Mostrando postagens com marcador Rodésia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rodésia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Tiro em Cobertura Rodesiano

Comandos do RLI realizando tiro em cobertura.
(Ilustração de Steve Noon)

Por "Ian Rhodes"*, 2º Comando, The Rhodesian Light Infantry.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de março de 2020.

*Pseudônimo.

Comandos do RLI preparando-se para um salto de combate. O RLI realizava múltiplos saltos diários na fase final da guerra.

Prelúdio

Também conhecido como Drake Shooting (Tiro Drake), Rhodesian Cover Shooting (Tiro em Cobertura Rodesiano) pode ser definido como a técnica de tiro empregada para matar rapidamente insurgentes cobertos através das várias fases do combate de curta distância na savana africana e no arbusto de Jessé. O método não substituiu os procedimentos de "fogo e movimento", mas era a atividade principal deles. O tiro em cobertura também foi descrito como uma ação de "descarga", mas isso não é estritamente preciso. Embora expulsar os terroristas da sua cobertura tenha vantagens óbvias, principalmente ao trabalhar com o apoio de helicópteros, o primeiro objetivo do tiro em cobertura era matar o inimigo sem a necessidade de vê-lo ou localizar sua posição exata primeiro. Da mesma forma, o método não deve ser confundido com outras práticas estrangeiras, tais como o tiro de supressão em marcha dirigido "na selva". O tiro em cobertura não era uma pulverização aleatória de balas, mas uma rotina deliberada e metódica, projetada para obter o máximo efeito para o mínimo gasto de munição.

Esquadrão C, SAS Rodesiano.

Após a declaração de U.D.I. (Unilateral Declaration of Independence/ Declaração Unilateral de Independência) em 1965, a guerra na Rodésia continuou por mais 15 anos e as táticas mudaram bastante à medida que as lições foram aprendidas durante esse período. Por esse motivo, as experiências podem discordar em opinião e detalhes. Essa discussão também é um tanto tendenciosa em direção às práticas da Infantaria Ieve da Rodésia (Rhodesian Light InfantryRLI) e às patrulhas de combate da Unidade Anti-Terrorista da Polícia (Police Anti-Terrorist UnitPATU). Como tal, ela não pode ser considerada definitiva, nem completa.


Em 1964, a Infantaria Leve da Rodésia mudou de função para aquela de um batalhão comando. Desdobrada em operações de "Fire Force" (Força de Fogo) de reação rápida, projetadas para envolver verticalmente grupos insurgentes, a técnica de tiro em cobertura teve um papel significativo no sucesso geral do Batalhão. Em seus 19 anos de existência, a maioria dos quais lutando na linha de frente de uma guerra de mato, a Infantaria Leve da Rodésia nunca perdeu uma batalha.

Procedimento Operacional Padrão Rodesiano

1) Os pelotões da Infantaria Leve da Rodésia, chamados Troops (Tropas, Pelotões), e aqueles das muitas outras unidades, incluindo a PATU, foram subdivididos em "sticks" (varas, esquadras) de 4 homens cada, o número de soldados armados que podiam ser transportados por um helicóptero Allouette III, chamado "G-car" (carro G). Grupos de parada (Stop groups, ou simplesmente stops), patrulhas, emboscadas e linhas de varredura costumavam ser compostas por esquadras únicas, embora linhas de varredura maiores pudessem ser compostas por esquadras lançadas de pára-quedas por um Dakota da Força de Fogo (FF), ou combinando aos grupos de parada posicionados por carros G, ou a partir daquelas esquadras transportadas por veículos terrestres.


2) Excluindo as pseudo-gangues dos Selous Scouts e outros, cada esquadra geralmente consistia em três fuzileiros com fuzis FAL (FN) 7,62 e um atirador com uma MAG-58, igualmente carregada com 7,62. Um, e às vezes dois dos fuzileiros carregavam um rádio A76, enquanto o terceiro fuzileiro era um médico de combate totalmente treinado e carregava suprimentos médicos razoavelmente extensos para a esquadra, isto é, solução de lactato de Ringer (solução de lactato de sódio), remédios, ataduras etc. Obviamente, o Graduado/ Oficial da esquadra carregava um rádio.

3) Todas as armas eram zeradas para 100m, e as miras eram definidas para o mesmo alcance. Os fuzileiros geralmente carregavam de 7 a 8 carregadores de 19 ou até 18 tiros cada (colocar uma carga completa de 20 tiros em um carregador FN danificava a mola do carregador a longo prazo e causava emperramentos). Estes seriam complementados com algumas caixas extras de 20 munições cada uma para recarregar. O atirador geralmente carregava 500 tiros em cintos de 100 tiros (2 cintos x 50 tiros unidos), enquanto em tempos anteriores o atirador carregava 400 ou menos. Em operações externas na Zâmbia ou Moçambique, etc, o atirador levaria 800 tiros, com os fuzileiros carregando cintos extras e um cano sobressalente - Não era incomum que unidades rodesianas, com algumas centenas de pessoas, atacassem campos de treinamento que continham milhares de terroristas (geralmente, mas nem sempre, com morteiros e apoio aéreo completo, etc).


4) Toda a tralha de cinto e suspensório para armazenamento de carregadores foi projetada para permitir a substituição rápida de carregadores. Diferentemente dos métodos usados em outros lugares, os fuzileiros geralmente não prendiam dois carregadores para permitir uma recarga "rápida", principalmente devido a problemas de sujeira que entram no carregador. Enquanto o AK47 é facilmente capaz de disparar em condições de sujeira, é garantido que um FN com sujeira na área da culatra sofra emperramentos - péssimas notícias para uma esquadra em um "Contato". Cada terceira ou quarta munição da carga de um carregador era uma traçante, e as tropas geralmente carregavam duas traçantes consecutivas como munições finais para indicar o fim do suprimento. Para alguns, a preferência era usar a última munição como uma única traçante, as duas ou três anteriores sendo munição normal e, antes delas, eram carregadas o par de traçantes para AVISAR do final do suprimento. Dessa forma, já estávamos pensando em uma recarga antes de chegar à necessidade de fazê-la. Observar o bloco da culatra também era uma prática normal, o bloco deslizante permanecendo para trás quando o carregador estava vazio.

5) As traçantes 7.62 do FAL eram vermelhas, enquanto as traçantes do AK47 dos nossos oponentes eram verdes. As traçantes eram um bom meio de direcionar o tiro da esquadra sobre um alvo observado ao usar o comando, "Observe minha traçante" ("Watch my tracer") e poderia ser usado como a "Bola de Fogo" ("Fireball") para marcar um alvo para aeronaves de ataque, ou seja, quando recebesse o comando "Enviar Bola fogo" ("Send Fireball"). Outros meios de identificar uma posição terrorista para aeronaves incluem fumaça ou granada de fósforo, ou mini-flare (flare de lápis). Estou ciente do uso de um foguete da S.N.E.B pelos Selous Scouts em Postos de Observação como a Bola de Fogo.

Selous Scouts.

6) As formações de patrulha eram geralmente em fila única, linha estendida (linha de varredura) ou um "Y" quando em um rastreador (rastreador na junção dos braços do Y, proteção nos dois braços à frente e um controlador na parte de trás que dirigia a operação de rastreamento). Pelo que eu sei, as formações de linha dupla nunca foram usadas, devido à confusão desnecessária que elas adicionam a uma emboscada e ao aumento do risco de minas de A.P. em estradas de terra etc. Em todas as formações, o atirador estava próximo, em posição, a um graduado ou oficial.

7) Tropas de todas as unidades geralmente usavam um arranjo de tralha militar padrão, com porta-carregadores montados no cinto, com o cinto preso a um arnês por cima do ombro para ajudar a suportar a carga. Outros, no entanto, incluindo o RLI, usavam correias no peito ou "Fire Force jackets" (jaquetas da Força de Fogo) para transportar os carregadores e uma granada de fósforo, uma granada de estilhaços (M962) e uma ou duas granadas de fumaça de cores diferentes. As jaquetas FF também tinham bolsas embutidas para o kit essencial, incluindo um saco de dormir ou um rádio A76 etc. A jaqueta foi copiada com muitas versões ainda disponíveis em todo o mundo hoje. As jaquetas dos fuzileiros eram semelhantes às usadas pelos atiradores, os últimos com grandes bolsas laterais para os cintos de munição. Duas garrafas d'água (ou quatro, dependendo da época do ano e, portanto, da disponibilidade de água) eram transportadas no cinto, juntamente com suprimentos essenciais em duas bolsas na altura do rim. Se em uma estadia "prolongada", todo o kit não-essencial era guardado em mochilas leves Bergen, que poderiam ser descartadas quando a velocidade e a mobilidade fossem novamente necessárias, deixando os soldados carregando apenas o kit de batalha.

Esquadra típica de 4 homens.

8) Uso de granadas (além do óbvio): A fumaça azul foi usada para indicar um call sign (sinal de código) que requer um "Casevac" (pronuncia-se Kazz-er-vack) de um membro da esquadra ferido, embora qualquer cor de fumaça possa ser usada dependendo da granada da carga da esquadra. As granadas de fumaça eram essenciais para marcar "FLOT" para aeronaves (Forward Line of TroopsLinha de Tropas Avançadas) e, e muitas vezes a Bola de Fogo, ou para identificar rapidamente a posição da esquadra para um carro K ou G, como quando era necessário um rápido helitransporte por carro G para reposicionar a esquadra em outro lugar do campo de batalha (os carros K eram o Allouette III comando/matador com um canhão Hispano de 20mm montado lateralmente em vez das Brownings gêmeas montadas na lateral do carro G.Todas as armas eram operadas pelo técnico/artilheiro do helicóptero. Os carros G eram o transporte de tropas primeiro, tornando-se helicópteros de apoio próximo após o desembarque das tropas, enquanto o carro K carregava o Comandante da Força de Fogo, geralmente o Oficial Comandante do Comando relevante, que supervisionava a batalha). Quando necessário para marcar uma posição amiga, as esquadras da FF também espalhavam mapas no chão, e painéis day-glo costurados em seus gorros de mato, etc, que podiam ser colocados ao lado de cada soldado individualmente.

Carro K (de Killer, matador).

Algumas unidades do Exército Rodesiano, incluindo as patrulhas de polícia da PATU, carregavam a granada de fuzil Zulu 42, mas houve muito debate sobre sua eficácia e não era uma escolha popular do RLI - Levava tempo para carregar, exigindo que o carregador fosse removido e uma munição de Balastite alimentada manualmente na culatra do FN para atirar. Também era preciso tomar cuidado caso uma munição ativa fosse acidental e fatalmente disparada contra a granada - o que não era desconhecido. Nas operações de reação rápida do RLI, onde eram necessárias velocidade e agilidade, era uma arma desajeitada e ineficaz. No entanto, outras unidades patrulharam com a granada já carregada e com o carregador FN no lugar - Em uma ocasião, um soldado dos Fuzileiros Africanos Rodesianos (Rhodesian African RiflesRAR) disparou acidentalmente um Zulu 42 dentro de um helicóptero da Força de Força (esse foi um incidente incomum, pois geralmente armas carregadas não eram permitidas nos helicópteros). No entanto, em outra ocasião, uma esquadra PATU interrompeu um ataque em linha quando os três fuzileiros lançaram suas Zulu 42 na linha de atiradores disparando sua granadas na função de morteiro - Soleira do fuzil colocada no chão, cano para o céu. A MAG da esquadra havia sido atingida na parte de operação por gás, a bala ricocheteando e acertando a mão do atirador, e a arma estava se recusando a disparar qualquer coisa que não fosse um único tiro entre carregamento manual. Consequentemente, o atirador tentou usá-la como uma arma de atirador de elite, certificando-se de que todos os tiros contassem! Embora talvez não seja impressionante no departamento de "danos" e perigoso de usar quando em mãos inexperientes, a granada Zulu 42 produzia uma grande quantidade de fumaça preta na detonação e podia ter mantido um valor desmoralizante útil (não vale o peso!).

Granada de fuzil Zulu 42 claramente visível, o FAL da esquerda também tem uma luneta.

Patrulha da PATU, granada de fuzil Zulu 42 à esquerda.

A granada de fósforo, embora oficialmente transportada para "demarcação noturna" e excelente como um indicador geral de fumaça, também foi excelente para expulsar terroristas de uma cobertura espessa ou rochosa, para romper linhas de atiradores inimigas ou para eliminar uma caverna ou bunker (casamata) etc. Ela nunca devia ser lançada contra o vento, mas ainda assim permaneceu uma escolha muito popular pelas unidades rodesianas geralmente em inferioridade numérica - Em uma operação onde terroristas em uma caverna estavam se mostrando particularmente difíceis de despejar, a esquadra que tentava o despejo colocou várias granadas e todos os cilindros de gás do acampamento em uma mochila. A "bomba" foi lançada na caverna, com um efeito muito bom.

Dependendo da operação, e especialmente nas externas, as tropas do RLI poderiam receber uma granada "caseira" chamada Bunker Bomb (Bomba contra Bunker). Era uma arma de percussão pura, construída com duas tampas de plástico dos estojos das granadas de morteiro. As tampas eram unidas e equipadas com um detonador de granadas padrão, mecanismo de eixo e empunhadura, e preenchido com explosivo plástico. Era obviamente muito maior que uma granada normal, mas ainda podia ser segurada na mão, e razoavelmente, lançada da mesma maneira. As bombas anti-bunker detonavam com resultados bastante espetaculares, principalmente em pequenos edifícios.

Comandos do RLI saltando de um Alouette Mk. III.

9) Apoio Aéreo: A Infantaria Leve Rodesiana, ocasionalmente os Fuzileiros Africanos Rodesianos e SAS, e em menor grau outras unidades, incluindo a PATU, dispunham de apoio de helicópteros em tempo real (já posso ouvir uivos de risadas histéricas!). Como muitos helicópteros ficavam amarrados em operações da Força de Fogo ou em operações externas nos últimos anos da guerra, uma queixa comum de outras unidades foi a falta ou atraso na resposta a uma solicitação de um Casevac (todos os tipos de helicópteros da Rodésia poderiam atuar como um Casevac, com os assentos originais projetados na França nos Allouettes re-arranjados pelos rodesianos para fazer isso). Para as equipes do RLI ou RAR da Força de Fogo, tendo três ou mais carros G e um carro K voando acima adicionou uma dimensão extra ao tiro em cobertura, que incluía dirigir os projéteis explosivos de 20mm do carro K, ou o fogo das Browning .303 gêmeas de um carro G  sobre posições terroristas também. Os terroristas expulsos da cobertura e correndo também eram particularmente vulneráveis à atenção de cima. Um Casevac, se necessário, estava imediatamente disponível quando o fogo da posição terrorista fora resolvido e o médico da esquadra havia completado seu trabalho. As operações da Força de Fogo também dispunham de uma aeronave de observação, geralmente um Cessna 337 "push-pull" armado, chamado de Lynx. Este tinha metralhadoras Browning .303 montadas nas asas e poderia carregar uma variedade de armas, incluindo bombas de minigolfe e foguetes S.N.E.B. O Lynx também foi usado para o Casevac de feridos, assim como outras aeronaves.

Para problemas maiores, a Rodésia tinha jatos Hawker Hunter para ataques aéreos com canhão de 30mm, um par de excelentes bombas de golfe de 1.000 libras e assim por diante. Havia também alguns antigos bombardeiros Canberra, que eram de primeira classe em operações externas, onde lançavam centenas de bolas quicando das bombas Alpha nos campos de treinamento terroristas, geralmente programadas para pegar alguns milhares de terroristas em sua praça de desfiles.

Carro G (de Gunship, Helicóptero de Ataque).

Por fim, alguns jatos britânicos antigos Vampire também foram usados em ataques aéreos. Uma das armas únicas transportadas por esta aeronave era um tanque de 250 litros convertido carregado com dardos, conhecido como "Fletchets" (Flechetas). Outra invenção barata, as Flechetas eram basicamente pregos de 6 polegadas, equipados com um arranjo de barbatana de plástico barato empurrado para baixo do comprimento da base à cabeça. O Vampire mergulhava a certa velocidade no alvo e largava o tanque, que se abriria liberando muitas centenas de Flechetas capazes de se enterrar facilmente até às barbatanas da cauda em árvores muito sólidas.


10) Em todo exército, permanece a questão difícil de como lidar com o comando inexperiente, um problema que pode ser exacerbado pela natureza das operações de pequenas unidades de COIN (Contra-Insurgência) na África, que freqüentemente exigem um bom nível de habilidades de tipo de conhecimento de ambientes selvagens e caçador/matador - coisas que não podem ser ensinadas dentro de seis meses pela Escola de Oficiais de Infantaria. Como resultado de ter essa experiência, muitas vezes por muitos anos, os comandantes de esquadra rodesianos, geralmente os graduados, receberam uma voz muito maior em ações imediatas de combate do que seria normal em outros lugares, e isso sem aparente conflito com bons oficiais subalternos. Embora um Oficial de Pelotão (Troop Officer) tenha desempenhado um papel significativo na supervisão do seu pelotão durante o pré-desdobramento, deve-se reconhecer que em operações do tamanho de "sticks", o mesmo oficial tinha menos influência sobre as ações das outras esquadras em seu pelotão, uma vez desdobradas. Esse foi especialmente o caso quando a ação de todas as esquadras foi supervisionada diretamente por um comandante da FF. A influência do Oficial de Pelotão, no entanto, mudou drasticamente quando os sticks foram reformados em valor Pelotão, como por exemplo em varreduras maiores ou durante assaltos de Comandos em larga escala contra campos de treinamento externos. Foi nessas situações que as habilidades gerais de liderança de um oficial subalterno e o treinamento no "campo de batalha" entravam em cena.

"Esquadra do RLI prepara-se para transporte em Força de Fogo."

O "Resumo" das Operações de Combate Rodesianas

11) A esquadra estará em inferioridade numérica. Não era incomum fazer contato com 10 a 30 oponentes, ou mais.

12) Embora a área geral de fogo recebido seja conhecida, a localização exata de cada terrorista pode não ser. Leva muito tempo para localizar sua posição exata.

13) Era absolutamente essencial, a partir do momento do "Contato", reagir com fogo de retorno imediato, preciso e avassalador (referido como "Vencendo o tiroteio", "Winning the Fire Fight").

14) Os povos indígenas da África Austral são forçados pela cultura a serem destros. Eles serão "vistos" no lado esquerdo das árvores, e outros objetos sólidos, se estiverem atirando ao seu redor.

Guerrilheiros marxistas.

15) Terroristas mal treinados sempre tendem a se agrupar demais. Quando alguém é avistado, pode haver outros escondidos nas proximidades. Enquanto os insurgentes freqüentemente corriam e se dispersavam (em rodesianês: "take the gap") ao ouvir uma aeronave, especialmente um helicóptero, quando pegos em grupos, o efeito de agrupamento piorava à medida que a pressão do fogo recebido e o giro no sentido anti-horário do apoio de helicóptero faziam efeito. Esse agrupamento aumentou a eficácia do tiro em cobertura.

16) Os terroristas geralmente disparavam em fogo automático - "spray and pray". Isso geralmente começava alto e aumentava. O uso indiscriminado de munição em armas totalmente automáticas geralmente significava que ela acabaria muito antes daquelas das tropas rodesianas.

17) Os terroristas que fugiam de uma cena foram treinados a disparar o AK47 descansando nos ombros, apontando para trás.

18) Um terrorista ferido no caminho de uma varredura ou patrulha costumava esperar até que o "ponto de inevitabilidade" fosse atingido, antes de abrir fogo a curta distância. O mesmo pode ser dito dos terroristas não-feridos que tentavam se esconder de varreduras, patrulhas ou helicópteros. Estes foram responsáveis por muitas das baixas da Rodésia. Em áreas de incursão conhecida, helicópteros em missões de busca disparavam contra cobertura muito espessa, apenas para ver se alguém tolamente dispararia de volta.

Guerrilheiro sendo apresentado um AK47 por um outro usando uma boina estilo Che Guevara.

19) Devido ao treinamento inadequado, os combatentes Mashona do ZANLA tendiam a abrir fogo à distância, enquanto os Matabeles do ZIPRA com melhor treinamento e natureza naturalmente agressiva como uma raça guerreira (Zulu), tendiam a abrir fogo a partir de um alcance mais combativo - Um fato que precisava ser considerado ao patrulhar em diferentes extremos do país. Os ZIPRA eram também escaramuçadores capazes etc, usando movimentos de flanco direcionados por comandos de voz ou por um apito de futebol, e eles recebiam muito mais treinamento em Guerra Convencional com a intenção final de realizar uma invasão clássica. Esse fato foi obtido a partir de capturas e, eventualmente, encorajou um ataque do SAS rodesiano à Zâmbia para destruir uma grande quantidade de armas armazenadas, o qual afundou completamente o plano (como um exemplo de treinamento ruim, crianças de escola, seqüestradas pelo ZANLA de Mugabe na fronteira do Moçambique, foram dadas apenas três semanas mais ou menos de politização comunista e de treinamento básico de AK47, antes de serem enviadas de volta para "libertar" o país. Em um caso, o tiro de sniper rodesiano de longa distância foi usado para matar alguns dos homens de escolta vistos dando ordens após o grupo cruzar de volta a fronteira. As crianças entraram em pânico e correram da posição do sniper, direto para outra posição montada intencionalmente em uma colina a dois quilômetros de distância. As crianças, todas elas adolescentes, algumas com menos de 14 anos, gastaram o restante da sua munição. Sem munição e em um estado correto, elas foram arrebanhadas e enviados de volta à escola).

Guerrilheiros ZANLA com uniformes de várias procedências.

20) Não era incomum que alguns terroristas tivessem treinamento extensivo na Tanzânia, Rússia ou China, etc., os quais recebiam o comando - Em uma ocasião, um comandante terrorista e seus homens exibiram uma impressionante demonstração de rolar e disparar, algo que todo a esquadra PATU comentou após a ação. A técnica de rolagem não ajudou essa turma em particular, pois rolaram em uma área de tiro em cobertura.

Fogo e Movimento

21) Além de empregar os atributos normais de busca visual de "Forma, Sombra, Brilho, Silhueta e Movimento", freqüentemente as posições terroristas podiam ser detectadas facilmente porque "algo" simplesmente não parecia certo, mesmo que o espectador tivesse dificuldade para dizer exatamente o que viu. Essa habilidade é muito instintiva e se desenvolve com "tempo de mato". As tropas do RLI foram treinadas para olhar ATRAVÉS do mato africano e visualizar por meio das formas e sombras etc., de forma a ver o que poderia estar contido ali, ao invés de apenas olhar PARA o mato e ver apenas o óbvio. Às vezes, os terroristas usavam seus uniformes de camuflagem sobre roupas civis, a fim de se tornarem "civis" às pressas, caso necessário, enquanto muitos simplesmente cruzavam a fronteira para lutar sem qualquer uniforme camuflado! Outra prática irregular entre os terroristas era colocar cachos de capim-elefante ou pequenos galhos folheados em suas roupas ou tralha de equipamento, aparentemente para aumentar o efeito de "camuflagem". Embora úteis para emboscadas desde que o terrorista não se movesse, as técnicas normais de camuflagem destinavam-se a misturar os rodesianos ao mato africano, e não para fazê-los parecer um objeto desse mato! Em um tiro em cobertura, aumentar o conteúdo de folhagem natural da camuflagem era apenas garantir que ela fosse atingida mais cedo, já que toda a flora natural capaz de esconder um terrorista dentro do arco ativo de fogo era "morta" como parte da técnica de tiro em cobertura. Arbustos em movimento, vacilantes ou trêmulos e tufos de grama serviam apenas para "sinalizar" o terrorista, e eram mortos na hora.


22) Ao patrulhar, era comum realizar exercícios "perto do contato" ao encurtar o alcance em relação a um terrorista ou grupo de terroristas até então distraído, antes de fazer contato, tiro em cobertura, e de escaramuçar sua posição. No entanto, quaisquer alvos de repente avistados dentro do alcance efetivo eram derrubados imediatamente, geralmente com snap-shooting (tiro rápido) a partir do ombro com um único tiro ou tiro duplo (geralmente duplo, "double tap"). Os soldados então aferravam para se esconder, rolar ou "caranguejar" para longe da posição de queda, atirar em cobertura sobre a mesma posição terrorista novamente, e depois atiravam em cobertura em quaisquer outras moitas de cobertura na área próxima capazes de esconder um terrorista. Para aqueles que não estão familiarizados com o mato da África Austral, "outras moitas" incluíam a base de árvores, pedras, arbustos, formigueiros, áreas de capim-elefante e assim por diante.

23) Quando nenhuma indicação clara da posição geral de um terrorista pudesse ser verificada (ou seja, uma "maravilha de uma rajada", "one burst wonder"), a prática era "matar" qualquer cobertura dentro do arco ativo na frente de cada soldado, começando pela cobertura mais próxima daquele soldado antes de avançar em diante. No caso de uma linha de varredura, uma vez que um membro "entrava" ou avistava um terrorista, ele imediatamente atirava nele, enquanto os outros membros da varredura reagiam ao tiro de fuzil e atiravam em cobertura em SEUS PRÓPRIOS arcos de responsabilidade diretamente à sua frente.

Em todas as situações, o comando "Observe minha traçante" ("Watch my Tracer", ou apenas "Tracer" ou "Visual") permitia que o restante da esquadra concentrasse sua atenção em um problema - isso não significava que outras áreas de possível ocultação fossem ignoradas. A resposta afirmativa a "Watch my Tracer" era "Visto" ("Seen"). Outros métodos verbais para indicar uma posição-alvo seriam empregados se um tiro de traçante etc. entregasse a própria posição de bloqueio ou emboscada da esquadra.


24) Ao responder a fogo de resposta repentino, uma varredura ou patrulha retornaria fogo imediatamente seja da posição deitada ou apoiada em um joelho, dependendo da natureza do arbusto ao redor. Ao apoiar no joelho, os soldados geralmente se colocam abaixo do nível do fogo de terroristas mal-treinados, no entanto, permanecer em posição não seria mantido, especialmente porque os terroristas geralmente usavam uma metralhadora RPD. Ela dispara efetivamente na mesma taxa cíclica que um AK47 (650 rpm em vez de 600), mas a RPD é muito mais precisa. Os rodesianos passaram algum tempo em treinamento de tiro real, identificando diferentes armas e sua posição a partir dos diferentes sons que emitiam.

25) Enquanto os treinamentos de ação imediata, a distância do alvo e a natureza da mata e do terreno ditam amplamente a resposta geral a um ataque, sempre que possível um contato a curta distância sempre resultava em uma passagem imediata através da posição terrorista - por vezes difícil ou impossível nos espinhos do arbusto de Jessé encontrado no vale do Zambeze, por exemplo. Obviamente, permanece inaceitável permanecer na zona de matança de uma emboscada. Quando o alcance dos terroristas era mais substancial, o uso do método "crack and thump" para determinar a distância e a direção da sua posição era uma técnica útil.

As sete áreas de Segurança Operacional da Rodésia, chamadas "Operações": Hurricane (1972). Thrasher (1976), Repulse (1976), Tangent (1976), Grapple (1977), Splinter (1978), e SALOPS ("Salisbury Operations", 1978).

26) Escaramuças: Em algum momento apropriado após os estágios iniciais do tiroteio, um movimento de ataque deliberado chamado Escaramuça era executado, terminando em uma passagem através da posição terrorista. Três técnicas básicas de escaramuça foram empregadas, geralmente por linhas de varredura contendo algumas esquadras. O primeiro método de escaramuça envolvia a divisão da linha de varredura em duas seções iguais, chamadas flancos, com um flanco avançando (digamos 2 a 5 metros como um exemplo) enquanto o segundo flanco cobria o primeiro. Quando o primeiro flanco se deitava e recomeçava atirando em cobertura, o segundo flanco corria em frente até alguns metros ultrapassando a linha do primeiro, e assim por diante. É menos provável que esse método resulte em um incidente de "fogo amigo", mas também é o mais fácil de combater. Todos os soldados correndo para a frente o faziam com tiros de mira aberta (ambos os olhos abertos), do ombro caso fosse um fuzileiro, ou da frente do quadril, caso fosse atirador. A segunda opção de escaramuça tinha cada segundo membro da linha de varredura designado como um dos flancos, com cada membro desse flanco passando entre e através dos membros do outro, pulando um de cada vez para a frente, por assim dizer. Obviamente, os flanqueadores de cobertura paravam de atirar quando os que avançavam passavam por eles. A terceira opção era chamada de Pote de Pimenta (Pepper Pot), e era geralmente o que a opção dois "degenerava" em conseqüência da situação difícil. Isso envolvia indivíduos da linha de varredura ou da esquadra, levantando-se e avançando aleatoriamente, ou deitando e cobrindo, e assim por diante. É mais difícil de implementar quando em números maiores, mas também é a opção mais difícil de combater, porque as tropas deitadas se levantam de suas posições de maneira muito aleatória e aparentemente "descoordenada". Esquadras de quatro homens sempre usavam algo parecido com o Pote de Pimenta quando no ataque, ou dividiam-se em pares caso em uma tentativa séria de flanquear a posição terrorista, e assim por diante.

27) Em nenhum momento do tiroteio qualquer membro da esquadra devia parar e atender outro membro ferido. Isso aumentava a probabilidade do soldado prestando assistência ser atingido, e o impedia de continuar com o ataque enquanto cuidava do homem ferido. A exceção era uma MAG silenciosa em uma esquadra de 4 homens, que deveria ser reiniciada o mais rápido possível.


29) Para a corrida de travessia, a comando toda a linha de escaramuça rapidamente atacaria a posição terrorista correndo literalmente através dela, disparando do ombro usando mira aberta e com os dois olhos abertos. A prática era mirar sobre e ao longo de uma linha de um cano "de varredura" e matar qualquer coisa dentro do arco de responsabilidade, enquanto o soldado corria pela posição e saía do outro lado.

28) Depois de passar por uma posição terrorista, uma recontagem de batalha era feita e uma varredura lenta de retorno era realizada. Uma dificuldade específica surgia quando a recontagem tinha um membro da esquadra a menos.

O Tiro em Cobertura Rodesiano - "Mate" a cobertura, mate o terrorista

29) Em geral, o tiro em cobertura rodesiano era a "matança" deliberada da provável cobertura usada pelos terroristas. Portanto, não era necessário avistar visualmente os terroristas para "eliminá-los", e nenhum tempo era perdido tentando identificar a localização exata de terroristas, procurando primeiro o flash ou a explosão do cano, um movimento, uma forma e assim por diante. Em vez disso, foi realizada uma observação cuidadosa da posição do terrorista enquanto "matavam" sua cobertura.

30) Quando atirando em cobertura ou “drake”, os fuzileiros atiravam diretamente na e através da posição dos terroristas, mantendo a mira deliberadamente baixa, enquanto os atiradores precisavam mirar no chão imediatamente à frente daquela cobertura - balas tombando, pedras desalojadas, ou fragmentos de rochas e árvores esmagadas causavam grandes danos àqueles se escondendo, enquanto a terra que as MAGs podem levantar tem excelente valor de distração e desmoralizante. A ação básica era puxar o cano do fuzil ou da metralhadora pela área de cobertura, geralmente começando da esquerda para a direita, enquanto pressionava o gatilho nos momentos apropriados, de modo a "agrupar" de um lado para o outro. Cada tiro ou rajada era disparada de maneira deliberadamente mirada. Ao mirar baixo, o primeiro tiro tinha como objetivo "pular" e atingir um alvo deitado, enquanto o segundo iria diretamente no alvo quando o cano subisse. Obviamente, com um alvo em pé, o terrorista seria "costurado" pela rajada. Dar uma rajada de dois ou três tiros em modo automático também era útil para lidar com posições em terrenos ou colinas ascendentes.

A estátua "The Trooper" (ou Troopie") do RLI em Hatfield House, na Inglaterra, 2014.

31) A munição longa 7,62mm do FAL têm o poder de perfurar os troncos das árvores geralmente encontrados na savana africana e no arbusto de Jessé! Por outro lado, o AK47 usando 7,62 curto geralmente não. Este fato foi usado com grande efeito pelos rodesianos. Ao atirar em uma área que incluísse árvores, pedras ou formigueiros etc, era uma boa prática um único tiro no lado esquerdo de um objeto sólido (não esquecendo que a maioria dos oponentes é destro), então tiro duplo na base da árvore e continuando para a direita, dando tiros únicos (ou duplos) em uma proximidade bastante próxima (em uma situação convencional, mover-se da esquerda para a direita retira o metralhador antes do primeiro municiador ou o segundo). Rochas pequenas, "moitas" estranhas, ou "feixes de trapos" deveriam ser mortos. De fato, qualquer coisa fora do lugar deveria ser alvejado - as "pedras" podem ser cabeças, mãos ou um padrão de um uniforme camuflado etc. O soldado então movia sua mira para a próxima área de cobertura e repetiria o processo.

32) Para "Vencer o Tiroteio", os fuzileiros-volteadores consumiam os dois primeiros carregadores o mais rápido possível para manter a precisão, usando tiros únicos ou duplos (apesar de treinados para usar o "double tap", a política do meu Comando era o uso de tiros únicos - mirar, apertar e trocar). Tal como no uso dos carregadores pelo fuzileiros, o atirador estava livre para descarregar o primeiro ou dois cintos de munição. Cada membro da esquadra era responsável por monitorar seu próprio uso de munição durante o tiroteio, e ficar sem munição era um pecado imperdoável!

Ian Rhodes, veterano do 2º Comando, The Rhodesian Light Infantry.

Leitura recomendada:

Operação Quartzo - Rodésia 198028 de janeiro de 2020.



O FAL no Vietnã14 de janeiro de 2020.

Um breve comentário sobre o FN FAL21 de fevereiro de 2020.

domingo, 1 de março de 2020

FOTO: J.E. O'Toole, Serviço Feminino Rodesiano

Futura Major J. E. O'Toole, Rhodesian Woman's Service (RWS).

"Mal ouso mencionar a vez em que fomos apresentados à "pista de selva". Foi quando fomos soltas, uma de cada vez, por uma trilha, armadas com o Stirling, totalmente carregada. Seguida de perto por um instrutor. Ao longo da trilha havia vários alvos que apareceriam repentinamente. O objetivo era eliminar o "inimigo". Muitas de nós largávamos aço, esvaziando o carregador, ao primeiro sinal de um farfalhar nos arbustos ... várias de nós quase emboscamos os instrutores. Eles nos deram um esporro após o exercício... gritando que éramos a arma secreta dos terroristas, capazes de destruir todo o Exército Rodesiano! Nós, novatas, imaginávamos no que havíamos nos metido... confortando umas às outras com o pensamento de que não seríamos novatas para sempre!"

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Operação Quartzo - Rodésia 1980

T-55A rodesiano com a camuflagem final sul-africana.

Por R. Allport, Rhodesia.nl.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de julho de 2019.

As eleições de 1980

Após a eleição do governo do Bispo Muzorewa em 1979, os rodesianos esperavam que a Grã-Bretanha e a comunidade internacional reconhecessem sua administração e acabassem com as sanções. Afinal, observadores britânicos haviam declarado a eleição livre e justa em seu relatório oficial. Os eleitores africanos compareceram em grande número para votar no Bispo e, com algumas poucas exceções, não houve intimidação ou coerção. Os rodesianos achavam, com razão, que haviam cumprido as exigências da comunidade internacional para o governo de maioria africana na Rodésia, agora renomeada Zimbábue-Rodésia.

Nyerere da Tanzânia e Kaunda da Zâmbia, no entanto, opuseram-se à reunião de Chefes de Governo da Commonwealth em Lusaka em agosto de 1979, exigindo que seus protegidos, Mugabe e Nkomo, líderes dos dois principais grupos terroristas em busca de poder, fossem incluídos em qualquer acordo final para o governo de maioria na Rodésia. Sua pressão foi fundamental para levar Thatcher a reter o reconhecimento. O fato de Muzorewa ter sido democraticamente eleito ao poder por uma maioria de 67%, enquanto seus críticos, Kaunda e Nyerere, serem ambos chefes de ditaduras de partido único com economias instáveis (Kaunda foi até mesmo incapaz de providenciar um tapete vermelho para a Rainha na reunião de Lusaka e foi obrigado a pegar um tapete emprestado da "arqui-inimiga" África do Sul...).

A pressão foi assim aumentou para que os rodesianos realizassem novas eleições, novamente monitoradas pela Commonwealth, mas desta vez incluindo os partidos de Mugabe e Nkomo. Cansado da guerra e das sanções, e com o crescente nível de emigração branca afetando seriamente a economia, Muzorewa acabou sendo forçado a aceitar um acordo para uma nova eleição.

O fato de as forças de segurança rodesianas estarem aumentando as suas operações transfronteiriças contra bases terroristas na Zâmbia e em Moçambique persuadiu os presidentes Kaunda e Machel a exercerem a sua influência sobre Nkomo e Mugabe para moderarem as suas condições para participarem na nova eleição. Mugabe, por exemplo, exigira inicialmente que as forças de segurança rodesianas fossem dissolvidas antes da eleição e que o país fosse policiado por uma combinação das forças terroristas. Essa era uma condição com a qual os rodesianos nunca concordariam, pois era uma tentativa claramente transparente da ZANU de garantir que suas forças tivessem o controle de fato do país antes da eleição, e de permitir que ele [Mugabe] influenciasse a votação e ignorasse qualquer resultado desfavorável à ZANU. A desconfiança resultante que os rodesianos sentiram pelos métodos e manobras de Mugabe foi provavelmente a principal razão por trás da preparação de um plano de contingência.

Manutenção de rotina no Quartel Nkomo.

Por fim, chegou-se a um acordo para a realização de novas eleições. Forças de monitoramento da Commonwealth chegaram à Rodésia e as forças terroristas da ZAPU e da ZANU começaram a enviar seus homens para os Pontos de Reunião por todo o país.

À meia-noite de 28 de dezembro de 1979, um cessar-fogo entrou em vigor. A maioria dos rodesianos brancos queriam ou esperavam que Muzorewa asseguraria novamente o voto majoritário. No entanto, não demorou muito para que especialistas como John Redfern, Diretor de Inteligência Militar, concluíssem que isso não aconteceria. Por um lado, milhares de terroristas armados do ZANLA permaneceram em liberdade dentro do país. Em seu lugar nos Pontos de Reunião havia milhares de jovens disfarçados de guerrilheiros, deixando os verdadeiros terroristas livres para intimidar a população e influenciar a votação. Comandantes das forças de segurança da Rodésia informaram isso ao General Walls, e ele tentou persuadir Lord Soames, o governador temporário enviado pela Grã-Bretanha para presidir a eleição, a desqualificar a ZANU. Soames deu vários avisos a Mugabe, mas não tomou mais nenhuma providência para impedir que a ZANU participasse da eleição.

Antes da eleição, um estuda de inteligência militar foi preparado por oficiais rodesianos, definindo os possíveis cursos de ação para opor a ZAPU e a ZANU, e impedindo-os de ganhar a eleição. Um segundo documento de inteligência previu uma vitória de Mugabe e advertiu que isso poderia precipitar uma onda de terroristas vitoriosos convergindo na capital, Salisbury, confrontando civis brancos e as forças de segurança. Outros estudos descreveram o que seriam "Terrenos de Ativos Vitais" no caso de isso acontecer e uma ação detalhada que precisaria ser tomada para manter essas áreas estratégicas. Os estudos também enfatizaram a necessidade, neste caso, de "neutralizar" rapidamente os Pontos de Reunião terroristas. Os membros do COMOPS (Comando de Operações) e do Special Branch (serviço especial) envolvidos na elaboração desses documentos pareciam convencidos da necessidade de algum tipo de ação preventiva para evitar que o país caísse no caos.

Operação Quartzo

O projétil de 100m.

Esses documentos de inteligência provavelmente formaram a base do plano que recebeu o codinome "Operação Quartzo". Este plano previa colocar as tropas rodesianas em pontos estratégicos dos quais eles poderiam simultaneamente destruir os terroristas nos Pontos de Reunião e assassinar Mugabe e os outros líderes terroristas em seus quartéis-generais de campanha. O ataque seria auxiliado por helicópteros Puma da Força Aérea da África do Sul e envolveria a participação de unidades de elite Recce do exército sul-africano. Claramente os rodesianos haviam discutido a Operação Quartzo com suas contrapartes nas SADF (Forças de Defesa Sul-Africanas) e obtiveram sua aprovação e cooperação. Lorde Soames já havia concordado em permitir que 400 tropas sul-africanas entrassem no país para proteger a área de Beitbridge, a principal rota de fuga para os brancos se a situação degenerasse em caos e guerra total. De fato, o número de homens que as SADF enviou para além da fronteira era mais próximo de 1.000, embora alguns tenham sido retirados depois dos protestos de Mugabe.

A Operação Quartzo foi aparentemente baseada na suposição de que, se Mugabe fosse derrotado nas eleições, seria necessário realizar um ataque contra a ZANU para impedir que suas forças tentassem um golpe e tomassem o país à força. O plano pressupunha uma vitória de Nkomo ou Muzorewa ou, mais provavelmente, de uma coalizão dos dois. As forças do ZIPRA já haviam, de fato, iniciado exercícios conjuntos de treinamento com as forças rodesianas e, sem dúvida, seus líderes tinham uma ideia do que a Operação Quartzo implicaria. No entanto, Nkomo não era popular entre os brancos, e havia uma possibilidade distinta de que as tropas brancas ignorassem as ordens para evitar conflitos com o ZIPRA.

Preparando munição.

Embora os detalhes completos da Operação Quartzo nunca tenham sido tornados públicos, alguns aspectos do plano foram revelados por ex-membros das forças de segurança. O plano foi dividido em duas partes: a Operação Quartzo, um ataque aberto contra os terroristas, e a Operação Héctica, um ataque secreto para matar Mugabe e seu pessoal-chave.

Os Pontos de Reunião haviam sido acordados como parte do Acordo da Casa de Lancaster e eram simplesmente enormes campos onde milhares de terroristas se reuniam. As forças de segurança da Rodésia tinham sido encarregadas de monitorar as atividades pré-eleitorais e manter a paz. A maioria das unidades de linha de frente, portanto, já estava em posições a uma distância fácil de ataque dos campos terroristas. Os ataques nos campos seriam precedidos por ataques da Força Aérea Rodesiana.

A parte secreta do plano - Operação Héctica - deveria ser executada pelas tropas de elite do Serviço Aéreo Especial da Rodésia (Special Air Service, SAS). O esquadrão "A" do SAS assassinaria Mugabe, enquanto o esquadrão "B" cuidaria do vice-presidente Simon Muzenda e do contingente de 100 homens do ZANLA baseado no Centro de Artes Médicas. O esquadrão ‘C’ foi designado para eliminar os 200 homens do ZIPRA e do ZANLA com seus comandantes (Rex Nhongo, Dumiso Dabengwa e Lookout Musika) baseados no prédio de Artes Audiovisuais da Universidade da Rodésia. Tanto quanto possível, os homens do ZIPRA teriam a oportunidade de escapar, e possivelmente teriam sido informados do plano de antemão.

Carga de combate completa de 43 projéteis.

Os esquadrões do SAS seriam apoiados por tanques e carros blindados do Regimento de Carros Blindados da Rodésia, junto com uma arma surpresa na forma de canhões sem recuo de 106mm, até então desconhecidos, no arsenal rodesiano.

Os carros blindados Eland apoiariam os esquadrões "A" e "B", enquanto os tanques T-55 rodesianos apoiariam o Esquadrão "C" macetando o prédio de Artes Audiovisuais até virar um monte de entulho antes do ataque das tropas. Inicialmente, pretendia-se que todos os oito tanques T-55 fossem usados contra os prédios da universidade, porém mais tarde quatro deles foram enviados a Bulawayo para ajudar o RLI Support Commando (4ª companhia, apoio, "A Elite", Regimento Leve de Infantaria) no ataque planejado contra um grande Ponto de Reunião na área.

Os tanques foram secretamente colocados em navios de baixa carga e transferidos para uma área de reunião avançada no quartel King George VI. Os ensaios com os tanques haviam ocorrido no quartel de Kibrit, e o planejamento era completo e detalhado. Os tanques disparariam cerca de 80 projéteis de alto explosivo no prédio à queima-roupa, após o qual um único tanque derrubaria a parede de segurança ao redor da universidade. Com previsão, as tropas haviam até removido os pára-lamas dianteiros do tanque em questão, para que os destroços da parede não fossem pegos embaixo deles e sujassem nas lagartas! Este era o tanque de comando e durante os preparativos o CO (oficial comandante) estava em contato próximo com o major do SAS, Bob MacKenzie, cujas tropas subsequentemente entrariam no prédio e o limpariam. Trooper Hughes, que tirou as fotos exclusivas mostradas aqui, foi o municiador neste tanque em particular e ele lembra que os tanques também foram equipados com holofotes e totalmente abastecidos com munição extra 12,7mm e 7,62mm em adição à carga do canhão principal.

Primeiros tiros de treinamento.

As equipes do SAS usariam essa brecha para assaltar o prédio e limpá-lo de terroristas, marcando cada sala limpa com um lençol pendurado para fora da janela. Os homens do SAS estavam bem preparados para a sua tarefa, equipados com fuzis AK-47, armaduras corporais e granadas de efeito moral, semelhantes às usadas pelos seus homólogos britânicos. A operação terminaria antes que os terroristas soubessem o que estava acontecendo.

Quando a votação chegou ao fim, as tropas do SAS, do RLI e dos Selous Scouts esperaram ansiosamente que a palavra-código "Quartzo" fosse dada. Eles estavam impacientes para enfrentar finalmente o inimigo que sempre usara táticas clássicas de guerrilha de ataque e fuga. Não pode haver dúvidas de que, se a ordem tivesse sido dada, as forças terroristas teriam sido dizimadas em poucas horas. Seu número superior teria contado por pouco diante de um ataque das pequenas, mas altamente motivadas e efetivas tropas rodesianas.

O sinal nunca foi dado.

Três horas antes, a operação foi cancelada e Mugabe foi anunciado como o vencedor, seus homens exultantes nas ruas de Salisbury, enquanto as tropas rodesianas observavam em silêncio.

Segunda-feira, 04 de março de 1980 - 09:00h. História sendo feita - oportunidade perdida? Quartel Blakiston-Houston Barracks, membros do RhACR 'E' Sqn ouvem a transmissão do resultado da eleição na rádio ZRBC - Op Quartz terminou, para sempre.

A razão para o cancelamento da Operação Quartzo não é conhecida, mas existem várias explicações possíveis.

O Tenente-Coronel Garth Barrett, comandante do SAS, acreditava que ela havia sido comprometida por alguém nos níveis superiores de planejamento que trabalhava secretamente para os britânicos. Uma teoria verossímil, já que várias tentativas anteriores de matar Mugabe tinham sido aparentemente prejudicadas pela má sorte - reuniões onde emboscadas foram preparadas foram canceladas no último minuto e Mugabe escapou por pouco de várias tentativas à bomba contra a sua vida. Nkomo também havia escapado por pouco de uma tentativa bem planejada e executada contra sua vida pelo SAS na Zâmbia. Era quase como se estivessem sendo avisados de antemão.

Outra teoria é que a operação foi comprometida por homens do ZIPRA que foram informados do plano, seja de propósito ou por acidente. Sua proximidade com as forças do ZANLA dificultaria que eles mantivessem suas próprias preparações em segredo por muito tempo.

Uma terceira possibilidade é que, uma vez que o General Walls tenha percebido que Mugabe havia vencido a eleição, ele cancelou a operação, alegando que ela só deveria ser implementada se Mugabe perdesse a eleição e tentasse tomar o poder pela força.

Walls afirmou mais tarde em uma entrevista que ele não sabia da Operação Quartzo, mas depois passou a explicar que ele não havia ordenado um golpe porque não teria durado 48 horas em face da oposição mundial. Ken Flower, chefe do CIO (Central Intelligence Organisation / Organização Central de Inteligência), certamente sabia dos planos, uma vez que eles haviam sido dados a ele por um oficial do Special Branch. Curiosamente, ele não fez menção à Operação Quartzo em suas memórias.

Ian Smith também teria dito a Ian Hancock, em uma entrevista em julho de 1989, que ele havia conversado com os comandantes da força em uma reunião em sua casa, em Salisbury, pouco antes das eleições, e disse que Walls lhe assegurou que Mugabe não ganharia, mas quando pressionado por Smith, Walls admitiu que havia um plano de contingência para deter Mugabe. Parece muito improvável, portanto, que Walls não estivesse ciente da existência dos planos da Operação Quartzo.

Mesmo após a vitória de Mugabe ter sido anunciada, tropas das forças de segurança esperaram em antecipação tensa e a situação permaneceu incerta até que Walls foi à televisão naquela noite e anunciou que "qualquer um que saia da linha ou por qualquer razão comece a desobedecer a lei será enquadrado com eficácia e rapidez..." Esta declaração cuidadosamente redigida sinalizou o fim de qualquer esperança de que a Operação Quartzo ainda pudesse ocorrer.

Segunda-feira 04 de março de 1980 - 0915h - 'A Realidade Bate' - membros do RhACR 'E' Sqn. ponderam os resultados eleitorais recém-anunciados pela rádio ZRBC. A ficha cai. Op Quartzo está acabada - Mugabe é o novo primeiro-ministro - a ZANU PF é o partido no poder. Alguns choram, alguns riem, os soldados estrangeiros planejam suas fugas - no fundo, o rugido dos soldados africanos. A comemoração no Quartel KG VI eleva-se mais alto!

De acordo com o jornalista Pat Scully, os detalhes sobre a Operação Quartzo tornaram-se públicos depois que Mugabe decidiu se livrar de Peter Walls, após os comentários cáusticos deste último sobre Mugabe na TV e entrevistas na África do Sul. Ao acusar Walls de ter sido o cérebro por trás de todo o plano, Mugabe poderia dispensá-lo e, ao mesmo tempo, distrair a atenção do público do "Caso Tekere" (Edgar Tekere, um dos ministros de Mugabe, foi preso pelo assassinato de um idoso fazendeiro branco), o que estava dando a Mugabe muita má publicidade no exterior na época.

Nathan Shamuyarira (Ministro da Informação), portanto, acusou Walls na Casa da Assembléia em 15 de agosto de traição e afirmou o seguinte:
  1. A Operação Quartzo envolveu uma aquisição militar do país em 4 de março, o dia da vitória eleitoral de Mugabe.
  2. As tropas do ZANLA tinham sido propositalmente reunidas em pontos de reunião para que a Força Aérea da Rodésia pudesse destruí-las em massa.
  3. O ZIPRA não deveria ser atacado, na esperança de promover uma aliança entre Nkomo e Muzorewa depois do ZANLA ter sido neutralizado.
  4. A Operação Quartzo foi cancelada apenas três horas antes de ser lançada, porque Walls achou que não poderia ter sucesso em vista da esmagadora vitória de Mugabe nas urnas.
John Ellison, um editor estrangeiro do "Daily Express" (Londres), que originalmente divulgou a história, afirmou mais tarde que a versão dada por Shamuyarira na Casa da Assembléia tinha sido deliberadamente distorcida para implicar Walls. A Operação Quartzo, de acordo com Ellison, era simplesmente um plano de contingência que havia sido elaborado seis semanas antes e foi projetado para proteger o governo de coalizão (Nkomo-Muzorewa), que muitos acreditavam que seria o resultado final da eleição. A operação teria sido executada, caso se provasse necessário, em apoio a um governo legalmente eleito.

O General Walls negou categoricamente as alegações de Shamuyarira, dizendo que ele nunca tinha ouvido falar da Operação Quartzo, mas Mugabe se recusou a acreditar nisso, exigindo que Walls deixasse o país o mais rápido possível. Walls já havia apontado para Mugabe que ele não tinha controle suficiente sobre as 3 ex-forças terroristas, e em uma entrevista em agosto, na SABC-TV, previu que encrenca estava chegando. Ele estava certo - três semanas depois, tiroteios entre ZIPRA e ZANLA começaram...

Os sinais da Operação Quartzo

Que a Operação Quartzo foi de fato considerada seriamente pelas forças de segurança e que os preparativos foram detalhados e muito avançados no momento da eleição, é demonstrado pela existência de alguns dos sinais originais enviados às unidades do exército. Cópias foram mantidas, contra ordens, por alguns dos oficiais, e vários desses originais estão agora em posse da Associação do Exército da Rodésia, que está preparando uma história da guerra. Os exemplos a seguir foram fornecidos pelo Capitão Peter Bray do RhACR, e são aqui reproduzidos com exatidão (incluindo erros de digitação):


Os tanques T-55 rodesianos

Esquema de camuflagem líbio original.

Antes de 1979, o exército rodesiano não possuía tanques. Em outubro daquele ano, eles receberam oito tanques T-55 da África do Sul, confiscados de um navio francês, o “Astor”, que transportava uma remessa de armas pesadas da Líbia para Idi Amin, em Uganda. O regime de Amin entrou em colapso no dia em que o navio atracou em Mombaça e foi redirecionado para Angola. O navio ligou para Durban, onde a carga, incluindo dez tanques T-55LD construídos pela Polônia (construídos em 1975), foi apreendida, e a África do Sul, naquele momento, estava considerando entrar em guerra com Angola. Dois dos tanques foram mantidos pelos sul-africanos para avaliação. Os oito restantes foram transportados para a Rodésia, juntamente com assessores das SADF, com o objetivo de treinar tripulações rodesianas. O rumor foi espalhado de que os tanques haviam sido capturados em Moçambique, a fim de obscurecer o comprometimento da África do Sul no acordo.

Esquema de camuflagem americano.

Os tanques, agora parte do Rhodesian Armoured Car Regiment (Regimento de Carros Blindados da Rodésia) - em um recém-formado “E” Squadron (Esquadrão "E") - foram levados por transportadores de tanque por vários meses para dar a impressão de que os rodesianos possuíam um grande número de tanques pesados. Ao chegarem, os T-55 usavam o esquema original de camuflagem da Líbia. O Major Winkler ordenou que eles fossem repintados em camuflagem americana, o que era eminentemente inadequado, e finalmente os instrutores sul-africanos os ordenaram pintados em camuflagem sul-africana anti-infravermelho, o que provou ser perfeito para as condições rodesianas.

A camuflagem SADF se mostra ideal.

As tripulações dos tanques vieram do 'D' Sqn RhACR, soldados da força regular que tinham assinado um período mínimo de 3 anos. Tripulações treinadas eram vitais se os tanques fossem usados com máxima eficiência e era necessário assegurar que as tripulações permanecessem no Exército por algum tempo. Alguns poucos homens já tinham experiência com tanques, mas inicialmente havia muita experimentação e dependência dos manuais, até que o QG do Exército providenciou treinamento adequado ministrado por membros da Escola de Blindados das SADF.

O comando do 'E' Sqn foi dado ao Capitão Kaufeldt, um experiente tanquista da Alemanha Ocidental. Mais recrutas da RLI e Selous Scouts chegaram para preencher as lacunas e se saíram bem em sua nova tarefa.

Os rádios fabricados pelos soviéticos foram removidos dos tanques e substituídos pelos rádios e fones de ouvido sul-africanos usados nos blindados Eland 90. Eles usavam um sistema de microfone ativado pela garganta e eram muito superiores aos modelos soviéticos. Nos tanques soviéticos, os rádios eram operados pelo municiador, além de sua tarefa no canhão principal. Os rodesianos, argumentando que o municiador já tinha o suficiente para mantê-lo ocupado, moveram os rádios para a posição do comandante do tanque. As tripulações dos tanques receberam fuzis de assalto AKMS soviéticos novinhos em folha e estavam ansiosos para testá-los em condições de combate. Eles estavam destinados a permanecer não usados.

Ligeiramente maior que um cano de AK.

Foto Bônus:

Grupo de rodesianos posando em cima de um dos seus T-55.

Leitura recomendada: