Mostrando postagens com marcador Bullpup. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bullpup. Mostrar todas as postagens

sábado, 11 de junho de 2022

Proteja o nosso Estado: A Companhia de Infantaria da Força Móvel de Vanuatu

"Proteja o nosso Estado".

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 11 de junho de 2022.

"Proteja o nosso Estado", o lema da Companhia de Infantaria da Força Móvel de Vanuatu colocado entre dois fuzis FAMAS na sua insígnia. Por sua tradição colonial compartilhada pela França e Grã-Bretanha, os soldados de Vanuatu adotaram o famoso bullpup francês em 2009. A insígnia da Infantaria é composta por dois fuzis FAMAS sobre uma baioneta.

A Força Móvel de Vanuatu (VMF) é um pequeno corpo móvel de 300 voluntários que compõe as forças armadas de Vanuatu, tendo sido criada no ato de independência em 30 de julho de 1980. Sua principal tarefa é apoiar a Força Policial de Vanuatu, mas em caso de ataque, a VMF atuará como a primeira linha de defesa do pequeno país; seu comandante desde 2015 é o Coronel Robson Iavro.

Desfile da tropa com FAMAS numa avenida


Em 1994, a VMF desdobrou 50 homens para a Papua Nova Guiné, realizando assim a sua primeira missão de manutenção da paz.

Sendo uma força pequena e profissional, a VMF tem a tradição de destacar-se em exercícios de tiro, onde seus soldados demonstração excelente proficiência na sua pontaria.

O FAMAS com soldados da FMV durante o exercício Croix du Sud, em 2018.

A VMF foi treinada, no ato da sua criação, pela Força de Defesa da Papua Nova Guiné (Papua New Guinea Defence Force, PNGDF), treinamento este pago pelas forças armadas australianas. Inicialmente armada com o fuzil SLR 1A1 australiano, a versão imperial do venerável FAL, a VMF o substituiu pelo FAMAS F1 em 2009.

A VMF foi particularmente bem no exercício Croix du Sud 2016, com o 2º Tenente Johnny Kakor, comandando um pelotão de 30 homens da Força Móvel e da Ala Marítima, comentando que na segunda semana, o pelotão passou por uma série de exercícios de rebelião e obstáculo que ocorreram em terra e no mar, e estabeleceram um tempo recorde de 1 hora e 24 minutos, atrás do tempo de 1 hora e 15 minutos dos britânicos.

"Tivemos 12km de marcha, que os rapazes concluíram quando se adaptaram bem ao clima e depois tivemos o tiro ao alvo e o ataque. No tiro ao alvo de 100-450 metros (alvo dos atiradores de elite), nosso primeiro grupo derrubou todos os alvos; portanto, tivemos que esperar que os próximos alvos fossem colocados pela segunda vez e nosso último grupo atirou em todos eles, o comandante da companhia que cuidava nos avaliava disse que dos 12 países, Vanuatu foi o melhor [no tiro].”
- 2º Tenente Johnny Kakor.

O Tenente-Coronel Terry Tulang, então comandante da VMF, congratulou as tropas: “Estou muito satisfeito com o desempenho geral do pelotão, eles tiveram um desempenho excelente e lideraram o tiro de fuzil, e sei que os rapazes aprenderam novas habilidades para melhorar e fornecer melhor segurança ao nosso país. Estamos ansiosos por outro Croix du Sud em 2018 ”.

O Coronel Tulang também confirmou que o treinamento foi financiado pelo governo da França, com os custos de viagem e acomodação cobertos pelo país anfitrião, com material de comunicações sendo pego emprestado dos países amigos.

Leitura recomendada:

quarta-feira, 4 de maio de 2022

O Vektor CR-21 plotado na Venezuela

Militares venezuelanos da FANB, um deles com o fuzil Vektor CR-21, 2018.

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 4 de maio de 2022.

O Vektor CR-21 (Combat Rifle 21st Century / Fuzil de combate do século XXI) é um protótipo de fuzil de assalto sul-africano calibrado para a munição 5,56×45mm OTAN. É um fuzil raro de se ver e é mais outro fuzil incomum aparecendo em mãos venezuelanas.

Ele foi projetado pela Denel Land Systems como um possível substituto para o atual fuzil de assalto R4, uma cópia do Galil israelense de dotação da Força de Defesa Nacional da África do Sul; no entanto, a Denel Land Systems desde então mudou o foco para oferecer um fuzil de assalto R4 atualizado para a SANDF ao invés de um fuzil novo.

Soldado venezuelano com um Vektor CR-21.

O Vektor CR-21 é extremamente raro e ficou famoso pela sua aparição no filme de ficção científica sul-africano Distrito 9 (District 9, 2009). No filme, o fuzil de aparência futurista é usado pela força de intervenção rápida e é pintado de branco. Ao que se sabe, o Grupo de Acciones Comando da Guardia Nacional Bolivariana (GNB) comprou um lote para avaliação e os manteve em serviço em serviço tal qual ocorreu com outro bullpup, o FAMAS, que foi adquirido da mesma forma pelo exército.

Instrutor dos Comandos da GNB com um Vektor CR-21, 2013. 

Militares da GNB escoltando um prisioneiro em 2021.
O homem da esquerda tem um Vektor.

Detalhe com o Vektor CR-21.

Leitura recomendada:

segunda-feira, 14 de março de 2022

O fuzil bullpup indígena "Malyuk" da Ucrânia é a arma de escolha para seus operadores especiais


Por Joseph Trevithick, The Warzone, 11 de março de 2022.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 14 de março de 2022.

Armas estrangeiras podem estar recebendo a maior parte da atenção, mas o Malyuk, projetado domesticamente pela Ucrânia, está sendo usado principalmente por unidades de elite, entre outras.

O conflito na Ucrânia está rapidamente se tornando uma espécie de vitrine para armas de infantaria estrangeiras, especialmente vários sistemas antiaéreos e anti-blindagem disparados pelo ombro. Discussões subsequentes sobre esses envios de ajuda militar ofuscaram amplamente o uso de armas desenvolvidas internamente pelas forças ucranianas, muitas das quais são relativamente obscuras fora do país. Isso inclui um fuzil conhecido comumente como Malyuk, um projeto com a configuração bullpup que está sendo muito usado por unidades das forças de operações especiais ucranianas, entre outros.

Malyuk, uma palavra ucraniana que é traduzida como "bebê" ou "jovem" em inglês, é na verdade o nome dado a um protótipo desta arma, que uma empresa chamada InterProInvest (IPI) revelou pela primeira vez em 2015. A empresa atualmente comercializa este fuzil de assalto como o Vulcan ou Vulcan-M, mas ainda é regularmente referido pelo seu apelido original.

O Mayluk não é um projeto totalmente novo. É efetivamente um fuzil padrão da série AK "reembalado" dentro de um novo chassis que produz uma arma que tem um cano de 16,3 polegadas (41,4cm), tem cerca de 71 centímetros no total e pesa pouco menos de 3,82kg vazio. Como os fuzis do padrão AK em que se baseiam, as versões estão disponíveis para disparar munição 7,62x39mm e 5,45x39mm projetada pelos soviéticos, bem como o padrão da OTAN 5,56x45mm, e elas podem usar qualquer carregador AK existente apropriado. A parte superior da caixa da culatra tem um comprimento de trilho Picatinny padrão americano que permite a fixação de várias miras óticas e há outro sob a frente para alças verticais e outros acessórios. Existem outros pontos de fixação nas laterais para lasers e lanternas, e a IPI oferece um supressor de som projetado especificamente para essa arma.

A coisa mais importante sobre o projeto do Mayluk é que ele tem uma configuração bullpup, em que o núcleo do mecanismo de operação principal, juntamente com o carregador que alimenta a munição, está posicionado atrás da empunhadura. A maioria dos fuzis militares modernos que se alimentam de carregadores destacáveis colocam tudo isso na frente da empunhadura.


A principal ideia por trás da configuração bullpup é reduzir o comprimento total, tornando a arma mais prática em espaços confinados, sem necessariamente sacrificar o comprimento do cano. Um cano mais curto normalmente se traduz em balística mais pobre e menor precisão, já que a bala tem menos tempo para aumentar a velocidade e se estabilizar antes de sair do cano.

A IPI diz que seu novo "chassis", que faz uso pesado de material polimérico, também é especialmente projetado para garantir que o calor irradiado do cano após o disparo seja suficientemente dissipado. A configuração bullpup significa que a maior parte do cano, que fica mais quente à medida que a arma é disparada, fica bem no centro da arma.

Um gráfico mostrando como o Malyuk é projetado para transferir calor, mostrado em azul, do cano, em vermelho, para fora da arma.

Ao mesmo tempo, um desenho bullpup introduz novas complexidades que podem afetar o desempenho do operador. Neste último caso, o principal problema é que um fuzil moderno típico ejeta cartuchos deflagrados para um lado, geralmente para a direita, já que a maioria dos atiradores é destra. Isso não é necessariamente um problema para atiradores canhotos ou indivíduos que mudam da mão direita para a esquerda devido a circunstâncias operacionais, como a necessidade de atirar em uma esquina, ao usar um desenho não-bullpup.

Um bullpup, como o Malyuk, que não possui algum tipo de mecanismo de ejeção especializado como um defletor montado na parte anterior da janela de ejeção, provavelmente cuspirá estojos quentes bem na cara do operador que tentar atirar com o ombro esquerdo. O IPI diz que o Malyuk pode ser configurado para ejetar do lado esquerdo, se desejado, mas essa não é uma mudança que parece ser possível fazer prontamente em campo e certamente não é algo que possa ser feito em tempo real.

Debates duraram anos nos círculos de tiro profissional e casual sobre os prós e contras dos bullpups. Um número relativamente pequeno de forças armadas no mundo já fez uso de armas nesta configuração como seu fuzil de infantaria padrão e, mesmo assim, algumas unidades de elite em alguns desses países ainda evitaram essas armas. Algumas nações, desde então, voltaram inteiramente a projetos mais convencionais. Para a Ucrânia, embora as autoridades do país tenham anunciado em 2016 que o Malyuk havia passado nas avaliações estatais, seu uso por ramos das forças armadas e outras forças de segurança do governo permanece limitado.


Pelo que vimos desde o início da invasão da Rússia em fevereiro, o pessoal das forças de operações especiais ainda são o principal usuário dessas armas. Uma foto que surgiu nas mídias sociais, vista abaixo, mostra um operador especial com um Malyuk e um fuzil russo AK-12 capturado, que cada vez mais se torna um troféu de escolha entre as forças ucranianas e funcionários do governo.

No início do conflito, autoridades ucranianas alegaram ter detido um grupo de "sabotadores" na cidade de Nikopol, no sul. No entanto, as fotos mostravam indivíduos vestidos e equipados como operadores especiais ucranianos, inclusive com fuzis Malyuk. Ainda não está claro se este foi um caso de identidade equivocada ou se as forças russas se disfarçaram habilmente para se infiltrar na área.

Alguns membros das Forças de Defesa Territoriais voluntárias da Ucrânia, incluindo indivíduos do controverso Batalhão Azov, ligado ao neonazismo, também foram vistos com Malyuks. No entanto, não está claro se eles foram fornecidos, mesmo em parte, pelo governo ucraniano, ou foram adquiridos comercialmente ou doados a essas unidades.

Houve relatos de que cidadãos e estrangeiros ucranianos estão se voluntariando para ajudar a defender o país em taxas tão altas que simplesmente não há armas suficientes de qualquer tipo para armá-los, e eles estão empregando uma variedade crescente de armas portáteis.

Isso, por sua vez, levou à confusão às vezes sobre se fotos e vídeos mostram indivíduos armados com fuzis Malyuk ou Fort-221. O Fort-221 é uma cópia do bullpup IWI Tavor projetado por israelenses que a empresa ucraniana RPC Fort produz sob licença. Unidades chechenas dentro da força de invasão da Rússia alegaram ter capturado estoques dessas armas durante os combates fora de Kiev.

Apesar dos prós e contras dos projetos bullpup, as forças de operações especiais da Ucrânia, que têm a opção de escolha de suas armas, agora incluindo tipos capturados, estão claramente mais do que felizes com seus Malyuks. Portanto, parece muito provável que continuemos a ver essas armas nas mãos de operações especiais e outras unidades enquanto defendem seu país, mesmo que outras armas cheguem.

FICHA TÉCNICA
Tipo: Fuzil de assalto
Configuração: Bullpup
Miras: Miras de ferro ou ópticas.
Peso: 3,2kg vazio e 3,82kg carregado.
Sistema de operação: A gás com trancamento rotativo do ferrolho.
Calibre: 7,62x39 mm, 5,45x39mm e 5,56x45mm.
Alimentação: carregadores do padrão AK ou STANAG.
Capacidade: 30 munições.
Comprimento Total: 71cm.
Comprimento do Cano: 41,4cm.
Velocidade na Boca do Cano: 715m/s (7,62x39mm) e 940m/s (5,56x45mm)
Cadência de tiro: 650 tiros/min.

                      

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

GALERIA: Snipers da Divisão Taman em Moscou


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de fevereiro de 2022.

Treinamento de atiradores de elite da Divisão de Fuzileiros Motorizados Taman, do Distrito Militar Ocidental, julho de 2021. O exercício ocorreu no campo de treinamento de Alabino, na região de Moscou, o mesmo setor onde ocorre o Biatlo de Tanques nos Jogos do Exército.

Os atiradores de elite usaram fuzis semiautomáticos SVD Dragunov, e os fuzis pesados .50 KSVK Degtyarev. O Dragunov tem uma longa e tradicional história, sendo produzido nos anos 1960 na época da União Soviética. Já o KSVK é um fuzil novo, introduzido como parte do programa Ratnik (Guerreiro) do Exército Russo. Seu nome é Fuzil Sniper de Grande Calibre Kovrov (Крупнокалиберная Снайперская Винтовка Ковровская / Krupnokalibernaya Snayperskaya Vintovka Kovrovskaya), formando o acrônimo KSVK e sendo conhecido também como "Fuzil Sniper Degtyarev".

O KSVK foi desenvolvido no final da década de 1990 pela fábrica Degtyarev, com sede em Kovrov, na Rússia; ele é baseado no fuzil experimental SVN-98 de 12,7mm. O KSV é um fuzil de repetição ferrolhado e na configuração bullpup, que é um desenho confortável para o tiro de franco-atirador. O cano é equipado com um dispositivo que atua como um freio de boca e um abafador de som. Além das lunetas, o KSVK possui miras de ferro laminado como reserva, tal qual o Dragunov. Suas variantes são os modelos:
  • SVN-98 (СВН-98),
  • KSVK (КСВК),
  • ASVK (АСВК, fuzil sniper de grande calibre do exército Kovrov) - adotado pelo Ministério da Defesa da Federação Russa sob a designação 6S8 "KORD" complexo sniper (6С8 «Корд») em junho de 2013 e usado pelo Exército Árabe Sírio durante a Guerra Civil Síria.
  • SBT12M1 - um projeto vietnamita baseado no KSVK russo com várias modificações para se adequar às condições locais. Está equipado com a mira óptica N12 também de produção vietnamita com ampliação de 10x. Fabricado nas fábricas Z111 e Z199.
  • ASVK-M Kord-M: versão atualizada.
Na Rússia, o KSVK é atualmente usado por unidades dos Distritos Militares do Sul, Leste e Oeste e da Frota do Norte. A versão melhorada ASVK-M Kord-M entrou em serviço em junho de 2018. As forças separatistas russas no leste da Ucrânia também o utilizam, e o mesmo na Síria, pelas forças leais ao governo sírio de Bashar al-Assad.





















Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

domingo, 6 de fevereiro de 2022

GALERIA: Treinamento sniper na China


Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 6 de fevereiro de 2022.

Os snipers do Contingente Jiangsu da Força de Polícia Armada do Povo Chinês (PAP) realizaram treinamento militar em 28 de abril de 2013.

Os atiradores de elite completaram 10 horas de treinamento de atiradores, incluindo tiro de precisão e emboscada para melhorar sua capacidade de combate. Eles foram fotografados realizando exercícios físicos com equipamento militar, mantendo os fuzis em posição com pesos colocados nos canos e, finalmente, atirando. Uma constante nos treinamentos de tiro chineses é colocar estojos de munição no cano do fuzil para demonstrar o equilíbrio do atirador. Os fuzis usados são o QBU-88, a versão sniper do modelo bullpup QBZ-95 chinês. 

A Força Policial Popular Armada chinesa (Polícia Armada Popular, PAP) é uma força paramilitar criada em 19 de junho de 1982, contando hoje 32 contingentes no Corpo de Guarda Interna PAP, 2 contingentes no Corpo Móvel PAP e 1 contingente no Corpo de Guarda Costeira PAP. Com 1,5 milhão de homens, a PAP é parte das forças armadas e mobilizável como reforço em caso de guerra.










Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A History of the Military Sniper.
Martin Pegler.

Leitura recomendada:

domingo, 16 de janeiro de 2022

FOTO: Operadores paquistaneses com fuzis FN F2000

Homens da Ala de Serviços Especiais da Força Aérea do Paquistão carregando fuzis FN F2000 durante um treinamento no Fort Lewis, em Washington, nos Estados Unidos, em 23 de julho de 2007.

O funcionamento do FN F2000


Leitura relacionada:

LAPA FA Modelo 03 Brasileiro, 9 de setembro de 2019.

GALERIA: O FAMAS em Vanuatu22 de abril de 2020.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Tec Target Schneider: O novo fuzil de precisão bullpup alemão

Modelo Hanna Selena com um fuzil bullpup Tec Target Schneider calibrado em .338 Lapua Magnum.
(@hanna.selena)

Por Filipe do A. Monteiro, Warfare Blog, 30 de dezembro de 2021.

Em 2020, a Tec Target Schneider (TTS) da Alemanha, e seu parceiro de vendas IEA Mil-Optics GmbH, apresentou o fuzil bullpup TTS Xceed, de longo alcance e ferrolhado. Trata-se de um desenho modular e ergonômico com uma aparência futurista, oferecendo calibre rápido e intercambiabilidade do cano. O fuzil entrou em produção na Tec Target Schneider GmbH em 2021, principalmente visando o mercado civil.

Esse novo fuzil foi projetado por Hubert Schneider, um armeiro de Baden-Württemberg que se especializou no projeto e fabricação de armas de precisão, tendo desenvolvido muitas com suas empresas anteriores, como Mauser, Rheinmetall e DSR-Precision.

O TTS Xceed tem a configuração bullpup (com a ação atrás do gatilho) de forma semelhante à plataforma DSR-1, outra plataforma sniper alemã adotada por unidades especiais européias como o famoso GSG-9 alemão. Por ser modular, existem vários comprimentos de cano, guarda-mão e calibres disponíveis; como por exemplo o 6x47 Lapua, o 6,5 Creedmoor, o .308 Winchester, o .300 Win Mag e o .338 Lapua Magnum (como na versão usada por Hanna na foto do topo).

O Xceed em valise.

O Xceed é considerado "o resultado de muitos anos de experiência no desenvolvimento e produção de fuzis desportivos e de precisão"; ele também é anunciado como um sistema de franco-atirador modular com muitas peças que podem ser trocadas por outros acessórios.

O fuzil também possui um descanso de bochecha ajustável, bem como um bipé que pode ser ajustado para comprimento e altura. O quebra-chama do fuzil é feito de titânio revestido com um carbono semelhante a diamante, enquanto o cano é revestido de aço inoxidável e pode ser alterado em minutos para um calibre diferente. A arma é fabricada em comprimentos padrão e compactos.

Bipé TTS de fábrica.

O bipé dedicado do fuzil TTS Xceed é fortemente baseado no design do bipé emitido pelo DSR-1 e pode ser considerado sua evolução direta. Ele se conecta ao trilho superior, bem na guarda-mão, pode ser reposicionado para mudar o equilíbrio do fuzil dependendo da posição de tiro, pode ser empregado de forma fácil e silenciosa com uma única mão e é facilmente ajustável.

A parte inferior do guarda-mão vem com ranhuras M-LOK, permitindo ao usuário escolher entre o bipé montado na parte superior TTS de fábrica ou outros bipés comerciais.

O Xceed possui ergonomia ajustável que pode ser manipulada sem o uso de ferramentas, com o receptor (caixa da culatra) sendo feito de alumínio. O fuzil possui um gatilho totalmente ajustável que é desenhado para o uso de luvas de inverno; uma trava de segurança ajuda a bloquear o gatilho e a câmara quando o fuzil é colocado em seguro no registro de segurança.

Desmontagem em primeiro escalão.

O comunicado de imprensa da TTS, de 25 de março de 2020, assim descreveu o novo fuzil:

TTS: Novo sistema modular de fuzil de precisão em desenho bullpup

Dietingen / Nagold (ww): A Tec Target Schneider - abreviadamente TTS - e seu parceiro de vendas I-E-A Mil-Optics GmbH recentemente apresentaram um novo sistema modular de fuzil de precisão com desenho bullpup no GPEC.

Existem vários comprimentos de cano e calibres (atualmente 6 x 47 Lapua, 6.5 Creedmoor, .308 Win, .300 Win Mag e .338 Lapua Magnum) e guardas-mão de diferentes comprimentos disponíveis para o fuzil. A arma, que pode ser operada de ambos os lados, e pode ser adaptada individualmente ao atirador. Este possui um dispositivo de segurança de três posições (disparo único, câmara de segurança / bloqueio móvel, câmara de segurança / bloqueio travado), um gatilho de acionamento, um esporão de solo e está suspenso do bipé ajustável sob o centro de gravidade. Os canos e superfícies de aço inoxidável são predominantemente revestidos com DLC. A capacidade do carregador é de cinco cartuchos.

O desenho modular da arma permite que o usuário mude o cano em poucos minutos em vários calibres e comprimentos de cano.

A vantagem do sistema Bullpup é óbvia, especialmente no campo de tiro de precisão. Apesar do comprimento do cano de precisão, a arma mantém dimensões compactas. Isso permite que o atirador de precisão os transporte de forma mais discreta e alcance sua posição de maneira oculta. Também é mais fácil atirar em espaços ou veículos confinados.

O diretor-gerente da TTS, Hubert Schneider, aprendeu sua profissão na antiga fábrica da Mauser em Oberndorf. No berço da tecnologia de armas de fogo alemã na Suábia, ele trabalhou no departamento de desenvolvimento da Rheinmetall Waffen und Munition GmbH até sua aposentadoria.

A IEA Mil-Optics GmbH de Nagold é a parceira de vendas dos inovadores sistemas de armas TTS. Os pedidos podem ser feitos imediatamente.

O TTS Xceed é o resultado de muitos anos de experiência no desenvolvimento e produção de rifles esportivos e de precisão. Um sistema de sniper com uma ampla gama de recursos técnicos, uma estrutura modular e amplas opções de configuração.

Bibliografia recomendada:

Out of Nowhere:
A history of the Military Sniper,
Martin Pegler.

Leitura recomendada:


FOTO: Sniper com baioneta calada, 9 de dezembro de 2020.



FOTO: Armada & Perigosa, 11 de fevereiro de 2021.