Mostrando postagens com marcador GIGN. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador GIGN. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 25 de julho de 2022

Engenharia Tcheca: O CZ BREN 2 no GIGN


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 25 de julho de 2022.

Em 2017, o Grupo de Intervenção da Gendarmaria Nacional (Groupe d’Intervention de la Gendarmerie Nationale, GIGN) selecionou um novo fuzil de assalto: o BREN 2 da empresa CZ, Ceska Zbrojovka. O grupo fez um pedido inicial de 68 unidades no calibre 7,62x39mm russo/soviético. Em um futuro próximo, estão previstas compras adicionais com o objetivo de substituir a maioria dos HK 416 atualmente em serviço.

O CZ 805 BREN é um fuzil de assalto modular operado a gás projetado e fabricado pela Česká zbrojovka Uherský Brod. O desenho modular permite que os usuários alterem o calibre da arma para cartuchos intermediários de 5,56x45mm OTAN ou 7,62x39mm por troca rápida de cano com tubos de gás, bloco de culatra, compartimento do carregador e carregador.

Portrait d’un ops (Retrato de um operacional).
Pintura em aquarela mostrando um ops do GIGN com o BREN 2.

CZ BREN 2 de perfil.

A decisão foi uma escolha balística pelos "super gendarmes", fruto de uma reflexão que começou em 2015, após os ataques dos irmãos Kouachi e Coulibaly, ocorridos em Paris no mês de janeiro. Os terroristas atacaram equipados com coletes à prova de balas, e as armas calibradas em 9mm e 5,56mm das unidades de intervenção da gendarmaria e da polícia francesas careciam de poder de parada. A equipe operacional do GIGN identificou assim a necessidade de uma nova arma com calibre balístico intermediário, em complemento das armas já existentes. O calibre 7,62x51mm do padrão da OTAN - e o mesmo do FAL - tem as características adequadas, mas armas desse calibre foram consideradas muito pesadas e volumosas para um combate eficaz em ambiente confinado; a especialização do GIGN.

Então, o GIGN decidiu avaliar fuzis de assalto no calibre 7,62x39mm e começou os testes em 2015 com uma variedade de outras armas. A oferta da CZ só foi feita na fase final do programa de avaliação. E ao longo de 2016, o fuzil foi testado em diversas situações e foi considerado um dos mais indicados no painel de fuzis testados pelo GIGN.






O CZ BREN 2 foi desenvolvido a partir do fuzil CZ 805 BREN S1 para competir no programa Arma de Infantaria Futura (Arme d'Infanterie Future, AIF) do Exército Francês (que viu a seleção do fuzil HK 416). No entanto, o industrial CZ não pôde participar do processo devido à sua chegada tardia ao mercado. O desenvolvimento do BREN 2, no entanto, foi realizado e a arma foi mantida em sua versão de 5,56 mm pelo exército tcheco, que a usará como um fuzil de assalto padrão em vez do CZ 805.

A versão do GIGN do CZ BREN 2.

O GIGN solicitou algumas modificações para seus próprios fuzis, em particular uma nova manga no quebra-chamas projetada para ser equipada com um redutor de som. Alguns fuzis adquiridos pelo GIGN também incluem uma modificação no sistema de regulagem de gás permitindo o disparo subsônico. A versão BREN 2 de 7,62 x 39 mm selecionada pelo GIGN é um fuzil de assalto compacto com um cano de nove polegadas (22,8cm). Inclui um guarda-mão com trilhos Picatinny que permite a instalação de vários acessórios, sistemas de auxílio à mira e elementos telescópicos dobráveis. A arma é totalmente ambidestra e, apesar de seu cano curto, mantém a precisão total até um alcance prático de 400m, confirmado durante os testes do GIGN.


Operadores do GIGN com fuzis de assalto HK-416 e CZ BREN 2,
setembro de 2021.

Coluna de assalto com escudo, março de 2022.

Coluna de assalto com cachorro, março de 2022.

O operador da direita porta o CZ BREN 2.


Tudo isso lembra, do ponto de vista do calibre 7,62x39mm e dos silenciadores, a escolha tática comparável utilizada essencialmente pelas Spetnaz do FSB do Grupo Alpha, encarregado do contraterrorismo interno.

A Tchecoslováquia teve a distinção de ser o único membro do Pacto de Varsóvia cujo exército não emitiu um fuzil baseado no AK-47 soviético. Ao contrário, eles desenvolveram o Sa Vz. 58 (Samopal vzor 58, fuzil modelo 58) no final da década de 1950 e embora disparasse o mesmo cartucho de 7,62x39mm e parecesse externamente semelhante, seu sistema operacional e recursos eram dramaticamente diferentes. Foi eficaz na época em que foi introduzido, mas na década seguinte tornou-se obsoleto e difícil de modificar.

O industrial CZ tentou destacar sua pistola automática CZ P-10 no GIGN, mas sem sucesso. A empresa também ofereceu seu fuzil BREN 2 no calibre 7,62x39mm ao Comando de Operações Especiais (Commandement des Opérations Spéciales, COS), argumentando que equipar as forças especiais com tal fuzil permitiria uma interoperabilidade mais fácil em campanha com as forças locais, na África ou no Oriente Médio. Apesar de ambos serem teatros de operações comuns aos franceses, o COS não se interessou.


Bibliografia recomendada:

GIGN:
Nous étions les premiers.
Christian Prouteau e Jean-Luc Riva.

Leitura recomendada:

sábado, 2 de julho de 2022

Operação Thalathine: resgate de reféns no Chifre da África


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de julho de 2022.

O Le Ponant é um navio de cruzeiro de luxo da empresa francesa Ponant. Este veleiro foi construído em 1990 pelos estaleiros da Société française des constructs navales em Villeneuve-la-Garenne, na França. É um veleiro de três mastros com 88 metros de comprimento transportando 1.212m² de vela e um balão de 1.000 m². Pode transportar 32 passageiros e é servido por uma tripulação de 34 pessoas. Tem 4 decks, incluindo um convés e um restaurante.






Em 4 de abril de 2008, piratas somalis sequestraram o Le Ponant no Golfo de Áden, entre a Somália e o Iêmen, quando ele passava por essas costas conhecidas como um dos lugares da altos pirataria moderna, em rota para as ilhas Seychelles. O Ponant estava indo para o Mediterrâneo para um novo cruzeiro, programado para os dias 21 a 22 de abril, entre Egito e Malta; ele não carregava passageiros no momento. Da sua tripulação de 34 marinheiros, havia 22 pessoas de nacionalidade francesa (incluindo seis mulheres), seis filipinos, um ucraniano e um camaronês. Eles inicialmente tentam resistir usando mangueiras de incêndio, mas se rendem depois que os piratas usam suas armas.

Marchesseau tem tempo para transmitir uma mensagem de alerta de segurança antes que o navio seja dominado pelos piratas. A mensagem é recebida pelo Var, um navio da marinha francesa que patrulha a área. Um navio da Marinha Canadense pertencente à Força-Tarefa Combinada 150 engajado na guerra contra o terrorismo, HMCS Charlottetown, despacha um helicóptero que confirma o ataque. A Marinha Francesa, da base no Djibuti, envia o aviso Commandant Bouan, que manterá contato com o Ponant pela duração da operação. Nenhum resgate é exigido neste momento e o veleiro navega em direção ao sul no Oceano Índico ao longo da costa da Somália.

Barcos piratas.

Mobilização francesa

O aviso Comandante Bouan,
o primeiro navio francês na área.

Forças especiais do GIGN e dos Commandos de Marine (Comandos da Marinha) são acionados e movidos para Marselha e de lá para o Djibouti. No dia 5 de abril, um sábado, 18 operadores especiais do Commando Hubert são "tarponnés" (lançados de paraquedas no mar) a 300m de altura e são levados até o navio Commandant Bouan; durante a recuperação dos reforços, uma das balsas LCVP do Var afundou após uma manobra. O Almirante Marin Gillier dos Comandos da Marinha (Admiral commandant Les fusiliers marins et commandosALFUSCO), comandando a operação, bem como o coronel Denis Favier, comandante do GIGN, também foram lançados no mar para dirigir as operações do navio Var.

A fragata Jean Bart transportando outros comandos e o porta-helicópteros Jeanne d'Arc, um navio que então navegava entre Madagascar e Djibuti como parte da formação de oficiais da Marinha, e que foi equipado com um hospital de campanha,  convergiam em direção ao Ponant, o qual parou em 7 de abril a 850 quilômetros ao sul de onde fora desviado, ao longo da costa da Puntlândia.

Almirante Marin Gillier dos Commandos Marine.

Fim da crise

Botes pneumáticos da força de assalto.

As negociações começaram em 6 de abril entre o armador e os seqüestradores; o armador - da empresa CMA-CGM - instala uma unidade de crise em Marselha e é assessorado pelo GIGN e pelo DGSE, o serviço secreto francês. As famílias dos 22 reféns franceses são recebidas no Eliseu. A situação ainda parece muito tensa com os piratas, as forças de assalto (Commandos Marine e GIGN) estão prontas para intervir. Ao mesmo tempo, o exército francês descobre a identidade dos piratas: os "Somali Marines" ("Fuzileiros Navais Somalianos"), um dos mais poderosos grupos piratas locais.

Foto dos piratas tirada durante a operação.

Em 11 de abril de 2008, os reféns foram libertados. O armador teria aceitado o pagamento de um resgate de 2,15 milhões de dólares pagos pelo seguro do armador, a empresa AIG. Dois gendarmes do GIGN e um membro do Comando Hubert entregam o dinheiro aos piratas durante uma operação chamada Thalathine (que significa "trinta" em somali, como o número de reféns, nome proposto pelo almirante Gillier, um arabista). A transação ocorre em alto mar entre esses três soldados e três dos piratas. A tripulação é então autorizada a deixar o Ponant a bordo dos botes de emergência do navio. Depois de terminar de contar o dinheiro, a maioria dos piratas deixou o barco e, finalmente, Patrick Marchesseau, o capitão do Ponant, foi libertado e saltou para o mar onde foi apanhado pelas forças francesas. Os piratas aproveitaram essa pausa para chegar à costa da Somália e se dividir em vários grupos.

A fragata Jean Bart ao lado do Ponant.

Sniper dos comandos navais durante a operação.

No entanto, um Atlantique II francês equipado com sofisticados equipamentos de reconhecimento enviados para a área seguiu os piratas e identificou um de seus 4x4 em fuga a cerca de dez quilômetros ao norte de Garaad. Menos de uma hora após a libertação dos reféns, o Almirante Gillier lançou uma incursão helitransportada embarcando os comandos navais para interceptar os piratas. Quatro helicópteros operando do Jeanne d'Arc partiram em busca do veículo. Um franco-atirador dos Comandos da Marinha equipado com um fuzil McMillan TAC-50 postado na porta de um helicóptero Panther consegue parar o veículo graças a um tiro de precisão no motor. Imediatamente, os outros três helicópteros, dois Alouette III e um Gazelle pousaram e comandos do grupo Hubert desembarcaram e apreenderam os seis homens a bordo do 4x4 e recuperaram parte do resgate (aproximadamente 1/3). Apenas um dos piratas está levemente ferido por estilhaços do motor. A operação ocorreu com o conhecimento do governo somaliano. Os reféns transferidos para o Jeanne d'Arc foram então transportados de avião para a base aérea 188 do Djibuti e finalmente repatriados para a França em 14 de abril de 2008, enquanto os seis piratas capturados transferidos para o Jean Bart foram trazidos de volta à França para serem julgados.

Em 16 de setembro de 2009, o Tribunal de Cassação validou o processo contra os seis somalis, autores do sequestro do veleiro Le Ponant, em abril de 2008, cujos advogados alegaram ilegalidade. Os advogados desses piratas consideraram que seus clientes foram detidos fora de qualquer marco legal entre sua prisão em 11 de abril em território somaliano e sua colocação sob custódia policial cinco dias depois. O Tribunal de Cassação considerou que a lei francesa se aplicava apesar de sua prisão em território somali, mas que sua detenção a bordo de um navio militar por cinco dias estava fora de qualquer quadro legal mas estava ligada a uma "circunstância intransponível" - o tempo para o navio chegar ao Djibuti. O Tribunal de Cassação decidiu, portanto, que esta circunstância não justificava o cancelamento do procedimento.

General Denis Favier,
então coronel comandante do GIGN.

Cronologia dos eventos

Reconstituição dos piratas somalianos à bordo do Le Ponant.

Sexta-feira, 4 de abril de 2008: O Ponant, um luxuoso veleiro de 88 metros de comprimento, cruza a costa da Somália em direção a Alexandria. No final da manhã, doze piratas armados com fuzis Kalashnikov e lança-foguetes RPG se aproximaram com dois pequenos barcos de aparência inofensiva e atacaram o navio. Alertadas, as autoridades francesas despacharam o aviso Commandant Bouan, uma fragata da Força-Tarefa 150, que viajava não muito longe dali. A bordo, o Comandante Hervé Couble nunca se afastaria mais de 2km do seu alvo, que estava se dirigindo para a província de Puntlândia, um notório refúgio de piratas. Um primeiro contato entre os dois navios foi realizado no domingo, 6 de abril pela manhã. Atrás do rádio, o capitão do Ponant, Patrick Marchesseau: os trinta membros da tripulação estão bem e sendo bem tratados.

Naquela época, os piratas - que nunca deram seus nomes e se apresentaram como o "povo somaliano" ou "milicianos somalianos" - se recusavam a negociar: esperavam pelo seu líder, que falava inglês. Enquanto isso, o capitão do Ponant impressionou os soldados franceses por seu sangue-frio. "Ele nos explicou em inglês o que os piratas queriam, que nos afastássemos, por exemplo, então, entre duas frases, ele escorregou rapidamente, em francês: 'eles estão nervosos' ou pelo contrário, 'eles estão tranqüilos hoje'”, explicou o Comandante Couble. À noite, a tripulação foi reunida em um salão de recepção. Durante o dia, a princípio, os cativos são forçados a esperar no convés superior, no meio do passadiço. Então, por força de protestos, o capitão obteria que os reféns descessem ao andar de baixo, em outra ponte, ficando melhor protegidos.

O veleiro Le Ponant.

Por sua vez, os piratas parecem gostar da estadia a bordo. Na primeira noite, eles saqueariam o bar do Ponant. Os militares franceses vão se preocupar ao longo da semana com o efeito do álcool nos espíritos já aquecidos. Uma noite, um dos piratas desaparece. Algumas pessoas pensam que ele caiu na água, morto de bêbado. "Ou talvez ele tenha voltado à costa", sugere uma fonte informada.

Uma vez ancorados em Garaad, uma vila no sul da Puntlândia, a 850km ao norte de Mogadishu, os piratas se despedem do barco e fogem para vender seus achados em terra. Ao longo da semana, os moradores locais, e não uma ONG como se poderia dizer, levam água e peixe ao Le Ponant. Piratas fazem viagens frequentes de um lado para o outro em terra. Um "navio-mãe" também viaja ao largo, pensam os militares; mas eles não conseguiam localizá-lo. "Os barcos dos piratas e dos pescadores são todos iguais", disse o Almirante Gérard Valin, capitão a bordo do Var, na zona marítima do Oceano Índico.

Domingo, 6 de abril: O almirante, patrono dos comandos (ALFUSCO), salta de paraquedas com três homens do seu estado-maior no mar perto do Jean Bart, para aí embarcar e participar na condução da ação. A água está a 27 graus e há alguns tubarões... aparentemente inofensivos. Por outro lado, um dos barcos de Jean Bart vai emborcar ao coletar o equipamento lançado de paraquedas. Dezoito comandos navais saltam no total.

Ao longo dos dias, a força francesa se desdobra em torno do navio de cruzeiro. O Commandant Bouan era acompanhado pela fragata Jean-Bart, o petroleiro-abastecedor Var, o navio-escola Jeanne-d'Arc que se desviou de uma viagem de volta ao mundo, mas também seis helicópteros.

Foto de reconstituição.

O proprietário contatou os seqüestradores por volta das 21h. Um centro de crise foi instalado em Marselha, no antigo centro da CMA-CGM (Compagnie maritime d'affrètement - Compagnie générale maritime), um edifício branco próximo à sede atual. Rodolphe Saadé, filho do armador e diretor-geral da CMA-CGM, conduz essas negociações em inglês, por rádio, conversando com os piratas várias vezes ao dia. Ele é aconselhado por especialistas do GIGN enviados para Marselha.

A negociação não teve tanto a ver com o valor do resgate mas com o destino dos seqüestradores. Eles estavam particularmente preocupados com os termos do acordo: eles se perguntam como sairiam dali quando navios de guerra franceses cruzarem a zona. Também existem clãs rivais que espreitam seu butim, e dos quais desconfiam.

Véronique, esposa de Rodolphe, responsável por cruzeiros nos negócios da família, é responsável por entrar em contato com as famílias da tripulação. O pai, Jacques Saadé, próximo de Nicolas Sarkozy, o encontra regularmente em Paris. Ele imediatamente concorda em pagar um resgate, uma idéia que o presidente discorda.

Dois Gazelles da ALAT estavam à bordo do Jeanne d'Arc.
Um deles havia até realizado um exercício de tiro real em 9 de março.

Quarta-feira, 9 de abril: As negociações estavam prestes a serem concluídas. O proprietário e os piratas parecem chegar a um acordo. "Uma primeira tentativa de resgate foi considerada na quinta-feira", revela Hervé Couble. "Mas os seqüestradores continuavam mudando de idéia". No dia seguinte, Nicolas Sarkozy, que havia prometido às famílias tomar as coisas em suas próprias mãos caso a situação saísse do controle, ordena à célula interministerial de crise que supervisione a operação de agora em diante. O governo da Somália dá luz verde. Os Saadé não interrompem o contato com os seqüestradores. As discussões se aceleram. E os piratas, que então tinham dezoito anos - sete já embarcados - estão ficando cada vez mais nervosos. "Eles ficavam nos dizendo para não nos aproximarmos e, através de binóculos, podíamos vê-los armados, cercando os reféns", continua Hervé Couble.

Sexta-feira, 11 de abril: A troca pode finalmente ocorrer: os militares lançam a operação "Thalathine" (trinta, em somaliano, de acordo com o número de reféns). A reunião é previsto na água. Três piratas de um lado, três membros do GIGN do outro. Nas mãos deles, um resgate que chegava a US$ 2,5 milhões. Muito rapidamente, os reféns, que permaneceram a bordo do Ponant com alguns captores, são libertados. O Capitão Marchesseau é o último a deixar o cruzeiro. "Para ir mais rápido, pedimos que ele pulasse na água", disse o Almirante Marin Gillier.

Os reféns fazendo transbordo em botes.

Os tripulantes do veleiro, aqui na chegada ao porta-helicópteros Jeanne-d'Arc, são esperados na noite de segunda-feira em Paris.
(Sergent Sébastien Dupont/ ECPAD)

Os reféns libertados à bordo do Jean Bart.

Os reféns são salvos. A segunda fase da operação pode começar. Graças ao avião de vigilância Atlantique 2, que patrulha a 10km, os militares franceses não tiram os olhos dos piratas. Eles encontram alguns deles em Garaad. "Não intervimos imediatamente para evitar baixas civis", disse o Almirante Gillier. Um grande veículo 4x4 é detectado, o que deixa a vila em alta velocidade. O mesmo que serviu uma hora antes para receber o resgate. "Foi aqui que lançamos a emboscada", disse Gillier.

Tudo ocorreu muito rápido. Um sniper comando naval a bordo de um helicóptero atira no motor do 4x4, que pára na hora. "Os piratas não entendiam o que estava acontecendo. Eles não tinham visto o helicóptero", disse sorrindo o almirante. Os seis homens relutam em se render. Primeiro tiro de aviso. O helicóptero pousa, três soldados descem ao solo. Uma ou duas rajadas são disparadas no ar. Os piratas deitam no chão. Com as mãos amarradas nas costas, eles são embarcados no helicóptero e transferidos para o Jean-Bart.

Momento que os Comandos da marinha interceptam o grupo


Eles foram interrogados por policiais franceses e julgados na França - algo inédito. Em seu veículo, os franceses apreendem fuzis Kalashnikov (AK-47 e AK-74), mas também um terço do resgate. Entre os piratas, o passageiro da frente do carro ficou levemente ferido na canela. "Ele foi atingido por uma lasca do motor, já foi operado e passa muito bem", garante Marin Gillier, confirmando de passagem que "ninguém foi morto durante a operação". Por seu lado, o governo de transição de Mogadíscio pediu às "outras nações" que se juntassem à luta contra os piratas na costa da Somália.

"Se cada governo realizar operações como a dos franceses, acredito que nunca mais veremos piratas nas águas da Somália", disse o porta-voz Abdi Haj Gobdon.

O 4x4 parou de repente, seu motor explodiu após ser atingido pelo tiro do franco-atirador dos Comandos da Marinha.
Os piratas tentam fugir, mas será uma perda de tempo.
Os comandos embarcaram os piratas capturados no Panther 36F da marinha.

Controvérsia sobre a obsolescência do equipamento militar

Militares franceses à bordo do Le Ponant.

A pirataria é comum na costa da Somália, um país mergulhado por décadas em uma guerra civil que transformou a região em uma área sem lei, propícia à perpetuação da atividade criminosa. Por seu lado, a França está firmemente estabelecida na região, tendo importantes meios militares preposicionados em Djibuti, na entrada do Mar Vermelho. Esse evento ocorreu quando a comissão do Livro Branco da Defesa, que tinha a tarefa de redigir um documento que comprometesse a política da França no campo da defesa nacional pelos próximos 15 anos, deveria entregar suas conclusões no verão de 2008. Havia incerteza sobre os recursos alocados à marinha francesa, cujas forças eram consideradas insuficientes e dilapidadas nos círculos de defesa.

Embora a avaliação seja positiva para as forças francesas que demonstram sua capacidade de desdobramento no Oceano Índico, também destaca a idade, obsolescência e manutenção ruim de seus equipamentos. Brigitte Rossigneux, jornalista do Canard enchaîné e Jean-Dominique Merchet do jornal Libération apontaram para a série de avarias que afetaram a força de intervenção. A fragata Jean Bart teve um problema mecânico a caminho mas ainda pôde chegar ao teatro de intervenção, os navios da Marinha Francesa presentes no local (Var, Commandant Bouan, Jean Bart e Jeanne d'Arc) tinham uma idade média de 27 anos.

Quanto à fragata Surcouf, permanece bloqueada em Djibuti devido a danos. Durante a operação de captura dos piratas, um avião Atlantique 2 que supervisionava a força aérea sofreu uma pane em um de seus motores, e teve que pousar com urgência no Iêmen.

ALFOST (Mathieu Kassovitz), Chanteraide "Chaussette" (François Civil) e D'Orsi (Omar Sy) no filme Alerta Lobo (Chant du Loup, 2019).

O tema da falta de orçamento para os meios navais franceses ainda é um tema atual, especialmente por conta da concentração no Pacífico frente à China comunista, e é até mesmo mencionado no filme francês Alerta Lobo (Chant du Loup, 2019). No enredo do filme, a força de submarinos francesa deve atender necessidades de defesa ao redor do mundo, citando pontos quentes na costa da Síria contra os iranianos e no Báltico contra os russos.

Também há menção sobre jihadistas interferindo nos sistemas militares dos Estados nacionais. Em uma cena específica, o "Almirante Comandante da Força Oceânica Estratégica" (Commandant la force océanique stratégique, ALFOST), interpretado por Mathieu Kassovitz, briga com o comandante D'Orsi (Omar Sy) sobre o porquê de não terem substituído uma tela de computador rachada, e D'Orsi lhe responde "Isso é a França", dizendo que só um computador funcionava.

Trailer do filme Alerta Lobo


Bibliografia:

A Operação Thalathine foi estudada no livro A l'assaut des pirates du Ponant: Opération Thalathine (4-11 avril 2008), escrito pelo Almirante Laurent Mérer e publicado em 5 de janeiro de 2012. O livro é minucioso e detalha os acontecimentos em um estudo feito em proximidade aos eventos, quando as memórias ainda eram frescas.

Almirante Laurent Mérer, autor do livro
"A l'assaut des pirates du Ponant: Opération Thalathine (4-11 avril 2008)".

Livro escrito com testemunhos e material documental publicado em 5 de janeiro de 2012.

quarta-feira, 2 de março de 2022

Aniversário de 48 anos do GIGN


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 2 de março de 2022.

Este mês de março, no dia primeiro, o Grupo de Intervenção da Gendarmaria Nacional francesa (Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale, GIGN) completou 48 anos. Criada após a crise de Munique em 1972, a unidade de intervenção juntou-se com o grupo paraquedista da Gendarmaria para formar o GIGN, uma das forças especiais policiais mais famosas no mundo. O perfil oficial da Gendarmaria Nacional francesa postou uma homenagem com a foto do grupo inicial comandado por Christian Prouteau e o grupo atual.

Março de 1974 - março de 2022: o #GIGN completa 48 anos este ano!

Força de intervenção, força de segurança e proteção, força de observação e pesquisa, grupo de segurança da Presidência da República: obrigado a todos os nossos #gendarmes de elite pelo seu empenho ao serviço dos franceses.

Leitura recomendada:

ENTREVISTA: Christian Prouteau, fundador do GIGN4 de maio de 2021.


domingo, 10 de outubro de 2021

GIGN: Como um caso interno traz de volta más lembranças de 2015


Pela Redação da Essor, Essor de la Gendarmerie Nationale, 28 de julho de 2020.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de outubro de 2021.

O GIGN ainda não terminou o ano de 2015. Um processo em curso perante a justiça administrativa ilumina os bastidores deste ano complicado.

29 de outubro de 2015. "As forças de segurança surpreenderam um cidadão estrangeiro suspeito de ser um ladrão no canteiro de obras de um hotel em construção", relatou a mídia turca. E o jornal publicou uma foto chocante que estrangulou os óleos do GIGN em Satory. Este é o cartão de circulação militar de um suboficial do grupo de intervenção de elite da Gendarmaria Francesa. Podemos ver claramente o rosto do soldado francês. Bem como seu nome e sobrenome. Ao fundo, um arranha-céu em um bairro de Istambul, a maior cidade da Turquia.

Mas o que esse maréchal des logis-chef fazia no meio desta bagunça? O soldado, então com 34 anos, é um saltador operacional (salto livre) experiente, primeira da sua turma na escola. Preso no meio da noite com a vela do seu pára-quedas, enquanto seus companheiros dormem no hotel, o gendarme é até suspeito de espionagem pelas autoridades turcas. Será necessária a intervenção de um oficial de ligação francês na delegacia de polícia para acertar as coisas com as forças policiais locais. O escândalo marca o fim da delicada missão confiada a vários soldados do GIGN. O comando os havia enviado a Istambul para um delicado trabalho de monitoramento de vôos de transporte aéreo entre a França e este país que faz fronteira com a Síria. A algumas centenas de quilômetros de distância, a organização terrorista Daesh (Estado Islâmico) era abundante.


Bode expiatório ou cabeça quente do GIGN?

De volta a Satory, o gendarme deve explicar seu equipamento noturno. No GIGN, questiona-se se o soldado não tentou fazer um salto noturno de base jump. Este esporte radical consiste em saltar de pára-quedas de edifícios, antenas, pontes ou penhascos. O homem, segundo seu advogado, contesta veementemente essa acusação. Naquela noite, ele gostaria de simplesmente fazer exercícios de dobramento de vela enquanto satisfazia sua paixão por fotografias de grandes complexos urbanos.

Esta história ainda não acabou. Duas versões ainda se opõem. Um oficial que contatamos pinta um retrato vazio de um tête brûlée (cabeça quente) que teve de ser removido do grupo. Por outro lado, segundo o consultório de advocacia Me Elodie Maumont, inquietam-se com um caso que faria com que o gendarme fosse o bode expiatório fácil de um ano por vezes complicado para o GIGN. “Queremos dar o exemplo”, resume Me Maumont, por quem o soldado pagaria por ter sido o porta-voz não-oficial dos problemas então comunicados ao comandante do GIGN.

2015, ano difícil

Comandos do GIGN durante o assalto em Dammartin-en-Goële, 9 de janeiro de 2015.

O case ilumina os bastidores de 2015 de uma forma única. Um ano complicado para o grupo de intervenção de Satory. Se o ataque a Dammartin-en-Goële em janeiro de 2015, após uma gestão de crise vigorosamente conduzida por Denis Favier, for bem-sucedido, sua implementação será contestada por alguns internamente. Então veio o choque dos atentados de novembro de 2015. Com 137 mortos e mais de 400 feridos. Esses serão os ataques mais mortais cometidos na França desde a Segunda Guerra Mundial.

Mas os soldados do GIGN não intervieram. Para alguns dos supergendarmes da unidade de intervenção, a pílula é muito amarga. No dia 13 de novembro, eles têm a impressão de não terem servido para nada. A raiva deles vai oito meses depois para seu líder, Hubert Bonneau. Uma carta mordaz de três páginas, enviada para o Canard enchaîné (Pato Acorrentado), lhe mira diretamente.

Então General de Brigada Hubert Bonneau, 2016.
Bonneau comandou o GIGN de 2014 a 2017.

Neste mês de julho de 2016, uma passagem, citada pelo Le Monde, atrai sobretudo a atenção dos patrões do GIGN. "O registro da linguagem e as queixas às vezes são surpreendentes, como quando o Coronel Bonneau é acusado de ter acusado injustamente um colega de 'fazer base jumping' (sic) ou de ter 'colocado na lista negra' outro colega que teria 'ultrapassado em velocidade excessiva durante um jornada'", conta o o diário noturno.

No GIGN, a busca pelos autores da carta anônima

Quando a imprensa publica a carta anônima do "l’esprit de l’inter" (espírito de quem tá dentro), o gendarme preso em Istambul já foi objeto de três ordens de transferência automática, em janeiro e março de 2016. A menção a este caso de base jump interpela os comandantes . E se o soldado, decepcionado com sua exclusão do grupo, fosse um dos autores da carta? Segundo seu advogado, este nega categoricamente qualquer envolvimento na carta anônima. Ao contrário, ele pedia "lavar a roupa suja em família".

A Inspetoria Geral da Gendarmaria pediu ao soldado acusado uma amostra de seu DNA. Um pedido feito, até onde sabemos, a muitos membros do GIGN como parte desta investigação interna sobre policiais excessivamente faladores. Mas este último se preocupou com a legalidade desse pedido. E pediu à fiscalização uma comunicação, ao seu advogado, do DNA retirado da carta antes de qualquer amostragem. Uma crise de confiança que ilustra o fosso que se alargou entre o sargento e a Instituição.


Conselho de Estado

Alguns anos depois, a fratura ainda está lá. A pessoa ainda contesta sua exclusão do grupo. Se ele conseguiu, de acordo com seu advogado, quebrar com sucesso a primeira sanção que o tinha como alvo depois desta história, ele ainda está cruzando espadas em sua transferência automática. Este último seria "marcado por um manifesto erro de apreciação", uma certa desvalorização profissional e um desvio de poder que não se justificaria, de acordo com os argumentos apresentados nos tribunais administrativos.

Uma luta sem sucesso no momento. Em junho, o tribunal administrativo de recurso de Versalhes demitiu o ex-sargento do GIGN. O procedimento ainda não está encerrado, pois o militar acaba de apelar para o Conselho de Estado. Uma tenacidade surpreendentemente. Os soldados do GIGN são extremamente apegados à sua unidade. Muitas vezes, o motivo do seu engajamento na Gendarmerie.