Mostrando postagens com marcador Subversão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Subversão. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 10 de março de 2022

VDV: A polícia de choque glorificada da Rússia


Por Kamil GaleevTwitter, 10 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de março de 2022.

Resumo: Os paraquedistas de "elite" são policiais de choque glorificados. Eles foram usados como tropas aerotransportadas apenas na Hungria em 1956 e na Tchecoslováquia em 1968. Na Ucrânia em 2022 eles esperavam desbaratar um motim, mas enfrentaram um exército regular e foram destruídos.

Como vai a guerra na Ucrânia? Hoje eles confirmaram a morte do major-general russo Suhovetsky. Ele é sem surpresa um paraquedista. Então, vamos discutir o papel dos paraquedistas na doutrina militar russa. Isso lançará uma luz sobre o curso desta guerra e por que a Rússia a perdeu.🧵

Major-General Andrei Sukhovetskiy.

Os paraquedistas têm um status mais lendário do que qualquer outra tropa na Rússia. Eles são uma força de elite que compõem a Reserva do Alto Comando Supremo. Eles devem liderar a ofensiva, sendo lançados atrás das linhas inimigas e mantendo o terreno antes que o resto do exército chegue.


Exceto que eles não são usados dessa maneira. Se você olhar para esta foto você vai entender o porquê. É muito fácil atirar em todos eles no ar antes que eles atinjam o chão. É por isso que em praticamente todos os conflitos - Afeganistão, Karabakh, Geórgia, Chechênia - eles foram usados como infantaria regular.

Desde a Segunda Guerra Mundial, houve apenas três casos em que os paraquedistas russos foram lançados sobre o inimigo pelo ar:

  • Hungria, 1956
  • Tchecoslováquia, 1968
  • Ucrânia, 2022

Portanto, os paraquedistas agem como paraquedistas apenas quando não esperam resistência de outro exército regular.


Os paraquedistas não são tão fortes. O poder de fogo de um regimento de paraquedistas de "elite" é muito mais fraco do que o de um regimento de infantaria "não-elite" regular. Eles não podem derrotar um exército. Mas eles não deveriam lutar contra um exército. Eles devem suprimir motins e rebeliões.


Todo o conceito dos paraquedistas russos do VDV faz todo o sentido se considerarmos que eles não são tanto soldados quanto a polícia de choque. Eles não precisam lutar contra outros exércitos regulares, eles precisam reprimir motins e protestos desorganizados.


Como os paraquedistas são as tropas de choque do regime, eles precisam parecer assustadores para assustar qualquer amotinado. Todo o seu status lendário é uma enorme Psyop (operação psicológica). Isso não é segredo, forças muito bem treinadas como as do GRU consideram esses caras fraudadores.



Por esta razão, os paraquedistas absolutamente precisam ser muito altos. A aptidão física não é suficiente, você precisa ser muito grande. Por quê? Porque eles precisam ser assustadores. Porque seu armamento principal é puramente psicológico. As pessoas deveriam ver esses caras grandes e perceber que a resistência não tem sentido.

Daí todo o status "lendário", mitologia e iconografia bem desenvolvidas. Não há outras tropas com simbologia tão desenvolvida tais como os paraquedistas. Considere este exemplo onde Elias, o Profeta, recebe uma boina de paraquedista azul.


Toneladas de músicas, visuais, etc. são dedicados aos paraquedistas, mais do que a qualquer outra tropa. Por quê? Novamente, porque VDV são tropas psyop e são impotentes sem uma mitologia completamente desenvolvida. Assim, o governo investe fortemente na construção dessa mitologia.


2 de agosto é o dia do VDV. Então, todos os anos, ex-paraquedistas (ou quem decidiu usar a camiseta e a boina azul claras) pulam nas fontes públicas.


... assediar civis.


... e a polícia. Pessoas comuns (ou soldados) receberiam longas penas de prisão por espancarem os policiais. Mas não os paraquedistas. Eles são tropas de choque do regime e o regime vai manter seu status de fodão. Eles são tão fodas porque eles têm total apoio do Estado.


É por isso que os paraquedistas de "elite" compõem a Reserva do Alto Comando Supremo. Não é uma reserva para uma grande guerra. Não. É uma reserva para reprimir motins na Rússia ou em países vizinhos. E isso é feito em grande parte através de psyops. Assim, eles trabalham duro para parecerem assustadores.


Quando a Rússia decidiu reprimir a insurreição no Cazaquistão no ano passado, enviou para lá sua glorificada polícia de choque - os paraquedistas. Vê as listras azuis claras em seus coletes? Apenas o VDV as usa.


Sejamos honestos, o Kremlin vê a Ucrânia como uma província rebelde. A própria existência deste país é um motim. E se você precisa reprimir um motim, você manda a polícia de choque. Então Putin enviou paraquedistas e eles foram completamente desbaratados; porque eles não esperavam uma resistência organizada.

Os paraquedistas russos foram usados como paraquedistas apenas durante a repressão da "revolta fascista" na Hungria em 1956 e na Tchecoslováquia em 1968. Por quê? Porque eles sabiam que não iriam enfrentar outro exército regular lá. Para que eles possam desencadear seu psyop sem temer as consequências.


Quando Putin invadiu a Ucrânia, ele pensou que estava reprimindo mais um motim no Leste Europeu. E enviou sua tropa de choque esperando que o exército ucraniano fugisse ou se rendesse. Mas isso não aconteceu. E uma vez que isso não aconteceu, toda a sua operação especial modelada no Redemoinho de 1956 ou o Danúbio de 1968 falhou.

Os paraquedistas deveriam assumir o controle das principais cidades e aglomerações logísticas, para que a ocupação do país pelo exército ocorresse sem problemas. Mas o exército ucraniano abriu fogo e eles falharam. E depois desse fracasso inicial, todo o plano foi quebrado.


O exemplo mais dramático desse fracasso foram os veículos russos presos na lama do início da primavera. Você vê que eles estão tentando colocar troncos de árvores sob suas rodas para desatolá-os. Parece bom, não funciona.


Putin esperava que o exército ucraniano se rendesse. Inesperadamente, não apenas o exército, mas até mesmo civis comuns a quem o governo deu armas começaram a atacar as linhas de suprimentos russas. A Rússia não planejou a guerra e simplesmente avançou com apenas um escalão do exército, então as linhas de suprimentos ficaram desprotegidas.
Como resultado, as colunas que avançaram ficaram sem combustível e simplesmente ficaram atolados nas estradas e nos campos. Essa é a explicação mais plausível para esta coluna russa simplesmente ficar em campo e ser filmada por civis.

A Blitzkrieg de Putin falhou porque não era uma Blitzkrieg. Blitzkrieg é uma operação de guerra contra um inimigo que luta. Mas a Rússia lançou uma operação especial esperando que os ucranianos se rendessem. É por isso que eles enviaram sua polícia de choque glorificada. Claro, eles foram batidos.


Eles enviaram apenas um escalão de tropas por terra. Eles queriam ocupar um país indefeso e não se importaram em cobrir suas linhas de abastecimento. Claro que eles foram cortados e agora milhares de veículos russos estão atolados sem combustível.

O plano de Putin falhou e é por isso que ele começou a escalar a violência. Aqui você vê um dormitório estudantil da universidade de Kharkiv após um bombardeio russo.

Ou bairros residenciais de Kiev.

A única questão é se os ucranianos serão capazes de se manter firmes até o iminente colapso econômico da Rússia. Vai acontecer muito mais cedo do que a maioria espera, vou escrever sobre isso amanhã de uma forma mais detalhada. De qualquer forma, o plano de Putin de uma operação especial falhou.

Ela falhou por dois motivos. Em primeiro lugar, depois de 2014, os ucranianos reconstruíram seu exército e seu Estado para o confronto iminente com a Rússia. Em segundo lugar, quando a Rússia finalmente atacou, os ucranianos não se caíram numa psyop vazia e não ficaram com medo. E se você não tem medo, psyop não funciona. Fim do tópico.🧵

quarta-feira, 2 de março de 2022

COMENTÁRIO: O Brasil não pode virar a Ucrânia amanhã

Soldados ucranianos em meio à destruição durante confronto com a Rússia.

Por Jorge Serrão, Jovem Pan News, 28 de fevereiro de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 2 de março de 2022.

É fundamental iniciar um debate público sério sobre o emprego da energia nuclear, inclusive para fins militares na defesa do país; nação que não tem poder real de dissuasão fica sujeita à invasão.

Tempos esquisitos. Só se fala de “guerra”. A invasão da Ucrânia pela Rússia “rouba” a atenção. De repente, igual ao que aconteceu com a Covid, surgem “especialistas” por todos os lados. Muita bobagem veiculada na mídia tradicional e muita besteira circulando nas redes sociais. Sorte que algumas análises certeiras prevalecem. Uma delas, bem resumida, foi postada pelo General de Exército na reserva Maynard Marques de Santa Rosa, ex-Secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (gestão Jair Bolsonaro):

“Estamos assistindo ao colapso da Ucrânia e à  impotência ocidental. A truculência russa mostra que o mundo mudou. Formam-se, no mínimo, dois blocos de poder: o Ocidente (em declínio) e o Euroasiático. O vácuo que surge é uma grande oportunidade para o Brasil.”

No alvo. Estrategistas têm obrigação de compreender a dimensão do verdadeiro conflito global em andamento. A real disputa hegemônica é entre a visão e prática da Economia Planificada (cujos expoentes são a China e a Rússia) versus a Economia de Mercado (Estados Unidos e países desenvolvidos da Europa). No meio dessa batalha global (ou globalitária), como ferramenta de ilusionismo, aparecem as disputas ideológicas. Tudo jogo de aparência para desviar a real razão da disputa de poder: a conquista e manutenção da hegemonia política/econômica. Nações que têm soberania plena (leia-se, bomba atômica) conseguem fazer qualquer ameaça ou bravata em tempos beligerantes. O resto assiste bestificado, sofre diretamente ou, pior, paga a conta dos conflitos e guerras intermináveis. A indústria bélica lucra descaradamente. O paradoxo: a economia entra em pleno emprego de fatores. Aí surgem as “oportunidades”.

Muitos conflitos e guerras vão estourar em diferentes partes do Planeta Terra. Os brasileiros precisam agir com cautela diante de uma grande corrida armamentista que começa a virar realidade. O Brasil precisa acordar para um debate sobre o emprego da energia nuclear. O assunto não pode ser tabu, por imposição dos globalistas ou por omissão da classe política brasileira. É relevante ressaltar que nenhum país sem “bomba atômica” está livre de sofrer “intervenções” (ou invasões) das nações com poder de ação e dissuasão nuclear. Vale recordar que, em 2021, a ONU liderou uma verdadeira cruzada contra a soberania do Brasil na Amazônia. Foi colocada em votação uma resolução internacional sobre a região – que seria, na prática, “internacionalizada”. Curiosamente, foi o poder de veto da Rússia no Conselho de Segurança que livrou o Brasil dessa investida globalista. Daí se consegue entender, agora, que o governo federal tenha declarado a “neutralidade” do Brasil no conflito Rússia x Ucrânia.


O Brasil não pode ser uma Ucrânia amanhã. Historicamente, temos problemas estruturais. O problema essencial é que não conseguimos formular um Projeto Estratégico de Nação. Parecemos um eterno Titanic, que uma hora vai afundar, mas que tem uma boia mágica que atrasa o desastre inevitável. Na realidade, somos uma rica colônia de exploração, mantida artificial e metodicamente na miséria dependente. Não podemos nos resumir ao papel de exportador de commodities [recursos primários]. Não merecemos sobreviver reféns ou sob controle de uma oligarquia feudal, promotora do regime do Crime Institucionalizado, se locupletando das benesses estatais (dinheiro dos pagadores de impostos). Felizmente, a maioria da população, que sempre se mostrou impotente, agora começa a esboçar ações e reações para conquistar soberania.

Por isso, é fundamental que todos compreendam que temos “guerras” a resolver aqui, no “Togaquistão”. Nosso inimigo local e real é a Cleptocracia, seu Mecanismo e sua Juristocracia. Tudo com influência direta do Narconegócio. No momento, alimentar polêmicas inúteis e equivocadas sobre o conflito da Ucrânia apenas nos tira do foco da nossa complexa briga interna. O voto certeiro será fundamental para o começo da recuperação do equilíbrio institucional no Brasil. Enquanto não houver recuperação do “poder-de-fogo” e identidade do cidadão, não tem solução. Povo sem voz, sem identidade, não tem vez. Ou cuidamos do nosso pedaço, com soberania, ou não temos nada de concreto. É Pátria Honesta e Soberana, ou seremos escravos globalitários. Pense nisso.

Bibliografia recomendada:

A Farsa Ianomami.
Carlos Alberto Lima Menna Barreto.

Leitura recomendada:

COMENTÁRIO: Pseudopotência, 1º de julho de 2020.

A geopolítica do Brasil entre potência e influência13 de janeiro de 2020.

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

COMENTÁRIO: Sobre o sentimento anti-francês no Sahel


Por Rahmane Idrissa, La Gazette Perpendiculaire, 22 de novembro de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 11 de janeiro de 2022.

Chego a Niamey em uma atmosfera de fúria anti-francesa pan-saheliana que inundou as redes sociais graças aos bloqueios impostos ao avanço de um comboio militar francês pelas massas burquinenses animadas por encontrar um alvo odiado, mas inofensivo à sua indignação contra a situação de opressão violenta (por parte de grupos armados jihadistas) a que está sujeita grande parte do seu país. Há uma opinião generalizada entre a população de que os militares franceses só chegam às zonas de guerra para distribuir armas aos jihadistas.

Essa ideia é convincente porque não se baseia em fatos, mas em sentimentos, e os sentimentos, infelizmente, não são contrariados por evidências factuais. Trata-se, neste caso, de uma mitificação da maldade diabólica da França que trabalha a imaginação saheliana em todos os níveis, desde os intelectuais e outros personagens cultos até o camponês sentado em sua cabana, mas que, graças ao seu smartphone, recebe diariamente discursos alucinados sobre esse tema, propagado em um loop por indivíduos que encontraram uma vocação fácil no French bashing.

Como o jornalista Antoine Glaser me disse em uma entrevista recente em Paris, os jihadistas já venceram. Referia-se ao fato de que a insegurança, ainda maior para o Ocidente do que para os locais, levou à sua saída da região, nomeadamente ao nível dos laços humanos tecidos, à margem do grande Estado e das máquinas multilaterais, por pequenas ONGs, por pessoas generosas ou pessoas apaixonadas pela África, destinos aparentemente excêntricos dedicados a trabalhar obscuramente em uma campanha esquecido.


Mas a outra vitória dos jihadistas é certamente o fortalecimento e a histerização do sentimento anti-francês, um fenômeno antigo que não é sem justificativa, é claro, mas que, ao lado de aspectos de reação saudável, também revela patologias morais e intelectuais que, a longo prazo, são perigosos para o próprio Sahel.

Há alguns pontos importantes para entender aqui.

Sempre houve um forte sentimento anti-francês no Sahel e na África francófona em geral, decorrente naturalmente da dominação colonial. Nas últimas décadas, esse sentimento elevou-se para o ódio entre alguns, mas foi, na maioria, contrabalançado por uma espécie de francofilia morna advinda da influência cultural francesa impregnada pela escolarização ou simplesmente pelos "elos históricos" forjados pela colonização. Todos os nascidos antes de 1990 nos países do Sahel já ouviram falar, ou puderam evocar, a França com esta frase que sempre me surpreendeu um pouco: A pátria mãe.

O sentimento anti-francês da época não se explica apenas pelo passado colonial, mas pelo fato da França, ao contrário da Grã-Bretanha, ter estabelecido em 1958, sob a égide do General de Gaulle, uma política neocolonial na África subsaariana, uma política que é um subproduto da política de grandeza preconizada pelo general e praticamente inscrita no DNA da 5ª República.


Essa política neocolonial tinha muitas facetas, nem todas tão terríveis quanto imaginavam seus críticos - especialmente os africanos. No entanto, ela estava sufocando, seja pelo bem que queria fazer (por exemplo, financiar a vida cultural, apoiar a educação por meio de assistência técnica e bolsas de cooperação e outras obrigações benevolentes) ou pela defesa egoísta de certos interesses estratégicos ou táticos.

Acima de tudo, pressionou a França a rotinizar as intervenções militares em seu “quintal” africano. Desde 1964, quando a França restabeleceu à força Léon Mba em Libreville até a Operação Barkhane, calcula-se que a França interveio na África uma vez a cada quinze meses, sem contar as intervenções clandestinas e outros golpes de trabalho implementados com a ajuda de mercenários ou em conluio com regimes deploráveis ​​(o famoso eixo Rabat-Abidjan-Pretória).

Essas operações faziam parte do quadro neocolonial conhecido como Françafrique, pois visavam proteger os interesses estratégicos (incluindo o prestígio) da França, muitas vezes contra projetos políticos que mereciam apoio e não oposição. Isso, de qualquer forma, construiu uma imagem de uma hiperpotência diabólica da França que alimenta dois instintos entre os africanos: ou uma espécie de submissão sem energia a que se pensa não poder resistir (que, consequentemente, alimenta o desprezo divertido e a condescendência colonial do lado francês), ou uma hostilidade odiosa que vai para o outro extremo.

Mas a política de grandeza da França, bem como o neocolonialismo ligado a ela, há muito deixaram de ser viáveis ​​- e a Operação Barkhane é o primeiro ato de sua morte, embora os africanos e, em todo caso, a opinião pública saheliana, absolutamente não percebam isso.

A política de grandeza da França na África obedeceu a dois imperativos aparentemente contraditórios: participar do esforço americano da Guerra Fria e da contenção do comunismo (o que ficou especialmente evidente durante os anos 1960-70), e garantir a autonomia da França vis-à-vis os Estados Unidos, por exemplo, controlando o voto africano francófono nas Nações Unidas e, de forma mais geral, preservando uma capacidade de ação independente da supervisão americana sobre "o mundo livre". Estes são os princípios do Gaullismo, que estão na origem da 5ª República.

Mas tudo isso entrou em crise nas décadas de 1980 e 1990. Durante a década de 1980, os problemas econômicos da França levaram-na gradualmente a reduzir o alcance da sua política externa e, em particular, sua política africana. Por exemplo, a cooperação bilateral, aliás conduzida sem entusiasmo precisamente onde a necessidade era maior - os países do Sahel, para os quais os franceses nutriram um profundo pessimismo econômico desde os tempos coloniais - deu lugar ao "multilateral", isto é, a supervisão das instituições financeiras internacionais quando a crise da dívida atingiu os países francófonos na década de 1980, a França se viu incapaz de fornecer a assistência esperada nos termos implícitos do pacto neocolonial.


No início dos anos 1990, o fim da Guerra Fria também pôs fim a uma das funções do poder francês na África, a de policial do mundo livre. Os Estados Unidos foram capazes de pressionar pela democratização e pela promoção dos direitos humanos, e a França teve que seguir o exemplo, como mostra o famoso discurso de La Baule. Mas na África francófona, como em outros lugares, a conjunção entre a democratização no nível político e o ajuste estrutural político no nível econômico foi explosiva para dizer o mínimo. Com efeito, isso significava que as demandas e pressões populares sobre o Estado se multiplicavam com o surgimento de uma sociedade civil multifacetada ao mesmo tempo em que o campo de ação do Estado se estreitava drasticamente. Economicamente, nem a França nem outros países ocidentais apoiaram a democratização, por exemplo, por meio de planos de investimento em desenvolvimento ou cancelamento da dívida.

Pelo contrário: a recessão devido à crise fiscal que levou a uma sobrevalorização do franco CFA, a França cedeu em 1993 à pressão do FMI para uma desvalorização draconiana da moeda CFA, apesar do impacto social e psicopolítico duma tal decisão. A desvalorização ocorreu em 1994, ano que acabou sendo o annus horribilis do poder francês na África. De fato, foi também durante este ano que Ruanda explodiu nas mãos de uma França que se fazia de aprendiz de feiticeiro com sentimentos de ódio sócio-étnico de extrema revolta. O relatório sobre a política de François Mitterrand encomendado por Macron fala sobre este tema de uma "derrota do pensamento" e de um "colapso intelectual", sublinhando até que ponto um Estado - ou em todo o caso o seu componente central, o Palácio do Eliseu - que acreditava ele sabia tão bem que o continente negro havia se desviado para o erro fatal e a falta trágica.

Essa derrota foi a da política neocolonial e, subjacente a ela, da política de grandeza. François Mitterrand foi um político que serviu como ministro numa época em que a França ainda tinha colônias na África, e sua intervenção em Ruanda, que começou como uma promoção da democracia - seguindo o slogan americano - adotou uma linha mais sombria depois que ele se convenceu de que as potências anglo-saxônicas estavam tentando infligir um golpe de Fashoda na França em Ruanda. Enquanto o fim da Guerra Fria havia tornado impertinente para o lado anticomunista da política neocolonial, Ruanda pôs fim ao outro lado, a defesa da autonomia face os americanos.


Depois de 1994, a política neocolonial na África não se justificava, exceto pelo fato de que o que foi posto em prática perdurará pelo simples fato do conatus (da vontade de perseverar no próprio ser) até que tenha sido deliberadamente desmontado.

Tal medida é possível, embora as estruturas da 5ª República, em particular a autonomia do Palácio do Eliseu no campo da política externa, pareçam opor-se a ela. Afinal, olhando mais de perto, essa autonomia eliseana é um costume e não uma regra constitucional. As intervenções francesas na África pós-1994 já não faziam parte de uma estratégia neocolonial coerente e estruturada. Elas vieram do conatus. Este foi particularmente o caso no Chade e especialmente na Costa do Marfim, em todas as ocasiões em que o peso dos atores africanos (Déby, Ouattara) prevaleceu, através de relações pessoais com os principais chefes decisores do aparelho governamental francês, dentro duma visão política ou meios de ação que a França não mais dispunha.

A Serval e Barkhane são diferentes. Estas duas operações escapam ao conatus neocolonial porque fazem parte das novas prioridades do Estado francês, a construção europeia (em particular o conceito de defesa europeia) e a luta contra o jihadismo que tem perpetrado numerosos assassinatos em massa em solo francês e europeu.

Ao contrário das intervenções neocoloniais, a Serval e Barkhane não foram projetados para derrotar um oponente da França, ou apoiar um amigo da França, ou mesmo preservar interesses estratégicos ameaçados por potências hostis (como China e Rússia). Trata-se de pôr fim a uma violenta militância salafista enquistada no Sahel-Sahara desde o fim da guerra civil argelina e que foi mobilizada a favor do colapso do regime de Kadafi no norte do Mali, ameaçando desestabilizar todo o território da África Ocidental a longo prazo.

Essas operações sublinham tanto os novos limites da atuação francesa na África - que agora precisa do apoio das potências anglo-saxônicas, outrora consideradas meio-rivais -, quanto as novidades características da época. Por exemplo, ao contrário do que aconteceu mais uma vez no caso das intervenções de estilo neocolonial, a França hoje precisa de Estados africanos fortes e exércitos africanos que não são assim, foi o que aconteceu principalmente no Sahel, com exércitos de opereta. Isso decorre de uma convergência de interesses sem precedentes, na frente de segurança, entre a Europa e o Sahel, e especialmente entre a França e suas ex-colônias.

Como resultado, a ascensão do sentimento anti-francês que se transforma em obsessão odiosa na região é uma daquelas tragédias de erros que resultam de uma história terrível e um passado ruim. Como, até 2013, a França nunca interveio militarmente em África, exceto numa perspectiva neocolonial, é lógico considerar que esta enésima intervenção está na mesma linha. Tanto mais que, ao evoluir para uma nova fase de suas relações com a África, a França ainda preserva alguns dos instintos desenvolvidos pelo gaulismo e sua política de grandeza.


Macron, que certa vez disse à revista Le Point que estava assumindo "a grandeza", mantém o estilo frágil e peremptório que deriva daquela era antiga - e que, além disso, os então chefes de Estado em exercício se abstiveram cuidadosamente de adotar. Seus apelos aos Estados do Sahel para fortalecer seus exércitos e controle territorial, embora estejam na direção certa do bom senso, são feitos em tom de dor de acusação e impaciência e criam um processo de empilhamento sobre todo o tempo desperdiçado pela cooperação multilateral em estados debilitantes (em nome dos princípios neoliberais) e reduzir suas capacidades de governo (substituídas por ONGs), um empreendimento que a França teve o cuidado de não denunciar quando atingiu o poder total na década de 1990. No entanto: enquanto os africanos sofreram com uma espécie de resignação impotente às intervenções neocoloniais francesas do passado, eles finalmente se levantam com a petulância de uma matilha no primeiro momento em que, finalmente, uma intervenção francesa é realmente do seu interesse.

Este ponto em particular refere-se, a meu ver, a um constante e crescente distanciamento cultural entre a França e a África francófona que me parece bastante positivo, bem como a uma espécie de fome nacionalista do lado africano que me parece ser o menos preocupante.

Da independência até o final da década de 1980, havia uma forte proximidade cultural entre a França e os francófonos da África, em parte graças à ação cultural do Estado francês, em parte pela simplicidade dos tempos, onde a França era de certa forma o canal obrigatório dos francófonos para uma cultura cosmopolita. Eu conheci bem esse período, cujo período final coincidiu com minha infância e adolescência. Como indicado anteriormente, o sentimento anti-francês já era muito forte naquela época entre aqueles que se definiam como intelectuais engajados, e lembro-me de ter ficado muitas vezes impressionado com seu caráter ideológico, o fato de parecer esgotado na declamação e lamento, sem preocupação realista - isto é, sem considerar a política neocolonial da França como um problema a ser resolvido em nível prático, não como uma espécie de batalha épica e interminável entre o bem e o mal.

Como resultado, fiquei tão desanimado com o neocolonialismo francês quanto com a galofobia de muitos de meus camaradas e seus tutores intelectuais, embora não soubesse exatamente na época por que isso me incomodava.

Não entendi então que ela era apenas um sintoma de outra coisa, e que essa outra coisa era, de fato, pouco simpática.

O mundo começou a mudar na década de 1990. Não só a ação cultural da França, como d'outros países ocidentais, começou a declinar no contexto de entrincheiramentos neoliberais, mas esse novo regime econômico empurrou para a globalização, que começou a oferecer alternativas francófonas à França para acessar uma cultura cosmopolita - e primeiro os Estados Unidos e o Canadá, antes de buscar por outros horizontes. A filha de um amigo meu sonha apenas com Dubai; uma jovem de sua idade em 1995 sonhava com Nova York; em 1980, com Paris.


Os francófonos de 1980, mesmo anti-franceses, entendiam subjetivamente o que estava acontecendo na França; este não é o caso dos de 2021. Por si só, uma certa distância cultural entre a França e os francófonos, ou melhor, uma ausência de intimidade cultural entre os dois é bastante saudável do meu ponto de vista. Tendo em vista as relações de poder de estilo neocolonial que existiam entre a França e seu antigo império africano, havia algo de incestuoso nessa intimidade cultural - embora, de minha parte, eu apreciasse um certo aspecto da influência cultural francesa, seu conteúdo liberal, a substância racionalista, cética e humanista de sua mensagem geral que tinha, pelo menos para mim, cores muito atraentes contrastando com o tufo conservador e retrógrado das culturas africanas circundantes.

Mas precisamente, finalmente me ocorreu que o sentimento anti-francês não se limitava ao anti-neocolonialismo. Também tem a ver com nacionalismo ou, como dizem ultimamente, identidade nacional, algo que costumo ver tão facilmente capaz de cair em formas tóxicas de estupidez, como vemos em outros lugares da extrema-direita francesa. Isso é difícil de ver à primeira vista. O anti-colonialismo é, em princípio, uma coisa boa, e há uma tendência a aprovar qualquer coisa que o alimente - e, além disso, o nacionalismo dos fracos não parece muito perigoso, pelo menos do lado de fora.

Além de alguns franceses afro-amantes (afrófilos), não acho que os franceses estejam tão chocados com as manifestações de ódio e ressentimento que os atingem no Sahel. A maioria a vê de longe ou a aceita como um efeito normal do ressentimento do colonizado. Mas você não pode aceitar o mesmo se for um africano não-nacionalista, como eu. O nacionalismo é um moralismo humanamente perverso que tem, como disse certa vez André Gide, "ódio amplo e amor estreito". Ele surge como um bem absoluto e, portanto, precisa de um mal absoluto para se definir adequadamente. Para Zemmour, o Islã é esse mal absoluto que permite que a França se defina; para os anti-franceses - que parecem ser a maioria no Sahel de hoje - é a França. Uma das primeiras consequências de tal moralismo unificador é a total e definitiva impossibilidade de deliberar e discutir racionalmente, com base factual e pesando os prós e os contras.

Recentemente dei uma aula em Niamey, para a qual criei um exercício de debate. Dividi a turma em vários grupos e fiz uma lista das causas que são comumente atribuídas aos conflitos no Sahel, incluindo a ideia hoje tão difundida na opinião pública saheliana de que agiria fora de um esquema francês. Cada grupo teve que se reunir por cerca de vinte minutos, desenvolver um argumento e apresentá-lo à classe respondendo às críticas e perguntas de seus colegas. Expliquei enfaticamente aos alunos que eles deveriam evitar respostas consensuais e que o grupo que mais me surpreendesse com um argumento bem elaborado ganharia um bônus. Foi para incentivá-los a "pensar fora da caixa", como se diz em inglês. Este foi geralmente um esforço desperdiçado, mas acima de tudo para o grupo que teve que lidar com a "causa" da maquinação francesa. Seguindo a retórica anti-francesa mais aceita, esse grupo argumentou que a guerra do Sahel havia sido conscientemente provocada pela França para explorar "nossos imensos recursos naturais". Isso não me surpreendeu, é claro, mas o que realmente me surpreendeu foi que os outros alunos criticaram esse grupo não por ter dito todas as coisas ruins que pensavam sobre a França, mas por não terem acusado o suficiente!

Vi que estava na presença de um dogma, isto é, do não-pensamento que se apresenta sob a forma de um pensamento, uma espécie de castração do reflexo. Fiquei triste com isso pela França, mas especialmente por nós - porque essas pessoas, e todos aqueles que nutrem sua inclinação dogmática, deveriam ser as elites do Sahel, e essas são elites que, obviamente, em uma questão de urgência vital para o seu povo, não pensam. De alguma forma, a culpa é da França: ela é o diabo que corresponde a todos os nossos problemas e, portanto, dispensa pensar e deliberar.

Outro exemplo: há pouco mais de um ano, eu estava em Ouagadougou com uma professora de direito que eu estava pensando em convidar para uma conferência. Ela me perguntou o que estava acontecendo no Níger. Na época, havia uma espécie de pequeno movimento insurrecional na região de Diffa que denunciou a ditadura do PNDS e atacou especificamente Bazoum Mohamed, então um dos analistas do PNDS, mas sobretudo originário da área. Tentei explicar do que se tratava, mas ela me cortou: “Isso é organizado pela França!" Um pouco pasmo, eu disse a ela, que não, que a França era muito alinhada do regime do PNDS e não tinha motivos para desestabilizá-lo, que na minha opinião tinha a ver com o fato de Bazoum, que era particularmente visado... Ela não me deixou desenrolar minha explicação chata, muito menos excitante para ela do que o diabolismo francês. Eu não podia acreditar: esta senhora não era nigerina, não tinha ouvido falar deste evento antes de eu a informar, mas ela estava convencida, cinco minutos depois de ouvi-lo, que ela o entendia melhor do que eu. A crença é mais forte que o conhecimento.

Lembro-me que o que me frustrou, nos anos da minha primeira justa com os anti-franceses, há muito tempo, era que eu queria discutir com eles soluções práticas para se opor ao neocolonialismo, e eles queriam partir numa cruzada. Insisti prosaicamente nas realidades, e na importância de conhecer as realidades, incluindo as causas endógenas das nossas fraquezas e incapacidades, por exemplo a corrupção, a falta de sentido e preocupação com o Estado, a ausência de visão estratégica, obsessões étnicas onde obsessões são necessárias. Mas a resposta, sempre, era que enquanto a França não fosse derrotada, não se poderia lidar com essas questões - o que eu perguntei, questão de realidade, como se pretendia derrotar a França com todo o seu poder e todas as nossas fraquezas que, ao que parece, não eram prioridade. Nunca houve uma resposta para isso.

(Claro que essas questões são abordadas de forma preocupada e responsável por muitos intelectuais do Sahel, mas nunca realmente de forma a ter o impacto no público que a linha de opinião aqui discutida tem. Não há, na região, intelectuais públicos ou de uma arena pública específica onde esses pontos de vista podem ter um significado quase compensatório).

Ainda hoje, a mesma história. Dada a onda de sentimento anti-francês que agora atinge um vigor popular que não teve, ou que teve antes, todos aqueles que querem existir na praça pública e não querem se envolver com os rigores do pensamento, prova e contraditório, junte-se ao movimento e una-se com unanimidade. Eles uivam com os lobos. O populista não é aquele que lidera o povo, mas aquele que o segue para melhor explorá-lo - e as consequências!


Os Estados do Sahel, que já são instáveis como​​ padrão, estão em processo de desestabilização diante do desafio de massacres e destruição (principalmente de escolas) pelos jihadistas. Em tal situação, aqueles que rejeitam o caminho seguido pelo poder, por exemplo a aliança com a França, não devem se contentar em denunciar esse caminho e exigir a renúncia dos que estão no poder: Eles têm que explicar o que fariam uma vez no comando, que caminho pretendem seguir e como pretendem resolver o problema quando a França for expulsa de campo. Mas a partir disso, nada é ouvido.

As bombásticas conferências urbi et orbi proferidas urbi et orbi por políticos da oposição, "ulemás", acadêmicos até então escondidos em suas torres de marfim, e zelosamente transmitidas pelo WhatsApp, todas e sempre se relacionam com a eterna maldade da França, nunca em soluções práticas ou apresentações estratégicas. E por um bom motivo. Nenhum desses declamadores estudou a situação, perguntou a quem o fez ou quis saber mais. É verdade que certas realidades acabam por prevalecer. Em Burkina, onde a população está delirando com sua galofobia galopante, vozes devem ter se levantado contra a verdadeira razão das decepções do país que não é a França, mas o abandono do exército pelo poder do Estado - já no tempo de Blaise Compaoré, centrado nos generais leais e no Regimento de Segurança Presidencial (Régiment de la Sécurité Présidentielle)e agora no tempo de Roch Marc Christian Kaboré, muito assustado com os riscos dum putsch para reformar vigorosamente a máquina militar, como Macron havia dito em uma conversa "on record" com Antoine Glaser e Pascal Airault.

Falei de nacionalismo - mas trata-se dum nacionalismo negativo, nacionalismo puramente de oposição e simbólico. A oposição à França, símbolo da opressão colonial, presta-se perfeitamente ao que é; em última análise não mais que uma petição de princípios, sem consequências práticas – embora a arma do ódio assim empregada possa sempre levar a consequências violentas. É esta arma que, no Níger, levou aos ataques de igrejas, com mortes, na sequência dos motins anti-Charlie (que foram também motins anti-franceses) de Niamey e Zinder. E ouvimos os declamadores burquinenses alegando ataques de dacarianos contra "interesses franceses", neste caso algumas lojas Auchan e Carrefour, como meio de sua "libertação". Dada a demonização dos cristãos e dos franceses que levaram a esses atos de violência, não posso deixar de pensar no anti-semitismo, na visão dos judeus que os anti-semitas têm como fonte de todas as misérias do mundo, na crença de que eles controlariam tudo e seu oposto em nome de interesses enormes e ocultos, e aos ataques às lojas judaicas e aos pogroms que resultaram.

É claro que os franceses, ao contrário dos judeus, podem se defender - mas isso não impede que, nesta questão específica (mas que não é a única), os sahelianos estejam flertando com uma catástrofe moral.

Como a França em Ruanda no passado, os sahelianos estão experimentando uma derrota do pensamento e um colapso intelectual.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

COMENTÁRIO: As mulheres nas Forças Armadas israelenses simplesmente não foram feitas para funções de combate

Por Lizi Hameiri, Haaretz, 10 January 2018.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 23 de dezembro de 2021.

Muitos rapazes e moças em Israel desejam servir em vários cargos e funções durante o serviço militar, mas descobrem que o exército não está interessado. Jovens com deficiência visual não conseguem realizar o sonho de ingressar no treinamento de vôo, aqueles cujo perfil físico não é alto não podem ser combatentes de infantaria, etc. A igualdade, que todos no Exército vêm alardeando nos últimos anos, não existe para eles. Se você estiver usando óculos, provavelmente não será um piloto. E, no entanto, a exigência de que um soldado seja fisicamente adequado para uma posição militar desaparece assim que se trata de alistar mulheres em unidades de combate. Nesse caso, o exército defende a igualdade, embora não haja realmente igualdade física entre homens e mulheres.

Em uma entrevista recente, o chefe do Comando das Forças Terrestres do Exército, General Kobi Barak, disse que, na pior das hipóteses, as tripulantes de tanques terão dificuldade em carregar os projéteis. Por que o exército as está empurrando para um posto que não é fisicamente adequado para elas? Em que o soldado motivado e de óculos que deseja entrar no treinamento de vôo é diferente da jovem que deseja servir na infantaria, embora ela terá problemas arrastando uma metralhadora FN MAG?

Soldado israelense carregando uma FN MAG durante uma marcha.

Contribuir para o estado deve significar servir em lugares onde os soldados possam dar o seu melhor, e não insistir em cumprir tarefas que a nossa força física não nos permite desempenhar de forma ideal. Devemos colocar o bem das Forças de Defesa de Israel e o cumprimento da missão com o mínimo de baixas em primeiro lugar, antes de nossos desejos e sonhos.

As FDI foram foram criadas para nós atendermos às suas necessidades, não para atender aos nossos desejos. As FDI não é um acampamento de verão para tornar os sonhos realidade, mas o muro de defesa de Israel. Não devemos esquecer isso.

Em batalha, o piloto de óculos não terá a fração extra de segundo necessária para identificar o alvo do ataque. Ele também não terá tempo em batalha para carregar o projétil mais lentamente, ou atacar o inimigo em um ritmo de caminhada com a pesada MAG. Existem empregos suficientes para os quais todos - homens e mulheres - podem contribuir, cada um de acordo com suas habilidades e qualificações. Não há desigualdade ou indignidade nisso, nem uma violação da auto-realização.

Estou impressionado com a forma como as mulheres e a equipe médica fecham os olhos para as diferenças fisiológicas entre homens e mulheres, que são inevitavelmente refletidas nas diferenças de desempenho e podem ser prejudiciais para todos - em primeiro lugar para as mulheres jovens que pagarão o preço quando são inadequadas para uma tarefa. Não devemos permitir que a igualdade venha antes da preparação e da capacidade de desempenho. A igualdade real e fundamental não será alcançada com a concessão de mesadas especiais, mas colocando cada homem e mulher em uma posição na qual eles possam colocar suas habilidades da melhor forma possível. Não há vergonha em reconhecer a vantagem física dos homens em papéis de combate.

Devemos impedir a auto-ilusão e o engano das IDF antes que isso exija um preço alto.

Lizi Hameiri.
A escritora é uma ativista social e membro do IDF Fortitude Forum.

Bibliografia recomendada:

A Mulher Militar:
Das origens aos nossos dias.
Raymond Caire.

Leitura recomendada:

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Impondo custos por outros meios: opções de guerra estratégica irregular para responder à agressão russa

"Homenzinhos verdes" na Ucrânia, março de 2014.

Por Steve Ferenzi, Small Wars Journal, 18 de maio de 2016.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de setembro de 2021.

A vantagem comparativa da América em poder militar convencional garante que seus adversários procurarão enfrentá-la abaixo do limiar da “guerra” tradicional para alcançar seus objetivos. A recente agressão da Rússia na Ucrânia demonstra um aspecto deste campo de batalha com implicações preocupantes para a viabilidade da aliança da OTAN. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os Estados Unidos empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

É hora de liberar as capacidades de guerra irregular dos Estados Unidos. Toda a controvérsia sobre os desafios da “zona cinzenta” de hoje leva a crer que os Estados Unidos são um jogador amador neste jogo. Ao longo da década de 1980, os Estados Unidos competiram com sucesso abaixo do limiar da guerra convencional no âmbito do "conflito de baixa intensidade". Enquanto o caso Irã-Contras e o retorno do apoio aos mujahideen afegãos continuam a ser olhos negros para o prestígio dos EUA, os Estados Unidos sangraram com sucesso a União Soviética sem recorrer ao Armagedom nuclear ou à escalada convencional. Pode-se debater as minúcias, mas os EUA alcançaram seus objetivos estratégicos a um custo relativamente baixo. Como os EUA podem obter resultados semelhantes no ambiente operacional de hoje, onde a vontade política é o fator limitante? A resposta é possibilitar o que a Rússia mais teme: movimentos de resistência nativa ao longo das linhas das “revoluções coloridas” que destruíram a influência russa pós-soviética em seu quintal tradicional.

Dilemas do Artigo 5

A questão mais urgente em relação à Rússia hoje é o compromisso dos Estados Unidos com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). O Artigo 5 da Carta da OTAN exige que:

“As Partes concordam que um ataque armado contra um ou mais deles na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todos eles e, consequentemente, concordam que, se tal ataque armado ocorrer, cada um deles, no exercício do direito da legítima defesa individual ou coletiva reconhecida pelo artigo 51 da Carta das Nações Unidas, ajudará a Parte ou as Partes assim atacadas, tomando imediatamente, individualmente e em conjunto com as outras Partes, as ações que julgar necessárias, incluindo o uso de força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

Qualquer ataque armado e todas as medidas tomadas como resultado dele serão imediatamente relatados ao Conselho de Segurança. Essas medidas serão encerradas quando o Conselho de Segurança tiver tomado as medidas necessárias para restaurar e manter a paz e a segurança internacionais.”

A anexação da Crimeia pela Rússia revigorou o debate sobre a utilidade da OTAN na era pós-Guerra Fria. A resposta desdentada dos EUA pode ter sido justificável dada a falta de compromissos legais com a Ucrânia, não-membro, mas e se a Rússia tomar a fraqueza americana percebida como um convite para um desempenho repetido nos Estados Bálticos, membros de fato da OTAN?

Tanto a doutrina de guerra híbrida de "nova geração" da Rússia quanto os aliados de Moscou na região exortam o uso de meios não-militares assimétricos e "quinta colunas" em áreas-alvo para alcançar resultados estratégicos. A solução da América é mais marchas blindadas em estradas pela Europa Oriental e exercícios de treinamento combinados? Os EUA têm vontade política para realmente puxar o gatilho em uma resposta militar convencional com potencial de escalada? Improvável. Outros conceitos como "defesa híbrida" e variantes ressuscitadas da dissuasão estendida da Guerra Fria oferecem soluções alternativas, mas não otimizam os recursos fiscais e militares limitados para enfrentar a Rússia.

Soldados russos e sírio diante de retratos de Vladimir Putin e Bashar al-Assad.

A mentalidade tradicional leva a crer que quando você precisa de um tanque, você precisa de um tanque. A destreza dos blindados americanos, especialmente quando casada com o poder aéreo dos Estados Unidos, é inegável. Ela esmagou a tentativa de Saddam Hussein de tomar o Kuwait em 1991 e, mais uma vez, deu um golpe esmagador nas fases iniciais da Operação Liberdade do Iraque. Ao validar seletivamente o complexo de superioridade inato dos EUA, os adversários da América, no entanto, perceberam que se expor a um projétil de 120 milímetros disparado de um tanque Abrams não é do seu interesse. A solução? Guerra por outros meios. No Iraque, isso significou insurgência à la Che Guevara, Mao Zedong e Carlos Marighella, revestida com um verniz jihadista. Na Ucrânia, isso significava que a Rússia empregava “homenzinhos verdes” para capitalizar as queixas da etnia russa indígena e tomar a Crimeia por meio de táticas de salame projetadas para permanecer abaixo do limite de induzir a intervenção ocidental. O ingrediente principal? Evite a superioridade militar convencional americana e paralise sua força de vontade política para empregar opções não-convencionais para enfrentá-la com sucesso.

O Artigo 5 exige uma defesa coletiva contra um ataque armado; não obriga uma resposta contra a guerra híbrida, nem estipula como uma defesa em ambos os casos deve ser executada. Em vez de fingir que os EUA realmente entrarão em guerra com a Rússia por causa de uma invasão do Báltico possibilitada por subterfúgios e desinformação, por que não estabelecer as condições para que os movimentos indígenas frustrem a ocupação russa e bloqueiem seus objetivos estratégicos? Se a Rússia quiser invadir o Báltico, nenhuma resposta militar estatal convencional na região terá chance. A Rússia demonstrou isso na Geórgia em 2008. A beleza da guerra irregular é sua capacidade de impor custos significativos com um gasto mínimo de recursos. Robert Taber fez a analogia de pulgas atacando um cachorro durante um conflito prolongado para erodir a determinação política do oponente. Grandes potências ao longo da história, incluindo os EUA, sofreram isso ao confrontar inimigos nominalmente mais fracos.

Aumente os custos: algumas insurgências são boas para os Estados Unidos

Essa abordagem teria sucesso ao elevar os custos da invasão russa a um nível inaceitável. Executado secretamente, envolve a construção de uma infraestrutura de resistência indígena a ser desencadeada assim que a Rússia cruzar a linha, atolando o grande urso em um pântano de insurgência projetado para anular sua vantagem convencional comparativa. Isso tem precedentes históricos da Guerra Fria na região: AECOB/ZRLYNCH era um programa da Agência Central de Inteligência (CIA) que apoiava o Movimento de Resistência Letão anti-soviético como parte da estratégia mais ampla de permitir movimentos de resistência clandestina na Europa Oriental.

Combatentes da resistência lituana (da esquerda para a direita) Klemensas Širvys-Sakalas, Juozas Lukša-Skirmantas e Benediktas Trumpys-Rytis na floresta por volta de 1949.
(Centro de Pesquisa do Genocídio e Resistência da Lituânia)

Executado abertamente, o desenvolvimento da infraestrutura de resistência procederia de forma análoga à abordagem secreta, mas serviria como um sinal para deter a agressão russa, transmitindo totalmente as capacidades do ninho de vespas que a Rússia estaria invadindo. O apoio recente à rebelião síria abriu um precedente para o apoio aberto aos elementos de resistência pelas Forças de Operações Especiais dos EUA. No entanto, o desastre da Síria oferece lições significativas que devem ser aprendidas para o futuro, nomeadamente a importância de desenvolver capacidade subterrânea e auxiliar, além de elementos de guerrilha armada, um elemento crítico, mas muitas vezes ignorado da doutrina da guerra não convencional, bem como o significado de medidas deliberadas para mitigar ações divergentes resultantes da seleção adversa de forças de procuração (proxies).

Uma consideração importante para os formuladores de políticas é o papel da resistência não-violenta e violenta dentro de tal plano de defesa do Báltico. O ministério da defesa da Lituânia publicou recentemente um manual intitulado "Como agir em situações extremas ou instâncias de guerra", que discute especificamente o papel de organizar a desobediência civil para combater a guerra híbrida. A resistência não-violenta tem precedentes históricos no Báltico contra a União Soviética, e as evidências apóiam sua eficácia potencial contra a Rússia hoje. Até mesmo o Escritório de Serviços Estratégicos (Office of Strategic Services, OSS), o predecessor da CIA durante a Segunda Guerra Mundial, emitiu orientações sobre como sabotar as forças de ocupação com resistência civil. No entanto, o resultado do levante sírio demonstra que tanto a resistência não-violenta quanto a violenta devem ser planejadas como parte de uma estratégia abrangente.

O Paradoxo da Guerra Irregular Estratégica

Boina Verde do 5th SFG com o camuflado listras de tigre (tiger stripes) durante um exercício no Fort Campbell, 2019.

As opções de guerra irregular geralmente apresentam um paradoxo debilitante para os Estados Unidos e outras democracias estáveis. De acordo com o Coronel (Reformado) Mark Mitchell, ex-comandante do 5º Grupo de Forças Especiais (5th Special Forces Group, 5th SFG), os políticos são mais resistentes à implementação de medidas de guerra irregular quando elas têm maior probabilidade de sucesso. Quando introduzidos antes ou muito no início de um conflito, os gastos mínimos de recursos podem ter efeitos positivos exagerados sobre os resultados estratégicos; no entanto, a ambigüidade informativa e os perigos duplos de escalada e consequências não-intencionais criam hesitação política que impede a implementação das ações necessárias nos estágios iniciais. Quando os formuladores de políticas percebem que a situação degenerou em um problema real que afeta os interesses nacionais dos EUA (pense na Síria hoje) e decidem agir, a oportunidade de implementar uma solução decisiva ou mesmo eficaz de baixa visibilidade/baixo custo há muito tempo já passou. Essas soluções ainda podem ser implementadas, mas é altamente improvável que forneçam os resultados desejados.

Alguns podem apontar para a invasão do Afeganistão em 2001 como um exemplo de uma solução eficaz de guerra irregular executada sem uma longa vanguarda. Tal avaliação ignora os efeitos das relações dos EUA com os grupos de resistência afegãos como resultado dos esforços para impor custos aos soviéticos nos anos 80. Sem essas relações, construídas e sustentadas ao longo de quase duas décadas e exploradas pelos “soldados a cavalo” como o Coronel Mitchell, os Estados Unidos não teriam sido capazes de implementar rapidamente um esforço de guerra irregular em 2001.

Forças especiais (Boinas Verdes e CCT) à cavalo com a Aliança do Norte, outubro de 2001.

Em 1948, George F. Kennan reconheceu a necessidade de empregar "guerra política" contra a União Soviética, integrando todos os meios nacionais, ocultos e abertos, para atingir os objetivos de segurança nacional "na ausência de guerra declarada ou força de força aberta hostilidades”. Este requisito permanece o mesmo hoje. A eliminação de santuários de impunidade, sejam eles dentro do espaço político da "zona cinzenta" manipulada pela Rússia ou em território físico utilizado pela al-Qaeda ou pelo Estado Islâmico para lançar ataques à pátria americana, exige que os EUA empreguem medidas não convencionais para competir e vencer.

O Major Steve Ferenzi é estrategista do Exército e oficial das Forças Especiais da Divisão de Planejamento Estratégico G-5 do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA. Ele serviu anteriormente nos 3º e 5º Grupos de Forças Especiais (Aerotransportados) e na 82ª Divisão Aerotransportada e possui um mestrado em Assuntos Internacionais pela Escola de Relações Internacionais e Públicas da Universidade de Columbia.

Bibliografia recomendada:

Guerra Irregular:
Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história.
Alessandro Visacro.

Leitura recomendada: