sábado, 2 de julho de 2022

Operação Thalathine: resgate de reféns no Chifre da África


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de julho de 2022.

O Le Ponant é um navio de cruzeiro de luxo da empresa francesa Ponant. Este veleiro foi construído em 1990 pelos estaleiros da Société française des constructs navales em Villeneuve-la-Garenne, na França. É um veleiro de três mastros com 88 metros de comprimento transportando 1.212m² de vela e um balão de 1.000 m². Pode transportar 32 passageiros e é servido por uma tripulação de 34 pessoas. Tem 4 decks, incluindo um convés e um restaurante.






Em 4 de abril de 2008, piratas somalis sequestraram o Le Ponant no Golfo de Áden, entre a Somália e o Iêmen, quando ele passava por essas costas conhecidas como um dos lugares da altos pirataria moderna, em rota para as ilhas Seychelles. O Ponant estava indo para o Mediterrâneo para um novo cruzeiro, programado para os dias 21 a 22 de abril, entre Egito e Malta; ele não carregava passageiros no momento. Da sua tripulação de 34 marinheiros, havia 22 pessoas de nacionalidade francesa (incluindo seis mulheres), seis filipinos, um ucraniano e um camaronês. Eles inicialmente tentam resistir usando mangueiras de incêndio, mas se rendem depois que os piratas usam suas armas.

Marchesseau tem tempo para transmitir uma mensagem de alerta de segurança antes que o navio seja dominado pelos piratas. A mensagem é recebida pelo Var, um navio da marinha francesa que patrulha a área. Um navio da Marinha Canadense pertencente à Força-Tarefa Combinada 150 engajado na guerra contra o terrorismo, HMCS Charlottetown, despacha um helicóptero que confirma o ataque. A Marinha Francesa, da base no Djibuti, envia o aviso Commandant Bouan, que manterá contato com o Ponant pela duração da operação. Nenhum resgate é exigido neste momento e o veleiro navega em direção ao sul no Oceano Índico ao longo da costa da Somália.

Barcos piratas.

Mobilização francesa

O aviso Comandante Bouan,
o primeiro navio francês na área.

Forças especiais do GIGN e dos Commandos de Marine (Comandos da Marinha) são acionados e movidos para Marselha e de lá para o Djibouti. No dia 5 de abril, um sábado, 18 operadores especiais do Commando Hubert são "tarponnés" (lançados de paraquedas no mar) a 300m de altura e são levados até o navio Commandant Bouan; durante a recuperação dos reforços, uma das balsas LCVP do Var afundou após uma manobra. O Almirante Marin Gillier dos Comandos da Marinha (Admiral commandant Les fusiliers marins et commandosALFUSCO), comandando a operação, bem como o coronel Denis Favier, comandante do GIGN, também foram lançados no mar para dirigir as operações do navio Var.

A fragata Jean Bart transportando outros comandos e o porta-helicópteros Jeanne d'Arc, um navio que então navegava entre Madagascar e Djibuti como parte da formação de oficiais da Marinha, e que foi equipado com um hospital de campanha,  convergiam em direção ao Ponant, o qual parou em 7 de abril a 850 quilômetros ao sul de onde fora desviado, ao longo da costa da Puntlândia.

Almirante Marin Gillier dos Commandos Marine.

Fim da crise

Botes pneumáticos da força de assalto.

As negociações começaram em 6 de abril entre o armador e os seqüestradores; o armador - da empresa CMA-CGM - instala uma unidade de crise em Marselha e é assessorado pelo GIGN e pelo DGSE, o serviço secreto francês. As famílias dos 22 reféns franceses são recebidas no Eliseu. A situação ainda parece muito tensa com os piratas, as forças de assalto (Commandos Marine e GIGN) estão prontas para intervir. Ao mesmo tempo, o exército francês descobre a identidade dos piratas: os "Somali Marines" ("Fuzileiros Navais Somalianos"), um dos mais poderosos grupos piratas locais.

Foto dos piratas tirada durante a operação.

Em 11 de abril de 2008, os reféns foram libertados. O armador teria aceitado o pagamento de um resgate de 2,15 milhões de dólares pagos pelo seguro do armador, a empresa AIG. Dois gendarmes do GIGN e um membro do Comando Hubert entregam o dinheiro aos piratas durante uma operação chamada Thalathine (que significa "trinta" em somali, como o número de reféns, nome proposto pelo almirante Gillier, um arabista). A transação ocorre em alto mar entre esses três soldados e três dos piratas. A tripulação é então autorizada a deixar o Ponant a bordo dos botes de emergência do navio. Depois de terminar de contar o dinheiro, a maioria dos piratas deixou o barco e, finalmente, Patrick Marchesseau, o capitão do Ponant, foi libertado e saltou para o mar onde foi apanhado pelas forças francesas. Os piratas aproveitaram essa pausa para chegar à costa da Somália e se dividir em vários grupos.

A fragata Jean Bart ao lado do Ponant.

Sniper dos comandos navais durante a operação.

No entanto, um Atlantique II francês equipado com sofisticados equipamentos de reconhecimento enviados para a área seguiu os piratas e identificou um de seus 4x4 em fuga a cerca de dez quilômetros ao norte de Garaad. Menos de uma hora após a libertação dos reféns, o Almirante Gillier lançou uma incursão helitransportada embarcando os comandos navais para interceptar os piratas. Quatro helicópteros operando do Jeanne d'Arc partiram em busca do veículo. Um franco-atirador dos Comandos da Marinha equipado com um fuzil McMillan TAC-50 postado na porta de um helicóptero Panther consegue parar o veículo graças a um tiro de precisão no motor. Imediatamente, os outros três helicópteros, dois Alouette III e um Gazelle pousaram e comandos do grupo Hubert desembarcaram e apreenderam os seis homens a bordo do 4x4 e recuperaram parte do resgate (aproximadamente 1/3). Apenas um dos piratas está levemente ferido por estilhaços do motor. A operação ocorreu com o conhecimento do governo somaliano. Os reféns transferidos para o Jeanne d'Arc foram então transportados de avião para a base aérea 188 do Djibuti e finalmente repatriados para a França em 14 de abril de 2008, enquanto os seis piratas capturados transferidos para o Jean Bart foram trazidos de volta à França para serem julgados.

Em 16 de setembro de 2009, o Tribunal de Cassação validou o processo contra os seis somalis, autores do sequestro do veleiro Le Ponant, em abril de 2008, cujos advogados alegaram ilegalidade. Os advogados desses piratas consideraram que seus clientes foram detidos fora de qualquer marco legal entre sua prisão em 11 de abril em território somaliano e sua colocação sob custódia policial cinco dias depois. O Tribunal de Cassação considerou que a lei francesa se aplicava apesar de sua prisão em território somali, mas que sua detenção a bordo de um navio militar por cinco dias estava fora de qualquer quadro legal mas estava ligada a uma "circunstância intransponível" - o tempo para o navio chegar ao Djibuti. O Tribunal de Cassação decidiu, portanto, que esta circunstância não justificava o cancelamento do procedimento.

General Denis Favier,
então coronel comandante do GIGN.

Cronologia dos eventos

Reconstituição dos piratas somalianos à bordo do Le Ponant.

Sexta-feira, 4 de abril de 2008: O Ponant, um luxuoso veleiro de 88 metros de comprimento, cruza a costa da Somália em direção a Alexandria. No final da manhã, doze piratas armados com fuzis Kalashnikov e lança-foguetes RPG se aproximaram com dois pequenos barcos de aparência inofensiva e atacaram o navio. Alertadas, as autoridades francesas despacharam o aviso Commandant Bouan, uma fragata da Força-Tarefa 150, que viajava não muito longe dali. A bordo, o Comandante Hervé Couble nunca se afastaria mais de 2km do seu alvo, que estava se dirigindo para a província de Puntlândia, um notório refúgio de piratas. Um primeiro contato entre os dois navios foi realizado no domingo, 6 de abril pela manhã. Atrás do rádio, o capitão do Ponant, Patrick Marchesseau: os trinta membros da tripulação estão bem e sendo bem tratados.

Naquela época, os piratas - que nunca deram seus nomes e se apresentaram como o "povo somaliano" ou "milicianos somalianos" - se recusavam a negociar: esperavam pelo seu líder, que falava inglês. Enquanto isso, o capitão do Ponant impressionou os soldados franceses por seu sangue-frio. "Ele nos explicou em inglês o que os piratas queriam, que nos afastássemos, por exemplo, então, entre duas frases, ele escorregou rapidamente, em francês: 'eles estão nervosos' ou pelo contrário, 'eles estão tranqüilos hoje'”, explicou o Comandante Couble. À noite, a tripulação foi reunida em um salão de recepção. Durante o dia, a princípio, os cativos são forçados a esperar no convés superior, no meio do passadiço. Então, por força de protestos, o capitão obteria que os reféns descessem ao andar de baixo, em outra ponte, ficando melhor protegidos.

O veleiro Le Ponant.

Por sua vez, os piratas parecem gostar da estadia a bordo. Na primeira noite, eles saqueariam o bar do Ponant. Os militares franceses vão se preocupar ao longo da semana com o efeito do álcool nos espíritos já aquecidos. Uma noite, um dos piratas desaparece. Algumas pessoas pensam que ele caiu na água, morto de bêbado. "Ou talvez ele tenha voltado à costa", sugere uma fonte informada.

Uma vez ancorados em Garaad, uma vila no sul da Puntlândia, a 850km ao norte de Mogadishu, os piratas se despedem do barco e fogem para vender seus achados em terra. Ao longo da semana, os moradores locais, e não uma ONG como se poderia dizer, levam água e peixe ao Le Ponant. Piratas fazem viagens frequentes de um lado para o outro em terra. Um "navio-mãe" também viaja ao largo, pensam os militares; mas eles não conseguiam localizá-lo. "Os barcos dos piratas e dos pescadores são todos iguais", disse o Almirante Gérard Valin, capitão a bordo do Var, na zona marítima do Oceano Índico.

Domingo, 6 de abril: O almirante, patrono dos comandos (ALFUSCO), salta de paraquedas com três homens do seu estado-maior no mar perto do Jean Bart, para aí embarcar e participar na condução da ação. A água está a 27 graus e há alguns tubarões... aparentemente inofensivos. Por outro lado, um dos barcos de Jean Bart vai emborcar ao coletar o equipamento lançado de paraquedas. Dezoito comandos navais saltam no total.

Ao longo dos dias, a força francesa se desdobra em torno do navio de cruzeiro. O Commandant Bouan era acompanhado pela fragata Jean-Bart, o petroleiro-abastecedor Var, o navio-escola Jeanne-d'Arc que se desviou de uma viagem de volta ao mundo, mas também seis helicópteros.

Foto de reconstituição.

O proprietário contatou os seqüestradores por volta das 21h. Um centro de crise foi instalado em Marselha, no antigo centro da CMA-CGM (Compagnie maritime d'affrètement - Compagnie générale maritime), um edifício branco próximo à sede atual. Rodolphe Saadé, filho do armador e diretor-geral da CMA-CGM, conduz essas negociações em inglês, por rádio, conversando com os piratas várias vezes ao dia. Ele é aconselhado por especialistas do GIGN enviados para Marselha.

A negociação não teve tanto a ver com o valor do resgate mas com o destino dos seqüestradores. Eles estavam particularmente preocupados com os termos do acordo: eles se perguntam como sairiam dali quando navios de guerra franceses cruzarem a zona. Também existem clãs rivais que espreitam seu butim, e dos quais desconfiam.

Véronique, esposa de Rodolphe, responsável por cruzeiros nos negócios da família, é responsável por entrar em contato com as famílias da tripulação. O pai, Jacques Saadé, próximo de Nicolas Sarkozy, o encontra regularmente em Paris. Ele imediatamente concorda em pagar um resgate, uma idéia que o presidente discorda.

Dois Gazelles da ALAT estavam à bordo do Jeanne d'Arc.
Um deles havia até realizado um exercício de tiro real em 9 de março.

Quarta-feira, 9 de abril: As negociações estavam prestes a serem concluídas. O proprietário e os piratas parecem chegar a um acordo. "Uma primeira tentativa de resgate foi considerada na quinta-feira", revela Hervé Couble. "Mas os seqüestradores continuavam mudando de idéia". No dia seguinte, Nicolas Sarkozy, que havia prometido às famílias tomar as coisas em suas próprias mãos caso a situação saísse do controle, ordena à célula interministerial de crise que supervisione a operação de agora em diante. O governo da Somália dá luz verde. Os Saadé não interrompem o contato com os seqüestradores. As discussões se aceleram. E os piratas, que então tinham dezoito anos - sete já embarcados - estão ficando cada vez mais nervosos. "Eles ficavam nos dizendo para não nos aproximarmos e, através de binóculos, podíamos vê-los armados, cercando os reféns", continua Hervé Couble.

Sexta-feira, 11 de abril: A troca pode finalmente ocorrer: os militares lançam a operação "Thalathine" (trinta, em somaliano, de acordo com o número de reféns). A reunião é previsto na água. Três piratas de um lado, três membros do GIGN do outro. Nas mãos deles, um resgate que chegava a US$ 2,5 milhões. Muito rapidamente, os reféns, que permaneceram a bordo do Ponant com alguns captores, são libertados. O Capitão Marchesseau é o último a deixar o cruzeiro. "Para ir mais rápido, pedimos que ele pulasse na água", disse o Almirante Marin Gillier.

Os reféns fazendo transbordo em botes.

Os tripulantes do veleiro, aqui na chegada ao porta-helicópteros Jeanne-d'Arc, são esperados na noite de segunda-feira em Paris.
(Sergent Sébastien Dupont/ ECPAD)

Os reféns libertados à bordo do Jean Bart.

Os reféns são salvos. A segunda fase da operação pode começar. Graças ao avião de vigilância Atlantique 2, que patrulha a 10km, os militares franceses não tiram os olhos dos piratas. Eles encontram alguns deles em Garaad. "Não intervimos imediatamente para evitar baixas civis", disse o Almirante Gillier. Um grande veículo 4x4 é detectado, o que deixa a vila em alta velocidade. O mesmo que serviu uma hora antes para receber o resgate. "Foi aqui que lançamos a emboscada", disse Gillier.

Tudo ocorreu muito rápido. Um sniper comando naval a bordo de um helicóptero atira no motor do 4x4, que pára na hora. "Os piratas não entendiam o que estava acontecendo. Eles não tinham visto o helicóptero", disse sorrindo o almirante. Os seis homens relutam em se render. Primeiro tiro de aviso. O helicóptero pousa, três soldados descem ao solo. Uma ou duas rajadas são disparadas no ar. Os piratas deitam no chão. Com as mãos amarradas nas costas, eles são embarcados no helicóptero e transferidos para o Jean-Bart.

Momento que os Comandos da marinha interceptam o grupo


Eles foram interrogados por policiais franceses e julgados na França - algo inédito. Em seu veículo, os franceses apreendem fuzis Kalashnikov (AK-47 e AK-74), mas também um terço do resgate. Entre os piratas, o passageiro da frente do carro ficou levemente ferido na canela. "Ele foi atingido por uma lasca do motor, já foi operado e passa muito bem", garante Marin Gillier, confirmando de passagem que "ninguém foi morto durante a operação". Por seu lado, o governo de transição de Mogadíscio pediu às "outras nações" que se juntassem à luta contra os piratas na costa da Somália.

"Se cada governo realizar operações como a dos franceses, acredito que nunca mais veremos piratas nas águas da Somália", disse o porta-voz Abdi Haj Gobdon.

O 4x4 parou de repente, seu motor explodiu após ser atingido pelo tiro do franco-atirador dos Comandos da Marinha.
Os piratas tentam fugir, mas será uma perda de tempo.
Os comandos embarcaram os piratas capturados no Panther 36F da marinha.

Controvérsia sobre a obsolescência do equipamento militar

Militares franceses à bordo do Le Ponant.

A pirataria é comum na costa da Somália, um país mergulhado por décadas em uma guerra civil que transformou a região em uma área sem lei, propícia à perpetuação da atividade criminosa. Por seu lado, a França está firmemente estabelecida na região, tendo importantes meios militares preposicionados em Djibuti, na entrada do Mar Vermelho. Esse evento ocorreu quando a comissão do Livro Branco da Defesa, que tinha a tarefa de redigir um documento que comprometesse a política da França no campo da defesa nacional pelos próximos 15 anos, deveria entregar suas conclusões no verão de 2008. Havia incerteza sobre os recursos alocados à marinha francesa, cujas forças eram consideradas insuficientes e dilapidadas nos círculos de defesa.

Embora a avaliação seja positiva para as forças francesas que demonstram sua capacidade de desdobramento no Oceano Índico, também destaca a idade, obsolescência e manutenção ruim de seus equipamentos. Brigitte Rossigneux, jornalista do Canard enchaîné e Jean-Dominique Merchet do jornal Libération apontaram para a série de avarias que afetaram a força de intervenção. A fragata Jean Bart teve um problema mecânico a caminho mas ainda pôde chegar ao teatro de intervenção, os navios da Marinha Francesa presentes no local (Var, Commandant Bouan, Jean Bart e Jeanne d'Arc) tinham uma idade média de 27 anos.

Quanto à fragata Surcouf, permanece bloqueada em Djibuti devido a danos. Durante a operação de captura dos piratas, um avião Atlantique 2 que supervisionava a força aérea sofreu uma pane em um de seus motores, e teve que pousar com urgência no Iêmen.

ALFOST (Mathieu Kassovitz), Chanteraide "Chaussette" (François Civil) e D'Orsi (Omar Sy) no filme Alerta Lobo (Chant du Loup, 2019).

O tema da falta de orçamento para os meios navais franceses ainda é um tema atual, especialmente por conta da concentração no Pacífico frente à China comunista, e é até mesmo mencionado no filme francês Alerta Lobo (Chant du Loup, 2019). No enredo do filme, a força de submarinos francesa deve atender necessidades de defesa ao redor do mundo, citando pontos quentes na costa da Síria contra os iranianos e no Báltico contra os russos.

Também há menção sobre jihadistas interferindo nos sistemas militares dos Estados nacionais. Em uma cena específica, o "Almirante Comandante da Força Oceânica Estratégica" (Commandant la force océanique stratégique, ALFOST), interpretado por Mathieu Kassovitz, briga com o comandante D'Orsi (Omar Sy) sobre o porquê de não terem substituído uma tela de computador rachada, e D'Orsi lhe responde "Isso é a França", dizendo que só um computador funcionava.

Trailer do filme Alerta Lobo


Bibliografia:

A Operação Thalathine foi estudada no livro A l'assaut des pirates du Ponant: Opération Thalathine (4-11 avril 2008), escrito pelo Almirante Laurent Mérer e publicado em 5 de janeiro de 2012. O livro é minucioso e detalha os acontecimentos em um estudo feito em proximidade aos eventos, quando as memórias ainda eram frescas.

Almirante Laurent Mérer, autor do livro
"A l'assaut des pirates du Ponant: Opération Thalathine (4-11 avril 2008)".

Livro escrito com testemunhos e material documental publicado em 5 de janeiro de 2012.

quinta-feira, 30 de junho de 2022

A representação dos russos no Call of Duty: Modern Warfare (2019)


Por Alex Horton, The Washington Post, 5 de novembro de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de maio de 2022.

O novo jogo Call of Duty coloca os russos como vilões. Isso desencadeou uma revolta online.

Em algum ponto no recém-lançado Call of Duty: Modern Warfare, o jogador se torna Farah Karim enquanto ela corre pelas ruas no fictício Urziquistão, assistindo soldados russos massacrarem outros civis.

Seu pai é morto a tiros por um soldado ansioso para matar a jovem e seu irmão. Farah, segurando uma chave de fenda, mergulha a ponta no estômago do soldado antes de matá-lo com seu próprio fuzil.

Fase do soldado russo matando o pai da Farah


A cena brutal ganhou alguns detratores nos Estados Unidos, enquanto os desenvolvedores defendiam seu esforço para produzir uma história complicada e complexa que desafia as convenções preto-e-branco de lutar contra inimigos como nazistas ou terroristas.

Mas na Rússia, o retrato de seus soldados como vilões exagerados foi repreendido pela mídia estatal, gerou pedidos de boicote e fez com que as transmissões ao vivo cancelassem acordos promocionais com a editora Activision.

Ilya Davydov, um influente jogador russo com quase meio milhão de seguidores no Twitch, disse que assinou um contrato de promoção com a Activision Russia para transmitir o jogo ao vivo por seis meses.

A brutal ocupação russa do Urziquistão


Mas em 25 de outubro, cronometrado com o lançamento do jogo, ele desistiu duas horas antes do horário marcado para sua primeira transmissão ao vivo da campanha, após uma olhada nas missões.

“Percebi que não queria mostrar esse tipo de conteúdo em meu canal, já que a história da campanha estava repleta de momentos ultrajantes que apresentavam a Rússia e o exército russo como criminosos de guerra”, disse Davydov, que também atende por Maddyson, ao The Washington Post por email.

A Rússia tem usado cada vez mais a cultura popular como um canal para se defender e reformular sua imagem no cenário mundial. A mídia estatal classificou "Chernobyl" da HBO como propaganda ocidental, levando uma rede a produzir uma série que culpa os Estados Unidos pelo desastre, de acordo com o Moscow Times.

Parte do acordo de Davydov, disse ele, era não mencionar a missão "No Russian" do lançamento do Modern Warfare 2 em 2009. Essa missão permitiu que os jogadores participassem de um ataque terrorista russo em um aeroporto. Isso gerou um retrocesso para a Activision, que removeu a missão das versões russas do jogo, que na época estavam disponíveis para PC.

No Russian


Outros streamers seguiram o exemplo e desistiram de seus negócios, disse Davydov.

Kirill Kleimenov, o âncora da nau capitânia, pró-Kremlin Channel One, zombou do jogo dias depois.

"Por que esses terríveis russos estão fazendo essas coisas?" ele perguntou retoricamente, de acordo com a NBC News. “Simplesmente porque essa é a sua essência. Eles são por natureza nem mesmo pessoas, mas algum tipo de orcs infernais.”

A resposta do jogador a Call of Duty foi rápida e implacável, enquanto os russos inundavam o Metacritic para votar a pontuação do usuário no jogo para baixo em um esforço para diminuir seu apelo. A classificação do PC está abaixo de 3 em 10. A pontuação do PlayStation 4 está puxando um pouco acima de 3.

A franquia Call of Duty contou com uma série de vilões ao longo de sua história, começando com os nazistas na Segunda Guerra Mundial antes de mudar para grupos terroristas amorfos, células extremistas dissidentes e tiranos espaciais.

A Infinity Ward disse que pretendia no lançamento mais recente criar uma narrativa moral e politicamente cinzenta em um país fictício distante dos eventos reais.

Essa intenção foi transmitida a promotores como Davydov, disse ele.

Mas "não há 'moralidade cinza' no jogo", disse ele. “Soldados do SAS e agentes da CIA não atiram em mulheres (a menos que estejam segurando armas) ou crianças, ao contrário dos soldados russos.”

O desenvolvedor Infinity Ward e a editora Activision não retornaram pedidos de comentários.

No jogo, os jogadores assumem o papel de um agente da CIA e de Farah, tanto quando criança quanto mais tarde como comandante da milícia, enquanto travam uma campanha de guerrilha contra os ocupantes russos no Urziquistão, uma mistura da Síria, Afeganistão e Chechênia.

Fuzileiros navais russos na Chechênia.

Mais tarde no jogo, é revelado que o comandante russo se tornou desonesto, e os jogadores lutam ao lado de alguns russos para resolver a campanha.

Mas isso parece ter feito pouco para diminuir a raiva sobre as missões anteriores do jogo e a decisão da Infinity Ward de levantar incidentes reais de operações militares dos EUA e, em seguida, reinventá-los como massacres russos.

Em uma missão, os personagens do jogo fazem referência a um assassinato em massa conhecido como a "rodovia da morte", onde russos bombardeavam civis em fuga.

Coluna de veículos iraquianos destruídos na Estrada da Morte, 1991.

Esse termo já é bem conhecido pela infame "Rodovia da Morte" da Guerra do Golfo. No final da guerra de 1991, aviões de guerra dos EUA bateram na cabeça e na cauda de uma enorme coluna de tanques militares iraquianos e veículos civis confiscados que fugiam do Kuwait de volta ao Iraque.

As surtidas duraram horas, e as imagens de carcaças queimadas de veículos e corpos carbonizados foram vistas em todo o mundo - exceto nos Estados Unidos, inicialmente, após a autocensura generalizada de uma foto particularmente horrível de um homem queimado até o seu esqueleto.

Os alvos eram “basicamente alvos fáceis”, disse um comandante de esquadrão. O então presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior, General Colin L. Powell, estava preocupado que a missão parecesse uma “matança desenfreada” e a violência tão unilateral que seria “anti-americano” continuar.

Soldado iraquianos calcinado na Estrada da Morte, 1991.

O jogo também apresenta uma série de execuções de civis e bombardeios indiscriminados de civis que lembram as campanhas aéreas russas na Síria que mataram muitas pessoas.

As forças dos EUA mataram dezenas de não-combatentes em campos de batalha modernos, como o ataque de 2014 a um hospital dos Médicos Sem Fronteiras no Afeganistão que matou 30 pessoas e vários ataques aéreos no Iraque e na Síria visando o Estado Islâmico.

Taylor Kurosaki, o diretor narrativo do jogo, defendeu a inversão do jogo na história, sugerindo que um dos momentos mais infames do final do século XX poderia ser interpretado de outro lugar.

“Eu acho que você provavelmente poderia encontrar muitas ocorrências das palavras 'rodovia da morte' sendo usadas em muitos casos”, disse ele à GameSpot.

Davydov sugeriu que o jogo deveria ser banido na Rússia e, em uma tempestade de tweets de terra arrasada, disse que recusou o pagamento de mais de 1 milhão de rublos, ou mais de US$ 15.700.

“Mas ter uma consciência vale mais”, disse ele.

Achtung, renda-se! Para os alemães, o abuso dos quadrinhos finalmente acabou

Os quadrinhos Commando tiveram alguns títulos problemáticos, mas as edições recentes têm uma perspectiva mais ampla sobre o combate.

Por Marc Horne, The Times, 30 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 30 de junho de 2022.

Durante décadas, celebrou os bravos Tommies e castigou alemães cruéis, mas agora o quadrinho de guerra mais antigo do país voltou seu fogo contra o jingoísmo e a xenofobia.

Commando tem inventado histórias de bravura militar, camaradagem e valor desde que foi publicado pela primeira vez pela DC Thomson em Dundee em 1961.

Suas vendas subiram para 750.000 por mês na década de 1970, quando corajosos soldados britânicos e americanos de mandíbula de lanterna superaram uma sucessão de adversários que diziam pouco mais do que “Achtung!”, “Gott im Himmel!!” e “Aiiii!”.

Estereótipos nacionais e linguagem depreciativa foram abandonados em favor de representações mais sutis e compassivas da vida em tempos de guerra.

Calum Laird, um ex-editor que continua a escrever histórias para o título, saudou o afastamento das atitudes gung-ho entusiasmadas.

Ele destacou uma edição que escreveu em 2020, intitulada Stan’s War (A Guerra de Stan), como emblemática das mudanças. Conta a história de Stanislaw Kowalski, um soldado polonês que se vê exilado na Grã-Bretanha após o fim da Segunda Guerra Mundial. Laird disse que se inspirou no Brexit e suas repercussões.

“Em Fife, onde estou, há muita gente de ascendência polonesa”, disse ele. “Eu estava muito ciente de que depois do Brexit tínhamos amigos poloneses que voltaram.

Ian Kennedy, visto antes de sua morte no início deste ano, era um artista original.
(DCT Media)

“Este foi um momento de debate polarizado sobre imigração. Quadrinhos dão a oportunidade de explorar essas questões de maneiras mais sutis.”

Algumas das primeiras edições de Commando ostentavam títulos profundamente problemáticos, como Hun Bait (Isca para Hunos) e Jap Killer! (Matador de Japas!), o que seria impensável hoje.

Laird, 65, que esta semana recebeu um PhD em quadrinhos de guerra britânicos pela Universidade de Dundee, disse que os quadrinhos mostraram uma mudança gradual do conteúdo explicitamente anti-alemão e anti-japonês ao longo dos anos. “Uma das primeiras histórias, que reimprimi como editor, apresentava um personagem japonês que foi tratado muito favoravelmente”, disse ele. “Ele era uma pessoa bem-intencionada apanhada nas restrições da guerra. Da mesma forma, havia muito jingoísmo e gung-ho.”

Originalmente, todas as histórias da série de longa duração, impressas em preto e branco e em formato de bolso, eram ambientadas na Segunda Guerra Mundial e apresentavam heróis britânicos ou aliados.

No entanto, eles agora apresentam edições independentes ambientadas em eventos como a invasão romana da Grã-Bretanha, a era medieval, a Guerra Civil Espanhola e o futuro distante – e também são contadas de diferentes perspectivas.

“Fizemos uma série de histórias do Dia da Vitória na Europa [8 de maio de 1945] e uma delas foi contada do ponto de vista de um soldado alemão”, disse Laird. “Isso mostra bem como as coisas mudam.”

Commando agora enfatiza as diferenças entre os conscritos alemães e italianos comuns e os soldados do Eixo que abraçaram ativamente as ideologias nazistas e fascistas.

Laird insistiu que o afastamento das narrativas explicitamente nacionalistas não encontrou muita resistência. “Não me lembro de ninguém dizendo ‘Oh não, não queremos heróis alemães ou japoneses'”, disse ele. “Acho que não houve nenhum retrocesso significativo. Uma vez que as pessoas começam a ler, elas tendem a seguir a história. Ainda existem muitos colecionadores obstinados que têm todos os fascículos.”

Quadrinhos de guerra já foram muito populares entre os leitores britânicos, com títulos como Warlord, Battle, Victor e Hotspur vendendo centenas de milhares de cópias toda semana. Commando, que agora publica quatro títulos por quinzena, é o último homem de pé.

Adaptando-se com os tempos

Os quadrinhos de longa duração do país passaram por uma série de mudanças para torná-los mais palatáveis para as sensibilidades modernas.

No ano passado, The Beano anunciou que Fatty (gordinho), membro do Bash Street Kids desde que apareceu pela primeira vez há quase 70 anos, não responderia mais pelo nome. Ele agora é conhecido como Freddy.

“As crianças vêm em todas as formas e tamanhos, e nós absolutamente celebramos isso”, explicou Mike Stirling, diretor criativo da Beano Studios, editora do título. “Não queremos arriscar que alguém o use de maneira maldosa.”

Meses depois, o quadrinho baseado em Dundee confirmou que Spotty (pintado), outro fiel da Bash Street, estava sendo renomeado Scotty para impedir que jovens com sardas ou acne fossem ridicularizados por seus colegas de classe.

Em 2008, surgiu que outro favorito de Beano, Dennis the Menace (Denis, a Ameaça), teve seu comportamento atenuado.

Euan Kerr confirmou que durante seu tempo como editor do título ele havia impedido o encrenqueiro de ameaçar Walter the Softy (Walter, o Molenga), em meio a reclamações de que seu comportamento incentivava o bullying violento.

A mudança de atitudes da sociedade significou que, no final dos anos 1980, as aventuras de Dennis - e da colega de brincadeiras Minnie the Minx (Minnie, a Atrevida) - não terminavam mais com eles sendo atingidos com um chinelo por um pai irritado.

Enquanto isso, Desperate Dan, o caubói devorador de tortas que estrela o quadrinho irmão The Dandy, foi forçado a fazer dieta, perdeu suas esporas “cruéis” e teve seu revólver de seis tiros substituído por uma pistola de água.

quarta-feira, 29 de junho de 2022

A França entregará um número “significativo” de veículos blindados VAB para a Ucrânia

Por Laurent Lagneau, Zone Militaire Opex360, 29 de junho de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 29 de junho de 2022.

Na semana passada, um vídeo filmado na Eslováquia mostrando caminhões transportadores transportando Veículos de Avanço Blindado (Véhicules de l’avant blindé, VAB) foi postado nas mídias sociais. Isso sugeria que essas máquinas estavam a caminho da Ucrânia. O que o ministro das Forças Armadas, Sébastien Lecornu, confirmou em 28 de junho, em entrevista concedida ao jornal Le Parisien.

“Para se mover rapidamente por áreas sob fogo inimigo, os exércitos precisam de veículos blindados. A França vai entregar, em quantidades significativas, veículos de transporte deste tipo, os VAB, que estão armados”, disse o ministro.

Colocado em serviço há mais de quarenta e cinco anos dentro das forças francesas (e do Exército em particular), que recebeu mais de 4.000 exemplares, o VAB está disponível em várias versões, incluindo o chamado ULTIMA, desenvolvido na década de 2010. A priori, os veículos blindados trazidos para este padrão não fazem parte daqueles enviados para a Ucrânia. Pelo menos é o que sugere o vídeo gravado na Eslováquia.

A frota de VAB usada pelo Exército está diminuindo de ano para ano. Enquanto alguns desses veículos foram transferidos para a Gendarmaria Nacional durante seu engajamento no Afeganistão, outros foram destruídos durante as operações quando não estavam muito desgastados pelos rigores do ambiente do Sahel. Além disso, eles estão sendo gradualmente substituídos pelos veículos blindados multifunção Griffon e Serval (VBMR), como parte do programa SCORPION. Assim, em 1º de julho de 2021, havia apenas 2.500 exemplares ainda em circulação.

Além disso, o Sr. Lecornu mencionou a entrega do CAESAr (Caminhões equipados com sistema de artilharia de 155mm) para a Ucrânia. “A artilharia neste conflito é […] central: também, as armas francesas CAESAr – cuja reputação é inigualável por sua precisão e sua mobilidade em um teatro de operações – foram entregues. Este é o principal pedido que as autoridades ucranianas nos fizeram. Com esses 18 canhões, forma-se uma unidade de artilharia completa”, argumentou.

Quanto às consequências dessas entregas sobre as capacidades do Exército, o ministro argumentou que "nunca tomaríamos uma decisão que privasse a nação francesa de elementos decisivos em sua defesa". E para acrescentar: “Estes 18 canhões CAESAr podem ajudar a mudar a vida dos ucranianos… para o Exército Francês, isso o priva de uma fração limitada de equipamentos [quase 25% mesmo assim, nota] para o ciclo de treinamento de curto prazo. É por isso que estamos pedindo às nossas indústrias de defesa que se coloquem em uma 'economia de guerra' para reabastecer os estoques".

Além disso, e ainda em relação à Ucrânia, o Sr. Lecornu disse ter duas prioridades. A primeira é ajudar o Exército Ucraniano “a resistir ao longo do tempo”. E, segundo ele, isso passa por “estoques de munição”.

Um assunto igualmente sensível para as forças francesas... que preocupa parlamentares, incluindo Christian Cambon, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa do Senado. Em dezembro passado, este último deu o alarme ao dizer que em termos de munição, as forças francesas só tinham o “estritamente necessário”.

Mais recentemente, em seu relatório – notado – sobre o compromisso de alta intensidade, os deputados Jean-Louis Thiériot e Patricia Mirallès que, em relatório sobre a “alta intensidade”, recomendaram um “esforço financeiro imediato” para reconstituir os estoques de munição.

Seja como for, para o Sr. Lecornu, “a coordenação entre aliados, particularmente no âmbito da OTAN, mas também da UE, é muito importante”. De passagem, ele disse que a possibilidade de entregar mísseis anti-navio Exocet para a Ucrânia estava sendo considerada. E isso enquanto a Marinha Nacional tem dito regularmente que carece de “munição complexa” para lidar com o “endurecimento das operações navais”.

Finalmente, a segunda prioridade de Lecornu é o treinamento de soldados ucranianos em "certas técnicas de combate e inteligência militar". O que, explica ele, é “essencial, porque permite usar bem as armas entregues e otimizar o desempenho dos combatentes e, portanto, preservar suas vidas”.

De referir que, neste ponto, e durante uma visita a Kyiv a 17 de Junho, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson ofereceu-se para treinar até 10.000 soldados ucranianos a cada 120 dias no Reino Unido.

terça-feira, 28 de junho de 2022

Um americano trabalhando com os franceses no Afeganistão

Por Chris Hernandez, Breach Bang Clear, 9 de julho de 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de junho de 2022.

No Afeganistão, trabalhei ao lado do exército francês. Isso me tornou mundialmente famoso na França. Aliás, eu até apareci na capa de agosto de 2009 da revista RAIDS, que é uma espécie de Soldado da Fortuna francesa:

Eu pareço incrível, não é? Infelizmente, o fotógrafo que tirou aquela foto não era muito bom. Estou descentralizado na foto, além de muito desfocado. Aqui está outra versão, onde estou destacado um pouco melhor:


Ok, talvez eu não seja tão importante na França quanto pensava. Mas trabalhar com o exército francês ainda foi um dos pontos altos da minha carreira militar.

Quase toda vez que digo a alguém que trabalhei com os franceses, recebo comentários como: “Você quer dizer que os franceses têm um exército?”, “Eles se renderam a você no dia em que você chegou lá?”, ou alguma outra variação do “macaco comedor de queijo que se rende”. E se eles não insultam abertamente as tropas francesas, geralmente descartam minha experiência dizendo: “Oh, você deve ter trabalhado com a Legião Estrangeira. Eles não são realmente franceses.”

Esses comentários realmente me dão nos nervos. E eles estão completamente errados. Servi com alguns Legionários e muitas tropas francesas regulares. Seja qual for a política do público ou do governo franceses, seus soldados são corajosos, bem treinados, em forma física fantástica e agressivos. Descrever esses homens como covardes é absolutamente injusto.

Bandeiras brancas e fuzis largados?

A verdade real sobre trabalhar com o Exército Francês

Soldados do Exército dos EUA com franco-atiradores das tropas navais francesas e JTAC da Força Aérea Francesa, na Firebase Morales-Frasier, província de Kapisa, Afeganistão, outono de 2009.
O autor está de pé no lado esquerdo da bandeira francesa da Bretanha, usando boné bege. A outra bandeira é a do Texas.

É certo que eu tinha uma opinião ruim dos soldados franceses antes de servir com eles. No Kosovo, os militares franceses tinham a reputação de serem politicamente tendenciosos e ineficazes. Como policial da ONU, trabalhei com gendarmes franceses, um tipo de policial militar. Eles também não gostavam dos militares franceses regulares.

Então, no início de 2009, quando me disseram que eu estava indo para uma base de fogo francesa no Afeganistão, fiquei um pouco preocupado. Eu não falava francês, não tinha uma visão positiva de suas tropas e estava preocupado em ficar preso dentro do arame farpado com pessoas que não queriam estar em combate. Eu havia passado todo o meu desdobramento no Iraque em um Humvee em uma equipe de escolta de comboio; aquela missão era uma droga, e eu não queria nada com a vida de fobbit ou proteção de força. No Afeganistão, eu queria passar o máximo de tempo possível a pé com caras que queriam lutar. Os franceses não pareciam desse tipo.

Então comecei a investigar. Fui a soldados que estavam no Afeganistão há algum tempo e perguntei o que eles achavam dos franceses. E ouvi algo que não esperava, uma frase que ouviria muitas vezes durante minha turnê:

“Os únicos soldados aqui que realmente querem lutar são os americanos, britânicos e franceses.”

Essa frase foi, claro, totalmente injusta para com os australianos e canadenses. Pode ter sido injusto com os alemães, que tinham a reputação de guerreiros frustrados cujo governo não permitia fazer uma blitzkrieg no Talibã como queriam. Não deu crédito suficiente a algumas unidades do Exército Nacional Afegão que eram agressivas e ansiosas pela batalha.

Treinamento do ANA pelos franceses.

No entanto, além de dar os merecidos elogios aos franceses, a frase abordou uma certa verdade desagradável. Alguns países, aparentemente em resposta à pressão política americana, enviaram tropas para o Afeganistão de má vontade. Essas tropas foram obrigadas a ficar dentro da base ou, quando saíam, mostravam zero desejo de arriscar suas vidas por uma causa em que não deveriam ter acreditado.

Por exemplo, um dos meus melhores amigos trabalhou com as tropas de uma nação diferente (não vou citar qual nação porque não tenho experiência em trabalhar com eles e não quero caluniar todos eles; no entanto, meu amigo é confiável, veterano experiente de várias turnês, e eu acredito nele). De acordo com meu amigo, os soldados desta nação “patrulhariam” encontrando um campo aberto não muito longe da base, sentavam-se por horas e depois voltavam para o FOB. Eles faziam um grande esforço para evitar o perigo e, quando engajados, imediatamente rompiam o contato. Ele descreveu uma experiência no Centro de Operações Táticas (Tactical Operations Center, TOC), onde câmeras capturaram uma célula do Talibã colocando um foguete em um local de lançamento frequentemente usado. Enquanto observavam o Talibã se preparando para atirar no FOB, meu amigo perguntou: “Por que vocês não atiram neles?”

Um dos oficiais militares estrangeiros respondeu: “Não podemos. Eles ainda não atiraram em nós.”

O Talibã lançou o foguete. Sem uma palavra, todos no TOC pularam de pé e correram para os bunkers. Eles sabiam por experiência que os foguetes daquele local impactariam em cerca de quinze segundos. Meu amigo correu atrás deles para se proteger. Alguns segundos depois, o foguete explodiu. Todos correram de volta para o TOC. A câmera mostrou o Talibã deixando a área às pressas.

Frustrado, meu amigo perguntou: “Por que diabos vocês não atiram neles agora?”

A resposta foi: “Não podemos atirar. Agora eles estão desarmados.”

Acredita-se que outra força militar estrangeira, o exército italiano, pagou ao Talibã para não atacá-los. Os franceses ficaram furiosos com isso, e com razão. Em 2008, os paraquedistas franceses assumiram uma área de operações dos italianos. Os italianos haviam sofrido apenas uma morte durante o ano anterior naquela AO e avaliaram a área como de baixo risco. Os franceses aceitaram essa avaliação e enviaram uma de suas primeiras patrulhas para a área com armas leves e apenas 100 tiros cada, sua carga de combate padrão na época.

Talibãs posando com material francês capturado na emboscada de Uzbin, em 2008.

A patrulha foi emboscada. Um grupo de dez soldados foi separado, encurralado, cercado e exterminado até o último homem. Apesar do que os italianos relataram, as forças do Talibã eram extremamente fortes naquela área. Mas eles raramente atacaram os italianos, assim como os insurgentes iraquianos raramente atacaram os italianos em Nasiriyah quando eu estava em Tallil em 2005.

Nossa, eu me pergunto por quê...

Cheguei ao Afeganistão seis meses depois daquela emboscada. Nos nove meses seguintes, participei de inúmeras patrulhas e missões de reconhecimento com as tropas de montanha e tropas navais franceses.

Aprendi a falar francês bem o suficiente para poder transmitir informações entre as redes de rádio americanas e francesas. Às vezes eu era o único americano em missões francesas. Minhas preocupações em trabalhar com eles eram completamente infundadas e, desde então, fico muito irritado sempre que ouço comentários cansados e antigos de que “os franceses são covardes”.

A Batalha do Vale do Alasai, março de 2009

Uma diferença grande


Nós, nas forças armadas dos EUA, somos frequentemente tratados como alunos do jardim de infância mentalmente lentos. Acho que até o último soldado do Exército dos EUA se torna homicidamente violento ao pensar em usar um cinto refletivo em uma zona de combate. Eu costumava balançar a cabeça para os novos comandantes de unidade em Bagram, que ordenavam que seus soldados viajassem por toda parte dentro da base com um companheiro de batalha, até mesmo para uma mijada do lado de fora de sua tenda. Muitos de nós, especialmente suboficiais seniores, nos irritamos com a mentalidade de “você é muito estúpido para confiar” que permeou o Exército.

E nem me fale da Ordem Geral número um, a proibição do álcool. Eu não bebo, mas quase todo mundo no mundo bebe. Não seria irracional permitir que homens e mulheres adultos escapassem do estresse da guerra com uma ou duas cervejas. Aparentemente, nosso comando acha que se eles nos permitirem beber, todos nós vamos entrar num frenesi matador-enlouquecido à la Robert Bales. O pensamento de uso moderado de álcool sob condições controladas induz um aneurisma cerebral automático em nossos líderes seniores.

Um encontro típico com os franceses e afegãos.
Os americanos bebem refrigerante em vez de álcool para evitar ofender os afegãos, que obviamente estão bebendo álcool com os franceses.

Os franceses, por outro lado, não têm esse problema.

Este é apenas o começo de ruminações (grunhidos: ruminação) da minha experiência com o exército francês. Na Parte 2, falarei sobre uma missão de patrulha de uma semana com uma patrulha de reconhecimento francesa, vinho na base e sua opinião sobre sexo, assédio sexual e danadice.

Parte II: Sexo e cintos refletivos

Tropas do Exército Francês e controladores da Força Aérea em um posto avançado de combate, Vale do Alasai, província de Kapisa, Afeganistão.
(Foto do autor)

Muitos americanos me perguntaram: “É verdade que os franceses serviam vinho no jantar e tinham vinho em suas rações de campanha?” A resposta é sim e não. Eles não só serviam vinho no jantar, mas às vezes também o serviam no almoço. A base de fogo em que eu estava, a qual não era tão grande, tinha três bares. Os French Joes comuns podiam ter todo o álcool que quisessem em suas barracas.

Fui em uma missão de uma semana para um posto avançado de combate com um pelotão de reconhecimento francês. O posto avançado estava no limite mais distante do controle da coalizão, cercado pelo Talibã. Um de seus quadros de companhia, um capitão, nos acompanhou. Quando ocupamos o posto avançado, a primeira coisa que as tropas fizeram foi abrir cervejas e colocar bifes para grelhar.

Tropas francesas na província de Kapisa, 2012.
(Imagem AFP)

Tive uma conversa com o capitão francês sobre coisas estúpidas que acontecem nas forças armadas americanas, como o sargento-mor e capitão no Iraque, cujo único dever aparente era gritar com os soldados do DFAC por usarem braceletes de paracord. Jamais esquecerei o capitão ali parado totalmente relaxado com uma cerveja na mão, sem armadura ou capacete, tropas bebendo e grelhando atrás dele, me dizendo: “Coisas assim não acontecem no exército francês”.

Então, sim, os franceses podiam beber desde que não interferisse em seus deveres. Mas, infelizmente, as rações de campanha francesas que vi não tinham rações de vinho. Desculpem rapazes.

Ah, e não me lembro de ter visto sequer um soldado francês usando um cinto refletor.

Assédio sexual


Para os leitores atualmente nas forças armadas, esta é uma notícia antiga, mas os leitores civis podem não apreciar o efeito dramático que as queixas de assédio sexual tiveram sobre nós. Somos constantemente lembrados da punição por cometer assédio sexual ou não denunciá-lo. Aulas de treinamento e prevenção de assédio sexual estão sempre sendo realizadas. É um grande problema nas forças armadas.

Aqui está um exemplo: após minha implantação, peguei o dever adicional de preparar uma apresentação semanal para um grupo de oficiais de estado-maior estressados e excessivamente sérios. A apresentação era muito formal, então comecei a adicionar fotos de piadas no slide final. As fotos foram um sucesso. Então eu tentei adicionar esta imagem a uma apresentação:

"Só estou pagando minha entrada na escola de obediência."

Achei engraçado pra caralho. Os oficiais para os quais trabalhei, é claro, consideraram isso muito ofensivo. Eu não vi o porquê (e ainda não vejo), mas ainda tive que removê-lo. Suponho que a foto pode ofender oficiais femininas que costumavam ser strippers ou oficiais do sexo masculino que se casaram com strippers. Seja qual for o motivo, essa imagem ficou fora dos limites da decência comum. Esse é o exército americano pra você.

Então, como os franceses se sentiam sobre essa foto ou sobre o assédio sexual?

Quando minha equipe começou a operar, os franceses fizeram uma festa de despedida para a equipe que estava saindo. Homens e mulheres, oficiais e alistados misturavam-se com comida e vinho franceses. Os europeus gostam muito de DJs, então um oficial francês tocou videoclipes com um laptop e um projetor. Alguns desses vídeos eram de grandes discotecas na Europa, onde as pessoas tiram a roupa e fazem sexo no palco; na verdade, o oficial francês estava passando vídeos pornôs techno em uma tela grande para soldados femininos. Vi isso acontecer em mais de uma ocasião.

NINGUÉM SE IMPORTOU. Não houve denúncias de assédio sexual ou ameaças de denúncias. Eu nunca ouvi falar de um incidente de assédio sexual entre os franceses.

Quando os fuzileiros navais franceses assumiram, participei de reuniões semanais com o comandante do batalhão. O comandante do batalhão abria cada documento com uma piada, geralmente uma foto. Uma oficial feminina estava em sua equipe. No início de um briefing, o comandante mostrou uma série de fotos de mulheres nuas pintadas para parecerem animais. Todos os oficiais na sala, incluindo a mulher, riram de cada uma. Então o comandante disse à mulher: “Para você não se sentir excluída, aqui está uma para você”, e mostrou uma foto de um homem nu pintado como um elefante. A mulher riu em apreciação. No Exército dos EUA, o comandante teria sido demitido.

O autor em patrulha no Afeganistão.

Um soldado francês de um dos pelotões de linha tinha uma namorada no quartel-general da Companhia. Seu pelotão dividia uma grande tenda dividida em cubículos individuais. 
Todas as noites em que ele não estava em campo, sua namorada ficava com ele. Ninguém na cadeia de comando lhe disse uma palavra sobre isso. Como um oficial francês me disse: “Nossa única regra sobre sexo é ‘seja inteligente’”.

Meus amigos franceses costumavam brincar gentilmente comigo sobre a “mentalidade puritana” da sociedade americana. Eles estavam certos. Os franceses parecem ter superado isso. Eles esperam que seus soldados não apenas lutem, mas desfrutem dos prazeres básicos da vida enquanto o fazem.

Esta foi apenas a segunda parte das minhas ruminações (grunhidos: ruminação) da minha experiência com o exército francês. Fique por aqui para a Parte 3, onde falaremos sobre COMBATE e por que os franceses não correm.

Parte III: Os franceses não correm

Tropas de montanha francesas manobrando após uma emboscada.
(Foto de Thomas Goisque, 2009, www.thomasgoisque-photo.com)

Ao contrário da sabedoria americana convencional, os franceses gostavam de lutar. Eu os acompanhei quando eles, tropas afegãs e um punhado de americanos invadiram um vale controlado pelo Talibã. Apesar dos comentários de pessoas que não têm experiência real com eles, as tropas francesas não fogem de um contato. Eles gostam de avançar em direção ao inimigo e atirar. Muito.

Quando invadimos aquele vale, os franceses disparam pra caramba. Eles lançaram projéteis de morteiro de 81mm e 120mm. Eles lançaram mísseis antitanque Milan em qualquer alvo digno. Seus tanques abriram grandes buracos em complexos controlados pelo Talibã. Eles convocaram muitos ataques aéreos (todos americanos na época, aviões franceses os apoiaram em missões posteriores). Um veículo francês foi incendiado por um RPG e seu motorista morto; os franceses continuaram em vez de ficarem paralisados pela perda. Uma das coisas mais inspiradoras que vi foi um grupo de soldados franceses recuperando seu camarada morto e queimado do veículo mais tarde naquela noite.

As Tropas da Montanha entraram em vários engajamentos durante sua turnê. Alguns desses foram contatos intensos e prolongados; um foi uma luta gigantesca, com mais de um batalhão, de vários dias. As tropas navais francesas entraram em mais de noventa contatos durante seu desdobramento de seis meses. Nenhuma unidade se esquivou do combate.

Soldados do Groupement de Commandos de Montagne (pelotão de reconhecimento de montanha) com um VAB (Véhicule de l'Avant Blindé; basicamente um APC).

Uma vantagem gigantesca que os franceses tinham sobre nós era o uso de tanques. Mantemos uma força blindada que é fantástica para derrotar os T-80 cruzando o Passo de Fulda, mas não tão fantástica para combater insurgentes em vales montanhosos. Os franceses tinham os AMX-10, tanques leves sobre rodas que eram perfeitos para combate de contra-insurgência. Eles foram um tremendo multiplicador de força.

Tropas e blindados franceses no Vale do Alasai, província de Kapisa, Afeganistão, 2009.
(Foto de Goisque)

Uma noite antes de uma grande operação, eu estava deitado na terra em um perímetro de posto avançado. Eu tinha adormecido à meia-noite. Às 3 da manhã, uma tremenda explosão me acordou. Fiquei imóvel por alguns momentos, depois perguntei a um fuzileiro naval de guarda: “Que diabos foi isso?”

Ele respondeu: “Não sei, mas algo passou bem por cima de nossas cabeças”.

Quando o sol nasceu, fiquei surpreso ao ver um AMX-10 no meio de uma montanha atrás do posto avançado. Uma tripulação de tanque corajosa e/ou estúpida havia feito uma trilha estreita no escuro e atingido alguns talibãs.

Não invejei o pobre motorista que teve que percorrer aquela trilha. Ou o carregador que tenho certeza que teve que andar na frente do tanque, sabendo que se cometesse um erro, sua equipe rolaria montanha abaixo. Como ex-tanquista, posso dizer que dirigir um tanque montanha acima no escuro não é algo que covardes fazem.

Tanque leve sobre rodas AMX-10 atirando.
(www.thomasgoisque-photo.com)

Aptidão física

Chasseurs Alpins (caçadores alpinos) do 27º Batalhão de Caçadores de Montanha.
(www.thomasgoisque-photo.com)

Como mencionei antes, os franceses estavam em muito boa forma. Eu não diria que eles superariam a típica unidade de infantaria americana, mas eles estavam em melhor forma do que muitos americanos pensavam que estavam. Isso levou a pelo menos uma situação muito engraçada com um pelotão de pathfinders (precursores paraquedistas) americanos.

Meus amigos me disseram que na França eles tinham muito pouco suporte de veículos para treinamento. Se uma companhia precisasse de um complemento completo de transportadores de tropas para um exercício, teria que desmontar todos os veículos de todo o batalhão. Eles estavam acostumados a andar por toda parte e, como a maioria dos europeus, viviam uma vida muito menos sedentária do que nós. As tropas de montanha escalavam montanhas durante toda a semana durante o treinamento, então nos fins de semana alguns deles se reuniam e escalavam montanhas para se divertir. É apenas o modo de vida deles.

Em uma missão, desbravadores americanos de outra base iam escalar uma montanha para estabelecer uma posição de vigilância com os franceses. Mais tarde, um dos capitães franceses me disse que os desbravadores expressaram preocupação de que os franceses não conseguiriam acompanhar (“Vocês têm certeza de que estão em forma? Vocês acham que podem acompanhar?”). O capitão assegurou-lhes que suas tropas ficariam bem.

A missão começou na manhã seguinte. Os precursores estavam sobrecarregados e começaram a ficar para trás nas primeiras centenas de metros. O capitão francês, rindo, me disse que ele e seus homens tiveram que pegar um rastro de carregadores e regar os precursores que haviam aliviado seu equipamento e, eventualmente, tiveram que ajudar fisicamente os precursores a chegarem ao topo. Os precursores não falaram besteira depois disso.

Um dos meus amigos mais loucos era um sniper do batalhão de tropas navais francesas (que faz parte do Exército). Ele era um cara pequeno, cerca de 1,70m e 68kg. Nas missões, ele carregava a armadura padrão, um fuzil sniper calibre .50 PGM de 18kg, uma mochila grande com todo o resto do seu equipamento – e uma MINIMI (essencialmente uma M249 SAW) na frente. Apesar do fato de que ele estava carregando mais do que seu próprio peso corporal, ele se recusou a carregar um FAMAS em vez do MINIMI porque ele achava que não teria poder de fogo suficiente. Participei de várias missões com a equipe dele e, na maioria delas, teríamos que escalar três ou mais horas no escuro para definir um posto de observação (overwatch). Eu nunca o vi desacelerar, apesar da carga de 68 quilos.

Atirador e observador das tropas navais francesas.
(Foto por Chris Hernandez)

O MINIMI do atirador quebrou um dia no estande. Ele o entregou ao armeiro, mas eles não tinham um sobressalente. Ele veio até mim um dia antes de uma missão e perguntou se eu poderia encontrar outra metralhadora para ele. Eu disse a ele que só tínhamos carabinas M4, fuzis M14 e uma metralhadora MAG M240B.

Ele franziu os lábios e perguntou: “Posso ver a metralhadora?”

Um M240 é muito mais pesado que um MINIMI. Eu pensei, não tem como ele carregar uma MAG e um fuzil sniper. Mas eu disse: “Claro, vou mostrar para você”.

Fomos para a tenda da minha equipe. O sniper levantou a MAG, medindo o peso. “Isso não é tão ruim. Posso ver a munição?"

Entreguei-lhe uma cinta de cem tiros em uma bandoleira. Ele acenou com a cabeça, disse: “Sim, isso vai ficar bem. Cem tiros de cada lado do meu colete, mais cem na arma e mais trezentos na mochila. Isso não será muito pesado. Posso pegar emprestado, por favor?”

Eu balancei minha cabeça. Apenas o peso extra de munição quase mataria minhas costas de 38 anos. O sniper, no entanto, poderia ter lidado com isso. “Cara, você é louco. Mas se você quiser, vá em frente.”

Levamos a arma para a barraca dele. Mais tarde, o líder da sua equipe viu e disse que não. O sniper ficou desapontado. Nós dois sabíamos que ele poderia ter carregado tanto peso.

Como se viu, o líder da equipe tomou a decisão certa. Durante essa missão, fomos pegos no topo de uma montanha por uma tempestade de granizo surpresa que matou três soldados franceses. Essa missão foi a experiência fisicamente mais brutal que já tive e, embora estivesse carregando uma carga leve, mal conseguia acompanhá-los. Mas não vi um único soldado naval francês ter dificuldade para subir a montanha, ou voltar a descer após a tempestade, ou cair para trás durante a longa caminhada para fora do vale. Eu nem vi nenhum deles cair para trás quando nos mandaram voltar ao vale e subir a montanha. (Veja minha postagem no blog, “Até Deus nos odeia” para a história completa.)

Relacionamentos

Snipers navais franceses, um de meus soldados e eu depois de uma missão, setembro de 2009.

Do nível do batalhão para baixo, os franceses eram fáceis de trabalhar e pareciam orgulhosos de servir ao lado dos americanos. Uma coisa que me impressionou imensamente foi que muitas das tropas da montanha usavam emblemas de combate americanos, especialmente da 82ª Divisão Aerotransportada e da 101ª Divisão Aeromóvel. Muitas tropas francesas ficaram loucamente apaixonadas por nossas armas e aproveitaram a oportunidade para treinar conosco.

Primeiro-sargento francês disparando um M14EBR americano.
(Foto por Chris Hernandez)

Eles também foram muito receptivos à integração de americanos em suas equipes. A minha equipe, entre outras, desenvolveu uma relação de trabalho fantástica com os franceses, mantendo com muitos deles uma estreita amizade. Um me visitou no Texas, e outro está chegando. Um dos soldados navais se mudou para os Estados Unidos, casou-se com uma americana e está esperando ansiosamente por sua cidadania. Ficarei orgulhoso de chamá-lo de americano.

Um apelo aos guerreiros


O Exército Francês é muito bom. Eles não são perfeitos, mas nós também não somos. Vi tropas e comandantes franceses cometerem erros e tomarem decisões ruins, ouvi Joes (americanos) resmungando sobre má liderança. Eu vi a mesma coisa nos fuzileiros navais e no exército dos EUA. Os franceses têm algumas peculiaridades, mas no geral são extremamente dedicados, proficientes e corajosos.

E agora chegamos ao meu ponto.

Gente, eu não escrevi tudo isso apenas para entretenimento. Eu também escrevi como um apelo. Eu pediria que os americanos, especialmente os guerreiros americanos, reconsiderassem quaisquer opiniões negativas que pudessem ter sobre as tropas francesas.

Os franceses foram à guerra no Afeganistão e perderam quase cem homens mortos, não porque a França foi atacada. Eles lutaram por nós, porque fomos atacados. E eles resistiram por anos, sofrendo baixas, mas não parando de lutar. Eles não retiraram suas principais forças até que começaram a sofrer sérias perdas de ataques verdes-sobre-azul. Não os culpo nem um pouco por se recusarem a apoiar uma nação cujas tropas os estão assassinando.

Hoje os franceses estão lutando contra nosso inimigo terrorista comum na África, tendo perdas, mas batendo o inimigo desmaiado. Eles merecem elogios e respeito pelo que fizeram no Afeganistão e pelo que continuam a fazer hoje. Velhas piadas sobre fuzis largados apenas uma vez, ou artigos “satíricos” sobre tropas francesas tentando se render, não são apenas clichês estúpidos. Eles são insultos flagrantes contra homens corajosos e honrados que figurativamente ficaram ombro a ombro conosco como nação e literalmente ficaram ombro a ombro conosco como soldados.

Vamos deixar de lado as rotinas ruins de comédia e mostrar a eles o respeito que conquistaram.

Respeitosamente,

Chris Hernandez

Sobre o autor:

Nosso garoto, Chris.

Chris Hernandez é um veterano do Corpo de Fuzileiros Navais e da Guarda Nacional do Exército que serviu no Iraque e no Afeganistão, onde trabalhou frequentemente com elementos franceses da Força de Assistência de Segurança Internacional (International Security Assistance ForceISAF) enquanto treinava e orientava o pessoal afegão. Ele também é um policial veterano, tendo passado um longo (e revelador) desdobramento como parte de uma missão policial da ONU em Kosovo.

Chris é o mais novo membro da nossa equipe do Breach Bang Clear aqui e estamos muito felizes em tê-lo – ele ocasionalmente fará alguns comentários de convidado aqui, bem como em sua própria página, quando não estiver trabalhando na sequência de seu romance Proof of Our Resolve (Prova de nossa determinação, sem tradução no Brasil). Leia alguns de seus outros trabalhos no The Statesman e em seu blog.

Bibliografia recomendada:

Proof of our Resolve.
Chris Hernandez.

Leitura recomendada:

O Estilo de Guerra Francês, 12 de janeiro de 2020.