domingo, 8 de março de 2020

As mulheres deveriam entrar em combate?


Pela Capitão Catherine L. Aspy, Reader's Digest, fevereiro de 1999.
Tradução Filipe do A. Monteiro, 8 de março de 2020.

Um soldado traz sua perspectiva para o debate em andamento.

Dentro de minhas botas, meus pés se transformaram em hambúrguer. Meu uniforme, até meu cinto, estava encharcado de suor, e minhas costas e ombros estavam dormentes com as 40 libras (18,5kg) de equipamento na minha mochila. O clímax do treinamento básico do Exército em Fort Jackson, S.C., uma marcha de 12 milhas (20km), estava quase no fim.

Determinado a acompanhar, forcei meus músculos a se moverem. Mas poucas das outras mulheres da companhia ficaram comigo perto da frente. Muitas estavam ficando para trás, e algumas andavam no caminhão que seguia para recuperar mochilas descartadas. Enquanto isso, os homens estavam mantendo o passo, puxando canções militares. Eles pareciam gostar da coisa toda. 

Essa marcha confirmou algo que me impressionou com frequência nas oito semanas anteriores: com raras exceções, as mulheres em minha unidade não podiam competir fisicamente com os homens. Muitas não conseguiam levantar pesos pesados, escalar barreiras ou puxar-se ao longo de uma corda suspensa acima de uma rede de segurança. Grupos de corrida mista inevitavelmente separavam-se por sexo; nos testes finais de corridas de duas milhas (3,2km), a mulher média demorou 18 minutos, o homem médio, cerca de 14. Era evidente que muitos homens não foram desafiados o suficiente pelo regime de treinamento.


Certamente havia bons soldados entre as mulheres na minha companhia; mais tarde, durante o serviço regular em uma instalação de inteligência militar, vi mulheres de todos os ramos de serviços terem um desempenho tão bom ou melhor que os homens em uma variedade de capacidades. No entanto, a enorme lacuna no desempenho físico, tão óbvia no treinamento básico, me forçou a considerar as implicações de colocar mulheres em unidades de combate terrestre. 

Hoje, as quase 200.000 mulheres nas forças armadas do país (14% de todo o pessoal ativo) servem como tudo, desde pilotos de caça da Força Aérea a policiais militares e capitãs de navios da Marinha. Mas as armas diretamente de combate do Exército e dos Fuzileiros Navais - incluindo infantaria, blindados e artilharia de campanha - estão fechadas para elas.


As mulheres também devem ser permitidas a entrarem nessas unidades? Muitos acreditam que deveriam. Afinal, nós americanos nos ressentimos de sermos impedidos de qualquer coisa; faz parte do nosso instinto de liberdade. A ex-deputada Patricia Schroeder (Democrata, Colorado) declarou: "As leis de exclusão de combate sobreviveram à sua utilidade e agora nada mais são do que discriminação institucionalizada".

Não é uma questão em que pensei muito quando me alistei. Tenho certeza de que se me perguntassem na época se as mulheres deveriam ser permitidas em combate, eu teria pelo menos dito "talvez". 

Agora eu digo "não". Tudo o que observei durante minha passagem no Exército e, mais tarde, ao estudar a questão e conversar com outras pessoas dentro e fora das forças armadas, me convenceu de que isso seria um erro.


O combate não se refere principalmente a cérebros, patriotismo ou dedicação ao dever. Não há dúvida de que as mulheres soldados têm estes em abundância. O combate é sobre a capacidade de combate e o moral da unidade. Aqui a força física pode ser uma questão de vida ou morte. E é por isso que as disparidades físicas entre homens e mulheres não podem ser ignoradas.

Carga Desigual

Durante anos, a Sargento Kelly Logan* acreditava que as mulheres deveriam ser autorizadas a entrarem em unidades de combate, que "não importava se você era homem ou mulher - existe um padrão: todos nós o conhecemos, nos unimos e continuamos com a missão". Então veio sua rotação de 1997 com as forças de paz na Bósnia. "Eu tive uma mudança completa de atitude", diz ela. "Quando tivemos que fazer coisas como cavar e reforçar bunkers, os caras acabaram fazendo a maior parte do trabalho físico. As mulheres tendiam a se afastar." Logan observou o ressentimento crescer até minar o moral da unidade.

*Pseudônimo.

Ela também observou que muitas mulheres "estavam tão despreparadas para o serviço militar pesado que colocariam em risco a unidade em uma crise". Patrulhar na Bósnia exigia que os soldados permanecessem em alerta máximo e em equipamento de batalha completo, incluindo coletes à prova de balas e munição. Logan diz: "O equipamento impediu que muitas mulheres se movessem tão rapidamente quanto os homens, muito menos em serem eficazes em combate".


Embora algumas mulheres possam estar à altura dos rigores do combate, ela diz, "elas são a rara exceção. E para alguns indivíduos, foi apenas uma questão de tempo até que os laços platônicos progredissem para o sexo, e então todos os tipos de interrupções se seguiram". 

Logan concluiu com relutância que "as mulheres não podem se relacionar com homens em uma unidade da mesma maneira que os homens". Mas ela não pode dizer isso abertamente, e insistiu para que seu nome verdadeiro não fosse usado. "Pode definitivamente prejudicar sua carreira falar publicamente sobre essas coisas".

A expectativa em unidades militares sempre foi que você puxa sua própria carga. Mas um piloto de helicóptero Apache me disse que sua chefe de equipe simplesmente se recusou a carregar as ferramentas dela, que pesavam entre 15 e 30 quilos. 

"O Exército teoricamente se propõe a não demonstrar favoritismo", diz Sam Ryskind, veterano da Tempestade no Deserto, que era mecânico da famosa 82ª Divisão Aerotransportada. "Mas as mulheres com quem eu treinei foram de fato isentas de qualquer trabalho pesado".


Seja trocando pneus de caminhão, carregando carga ou movendo panelas pesadas para a posição na linha de comida do rancho, Ryskind diz que os homens "sempre faziam o trabalho duro. Logo isso nos colocou em uma situação de nós contra elas". 

Embora essas experiências não reflitam as condições reais de combate, elas apontam para os tipos de problemas intratáveis que surgiriam se as mulheres estivessem em unidades de combate.

Em 1994, um regime do Exército que proibia mulheres de centenas de posições de "apoio ao combate" foi eliminado. Enquanto isso, o Exército tentou instituir testes para combinar a força física de um soldado com uma "especialidade de ocupação militar" específica", ou MOS. Depois, descobriu-se que os testes desqualificariam a maioria das mulheres do Exército de 65% dos mais de 200 MOS. Os testes foram descartados.

O Fator de Força

Para lidar com a lacuna de desempenho entre homens e mulheres, o Exército aumentou a ênfase no "trabalho em equipe". Ninguém é contra o trabalho em equipe - essa é a essência das forças armadas. Mas, em alguns casos, tornou-se um eufemismo para definir tarefas militares, como quando três ou quatro soldados são necessários para transportar um camarada ferido em vez de dois.

"Do ponto de vista do combate, isso é ridículo", observa William Gregor, um veterano de combate no Vietnã que agora é professor associado de ciências sociais na Escola de Estudos Militares Avançados do Exército em Fort Leavenworth, Kansas. "Você pode não ter mais pessoas ao redor. E a batalha o desgasta. Uma unidade em que uma pessoa não pode puxar seu peso se torna uma unidade mais fraca".


Tenho um metro e setenta de altura e cheguei ao treinamento básico, pesando 135 libras (61,3kg). Eu era mais alta do que muitas mulheres na minha unidade. Mas a mulher soldado média é 4,7 polegadas (12cm) mais baixa e 33,9 libras (15,3kg) mais leve que seu colega masculino. Ela tem 37,8 libras (17kg) a menos de massa corporal magra. Isso é crítico porque uma maior massa corporal magra está intimamente relacionada à força física.

Um estudo da Marinha dos EUA sobre a força dinâmica da parte superior do tronco em 38 homens e mulheres descobriu que as mulheres possuíam cerca de metade do poder de carga dos homens. Em outro estudo da Marinha, os sete por cento principais das 239 mulheres pontuaram na mesma faixa que os sete por cento inferiores dos homens em força da parte superior do corpo.

Embora eu fosse atlética no ensino médio e tivesse sido endurecido por dois meses de treinamento, a marcha final de 20 quilômetros foi um matador. Uma razão: capacidade cardiorrespiratória - a taxa na qual o coração, os pulmões e os vasos sanguíneos fornecem oxigênio aos músculos que trabalham. Os treinadores sabem que essa capacidade é essencial para o desempenho físico sustentado. E numerosos estudos revelaram diferenças por sexo. "Em geral", resumiu a Comissão Presidencial de Designação de Mulheres nas Forças Armadas, de 1992, "as mulheres têm menor massa cardíaca, volume cardíaco e produção cardíaca do que os homens".


Alguns que querem mulheres em unidades de combate reconhecem essas diferenças, mas afirmam que são baseadas em estereótipos e podem ser minimizadas com treinamento extra. Não é assim tão simples.

Em um estudo do Exército de 1997, por exemplo, 46 mulheres receberam um programa de treinamento físico de 24 semanas especialmente projetado para ver se poderiam melhorar sua capacidade de realizar carregamentos "muito pesados". Durante o treinamento, o número de mulheres qualificadas para esses trabalhos aumentou de 24% para 78%. Ainda assim, em média, elas não conseguiram igualar o desempenho de levantamento de homens que não foram submetidos ao programa.

Mas e aquelas poucas mulheres que podem se qualificar para unidades de combate? Gregor, que fez uma extensa pesquisa sobre desempenho físico masculino-feminino, questiona quão realista é treinar 100 mulheres para o combate, com a chance de encontrar um punhado que cumpra - ou em casos excepcionais exceda - os requisitos mínimos.

Padrões Mais Difíceis?

A permutabilidade de todo soldado em uma emergência de combate é um princípio duradouro da eficácia de um exército como força de combate. Pressupõe que cada um recebeu o mesmo treinamento e pode executar o mesmo padrão básico. Isso ainda é verdade para os homens que se alistam para irem diretamente às armas de combate do Exército. Eles treinam "da maneira antiga", em um ambiente severo e exigente.

Não é mais verdade em outro lugar. No treinamento básico de gênero misto instituído em 1994, homens e mulheres são mantidos em padrões diferentes. O regime tornou-se menos desafiador, para ocultar a diferença no desempenho físico entre homens e mulheres (embora o Exército negue isso).


Eventualmente, a suavidade do treinamento básico tornou-se objeto de um ridículo público tão amplo que regras "mais duras" foram elaboradas. Mesmo com esses novos padrões, programados para entrar em vigor este mês, as mulheres podem pontuar tão bem quanto os homens que estão sendo testados contra um padrão mais rigoroso. Na faixa etária de 17 a 21 anos, por exemplo, para obter uma pontuação mínima de 50 pontos, um recruta masculino deve fazer 35 flexões, uma feminina, 13. Se as mulheres forem autorizadas a entrar em unidades de combate e esses padrões duplos forem estabelecidos de forma universal, o resultado seria colocar forças fisicamente mais fracas no campo.


Um comunicado publicitário do Exército defendeu esses padrões "mais rígidos", alegando que eles "promovem a igualdade de gênero" e "nivelam o campo de jogo".

Eu não sei sobre o "campo" de jogo. Mas, de alguma forma, acho que o campo de batalha real não será muito nivelado.


Catherine L. Aspy se formou em Harvard em 1992 e serviu dois anos no Exército. Ela está agora na Reserva Individual Pronta. Aspy foi ajudada na reportagem deste artigo pelo Reader's Digest Washington Bureau.

Nenhum comentário:

Postar um comentário