Mostrando postagens com marcador Estratégia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Estratégia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 31 de março de 2022

Mais gastos sozinhos não resolverão o maior problema do Pentágono

O presidente dos EUA Joe Biden (D) e o presidente polonês Andrzej Duda (E) passam em revista uma guarda de honra militar durante uma cerimônia oficial de boas-vindas antes de uma reunião em Varsóvia em 26 de março de 2022. (Brendan SMIALOWSKI-AFP)

Por Elbridge A. Colby, TIME Magazine, 28 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 31 de março de 2022.

A abominável invasão da Ucrânia pela Rússia levou a um aumento no apoio a um maior orçamento de defesa dos EUA. Isso é bom. Para que os EUA subscrevam com credibilidade uma estratégia de segurança nacional sensata em uma era de rivalidade entre grandes potências, a nação precisa gastar mais em suas forças armadas.

Algumas vozes proeminentes estão indo além de apenas pressionar por mais gastos em defesa, argumentando que os EUA podem e, portanto, devem adotar novamente uma abordagem de domínio militar global, com forças armadas capazes de derrotar simultaneamente até mesmo nossos adversários mais poderosos. Isso é semelhante à política que os EUA seguiram na década de 1990, após o colapso da União Soviética.

Embora sejam necessários maiores gastos com defesa, isso não nos aliviará da necessidade de uma estratégia clara, porque mesmo aumentos significativos não serão suficientes para restaurar o domínio militar global que desfrutamos em uma era sem grandes rivais. Essa necessidade é ainda mais pronunciada, pois a proposta de orçamento de defesa que o governo Biden acaba de lançar marca apenas um aumento nominal de 4% – ou seja, sem contar a inflação – em relação ao total promulgado no ano passado. Em vez disso, precisamos contar com a versão militar do que os economistas chamam de “escassez” e priorizar de acordo, focando na China como nosso principal desafio.

A escassez militar que enfrentamos agora é mais aguda e conseqüente em nossa capacidade de travar grandes guerras com a China e a Rússia em prazos semelhantes. Na prática, faltam-nos capacidades-chave suficientes – como bombardeiros penetrantes, submarinos de ataque, munições avançadas e as plataformas de reconhecimento certas – para derrotá-los ao mesmo tempo. Há sérias dúvidas se temos o suficiente de algumas dessas capacidades-chave até mesmo para vencer uma delas, especialmente a China sobre, por exemplo, Taiwan. E o fato de que teríamos que planejar que qualquer guerra desse tipo com a China ou a Rússia pudesse muito bem chegar ao nível nuclear apenas exacerbaria esses desafios. Isso significa que, se entrarmos em guerra com um, não podemos esperar razoavelmente vencer o outro até que regeneremos e reposicionemos nossas forças.

Esse problema é mais apontado pelo aprofundamento da entente sino-russa, que sugere que esses dois poderes serão mais propensos a coordenar seus ataques para capitalizar nossas deficiências. Ao mesmo tempo, enfrentamos outras ameaças da Coreia do Norte, Irã, terroristas transnacionais e possivelmente outros – e eles também podem tentar tirar vantagem de nossas vulnerabilidades.

Em sua raiz, a razão para a escassez que enfrentamos é a ascensão da China, uma economia agora aproximadamente do tamanho da nossa que continua a aumentar substancialmente os gastos com defesa. Apenas neste mês, Pequim anunciou que aumentaria seu orçamento militar em 7% - mais uma vez. Os gastos de Pequim são predominantemente focados na Ásia, enquanto os nossos estão espalhados. Além disso, as tabulações padrão dos gastos militares da China são quase certamente subcontadas. Mesmo assim, os gastos da China com suas forças armadas são relativamente baixos, segundo os padrões históricos, para uma grande potência, sugerindo que Pequim poderia aumentá-los ainda mais e possivelmente fazê-lo com relativa rapidez. Essa perspectiva não deve nos impedir de aumentar os gastos com defesa, mas devemos ter em mente que estamos lidando com uma economia que pode ser capaz de igualar ou mesmo exceder o aumento dos investimentos dos EUA em forças para a Ásia.

Mas a ascensão da China não é a única razão pela qual os aumentos da defesa não nos aliviarão da necessidade de uma estratégia real.

Em primeiro lugar, serão necessários aumentos significativos nos gastos com defesa apenas para nos mantermos à frente dos geradores de custos orgânicos em nossas forças armadas. As pressões de custos ascendentes são um produto de uma série de fatores, incluindo o aumento das despesas com pessoal, a necessidade de manter e recapitalizar plataformas antigas de décadas e decisões anteriores de adiar a modernização. Consequentemente, vozes proeminentes e credíveis afirmaram que o Departamento de Defesa precisa de pelo menos 3-5% de crescimento acima da inflação - que, é claro, aumentou substancialmente nos últimos meses - para fornecer recursos até mesmo à Estratégia Nacional de Defesa de 2018, que exigia uma priorização acentuada acima de tudo para o desafio da China. Isso, juntamente com o crescimento militar galopante da China, sugere fortemente que muito acima de 5% de crescimento real seria necessário para fazer mais do que o estabelecido na Estratégia de 2018, quanto mais buscar o domínio militar global.

Em segundo lugar, o aumento da defesa levará tempo para dar frutos. Navios, aeronaves e até munições podem levar anos para serem produzidos. E nossa base industrial de defesa não é mais o que era; a inconsistência e a incerteza no orçamento, bem como a perda de capacidade de fabricação doméstica e perda de talentos de engenharia, enfraqueceram a base industrial dos Estados Unidos. Como resultado, podemos construir no máximo três submarinos por ano. Mesmo algumas munições podem levar anos para serem construídas. Como resultado, levará tempo para a indústria de defesa dos EUA reiniciar ou expandir as linhas de produção, mesmo com maiores gastos. Isso significa que será muito difícil perseguir uma estratégia muito mais ambiciosa por muitos anos, se não mais.

Terceiro, mesmo que gastemos mais, a história sugere que há uma boa chance de que muitos desses gastos sejam alocados de forma ineficiente. As deficiências que precisamos resolver para manter nossa capacidade de deter, não menos derrotar, a agressão por nossos adversários mais poderosos são especialmente em nossas forças aéreas, espaciais e navais. Temos poucos bombardeiros penetrantes, submarinos de ataque, munições avançadas, defesa aérea e plataformas de reconhecimento, e fizemos muito pouco para tornar nossas forças no Pacífico Ocidental mais resistentes e eficazes. Se houver aumentos nos gastos, mas grande parte do dinheiro novo for usado para comprar mais tanques, navios de superfície vulneráveis e aeronaves caras de curto alcance, esses aumentos não ajudarão muito a abordar a China, nem menos vários adversários ao mesmo tempo.

Quarto, precisamos gastar uma fração maior de nosso orçamento de defesa para lidar com a China na Ásia, limitando nossa capacidade de buscar domínio em outros teatros. Isso ocorre porque devemos gastar mais do que apenas um mínimo plausível na China, particularmente garantindo que nossas forças sejam capazes de prevalecer no “cenário de ritmo” do Pentágono – Taiwan. As apostas de uma guerra na região mais importante do mundo entre as duas superpotências do globo são muito grandes e a incerteza de como uma guerra de grandes potências se desenrolaria muito profunda.

Consequentemente, devemos gastar o suficiente para lidar com a China para estarmos muito confiantes de que poderíamos negar com sucesso a Pequim a capacidade de subordinar um aliado dos EUA ou Taiwan. Em termos práticos, isso significa que devemos nos proteger construindo tanto capacidades de ataque de longo alcance menos vulneráveis à preempção chinesa quanto forças resilientes desdobradas para frente, não apenas para construir redundância em nossos planos, mas também para impor dilemas ao planejamento de Pequim e galvanizar os esforços aliados. O resultado disso é que uma parcela maior de qualquer aumento nos gastos com defesa deve ir para a Ásia do que muitos imaginam, restringindo nossa capacidade de buscar o domínio de vários teatros.

Quinto, também precisamos reconhecer que não há caminhos fáceis para restaurar o domínio militar global. A realidade é que os investimentos militares no ambiente de hoje são menos polivalentes ou fungíveis do que alguns afirmam. Fundamentalmente, não estamos nos preparando para, digamos, guerras simultâneas contra o Iraque e a Coréia do Norte nos anos 1990, sobre os quais nossas forças armadas dominariam, balançando forças como bombardeiros, navios-tanque e porta-aviões conforme necessário entre os conflitos para resolver quaisquer deficiências que possam surgir. Em vez disso, estamos lidando com grandes potências. Nesse contexto, nossos investimentos militares são muito mais frequentemente de soma zero – eles compensam uns com os outros.

Isto é parcialmente devido ao atrito provável. Se quisermos ser prudentes no planejamento de uma guerra com a China ou a Rússia, devemos supor que nossas forças sofreriam perdas significativas, inclusive nas principais capacidades de vencer a guerra necessárias para prevalecer e onde nossa escassez é mais aguda. Sistemas vitais como bombardeiros furtivos B-2, submarinos de ataque, satélites e possivelmente até porta-aviões seriam perdidos e munições críticas como mísseis anti-navio de longo alcance e mísseis lançados por ar de ataque terrestre seriam gastos em números consideráveis. Essas perdas, se não tivéssemos estoques adequados de substitutos, nos tornariam altamente vulneráveis em um segundo – e muito menos em terceiro – teatro, possivelmente por anos, dados os prazos necessários para reabastecer essas forças.

É também porque mesmo as forças que sobrevivem têm maior probabilidade de serem fixadas em uma determinada região ou para um conflito específico, limitando sua flexibilidade. Isso está na raiz porque uma guerra com a China ou a Rússia seria um assunto muito diferente do que, digamos, derrotar as forças armadas iraquianas em 2003. Lutar contra uma grande potência quase certamente seria muito mais difícil e levaria um tempo consideravelmente mais longo em suas fases críticas – muito mais uma questão de um trabalho árduo simplesmente para prevalecer na disputa militar convencional do que uma campanha rápida de choque e pavor (shock and awe). Em tal contexto, não gostaríamos de ter que remover forças críticas de uma luta inacabada para lidar com outro conflito. Esta é uma dinâmica muito real: a Alemanha decidiu retirar forças da Frente Ocidental no verão de 1914 para lidar com a Rússia, e isso pode ter feito a diferença entre a vitória e o impasse – na verdade, em última análise, a derrota da Alemanha.

Além disso, forças como submarinos de ataque e embarcações de superfície podem não ser fisicamente capazes de fazer a transição entre os teatros nos prazos relevantes. Se lutas críticas acontecerem em prazos simultâneos, como foi o caso em 1914 e novamente na Segunda Guerra Mundial, os sistemas-chave podem não ser capazes de se mover rápido o suficiente entre os teatros. E o trânsito de quaisquer forças pode ser inibido pelas ações de nossos oponentes, limitando ainda mais nossa capacidade de alterná-los entre os teatros. O resultado disso é que, para podermos lutar duas grandes guerras de poder simultâneas, precisaríamos comprar muito mais do que apenas um conjunto de grandes capacidades para vencer a guerra. Isso significa que uma despesa muito maior é necessária para lidar com o potencial de conflitos simultâneos com a China e a Rússia, sem falar em outras ameaças como Irã e Coréia do Norte.

Juntos, esses fatores significam que não podemos esperar apenas gastar nosso caminho de volta ao domínio militar global. E isso sem mencionar a questão iminente de se os americanos, independentemente dos méritos estratégicos de tais gastos, apoiariam gastos muito mais altos nas forças armadas, ou se aumentos maciços são aconselháveis à luz de nossa situação macroeconômica.

À luz dessas razões, a nação exige uma estratégia, uma priorização clara de onde colocamos nosso dinheiro, esforço e vontade. Nossa estratégia deve priorizar a capacidade de negar à China, de longe nosso maior desafio, a capacidade de subordinar Taiwan ou outro aliado dos EUA na Ásia, ao mesmo tempo em que nos permite modernizar nossa dissuasão nuclear e sustentar nossos esforços de contraterrorismo. Simultaneamente, devemos assegurar a capacidade de contribuir materialmente de uma forma mais limitada para uma defesa eficaz da OTAN na Europa contra a Rússia, mesmo que os nossos aliados europeus assumam a responsabilidade primária pela sua própria defesa convencional.

Alguns podem argumentar que o desempenho aparentemente ruim da Rússia na Ucrânia sugere que ela não representa uma ameaça militar e, portanto, que o domínio militar global é uma meta razoável. Isso é infundado. Primeiro, devemos ser cautelosos ao prever o fim da Rússia; mesmo que seja embotado na Ucrânia, a história sugere que devemos supor que a Rússia investirá na restauração de seu poder militar. Além disso, é provável que a Rússia lute contra os EUA e a OTAN de uma maneira diferente da que lutou contra a Ucrânia. Não devemos desconsiderar a ameaça militar russa. Mais fundamentalmente, porém, se a ameaça militar da Rússia for menor do que pensávamos e provavelmente diminuirá pelo menos por vários anos, à medida que recapitalizar suas forças armadas, é ainda mais prudente priorizar a China na Ásia. Enquanto isso, a Europa está finalmente se preparando para se armar, tornando um papel europeu muito maior na defesa da OTAN um objetivo mais atingível. Assim, embora priorizar a Ásia faça sentido mesmo em circunstâncias mais terríveis, agora podemos fazê-lo com mais confiança.

Gastar mais em defesa é o caminho certo para o país. Mas não devemos nos iludir: não será uma panacéia. O fato é que não podemos simplesmente sobrecarregar a gama de ameaças que enfrentamos com recursos adicionais. Nessa situação, precisamos de uma estratégia clara que priorize a China e precisamos implementá-la.

quinta-feira, 17 de março de 2022

A Importância do Nível Estratégico: a Alemanha na Segunda Guerra Mundial


Por Lorris Beverelli, The Strategy Bridge, 7 de abril de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de março de 2022.

Introdução

É amplamente aceito que existem três níveis de guerra. Do geral ao local, são os níveis estratégico, operacional e tático. Estratégia, definida de forma simples, é o alinhamento de meios e formas para atingir um fim político. Estratégia é obter sucesso na guerra por meio de uma teoria de vitória claramente definida. Cada nível de guerra é essencial para obter esse sucesso e todos são igualmente importantes.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ilustra por que o nível estratégico é essencial. Este artigo detalhará alguns dos erros estratégicos que a Alemanha cometeu durante o conflito para ilustrar como a falta de uma boa estratégia contribuiu decisivamente para a ruína do Terceiro Reich.

Ideologia e estratégia, ou ideologia acima da estratégia

A ideologia pode impactar fortemente a estratégia. Embora a ideologia não seja necessariamente prejudicial à estratégia em si mesma, ela pode levar a decisões e situações perigosas. De fato, a ideologia deve ser equilibrada com avaliações objetivas e racionais sobre a própria situação e forças, juntamente com as do adversário – estratégica, operacional e taticamente – para não prejudicar a arte estratégica. O Terceiro Reich não conseguiu alcançar esse equilíbrio.

Indiscutivelmente, a principal falha da estratégia alemã na Segunda Guerra Mundial foi que ela se baseou fortemente na ideologia e negligenciou elementos objetivos que poderiam ter ajudado a avaliar melhor a situação geral. De fato, a ideologia atormentava a estratégia na medida em que os alemães buscavam atingir objetivos extremamente difíceis e que o processo decisório era fortemente afetado por ela.

Abert Speer e Adolph Hitler.
(Ullstein Bild/Getty)

O pensamento estratégico alemão nesse conflito, encarnado principalmente por Adolf Hitler, levou a uma estratégia de apocalipse na qual a Alemanha era guiada pelo nazismo e travada em uma luta mortal com seus inimigos – em particular a União Soviética. A guerra não era mais uma ferramenta política tradicional; como retransmite Michael Geyer: “A guerra nacional-socialista estabeleceu e manteve a ordem em uma expansão ilimitada da violência... A estratégia não era mais instrumental, mas era ideológica em sua direção e oportunista em seus métodos.”[1]

Por causa de sua ideologia, a Alemanha travou o que Geyer chamou de guerra apocalíptica. Seus objetivos eram extremos e não o produto de qualquer tipo de análise objetiva.[2] Em vez disso, a estratégia da Alemanha resultou parcialmente de uma ideologia que favorece uma visão do mundo influenciada pela competição racial.[3] A estratégia para atingir tais objetivos tendia a basear-se mais na inspiração do que no cálculo geopolítico.[4] De fato, as conquistas do Terceiro Reich foram em parte baseadas em uma construção, chamada “necessidade histórica de luta por território e recursos entre diferentes raças e culturas”.

As políticas de Hitler, consequentemente, não foram guiadas por nenhum tipo de método sólido ou princípio de estratégia.[6] Em vez disso, eles foram afligidos pelo “racialismo auto-iludido”. A Barbarossa – a invasão da União Soviética em 22 de junho de 1941 – foi parcialmente o produto de considerações estratégicas clássicas, mas de acordo com Richard Overy “sua lógica [estava] em última análise, na luta eterna entre civilização e barbárie, cultura e primitivismo, [então] expressas respectivamente pelo nacional-socialismo e pelo bolchevismo.”[9]

General Heinz Guderian, um dos mais proeminentes praticantes da “Blitzkrieg”, em Bouillon, Bélgica, durante as ofensivas alemãs na Europa Ocidental em 12 de maio de 1940.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

O período que melhor ilustra como a ideologia nazista perverteu sua estratégia pode ser 1944-1945. Embora a derrota alemã fosse provavelmente previsível em 1944 e quase certa em 1945, o Terceiro Reich “se apegou ao seu conceito original de guerra apocalíptica”.[10] Em vez de se render para preservar o povo alemão, Hitler preferiu continuar lutando. Essa decisão fez ainda menos sentido estratégico, pois já em janeiro de 1942 ele havia declarado que se o povo alemão não pudesse vencer a guerra, então ela deveria desaparecer.[11] Em 19 de março de 1945, ainda obstinadamente recusando-se a admitir a derrota, ele emitiu sua “Ordem Nero” para destruir qualquer coisa que pudesse ser usada pelo inimigo.[12] De acordo com Albert Speer, Hitler então não se importava mais com o futuro do povo alemão; eles perderam e mostraram sua inferioridade ao inimigo.[13]

Isso mostra que o Reich não pensava como um governo tradicional preocupado principalmente com a preservação ou sobrevivência de seu país ou regime. Muito pelo contrário, Hitler considerou que a derrota alemã seria redentora e purificadora.[14]

Deixar de escolher o caminho certo para atender aos fins procurados

Destruir as forças armadas inimigas não garante a vitória

Outro problema de dogmatismo é como as forças armadas alemãs buscaram predominantemente destruir seus inimigos no campo de batalha, mas a liderança alemã foi incapaz de transformar vitórias táticas e destreza operacional em sucesso estratégico. Já em 1937-1938, o Chefe do Estado-Maior General Ludwig Beck repetidamente criticou os oficiais mais jovens por simplesmente maximizarem o uso de armas, e reclamou de sua aparente falta de integração das operações dentro de uma estratégia maior.[15]

General Ludwig Beck.
(German Federal Archives/Wikimedia)

De fato, o modo de guerra alemão na Segunda Guerra Mundial era semelhante ao usado no conflito anterior, que incluía o conceito de Gesamtschlacht (batalha total ou completa). Herdado de Alfred von Schlieffen antes de 1914, o Gesamtschlacht procurou combinar vários campos de batalha e engajamentos em uma operação integral para criar uma batalha final e decisiva.[16] Os alemães consideravam a guerra como uma sequência estratégica única de aniquilação (Vernichtungsstrategie, estratégia de aniquilação) compreendendo três fases: mobilização, desdobramento e Gesamtschlacht.[17] Este processo visava criar um envelopamento do inimigo antes de destruí-lo ou fazê-lo render-se, e fazê-lo para cada inimigo da Alemanha até que a vitória fosse alcançada.[18]

Consequentemente, a manobra estratégica dependia de resultados táticos. Portanto, se a Alemanha não obtivesse a vitória pela mera destruição do poder militar do inimigo, a única opção estratégica seria então ficar na defensiva, porque os alemães não podiam ou não conceberiam nada diferente.[19]

Naturalmente, a Alemanha ainda poderia obter sucessos estratégicos, na Europa em 1939, 1940 e 1941, antes da invasão da União Soviética, por exemplo. Mas esses sucessos foram possíveis em parte porque os alemães não só foram capazes de usar seu método preferido - destruir grandes partes das forças armadas inimigas - mas também porque tinham a capacidade de ocupar países inteiros. No entanto, quando esses dois elementos eram difíceis de realizar, o modo de guerra alemão tinha dificuldades em transformar sucessos táticos em efeito estratégico.

As lutas contra o Reino Unido e os Estados Unidos, mas principalmente contra a União Soviética, demonstram isso. De fato, Blitzkrieg e Gesamtschlacht não eram boas maneiras de derrotar inimigos que gozavam de vantagens geográficas impedindo a ocupação total – nestes casos, uma ilha, o Oceano Atlântico e imensa profundidade estratégica – e que tinham a vontade de continuar lutando apesar das derrotas iniciais e até esmagadoras.[20]

A falha em reconhecer que essa estrutura não era necessariamente apropriada contra o Reino Unido, os Estados Unidos e a União Soviética foi um erro estratégico. Os estrategistas alemães não conseguiram conceber uma maneira de derrotar seus inimigos a não ser derrotando grandes partes de suas forças armadas e ocupando todo o país se eles se recusassem a se render. Os alemães falharam em reconhecer que o mero acúmulo de sucessos táticos e destreza operacional não necessariamente se traduziria em efeito estratégico.[21]

A doutrina deve ser adaptada ao ambiente

O segundo elemento desse erro estratégico é que o Reich usou suas forças armadas da mesma maneira, independentemente do ambiente em que lutou. Em certo sentido, a Alemanha cometeu o mesmo erro de Napoleão: confiou em uma doutrina e meios que funcionavam melhor em teatros muito menores, com bons recursos logísticos, boas redes rodoviárias e clima temperado. A mera mudança de escala entre os teatros europeus ocidentais e orientais teve um impacto significativo na condução das operações e deveria ter afetado o planejamento estratégico alemão antes do início da Barbarossa.[22]

Tropas alemãs lutando na “rasputitsa” russa, março de 1942.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

De fato, a vastidão da União Soviética por si só significava que as formas operacionais alemãs não podiam necessariamente ser adaptadas. Em 1939 e 1940, havia aproximadamente 400 quilômetros da fronteira alemã até Varsóvia e 300 quilômetros da fronteira alemã até Paris. Em 1941, havia cerca de 1.000 quilômetros da fronteira polonesa controlada pelos alemães até Moscou; a distância mais que dobrou ou triplicou, em comparação com as campanhas polonesas e francesas.

Inadequações operacionais, erros estratégicos

Embora esses elementos denotem erros que se manifestaram no nível operacional da guerra, eles revelam um grave erro estratégico subjacente. A Alemanha não conseguiu perceber que sua doutrina operacional não estava necessariamente adaptada para atingir seus objetivos estratégicos e não conseguiu adaptá-la ao contexto. Nesse sentido, o caminho não foi adaptado ao fim, e a estratégia consiste em encontrar os meios e formas adequados para cumprir os fins.

Não aprender com a história

Uma falha estratégica de longa data é a incapacidade de aprender com os erros do passado. No final, a Alemanha cometeu erros semelhantes aos que cometeu na França em 1918, acreditando que o mero acúmulo de vitórias táticas garantiria o sucesso estratégico.[23] Tal pensamento realmente funcionou no início da guerra, quando os inimigos da Alemanha não tinham a iniciativa, seu território era pequeno o suficiente para ser totalmente ocupado, eles ainda não haviam mobilizado totalmente sua indústria e quando as táticas alemãs eram esmagadoramente melhores que as deles.

A Segunda Guerra Mundial na Europa.
(Wikimedia)

O segundo grande fracasso diz respeito às coalizões. A Alemanha perdeu a Primeira Guerra Mundial, em parte, porque enfrentou uma aliança forte, bem coordenada e eficaz, apoiada por maiores recursos agregados e uma base industrial mais eficiente com maior mão-de-obra.[24] O Terceiro Reich perdeu a Segunda Guerra Mundial, em grande parte, porque se recusou a reconhecer exatamente o mesmo. De fato, em vez de ficar em guerra apenas com o Reino Unido e tentar manter o status quo ou acabar com ele antes de prosseguir com sua expansão, a Alemanha, em apenas seis meses, declarou guerra a dois Estados, ambos com indústrias poderosas, populações maiores e uma razão plausível para alinhar em causa comum. Apesar dessas considerações estratégicas, a União Soviética tinha uma imensa profundidade estratégica enquanto os Estados Unidos tinham o Oceano Atlântico, colocando ambos efetivamente fora do alcance alemão sob o princípio do Gesamtschlacht.

A falta de boas estratégias industriais e econômicas

Os principais líderes da aliança contra as potências do Eixo na Conferência de Teerã, 28 de novembro de 1943. Da esquerda para a direita: Joseph Stalin, Franklin D. Roosevelt, Winston Churchill.
(U.S. Signal Corps/Wikimedia)

Finalmente, outro erro estratégico diz respeito à indústria e economia alemãs. A Alemanha não conseguiu criar estratégias industriais e econômicas eficazes para apoiar suas ambições militares. Esse erro encontra parcialmente sua origem na estrutura política construída por Hitler. Seu poder repousava em equilíbrios complexos e alianças políticas frágeis entre dignitários nazistas, líderes militares e círculos empresariais.[25] Dessa forma, Hitler conseguiu consolidar seu poder, mas ao preço de um atrito considerável.[26] Consequentemente, os dignitários alemães estavam trabalhando independentemente uns dos outros sem ter uma visão geral da situação geral, que só Hitler tinha.[27] Portanto, o setor civil estava fragmentado, o que dificultou a mobilização e coordenação da indústria.[28]

Tal fragmentação foi ilustrada pelo fato de que vários líderes nazistas estavam administrando impérios industriais.[29] Por exemplo, Heinrich Himmler, o chefe da Schutzstaffel (SS), criou sua própria economia SS e se opôs a um processo centralizado de tomada de decisão econômica e industrial.[30] Por causa de tais tensões e do fato de que o Estado nazista impedia a existência de qualquer tipo de contra-poder, os esforços daqueles que tentaram organizar melhor o esforço de guerra alemão, como Albert Speer, foram impedidos.[31] Essa fragmentação piorou o distúrbio e as ineficiências pré-existentes.[32]

O Ministro de Armamentos e Produção de Guerra Albert Speer (à direita, usando uma braçadeira nazista) e o Marechal de Campo e Inspetor Geral do Ar Erhard Milch (no meio) observam a demonstração de um novo tipo de munição, outubro de 1943.
(Das Bundesarchiv/Wikimedia)

Outros problemas também existiam. Por exemplo, os esforços de pesquisa e desenvolvimento tecnológico foram desorganizados e não foram priorizados com base na necessidade ou natureza do projeto.[33] Isso se deveu em parte à doutrina militar alemã, que buscava batalhas decisivas e planejava alcançar a vitória combinando habilidade tática e desempenho de armas. Consequentemente, os alemães tendiam a procurar desempenho absoluto em armas, em vez de um desempenho que fosse bom o suficiente para a tarefa que deveriam realizar.[34] Tal método, combinado com a falta de mão-de-obra qualificada, longos períodos de produção e, em particular, falta de matérias-primas, revelou-se ineficaz e contraproducente.[35]

Consequentemente, a Alemanha não foi capaz de conceber estratégias industriais e econômicas adequadas. Isso teve um impacto necessário e negativo na condução da guerra, especialmente porque os inimigos do Reich possuíam economias relativamente mais eficientes e indústrias mobilizadas.[36]

Na guerra, uma boa estratégia é uma necessidade constante

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial ensina que uma boa estratégia é essencial para vencer guerras. O Reich ignorou vários princípios de estratégia que levaram à sua ruína. Tais princípios são simples e talvez até óbvios, mas esquecê-los ou ignorá-los como a Alemanha fez pode ter consequências desastrosas.

A Alemanha ignorou o fato de que a política e a estratégia quase sempre devem ser “um pouco flexíveis e adaptáveis às mudanças nas circunstâncias do contexto”. Como Colin S. Gray afirma, “políticas e estratégias suficientemente boas devem sempre ser ‘trabalho em andamento’, pelo menos em algum grau modesto.”[37] De fato, a Alemanha não conseguiu se adaptar, principalmente quando enfrentou a União Soviética. Ignorou o princípio Clausewitziano de que a guerra é, por essência, dialética; o inimigo tem uma palavra a dizer sobre o assunto, e enquanto eles se recusam a admitir a derrota, mesmo que pareça inevitável, é improvável que as vitórias táticas se traduzam por si só em sucesso estratégico.[38] Por causa de sua estratégia ideológica e apocalíptica, o Terceiro Reich recusou-se a reconsiderar seus objetivos estratégicos e os meios utilizados para atingir os fins almejados. Isso ficou evidente em relação à União Soviética, quando a Alemanha deveria ter percebido que sua arte operacional não seria capaz de atingir seus fins estratégicos. Nesse sentido, a estratégia alemã era inflexível.

Às vezes, a Alemanha também escolheu o caminho errado para alcançar os fins desejados. De fato, a estratégia requer prestar “a máxima atenção... à viabilidade material das operações escolhidas”.[39] O Terceiro Reich frequentemente falhou em fazê-lo. Além disso, a Alemanha não sabia como se adaptar para alcançar vitórias estratégicas se sua principal forma de fazê-lo – destruir o poder militar inimigo via aniquilação – se mostrasse inadequada ou impossível. Além disso, a excelência tática e a destreza operacional devem ser direcionadas por meio de uma estratégia realista. O que importa em última análise são as consequências políticas das batalhas forjadas pela arte operacional, em vez de seu resultado material e tático imediato.[40]

Soldados da FEB posando com prisioneiros alemães.
(Fundo Agência Nacional/Wikimedia)

Este estudo de caso mostra que a estratégia também deve observar a história e aprender com ela. Como mostrado, o Terceiro Reich falhou em fazê-lo. Além disso, este caso ilustra que a estratégia não é apenas estratégia militar. Deve incluir várias outras ferramentas – economia e diplomacia no mínimo – para maximizar as chances de alcançar o(s) objetivo(s) político(s) desejado(s). Além disso, essas ferramentas se reforçam mutuamente. A Alemanha sobre-privilegiou a estratégia militar e negligenciou as estratégias industrial e econômica.

A Alemanha na Segunda Guerra Mundial mostra que uma estratégia orientadora com uma teoria clara de vitória emoldurada por objetivos políticos realistas é uma necessidade constante e inegociável na guerra. Independentemente do caráter da guerra, a estratégia sempre será essencial para alcançar o resultado desejado. Hoje em dia, a falta de uma boa estratégia pode refletir a imagem das democracias ocidentais que falham em alcançar objetivos significativos em conflitos não-convencionais no exterior. No entanto, não se deve esquecer que isso também se aplica a conflitos convencionais entre Estados que operam exércitos inteiros, incluindo guerras totais. A estratégia de contagem de corpos falhou no Vietnã, mas também falhou na frente oriental alemã na Segunda Guerra Mundial.

Conclusão

O Terceiro Reich era excelente em táticas e provavelmente, do ponto de vista operacional, era pelo menos adequado em geral. Afinal, a Alemanha obteve vitórias impressionantes na Polônia, Dinamarca, Noruega, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França, Iugoslávia e Grécia. Nesses casos, a arte operacional alemã conseguiu alcançar efeitos estratégicos. Os ambientes e contextos locais foram bons para sua preferência pela aniquilação.

No entanto, quando a principal via operacional não era adequada para atender aos seus fins estratégicos – ou seja, quando os contextos geográficos e industriais não permitiam a destruição ou ocupação total e seus inimigos resolvidos e capazes de continuar lutando apesar das derrotas iniciais – a Alemanha atolou e foi incapaz de inovar. Reconhecendo os pontos fortes e fracos de sua própria preferência estratégica, a escolha por variantes de certas formas de arte operacional pertence ao domínio estratégico. A estratégia alemã deveria ter levado isso em consideração e perceber que, quando o contexto local estivesse certo, a Blitzkrieg poderia valer a pena; mas se não fosse, alcançar objetivos estratégicos poderia ser muito mais difícil com a adesão obstinada aos mesmos.

Ao olhar para os diferentes níveis de guerra alemães, o que mais condenou a Alemanha foi sua estratégia inspirada na ideologia, apocalíptica e irrealista. A estratégia falha do Terceiro Reich o levou a declarar guerra tanto à União Soviética quanto aos Estados Unidos; deixar de reconhecer que suas formas operacionais não foram necessariamente adequadas para atingir seus fins estratégicos; teimosamente se recusa a capitular quando a derrota era mais provável; e prefere a destruição total à derrota limitada.

Lorris Beverelli é um cidadão francês que possui um Master of Arts em Estudos de Segurança com concentração em Operações Militares pela Universidade de Georgetown.

Notas

[1] Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986), 583-84.

[2] Ibid., 573.

[3] Ibid., 582.

[4] Ibid., 583.

[5] Richard Overy, The Origins of the Second World War, Fourth edition, Abingdon, New York: Routledge, 2017, 40.

[6] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 583.

[7] Overy, The Origins, 94.

[8]  Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 575.

[9] Overy, The Origins, 41, 88; Peter Longerich, Hitler, trans. Tilman Chazal, Caroline Lee, Caroline Lelong e Valentine Morizot, trans. ed. Raymond Clarinard, Éditions Héloïse d’Ormesson, 2017, 701, 721 (traduzido em inglês sob o título Hitler: A Biography e publicado pela Oxford University Press em 2019).

[10] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 574.

[11] Andrew Roberts, Leadership in War: Essential Lessons from Those Who Made History, New York: Viking, 2019, 89.

[12] Longerich, Hitler, 750; Claude Quétel, La Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2015, 237.

[13] Longerich, Hitler, 750.

[14] Richard Overy, Why the Allies Won, New York: W.W. Norton & Company, 1996, 315; Longerich, Hitler, 945-46.

[15] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 571, 572.

[16] Benoist Bihan, “L’Allemagne a perdu la guerre à cause d’Hitler,” in Les mythes de la Seconde Guerre mondiale, ed. Jean Lopez e Olivier Wieviorka (Paris: Perrin, 2015), 385; Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 532.

[17] Bihan, “L’Allemagne,” 385. Para saber mais sobre tais conceitos, veja, por exemplo, Michael Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” in Makers of Modern Strategy: from Machiavelli to the Nuclear Age, ed. Peter Paret (Princeton: Princeton University Press, 1986); Terence Zuber, Inventing the Schlieffen Plan: German War Planning 1871-1914, Oxford: Oxford University Press, 2002. 

[18] Ibid.

[19] Ibid., 386.

[20]  Observe que o termo “blitzkrieg” é usado aqui para fins de simplicidade e clareza. Esta palavra é mais um termo construído para designar a maneira geral como os alemães estavam atacando na Segunda Guerra Mundial, em vez de uma doutrina oficial bem definida. Por exemplo, ver Karl-Heinz Frieser, trans. ed. John T. Greenwood, The Blitzkrieg Legend: The 1940 Campaign in the West, Annapolis: Naval Institute Press, 2005.

[21] Geyer, “German Strategy in the Age of Machine Warfare, 1914-1945,” 591.

[22] Martin Motte, Georges-Henri Soutou, Jérôme de Lespinois e Olivier Zajec, La mesure de la force : Traité de stratégie de l’École de guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018, 256-57.

[23] Geyer, “German Strategy,” 591.

24] Ver por exemplo, William Philpott, War of Attrition: Fighting the First World War, New York: The Overlook Press, 2014; Michel Goya, Les vainqueurs : Comment la France a gagné la Grande Guerre, Paris: Éditions Tallandier, 2018.

[25] Bihan, “L’Allemagne,” 381. Para uma ilustração de tais relacionamentos, veja Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44 (traduzido em inglês sob o título World War II Infographics e publicado pela Thames & Hudson em 2019).

[26] Jean Lopez (editor), Nicolas Aubin, Vincent Bernard, Nicolas Guillerat, Infographie de la Seconde Guerre mondiale, Paris: Perrin, 2018, 44.

[27] Ibid.

[28] Bihan, “L’Allemagne,” 381.

[29] Benoist Bihan compara esta estrutura a fidelidades medievais, daí a palavra “lords” aqui.

[30] Quétel, La Seconde Guerre mondiale, 237.

[31] Ibid.; Bihan, “L’Allemagne,” 384.

[32] Bihan, “L’Allemagne,” 382.

[33] Ibid.

[34] Ibid., 383.

[35] Ibid., 384.

[36] Ibid., 382.

[37] Colin S. Gray, Strategy and Politics, New York: Routledge, 2016, 64.

[38] Motte, Soutou, de Lespinois e Zajec, La mesure, 74.

[39] Gray, Strategy and Politics, 65.

[40] Ibid., 70.

domingo, 13 de março de 2022

Por que a governança do setor de segurança é importante em estados frágeis

Os militares americanos organizam uma manifestação na Escola de Blindados iraquiana depois que os soldados iraquianos concluíram um curso de treinamento de tanques de 21 dias, em Besmaya, Iraque, 18 de outubro de 2011.
(Andrea Bruce/The New York Times)

Por Nathaniel Allen e Rachel Kleinfeld, United States Institute of Peace, 11 de junho de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 13 de março de 2022.

A promoção de uma maior confiança entre as forças de segurança e os cidadãos deve ser um dos principais objetivos da assistência à segurança.

Após a queda do regime de Saddam Hussein, os Estados Unidos passaram mais de uma década tentando transformar o Exército Nacional Iraquiano em uma força de combate moderna. O exército iraquiano recebeu cerca de US$ 25 bilhões em assistência de segurança, incluindo armas sofisticadas, treinamento em tudo, desde combate a dispositivos explosivos improvisados (IED) até segurança de fronteira, e a oportunidade de acompanhar os militares americanos em operações contra grupos insurgentes. No entanto, esse investimento astronômico não foi suficiente para impedir que o Exército iraquiano fugisse de Mossul, enquanto os combatentes do Estado Islâmico avançavam sobre a cidade em junho de 2014, apesar de superar os insurgentes em mais de 30 para um.

O motivo dessa falha? Em uma palavra: governança. No Iraque, os esforços americanos de assistência à segurança se concentraram principalmente na construção de capacidade tática e não abordaram as profundas divisões sectárias e uma cultura de corrupção e clientelismo que esvaziaram as forças armadas iraquianas. Infelizmente, o Iraque não é um exemplo isolado. Do Afeganistão ao Mali e à Somália, os esforços liderados ou apoiados pelos EUA para trabalhar por, com e por meio de militares parceiros em Estados frágeis falham regularmente em melhorar de forma sustentável a capacidade militar, promover a estabilidade ou reduzir as ameaças de extremistas.

Há um consenso crescente de que, para que a assistência à segurança seja eficaz em contextos frágeis, ela deve levar em conta os mesmos tipos de desafios de governança do setor de segurança que atormentam as forças armadas iraquianas. Conforme estabelecido no relatório da Força-Tarefa sobre Extremismo em Estados Frágeis, equipamentos e treinamento sofisticados podem ser necessários, mas isso não resultará em uma força militar mais forte ou em um aumento sustentado da capacidade de contraterrorismo na ausência de reformas para conter o clientelismo, reduzir a corrupção, melhorar as avaliações de ameaças, mitigar o risco de deserção e melhorar a governança no setor de segurança.

Recomendações e Desafios de Implementação

A Força-Tarefa ofereceu quatro recomendações que reformulariam radicalmente a forma como os Estados Unidos se engajam na cooperação do setor de segurança e na assistência aos Estados frágeis (ver Apêndice 6 do relatório da Força-Tarefa). Estes incluíram:
  • A adoção de uma abordagem compacta para toda a assistência do setor de segurança;
  • Uma política de “assistência graduada” que vincularia aumentos na assistência a melhorias na governança do setor de segurança;
  • A criação de uma dotação de reforma do setor de segurança para apoiar os esforços de reforma liderados por parceiros; e
  • Uma expansão dos esforços existentes para melhorar a transparência e a eficácia da cooperação e assistência em segurança.

Soldados iraquianos do 2º Batalhão Mecanizado, 2ª Brigada de Tanques, 9ª Divisão do Exército Iraquiano posam em frente ao carro de combate T-72, 16 de fevereiro de 2006.
Eles acabaram de completar o exercício de pontaria, a fase final de um curso de dois meses que certificou os soldados no tanque russo.

Essas recomendações podem mitigar o risco significativo de que a assistência de segurança não consiga melhorar as condições de segurança ou exacerbar o extremismo. A implementação, no entanto, enfrenta vários obstáculos. Sem autoridade mais consolidada e supervisão mais centralizada dentro do governo dos EUA para cooperação e assistência em segurança, é difícil imaginar um sistema de avaliações, pactos e avaliações funcionando bem. Além disso, provavelmente haverá exceções nos casos em que melhorar a governança do setor de segurança em Estados frágeis ou combater o extremismo enfrenta compromissos com outros objetivos. A tentativa de equilibrar esses trade-offs pode entrar em conflito com aqueles que desejam medidas mais drásticas contra os Estados mais repressivos do mundo.

Talvez o mais importante, a percepção da pesquisa acadêmica, bem como as lições aprendidas com a experiência de organizações como a Millennium Challenge Corporation (MCC), sugerem fortemente que a assistência não é uma ferramenta potente o suficiente para impactar significativamente a forma como nossos parceiros avaliam seus interesses. Os EUA não farão muito progresso com governos que consideram repressão, corrupção ou políticas de recrutamento não-meritocráticas no setor de segurança essenciais para manter o poder.

Em vez disso, os Estados Unidos devem adotar uma visão de longo prazo, que aceite que a mudança nas políticas dos EUA e dos países parceiros será iterativa e incremental.

Esforço Mínimo: Projetos de demonstração e esforços de reforma

À medida que os EUA buscam se firmar em uma ordem global em rápida mudança, a cooperação e a assistência em segurança estão recebendo maior escrutínio dos formuladores de políticas. Uma estratégia para aumentar sua eficácia seria adotar uma abordagem graduada, baseada em parcerias compactas e baseadas em liderança em um país ou países piloto para permitir aprendizado e adaptação iterativos que poderiam ser aplicados a reformas mais abrangentes. Embaixadas, em vez de autoridades de Washington, poderiam ser lideradas na negociação de acordos de assistência à segurança e na aplicação de condicionalidades. Com base nas lições aprendidas das Parcerias para a Paz da OTAN e da MCC, esses pactos devem incluir, no mínimo:
  • Um acordo conjunto entre os EUA e o país parceiro sobre o que deve ser financiado;
  • Financiamento previsível e de longo prazo;
  • A inclusão de civis e da sociedade civil nas negociações e supervisão; e
  • Avaliação rigorosa que responsabiliza os EUA e seus parceiros pelos resultados.

Se aprovado pelo Congresso, os países selecionados como resultado dos Global Fragility Acts (GFA) podem fornecer candidatos ideais. A legislação da GFA aplicaria a estrutura preventiva mais ampla às parcerias diplomáticas e de desenvolvimento do governo dos EUA recomendadas pela Força-Tarefa a vários estados frágeis, tornando-os candidatos atraentes para também pilotar a abordagem da assistência ao setor de segurança.

Uma unidade tática CTS conduz uma missão na cidade velha de Mossul em 2020.

Outras oportunidades podem existir para promulgar as recomendações da Força-Tarefa em futuras Leis de Autorização de Defesa Nacional (NDAA). O NDAA do ano fiscal 2017-2019 consolidou as autoridades e fez avaliação, monitoramento e avaliação e componentes obrigatórios de fortalecimento institucional de toda a cooperação de segurança gerenciada pelo Departamento de Defesa. Essas reformas cruciais precisam de apoio contínuo tanto do Congresso quanto do Poder Executivo para garantir que sejam institucionalizadas de forma significativa.

Reformas semelhantes da assistência à segurança gerenciada pelo Departamento de Estado podem estar no horizonte e, além de espelhar as reformas do Departamento de Defesa, podem oferecer oportunidades para implementar uma abordagem gradual da assistência à segurança.

Uma parte crucial das recomendações da Força-Tarefa é a criação de um índice de governança do setor de segurança. Um índice poderia ajudar a definir critérios de elegibilidade potenciais para pactos, medir o progresso e ser usado para impor uma política de assistência graduada. O índice deve informar, mas não determinar, decisões que também devem se basear em informações qualitativas, contextuais e politicamente sensíveis. Muitas das informações necessárias para desenvolver um índice já existem: o que é necessário são os recursos para construir e atualizar regularmente o índice e pesquisas adicionais para determinar os requisitos de dados exatos necessários para cada um dos usos potenciais do índice. Idealmente, o índice seria gerenciado de forma independente, em vez de patrocinado diretamente pelo governo dos EUA.

A fronteira de pesquisa e política

Existem vários aspectos da cooperação de segurança dos EUA e assistência a estados frágeis que o relatório da Força-Tarefa não abordou. Uma é a necessidade de compartilhar o fardo internacional com os aliados dos EUA para melhorar a governança do setor de segurança em estados frágeis. Ao mesmo tempo em que busca reformar a forma como administra a cooperação de segurança em Estados frágeis, os Estados Unidos podem e devem exigir mais de seus aliados.

Forças de Milícias Populares (PMF) com tanques russos e americanos.

Além disso, os setores de segurança em estados frágeis, em última análise, devem ser responsabilizados perante seu povo, e não apenas os Estados Unidos. Os legisladores civis e os atores da sociedade civil devem ser incluídos como partes nos pactos de assistência à segurança entre doadores e Estados frágeis, bem como na avaliação, monitoramento e estruturas de avaliação de toda a assistência ao setor de segurança. As interações pessoais entre as forças de segurança e os cidadãos estão entre os determinantes mais cruciais do recrutamento em organizações extremistas. Portanto, promover uma maior cooperação e confiança entre as forças de segurança e os cidadãos que deveriam proteger deve ser um dos principais objetivos da assistência à segurança.

Finalmente, a cooperação e assistência de segurança dos EUA são tendenciosas para trabalhar com forças armadas parceiras. Grupos de polícia, inteligência, milícias e defesa comunitária são os pontos de contato mais frequentes entre o governo e os cidadãos em estados frágeis, mas os Estados Unidos não possuem recursos dedicados ou experiência para trabalhar sistematicamente com esses grupos. Os Estados Unidos devem considerar como desenvolver tais capacidades, mas devem fazê-lo com cautela e devida diligência. Quaisquer novas abordagens devem se concentrar em melhorar a confiança entre as forças de segurança civis e os cidadãos, não reproduzindo a abordagem orientada pela tática que, infelizmente, é muito característica das intervenções dos EUA no setor de segurança.

Sem uma melhor governança do setor de segurança, os Estados frágeis terão dificuldades para melhorar a eficácia de suas forças de segurança e moderar o extremismo. As forças de segurança que exploram e abusam dos cidadãos violam o que talvez seja a primeira e mais sagrada obrigação que um Estado tem para com seu povo. É por isso que os Estados Unidos devem colocar melhorias de longo prazo na governança do setor de segurança – e não sucesso tático de curto prazo no campo de batalha – no centro de sua abordagem em relação à cooperação e assistência em segurança em Estados frágeis.

O Dr. Nathaniel Allen é consultor de políticas do U.S. Institute of Peace. A Dra. Rachel Kleinfeld é membro sênior do Programa de Democracia, Conflito e Governança do Carnegie Endowment for International Peace.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 2 de março de 2022

COMENTÁRIO: O Brasil não pode virar a Ucrânia amanhã

Soldados ucranianos em meio à destruição durante confronto com a Rússia.

Por Jorge Serrão, Jovem Pan News, 28 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de março de 2022.

É fundamental iniciar um debate público sério sobre o emprego da energia nuclear, inclusive para fins militares na defesa do país; nação que não tem poder real de dissuasão fica sujeita à invasão.

Tempos esquisitos. Só se fala de “guerra”. A invasão da Ucrânia pela Rússia “rouba” a atenção. De repente, igual ao que aconteceu com a Covid, surgem “especialistas” por todos os lados. Muita bobagem veiculada na mídia tradicional e muita besteira circulando nas redes sociais. Sorte que algumas análises certeiras prevalecem. Uma delas, bem resumida, foi postada pelo General de Exército na reserva Maynard Marques de Santa Rosa, ex-Secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (gestão Jair Bolsonaro):

“Estamos assistindo ao colapso da Ucrânia e à  impotência ocidental. A truculência russa mostra que o mundo mudou. Formam-se, no mínimo, dois blocos de poder: o Ocidente (em declínio) e o Euroasiático. O vácuo que surge é uma grande oportunidade para o Brasil.”

No alvo. Estrategistas têm obrigação de compreender a dimensão do verdadeiro conflito global em andamento. A real disputa hegemônica é entre a visão e prática da Economia Planificada (cujos expoentes são a China e a Rússia) versus a Economia de Mercado (Estados Unidos e países desenvolvidos da Europa). No meio dessa batalha global (ou globalitária), como ferramenta de ilusionismo, aparecem as disputas ideológicas. Tudo jogo de aparência para desviar a real razão da disputa de poder: a conquista e manutenção da hegemonia política/econômica. Nações que têm soberania plena (leia-se, bomba atômica) conseguem fazer qualquer ameaça ou bravata em tempos beligerantes. O resto assiste bestificado, sofre diretamente ou, pior, paga a conta dos conflitos e guerras intermináveis. A indústria bélica lucra descaradamente. O paradoxo: a economia entra em pleno emprego de fatores. Aí surgem as “oportunidades”.

Muitos conflitos e guerras vão estourar em diferentes partes do Planeta Terra. Os brasileiros precisam agir com cautela diante de uma grande corrida armamentista que começa a virar realidade. O Brasil precisa acordar para um debate sobre o emprego da energia nuclear. O assunto não pode ser tabu, por imposição dos globalistas ou por omissão da classe política brasileira. É relevante ressaltar que nenhum país sem “bomba atômica” está livre de sofrer “intervenções” (ou invasões) das nações com poder de ação e dissuasão nuclear. Vale recordar que, em 2021, a ONU liderou uma verdadeira cruzada contra a soberania do Brasil na Amazônia. Foi colocada em votação uma resolução internacional sobre a região – que seria, na prática, “internacionalizada”. Curiosamente, foi o poder de veto da Rússia no Conselho de Segurança que livrou o Brasil dessa investida globalista. Daí se consegue entender, agora, que o governo federal tenha declarado a “neutralidade” do Brasil no conflito Rússia x Ucrânia.


O Brasil não pode ser uma Ucrânia amanhã. Historicamente, temos problemas estruturais. O problema essencial é que não conseguimos formular um Projeto Estratégico de Nação. Parecemos um eterno Titanic, que uma hora vai afundar, mas que tem uma boia mágica que atrasa o desastre inevitável. Na realidade, somos uma rica colônia de exploração, mantida artificial e metodicamente na miséria dependente. Não podemos nos resumir ao papel de exportador de commodities [recursos primários]. Não merecemos sobreviver reféns ou sob controle de uma oligarquia feudal, promotora do regime do Crime Institucionalizado, se locupletando das benesses estatais (dinheiro dos pagadores de impostos). Felizmente, a maioria da população, que sempre se mostrou impotente, agora começa a esboçar ações e reações para conquistar soberania.

Por isso, é fundamental que todos compreendam que temos “guerras” a resolver aqui, no “Togaquistão”. Nosso inimigo local e real é a Cleptocracia, seu Mecanismo e sua Juristocracia. Tudo com influência direta do Narconegócio. No momento, alimentar polêmicas inúteis e equivocadas sobre o conflito da Ucrânia apenas nos tira do foco da nossa complexa briga interna. O voto certeiro será fundamental para o começo da recuperação do equilíbrio institucional no Brasil. Enquanto não houver recuperação do “poder-de-fogo” e identidade do cidadão, não tem solução. Povo sem voz, sem identidade, não tem vez. Ou cuidamos do nosso pedaço, com soberania, ou não temos nada de concreto. É Pátria Honesta e Soberana, ou seremos escravos globalitários. Pense nisso.

Bibliografia recomendada:

A Farsa Ianomami.
Carlos Alberto Lima Menna Barreto.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: Pseudopotência, 1º de julho de 2020.

A geopolítica do Brasil entre potência e influência13 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

As forças russas em quatro dias de guerra na Ucrânia, por Michael Kofman


Por Michael Kofman, Twitter, 28 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de fevereiro de 2022.

Longa discussão sobre como eu acho que as primeiras 96 horas se passaram, impressões ainda muito precoces/incompletas. A operação russa inicial foi baseada em suposições terríveis sobre a capacidade e vontade de lutar da Ucrânia e um conceito impraticável de operações. Moscou calculou mal.

A operação russa estava focada em chegar rapidamente a Kiev, forçando uma rendição e empurrando um pequeno número de unidades para a frente rapidamente de uma maneira que evitasse grandes confrontos com as forças da República da Ucrânia. Eles estão contornando as grandes cidades, indo para os principais cruzamentos rodoviários/cidades menores, etc. Por que Moscou escolheu esse curso de ação? Algumas teorias: eles não levaram a sério a Ucrânia e suas forças militares. Eles queriam evitar atrito e devastação por causa das consequências para os objetivos políticos na Ucrânia, os custos das baixas, e eles querem esconder os custos do público.


Também é possível que os planejadores militares russos quisessem genuinamente evitar infligir altos níveis de destruição, dado o quão impopular essa guerra seria em casa. A maioria dos soldados russos são jovens e têm pouco interesse em lutar contra os ucranianos como adversários. O que vi até agora sugere que as tropas russas não sabiam que receberiam ordens para invadir e parecem relutantes em prosseguir com essa guerra. Eles não veem os ucranianos como adversários e as forças armadas não os prepararam para esta campanha. Fora os chechenos, o moral parece baixo.

Este é um conceito impraticável de operações. Parece que eles tentaram ganhar de forma rápida e barata por meio de "thunder runs" ("cavalgadas de trovões", nome dado ao avanço blindado americano para Bagdá em 2003), na esperança de evitar as piores sanções e indignação ocidental. Eles acabaram no pior dos mundos, colocando mais recursos em uma estratégia fracassada.

No entanto, isso é apenas alguns dias na guerra. A Ucrânia se saiu muito bem, mas nenhum analista (exceto talvez em Moscou) esperava que a Rússia derrotasse o maior país da Europa em 4 dias, especialmente devido à capacidade militar da República da Ucrânia.


Sobre o esforço caótico - as unidades russas não estão realmente lutando como BTGs (Battlegroups / Grupos de Batalha). Eles estão dirigindo pelas estradas em pequenos destacamentos, empurrando as unidades de reconhecimento e VDV (paraquedistas) para a frente. Tanques muitas vezes sozinhos e vice-versa. Fogos e facilitadores não são usados de forma decisiva e muitas vezes não são usados.

Fora do noroeste de Kiev, temos muitos destacamentos menores, tanques, VBCI, muitas vezes unidades de reconhecimento ou VDV pressionando estradas e cidades. Pequenas formações regularmente superando a logística, sem apoio, ou deixando apoio e artilharia serem emboscados atrás deles. Além de um grande número de unidades espalhadas em pequenos destacamentos e postos de controle, também temos a situação inversa. Longos trens de veículos russos presos em seus próprios engarrafamentos, entrando pela fronteira. As defesas aéreas não os cobriam, mas ficavam na estrada com eles. À medida que companhias e pelotões correm para conquistar pontos, a logística não consegue acompanhar e não está sendo efetivamente coberta pelo suporte. A maioria das lutas que vi são pequenas escaramuças, especialmente nos arredores das grandes cidades. Estas podem ser intensas, mas não grandes batalhas.

O fracasso russo é motivado pelo fato de que eles estão tentando conduzir uma invasão em grande escala sem a operação militar que isso exigiria, pensando que podem evitar a maior parte dos combates. Isso levou não apenas ao emprego de força impraticável, mas à falta de emprego.


A verdade é que grande parte das forças armadas russas ainda não entraram nesta guerra, com muitas das capacidades ainda não utilizadas. Não diminuindo o ótimo desempenho e resiliência da Ucrânia, mas vejo muitos julgamentos e conclusões iniciais que precisam de moderação.

Nos primeiros 4 dias, a aviação tática russa, com exceção de alguns Su-25, ficou em grande parte à margem. Assim como a maioria dos helicópteros de combate. Eles têm centenas de ambos desdobrados na área. A força aérea da Rússia está desaparecida em ação e em grande parte não-utilizada.

Os militares russos procuraram usar mísseis balísticos/cruzeiros para destruir/suprimir a defesa aérea ucraniana e atingir bases aéreas. No entanto, eles não estão voando CAPs (Close Air Support / Apoio Aéreo Aproximado), ou contra-ar ofensivo, e só hoje eu avistei o primeiro bombardeiro Su-34 realizando ataques. Exceto por bombardeios pesados em torno de Kharkiv, o uso de fogos foi limitado em comparação com a forma como os militares russos normalmente operam. Infelizmente, acho que isso vai mudar. As forças armadas russas são um exército de artilharia em primeiro lugar, e ela usou uma fração de seus fogos disponíveis nesta guerra até agora. A maior parte das forças armadas russas ainda não entrou na luta. Fora de Kharkiv, a maior parte do 1º Exército Blindado de Guardas e do 20º Exército estão apenas sentados lá. Eles empurraram alguns BTGs a uma distância considerável além de Sumy, mas acho que muitas forças da Rússia ainda estão à margem.

Outro ponto, as perdas russas são significativas, e eles tiveram várias tropas capturadas, mas estão avançando em alguns eixos. Em geral, os ucranianos estão postando evidências de seus sucessos de combate, mas o oposto é menos verdadeiro, distorcendo o quadro geral.

Daí meu próximo pensamento. Em um esforço desesperado para manter a guerra escondida do público russo, enquadrando isso como uma operação no Donbass, Moscou cedeu completamente o ambiente de informação para a Ucrânia, que galvanizou o moral e o apoio por trás de Kiev. Outro erro de cálculo.


Não vou comentar sobre a série de alegações oficiais feitas nesta guerra até agora, exceto que acho que Kiev está fazendo um ótimo trabalho moldando percepções e o ambiente de informação. Dito isto, as pessoas devem abordar as reivindicações oficiais de forma crítica em tempos de guerra.

Olhando para o esforço militar, acho que as forças russas estão errando alguns conceitos básicos, mas também estamos aprendendo coisas que provavelmente não são verdadeiras sobre as forças armadas russas. Eles não estão realmente lutando do jeito que treinam e se organizam para uma grande guerra convencional. As suposições têm vibrações de Grozny em 1994, enquanto algumas das operações me lembram os erros clássicos de organização militar. Enviar brigadas de assalto aéreo ou infantaria naval desde o início para "fazer suas coisas", mesmo que seja desnecessário, arriscado ou impraticável.


O que vem depois? A liderança política da Rússia ainda não está admitindo o fracasso de seu plano, tentando tomar Kiev rapidamente. Mas estamos vendo-os aumentar o uso de fogos, ataques e poder aéreo. Infelizmente, espero que o pior ainda esteja por vir, e esta guerra pode ficar muito mais feia.

Eu ia acrescentar que vi e li outros tópicos explicativos sobre o fracasso militar russo. Eu discordo de algumas dessas explicações, elas geralmente não vêm de especialistas nas forças militares da Rússia, e 4 dias de guerra pode ser um pouco cedo para declarações conclusivas.

Além disso, olhando para o dia 5, vendo grandes ajustes. As forças armadas russas estão suspendendo corridas de trovão sem suporte, reabastecendo e reorganizando. As forças armadas da Ucrânia tiveram um desempenho muito bom, mas acho que veremos uma abordagem russa diferente de agora em diante.