quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

COMENTÁRIO: As mulheres nas Forças Armadas israelenses simplesmente não foram feitas para funções de combate

Por Lizi Hameiri, Haaretz, 10 January 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de dezembro de 2021.

Muitos rapazes e moças em Israel desejam servir em vários cargos e funções durante o serviço militar, mas descobrem que o exército não está interessado. Jovens com deficiência visual não conseguem realizar o sonho de ingressar no treinamento de vôo, aqueles cujo perfil físico não é alto não podem ser combatentes de infantaria, etc. A igualdade, que todos no Exército vêm alardeando nos últimos anos, não existe para eles. Se você estiver usando óculos, provavelmente não será um piloto. E, no entanto, a exigência de que um soldado seja fisicamente adequado para uma posição militar desaparece assim que se trata de alistar mulheres em unidades de combate. Nesse caso, o exército defende a igualdade, embora não haja realmente igualdade física entre homens e mulheres.

Em uma entrevista recente, o chefe do Comando das Forças Terrestres do Exército, General Kobi Barak, disse que, na pior das hipóteses, as tripulantes de tanques terão dificuldade em carregar os projéteis. Por que o exército as está empurrando para um posto que não é fisicamente adequado para elas? Em que o soldado motivado e de óculos que deseja entrar no treinamento de vôo é diferente da jovem que deseja servir na infantaria, embora ela terá problemas arrastando uma metralhadora FN MAG?

Soldado israelense carregando uma FN MAG durante uma marcha.

Contribuir para o estado deve significar servir em lugares onde os soldados possam dar o seu melhor, e não insistir em cumprir tarefas que a nossa força física não nos permite desempenhar de forma ideal. Devemos colocar o bem das Forças de Defesa de Israel e o cumprimento da missão com o mínimo de baixas em primeiro lugar, antes de nossos desejos e sonhos.

As FDI foram foram criadas para nós atendermos às suas necessidades, não para atender aos nossos desejos. As FDI não é um acampamento de verão para tornar os sonhos realidade, mas o muro de defesa de Israel. Não devemos esquecer isso.

Em batalha, o piloto de óculos não terá a fração extra de segundo necessária para identificar o alvo do ataque. Ele também não terá tempo em batalha para carregar o projétil mais lentamente, ou atacar o inimigo em um ritmo de caminhada com a pesada MAG. Existem empregos suficientes para os quais todos - homens e mulheres - podem contribuir, cada um de acordo com suas habilidades e qualificações. Não há desigualdade ou indignidade nisso, nem uma violação da auto-realização.

Estou impressionado com a forma como as mulheres e a equipe médica fecham os olhos para as diferenças fisiológicas entre homens e mulheres, que são inevitavelmente refletidas nas diferenças de desempenho e podem ser prejudiciais para todos - em primeiro lugar para as mulheres jovens que pagarão o preço quando são inadequadas para uma tarefa. Não devemos permitir que a igualdade venha antes da preparação e da capacidade de desempenho. A igualdade real e fundamental não será alcançada com a concessão de mesadas especiais, mas colocando cada homem e mulher em uma posição na qual eles possam colocar suas habilidades da melhor forma possível. Não há vergonha em reconhecer a vantagem física dos homens em papéis de combate.

Devemos impedir a auto-ilusão e o engano das IDF antes que isso exija um preço alto.

Lizi Hameiri.
A escritora é uma ativista social e membro do IDF Fortitude Forum.

Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:

Nenhum comentário:

Postar um comentário