Mostrando postagens com marcador Bullpup. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bullpup. Mostrar todas as postagens

domingo, 16 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores paquistaneses com fuzis FN F2000

Homens da Ala de Serviços Especiais da Força Aérea do Paquistão carregando fuzis FN F2000 durante um treinamento no Fort Lewis, em Washington, nos Estados Unidos, em 23 de julho de 2007.

O funcionamento do FN F2000


Leitura relacionada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Tec Target Schneider: O novo fuzil de precisão bullpup alemão

Modelo Hanna Selena com um fuzil bullpup Tec Target Schneider calibrado em .338 Lapua Magnum.
(@hanna.selena)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Em 2020, a Tec Target Schneider (TTS) da Alemanha, e seu parceiro de vendas IEA Mil-Optics GmbH, apresentou o fuzil bullpup TTS Xceed, de longo alcance e ferrolhado. Trata-se de um desenho modular e ergonômico com uma aparência futurista, oferecendo calibre rápido e intercambiabilidade do cano. O fuzil entrou em produção na Tec Target Schneider GmbH em 2021, principalmente visando o mercado civil.

Esse novo fuzil foi projetado por Hubert Schneider, um armeiro de Baden-Württemberg que se especializou no projeto e fabricação de armas de precisão, tendo desenvolvido muitas com suas empresas anteriores, como Mauser, Rheinmetall e DSR-Precision.

O TTS Xceed tem a configuração bullpup (com a ação atrás do gatilho) de forma semelhante à plataforma DSR-1, outra plataforma sniper alemã adotada por unidades especiais européias como o famoso GSG-9 alemão. Por ser modular, existem vários comprimentos de cano, guarda-mão e calibres disponíveis; como por exemplo o 6x47 Lapua, o 6,5 Creedmoor, o .308 Winchester, o .300 Win Mag e o .338 Lapua Magnum (como na versão usada por Hanna na foto do topo).

O Xceed em valise.

O Xceed é considerado "o resultado de muitos anos de experiência no desenvolvimento e produção de fuzis desportivos e de precisão"; ele também é anunciado como um sistema de franco-atirador modular com muitas peças que podem ser trocadas por outros acessórios.

O fuzil também possui um descanso de bochecha ajustável, bem como um bipé que pode ser ajustado para comprimento e altura. O quebra-chama do fuzil é feito de titânio revestido com um carbono semelhante a diamante, enquanto o cano é revestido de aço inoxidável e pode ser alterado em minutos para um calibre diferente. A arma é fabricada em comprimentos padrão e compactos.

Bipé TTS de fábrica.

O bipé dedicado do fuzil TTS Xceed é fortemente baseado no design do bipé emitido pelo DSR-1 e pode ser considerado sua evolução direta. Ele se conecta ao trilho superior, bem na guarda-mão, pode ser reposicionado para mudar o equilíbrio do fuzil dependendo da posição de tiro, pode ser empregado de forma fácil e silenciosa com uma única mão e é facilmente ajustável.

A parte inferior do guarda-mão vem com ranhuras M-LOK, permitindo ao usuário escolher entre o bipé montado na parte superior TTS de fábrica ou outros bipés comerciais.

O Xceed possui ergonomia ajustável que pode ser manipulada sem o uso de ferramentas, com o receptor (caixa da culatra) sendo feito de alumínio. O fuzil possui um gatilho totalmente ajustável que é desenhado para o uso de luvas de inverno; uma trava de segurança ajuda a bloquear o gatilho e a câmara quando o fuzil é colocado em seguro no registro de segurança.

Desmontagem em primeiro escalão.

O comunicado de imprensa da TTS, de 25 de março de 2020, assim descreveu o novo fuzil:

TTS: Novo sistema modular de fuzil de precisão em desenho bullpup

Dietingen / Nagold (ww): A Tec Target Schneider - abreviadamente TTS - e seu parceiro de vendas I-E-A Mil-Optics GmbH recentemente apresentaram um novo sistema modular de fuzil de precisão com desenho bullpup no GPEC.

Existem vários comprimentos de cano e calibres (atualmente 6 x 47 Lapua, 6.5 Creedmoor, .308 Win, .300 Win Mag e .338 Lapua Magnum) e guardas-mão de diferentes comprimentos disponíveis para o fuzil. A arma, que pode ser operada de ambos os lados, e pode ser adaptada individualmente ao atirador. Este possui um dispositivo de segurança de três posições (disparo único, câmara de segurança / bloqueio móvel, câmara de segurança / bloqueio travado), um gatilho de acionamento, um esporão de solo e está suspenso do bipé ajustável sob o centro de gravidade. Os canos e superfícies de aço inoxidável são predominantemente revestidos com DLC. A capacidade do carregador é de cinco cartuchos.

O desenho modular da arma permite que o usuário mude o cano em poucos minutos em vários calibres e comprimentos de cano.

A vantagem do sistema Bullpup é óbvia, especialmente no campo de tiro de precisão. Apesar do comprimento do cano de precisão, a arma mantém dimensões compactas. Isso permite que o atirador de precisão os transporte de forma mais discreta e alcance sua posição de maneira oculta. Também é mais fácil atirar em espaços ou veículos confinados.

O diretor-gerente da TTS, Hubert Schneider, aprendeu sua profissão na antiga fábrica da Mauser em Oberndorf. No berço da tecnologia de armas de fogo alemã na Suábia, ele trabalhou no departamento de desenvolvimento da Rheinmetall Waffen und Munition GmbH até sua aposentadoria.

A IEA Mil-Optics GmbH de Nagold é a parceira de vendas dos inovadores sistemas de armas TTS. Os pedidos podem ser feitos imediatamente.

O TTS Xceed é o resultado de muitos anos de experiência no desenvolvimento e produção de rifles esportivos e de precisão. Um sistema de sniper com uma ampla gama de recursos técnicos, uma estrutura modular e amplas opções de configuração.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A history of the Military Sniper,
Martin Pegler.

Leitura recomendada:


FOTO: Sniper com baioneta calada, 9 de dezembro de 2020.



FOTO: Armada & Perigosa, 11 de fevereiro de 2021.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

sábado, 4 de dezembro de 2021

GALERIA: Tavor georgiano

Desfile das Forças Especiais da Polícia da Geórgia celebrando o Dia da Independência em 26 de maio de 2004.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de dezembro de 2021.

O primeiro usuário de exportação do fuzil de assalto bullpup israelense Tavor TAR-21 foram as Forças Especiais da Polícia da Geórgia, com os georgianos encomendando o primeiro lote em 2001, um ano antes da Índia, o primeiro grande operador. Os fuzis georgianos foram recebidos em 2003, e os indianos em 2005. Os fuzis Tavor encomendados tanto para a Geórgia quanto para a Índia foram produzidos pela empresa estatal Israel Military Industries (IMI).

Os TAR-21 da Geórgia são calibrados em 5,56mm padrão, apesar da possibilidade de serem calibrados no 5,45mm já em estoques herdados da União Soviética.

Operadores georgianos com o TAR-21.

Símbolo da IMI no TAR-21 georgiano, em calibre 5,56mm.

Também conhecida como Ta'as (hebraico: תעש, התעשייה הצבאית), a IMI foi uma fabricante de armas israelense fundada em 1933, antes mesmo da criação do Estado de Israel, e cujas armas portáteis são muito populares em todo o mundo até os dias de hoje. Em 2005, a sua Divisão de Armas Portáteis (Divisão Magen) foi privatizada para a holding privada israelense SK Group e renomeada Israel Weapons Industries (IWI), enquanto o resto da empresa foi rebatizada IMI Systems. A IWI faz parte de um grupo de empresas que desenvolve e fabrica uma grande variedade de armas e fuzis usados por exércitos e agências de segurança pública em todo o mundo.

Em 25 de novembro de 2018, a Elbit Systems concluiu a aquisição da IMI Systems e a renomeou para Elbit Systems Land.

Operadores desfilando com os AK74 da era soviética.

Operadores posando com fuzis AK74, Tavor TAR-21 e Dragunov.

Leitura recomendada:


quinta-feira, 14 de outubro de 2021

GALERIA: Fuzileiras navais chinesas com camuflagem improvisada

Close-up de uma fuzileira mirando seu QBZ-95.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 14 de outubro de 2021.

Em um exercício de fotografia para propaganda, essas fuzileiras são capturadas em diferentes posições de combate com camuflagens improvisadas sobre o conspícuo camuflado azul da marinha chinesa comunista.

Um uniforme chamativo como esse permaneceria destacado, mesmo com as plantas no uniforme. A montagem é específica para fins de propaganda e recrutamento, com vários close-ups das belas fuzileiras. As fotos foram postadas no site governamental O Diário do Povo Online (People's Daily Online.cn) em 14 de outubro de 2015.

O fuzil utilizado pelas militares é o QBZ-95, de formato bullpup. Seu nome é tanto Fuzil Automático Tipo 95 (95 Shì Zìdòng Bùqiāng95式自动步枪) quanto QBZ-95, sua designação. A designação do fuzil "QBZ" significa "arma leve (Qīng Wŭqì) - fuzil (Bùqiāng) - automático (Zìdòng)", de acordo com os padrões de codificação da indústria de defesa chinesa.

As fuzileiras navais do PLA usam materiais disponíveis, como grama e folhas, para camuflagem no treinamento de campo.








Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

Leitura recomendada:



quarta-feira, 15 de setembro de 2021

FOTO: Forças especiais sul-africanas e paraquedistas chineses

Paraquedista chinês instruindo sobre a desmontagem do QBZ-95-1, Hubei, China, 2017.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 15 de setembro de 2021.

Instrução conjunta entre forças especiais sul-africanas e os novos paraquedistas chineses ocorrida em Hubei, na China, em 2017. O paraquedista chinês está aconselhando um sul-africano durante um treinamento de montagem e desmontagem do fuzil bullpup chinês QBZ-95-1. Este fuzil modular tem as versões padrão QBZ-95-1, fuzil-metralhador QBB-95 e a versão sniper QBU-88. O exercício de treinamento visava o evento de Pelotão Aerotransportado dos Jogos do Exército Internacional (IAG) de 2017. O exercício em seguida teve um salto de paraquedistas chineses e estrangeiros de helicópteros. A presença de sul-africanos é parte da atual expansão chinesa na África.

Apesar de puxarem linhagem para uma unidade da Guerra Civil Chinesa, a criação de forças paraquedistas na China vermelha é um evento recente. Na verdade, os chineses ainda estão aprendendo o savoir faire do emprego de paraquedistas, tanto no nível tático quanto na organização estratégica do lançamento e manutenção de forças aerotransportadas. A China Nacionalista, atual Taiwan, teve uma pequena força paraquedista na década de 1940, formada pelos americanos durante a guerra contra os japoneses. As forças paraquedistas da China comunista foram formadas na década de 1950 depois da Guerra da Coréia.

A insígnia do Corpo Aerotransportado do braço direito.

Em 16 de setembro de 1950, a Força Aérea (PLAAF) formou sua primeira unidade de campanha, a 1ª Brigada de Fuzileiros Navais da PLAAF, recrutando seis mil soldados experientes em todo o 40º Corpo do PLA. A brigada estava sediada em Kaifeng, província de Henan. Posteriormente, a designação da unidade mudou várias vezes, tornando-se a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais da Força Aérea, a Divisão de Paraquedas da Força Aérea e, em seguida, a Divisão Aerotransportada. Em maio de 1961, a Comissão Militar fundiu duas das três divisões de infantaria do 15º Corpo, o 44º e o 45º, com a divisão aerotransportada existente da PLAAF, para criar o 15º Corpo Aerotransportado da PLAAF. Todas as unidades de paraquedistas das forças armadas chinesas estão sob o comando da PLAAF.

Na década de 1960, quando o comandante-em-chefe da PLAAF, General Liu Yalou, foi incumbido de criar um corpo aerotransportado, ele recebeu uma pequena lista das unidades de elite do PLA, incluindo o 38º e o 15º corpos. Ele escolheu o 15º Corpo de Exército por sua atuação destacada na Batalha de Triangle Hill (outubro-novembro de 1952), na Guerra da Coréia. Durante a reestruturação do PLA em 1985, o 15º Corpo Aerotransportado foi reduzido a três brigadas. Na década de 1990, o conceito de Guerra Popular do PLA foi substituído pelo conceito de Guerra Limitada de Alta Intensidade. Isso, por sua vez, resultou em um retorno a uma estrutura de tamanho de corpo de três divisões com um aumento geral de 25% na força do 15º Corpo.

Em 1985, a maioria dos soldados do 15º Corpo de Exército eram paraquedistas comuns treinados para tarefas de apoio geral em uma campanha do exército combinado. Apenas 17% deles eram paraquedistas especializados. No entanto, essa porcentagem agora aumentou para 43% e os paraquedistas comuns caíram de 53% para 23%. O objetivo desse aumento na porcentagem de paraquedistas especializados era transformar o 15º Corpo Aerotransportado em uma força de armas combinadas, em vez de apenas uma força de infantaria móvel. Tornando-se assim mais capaz de conduzir operações independentes em um conflito limitado, mas altamente tecnológico.

Em maio de 1989, a 43ª e a 44ª Brigadas de Paraquedistas do 15º Corpo Aerotransportado foram desdobradas em Pequim para fazer cumprir a lei marcial e suprimir os protestos da Praça de Tiananmen de 1989. O 15º Corpo Aerotransportado foi rebatizado de Corpo Aerotransportado da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo em abril de 2017; consistindo em 9 brigadas atualmente, reorganizadas de suas antigas três divisões e outras unidades de apoio.

Atualmente, o Corpo Aerotransportado da PLAAF foi elevado ao status de força estratégica. É uma partida do conceito de força aerotransportada tradicional do PLA. A mudança doutrinária da modernização permite que o Corpo Aerotransportado da PLAAF atue como uma força principal empregada para missões de campanha independentes em guerras futuras. Agora é aceito que as tropas aerotransportadas devem ser usadas para ataques preventivos aos principais alvos militares do inimigo na área de retaguarda, a fim de paralisar ou interromper sua preparação para uma ofensiva.

Esse tipo de missão em grande escala não pode ser conduzido sem um controle total do ar. Além disso, uma capacidade de carga única de 50.000 homens é necessária para este tipo de missões. Atualmente, a PLAAF pode transportar apenas uma divisão de 11.000 homens com tanques leves e artilharia autopropulsada. O quartel-general do Corpo Aerotransportado da PLAAF fica em Xiaogan, ao norte de Wuhan, em Hubei. As divisões aerotransportadas estavam localizadas da seguinte forma: a 43ª Divisão estacionada em Kaifeng, Henan (127ª e 128ª Infantaria Aerotransportada e 129º Regimentos de Artilharia Aerotransportada) e as 44ª e 45ª Divisões também na área de Wuhan em Guangshui e Huangpi.

Os paraquedistas usam um camuflado azul semelhante àquele dos fuzileiros navais como símbolo de status.

Cada vez mais o foco será colocado em assaltos helitransportados, em oposição aos tradicionais lançamentos de paraquedas. Durante uma série de exercícios, o Corpo Aerotransportado da PLAAF demonstrou que pode mover um regimento reforçado de paraquedistas com veículos blindados leves para qualquer lugar dentro da China em menos de 24 horas. Esses exercícios também mostram que um grande número de parapentes está em uso.

Os paraquedistas chineses ainda não possuem honras de batalha, não tendo experiência real de combate. Portanto, os chineses tentam medir sua eficiência por meios das muitas competições militares na região, especialmente os Jogos Internacionais do Exército na Rússia - famoso pelo Biatlo de Tanques.
  • Em 2015, paraquedistas chineses conquistaram o primeiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército, que aconteceram na Rússia.
  • Em 2016, os paraquedistas chineses ficaram em terceiro lugar nos Jogos Internacionais do Exército.
  • Em 2017, uma equipe chinesa de paraquedistas ficou em primeiro lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos do Exército Internacional de 2017. As tropas aerotransportadas chinesas conquistaram o primeiro lugar em 11 dos 12 eventos.
  • A Rússia ficou em segundo lugar e o Cazaquistão em terceiro, a mídia foi informada no centro de imprensa do concurso.
  • A equipe chinesa marcou 62 pontos, enquanto a equipe russa marcou 50 pontos. A equipe do Cazaquistão marcou 42 pontos.
  • Em 2018, uma equipe de paraquedistas chineses ficou em segundo lugar na competição Pelotão Aerotransportado nos Jogos Internacionais do Exército de 2018.
Bibliografia recomendada:

A Military History of China.
David A. Graff e Robin Higham.

China's Incomplete Military Transformation:
Assessing the Weaknesses of the People's Liberation Army (PLA).

South African Special Forces.
Robert Pitta & J. Fannell, e 
Simon McCouaig.

Leitura recomendada:

As Forças Armadas chinesas têm uma fraqueza que não podem consertar: nenhuma experiência de combate, 26 de janeiro de 2020.

LIVRO: Forças Terrestres Chinesas, 29 de março de 2020.








domingo, 25 de julho de 2021

Avaliação do IWI Tavor das Forças de Defesa de Israel

A verdadeira arma IDF.
O IWI os está replicando nos Estados Unidos e você pode comprar um. Loira não incluída.

Por Jacob Epstein, Guns America, 8 de fevereiro de 2015.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de julho de 2021.

O Tavor é um fuzil que está nos olhos do público há alguns anos. É admirado por seu serviço militar nas Forças de Defesa de Israel, bem como por sua função avançada e forma inovadora. Desde o seu lançamento em 2003, este fuzil tem sido um objeto de desejo de muitos atiradores americanos. Todos nós queríamos um Tavor, mas não conseguíamos em solo americano; felizmente, a IWI reconheceu a demanda e desenvolveu algumas novas versões para o mercado americano. Houve algumas pequenas alterações, mas conseguimos nossos Tavors. No entanto, para entusiastas como eu, o modelo SAR de topo reto não era suficiente; eu queria que minha arma parecesse e funcionasse exatamente como o Ctar das IDF. Eu queria o mais próximo que pudesse chegar da arma que serve tão bem a Israel. Eu queria o IWI Tavor SAR IDF16.

O IDF16 é a versão americanizada do Tavor original utilizado pelas forças de defesa israelenses. Ele sofreu algumas pequenas modificações para torná-lo compatível com os regulamentos estabelecidos para o mercado dos EUA. O cano de 16,5" impede que seja um SBR [Short-barreled rifle / fuzil de cano curto], e é apenas semiautomático. Ainda assim, a arma permanece fiel ao ajuste, forma e função do fuzil de escolha das IDF.

O novo IDF Tavor. Mais cano. Menos fogo selecionado. Sem loira.

A arma vem de fábrica pronta para o serviço. Nada sobre esta arma está em construção. Nada está faltando em forma ou função. Cada centímetro deste fuzil serve a um propósito; não há espaço desperdiçado para citar.

Todas as suas peças são construídas de acordo com as especificações do padrão militar israelense e revestidas com acabamentos resistentes à corrosão para garantir longevidade. O corpo do fuzil é feito de polímero de alta resistência ao impacto que permite que você se encaixe em um fuzil sem medo de metal quente ou frio e sem arestas afiadas ou ângulos estranhos.

No topo do Tavor está um conjunto otimizado de miras de ferro que se dobram perfeitamente, e o fuzil é coroado por uma mira reflexiva Mepro-21. As miras de ferro são totalmente ajustáveis e iluminadas com uma inserção de trítio, tornando-as utilizáveis em situações de pouca luz (e mesmo sem luz). Para aqueles acostumados com as miras de ferro robustas encontradas no mercado de reposição AR-15, as miras do Tavor parecerão fracas. Mas elas resistem ao abuso e, especialmente no modelo IDF, são puramente um último recurso.

O retém atrás do carregador libera o ferrolho.

A mira reflexiva Mepro-21 é uma mira óptica não-ampliada que utiliza fibra óptica e trítio para oferecer uma opção iluminada que não requer baterias ou interruptores liga/desliga. Sempre ligado, sempre pronto, o Mepro-21 é uma excelente óptica com capacidades de precisão de combate mais que suficientes. Com a adição de uma lupa Mepro MX3, o Mepro-21 seria facilmente capaz de acertar alvos do tamanho de um homem a até 300 metros.

O fuzil funciona com um sistema de pistão a gás de longo curso que mantém a ação limpa e torna o fuzil extremamente confiável. É uma afirmação ousada dizer que o Tavor é mais confiável do que a concorrência. Direi que este não é meu primeiro Tavor. Eu nunca experimentei uma engripagem nos milhares de tiros que lancei no campo de tiro com os Tavors que atirei e possuí. As armas continuam funcionando independentemente da dieta ou das condições a que são submetidas.

Há outro benefício para o Tavor. Com um pouco de tempo de bancada (e um ferrolho para canhotos), a arma pode ser completamente transformada em um fuzil canhoto. A segurança, a alavanca de manejo e a ejeção podem ser viradas para o lado oposto do fuzil.

A arma é fácil de desmontar em primeiro escalão.

Atirando com o bullpup

Não há muito espaço na frente da arma para segurar as mãos, e a empunhadura C por cima é totalmente impossível.

Atirar com o Tavor vai parecer estranho para os novos na plataforma. Por causa do design bullpup, leva tempo e treinamento para ficar confortável com o fuzil. Bullpups sempre representaram um desafio em ergonomia; historicamente, eles sempre foram rápidos na ação, mas lentos na manipulação. O Tavor quebra a maior parte desse molde, mas ainda requer treinamento e a aceitação dos contratempos que os bullpups costumam sofrer. As recargas serão mais lentas do que em seu AR-15. Com prática regular e rigorosa, você pode ganhar velocidade.

Depois de se acostumar com o novo manual de armas e a ergonomia, a arma começa a brilhar. Tem um cano de 16,5 polegadas (42cm) e um comprimento total de 26,5 polegadas (67cm). A arma é compacta, com comprimentos próximos àqueles SBR sem o incômodo de selos fiscais. Este comprimento manterá as balas se movendo a 3.000fps ou melhor, exatamente como as carabinas AR que foi projetada para substituir.

O modelo IDF testado para este artigo apresentou um desafio. Normalmente gostamos de processar números e compilar alguns dados básicos de precisão. Atirar em grupos apertados com uma mira reflexiva não ampliada não é realmente minha praia. A 100 metros, obtive resultados próximos da marca de seis polegadas (15cm). Com uma óptica ampliada, tenho certeza de que os grupos ficariam muito mais próximos nas distâncias mais longas. A precisão também é restringida pelo gatilho do Tavor, que aciona com 11 libras (5kg), e o grande retículo do Mepro-21. Uma dica para quem está atirando no modelo IDF é usar a parte superior do triângulo como um ponto de mira mais preciso. Cobrir um alvo do tamanho de um tronco humano a 100 metros é fácil de fazer rapidamente, mas se você está procurando um posicionamento mais preciso do tiro, concentre-se na ponta do triângulo.

De 100 metros, o retículo é muito grande para um trabalho cirúrgico.

Use a ponta do triângulo e você verá melhores resultados. Isso exige que a óptica esteja correta.

Aproximando-se dos alvos, o fuzil começa a se destacar. Bullpups foram projetados para ambientes fechados. O Tavor não é exceção. Ele aponta naturalmente. A maior parte do peso está voltada para a parte traseira do fuzil contra o atirador, o que evita que você se canse com a mesma rapidez. A distribuição de peso permite que o atirador atinja os alvos com uma mão. A arma permanece eficaz enquanto a mão esquerda está ocupada abrindo portas ou pegando carregadores. Seu comprimento total curto torna a manobra em torno de obstáculos tão fácil quanto ficar a um braço de distância. Eu tenho 1,72m. Se eu estiver a mais de um braço de distância de um alvo, posso levantar o fuzil e atacar sem recuar.

A partir de 100 metros, o Tavor é eficaz. Uma óptica magnificada pode ajudar a agrupar os tiros. A arma tem muito mais potencial de longo alcance do que a óptica.

De 25 metros.

O fuzil acerta o alvo com precisão prática. De perto, o gatilho pesado e o retículo grande parecem perfeitamente naturais. Este tem sido um argumento controverso para alguns de nós da GunsAmerica. Todos nós já tivemos alguma experiência com o Tavor. Embora todos respeitem o fuzil, alguns possuiriam apenas modelos com um novo gatilho. Outros gostam da sensação do gatilho de coronha e vêem seu puxão pesado como uma espécie de pseudo-segurança, porque você realmente tem que puxar o gatilho para disparar. A ideia é mais ou menos assim: em cenários próximos, em que você avalia os alvos rapidamente, um puxão forte pode impedi-lo de puxar o gatilho reflexivamente no momento em que um alvo (potencialmente inócuo) se apresenta.

Acho o gatilho obscenamente pesado, quase a ponto de se tornar contraproducente. Gostaria de ver um pacote de gatilho de fábrica da IWI para clientes não-militares/LE que forneça aos usuários que não precisam de confiabilidade no campo de batalha uma opção de fábrica. Mas existem ótimas opções de pós-venda da Geisselle e da Timney, então é uma solução fácil, caso você queira.

Esta alavanca aqui atrás da mão deixa cair o carregador (neste caso, um carregador de 9mm - mais sobre isso em um momento).

Passando pelo gatilho por um momento…. Vamos voltar à ergonomia. Dê este fuzil a um novo atirador que não tem experiência na plataforma AR e ele terá pouco do que reclamar. Qualquer pessoa familiarizada com o FS2000 ou um Steyr AUG apreciará a arma pela facilidade de uso dos controles. O Tavor é simplesmente o Bullpup mais prático do mercado, mas isso não significa que o fuzil seja perfeito.

A posição do retém do carregador atrás da mão do atirador requer que você use um gesto de mão não-ortodoxo para soltar o carregador, ou remover o carregador com a mão de apoio. É fácil aprender o exercício, mas não tão fácil quanto em um AR-15, onde você pressiona um botão com o dedo no gatilho e dá um pequeno giro na arma.

Versão 9mm

Para esta avaliação, solicitei que a IWI enviasse o kit de conversão de 9mm também. Converter o fuzil em uma carabina de calibre de pistola leva cerca de 15 minutos para ser concluído e é fácil o suficiente para que até o novato seja capaz de fazê-lo.

Depois de dominar o 5,56, o 9mm é uma troca fácil. Quase todos os detalhes permanecem os mesmos. A carabina de 9mm tem o mesmo puxão de gatilho, peso e manual de armas.

O kit de conversão de 9mm.

O 9mm alimenta-se por carregadores de submetralhadora Colt modificadas e funcionou perfeitamente. É uma melhoria em relação à maioria das carabinas de calibre de pistola. Quando a última munição é disparada, o ferrolho trava à retaguarda. O carregador de 9mm cai livremente. O compartimento chanfrado do carregador facilita a recarga.

A precisão com a conversão de 9 mm foi mais do que eficaz em combate; um grupo de 5 tiros apoiados a 25 metros deu um buraco irregular no papel. Os grupos eram consistentes e mantidos em torno de 1 a 1,5 polegadas (2,52-3,81cm).

O kit de conversão de 9mm transforma o Tavor em uma carabina de calibre de pistola viável, mas na verdade é uma ferramenta de treinamento. Assim que a conversão for concluída, você pode treinar com seu Tavor em 9mm em vez de 5,56. Seria mais fácil para a sua carteira e mais fácil para os alvos de aço.

O kit de conversão de 9mm custa US$ 900 e oferece uma opção de baixo custo quando se trata de munição. Se você é um atirador de alto volume, este kit pode valer seu alto preço.

O Preço

O IDF16 tem um MSRP (Manufacturer's Suggested Retail PricePreço de varejo sugerido pelo fabricante) de US$ 2.599. Ele está vendendo perto de US$ 2.200. E o modelo IDF certamente agradará o colecionador. Para estudantes de história militar contemporânea, o IDF16 falará por si.

Acho que o Tavor é uma ótima solução para atiradores em busca de uma arma com a qual possam viajar, treinar e carregar consigo. Cabe sob a bancada do seu caminhão ou em uma discreta bolsa de transporte. De todas as carabinas de tamanho normal, o Tavor pode ser o mais fácil de esconder à vista de todos. Ele vai agradar a qualquer pessoa que esteja procurando um fuzil pronto para a batalha logo que sai da caixa. É prático, testado e está pronto para qualquer tarefa que você desejar.

A conversão de 9mm requer algumas ferramentas básicas.

Aqui você pode ver como a óptica se ajusta ao cilindro e não ao receptor (caixa da culatra).

Transferir a ótica para o cano de 9mm é bastante fácil.

O bloco do carregador de 9mm desliza para o compartimento do carregador existente.

O novo carregador e um novo defletor de projéteis.

O Tavor convertido parece estranho, mas funciona bem.

A precisão do 9mm é sólida.

Mantenha a mão de tiro longe do retém do carregador.

O Tavor.

A luz compensada torna-o ainda mais eficaz à noite e para a defesa doméstica.

Com a seção de trilho A*B Arms abaixo do cano, você tem ainda mais espaço para adicionar extras.

Com o retículo de triângulo largo, o IDF16 dificilmente é uma arma de bancada.

As miras de ferro saltam da armação.

O pacote de gatilho é facilmente removido e substituído por itens Geissele ou Timney.

O peso do Tavor está centralizado próximo à parte traseira, o que torna muito mais fácil segurá-lo no alvo.

As carregadores caem livremente quando a palma da sua mão pressiona esta alavanca na frente do carregador.

A ejeção acontece aqui, sobre o seu braço.

O Mepro-21 no topo é montado no cano. É uma mira grande, mas incrivelmente fácil de usar.

Características técnicas:

Calibre: 5,56 NATO.
Ação: Semi-automática.
Sistema operacional: ferrolho rotativo fechado, curso longo à gás na cabeça do pistão.
Material do cano: cão forjado à frio, CrMoV, cromado.
Comprimento do cano: 46cm.
Comprimento total: 68cm.
Peso: 3,85kg.
Raiamento: à direita, 6 ranhuras, torção de 1:7 polegadas.
Cor de fábrica: preto.
Tipo de coronha: configuração bullpup de polímero reforçado.
Miras: Mira reflexiva Meprolight Mepro M21 mais mira frontal dobrável (lâmina) com inserção de trítio e alça mira (abertura).
Preço - US$ 2.599.

Leitura recomendada:

Micro Tavor VS M4/M16, 5 de março de 2020.

O Galil ARM, 14 de junho de 2020.


FOTO: Fuzis dourados na Tailândia, 30 de janeiro de 2020.

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.



GALERIA: O FAMAS em Vanuatu, 22 de abril de 2020.

GALERIA: Exercício "Shamrakh 1", 12 de março de 2020.