Mostrando postagens com marcador Exército Americano. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Exército Americano. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 25 de maio de 2022

LIVRO: Uma resenha crítica ao Band of Brothers


Resenha do livro Band of Brothers: E Company, 506th Regiment, 101st Airborne from Normandy to Hitler's Eagle's Nest (Band of Brothers: Companhia E, 506º Regimento, 101ª Divisão Aerotransportada da Normandia ao Ninho da Águia de Hitler), de Stephen E. Ambrose, pelo Tenente-Coronel Dr. Robert Forczyk.

Este é o livro que original a aclamada série Band of Brothers. O Dr. Forczyk mostra uma postura muito negativa com relação ao livro e aos métodos usados por Ambrose. Alguns pontos são particularmente interessantes, especialmente o método de entrevistas com veteranos.

Não mencionado mas uma curiosidade histórica, os alunos brasileiros do curso de estado-maior chegaram a participar de jogos de guerra envolvendo o ataque da 101ª "Screaming Eagles" quando estiveram nos Estados Unidos.

Erros, exageros e calúnias cruéis [1 estrela]


Paraquedistas da famosa Easy Company com soldados da 4ª Divisão de Infantaria em Sainte-Marie-du-Mont, 7 de junho de 1944.
(Colorização por Julius Jääskeläinen)

Para leitores sem muita experiência em história em geral ou militares em particular, Band of Brothers provavelmente parecerá uma saga heróica de camaradagem masculina em combate. No entanto, para aqueles leitores com conhecimento do assunto, este livro pouco pesquisado oferece pouco mais do que o episódio padrão da antiga série de TV COMBAT! O autor Stephen Ambrose, que prefere a história oral à pesquisa meticulosa, usou suas entrevistas com veteranos selecionados da Segunda Guerra Mundial da E Company, 506th PIR, 101st Airborne como base para contar as histórias de uma companhia aerotransportada em combate em 1944-1945. A maior parte do livro se concentra em Richard Winters, que comandou a companhia na Normandia e na Holanda. O soldado David Webster, um intelectual autoproclamado e cínico, também escreveu um livro de suas experiências na E Company, do qual Ambrose emprestou liberalmente [...]. Entrevistas com outros membros da unidade preenchem lacunas, mas Winters e Webster são dois dos principais protagonistas da história. Infelizmente, do ponto de vista da precisão histórica, o livro está irremediavelmente repleto de erros, exageros e calúnias cruéis.

Primeiro, deixe-me abordar os erros, que se devem principalmente à falta de pesquisa por parte do autor. Ambrose afirma que o transporte de tropas para a Inglaterra "carregou 5.000 homens do 506º" e como foi uma viagem apertada. No entanto, o competente Ordem de Batalha do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial (US Army Order of Battle in World War Two), de Shelby Stanton, afirma que o 506º tinha apenas 2.029 homens. Ambrose tem seus problemas habituais com nomenclatura e nomes; Os alemães usavam morteiros de 81mm e não de "80mm". Um oficial britânico resgatado pela E Company é identificado como "Coronel O. Dobey", quando na verdade era o Tenente-Coronel David Dobie. O oficial alemão que se rendeu à unidade em Berchtesgaden em 1945 é descrito como o "General Theodor Tolsdorf, comandante do LXXXII Corps", de 35 anos, quando na verdade era um Coronel Tolsdorf de 36 anos que comandava a 340ª Divisão VG (340. Volksgrenadier-Division).

Para-quedistas da 101ª Divisão Aerotransportada exibem uma bandeira nazista capturada em uma vila perto da Praia de Utah, em Saint-Marcouf, na França, em junho de 1944

Em Berchtesgaden, Winters supostamente encontra um general alemão "Kastner" que cometeu suicídio, mas não há registro de tal oficial na Wehrmacht ou SS. Nem Ambrose faz muito melhor com identificações de unidades e ele afirma que na Batalha do Bulge, a 101ª Divisão Aerotransportada, "ganhou suas batalhas frente a frente com uma dúzia de divisões blindadas e de infantaria alemãs". Na verdade, os alemães apenas comprometeram elementos de cinco divisões na luta de Bastogne e dificilmente eram tropas de elite. A declaração de Ambrose também ignora o fato de que a 101ª estava lutando com a ajuda considerável das 9ª e 10ª Divisões Blindadas dos EUA em Bastogne. Finalmente, os leitores podem ficar chocados ao saber que a 3ª Divisão de Infantaria dos EUA realmente venceu o 506º PIR na corrida para Berchtesgaden por várias horas. Os leitores devem verificar o livro Paraquedistas de Ridgeway (Ridgeway's Paratroopers) bem pesquisados de Clay Blair. Esses erros podem parecer pequenos para alguns, mas demonstram uma falta de pesquisa que significa que toda a narrativa é suspeita.

Quando se trata de exagero, Ambrose libera todos os freios. Todos os tanques inimigos são chamados de "Tigres", mas apenas 5,3% dos tanques alemães na Normandia em junho de 1944 eram Tigres. Todas as tropas inimigas são chamadas de "elite", como SS ou pára-quedistas, embora os registros alemães indiquem que o 506º combateu principalmente unidades comuns da Wehrmacht.

De acordo com Winters, a Companhia E sempre foi melhor que as outras companhias do 506º e Ambrose garante que “não havia companhia de infantaria leve melhor no Exército”. Que tal os Rangers em Point du Hoc? Como Ambrose não faz nenhum esforço para comparar a Companhia E com qualquer outra unidade semelhante (por exemplo, ela matou mais alemães do que outras unidades?), essa afirmação é estúpida. Mas fica ainda pior. Ambrose afirma que Winters "despreza o exagero", mas o seguinte relato da E Company na Normandia expõe categoricamente isso como uma mentira: Assim era Winters [excelente]. Ele tomou uma decisão certa após a outra... ele pessoalmente matou mais alemães e assumiu mais riscos do que qualquer outra pessoa." Então Winters matou mais alemães do que os metralhadores da companhia? Ele assumiu mais riscos do que os homens na ponta? Curiosamente, Winters nunca foi ferido.

O Capitão Dick Winters ao lado do ator Damian Lewis.

O pior aspecto do livro é a campanha viciosa de calúnias, que é puramente feita pelo Winters. Winters ataca seus superiores, começando com o Major-General Taylor, comandante da 101ª, depois o Coronel Sink que era comandante do 506º PIR, depois o Ten-Cel. Strayer seu comandante de batalhão e o Capitão Sobel, o primeiro comandante da Companhia E. Taylor, que foi um dos melhores generais do Exército dos EUA do século XX e mais tarde presidente da Junta dos Chefes do Estado-Maior do presidente Kennedy, é violentamente atacado por estar em "férias de Natal" durante a Batalha do Bulge e por ordenar um ataque que "tinha o sabor de um delírio egocêntrico". Winters diz a Ambrose que "eu não quero ser justo" sobre Taylor. Logo, ele não quer ser honesto. Sink, que comandou o 506º durante toda a guerra, é ridicularizado como "Bourbon Bob". O Tenente-Coronel Strayer é praticamente omitido deste relato, embora tenha comandado da Normandia ao Dia da Vitória na Europa (VE Day). Ambrose engana o leitor quando afirma que Winters se tornou o comandante do batalhão em 8 de março de 1945 - na verdade, a mudança foi apenas temporária e Strayer retornou.

Winters reserva um ódio especial ao Capitão Sobel, o homem que treinou a Companhia E nos Estados Unidos e que é rotulado de tirano mesquinho. Winters relata um encontro casual com Sobel mais tarde na guerra, quando Winters superou seu ex-comandante, e ele começou a humilhá-lo na frente de praças da Companhia E. Que elegante. A campanha de calúnia também é dirigida a outros oficiais que sucederam Winters como comandantes da Companhia E, a maioria dos tenentes, oficiais do estado-maior, "preguiçosos da Força Aérea na Inglaterra" (que estavam morrendo às centenas sobre a Alemanha em bombardeiros em chamas), os britânicos, etc. É muito enojante depois de algum tempo.

Os paraquedistas americanos da Segunda Guerra Mundial merecem um relato muito mais preciso e honesto de suas realizações, com o justo reconhecimento de todos os participantes merecedores, ao invés de um relato enviesado que distorce o registro.

Paraquedistas do 502ª PIR, 101ª Divisão Aerotransportada "Screaming Eagles" em um VW tipo 82 Kübelwagen alemão caputrado no cruzamento da Rua Holgate e a Rota Nacional no.13, em Carentan, na Normandia, 14 de junho de 1944.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

GALERIA: Tanques ucranianos participam do Strong Europe Tank Challenge 2018


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de fevereiro de 2022.

Carros de combate de origem soviética, T-84 ucranianos no exercício da OTAN Strong Europe Tank Challenge (Desafio de Tanques Europa Forte) em 4 de junho de 2018. O exercício ocorreu na Área de Treinamento de Grafenwoehr, tradicional campo de treinamento da aliança atlântica durante a Guerra Fria; inclusive abrigando o Canadian Army Trophy, uma competição de pontaria das forças blindadas da OTAN. Fotos do Exército dos EUA por Sarah Beth Davis e Christian Marquardt.

O T-84 é um tanque de batalha principal ucraniano (MBT), uma evolução do tanque de batalha principal soviético T-80 introduzido em 1976. O T-84 foi construído pela primeira vez em 1994 e entrou em serviço nas Forças Armadas da Ucrânia em 1999. O T-84 é baseado na versão T-80 com motor diesel, o T-80UD. Seu motor de pistão oposto de alto desempenho o torna um dos MBTs mais rápidos do mundo, com uma relação potência-peso de cerca de 26 cavalos de potência por tonelada (19 kW/t).

Os tanques T-84 ucranianos tomam posição durante a parte ofensiva do Strong Europe Tank Challenge, 4 de junho de 2018.

O exercício ocorreu no 7º Comando de Treinamento do Exército (7th Army Training Command7th ATC) localizado na Área de Treinamento de Grafenwoehr (Grafenwoehr  Training Area, GTA). O 7th ATC está sob o comando do Exército dos EUA na Europa (United States Army EuropeUSAREUR). O 7th ATC é o maior comando de treinamento do Exército dos Estados Unidos no exterior, e é responsável por fornecer e supervisionar os requisitos de treinamento para soldados do USAREUR, bem como para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e países parceiros.

O Strong Europe Tank Challenge é um evento anual de treinamento destinado a proporcionar às nações participantes um ambiente "dinâmico" e "produtivo" para fomentar parcerias militares, formar relacionamentos no nível de tropa e compartilhar táticas, técnicas e procedimentos.

Um tanque T-84 ucraniano se move para baixo no Range 117 da Área de Treinamento Grafenwoehr para conduzir a pista de operações ofensivas.

A bandeira ucraniana, azul e amarela, é visível em meio à fumaça.

Os tanques ucranianos T-84 disparam durante a parte ofensiva do Strong Europe Tank Challenge.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Visão Aprimorada: O óculos IVAS amplifica os recursos embarcados

O soldado veste o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcado em um Stryker na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Courtney Bacon)

Por Courtney Bacon, Army Mil, 19 de fevereiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de fevereiro de 2022.

BASE CONJUNTA LEWIS-MCCORD, Wa. – O Sistema de Aumento Visual Integrado (Integrated Visual Augmentation SystemIVAS) está sendo desenvolvido para abordar as lacunas de capacidade na força de combate aproximado desembarcada identificada pela liderança do Exército por meio da Estratégia Nacional de Defesa de 2018. A intenção é integrar os principais sistemas de tecnologia em um dispositivo para fornecer uma plataforma única para os soldados lutarem, ensaiarem e treinarem.

O IVAS vê o Soldado como um sistema de armas, equilibrando cuidadosamente o peso e a carga do soldado com suas capacidades aprimoradas. Portanto, o Exército está procurando amplificar o impacto de um soldado desembarcado equipado com IVAS e aplicar seu conjunto de capacidades também a plataformas embarcadas.

O soldado veste o conjunto 3 de recursos do sistema de aumento visual integrado enquanto embarcado em um Bradley na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

“Até este ponto, o IVAS estava realmente focado nos soldados desembarcados e em acertar os óculos de combate”, disse o MAJ Kevin Smith, Coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da Direção de Visão Noturna e Sensores Eletrônicos da C5ISR (Night Vision and Electronic Sensors DirectionNVESD) e Indivíduo Diretamente Responsável (DRI) da Integração da Plataforma PM IVAS. “Então, em paralelo, nós da Diretoria de Sensores Eletrônicos de Visão Noturna temos trabalhado para incorporar aplicativos para alavancar sensores novos e existentes nos veículos para dar ao soldado não apenas uma percepção visual situacional aprimorada, mas também C2 [Comando e Controle] consciência situacional enquanto estão dentro de uma plataforma ou veículo.”

A equipe integrada composta pelo Gerente de Projeto IVAS, Equipe Multifuncional de Letalidade do Soldado (Soldier Lethality Cross Functional TeamSL CFT), NVESD e Instalação de Integração de Protótipo do C5ISR (Prototype Integration Facility, PIF), PM Stryker Brigade Combat Team (SBCT), PM Bradley, Army Capability Manager Stryker (ACM-S) e Bradley (ACM-B), e parceiros do setor se reuniram na Base Conjunta Lewis-McCord para abordar a melhor forma de ampliar os recursos do IVAS nas plataformas de veículos.

“No passado, como o soldado na parte de trás [do veículo] que vai realmente desembarcar no objetivo, você pode ter uma única tela para olhar que pode alternar entre a visão do motorista ou a visão do comandante, ou a visão dos artilheiros, ou talvez você está olhando através de blocos de periscópio ou perguntando à própria tripulação o que realmente está acontecendo ao seu redor”, disse SFC Joshua Braly, SL CFT. “Mas, no geral, quando você está abotoado na parte de trás de uma plataforma, tem uma consciência situacional muito limitada em relação aonde está entrando.”

Além do conjunto de problemas original, o IVAS está procurando ser aplicado a uma lacuna de capacidade adicional para permitir que o soldado embarcado e desembarcado mantenha o C2 e a consciência situacional visual perfeitamente nas plataformas de veículos do Exército.

Soldados da 1-2 SBCT e da 3ª Divisão de Infantaria se juntaram à equipe multidimensional para aprender o IVAS e fornecer feedback sobre o que seria mais eficaz operacionalmente à medida que a tecnologia se integrasse a plataformas maiores.

A experiência do soldado

Os soldados usam o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcados em um Stryker na Base Integrada Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

“Eu lutei quando era um comandante de grupo de combate saindo da baía sem saber onde estava porque fomos largados em pontos diferentes na ordem de operação”, disse o SGT John Martin, artilheiro mestre de Bradley da 3ª Divisão de Infantaria. “Não ter informações no terreno foi definitivamente um desafio que nos fez tropeçar.”

Os grupos de combate se revezaram nos veículos Stryker e Bradley testando cada visão e função da câmera, gerenciamento de energia, comunicações e a facilidade de embarque e desembarque com o IVAS. Os soldados rapidamente perceberam que os recursos que estão sendo desenvolvidos para soldados desembarcados via IVAS são amplificados pela integração do sistema em plataformas usando recursos de visão de mundo, 360 graus e visão que aproveitam a visão de sensores externos a serem transmitidos para o Heads-Up Display (HUD) de cada soldado individualmente.

“Há sempre uma linha entre os grupos de combate e as pistas, e ter esse equipamento ajudará a amarrá-los para que os desembarcados na parte de trás possam ver a ótica real do próprio veículo e possam trabalhar perfeitamente com a tripulação, porque todos podem ver ao redor do veículo sem realmente ter que sair dele”, disse Martin. “Tem inúmeros usos como navegação terrestre, sendo capaz de rastrear coisas no campo de batalha, movendo-se por complexos urbanos, movendo-se em terreno aberto, é insano.”

Cada soldado com IVAS pode “ver através” do veículo o que seus sensores externos estão alimentando nos HUDs individuais, como se o veículo tivesse blindagem invisível. Soldados da Equipe de Combate de Brigada Stryker entenderam as implicações não apenas para o gerenciamento e segurança da consciência situacional do C2, mas também para a letalidade geral da força.

“Isso muda a forma como operamos, honestamente”, disse o SGT Philip Bartel com 1-2 SBCT. “Agora os caras não estão saindo de veículos em situações perigosas tentando obter opiniões sobre o que está acontecendo. A liderança poderá manobrar seus elementos e obter visão no alvo sem ter que deixar a segurança de seus veículos blindados. Manobrar elementos com esse tipo de informação minimizará as baixas e, em geral, mudará drasticamente a forma como operamos e aumentará nossa eficácia no campo de batalha.”

“O fato de sermos mais letais no terreno, o fato de não perdermos tantos caras porque todos podem ver e rastrear as mesmas informações, as capacidades, possibilidades e implicações dessa tecnologia são infinitas”, acrescentou Martin.

Projeto centrado no soldado

Os soldados usam o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto embarcados em um Stryker na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

O Projeto Centrado no Soldado é um princípio orientador do desenvolvimento da tecnologia IVAS. Ele exige que o soldado e o grupo de combate sejam entendidos e desenvolvidos como um sistema de armas abrangente e priorize o feedback do soldado. Ao abordar as lacunas de capacidade operacional com uma visão holística, permite que a interface física e os requisitos de carga dos soldados sejam melhor gerenciados e equilibrados, ao mesmo tempo em que integra tecnologia avançada para aumentar a letalidade no campo de batalha.

“No momento, a tecnologia está em fase de protótipo, então estamos recebendo um feedback muito bom de soldados de fato aqui no terreno hoje, que podemos recuperar e fazer algumas melhorias críticas, o que é incrível”, disse Smith. “A razão pela qual fazemos isso é porque esses requisitos precisam ser gerados de baixo para cima, não de cima para baixo. Portanto, obter o feedback dos soldados é muito importante para nós, para que possamos entender o que eles precisam e quais são seus requisitos.”

O programa está revolucionando a forma como os requisitos de aquisição são gerados. Embora engenheiros e especialistas do setor sempre tenham se dedicado a desenvolver produtos eficazes para atender às necessidades dos soldados por meio de requisitos, as melhores práticas agora mostraram que os requisitos devem ser desenvolvidos em conjunto com e pelo usuário final.

“Enquanto antes os requisitos eram gerados, na minha opinião, dentro dos silos, nós realmente precisamos do feedback do soldado para gerar um requisito adequado que seja melhor para o soldado, ponto final”, disse Braly. “É muito importante porque não podemos construir algo que os soldados não vão usar. Temos que obter esse feedback dos soldados, ouvir os soldados e implementar esse feedback. Então se torna um produto melhor para o soldado, e eles vão querer usá-lo. Se eles não querem usá-lo, eles não vão, e é tudo por nada.”

O futuro do IVAS

Soldados vestem o conjunto de recursos do sistema de aumento visual integrado 3 enquanto desembarcam de um Bradley na Base Conjunta Lewis-McCord, WA.
(Crédito da foto: Courtney Bacon)

O evento foi mais um passo para o desenvolvimento do IVAS, que foi recentemente aprovado para passar de prototipagem rápida para produção e colocação em campo rápida, em um esforço para fornecer recursos de próxima geração à força de combate aproximado na velocidade da relevância.

“Um dos objetivos do IVAS era que fosse um óculos de combate, bem como um óculos de treinamento e estamos 100% tentando trazer ambos à realidade”, disse Braly. “Este é um daqueles momentos-chave na história de nossas forças armadas em que podemos olhar para trás e reconhecer que não estamos onde queremos estar e estamos dispostos a dar passos ousados para chegar lá. O IVAS é, sem dúvida, um esforço para fazer isso, e estamos trabalhando diligentemente todos os dias para tornar isso uma realidade.”

A equipe IVAS continua a iterar o protótipo de hardware e software para o Teste Operacional planejado para julho de 2021 e FUE no 4QFY21.

“Isso é algo que nenhum de nós imaginou que veríamos em nossas carreiras”, disse Martin. “É uma tecnologia futurista que todos nós já falamos e vimos em filmes e vídeo games, mas é algo que nunca imaginamos que teríamos a chance de lutar usando. Definitivamente, é uma tecnologia que estamos muito animados para usar assim que eles puderem nos enviar.”

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

The Heckler & Koch XM8: uma retrospectiva


Por David Schillerbrian C. Sheetz, American Rifleman, 16 de janeiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de janeiro de 2022.

O sistema XM8 surgiu do programa XM29 do Exército dos EUA.

Evolução


Eugene Stoner desenvolveu um fuzil operado a gás em 1955 na Armalite. As primeiras versões, conhecidas como AR-15, entraram no Exército e na Força Aérea dos EUA em 1962, bem a tempo da Guerra do Vietnã. Desde o início, o M16 foi afligido com problemas. Ao longo dos anos, o M16 sofreu inúmeras modificações e melhorias, que, no entanto, nunca conseguiram resolver completamente as deficiências básicas do sistema. Atualmente, a variante mais moderna, a carabina M4, é a quarta geração do projeto de Stoner. No entanto, alguns o consideram ainda muito sensível à sujeira e muito atormentado por interferências, o que, entre outras coisas, se deve ao projeto do carregador. Além disso, a carabina M4 é considerada por alguns muito instável para os muitos acessórios que os GIs e as Forças Especiais gostam de encaixar em suas armas.

O projeto original de pesquisa e desenvolvimento para a próxima geração de armas de infantaria dos EUA, chamado de Arma de Combate Individual Objetiva (Objective Individual Combat WeaponOICW), visualizou um novo tipo de arma combinada, que acoplou uma arma de assalto com tiro seletivo (ou seja, operação totalmente automática e semiautomática) com um lança-granadas 20x28mm semiautomático, com mira a laser e por computador. A Heckler & Koch e a Alliant Techsystems, parceiras no projeto multimilionário, terminaram um modelo de pré-produção, o XM29, em 1999, que então passou por testes de tropas. O “XM” designa um modelo experimental. Mesmo os materiais mais modernos não podiam contornar a física: com cerca de 17,6 libras (7,8kg) de peso de combate, a arma de cano duplo era muito pesada e desconfortável. Tecnologicamente, os desenvolvedores encontraram um obstáculo que, na época, o estado da arte da tecnologia de computadores, baterias e materiais e a ciência ainda não haviam superado.

Transformação e Progresso


O Arsenal Picatinny de Nova Jersey, sede do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia de Armamento (Armament Research, Development & Engineering CenterARDEC), serve como centro de todos esses novos desenvolvimentos. O escritório de desenvolvimento e aquisição é monitorado por uma nova hierarquia, chamada “Team Soldier”, criada em junho de 2002 em Fort Belvoir, Virgínia. Esta é apenas uma parte da nova reorganização abrangente e radical na política de defesa com a qual o governo Bush iria transformar as Forças Armadas dos EUA para as demandas do século XXI. No quadro da nova gestão orientada para os resultados e para a prática, o “Gerente de Projetos de Armas dos Soldados” é responsável pela categoria de produto de armas de equipa e individuais.

Como substituto provisório do OICW, foi considerada a possibilidade de separar os dois sistemas novamente. O lança-granadas do XM29, ampliado para 25mm, deveria ser desenvolvido como um sistema autônomo. Da mesma forma, o componente KE (energia cinética) de 5,56x45mm tornou-se a base de um novo fuzil de assalto. No verão de 2002, a H&K preparou algumas propostas para o novo desenvolvimento do M16/M4, bem como ideias para o desenvolvimento do componente KE. Naquela data, as deficiências das armas americanas durante a campanha afegã já haviam sido analisadas. Todos no establishment de Defesa dos EUA também perceberam que um novo vento estava soprando no Pentágono. Exigiam-se resultados rápidos — não estudos longos e demorados, procedimentos de seleção e comissões. Assim, a Alliant Techsystems (ATK) e a H&K competiram abertamente com outros fabricantes de armas portáteis e venceram a competição. Oficialmente, os dois parceiros receberam o contrato de desenvolvimento de US$ 5 milhões em outubro de 2002; no entanto, a decisão já havia sido tomada um mês antes. O prazo para o projeto é curto porque o Exército dos EUA desejava a produção das novas armas para o segundo semestre do ano fiscal de 2005.

Fim das Vacas Sagradas


Naturalmente, o Exército tinha uma longa lista de desejos para o novo sistema de armas: deveria existir em diferentes variações para a esquadra-de-tiro, de uma arma de combate aproximado a uma metralhadora leve e uma arma de mira telescópica. Era desejado um bloco de construção modular que pudesse, dependendo dos requisitos de cada operação de combate e de cada ambiente operacional, ser reconstruído para munição de 5,56x45 mm, 7,62x39 mm ou 5,45x39 mm e também para o novo cartucho de propósito especial de 6,8 mm (Special Purpose Cartridge, SPC).

Por outro lado, os compradores militares estavam surpreendentemente dispostos a abandonar as diretrizes até agora invioláveis. O perfil frontal desajeitado da carabina M4 - com seus trilhos Picatinny angulares, lanterna e sua unidade de infravermelho na extremidade do cano - agora foram relegados ao passado. Mesmo os trilhos Picatinny universais atuais poderiam ser abandonados. Os projetistas da H&K desenvolveram um perfil futurista e aerodinâmico que atendeu a todos os requisitos do gerente de projeto do Exército. O corpo e a coronha retrátil são compostos de materiais sintéticos que podem ser reforçados com fibra de vidro ou carbono e são coloridos em preto ou em tom de lama semelhante a junco.


Peças de poliuretano macias e semelhantes a borracha foram moldadas na extremidade dianteira e também na coronha, onde o atirador tem contato mais próximo com o corpo. Este fuzil foi desenvolvido de dentro para fora, em um período de tempo recorde para protótipos prontos para atirar e testar no verão de 2003.

As funções dos trilhos Picatinny agora são assumidas pelos Pontos de Fixação Picatinny (Picatinny Attachment PointsPCAP) embutidos, que se encaixam em uma forma de parafuso giratório em forma de prisma. Este sistema de conexão com patente pendente centra-se e pode ser localizado nas posições de três, seis e nove horas na extremidade dianteira e também sob o pedestal da mira óptica atrás da alça de transporte. Uma vez instalado e zerado, o acessório manterá seu alinhamento, mesmo desmontado. O ponteiro de mira IR e o iluminador IR formam uma unidade integral com o osciloscópio.

A peça central do XM8 - a culatra e a haste do tucho de gás - pode parecer familiar para qualquer pessoa que tenha manuseado o G36 ou SL-8 da H&K. O ferrolho giratório se assemelha ao projeto de Stoner, no entanto, ele vem apenas com seis olhais de trancamento em vez dos sete do AR-15/M16. Como a haste do tucho tem um desenho sólido e fechado, o sistema requer menos limpeza do que o impacto direto do AR-15/M16, onde o gás, incluindo resíduos de pó, é retirado do cano e encaminhado de volta à culatra.


A confiabilidade funcional deste sistema de carregamento automático surpreendeu os americanos quando viajaram para Oberndorf em outubro de 2003 para o primeiro teste de tiro dos protótipos: 
Um dos fuzis disparou mais de 15.000 tiros consecutivos sem limpeza e sem interferência, o que o Coronel Michael Smith, diretor administrativo do Gerente de Projetos de Armas dos Soldados, julgou “verdadeiramente notável”. Na revista das Forças Armadas dos EUA, Rich Audette, gerente de projeto interino, relembrou a demonstração em Oberndorf: “Eu estava envolvido no desenvolvimento do M16A2 e do M4, e nunca vi algo sair da caixa tão bem como esta arma de fogo!”

Em outubro de 2003, os primeiros 30 foram enviados para Aberdeen, Maryland, para testes adicionais no Campo de Testes do Exército. Cento e setenta armas de fogo adicionais chegaram em meados de dezembro, vindas de Oberndorf para testes com as tropas americanas.

Variantes


Esta família modular foi construída e testada pela primeira vez em 5,56x45mm, mas também pode ser facilmente adaptada para o novo SPC Remington 6,8x43mm. A configuração padrão do XM8 é a versão carabina, com cano de 121⁄2" (31cm) e, com coronha totalmente estendida, comprimento total de 33,3". Atualmente, o peso descarregado da arma de fogo é de 7,8 quilos, embora esteja programado para passar por um programa de redução de peso.

Uma versão mais longa com um cano de 20" (50cm) e um bipé opcional é concebida como um fuzil com luneta para atiradores designados ou snipers. A mesmo arma também funcionaria como um tipo de metralhadora leve para suporte de fogo, quando equipado com o bipé H&K e o carregador de tambor de 100 tiros. Na demonstração, os testadores da H&K dispararam quatro desses carregadores continuamente em rajadas curtas em um período de cinco minutos sem problemas. O projeto supera a meta dos militares de mais de 210 tiros de fogo contínuo sem nenhum cookoff (explosão prematura dentro da câmara).

Por fim, há uma variante curta, com uma coronha telescópica do tipo trilho chamada Special Compact que serve como uma arma de defesa pessoal aproximada (Personal Defense WeaponPDW) para tripulantes de veículos ou pilotos de helicóptero. Mesmo que esta arma compacta tenha apenas um cano de 9", ele ainda produz uma velocidade inicial de 2425 fps.

6,8x43mm SPC: mais gordo é mais chique


Não é segredo de estado que elementos das Forças Armadas dos EUA não estão muito satisfeitos com as capacidades balísticas terminais do 5,56x45mm. 
Particularmente das Forças Especiais vem a demanda por um cartucho mais poderoso, para o qual as existentes de 5,56mm possam ser adaptadas sem muito mais trabalho e despesas adicionais. Operadores do Quinto Grupo de Forças Especiais se reuniram com Chris Murray e Remington e criaram, ao longo de dois anos, através de vários testes práticos (nos quais participaram as equipes da SWAT de várias grandes agências policiais dos EUA) o cartucho de propósito especial de 6,8mm, que Remington anunciou no início de 2004.

O cartucho foi introduzido no mercado civil com, entre outros, o cartucho de 115 grains (grãos, 0,0648 de grama). Pontas ocas de tronco-cônico Sierra MatchKing e balas de ponta de polímero. Com um cano de 161⁄2" de comprimento (semelhante à carabina M4), a bala tem uma velocidade inicial de 2650 a 2690 fps. A energia excederia a do atual cartucho militar .223 Remington, o M855 62 grãos. M855, em mais de 50 por cento na boca do cano e, a 492 jardas (449m), em 80 por cento. O novo cartucho deve apresentar trajetória e precisão semelhantes ao .223 Remington.

O estojo .30 Remington, que é um pouco mais grosso que o estojo do 5,56mm, mas é exatamente cilíndrica, serve de base para o novo cartucho. O tamanho da bala foi determinado incrementalmente. Foram tentados os 6 e 6,5mm, e houve também uma série de testes de 7mm, mas a trajetória não foi plana o suficiente. A variação de 6,8 mm (.270) finalmente provou ser o melhor compromisso e alcançou o desempenho necessário.

As forças armadas americanas parecem agora estar quase onde John Garand estava na década de 1920 no Arsenal de Springfield, quando projetou seu fuzil de calibre .276 com uma bala de 125 grãos. Os britânicos também experimentaram, depois de 1945, um .280 que exibia capacidades balísticas semelhantes.

DESCRIÇÃO
Tipo: Fuzil automático.
Miras: Mira Óptica de ponto vermelho (red dot); abertas padrão, e trilho PCAP para montagem de miras reflexivas e lunetas.
Peso: 2,65kg (com carregador vazio e versão básica).
Sistema de operação: Tomada de gases e ferrolho rotativo.
Calibre: 5,56x45mm (.223 Remington).
Capacidade: 30 tiros (básico), 100 tiros (carregador Beta para apoio de fogo).
Comprimento Total: 84cm (versão básica).
Comprimento do Cano: Variável de acordo com a versão entre 9 polegadas,12,5 (versão básica) e 20 polegadas (versão de apoio de fogo e de tiro de precisão).
Velocidade na Boca do Cano: 920m/s (versão básica).
Cadencia de tiro: 750 tiros por minuto.

FIM


             

quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

Jordânia: alistando tropas femininas

Pelo Major Majel Savage, Unipath, 4 de janeiro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 22 de dezembro de 2021.

A Jordânia assume a liderança no Oriente Médio no recrutamento de mulheres para funções relacionadas ao combate.

Um dos sucessos internacionais das Forças Armadas da Jordânia foi sua missão de paz e estabilidade no Afeganistão como parte da Força Internacional de Assistência à Segurança (International Security Assistance Force, ISAF). E um dos pilares dessa missão foram as equipes de engajamento feminino, soldados jordanianas, cuja especialização era lidar com mulheres e crianças em aldeias afegãs vulneráveis ao recrutamento de terroristas.

A presença de mulheres jordanianas como soldados, policiais e defensores civis não se limitou ao Afeganistão. Elas também serviram em Darfur, na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul em pequenos números. Milhares de mulheres jordanianas querem participar dessas missões críticas, mas têm sido limitadas pela falta de recursos em recrutamento, treinamento e moradia.

A liderança jordaniana, com a ajuda dos parceiros internacionais do país, está determinada a mudar isso com a abertura do Centro Militar Feminino da Jordânia em 2020 em Amã. O centro nacional, que inclui quartéis e um pátio de desfiles, foi construído com doações de quase 4 milhões de euros dos parceiros europeus da OTAN da Jordânia.

Membros da Equipe de Engajamento Feminino da Força de Reação Rápida treinam com parceiros multinacionais durante o exercício Eager Lion 19.

Em linha com os objetivos da Resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre Mulheres, Paz e Segurança, as Forças Armadas da Jordânia, a Direção da Gendarmaria e a Direção da Defesa Civil visam aumentar o alistamento feminino em cargos de campo para 3%. Uma expansão das posições, funções e responsabilidades das mulheres nas forças de segurança do país está consagrada em um Plano de Ação Nacional da Jordânia para os anos de 2018 a 2021.

Tive a honra, como parte da Equipe de Ligação Civil da Central do Exército dos EUA na Jordânia, de organizar e hospedar um Grupo de Trabalho de Integração de Gênero com minhas irmãs militares da Jordânia em janeiro de 2020. Depois de trabalhar com oficiais e suboficiais jordanianos, observei sua dedicação de perto e perceber mais do que nunca que as mulheres são essenciais para o sucesso das forças armadas em todo o mundo.

A Jordânia há muito reconheceu a necessidade de uma participação mais ampla das mulheres no setor de segurança, mas as contribuições femininas têm se concentrado em enfermeiras e cargos administrativos. As mulheres aproveitaram a chance de ingressar no exército após o estabelecimento da Escola de Enfermagem Princesa Mona em 1962, e hoje a maioria das 10.000 mulheres soldados na Jordânia servem na área médica.

Em 1995, Sua Majestade o Rei Hussein bin Talal criou o que se tornaria a Diretoria de Assuntos Militares da Mulher com o incentivo de sua filha, Sua Alteza Real, a Princesa Aisha bint Al Hussein, uma oficial militar de alto escalão. A diretoria se dedica ao avanço das mulheres nas Forças Armadas por meio de recrutamento e treinamento.

A Coronel Maha Al-Nasser dirige essa diretoria hoje e, com a inauguração do Centro Militar Feminino da Jordânia, está analisando mais de 14.000 inscrições de jovens interessadas em seguir carreiras militares. Em sua própria carreira militar de 30 anos, a Coronel Maha foi uma pioneira na integração das mulheres como parceiras iguais nas Forças Armadas da Jordânia.

Membros das forças armadas da Jordânia, dos EUA e do Canadá participam de uma conferência do Grupo de Trabalho de Integração de Gênero em janeiro de 2020.

Quero enfatizar que o recrutamento de mulheres para as Forças Armadas, a polícia e a gendarmaria e a direção da defesa civil não é um exercício em número crescente meramente por uma questão de aumentar os números. As Forças Armadas da Jordânia, com apenas 1,4% de seus cargos relacionados ao ao e ao combate ocupados por mulheres, reconhece que precisa de uma maior participação feminina para cumprir suas múltiplas missões.

A Jordânia sentiu essa escassez de tropas femininas qualificadas nas últimas duas décadas. Não foram apenas as missões no Afeganistão e na África onde as mulheres eram necessárias em números além dos quais a Jordânia poderia fornecer. Enquanto centenas de milhares de mulheres e crianças sírias inundaram as fronteiras da Jordânia durante a guerra civil síria, muito poucas tropas femininas estavam disponíveis para lidar com a crise humanitária. Um problema semelhante ocorreu com o influxo de refugiados iraquianos nas décadas anteriores.

Em 2017, as Forças Armadas da Jordânia formaram uma equipe de engajamento feminino do tamanho de um pelotão como parte de sua Força de Reação Rápida altamente treinada. Foi o primeiro desse tipo na Jordânia e no Oriente Médio. Os comandantes jordanianos podem anexar membros da equipe de engajamento a outras unidades para responder a um amplo espectro de conflitos.

É um fato da vida que as missões sensíveis ao gênero requerem unidades femininas altamente treinadas. Por exemplo, em 2005, uma terrorista iraquiana usando um cinto de explosivos abordou o hotel Radisson SAS em Amã com a intenção de explodi-lo. A presença de guardas femininas para realizar uma revista corporal pode ter ajudado a evitar a tragédia.

Membros da Equipe de Engajamento Feminino da Força de Reação Rápida das Forças Armadas da Jordânia participam de um seminário de treinamento.

A Diretoria da Gendarmaria da Jordânia - encarregada principalmente de fornecer segurança em eventos públicos e conduzir investigações de contraterrorismo doméstico - também está tentando aumentar o recrutamento de mulheres. De acordo com um estudo conduzido pelas forças da Gendarmaria, a diretoria se beneficiaria com o recrutamento de mulheres para fornecer segurança ao estádio e controle de tumultos e lidar com detidos e refugiados.

Quando a Gendarmerie enviou forças em missões de paz das Nações Unidas para Darfur e Sudão do Sul, apenas três mulheres participaram de cada operação, apesar da necessidade de lidar com milhares de mulheres e crianças africanas.

A liderança da Gendarmerie recrutou praças alemães, suecos e canadenses para ajudar a ampliar as habilidades das mulheres alistadas.

A Diretoria de Defesa Civil da Jordânia está sentindo uma necessidade semelhante de diversificar seu recrutamento. As mulheres estão sub-representadas na defesa civil e completamente ausentes nas áreas de combate a incêndios e busca e salvamento. Entre as metas de recrutamento da diretoria está contratar mulheres para trabalhar em materiais perigosos e equipes de desinfecção química.

O setor de segurança da Jordânia está fazendo grandes avanços no fornecimento de oportunidades de carreira para o vasto grupo de mulheres talentosas e educadas do país. Como oficiais militares, somos responsáveis por manter a vantagem para defender nossas nações, e isso inclui usar todos os talentos disponíveis.

Foi um dos destaques da minha carreira de 18 anos no Exército dos Estados Unidos ter contribuído de uma pequena forma para o avanço das mulheres militares na Jordânia.

terça-feira, 7 de dezembro de 2021

FOTO: Boinas Verdes com uniforme preto no Iraque

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos ISOF enquanto destacados como uma CRF no Iraque, 2021.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de dezembro de 2021.

Boinas Verdes vestindo uniformes pretos das forças especiais iraquianas - ISOF - enquanto destacados como uma Força de Resposta à Crise (Crisis Response ForceCRF) no Iraque, 2021.

Foto postada no perfil Gunslinger Central (@gunslinger_central) do Instagram, uma página especializadas em fotos táticas, geralmente de forças especiais. A palavra Gunslinger é o equivalente em inglês de "pistoleiro".

Também apelidado como Força In-extremis do Comandante (Commander’s In-extremis ForceCIF), esses elementos boinas verdes foram projetados para "fornecer opções para resgatar pessoas sob ameaça, para recuperar materiais sensíveis, como armas de componentes de destruição em massa, para fornecer ajuda humanitária ou para lidar com outros requisitos sem aviso prévio". Apesar do portfolio glamoroso, as companhias CRF foram dissolvidas por serem caras e subutilizadas, não justificando o investimento em dinheiro e pessoal (que era necessário em outras funções).

As CRF eram um quadro de elite de boinas verdes que se especializavam em missões de Ação Direta (DA), Contraterrorismo (CT) e Resgate de Reféns (HR). Cada Grupo de Forças Especiais (1º, 3º, 5º, 7º e 10º) possuía uma companhia CRF, sendo estas consideradas reservas estratégicas de cada comando combatente em caso de emergência em todo o mundo. Após a redução, as forças especiais americanas mantiveram apenas uma pequena capacidade CRF.

Os boinas verdes do fiasco na Venezuela vinham de uma CRF, e o Warfare Blog tratou deste assunto aqui.

As operações especiais no Iraque são atualmente conduzidas por tropas montadas em Humvees blindados, possuindo cúpolas improvisadas, atuando como colunas móveis ao invés do sistema de incursões helitransportadas de antigamente; mais caras e não mais eficientes. Entre os operadores está um TERP, um intérprete iraquiano, facilmente identificável por ser barrigudo e não carregar um fuzil.

O terceiro homem à esquerda, visivelmente fora de forma, é um intérprete e carrega apenas uma pistola para sua proteção em caso de emergência.

Os vários fuzis AR-15 possuem variações personalizadas com guarda-mão e sistemas ópticos de gosto pessoal dos operadores.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

FOTO: Soldado americano com a Grease Gun na Alemanha Ocidental

Soldado americano com uma submetralhadora M3 Grease Gun durante o Exercício REFORGER '85, na Alemanha Ocidental, 1985.

Soldado de Primeira Classe Jose Ledoux-Garcia da Companhia C, 5º Batalhão, 77º Regimento Blindado, guarda seu tanque de batalha principal M60A3 durante a Central Guardian (Guardião Central), uma fase do Exercício REFORGER '85, na cidade alemã de Giessen, na Alemanha Ocidental.

Ele está armado com uma submetralhadora M3A1 calibre 45, apelidada Grease Gun (Engraxadeira).

Forgotten Weapon: Disparando a M3A1 Grease Gun