Mostrando postagens com marcador Dragunov. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dragunov. Mostrar todas as postagens

sábado, 4 de dezembro de 2021

GALERIA: Tavor georgiano

Desfile das Forças Especiais da Polícia da Geórgia celebrando o Dia da Independência em 26 de maio de 2004.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de dezembro de 2021.

O primeiro usuário de exportação do fuzil de assalto bullpup israelense Tavor TAR-21 foram as Forças Especiais da Polícia da Geórgia, com os georgianos encomendando o primeiro lote em 2001, um ano antes da Índia, o primeiro grande operador. Os fuzis georgianos foram recebidos em 2003, e os indianos em 2005. Os fuzis Tavor encomendados tanto para a Geórgia quanto para a Índia foram produzidos pela empresa estatal Israel Military Industries (IMI).

Os TAR-21 da Geórgia são calibrados em 5,56mm padrão, apesar da possibilidade de serem calibrados no 5,45mm já em estoques herdados da União Soviética.

Operadores georgianos com o TAR-21.

Símbolo da IMI no TAR-21 georgiano, em calibre 5,56mm.

Também conhecida como Ta'as (hebraico: תעש, התעשייה הצבאית), a IMI foi uma fabricante de armas israelense fundada em 1933, antes mesmo da criação do Estado de Israel, e cujas armas portáteis são muito populares em todo o mundo até os dias de hoje. Em 2005, a sua Divisão de Armas Portáteis (Divisão Magen) foi privatizada para a holding privada israelense SK Group e renomeada Israel Weapons Industries (IWI), enquanto o resto da empresa foi rebatizada IMI Systems. A IWI faz parte de um grupo de empresas que desenvolve e fabrica uma grande variedade de armas e fuzis usados por exércitos e agências de segurança pública em todo o mundo.

Em 25 de novembro de 2018, a Elbit Systems concluiu a aquisição da IMI Systems e a renomeou para Elbit Systems Land.

Operadores desfilando com os AK74 da era soviética.

Operadores posando com fuzis AK74, Tavor TAR-21 e Dragunov.

Leitura recomendada:


sábado, 14 de agosto de 2021

GALERIA: Cadetes femininas paraquedistas da Escola Superior de Ryazan


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de agosto de 2021.

Cenas de treinamento das cadetes femininas da Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan (RGVVDKU), fotografadas por Igor Rudenko em março de 2016.

A Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan é um instituto educacional militar do Ministério da Defesa da Rússia. Foi formada pela primeira vez como Cursos de Infantaria de Ryazan em 13 de novembro de 1918 - portanto, é uma das mais antigas academias militares ativas na Rússia moderna. É a academia militar oficial e o centro de treinamento avançado das Forças Aerotransportadas Russas.

Cadetes posando com fuzis sniper SVD Dragunov.

Cadete com um traje ghillie e fuzil SVD Dragunov.

Seu nome completo é Escola Superior de Comando Aerotransportada de Guardas de Ryazan Ordem de Suvorov e duas vezes Ordem da Bandeira Vermelha em homenagem ao General do Exército V.F. Margelov (Ряза́нское гвардейское вы́сшее возду́шно-деса́нтное о́рдена Суво́рова два́жды Краснознамённое кома́ндное учи́лище и́мени генера́ла а́рмии В. Ф. Марге́лова, RGVVDKU).

O militar precedido pelo pomposo nome da escola é o General Vasiliy Filippovich Margelov, Herói da União Soviética e pai das Forças Aerotransportadas Soviéticas. Em agosto de 1959, o então Vice-Comandante das Forças Aerotransportadas, Tenente-General Vasily F. Margelov foi nomeado presidente da comissão de exame final da escola e, na graduação, de 129 novos oficiais, 119 tenentes foram enviados para as Forças Aerotransportadas (VDV). Com a maioria dos graduados sendo destacados para as Tropas Aerotransportadas, a escola foi renomeada como Escola Superior Aerotransportada de Ryazan Ordem da Bandeira Vermelha em 23 de março de 1964.








Cadete paraquedista cavalgando junto a um blindado.
Hipismo é uma atividade da academia.


Documentário: O Batalhão Paraquedista Feminino


O primeiro curso feminino da escola ocorreu em 2013. De 2014 a 2015, a RT russa produziu um documentário em 27 episódios chamado "O Batalhão Feminino", e dublado em inglês, acompanhando um grupo de cadetes femininas paraquedistas.


Mulheres nas forças armadas russas-soviéticas não são uma novidade, são até uma tradição em certa medida. Dos Batalhões da Morte Femininos no final da Primeira Guerra Mundial (1917-1918) às unidades snipers na Segunda Guerra Mundial. Em 14 de janeiro de 1942, paraquedistas soviéticos em manobras foram fotografados por Oleg Knorring do jornal Krasnaya Zvezda (Estrela Vermelha), nº 11, durante um exercício de inverno.

O matéria destaca duas paraquedistas com o texto:

"Paraquedistas soviéticas: Heroína paraquedista, portadora da Ordem da Bandeira Vermelha Galya Metlyaeva (à esquerda) e Zhenya Leonovaya. Fotocor instantâneo. Estrela Vermelha. O. Knorring."

Paraquedistas femininas fotografadas durante o exercício.

Outras imagens da matéria.

Bibliografia recomendada:

A guerra não tem rosto de mulher.
Svetlana Aleksiévitch.

Leitura recomendada:










FOTO: General paraquedista, 2 de outubro de 2020.

segunda-feira, 21 de junho de 2021

FOTO: Fuzis variantes do SVD Dragunov

Fuzis sniper baseados no SVD Dragunov.
(Daily Gun Dose)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 21 de junho de 2021.

De cima para baixo:

  • M76 iugoslavo em 8mm Mauser,
  • PSL romeno em 7,62x54mmR,
  • NDM-86 chinês em 7,62x51mm,
  • NDM-86 chinês em 7,62x54mmR,
  • Tiger russo em 7,62x54mmR.

Norinco NDM-86.
A versão chinesa do Dragunov.

Teste de precisão com o NDM-86

O sistema Dragunov foi o primeiro fuzil desenhado especificamente para o tiro de precisão, sendo semi-automático ao invés de um sistema de repetição por questão doutrinária. A experiência soviética ditava tiros em sequência contra alvos em movimento que se expunham apenas por curtos períodos. O fuzil também foi projetado com um retém de baioneta por questões culturais. O Dragunov viu uso extensivo no Afeganistão na década de 1980.

O PSL romeno (Puşcă Semiautomată cu Lunetă, P.SA.L./PSL, literalmente "fuzil semi-automático com luneta"), por outro lado, foi desenhado com base na metralhadora RPK, a versão fuzil-metralhador do AKM (AK-47 modernizado), e projetado para realizar a mesma função do Dragunov e com a mesma ergonomia. A razão da diferença é que em 1968 os soviéticos invadiram a Tchecoslováquia e esmagaram a Primavera de Praga. Isto gerou uma rejeição internacional mesmo no Pacto de Varsóvia; o líder da Romênia comunista, Nicolae Ceaușescu, sendo o mais vocal opositor da invasão. Ceaușescu não apenas se recusou a participar da invasão, como denunciou a agressão soviética em discurso público ao povo romeno, chegando até mesmo a exortar o povo romeno a resistir e lutar caso a União Soviética ousasse invadir a Romênia.

Em 1968, o Dragunov ainda não havia sido suprido aos aliados não-soviéticos do Pacto de Varsóvia, e os romenos entraram na lista negra de Moscou e foram negados o novo armamento. Os romenos tiveram que desenvolver o sniper semi-automático com seus próprios recursos, redescobrindo a roda.

Apresentação do PSL


Variantes do Dragunov

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:




domingo, 16 de maio de 2021

FOTO: Pausa para um canino na Ucrânia

Um sniper russo separatista brinca com um cachorro de rua sob uma ponte na Ucrânia, 2015.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 16 de maio de 2021.

Durante uma pausa na Batalha de Debaltseve (2015), na Ucrânia, um separatista russo brinca com um cachorro de rua sob uma ponte. Ele está equipado com joelheiras e armado com o venerável fuzil SVD Dragunov.

Bibliografia recomendada:

Sniper Rifles:
From the 19th to the 21st century.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:




FOTO: Posto sniper na Chechênia15 de outubro de 2020.

sábado, 8 de maio de 2021

GALERIA: Snipers soviéticos no Afeganistão


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 7 de maio de 2021.

Coletânea de fotografias de snipers soviéticos no Afeganistão. Nessa época, o exército soviético usava um único modelo, o SVD (Snáyperskaya Vintóvka sistém'y DragunóvaFuzil Sniper modelo de Dragunov); este fuzil foi o primeiro fuzil projetado para o tiro de precisão. Os soviéticos optaram por um fuzil sniper de uso geral, semi-automático e com um retém de baioneta por conta da sua experiência de guerra urbana contra o Eixo e pela sua tradição de culto à baioneta, ao invés de um fuzil muito especializado. A experiência soviética ditava que os combates eram rápidos, com alvos aparecendo por pouco tempo em janelas e esqueinas, e que o combate aproximado era comum mesmo para snipers (que, não raro, carregavam submetralhadoras como arma secundária em combate urbano).

snayperskaya, o culto ao sniper, se mantinha e equipes snipers eram alocadas pelas unidades, especialmente em nas unidades de reconhecimento, que eram onipresentes nas formações soviéticas e muito utilizadas no Afeganistão.

Sargento Vladimir Ilyin, reivindicando a morte de um chefe mujahideen de uma distância de 1.350m, sendo o atirador com o abate de mais longa distância na Guerra do Afeganistão (1979-1989).




Com o bipé.






















Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada: