quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

O transporte de carga e o soldado feminino


Por Robin M Orr , Venerina Johnston, Julia Coyle e Rodney Pope (Julho de 2011)
Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de dezembro de 2017.

Introdução
Existem diferenças óbvias entre homens e mulheres, diferenças que são levadas em consideração ao treinar atletas. Numerosos textos discutem os requisitos específicos de gênero da atleta feminina, dos estilos de treinamento [1] e dos métodos de treinamento [1], para lidar com as pressões sociais [2] e o impacto de fatores que afetam seletivamente a atleta feminina [3, 4]. Nesta base, quando se trata de empreendimentos atléticos, os requisitos específicos da atleta feminina são bem considerados. Infelizmente, quando se trata do soldado feminino e da carga, há uma notável falta de tal literatura de pesquisa dedicada. Enquanto vários estudos de transporte de carga incluíam soldados femininos como participantes ou até tinham participantes do sexo feminino como seus únicos temas [5-12], a pesquisa de carga tradicionalmente não leva em consideração as lições aprendidas com as atletas do sexo feminino e as aplica para o soldado feminino realizando tarefas de transporte de cargas pesadas.

Embora possa haver muitas outras mulheres na população em geral envolvidas em atividades esportivas e outras atividades atléticas do que servindo em forças de defesa, o número de mulheres que servem nas forças de defesa está crescendo [13]. Além disso, embora algumas forças ainda restrinjam o emprego das mulheres em funções de combate direto [13], a natureza mutável dos ambientes de guerra e de combate [14] viu soldados femininos engajando com o inimigo [15], recebendo prêmios por ações de combate [14] e tornando-se fatalidades de combate [14]. Essas mudanças da guerra exigem que o soldado feminino, como seu homólogo masculino, use coletes táticos e carregue cargas cada vez maiores [16, 17], cargas que variam entre 40kg a 60kg no Iraque e no Afeganistão, por exemplo [17].

Com estas cargas aumentando e aumentando o número de soldados femininos expostos a essas cargas pesadas, é importante a compreensão do impacto do transporte de carga no soldado feminino, assim como a consideração de fatores já identificados como impactantes para a atleta feminina e o soldado feminino. Este artigo analisará os impactos fisiológicos, biomecânicos e sanitários do transporte de carga no soldado feminino, além de se estender para incluir questões reconhecidas como impactantes para a atleta feminina.



Transporte de carga e seu impacto fisiológico

Quanto maior a carga carregada, maior o custo de energia de ficar em pé e de movimento [6, 18, 19]. Com o transporte de carga sendo uma parte das tarefas vocacionais de um soldado feminino, e as cargas absolutas carregadas pelos soldados aumentando [16,17], essas descobertas sugerem que estejam eles de pé controlando um ponto de controle de veículos ou caminhando em uma patrulha, o peso da carga de um soldado vai extrair um custo fisiológico.

A quantidade de carga carregada, juntamente com sua posição, afeta o custo de energia [20]. Além disso, a velocidade de marcha [18, 19], duração de marcha [11], gradiente de inclinação [21] e natureza do terreno [22], todos impactam no custo de energia de carregar uma determinada carga.

Sugeriu-se que a capacidade de transporte de carga tenha uma relação com a força absoluta de um sujeito [21]. A força absoluta está relacionada à massa corporal, com homens e mulheres mais pesados tendendo a ter uma força absoluta maior [23]. Um estudo de Patterson, et al. [11], descobriu que os soldados femininos que completaram com sucesso uma marcha de 15km (5,5km/h, carga de 35kg) eram maiores, mais pesados, mais fortes e tinham uma capacidade aeróbica ligeiramente maior do que as mulheres que falharam em terminar. Descobertas semelhantes foram feitas por Pandorf et al. [24], que observaram que os participantes femininos maiores, com mais massa muscular, podiam transportar cargas pesadas (40,6kg de carga) mais rapidamente sobre uma distância de 3,2km do que suas colegas femininas menores. Da mesma forma, outros estudos de transporte de carga observaram que o pessoal mais pesado foi menos afetado pelas cargas transportadas [25] do que seus companheiros mais leves. Além disso, os participantes mais pesados que usam um uniforme de batalha de 18kg conseguiram trabalhar por durações mais longas [26] e conseguem tempos de resgate de baixas mais rápidos (por exemplo, arrastando um manequim de 80kg por 50m) [27]. Assim, para o soldado feminino, parece que ser mais pesado e mais forte com uma capacidade aeróbica ligeiramente maior pode ser benéfico durante as tarefas de transporte de carga.

Lyons et al. [28] afirmam que a composição corporal é mais importante do que a massa corporal total para atender às exigências aeróbicas do transporte de carga pesada. Esta afirmação é apoiada por resultados de pesquisa em que as participantes do sexo feminino com massa aumentada de gordura corporal foram associados a uma reduzida capacidade aeróbica e desempenho da tarefa de transporte de carga [28, 29]. Mesmo quando usando uma carga relativamente leve (10kg de colete tático), a quantidade de gordura corporal de participantes femininos (e masculinos) foram negativamente correlacionados com o desempenho da tarefa física [29]. Em contrapartida, vários estudos sugerem que a gordura corporal (21-32%) não afeta o desempenho da tarefa de transporte de carga para eventos como uma pista de obstáculos e uma corrida de 3,2 km com carga [24, 30]. É interessante notar que os estudos que descobriram um efeito negativo da gordura corporal sobre a habilidade foram todos de atividade de caminha com transporte de carga [28, 29], enquanto os estudos que não encontraram diferenças significativas foram avaliados no desempenho do curso de obstáculos e no tempo de conclusão de uma atividade de corrida carregada [24, 30]. Um possível motivo para as diferenças de resultados pode ser a diferença nas necessidades de tarefas com baixa intensidade - alto volume de caminhada prolongada sendo diferente da intensidade mais alta - menor volume de negociação de corrida e obstáculos de várias maneiras, principalmente requisitos de sistema energético.

Transporte de carga e seu impacto biomecânico
À medida que a carga carregada aumenta, a postura biomecânica e os movimentos do carregador de carga são alterados. Descobriu-se que soldados aumentam a inclinação do tronco para frente com o aumento das cargas das mochilas [31-33]. Esta adaptação postural altera a biomecânica mais adiante na coluna vertebral, com a cabeça adotando uma postura mais avançada e momentos de força ao redor do tronco aumentando para contrabalançar a carga [32]. O aumento da carga também traz mudanças nas curvaturas da coluna vertebral [12, 33, 34]. Enquanto a maioria dos estudos que descobriram mudanças na forma da coluna por causa de transporte de carga pesada foram realizadas com participantes do sexo masculino [33, 34], um estudo realizado por Meakin et al. [12], empregando a Ressonância Magnética Postural e Modelagem de Forma Ativa (um modelo estatístico de forma de objeto) nos participantes do sexo masculino e feminino identificaram mudanças na curvatura espinhal com cargas de 8kg e 16kg [12] respectivamente. O aumento das cargas aumenta unilateralmente a curva da coluna lombar lateral, aumentando a concavidade no lado oposto [35]. Por conseguinte, é compreensível que o aumento das cargas das mochilas tenha o potencial de aumentar as lesões da coluna vertebral aumentando a pressão sobre o sistema músculo-esquelético [32]. Como será discutido, fatores intrínsecos, como a disfunção muscular do assoalho pélvico, podem potencialmente aumentar o potencial de lesões na lombar.

As cargas crescentes também afetam a cinemática da marcha para soldados femininos. Com a velocidade da marcha, o produto do comprimento do passo e da frequência de passos [36], comprimentos de passo mais curtos, típicos dos soldados femininos mais baixos, requerem frequências de passo mais elevadas para manter um determinado ritmo [16]. Com exceção de um estudo de Ling et al. [7], cujas participantes do sexo feminino não alteraram a freqüência do passo quando as cargas aumentaram, verificou-se que as participantes femininas aumentaram ainda mais a freqüência do passo em vez do comprimento do passo quando necessário para carregar cargas maiores ou aumentar a velocidade de caminhada [16]. Harman et al. [37] sugerem que pode haver um ponto em que a frequência de passo não pode mais ser aumentada, o que significa que o comprimento do passo deve aumentar para manter uma determinada velocidade. Esta limitação de frequência de passo, que pode explicar os resultados de Ling et al. [7] cujas participantes femininas não conseguiram aumentar a freqüência de passo significativamente à medida que as cargas aumentaram, suscita preocupações potenciais se os carregadores da carga normalmente utilizam este mecanismo para acomodar aumentos de carga e velocidade. Com o carregador da carga não mais capaz de aumentar a freqüência de passo quando as cargas ou as velocidades de marcha aumentam, eles precisam aumentar o comprimento do passo. Além disso, os soldados geralmente são obrigados a manter um determinado ritmo ou "manter o passo". Esta prática também limita a freqüência de passo e força o aumento dos comprimentos de passo se uma determinada velocidade deve ser mantida. Para alguns soldados e, em particular, soldados menores, isso pode exigir um comprimento de passo que é maior do que o máximo de comprimento de passo confortável e seguro, o que significa que eles estão esticando demais o passo. Esta esticada adaptativa pode colocar um esforço de cisalhamento adicional na pélvis, levando a reações de estresse ou fraturas de estresse nos ossos pélvicos [38]. Pope [38] descobriu que a incidência de fraturas de estresse pélvico em recrutas femininas do exército foi reduzida em 95% quando uma intervenção preventiva multifacetada foi implementada por Instrutores de Treinamento Físico. Esta intervenção incluiu, entre outros elementos: redução da marcha; reduzindo o requisito de "manter o passo"; e encorajando os recrutas a marcharem em comprimentos de passo confortáveis.

As mudanças na mecânica da marcha são combinadas com mudanças nas forças que atuam sobre o corpo. As forças de reação ao solo (Ground Reaction Forces - GRF), que são o resultado de todas as forças de reação entre o pé e o solo à medida que o pé faz contato com o solo [39], aumentaram nos participantes do sexo masculino e feminino à medida que as cargas aumentaram [31]. Esses aumentos na GRF criam forças de cisalhamento que podem induzir bolhas [40] e, ao aumentar o volume total das forças de impacto, podem aumentar o risco de lesões por uso excessivo [41].



Transporte de carga e seu impacto na saúde

O transporte de carga coloca pressão sobre o sistema músculo-esquelético do carregador [31, 37]. Baseado nisso, as tarefas de transporte de carga têm o potencial de causar lesões agudas e crônicas por uso excessivo. Durante as atividades de transporte de carga militar, o pessoal militar apresentou bolhas [40], fraturas de estresse [38], dor no joelho [41], dor no pé [16, 41], paralisia do plexo braquial [16] e lesão na lombar [41]. O aumento da aptidão física pode proporcionar um meio de atenuar o impacto negativo do transporte de carga [16, 42].

Baixos níveis de aptidão física estão associados a um aumento do risco de lesão durante tanto o treinamento militar geral [43] e atividades de transporte de carga [44]. Portanto, o condicionamento físico para aumentar os níveis de aptidão física pode constituir um meio de limitar lesões de transporte de carga [16, 42].

Traçado desde os legionários romanos e os soldados de infantaria macedônica [17], o reconhecimento da necessidade de condicionar os soldados para carregar cargas não é novo. No entanto, o condicionamento do transporte de carga precisa ser aplicado com cuidado. Mesmo que o treinamento inicial tenham mostrado que aumentar os níveis de aptidão dos soldados femininos [45], estudos descobriram que as taxas de lesões no início do treinamento inicial podem ser relativamente altas. Uma revisão de um Curso de Treinamento Básico de Oficiais Fuzileiros Navais de seis semanas encontrou uma incidência cumulativa de ferimento de 80% para candidatos do sexo feminino [46]. Além disso, durante o Curso de Treinamento Básico de Fuzileiros Navais mais longo de 11 semanas, as recrutas do sexo feminino apresentaram aumentos nos níveis de marcadores de reabsorção óssea, indicando estresse ósseo, nas Semanas 2, 8, 9, 10 e 11 de treinamento. Esses exemplos destacam a necessidade do processo de condicionamento geral, incluindo o acondicionamento do transporte de carga, de ser lento, progressivo e incluir períodos de recuperação adequados e devidamente cronometrados [42]. Além disso, é necessário considerar as preocupações específicas de gênero identificadas como impactantes para atletas do sexo feminino; preocupações como a tríade do atleta feminino, práticas ruins de nutrição e hidratação, incontinência urinária (Urinary Incontinence, UI) e função do músculo do assoalho pélvico e ajuste inadequado do equipamento. Essas considerações adicionais são discutidas mais adiante.



A tríade do atleta feminino

O termo "tríade do atleta feminino" foi primeiro cunhado em uma conferência especial da Faculdade Americana de Medicina dos Esportes (American College of Sports Medicine - ASCM) em 1992 [47]. O conceito foi desenvolvido obedecendo a preocupação sobre três fatores de risco associados a atletas do sexo feminino, que são amenorreia, osteoporose e transtornos alimentares [48]. Sozinho ou em combinação, esses três fatores representam uma ameaça significativa para as mulheres fisicamente ativas e, portanto, os soldados femininos envolvidos no transporte de carga [49].

Por definição, a amenorreia é uma disfunção do ciclo menstrual que leva à ausência de um ciclo menstrual regular [50]. Com a cessação da menstruação, os equilíbrios hormonais são interrompidos e a absorção de cálcio é afetada, levando a perda óssea e porosidade 2 e, por sua vez, aumentando o risco de fraturas de estresse [51]. Em um estudo de Rauh et al. [51], os soldados femininos que relataram serem amenorreicas, com seis ou mais menstruações ausentes durante um período de 12 meses, apresentaram um aumento quase triplo do risco de fratura de estresse nas extremidades inferiores. Isto é importante no conhecimento de que uma taxa de prevalência de amenorreia de cerca de 45% foi encontrada para recrutas militares do sexo feminino [52].

A amenorreia pode ser causada por vários fatores prevalentes em soldados militares femininos. O exercício físico de alta intensidade, por exemplo, provoca amenorreia em atletas femininas [53]. O estresse da guerra também mostrou induzir anormalidades menstruais, incluindo amenorreia [50]. Além disso, estudos recentes relataram que soldados femininos favorecem a supressão menstrual durante operações [54]. Com as implicações de longo prazo para a saúde da supressão menstrual que requerem mais estudos [55], algumas pesquisas encontraram participantes em certos programas, como injeções de medroxiprogesterona, terem menor densidade mineral óssea [56]. Esta perda mineral óssea é reversível na cessação do tratamento [56]. Outros programas, como os contraceptivos orais monofásicos, podem ter um efeito neutro ou positivo [55] na densidade óssea, enquanto os programas que usam anéis vaginais têm, neste estágio, um impacto desconhecido [55]. Considerando tudo isso, existe o potencial de amenorreia para aumentar o risco de sequelas de saúde adversas do soldado feminino, como a osteoporose.

A osteoporose é um aumento na porosidade do osso causada por uma diminuição da densidade mineral óssea [48]. Embora a osteoporose seja mais comum nas mulheres pós-menopáusicas, os atletas que sofrem de distúrbios alimentares e amenorreia são altamente suscetíveis à osteopenia e à osteoporose, com alimentação desordenada, reduzindo a ingestão importante de nutrientes e distúrbios menstruais diminuindo a proteção óssea [3, 49]. À medida que o número de ciclos menstruais perdidos se acumulam, a perda de densidade mineral óssea também se acumula [57]. Essa perda pode não ser completamente reversível [49]. Para o soldado feminino mais novo, essas condições podem levar a que eles nunca alcancem um pico de densidade óssea normal e, com perda óssea relacionada à idade natural, podem torná-los suscetíveis a fraturas osteoporóticas em idade precoce [3] e aumentar o risco de fraturas pós-menopáusicas [58].

A osteoporose e a amenorreia também podem ser causadas por um transtorno alimentar [49]. Um estudo de Lauder, et al. [59, 60] encontrou uma incidência de 8% em distúrbios alimentares diagnosticados em soldados femininos. Esse resultado foi maior que o da população em geral, mas menor do que o de uma população de atletas femininos. Eles também descobriram que 33% desses soldados femininos estavam "em risco" de um transtorno alimentar e caíram na categoria de alimentação desordenada, um termo usado para descrever o comportamento alimentar em vez de ser um diagnóstico clínico definitivo [3]. Ter um terço da coorte com preocupações dietéticas que podem ser ligadas à tríade do atleta feminino é motivo de preocupação. Ambientes estressantes como zonas de combate têm o potencial de aumentar ainda mais o número de mulheres que sofrem de transtornos alimentares nas forças armadas [61]. O consumo desordenado em soldados femininos pode aumentar a incidência de amenorreia e osteoporose e a subsequente prevalência de fraturas [49, 51], através de atividades como o transporte de carga [38].

Em sua opinião de 2007 na tríade do atleta feminino, a ACSM sugeriu que é a pouca disponibilidade de energia em vez de alimentação desordenado que é preocupante [49]. Esta conclusão tem ramificações para soldados femininos em exercício ou operações, onde o sustento vem de pacotes de ração de combate. Os soldados femininos simplesmente podem não consumir energia suficiente [62]. Mesmo que as refeições de pacote de ração sejam projetadas para fornecer energia suficiente, muitos soldados descartam porções de seus pacotes de ração devido ao gosto pessoal e, portanto, não conseguem atender às ingerências de energia necessárias [63]. Esta é uma preocupação notável, uma vez que a pesquisa mostrou que o transporte de carga durante as tarefas de campo aumenta os requisitos de energia [64], tornando a divisão entre a ingestão de energia e o gasto de energia ainda maior e colocando o soldado feminino em maior risco em relação às características da tríade do atleta feminino.



Preocupações nutricionais adicionais
Mesmo quando consumindo comida suficiente para satisfazer suas necessidades diárias de energia, os soldados femininos podem não cumprir os requisitos diários recomendados de ingestão de ferro [64]. Como o ferro é essencial para a produção de hemoglobina, a baixa ingestão de ferro afetará a síntese de hemoglobina [65]. A baixa produção de hemoglobina reduz a capacidade do corpo de transportar oxigênio no sangue para os músculos que trabalham, prejudicando assim o desempenho de tarefas físicas [65, 66], como transporte de carga.

Além disso, enquanto a ingestão dietética de ferro pode ser insuficiente, os requisitos de ferro podem aumentar durante a atividade física, como o treinamento físico é conhecido por criar um custo de ferro para o corpo [65, 66]. Portanto, não é surpreendente que o início do treinamento militar, com seu aumento nas demandas físicas, tenha levado a descobertas de um aumento da deficiência de ferro em soldados femininos e de anemia ferropriva ocorrida durante e imediatamente após o treinamento básico [65, 67]. Embora não sejam encontrados estudos que examinem o impacto do treinamento militar pré-operação sobre o estado do ferro, o aumento súbito no treinamento físico e no treinamento de exercícios de campo poderia aumentar a prevalência de deficiência de ferro e anemia ferropriva. Uma preocupação notável torna-se evidente se essa deficiência ocorre logo antes da operação, um período prolongado em que o estresse de combate e as refeições de ração podem ter um impacto negativo adicional na absorção de ferro e no estado do ferro. Foi descoberto que mesmo deficiência de ferro leve prejudica a função cognitiva, e o claro pensamento especificamente [65]. O transporte de carga também tem impacto no estado de alerta e na vigilância [5]. Baseado nisso, a combinação desses dois fatores pode afetar profundamente a capacidade de um soldado perceber pistas visuais ao procurar inimigos e outras ameaças (como Dispositivos Explosivos Improvisados), e devem ser tomadas medidas para evitar esta situação.

Incontinência urinária e função muscular do assoalho pélvico
Soldados femininos relataram sofrer incontinência urinária (Urinary Incontinence - UI) durante atividades de transporte de carga pesada, com um estudo relatando uma taxa de incidência até 26% [68]. Um estudo sobre soldados femininos americanos em serviço ativo por Davis et al. [68] descobriu que 31% dos soldados femininos relataram sofrer de UI enquanto estavam em serviço de tal forma que interferiu em seu trabalho, era socialmente embaraçosa e foi considerada particularmente debilitante durante exercícios de campo. A UI é um sintoma da disfunção do músculo do assoalho pélvico (Pelvic Floor Muscle - PFM) ou fadiga [68]. De importância para o transporte de carga é o vínculo estabelecido entre a função PFM e a estabilização da coluna vertebral [69, 70]. Os músculos transversais do abdômen foram demonstraram melhorar a estabilização da coluna vertebral através do aumento da pressão intra-abdominal [69]. A pesquisa também descobriu que é essencial para a estabilização espinhal efetiva que o assoalho pélvico e os músculos do diafragma se contraiam quando da contração abdominal transversal [70]. Com os músculos do assoalho pélvico disfuncionais, a capacidade dos abdominais transversais para contribuir para a estabilização da coluna vertebral é perdida e a lombar se torna mais suscetível a lesões [70].

No contexto do transporte de carga, verificou-se que cargas pesadas aumentam a inclinação do tronco para a frente, aumentam a compressão lombar e as forças de cisalhamento, alteram o ritmo toraco-pélvico e aumentam torques da coluna vertebral [12, 31]. Assim, a disfunção do PFM frequentemente associada à UI tem o potencial de reduzir a estabilidade da coluna vertebral e aumentar o risco de lesão nas costas nas mulheres.

Algumas estratégias preventivas auto-administradas para UI também têm o potencial de causar doença durante eventos de transporte de carga. Davis et al. [68] e Sherman et al. [71] ambos descobriram que aproximadamente 13% dos soldados femininos que relataram experimentar UI restringiram significativamente a ingestão de líquidos durante as atividades de campo. Portanto, para reduzir a experimentação de um episódio de incontinência, os soldados femininos colocam-se em risco de doenças relacionadas ao calor ao se tornarem desidratadas durante períodos de alto esforço físico, como exercícios de campo e ao realizar tarefas de transporte de carga.


Ajuste inadequado do equipamento
É amplamente reconhecido no campo esportivo que o ajuste inadequado do equipamento pode causar lesões e desempenho reduzido [72]. Quando se trata de carregar cargas, os soldados femininos suscitaram preocupações sobre o equipamento de transporte de carga [44, 73]. Os problemas com o ajuste da mochila, o ajuste da alça de ombro e a posição do cinto foram identificados como as preocupações mais comuns [7, 44, 73]. Essas preocupações com equipamentos de transporte de cargas são pensadas para serem exacerbadas quando soldados femininos são obrigadas a usar coletes táticos [73]. Um estudo de Fullenkamp et al. [74], que capturou os dados antropométricos de soldados da força de defesa de quatro países da OTAN, destacou o fato de que projetar equipamentos de proteção para acomodar a estrutura do soldado feminino não era tão simples quanto reduzir a proporção das figuras masculinas. Da mesma forma, os dados coletados por Harman et al. [73] levaram os autores a recomendar que os soldados femininos necessitavam de opções de dimensionamento mais específicas do que os soldados do sexo masculino devido a uma maior variabilidade nos índices do tórax-cintura-quadril. Um exemplo imediato é a falha nos modelos de coletes táticos em acomodar o tecido mamário feminino. Como tal, não é de surpreender que os soldados femininos suscitem preocupações de que o colete tático não é confortável e restringe a respiração [73].

A incapacidade de acomodar a antropometria do soldado em uma peça de equipamento pode impedir a função de outros equipamentos, mesmo que esses fatores fossem abordados nesses outros equipamentos. Por exemplo, descobriu-se que a folga do Colete Tático Interceptador em torno da cintura impedia o ajuste do cinto da mochila que estava sendo carregada [73]. A incapacidade de ajustar o cinto impede uma intenção de projeto do pacote do Equipamento de Transporte de Carga Leve Modular dos EUA (US Modular Lightweight Load-Carrying Equipment - MOLLE) – que é de remover a carga dos ombros e deslocá-la para a pélves [75]. A incapacidade de ajuste do cinto significará que o carregador da carga torna-se menos eficiente [44] e mais propenso a lesões [16]. A falta de acomodação das exigências dos soldados femininos no projeto de equipamentos pode contribuir para uma redução no desempenho do carregador de carga feminino [25] e comprometer a segurança do soldado [74]. No entanto, antes que os projetistas de equipamentos de transporte de carga e coletes táticos considerem a melhor maneira de satisfazer os requisitos do soldado feminino, Browne [76] oferece uma preocupante lembrança de que o equipamento militar deve se concentrar em primeiro lugar na eficácia do combate antes de considerar preocupações antropométricas ou pessoal.


Sumário
Os fatores fisiológicos, como a massa de gordura corporal, a força e a resistência aeróbica, bem como os fatores biomecânicos, como o comprimento do passo e a inclinação para frente, têm a propensão de aumentar o custo de energia de se completar uma tarefa de transporte de carga e o potencial de lesão. A tríade do atleta feminino, que pode ser induzida ou piorada por atividade física intensa (como transporte de carga), ingestão nutricional deficiente e estressores nos ambientes de combate, também levanta preocupações de lesões potenciais. Além disso, deficiência de ferro, disfunção ou fadiga do PFM e problemas de equipamento militar podem reduzir o desempenho, aumentar a fadiga e aumentar o risco de ferimentos em soldados femininos.

Estratégias para melhorar o desempenho feminino no transporte de carga e minimizar lesões
Este artigo revisou e discutiu os impactos fisiológicos, biomecânicos e de saúde do transporte de carga no soldado feminino. A discussão de fatores que afetam o transporte de carga por soldados femininos e seus impactos sobre o soldado feminino foi ampliada e diversificada para incluir questões conhecidas por afetarem atletas femininos e, portanto, também muitos soldados femininos envolvidos em transporte de carga. Para abordar questões que afetam o desempenho do transporte de carga e minimizar lesões de transporte de carga em soldados femininos, várias estratégias devem ser consideradas, incluindo: condicionamento físico estruturado, melhoria das práticas de nutrição e hidratação e modificação do equipamento de transporte de carga para satisfazer os requisitos do soldado feminino.

Condicionamento físico estruturado
O condicionamento do transporte de carga precisa ser estruturado e cuidadosamente implementado. Com a consideração da susceptibilidade de soldados femininos a deficiências nutricionais, a tríade do atleta feminino e as subsequentes condições gerais de uso excessivo, o programa de transporte de carga precisa incluir períodos de "descarregamento" para facilitar a recuperação musculoesquelética e metabólica. Enquanto as sessões de condicionamento de transporte de carga devem ser conduzidas pelo menos uma vez a cada duas semanas [42], o condicionamento aeróbico suplementar e o treinamento de força devem ser incluídos [42]. A introdução da educação do músculo do assoalho pélvico e treinamento também podem ser benéficos [69]. Os impactos desta abordagem multi-camadas ajudam a abordar várias preocupações identificadas neste relatório, principalmente a necessidade de aumentar a massa muscular magra, controlar a massa de gordura corporal em um nível baixo e saudável, aumentar a força muscular, aumentar a capacidade aeróbica e melhorar a função muscular do assoalho pélvico.

Complementar esses programas de condicionamento seria a implementação de um programa efetivo de vigilância de lesões. Este programa deve ser proativo, através de monitoramento contínuo e adaptação direta do treinamento, e reativo, respondendo aos resultados e iniciando estratégias de melhoria nos programas de treinamento. Os benefícios deste tipo de programas são destacados pelas descobertas de um estudo sobre lesões de recrutas no Centro de Treinamento de Recrutas do Exército Australiano. O estudo observou que o sistema de vigilância de lesões desempenhou um papel forte e positivo na identificação, controle e influência da causação de lesões, reduzindo assim as taxas de lesão [77].

Melhorando práticas nutricionais
Para melhorar o estado do ferro, programas de educação nutricional, que destacam a importância da ingestão de ferro e os requisitos diários e fornecem informações sobre boas fontes de ferro na dieta de estilo de vida diária, devem ser fornecidos e essas opções tornadas facilmente disponíveis [65-67]. A suplementação oral de ferro pode ser considerada uma opção viável para melhorar a ingestão de ferro. Embora um estudo de Carins et al. [65] tenha encontrado que um suplemento diário de ferro de ~18mg não afetou o estado de ferro das mulheres, outra literatura apóia o uso e a eficácia da suplementação de ferro [66, 67]. No entanto, Johnson [78], recomenda que a abordagem de educação conservadora seja testada antes que a suplementação com um único nutriente seja garantida. Baseado nisso, é aconselhável o cuidado quanto à suplementação de ferro até que uma pesquisa posterior valide a eficácia do seu uso.



Melhorando as práticas de hidratação
A consciência do impacto da evasão de fluidos e as conseqüências subseqüentes devem ser levantadas e asseguradas entre os soldados femininos. No entanto, pesquisas futuras neste campo são necessárias, pois não se pode encontrar literatura que analise o uso de estratégias de conscientização para reduzir o impacto no desempenho e na saúde da evasão de fluidos como meio de prevenir a incontinência urinária. Além disso, as alternativas à prevenção de hidratação (como o condicionamento muscular do assoalho pélvico e a promoção de meios aceitáveis de gerenciamento da incontinência urinária no campo e durante as tarefas de transporte de carga) devem ser disponibilizadas e promovidas de forma a abordar as causas subjacentes de prevenção de hidratação entre as mulheres envolvendo transporte de carga [68, 71].

Modificação do equipamento de transporte de carga para atender aos requisitos do soldado feminino
Os programas de modernização do soldado estão atualmente sendo realizados por numerosas forças de defesa em todo o mundo*, incluindo as australianas (Land 125/Projeto WUDURRA), canadenses (IPCE), alemãs (IdZ), holandesa (Dutch Soldier Modernization Program), francesas (FÉLIN), italianas (Combattente 2000), espanholas (Combatiente Futuro), sul-africanas (African Warrior), britânicas (FIST) e dos EUA (LAND WARRIOR/OBJECTIVE FORCE WARRIOR), bem como as forças de defesa gregas, israelenses e norueguesas [79]. Esses programas de modernização incluem foco em várias áreas que afetam, direta ou indiretamente, os sistemas de transporte de carga do soldado [79]. Com afirmações de Ling et al. [7], de que a mochila militar MOLLE foi criada com base em características antropométricas masculinas e com as preocupações de ajuste específicas femininas e a necessidade identificada de uma maior variedade de tamanhos disponíveis para soldados femininos, parece lógico que esses programas do futuro guerreiro especificamente adaptem equipamentos para incluir características antropométricas femininas. Fracassar em fazê-lo pode afetar a futura geração e sustentação da força.

*Nota do Tradutor: O Brasil também possui o seu programa, o projeto Combatente Brasileiro (COBRA).

Limitações deste trabalho e recomendações para trabalhos futuros
Embora este artigo tenha começado a fundir evidências científicas dos campos de transporte de carga de soldado feminino e do atleta esportivo feminino, muitos tópicos ainda não foram discutidos. Os impactos da gravidez, os ciclos menstruais e ováricos e possíveis problemas psicopatológicos fornecem exemplos de tópicos que, embora explorados em relação ao atleta feminino, ainda não foram explorados no contexto do transporte de carga militar. Além disso, enquanto várias estratégias-chave foram discutidas, outras estratégias potenciais, como a seleção de soldados, ainda não foram revisadas. Espera-se que este documento forneça o ímpeto para futuros documentos de discussão e pesquisa em que o campo de transporte de carga do soldado feminino e o campo do atleta esportivo feminino são considerados e expandidos ainda mais.



Conclusões
É claro a partir da evidência de pesquisa apresentada neste artigo que existem evidências suficientes para informar o desenvolvimento e implementação de estratégias para melhorar o desempenho do transporte de carga e reduzir os riscos associados em soldados femininos - uma área que historicamente recebeu pouca atenção. Algumas dessas evidências são extraídas da pesquisa no contexto militar, e algumas das pesquisas no contexto de atletas do sexo feminino. Embora mais pesquisas sejam necessárias, é oportuno à luz dos desenvolvimentos recentes na natureza das operações militares, para forças militares em todo o mundo considerarem as evidências disponíveis e implementarem estratégias adequadas para melhorar o desempenho do transporte de carga e reduzir os riscos associados entre os soldados femininos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário