Mostrando postagens com marcador Mulheres. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mulheres. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

GALERIA: Primeiro salto de um pelotão de paraquedistas femininas chinesas

Instrutores de paraquedismo designados verificam as mochilas das paraquedistas.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de outubro de 2021.

Salto inaugural de um pelotão de paraquedistas femininas da Força Aérea chinesa em 11 de dezembro de 2019. No sistema chinês, as forças paraquedistas são parte da aeronáutica, que por sua vez é parte do conjunto das forças armadas chamado Exército de Libertação do Povo Chinês.

O exercício foi fotografado por Min Yuxiang para o China Military.

Uma instrutora de paraquedismo designada para uma unidade de treinamento dá um "okay" através de um gesto com o polegar para inspirar uma nova paraquedista antes de seu primeiro salto em queda livre.

As mulheres paraquedistas embarcadas para o seu primeiro salto de paraquedas.

Chuva de velame.

Uma paraquedista desce ao solo na Zona de Lançamento (ZL).

As paraquedistas descem ao solo na ZL sucessivamente em meio aos instrutores.

Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:


domingo, 3 de outubro de 2021

Principal porta-voz do Exército suspensa após pesquisa de comando péssima


Por Danis Winkie, Army Times, 23 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 3 de outubro de 2021.

A oficial de relações públicas de mais alta patente e porta-voz do Exército foi suspensa de suas funções depois que 97% dos entrevistados em uma pesquisa de ambiente de comando para seu escritório relataram "hostilidade no local de trabalho".

A General-de-Brigada Amy E. Johnston assumiu como chefe de relações públicas do serviço em abril de 2019, de acordo com sua biografia oficial. Nessa função, ela é “responsável por todas as atividades de comunicação que envolvem o Exército dos Estados Unidos” e atua como a principal assessora de relações públicas do secretário e chefe do Estado-Maior do Exército. O Army Times obteve slides detalhando uma recente pesquisa de ambiente de comando que revelou enorme insatisfação dentro do Gabinete da Chefe de Relações Públicas. Uma fonte familiarizada com a suspensão disse que ela estava relacionada à pesquisa, a qual deu início a uma investigação do Exército.

Um porta-voz do Exército confirmou que Johnston não estava mais em seu cargo, mas disse que não poderia fornecer detalhes sobre a investigação pendente ou comentários sobre a pesquisa. “Podemos confirmar que a Brig. Gen. Amy Johnston foi suspensa e colocada em serviço especial enquanto se aguarda o resultado de uma investigação do Exército”, disse a porta-voz do Exército, Cynthia Smith. “Considerando que a investigação está em andamento, não podemos fornecer mais comentários no momento.”

Johnston não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado por seu escritório. A suspensão de Johnston veio na sequência de uma pesquisa climática de comando que revelou condições alarmantes no OCPA. Dos soldados e civis do Exército que responderam à pesquisa, 97% relataram “hostilidade no local de trabalho”, que é um indicador-chave de possíveis problemas de liderança tóxica, de acordo com os slides.

Os dados também revelaram uma crise de moral. Aproximadamente dois terços dos soldados e civis da OCPA relataram baixo moral na pesquisa, com apenas 8% dizendo que tinham moral alto.

Esta apresentação de slides obtida pelo Army Times mostra os resultados de uma pesquisa do ambiente de comando que resultou na suspensão da Brig. Gen. Amy Johnston, mais alta oficial de relações públicas do Exército.

De acordo com os slides do briefing, o ânimo estava baixo devido ao excesso de trabalho, ao equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e às expectativas pouco claras em relação aos produtos de trabalho. A pesquisa também revelou possíveis problemas com assédio sexual e racial. Vinte e um por cento dos entrevistados disseram que havia assédio sexual presente no OCPA, e 26% relataram ter visto assédio racial. Também houve outros sinais de insatisfação com a liderança de Johnston na OCPA.

Johnston foi citada na investigação do Regulamento do Exército 15-6 que examinou como a Força lidou com o desaparecimento e assassinato da Soldado Vanessa Guillén.

Soldado Especialista Vanessa Guillén.

O relatório, que usa seu sobrenome anterior, Hannah, diz que ela aconselhou as comunicações ao Major-General Scott Efflandt, que era o oficial de mais alta patente dispensado em conjunto com a investigação.

O relatório de Fort Hood criticou a assessoria de imprensa do post por estar "mal equipada, mal treinada e mal preparada" para lidar com o ambiente da mídia social durante o caso Guillén. O departamento de relações públicas de Fort Hood acabou caindo sob a alçada de Johnston como o oficial de relações públicas do serviço.

A investigação disse que o Exército “cedeu o espaço da mídia social, perdeu a oportunidade de informar e educar o público em tempo hábil e permitiu o crescimento desimpedido de narrativas prejudiciais sobre Fort Hood e o Exército”. Os regulamentos de relações públicas do Exército, pelos quais Johnston é responsável, careciam de orientação suficiente sobre o assunto na época. Uma nova versão do regulamento que entrou em vigor em 8 de novembro de 2020 incluía um capítulo sobre mídia social, mas era tarde demais. Seu escritório também foi criticado em um relatório de Tarefa e Propósito de junho sobre a "falha de comunicação" do Exército. O artigo citou oficiais de relações públicas do Exército que disseram que faltava transparência ao serviço ao lidar com as notícias.

Tabelas sobre assédio sexual e racial.

Vários oficiais de relações públicas do Exército também violaram os rígidos regulamentos de relações públicas do serviço no artigo, apesar de uma revisão significativa no ano passado que foi projetada para melhorar a transparência.

“Na maioria das vezes acertamos”, disse Johnston à Task & Purpose em resposta às críticas. “Mas às vezes falhamos; independentemente, vamos nos esforçar para fazer o nosso melhor e continuar a fazê-lo, não importa qual seja o desafio.”

Não estava imediatamente claro quem atuaria como chefe de relações públicas durante a ausência de Johnston.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

FOTO: Exercício de mulheres soldados do antigo Exército Nacional Afegão

Mulheres soldados com capacetes de kevlar sobre véus negros, 22 de outubro de 2014.

A foto mostra soldados do antigo Exército Nacional Afegão (ANA) participando de um exercício de treinamento em Cabul, em 22 de outubro de 2014.

Fotos de treinamento de mulheres no ANA são famosas e eram incluídas na quase totalidade das matérias sobre a guerra no Afeganistão. O Ministério da Defesa afegão chegou a apresentar um plano de expansão para 5 mil soldados femininas afegãs.

As matérias geralmente giravam em torna das conquistas das mulheres afegãs e do orgulho de serviram nas Forças Armadas da República Islâmica do Afeganistão. Havia sempre a narrativa de estarem "ao lado dos homens", apesar das mulheres servirem apenas em funções internas.

Apesar de todo marketing, a eficiência tática real das mulheres soldados afegãs foi insignificante e não teve qualquer peso na ofensiva final do Talibã em sua marcha para Cabul.

O atual Califado Islâmico do Afeganistão não emprega mulheres em suas forças armadas.


Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

FOTO: Marinheira no convés de vôo do HMAS Canberra

Marinheira Indiana Van Arkel do convés de vôo do HMAS Canberra, 2021.

Marinheira Habilitada (Able Seaman) de aviônica Indiana Van Arkel, da Marinha Real Australiana (RAN), posando no convés de vôo do HMAS Canberra, durante o exercício Talisman Sabre 21, em 2021.

Conduzido em julho, o exercício Talisman Sabre (Sabre Talismã) é a maior atividade de treinamento combinado bilateral entre as Forças de Defesa Australianas (ADF) e os militares dos Estados Unidos (EUA). O exercício deste ano envolveu mais de 17.000 militares da Austrália e dos Estados Unidos, e durou três semanas.

Além dos Estados Unidos, forças do Canadá, Japão, Nova Zelândia, República da Coréia e Reino Unido participaram do Talisman Sabre 2021, e funcionários da Índia, Indonésia, França e Alemanha baseados na Austrália observarão o exercício. Esta foi a nona versão do exercício.

sábado, 18 de setembro de 2021

GALERIA: Cavaleiras paraquedistas da Rússia


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de agosto de 2021.

Cenas de treinamento equestre das cadetes femininas da Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan (RGVVDKU), em 14 de outubro de 2020.

A Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan é um instituto educacional militar do Ministério da Defesa da Rússia. Foi formada pela primeira vez como Cursos de Infantaria de Ryazan em 13 de novembro de 1918 - portanto, é uma das mais antigas academias militares ativas na Rússia moderna. É a academia militar oficial e o centro de treinamento avançado das Forças Aerotransportadas Russas.

No sistema russo, os paraquedistas servem em uma força separada, atualmente contando mais de 72 mil paraquedistas (profissionais e conscritos). As cadetes usam o uniforme padrão dos paraquedistas, com as boinas azul celeste e as camisas de marinheiro com listras azuis (telnyashka); elas foram acompanhadas durante o exercício por um punhado de colegas do sexo masculino. O armamento portado é o fuzil AK-74M, de uso padrão nas forças russas.




















Bibliografia recomendada:

A guerra não tem rosto de mulher.
Svetlana Aleksiévitch.

Leitura recomendada:







quarta-feira, 8 de setembro de 2021

FOTO: Guardando o Campo de Batalha

Nguyen Thi Hien, 19 anos, chefe do grupo de combate da milícia em Yen Vucno Vietnã do Norte, 1966.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 8 de setembro de 2021.

Nguyen Thi Hien era chefe do grupo de combate da milícia em Yen Vuc, na província de Thanh Hoa, no Vietnã do Norte. Ela sobreviveu a mais de 800 ataques aéreos e foi enterrada viva quatro vezes em ataques de bombardeiros B-52 americanos.

Esta foto, chamada Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha), foi uma das fotos mais famosas da Guerra do Vietnã, tirada pelo fotógrafo Mai Nam.

Foto original me preto e branco.

O fotógrafo Mai Nam, nascido como Nguyen Huu Thong, em 1931 na província de Bac Ninh, no Tonquim. Ele se juntou à revolução contra os franceses aos 14 anos de idade. Em 1949, trabalhou como membro do sindicato de jovens na Base Revolucionária do Viet Bac, onde escolheu pela primeira vez uma câmera. Em seguida, trabalhou como jornalista no jornal Tien Phong (Vanguarda). Durante a fase americana da guerra, Mai Nam trabalhou como jornalista de guerra para o jornal e capturou muitos confrontos ferozes no campo de batalha, incluindo na província central de Quang Tri. Suas fotos famosas, incluindo Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha) e Du Kich (Guerrilhas) foram tiradas nessa época.

Durante a década de 1960, ele foi designado para tirar fotos do presidente Ho Chi Minh; criando uma coleção de quase 200 fotos do presidente.


Mai Nam recebeu o prêmio de Membro Honorário da Associação de Artista Fotográfico do Vietnã e Artista Especial da Associação de Artista Fotográfico do Vietnã. Sua coleção de três fotos com soldados vietnamitas durante a "Guerra Americana" (como é conhecida no Vietnã), a saber Canh Giac (Alerta Máximo), Chay Dau Cho Thoat (Sem Escapatória) e Di Truc Chien (Guardando o Campo de Batalha), recebeu o Prêmio Estadual de Literatura e Artes em 2007 .

O veterano fotógrafo e jornalista Mai Nam morreu aos 85 anos em janeiro de 2016.

Bibliografia recomendada:

Rolling Thunder in a Gentle Land.
The Vietnam War Revisited.
Andrew Wiest.

Leitura recomendada:


domingo, 5 de setembro de 2021

FOTO: Graduação da primeira classe de policiais especiais femininas afegãs

Mulheres policiais afegãs graduadas em 5 de abril de 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 1º de setembro de 2021.

Seis mulheres da Polícia Nacional Afegã graduaram-se no Comando Geral de Unidades Especiais de Polícia pela primeira graduação do Curso Básico Feminino no Centro de Treinamento da Polícia Especial, no Campo Wak em Cabul, capital do Afeganistão, 5 de abril de 2018.

As mulheres policiais concluíram o curso de sete semanas consistindo em táticas e técnicas policiais especiais, manuseio de evidências, estado de direito, pontaria e aptidão física.

Autoridades do esforço ocidental no país elogiaram o esforço, com o então vice-embaixador da Noruega no Afeganistão, John Almster, disse que o serviço das mulheres policiais ao povo não é apenas necessário, mas vital para o futuro do Afeganistão.

“Vocês devem se orgulhar de sua realização. Admiro sua determinação e coragem durante esses tempos difíceis, porque a reforma da segurança não pode ser bem-sucedida sem a inclusão das mulheres”, disse Almster. O então embaixador da Austrália no Afeganistão, Nicola Gordon-Smith, ecoou os comentários de Almster, declarando: “Ter as mulheres como parte da força policial é fundamental para a segurança do país”.

“O crescimento das forças de segurança afegãs, com a adição de mulheres, é uma prioridade para o presidente do Afeganistão, e hoje estamos um passo mais perto de tornar sua visão uma realidade”, disse o Major-General Sayed Mohamed Khan Roshindal, Comandante  do Comando Geral das Unidades Especiais de Polícia.

A policiais do sexo feminino que se juntaram às Unidades de Missão Nacional da GCPSU desempenharam um papel culturalmente vital nas operações de busca e apreensão e em cenários de alto risco onde mulheres e crianças estão presentes.

Como parte da estratégia da Polícia Nacional Afegã, o governo de Cabul pretendia recrutar mais 5.000 mulheres policiais nos próximos cinco anos (até 2023). No ano anterior de 2017, 190 mulheres afegãs participaram de um curso intensivo de treinamento policial de quatro meses em Sivas, na Turquia.

Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:







segunda-feira, 30 de agosto de 2021

GALERIA: Treinamento de CQB de um Pelotão Tático Feminino afegão


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de agosto de 2021.

Militares do Pelotão Tático Feminino (Female Tactical Platoon, FTP) afegão do Ktah Khas participam de treinamento de trio e CQB em Camp Scorpion nas cercanias de Cabul, no Afeganistão, em 29 de maio de 2016.

As mulheres dos FTP trabalhavam junto com os homens nas operações para envolver e interagir com mulheres e crianças. Os FTP eram treinados em tiro ao alvo, linguagem, descida rápida de corda (fast-roping), e outras habilidades relacionadas ao combate; sua missão era atuar com as forças de operações especiais afegãs (Comandos e Ktah Khas).

Matéria fotografada pelo Sargento Douglas Ellis, Força Aérea Americana (USAF).




CQB: Entrada no compartimento