Mostrando postagens com marcador Dragunov. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dragunov. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de maio de 2022

A desmontagem do SVD Dragunov


Por Austin R., The Firearms Blog, 21 de maio de 2019.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 26 de maio de 2022.

LEMBRE-SE das quatro regras de segurança de armas:
  1. Todas as armas estão sempre carregadas.
  2. Nunca deixe o cano apontar qualquer coisa que você não esteja disposto a destruir.
  3. Mantenha o dedo fora do gatilho até que sua mira esteja no alvo.
  4. Tenha certeza do seu alvo e do que está atrás dele.
Desmontagem em primeiro escalão: SVD Dragunov Tigre


Nesta edição do TFB Field Strip, desmontamos um SVD-63 russo também conhecido como Dragunov. Essa variante em particular é chamada de Tiger (Tigre) e foi importada para os Estados Unidos no início dos anos 90. O dono do fuzil não é outro senão Mike Pappas, da Dead Air Silencers. Ele teve a gentileza de me guiar pela desmontagem de primeiro escalão do seu Dragunov Tigre pessoal, bem como a desmontagem completa do fuzil.

Primeiro, remova o carregador do receptor e verifique se o rifle está vazio e o registro em seguro. Localize a alavanca de liberação rápida da luneta no lado esquerdo do fuzil e gire-a para a esquerda para a posição destravada. Com a luneta destravada, deslize-a para removê-la do receptor.

Retire o carregador.

Destrave a luneta (escopo).

Remova a luneta deslizando-a para trás.

Gire a alavanca do eixo do receptor 180 graus para trás para destravar a tampa do receptor. Em seguida, empurre a tampa para trás lentamente para removê-la. Empurre o conjunto do ferrolho para trás até a extremidade do receptor e, em seguida, levante-a verticalmente do receptor para removê-la. Empurre o ferrolho para trás e gire 45 graus para destravá-lo do conjunto.

Gire a alavanca do eixo do receptor 180º para trás.

Remova a tampa para trás.

Empurre o ferrolho 45º para trás.

Com o ferrolho solto do conjunto, puxe o ferrolho para frente para removê-lo. Gire a alavanca de segurança 90 graus no sentido anti-horário e, em seguida, levante verticalmente para removê-la. Puxe suavemente a extremidade inferior do conjunto do gatilho para baixo em um ângulo de 45 graus para removê-lo.

Com o ferrolho solto do conjunto, puxe o ferrolho para frente para removê-lo.

Gire a alavanca de segurança 90º no sentido anti-horário.

Puxe suavemente o guarda-mato para baixo em um ângulo de 45º.

Ranhuras do conjunto do gatilho.

Observe as ranhuras de indexação na frente do conjunto do gatilho. Coloque-os no pino no centro do receptor antes de encaixar o conjunto no lugar (durante a reinstalação).

Desmontagem total

Ferramenta para desparafusar o tubo de gás.

Usando a ferramenta de remoção fornecida, desparafuse o tubo de gás do bloco de gás. Insira o lado pequeno da ferramenta de remoção no pino do eixo da liga e gire-o 180 graus para baixo. Com o pino do eixo da liga liberado, empurre a liga superior para frente para liberar as placas do guarda-mão.

Gire a ferramenta 180º para baixo.

Empurre a liga para liberar o guarda-mão.

Para remover o pistão de gás, pegue o pistão de gás e empurre-o para trás para removê-lo do tubo de gás dianteiro. Com o pistão de gás de curso curto removido, agora você pode desaparafusar e remover o tubo de gás. Todo o conjunto do pistão consiste em uma mola empurradora, empurrador, pistão de gás e tubo de gás.

Empurre o pistão de gás para trás.

Remova o tubo de gás.

Para remover o apoio de bochecha, coloque a mão embaixo do fecho e puxe a trava na sua própria direção. Agora você pode guardar o apoio de bochecha com segurança, longe de qualquer solvente ou material de limpeza que você possa precisar.

Pressione a trava do fecho.

O descanso da bochecha.

O Tigre agora está totalmente desmontado, com todos os componentes de disparo removidos.

As peças desmontadas.

O fuzil foi desmontado ainda mais, e algumas ferramentas americanas foram usadas para realizar essa tarefa. Certifique-se sempre de manter sob controle as suas peças e ter uma área de trabalho designada ao desmontar armas de fogo.

O fuzil e as peças em cerimonial.

Sobre o autor:

Austin R. é um contratado militar que gosta de conduzir pesquisas e recargas independentes de armas de fogo. Consultas e sugestões de artigos são bem-vindas em austinjrex no Gmail.com

Leitura recomendada:


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2022

Precisão Russa: O Fuzil Sniper Dragunov


Por Leroy Thompson, Tactical-Life, 15 de outubro de 2013.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 17 de fevereiro de 2022.

O Fuzil Sniper Dragunov (SVD) serviu como um fuzil sniper para as forças armadas russas por quase 50 anos!

Se você tivesse US$ 25.000 em 1975, isso valeria US$ 106.383 hoje. (Alguns de vocês que se lembram da guerra no Sudeste Asiático provavelmente sabem onde quero chegar com isso.) Durante e imediatamente após a Guerra do Vietnã, as agências de inteligência dos EUA estavam oferecendo US$ 25.000 por um fuzil de precisão Dragunov. Embora tenha sido produzido na União Soviética desde 1963, era praticamente desconhecido no Ocidente. Na época havia descrições dele, mas nem fotos estavam disponíveis. Houve alguns relatos de atiradores de elite soviéticos com unidades norte-vietnamitas usando o Dragunov contra as tropas americanas. No entanto, nenhum dos franco-atiradores foi capturado, nem seus fuzis.

Rastreando-o


Ainda hoje, o Dragunov - isto é, um verdadeiro fuzil sniper Dragunov russo - raramente é encontrado nos EUA. Um faux Dragunov, o PSL romeno, é bastante comum nos EUA. Mas conquanto um Dragunov usa um sistema de pistão de curso curto e operado a gás com um ferrolho rotativo, o PSL usa um sistema de curso longo baseado no AK-47. Pelo que entendi, o Dragunov tem um sistema de curso curto porque acreditava-se que um sistema de curso longo teria um efeito negativo nos fuzis de batalha; os fuzis Tigr (Tigre) não parecem “certos”.

Na ponta do cano há um quebra-chama longo e uma alça de baioneta. O orifício na parte superior da coberta da massa de mira permite o seu ajuste.

O Dragunov também é conhecido como SVD, ou Snayperskaya Vintovka Dragunova, que se traduz em “fuzil de precisão Dragunov”. Embora tenha funcionado como um fuzil sniper dentro das forças armadas russas por quase 50 anos, o SVD é realmente mais parecido com o que as forças armadas americanas consideram um fuzil de atirador designado. O SVD pretendia dar a um grupo de combate russo uma arma com capacidade de engajamento de mais longo alcance do que a de um AK-47 (ou, mais recentemente, um AK-74). Um membro de cada grupo de combate de infantaria russo deveria estar armado com um SVD.

Detalhes da arma

O fuzil pareceu leve e prático, e disparar com a mão sem apoio resultava em acertos consistentes a 100 jardas (91,4m).

Como o Dragunov é um semiautomático com um carregador de 10 tiros, ele é capaz de disparos rápidos de acompanhamento quando usado em apoio ao avanço da infantaria. Ele também é compartimentado para o mesmo cartucho 7.62x54R usado por snipers russos durante a Segunda Guerra Mundial. Isso lhe dá mais alcance do que um AK-47 de 7,62x39mm ou um AK-74 de 5,45x39mm. Como o Dragunov dispara o poderoso cartucho 7,62x54R, o ferrolho rotativo possui três terminais de trancamento robustos. Para melhorar a operação em condições de sujeira ou inverno, o SVD possui um regulador de gás de duas posições.

O cano é revestido de cromo, pois a munição 7,62x54R foi corrosiva durante grande parte do serviço da arma. Há um quebra-chama longo no final do cano, que também possui uma alça de baioneta. Um ex-atirador das Spetsnaz com quem conversei na Rússia me disse que muitos snipers achavam que seus Dragunovs eram mais precisos com a baioneta montada porque levava à melhor harmonia do cano.

Carregador e retém do carregador.

Conjunto do gatilho e registro de segurança.

As coronhas e guarda-mãos do SVD são distintos. A coronha esquelética é realmente bastante confortável e alivia o peso do fuzil o suficiente para torná-lo relativamente fácil de disparar à mão sem base, e os guarda-mãos de madeira ventilados parecem ajudar a dissipar o calor. Um apoio de bochecha removível é montada na coronha para uso com a luneta.

Se as miras de ferro de reserva forem usadas, o apoio de bochecha é removido. Muitos fuzis de precisão não têm miras de ferro de reserva, mas deveriam - fuzis de precisão se tornam inúteis se algo acontecer com a luneta. Como o Dragunov usa uma montagem de luneta lateral, as miras podem ser usadas quando uma luneta é montada.

Luneta PSO-1

O retículo da luneta PSO-1 do Dragunov.

Falando da luneta, o escopo padrão do Dragunov é o PSO-1. Quando foi introduzido na década de 1960, o PSO-1 era uma das óticas militares mais avançadas do mundo, talvez uma das razões pelas quais os russos eram tão secretos sobre o SVD. A ampliação do PSO-1 é de 4x e o retículo é iluminado por meio de uma bateria. O retículo pode ser usado para busca de distância, compensação da altura ou movimento. Para permitir o uso no rigoroso inverno russo, o PSO-1 incorpora um aquecedor de bateria.

A luneta tem um mostrador de elevação com um compensador de queda da bala e um metascópio para identificar uma fonte infravermelha. Uma proteção ocular de borracha evita que a luz periférica distraia o atirador e também fornece o espaço correto de alívio do olho de 68mm para o escopo. Mesmo meio século depois de ter entrado em produção, o PSO-1 continua bastante utilizável, tendo adquirido muitos alvos em todo o mundo. A geração atual é o PSO-1M2.

Aqui é mostrada a alça de mira de ferro.
Como o Dragunov usa uma montagem de luneta lateral, o BUIS pode ser usado quando uma luneta é montada.

Visão lateral mostrando a montagem da luneta.

Às vezes, Dragunovs designados como “SVDN” são encontrados. Essas armas montarão uma das miras russas de visão noturna. Os dois telescópios passivos de visão noturna que eu sei que foram usados no Dragunov são o NSP-3 de 2.7x e o PGN-1 de 3.4x. (Acredito que o visor noturno 1PN93-3 usado na metralhadora PKM também foi usada no Dragunov.) Um contato russo meu que estava em uma unidade Spetsnaz no Afeganistão me contou sobre o uso de um Dragunov com ótica de visão noturna. Acredito que seja um PGN-1, mas nossa conversa aconteceu há 20 anos, então posso ter entendido errado. Meu contato disse que eles usaram os Dragunovs com ótica de visão noturna até 400 ou 500 metros. (Ele também me mostrou o sistema de jogar no ombro, enquanto aferrava de joelhos, eles usavam para jogar mujahideen de penhascos em combate corpo a corpo noturno!)

Com munição padrão 7,62x54R, esperava-se que o Dragunov disparasse cerca de 2 MOA (Minuto de Ângulo); com as munições especiais de sniper 7N1, pouco mais de 1 MOA. No entanto, isso era teórico: Com munição padrão 7.62x54R, esperava-se que o Dragunov disparasse cerca de 2 MOA; com as munições especiais de sniper 7N1, pouco mais de 1 MOA. No entanto, isso era teórico: esses grupos raramente eram alcançados ao que me parece.

O PSO-1 de 4x possui um retículo iluminado, um mostrador de elevação com um compensador de queda de bala e um metascópio para identificar uma fonte infravermelha.

O SVD tem uma coronha esquelética de madeira e punho de pistola, e muitos atiradores acham o punho grosso. O apoio de bochecha destacável é para uso com a luneta.

Em 1999, o 7N1 foi substituído pelo 7N14, que possui uma bala perfurante. Eu nunca disparei a munição 7N14, mas alguns anos atrás eu tive a chance de disparar alguns carregadores de 7N1. O estande não tinha alvos de papel configurados, então eu atirei em silhuetas de 200 jardas e acertei-as todas as vezes. O PSO-1 daquele fuzil foi zerado a 200 jardas. Um lote de munições 7N1 chegou aos EUA há alguns anos e foi engolido rapidamente. Eu ocasionalmente o vejo à venda no GunBroker.com por cerca de um dólar por munição.

Outras encarnações


O Dragunov foi atualizado ao longo de sua vida útil. A versão atualizada frequentemente vista em uso hoje tem uma coronha esquelética de material sintético e bipé e pode montar uma luneta de potência variável de 3-9x42mm. Há também o SVDS, que foi projetado para uso por tropas aerotransportadas e incorpora um cano mais curto e coronha dobrável. É normalmente equipado com o osciloscópio PSO-1M2, ou com óptica de visão noturna e designado como SVDSN.

Embora os russos permanecessem em segredo sobre o Dragunov por alguns anos, ele foi fornecido aos exércitos parceiros do Pacto de Varsóvia ou construído sob licença. Eventualmente, outros países dentro da esfera soviética também receberam Dragunovs. Os atiradores americanos provavelmente estão mais familiarizados com o Tipo 79 chinês, que era uma cópia licenciada* do SVD russo produzido pela Norinco. Houve algumas pequenas diferenças, incluindo, supostamente, uma coronha ligeiramente menor para acomodar a menor estatura dos soldados chineses.

*Nota do Tradutor: A China produziu uma cópia não licenciada do SVD através da engenharia reversa de exemplares capturados durante a Guerra Sino-Vietnamita de 1979.

Norinco NDM-86.
A versão chinesa do Dragunov.

O primeiro Dragunov que disparei foi um Tipo 79: Vários anos atrás, algumas unidades de operações especiais dos EUA adquiriram Tipos 79 para usar no treinamento de familiarização com o Dragunov, e eu tive a chance de atirar com um. Alguns dos Dragunovs Tipo 79 foram produzidos em 7,62x51mm OTAN, e estou ciente de uma unidade de operações especiais dos EUA que os adquiriu por causa da munição prontamente disponível.

Existem algumas indicações de que os primeiros Dragunovs chineses foram realmente construídos na Rússia e fornecidos aos chineses. Hoje, os Dragunovs Norinco são bastante procurados nos EUA, pois nem todos foram importados - cerca de 2.000 por algumas estimativas. No ano passado, vi Tipos 79 7,62x51mm NATO saírem por US$ 5.000 e bons com câmara para 7.62x54R por US$ 7.500. Observe que, às vezes, os Tipos 79 podem ser designados como Tipo 85, dependendo de qual luneta é usada.

A Índia também construiu Dragunovs sob licença, e o Irã produziu uma arma própria baseada no Dragunov, o fuzil sniper Nakhjir. Atiradores finlandeses usam uma versão bem feita do Dragunov, o TKIV, produzido pela Sako. Muitos daqueles que atiraram no TKIV o consideram o Dragunov mais preciso que dispararam, embora eu tenha que admitir que alguns finlandeses que conheço não o consideram muito bem. Por outro lado, os finlandeses emitiram o TKIV de 7,62mm e me disseram que o preferem, pois é muito mais fácil de transportar do que o TKIV de 8,6mm mais pesado (Sako TRG-42) e sua munição mais pesada.


Praticamente todos os outros países dentro da esfera de influência soviética durante a Guerra Fria usaram o Dragunov. Alguns, como a Ucrânia, ainda o fazem. Cuba tinha usado o Dragunov, e lembro-me de ter visto um capturado durante a operação de Granada. O SWD-M da Polônia era uma versão modernizada do SVD, com um cano mais pesado, mira de potência variável e bipé destacável.

Como acontece com a maioria das armas russas, o Dragunov continuará aparecendo em pontos problemáticos por décadas. Na verdade, as tropas russas enfrentaram franco-atiradores chechenos - muitas vezes ex-atiradores do Exército russo - armados com Dragunovs durante a guerra de 1999 a 2009. As tropas dos EUA enfrentaram Dragunovs nas mãos de atiradores mercenários chechenos no Iraque também.

Impressões do disparo


Enquanto preparava este artigo, tive a chance de atirar com um Draugnov para me familiarizar novamente com o fuzil. Se eu tivesse alguns cartuchos de sniper 7N1 disponíveis, eu os teria usado e depois usado água fervente para limpar a munição corrosiva. No entanto, não o fiz, então aproveitei o fato de que a Century International Arms fornece munição Barnaul 7.62x54R, 185 grãos, FMJ, não corrosiva e encomendei 100 cartuchos. O Barnaul era na verdade mais pesado do que a carga de 152 grãos da 7N1 sniper, mas eu estava atirando para me familiarizar com o fuzil, não para zerá-lo para a munição de sniper padrão. Uma das primeiras coisas que notei foi como o Dragunov é leve e prático em comparação com a maioria dos fuzis de precisão.

Este fuzil deveria ser carregado pelo atirador de longo alcance em um grupo de combate de infantaria – ênfase na palavra "carregado". Embora os atiradores de grupo de combate normalmente usassem uma bandoleira com o Dragunov algumas vezes, o Dragunov que eu atirei não tinha uma bandoleira montada.

"23, tá sem bandoleira?"


Como de costume, acho a segurança do tipo AK relativamente lenta para operar: tenho que remover o polegar do punho da pistola ou usar o dedo do gatilho. Na verdade, isso é um problema menor para um fuzil sniper do que para um AK que provavelmente será carregado por um homem-ponto. Eu provavelmente carregaria o SVD com a trava de segurança desativada e uma câmara vazia e estenderia a mão de apoio para engajar o ferrolho. A luneta atrapalha até certo ponto, mas eu executei a ação algumas vezes e funcionou.

No passado, estudei traduções dos manuais do SVD e PSO-1, para aprender a usar os vários recursos do retículo, incluindo o alcance. Aqui achei desnecessário. Usar o ponto de mira central de insígnia foi suficiente e fácil de usar para pontaria precisa. Na maior parte, usei a insígnia para atirar em placas de 100 e 200 jardas. Eu não ajustei para elevação, apenas meu ponto de mira. De um descanso em pé, eu estava atingindo as placas praticamente todas as vezes, e com a mão sem apoio a 100 jardas eu estava atingindo consistentemente.

O gatilho do Dragunov certamente não é o que esperávamos para um verdadeiro fuzil sniper, mas é consistente e bastante nítido. Eu tinha atirado bastante com o .30-06 1903 Springfield recentemente e pensei que seria uma boa base de comparação com o 7,62x54R SVD.

Subjetivamente, o recuo do SVD parecia menos perceptível, possivelmente porque a operação semiautomática do ferrolho  amortece o recuo. Eu gostei da coronha do Dragunov, embora sentisse um pouco curto em termos de obter o melhor apoio na bochecha e espaço de alívio do olho.

Os fuzis politicamente corretos que foram importados com coronhas esqueléticas com punho de pistola me ofendem, mas eu gosto dessa coronha do Dragunov, provavelmente porque foi com ela que o fuzil foi emitido. Com exceção de querer uma polegada a mais, também acho essa coronha muito confortável.

Considerações finais


Eu tenho fuzis de precisão com os quais posso atirar consistentemente em grupos meio-MOA. Se em um dia muito bom eu atirasse um grupo 2-MOA com o Dragunov, ficaria emocionado. Meus outros fuzis de precisão não parecem tão naturais nas mãos quanto o Dragunov, nem se prestam tão bem a um tiro rápido sem base.

Há algo sobre o Dragunov. Talvez tenha a ver com o prêmio de US$ 25.000 por capturar um, ou que ele provavelmente seja visto nas mãos dos inimigos dos Estados Unidos, da Guerra Fria à Guerra ao Terror. Mas para mim, honestamente, muito do apelo do Dragunov é estético – elegante e mortal.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

GALERIA: Snipers da Divisão Taman em Moscou


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de fevereiro de 2022.

Treinamento de atiradores de elite da Divisão de Fuzileiros Motorizados Taman, do Distrito Militar Ocidental, julho de 2021. O exercício ocorreu no campo de treinamento de Alabino, na região de Moscou, o mesmo setor onde ocorre o Biatlo de Tanques nos Jogos do Exército.

Os atiradores de elite usaram fuzis semiautomáticos SVD Dragunov, e os fuzis pesados .50 KSVK Degtyarev. O Dragunov tem uma longa e tradicional história, sendo produzido nos anos 1960 na época da União Soviética. Já o KSVK é um fuzil novo, introduzido como parte do programa Ratnik (Guerreiro) do Exército Russo. Seu nome é Fuzil Sniper de Grande Calibre Kovrov (Крупнокалиберная Снайперская Винтовка Ковровская / Krupnokalibernaya Snayperskaya Vintovka Kovrovskaya), formando o acrônimo KSVK e sendo conhecido também como "Fuzil Sniper Degtyarev".

O KSVK foi desenvolvido no final da década de 1990 pela fábrica Degtyarev, com sede em Kovrov, na Rússia; ele é baseado no fuzil experimental SVN-98 de 12,7mm. O KSV é um fuzil de repetição ferrolhado e na configuração bullpup, que é um desenho confortável para o tiro de franco-atirador. O cano é equipado com um dispositivo que atua como um freio de boca e um abafador de som. Além das lunetas, o KSVK possui miras de ferro laminado como reserva, tal qual o Dragunov. Suas variantes são os modelos:
  • SVN-98 (СВН-98),
  • KSVK (КСВК),
  • ASVK (АСВК, fuzil sniper de grande calibre do exército Kovrov) - adotado pelo Ministério da Defesa da Federação Russa sob a designação 6S8 "KORD" complexo sniper (6С8 «Корд») em junho de 2013 e usado pelo Exército Árabe Sírio durante a Guerra Civil Síria.
  • SBT12M1 - um projeto vietnamita baseado no KSVK russo com várias modificações para se adequar às condições locais. Está equipado com a mira óptica N12 também de produção vietnamita com ampliação de 10x. Fabricado nas fábricas Z111 e Z199.
  • ASVK-M Kord-M: versão atualizada.
Na Rússia, o KSVK é atualmente usado por unidades dos Distritos Militares do Sul, Leste e Oeste e da Frota do Norte. A versão melhorada ASVK-M Kord-M entrou em serviço em junho de 2018. As forças separatistas russas no leste da Ucrânia também o utilizam, e o mesmo na Síria, pelas forças leais ao governo sírio de Bashar al-Assad.





















Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada: