jamais se abate,
a afronta a bala a servir.
Ama a vida, despreza a morte
e vai ao encontro do porvir”.

Poderosos chefões foram presidentes e generais

Depois de relatar a história da guerrilha, Studart faz uma pergunta que não agrada a alguns militares: quem deu a ordem para executar os prisioneiros do Araguaia? “Nem mesmo aqueles que ‘fizeram’ pessoalmente o serviço sabem ao certo, explicam os militares em suas narrativas. Eram ordens vindas de cima, sempre ordens orais, dadas por um chefe no pé do ouvido a um subordinado de confiança, sempre com o subterfúgio do eufemismo do verbo fazer, ‘faz aí’, ‘faz’”, aponta Studart.

Osvaldão: o lendário guerrilheiro do Araguaia.

Os militares do Araguaia tinham liberdade para matar? Tinham, mas não eram autônomos. Studart recorre ao historiador Carlos Fico: “Não se deve confundir independência operacional com autonomia. Os membros dessas equipes [as que matavam os guerrilheiros capturados] não agiam contra a vontade de seus superiores, especialmente os generais. Portanto, não se pode alegar que no Araguaia alguns pequenos grupos militares tenham adquirido ‘autonomia’ e cometido os ‘excessos’ por conta própria, sem que os generais em Brasília, em especial os generais presidentes, tenham qualquer responsabilidade sobre esses atos”. (O texto entre aspas é de Studart, não de Carlos Fico.)

Os chefões então foram o Tio Caco, da Casa Azul, e o tenente-coronel Sérgio Torres? Eram chefes, mas, ressalva Studart, “durante o governo Médici, um chefe de operações dos serviços de inteligência tinha independência quase total para agir — mas não autonomia”. Os chefões eram, pela ordem, os presidentes Emílio Médici e Ernesto Geisel, os ministros do Exército Orlando Geisel e Sylvio Frota, os generais Milton Tavares de Souza e Confúcio de Paula Avelino e o brigadeiro Newton Vassallo de Silva.

Mas quem realmente deu a ordem para liquidar os guerrilheiros? Orlando Geisel disse a Milton Tavares: “Não sai ninguém da área”. Não era uma senha. Era uma ordem para matar. Todos entenderam.

Por que é tão difícil encontrar os corpos dos guerrilheiros? Os militares acenderam fogueiras na Serra das Andorinhas, com pneus, e supostamente queimaram alguns corpos. A versão apurada por Studart: as fogueiras “foram acesas, mas nem sempre haveria corpos sob as chamas. A maior parte dos corpos desenterrados teria desaparecido com ácido, no próprio local da exumação” (portanto, não na Serra das Andorinhas).

Apesar de longo, este texto não chega a ser uma síntese do conteúdo do excelente livro de Studart. Há mais, muito mais, que, sem dúvida, vai reverberar noutros livros e, se for lido com atenção, vai gerar polêmicas nos jornais e revistas. É um tributo à grande história. Sérgio Buarque de Holanda certamente aplaudiria. É provável que a turma mais dinossáurica do PC do B, mesmo com a apresentação de dados fartos sobre a crueldade militar, não aprove. Porque, para os comunistas, a verdade é uma só: a deles. Studart situa, com acerto, a Guerrilha do Araguaia num contexto de rebeliões mundiais, pós-Revolução Cubana de 1959 e mesmo a Chinesa de 1949 (os comunistas do PC do B tiveram a sua fase maoísta — antes de aderir ao socialismo das cabras, o “cabriolismo” albanês).

Dina Teixeira, a borboleta executora

Dina (com o marido Antônio), geóloga baiana: a guerrilheira matou um companheiro friamente.

Uma das histórias mais explosivas do livro de Hugo Studart tem a ver com Dinalva Conceição Oliveira Teixeira, que o imaginário coletivo consagrou como Dina. Única mulher a ter posto de subcomandante, por ser inflexível, dura e corajosa, Dina, ao lado de Osvaldo Orlando Costa, o Osvaldão, é o maior mito da Guerrilha do Araguaia.

Durante anos, o PC do B sustentou que o guerrilheiro Rosalindo Cruz Souza, o Mundico, morreu quando a arma que limpava disparou acidentalmente. A versão tem sido desmentida, mas é no livro de Studart que se tem uma informação mais rica. Eis o relato: “Era um caso banal, adultério; triângulo amoroso entre Rosalindo e o casal de guerrilheiros Arildo Valadão, o Ari, e Áurea Elisa Pereira Valadão, a Áurea. Levado ao Tribunal Revolucionário das Forças Guerrilheiras do Araguaia — este, o nome oficial —, Rosalindo foi acusado de trair a revolução. Cinco companheiros participaram do julgamento, entre eles Dina [e também Osvaldão e André Grabois, o Zé Carlos]. Sete camponeses testemunharam. Amarrado numa árvore, com as mãos nas costas, Rosalindo escutou a acusação. Foi sentenciado a justiçamento por unanimidade dos votos. Quem o executaria?”

Rosalindo de Souza (Mundico): adultério provocou sua execução no Araguaia.

Poderia ser um homem, como o experimentado Osvaldão, mas não foi. Conta Studart: “Dina levantou-se em silêncio e caminhou em direção ao companheiro. Parou a dois metros de distância e apontou o Taurus calibre 38 para o coração de Rosalindo. Ele nada falou, não chorou, não pediu clemência. Apenas encarou Dina nos olhos na hora em que ela apertou o gatilho. Enterraram Rosalindo ali mesmo, num banco de areia a 250 metros da sede do sítio, enrolado numa rede. O corpo jamais foi encontrado. (…) Esses fatos ocorreram a 26 de agosto de 1973”. Infiltrado entre os camponeses, o agente Ivan viu a execução. Convém que o leitor perceba o detalhamento e a segurança das informações.

Em junho de 1974, uma patrulha de guerra do Exército prende a “perigosa” Dina, a mulher que virava borboleta, “numa localidade chamada Pau Preto. Estava em companhia da guerrilheira Luiza Augusta Garlipe, codinome Tuca. [Dina foi presa pelo capitão Curió, que a agarrou, pois queria pegá-la viva.] Levada para interrogatório em Marabá, permaneceu por cerca de duas semanas nas mãos de uma equipe da inteligência militar. Estava fraca, desnutrida, havia quase um ano sem comer sal ou açúcar. Por causa da tensão, fazia seis meses que não menstruava [Studart disse ao Jornal Opção que talvez daí derive a “informação” de que estivesse grávida]. No início de julho, o capitão Sebastião Rodrigues de Moura, codinome Dr. Luchini [Dr. Curió], retirou Dina. Levaram-na de helicóptero para algum ponto da mata espessa, perto de Xambioá. Um sargento do Exército, Joaquim Artur Lopes de Souza, codinome Ivan [uma homenagem inconsciente aos russos?], chefiava a pequena equipe, três homens. (A respeito dos homens-chave do combate à guerrilha, os militares ouvidos por Studart apontam os coronéis Torres, Demarco, Lício e Cerqueira. Marqueteiro, Curió levou a fama.)

“‘Vocês vão me matar agora?’, teria indagado Dina assim que pisou em solo.

“‘Não, mais na frente um pouco. Agora só quero que você reconheça um ponto ali adiante’, teria respondido Ivan.

“O grupo caminhou por cerca de 200 metros mata adentro.

“‘Vou morrer agora?’, perguntou a guerrilheira.

“‘Vai, agora você vai ter que ir’, respondeu Ivan.

“‘Eu quero morrer de frente’, pediu.

“‘Então vira pra cá.’

“Ela virou e encarou o executor nos olhos. Transmitia mais orgulho que medo. Ele se aproximou da guerrilheira, parou a dois metros de distância e lhe estourou o peito com uma bala de pistola calibre 45. O tiro pegou um pouco acima do coração. O impacto jogou Dina para trás. Levou um segundo tiro na cabeça. Foi enterrada ali mesmo”. A morte de Dina é um “retrato” da morte de Mundico.

Lúcia Maria de Souza, a Sônia: “Guerrilheiro não tem nome”

Lúcia Maria de Souza, a Sônia.

O relato da morte de Lúcia Maria de Souza, a Sônia, transformada em heroína pelos próprios militares, ganha textura ampliada no trabalho de Studart. Em 24 de outubro de 1973, o Dr. Asdrúbal [o então major Lício Maciel] lidera patrulha de oito militares que enfrenta e mata Sônia. Ferida, a guerrilheira reage, atira em Asdrúbal e em Luchini-Curió e arrasta-se pela mata. Encontrada pelo suboficial do Exército Javali Solitário, também chamado de J. Peter, e pelo sargento do Exército Cid, tenta levantar a arma. Cid pisa no seu braço e pergunta seu nome. “Guerrilheiro não tem nome”, replica Sônia. Cid retruca: “Nem nome nem vida”. Cid e Javali atiraram com suas metralhadoras. “Ela ficou com mais de 80 furos”, diz Cid.

Sobre a morte de Idalísio Soares Aranha, o Aparício, ocorrida a 13 de julho de 1972, o texto de Studart também é detalhado. Aparício levou “53 tiros de metralhadora, inclusive no rosto, e ainda assim conseguiu escapar pela mata. Foi apanhado dois quilômetros adiante, agonizando no chão, e executado com um tiro na cabeça, de espingarda, uma Winchester calibre 44. O tiro moeu-lhe a cabeça por completo. O corpo do guerrilheiro foi levado numa rede para identificação — ao vê-lo, um major da Aeronáutica teria vomitado abundantemente”.

A história da morte de Osvaldão é bem conhecida, mas Studart apresenta detalhes novos. “Na área de São Geraldo, a equipe encontrou pegadas enormes. Osvaldão calçava 48. As pegadas eram de um solado de pneu. Meses antes Osvaldão havia feito uma sandália com um pneu velho que ganhou de um militar [Ivan] infiltrado entre os moradores. O grupo [militares e o mateiro Arlindo Vieira, o Piauí] caminhou dois dias atrás do rastro. Em determinada hora notaram movimentos no capinzal e pararam. Osvaldão teve azar. Caminhou em direção à patrulha e entrou na clareira com o peito de frente para a espingarda A-12 do mateiro. Arlindo se mostrava apavorado, tremia de medo. Osvaldão foi abatido de braços abertos, enquanto afastava o capim. Urrou de dor. Um militar disparou outro tiro de pistola 45 na cabeça do guerrilheiro já caído no chão.”

Ivan: o agente secreto que enganou Osvaldão e matou Dina.

Dinaelza Santana Coqueiro, a Maria Diná, também é vista como “heroína” pelos militares. O agente Fernando contou a Studart: “Era braba pra cacete, aguentou um pau violento, uns cinco ou seis dias de pau. Aí contou a história dela. Então nossa equipe a levou. Na hora, minha pistola engasgou. Engasgou e não saiu mais bala nenhuma. Ela me olhava com um ódio danado. Não chorou, só me olhou com ódio, um ódio fantástico, ódio, muito ódio. Foi uma merda. Então eu tive de pegar outra arma. Um companheiro chegou perto e me ajudou a fazer o serviço”. Segundo o executor, Maria Diná morreu entre janeiro e fevereiro de 1974.

O guerrilheiro Tobias Pereira Júnior, Josias, preso em dezembro de 1973, decidiu colaborar. “Ficou por quase dois meses colaborando com os militares. Desenhou os mapas da região e ajudou a localizar remanescentes da guerrilha. Chegou até a ensaiar uma amizade com [o agente] Fernando, um dos escalados para os interrogatórios”, anota Studart. Chamado para executá-lo, Fernando refugou e disse para seu chefe: “Se o sr. puder me tirar esse cálice”.

Criméia contesta Zezinho do Araguaia

Michéas-Zezinho do Araguaia: sobrevivente da Guerrilha do Araguaia.

Em 1974, Ângelo Arroyo, o Joaquim, Micheas Gomes de Almeida, o Zezinho, e um terceiro homem, até agora não-identificado, escaparam do cenário da Guerrilha do Araguaia. Como Arroyo morreu, Zezinho é a única fonte que pode identificá-lo. Hugo Studart registra (página 44) que, segundo a ex-guerrilheira Criméia Almeida, mulher de André Grabois, “a história sobre o terceiro homem seria uma criação de Micheas”. “Essa história do terceiro [homem] me parece criação do Zezinho, porque a primeira vez que eu o encontrei, em 1996, ele me disse que o terceiro era o João Amazonas e eu lhe disse que não era porque este estava em São Paulo, então ele mudou a versão dizendo que era um que ele não se lembrava o nome”, relatou Criméia a Studart.

Um historiador, com rigorosa formação acadêmica, contou ao Jornal Opção que o terceiro homem era mesmo João Amazonas. Com a informação, voltei a conversar com Zezinho. O ex-guerrilheiro me disse que não era João Amazonas, e sim um homem mais alto. Uma fonte, que militou no PC do B, sustenta que Zezinho teve de voltar atrás porque João Amazonas, como dirigente máximo do partido durante vários anos, “não pode” ficar na história como “desertor”, como tendo abandonado seus companheiros à morte. Zezinho calou-se, ou melhor, mudou sua história. Seria a omertà comunista?

Há também informações sobre o guerrilheiro goiano Divino Ferreira de Souza, o Nunes.

Nota

¹ Em 2018, Hugo Studart lançou o livro “Borboletas e Lobisomens — Vidas, Sonhos e Mortes dos Guerrilheiros do Araguaia” (Francisco Alves, 658 páginas), produto de tese de doutorado apresentada na Universidade de Brasília (UnB).

Leitura recomendada:

LIVRO: Borboletas e Lobisomens, 17 de janeiro de 2022.