Mostrando postagens com marcador Subversão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Subversão. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Impondo custos por outros meios: opções de guerra estratégica irregular para responder à agressão russa

"Homenzinhos verdes" na Ucrânia, março de 2014.

Por Steve Ferenzi, Small Wars Journal, 18 de maio de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

A vantagem comparativa da América em poder militar convencional garante que seus adversários procurarão enfrentá-la abaixo do limiar da “guerra” tradicional para alcançar seus objetivos. A recente agressão da Rússia na Ucrânia demonstra um aspecto deste campo de batalha com implicações preocupantes para a viabilidade da aliança da OTAN. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os Estados Unidos empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

É hora de liberar as capacidades de guerra irregular dos Estados Unidos. Toda a controvérsia sobre os desafios da “zona cinzenta” de hoje leva a crer que os Estados Unidos são um jogador amador neste jogo. Ao longo da década de 1980, os Estados Unidos competiram com sucesso abaixo do limiar da guerra convencional no âmbito do "conflito de baixa intensidade". Enquanto o caso Irã-Contras e o retorno do apoio aos mujahideen afegãos continuam a ser olhos negros para o prestígio dos EUA, os Estados Unidos sangraram com sucesso a União Soviética sem recorrer ao Armagedom nuclear ou à escalada convencional. Pode-se debater as minúcias, mas os EUA alcançaram seus objetivos estratégicos a um custo relativamente baixo. Como os EUA podem obter resultados semelhantes no ambiente operacional de hoje, onde a vontade política é o fator limitante? A resposta é possibilitar o que a Rússia mais teme: movimentos de resistência nativa ao longo das linhas das “revoluções coloridas” que destruíram a influência russa pós-soviética em seu quintal tradicional.

Dilemas do Artigo 5

A questão mais urgente em relação à Rússia hoje é o compromisso dos Estados Unidos com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Artigo 5 da Carta da OTAN exige que:

“As Partes concordam que um ataque armado contra um ou mais deles na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todos eles e, consequentemente, concordam que, se tal ataque armado ocorrer, cada um deles, no exercício do direito da legítima defesa individual ou coletiva reconhecida pelo artigo 51 da Carta das Nações Unidas, ajudará a Parte ou as Partes assim atacadas, tomando imediatamente, individualmente e em conjunto com as outras Partes, as ações que julgar necessárias, incluindo o uso de força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

Qualquer ataque armado e todas as medidas tomadas como resultado dele serão imediatamente relatados ao Conselho de Segurança. Essas medidas serão encerradas quando o Conselho de Segurança tiver tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais.”

A anexação da Crimeia pela Rússia revigorou o debate sobre a utilidade da OTAN na era pós-Guerra Fria. A resposta desdentada dos EUA pode ter sido justificável dada a falta de compromissos legais com a Ucrânia, não-membro, mas e se a Rússia tomar a fraqueza americana percebida como um convite para um desempenho repetido nos Estados Bálticos, membros de fato da OTAN?

Tanto a doutrina de guerra híbrida de "nova geração" da Rússia quanto os aliados de Moscou na região exortam o uso de meios não-militares assimétricos e "quinta colunas" em áreas-alvo para alcançar resultados estratégicos. A solução da América é mais marchas blindadas em estradas pela Europa Oriental e exercícios de treinamento combinados? Os EUA têm vontade política para realmente puxar o gatilho em uma resposta militar convencional com potencial de escalada? Improvável. Outros conceitos como "defesa híbrida" e variantes ressuscitadas da dissuasão estendida da Guerra Fria oferecem soluções alternativas, mas não otimizam os recursos fiscais e militares limitados para enfrentar a Rússia.

Soldados russos e sírio diante de retratos de Vladimir Putin e Bashar al-Assad.

A mentalidade tradicional leva a crer que quando você precisa de um tanque, você precisa de um tanque. A destreza dos blindados americanos, especialmente quando casada com o poder aéreo dos Estados Unidos, é inegável. Ela esmagou a tentativa de Saddam Hussein de tomar o Kuwait em 1991 e, mais uma vez, deu um golpe esmagador nas fases iniciais da Operação Liberdade do Iraque. Ao validar seletivamente o complexo de superioridade inato dos EUA, os adversários da América, no entanto, perceberam que se expor a um projétil de 120 milímetros disparado de um tanque Abrams não é do seu interesse. A solução? Guerra por outros meios. No Iraque, isso significou insurgência à la Che Guevara, Mao Zedong e Carlos Marighella, revestida com um verniz jihadista. Na Ucrânia, isso significava que a Rússia empregava “homenzinhos verdes” para capitalizar as queixas da etnia russa indígena e tomar a Crimeia por meio de táticas de salame projetadas para permanecer abaixo do limite de induzir a intervenção ocidental. O ingrediente principal? Evite a superioridade militar convencional americana e paralise sua força de vontade política para empregar opções não-convencionais para enfrentá-la com sucesso.

O Artigo 5 exige uma defesa coletiva contra um ataque armado; não obriga uma resposta contra a guerra híbrida, nem estipula como uma defesa em ambos os casos deve ser executada. Em vez de fingir que os EUA realmente entrarão em guerra com a Rússia por causa de uma invasão do Báltico possibilitada por subterfúgios e desinformação, por que não estabelecer as condições para que os movimentos indígenas frustrem a ocupação russa e bloqueiem seus objetivos estratégicos? Se a Rússia quiser invadir o Báltico, nenhuma resposta militar estatal convencional na região terá chance. A Rússia demonstrou isso na Geórgia em 2008. A beleza da guerra irregular é sua capacidade de impor custos significativos com um gasto mínimo de recursos. Robert Taber fez a analogia de pulgas atacando um cachorro durante um conflito prolongado para erodir a determinação política do oponente. Grandes potências ao longo da história, incluindo os EUA, sofreram isso ao confrontar inimigos nominalmente mais fracos.

Aumente os custos: algumas insurgências são boas para os Estados Unidos

Essa abordagem teria sucesso ao elevar os custos da invasão russa a um nível inaceitável. Executado secretamente, envolve a construção de uma infraestrutura de resistência indígena a ser desencadeada assim que a Rússia cruzar a linha, atolando o grande urso em um pântano de insurgência projetado para anular sua vantagem convencional comparativa. Isso tem precedentes históricos da Guerra Fria na região: AECOB/ZRLYNCH era um programa da Agência Central de Inteligência (CIA) que apoiava o Movimento de Resistência Letão anti-soviético como parte da estratégia mais ampla de permitir movimentos de resistência clandestina na Europa Oriental.

Combatentes da resistência lituana (da esquerda para a direita) Klemensas Širvys-Sakalas, Juozas Lukša-Skirmantas e Benediktas Trumpys-Rytis na floresta por volta de 1949.
(Centro de Pesquisa do Genocídio e Resistência da Lituânia)

Executado abertamente, o desenvolvimento da infraestrutura de resistência procederia de forma análoga à abordagem secreta, mas serviria como um sinal para deter a agressão russa, transmitindo totalmente as capacidades do ninho de vespas que a Rússia estaria invadindo. O apoio recente à rebelião síria abriu um precedente para o apoio aberto aos elementos de resistência pelas Forças de Operações Especiais dos EUA. No entanto, o desastre da Síria oferece lições significativas que devem ser aprendidas para o futuro, nomeadamente a importância de desenvolver capacidade subterrânea e auxiliar, além de elementos de guerrilha armada, um elemento crítico, mas muitas vezes ignorado da doutrina da guerra não convencional, bem como o significado de medidas deliberadas para mitigar ações divergentes resultantes da seleção adversa de forças de procuração (proxies).

Uma consideração importante para os formuladores de políticas é o papel da resistência não-violenta e violenta dentro de tal plano de defesa do Báltico. O ministério da defesa da Lituânia publicou recentemente um manual intitulado "Como agir em situações extremas ou instâncias de guerra", que discute especificamente o papel de organizar a desobediência civil para combater a guerra híbrida. A resistência não-violenta tem precedentes históricos no Báltico contra a União Soviética, e as evidências apóiam sua eficácia potencial contra a Rússia hoje. Até mesmo o Escritório de Serviços Estratégicos (Office of Strategic Services, OSS), o predecessor da CIA durante a Segunda Guerra Mundial, emitiu orientações sobre como sabotar as forças de ocupação com resistência civil. No entanto, o resultado do levante sírio demonstra que tanto a resistência não-violenta quanto a violenta devem ser planejadas como parte de uma estratégia abrangente.

O Paradoxo da Guerra Irregular Estratégica

Boina Verde do 5th SFG com o camuflado listras de tigre (tiger stripes) durante um exercício no Fort Campbell, 2019.

As opções de guerra irregular geralmente apresentam um paradoxo debilitante para os Estados Unidos e outras democracias estáveis. De acordo com o Coronel (Reformado) Mark Mitchell, ex-comandante do 5º Grupo de Forças Especiais (5th Special Forces Group, 5th SFG), os políticos são mais resistentes à implementação de medidas de guerra irregular quando elas têm maior probabilidade de sucesso. Quando introduzidos antes ou muito no início de um conflito, os gastos mínimos de recursos podem ter efeitos positivos exagerados sobre os resultados estratégicos; no entanto, a ambigüidade informativa e os perigos duplos de escalada e consequências não-intencionais criam hesitação política que impede a implementação das ações necessárias nos estágios iniciais. Quando os formuladores de políticas percebem que a situação degenerou em um problema real que afeta os interesses nacionais dos EUA (pense na Síria hoje) e decidem agir, a oportunidade de implementar uma solução decisiva ou mesmo eficaz de baixa visibilidade/baixo custo há muito tempo já passou. Essas soluções ainda podem ser implementadas, mas é altamente improvável que forneçam os resultados desejados.

Alguns podem apontar para a invasão do Afeganistão em 2001 como um exemplo de uma solução eficaz de guerra irregular executada sem uma longa vanguarda. Tal avaliação ignora os efeitos das relações dos EUA com os grupos de resistência afegãos como resultado dos esforços para impor custos aos soviéticos nos anos 80. Sem essas relações, construídas e sustentadas ao longo de quase duas décadas e exploradas pelos “soldados a cavalo” como o Coronel Mitchell, os Estados Unidos não teriam sido capazes de implementar rapidamente um esforço de guerra irregular em 2001.

Forças especiais (Boinas Verdes e CCT) à cavalo com a Aliança do Norte, outubro de 2001.

Em 1948, George F. Kennan reconheceu a necessidade de empregar "guerra política" contra a União Soviética, integrando todos os meios nacionais, ocultos e abertos, para atingir os objetivos de segurança nacional "na ausência de guerra declarada ou força de força aberta hostilidades”. Este requisito permanece o mesmo hoje. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os EUA empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

O Major Steve Ferenzi é estrategista do Exército e oficial das Forças Especiais da Divisão de Planejamento Estratégico G-5 do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA. Ele serviu anteriormente nos 3º e 5º Grupos de Forças Especiais (Aerotransportados) e na 82ª Divisão Aerotransportada e possui um mestrado em Assuntos Internacionais pela Escola de Relações Internacionais e Públicas da Universidade de Columbia.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada:

sábado, 7 de agosto de 2021

O congressista Mark Green exige que o professor da USAF de Teoria Crítica da Raça seja demitido


Da Soldier of Fortune, 9 de julho de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de julho de 2021.

O congressista republicano Mark Green, graduado de West Point e veterano, exige que o professor da USAF de Teoria Crítica da Raça seja demitido.

O congressista republicano Mark Green enviou uma carta ao secretário interino da Força Aérea, John P. Roth, pedindo a remoção da professora Lynne Chandler García de seu cargo de professora. Green disse:

“Os comentários da Professora García sobre a Teoria Crítica da Raça são totalmente inaceitáveis e incompatíveis com a missão de nossas Academias das Forças Militares dos Estados Unidos. Desprezar os Estados Unidos como um país racista deveria desqualificar qualquer pessoa para lecionar em uma das instituições mais prestigiosas de nosso país. Nossas academias militares preparam rapazes e moças para lutar por nosso país. Como podemos esperar que alguém lute por um país que lhes é ensinado que é racista?

“Como graduado em West Point e veterano do Exército por duas décadas, sei em primeira mão que o que é ensinado nessas academias militares deixa um impacto duradouro. Foi em West Point onde levantei minha mão direita pela primeira vez e fiz o juramento de defender nossa Constituição. Se queremos militares que se orgulham de defender este país, não devemos denegrir os próprios princípios em que foi fundado. Envergonhá-los de seu país só diminui o moral, a retenção e a coesão da unidade. A Teoria Crítica da Raça é uma ideologia marxista que ensina que a única maneira de corrigir a discriminação racial anterior é implementar a discriminação racial hoje. Isso vai contra nossos princípios Fundamentais - para não mencionar ilegal. Se permitirmos que essa ideologia destrutiva seja ensinada em nossas Academias Militares, seremos responsáveis pela morte desta nação. A professora García deve ser destituída de seu cargo de educadora.”

Dra. Lynne Chandler García, professora assistente de Ciência Política.
(Foto da USAF Academy)

Prezado Secretário Roth: Professor
7 de julho de 2021

O ataque total de Lynne Chandler García ao nosso país e seu apoio à Teoria Crítica da Raça a tornam desqualificada para lecionar em uma de nossas prestigiosas academias militares. Como nossos futuros líderes da Força Aérea devem fazer um juramento de defender a Constituição se eles estão sendo ensinados que ela é racista e promove a desigualdade?

Como graduado em West Point e veterano do Exército, sei em primeira mão que o que é ensinado nessas academias de serviço deixa um impacto duradouro. Foi em West Point onde levantei minha mão direita pela primeira vez e fiz o juramento de defender nossa Constituição. Meus professores me ensinaram a importância de servir a nossa nação tanto de uniforme quanto em cargos públicos. E foi em West Point que fui inspirado pela primeira vez a concorrer a um cargo público.

Ensinar à nossa próxima geração que nosso país é fundamentalmente racista não é apenas propagandear mentiras sobre nossa grande nação, mas também, sem dúvida, deixará um impacto nas Forças Armadas e na segurança nacional de nosso país. Se queremos militares que se orgulham de defender este país, não devemos denegrir os próprios princípios em que foi fundado. Envergonhá-los de seu país só diminuirá o moral, a retenção e a coesão da unidade.

A Teoria Crítica da Raça ensina que a única maneira de superar a discriminação racial passada é com a discriminação racial presente. Este ensino é totalmente incompatível com os princípios da Declaração da Independência e do Movimento dos Direitos Civis - para não mencionar ilegal. Nosso país já viveu uma época horrível em que as pessoas eram julgadas pela cor de sua pele e não pelo conteúdo de seu caráter - nunca devemos voltar a essa forma de pensar.

Por último, a Constituição trouxe liberdade e autogoverno, não apenas para os Estados Unidos da América, mas para nações ao redor do globo. Nossos homens e mulheres uniformizados têm lutado pelos ideais de democracia, liberdade e igualdade em todo o mundo desde então. Sugerir que essas causas e guerras nasceram do racismo desrespeita aqueles que morreram lutando contra os nazistas na Europa, comunistas na Ásia ou terroristas no Oriente Médio.

Se permitirmos que essa ideologia destrutiva seja ensinada em nossas Academias do Serviço Militar, seremos responsáveis pela morte desta nação. A Professora García deve ser removida de seu cargo de educadora, e para o bem de nossa segurança nacional: Impeça que a Teoria Crítica da Raça seja ensinada em nossas academias militares.

Atenciosamente, Mark E. Green, MD Membro do Congresso.


O congressista Mark Green cresceu em uma estrada de terra no Mississippi. Ele veio para o Tennessee em sua última missão no Exército como cirurgião de vôo do principal regimento de operações especiais de aviação. Como um Night Stalker, Green foi desdobrado no Iraque e no Afeganistão na Guerra ao Terror. Sua missão mais memorável foi a captura de Saddam Hussein. Durante a missão, ele interrogou Hussein por seis horas. O encontro é detalhado no livro de autoria de Green, A Night With Saddam (Uma noite com Saddam, 2010). O congressista Green foi premiado com a Estrela de Bronze, a Medalha Aérea com Dispositivo V para Valor, entre muitos outros.

Depois de servir no Exército, Green fundou uma empresa de recrutamento de pessoal para departamentos de emergência que cresceu para mais de US$ 200 milhões em receita anual. A empresa forneceu pessoal para 52 hospitais em 11 estados. Ele também fundou duas clínicas médicas que fornecem assistência médica gratuita para populações carentes em Memphis e Clarksville, bem como várias viagens de missão médica em todo o mundo.

Mark E. Green, congressista.

Seus 24 anos de serviço - entre a Academia, o Exército da ativa e as Reservas do Exército - deixaram claro para ele a necessidade de uma família militar bem cuidada. Green fez das famílias de veteranos uma prioridade durante sua passagem pelo Senado do Estado do Tennessee e continuou a fazê-lo durante sua passagem pelo Congresso. Seu primeiro projeto de lei apresentado na Câmara foi a Lei de Proteção aos Cônjuges da Estrela de Ouro, que permite que os cônjuges continuem recebendo benefícios durante as paralisações do governo. Ele apresentou outro projeto de lei para as famílias da Gold Star, a Lei de Proteção às Crianças da Gold Star, que coloca as crianças que recebem benefícios na faixa de impostos apropriada.

Green também trabalhou para melhorar os recursos para a saúde mental e física dos veteranos. Ele introduziu a emenda de Prontidão Espiritual ao NDAA para lidar com o aumento do número de suicídios de veteranos. Além disso, ele liderou a luta bipartidária para incluir provisões para veteranos submetidos à exposição tóxica enquanto serviam na Base Aérea K2 no Uzbequistão durante a Guerra ao Terror. Em janeiro de 2021, o presidente assinou uma Ordem Executiva inspirada no Ato de Responsabilidade pela Exposição Tóxica dos Veteranos K2, bipartidário do deputado Green, que solicita que o Secretário de Defesa reconheça o Uzbequistão como uma zona de combate para fins de cuidados médicos. Esta ação representa um passo crucial para o reconhecimento das doenças graves e mortais relacionadas aos serviços dos veteranos do K2.

Seu tempo servindo nas Forças Armadas também o tornou ciente da necessidade de uma liderança americana forte internacionalmente e da ameaça que a China representa para esta geração. Green apresentou 5 projetos de lei para responsabilizar a China:
  • Lei de Transparência do nosso dinheiro na China (The Our Money in China Transparency Act),
  • Lei traga Empresas Americanas de volta para Casa (Bring American Companies Home Act),
  • Lei de Proteção de Redes Federais (Protecting Federal Networks Act),
  • Lei de Proteção dos nossos Sistemas contra as Táticas da China (Secure Our Systems Against China’s Tactics Act),
  • Lei de Controle de Transferência de Tecnologia da China (China Technology Transfer Control Act).
Ele também apresentou uma resolução exigindo o reembolso da dívida soberana por parte da China mantido por famílias americanas.

O congressista Green apresentou anteriormente um projeto de lei que proíbe o treinamento em Teoria Crítica da Raça nas Academias Militares dos Estados Unidos da América.

O congressista Green apresenta projeto de lei para bloquear o treinamento crítico em teoria da raça nas academias do serviço militar dos EUA

WASHINGTON - Rep. Mark Green está apresentando um projeto de lei para lutar contra o treinamento da Teoria Crítica da Raça (Critical Race Theory, CRT) nas Academias Militares americanas.

A Teoria Crítica da Raça é uma escola de pensamento que ensina que os Estados Unidos - e todas as instituições americanas - são baseados no racismo, em vez dos princípios de igualdade, justiça e liberdade. Sob pressão do Pentágono, as Academias Militares implementaram iniciativas de Teoria Crítica da Raça, que vão desde o treinamento obrigatório de diversidade até listas de leitura que incluem o livro How to be an Antiracist (Como ser um Anti-racista, 2019) de Ibram X. Kendi. Algumas Academias Militares chegaram ao ponto de adicionar uma disciplina menor de Diversidade e Inclusão.


O congressista Green, um graduado de West Point disse,

"A Teoria Crítica da Raça é baseada em um mal-entendido maciço e proposital da fundação americana, da história americana e da América como ela existe hoje. Trata-se de uma ideologia marxista criada para destruir as instituições americanas. Ensina os americanos e os membros das Forças Armadas a julgar uns aos outros pela cor de sua pele, em vez de pelo 'conteúdo de seu caráter'. A América nunca deveria voltar a esse tipo de pensamento. Um currículo baseado na Teoria Crítica da Raça busca dividir os americanos em vez de uni-los."

“As academias militares dos Estados Unidos são projetadas para treinar líderes e guerreiros para o combate - homens e mulheres de todas as raças, credos e religiões. A divisão da Teoria Crítica da Raça irá destruir a coesão de unidade necessária para vencer no combate e defender esta nação.”

Vídeo recomendado: Yuri Bezmenov

Bibliografia recomendada:


KGB e a Desinformação soviética:
A visão de um agente interno.
Ladislav Bittman.

A Obsessão Antiamericana:
Causas e Inconseqüências.
Jean-Français Revel.

Leitura recomendada:




Os amantes cruéis da humanidade, 5 de agosto de 2020.


quarta-feira, 16 de junho de 2021

ENTREVISTA: Ex-espião soviético Viktor Suvorov


Por Luke Harding, The Guardian, 29 de dezembro de 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de junho de 2021.

"Eles me perdoariam? Não."
- Viktor Suvorov.

Deserções da agência de espionagem mais poderosa de Moscou são tão raras que acredita-se que haja apenas dois exemplos vivos. Um é Sergei Skripal, que quase morreu este ano. O outro é o entrevistado.

Viktor Suvorov passou oito anos trabalhando para a agência de inteligência militar da Rússia, o GRU. (Sebastian Nevols / The Guardian)

Viktor Suvorov (nascido Vladimir Bogdanovich Rezun, 20 de abril de 1947) estava em casa quando soube da notícia. Um ex-espião russo, Sergei Skripal, foi encontrado envenenado em um banco de parque em Salisbury. Skripal e sua filha Yulia estavam em estado crítico no hospital; não estava claro se eles viveriam.

Viktor Suvorov estava em casa quando soube da notícia. Um ex-espião russo, Sergei Skripal, foi encontrado envenenado em um banco de parque em Salisbury. Skripal e sua filha Yulia estavam em estado crítico no hospital; não estava claro se eles viveriam.

Suvorov ouviu o que aconteceu com os Skripals por meio de “outros canais”, não apenas pelas notícias da BBC, ele me disse. Uma figura travessa de 71 anos, falando comigo nos escritórios de seu agente literário em Londres, uma sala repleta de dezenas de livros, ele é um pouco tímido sobre o que ele pode querer dizer, mas parece haver pouca dúvida de que ele está falando sobre a inteligência britânica. “Não gostaria de discutir isso”, diz ele com um sorriso bem-humorado.

Suvorov passou oito anos trabalhando para a agência de inteligência militar da Rússia, o GRU (Glavnoye Razvedyvatel'noye Upravleniye / Diretório Principal de Inteligência), o antigo serviço de Skripal. Durante a Guerra Fria, Suvorov foi considerado um oficial brilhante, destinado a grandes feitos neste mundo sombrio. Ele passou quatro anos disfarçado na Suíça, onde era seu trabalho procurar agentes estrangeiros em nome do GRU. Ele era muito bom nisso. Então, um dia, em junho de 1978, ele fez um telefonema enigmático para o consulado britânico em Genebra.

Atual brasão do GRU.
Glavnoye Razvedyvatel'noye Upravleniye / Diretório Principal de Inteligência.

Suvorov encontrou-se com um espião britânico fluente em russo em uma floresta. Ele havia trazido com ele sua esposa - também uma oficial da GRU - e seus dois filhos pequenos. Em poucas horas, a inteligência britânica contrabandeou os Suvorovs para fora do país. Ele se encontrou no Reino Unido, um lugar que conhecia apenas dos thrillers de Ian Fleming e cuja língua ele não falava.

Nos tempos comunistas, havia deserções regulares da KGB; ela era voltada para dentro - seu objetivo era esmagar ameaças internas e dissidências. Enquanto isso, o GRU, a agência de espionagem mais poderosa e secreta de Moscou, procurava inimigos externos e estava perpetuamente nas sombras. Deserções do GRU eram extremamente raras. Acredita-se que haja apenas dois exemplos vivos: Suvorov e Skripal.

Mark Urban, autor de "The Skripal Files".

É improvável que Skripal dê entrevistas tão cedo; seu paradeiro desde que deixou o hospital permanece desconhecido, pelo menos fora dos serviços de inteligência. Ao contrário de Suvorov, Skripal não era um desertor, como tal: ele nunca teve a intenção de acabar na Grã-Bretanha. Em 2004, ele foi preso na Rússia por espionar para o MI6 e condenado por traição; ele parece ter traído o GRU por dinheiro. Seis anos depois, ele deixou uma prisão russa para Salisbury, após uma troca de espiões mediada pelos Estados Unidos. Um livro recente do jornalista da BBC Mark Urban o retrata como um nacionalista russo desavergonhado, que aplaudiu a anexação da Crimeia por Vladimir Putin do conforto de seu carro comprado pelo MI6.

"Você não pode imaginar o quão relaxante uma sentença de morte pode ser. Você não se preocupa com dinheiro, dores de cabeça ou adoecimento."

Suvorov, ao contrário, abandonou a União Soviética por razões ideológicas; ele se tornou um anticomunista apaixonado. Ele não considera sua deserção como traição: como ele aponta, ele deixou a URSS primeiro - mas todos os outros cidadãos soviéticos o seguiram quando ela deixou de existir. Nos últimos 40 anos, ele viveu sob sentença de morte. “Tenho duas sentenças de morte [do GRU e da Suprema Corte Soviética]”, sorri. “Você não pode imaginar como isso pode ser relaxante. Você não se preocupa com dinheiro, dores de cabeça ou adoecimento. Você pensa consigo mesmo: ‘Não importa! Eu estou morto!'"

O medo, sugere ele, pode ser pior do que a própria coisa, como um paciente que espera por um diagnóstico de câncer que se sente melhor ao receber as más notícias. “De repente, há um tubarão sangrento vindo em sua direção. Quando é desconhecido, é muito assustador. Quando você chega perto, você suspeita que é feito de borracha.”

Icebreaker, seu livro mais famoso.
Trata sobre Stalin tentando usar Hitler como o quebra-gelo da revolução comunista global.

Na primeira noite depois que Suvorov chegou à Grã-Bretanha, ele começou a escrever, diz ele. Ele estava determinado a não viver do Estado e ganhar seu dinheiro de forma independente - se necessário, diz ele, limpando banheiros na estação Paddington. Mas ele se tornou um escritor de sucesso surpreendente, autor de 19 livros em russo, incluindo vários sobre a história da Segunda Guerra Mundial, que juntos venderam mais de 10 milhões de cópias. Ele é famoso na Rússia - embora não tenha voltado desde que desertou - e conhecido em todos os países da antiga Europa Oriental. Seu trabalho apareceu em inglês, mas principalmente em edições há muito tempo esgotadas.

O Reino Unido é o lar de um pequeno grupo de desertores soviéticos e russos. O mais proeminente, Oleg Gordievsky, causou danos incomensuráveis à inteligência soviética, passando 11 anos dentro da KGB como agente duplo britânico. Agora com 80 anos, Gordievsky mora em algum lugar nos condados ao redor de Londres. Suvorov sugere que, desde Skripal, sua própria segurança aumentou.

Em seus livros, Suvorov tornou públicos detalhes sensíveis sobre o GRU, sua estrutura secreta e suas residências estrangeiras ao redor do mundo. Seu romance Aquarium é um relato emocionante do ethos brutal e métodos implacáveis do GRU. Ele começa com novos recrutas vendo imagens de um homem sendo colocado, ainda vivo, em um crematório em chamas. Isso, dizem a eles, é o que acontecerá com eles se traírem o serviço; um veterano comenta que a única saída da agência é pela chaminé do GRU. (Esta morte horrível foi aparentemente inspirada por eventos reais. Foi sugerido que a vítima era Oleg Penkovsky, executado por traição em 1963, embora Suvorov diga que não.)

Oleg Penkovsky.

Ele diz que a agência nunca perdoa quem a deixa. Isso inclui Skripal, que saiu da Rússia segurando um perdão oficial assinado por Putin. “O Estado pode perdoar. O GRU nunca o fará ”, diz Suvorov. No exílio, Skripal tinha um perfil tão baixo que Suvorov confessa que não tinha ouvido falar dele. Mas quando ele soube do destino de Skripal, envenenado por uma super-toxina, ele não teve dúvidas de quem estava por trás disso. “Claro, o GRU”, ele diz, com naturalidade.

O governo britânico fez um relato convincente de como dois assassinos de Moscou trouxeram o terror químico para a província de Wiltshire. Ambos são homens de carreira do GRU, identificados pelo site investigativo Bellingcat como Anatoliy Chepiga e Alexander Mishkin. Mishkin é médico, Chepiga um oficial das forças especiais; ambos foram condecorados como heróis da Rússia em 2014, possivelmente por trabalho secreto na Ucrânia. De acordo com relatos da mídia, a avó de Mishkin mostrou aos vizinhos um retrato emoldurado de seu filho apertando a mão de Putin.

Vladmir Putin, ex-agente da KGB.

A dupla admite ter estado em Salisbury - eles foram filmados pela CCTV - mas dizem que eram meros turistas. Suvorov acredita que este não foi seu primeiro assassinato e que eles pertencem a um “pequeno clube” de assassinos estatais russos. Ele é mordaz sobre seu profissionalismo e competência. “Na minha época, isso não teria sido possível! Tão idiotas!” ele diz. Ele descreve a operação como uma “cadeia de estupidez” que deixa pistas: voar de Moscou, ficar em um hotel e ir duas vezes a Salisbury.

"O chefe do GRU diria: ‘Toc, toc, Sr. Putin. Achamos que agora é a hora [de matar Skripal]. Está ok com você?'"

Ele não tem dúvidas de que o presidente da Rússia teria aprovado pessoalmente sua missão. “O chefe do GRU diria: ‘Toc, toc, Sr. Putin. Achamos que agora é a hora [de matar Skripal]. Tudo ok, senhor?' Há uma dimensão internacional. Ninguém correria tal risco sem a aprovação de Putin. Não é possível.”

Nos últimos anos, Skripal costumava viajar para o exterior. Isso levou a especulações de que ele ainda pode ter estado operacionalmente ativo - e que isso selou seu destino. Na opinião de Suvorov, Skripal foi envenenado pour décourager les autres*: para lembrar aos funcionários do GRU que a penalidade por cooperar com a inteligência inimiga é uma morte dolorosa e aterrorizante.

*Nota do Tradutor: francês, "por encorajar os outros", sentença de fuzilamento usada em desertores na Primeira Guerra Mundial.


Ele sugere que os assassinatos do Kremlin funcionam em um espectro. Existem as operações em que a vítima morre sem problemas, talvez por “ataque cardíaco”. E depois há os assassinatos mais exóticos, deliberadamente elaborados para criar barulho e escândalo - o assassinato de Trotsky com um picador de gelo é um exemplo clássico. A operação Skripal deveria ser mais próxima da primeira, ele pensa, embora todos no GRU entendam a mensagem.

Claro, não funcionou bem assim. Os Skripals sobreviveram e a trama desastrada foi descoberta. No mês passado, o Kremlin anunciou que o homem encarregado do GRU, Igor Korobov, havia morrido após uma “longa doença”. Suvorov acha que isso é verdade? “Não sei, mas meu instinto de espião me diz que Korobov foi assassinado”, diz ele. “Todos os que estão dentro do GRU entenderiam isso, 125%.” Ele teria sido morto, acrescenta Suvorov, para apagar uma testemunha que poderia provar ser culpada se ele pulasse para a vizinha Estônia usando um passaporte falso do GRU.

O banco em que os Skripals desabaram.

Uma questão intrigante é se a embaixada russa em Londres estava envolvida na operação de Salisbury. Ele saberia sobre novichok, o veneno deixado na porta da frente de Skripal, ou Moscou o teria mantido no escuro? Suvorov acredita que a embaixada pode ter dado apoio logístico, sem estar totalmente informada. Quem sabe tenha formado um pequeno círculo, ele suspeita. Incluiria os assassinos, um especialista técnico e um punhado de altos funcionários do Kremlin.

Como um espião rápido na Suíça dos anos 1970, Suvorov às vezes era solicitado a ajudar “ilegais” - agentes disfarçados que viviam no exterior. Ele nada sabia de suas atividades. Ele foi obrigado a verificar se havia uma marca de batom vermelho em um monumento no parque Mon Repos de Genebra, perto do apartamento de sua família. Todos os dias, sua esposa passava com seus filhos, sua filha e seu filho bebê em um carrinho de bebê. O batom significava um desejo de um ilegal de fazer contato.

Suvorov é uma figura de estatura médio-pequena, vestida com paletó de tweed e gravata roxa, que coloca para posar para fotos. Falamos em inglês e russo; ele se parece mais com um professor emérito do que com o recruta do GRU que uma vez saltou de pára-quedas ao lado de pelotões de inteligência militar e que atravessou incontáveis quilômetros de neve em noites congeladas.

Sergei Skripal.

Skripal - um “cara grande e esportivo”, como Suvorov o descreve - se assemelha melhor ao oficial típico do GRU. Ex-paraquedista, serviu disfarçado no Afeganistão e na China antes de ser destacado como “diplomata” em Malta e Espanha. Suvorov, entretanto, trabalhou em estreita colaboração com as Spetsnaz - forças especiais de elite soviéticas - procurando rotas de fuga para unidades de inteligência militar e recrutando informantes.

Skripal e Suvorov nunca se encontraram e parece improvável que algum dia se encontrem. A inteligência britânica desencoraja seus ativos de Moscou de confraternizarem, disse Suvorov, uma regra que surgiu após o assassinato de Alexander Litvinenko em 2006, depois que ele conheceu ex-agentes da KGB e bebeu chá radioativo. Suvorov diz que ele era um "amigo muito bom" de Litvinenko e falou com ele depois que foi levado ao hospital. Inicialmente, ele não acreditava que Litvinenko tivesse sido envenenado, mas durante uma ligação, a voz de Litvinenko vacilou "como um gramofone", diz ele, e o celular caiu de suas mãos. “Um cara tão legal. De repente ele foi morto. Uma morte terrível.”

Ruslan Boshirov e Alexander Petrov


Conheci Suvorov em 2015. Na época, um inquérito público estava em andamento sobre o assassinato de Litvinenko. Concluiu que Putin “provavelmente” aprovou a operação, juntamente com o chefe do FSB, órgão que sucedeu ao KGB. Os homens identificados pela investigação como os assassinos, Andrei Lugovoi e Dmitry Kovtun, eram assassinos horríveis: eles deixaram um rastro fantasmagórico de polônio em Londres e jogaram a arma do crime na pia do banheiro.

"As agências de espionagem de Moscou estão perdendo o controle? Suvorov diz que houve uma grande queda desde os dias de glória."

Em 2016, uma década após o assassinato de Litvinenko, uma equipe de oficiais do GRU invadiu os servidores do Partido Democrata dos EUA, de acordo com Robert Mueller, promotor especial que investiga conluio entre a campanha de Trump e a Rússia. A divulgação desses e-mails roubados pelo WikiLeaks prejudicou Hillary Clinton e ajudou seu oponente, que agora está na Casa Branca. A operação pode ser considerada uma grande vitória do Kremlin, mas dificilmente foi clandestina. Em julho, Mueller expôs a trama do GRU em uma acusação forense, constrangendo Putin e Trump.

As agências de espionagem de Moscou estão perdendo o controle? Suvorov diz que houve uma grande queda desde os dias de glória do GRU, nos anos 30 e 40, quando seus agentes roubaram os segredos atômicos dos Estados Unidos. Essa decadência é parte de uma degradação geral, ele pensa, afetando tudo na Rússia pós-comunista, da construção de foguetes ao jornalismo. O país está “desmoronando lentamente”, diz ele; aqueles que podem estão se mudando para o exterior.

O Homem: Ex-espião e autor de bestsellers

Suvorov foi recrutado pelo GRU em 1970. Seus livros foram publicados em 27 idiomas.
(Sebastian Nevols / The Guardian)

Viktor Suvorov é um pseudônimo literário: ele nasceu Vladimir Bogdanovich Rezun na Ucrânia soviética; seu pai um oficial militar, sua mãe uma enfermeira. (Suas raízes ucranianas são outro motivo pelo qual o Kremlin pega no seu pé, segundo fontes em Moscou.) Seu pai era um bolchevique convicto que acreditava que a URSS poderia florescer se não fosse pelos "bandidos do topo" e Suvorov cresceu um “comunista fanático”. Ele frequentou a escola militar, ingressou no Exército Vermelho e participou da invasão da Tchecoslováquia em 1968. Um oficial notável, ele treinou sargentos de reconhecimento tático e serviu na divisão de inteligência do quartel-general do distrito militar do Volga - uma experiência que Suvorov descreve em Aquarium.

Em 1970 ele foi recrutado pelo GRU. Ele agora fazia parte de uma organização de elite que era um grande rival da KGB. Sua desilusão com o sistema soviético começou apenas quando ele chegou a Genebra, diz ele, onde foi designado para a missão da ONU. Suvorov diz que foi convocado ao aeroporto um dia para assistir à chegada de um avião de transporte Ilyushin-76 de Moscou. Quando sua rampa foi abaixada, barras de ouro foram retiradas do compartimento de carga - para comprar comida da América. “Não podíamos nos alimentar”, diz ele.

Outra desilusão veio quando ele e sua “maravilhosa esposa espiã” Tatiana saíram de férias. Eles pegaram o trem de Basel e viajaram pela Alemanha Ocidental até Berlim Oriental, passando pelo muro. “Eram as mesmas pessoas, a mesma história, os mesmos malditos alemães. [Mas] é um Mercedes aqui e é um Trabant ali”, lembra ele com uma risada. Ele leu A Revolução dos Bichos de George Orwell. “A princípio pensei: ‘Estes não são porcos russos, são porcos de Berkshire’. Então percebi que era sobre as pessoas no Kremlin. Eles proibiram o livro dentro da União Soviética porque se reconheceram.”

"A Revolução dos Bichos" e "1984", clássicos de George Orwell.

Ele leu 1984. “Orwell nunca foi comunista, mas foi próximo deles. Ele entendeu que o estado totalitário tem que ser assim. Ele nunca visitou a URSS, mas percebeu tudo melhor do que qualquer um poderia imaginar”, diz Suvorov. Ele diz que sua esposa - filha de um oficial de inteligência - concordou em desertar com ele. Eles estão casados há 47 anos. “É uma conquista”, diz ele.

De sua nova casa no Reino Unido, Suvorov escreveu um dos livros mais influentes da era da perestroika, Icebreaker (Quebra-gelo). Quando foi publicado em 1988, seu argumento era herético: que Stalin havia planejado secretamente uma ofensiva contra a Alemanha de Hitler e teria invadido em setembro de 1941, ou o mais tardar em 1942. Stalin, escreveu ele, queria que Hitler destruísse a democracia na Europa, na forma de um quebra-gelo, abrindo caminho para o comunismo mundial. O livro minou a ideia de que a URSS era uma parte inocente, arrastada para a segunda guerra mundial. Os liberais russos apoiaram a tese de Suvorov; agora tem ampla aceitação entre os historiadores.

Ao todo, os livros de Suvorov foram publicados em 27 idiomas. Seu primeiro livro, The Liberators (Os Libertadores), foi um relato pessoal vívido da vida no exército soviético, e suas cartilhas sobre a inteligência militar soviética tornaram-se textos convencionais. Em uma entrevista anterior, ele apontou que existe uma tradição na literatura russa de oficiais militares transformarem suas experiências em livros - Tolstoi, Lermontov e Solzhenitsyn. Suvorov não se classifica entre esses grandes nomes, mas observa que a guerra oferece um rico material. “Há uma sensação de romance na batalha”, diz ele.

Pós-Skripal, ele escreveu um novo livro sobre o GRU, atualmente sendo traduzido do russo para o inglês e com publicação programada para o próximo ano. Ele diz que seus treinadores na academia GRU em Moscou nunca mencionaram explicitamente novichok para ele; a URSS desenvolveu o poderoso agente nervoso na década de 1970 e parece ser uma das muitas substâncias letais à disposição do GRU. Mas seus instrutores deixaram claro que, “de vez em quando”, o GRU tem que eliminar seus inimigos. Disseram-lhe: “Quando você fizer essa operação, um especialista irá encontrá-lo. Ele explicará pessoalmente como fazer.” O GRU tem sua própria diretoria de produtos químicos, diz ele.

Kontrol (Controle, 1994).
O primeiro de uma trilogia de sucesso sobre o período stalinista.

Além da tentativa de assassinato em Salisbury, o Kremlin interferiu na política britânica ao ajudar na votação do Brexit? Suvorov admite que não tem informações privilegiadas aqui, mas, com base em seu conhecimento dos métodos de Moscou, ele acha que era uma oportunidade: "Se houver qualquer tipo de problema interno no campo de seu inimigo, tente explorá-lo."

Apesar de nossa atual turbulência política, ele continua sendo um admirador da Grã-Bretanha, descrevendo-a como um lugar de grande “imaginação criativa”. E quanto a seus espiões? Ele se recusa a dizer muito sobre o MI6, a organização que o levou para uma nova vida, exceto que está cheio de pessoas “inteligentes” e “profissionais”.

Box da trilogia Controle (Контроль / Kontrol, 1995), Escolha (Выбор /Vybor, 2005) e Comedor de cobras (Змиеядеца /Zmiyeyadetsa, 2010). A trilogia foi cotada para uma adaptação no cinema.

Conheci muitos russos que vivem no exílio. Eles incluem desertores da KGB querendo ajuda com suas memórias, oligarcas que brigaram com Putin e oponentes políticos do regime em Moscou. Alguns se adaptam ao exílio; outros não. Suvorov é, sem dúvida, o mais feliz que encontrei. Ele ainda está em um casamento amoroso. Seus filhos adultos são inteligentes e bem-sucedidos, diz ele, e ele tem dois netos.

Ainda há toda a possibilidade do GRU tentar matá-lo, diz ele. Isso apesar do fato de que seus livros têm - até certo ponto - lisonjeado o GRU e servido como um anúncio de suas atividades subterrâneas. “Eles vão me perdoar? Não. Não é uma questão de saber se eles gostam ou não de mim. É um exemplo para todos os outros. Sim, você pode escapar. Sim, eles gostam dos seus livros. Mas eles vão se lembrar de você, sempre.”

Antes de apertarmos as mãos e seguirmos nossos caminhos separados, faço a Suvorov uma pergunta final e delicada. Não quero revelar o endereço da sua casa - não sei - mas onde devo dizer que ele mora? Suvorov ri novamente. “Diga Inglaterra. Ou talvez no País de Gales. Ou talvez Grã-Bretanha.”

Vídeo recomendado:


Bibliografia recomendada:

A KGB e a Desinformação Soviética: A visão de um agente interno,
Ladislav Bittman.

Leitura recomendada:









terça-feira, 18 de maio de 2021

Um oficial comandante da Força Espacial foi demitido por conta de comentários condenando o marxismo nas Forças Armadas


Por Oriana Pawlyk, Military.com, 15 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de maio de 2021.

Oficial comandante da Força Espacial, que recebeu um telefonema de férias de Trump, foi demitido por causa de comentários criticando o marxismo nas forças armadas americanas.

Um comandante de uma unidade da Força Espacial dos EUA encarregada de detectar lançamentos de mísseis balísticos foi demitido por comentários feitos durante um podcast promovendo seu novo livro, que afirma que as ideologias marxistas estão se tornando prevalentes nas forças armadas dos Estados Unidos.

O Tenente-Coronel Matthew Lohmeier, comandante do 11º Esquadrão de Alerta Espacial (11th Space Warning Squadronna Base Aérea de Buckley, Colorado, foi dispensado de seu cargo na sexta-feira pelo Tenente-General Stephen Whiting, chefe do Comando de Operações Espaciais, devido à perda de confiança em sua capacidade de liderar, a Military.com soube com exclusividade.

"Esta decisão foi baseada em comentários públicos feitos pelo Tenente-Coronel Lohmeier em um podcast recente", disse um porta-voz da Força Espacial por e-mail. "O Tenente-General Whiting iniciou uma Investigação Dirigida pelo Comando sobre se esses comentários constituíam atividade política partidária proibida."

A atribuição temporária de Lohmeier após sua remoção não ficou imediatamente clara.

Nesta foto de arquivo de 22 de julho de 2015, o então Capitão Matthew Lohmeier, chefe do Bloco 10 de Treinamento do 460º Grupo de Operações, e o seu livro "Revolução Irresistível".

No início deste mês, Lohmeier, um ex-instrutor e piloto de caça que foi transferido para a Força Espacial, publicou por conta própria um livro intitulado "Revolução irresistível: o objetivo de conquista do marxismo e o desmantelamento das Forças Armadas americanas" (Irresistible Revolution: Marxism's Goal of Conquest & the Unmaking of the American Military).

“Revolução irresistível é uma contribuição oportuna e ousada de um tenente-coronel da Força Espacial na ativa que vê o impacto de uma agenda neomarxista no nível de base dentro de nossas forças armadas”, diz uma descrição do livro.

Lohmeier sentou-se na semana passada com L. Todd Wood do podcast "Information Operation", apresentado pela Creative Destruction, ou CD, Media, para promover o livro. Ele falou sobre as instituições americanas, incluindo universidades, mídia e agências federais, incluindo forças armadas, que, segundo ele, estão adotando cada vez mais práticas esquerdistas. Essas práticas - como o treinamento de diversidade e inclusão - são a causa sistêmica do clima de divisão nos Estados Unidos hoje, disse ele.

De sua perspectiva como comandante, Lohmeier disse que não procurou criticar nenhum líder sênior em particular ou identificar publicamente as tropas dentro do livro. Em vez disso, disse ele, ele se concentrou nas políticas que os membros do serviço agora precisam aderir para se alinhar com certas agendas "que agora estão afetando nossa cultura".

Em relação ao Secretário de Defesa Lloyd Austin, ele disse: "Eu não demonizo o homem, mas quero deixar claro para ele e para todos os militares que essa agenda [diversidade e inclusão] nos dividirá, não nos unirá."

Austin, em 5 de fevereiro, ordenou que todos os serviços militares observassem a dispensa de um dia contra o extremismo nas fileiras. Como parte de sua resistência, Lohmeier disse, ele recebeu um livreto que citava o motim de 6 de janeiro no Capitólio como um exemplo de extremismo, mas não mencionava a desobediência civil e a destruição de propriedade que ocorreram após a morte de George Floyd, um homem negro, nas mãos de um policial branco em Minneapolis em maio passado.

Ele também discordou do "porta-voz do Pentágono", parecendo aludir ao secretário de imprensa, John Kirby. Lohmeier afirmou que Kirby disse que "há pilotos brancos demais", em meio a uma escassez cada vez maior de pilotos.

“Se você deseja fornecer esse tipo de mensagem para sua força de pilotos, que já está sofrendo, já pode esperar mais problemas de retenção”, disse ele.

Em um comunicado na sexta-feira, Kirby negou ter dito tal coisa sobre um excedente de pilotos brancos e apontou para os comentários de Austin feitos na semana passada durante sua primeira coletiva de imprensa sobre a importância de programas de maior diversidade.

“Este departamento tem uma porta aberta para qualquer americano qualificado que queira servir”, disse o secretário de defesa em 6 de maio. “A diversidade em toda a força é uma fonte de força. Não podemos nos dar ao luxo de nos privar dos talentos e das vozes de toda a extensão de uma nação que defendemos."

Lohmeier disse ao Military.com que consultou a assessoria jurídica e de relações públicas de sua base sobre seus planos de publicar um livro e seu conteúdo.

"Fui informado da opção de ter meu livro revisado na pré-publicação e revisão de segurança do Pentágono antes do lançamento, mas também fui informado de que não era necessário", disse Lohmeier por e-mail.

"Minha intenção nunca foi me engajar em política partidária. Escrevi um livro sobre uma ideologia política específica (marxismo) na esperança de que nosso Departamento de Defesa possa voltar a ser politicamente não-partidário no futuro, como tem feito honrosamente ao longo da história," ele disse.

O livro está disponível na Amazon, no website de Lohmeier e na Barnes & Noble.

O livro classificou-se em segundo lugar na seção "Política Militar" da Amazon nesta semana.

Bestseller, primeiro colocado em 17 de maio.

Promovendo seu livro enquanto na ativa

Antes de ser transferido para operações espaciais, especificamente alerta de mísseis baseados no espaço, Lohmeier passou mais de 14 anos na Força Aérea. Sua carreira na Força Aérea incluiu o treinamento de piloto instrutor no jato T-38 Talon e tempo de vôo no F-15C Eagle, de acordo com informações biográficas listadas na capa de seu livro. Ele se formou na Academia da Força Aérea em 2006.

Ele mudou-se para a Força Espacial em outubro de 2020. No mês seguinte, o então presidente Donald Trump chamou Lohmeier e outros membros da Força Espacial para o primeiro feriado de Ação de Graças da força.

Lohmeier disse a Wood, o apresentador do podcast, que os capítulos iniciais de seu livro exploram a história e os fundamentos dos Estados Unidos e como a teoria racial crítica - um estudo de como raça e racismo impactam ou são impactados por instituições e estruturas de poder social e econômico -- desempenha um papel.

"A indústria de diversidade, inclusão e equidade e os treinamentos que estamos recebendo nas forças armadas... estão enraizados na teoria racial crítica, que está enraizada no marxismo", disse Lohmeier, acrescentando que isso deve ser visto como um sinal de alerta.

No segmento, Lohmeier disse que seu livro não é político e tem como objetivo alertar os leitores sobre a crescente politização das forças armadas de hoje, algumas das quais ele disse ter visto ou experimentado em primeira mão.

Existem políticas do Departamento de Defesa que explicam todas as nuances do que fazer e não fazer em torno da política ou do discurso político para membros do serviço ativo, disse Jim Golby, um membro sênior do Clements Center for National Security da Universidade do Texas em Austin que se especializou nas relações civis-militares e na estratégia militar.

Para um trabalho publicado pelo próprio, as políticas que podem ser aplicadas incluem a Diretiva 1344.10 do DoD e as diretrizes associadas que discutem a atividade política uniformizada. De acordo com os padrões dos serviços, o pessoal pode expressar suas opiniões livremente, mas ainda assim espera-se que defendam os valores essenciais de sua força, tanto dentro quanto fora de serviço.

"Esses são bastante amplos e não impediriam a publicação, mas podem impor algumas pequenas limitações ao conteúdo", disse Golby na sexta-feira. Além disso, as políticas associadas à autorização de segurança de um militar ou acesso relacionado à política geralmente são cobertas por um Acordo de Não-Divulgação (Non-Disclosure Agreement, NDA) ou um acordo de leitura de autorização, disse Golby.

O Escritório de Defesa de Revisão de Pré-Publicação e Segurança, por exemplo, exige que todos os militares atuais, antigos e aposentados do Departamento de Defesa, funcionários contratados e membros do serviço militar - sejam ativos ou da reserva - que tenham acesso a informações do DoD, instalações ou quem assinou um NDA para "enviar informações do DoD destinadas ao público ao escritório apropriado para revisão e liberação."

As informações do DoD podem incluir "qualquer trabalho relacionado a questões militares, questões de segurança nacional ou assuntos de preocupação significativa para o Departamento de Defesa em geral, incluindo romances fictícios, histórias e relatos biográficos de desdobramentos operacionais e experiências de guerra", de acordo com o escritório.


Assuntos relacionados a atividades de passatempo, como culinária, esportes, jardinagem, artesanato, arte, provavelmente não serão revisados antes da publicação, uma vez que não estão associados ao trabalho de um autor com o Pentágono.

Ainda assim, "a linha sobre o que é um 'assunto militar' ou 'assunto de preocupação significativa' não é totalmente clara e provavelmente só entrará em ação se alguém estiver discutindo experiências pessoais nas forças armadas e não pesquisas externas ou opiniões políticas pessoais", Golby acrescentou. "E, novamente, isso está relacionado principalmente a posições confidenciais em que você tem acesso a informações classificadas ou confidenciais."

"Não temos mais voz"

Enquanto major, Lohmeier frequentou a Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica, onde publicou "The Better Mind of Space". O artigo explora o papel das forças armadas americanas no espaço, além da órbita geossíncrona da Terra.

No podcast "Information Operation", Lohmeier disse que seu fascínio pelo marxismo começou depois disso, quando estava cursando o segundo mestrado em filosofia em estratégia militar na Escola de Estudos Aéreos e Espaciais Avançados da Air University.

"Todas as minhas interações com líderes seniores na Força Aérea e na Força Espacial foram muito positivas; eles se preocupam muito com seu pessoal [e] a letalidade da força", disse Lohmeier durante a entrevista de 34 minutos.

No entanto, os líderes podem ter medo de que, se não embarcarem no treinamento de diversidade, enfrentem escrutínio "ou não sejam promovidos", disse ele, acrescentando que as ideias liberais são bem-vindas, enquanto as ideias de vozes mais conservadoras são criticadas ou silenciadas.

Lohmeier aconselhou qualquer novo militar, de alistado a oficial, a rejeitar a teoria racial crítica se a virem sendo ensinada nas fileiras, porque também é uma forma de extremismo pelas definições delineadas na Instrução do DoD 1325.06, "Manipulando atividades dissidentes e de protesto entre membros das Forças Armadas."

Golby, um veterano do Exército, disse que o conselho de Lohmeier aos baixos postos potencialmente mina a boa ordem e disciplina, ou as políticas do DoD voltadas para a diversidade e inclusão. "Ou talvez ambos", disse ele.

Lohmeier disse a Wood que recebeu muitas mensagens de apoio de militares da ativa no lançamento do livro.

"[Eles estão dizendo], 'Obrigado, obrigado, obrigado por se manifestar - porque não temos mais voz'", disse ele.


Bibliografia recomendada:


Leitura recomendada:



Os amantes cruéis da humanidade5 de agosto de 2020.