Mostrando postagens com marcador Infantaria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Infantaria. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2022

Franceses com a Medalha Militar no Somme

Soldados franceses após receberem a Medalha Militar no Somme, 1916.
O homem no centro tem os porta-carregadores do FM Chauchat.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de maio de 2022.

Soldados franceses ostentando a Medalha Militar (Military Medal, MM) após uma cerimônia na retaguarda durante a Batalha do Somme (21 de junho - 28 de setembro de 1916).

Os militares são de várias unidades diferentes, como se evidencia pelas numerações nos colarinhos e pelos símbolos nos capacetes, com um engenheiro usando o distintivo da armadura e um soldado colonial com a âncora junto à granada flamejante da República Francesa; do lado esquerdo, um dos soldados porta as cornetas dos Chasseurs (caçadores) no colarinho. Muitos militares já possuem condecorações francesas como a Croix de Guerre (Cruz de Guerra), todas com palma, e a Médaille Militaire (Medalha Militar).

Original em preto-e-branco do Imperial War Museum britânico.

O homem em evidência no centro é um municiador de Grupo de Combate (GC) e carrega o porta-carregador especial para o fuzil-metralhador (fusil-mitrailleur, FM) CSRG Chauchat, que usava carregadores em meia-lua semi-abertos. Estes carregadores foram motivo de muita controvérsia e, por serem uma novidade, devem ser o motivo da atenção na foto.

Atiradores de Chauchat e seus municiadores representaram uma inovação no combate de infantaria, com o moderno sistema de armas combinadas e inter-depentes, e sofreram baixas exponenciais assim como foram condecorações desproporcionalmente aos demais integrantes da infantaria.

Anverso e reverso do primeiro tipo da Military Medal (1916–1930).

A Medalha Militar foi uma condecoração militar concedida aos militares do Exército Britânico e outros ramos das forças armadas, estendida aos outros países da Commonwealth (Comunidade Britânica), abaixo do posto de oficial comissionado, por bravura em batalha em terra. O anverso possuía a efígie do Rei George V no uniforme de Marechal-de-Campo (1º tipo de 1916-1930) e o reverso a coroa com a inscrição "Por bravura em campanha". O prêmio foi estabelecido em 25 de março de 1916, com aplicação retroativa a 1914, e foi concedido aos praças por "atos de bravura e devoção ao dever sob fogo"; e foi classificado abaixo da Medalha de Conduta Distinta (Distinguished Conduct MedalDCM).

Prêmios para as forças britânicas e da Commonwealth eram anunciados no London Gazette (Gazeta de Londres), mas não prêmios honorários para as forças aliadas; listas de prêmios para forças aliadas foram publicadas pelos Arquivos Nacionais em 2018 e são mantidas em arquivos específicos do país dentro da WO 388/6. Desde 1918, os destinatários da Medalha Militar têm direito às letras pós-nominais "MM". A elegibilidade foi estendida aos soldados do Exército Indiano em 1944.

O prêmio foi descontinuado em 1993, quando foi substituído pela Cruz Militar (Military Cross), que foi estendida a todos os escalões, enquanto outras nações da Commonwealth instituíram seus próprios sistemas de premiação no período pós-guerra.

Bibliografia recomendada:

British Military Medals:
A Guide for the Collector and Family Historian.
Peter Duckers.

Leitura recomendada:


O Chauchat na Iugoslávia26 de outubro de 2020.

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Edge of Tomorrow: Os soldados combatentes das FDI do futuro

Um soldado da IDF demonstra tecnologias de ponta "Edge of Tomorrow" em um centro de treinamento.
(Escritório do Porta-voz do Ministério da Defesa de Israel)

Da equipe do Jerusalem Post, 10 de maio de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 12 de maio de 2022.

Os futuros soldados de combate de Israel incorporarão óculos de realidade aumentada, um sistema de fuzil de assalto computadorizado, um sistema de exibição digital montado na cabeça, tecnologia de detecção de fogo hostil e muito mais.

A Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (DDR&D) e a Elbit Systems revelaram na terça-feira o "Edge of Tomorrow", um programa inovador que fortalece a sinergia entre soldados de combate desmontados e suas equipes e permite valor operacional ideal, disse o Ministério da Defesa.

A tecnologia é baseada em processos numéricos e empíricos baseados em pesquisa, simulação, cenários de campanha ao vivo e muito mais, e incorpora tecnologias de ponta para melhorar uma gama de capacidades de missão entre soldados de combate, incluindo letalidade, consciência situacional, capacidade de sobrevivência, resistência, carga de capacidade cognitiva, exposição ao inimigo, análise e simulação de desempenho, comando e controle e muito mais.

As tecnologias incluem óculos de realidade aumentada, um sistema computadorizado de fuzil de assalto, um sistema de exibição digital montado na cabeça, tecnologia de detecção de fogo hostil, um sistema de rastreamento de localização em ambientes sem GPS, mangas táteis para navegação e transmissão de comando e um sistema de comando de voz que é semelhante aos usados em smartphones.

DDR&D e Elbit demonstraram recentemente as capacidades do programa em um centro de treinamento das FDI. A demonstração incorporou tecnologias de guerra em rede e incluiu um cenário operacional simulado de força contra força. Soldados das FDI de unidades de elite incorporaram as tecnologias vestíveis e demonstraram habilidades iniciais nos campos de letalidade, capacidade de sobrevivência e maior sinergia, disse o Ministério da Defesa.

Soldados das FDI demonstram tecnologias de ponta "Edge of Tomorrow" em um centro de treinamento. (Escritório de porta-voz do Ministério da Defesa)

“O objetivo deste programa é equipar soldados, esquadras e pelotões de combate com recursos inovadores que melhorarão significativamente sua capacidade de sobrevivência e transformarão a eficácia da missão”, disse Haim Delmar, vice-presidente executivo e gerente geral de C4I e cibernética da Elbit Systems Ltd.

"A solução tecnológica que implementamos é baseada em arquitetura aberta que permite a maximização da tecnologia comprovada pela Elbit Systems, bem como por outras empresas", disse ele. "O programa também incorporará tecnologias que foram desenvolvidas e adaptadas para atender às necessidades do futuro campo de batalha, com ênfase especial na guerra urbana. Estamos orgulhosos de liderar este importante esforço junto com o Ministério da Defesa e as FDI."

Post-Script: Edge of Tomorrow


O nome Edge of Tomorrow é em referência a um filme de mesmo nome lançado em 2014 (No Limite do Amanhã no Brasil), e estrelando Tom Cruise e Emily Blunt em uma guerra futurista onde os soldados usam exoesqueletos com armamentos e que proporcionam mais força e velocidade aos usuários. O próprio filme é uma adaptação do mangá All You Need Is Kill, de Hiroshi Sakurazaka.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

Guerra na Ucrânia: Santa Javelin e o míssil que se tornou um símbolo da resistência da Ucrânia

Santa Javelin, em homenagem ao lançador de foguetes fabricado nos EUA (à direita) está se tornando um símbolo de resistência contra a invasão da Rússia. - Copyright Santa Javelin (esquerda), Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Ucrânia via AP (direita).

Por David Walsh, Euronews Next, 28 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de fevereiro de 2022.

Para as pessoas de fé, Maria Madalena é um ícone de redenção; a personificação do mantra de que não importa o quão longe você caia, sempre há esperança de uma segunda chance. Para o povo da Ucrânia, uma imagem re-imaginada dela portando uma arma em particular se tornou um poderoso símbolo de resistência.

Tendo começado como um meme, a Santa Javelin da Ucrânia, como agora é conhecida, está se tornando uma visão cada vez mais familiar nas mídias sociais e em outros lugares.

Em sua iteração mais recente, a auréola que circunda sua cabeça não é o ouro radiante que você esperaria de séculos de iconografia religiosa, mas sim o azul e o amarelo da bandeira ucraniana. Suas vestes esvoaçantes são verdes, uma reminiscência dos uniformes cáqui do exército. Em vez de se unirem em oração, suas mãos embalam um lançador de mísseis antitanque FGM-148 Javelin.

A arma de fabricação americana está sendo amplamente vista como fundamental para a defesa da Ucrânia contra a invasão em curso da Rússia - e foi levada ao coração dos temerosos ucranianos presos dentro do país sitiado e da diáspora que assiste horrorizada fora de suas fronteiras.

Entre os últimos está Christian Borys, um comerciante ucraniano-canadense e ex-jornalista que trabalhou na Ucrânia de 2014 a 2018. Ele abraçou o meme original pela primeira vez depois de vê-lo meses atrás, enquanto as tensões geopolíticas ferviam.

"Um amigo meu que está na indústria de defesa ucraniana me disse que fez alguns adesivos desse meme e os enviou para alguns amigos em toda a Europa e era apenas um símbolo de apoio à Ucrânia", disse ele ao Euronews Next.

"Porque todo mundo sabia que a Ucrânia estava sendo abandona nas trevas".

Quando ficou claro que as hostilidades eram iminentes, o germe de uma ideia se enraizou.

"Eu queria apenas ter os adesivos", disse Borys. "Eu queria colocá-los no meu carro. Eu queria dá-los a alguns amigos. Eu queria usá-los para arrecadar um pouco de dinheiro. Você sabe, se eu fizer alguns adesivos, posso fazer um pouco de dinheiro e colocá-lo em prol da Ucrânia".

E arrecadar dinheiro ele fez.

Criando uma loja de mercadorias para arrecadação de fundos chamada St Javelin (Santa Javelin) uma semana antes da invasão, Borys até agora arrecadou mais de US$ 400.000 (€ 358.000 / R$ 2.055.520,00) para a Help us Help ("Ajude-nos a Ajudar"), uma instituição de caridade ucraniana registrada no Canadá, vendendo itens com a imagem da santa.

"Embora eu não seja mais jornalista... eu ainda seguia tudo e ainda era amigo de pessoas cujo trabalho é seguir essas coisas, então eles estavam tocando alarmes em outubro, novembro, dezembro", disse ele.

"Comecei na quarta-feira passada e foi porque estava cada vez mais claro que um ataque era iminente".

Imprimindo apenas 100 adesivos do ídolo que carregava mísseis, a operação cresceu rapidamente depois que o meme redesenhado foi compartilhado nos stories da conta do Instagram da campanha, esgotando nas primeiras 24 horas. Uma nova tiragem de 1.000 adesivos se esgotou com a mesma rapidez.

"Por que o Javelin [adesivo] é tão popular?" perguntou Borys. "É apenas um símbolo de apoio, honestamente. Eu realmente achei que isso chamou a atenção das pessoas, procurando maneiras de apoiar a Ucrânia.

"A Rússia destruiu completamente sua reputação com isso. Ele [Putin] realmente causou danos irreversíveis à Rússia e à reputação russa. E acho que grande parte do que você está vendo agora é que as pessoas realmente, genuinamente, entendem o que a Rússia fez é uma ação completamente não-provocada e injustificada.

"Eles [as pessoas que compram os adesivos] só querem ajudar a Ucrânia o máximo possível. É como ver uma criança ser espancada por um valentão. E você fica tipo 'não, eu quero ajudar essa pessoa o máximo que puder.'"

O míssil Javelin: a melhor esperança da Ucrânia?

A característica mais proeminente do desenho do adesivo é o próprio lançador de mísseis Javelin ("Dardo"). Então, por que é tão significativo e por que capturou a imaginação do público sitiado?

Longe de ser uma arma maravilhosa, o Javelin está sendo elogiado por muitos ucranianos como uma ferramenta inestimável para os defensores que retardam o avanço das forças terrestres russas em seu território.

Desdobrado nos últimos 20 anos nas forças armadas dos EUA e 20 países aliados, o exército ucraniano agora tem mais mísseis Javelin do que alguns membros da OTAN, afirmou o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia na segunda-feira.

Os EUA forneceram à Ucrânia 300 mísseis no final de janeiro, tendo enviado mais 180 projéteis e 30 lançadores em outubro de 2021.

No sábado, o presidente Joe Biden anunciou mais US$ 350 milhões (€ 310 milhões / R$ 1.798.580.000,00) em assistência militar aos ucranianos, incluindo mais Javelins.

"O Javelin provavelmente é bastante eficaz contra a maioria dos veículos blindados russos, e provavelmente é mais capaz contra blindados pesados (como tanques) do que qualquer outro sistema de mísseis disponível para a Ucrânia que possa ser carregado por um soldado individual", segundo disse Scott Boston, analista sênior de defesa na RAND Corporationao Euronews Next.

"A ogiva do Javelin é excelente e o míssil pode ser configurado para voar em um perfil de ataque de mergulho, de modo que atinja o teto menos protegido do veículo alvo. O míssil é guiado e travado em um alvo específico pelo atirador, então mesmo que o alvo esteja se movendo, o Javelin tem chance de acertá-lo".

Soldados ucranianos usam um lançador com mísseis Javelin americanos durante exercícios militares na região do Donetsk, Ucrânia, quinta-feira, 23 de dezembro de 2021.
(AP/Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Ucrânia)

Talvez sua característica mais útil seja o sistema dispare-e-esqueça (fire-and-forget), o que significa que os soldados que o usam podem apontar e atirar antes de correrem para se proteger, ao contrário das armas antitanque guiadas tradicionais. Ele também tem um alcance de até 4km, dando vantagem aos soldados de infantaria sobre os velozes veículos blindados.

A eficácia da arma, no entanto, é limitada por vários fatores, incluindo restrições topológicas e geográficas. Grande parte do centro e leste da Ucrânia é plana, então há opções limitadas para ocultar seu uso.

Outra é que é uma arma de infantaria que precisa ser usada ao lado de “uma equipe de armas combinadas que inclui tanques, outros veículos blindados, artilharia e aeronaves”, acrescentou Boston.

É também um equipamento caro que custa US$ 80.000 (€ 71.000 / R$ 411.104,00), tornando seu uso generalizado a longo prazo proibitivo em termos de custo.

"O Javelin é muito, muito caro para uma arma de infantaria", disse Boston. "Isso não é um grande problema para a Ucrânia, porque eles conseguiram os seus de graça, é claro, mas isso significa que eles nunca iriam receber tantos deles quanto eles gostariam. Eles são úteis para muitos coisas, então você tem que ser seletivo em quais alvos você as usa".

A importância das armas antitanque na guerra - que até agora testemunhou intensos combates em grandes centros urbanos da Ucrânia, onde os habitantes foram abrigados em estações de metrô e porões - foi ainda mais enfatizada por doações de dardos e armas similares de países estrangeiros, incluindo membros da OTAN.

A Alemanha, por exemplo, anunciou no sábado, em uma reviravolta surpresa na política externa, que enviaria 1.000 armas antitanque e 500 mísseis Stinger para a Ucrânia. O chanceler Olaf Scholz seguiu no domingo anunciando ainda mais que a Alemanha aumentaria permanentemente seus gastos com defesa acima do limite de 2% do PIB exigido pela OTAN.

"Outra arma importante fornecida à Ucrânia nas semanas anteriores à invasão foi a NLAW (Next Generation Antitank Weapon / Arma Antitanque de Próxima Geração), enviada pelo Reino Unido", disse Boston.

"Esta foi uma escolha inspirada, na minha opinião".

"A arma é fácil de usar e evidentemente pode ser disparada de dentro de prédios. Também parece ter sido enviada em números muito maiores, o que faz sentido porque é um sistema menos complexo, além de ter alcance menor que o Javelin".

Javelin e NLAW.

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

FOTO: Legionários das Companhias Saarianas

Legionários da 1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère (CSPL) na Argélia, 1956.
(Colorizada)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 18 de janeiro de 2022.

As Companhias Saarianas Motorizadas da Legião Estrangeira (1ère Compagnie Saharienne Portée de la Légion étrangère, CSPL) eram formações de patrulha de longa distância no deserto da infantaria motorizada que foram ativadas na década de 1920 e expandidas na década de 1950; foram formadas quatro destas companhias. Vestidos em uniformes tradicionais à la Beau Geste, sua função era guardar pontos estratégicos nas estradas transcontinentais do Saara, como os oásis estratégicos e os poços de petróleo. Essas unidades lutaram durante toda a Guerra da Argélia.

Eles moviam-se para o norte do Saara durante o verão e tomavam parte em operações combinadas como tropa motorizada convencional e como infantaria helitransportada. Por causa das enormes distâncias que as CSPL cobriam, esses legionários tendiam a mover-se de base em base através de toda a extensão do norte do Saara.

A Legião também teve um grupamento comandado pelo Tenente-Coronel François Binoche, o Groupement des compagnies portées de Légion étrangère du Maroc (GCPLEM, mas também GCPLM).

Original em preto e branco.

Os legionários estão armados com material bem obsoleto para o período, que eram adequados para a função de patrulha motorizada, com a tropa armada com fuzis Berthier e o graduado à esquerda com uma submetralhadora Sten. Eles vestem o tradicional uniforme de desfile da Companhia Saariana, que consistia de camisa branca de manga curta, calça seroual branca e bandoleiras de couro em forma de V Modelo Saara 1935. Um manto e sandálias complementam o uniforme.

A 1er CSPL, originária do Marrocos, era aquartelada em Ain-Sefra em 1954, movendo-se para o Forte Flatters em 1955. A 2e CSPL estava em Laghouat e a 3e CSPL no Forte Leclerc (Sebha) no Fezzan. Em janeiro de 1956, a 4e CSPL foi criada da antiga 24e Compagnie Portée do 1er RE (Regimento Estrangeiro). Em janeiro de 1961, a 1er CSPL tornou-se o 1er Escadron SPLE, afiliado com a cavalaria ao invés da infantaria.

A unidade foi dissolvida em 31 de março de 1963, e os homens transferidos para o 2e REI; tornando-se Escadron, 2e REI. Depois renomeado 5ª Companhia Motorizada (5e CP), 2e REI.

Guarda-bandeira da 1er CSPL na entrada do Forte Flatters, em uma capa da revista Képi Blanc de 1959. A guarda usa sabres de cavalaria em vez de fuzis.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

ARTE MILITAR: O FAL na Batalha de Long Tan no Vietnã


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 3 de janeiro de 2022.

Cena da famosa Batalha de Long Tan em 1966, de status legendário na História Militar da Austrália, e da sua participação na Guerra do Vietnã. A ilustração de Steve Noon faz parte do livro The FAL Battle Rifle, de Bob Cashner para a série Weapon da Osprey Publishing. O capítulo foi traduzido no blog aqui.

A batalha evidenciou a confiabilidade do FAL em situações adversas, funcionando com água e lama sob pesada chuva de monção. A versão australiana do FAL, fabricada em Lithgow, seguia o padrão britânico de medidas no sistema imperial e era designado Self-Loading Rifle 1A1 - literalmente Fuzil Auto-Carregável L1A1 - com o acrônimo SLR. A versão fuzil-metralhador (FM) do L1A1, de cano pesado para tiro contínuo, foi designada L2A2 e é semelhante ao FAP, mas com um sistema de bipé dobrando como guarda-mão. O fuzil automático L1A1 foi chamado pelo relatório oficial australiano de "arma excepcional da ação".

Descrição da ilustração:

O FAL no Vietnã

Em 18 de agosto de 1966, em Long Tan, no Vietnã do Sul, elementos da Companhia D, 6º Batalhão, O Regimento Real Australiano, fizeram contato com o que viria a ser um regimento vietcongue apoiado por pelo menos um batalhão das forças do exército norte-vietnamita. Os australianos foram logo detidos aferrados ao terreno em uma plantação de borracha, assim que as chuvas de monção começaram a cair. Apesar do mar de lama e água, os fuzis de carregamento automático L1A1 dos australianos deram um desempenho extremamente confiável, o relatório oficial pós-ação chamando o SLR de "arma excepcional da ação".

O soldado mostrado aqui trocando o carregador não poderia fazê-lo tão frequentemente; a carga básica oficial na época era de um carregador de 20 tiros na arma e quatro suplementares, para um total de 100 tiros de munição. Carregadores vazios deveriam ser recarregadas de bandoleiras.

Este sistema, é claro, provou-se inadequado para o combate. Apenas um ousado lançamento de pára-quedas de reabastecimento de um helicóptero em baixa altitude impediu a Companhia D de ficar totalmente sem munição durante o combate. O comandante da companhia recomendou oito carregadores por homem após a batalha.

Embora o Exército Australiano tenha adotado a versão FM L2A2 de cano pesado do FAL e tenha começado a fazer melhorias muito promissoras na arma, a adoção da metralhadora americana M60 em 7,62 mm OTAN, vista aqui, levou ao fim do L2A2.

- Bob Cashner, The FN FAL Battle Rifle, pg. 54.

Recentemente, a batalha foi imortalizada no filme australiano Danger Close: The Battle of Long Tan (2019).

Trailer do filme Danger Close


Bibliografia recomendada:

The FN FAL Battle Rifle.
Bob Cashner.

sábado, 25 de dezembro de 2021

FOTO: Infantaria anti-tanque no Donetsk

Um soldado ucraniano de 18 anos de uma unidade antitanque faz uma pausa durante a defesa do Aeroporto de Donetsk, no leste da Ucrânia, 1º de outubro de 2014.

O militar chamava-se Serhiy Tabala (Sergey Tabala), codinome Sever - "norte" em russo -, e carrega um lança-rojão RPG-7 da era soviética.

Ele foi morto em combate em 6 de novembro de 2014 por um projétil de artilharia disparado por um canhão anti-tanque MT-12 de 100mm "Rapira", durante um ataque de militantes russos à torre de controle do aeroporto de Donetsk. Ele foi enterrado na Calçada da Fama do Cemitério do Centro da Cidade em sua cidade natal de Sumy.

Bibliografia recomendada:

The Rocket Propelled Grenade.
Gordon L. Rottman.

Leitura recomendada:

A Batalha pelo Aeroporto de Donetsk - A história por dentro19 de janeiro de 2020.

FOTO: Sniper separatista na Ucrânia16 de maio de 2020.

COMENTÁRIO: Era uma vez a BERKUT10 de julho de 2020.

A intervenção russa em Ichkeria16 de agosto de 2020.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

COMENTÁRIO: As mulheres nas Forças Armadas israelenses simplesmente não foram feitas para funções de combate

Por Lizi Hameiri, Haaretz, 10 January 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de dezembro de 2021.

Muitos rapazes e moças em Israel desejam servir em vários cargos e funções durante o serviço militar, mas descobrem que o exército não está interessado. Jovens com deficiência visual não conseguem realizar o sonho de ingressar no treinamento de vôo, aqueles cujo perfil físico não é alto não podem ser combatentes de infantaria, etc. A igualdade, que todos no Exército vêm alardeando nos últimos anos, não existe para eles. Se você estiver usando óculos, provavelmente não será um piloto. E, no entanto, a exigência de que um soldado seja fisicamente adequado para uma posição militar desaparece assim que se trata de alistar mulheres em unidades de combate. Nesse caso, o exército defende a igualdade, embora não haja realmente igualdade física entre homens e mulheres.

Em uma entrevista recente, o chefe do Comando das Forças Terrestres do Exército, General Kobi Barak, disse que, na pior das hipóteses, as tripulantes de tanques terão dificuldade em carregar os projéteis. Por que o exército as está empurrando para um posto que não é fisicamente adequado para elas? Em que o soldado motivado e de óculos que deseja entrar no treinamento de vôo é diferente da jovem que deseja servir na infantaria, embora ela terá problemas arrastando uma metralhadora FN MAG?

Soldado israelense carregando uma FN MAG durante uma marcha.

Contribuir para o estado deve significar servir em lugares onde os soldados possam dar o seu melhor, e não insistir em cumprir tarefas que a nossa força física não nos permite desempenhar de forma ideal. Devemos colocar o bem das Forças de Defesa de Israel e o cumprimento da missão com o mínimo de baixas em primeiro lugar, antes de nossos desejos e sonhos.

As FDI foram foram criadas para nós atendermos às suas necessidades, não para atender aos nossos desejos. As FDI não é um acampamento de verão para tornar os sonhos realidade, mas o muro de defesa de Israel. Não devemos esquecer isso.

Em batalha, o piloto de óculos não terá a fração extra de segundo necessária para identificar o alvo do ataque. Ele também não terá tempo em batalha para carregar o projétil mais lentamente, ou atacar o inimigo em um ritmo de caminhada com a pesada MAG. Existem empregos suficientes para os quais todos - homens e mulheres - podem contribuir, cada um de acordo com suas habilidades e qualificações. Não há desigualdade ou indignidade nisso, nem uma violação da auto-realização.

Estou impressionado com a forma como as mulheres e a equipe médica fecham os olhos para as diferenças fisiológicas entre homens e mulheres, que são inevitavelmente refletidas nas diferenças de desempenho e podem ser prejudiciais para todos - em primeiro lugar para as mulheres jovens que pagarão o preço quando são inadequadas para uma tarefa. Não devemos permitir que a igualdade venha antes da preparação e da capacidade de desempenho. A igualdade real e fundamental não será alcançada com a concessão de mesadas especiais, mas colocando cada homem e mulher em uma posição na qual eles possam colocar suas habilidades da melhor forma possível. Não há vergonha em reconhecer a vantagem física dos homens em papéis de combate.

Devemos impedir a auto-ilusão e o engano das IDF antes que isso exija um preço alto.

Lizi Hameiri.
A escritora é uma ativista social e membro do IDF Fortitude Forum.

Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:

domingo, 15 de agosto de 2021

LIVRO: O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros


Por Peter Samsonov, Tank Archives, 6 de agosto de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 15 de agosto de 2021.

The Assault Platoon of the Grenadier-Company November 1944 German Army Pamphlet - Merkblatt 25a/16 é o segundo livro de Bernard Kast (Military History Visualized) e Christoph Bergs (Military Aviation History). Muito parecido com seu primeiro livro, The Assault Platoon of the Grenadier-Company é uma tradução de um panfleto tático alemão, mas sob um olhar mais atento é muito mais do que isso.

O Pelotão de Assalto da Companhia de Granadeiros:
Novembro de 1944.
Panfleto do Exército Alemão - 
Merkblatt 25a/16.
Bernard Kast e Christoph Bergs.

Assim como no primeiro livro [German Army Regulation on the Medium Tank Company], o texto original em alemão e a tradução em inglês são fornecidos lado a lado. Este livro não oferece apenas uma tradução, mas também uma interpretação do texto original. Uma vez que a língua alemã e a terminologia militar não são as mesmas hoje que eram na década de 1940, notas de rodapé são fornecidas para notificar o leitor sobre as mudanças. Existem também alguns conceitos ou termos com os quais se esperava que o leitor original estivesse familiarizado, mas é provável que um leitor moderno não saiba. Eles também são explicados nas notas de rodapé ou no glossário. Quaisquer ambigüidades potenciais que poderiam ter surgido em uma tradução para o inglês também são explicadas em notas de rodapé. Todos os diagramas foram redesenhados a partir dos originais e o texto é apresentado em alemão e inglês.

Embora o subtítulo do livro seja Panfleto do Exército Alemão - Merkblatt 25a/16, apenas um capítulo do livro é dedicado à tradução deste panfleto. O leitor também recebe uma série de suplementos mencionados no panfleto 25a/16, incluindo um panfleto semelhante para o pelotão de submetralhadoras da companhia de granadeiros, manual de marcha e formação, plano de batalha, exercícios de tiro e instruções para combate corpo-a-corpo, todos os quais contêm trechos relevantes de outros panfletos alemães. Existem também vários capítulos escritos do zero pelos autores: legendas para unidades e símbolos de mapa, um glossário, uma visão geral dos predecessores do fuzil StG 44 e uma ilustração da arma e seus componentes. O livro termina com uma extensa bibliografia, mostrando o quanto foi feito para garantir que o leitor tivesse o contexto completo ao ler os manuais fornecidos.

O livro consiste em 134 páginas fornecidas em alemão e inglês, bem como cerca de uma dúzia de páginas para a introdução, agradecimentos e bibliografia, que são impressas apenas em inglês. O resultado são cerca de 280 páginas de alguns dos conteúdos mais detalhados sobre o combate da infantaria alemã que já vi até hoje. Esta análise é baseada na Edição do Apoiadores de capa dura. A qualidade de impressão é alta e a encadernação é resistente. Não tenho motivos para acreditar que outras versões deste livro não sejam igualmente de alta qualidade.

Uma cópia de capa dura semelhante pode ser obtida por US$ 47,30 dólares, uma cópia de capa em brochura está disponível por US$ 29,60 no momento da redação.

Fãs desse formato também podem encomendar o terceiro livro de Kast e Bergs Stuka: A Doutrina do Bombardeiro de Mergulho Alemão aqui.

Post-script: O Grupo de Combate de infantaria alemão

O Grupo de Combate de Infantaria Alemão em 1940-1945.
(Grenadierschule)

O Grupo de Combate era o menor elemento de combate da infantaria alemã (que não formava esquadras-de-tiro). Como de praxe, o GC alemão girava em torno das metralhadoras (geralmente MG34 e MG42), com o GC sendo dissolvido caso perdessem a metralhadora do GC. O vídeo abaixo detalha as funções, postos e equipamentos do Gruppe alemão.


Bibliografia recomendada:

German Infantryman:
The German soldier 1939-45 (all models).


Leitura recomendada:





sábado, 24 de julho de 2021

A seção de infantaria como uma prioridade estratégica nacional

Legionários do 2e REP na cordilheira do Adrar des Ifoghas, no Mali, em 2013.

Pelo Ten-Cel Michel Goya, La Voie de l'Épée, fevereiro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 24 de julho de 2021.

Quando examinamos a lista dos 400 soldados "mortos pela a França" em operações por cinquenta anos, vemos que são quase exclusivamente infantaria e sapadores. Na grande maioria dos casos, estes homens foram mortos em combates de amplitude muito limitada por outros “combatentes desembarcados”, sempre irregulares, por disparos de armas leves ou por artefatos explosivos. Essas lutas agora também podem acontecer na França metropolitana.

Notamos também que esses micro-combates têm um impacto estratégico muito maior do que antes na história, com uma assimetria de efeito muito forte dependendo se os soldados franceses tombem neles ou não. No primeiro caso, essas lutas aparecem na mídia na França continental, o que não é necessariamente o caso no segundo. E tão logo essas perdas sejam "importantes", que em termos modernos começa em dois, elas inevitavelmente suscitam questionamentos sobre a eficácia e o andamento da operação em curso, o que nunca deixa de embaraçar em nível político.

Sniper francês do 35e RI com o FR F2.

Pode-se questionar essa hipersensibilidade midiática-política, na maioria das vezes em descompasso com o sentimento de uma opinião pública francesa em geral muito mais resiliente, sem falar na visão do inimigo. Notaremos apenas que isso induz uma relutância em se engajar no terreno, em contato, embora esta ainda seja a única maneira de in fine obter a decisão e a vitória.

A conclusão desta contradição entre a necessidade estratégica de engajamento dos combatentes no terreno (inclusive no território metropolitano), as perdas que isso induz e o constrangimento, também no nível estratégico, que essas próprias perdas causam deveria logicamente fazer desses combatentes desembarcados uma prioridade da defesa nacional. Mas isso está longe de ser o caso.

Panzergrenadiers modernos e antigos.

Desde o fim da Guerra Fria, tivemos total superioridade no ar e sobre os mares, a capacidade de combate de pequenas células táticas terrestres, embora essenciais, quase não mudou nas últimas décadas. Uma patrulha de caças Rafale não arriscaria nada contra dois Focke-Wulf 190 alemães de 1945, uma fragata Aquitaine seria capaz de afundar qualquer cruzador da Kriegsmarine, não é de todo óbvio, entretanto, que uma seção de infantaria francesa certamente conseguiria ganhar de uma seção de panzergrenadiers alemães a partir de 1944. Teríamos alcançado o mesmo desempenho em terra que no céu ou no mar, uma seção de infantaria francesa não teria sido destruída e outra fixada no vale de Uzbin por combatentes rebeldes, certamente se beneficiando da surpresa e superioridade numérica, mas equipado com armas da década de 1960.

Para obter uma superioridade equivalente no combate terrestre, pode-se optar por uma abordagem “pesada” com aumento dos meios engajados, veículos blindados - apoios pesados - proteção individual, no nível mínimo do subgrupamento. Isso obviamente reduz o risco de fracasso e de perdas, mas ao custo de grande dependência de bases e estradas para manobra ou apoio logístico. Essa dependência leva a perdas indiretas por IED ou projéteis, longo planejamento e aumento de custos. Acima de tudo, em um contexto de recursos reduzidos, se for necessário engajar pelo menos um subgrupamento com apoios externos, isso reduz a capacidade de manobra geral francesa a algumas dezenas de peões táticos.

Isso reduz o risco de fracasso ao custo de baixa eficiência. Ao contrário, podemos optar por uma abordagem “ágil” e dar vida aos setores diretamente no terreno e em meio à população. Na verdade, essa abordagem leve é ​​sem dúvida eficaz, conforme evidenciado pelo sucesso do CAP e do contingente australiano no Vietnã ou, mais recentemente, das forças especiais americanas em 2001 no Afeganistão. E o Exército dos EUA em Bagdá em 2007. No entanto, devemos aceitar travar muitas pequenas batalhas e, portanto, inevitavelmente aceitar o risco de perdas.

Reduzir o medo político dessa abordagem ágil significa reduzir o risco de "cisnes negros" e, portanto, aumentar a capacidade de seções isoladas. Quando pudermos engajar em poucas horas quantas seções de infantaria quisermos em qualquer ambiente e contexto, com uma superioridade indiscutível sobre qualquer inimigo local, multiplicaremos de uma só vez a capacidade estratégica francesa.

Militantes da Frente de Libertação da Somália Ocidental brandindo armas obsoletas durante a Guerra do Ogaden, 1977.

Podemos estabelecer como objetivo de estudo que uma seção de infantaria francesa projetada no solo tem, com seus únicos meios, ao mesmo tempo uma altíssima probabilidade de derrotar com perdas muito reduzidas um inimigo irregular equipado com armas leves ex-soviéticas dum volume equivalente ou para resistir face a um inimigo três a quatro vezes superior em número, pelo menos até a chegada de reforços em terra e/ou meios de apoio. O todo deve ser obtido com um investimento financeiro reduzido, digamos 1% da Lei de Programação Militar (para 80% das perdas, lembremo-lo).

Obter tal aumento de produtividade tática supõe jogar com os quatro fatores de qualquer organização - equipamentos, métodos, estruturas e sua cultura (modos de ver as coisas) - lembrando que a modificação de um desses fatores interage com os outros e nem sempre de forma positiva.

1.

Os elementos que se seguem constituem um primeiro esboço e um convite à apresentação de contribuições com vista a uma formalização mais precisa e exitosa. São fruto das experiências que pude realizar em quatro regimentos diferentes e das reflexões de suboficiais e cadetes da 54ª promoção da Escola Militar de Armas Combinadas (École Militaire Interarmes).

Formações de GC no Vietnã do exército e fuzileiros navais americanos e dos ANZACs.
(Arte de Peter Dennis / Vietnam Infantry Tactics)


Em termos de estrutura do grupo de combate, todo o retorno de experiência dos exércitos estrangeiros é consenso sobre o grupo no terreno de nove homens, composto por um chefe de grupo e de duas equipes de 4 (e em 2 binômios). Abaixo, o grupo é muito penalizado pelas perdas, além (o grupo dos fuzileiros navais tem 13 homens), tende a se dividir. Entre as tropas que combatem temos o grupo mais leve e frágil. Mais dois homens no terreno, no entanto, aumentariam a eficiência geral não em 28% (mais dois homens em comparação com sete), mas em quase 40%. Um grande investimento seria que um dos nove homens também fosse um enfermeiro altamente qualificado.

O adensamento do escalão da equipe milita pelo seu comando por um cabo-chefe e até por um sargento. O comando do grupo pode ser exercido por um sargento-chefe. Uma gestão mais experiente seria um investimento com um retorno muito alto.

No nível da seção, experimentei, de 1993 a 1999, uma nova organização da seção com um grupo de apoio de fogo, reagrupando as armas atirando a 600m, e três grupos de assalto equipados simplesmente com FAMAS. O interesse era rentabilizar a utilização das armas "600", utilizando-as no 2º escalão da seção e não no contato imediato do inimigo onde são de pouca utilidade, obtendo-se assim um efeito de massa mas também de combinação (tiros precisos de FR F2, tiro de saturação de Minimi, tiro indireto de LGI).

Metralhadora Minimi com o sistema FÉLIN de tiro de esquina.

O combate desta nova estrutura foi inspirado nos métodos alemães do final de 1918 e da Segunda Guerra Mundial baseados na capacidade de neutralização do grupo de fogo e de detecção-fixação dos grupos de assalto, destruição ou repulsão. por um ou por outro, dependendo do caso. A superioridade de tal estrutura sobre a estrutura do INF 202 foi demonstrada em virtualmente todos os exercícios nos quais o confrontei.

Dentro do envelope regulatório, só é possível formar dois grupos de assalto de 9. Idealmente, um terceiro seria necessário. O aumento de efetivos pode ser compensado por uma redução no grupo de fogo.

Nesse sistema de prioridade "anti-pessoal", o grupo Eryx não existe mais. As peças são relegadas ao setor de apoio da companhia.

2.

Outra maneira, muito simples e novamente amplamente testada com sucesso, consiste em simplificar muito a carga de trabalho mental do chefe do grupo, substituindo as doze listas de verificação diferentes que ele deve conhecer e aplicar a cada caso (DPIF, FFH, MOICP, PMSPCP , HCODF, GDNOF, ODF, IDDOF, PMS, SMEPP, etc.) por apenas uma.

Além da sua memorização ocupar grande parte da instrução em detrimento de outras coisas, essas ordens "recitadas ao pé da letra" têm a grande falha de desacelerar consideravelmente o grupo. Um experimento mostrou que se esses métodos forem estritamente aplicados em um enfrentamento com o inimigo, leva entre 1:30min  e 2min para que o grupo em contato dispare seu primeiro tiro. É claro que em um combate real, mesmo em um exercício um tanto realista, todos esses procedimentos explodem. Na melhor das hipóteses, o sargento usa procedimentos simplificados de sua invenção, na pior, paródias de ordens (em outras palavras, gritos variados).

Soldados de infantaria dos regimentos The Cameron Highlanders of Ottawa (Duke of Edimburgh's Own) e Governor General’s Foot Guards participam de uma instrução de fogo e movimento com tiro real em Petawawa, no Canadá, de 21 a 23 de outubro de 2016.

Para remediar este defeito e inspirando-me nos métodos usados ​​em veículos blindados, experimentei (durante quinze anos) a substituição de todos os quadros de ordem por um quadro de ordem universal denominado: OPAC, para Objetivo (alcançar, ver ou atirar), Posição (se não for óbvio e principalmente pelo uso do princípio "período + distância"), Ação (o que fazemos ou o que faz o objetivo?).

Este sistema vocal foi duplicado por um sistema de gestos (era possível fazer exercícios inteiros sem dizer uma palavra) e também implicou uma redefinição do papel dos líderes de equipe, autônomos na escolha de sua manobra (o que aliviou novamente o chefe  do grupo). Um pedido OPAC era parecido com este:
  • Chefe do grupo: “Alfa! Bravo!" (o chefe do grupo chama seus líderes de equipe pelo nome ou um código);
  • Chefe da equipe 1: "Alfa!" (= "Estou pronto para receber a ordem");
  • Chefe do grupo: “aqui (mostra a zona a ser ocupada) (Posição-Objetivo); em apoio repouso voltado para a rua (Ação) (mostra a área a ser monitorada)”;
  • Chefe de equipe: "Alfa!"(= Eu entendi, eu executo a missão e coloco cada um dos meus homens com uma ordem OPAC);
  • Chefe do grupo: “Bravo! "
  • Chefe da equipe 2: "Bravo!"
  • Chefe do grupo: “A encruzilhada (O), meio-dia, 100 (P), para a frente! (AC)"
  • Chefe da equipe 2: "Bravo! "(= Entendi, estou cumprindo a missão escolhendo uma formação (linha ou coluna) e um modo de movimento (caminhar-lance-apoio mútuo).
Este sistema possibilitou uma adaptação rápida a todas as situações, mesmo as mais confusas, sem perder tempo a tentar recordar o quadro regulamentar, proporcionou um significativo ganho de tempo para reflexão do chefe do grupo, facilita a substituição do chefe do grupo por um chefe de equipe e o chefe de equipe por um granadeiro-volteador porque os procedimentos eram os mesmos.

Fuzileiro-metralhador e granadeiro-volteador durante combate urbano no Mali.

Nos experimentos realizados, o método OPAC deu ao grupo de combate um ciclo OODA (observação-orientação-decisão-ação) muito mais rápido do que o de um grupo INF202. De fato, em uma combate de encontro, ele venceu quase que sistematicamente (em 80% dos casos) o grupo INF 202. A propósito, demorei duas horas, relógio na mão, para ensinar todos esses métodos para um grupo de conscritos melanésios, mal saídos da escola, e para transformá-los em um grupo de combate manobrando mais rápido e melhor do que todos os grupos "antigos".

Note-se que todas as propostas anteriores, que, mais uma vez, comprovaram a sua capacidade de desenvolver as capacidades da seção, não têm custo financeiro. Elas podem até representar uma fonte de economia, pois as habilidades associadas requerem menos tempo de aprendizagem do que os métodos regulamentares.

3.

O grupo de apoio seria mais poderoso e eficaz se:
  • Os FR F2 foram substituídos pelos modernos fuzis HK 417 com luneta Schmidt & Bender adaptada (e não a luneta do FR F2 em fuzis HK 417 como era feito no Afeganistão).
  • Os Minimi eram no calibre 7,62mm, uma munição mais potente e robusta (não desvia tão facilmente em um obstáculo) e dissuasiva que o 5,56mm.
  • Os LGI, em última análise, ineficazes (mesmo que apenas pelos problemas de coordenação que ocasiona com as aeronaves) por lança-foguetes de 89mm com munição anti-pessoal.
Soldado norueguês com o HK 417 e luneta Schmidt & Bender.
Luneta Schmidt & Bender 5-22x50.

Nos grupos de assalto, o sistema FÉLIN permitiu aumentar de forma muito significativa, através dos seus auxiliares de pontaria (mira Eotech, lunetas IL e IR), o alcance e a precisão do tiro do FAMAS, especialmente à noite. O novo cano do FAMAS permite que qualquer tipo de cartucho seja disparado com igual precisão. A visão remota às vezes é útil em combate em localidade, mas não é necessariamente útil equipar todos com ela. A substituição do FAMAS por um fuzil de assalto moderno compatível com o sistema FÉLIN permite que se considere ainda mais poder de fogo.

O carregador do FAMAS, frágil e limitado a 25 tiros, deveria na verdade ter sido substituído há muito tempo por um carregador de pelo menos 30 tiros. Este carregador poderia ser vantajosamente substituído por um carregador de plástico transparente (muitos soldados aproveitam os intervalos para substituir o carregador aberto por um carregador completo para ter certeza de não ficar "seco" no próximo tiro; a zona de combate está, portanto, cheia de carregadores meio cheios). Reduzindo assim a fonte de muitos incidentes de tiro.

A função de lança-granadas sob a arma tornaria permitiria muito mais precisão do que com uma granada de fuzil, mas também marcar posições inimigas para apoio aéreo muito rapidamente.

Seção de infantaria francesa com o sistema FÉLIN.

Na dupla dotação, pode-se substituir vantajosamente a baioneta, pouco útil, por uma arma de porte (como o FN Five seveN 5.7mm por exemplo) permitindo enfrentar os incidentes de tiro e mais prático em combate em localidade, com munições que permitam realizar tiros sem arriscar danos colaterais. Certificando-se também de que o grupo de combate tenha granadas de efeito especial (flash, atordoamento, etc.).

As conexões dentro do grupo são muito mais garantidas com a rede de informações do soldado de infantaria (réseau d'information du fantassinRIF), com fones de ouvido osteofônicos, do que com o sistema PRI, que não é muito discreto e pouco prático. O chefe do grupo também deve estar equipado com o sistema 328.

A interface homem-máquina (interface homme-machineHMI), um tablet de situação tática, complexo de usar e muito demorado, se for útil para o chefe de seção, na verdade não é usado pelos chefes de grupo. A digitalização em nível de grupo está se revelando uma ideia ruim (e cara). Apenas os chefes de grupo e o chefes de seção realmente precisam de um GPS. Um laser infravermelho seria muito útil para designar alvos ou guiar tiros.


Em termos de proteção, o capacete pesado do tipo FÉLIN é eficaz e deve ser generalizado, com uma lâmpada IR do tipo Guardian e um suporte de montagem para a ótica noturna, mas também uma lâmpada auxiliar (branca, IR, vermelha). Os coletes de proteção, por outro lado, são muito volumosos. Como agora parece inconcebível lutar sem colete de proteção, sua redução de peso e ergonomia devem ser a prioridade. Já existem modelos HPC (Hard Plate Carrier / Porta-Placas Pesadas) com placas de proteção de última geração, mais leves e que permitem o transporte de oito carregadores.

Também é necessário repensar bolsas e roupas (e seu processo de aquisição). Substituir as bolsas F1/2/3 ou TTA por equipamentos úteis, como bolsas de montanha de grande capacidade ou bolsas camelback BFM 500.

4.

E então há o ambiente. A melhor maneira de aumentar significativamente as habilidades táticas coletivas ainda é manter a estabilidade das seções. No final dos anos 1970, o general americano Don Starry assistiu a uma demonstração de tiro de uma unidade israelense (da reserva) de tanques. Espantado com a eficiência do tiro de uma das tripulações, ele perguntou quantos obuses eles eram permitidos disparar por ano para serem tão bons. Os tanquistas responderam que seis a oito eram suficientes porque estavam juntos no mesmo tanque há quinze anos. Homens mantidos juntos em unidades estáveis ​​por anos eventualmente criam obrigações mútuas e habilidades relacionadas. De minha parte, em onze anos vivendo em companhia da infantaria, tive a sensação de um recomeço eterno devido à insuficiência crônica de pessoal e à instabilidade das seções. Em três anos liderando uma seção do 21º Regimento de Infantaria de Fuzileiros Navais (21e Régiment d’infanterie de marine, 21e RIMa), comandei sessenta e três homens diferentes para uma força média de trinta. Esta mobilidade é tanto mais prejudicial quanto os equipamentos individuais são cada vez mais personalizados e sempre fixos. Talvez devêssemos considerar mutações com equipamentos de combate.


Esforçamo-nos para ter seções com pessoal completo (removendo aqueles que estão em reciclagem, por exemplo); desacelerar o sistema de transferência de quadros, herdado dos dias do serviço nacional obrigatório, para manter quadros e soldados juntos por mais tempo; parar de ter uma estrutura de seção diferente para cada missão e veremos em um único golpe as habilidades da nossa infantaria aumentando sem grande despesa.

Existem outros caminhos, tanto culturais (desenvolver uma verdadeira cultura de treinamento permanente até o nível mais baixo, em todos os momentos e em todos os lugares) e organizacionais, ao afrouxar o controle dos regulamentos acumulados ao longo do tempo em matérias de segurança, ao eliminar certas missões pouco úteis, ou devolvendo os veículos táticos nos regimentos (o que significa ter resolvido o problema de sua manutenção). Em geral, tudo o que possa contribuir para a estabilidade das unidades, para a facilitação do dia a dia e para a retenção, contribui indiretamente para a elevação do nível operacional.

Ataque da infantaria francesa na Frente Ocidental, 1916-18.
Moderna, interarmas e flexível.
(Arte de Giuseppe Rava / French Poilu 1914-18)

A seção de infantaria francesa tomou sua forma moderna nos anos 1916-1918. Ela é então equipada com seis fuzis-metralhadores e quatro a seis lança-granadas e seus volteadores já podem ser equipados com fuzis semi-automáticos, alguns com luneta. Esta diferenciação induz uma interdependência dos homens que aumenta a resistência psicológica superior àquela dos homens-baionetas alinhados de 1914. Acima de tudo, ela pode manobrar de outra forma que não em linha a um passo de intervalo graças aos seus grupos de combate autônomos. O salto qualitativo em poucos anos é enorme.

A infantaria então congelou, renovando o armamento muito tarde, com exceção do excelente FM 24/29. Apesar do equipamento americano, a seção francesa subsequentemente não teve superioridade material sobre seus adversários até a guerra da Argélia. Nesta guerra de infantaria, a França está adquirindo uma nova geração francesa de armamentos individuais (submetralhadora MAT 49, fuzil semi-automático MAS 49-56, fuzil-metralhador AA52) que equipa principalmente os regimentos paraquedistas. Estas estão na origem de um novo “sistema de infantaria” que associa a mobilidade (com não mais de 20kg de equipamento), a procura do combate corpo-a-corpo e a estreita associação com os meios de terceira dimensão para o transporte e apoio de fogo. A infantaria de assalto francesa era então a melhor do mundo, infligindo perdas em média vinte vezes maiores que as suas. Esta também funciona porque aceitava-se o preço do sangue. Entre cem e duzentos homens são mortos em cada regimento paraquedista durante a Guerra da Argélia.

Paras do 1er RCP saltam de um helicóptero durante a Guerra da Argélia.

A terceira ruptura veio na década de 1980. Primeiro, houve a adoção do FAMAS, que foi mais um tapa-buraco do que uma revolução, já que fomos os últimos a nos equiparmos com um fuzil de assalto (no final dos anos 1970 somos forçados a comprar fuzis SIG 540 para não sermos ridicularizados no Líbano ou no Chade). O verdadeiro esforço está no armamento antitanque, com a adoção de modernos lança-foguetes até o terrível RAC 112 e principalmente o lançador de mísseis Eryx, em tese o combate da seção ainda está organizado. O problema é que essa arma chega aos regimentos após o desaparecimento da ameaça que deveria conter. Mais de 600 milhões de euros são, portanto, gastos em um sistema que, em última análise, é de pouca utilidade.

Com as difíceis operações da década de 1990, a infantaria adotou uma série de equipamentos de proteção (capacetes, coletes à prova de balas) e alguns armamentos (VAB com canhão de 20mm, fuzil Mac Millan, etc.), depois uma série de meios optrônicos e de transmissão, ao menos para se distinguir da competição de "unidades em marcha" de outras armas. O acúmulo dessas improvisações é muito útil, mas também resulta em sobrecarga e inconsistências. O colete à prova de balas, por exemplo, projetado para uma missão de sentinela estática é muito volumoso em uma missão de assalto. O programa FÉLIN, distribuído ao longo de vinte anos, visa racionalizar tudo isso, agregando as contribuições das novas tecnologias de informação. No entanto, isso não resolve o problema fundamental da carga do soldado de infantaria.

Carga de baioneta de uma companhia francesa durante as grandes manobras de 1913.

Quando fazemos um balanço, percebemos que o desenvolvimento da seção de infantaria raramente foi uma prioridade, embora tenha sido de longe o "sistema tático" mais procurado e mais importante nas guerras francesas por cem anos. Essa falta de interesse pode ser explicada em primeiro lugar por um certo desprezo por aqueles que parecem ser os mais simples dos soldados. A seção de 1918 poderia ter existido já em 1914 porque todos os armamentos já existiam pelo menos no estado de protótipos. Não foi esse o caso porque se considerou que o soldado francês desperdiçaria as munições se equipado com armas automáticas. Em seguida, foram necessários três anos de guerra para admitir que um sargento pudesse tomar decisões táticas. Não é certo que esta subestimação, senão este desprezo com profundas raízes históricas, tenha desaparecido por completo.

Depois do desprezo humano, devemos adicionar o desprezo industrial. Quanto vale essa montagem de pequenas armas e equipamentos contra um tanque de guerra, um caça-bombardeiro ou um porta-aviões? Como essas pequenas e dispersas indústrias pesam contra os gigantes da aviação ou da construção naval? Elas têm pelo menos um jornal diário para defender seus interesses e os de seus amigos? Os lucros obtidos nas costas da infantaria são, em última análise, bastante baixos.

Na verdade, só se interessa pela infantaria quando os infantes diminuem em número.


Bibliografia recomendada:

A Infantaria Ataca.
Erwin Rommel.

Leitura recomendada:





Tiro em Cobertura Rodesiano15 de abril de 2020.