Mostrando postagens com marcador Afeganistão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Afeganistão. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de junho de 2022

Um americano trabalhando com os franceses no Afeganistão

Por Chris Hernandez, Breach Bang Clear, 9 de julho de 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 28 de junho de 2022.

No Afeganistão, trabalhei ao lado do exército francês. Isso me tornou mundialmente famoso na França. Aliás, eu até apareci na capa de agosto de 2009 da revista RAIDS, que é uma espécie de Soldado da Fortuna francesa:

Eu pareço incrível, não é? Infelizmente, o fotógrafo que tirou aquela foto não era muito bom. Estou descentralizado na foto, além de muito desfocado. Aqui está outra versão, onde estou destacado um pouco melhor:


Ok, talvez eu não seja tão importante na França quanto pensava. Mas trabalhar com o exército francês ainda foi um dos pontos altos da minha carreira militar.

Quase toda vez que digo a alguém que trabalhei com os franceses, recebo comentários como: “Você quer dizer que os franceses têm um exército?”, “Eles se renderam a você no dia em que você chegou lá?”, ou alguma outra variação do “macaco comedor de queijo que se rende”. E se eles não insultam abertamente as tropas francesas, geralmente descartam minha experiência dizendo: “Oh, você deve ter trabalhado com a Legião Estrangeira. Eles não são realmente franceses.”

Esses comentários realmente me dão nos nervos. E eles estão completamente errados. Servi com alguns Legionários e muitas tropas francesas regulares. Seja qual for a política do público ou do governo franceses, seus soldados são corajosos, bem treinados, em forma física fantástica e agressivos. Descrever esses homens como covardes é absolutamente injusto.

Bandeiras brancas e fuzis largados?

A verdade real sobre trabalhar com o Exército Francês

Soldados do Exército dos EUA com franco-atiradores das tropas navais francesas e JTAC da Força Aérea Francesa, na Firebase Morales-Frasier, província de Kapisa, Afeganistão, outono de 2009.
O autor está de pé no lado esquerdo da bandeira francesa da Bretanha, usando boné bege. A outra bandeira é a do Texas.

É certo que eu tinha uma opinião ruim dos soldados franceses antes de servir com eles. No Kosovo, os militares franceses tinham a reputação de serem politicamente tendenciosos e ineficazes. Como policial da ONU, trabalhei com gendarmes franceses, um tipo de policial militar. Eles também não gostavam dos militares franceses regulares.

Então, no início de 2009, quando me disseram que eu estava indo para uma base de fogo francesa no Afeganistão, fiquei um pouco preocupado. Eu não falava francês, não tinha uma visão positiva de suas tropas e estava preocupado em ficar preso dentro do arame farpado com pessoas que não queriam estar em combate. Eu havia passado todo o meu desdobramento no Iraque em um Humvee em uma equipe de escolta de comboio; aquela missão era uma droga, e eu não queria nada com a vida de fobbit ou proteção de força. No Afeganistão, eu queria passar o máximo de tempo possível a pé com caras que queriam lutar. Os franceses não pareciam desse tipo.

Então comecei a investigar. Fui a soldados que estavam no Afeganistão há algum tempo e perguntei o que eles achavam dos franceses. E ouvi algo que não esperava, uma frase que ouviria muitas vezes durante minha turnê:

“Os únicos soldados aqui que realmente querem lutar são os americanos, britânicos e franceses.”

Essa frase foi, claro, totalmente injusta para com os australianos e canadenses. Pode ter sido injusto com os alemães, que tinham a reputação de guerreiros frustrados cujo governo não permitia fazer uma blitzkrieg no Talibã como queriam. Não deu crédito suficiente a algumas unidades do Exército Nacional Afegão que eram agressivas e ansiosas pela batalha.

Treinamento do ANA pelos franceses.

No entanto, além de dar os merecidos elogios aos franceses, a frase abordou uma certa verdade desagradável. Alguns países, aparentemente em resposta à pressão política americana, enviaram tropas para o Afeganistão de má vontade. Essas tropas foram obrigadas a ficar dentro da base ou, quando saíam, mostravam zero desejo de arriscar suas vidas por uma causa em que não deveriam ter acreditado.

Por exemplo, um dos meus melhores amigos trabalhou com as tropas de uma nação diferente (não vou citar qual nação porque não tenho experiência em trabalhar com eles e não quero caluniar todos eles; no entanto, meu amigo é confiável, veterano experiente de várias turnês, e eu acredito nele). De acordo com meu amigo, os soldados desta nação “patrulhariam” encontrando um campo aberto não muito longe da base, sentavam-se por horas e depois voltavam para o FOB. Eles faziam um grande esforço para evitar o perigo e, quando engajados, imediatamente rompiam o contato. Ele descreveu uma experiência no Centro de Operações Táticas (Tactical Operations Center, TOC), onde câmeras capturaram uma célula do Talibã colocando um foguete em um local de lançamento frequentemente usado. Enquanto observavam o Talibã se preparando para atirar no FOB, meu amigo perguntou: “Por que vocês não atiram neles?”

Um dos oficiais militares estrangeiros respondeu: “Não podemos. Eles ainda não atiraram em nós.”

O Talibã lançou o foguete. Sem uma palavra, todos no TOC pularam de pé e correram para os bunkers. Eles sabiam por experiência que os foguetes daquele local impactariam em cerca de quinze segundos. Meu amigo correu atrás deles para se proteger. Alguns segundos depois, o foguete explodiu. Todos correram de volta para o TOC. A câmera mostrou o Talibã deixando a área às pressas.

Frustrado, meu amigo perguntou: “Por que diabos vocês não atiram neles agora?”

A resposta foi: “Não podemos atirar. Agora eles estão desarmados.”

Acredita-se que outra força militar estrangeira, o exército italiano, pagou ao Talibã para não atacá-los. Os franceses ficaram furiosos com isso, e com razão. Em 2008, os paraquedistas franceses assumiram uma área de operações dos italianos. Os italianos haviam sofrido apenas uma morte durante o ano anterior naquela AO e avaliaram a área como de baixo risco. Os franceses aceitaram essa avaliação e enviaram uma de suas primeiras patrulhas para a área com armas leves e apenas 100 tiros cada, sua carga de combate padrão na época.

Talibãs posando com material francês capturado na emboscada de Uzbin, em 2008.

A patrulha foi emboscada. Um grupo de dez soldados foi separado, encurralado, cercado e exterminado até o último homem. Apesar do que os italianos relataram, as forças do Talibã eram extremamente fortes naquela área. Mas eles raramente atacaram os italianos, assim como os insurgentes iraquianos raramente atacaram os italianos em Nasiriyah quando eu estava em Tallil em 2005.

Nossa, eu me pergunto por quê...

Cheguei ao Afeganistão seis meses depois daquela emboscada. Nos nove meses seguintes, participei de inúmeras patrulhas e missões de reconhecimento com as tropas de montanha e tropas navais franceses.

Aprendi a falar francês bem o suficiente para poder transmitir informações entre as redes de rádio americanas e francesas. Às vezes eu era o único americano em missões francesas. Minhas preocupações em trabalhar com eles eram completamente infundadas e, desde então, fico muito irritado sempre que ouço comentários cansados e antigos de que “os franceses são covardes”.

A Batalha do Vale do Alasai, março de 2009

Uma diferença grande


Nós, nas forças armadas dos EUA, somos frequentemente tratados como alunos do jardim de infância mentalmente lentos. Acho que até o último soldado do Exército dos EUA se torna homicidamente violento ao pensar em usar um cinto refletivo em uma zona de combate. Eu costumava balançar a cabeça para os novos comandantes de unidade em Bagram, que ordenavam que seus soldados viajassem por toda parte dentro da base com um companheiro de batalha, até mesmo para uma mijada do lado de fora de sua tenda. Muitos de nós, especialmente suboficiais seniores, nos irritamos com a mentalidade de “você é muito estúpido para confiar” que permeou o Exército.

E nem me fale da Ordem Geral número um, a proibição do álcool. Eu não bebo, mas quase todo mundo no mundo bebe. Não seria irracional permitir que homens e mulheres adultos escapassem do estresse da guerra com uma ou duas cervejas. Aparentemente, nosso comando acha que se eles nos permitirem beber, todos nós vamos entrar num frenesi matador-enlouquecido à la Robert Bales. O pensamento de uso moderado de álcool sob condições controladas induz um aneurisma cerebral automático em nossos líderes seniores.

Um encontro típico com os franceses e afegãos.
Os americanos bebem refrigerante em vez de álcool para evitar ofender os afegãos, que obviamente estão bebendo álcool com os franceses.

Os franceses, por outro lado, não têm esse problema.

Este é apenas o começo de ruminações (grunhidos: ruminação) da minha experiência com o exército francês. Na Parte 2, falarei sobre uma missão de patrulha de uma semana com uma patrulha de reconhecimento francesa, vinho na base e sua opinião sobre sexo, assédio sexual e danadice.

Parte II: Sexo e cintos refletivos

Tropas do Exército Francês e controladores da Força Aérea em um posto avançado de combate, Vale do Alasai, província de Kapisa, Afeganistão.
Foto do autor.

Muitos americanos me perguntaram: “É verdade que os franceses serviam vinho no jantar e tinham vinho em suas rações de campanha?” A resposta é sim e não. Eles não só serviam vinho no jantar, mas às vezes também o serviam no almoço. A base de fogo em que eu estava, a qual não era tão grande, tinha três bares. Os French Joes comuns podiam ter todo o álcool que quisessem em suas barracas.

Fui em uma missão de uma semana para um posto avançado de combate com um pelotão de reconhecimento francês. O posto avançado estava no limite mais distante do controle da coalizão, cercado pelo Talibã. Um de seus quadros de companhia, um capitão, nos acompanhou. Quando ocupamos o posto avançado, a primeira coisa que as tropas fizeram foi abrir cervejas e colocar bifes para grelhar.

Tropas francesas na província de Kapisa, 2012.
(Imagem AFP)

Tive uma conversa com o capitão francês sobre coisas estúpidas que acontecem nas forças armadas americanas, como o sargento-mor e capitão no Iraque, cujo único dever aparente era gritar com os soldados do DFAC por usarem braceletes de paracord. Jamais esquecerei o capitão ali parado totalmente relaxado com uma cerveja na mão, sem armadura ou capacete, tropas bebendo e grelhando atrás dele, me dizendo: “Coisas assim não acontecem no exército francês”.

Então, sim, os franceses podiam beber desde que não interferisse em seus deveres. Mas, infelizmente, as rações de campanha francesas que vi não tinham rações de vinho. Desculpem rapazes.

Ah, e não me lembro de ter visto sequer um soldado francês usando um cinto refletor.

Assédio sexual


Para os leitores atualmente nas forças armadas, esta é uma notícia antiga, mas os leitores civis podem não apreciar o efeito dramático que as queixas de assédio sexual tiveram sobre nós. Somos constantemente lembrados da punição por cometer assédio sexual ou não denunciá-lo. Aulas de treinamento e prevenção de assédio sexual estão sempre sendo realizadas. É um grande problema nas forças armadas.

Aqui está um exemplo: após minha implantação, peguei o dever adicional de preparar uma apresentação semanal para um grupo de oficiais de estado-maior estressados e excessivamente sérios. A apresentação era muito formal, então comecei a adicionar fotos de piadas no slide final. As fotos foram um sucesso. Então eu tentei adicionar esta imagem a uma apresentação:

"Só estou pagando minha entrada na escola de obediência."

Achei engraçado pra caralho. Os oficiais para os quais trabalhei, é claro, consideraram isso muito ofensivo. Eu não vi o porquê (e ainda não vejo), mas ainda tive que removê-lo. Suponho que a foto pode ofender oficiais femininas que costumavam ser strippers ou oficiais do sexo masculino que se casaram com strippers. Seja qual for o motivo, essa imagem ficou fora dos limites da decência comum. Esse é o exército americano pra você.

Então, como os franceses se sentiam sobre essa foto ou sobre o assédio sexual?

Quando minha equipe começou a operar, os franceses fizeram uma festa de despedida para a equipe que estava saindo. Homens e mulheres, oficiais e alistados misturavam-se com comida e vinho franceses. Os europeus gostam muito de DJs, então um oficial francês tocou videoclipes com um laptop e um projetor. Alguns desses vídeos eram de grandes discotecas na Europa, onde as pessoas tiram a roupa e fazem sexo no palco; na verdade, o oficial francês estava passando vídeos pornôs techno em uma tela grande para soldados femininos. Vi isso acontecer em mais de uma ocasião.

NINGUÉM SE IMPORTOU. Não houve denúncias de assédio sexual ou ameaças de denúncias. Eu nunca ouvi falar de um incidente de assédio sexual entre os franceses.

Quando os fuzileiros navais franceses assumiram, participei de reuniões semanais com o comandante do batalhão. O comandante do batalhão abria cada documento com uma piada, geralmente uma foto. Uma oficial feminina estava em sua equipe. No início de um briefing, o comandante mostrou uma série de fotos de mulheres nuas pintadas para parecerem animais. Todos os oficiais na sala, incluindo a mulher, riram de cada uma. Então o comandante disse à mulher: “Para você não se sentir excluída, aqui está uma para você”, e mostrou uma foto de um homem nu pintado como um elefante. A mulher riu em apreciação. No Exército dos EUA, o comandante teria sido demitido.

O autor em patrulha no Afeganistão.

Um soldado francês de um dos pelotões de linha tinha uma namorada no quartel-general da Companhia. Seu pelotão dividia uma grande tenda dividida em cubículos individuais. 
Todas as noites em que ele não estava em campo, sua namorada ficava com ele. Ninguém na cadeia de comando lhe disse uma palavra sobre isso. Como um oficial francês me disse: “Nossa única regra sobre sexo é ‘seja inteligente’”.

Meus amigos franceses costumavam brincar gentilmente comigo sobre a “mentalidade puritana” da sociedade americana. Eles estavam certos. Os franceses parecem ter superado isso. Eles esperam que seus soldados não apenas lutem, mas desfrutem dos prazeres básicos da vida enquanto o fazem.

Esta foi apenas a segunda parte das minhas ruminações (grunhidos: ruminação) da minha experiência com o exército francês. Fique por aqui para a Parte 3, onde falaremos sobre COMBATE e por que os franceses não correm.

Parte III: Os franceses não correm

Tropas de montanha francesas manobrando após uma emboscada.
(Foto de Thomas Goisque, 2009, www.thomasgoisque-photo.com)

Ao contrário da sabedoria americana convencional, os franceses gostavam de lutar. Eu os acompanhei quando eles, tropas afegãs e um punhado de americanos invadiram um vale controlado pelo Talibã. Apesar dos comentários de pessoas que não têm experiência real com eles, as tropas francesas não fogem de um contato. Eles gostam de avançar em direção ao inimigo e atirar. Muito.

Quando invadimos aquele vale, os franceses disparam pra caramba. Eles lançaram projéteis de morteiro de 81mm e 120mm. Eles lançaram mísseis antitanque Milan em qualquer alvo digno. Seus tanques abriram grandes buracos em complexos controlados pelo Talibã. Eles convocaram muitos ataques aéreos (todos americanos na época, aviões franceses os apoiaram em missões posteriores). Um veículo francês foi incendiado por um RPG e seu motorista morto; os franceses continuaram em vez de ficarem paralisados pela perda. Uma das coisas mais inspiradoras que vi foi um grupo de soldados franceses recuperando seu camarada morto e queimado do veículo mais tarde naquela noite.

As Tropas da Montanha entraram em vários engajamentos durante sua turnê. Alguns desses foram contatos intensos e prolongados; um foi uma luta gigantesca, com mais de um batalhão, de vários dias. As tropas navais francesas entraram em mais de noventa contatos durante seu desdobramento de seis meses. Nenhuma unidade se esquivou do combate.

Soldados do Groupement de Commandos de Montagne (pelotão de reconhecimento de montanha) com um VAB (Véhicule de l'Avant Blindé; basicamente um APC).

Uma vantagem gigantesca que os franceses tinham sobre nós era o uso de tanques. Mantemos uma força blindada que é fantástica para derrotar os T-80 cruzando o Passo de Fulda, mas não tão fantástica para combater insurgentes em vales montanhosos. Os franceses tinham os AMX-10, tanques leves sobre rodas que eram perfeitos para combate de contra-insurgência. Eles foram um tremendo multiplicador de força.

Tropas e blindados franceses no Vale do Alasai, província de Kapisa, Afeganistão, 2009.
(Foto de Goisque)

Uma noite antes de uma grande operação, eu estava deitado na terra em um perímetro de posto avançado. Eu tinha adormecido à meia-noite. Às 3 da manhã, uma tremenda explosão me acordou. Fiquei imóvel por alguns momentos, depois perguntei a um fuzileiro naval de guarda: “Que diabos foi isso?”

Ele respondeu: “Não sei, mas algo passou bem por cima de nossas cabeças”.

Quando o sol nasceu, fiquei surpreso ao ver um AMX-10 no meio de uma montanha atrás do posto avançado. Uma tripulação de tanque corajosa e/ou estúpida havia feito uma trilha estreita no escuro e atingido alguns talibãs.

Não invejei o pobre motorista que teve que percorrer aquela trilha. Ou o carregador que tenho certeza que teve que andar na frente do tanque, sabendo que se cometesse um erro, sua equipe rolaria montanha abaixo. Como ex-tanquista, posso dizer que dirigir um tanque montanha acima no escuro não é algo que covardes fazem.

Tanque leve sobre rodas AMX-10 atirando.
(www.thomasgoisque-photo.com)

Aptidão física

Chasseurs Alpins (caçadores alpinos) do 27º Batalhão de Caçadores de Montanha.
(www.thomasgoisque-photo.com)

Como mencionei antes, os franceses estavam em muito boa forma. Eu não diria que eles superariam a típica unidade de infantaria americana, mas eles estavam em melhor forma do que muitos americanos pensavam que estavam. Isso levou a pelo menos uma situação muito engraçada com um pelotão de pathfinders (precursores paraquedistas) americanos.

Meus amigos me disseram que na França eles tinham muito pouco suporte de veículos para treinamento. Se uma companhia precisasse de um complemento completo de transportadores de tropas para um exercício, teria que desmontar todos os veículos de todo o batalhão. Eles estavam acostumados a andar por toda parte e, como a maioria dos europeus, viviam uma vida muito menos sedentária do que nós. As tropas de montanha escalavam montanhas durante toda a semana durante o treinamento, então nos fins de semana alguns deles se reuniam e escalavam montanhas para se divertir. É apenas o modo de vida deles.

Em uma missão, desbravadores americanos de outra base iam escalar uma montanha para estabelecer uma posição de vigilância com os franceses. Mais tarde, um dos capitães franceses me disse que os desbravadores expressaram preocupação de que os franceses não conseguiriam acompanhar (“Vocês têm certeza de que estão em forma? Vocês acham que podem acompanhar?”). O capitão assegurou-lhes que suas tropas ficariam bem.

A missão começou na manhã seguinte. Os precursores estavam sobrecarregados e começaram a ficar para trás nas primeiras centenas de metros. O capitão francês, rindo, me disse que ele e seus homens tiveram que pegar um rastro de carregadores e regar os precursores que haviam aliviado seu equipamento e, eventualmente, tiveram que ajudar fisicamente os precursores a chegarem ao topo. Os precursores não falaram besteira depois disso.

Um dos meus amigos mais loucos era um sniper do batalhão de tropas navais francesas (que faz parte do Exército). Ele era um cara pequeno, cerca de 1,70m e 68kg. Nas missões, ele carregava a armadura padrão, um fuzil sniper calibre .50 PGM de 18kg, uma mochila grande com todo o resto do seu equipamento – e uma MINIMI (essencialmente uma M249 SAW) na frente. Apesar do fato de que ele estava carregando mais do que seu próprio peso corporal, ele se recusou a carregar um FAMAS em vez do MINIMI porque ele achava que não teria poder de fogo suficiente. Participei de várias missões com a equipe dele e, na maioria delas, teríamos que escalar três ou mais horas no escuro para definir um posto de observação (overwatch). Eu nunca o vi desacelerar, apesar da carga de 68 quilos.

Atirador e observador das tropas navais francesas.
(Foto por Chris Hernandez)

O MINIMI do atirador quebrou um dia no estande. Ele o entregou ao armeiro, mas eles não tinham um sobressalente. Ele veio até mim um dia antes de uma missão e perguntou se eu poderia encontrar outra metralhadora para ele. Eu disse a ele que só tínhamos carabinas M4, fuzis M14 e uma metralhadora MAG M240B.

Ele franziu os lábios e perguntou: “Posso ver a metralhadora?”

Um M240 é muito mais pesado que um MINIMI. Eu pensei, não tem como ele carregar uma MAG e um fuzil sniper. Mas eu disse: “Claro, vou mostrar para você”.

Fomos para a tenda da minha equipe. O sniper levantou a MAG, medindo o peso. “Isso não é tão ruim. Posso ver a munição?"

Entreguei-lhe uma cinta de cem tiros em uma bandoleira. Ele acenou com a cabeça, disse: “Sim, isso vai ficar bem. Cem tiros de cada lado do meu colete, mais cem na arma e mais trezentos na mochila. Isso não será muito pesado. Posso pegar emprestado, por favor?”

Eu balancei minha cabeça. Apenas o peso extra de munição quase mataria minhas costas de 38 anos. O sniper, no entanto, poderia ter lidado com isso. “Cara, você é louco. Mas se você quiser, vá em frente.”

Levamos a arma para a barraca dele. Mais tarde, o líder da sua equipe viu e disse que não. O sniper ficou desapontado. Nós dois sabíamos que ele poderia ter carregado tanto peso.

Como se viu, o líder da equipe tomou a decisão certa. Durante essa missão, fomos pegos no topo de uma montanha por uma tempestade de granizo surpresa que matou três soldados franceses. Essa missão foi a experiência fisicamente mais brutal que já tive e, embora estivesse carregando uma carga leve, mal conseguia acompanhá-los. Mas não vi um único soldado naval francês ter dificuldade para subir a montanha, ou voltar a descer após a tempestade, ou cair para trás durante a longa caminhada para fora do vale. Eu nem vi nenhum deles cair para trás quando nos mandaram voltar ao vale e subir a montanha. (Veja minha postagem no blog, “Até Deus nos odeia” para a história completa.)

Relacionamentos

Snipers navais franceses, um de meus soldados e eu depois de uma missão, setembro de 2009.

Do nível do batalhão para baixo, os franceses eram fáceis de trabalhar e pareciam orgulhosos de servir ao lado dos americanos. Uma coisa que me impressionou imensamente foi que muitas das tropas da montanha usavam emblemas de combate americanos, especialmente da 82ª Divisão Aerotransportada e da 101ª Divisão Aeromóvel. Muitas tropas francesas ficaram loucamente apaixonadas por nossas armas e aproveitaram a oportunidade para treinar conosco.

Primeiro-sargento francês disparando um M14EBR americano.
(Foto por Chris Hernandez)

Eles também foram muito receptivos à integração de americanos em suas equipes. A minha equipe, entre outras, desenvolveu uma relação de trabalho fantástica com os franceses, mantendo com muitos deles uma estreita amizade. Um me visitou no Texas, e outro está chegando. Um dos soldados navais se mudou para os Estados Unidos, casou-se com uma americana e está esperando ansiosamente por sua cidadania. Ficarei orgulhoso de chamá-lo de americano.

Um apelo aos guerreiros


O Exército Francês é muito bom. Eles não são perfeitos, mas nós também não somos. Vi tropas e comandantes franceses cometerem erros e tomarem decisões ruins, ouvi Joes (americanos) resmungando sobre má liderança. Eu vi a mesma coisa nos fuzileiros navais e no exército dos EUA. Os franceses têm algumas peculiaridades, mas no geral são extremamente dedicados, proficientes e corajosos.

E agora chegamos ao meu ponto.

Gente, eu não escrevi tudo isso apenas para entretenimento. Eu também escrevi como um apelo. Eu pediria que os americanos, especialmente os guerreiros americanos, reconsiderassem quaisquer opiniões negativas que pudessem ter sobre as tropas francesas.

Os franceses foram à guerra no Afeganistão e perderam quase cem homens mortos, não porque a França foi atacada. Eles lutaram por nós, porque fomos atacados. E eles resistiram por anos, sofrendo baixas, mas não parando de lutar. Eles não retiraram suas principais forças até que começaram a sofrer sérias perdas de ataques verdes-sobre-azul. Não os culpo nem um pouco por se recusarem a apoiar uma nação cujas tropas os estão assassinando.

Hoje os franceses estão lutando contra nosso inimigo terrorista comum na África, tendo perdas, mas batendo o inimigo desmaiado. Eles merecem elogios e respeito pelo que fizeram no Afeganistão e pelo que continuam a fazer hoje. Velhas piadas sobre fuzis largados apenas uma vez, ou artigos “satíricos” sobre tropas francesas tentando se render, não são apenas clichês estúpidos. Eles são insultos flagrantes contra homens corajosos e honrados que figurativamente ficaram ombro a ombro conosco como nação e literalmente ficaram ombro a ombro conosco como soldados.

Vamos deixar de lado as rotinas ruins de comédia e mostrar a eles o respeito que conquistaram.

Respeitosamente,

Chris Hernandez

Sobre o autor:

Nosso garoto, Chris.

Chris Hernandez é um veterano do Corpo de Fuzileiros Navais e da Guarda Nacional do Exército que serviu no Iraque e no Afeganistão, onde trabalhou frequentemente com elementos franceses da Força de Assistência de Segurança Internacional (International Security Assistance ForceISAF) enquanto treinava e orientava o pessoal afegão. Ele também é um policial veterano, tendo passado um longo (e revelador) desdobramento como parte de uma missão policial da ONU em Kosovo.

Chris é o mais novo membro da nossa equipe do Breach Bang Clear aqui e estamos muito felizes em tê-lo – ele ocasionalmente fará alguns comentários de convidado aqui, bem como em sua própria página, quando não estiver trabalhando na sequência de seu romance Proof of Our Resolve (Prova de nossa determinação, sem tradução no Brasil). Leia alguns de seus outros trabalhos no The Statesman e em seu blog.

Bibliografia recomendada:

Proof of our Resolve.
Chris Hernandez.

Leitura recomendada:

O Estilo de Guerra Francês, 12 de janeiro de 2020.

domingo, 20 de fevereiro de 2022

Uma opinião persa sobre o M1 Garand


Por Miles, The Firearms Blog, 27 de outubro de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 20 de fevereiro de 2022.

A história do M1 Garand no Irã destaca uma história de política entrelaçada que se estende por décadas e ainda é vista hoje. Mais do que apenas a história de um rifle de serviço no Oriente Médio e Norte da África (Middle East and North AfricaMENA) e na região da Ásia Central, ele atravessa intrigas políticas e históricas. Misturada está a história da ajuda militar estrangeira americana sustentando o regime do xá, a Revolução Islâmica em 1979, a Guerra Irã-Iraque que se seguiu e, em seguida, a disseminação do fuzil nas proximidades do Iraque e Afeganistão, possivelmente até na Síria, como alguns exemplares recentes de vários grupos rebeldes lá mostram.

Do período de 1963 a 1967, as forças armadas americanas estabeleceram uma missão de vendas militares estrangeiras (Foreign Military Sales, FMS) para o Irã. Nesse período, os Estados Unidos estavam apoiando Mohammad Reza Shah Pahlavi em seus esforços para reforçar seu exército de 160.000 homens. O Irã foi um aliado extremamente importante dos Estados Unidos contra a União Soviética, devido à sua presença estratégica opondo a o baixo ventre macio da Ásia Central controlada pelos soviéticos. Os anos 60 viram uma tremenda entrada de armas fornecidas pelas forças armadas americanas e até a construção de várias bases aéreas militares no Irã. Dentro deste programa, o xá comprou cerca de 165.493 fuzis M1 Garand que foram enviados para o Irã em 1963, o suficiente para armar todo o exército iraniano, substituindo os K98 Mauser persas produzidos localmente que estavam em serviço. Trinta e dois fuzis sniper M1D também foram enviados em 1966. A esmagadora maioria desses M1s parece ser de fabricação da International Harvester (Evansville, IN). Fuzis da International Harvester são extremamente raros nos Estados Unidos, devido ao fato de que a maioria desses fuzis foi usada para ajuda externa e, portanto, a maior parte não foi reimportada para os Estados Unidos.

Abaixo estão dois clipes da Administração de Registros de Arquivos Nacionais (National Archives Records Administration, NARA) mostrando uma demonstração de armas portáteis para oficiais iranianos em 1956. Embora não haja fuzis M1s a demonstração mostra várias outras armas também entregues ao Irã, incluindo M1A1 Thompsons, pistolas 1911 e metralhadoras médias M1919A4/A6 (não retratadas no filme).

Demonstração de armas portáteis por conselheiros militares americanos com oficiais iranianos 1956



Através deste ensaio fotográfico vamos dar uma olhada na linha do tempo desses 165.493 Garands, até hoje onde eles foram parar.

Durante o reinado do xá

Embora o Exército do xá estivesse totalmente armado com fuzis M1, não restam muitas fotografias desse período que mostrem o M1 em serviço com tropas de infantaria. Em vez disso, o que temos são uma série de fotografias que mostram treinamento e cerimônias sendo conduzidas por soldados do sexo feminino dentro do exército. Este é provavelmente o resultado do esforço do xá para modernizar e secularizar o Irã, especialmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. Isso mais tarde provou ser uma de suas quedas porque ele estava simultaneamente marginalizando a autoridade do clero. O que estamos vendo nas fotos abaixo é um esforço altamente divulgado para mostrar as mulheres dentro do exército, completando o treinamento com fuzil e participando de cerimônias oficiais.


Observe o capacete do Exército dos EUA nos soldados e a insígnia de sargento no instrutor. Isso provavelmente se deve à padronização do Exército do xá nos padrões atuais do Exército dos EUA, que teriam sido aprovados pelos conselheiros americanos.





A munição .30-06 com estopilha Berdan foi produzida no Irã, já que a munição de 7,92mm foi produzida anteriormente para os Mausers persas. As vendas militares estrangeiras mostram que os Estados Unidos forneceram pelo menos 30 milhões de munições .30-06 ao Irã durante esse período. Os carimbos na base do estojo consistem em uma coroa na posição das 12 horas, os algarismos “44” em farsi e a letra “Alef” (ا) à direita e “Meem” (م) à esquerda (leia da esquerda para a direita). Isso significa Grupo de Indústrias de Munições e Metalurgia, uma empresa estatal. Após a Revolução Islâmica, a empresa continuou a funcionar e existe hoje como o Grupo das Indústrias de Munições. É possível comprar esta munição nos Estados Unidos como munição iraniana excedente importada .30-06.




Em meio à Revolução

O M1 foi substituído pelo fuzil Heckler & Koch 7,62x51mm G3A6 na década de 1970. Os G3A6 foram fabricados sob licença no Irã e diferem do G3 padrão por ter um guarda-mão e coronha verde escuros. Parte da mudança para o G3 ocorreu junto com várias outras compras de armas da Alemanha Ocidental. Isso se deveu principalmente à diminuição do apoio dos Estados Unidos em vista do xá se tornar mais autoritário e impopular entre o povo do Irã. Em janeiro de 1979, o xá fugiu formalmente do Irã, com o aiatolá Khomeini voando para Teerã para trazer seu conceito de “Violati Faqih”, ou um governo de juristas islâmicos. Durante esse período, houve grande agitação, pois manifestantes estudantis e rebeldes invadiram os arsenais estatais, armando-se com tudo o que podiam. Isso incluiu todos os Garands que deixaram o serviço no início dos anos 1970.






Guerra Irã-Iraque

No momento em que os esforços do aiatolá Khomeini se consolidavam, Saddam Hussein no Iraque viu uma oportunidade de tirar vantagem de um Irã desorganizado. Apoiado pelos Estados Unidos, o Iraque invadiu o Irã e iniciou uma das guerras mais caras da história moderna do MENA. A guerra resultante durou toda a década de 1980 e foi efetivamente um impasse com nenhum dos lados conseguindo uma vitória decisiva sobre o outro. Nesse período, o Irã estava desesperado por armas portáteis e, ao lado do G3A6, começou a importar grandes quantidades de Tipos 56 chineses (variante AKM chinesa). Mais tarde, o Irã iniciou a produção local do Tipo 56 sob a nomenclatura KL-7,62. Durante a Guerra Irã-Iraque, o M1 viu muito pouco serviço na frente, sendo superado pelos AKM Tabuk de fogo seletivo, munição intermediária e alimentação por carregador em uso pelo Iraque. Assim, os fuzis M1 restantes foram regulamentados para um papel de Guarda Nacional e milícia na frente doméstica. Curiosamente, em um retorno ao passado, vários grupos femininos da Guarda Nacional estavam armados com o M1 enquanto desempenhavam suas funções atrás das linhas de frente.

Esta fotografia foi tirada por um conhecido fotógrafo iraniano chamado Kaveh Golestan. A suposta explosão ao fundo parece ser apenas o resultado do soldado caindo da colina. O soldado parece ser um adolescente e provavelmente não foi levado ao frente. Em vez disso, isso provavelmente faz parte do treinamento da Guarda Nacional atrás da linha de frente. O número do arsenal na coronha diz “2/7” em farsi.





Uma foto muito rara do M1 em serviço. Esta foto foi tirada do lado de fora de uma refinaria de petróleo que havia sido atingida pelos iraquianos. Mesmo assim, as tropas retratadas provavelmente fazem parte de uma unidade de milícia local e não das forças armadas, que teriam equipamentos mais modernos. Observe os porta-carregadores AKM na tralha de lona do segundo indivíduo da esquerda, indicando que uma infinidade de armas foram emitidas dentro da mesma unidade, incluindo fuzis AKM e Garand.


Ambos os cartazes faziam parte de uma longa série de cartazes de propaganda publicados durante a guerra e afixados em todo o país. O uso do M1 Garand provavelmente ressoaria com civis acostumados a ver o M1 em uso pelas Forças de Defesa Femininas e outros auxiliares civis, em vez de um pôster ressoando com combates na frente que retrataria um G3A6 ou AKM. O uso de crianças e mulheres na defesa doméstica mostra a grave escassez de mão de obra devido à tensão da guerra sobre o Irã.



Caches de armas OIF-OEF

Após a Guerra Irã-Iraque, o M1 começou a desaparecer dos olhos do público, com o fim da guerra e a eclosão da paz. O exército iraniano menos sobrecarregado na frente trouxe de volta fuzis modernos suficientes para equipar unidades em casa e, assim, os antigos M1 entraram em aposentadoria final. No entanto, este não é o fim do M1 no Irã, pois parece que um grande número deles chegou ao Iraque e ao Afeganistão através do comércio de armas portáteis no mercado negro. Há muito mais comércio civil entre o Irã e o Iraque do que com o Afeganistão, portanto, temos muito mais evidências do Garand no Iraque do que no Afeganistão. Nesse contexto, as tropas americanas começaram a encontrar fuzis M1 em caches (esconderijos) por toda parte em ambos os países.

A foto abaixo foi tirada por um fuzileiro naval americano no mesmo distrito em que estive enquanto estava no Afeganistão, o distrito de Nawa, na província de Helmand. Munição foi encontrada, mas não havia um M1 acompanhante.







Um dos poucos Winchesters encontrados no Iraque. A maioria dos M1 encontrados na OIF/OEF eram do modelo da International Harvester.






Uso moderno no Iraque, Síria e Líbano

As fotos abaixo encontradas no Iraque, uma delas estava completa com clipes em bloco carregados em bandoleiras!



Entre a atual turbulência na Síria, uma enorme variedade de armas portáteis veio à tona através de vários grupos rebeldes se armando com o que estiver disponível. Estes exemplares abaixo foram de fuzis M1 em uso por vários beligerantes no Líbano. Devido à proximidade, a origem desses Garands libaneses pode ter vindo de armas portáteis contrabandeadas da Grécia ou da Turquia; ambos os países foram equipados com o M1 sob programas semelhantes de vendas militares estrangeiras dos EUA que equiparam o Irã na década de 1960. No entanto, a menos que possamos obter algumas fotos do bloco do receptor dos números de série, só podemos especular.



Leitura recomendada: